Derrotando os argumentos Evangélicos contra os Dogmas sobre Maria


Conceição Imaculada de Murillo

Santa Maria, mãe de Deus

As doutrinas marianas estão entre as mais difíceis das doutrinas católicas para a aceitação da maioria dos protestantes. Os fundamentalistas cristãos desaprovam qualquer argumento sobre Maria enquanto a Mãe de Deus, como Medianeira ou como a Mãe da Igreja, etc. Neste texto vamos examinar brevemente duas doutrinas marianas das quais os escritores fundamentalistas freqüentemente queixam-se: a Imaculada Conceição e da Assunção.

Exegetas católicos, ao discutirem a Imaculada Conceição, em primeiro lugar devem abordar a Anunciação. Gabriel saudou Maria dizendo: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo” (Lucas 1:28). A expressão “cheia de graça” é uma tradução do grego kecharitomene. Esta palavra representa realmente o nome próprio da pessoa a quem está sendo dirigida pelo anjo, e deve por isso expressar uma qualidade característica de Maria. Além disso, a tradução tradicional, “cheia de graça”, é mais precisa do que o encontrado em muitas versões recentes do Novo Testamento, que a traduzem como algo no sentido “filha altamente favorecida.” É verdade, Maria era uma filha altamente favorecida por Deus, mas o grego kecharitomene significa muito mais do que isso.

As traduções mais recentes deixam de fora algo que o grego transmite, algo que as versões mais antigas do português transmitem, que   esta graça (e o núcleo do termo kecharitomene, como já mostrado aqui no blog em outro post, é a palavra charis) é ao mesmo tempo permanente e de um tipo singular. O grego indica uma perfeição da graça. A perfeição deve ser perfeita não só intensamente, mas extensivamente. A graça da qual Maria gozava não deve ter sido apenas como “cheia” ou forte ou completa quanto possível, num determinado momento, mas deve ter se estendido por toda a sua vida, desde a concepção.

Ou seja, ela deve ter sido em um estado de graça santificante desde o primeiro instante de sua existência para ter sido chamada pelo Arcanjo de “cheio de graça.” Se ela fosse simplesmente “agraciada”, na conotação normal dessas palavras, o seu estado teria sido indistinguível de outras mulheres na Bíblia, como Isabel, a mãe de João Batista, ou Sarah, a esposa de Abraão, ou Anna, a mãe de Samuel, os quais, por sinal, não podiam ter filhos e foram “altamente favorecidas”, porque Deus acedeu aos seus pedidos para tererem filhos.

– A propósito, deve-se  também esclarecer  o que a Imaculada Conceição NÃO é.  Alguns não-católicos acham que o termo refere-se a concepção de Cristo no ventre de Maria sem a intervenção de um pai humano;  O nome próprio para isso é o nascimento virginal. Outros acham que a Imaculada Conceição significa que a própria Maria foi concebida “pelo poder do Espírito Santo,” na forma como Jesus foi, mas obviamente isse não é o caso . A Imaculada Conceição significa que Maria, cuja concepção foi trazida sobre a forma normal,  ou seja, foi concebida no ventre de sua mãe com a participação de seu pai, porém, sem a mancha do pecado original, uma vez que a essência do pecado original consiste na falta de graça santificante, que como sabemos não era o caso de Maria, como prova a saudação do Arcanjo Gabriel.  Maria, portanto, foi preservada de este defeito e desde o primeiro instante de sua existência ela estava em estado de graça santificante.

A razão chefe dos fundamentalistas  para recusa à Imaculada Conceição de Maria e consequente ausência de pecado, que é o que graça santificante significa, é que Maria era apenas uma criatura, e somos informados de que “Todos pecaram” (Rom. 3 : 23). Além disso, dizem eles, Maria disse que seu “espírito exulta em Deus meu Salvador” (Lucas 1:47), e apenas um pecador precisa de um Salvador. Sendo assim, os Evangélicos concluem que Maria era uma pecadora e que ela não poderia ter sido concebido imaculadamente.

Primeiro olhemos em Lucas 1:47 – A Igreja tem uma resposta simples e sensível para essa dificuldade. É o seguinte: Maria, também, necessátava de um Salvador. Como todos os outros descendentes de Adão, por sua natureza, ela estava sujeita à necessidade de contrair o pecado original. Mas por uma intervenção especial de Deus, realizada no instante em que ela foi concebida, ela foi preservada da mancha do pecado original e algumas de suas conseqüências. Ela foi, portanto, redimida pela graça de Cristo, mas de uma maneira especial, por antecipação. A doutrina da Imaculada Conceição, portanto, não contradiz Lucas 1:47.

Rom. 3:23 – Refutação do argumento Protestante

Mas o que dizer Rom. 3:23: “Todos pecaram”? Os Evangélicos fundamentalistas, como regra, acham que isso significa algo mais do que o fato de que todo mundo está sujeito ao pecado original (que é um pecado cometido não  por cada um, mas por Adão e Eva). Eles acham que significa que todos  cometeram pecados eles mesmos. Eles concluem que isso significa que Maria deve ter pecado durante sua vida, o que certamente atestaria contra uma Imaculada Conceição.

Mas é sólido esse raciocínio? Não é verdade. Pense em uma criança abaixo da idade da razão –  2 anos de idade. Por definição, ela não pode pecar, pois o pecado exige a capacidade de raciocinar e a capacidade de intenção para o pecado, discernindo o certo do errado. Se a criança morre antes mesmo de cometer um pecado, porque ela não é madura o suficiente para saber o que ela está fazendo, qual de seus atos  a enquadra sob a  interpretação protestante de Rom. 3:23? Nenhum, é claro!

Comentário de Paulo aos cristãos de Roma, portanto, parece ter um dos dois significados: Apesar da frase, pode ser que ela não se refera a absolutamente todos, mas apenas para a massa da humanidade (o que significa que crianças e outros casos especiais, como Maria, seriam excluídas da regra sem ter que serem apontadas especificamente na frase). Se não for isso, então isso significaria que todos, sem exceção, estão sujeitos ao pecado original, o que é verdade para uma criança, para o nascituro, mesmo para Maria, mas ela, embora  estivesse sujeito a ele, foi preservada de sua mancha.

Foi necessário um ato positivo de Deus para previní-la de contrair seus efeitos a maneira que contraimos. Tivemos a mancha do pecado original removida por meio do batismo, que traz a graça santificante para a alma (tornandoa alma espiritualmente viva e capaz de apreciar o céu) e faz com que a pessoa batizada torne-se um membro da Igreja. Podemos dizer que Maria recebeu um tipo muito especial de “batismo” na sua concepção, porém, porque ela nunca contraiu pecado original, ela desfrutava de certos privilégios que nós nunca podemos, tal como a prevenção de todo pecado.

Na ocasião, ninguém vai ouvir que a Imaculada Conceição não pode ser enquadrada com a descrição de Maria de si mesma: “ele olhou graciosamente na humildade da sua serva” (Lucas 1:48). Como ela pode ser humilde se ela fosse, como os católicos dizem, a maior criatura? Se ela entendeu-se ser humilde, não quer dizer que ela compreendeu-se como pecadora?

A chave é que o pecado não é o único motivo para a humildade. Comparado a Deus, qualquer criatura, não importa o quão perfeito, é humilde, inclusive Maria. Jesus, referindo-se a sua natureza humana, disse: “Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11:29). Certamente ele era sem pecado, e se ele poderia descrever-se como humilde, não pode haver nenhum argumento contra Maria descrevendo-se da mesma maneira.

A doutrina da Imaculada Conceição foi definida oficialmente pelo Papa Pio IX em 1854. Quando os fundamentalistas afirmam que a doutrina foi “inventada” neste momento, eles não compreendem tanto a história dos dogmas quanto os motivos que impelem a Igreja a emitir, ao longo do tempo, os pronunciamentos definitivos sobre fé ou moral. Eles estão sob a impressão de que nenhum dogma existia até o papa ou um concílio ecumênico fizesse uma declaração formal sobre isso.

Na verdade, os dogmas são definidos formalmente apenas quando há uma controvérsia que precisa ser esclarecida, ou quando o magistério (o Magistério da Igreja) acredita que o fiel pode ser ajudado por um destaque especial atraído por alguma crença já existente. A definição da Imaculada Conceição foi solicitada pelo segundo motivo, mas não aconteceu porque havia dúvidas generalizadas sobre a doutrina. Pio IX, que foi muito dedicado à Virgem, esperava que a definição fosse inspirar outras pessoas em sua devoção a ela.

Assim como os Evangélicos rejeitam a Imaculada Conceição e a virgindade perpétua de Maria, rejeitam o dogma da Assunção, mas eles não se preocupam muito sobre isso. A pouca atenção que dão a essa questão  diz respeito a refutar “o  por quê” dos católicos pensarem que Maria não morreu. Como sabemos, essa não é a posição católica, é claro, mas os fundamentalistas acham que é, e sendo assim estão preocupados com um privilégio que não encontra nenhum mandado na Escritura.

Eles observam que Enoch “caminhou com Deus, e ele não mais foi visto, porque Deus o levou” (Gn 5:24). Ele foi translado para não ver a morte (Hebreus 11:5). E então houve Elias, que foi arrebatado ao céu numa carroagem de fogo (4 Reis 2:1-13). Mas a Bíblia não diz nada sobre o que aconteceu a Maria, e além disso não há alguma menção dela nunca morrer? Afinal, teria sido verdadeiramente “notável”, então por que não  fazer menção?

Há um certo sentido nesse  argumento, e se a doutrina da Assunção foram o que eles pensam que é, o argumento seria válido e poderia ter algum peso. Mas não vem ao caso, porque os comentaristas católicos, para não mencionar os papas, concordaram que Maria morreu, essa crença tem sido expressa através da liturgia. (A Igreja nunca formalmente definiu se ela morreu ou não, mas a integridade da doutrina da Assunção não seria prejudicada, caso ela não houvesse morrido, mas o consenso quase universal é que ela de fato morreu.)

A Assunção de Maria é, portanto, mais simples do que os Evagélicos temem, embora ainda não seja aceitável para eles. Papa Pio XII, em Munificentissimus Deus (1950), definiu que Maria, “após a conclusão da sua vida terrena” – repare na ausência de menção sobre sua morte – teve seu  “corpo foi assumido e alma à glória do Céu”. Em suma, seu corpo não foi autorizado a corromper, mas não foi autorizado a permanecer em um túmulo.

É verdade que nenhuma  prova bíblicas para expressar a doutrina está disponível. Mas a possibilidade de uma suposição corporal antes da Segunda Vinda não é excluída por 1 Coríntios. 15:23, e é ainda sugerida por Matt. 27:52-53: “e os túmulos foram abertos, e muitos corpos surgiu deles, corpos de homens santos foram para seu descanso: quem, depois de sua ascensão novamente, deixaram suas sepulturas e entraram na cidade santa, onde estavam visto por muitos. “

Além disso não há o que se poderia chamar de prova negativa histórica. Como todos os Evangélicos fundamentalistas sabem, desde o primórdios os católicos prestam homenagem aos santos, incluindo muitos sobre os quais não sabemos quase nada. Cidades disputavam o título do último lugar de descanso dos santos mais famosos. Roma, por exemplo, afirma que os túmulos de Pedro e Paulo, o túmulo de Pedro estando sob o altar-mor da Basílica que leva seu nome. Outras cidades reivindicam os restos mortais de outros santos, tanto famosos quanto os poucos conhecidos. Com poucas exceções (como Pedro, que só foi reivindicado por Roma, nunca, por exemplo, Antioquia, onde trabalhou antes de se mudar para Roma), quanto mais famoso ou importante o santo, as cidades mais queriam suas relíquias.

Sabemos que após a crucificação Maria foi atendida pelo apóstolo João (João 19:26-27). Os primeiros escritos cristãos dizem que João foi viver em Éfeso, e que Maria o acompanhou. Há alguma controvérsia sobre onde ela terminou sua vida. Nem as cidades, nem qualquer outro lugar reivindicou seus restos mortais, embora existam afirmações sobre a posse de seu túmulo (temporário). E por que nenhuma cidade reivindicou possuir os ossos de Maria? Aparentemente, porque não havia nenhum osso para reivindicar e as pessoas sabiam disso.

Lembre-se, nos primeiros séculos as relíquias de santos cristãs eram ciosamente guardadas, altamente valorizadas. Os ossos dos mártires no Coliseu, por exemplo, foram rapidamente recolhidos e conservados, há muitos relatos disso nas biografias daqueles que deram suas vidas pela fé. No entanto, aqui temos Maria, certamente a mais privilegiada de todos os santos, certamente a mais santas, mas não temos registro de seu corpo continua a ser venerado em algum lugar.

A maioria dos argumentos em favor da Assunção, desenvolvido ao longo dos séculos pelos Padres e Doutores da Igreja, a preocupação não tanto referências bíblicas (são poucos os que falam mesmo que indiretamente ao assunto), mas sim a conveniência do privilégio. Os motivos especulativos considerados incluem a liberdade de Maria do pecado, sua maternidade de Deus, a sua virgindade perpétua, e a chave de sua participação na obra salvífica de Cristo. Parece mais apropriado que ela deva atingir o fruto completo da Redenção, que é a glorificação da alma e do corpo.

Mas há mais do que apenas encaixar uma peça à outra. Pio XII disse que o Assunção é realmente uma conseqüência da Imaculada Conceição. “Esses dois privilégios singulares derramadas sobre a Mãe de Deus destacam-se na mais esplêndida luz no início e no final de sua jornada terrena. Para a glorificação maior possível de seu corpo virgem é o complemento, ao mesmo tempo apropriado e maravilhoso, do absoluto inocência de sua alma, que estava livre de toda mancha …. [E] la que compartilhava em [Cristo] glorioso triunfo sobre o pecado e suas tristes conseqüências.”

“Mas”, perguntam os fundamentalistas “, se Maria foi concebida imaculadamente, e se a morte foi conseqüência do pecado original, por que ela morreu?” Embora ela fosse totalmente inocente e nunca cometeu um pecado, ela morreu, a fim de estar em união com Jesus. Tenha em mente que Jesus não tinha que morrer para efetuar nossa redenção, ele poderia apenas ter desejado, e  teria sido suficiente. Mas ele escolheu morrer.

Maria se identificou com o trabalho de Cristo, toda a sua vida sendo uma cooperação com o plano de salvação de Deus, certamente dela dizendo “Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lucas 1:38), mas na verdade desde o início de sua vida. Ela aceitou a morte como Jesus aceitou a morte, e ela sofreu (Lucas 2:35), em união com o sofrimento de Cristo. Assim como ela compartilhou em seu trabalho, ela compartilhou em sua glorificação. Ela compartilhou, em sua ressurreição tendo seu corpo glorificado levado para o céu, da mesma forma que os corpos glorificados de todos os salvos serão levados ao céu no último dia.

Definição errônea de Assunção:  Algumas pessoas pensam que os católicos acreditam que Maria “subiu” ao céu. Isso não é correto. Cristo, pelo seu próprio poder, ascendeu ao céu. Maria foi assunta ou levada para o céu por Deus. Ela não fazê-lo sob seu próprio poder.
Ainda assim, os evangélicos se perguntam, onde está a prova das Escrituras? A rigor, não há nenhuma. Foi a Igreja Católica, que foi encomendada por Cristo para ensinar todas as nações e ensinar-lhes infalivelmente. O simples fato de que a Igreja ensina a doutrina da Assunção como algo definitivamente verdade é uma garantia de que ela é verdadeira.

Aqui, é claro, nós entramos em um assunto completamente separado, a questão da sola scriptura. Não há espaço neste trato de considerar essa idéia. Vamos apenas dizer que se a posição da Igreja Católica é verdadeira, então a noção de Sola Scriptura é falsa. Então não há problema com a Igreja proclamar oficialmente a definição de uma doutrina que, embora não em contradição com as Escrituras, não pode ser encontrada em seu rosto explicitamente. Afinal, a Bíblia nada diz contra a Assunção, o silêncio não é a mesma coisa que rejeição, embora, com certeza, o silêncio não é a mesma coisa que afirmação- o silêncio é só silêncio.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

321 respostas para Derrotando os argumentos Evangélicos contra os Dogmas sobre Maria

  1. Antonio Lafaiete da Silva disse:

    Sou evangélico, amigo de leigos, padres e bispos católicos. Admiro e aprecio muito das matérias do professor Felipe Aquino bem como seu programa televisivo, e permita-me dizer como aluno presencial de faculdade de Teologia, costume navegar em suas valiosas matérias teológicas para tirar algumas dúvidas ou enriquecer meus conhecimentos a respeito do cristianismo. Porém não adentrando à matéria voltada ao catecismo da igreja Católica. Respeito-o por já ter sido católico e seguidor desta face da igreja, mas a mais de vinte anos como evangélico, volto minha atenção às matérias focadas na Bíblia Sagrada. Com prazer cumprimento-o querido Prof. Felipe, e que Deus continue usando-o para semear sua palavra na terra.
    Abraços.

    Curtir

  2. Denilson disse:

    Hellen, há alguns dias foi publicado pelo Lucas Banzoli no blog heresias católicas o artigo “Para destruir de uma vez por todas o dogma da imaculada conceição”, citando um trecho do livro “A Graça de Cristo e o Pecado Original” de Santo Agostinho como uma suposta prova contra tal dogma. Em alguma de suas obras Santo Agostinho expressou ser contrario a tal dogma e posteriormente mudou de opinião ???

    Curtir

  3. ceila disse:

    Bom, conheço um pouco a bíblia e sei que em Mateus 1:25 diz que José não “conheceu” Maria enquanto ela não deu à luz à seu filho Jesus. Na bíblia, o termo “Conhecer” refere-se a relações sexuais.Não sei porque a insistência da igreja católica de afirmar que Maria permaneceu virgem até o fim. Ela foi uma benção sim, mas ela não pode tirar o lugar e a missão de Jesus, o Salvador!
    Abraços.

    Curtir

    • Helen disse:

      Célia,

      Ai que pena me dá ter que romper sua bolha de ilusão, mas é meu dever fazê-lo…
      Onde, querida irmã em Cristo, onde a sra aprendeu que palavra “Conhecer” na bíblia quer dizer ter relações sexuais? Que estapafúrdia… Misericórdia, Senhor.

      Curtir

      • ademar disse:

        minha querida ,, seria melhor vc ler mais a biblia!!!!

        Curtir

      • ademar disse:

        querida irmã onde foi na bíblia que maria nasceu sem pecado????

        Curtir

      • Antonio Mário disse:

        A própria Bíblia Católica confirma isto! “E não teve relações com ela até o dia em que deu à luz o filho, ao qual ele pôs o nome de Jesus”.
        A Bíblia de Jerusalém diz em Mateus 1:24,25 diz: Quando Yosef despertou, fez o que o anjo de ADONAI lhe dissera – levou Miryam para sua casa como sua mulher, mas não teve relações sexuais com ela até o nascimento do filho, e o chamou Yeshua.
        Na Bíblia não tem nenhuma recomendação da parte do anjo para que nunca tivesse relações com ela, mas diz: “até o nascimento do filho”. Imagino que, se Deus quisesse que Maria permanecesse sem ter relações sexuais com seu marido, durante todo o tempo que viveu com este, então, Deus permitiria que José falecesse, antes que acontecesse. Vemos a Bíblia mencionar o nome de José até quando Jesus estava com 12 anos de idade. 12 anos não são doze dias!

        Curtir

        • Wagner Paulo de Araujo disse:

          Caro Antonio
          A bíblia versão jerusalém não faz menção a sexo. Essas sua informação é falsa!

          Na cultura judaica existia a lei do voto ou promessa. Se uma mulher ao se casar fizesse uma promessa, e o marido ao saber, nada disser, os votos seriam validos. Seja eles quais forem. (Numeros 30, 7) Portanto não e nem um absurdo não uma mulher casada ser celibatária nesta época. Na comunidade ascética do Essenios havia essa pratica entre casais. – Flavio Josefo e Plinio fala sobre tema…

          Curtir

          • Hellen disse:

            Wagner, é com base justamente nessa tradiçao, entre outros fatores, que a Igreja apoia sua opnião sobre a virgindade de Maria.
            Não era raro, na época de Cristo, que as família dedicassem seus filhos varões ao serviço de Deus, bem como suas filhas mulheres à castidade e virgindade perpétua como forma de honrar a Deus. Acredita-se que a Virgem Maria fosse, como tantas outras em sua época, uma virgem consagrada a Deus.

            Curtir

            • Antonio Mário disse:

              O amigo W.P.A. diz que minha informação é falsa. No entanto, ele não apresenta evidência alguma para provar isto. Apenas trás aqui especulações, tanto que a senhora diz: ” ACREDITA-SE que a Virgem Maria fosse…”

              Curtir

    • Diego disse:

      “querida irmã em Cristo, onde a sra aprendeu que palavra “Conhecer” na bíblia quer dizer ter relações sexuais”

      Tudo bem que não se pode afirmar que a palavra “conhecer ” na bíblia significa “relações sexuais”, até ai tudo bem, más o que significa então o seguinte versículo de Mateus 1:25 “não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.”? Será que José não conhecia Maria “no sentido de se saber quem é”?? e se a resposta for sim o que significa os versículos de Mateus 1:18-19 E 1:24?

      Mateus 1:18-19
      Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.
      Então José, seu marido, como era justo,e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.
      Mateus 1:24 “E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher.
      Mateus 1:25 “não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.”

      Depois da leitura dos versículos e reiterando a pergunta que fiz a pouco, será que José não conhecia Maria “no sentido de se saber quem é”? e agora pensando melhor o que significa o restante da frase do versículo 24 “e recebeu a sua mulher” e depois indo para o versículo 25 ” não a conheceu até que deu à luz seu filho….”. pode alguém receber sua mulher em sua casa e não há conhece-la no sentido de se saber quem é, e se for por que o faria? penso que o fato de José conhecer a sua esposa no sentido “de saber quem é” não mudaria a suposta “santidade” de Maria, sendo assim que não mudaria a suposta “santidade” de Maria, que sentido tem o inicio da frase do versículo 25
      “não a conheceu até que deu à luz seu filho”?

      Curtir

    • EVERTON OLIVEIRA DE SOUSA JUNIOR disse:

      Sim, seu olhar sobre a bíblia está correto, realmente a palavra “conhecer” está com sentido ao sexo. Porém, Maria foi virgem sim. É como se a bíblia quisesse transmitir essa mensagem: “e, sem ter relações com ela, Maria deu a luz um filho. E José deu a ele o nome de Jesus.” Infere-se que José estava insatisfeito com sua mulher, pois ela teria um filho que não era nem dele! Mas o anjo Gabriel veio e avisou que ela estava grávida do espírito santo.

      Curtir

    • Diego Ponchio disse:

      Resposta ao Sr: EVERTON OLIVEIRA DE SOUSA JUNIOR

      Olha o seu contra-argumento não foi valido, tendo em vista que, você auto-condenou com a palavra “foi”, ajudando o meu argumento: “Porém, Maria >foi< virgem sim". A questão não e essa, todos nos sabemos que Maria foi virgem, porém como a bíblia diz, ela foi virgem ATÉ, que José a conheceu, no "sentido bíblico"
      A bíblia e clara no sentido de que Maria era virgem (até que José a "conheceu no sentido bíblico"), NÃO e como se ela quisesse dizer isso, em Mateus 1:23 diz isso claramente.
      Mateus 1:23
      "Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco"

      e mais, não e como a bíblia quisesse dizer que José estava insatisfeito, ela diz com todas as letras que José estava insatisfeito em:
      Mateus 1:19
      Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.

      E para finalizar em lugar nem um da bíblia achará que Maria permaneceu virgem, muito pelo contrário a vários textos que relatam os Irmãos de Jesus e até mesmo irmãs. E não há argumento que possa dizer que esses irmãos eram discípulos por que a bíblia e bem clara nesses textos, deixando bem evidente que eram irmãos de Jesus.

      Mateus 12:47
      E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te.
      Mateus 13:55
      Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
      (dentre os irmãos aparece José, e José não era discípulo assim como os outros três)
      João 7:3
      Disseram-lhe, pois, seus irmãos: Sai daqui, e vai para a Judéia, para que também os teus discípulos vejam as obras que fazes
      João 7:5
      Porque nem mesmo seus irmãos criam nele
      Marcos 3:31-32
      Chegaram, então, seus irmãos e sua mãe; e, estando fora, mandaram-no chamar.
      E a multidão estava assentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos te procuram, e estão lá fora.
      Marcos 6:3
      Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele.

      Curtir

    • Diego Ponchio disse:

      Resposta ao Sr: EVERTON OLIVEIRA DE SOUSA JUNIOR
      Olha o seu contra-argumento não foi valido, tendo em vista que, você auto-condenou com a palavra “foi”, ajudando o meu argumento: “Porém, Maria foi virgem sim”. A questão não e essa, todos nos sabemos que Maria foi virgem, porém como a bíblia diz, ela foi virgem ATÉ, que José a conheceu, no “sentido bíblico”.
      A bíblia e clara no sentido de que Maria era virgem (até que José a “conheceu no sentido bíblico”), NÃO e como se ela quisesse dizer isso, em Mateus 1:23 diz isso claramente.
      Mateus 1:23
      “Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco”

      e mais, não e como a bíblia quisesse dizer que José estava insatisfeito, ela diz com todas as letras que José estava insatisfeito em:
      Mateus 1:19
      Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.

      E para finalizar em lugar nem um da bíblia achará que Maria permaneceu virgem, muito pelo contrário a vários textos que relatam os Irmãos de Jesus e até mesmo irmãs. E não há argumento que possa dizer que esses irmãos eram discípulos por que a bíblia e bem clara nesses textos, deixando bem evidente que eram irmãos de Jesus.

      Mateus 12:47
      E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te.
      Mateus 13:55
      Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
      (dentre os irmãos aparece José, e José não era discípulo assim como os outros três)
      João 7:3
      Disseram-lhe, pois, seus irmãos: Sai daqui, e vai para a Judéia, para que também os teus discípulos vejam as obras que fazes
      João 7:5
      Porque nem mesmo seus irmãos criam nele
      Marcos 3:31-32
      Chegaram, então, seus irmãos e sua mãe; e, estando fora, mandaram-no chamar.
      E a multidão estava assentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos te procuram, e estão lá fora.
      Marcos 6:3
      Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele.

      Curtir

    • . Não sou teólogo, nem nada parecido, mas, estudar a Bíblia, História e Cristianismo, tem sido uma constante em meus 30 anos. Por isso, na verdade, acho, por demais estranho, todas as Bíblias evangélicas usarem um Concílio ANTI-CRISTÃO para definirem seu Cânon.

      Curtir

    • De onde se diz que a Virgem Maria é Virgem? Ela mesmo diz isso: “E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? (Lucas 1:34)” Isaias diz: “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. (Isaías 7:14)” Bíblia Almeida corrigida e revisada. O que é estranho pois o CORRETO SERIA JOVEM no lugar de VIRGEM. O correto seria como encontrado nesse SITE PROTESTANTE: RSV (Revised Standard Version)=: “Therefore the Lord himself will give you a sign. Behold, a YOUNG WOMAN shall conceive and bear a son, and shall call his name Imman’u-el.” (“Portanto, O próprio Senhor vos dará um sinal: Vejam, uma JOVEM MULHER conceberá e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel” http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-Traducoes/BibAlex04-AnulamNascimentoVirginalCristo.htm Qual o motivo das novas traduções, INCLUINDO AS TRADUÇÕES PROTESTANTES MUDAREM JOVEM POR VIRGEM? É muito claro, os Rabinos Judeus já viam nesse SINAL um nascimento MIRACULOSO. Que sinal tem em uma jovem dar a luz? Nenhum sinal, as jovens têm filhos TODOS OS DIAS! Porém, eles (Sacerdotes Judeus) Decoravam PRATICAMENTE TODO ANTIGO TESTAMENTO, e lá, tem escrito: “E disse-me o Senhor: Esta porta permanecerá fechada, não se abrirá; ninguém entrará por ela, porque o Senhor, o Deus de Israel entrou por ela; por isso permanecerá fechada. (Ezequiel 44:2).” O profeta fala antes desse versículo: “E disse-me: Filho do homem, este é o lugar do meu trono, e o lugar das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de Israel para sempre; e os da casa de Israel não contaminarão mais o meu nome santo, nem eles nem os seus reis, com suas prostituições e com os cadáveres dos seus reis, nos seus altos, (Ezequiel 43:7).” Foi dessa “PORTA” Que os Judeus já prefiguravam que o SINAL SE DARIA POR UMA VIRGEM (PERPÉTUA) QUE ENGRAVIARIA! A própria Bíblia TEB (Teologia Ecumênica Brasileira – Ela era revisada por Católicos, Protestantes e Judeus) diz praticamente o que escrevi em seu roda pé. E ainda o NT diz: “E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus (Mateus 1:25)”. Os protestantes, em sua maioria, vão alegar que ATÉ QUANDO significa que depois que Jesus nasceu, José lhe “CONHECEU” Antecipando o “conhecimento” que A MAIORIA protestante possui vão citar também a passagem do “seus irmãos e irmãs estão lá fora… Dizem também, da Carta do Irmão do Senhor, etc. Vou tratar do “ATÉ QUE”: “E Mical, a filha de Saul, não teve filhos, até o dia da sua morte (2 Samuel 6:23) Se formos usar o pensamento que vocês ERRADAMENTE APLICAM em Mateus, MICAL TERIA FILHOS DEPOIS DE SUA MORTE! Claro que não! O que se aplica esse caso: Foi achada uma antiga inscrição hebraica em Tell el Yedouihie, que fala de uma mulher chamada Arsinoé, que morreu ao dar à luz seu primogênito (cfr. Lucio Navarro, Legítima interpretação da Bíblia, Campanha de Instrução religiosa Brasil Portugal, Recife, 1938, p.587) com isso mostro também o fato se Nosso Senhor ter sido chamado de Primogênito não quer dizer que ela teve filhos depois! Sobre os irmão e irmãs de Jesus vou usar o a resposta do Professor Orlando: alguma vez o Evangelho os nomes desses irmãos de Jesus, para que possamos identificá-los? Sim, dá. Sabe-se dos nomes, pelo menos de 4: Tiago, José, Judas e Simão: “Não é este o oficial, filho de Maria, IRMÃO de TIAGO, de José, de JUDAS E de SIMAO? N(MARCOS, I-3). “PORVENTURA NÃO É ESTE O FILHO DO OFICIAL ? NÃO SE CHAMA SUA MÃE MARIA, E SEUS IRMÃOS TIAGO, JOSÉ, SIMAO E JUDAS? E SUAS IRMÃS NÃO VIVEM ELAS TODAS ENTRE NÓS? (MATEUS, XIII-55 E 56).Não vivem aqui entre nos também suas irmãs ? Pois bem, este TIAGO que encabeça a lista é um Apóstolo, pois diz S. Paulo na Epístola aos Gálatas: “E dos outros APÓSTOLOS não vi a nenhum, senão a TIAGO, IRMÃO DO SENHOR (Gálatas, 1-19). Quer dizer então que, segundo a opinião desses protestantes, este Tiago Apóstolo era filho de Maria, mãe de Jesus; e de Maria e de José, porque, como os próprios protestantes reconhecem, Maria nunca teve filhos antes de seu casamento com José. E não se casou com outro depois da morte de José, pois na hora da morte de Cristo, ela está sozinha, sem marido e Cristo a entrega a S. João Evangelista; além disto se Maria tivesse casado outra vez, seus filhos estariam pequenos, não estariam em idade de ser Apóstolos.” Temos 2 Apóstolos com o nome de Tiago: Tiago Maior, e Tiago Menor. Vamos ver se algum deles era filho de José com Maria. S. Tiago Maior era irmão de S. João Evangelista, e ambos FILHOS DE ZEBEDEU: “Da mesma sorte havia deixado atônitos a TIAGO e a. JOÃO, FILHOS DB ZEBEDEU (Lucas V-IO). S. Tiago Menor, que era irmão de Judas, era filho de ALFEU. Entre os Apóstolos, que são enumerados pôr S. Mateus, estão: Tiago FILHO DE ZEBEDEU, e Tiago FILHO DE ALFEU (Mateus X-3). Que tem a ver Maria Santíssima com este Alfeu ou com este Zebedeu? Logo, este Tiago, IRMÃO DO SENHOR, não é seu filho. Além disto, comparando-se os Evangelhos, se vê claramente que este Tiago « este José que encabeçam a lista são PRIMOS de Jesus», e o Tiago é o Apóstolo Tiago Menor. Enumerando as mulheres que estavam juntamente com Maria ao pé da cruz, Mateus, Marcos e João as identificam da seguinte maneira:

      Mateus 27, 56 /Marcos 15, 40 /João 1925
      Mª, mãe de Tiago e de José; / Mª, mãe de Tiago Menor e de José; /a irmã de sua mãe,
      …………………………………………………………………………………………………Maria, mulher de
      ………………………………………………………………………………………………………………Cleófas
      Maria Madalena; /Maria Madalena; /Maria Madalena;
      a mãe dos filhos de Zebedeu./ Salomé / xxxxxxxx-xxxxxxxx

      Por aí se vê que a mesma Maria que é apresentada por São João como tia de Jesus (Irmã de sua mãe) é apresentada por São Mateus e S. Marcos como mãe de TIAGO MENOR E de José. E é claro que não se trata de Maria Salomé, que é a mãe dos filhos de Zebedeu e, portanto, é mãe de Tiago Maior. Tiago Menor e José são, portanto, PRIMOS de Jesus e são os primeiros que. encabeçam aquela lista: TIAGO, JOSÉ, JUDAS E SIMÃO E de fato o Apóstolo S. Judas Tadeu era irmão de S. Tiago Menor, pois ele diz no começo de sua Epístola: “Judas, servo de Jesus Cristo e IRMÃO de Tiago (vers. l.). Tanto o Evangelho de S. Lucas (VI-16) como os Atos dos Apóstolos (1-13) para diferenciarem Judas Tadeu de Judas Iscariotes, chamam a Judas Tadeu: Judas, irmão de Tiago. E assim cai pôr terra fragorosamente a alegação dos protestantes de que Maria teve outros filhos além do Divino Salvador! E também para finalizar a VERACIDADE desse DOGMA, Vocês muito amis que Católicos possuem o COSTUME de chamar as pessoas de suas congregações de Irmão, Abraão, chama seu tio de irmão… Vamos ser honestos, se A Virgem Maria TIVESSE OUTROS FILHOS, TERIA ALGUMA CREDIBILIDADE QUE QUANDO ENGRAVIDOU DE JESUS ELA ERA VIRGEM?

      Curtir

    • Antonio Roberto Formaggio disse:

      Prezada CEILA e demais irmãos evangélicos,
      estou tendo acesso a este material sobre Maria apenas hoje (dia 08 de dezembro de 2016, que, por Providência Divina, é, para os católicos, “Dia da Imaculada Conceição de Maria”).
      Com todo o respeito, venho trazer mais alguns pontos para nossa reflexão sobre a expressão “conhecer”, acima questionada.
      Em Mateus 1:25 encontramos: “… José não a CONHECEU até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.”
      A explicação é bastante tranquila: o objetivo desta afirmativa encontrada em Mateus 1, 25, foi o de corroborar que, mesmo Maria não tendo “CONHECIDO” (e aqui o termo “CONHECIDO” pode sim estar referindo-se ao sexo matrimonial), AINDA ASSIM FICOU GRÁVIDA de Jesus.
      Ou seja, CONFIRMA-SE COM PALAVRAS DA PRÓPRIA BÍBLIA que Maria foi virgem ANTES do parto, mesmo sem ter sido necessário o sexo matrimonial.
      Consequentemente, A GRAVIDEZ DE MARIA FOI OBRA DO ESPÍRITO SANTO (sendo o Espírito Santo a TERCEIRA PESSOA DA SANTÍSSIMA TRINDADE, esta foi, sem dúvida, OBRA DE DEUS!).
      Aqui poderíamos ainda depreender que, se a sombra do Espírito Santo pousou sobre uma criatura (Maria) para que esta criatura pudesse ser A MÃE DE JESUS (Jesus, sendo a SEGUNDA PESSOA DA SANTÍSSIMA TRINDADE!!!), SEM DÚVIDA ALGUMA ESTA CRIATURA TERIA DE SER MUITÍSSIMO ESPECIAL e preparada de modo muitíssimo singular para que pudesse trazer em seu seio um Deus.
      Que o Espírito Santo nos abençoe com Seu Entendimento e Graça para que possamos todos reconhecer a grandeza e a extrema beleza da Virgem Maria.
      Grande e fraterno abraço a todos. (Antonio Roberto, S.José dos Campos, SP)

      Curtir

      • Caro irmão em Cristo, Salve MARIA!

        Samos Católicos e como católicos não devemos achar ou pressupor nada em relação a sagrada escritura… Muito menos achar que samos uma especie de porta voz do Espírito Santo… Quando na verdade é a IGREJA que tem esse papel.

        Agora quanto a esse espirito que anda soprando em seu ouvido que a expressão “conhecer” de Mateus 1,25 tem haver com algo sexual… creio que esteja completamente equivocado. Desconhece por completo a cultura judaica da época de Jesus.

        Vejamos como explica então tal expressão?

        Ora, na época – de José e Maria – o casamento judaico era feito em duas partes. A primeira parte era feito feito o noivado, onde a moça era prometido ao moço, uma especie de compromisso moral, isso é, na consagração a moça não conhecia o moço, não tinha contato durante 1 ano – onde tal cerimonia já era considerado como matrimonio.

        Na segunda parte o noiva levava sua noiva pra casa. Isso depois de 1 ano…

        Enfim, em Mateus 1,25 o evangelista quer expressar que José só foi morar com Maria quando nasceu Jesus. Só isso!

        Paz e graça

        Curtir

  4. Claudio disse:

    como pode os catolicos acreditarem em maria ou em qualquer morto?

    vejam a massagre que esse pastor ou padre sei la o que toma do Leandro Quadros e o Leandro so usa a BIBLIA

    alguem tem argumentos contra o Leandro?

    Curtir

    • Helen disse:

      Caro Claudio;

      As respostas aos pontos de vista do Pastor Leandro estão explicadas em vários textos do Blog, por exemplo, a resposta ao argumento de Lázaro e o Rico ( vídeo 06:30), está refutada aqui : Lázaro e o Rico

      Agora, sr Claudio, o sr veio aqui dizer que os Católicos estão errados em crer na intercessão dos Santos e, para refutar este ponto de vista, apresenta um vídeo patético, onde o debate está fundamentado nas dezenas de interpretações doutrinárias do mundo protestante!!! Que piada é essa? O próprio vídeo mostra que não existe consenso entre os protestantes, existe sim, uma salada de fruta de idéias e interpretações! O sr acha que o católico que assiste á esse vídeo sente-se minimamente inclinado o conferir à qualquer um dos palestrantes alguma forma de credibilidade. Não é assim! A Igreja de Cristo é Apostolica, sr Claudio! Ou o sr acha que os Adventistas representam os Apóstolos? Só pode estar confuso se acreditar que sim!

      O apresentador abre o debate dizendo que a Bíblia é passível de várias interpretações, mas que devemos ter cuidado ( No que ele está certo, devemos mesmo), mas a frase seguinte mostra que o pobre apresentador sequer conhece a ciência que estuda a Revelação Divina. A Hermeneutica estuda as intepretações bíblicas, é um método comparativo. A Exegese sim, estuda os textos bíblicos criticamente para com isso então produzir sua interpretação, que mais tarde pode ser analisada pela hermenêutica!

      Pax Domini

      Helen

      Curtir

  5. Ricardo disse:

    D Helen

    A sra ja leu o livro Glorias de Maria?

    Se sim, gentileza, gostaria que me respondesse qual sua análise sobre o referido livro que trata sobre a mãe de Jesus Cristo.

    Curtir

    • Helen disse:

      Nunca Li o tal livro Ricardo.

      Mas, sem ter lido, atrevo-me a dizer o seguinte: Cuidado ao atribuir credibilidade à tudo aquilo escrito e dito por católicos mundo a fora.
      Para ser correto tem que ser aprovado pelo IMPRIMATUR.

      Ensinamento oficial é correto e livre de Erros. Esses sim são católicos. Se não estiverem consoantes com o que ensina a Igreja, estão em ERRO. Mesmo que se auto declarem católico.

      Em outras palavras, aquele que quer aprender o que ensina a Igreja Católica, deve ler os documentos OFiCIAIS da Igreja.

      Autores erram. A Igreja NÃO!

      Pax Domini

      Curtir

      • Ricardo disse:

        Me admiro você desconhecer essa obra tao famosa de Afonso de Ligório, mais tarde chamado “santo” Afonso de Ligório…

        Curtir

        • Helen disse:

          Caro Ricardo,

          Não precisa ficar admirado, não. Qdo eu digo q não conheço um livro, é pq não o li, não pq nunca ouvi falar dele. Conhecer é isso.

          Outra coisa, apenas pra reiterar meu comentário anterior sobre ensinamento católico ( ou seja, da Igreja) e opinião de um católico ( que pode ou não ser condizente com a Igreja) não é infalível! Então, não pense que porque acrescentou ao seu comentário que o autor do livro é tido pela Igreja como um Santo, fara das opiniões dele um ensinamento eclesiástico infalível.

          Não quero dizer com isso que S. Afonso de Ligório mentiu ou estava em erro. Não conheço os escritos dele no livro em questão, pra dizer a verdade, duvido que contrariem a Igreja. Mas meu ponto não é debater o que Santo x ou y escreveu. É Defender a Fé católica, que aliás até agora o sr não conseguiu refutar!

          Essas minhas palavras ecoam o que disse um notório santo da Igreja, São João da Cruz, que apesar do profundo conhecimento das Sagradas Escrituras, aceitava que é falível e não representa obrigatoriamente as posições da Igreja, não por discordar dela, mas porque admite não ter autoridade para ensinar infalívelmente:

          “Se entendi mal ou estiver confundido em algum momento, se deduzi a partir das Escrituras ou não, não tenho a intenção de desviar o verdadeiro sentido da Sagrada Escritura ou da doutrina da nossa Santa Mãe a Igreja Católica. Caso haja algum erro, eu submeto-me inteiramente à Igreja, ou até mesmo à alguém que se julgue mais competente sobre o assunto do que eu.” São João da Cruz

          Curtir

    • Ricardo disse:

      Então, vamos lá.
      Vou destacar alguns trechos do livro GLORIAS DE MARIA de Afonso de ligório sobre os supostos atributos ou poderes de Maria:

      “Feliz aquele que se abraça amorosa e confiadamente a essas duas âncoras de salvação: Jesus e Maria! Não perecerá eternamente” (pagina 31)

      “Maria, para salvar as nossas almas, sacrificou com amor a vida de seu Filho” (pagina 47)

      “Maria imolou a sua alma para a salvação de muitas almas” (pagina 47)

      “Do Eterno Pai diz o Evangelho que amou os homens a ponto de por eles entregar à morte seu Filho Unigênito (João 3.16). O mesmo também se pode dizer de Maria: Tanto amou os homens, que por eles entregou seu Filho Unigênito” (Pagina 53)

      “Então com suma dor e com intenso amor para conosco, Maria estava sacrificando por nós a vida de seu Filho” (pagina 56)

      “Os pecadores só por intercessão de Maria recebem o perdão” (pagina 76)

      “Seguindo a Maria, não errarás o caminho da salvação” (pagina 85)

      “Se Maria é por nós, quem será contra nós?” (pagina 90)

      “Sois onipotente, ó Maria, visto que vosso Filho quer vos honrar, fazendo sem demora tudo quanto vós quereis” (pagina 100)

      “Muitas coisas se pedem a Deus, e não se alcançam. Pedem-se a Maria, e conseguem-se” (pagina 118)

      “Ide a Maria! O Senhor decretou não conceder favor algum sem a mediação de Maria. Por isso nas mãos dela está nossa salvação”

      Resumindo os pontos de destaque:

      Ele descrevre Maria como sendo:

      1) Maria e Jesus são salvadores
      2) So pela intercessão de Maria, os pecadores recebem o perdão
      3) Se Maria é por nós, quem será contra nós… (tomando o lugar de Deus na passagem que é Biblica)
      4) DEFINE MARIA, COMO ONIPOTENTE, PODER ESTE PERTENCENTE A DEUS.
      5) MUITAS COISAS, PEDE-SE A DEUS E NAO SE ALCANÇA, PEDINDO A MARIA, ALCANÇA-SE.

      Gostaria de sua opinião sobre o 5 pontos acima que citei acerca deste livro. O “Santo” FALHOU ou não em seu estudo sobre a mãe de Jesus???

      Curtir

      • Helen disse:

        Ricardo,

        Eu estou espantada com a sua persistência!! Por que o sr deseja me induzir a fazer uma apologética dos escritos de S. Afonso Liguori? Eu já expliquei mais de uma vez, tanto ao sr quanto à outros que aqui aparecem: ” Não é o objetivo do Blog defender aquilo que X; Y; Z diz, faz, prega, etc.? É objetivo do Blog evangelizar e instruir, principalmente os Católicos ignorantes da própria fé, aquilo que A IGREJA ENSINA e não o que ensinam os membros da Igreja!

        Além do mais, vejo que o sr COMPLETAMENTE tira de contexto as afirmações do Santo, e ainda chega ao absurdo de solicitar que eu – alguém que já afirmou não ter lido o livro – faça um julgamento daquilo que não conheço!!! Como poderia ser justa? Pode alguém julgar o que ensina o autor apenas a partir de um apanhado de frase?

        Ricardo, quer saber o que a Igreja Ensina sobre Maria? Quer mesmo? Leia o que a IGREJA escreveu sobre ela! Será que isso é tão difícil de entender?

        Eis aqui apenas alguns exemplos onde pode aprender sobre o qua Igreja ensina sobre Maria

        Maria, mãe de Cristo pelo Espirito Santo, 437, 456, 484-86, 723-26

        Culto de Maria ( Culto – do Latim cultus – cultivar: s.m. Homenagem religiosa que se tributa a Deus ou aos entes sobrenaturais; liturgia; ofício divino.)

        Culto de Maria no ano litúrgico – 1172 e 1370

        Se desejar algo mais condensado este site está bastante apropriado, pois apresenta uma coletânea dos Escritos oficiais da Igreja. Eis o LInk

        Maria na Economia da Salvação

        Para finalizar, reitero os meus comentários anteriores com uma pergunta: Preciso dizer de novo que aquilo que o teólogo x, o santo y, o católico z, dizem, fazem, ensinam, NÃO NECESSARIAMENTE refletem o que DE FATO ensina a Igreja?

        Além disso, jamais deve-se ler os escritos dos Santos, sem o pano de fundo dos ensinamentos da Igreja. Fazer isso, é sem dúvida, expor-se ao risco de cometer engano e confundir-se.

        Seria o mesmo que querer analisar o Marxismo baseado no que a DILMA ROUSSEFF acredita e pratica a partir do seu entendimento pessoal do Marxismo, ao invés de fazer uma análise daquilo que Carl Marx escreveu.

        Neste sentido eu creio que o sr já tenha extrapolado a barreira de insensatez com sua persistência obsessiva em querer fazer uma crítica do catolicismo SEM conhecer o que que ensina a Igreja Católica!

        … Se por ignorância algum dos meus ensinamentos contradizem aqueles da Santa Igreja, revogo o que escrevi. e submeto-me à Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana. ( SÃO Tomás de AQUINO – um dos MAIORES e mais notório teólogo e pensador da História do Cristianismo)

        Curtir

    • EDMILSON disse:

      Por que os protestantes não têm 7 livros
      do Antigo Testamento?
      ________________________________________
      Muitas vezes, um protestante vai afirmar que os livros deuterocanônicos do Novo Testamento Católica Velho não são escrituras, porque em nenhum lugar do Novo Testamento se citar textualmente um livro deuterocanônicos (os 7 livros no Antigo Testamento Católica não foi encontrado no Antigo Testamento protestante).
      A questão em relação ao deuterocanônicos é útil, mas inválido em determinar a canonicidade do cânon do Antigo Testamento. Se por causa de um livro específico Antigo Testamento não é citado no Novo Testamento, o livro não é escritura, a maior parte do Antigo Testamento protestante não seria escritura. Os seguintes livros (quase 1/3rd dos livros do Antigo Testamento protestante) não estão nem citado, ou mesmo mencionado: Eclesiastes, Ester, Cântico dos Cânticos, Obadias, Sofonias, juízes, 1 Crônicas, 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Lamentações , Naum. Além disso, há citações que Paulo faz do Aratus poeta pagão, “Nós somos sua geração” (Atos 17:28). Paulo cita até mesmo Epimênides, um poeta pagão no mesmo versículo, “nele vivemos, nos movemos e temos o nosso ser” Atos 17:28, e em outros lugares chama isso de um profeta pagão (Ti 1:12). Jude citações de 1 Enoque e da Assunção de Moisés, em nenhum lugar reconhecido por ninguém como escritura. Então, usando esses critérios, deve haver apenas 27 livros (em vez de 39) na Bíblia protestante, e poetas pagãos deve ser uma parte da escritura. Os protestantes são inconsistentes na exigência de prova de cotação deuterocanônicos no Novo Testamento, mas depois de aceitar 12 livros em seu cânon que nunca são citados, e não aceitar estes escritos pagãos (mesmo citado como um profeta) como escrituras.
      Mesmo com a premissa inválida exigiu dos católicos, temos referências claras ao deuterocanônicos no Novo Testamento:
      “Mas os apóstolos não se limitou a colocar os deuterocanônicos nas mãos de seus convertidos como parte da Septuaginta. Eles regularmente referidas os deuterocanônicos em seus escritos., Por exemplo, Hebreus 11 nos encoraja a imitar os heróis do Antigo Testamento e no Antigo Testamento “As mulheres receberam seus mortos pela ressurreição. Alguns foram torturados, recusando-se a aceitar liberação, para que pudessem subir de novo para uma vida melhor “(Hebreus 11:35).
      Há um par de exemplos de mulheres recebendo de volta seus mortos pela ressurreição no Antigo Testamento protestante. Você pode encontrar Elias ressuscitando o filho da viúva de Zarepheth em 1 Reis 17, e você pode encontrar seu sucessor Eliseu ressuscitando o filho da mulher sunamita em 2 Reis 4, mas uma coisa que você nunca pode encontrar – em qualquer lugar do Velho protestante Testamento, da frente para trás, de Gênesis a Malaquias – alguém está sendo torturado e recusando-se a aceitar a liberação por causa de uma melhor ressurreição. Se você quiser descobrir que, você tem que olhar no Testamento Católica velha – nos livros deuterocanônicos Martin Luther cortar de sua Bíblia.

      A história é encontrada em 2 Mac 7, onde lemos que durante a perseguição dos Macabeus, “Aconteceu também que sete irmãos e sua mãe foram presos e estavam sendo obrigados pelo rei, sob tortura com chicotes e cabos, para participar de ilegal de porco carne …. [B] ut os irmãos e sua mãe incentivou o outro a morrer nobremente, dizendo: ‘O Senhor Deus está olhando por nós e, na verdade, tem compaixão de nós …’ Após o primeiro irmão tinha morrido .. . que apresentou o segundo para o seu esporte …. ele por sua vez, sofreu torturas como o primeiro irmão tinha feito. E quando ele estava em seu último suspiro, ele disse, ‘Você maldito desgraçado, você nos despedir desta vida presente, mas o Rei do universo nos ressuscitará para uma renovação da vida eterna “(2 Macc. 7:1, 5-9).
      Um a um os filhos morrem, proclamando que eles serão justificados na ressurreição. “A mãe foi especialmente admirável e digna de memória honrosa. Embora ela viu seus sete filhos morrem em um único dia, suportou com coragem bom por causa de sua esperança no Senhor. Ela incentivou cada um deles … [dizendo], ‘Eu não sei como você surgiu em meu ventre. Não fui eu quem lhe deu vida e respiração, nem eu que pôr em ordem os elementos dentro de cada um de vocês. Portanto o Criador do mundo, que formou o homem e inventou a origem de todas as coisas, vai na sua misericórdia dar vida e fôlego para você de novo, já que agora esquecer-vos para o amor das suas leis “, diz o último, ‘Não temo esse carniceiro, mas provar digno de seus irmãos. Aceitar a morte, de modo que na misericórdia de Deus eu possa ter você de volta novamente com seus irmãos “(2 Macc. 7:20-23, 29).”
      Esta citação clara mostra que, no mesmo versículo onde as escrituras reconhecido é claramente referido (A primeira parte de Hebreus 11:35 refere-se a 1 e 2 Reis), ele também se refere claramente a 2 Macabeus, o livro muito que se refere ao Purgatório (2 Macc. 12:44-46). Outras alusões claras a deuterocanônicos incluem Sabedoria 2:12-20, uma profecia clara cumprida na pessoa de Jesus em Mateus 27:41-43. Sabedoria 13:01 – 5 é usado por Paulo em Romanos 1:19-20, e Sabedoria 12:24-25 está perto de Romanos 1:24-25. Jesus observa a festa de Hannakkah (Jo 10:22-36), que está estabelecido nos livros de 1 Macabeus 4:36-59 e 2 Macc. 10:1-8, quando os judeus libertou o templo do controle pagã. Há alusões outros também, mas isso é apenas uma curta defesa dos Deuterocanônicos.
      Protestante Douglas DeLacy tem um comentário sobre Romanos 1 em sua palestra Testamento Tyndale Novo. Ele escreve: “Mais significativo é o fato de que Paulo alude frequentemente ou usa idéias paralelas e, aparentemente, desenhado a partir de certos livros apócrifos, nomeadamente a Sabedoria de Salomão e Eclesiástico (também conhecido como Sirach).” Na nota 19, ele escreve “Compare Romanos 1:18 e seguindo com o Livro da Sabedoria 13:1-5”. ‘Imagem e Encarnação na cristologia paulina “, vol. 30, Tyndale Bulletin, 1979, pp 3-28.
      Os apóstolos e Jesus citou na maioria das vezes a partir da Septaguint, a tradução grega do Antigo Testamento, 75-80% do tempo. O Septaguint incluiu todos os Deuterocanônicos. Em nenhum lugar Jesus ou qualquer dos apóstolos sempre apontar os deuterocanônicos e dizer, “esses livros são inválidos.”
      A igreja primitiva usou o Septaguint, que incluiu todos esses livros. JND Kelly, muito respeitado estudioso protestante patrística, cujo livro “Doutrina Cristã Primitiva” é padrão em muitos seminários protestantes, admite no livro que os Deuterocanônicos eram comumente aceitos pela igreja primitiva como Escrituras (páginas 53-55). Kelly escreve:
      “Deve ser observado que o Antigo Testamento admitido como autoridade na Igreja era algo maior e morecomprehensive do que o [Antigo Testamento protestante] … Ele sempre incluído, embora com diferentes graus de reconhecimento, os chamados apócrifos ou deuterocanônicos livros canônicos. A razão para isso é que o Antigo Testamento que passou em primeira instância nas mãos dos cristãos era … a tradução grega conhecida como Septuaginta …. maior parte das citações bíblicas encontradas no Novo Testamento são baseadas sobre ela, em vez de o hebraico …. Nos primeiros dois séculos … a Igreja parece ter aceito todas, ou a maioria, estes livros adicionais, como inspirados e trataram-nos sem dúvida como Escritura. Citações de Sabedoria, por exemplo, ocorrem em 1 Clemente e Barnabé … Policarpo cita Tobias, e o Didache [cita] Eclesiástico. Irineu se refere a Sabedoria, a história de Susana, Bel e o Dragão [isto é, as partes deuterocanônicas de Daniel], e Baruch. O uso dos deuterocanônicos por Tertuliano, Hipólito, Cipriano e Clemente de Alexandria é tão freqüente que referências detalhadas são necessárias “(Doutrina Cristã, 53-54).
      Arnold C. Sundberg, um estudioso luterano, também confirma que a igreja primitiva aceitou os deuterocanônicos, em seu livro “O cânon do Antigo Testamento da Igreja Primitiva”, Harvard Divinity School. Sundberg escreve:

      ” Os critérios que os protestantes usam para excluir esses livros (deuterocanônicos) de escrituras são completamente inúteis porque excluiria outros livros que os protestantes aceitam como canônicos. Havia algumas dúvidas por Jerome sobre a canonicidade dos deuterocanônicos em seu relatório ao Papa Dâmaso. resposta Papa Dâmaso ‘foi consultar a tradição das igrejas, ea resposta veio com um retumbante unanimidade por esse ponto na história da igreja (século 4 final) que as igrejas espalhadas por todo o império romano tinha uma tradição constante de incluir esses livros em suas lecionários e que insistiu que os próprios apóstolos citou esses livros como escrituras em sua pregação e em sua catequese da igreja primitiva. Nessa base Papa Dâmaso solicitou Jerome para incluí-los na Vulgata e Jerônimo como um fiel católico apresentou a sua opinião pessoal, individual ao julgamento de reunião da igreja no Conselho e incluiu-los. ” Lutero reavivou o desejo judaico de excluir estes livros do cânone para puramente doutrinário e razões apologéticas. Ele estava perdendo o debate sobre a questão de saber se o purgatório foi ensinado nas escrituras ou não. Quando seus adversários martelou incessantemente fora a ele com o versículo da Sagrada Escritura “É um pensamento santo e salutar rezar pelos mortos para que sejam libertados dos seus pecados” (2 Mac. 12:46), Lutero como um DODGE DESESPERADO agarrou na palha da ressalva antiga judaica contra a inclusão dessas obras. “Lutero estabelecer um precedente que os protestantes seguiram desde então, a fim de roubar a Igreja Católica Romana um texto de prova poderosa e inegável para o purgatório. Isso não é responsável, intelectualmente honesto bolsa.
      Vemos, portanto, que a principal razão que Lutero rejeitou estes livros foi puramente razões doutrinárias. Mesmo um estudioso protestante chama a rejeição dos livros deuterocanônicos como desonesto. Outros piggy apoiado sobre Lutero e tentou criar razões para rejeitar esses livros, mas sabemos que o núcleo da razão que Lutero rejeitou estes livros.
      Quando concílios da Igreja se reuniram em Cartago, em 393 dC, Hipona, 397, e decidiu sobre o conteúdo de ambas Antigo Testamento e cânon do Novo Testamento, todos os livros deuterocanônicos foram confirmados como escritura. O cânon das Escrituras, Antigo e Novo Testamento, foi fixado definitivamente no Concílio de Roma em 382, sob a autoridade do Papa Dâmaso I. E foi logo reafirmou em várias ocasiões. O mesmo cânon foi firmado no Concílio de Hipona em 393 e no Concílio de Cartago em 397. Em 405 o Papa Inocêncio I reafirmou o cânon em uma carta ao bispo Exuperius de Toulouse. Outro Concílio de Cartago, este no ano de 419, reafirmou o cânon dos seus antecessores e pediu o Papa Bonifácio para “confirmar este cânon, pois estas são as coisas que temos recebido de nossos pais para serem lidos na Igreja”.
      Todos estes cânones eram idênticas à Bíblia católica atual, e todos eles incluindo os deuterocanônicos.
      Este mesmo cânon foi implicitamente confirmado no sétimo Concílio Ecumênico, o de Nicéia II (787), que aprovou os resultados do Concílio de Cartago 419, e explicitamente reafirmou nos Concílios Ecumênicos de Florença (1442), Trento (1546), o Vaticano I (1870), e do Vaticano II (1965).
      Assim, podemos ver que quando Trento definiu a extensão do cânon, Trent estava apenas afirmando que tinha sido realizada e decidiu por concílios anteriores.Agora, nunca houve um conselho da igreja que veio com um cânone do Antigo Testamento que era o mesmo que o cânon protestante. Agora era a verdade, havia Padres da Igreja individuais que tinham dúvidas sobre os livros deuterocanônicos “autenticidade, mas de fato, havia muitos livros do Novo Testamento” canonicidade que estava em dúvida até os Concílios da Igreja se reuniu e decidiu (como Apocalipse, Judas, 2 e 3 João , Hebreus, Tiago, 2 Pedro.
      Por que devemos aceitar a decisão de Lutero a rejeitar estes livros, sobre a tradição constante da Igreja? Ele chamou James ‘uma epístola cheia de palha … pois não tem nada da natureza do evangelho sobre isso. ” (Prefácio ao Novo Testamento em Obras de Lutero, vol. 35, p. 362). Ele também questionou a veracidade de Judas, o Apocalipse, e Hebreus. Outros protestantes viu que perderia toda a credibilidade se jogou para fora estes, de modo que prevaleceu sobre Lutero deixar esses livros do Novo Testamento na Bíblia. Uma vez que ele jogou fora Macabeus, ele sentiu-se obrigado a jogar os deuterocanônicos outros fora também. Os protestantes foram bancados sobre Lutero. Eu optar por seguir a igreja que Cristo estabeleceu, não alguém que joga fora escritura em caprichos para atender sua doutrina.
      A seguir, estão citações dos Conselhos da Igreja primitiva e os Padres que atestem a autoridade bíblica dos Deuterocanônicos. Isso confirma ainda mais, que era o protestantes que jogou fora esses sete livros (Sabedoria, Eclesiástico, 1 e 2 Macabeus, Tobias, Judite, Baruc) da Palavra de Deus no século 16. Isto é uma violação direta da liminar de tirar da Palavra de Deus (Dt 4:2; Rev. 22:19):
      (Nota: Alguns livros da Bíblia ter ido em mais de um nome Sirach também é conhecido como Eclesiástico, 1 e 2 Crônicas como 1 e 2 Paralipômenos, Esdras e Neemias como 1 e 2 Esdras, e 1 e 2 Samuel com 1 e. 2 Reis, 1, 2, 3, e 4 de Reis – que é, 1 e 2 Samuel são nomeados 1 e 2 Reis e 1 e 2 Reis são nomeados 3 e 4 Reis Esta nomenclatura confusa é explicado mais detalhadamente na Bíblia católica. comentários.)
      O Didaquê – “. [. Sir 04:31] Você não deve vacilar em relação às suas decisões [. Sir 01:28] Não seja alguém que estende suas mãos para receber, mas retira-los quando se trata de dar” (Didaqué 04:05 [70 dC]).
      A Carta de Barnabé – “Uma vez que, portanto, [Cristo] estava prestes a se manifestar e sofrer na carne, seu sofrimento era foreshown Para o profeta fala contra o mal, Ai` a sua alma, porque eles têm aconselhado um mau conselho. contra si mesmos “[Isa. 3:9], dizendo: Vamos ligar o homem justo, porque ele é desagradável para nós” [Wisconsin 2:12.] “(Carta de Barnabé 06:07 [74 dC]).
      Papa Clemente I – “Pela palavra do seu poder [Deus] estabeleceu todas as coisas, e por sua palavra, pode derrubá-los` Quem dirá a ele. “O que você fez” ou que deve resistir ao poder da sua força? ? ‘ [Wisconsin 12:12] “(Carta aos Coríntios 27:5 [ca. AD 80]).
      Policarpo de Esmirna – “Estai, pois, nestas coisas, e seguir o exemplo do Senhor, ser firme e imutável na fé, amando a fraternidade [1 Ped 2:17.] …. Quando você pode fazer o bem , adiar não é, porque `a esmola livra da morte ‘[Tob. 4:10, 0:09]. Seja todos vocês sujeitas a um outro [1 Ped. 5:5], tendo sua conduta irrepreensível entre os gentios [1 Pet. 02:12], eo Senhor não pode ser blasfemado através de você. Mas ai do homem pelo qual o nome do Senhor é blasfemado [Isaías 52:5]! ” (Carta ao Philadelphians 10 [135 dC]).
      Irineu de Lyon – “Esses … que acredita-se ser presbíteros por muitos, mas servir a seus próprios desejos e não coloque o temor de Deus supremo em seus corações, mas conduzir-se com desprezo para com os outros e estão inchados com o orgulho de manter a sede principal [Matt. 23:06], que praticam o mal em segredo, dizendo: `Ninguém nos vê”, deve ser condenado pela Palavra, que não julgará segundo a aparência exterior, nem olha para o rosto, mas o coração, e eles devem ouvir essas palavras a serem encontradas em Daniel, o profeta: ‘Ó descendência de Canaã e não de Judá, a beleza te enganou e luxúria pervertida seu coração’ [Dan 13:56.] Você que estou velho. em dias maus, agora seus pecados que você cometeu antes de ter vindo para a luz, para que você tenha pronunciado juízos falsos e foram acostumados a condenar os inocentes e para deixar os culpados livre, embora o Senhor diz: `Você não matará o inocente nem o justo “[. Dan 13:52 Ex, citando 23:07.]” (Contra as Heresias 04:26:03 [AD 189];. Dan 13 não está na Bíblia protestante).
      Irineu de Lyon – “Jeremias, o profeta apontou que, como muitos crentes como Deus tem preparado para este fim, a multiplicar-se aqueles que ficaram na terra, ambos devem estar sob a regra dos santos e para ministrar a este [novo] Jerusalém e que [seu] reino será nele, dizendo: Olhe ao redor de Jerusalém para o oriente e eis que a alegria que vem da parte de Deus se Eis que seus filhos, a quem enviaste diante virá:. Eles virão em uma banda de do leste para o oeste …. Deus irá adiante com você na luz de seu esplendor, com a misericórdia e justiça que procedem dele ‘[Bar. 04:36-05:09] “(ibid. 05:35 : 1; Baruch foi muitas vezes considerado como parte de Jeremias, como é aqui).
      Hipólito – “O que é narrado aqui [na história de Susannah] aconteceu em um momento posterior, ainda que seja colocada na parte frontal do livro [de Daniel], pois era um costume com os escritores para narrar muitas coisas em uma invertida ordem em seus escritos …. [W] e devemos dar atenção, querida, temendo que alguém ser surpreendido em qualquer transgressão eo risco da perda de sua alma, sabendo como nós que Deus é o juiz de todos e do próprio Verbo é o olho que nada do que é feito no mundo escapa, portanto, sempre vigilante no coração e na vida pura, imitemos Susannah “(Comentário sobre Daniel [AD 204];. [. Dan 13] a história de Susannah não está em a Bíblia protestante).
      Cipriano de Cartago – “Em Gênesis [diz]: ‘E Deus provou a Abraão e disse-lhe:” Toma o teu único filho a quem amas, Isaac, e vai para a terra alta e oferece-o ali em holocausto. . . “‘[Gn 22:1-2] … É a mesma coisa na Sabedoria de Salomão [diz]:’ Embora aos olhos dos homens sofreram tormentos, sua esperança está cheia de imortalidade ….” [Wisconsin 3:4]. Desse mesma coisa nos Macabeus [diz]: ‘Abraão não foi encontrado fiel quando testado, e que lhe foi imputado para justiça “[1 Macc. 02:52; veja Tg. 2:21-23] (Tratados 07:03:15 [248 dC]).
      Cipriano de Cartago “Então Daniel, também, quando ele foi obrigado a adorar o ídolo Bel, que o povo eo rei, então adorado, em afirmar a honra de seu Deus, rompeu com plena fé e liberdade, dizendo: ‘Eu adoro nada mas o Senhor, meu Deus, que criou o céu ea terra “[Dan 14:05.]” (Cartas 55:5 [AD 253];. Dan 14 não está na Bíblia protestante).
      Conselho de Roma – “Agora, temos de tratar das divinas Escrituras, que a Igreja Católica universal aceita e que ela deveria se afastar A ordem do Antigo Testamento começa aqui: Genesis, um livro; Êxodo, um livro, Levítico, um. livro, Números, um livro, Deuteronômio, um livro; Josué [filho de] Nave, um livro; juízes, um livro, Ruth, um livro; Reis, quatro livros [isto é, 1 e 2 Samuel e 1 e 2 Reis] ; Paralipomenon [Crônicas], dois livros, Salmos, um livro; Salomão, três livros: Provérbios, um livro; Eclesiastes, um livro; Cântico dos Cânticos, um livro; igualmente Sabedoria, um livro; Eclesiástico, um livro …. Da mesma forma a ordem dos históricos [livros]: Jó, um livro; Tobit, um livro; Esdras, dois livros de Esdras e Neemias []; Esther, um livro; Judith, um livro; Macabeus, dois livros “(Decreto do Papa Dâmaso [AD 382]).
      Conselho de Hipona – “[Foi decidido] que, além do nada Escrituras canônica ser lido na Igreja sob o nome de Escritura divina Mas as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, filho de. Num, Juízes, Rute, os Reis, quatro livros, as Crônicas, dois livros, Jó, Salmos, os cinco livros de Salomão, doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel, Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, Esdras, dois livros, Macabeus, dois livros …. ” (Cânon 36 [AD 393]).
      Concílio de Cartago III – “[Foi decidido] que nada, exceto as Escrituras canônicas deve ser lido na Igreja sob o nome das divinas Escrituras Mas as Escrituras canônicas são:. Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, quatro livros dos Reis, Paralipomenon, dois livros, Jó, o Saltério de Davi, cinco livros de Salomão [Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, Sabedoria, Eclesiástico], doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel , Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, dois livros de Esdras, dois livros dos Macabeus … ” (Cânon 47 [397 dC]).
      Agostinho – “O cânone toda a Escritura, no entanto, em que dizemos que a análise deve ser aplicada, está contida nestes livros: cinco de Moisés … e um livro de Josué [filho de] Nave, um dos juízes , um livro que se chama Rute … então os quatro reinos, e os dois Paralipomenon …. [T] aqui também são outros também, de uma ordem diferente … como Jó e Tobias e Ester e Judith e os dois livros dos Macabeus, e os dois de Esdras …. Depois, há os Profetas, em que há um livro dos Salmos de David, e três de Salomão ….. Mas quanto a esses dois livros , um dos quais tem direito Sabedoria e outro que tem direito Eclesiástico e que são chamados de `de Salomão ‘por causa de uma certa semelhança de seus livros, que é realizada certamente que eles foram escritos por Jesus Sirach. Eles devem, no entanto, ser contabilizado entre os livros proféticos, por causa da autoridade que é merecidamente reconhecido a eles “(Instrução Cristã 02:08:13 [397 dC]).
      Agostinho – “Deus convertido [Rei Assuero] e virou indignação deste último em mansidão [Es 15:11.]” (A Graça de Cristo eo Pecado Original 01:24:25 [AD 418], esta passagem não está na Bíblia protestante ).
      Agostinho – “Lemos nos livros dos Macabeus [2 Macc 12:43.] Que o sacrifício foi oferecido para os mortos Mas mesmo que fosse encontrado nada nos escritos do Antigo Testamento, a autoridade da Igreja Católica, que é clara. Neste ponto não tem peso pequeno, onde nas orações do padre derramou ao Senhor Deus em seu altar o elogio dos mortos tem seu lugar “(O cuidado a ser tido para a 01:03 Dead [421 dC]) .
      As Constituições Apostólicas – “Agora as mulheres também profetizou de velho, Miriam irmã de Moisés e Arão, e depois dela, Deborah, e depois destas Hulda [2 Rs 22. [Ex 15:20.] [Juízes 4:04.]. : 14] e Judith [Judith 8], o antigo sob Josias e este último sob Dario “(Constituições Apostólicas 08:02 [400 dC]).
      Jerome -? “Que pecado eu cometi se segui o julgamento das igrejas Mas ele que traz acusações contra mim por relatar [no meu prefácio ao livro de Daniel] as objeções a que os judeus estavam acostumados a formar contra a história de Susana [Dan 13.], a Canção dos Três crianças [Dan. 3:24-90], ea história de Bel e do Dragão [Dan. 14], que não são encontradas no volume hebraico, prova que ele é apenas um bajulador insensato. Eu não estava relatando minha própria visão, mas antes as questões que eles estão acostumados a fazer contra nós. Se eu não responder aos seus pontos de vista em meu prefácio, no interesse da brevidade, para não parecer que eu estava compondo não um prefácio, mas um livro, eu acredito que eu prontamente acrescentou a observação, pois eu disse: ‘Este não é o momento para discutir essas questões “(Contra Rufinius 11:33 [AD 401]).
      Papa Inocêncio I – “Uma adição breve mostra que livros realmente são recebidos no cânon Estas são as coisas das quais você desejar ser informado verbalmente: de Moisés, cinco livros, isto é, de Gênesis, Êxodo, Levítico, de. Os números, de Deuteronômio, e Josué, dos juízes, um livro, dos Reis, quatro livros, e também Ruth, dos Profetas, 16 livros, de Salomão, cinco livros, os Salmos. Da mesma forma das histórias, Trabalho, um livro, de Tobias, um livro, Ester, uma, Judith, um, dos Macabeus, dois de Esdras, dois, Paralipomenon, dois livros … ” (Cartas 7 [AD 408]).
      O Código Africano – “[Foi decidido] que, além do nada Escrituras canônica ser lido na Igreja sob o nome de Escritura divina Mas as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, filho de. Num, Juízes, Rute, os Reis, quatro livros, as Crônicas, dois livros, Jó, Salmos, os cinco livros de Salomão, doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel, Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, Esdras, dois livros, Macabeus, dois livros …. Que este seja enviado para o nosso irmão e companheiro, bispo [Papa] Bonifácio, e aos outros bispos dessas partes, para que se confirme este cânon, de estas são as coisas que recebemos de nossos pais para serem lidos na Igreja “(cânon 24 [AD 419]).

      Curtir

    • EDMILSON disse:
      Hierarquia Celeste ESCRITA POR De São Dionísio, De Areopagita Discípulo de São Paulo Introdução. Capítulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. Capítulo VIII. Capítulo IX. Capítulo X. Capítulo XI.Capítulo XII. Capítulo XIII. Capítulo XIV. Duplo papel das essências celestes, Capítulo XV. Introdução. O presente trabalho consiste na apresentação da obra de referência obrigatória no estudo da Angeologia, “Hierarquia Celeste” de São Dinis, o Areopagita morto no ano 96 da era cristã. A apresentação tem por base o texto publicado nas “Oeuvres Complètes du Pseudo-Denys l’Areopagite” traduzido para o francês, anotado e comentado por Maurice de Gandillac numa edição apresentada em 1980 pela Editora Aubier na sua coleção “Bibliothèque Philosophique”. É importante advertir desde já que o texto aqui exposto não corresponde a uma tradução rigorosa e integral da obra para o português. Pretende-se somente proporcionar uma abordagem relativamente facilitada a um texto que nada tem de fácil, nem no seu estilo, nem no seu conteúdo. São Dinis o Areopagita foi discípulo de São Paulo, o qual ministrou a ele os primeiros conhecimentos dos mistérios divinos. Encontramos a respeito dele uma referência nos Atos dos Apóstolos: “Assim saiu Paulo do meio deles. Todavia algumas pessoas, agregando-se a ele, abraçaram a fé; entre as quais foi Dionísio, o areopagita…” (At 17:33-34). Ele teria sido o primeiro ateniense convertido por São Paulo e foi o primeiro bispo de Atenas. A sua obra teve grande impacto em toda a igreja sobretudo após a divulgação que se iniciou em meados do século V. Em sua teologia transparece uma forte formação filosófica imbuída do pensamento neo-platônico. Os seus textos mais conhecidos no nosso tempo são: “Hierarquia Celeste”, “Hierarquia Eclesiástica”, “Os Nomes de Deus”, “Teologia Mística” e 10 cartas. As críticas históricas, tanto as que procuram examinar as evidências externas como as que se dedicam à investigação do próprio texto, afirmam que as obras não pertencem a São Dinis, mas a um autor desconhecido do século IV ou V. Esse hipotético autor é designado por uns como pseudo-Dinis o Areopagita e por outros como Dinis o pseudo-Areopagita. Alguns afirmam que somente no ano 533 num concílio realizado em Constantinopla os textos de São Dinis o chamado “Corpus dionysiacum” fazem a sua aparição na história. É claro que os críticos para fazerem valer as suas teses têm que contradizer São Gregório de Nazianzo, São Jerônimo, Orígenes, São Máximo o Confessor, Liberatus de Cartago, além de muitos outros autores. Sabe-se que existiram doutrinas e costumes elaborados mantidos secretamente desde os tempos de São Paulo, visto que São Basílio o Grande e Tertuliano referiram-se a alguns deles. É possível ainda admitir a existência de contraposições posteriores. Mas a conjunção desses dois fatores era pouco grata aos defensores de ambas as teses. De qualquer forma, além dessa polêmica, os textos afirmam-se de modo especial em virtude do seu valor interno. Os cristãos ortodoxos foram sempre aqueles que os invocaram em virtude da sua retidão dogmática, solidez filosófica e profundidade espiritual. Entre eles destacam-se São Máximo o Confessor, São João Damasceno, São Teodoro o Estudita, São Symeão o Novo Teólogo e São Gregório de Palamas. Entre outros aprofundamentos teológicos podemos citar a teologia apofática como aquela que tem em São Dinis o seu deliberador. Os seus textos se difundiram largamente tanto no ocidente como no oriente cristão. São Máximo o Confessor (580-662) fixa-nos definitivamente no seio da tradição oriental. Até São Gregório de Palamas e mesmo depois dele São Dinis é considerado como o verdadeiro inspirador de toda a mística. No ocidente foi necessário esperar mais dois séculos para que a importância do “Corpus dionysiacum” se impusesse através de João Scot que demonstrou entusiasmo por ele. A “Hierarquia Celeste” é constituída de 15 capítulos ao longo dos quais São Dinis nos fala da iluminação divina, da relação entre os símbolos, das alegorias e dos mistérios divinos a eles associados, da função hierárquica, do significado dos nomes dos anjos, da composição das três grandes ordens angélicas e das imagens utilizadas para a representação dos seres angélicos. Porém, para conhecermos a obra nada melhor do que mergulharmos no próprio texto. Pe. Sérgio Capítulo I. A Luz irradia do Pai. A Luz saí d’Ele para nos iluminar com os Seus excelentes dons. Apenas Ela nos restabelece e nos eleva. É Ela que nos converte à unidade do Pai segundo as Sagradas Escrituras: “Porque Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas…” (Rom 11: 36). “Toda a dádiva excelente e todo o dom perfeito vêm do alto e descende do Pai das Luzes…” (Tg 1: 17). É por isso que invocando Jesus, Luz do Pai, através do Qual temos acesso ao Pai, princípio de toda a Luz, elevemos nossos olhos tanto quanto pudermos até as iluminações provenientes das Sagradas Escrituras e iniciemos na medida das nossas forças, no conhecimento da hierarquia das inteligências celestes tal como nos revelam as próprias Escrituras: “(O Verbo) era a Luz verdadeira, que ilumina todo o homem que vem a este mundo” (Jo 1:9). Os santos que primitivamente regularam os nossos ritos religiosos, organizaram a nossa hierarquia sagrada segundo o modelo das hierarquias celestes. Essas hierarquias encontram-se revestidas na sua descrição de uma variedade de figuras e formas materiais para que elevemos a nossa compreensão de forma analógica desses símbolos, às realidades espirituais, das quais esses símbolos são apenas imagens. De fato, é para nós impossível a contemplação das hierarquias celestes sem utilizarmos meios materiais adequados a nossa natureza para nos guiarmos nessa contemplação. A beleza manifesta-se na harmonia das figuras, os aromas agradáveis representam a iluminação intelectual, a luz material representa a efusão de luz imaterial e a recepção da Santa Eucaristia manifesta a participação em Jesus. A nossa própria hierarquia imita a hierarquia celeste o tanto quanto possível enquanto instituição humana, a fim de que ela entre em colegialidade com o sacerdócio angélico. Capítulo II. É necessário que elevemos a nossa compreensão a partir das alegorias com as quais as inteligências celestes nos são representadas nas Sagradas Escrituras, a fim de não deduzirmos como pensaria qualquer pessoa desprevenida, que as inteligências celestes têm vários pés e vários rostos, que elas se assemelham ao gado como os bois, que apresentam o aspecto selvagem do leão, o bico curvo da águia, ou ainda, que possuem asas e penas como as aves. Não devemos imaginá-las como rodas inflamadas girando no céu, como guerreiros a cavalos armados de lanças, nem sob outras formas que as Sagradas Escrituras nos transmitem através de uma variedade de símbolos reveladores. Se os teólogos aplicaram essa imaginação poética às inteligências celestes foi porque tiveram em conta o caráter humano da nossa inteligência, a fim de nos proporcionarem um meio de elevação espiritual adaptado a nossa natureza. Se aceitarmos essas alegorias como figurações de realidades que não podemos conhecer nem contemplar, julgaremos que as imagens usadas pelas Sagradas Escrituras para representar as inteligências celestes são inadequadas ao seu objetivo, que os nomes atribuídos aos anjos não correspondem senão muito parcialmente às realidades que sugerem. Contrapomos, que para materializar os anjos os teólogos deveriam ter utilizado imagens tanto quanto possível adequadas ao seu objeto, utilizando substâncias que consideramos como sendo as mais nobres, ao invés de ligar à essas realidades uma multiplicidade de figuras retiradas do que poderia ser considerado como pertencendo às mais baixas realidades terrestres. Assim, a alegoria seria mais rica de ensinamentos espirituais e não nos arriscaríamos a ofender a dignidade das potências divinas. Com efeito, não seríamos levados a imaginar que o céu está cheio de rebanhos de leões, manadas de cavalos, bandos de pássaros e de outros animais com essas alegorias inadequadas? Mas se procurarmos a verdade estará claro para nós, que os autores Sagrados tiveram o cuidado providencial de simultaneamente dar expressão contida a tudo isso que os nossos contraditores consideram um ultraje às potências divinas e nos pouparão dos riscos de uma ligação excessiva a tudo que tais símbolos podem ter de baixo e vulgar. Se é necessário dar figura ao desfigurado, dar forma ao que está sem forma, não é somente porque somos incapazes de contemplar diretamente essas realidades, mas porque convém às passagens místicas das Sagradas Escrituras ocultar sob a forma de enigmas, a santa e misteriosa unidade dessas inteligências que não pertencem a esse mundo. Porque nem todos são santos e como dizem as Sagradas Escrituras: “Mas nem em todos há a ciência…” (1Co 8:7). Quanto ao caráter inadequado das imagens escriturísticas, é necessário responder a essa objeção afirmando que a revelação do sagrado se faz de dois modos: o primeiro modo procede por imagens adequadas ao seu objeto; o segundo modo pelo contrário passa pela inadequação das imagens que modela levada até à extrema inacreditibilidade, até o absurdo. É por isso que as Sagradas Escrituras se referem a Trindade sobreessencial com os nomes de Razão, Inteligência e Essência, manifestando assim o que convém atribuir a Deus de racionalidade e sabedoria: designando-A como Substância que subsiste por si própria, como causa verdadeira da existência de todos os seres, ou ainda, como Luz e Vida. Essas designações são seguramente mais santas e parecem de algum modo superiores às imagens materiais. Mas na realidade elas são menos deficientes que as outras se se pretender significar toda a Verdade da própria Divindade que está para lá de toda a essência e de toda a vida e que não se caracteriza por nenhuma luz, da qual nenhuma razão e nenhuma inteligência pode dar uma imagem autêntica. É por isso que também acontece de celebrar-se nas mesmas Escrituras a Trindade, representando-A de um modo que não é desse mundo, por imagens que não se Lhe assemelham de modo algum. Elas descrevem-Na como invisível, ilimitada e incompreensível, não procurando significar o que Ela é, mas o que Ela não é. A meu ver, essa segunda maneira de celebrar a Santíssima Trindade Lhes convém melhor, porque seguindo a tradição sagrada nós temos razão em dizer que Ela não é nada do que são os outros seres, e nós ignoramos essa indefinível Sobreessência que não se pode pensar nem dizer. Assim, as negações são verdadeiras no que concerne aos mistérios divinos, enquanto que toda afirmação pela positiva permanece inadequada. Convém mais ao caráter secreto d’Aquele que permanece em si próprio incomum, não revelar o invisível a não ser através de imagens sem semelhança com o seu objeto. (São Dinis nos introduz em dois métodos teológicos: o afirmativo ou Catafático e o negativo ou Apofático. O primeiro, que São Dinis considera menos adequado, refere-se a Deus através de afirmações como: Deus é Amor, Verdade, Mestre, Senhor, Pai, Todo-Poderoso, Santo, Eterno, etc. O método Apofático proposto por São Dinis procede pela negativa, como também nos fala São João Crisóstomo, o reconhecimento da incompreensibilidade de Deus é a única maneira de compreendê-Lo. Esse método refere-se a Deus como sendo Inacessível, Inexprimível, Invisível, Incompreensível, Imutável, etc.). Portanto, longe de humilhar as legiões celestes as alegorias honram-nas, porque mostram até que ponto essas legiões que não pertencem a este mundo excluem toda a materialidade. (Temos que entender esse termo “materialidade” como empregado para designar uma materialidade terrena. De fato, só Deus é espírito puro e todas as criaturas mesmo as angélicas são dotadas de alguma materialidade). A utilização de figuras sagradas de natureza mais elevada nos induziria mais facilmente a erros, porque elas nos levariam a imaginar as essências celestes como figuras de ouro, ou como seres luminosos lançando raios, ou como seres de bela estatura revestidos de suntuosas vestes repletas de esplendor, ou sob todas as outras formas do mesmo gênero de que a teologia fez uso para representar as inteligências celestes: “O que falava comigo tinha uma cana de ouro de medir, para medir a cidade, as suas portas e o muro” (Apoc 21:15). “Como estivessem olhando para o céu, quando Ele ia subindo, eis que se apresentaram junto deles dois personagens vestidos de branco…” (At 1:10). “E, fixando Nele os olhos todos os que estavam sentados no conselho, viram o Seu rosto como o rosto de um anjo” (At 6:15). “Passados quarenta anos, apareceu-lhe no deserto do Monte Sinai um anjo na chama de uma sarça que ardia” (At 7:30). “Porque um anjo do Senhor desceu do Céu, e, aproximando-se, revolveu a pedra e sentou sobre ela. O seu aspecto era como um relâmpago. A sua veste branca como a neve” (Mt 28:2-3). Não importa qual imagem possa servir de ponto de partida para a bela contemplação, o que importa é que possamos nos apoiar em figurações materiais para aplicar a esses seres que são inteligíveis e inteligentes as metáforas sem semelhança com o objeto do qual falamos atrás, na condição de nunca esquecermos a grande diferença existente entre o comportamento dos seres inteligentes e o comportamento dos seres sensíveis (esses são privados de razão). As alegorias sagradas são usadas pelos teólogos não somente para revelarem as ordens celestes, mas também para manifestarem os mistérios de Deus. Ainda que se refiram a Ele fazendo apelo às mais belas imagens como: Sol de Justiça; Estrela da Manhã (Apoc 22:16; Núm 24:17; 2Pdr 1:19), Luz Radiante (Jo 1:5) e apelo a símbolos de nível mediano como: Fogo que queima sem consumir (Êx 3:2), Água que conduz à plenitude da vida e de metáforas vulgares quando se fala por exemplo de Ungüento suave; Pedra Angular (Ef 2:20), mesmo assim as Sagradas Escrituras fazem ainda uso de figuras animais quando atribui a Deus qualidades do leão e da pantera ou quando apresenta-O como um leopardo ou como um urso que perdeu os seus filhos (Os 13:7). Finalmente, o apelo à metáfora mais indigna de todas e que parece ser a mais inadequada: com efeito, não foi sob a forma de um vaso de terra que os admiráveis intérpretes dos ministérios divinos nos representaram? Por tudo isso, vemos que nada há de absurdo, quando os teólogos representam igualmente as essências celestes por imagens inadequadas que não apresentam nenhuma semelhança com o seu modelo original. Talvez não tivéssemos procurado a interpretação espiritual minuciosa dessas santas realidades, se não tivéssemos perturbados pelo caráter disforme das imagens que nas Sagradas Escrituras representam os anjos. Capítulo III. Hierarquia é uma santa ordem, um saber e uma ação tão próxima quanto possível da forma divina elevada à imitação de Deus na medida das iluminações divinas. Na sua simplicidade, na sua bondade, na sua perfeição fundamental, na perfeição que convém a Deus, comunica a cada ser segundo o seu mérito uma parte da sua própria luz. Ela o aperfeiçoa através da iniciação divina, revestido da sua própria forma, de modo harmonioso e estável àqueles que ela aperfeiçoou. A finalidade da hierarquia consiste em conferir às criaturas tanto quanto possível a semelhança divina para uní-las a Deus. Deus é para a hierarquia, com efeito, o mestre de todo o conhecimento e de toda a ação. Ela não cessa de contemplar a Sua divina bondade e dos seus seguidores ela faz imagens perfeitas de Deus. Tendo recebido a plenitude do Seu esplendor elas são capazes, seguindo os preceitos da Trindade, de transmitir essa luz até mesmo aos seres que lhe são hierarquicamente inferiores. Assim, quando se fala de hierarquia, se entende por isso uma certa ordenação perfeitamente santa, imagem do esplendor divino, tendendo tanto quanto possível e sem sacrilégio assemelhar-se Àquele que é o seu próprio princípio. Para cada um dos membros da hierarquia a perfeição consiste em imitar a Deus o melhor que puder, tornando-se “cooperadores” Dele. “Efetivamente, nós somos cooperadores de Deus…” (1Cor 3:9). Se, por exemplo, a ordem hierárquica impõe a uns a função de receber a purificação e a outros a de purificar; a uns a de receber a iluminação e a outros a de iluminar; a uns a de receber o aperfeiçoamento e a outros a de aperfeiçoar; cada um imitará a Deus segundo o modo que convém a sua própria função. Convém, que os purificados se libertem de toda a impureza e de toda a dissemelhança; que os iluminados recebam a plenitude da luz divina e que elevem a sua inteligência até atingirem a capacidade de contemplar; que os perfeitos tenham abandonado toda a imperfeição e tomem parte da perfeição dos iniciados; e que os iluminadores, com inteligências mais transparentes que as outras, difundam essa luz por todos os lados e por todos aqueles que forem dignos dela. Assim, cada escalão da ordem hierárquica na medida de suas forças eleva-se para a cooperação divina e ao seu redor cada um revela essa cooperação às inteligências que amam a Deus, cumprindo na virtude e sob a ação da Graça o que a própria Divindade cumpre graças ao Seu caráter sobreessencial. Capítulo IV. Antes de mais nada, queremos afirmar em primeiro lugar que foi por bondade que a Divindade criou essa ordem hierarquia, porque Lhe pertence esse Bem totalmente transcendente a chamar todos os seres para entrarem em comunhão com Ela na medida da capacidade de cada um. É por isso que tudo que existe tem alguma relação com a Divindade, a Causa Universal, porque sem a participação n’Ela que é a essência e o princípio de todo o ser, nada existiria. É, portanto, a esses seres que recebem de forma inicial e múltipla a participação divina e que revelam ao seu redor de modo original e múltiplo o mistério da Divindade, que é atribuído de forma louvável e sublime o título de seres angélicos — pois eles receberam em primeiro lugar a iluminação e é por intermédio deles que nos são transmitidas essas revelações que ultrapassam a todos nós. Como ensina a teologia, a Lei nos foi transmitida pelos anjos. “Para que é então a Lei? Foi acrescentada por causa das transgressões, até que viesse a descendência, a quem tinha sido feita a promessa, e foi promulgada pelos anjos na mão de um mediador” (Gál 3:19). Foram os anjos que guiaram os nossos veneráveis antepassados em direção às realidades divinas; tanto nos tempos que precederam a Lei, como no tempo da Lei; tanto na prescrição a eles de regras de conduta desviando-os de uma vida repleta de erros e de pecados, assim como na revelação da interpretação da santa hierarquia e das visões secretas dos mistérios que não são deste mundo; como também ainda na revelação das profecias divinas. “Vós, que recebestes a Lei por ministério dos anjos e não a guardastes” (At 7:53). “Este viu claramente numa visão, cerca da hora de Noa, que um anjo de Deus se apresentava diante dele e lhe dizia: Cornélio” (At 10:3). Se argumentar-se que Deus manifestou-Se sem intermediários a algum santo, que se saiba que nunca ninguém O viu e nem jamais O verá, porque essa verdade provem claramente das Sagradas Escrituras e é a própria substância de Deus naquilo que tem de mais secreto. “Ninguém jamais viu a Deus; o Unigênito, que está no seio do Pai, Ele mesmo é que O deu a conhecer” (Jo 1:18). “…Que é o Único que possui a imortalidade e que habita numa Luz inacessível, O qual não foi nem pode ser visto por nenhum homem, ao qual seja dada honra e império sempiterno. Amém” (1Tim 6:16). Seguramente, Deus apareceu a certos homens piedosos segundo o modo que convinha a Sua divindade, revelando-Se por visões adaptadas à medida dos visionários. A santa teologia tem razão ao chamar visão divina ― Teofania ― a essa espιcie de apariηão, na qual se reflete a semelhança divina segundo o modo que convém à figuração do infigurável, isto é, elevando espiritualmente os visionários para as realidades divinas. Com efeito, através dessa visão os visionários recebem a plenitude da iluminação divina e uma certa iniciação sagrada em relação aos mistérios de Deus. Os nossos ilustres antepassados não foram iniciados através dessas visões, senão por intermédio das potências celestes. Há de se cogitar, que a tradição escriturística afirma que os mandamentos da Lei foram transmitidos diretamente por Deus a Moisés. Certamente! Mas se as Sagradas Escrituras assim se exprimem é para que não ignoremos que essas prescrições são a própria imagem da Lei divina e sagrada. A teologia ensina sabiamente que essas prescrições vieram até nós por intermédio dos anjos, para que a ordem instituída pelo Divino Legislador nos ensine que é por intermédio de seres hierarquicamente superiores que se elevam espiritualmente para o Divino aqueles que Lhe são inferiores. “Porque, se a palavra anunciada pelos anjos ficou firme, e toda a prevaricação e desobediência recebeu a justa retribuição que merecia…” (Hebr 2:2). Mesmo ao que concerne ao mistério divino do amor de Jesus pelos homens foram os anjos que em primeiro lugar receberam a iniciação. E foi por intermédio deles que esse conhecimento desceu até nós. Foi assim que o divino Gabriel ensinou ao grande sacerdote Zacarias que o filho que iria ter contra toda a sua esperança, mas pela graça de Deus, seria o profeta da obra divino-humana, através do qual Jesus operaria para bem do mundo e para a sua salvação. Igualmente o arcanjo Gabriel ensinou à Santíssima Virgem Maria que nela se cumpriria o mistério da Encarnação. Um outro anjo instruiu José sobre a verdade dos acontecimentos e sobre o cumprimento das promessas divinas feitas a Davi. Foi um anjo que difundiu a boa nova aos pastores, que eram de algum modo homens purificados pela vida tranqüila que levavam e afastados das multidões, ao mesmo tempo que os exércitos celestes transmitiam a toda a terra o célebre cântico de glorificação “Glória a Deus nas alturas, paz na terra aos homens a quem Ele ama”. Por intermédio dos anjos José foi avisado que ele deveria partir para o Egito e assim novamente quando de seu regresso a Judéia. Não falou também Jesus a nós como um mensageiro quando Ele nos comunicava a vontade do Pai? Capítulo V. Importa agora procurar a razão pela qual os teólogos chamam anjos a todas as essências celestes indistintamente, enquanto reservam o termo angélico mais propriamente à ordem mais baixa que é subordinada às legiões dos Arcanjos, dos Principados, das Potestades, das Dominações, essências das quais a tradição revela e as Escrituras reconhecem como superiores. Ora, nós afirmamos que em toda a ordenação sagrada as ordens superiores possuem todas as iluminações das ordens inferiores, sem que essas últimas participem nos privilégios das que lhe são superiores. É por isso que os teólogos chamam de anjos os escalões mais altos e mais santos das essências celestes, porque eles são reveladores da iluminação divina. Quando fazemos referências à ordem inferior não seria adequado designar os seus membros de Principados, Tronos ou Serafins, porque eles não participam de modo algum das capacidades das essências celestes que possuem um nível superior. O que podemos afirmar é que se todos os anjos recebem um nome comum isto se sucede também pelo fato das potências celestes possuírem em comum o poder de permanecerem em harmonia com Deus e de entrarem em comunhão com a luz que vem de Deus. Capítulo VI. Quais e quantas são as ordens desses seres que vivem no Céu? Como é que cada hierarquia recebe a sua consagração ou o seu aperfeiçoamento? Afirmo que apenas o Princípio Divino poderia responder exatamente a essas questões. Mas os seres angélicos não ignoram nem as qualidades que lhes são próprias, nem a hierarquia sagrada que os rege e que não pertence a este mundo. É impossível conhecermos os segredos das inteligências que vivem no céu, a menos que Deus nos revele por intermédio dessas mesmas inteligências, as quais não ignoram a sua própria natureza. Portanto, não faremos nada de nossa própria autoria e nos contentaremos em expor na medida dos nossos conhecimentos essas visões angélicas, tal como os santos teólogos as contemplam e tal como eles a nós revelaram. Os seres angélicos dividem-se em três ordens e possuem nove nomes. A primeira ordem rodeia a Deus de modo permanente e está unida a Ele constantemente. Ela está em primeiro lugar e não possui qualquer mediação: são os Tronossantíssimos e os batalhões notáveis por seus números de olhos e de asas que recebem os nomes de Querubins e Serafins. Eles têm uma proximidade de Deus superior a todos os outros. Essa ordem de três batalhões formam uma só e constitui a primeira hierarquia de nível igual. A segunda ordem compõe-se de Virtudes, Dominações e Potestades constituindo a segunda hierarquia. A terceira ordem constitui a última hierarquia celeste. É a ordem dos Anjos, Arcanjos e Principados. Capítulo VII. Todos os nomes atribuídos às inteligências celestes designam capacidades para eles receberem a semelhança divina. Querubim em hebraico significa “aquele que arde”. Significa também “massa de conhecimento e efusão de sabedoria”. A primeira hierarquia é a mais sublime de todas e graças a sua proximidade com Deus recebe primeiro que as outras as aparições Dele e os seus nomes revelam o modo como se ligam a Ele. Os Serafins têm como qualidades especiais o movimento perpétuo em torno dos segredos divinos, o calor, a profundidade, o ardor dum constante movimento que não conhece diminuição, o poder de elevarem eficazmente as suas semelhanças aos que lhes são inferiores, comunicando-lhes o mesmo ardor a mesma chama e o mesmo calor. Eles têm o poder de purificarem a evidente e indestrutível aptidão para conservarem a sua própria luz, o seu poder de iluminação e a faculdade de abolirem todas as trevas. Os Querubins designam aptidões a conhecerem e a contemplarem a Deus, a receberem os mais altos dons da Sua Luz, a contemplarem na sua potência primordial o esplendor divino, a acolherem em si a plenitude dos dons que transmitem sabedoria e a comunicá-los em seguida às essências inferiores graças a expansão da própria sabedoria que lhes foi transmitida. Os Tronos, sublimes e luminosos, indicam a ausência total de qualquer concessão aos bens inferiores e a tendência contínua para os cumes, que sublinha bem o fato de eles nada terem em comum com o que lhes está abaixo. Eles indicam a sua infalível aversão a toda indignidade, a grande concentração de toda a sua capacidade para se manterem constante e firmemente perto do Altíssimo, a capacidade de receberem indiferentemente todas as visitações da Divindade, o privilégio que têm de servirem de assento a Deus e o seus zelos em se abrirem aos dons de Deus. Essa é a explicação de seus nomes na medida do que nos é possível revelar aos homens. Resta-nos dizer o que entendemos pela suas hierarquias. Que o objetivo de toda hierarquia é imitar constantemente a Deus; que toda a função hierárquica consiste em acolher e transmitir a pureza sem mistura da luz divina e da sabedoria, como já o dissemos. Agora proponho-me a mostrar o que as Escrituras revelam das suas hierarquias. Esses seres angélicos constituem uma só hierarquia inteiramente homogênea. Devemos pensar que eles são puros não apenas por estarem livres de todo o pecado e de tudo o que é profano, mas porque eles ignoram toda a imaginação material; porque estão acima de toda a fraqueza; porque a sua sublime pureza ultrapassa a de quaisquer outras inteligências angélicas; porque conservam sem qualquer perda ou corrupção a estabilidade perpétua do poder que possuem de estarem em harmonia com Deus. Eles são igualmente contemplativos. Não porque contemplem intelectualmente símbolos nem porque se elevem espiritualmente através de santas alegorias, mas porque recebem em toda a plenitude o saber de uma Luz superior através da contemplação desse Ser Sobreessencial e triplamente luminoso, que está na origem e no princípio de toda a beleza. Eles têm igualmente o mérito de entrarem em comunhão com Jesus através de uma verdadeira proximidade, pois tomam parte no conhecimento de Suas operações divinas, uma vez que lhes foi dada no mais alto grau a capacidade de imitarem a Deus. Eles entram em contato tanto quanto lhes é possível com as virtudes, pelas quais Ele exerce a Sua ação divina face aos homens e manifesta o Seu amor por eles. Eles são perfeitos não pela iluminação de uma sabedoria que lhes permitiria analisar a variedade dos santos mistérios, mas pela plenitude duma deificação, pela ciência superior que possuem na qualidade de mensageiros das operações divinas. É diretamente de Deus que eles recebem a iniciação sagrada e é graças a esse poder de se elevarem diretamente até Deus, que eles devem a superioridade sobre todos os outros seres. Os teólogos mostram claramente que as ordens inferiores das essências celestes aprendem de seus superiores tudo o que lhes concernem às operações divinas, enquanto que a ordem mais elevada é iniciada por Deus. Eles nos revelam, que certos anjos são iniciados por aqueles que possuem um nível mais elevado que o seu e que aprendem através desses, que Deus é o Senhor das potências celestes, o Rei da Glória, que sob a forma humana subiu aos céus. Outros recebem de Jesus Cristo a sua iniciação sem intermediários, recebendo d’Ele antes de todos os outros a revelação da obra redentora que Ele levou a cabo por amor aos homens. “Eu sou (responderá Ele) O que falo a justiça, e venho para defender e salvar” (Is 63:1). Assim é, tanto quanto eu posso conhecer, essa primeira ordem das essências celestes, aquela que rodeia a Deus e que se situa na Sua vizinhança, aquela que envolve o Seu perpétuo conhecimento. Ela pode não somente contemplar, mas ainda receber iluminações e sustentar-se do maná divino. Digna ao mais alto nível, de entrar em comunhão e em cooperação com Deus, essa primeira ordem assemelha-se tanto quanto pode à bondade dos poderes e das operações próprias a Deus. É por isso que a teologia nos transmite os hinos que cantam esses anjos, onde se manifesta o caráter transcendente da sua sublime iluminação. Se ousarmos utilizar uma imagem terrena, eles se assemelham à voz de uma torrente tempestuosa quando gritam: “Bendita seja a glória do Senhor, que se vai do seu lugar” (Ez 3:12). Outros anjos entoam o hino célebre e venerável: “Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus dos exércitos, toda a terra está cheia da Sua glória” (Is 6:3). Nessa primeira ordem das essências celestes estão os lugares divinos, onde segundo a expressão das Sagradas Escrituras a Divindade “repousa”. Essa ordem ensina também aos outros anjos que a Divindade é una. Una em Três Pessoas e que Ela exerce a sua Providência benfeitora desde as essências que vivem no céu até as mais baixas criaturas terrenas, pois Ela é o Princípio e a Causa de toda a essência e é Ela que envolve o universo inteiro de modo sobreessencial num abraço irresistível. Capítulo VIII. Abordaremos agora a segunda ordem das inteligências celestes iniciando-nos no conhecimento das Dominações, Virtudes e Potestades. Cada uma dessas denominações revela a forma própria de cada inteligência angélica de imitar e se configurar a Deus. O nome das santas Dominações significa a elevação espiritual livre de qualquer compromisso terreno tal como convém a uma entidade incorruptível e verdadeiramente livre, tendendo com um firme vigor para o verdadeiro princípio de toda a Dominação, recebendo ela e os seus subordinados à medida das suas forças a semelhança do Senhor e participando do princípio constante e divino de toda a Dominação. No que concerne às santas Potestades o seu nome indica uma certa vigorosidade corajosa em todos os atos pelos quais se configuram a Deus. Uma vigorosidade que exclui qualquer enfraquecimento de forças no recebimento das iluminações divinas que lhe é outorgada; uma vigorosidade que se eleva corajosamente até a imitação de Deus e que não abandona a ascensão à forma divina e cujo olhar permanece rigidamente direcionado para a fonte de toda a potestade Sobreessencial. Porque essa vigorosidade torna-se imagem da potestade, da qual ela assume a forma, ligando-se a ela com todas as suas forças para fazer descer sobre as essências inferiores o seu processo dinâmico e deificante. O nome das Virtudes indica que ela tem o nível igual das Dominações e Potestades. Ela é disposta harmonicamente e sem confusão para receber os dons divinos. Ela indica ainda que o poder intelectual que lhe pertence é perfeitamente ordenado e que longe de abusar do seu poder ela se eleva harmoniosamente para as realidades divinas, conduzindo na sua bondade as essências inferiores e imitando tanto quanto pode a virtude fundamental, que é a fonte de toda a virtude sem deixar de difundí-la na medida de sua capacidade. Eis como a segunda hierarquia das inteligências celestes manifesta a sua identidade com Deus. É assim que ela se purifica, se ilumina e se aperfeiçoa graças às iluminações divinas que lhe são transmitidas pelos membros da primeira ordem hierárquica. Essa tradição, que se transmite regularmente de anjo a anjo, simbolizará a nós essa perfeição que vinda de longe, se confunde descendo progressivamente do primeiro ao segundo nível. Do mesmo modo, as evidentes perfeições das realidades divinas são mais perfeitas que as participações nas visões divinas que se fazem através de intermediários. Assim parece-me que a participação imediata das ordens angélicas que mais se aproximam de Deus é mais clara que a dos anjos cuja iniciação é mediata. É por isso que segundo os termos consagrados pela nossa tradução as primeiras inteligências iluminam e purificam as que têm um nível (hierárquico) inferior, de modo que essas últimas elevadas por intermédio da primeira até o princípio Universal e Sobreessencial tomem parte tanto quanto lhes é possível nas iluminações e nos aperfeiçoamentos operados por Aquele, que é o princípio de toda a perfeição. A Lei Universal, pela qual as essências celestes da segunda ordem participam por intermédio das de primeira ordem nas iluminações divinas, é instituída pelo Princípio Divino. Deus no Seu amor paternal pelos homens depois de ter corrigido Israel para convertê-lo e reconduzí-lo ao caminho da salvação, livrou-o em primeiro lugar da barbárie vingativa das nações, a fim de assegurar o aperfeiçoamento aos homens submetidos a Sua providência e praticou em seguida o ato de libertá-lo de seu cativeiro e de devolvê-lo a sua antiga felicidade. Como diz as Sagradas Escrituras segundo a visão de um de seus teólogos Zacarias (Zac 1:8-17), parece ter sido um anjo da primeira ordem, daqueles que vivem junto de Deus, que recebeu do próprio Deus as palavras consoladoras. Foi enviado ao encontro do primeiro um outro anjo pertencente aos níveis inferiores para receber e transmitir a iluminação e que uma vez iniciado na vontade divina, confiou ao teólogo a santa nova de que Jerusalém refloresceria e que multidões de homens a repovoariam. Um outro teólogo Ezequiel declara que essa lei foi santamente instituída por Deus e que na Sua glória mais elevada do que qualquer outra, Ele comanda os Querubins. “Estes são os mesmos animais que eu vi debaixo do Deus de Israel, junto do rio Cobar; e conheci que eram Querubins” (Ez 10:20). Deus no Seu amor paternal pelos homens e querendo punir Israel para os ensinar ordenou por um ato de justiça que os inocentes fossem separados dos responsáveis. É o primeiro dos Querubins que segundo o texto sagrado recebe a santa ordem e se reveste de um manto que caí até os pés como símbolo da sua função sagrada. Em seguida, somente o Princípio Divino de toda a ordem prescreve ao primeiro dos anjos que o segredo da decisão divina seja transmitido àqueles anjos que usam armas destruidoras. Lhe é ordenado ainda que atravesse toda a cidade de Jerusalém e marque os inocentes nas suas frontes. Aos outros anjos Ele ordena: “Passai pelo meio da cidade, seguindo-o, e feri: não sejam compassivos os vossos olhos, nem tenhais compaixão alguma. O velho, o jovem e a donzela, o menino e as mulheres, matai todos, sem que nenhum escape; mas não mateis nenhum daqueles sobre quem virdes o tau; começai pelo Meu santuário. Começaram, pois pelos anciãos que estavam diante da casa do Senhor” (Ez 9:5-6). E que dizer ainda daquele anjo que anunciou a Daniel: “Desde o princípio das tuas preces, foi dada esta ordem, e eu vim para ta descobrir, porque tu és um varão de desejos; toma, pois, bem sentido no que vou dizer-te e compreende a visão” (Dan 9:23). Ou daquele que recebe o fogo do meio dos Querubins: “E (o Senhor) falou ao homem que estava vestido de roupas de linho, dizendo: Vai ao meio das rodas que estão debaixo dos Querubins, enche a tua mão de carvões ardentes, que estão entre os Querubins, e espalha-os sobre a cidade…” (Ez 10:2). E ainda daquele que demonstra mais claramente a boa ordem que preside aos anjos: o Querubim que toma o fogo e o põe nas mãos daquele que estava vestido de roupas de linho (Ez 10:6-7). Que dizer igualmente daquele que chamou o divino Gabriel e lhe disse: “Ouvi a voz dum homem no meio de Ulai, o qual gritou e disse: Gabriel, explica-lhe esta visão” (Dan 8:16). Ou que dizer enfim de todos os outros exemplos fornecidos pelos santos teólogos? Capítulo IX. Falta-me contemplar a terceira ordem que termina a hierarquia angélica e que se compõe de Principados, Arcanjos e Anjos. Creio que em primeiro lugar é preciso explicar o sentido desses nomes sagrados. O nome dos Principados celestes significa que eles possuem na ordem sagrada um princípio e uma hegemonia de forma divina; que eles possuem das potências de comando da mais alta conveniência o poder de se converterem inteiramente ao Princípio que está acima de todo o princípio e de conduzirem os outros para eles com uma autoridade primordial e de revelarem o Princípio Sobreessencial de toda a ordem pela harmonia do seu comando. Os Santos Arcanjos têm o mesmo nível que os Principados celestes e formam uma única hierarquia juntamente com os Anjos. A ordem dos Arcanjos, graças ao seu lugar intermediário na hierarquia, participa nos dois extremos uma vez que ela entra em comunhão com os Principados e com os Anjos. Em um dos extremos ela participa no sentido de sua conversão ao Princípio Sobreessencial e lhe confere a unidade graças aos poderes invisíveis da harmonização; no outro extremo ela participa no sentido de também pertencer ao nível dos intérpretes, recebendo hierarquicamente a iluminação por intermédio das potências do primeiro nível transmitida aos Anjos e por intermédio desses transmitida a nós na medida em que cada um possa recebê-la através dos segredos divinos. Como já dissemos, os Anjos terminam e completam a regra das inteligências celestes, porque são eles que possuem entre elas o mais baixo grau da qualidade angélica e se nós os designamos por anjos é precisamente porque por seu intermédio se manifesta a sua hierarquia mais claramente aos nossos olhos. A ordem superior (Tronos, Querubins e Serafins) mais próxima — pela sua dignidade — do Santuário Secreto inicia misteriosamente a segunda ordem, aquela que se compõe das Dominações, Potestades e Virtudes, que por outro lado comanda os Principados, Arcanjos e Anjos. A segunda ordem revela os mistérios menos secretamente que a primeira ordem mas menos abertamente que a última. A função reveladora pertence à ordem dos Principados, Arcanjos e Anjos. É ela que através dos graus da sua própria ordenação preside as hierarquias humanas, a fim de que se produzam de modo ordenado a elevação para Deus, a conversão, a comunhão, a união e ao mesmo tempo o movimento que provem de Deus que gratifica liberalmente todas as hierarquias e dons e as ilumina, fazendo com que essas hierarquias humanas entrem em comunhão com essa função reveladora. Daí resulta, que a teologia reserva aos Anjos o cuidado pela nossa hierarquia chamando a Miguel o arconte (magistrado da Grécia antiga) do povo judeu e aos outros anjos arcontes de outras nações, porque: “Quando o Altíssimo dividiu as nações, quando separou os filhos de Adão, fixou os limites dos povos segundo os números dos filhos de Israel” (Dt 32:8) (versão dos 70). Se nos perguntarmos como é que apenas o povo judeu foi elevado às iluminações de origem divina? É necessário dizer que os anjos preencheram de justiça a sua função de vigilância e não é culpa deles se outras nações se envolveram no culto de falsos deuses. Foram essas nações, com efeito, que pelos seus próprios movimentos abandonaram a via da ascensão espiritual para o divino. Foi à medida do seu orgulho e da sua presunção que elas veneraram os ídolos que lhes pareciam divinos. O povo hebreu testemunha propriamente essa verdade, pois a ele sucedeu-se o mesmo acidente. Porque as Sagradas Escrituras dizem: “O meu povo calou-se, porque não teve ciência. Porque tu (ó sacerdote) rejeitaste a ciência, também Eu te rejeitarei a ti” (Os 4:6). Nem a nossa vida é necessariamente determinada, nem a liberdade dos seres submetidos à Providência das luzes divinas priva essas luzes do seu poder de iluminação providencial. Mas é a suficiente assimilação das visões — e da sabedoria que por elas é transmitida — que impede toda a participação nos dons luminosos da bondade paternal e constitui obstáculo a sua difusão, na medida em que torna as comunicações desiguais, pequenas ou grandes, obscuras ou claras, enquanto que a Fonte Radiante permanece única e simples sempre idêntica a si própria e superabundante. É assim mesmo entre as outras nações, nações das quais nós nos elevamos para o oceano indefinido e generoso dessa Luz Divina, que difunde os Seus dons sobre todos os seres. É para o único Princípio Universal que os anjos encarregados de cuidar de cada nação elevaram todos aqueles que os quiseram seguir. Lembremo-nos de Melquisedec que teve em si próprio um grande amor a Deus, do Deus Altíssimo e Verdadeiro. Os conhecedores da Sabedoria Divina não se contentaram em chamá-lo de amigo de Deus, mas chamaram-no de Sacerdote para indicar claramente aos homens sensatos que o seu papel não foi somente o de converter-se ao culto do verdadeiro Deus, mas ainda enquanto grande sacerdote teve a função de conduzir a outros na ascensão espiritual, a qual leva à Única e Verdadeira Divindade. “E Melquisedec, rei de Salém, trazendo pão e vinho, porque era sacerdote do Deus Altíssimo” (Gên 14:18). Não nos esqueçamos do faraó que aprendeu sob a forma de visão de um anjo dedicado ao cuidado dos egípcios (Gên 41:1-7), tal como do príncipe dos Babilônios que aprendeu através do seu anjo particular; a solicitude do poder universal (Dan 12). Ministros do verdadeiro Deus, os anjos foram instituídos como condutores dessas nações para interpretarem as visões enviadas por Deus sob a forma alegórica, por intermédio de homens cuja santidade era próxima a dos anjos como Daniel e José; porque no Universo há um só Princípio e uma só Providência. Não poderíamos imaginar que Deus partilhasse o governo do povo judeu com anjos ou falsos deuses. As expressões que nos poderiam fazer crer nisso, devem ser interpretadas segundo um sentido sagrado. Elas não significam que Deus tenha partilhado o governo da humanidade, mas sim que neste mundo em que a Providência universal do Altíssimo tinha confiado para a salvação de todos os povos com anjos encarregados de os conduzir a Ele, foi só Israel que converteu-se à Luz e confessou o verdadeiro Senhor. Por isso, para mostrar que Israel tinha se devotado ao culto do verdadeiro Deus as Sagradas Escrituras exprimem-se assim: “A porção, porém, do Senhor é o Seu povo” (Dt 32:9). Mas para mostrar que um dos anjos foi designado para a função de conduzir esse povo à confissão d’Aquele que é o Princípio Único e Universal, a teologia relata igualmente que Miguel preside ao governo do povo judeu. “Mas Eu te anuciarei o que está expresso na Escritura da Verdade; e em todas estas coisas ninguém Me ajuda senão Miguel, que é o vosso príncipe” (Dan 10:21). As Sagradas Escrituras nos ensinam assim de modo claro, que não existe mais do que uma só Providência para o universo inteiro. Providência sobreessencialmente, transcendente a toda a potência visível ou invisível. Na medida do possível, todos os anjos dedicados a cada nação elevam para essa Providência aqueles que os seguem de bom grado. Capítulo X. Concluamos, portanto, que a ordem mais antiga dentre as inteligências que envolvem Deus, iniciada nos mistérios pelas iluminações que lhe vêem do próprio Princípio de toda a iluminação, recebe purificação, iluminação e aperfeiçoamento graças ao Dom das iluminações mais secretas da Divindade. Depois dessa e proporcionalmente a sua natureza vem a segunda ordem, depois a terceira e por último a hierarquia humana. Todas as ordens se elevam hierarquicamente para o Princípio fundamental de toda a harmonia. Elas são reveladoras e mensageiras das que as precedem. Deus as distinguiu segundo os modos de harmoniosa deificação que convém em particular a cada uma. Os teólogos dizem que os Serafins trocam mútuos clamores mostrando assim segundo creio e de modo claro, que os primeiros transmitem aos segundos conhecimentos teológicos. “Clamavam um para o outro e diziam: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos” (Is 6:3). Capítulo XI. Uma vez colocada essas questões convem considerar porque razão nos acostumamos a chamar igualmente “potências celestes” a todas as essências angélicas. Não podemos dizer como o fizemos para o termo Anjo, que a ordem das Santas Potestades é a última das ordens e que as essências superiores participam na iluminação das ordens inferiores e que essas últimas não tomam parte na iluminação das primeiras. Tal explicação não justificaria a extensão do nome de potestades celestes a todas as inteligências divinas dos Serafins, dos Tronos ou das Dominações em virtude do princípio segundo o qual as ordens inferiores não participam nas propriedades das superiores. Restariam os Anjos e antes deles os Arcanjos, os Principados e as Virtudes que os teólogos subordinam às Potestades e que recebem freqüentemente na linguagem comum o nome de potestades ou potências celestes ao mesmo título que os outros anjos. Ao usar o nome de potestades para designar todas as essências não introduzimos nenhuma confusão nas propriedades de cada ordem. No seio de todas as inteligências divinas distinguimos com efeito três qualidades: a essência, a potência e o ato. Se nos ocorre designá-las indistintamente por essências ou potências celestes importa considerar que o fazemos por rodeio de palavras e não se trata de atribuir na totalidade às essências subordinadas a eminente propriedade das santas potestades. Como já foi dito, as ordens superiores possuem as propriedades das inferiores, porque somente uma parte das iluminações primordiais é transmitida às ordens inferiores à medida de suas capacidades. Capítulo XII. Vejamos um outro problema que é colocado a quem quer que se envolva no estudo escriturístico minucioso: Uma vez que as últimas ordens não participam inteiramente nas ordens superiores, porque é que os grandes sacerdotes da hierarquia humana recebem nas Sagradas Escrituras o título de anjos do Senhor Todo Poderoso? “Porque os lábios dos sacerdotes serão os guardas da ciência; da sua boca se há de aprender a lei, porque ele é o anjo do Senhor dos exércitos” (Ml 2:7; cf.Apoc 2:1). Creio que o uso desse termo não contradiz as definições dadas até o momento. Quando se diz que às inteligências da terceira ordem falta a inteira potência, integral e sublime que pertence às ordens mais antigas, entende-se que elas participam na medida de suas forças numa comunhão única e universal, harmoniosa e sintética. Assim é, por exemplo, que se a ordem dos Querubins participa numa sabedoria mais elevada, as legiões formadas de essências inferiores participam também na sabedoria, mas de forma mais parcial. A participação geral na sabedoria é a característica comum a todas as inteligências que vivem em conformidade com Deus. O que não é comum é o caráter mais ou menos imediato e primordial dessa participação, grau que se define para cada essência na medida de suas próprias capacidades. Essa verdade pode ser aplicada sem risco a todas as inteligências divinas, porque assim como as primeiras ordens possuem as propriedades de suas subordinadas, também as últimas possuem as propriedades das suas superiores, não do mesmo modo, mas de modo inferior. Eu não vejo inconveniente que um grande sacerdote da hierarquia humana seja chamado de anjo pelos teólogos, porque ele participa segundo a sua própria capacidade no papel de intérprete dos anjos e na medida de suas possibilidades tende a imitar o seu poder revelador. Notaremos, que a teologia concede o título de deuses às essências celestes e chama também “deuses” aos homens que se distinguem pelo seu amor a Deus e pela sua santidade: “Jacó pôs àquele lugar o nome de Fanuel, dizendo: Eu vi a Deus face a face, e a minha alma foi salva” (Gên 32:30). “E o Senhor disse a Moisés: Eis que Te constituí deus do faraó, e Arão, teu irmão, será teu profeta” (Êx 7:1). “Eu disse: Sois deuses” (Sl 81:6). Ora, o mistério divino é transcendente; o seu caráter sobreessencial separa-o de todas as coisas e nenhum ser vivo merece em propriedade ser nomeado do mesmo modo. Toda a inteligência que tende integralmente ― no máximo da sua potência ― para a união com Deus e que se eleva incessantemente tanto quanto pode para as iluminações divinas imitando o próprio Deus, se isso se pode dizer à medida de suas forças, então merece bem o título de divina. Capítulo XIII. Prossigamos o nosso caminho e examinemos porque é que se diz que um dos teólogos recebeu a visita de um Serafim. Notemos que Serafim é um anjo da primeira ordem, das mais antigas essências celestes, o qual desce para purificar o profeta. “Voou para mim um dos Serafins, o qual trazia na mão uma brasa viva, que tinha tomado do altar com uma tenaz” (Is 6:6). Alguns intérpretes respondem que em virtude da definição já dada aos nomes que se atribuem em comum a todas as inteligências, as Sagradas Escrituras não afirmam que a inteligência que desce para purificar o teólogo pertence a essa ordem superior que se situa próxima a Deus, mas que se trata de um dos anjos que nos são designados a título de ministro sagrado encarregado da purificação do profeta. Seria um desses anjos que teria recebido por semelhança o nome de Serafim, em virtude da operação que realiza apagando pelo fogo os pecados que as Sagradas Escrituras enumeram e restabelecendo na obediência de Deus aquele que tinha sido purificado. Assim, segundo esse estudo minucioso, as Sagradas Escrituras falando simplesmente de Serafim não designam uma dessas inteligências que se situam nas proximidades de Deus, mas designam outras das potências purificadoras que nos são dedicadas. Um outro estudioso oferece uma solução referente a isso para nos tirar desse embaraço. Esse grande mensageiro, que aparece ao teólogo para iniciá-lo nos segredos divinos, “relatou” a Deus e depois à hierarquia primordial a santidade da sua própria operação purificadora. O estudioso que assim falava, afirmava que a potência divina se difunde por todo lado e penetra todas as coisas de modo irresistível, permanecendo misteriosa não somente pela sua total e sobreessencial transcendência, mas ainda pelo mistério pelo qual envolve todas as suas operações providenciais. Portanto, está claro que a potência divina se revela a quem quer que seja dotado de inteligência e que esteja à medida de suas capacidades receptoras. Tendo doado sua própria luz às essências mais antigas, ela usa em seguida o serviço dessas mesmas essências para transmitir essa mesma luz de modo harmonioso às essências de ordem inferior, segundo a aptidão visionária de cada ordem. Por outro lado, se preferirmos uma expressão mais clara com imagens mais adequadas temos: a difusão do raio solar atravessa mais facilmente a primeira matéria que é mais transparente que todas as outras. Através dessa matéria o seu próprio esplendor brilha de modo mais visível, mas quando se depara com matérias mais opacas a sua potência de difusão se obscurece, porque as matérias penetradas resistem pela sua própria natureza à passagem da efusão luminosa e esta resistência aumenta progressivamente ao ponto de quase impedir inteiramente a passagem do raio luminoso. Pela mesma razão, o calor do fogo transmite-se melhor nos corpos que são mais aptos a recebê-lo e que pelo seu movimento interno de ascensão se aproximam mais da sua semelhança, mas logo que se aproxima de substâncias refratárias a sua chama permanece sem efeito ou pelo menos não deixa mais do que um ligeiro traço. O melhor ainda é dizer: o fogo não atua sobre substâncias que não têm afinidade com ele a não ser por intermédio de corpos já familiarizados, de modo a fazer o fogo chegar aos objetos inflamáveis e somente em seguida através deles aquecer a água ou outra substância rebelde à combustão. É através dessa lei harmoniosa que rege toda a natureza, que o Princípio maravilhoso de toda a ordem visível e invisível manifesta originalmente por efusões benfeitoras a chama da sua própria luz às essências superiores, que por seu intermédio aquelas que vêm depois delas participam na luz divina. Com efeito, essas essências que confessam Deus em primeiro lugar e que tendem mais que todas as outras para a virtude divina, merecem ser as primeiras na imitação divina. São elas que na sua bondade distribuem generosamente às ordens inferiores esse esplendor que as penetra, que por sua vez as distribuem às outras subordinadas. É assim que gradativamente a que precede, distribui à seguinte a luz divina que ela própria recebeu, a qual se distribui providencialmente sobre todas as essências à medida das suas capacidades. Capítulo XIV. O que significam os números atribuídos tradicionalmente aos anjos. Mas ainda é conveniente a meus sentidos refletir sobre essa tradição escriturística que atribui aos anjos os números de mil vezes mil e dez mil vezes dez mil(Daniel 7:10), retornando sobre eles mesmos e multiplicando por eles mesmos os números mais elevados que nós conhecemos, para nos revelar claramente que o número das legiões celestes para nós escapa de todas as medidas. Tal é, com efeito, a multidão desses exércitos bem-aventurados que não são desse mundo, que ela ultrapassa a ordem débil e restrita de nossos sistemas de numeração material e que só pode ser conhecida e definida pela sua própria inteligência e sua própria ciência que não são desse mundo, mas que pertencem ao céu e que elas receberam como dom perfeitamente generoso da Tearquia, pois essa Tearquia conhece o infinito, Ela é a fonte de toda sabedoria, o princípio comum e supraessencial de toda existência, a causa que dá classificação de essência a todo ser, a potência que contem e o termo que abarca a totalidade do universo. Duplo papel das essências celestes, Capítulo XV. Quais são as imagens figurativas das potências angélicas: o fogo, a forma humana, os olhos, o nariz, as orelhas, a boca, o tato, as pálpebras, as sobrancelhas, a flor da idade, os dentes, os ombros, os braços, as mãos, o coração, o peito, o dorso, os pés, as asas, a nudez, a vestimenta, os véus brilhantes, o manto sacerdotal, os cintos, os bastões, as lanças, os machados, as correntes, os ventos, as nuvens, o bronze, o âmbar, os coros, os aplausos, as nuanças das pedras coloridas, a forma de leão, aquela do boi e da águia, os cabelos, os mantos cavalares, os rios, os carros, as rodas e a alegria que se atribui aos anjos. Continuando nossa reta eis o que nos resta dizer. O olho de nossa inteligência vai afrouxar, se você vê bem, o esforço pelo qual ele se ensaiava de maneira angélica nas mais altas visões. Nós vamos descer de novo aos planos da divisão e da multiplicidade para a diversidade polimórfica das figuras que os anjos assumem. Retornaremos em seguida aos nossos passos e subiremos das imagens para a simplicidade das essências celestes. Mas saiba primeiramente (Maurice de Gandillac acrescenta aqui: “somente isso”) que as interpretações sagradas das imagens figurativas revelam às vezes que as mesmas ordens das essências celestes, tanto iniciam quanto são iniciadas, que aquelas da última ordem iniciam e que aquelas da primeira ordem são iniciadas e que elas possuem todas, como se diz, potências superiores, médias e inferiores, sem que portanto exegeses (estudos) desse gênero tenham nada de irracional. Com efeito, pretender que todas juntas, tais ordens sejam iniciadas por aquelas que as precedem e que essas últimas recebam delas a mesma iniciação, ou ainda, que as superiores iniciando as inferiores, sejam a seguir iniciadas por aquelas mesmas que elas iniciaram, seria o puro absurdo e a confusão total. Mas afirmando-se que as mesmas essências iniciam e são iniciadas nós não entendemos por essa afirmação, que elas iniciam as mesmas que as iniciaram: nós apenas queremos dizer que cada uma delas é iniciada por aquelas que as precedem e que ao mesmo tempo elas iniciam aquelas que a seguem. Não há então nenhuma inconveniência em afirmar que as figurações sagradas que as Escrituras nos apresentam, podem se atribuir às vezes sem modificação, propriamente e verdadeiramente, às vezes às potências primeiras, às vezes às médias, às vezes às últimas. Por exemplo: o poder de se elevar ao alto por um movimento constante de conversão, aquele de executar em torno de si próprio uma indefectível revolução conservando suas próprias potências, o poder de participar na potência providencial comunicando-se processivamente com as ordens inferiores, tudo isso convem, sem mentir, a todas as essências celestes, a algumas todas as vezes (como se disse muitas vezes) de modo eminente e total, às outras de modo parcial e inferior. É necessário que abordemos agora o problema colocado e que comecemos a elucidação das figuras, procurando o porquê da Teologia, como se pode constatar, situar as alegorias tiradas do fogo quase acima de todas as outras. Você notará, com efeito, que ela não só nos apresenta rodas de fogo ardente (Dan 7:9), mas ainda animais como brasas de fogo ardente (Ez 1:13) e homens com semelhança de fogo (Ez 1:27) (Maurice traz “brilhantes como de fogo”). Ela imagina em volta das essências celestes mãos cheias de brasas acesas (Ez 10:2) e rios de fogo (Dan 7:10). Ela afirma em outra passagem que os tronos são de chamas de fogo (Dan 7:9) e invoca a etmologia da palavra serafins para declarar que essas inteligências superiores são incandescentes e para lhes atribuir as propriedades e os atributos do fogo. No total, quer se trate da alta ou da baixa hierarquia, é sempre para as alegorias tiradas do fogo que vão suas preferências. Me parece que de fato, é a imagem do fogo que revela melhor o modo pelo qual as inteligências celestes se conformam a Deus. É por isso que os Santos Teólogos descrevem freqüentemente sob forma incandescente essa essência suprasubstancial que escapa a toda figuração e é essa forma que fornece mais de uma imagem visível daquilo que nós ousamos chamar de propriedade teárquica. O fogo sensível é, por assim dizer, presente em toda parte e ilumina tudo sem se misturar com nada, permanecendo sempre totalmente separado. Ele brilha com um clarão total e permanece ao mesmo tempo secreto, pois em si ele permanece desconhecido fora de uma matéria que revele sua operação própria. Não se pode suportar o seu clarão nem contemplá-lo face a face, mas seu poder se estende por toda parte e de lá onde ele nasce ele tira tudo para si fazendo dominar (essas duas palavras faltam em Maurice) seu ato próprio. Por essa transmutação ele faz dom de si a qualquer um que se aproxime por pouco que seja: ele regenera os seres por seu calor vivificante (Maurice traz “por sua vivificação”), ele os clareia por suas brilhantes iluminações, mas em si, ele permanece puro e sem mistura. Ele tem o poder de decompor os corpos sem sofrer ele mesmo nenhuma alteração. Ele se agita vivamente. Ele vive nas alturas, ele escapa a toda atração terrestre, ele se move sem cessar, ele se move por si próprio e ele move os outros. Seu domínio se estende por toda a parte, mas ele não se deixa prender em lugar algum. Ele não precisa de ninguém. Ele se aumenta insensivelmente, manifestando sua grandeza em toda matéria que o acolhe. Ele é ativo, poderoso, invisível e presente por toda a parte. Negligenciado, ele parece que não existe. Mas, sob o efeito dessa fricção que é como uma oração, ele aparece bruscamente com todas as suas qualidades; logo se o ve tomar um voo irresistível e é sem perder nada de si que ele se comunica jubilosamente em torno de si. Encontraremos ainda, mais uma propriedade do fogo que se aplica como uma imagem sensível às operações da Tearquia. Os conhecedores da Sabedoria Divina o sabem bem já que atribuem figuras incandescentes às essências celestes, revelando assim que formas elas assumem e tanto quanto lhes é possível, a semelhança de Deus. Mas eles usam também para os figurar alegorias antropomórficas, porque o homem possui uma inteligência; porque ele é capaz de olhar para o alto; porque ele se mantem firme e direito; porque sua natureza é aquela de um príncipe e de um chefe; porque se é verdade que no plano sensível os animais desprovidos de razão tem maiores poderes que os do homem, no entanto, é ele que domina todos pelo entendimento de sua potência intelectual, pela soberania de seu poder racional, pelo caráter naturalmente livre e independente da sua alma. Quer me parecer ainda mais, que cada parte do corpo humano pode nos fornecer muitas imagens que se aplicam perfeitamente (essas seis últimas palavras faltam em Maurice) às potências celestes. Pode-se dizer que as faculdades visuais significam sua tendência a se elevar, em plena claridade, para as Luzes Divinas assim como a maneira pela qual elas recebem impassivelmente as iluminações teárquicas com toda simplicidade “ternamente”, com flexibilidade, sem resistência, em um voo rápido e puro. O discernimento dos odores significa o poder de agarrar ao máximo as suaves emanações que ultrapassam a inteligência, de discernir da ciência segura seus contrários e deles fugir absolutamente. O ouvido significa o poder de participar na inspiração teárquica e dela tirar o saber que ela contem. O paladar significa a plenitude dos alimentos intelectuais e a arte de se abeberar (matar a sede) na fecundidade dos canais divinos; o tato, a arte de distinguir seguramente o útil do nocivo; as pálpebras e as sobrancelhas, o cuidado com o qual elas conservam as visões intelectuais de Deus; a adolescência e a juventude a constante floração das potências vitais; os dentes, a perfeição com a qual eles dividem o alimento que eles recebem, pois cada essência intelectual tendo recebido de uma essência mais divina, em dom, a intelecção unitiva, a divide e a multiplica providencialmente para elevar espiritualmente tanto quanto possa a essência inferior (daquela que ela é encarregada). As espáduas (ombros), os braços e as mãos, representam o poder de fazer, de agir, de operar; o coração é o símbolo de uma vida conforme a Deus e que espalha em sua bondade sua própria potência vital sobre os seres submetidos a sua Providência; o peito revela a muralha inexpugnável (segura) ao abrigo da qual um coração generoso espalha seus dons vivificantes; o dorso (costa) figura a reunião de todas as potências que engenharam a vida; os pés, o caráter móvel e rápido desse curso perpétuo que os conduz para as realidades divinas. É por i CurtirCurtir
    • Ricardo disse:

      Irmã Helen,

      Tudo bem, já que não pode responder sobre o livro que citei, poderia me responder uma pergunta?

      A igreja católica louva a Maria simbolizada pelas imagens que existem no altar?

      Curtir

    • Ricardo disse:

      Irma helen

      Aquele link que me passou é muito extenso, queria que poupasse meu tempo e me respondesse uma pergunta prática, se for possivel:

      Acontece nas Igrejas Catolica de os fiéis louvarem cànticos à Maria e louvam tais cânticos olhando para a imagem da santa.

      Agora lhe pergunto: Esse ato de louvar à imagem de Maria é uma prática adotada pela Igreja? Ou o povo o faz contra o que a Igreja recomenda ou ensina?

      Curtir

      • Helen disse:

        Olá Ricardo,

        Olhar para imagem enquanto canta hinos em homenagem à Maria não é ofensa, porque não é adoração, mas hiperdúlia.

        Veja bem, existe o culto:

        Da Latria – que só se deve a Deus.
        Da Dulia – que se presta aos Santos
        Da Hiperdulia – que se presta à mais importante dentre os Santos, Maria.

        Veja que a idoLATRIA é uma palavra que vem da junção de ídolo e latria, ou seja, o culto que se presta a Deus somente.

        Assim, cantar à Maria, exaltar suas bem-aventuranças, Sua lealdade a Deus, sua obra intercessora junto a Cristo – tal e qual ela fez nas Bodas de Cana – não representa elevá-la a uma condição igual a de Deus ou seu filho.

        A Igreja não proíbe os Canticos ou preces marianas. Pelo contrário, muitas delas foram criadas pela Igreja
        ha séculos atrás.

        Agora, pela última vez : Nenhum católico louva Imagens! NUNCA, JAMAIS, IMPOSSÍVEL!!!

        LOUVA-SE, EXALTA-SE, HONRA-SE aquele ORIGINAL QUE ESTÁ REPRESENTADO NA FIGURA DA IMAGEM.

        A IMAGEM É DE PEDRA, GESSO, PAU. NÃO FAZ NADA, portanto, não passa de um objeto, e como tal, não poderia JAMAIS receber honra.

        Se for difícil para entender vou tentar ajudar o sr a imaginar uma situação.

        Já assistiu às comemorações feitas aos heróis de Guerra, principalmente na Inglaterra?

        Se sim, com certeza deve ter visto que o Chefe de Estado, no caso da Inglaterra, geralmente deposita uma coroa de flores diante de uma estátua ou marco memorial em reverencia aos que morreram.

        Estaria, pergunto eu, a rainha ofertando flores ao objeto, obelisco, estátua, ou à memória dos heróis da Guerra? Claro que faz-se tal gesto em reverência à memória dos soldados mortos e não à um mero objeto.

        Pois bem, se a Católica canta, olha, toca e até ajoelha-se diante da Imagem não é porque acredita ser a Imagem em si algo especial. Mas a pessoa retratada nela, aliás, a memória da pessoa e seu exemplo.

        Mais uma vez, já que o sr parece não ter lido meu post recente:

        180- Quais são os principais pecados contra a religião?

        Os principais pecados contra a religião são a adoração de falsos deuses ou ídolos e a doação a qualquer criatura que seja a honra que pertence a Deus somente.

        184 – É proibido dar honra divina ou adoração aos anjos e santos?

        187 – Rezamos às relíquias ou imagens?

        Nós não oramos à relíquias e imagens. Estas não podem ver, ouvir, nem nos ajudar. (Catecismo da Doutrina Cristã, Papa São Pio X)

        Sim, é proibido dar honra divina ou adoração aos anjos e santos, pois isso pertence à Deus somente. (Catecismo da Doutrina Cristã – São Pio X)

        Um exemplo:

        Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum. Benedicta tu in mulieribus et benedictus fructus ventris tui, Iesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen.

        Curtir

    • Ricardo disse:

      Helen

      Vou citar algumas falas suas e tecer alguns pequenos comentários:

      “Veja bem, existe o culto:

      Da Latria – que só se deve a Deus.
      Da Dulia – que se presta aos Santos
      Da Hiperdulia – que se presta à mais importante dentre os Santos, Maria.”

      Então a hiperludia é um culto que se presta à mais importante dentre os Santos, ou seja, Maria.

      Vejamos o que a Biblia nos diz sobre prestar culto. O SENHOR Jesus disse:

      “retira-te, satanás porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e SÓ A ELE DARÁS CULTO (Mateus 4:10)

      Ou seja, nao existe, Biblicamente, culto a “santo” ou quem quer que seja. Devemos apenas prestar culto a DEUS e a ninguém mais! Ponto final!

      “LOUVA-SE, EXALTA-SE, HONRA-SE aquele ORIGINAL QUE ESTÁ REPRESENTADO NA FIGURA DA IMAGEM.”

      Ok. Da mesma forma que os católicos louvam, exaltam e honram a figura representada na imagem, os povos idólatras e pagãos faziam o mesmo:

      Os gregos prestavam honra a imagem representativa dos seus deuses; os egípicios, da mesma forma; os Filisteus, povo este que o Senhor exterminou da face da terra, etc, etc,etc…

      Ou seja, o mesmo culto às figuras representativas dos deuses dos povos inimigos que o Senhor tanto abominou, é o mesmo culto que o catolicismo faz com suas imagens representativas de seus santos. Por isto, esta Igreja é tida como idólatra e, quer queira, ou não, isto é SIM idolatria!

      “Pois bem, se a Católica canta, olha, toca e ATÉ AJOELHA-SE DIANTE DA IMAGEM não é porque acredita ser a Imagem em si algo especial. Mas a pessoa retratada nela, aliás, a memória da pessoa e seu exemplo.”

      Ajoelhar-se diante de uma imagem é completa afronta as Sagradas Escrituras, sobretudo ao Mandamento de Deus:

      “NÃO FARÁS PARA TI IMAGEM DE ESCULTURA(…) NÃO TE ENCURAVARÁS, NEM LHE DARÁS CULTO.” (Dt. 5:8,9)

      Mais uma vez, a proibição Bíblica de culto a quem quer que seja se nao for ao Senhor Deus.

      Pra concluir, Deus proibe a honra a qualquer pessoa ou figura representativa. O louvor é dado apenas a Ele. Diz o SENHOR:

      “eu sou o SENHOR, este é o meu nome. A minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra ÀS IMAGENS DE ESCULTURA.” (Isaías 42:8)

      Curtir

  6. paulo sergio neves disse:

    Sou evangélico. Procurei saber mais sobre a origem do Marianismo (não disse Mariolatria), procurei livros sobre o assunto (não falo de dogmas), mas história. Procurei livros na Paulus editora e nada achei, fui encontrar a verdade em um livro de um frade, chamado “Maria Apóstola”, que fala dos apócrifos cristãos (lendas da crendice popular). Acabei encontrando o que queria, ele simplesmente me esclareceu: “A veneração á Maria é mais apócrifa do que canônica”. Ele abre o jogo e até defende o uso aberto dos apócrifos pela “Igreja”.

    Curtir

    • Helen disse:

      Paulo Sergio,

      Algumas pessoas falam a palavra ” apócrifos” como se fossem um palavrão. O mais interessante é que a maioria delas sequer entende o que são os apócrifos. Espero que o sr não seja um deles.

      Espanta-me que o sr não tenha encontrado literatura abundante sobre Maria. O tema é importante e a quantidade de material é vasta. Aconselho uma nova busca. Se precisar, ou quiser, diga-nos o que exatamente busca sobre Maria, o site terá prazer em ajudar.

      Não existe nada de errado em venerar a mãe do salvador. Isso é uma pedra de tropeço implantada no protestantismo que, a bem verdade, não tem razão de ser. Jesus é o centro. É o tudo! Nós católicos não discordamos disso, muitíssimo pelo contrário. Aliás, meu Deus, quem diria, os católicos, filhos da Igreja que mais difundiu a fé em Cristo no planeta terra, tendo agora que justificar, jurar de pés juntos, gritar aos quatro cantos que creem em Cristo, que Nele esperam, que por Ele são salvos!! Quanta injustiça com a fé católica!

      Enfim, não entendi direito a razão de ser do seu comentário. A veneração de Maria é apócrifa? é isso? Disse quem, o padre x, y, z? Ora, senhor Paulo, saiba que qualquer Católico, padre ou não, santo ou pecador, tem direito a ter uma opinião. Agora, a opinião de CADA um dos mais de 1 bilhão de católicos do mundo NÃO necessariamente confirma aquilo que ensina a Igreja.

      Ou seja, quer saber o que ensina, no que acredita, a Igreja Católica? Busque na fonte! Leia os documentos oficiais da Igreja, ai sim vai saber o que de fato é catolicismo.

      Se buscar um livro “católico” e nele não houver o selo IMPRIMATUR, fique de sobre-aviso, pode conter “opiniões” e achismos e com isso, talvez não reflita a verdade do Catolicismo de fato.

      Esse é o problema do Evangélico e protestante afim. Diz que quer “aprender” sobre a fé católica, quando na verdade quer encontrar brechas para justificar o seu protestantismo!

      Se o sr é evangélico e é feliz. Fique onde está e não gaste energia tentado “aprender” como refutar a fé católica. Viva o seu Cristianismo a fundo da melhor maneira que puder. Deus verá isso e o recompensará.

      Pax Domini

      Curtir

    • É, concordo Helen, nada errado com os apócrifos, não fosse o fato de terem sido inseridos na bíblia. Mas são fições de leitura interessante, só não podem fazem parte dos livros canonicos por terem sido escritos em épocas já distantes e alguns autores não terem ligações com outros livros canônicos. Mas boas leituras.

      Curtir

      • Helen disse:

        Uma coisa que parecem esquecer quando falam de “canônico” e não-canônico é que foi A IGREJA que determinou os cânons!

        Responda-me se puder:

        Os protestantes mantiveram o Cânon católico do Novo Testamento, e o aceitam como válido e credível.

        Porque aceitam a autoridade e idoneidade da Igreja para determinar o Canon do Novo, mas refutam a credibilidade do Canon para o Antigo Testamento definido pela MESMA Igreja? Isso mostra – pra quem quer ver – a inconsistência do pensamento protestante!

        A resposta é simples:

        Porque os postantes desconhecem história! Desprezam o fato de que por 1500 anos TODO Cristão do Mundo aceitou o Canon da Bíblia tal e qual ele fora determinado pelos bispos da Igreja. Se a Bíblia não tivesse sido mutilada por Lutero, hoje, Leonardo, eu e nenhum católico teria que explicar para um protestante porque nós fazemos orações aos santos, pois leria isso em 2 macabeus, etc…

        Essa é verdadeira contribuição de Lutero. Dividir o Corpo de Cristo.

        Agora, a verdade é a seguinte: Deus é unidade. O Inimigo dele é discórdia e divisão.

        A quem Lutero prestou serviço dividindo o Corpo Místico, eu lhe pergunto?

        Curtir

        • Helen, não me tome por ignaro histórico. Eu tenho vasto conhecimento sobre o catolicismo e seus acontecimentos de importância histórica. Apenas não gosto de discutir religião. Mas se você quer uma dose, vamos lá. Me explica sobre a inquisição, que oficialmente a igreja tem como uma mancha reconhecida hoje. Como a igreja católica pode ser tida santa, perfeita e incontestável carregando um fardo pesado pela morte de Galileu que foi morto por apresentar ao mundo que a terra era redonda? Genocídio comandado pelo santo papa. É por falar em vossa Santidade, me explica como um papa pode ter uma filha bastarda de relações sexuais incestuosas… Leia sobre Rodrigo Bórgia e Lucrécia Bórgia, se não encontrar assim, procure pelo nome escolhido pelo santo papa Alexandre VI, se não me engano. Se quiser saber mais com referência aos escritos papais, posso te falar, mesmo contra minha vontade, pois não acho que esse tipo de discussão possa acrescentar algo de bom.

          Sobre seu pensamento sobre Lutero ter sido um divisor, veja o que diz o próprio Jesus…
          Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;
          Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra;
          E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.
          Mateus 10:34-36

          Um abraço e fica com Deus…

          Curtir

          • Helen disse:

            Desculpa, mas seus comentários contradizem sua afirmação. Minhas conclusões sobre o que o sr sabe e não sabe eu tiro a partir daquilo que o sr diz. Não faço suposições infundadas. Até agora, o sr fez muitos comentários errados sobre o catolicismo, o que me leva a crer que não o conhece tão bem quanto afirma conhecer.

            Será que eu devo lembrá-lo que o seu PRIMEIRO comentário aqui no blog foi sobre Maria. Ao qual eu respondi dizendo que Maria não é adorada no catolicismo, etc. Em resposta a essa minha explicação o sr declarou estar “feliz” em saber que Maria não é adorada no catolicismo!

            Ora, que vasto conhecimento é esse que o impede de saber coisa tão básica?

            Curtir

            • Marcos disse:

              Cara Helen,

              Com todo o respeito, quando vejo cenas do Sírio de Nazaré, por exemplo, em que pessoas inflamadas empurram uns aos outros e chegam a passar mal para tocar a corda da procissão, esses fatos acabam ganhando muito mais peso do que quando me dizem que não há adoração. Esse é um dentre vários exemplos que ocorrem mundo afora. Isso é mais que mera veneração ou adoração. É idolatria! E muita! Em outro artigo sobre “A verdade sobre idolatria, Imagens e os Santos”, foi mencionado que isso era um dos exemplos de exagero e abuso, mas por outro lado a Igreja não repreende esse tipo de manifestação publicamente, sequer faz campanha contra esse tipo de prática.

              Ainda no mencionado artigo, colocou-se que “os principais pecados contra a religião são a adoração de falsos deuses ou ídolos e a doação a qualquer criatura que seja a honra que pertence a Deus somente.” Portanto, rezar para os santos não deveria ser aceitável, incluindo rezar para Maria, pois Deus é o único omnipotente, omnipresente e omnisciente. É Ele quem realmente ouve as nossas orações e é por Ele que somos atendidos conforme Sua vontade. Imaginar que sequer se possa utilizar de intermediários entre Deus e os homens nas orações não deveria ser aceitável a qualquer cristão. É por isso que para muitos cristão, a Comunhão dos Santos é um jeito bonito, mas totalmente dispensável, de entrar em contato com o único e verdadeiro Deus.

              Curtir

              • Helen disse:

                Olá Marcos,

                Obrigada pela participação.

                Esclareça, por favor, algumas de suas dúvidas-questionamentos aqui neste post. Ele trata bem do assunto da “aperente” idolatria das expressões populares católicas.

                Se restar alguma dúvida, peço que por favor, envie perguntas sob o texto contido no link acima.

                Grata,

                Curtir

              • Helen disse:

                Olá Marcos,

                Eu li novamente o seu comentário, e achei importante voltar para fazer uma observação.
                O grande problema do não católico é supor que, porque reconhecemos a existência da comunhão dos santos – (que é um fato, diga-se a verdade, uma vez que o Corpo de Cristo é indivisível e Cristo é a Vida, aqueles que neles creem e a Ele estão ligados pela fé, vivem, não apenas enquanto na carne, mas também enquanto espírito. Além disso, fomos todos criados à imagem de Deus, que é imortal, Espírito Vivo, assim, nós que somos feitos à semelhança deles não nos pomos inconscientes após a morte, mas recebemos nossa recompensa: A vida Eterna.) – rejeitamos ou desprezamos as preces à Deus.

                Ora, isso não poderia estar mais distante da verdade. Os católicos não rezam aos santos, rezam à Deus, e pedem aos santos para que rezem com eles!

                Tome um exemplo assim, olha:

                Preciso de uma cura. Oro à Deus em nome de Jesus.
                Além disso, remeto-me à Tiago 5, 16 e peço pelas orações dos Justos, que são muito eficazes. Quais justos? Os justos nos Céu. Os chamados Santo.

                Simples assim.

                Por isso toda prece católica aos santos termina ou inclui a frase “Ora pro nobis”. Orai por nós.

                Pax Domini

                Ps. Vc leu este Post?

                Curtir

            • Excelente colocação Marcos. Mas parece que basta colocar outra palavra e tudo está resolvido. Embora o significado do ato seja o mesmo, é notório a tentativa de transformar em uma coisa diferente para manter a posição de coerência. A bíblia tem esse poder de fazer sempre a vontade de Deus, não se preocupe. (leia Mateus 13:10-17)

              Curtir

          • Rs. Eu lembro do meu primeiro comentário, mas em meio a nossa conversa lembro de ter concluído que a igreja que você prega não é a mesma igreja católica que de fato tenho acompanhado. Família não é o pai, mas todos os integrantes, assim como igreja não são os padres ou o Santo Papa, mas todos aqueles que seguem as doutrinas “eclesiásticas”, seja com deturpação ou contradição.

            Dou um exemplo. Aqui, na comunidade católica Shalom, única no Brasil reconhecida pelo Vaticano, existe na missa o momento de ADORAÇÃO ao Santíssimo, que é uma imagem com uma hóstia dentro, ao qual todos se curvam e adoram. Se quiser posso gravar para você tirar suas próprias conclusões.

            Curtir

            • Helen disse:

              Leonardo,

              Editado após publicação: [ Obrigada pela participação. Esqueci de agradecer. E claro, espero que fique claro que não em meu comentário – este e outros – nada de pessoal. Como sabe, faço a defesa incondicional da Fé católica, mas não desquero a ninguém, pelo contrário. Peço sempre a Deus que dê a todos bençãos e muitas graças!]

              Eu vejo que vc não leu o post que eu fiz especialmente para explicar essa sua posição de que a igreja que eu “prego” não seja a verdadeira igreja… Dá uma olhada, por favor, e depois a gente conversa… Leia AQUI

              Agora, eu gostaria de ter tempo para refutar cada uma das acusações que vc faz aqui, mas pra isso eu terei que deixar a minha vida de lado e me dedicar inteiramente a ser escritora, pois a cada minuto vc aparece com uma estapafúrdia! rs…

              Leia sobre Galileu: A Verdade sobre Galileu e a Igreja AQUI

              A Inquisição

              Agora, imagine que as falsas acusações sobre a Inquisição fossem verdade. Será que se ela fosse realmente aquilo que o sr e outros (des)informados sobre os fatos históricos parecem crer e não titubeiam em espalhar como verdade, teria sido de alguma forma justificada? Vejamos assim, se Moisés juntamente como o povo de Deus matou 3 mil homens não judeus em nome e a serviço de Deus, será que isso dá algum precedente para uma batalha religiosa? Pense. Se a bíblia relata que em nome da crença judaica, homens hebreus judeus mataram outros homens, será que matar em nome de uma crença é sempre errado, ou é errado somente às vezes, dependendo das circunstâncias, dependendo de quem mata ou morre?

              O sr já leu C. S. Lewis? Ele, que era protestante – aliás um dos únicos autores protestantes que vale a pena conhecer – dá um exemplo muito lindo sobre a Caça às Bruxas protestante. A Igreja Católica não fez caça às bruxas, mas sim os protestantes, o sr deve saber disso.

              Agora, veja que interessante, Lewis diz o seguinte: Sera que era errado matar “bruxas” ou será que achamos isso hoje somente porque aquilo em nós acreditamos mudou?

              Responda o questionamento de Lewis:

              Leonardo, se hoje ano de 2013, nós acreditássemos haver entre nós pessoas hediondas, maldosas, preparadas para venderem a própria alma ao maligno a fim de obterem privilégios materiais e espirituais, não poupando para isso, fazer o mal a quem quer que fosse, da forma que fosse. Pois bem, se nós cidadãos do mundo de 2013 acreditássemos piamente que esses seres maldosos e nefastos andassem entre nós, infiltrados em nossas escolas, hospitais e cada organização existente no mundo, será que nós aceitaríamos “conviver” com eles, a mercê da sorte, na incerteza de nossa própria segurança e bem-estar, em nome dos direitos “humanos” desses seres maldosos? Ou será que, para proteger nossos filhos e a nós mesmos, nós os exterminaríamos, ou pelo menos, baniríamos do convívio da civilização, sobre o justo argumento de que esses seres não merecem o direito de viver porque deliberadamente praticam o mal em nome dos seus desígnios malignos?

              Para os protestantes da Idade média esta pergunta foi respondida assim: SIM!!! É legítimo matar outros para que eles não possam fazer o mal. E com isso a Caça as Bruxas protestante exterminou milhares de milhares de pessoas tidas como bruxas e bruxos.

              Agora, se fosse verdade o que vc diz sobre a Inquisição. Será que o pano de fundo histórico não revelaria uma cena bem menos hedionda do que aquela que o sr tenta argumentar com os dados de uma pseudo-história?

              Não se anime, Leonardo porque acha que encontrou um ponto “irrefutável” no catolicismo. Algo que pode justificar todo o seu desafeto pela fé que tornou o país onde vc vive – e muitos outros – cristão!? Lembre-se, o Ocidente é cristão POR CAUSA da Igreja católica. OU será que o sr acha que foram os protestantes que expulsaram os Muçulmanos da Europa? Que derramaram seu sangue para não terem que Adorar Alah e professar fé em Maomé!

              Leia o que o Blog publicou sobre INQUISIÇÂO AQUI

              Olha, não precisa enviar imagem da Comunidade Shalom. Eu sei o que é adoração do Santíssimo. Sou católica, lembra?

              E por exatamente por ser católica, também faço adoração do Santíssimo Sacramento, sempre que possível.

              Agora, sr profundo conhecedor da Fé católica e dos fatos históricos importantes da igreja, saiba que para o Verdadeiro Cristão ( aqui incluo as Igrejas Ortodoxas, uma vez que a história não pode negar que elas também são apostólicas, embora algumas não estejam em comunhão com Roma) no ato da Consagração da Hóstia ocorre o Milagre da Transubstanciação. A Hóstia deixa de ser um pedaço de Pão e torna-se o Corpo de Cristo!! Assim, aqueles que adoram ao Santo Sacramento, adoram ao Corpo de Cristo! Se vc acredita nisso ou não é outro problema, mas que seu comentário atesta para a falta de conhecimento da Fé católica, isso sim, atesta. O que importa é que para esses cristãos que creem no corpo de Cristo transubstanciado na hóstia, eles não estão a adorar um ídolo, ou um pedaço de pão!

              Pax.

              Curtir

            • EDMILSON disse:
              LEONARDO SÓ DE ESCRITOS E DOCUMENTOS DA IGREJA CATÓLICA DO ANO 30 ANOS ANO 269 DA ERA CRISTÃ ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO EU TENHO MAIS DE 6 MIL VOLUMES DE TESTEMUNHAS OCULARES E ESCRITORES DA ÉPOCA TODOS TRADUZIDOS EM LINGUA PORTUGUESA PRA VOCÊ VÊ QUE A IGREJA CATÓLICA É CONFIRMADA PELA PATRÍSTICA PELA ARQUEOLOGIA PELA GEOLOGIA E PELA GEOGRAFIA VEJA APENAS UM PEDACINHO DOS TESTEMUNHOS DOS PERTENCENTES A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA Tábua cronológica da história do cristianismo – segundo século 105 – nasce Justino Mártir. Morre em 165. 107 – 3ª perseguição dos cristãos, sob Trajano (98-117). Inácio de Antioquia martirizado em Roma. De acordo com Severo, depois que Trajano descobriu que os cristãos eram inocentes, ele proibiu as crueldades contra eles. Inácio acentuou o papel do bispo local como o enfoque de unidade. Ele afirmou que o bispo era o representante de Deus na Terra. Na época de Inácio, as igrejas da Ásia Menor eram governadas por bispos monárquicos, ajudados por presbíteros e diáconos. Em uma carta para os Efésios, Inácio escreveu, “Seja sujeito ao bispo e ao presbitério…pois mesmo Jesus Cristo, nossa Vida inseparável, é a vontade manifesta do Pai; como também os bispos, até aos confins da Terra, são assim pela vontade de Jesus Cristo”. Inácio é o primeiro escritor conhecido a aplicar o nome de católica à Igreja: “onde estiver o bispo, estejam também as pessoas: onde estiver Jesus Cristo, aí estará a Igreja católica”.(aos Esmirnenses) De várias cartas (escritas por volta de 107): Sobre a divindade de Cristo: ” …sendo unidos e escolhidos por Sua verdadeira paixão, de acordo com a vontade do Pai e Jesus Cristo nosso Deus.” (Efésios) “Há um corpo, carnal e espiritual, feito e não feito; Deus encarnado; verdadeira vida em morte; de Maria e de Deus; primeiro passível, então impassível; Jeus Cristo nosso Senhor”. ( Efésios) “O próprio Deus apareceu na forma de um homem, para a renovação da vida eterna.” (Efésios) Sobre a identidade do Filho e o Logos: “Deus se manifestou por Jesus Cristo, Seu Filho, que é Sua Palavra eterna.” (Magnésios) Sobre a Trindade: “Sejam sujeitos a seu bispo como Jesus Cristo ao Pai, segundo a carne,: [como] os apóstolos [eram sujeitos] a Cristo, o Pai e o Espírito Santo”. (Magnésios) Sobre o batismo: “Pois nosso Deus Jesus Cristo… nascido e batizado, por Sua paixão purificou a água, para o purificação dos pecados.” (Efésios) Eucaristia: “… obedecendo seu bispo e o presbitério de todo coração; partindo o mesmo pão que é o bálsamo da imortalidade; nosso antídoto contra a morte, mas que nos faz viver para sempre em Cristo Jesus… “ (Efésios) “Desejo o pão de Deus que é a carne de Jesus Cristo (da semente de Davi), e a bebida que desejo é o Seu sangue, que é o amor incorruptível. “ (Aos Romanos) “Pois há somente uma carne de nosso Senhor Jesus Cristo; e um cálice na unidade de seu sangue; um altar…” (aos Filadelfos) Domingo: “Pois se nós ainda continuamos vivendo de acordo com a lei judaica, devemos admitir que não tivemos obtido a graça…não mais guardamos o sábado, mas o dia do Senhor, no qual nossa vida se renonvou por Ele…” (aos Magnésios) Inácio foi martirizado sob a perseguição de Trajano em 107. Ele advertiu os cristãos influentes em Roma a não tentarem obter sua liberdade da prisão. Isto o privaria do sofrimento na união com o Senhor. Em sua História Eclesiástica (livro VI, capítulo 8), Sócrates disse que Inácio introduziu cânticos na igreja em Antioquia depois de ter visto uma visão de anjos “cantando hinos para a Santíssima Trindade”. Nós sabemos, pelo Martírio de Inácio, do segundo século, que as relíquias de Inácio foram reverenciadas já naquela época. Nele, lemos: “só ficaram as partes mais duras de seus santos restos, que foram levadas para Antioquia e embrulhadas em linho, como um tesouro inestimável deixado à santa Igreja pela graça que obteve no martírio.” Hegesipo (veja ano 170) disse que Simeão, filho de Cleófas, quanto teve 120 anos de idade, sofreu o martírio sob Trajano. Simeão, disse, era um filho do tio do Senhor, e tinha sido bispo depois de Tiago, o Justo. Hegesipo também registrou que nesta época os hereges tentaram corromper a Igreja, quando o último dos apóstolos morreu. Ele também listou muitos deste grupos: simonianos, cleobianos, doricianos, gorteanos, masboateianos, menandristas, marcianitas, carprocacianos, valentinianos, basilidianios e saturnalianos – que foram atacados pelos apologistas Irineu e Hipólito. 110 – nasce Marcião, líder de uma seita herética. Morreu em 165. Marcião rejeitou o Deus do Velho Testamento, o criador deste mundo, e conseqüentemente rejeitou o Velho Testamento também. Ele acreditou que era impossível que Jesus, o redentor do gênero humano, tivesse nascido de uma mulher. Papias, bispo de Hierápolis na Frígia, viveu nesta era. Ele é a fonte da tradição que o evangelho de Marcos era baseado no testemunho de Pedro. Papias foi um quiliasta. Eusébio de Cesaréia era da opinião que Papias aprendeu o mileniarismo de um certo João, o presbítero. Segundo esta idéia, outros (até Irineu, v. ano 177) interpretaram mal Papias – dizendo que ele obteve esta opinião do apóstolo João, pensando que haveria um milênio literal. 112 – Plínio, o Jovem (61/62 – 113), governador da Bitínia, escreveu uma carta ao imperador Trajano. Ele declarou que os cristãos “estão acostumados a se encontrarem em um dia antes da luz do dia, cantar hinos para Cristo como para Deus, e se ligarem por um sacramento de não cometerem maldade”. 115 – Trajano sobrevive de um terremoto que devastou a Antioquia. 116 – Adriano expulsa os judeus de Chipre depois de suprimir sua revolta na qual muitos habitantes gregos da ilha (240.000) foram massacrados. 118 – 4ª perseguição dos cristãos, sob Adriano (117-138). De acordo com Severo, Adriano montou “imagens de demônios” no monte de templo e do Gólgota. Adriano também colocou guardas para impedir os judeus de se aproximarem de Jerusalém. 122-7 – construção da muralha de Adriano. 124 – a anônima Epístola para Diogneto, uma apologia do cristianismo escrito a um pagão, “meu senhor Diogneto”. O autor explica que a Palavra não é “algum servo de Deus”, ou “algum anjo ou príncipe”. De fato, a Palavra era Deus: “como Deus ele foi enviado, como homem para homens” que foi o “artífice e construtor” da Criação. O autor às vezes contrasta a “chama passageira” do martírio que os cristãos experimentam com o eterno tormento daqueles que não podem ver por causa da “maldade e erro deste mundo”. 125 – o papiro 52 foi escrito neste ano. É o fragmento mais antigo do Novo Testamento existente. Contêm partes de Jo. 18:31-33 e 37-38. 126 – Quadrato escreve uma apologia da fé cristã dirigida a Adriano (como Aristides fez na mesma época). Nesta obra, Quadrato menciona que alguns daqueles que foram curados por Jesus ainda estavam vivendo. 127-42 Ptolomeu, astrônomo, geógrafo, e matemático de em Alexandria. Seu modelo geocêntrico ficou muito conhecido até 1542, quando Copérnico admitiu o sistema heliocêntrico. A circurferência da Terra por Ptolomeu era 30% menor que o valor atual. 130 (132?) – O imperador Adriano reconstrói Jerusalém, chamando-a de Aelia Capitolina (depois Aelius Adriano). Ali, ele ergueu um templo para Júpiter. Ele também taxou um imposto aos judeus para pagar a manutenção do templo Júpiter Capitolino. 130 – um certo Áquila produziu uma nova tradução grega, muito literal doVelho Testamento. Áquila foi discípulo do rabino Akiba e um prosélito do judaísmo. O propósito de sua tradução era suplantar a Septuaginta. (Incidentemente, o rabino Akiba apoiou Bar-Kocheba, crendo que ele cumpriu as profecias messiânicas.) 130 – a Epístola de Barnabé foi escrita entre a queda de Jerusalém (70) e esta data. Só se conhece uma versão latina da história e o texto grego completo foi descoberto em 1859 com a descoberta do Códice Sinaiticus. A epístola explica eventos e práticas do Velho Testamento de uma maneira alegórica e os aplica para Cristo e a Igreja. Barnabé identifica aquele que se encarnou para nossa salvação com o que Deus disse: “façamos o homem a nossa imagem”. 135 – outra rebelião judaica começou, esta aqui conduzida por Bar-Kocheba. De acordo com Justino, “Nesta guerra judaica, Bar-Kocheba… ordenou que só os cristãos deveriam ser sujeitados a tormentos terríveis, a menos que renunciassem e blasfemassem Jesus Cristo.” 136 – segunda conquista e destruição de Jerusalém pelos romanos. Mais de 500.000 mortos à espada. O imperador Adriano proibiu os judeus de voltarem à Jerusalém, e eles se dispersaram pela Terra. Neste ano o filósofo alexandrino Valentino, um cristão batizado, mas pensador agnóstico, vai a Roma. Ele deixou a comunidade cristã em 140, quando outro foi escolhido bispo de Roma. Deixando Roma em 160, Valentino continuou praticando sua filosofia religiosa, escrevendo O Evangelho da Verdade. Suas idéias, como outras idéias gnósticas, afirmavam um dualismo fundamental entre o bem e mal e a salvação pela gnose. Ele foi refutado por Irineu e Hipólito. Basilides foi outro filósofo agnóstico de Alexandria. A escola que ele fundou, conhecida como os basilidianos, ainda existia na Alexandria no séc. IV. Os basilidianos são talvez os primeiros a celebrar o batismo de Jesus em 6 de janeiro (ou 10 de janeiro), praticando uma vigília noturna. Basilides usava o termo “Abraxas” (que pensava ter um significado mágico) para Deus. Outro grupo gnóstico viu o Simão Mago (At. 8.9-24) como o verdadeiro Deus ou Pai. Deus tinha gerado o primeiro pensamento (Ennoia) para criar os anjos que, por sua vez, criaram o Universo. Por ciúme, os anjos prenderam Ennoia em carne humana, e ela foi condenada a transmigrar a de um corpo a outro. Para livrá-la, Deus entrou na Criação na forma de Simão, e ele deu a salvação à humanidade em troca de reconhecê-lo ser deus. O mitraísmo ficou bem popular no Império Romano, particularmente entre os soldados. Em 307, Diocleciano dedicou um templo a Mitra em Carnuntum, no Danúbio. Mitra era um deus do Sol, e sua fé dele enfatizava a lealdade ao Imperador. Depois que os imperadores se tornaram cristãos, o mistraísmo decaiu. Mitra tinha sido o maior deus persa antes do zoroastrismo. Os santuários dele eram em cavernas. Só homens assistiam as cerimônias desta fé, e não havia, aparentemente, nenhuma hierarquia religiosa. 140 – Justino Mártir escreveu sua Apologia ao Imperador Antonius Pius (138-61). Ele deu uma descrição do culto de domingo: “No dia chamado Festa do Sol, todos os que vivem nas cidades ou no país se ajuntam em um lugar, e são lidas as memórias dos Apóstolos ou as escritas dos Profetas conforme o tempo. Então, quando o leitor termina, o Presidente instrui e encoraja que as pessoas pratiquem as verdades contidas nas lições das Escrituras. Depois, todos nós nos levantamos e fazemos orações…” “Depois que as orações terminam, nós nos saudamos um ao outro com um beijo. Depois, trazem pão e um cálice de vinho misturado com água ao celebrante. Ele os toma e oferece louvor e glória ao Pai de todos pelo Nome do Filho e o Espírito Santo, dando graças por termos sido merecedores de receber estes dons de Deus; e quando ele termina as orações e as ações de graças todos os presentes dizem alto: Amém. Amém na língua dos hebreus significa: assim seja.” “Depois que o celebrante dá graças e todas as pessoas dizem Amém, aqueles entre nós chamados diáconos dão a todos os presentes o pão e o vinho misturado com água, sobre os quais os presentes dão graças e também os levam para aqueles que estão ausentes. E esta refeição é chamada de Eucaristia por nós, da qual não pode participar quem não crê no que dissemos ou não é lavado pela água do perdão dos pecados, tendo suas vidas dirigidas por Cristo.” Justino rejeitou a mitologia pagã, mas respeitou a filosofia grega. Ele acreditava no livre-arbítrio, sendo crítico da doutrina gnóstica que a predestinação era independente da moralidade. Ele também acreditou que a realização das profecias do Antigo Testamento eram uma forte prova que Jesus era o Messias, rejeitando a negativa idéia que Marcião tinha das Escrituras judaicas. Justino acreditava em um reino literal de mil anos de Cristo na Terra e aceitava o canonicidade e interpretação literal do Apocalipse. Justino viu o batismo como um banho de arrependimento e conhecimento de Deus pelo qual o Espírito é dado, uma substituição para a circuncisão, e a entrada para a remissão dos pecados. A Eucaristia é o novo sacrifício predito por Malaquias. Ele interpretou as palavras “façam” como “ofereçam”. Ele ligou a Eucaristia com a paixão de Cristo e acreditava na Real Presença: “Nós não recebemos estes alimentos como pão ou vinho comum. Mas como nosso Salvador Jesus Cristo foi feito carne pela Palavra de Deus e foi feito carne e sangue para nossa salvação, também aprendemos que a comida que foi eucaristizada por Sua oração (aquela comida que por processo de assimilação nutre nossa carne e sangue) é a carne e sangue do Jesus encarnado.” Justino considerou a Septuaginta como o único texto fidedigno do Velho Testamento. Ele viu Maria como a antítese de Eva. Nossa queda veio por uma virgem desobediente, mas nossa salvação por uma obediente. 140 – Aristo de Pella escreveu sua Disputação de Papisco e Jasão, um diálogo entre um judeu e um cristão sobre a verdade da fé. Esta obra só nos é conhecida hoje por referências a ela. 155 – Policarpo, bispo de Esmirna, visita Roma e vê que os romanos não celebravam a Páscoa como no oriente (veja ano 190). Isto foi quando Aniceto era o bispo de Roma. 157 – Policarpo queimado na estaca em Esmirna. Um ano depois, o aniversário do martírio de Policarpo era celebrado. Assim começou o primeiro “dia de santo”. 157 – Montano, líder de uma seita herética, nasce. Ele era um frígio. Junto com duas mulheres, Prisca e Maximilla, entrou em estados extáticos e falava como que movido pelo Espírito Santo. Eles eram quiliastas e acreditavam que a Nova Jerusalém aterrissaria na Frígia. Eles ensinaram que discordar de suas falas era uma blasfêmia contra o Espírito. 160 – por este ano, o sepulcro de Pedro estava marcado por um santuário. A celebração anual da Páscoa pode ter começado em Roma neste ano (veja 190). Na Ásia já tinha sido celebrada muito antes. Tertuliano nasce. Morre em 230. Cláudio Apolinário, bispo de de Hierápolis (160-180). Apolinário relata que um exército do Imperador Antoninus (Marco Aurélio) (161-180) foi atacado por uma forte tempestade pelas orações dos cristãos.Apolinário disse que o Senhor foi crucificado na Páscoa, em 14 de Nisã, não num dia depois. A Última Ceia, ele disse, aconteceu antes da Páscoa, como menciona João (Jo. 13.1). Durante o reinado de Marco Aurélio, um certo Alexandre Paflagoniano fez um misterioso espetáculo envolvendo uma serpente sagrada chamada Glycon. 165 – morte de Justino Mártir. Taciano. Pouco antes da morte de Justino, um nativo da Mesopotâmia (chamado de assírio), Taciano, converteu-se ao Cristianismo depois de estudar filosofia. Sua conversão pode ter acontecido em Roma onde ele conheceu Justino. Taciano fez uma obra chamada Harmonia dos Evangelhos, conhecida comoDiatessaron e uma Apologia aos Gregos. Depois da morte de Justino, Taciano se simpatizou com uma seita gnóstica ascética conhecida como Encratitas, ou os “auto-controlados”, que tinha surgido no ano 166. Taciano mudou-se para Antioquia e atraiu discípulos para esta heresia até a morte em 172. 167 – de acordo com o Venerável Beda, o bispo de Roma, Eleutério, recebeu um pedido de batismo de um rei britânico neste ano. 168 – Teófilo (morreu em 181 ou 188) se tornou bispo de Antioquia. Realizou várias obras de comentários nos evangelhos e no livro de Provérbios, mas sua única obra sobrevivente é apologética, dirigido ao amigo pagão Autólico. 170 – Melito de Sardes (morreu em 177, sob a perseguição de Aurélio) viajou a Palestina onde obteve uma lista de livros do velho Testamento hebraico com exceção de Ester. Melito acreditava na divindade de Cristo. Ele escreveu, “…nosso Senhor Jesus Cristo… é razão perfeita, a Palavra de Deus; Ele que foi procriado antes da Luz; Ele é o criador junto com o Pai; Ele é o Criador do homem; Ele é tudo em todos; …no Pai, o Filho; em Deus, Deus”. “Não há necessidade, para pessoas inteligentes, tentar provar, das ações de Cristo subseqüente ao batismo, que Sua alma e corpo, Sua natureza humana como a nossa, eram reais, e nenhum fantasma da imaginação. Pois as ações feitas por Cristo depois do batismo, e especialmente os milagres, deram indicação e garantia para o mundo de Sua divindade oculta na carne. Pois sendo perfeito Deus e perfeito homem, deu-nos mostra dessas duas naturezas: de Sua divindade, pelos milagres durante os três anos que decorreram depois do batismo; de Sua humanidade, durante os trinta períodos semelhantes que precederam o batismo no qual, por causa de Sua baixa obrigação com a carne, escondeu os sinais de Sua divindade, embora fosse o verdadeiro Deus que existe antes de todos os tempos.” Melito derivou a palavra Pascha do grego paschein, sofrer. Em seu Peri Pascha, que data de cerca de 165, ele escreveu, “Ele veio na Terra, do céu, por sofrimento humano, ficando encarnado no útero de uma virgem do qual ele se tornou homem; ele assumiu os sofrimentos do homem num corpo capaz de sofrimento, e pôs um fim para os sofrimentos da carne, e por Seu espírito incapaz da morte ele se tornou a morte da morte do homem… Este é quem na virgem se encarnou, na cruz foi suspenso, na Terra foi enterrado, do morto foi ressuscitado, para as alturas do céu foi elevado.” 170 – Hegesipo nasce nestá época. Ele foi um antigo cronista da História da Igreja. 170 – Dionísio de Corinto escreve, “era o costume dos romanos…desde o princípio… ajudar toda a comunidade por vários meios e enviar contribuições para as igrejas em toda cidade, aliviando os necessitados.” Dionísio mencionou o martírio de Pedro e Paulo em Roma. ~175 – na segunda metade do segundo século, foi escrita a Epistula Apostolorum. A obra descreve Jesus ordenando a Seus seguidores que observassem o Pascha “até que eu volte do Pai com minhas feridas”. O Pascha parece ter sido observado em 14/15 Nisã. 177 – 5ª perseguição da Igreja, sob o Imperador Marco Aurélio (161-180). Nesta época, os hereges gnósticos perturbaram as igrejas do vale de Rona. Estas igrejas eram gregas e tinham grandes ligações com as igrejas da Ásia Menor. Irineu de Lyon atacou muito desses hereges em suas obras. 177 – Irineu, discípulo de Policarpo, é eleito bispo de Lyon (nasceu em 130). Morreu em 200. Acreditou que o plano da Nova Aliança é a “recapitulação” da Criação original: pelo pecado de Adão, perdeu-se a semelhança com Deus, mas ficou a imagem. Pela fé em Cristo, o homem pode recuperar a semelhança perdida. Para ele, a história da salvação é um progressivo ensino apresentado por Deus ao homem no Evangelho. Irineu, como Justino Mártir, acreditava que Cristo reinará na Terra durante mil anos, e protestava veementemente contra as tentativas de alegorizar os textos milenaristas. Irineu criticou a doutrina gnóstica com o ensino da Sucessão Apostólica – se a gnose fosse verdadeira, os apóstolos teriam ensinado isto aos seuss sucessores. Os apóstolos, ele dizia, ensinara, a Regra de Fé (bem parecida com nossos Credos Apostólicos). Irineu escreveu, “A tradição dos Apóstolos é manifesta no mundo inteiro; e nós podemos reconhecer aqueles que foram, pelos apóstolos, ordenados bispos nas igrejas, e ver sua sucessão até nossa época. Se os apóstolos tivessem ensinado mistérios ocultos, eles os teriam passado aos outros, especialmente para aqueles de suas próprias igrejas. Porque eles queriam que esses homens fossem muito perfeitos e inocentes em todas as coisas, pois os estavam sucedendo, dando seu próprio governo a estes homens.” Irineu viu o batismo como o selo de vida eterna e do novo nascimento a Deus, pelo qual o Espírito Santo é dado. Ele escreveu, “… ele veio para salvar todas as pessoas; todos, eu quero dizer, são os regenerados por Ele a Deus: crianças, jovens e velhos” (já que por crianças ele quer dizer os nascidos de novo, parece ser uma referência ao batismo infantil). Para Irineu, a Eucaristia era a “nova oblação da Nova Aliança” oferecida por Deus ao mundo. Irineu não ligou a Eucaristia com a paixão de Cristo, como Justino fez, mas a via mais como uma oferta das primícias. Mas Irineu identificou o pão e o vinho com o corpo e o sangue de Jesus. Irineu acreditava que Maria não teve pecados. Também relata uma das mais antigas fontes da igreja comemorar o Pentecostes. Com respeito à divindade de Cristo, escreveu Irineu, “Os livros sagrados reconhecem com respeito a Cristo que como Ele é o Filho do homem, assim não é o mesmo Ser um [mero] homem; e como Ele é carne, assim é Ele também espírito, e a Palavra de Deus, e Deus.” “Mas já que seria muito longo enumerar em um volume como este as sucessões de todas as Igrejas, nós confundiremos todos esses que, de qualquer maneira, se por presunção ou vanglória, ou por cegueira e má opinião, ajuntam outros do que é normal, mostrando aqui as sucessões dos bispos da maior e mais antiga Igreja conhecida, fundada e organizada em Roma pelos dois grandes apóstolos, Pedro e Paulo, que Igreja tem a tradição e a fé que vem a nós vinda dos apóstolos. Pois é com esta Igreja, por causa de sua origem superior, é que todas as Igrejas têm que concordar, quer dizer, todo o crente no mundo inteiro; e é nela que o crente tem a tradição Apostólica em todos lugares.” (Contra as Heresias 3,3,2) . A última linha nesta passagem também pode ser traduzida, “Pois para esta Igreja, por causa de seu principado mais poderoso, é necessário que toda Igreja concorde; nesta Igreja sempre foi preservada a tradição dos apóstolos”. Isto expressa a idéia que a Igreja de Roma é unida em todos os lugares. Ele declara que Pedro tinha estado em Roma, e que Lino foi lá o primeiro bispo, ordenado por Pedro e Paulo. Irineu mencionou um grupo de gnósticos que honravam imagens e dá a impressão que o uso de imagens era relativamente desconhecido na Igreja em sua época. Ele afirmou que o charismata ainda eram ativo em sua época e notou que os demônios eram expulsos, o futuro predito, e havia muitas ressurreições de mortos. Refutando um uma das interpretações gnósticas das Escrituras, Irineu relata a Tradição que recebeu dos discípulos de João (e outros apóstolos) para o efeito que Jesus tinha quase cinqüenta anos quando ele foi crucificado. 179 – conversão de Bardesanes (154-222) ao cristianismo. Infelizmente, ele foi influenciado pelos gnósticos e negou a Criação imediata por Deus do Universo e Satanás, apresentando assim uma série de seres intermediários. Bardesanes se tornou uma importante figura do gnosticismo sírio. O mandaeanismo se originou em alguma época durante os primeiros três séculos no oriente médio. Nesta religião, a salvação é conseguida pela própria pessoa, por conhecimentos esotéricos. Neste sistema, existem seres espirituais (Arcões) entre a alma e Deus. Nestes pontos, o mandaeanismo é semelhante ao gnosticismo. Ao contrário de muitos sistemas gnósticos, porém, eles proibiam a promiscuidade sexual e encorajavam o matrimônio. Os mandaeanos consideram Jesus um falso messias, mas tinham grande respeito por João Batista. 180 – antes desta época, o Cristianismo estava estabelecido na África do Norte, como testemunhado em latim pelos Atos dos Mártires de Scillium, escritos por volta de 180. Rodon, sobre quem pouco é conhecido, escreveu obras contra os catafrígios e os Marcionitas. Teófilo, bispo de Cesaréia, atestou que as igrejas na Palestina e Alexandria observaram a Páscoa em um domingo – diferentes das igrejas na Ásia Menos (veja 190 abaixo). 185 – Tertuliano (160-230) converte-se ao cristianismo. Se tornou montanista em ~200. Ele foi o primeiro teólogo cristão a escrever em latim. Em contraste com Irineu e Clemente de Alexandria, Tertuliano dizia que o útero de Maria foi aberto ao nascimento de Cristo e acreditava que isto estava profetizado em Ex. 13:2. Dizia que Maria teve relações sexuais normais com o José e que Jesus teve irmãos. Tertuliano acreditava que o 2º Mandamento contra imagens fundamental aos cristãos. Ele afirmava que algumas imagens eram inocentes e não ídolos – como a serpente de bronze que era o símbolo da cruz(Em Idolatria). Em uma carta escrita entre 200 e 206, Tertuliano falou contra o batismo infantil. Dizia que ele não era de origem apostólica. Ele dizia que não havia perdão dos pecados cometidos depois do batismo. Dizia que os solteiros deveriam ficar sem o batismo até se casarem; que deveriam ficar sem o batismo até a velhice; as viúvas e viúvos deveriam esperar até que se casassem de novo ou ficarem em continência. Do artigo batismo, da Enciclopédia Católica diz: “A imersão é sem dúvida muito antiga na Igreja e aparentemente de origem apostólica. É mencionada por Tertuliano (De cor. milit., iii), S. Jerônimo (Dial. Contra Luc., xxvii) e muitos outros escritores antigos”. Tertuliano acreditava no milênio literal que duraria 1000 anos literais, localizado na Nova Jerusalém que desceria do céu. Ele usou a frase “Vigário de Cristo”, mas a referência é ao Espírito Santo (Prescrição Contra os Hereges, Capítulo 28). Em referência a Mt.16, Tertuliano escreveu (op. cit., Capítulo 22), “Havia algo escondido do conhecimento de Pedro,chamado de ‘pedra na qual a Igreja deveria ser construída’, que tinha ‘as chaves do reino do céu’ e o poder de‘ligar e desligar o que há na Terra’? Havia qualquer coisa escondida de João, o discípulo mais amado doSenhor, que se apoiou em Seu peito e só a quem o Senhor revelou o traidor e também lhe recomendou os cuidados de Maria?” Veja que Tertuliano não fez nenhuma distinção entre Pedro e João em grau de conhecimento. Também não afirmou a supremacia de Pedro. Tertuliano ensinou que o Filho derivava a substância do Pai e que o Espírito procedia do Pai pelo Filho. Em uma obra contra um certo Praxeas, ensinou que o Pai, Filho e Espírito eram uma pessoa, descrevendo a Trindade como sendo “suscetível denúmero sem divisão”. Na mesma obra, Tertuliano dizia que o bispo de Roma (Victor) inicialmente “reconheceu osdons proféticos de Montano, Prisca e Maximilla” mas foi persuadido por Praxeas para seguir o exemplo do bispo anterior. Praxeas renunciou o patripassionismo, mas ele depois voltou a este erro. Em Prescrição Contra os Hereges, Tertuliano advertiu contra discutir Escritura com os hereges, porque eles nunca serão convencidos. O guia para a verdadeira interpretação, e a doutrina verdadeira, seria visto na transmissão da tradição apostólica pela Igreja. Em uma obra às vezes atribuída a Tertuliano, o autor identificou 25 de março como a data da crucificação de Jesus, declarando, de acordo com a cronologia de João, que a data também era 14 de Nisã. 185 – Máximo, bispo de Jerusalém (185-196). Ele escreveu uma obra sobre a origem do mal. 189 – Victor se torna bispo de Roma. Morreu em 199. Durante a posse de Victor, a controvérsia monarquista surgiu como uma revolta contra a teologia do Logos de Justino Mártir. Justino tinha ensinado que o Logos era “outro Deus”, significando “outro em número, não em objetivo”. Os cristãos tinham discutido contra os gnósticos que havia um único primeiro princípio, o criador Deus, um único monarca, mas a teologia do Logos prejudicou este argumento. Para evitar o diteísmo incipiente de Justino, Sabélio propagou a doutrina que o Pai e o Filho são um e o mesmo e a diferença está só no nome. A doutrina de Sabélio é às vezes chamada de modalismo, porque o Pai, Filho e Espírito são modos do mesmo ser. No Ocidente, foi chamada patripassionismo, que significa que o Pai sofreu os sacrifícios da cruz. 190 – Victor exigiu conformidade das igrejas do Oriente sobre a data da Páscoa. Ele dizia que seu método para estabelecer a data para a Páscoa foi estabelecida por Pedro e Paulo. As igrejas da Ásia Menor consideraram isto autocrático e tomaram como ofensa. Polícrates (130-196), bispo de Éfeso, escreveu a Victor defendendo sua prática Pascal, citando o exemplo do evangelista Filipe, o apóstolo João, o bispo Policarpo e outros. Ele disse: “eu, portanto, irmãos, que vivi sessenta e cinco anos no Senhor e me encontrei com irmãos no mundo inteiro, e tenho praticado toda a Santa Escritura, não estou com medo de tais palavras. Paraesses maior que eu disse, ‘devemos obedecer Deus em vez do homem’”. Irineu de Lyon também escreveu a Victor: “E esses presbíteros que governaram a Igreja antes de Sotério, sobre os quais governas agora, eu quero dizer Aniceto [(155-66)] Pio [(140-55)], Higino [(136-40)] e Teléforo [(125-36)] e Xisto [(115-25)],nenhum deles observaram, nem permitiram que seus sucessores observassem…em nenhum momento eles lançaram qualquer coisa por causada forma. Mas esses mesmos presbíteros antes de vós que não observaram tal prática, praticavam a Eucaristia às Igrejas que não observavam. Equando o santo Policarpo foi para Roma, no tempo de Aniceto, tinham pouca diferença entre eles a respeito de vários assuntos. Igualmente, eles concordavam em tudo e não havia discussões. Pois nem Aniceto pôde persuadir Policarpo a não observar isto, porque ele sempre tinha praticado isto com João, o discípulo de nossoSenhor… e Policarpo nem persuadiu Aniceto para observar, que disse que ele ele praticava assim por causa dos presbíteros antes dele”. A distinção entre as igrejas que ‘observavam isto’ das que não observavam talvez pode se referir à prática de observar a Páscoa em um domingo: as igrejas na Ásia Menor observavam o dia 14 de Nisã como Páscoa, sem ter em conta em que dia da semana caia. A discordância está no significado preciso da palavra “observar”, de Irineu. Em uma interpretação dos eventos (proposto por Karl Holl em 1927), a Páscoa não foi observada sob qualquer forma ou em qualquer data em Roma no tempo de Aniceto (aproximadamente 155), mas foi introduzida em 165 quando Sotério foi bispo. 190 – aproximadamente nesta época, Clemente de Alexandria presidiu a escola catequética de Alexandria e serviu lá até 203. Nasceu em 150. Morreu em 215. Clemente era um teólogo leigo. O princípio central de sua teologia dele era a doutrina da Criação. Já que a Criação era boa, Deus implantou as sementes da verdade em todas as criaturas. Portanto, havia muito para aprender dos filósofos gregos. Sua Stromata descreve os atributos dos gnósticos cristãos. Ele dizia que o casamento não é um estado espiritual inferior ao celibato, e rejeitou a idéia que todos os cristãos eram abstinentes ou vegetarianos. Em sua idéia, a Igreja é uma escola onde o pecador pode ser restaurado. Clemente viu a vida espiritual como um processo de educação sem fim que não termina com morte, e tudo precisaria ser purificado antes de entrar na presença de Deus. Clemente rejeitou as interpretações milenárias de Irineu e Justino. (De acordo com O Ano Cristão, de Gwynne, Clemente mencionou que o aniversário de Cristo era observado em sua época. Talvez fosse em 6 de janeiro, diferente do 25 de dezembro, cuja observância começou em Roma no quarto século.) 192 – em uma obra por volta deste ano, Tertuliano mencionou a observância da vigília da Páscoa. 198 – Zeferino se torna bispo de Roma. Morreu em 217. A controvérsia monarquista continuou.Hipólito se opôs a Sabélio com a doutrina que o Pai e o Filho são duas pessoas distintas. Calisto, um escravo livre e arquideão da igreja, tinha sido exilado para as minas de Sardenha entre 188 e 193. O imperador Cômodo (m. 193), ao pedido de sua concubina cristã, Márcia, ordenou uma libertação geral de todos os cristãos exilados em Sardenha. Assim, Calisto retornou. (Nesses dias, a Igreja considerava o matrimônio concubinato contanto que a concubina cristã agisse como se fosse.) Talvez a pedido de Calisto, Zeferino tentou aproximar os monarquistas e os defensores da teologia do Logos. Ele disse: “eu conheço um Deus,Cristo Jesus, e a Seu lado não conheço nenhum outro que foi procriado e passível” e “o Pai não morreu mas sim o Filho”. Diz-se que Hipólito é o último teólogo romano a escrever em grego. A transformação do Ocidente do grego ao latim foi completada na época de Constantino. (Mas veja abaixo, ano 366.) Em sua Tradição Apostólica, escrita entre 215 e 217, nós lemos, “E primeiro batizai os pequenos; e se eles puderem falar, eles farão assim; se não, seus pais ou outros parentes falarão por eles. Então batizai os homens, e a última detodas as mulheres; elas têm que soltar os cabelos primeiro e colocar de lado qualquer enfeite de ouro ou ornamentos de prata quelevem: não deixe ninguém levar qualquer coisa estranha até a água com eles”. Isto indica a prática do batismo infantil em Roma, que talvez fosse por imersão. Hipólito também relatou a preparação dos candidatos ao batismo antes da Páscoa. Estas preparações foram a raiz da Quaresma. O batismo praticava-se imergindo a pessoa três vezes na água: uma imersão para o Pai, o Filho, e o Espírito Santo, seguindo uma confissão de cada um. A Confirmação era dada pelo bispo impondo as mãos na pessoa (enquanto ele invocava o Espírito Santo a encher os batizados) e a aplicação de óleo (crisma). A Tradição Apostólica mostra a influência de oração judaica no culto cristão. Talvez foi escrita para combater a fraca atenção de Zeferino a cerimônia tradicional. Hipólito comenta que seu arquiinimigo mortal Calisto e seus seguidores, pelo menos, praticavam à tradição apostólica. Que a Eucaristia não era entendido como mero simbolismo é vista em sua ordem para mantê-la longe dos animais e não-batizados. “Pois é o corpo de Cristo é para ser comido pelos que crêem e não pelos despreparados”. A Tradição Apostólica também contém referências para o sinal da cruz: “façais sempre com reverência o sinal em suas frontes. Pois o sinal da paixão age e se manifesta contra o diabo se fizeres com fé”. E declara que o bispo era “escolhido por todas as pessoas”. Hipólito defendeu o milenarismo. Em face à crescente reação contra esta doutrina em Roma, conduzida pelo padre Caio, Hipólito explicou que os mil anos de Ap. 20.2-5 não eram literais, mas eram símbolos do esplendor do reino. Em um comentário em Daniel, Hipólito disse que Jesus nasceu em uma quarta-feira, 25 de dezembro, no ano 42 do ImperadorAugusto (2 a.C.?). Ele identificou 25 de março como a data da crucificação de Cristo e acreditava que isto ocorreu em 14 de Nisã, segundo a cronologia de João. Hipólito também é o primeiro autor a declarar que Pedro tinha sido bispo de Roma. Seu Cronicon perdido é citado a este efeito por Eusébio. 200 – Serapião (morreu ~211), oitavo bispo de Antioquia, escreveu que o Evangelho de Pedro deveria ser rejeitado nas terras que não tinham sido “passadas por nós”. 200? – papiro 66: 2º de Bodmer, João, 1956, textos alexandrinos/ocidentais: Jo. 1:1-6:11, 6:35-14:26, 29-30; 15:2-26; 16:2-4, 6-7; 16:10-20:20, 22-23; 20:25-21:9 P46: 2º Chester Beatty, texto-tipo alexandrino: Rm. 5:17-6:3; 6:5-14; 8:15-25; 8:27-35; 8:37-9:32; 10:1-11:22; 11:24-33; 11:35-15:9; 15:11-16:27; 1Co. 1:1-9:2; 9:4-14:14; 14:16-15:15; 15:17-16:22; 2Co. 1:1-11:10; 11:12-21; 11:23-13:13; Gl. 1:1-8; 1:10-2:9; 2:12-21; 3:2-29; 4:2-18; 4:20-5:17; 5:20-6:8; 6:10-18; Ef. 1:1-2:7; 2:10-5:6; 5:8-6:6; 6:8-18; 6:20-24; Fl. 1:1; 1:5-15; 1:17-28; 1:30-2:12; 2:14-27; 2:29-3:8; 3:10-21; 4:2-12; 4:14-23; Cl. 1:1-2; 1:5-13; 1:16-24; 1:27-2:19; 2:23-3:11; 3:13-24; 4:3-12; 4:16-18; 1Te. 1:1; 1:9-2:3; 5:5-9; 5:23-28. Hb. 1:1-9:16; 9:18-10:20; 10:22-30; 10:32-13:25. P46 é notório pelos erros do copista. P32: Biblioteca J. Rylands: Tt. 1:11-15; 2:3-8 P64 (+67): Mt. 3:9,15; 5:20-22; 5:25-28; 26:7-8, 10, 14-15, 22-23, 31-33, P90: Jo. 18:36-19:1; 19:2-7 P98: Ap. 1:13-20 Tábua cronológica da história do cristianismo – terceiro século 202 – 6ª perseguição da Igreja, sob Sétimo Severo (198-211). Leônidas, pai de Orígenes (veja 211 abaixo) é martirizado e sua propriedade confiscada. Albano, soldado romano, morre em Verulamium durante esta perseguição, em 209. Primeiro mártir bretão. Executado por abrigar um padre cristão. 210 – Minucius Felix, um africano do norte, escreve seu Octavius. Uma apologia da fé cristã, Octavius é notável para seu excelente latim. 211 – Orígenes “Adamantius” preside a escola catequética em Alexandria. Ele deixou a escola em 232 ou 233. Orígenes nasceu em Alexandria em 185. Foi educado por Ammonius Saccas, a mesma pessoa que depois ensinou Plotino (veja 244 abaixo). Muitos especulam que Ammonius foi o originador do neoplatonismo. Depois, Orígenes foi instruído por Clemente de Alexandria. Orígenes morreu em Tiro em 253 ou 254. Sua morte foi devida ao severo tratamento que ele recebeu na prisão em Tiro durante as perseguições de Décio (de 249). Orígenes compilou a Hexapla, seis traduções do Velho Testamento em colunas paralelas contendo o hebraico, um transliteração do hebraico ao grego, e o quatro versões. Ele considerava que o cânon do Velho Testamento consistia dos livros na Bíblia grega, mas já que não incluía livros disponíveis em hebraico, Orígenes aconselhou que as escrituras adicionais não fossem citadas em debates com os judeus. Seu método de interpretar as Escrituras era alegórico – o sentido literal era de pouca importância para ele. Como Clemente, rejeitou um milênio literal. Ele acreditou que todas as almas existiram antes de se unirem à carne. Todas as almas, menos uma, caíram diante de Deus; e foi esta alma fiel que Deus escolheu para que Seu Logos se unisse para formar o Filho do homem. Orígenes acreditava no livre-arbítrio, e não excluía a possibilidade que os redimidos pudessem cair, até mesmo no céu. Por outro lado, Orígenes dizia que o diabo seria salvo. Muitas de suas idéias, particularmente sobre a preexistência das almas e a redenção universal, foram condenadas pelo 5º Concílio Ecumênico em 553. Eusébio de Cesaréia informou que Orígenes se castrou, mas os próprios comentários de Orígenes sobre evangelho de Mateus descartam isso. Orígenes foi oposto ao monarquismo, ou em sua forma modalista, ou na idéia que o Filho simplesmente era um homem santo cheio do Espírito. Ele ensinou que enquanto o Pai e o Filho são uma pessoa em poder e desejo, eram duas realidades distintas (semelhante à teologia do Logos de Justino). Eles eram distintos como o arquétipo e a imagem. Mas, em Orígenes, o Filho é inferior ao Pai e subordinado a Ele. O Filho é procriado, não feito, e Sua geração é eterna, não no tempo. Ele é o mediador entre o mundo criado e o Pai Supremo. Orígenes insistiu que Maria precisou da redenção dos pecados, como todos os humanos. Diferente de Tertuliano, acreditou que Maria permaneceu virgem para o resto da vida. Acreditou que os irmãos de Jesus eram filhos de José, não dela. Sobre palavras: muitos dos debates sobre a Trindade e cristologia centravam-se nos significados das palavras hipóstase e ousia. Elas eram originalmente sinônimas, a primeira estóica e a outra platônica, significando uma existência ou essência real. Mas Orígenes freqüentemente usou hipóstase no sentido de subsistência individual ou indivíduo existente. Em seu Comentário aos Romanos, escrito entre 233 e 244, Orígenes escreveu, “também é devido a isto [o pecado hereditário] que a Igreja tem uma tradição dos apóstolos de dar o batismo até mesmo às crianças”. A interpretação de Orígenes de Mt 16.17-18 discorda da interpretação papal sobre a supremacia na Igreja. Orígenes viu Cristo como a Rocha ( 1 Cor 10.4), e todos os que têm fé em Cristo como Pedro como ‘rochas’. De acordo com Ef. 2.2, todos os apóstolos (e os profetas) são a fundação na qual a Igreja é construída. Eusébio informou (Livro VI, Capítulo 33) que Orígenes foi importante em corrigir a cristologia de Berilo, bispo de Bostra na Arábia. Os ensinos de Berilo ocasionaram várias discussões com outros bispos e resultaram numa conferência que Orígenes participou. Aparentemente, Berilo ensinou que o Filho não existiu antes da vida humana e não possuiu divindade. 211 – Apolônio, um oponente do montanismo, nasce. 212 – cidadania plena a todos os habitantes livres do império. 216 – o imperador Caracalla (211-217) levou vingança na cidade de Alexandria. Sua ira foi mais feroz contra a comunidade literária, por causa de certos versos sarcásticos que tinham sido escritos sobre ele por ter assassinado seu irmão, Geta. 217 – Calisto (217-222) se torna bispo de Roma, para o horror de Hipólito. Em uma certa época que nos é agora desconhecida, Hipólito também foi ordenado bispo de Roma – falando de uma maneira anacrônica, ele era um “anti-papa”. Contudo ele foi, depois de seu martírio, considerado santo da Igreja. A controvérsia monarquista continua. Tertuliano, na África, dizia que Deus é uma substância consistindo em três pessoas (terminologia adotada pela maioria da Igreja). Calisto foi o primeiro bispo de Roma conhecido a usar a passagem da “Rocha” de Mateus a aplicar-se à cátedra papal, por volta de 220. Alguns acreditam que a obra de Tertuliano, Sobre a Modéstia, foi escrita como uma resposta a uma ordem de Calisto que os que cometeram pecados sexuais tinham que praticar penitência, em preparação para a comunhão. Escrevendo como um montanista, Tertuliano foi oposto à restauração, e em Sobre a Modéstia,ele pôs um argumento baseado em Mt. 16.18 na boca de Calisto. Tertuliano não colocou Calisto como autoridade suprema da Igreja, mas escreveu que os bispos (“toda Igreja consangüínea a Pedro”) tinham o poder para perdoar pecados. Tertuliano disse que este poder era pessoal e pertencia só a Pedro. A interpretação da passagem foi desenvolvida mais adiante por Sirício (384/5). 220 – nesta época, Hipólito estabeleceu a data do nascimento de Cristo como 25 de dezembro. No Oriente, o 6 de janeiro era a data para isto. O Oriente adotou a idéia Ocidental durante o quarto século. O imperador Eleogábalo (218-222) introduziu o culto do deus de sol sírio em Roma neste ano. 225? – papiro 45: 1º Chester Beatty, Evangelhos (Cesaréia), Atos (Alexandrino): Mt. 20:24-32; 21:13-19; 25:41-26:39; Mc. 4:36-40; 5:15-26, 38-6:3, 16-25, 36-50; 7:3-15, 25-8:1, 10-26, 34-9:9, 18-31; 11:27-12:1, 5-8, 13-19,24-28; Lc. 6:31-41,45-7:7; 9:26-41, 45-10:1, 6-22, 26-11:1, 6-25, 28-46, 50-12:12, 18-37, 42-13:1, 6-24, 29-14:10, 17-33; Jo. 10:7-25, 30-11:10, 18-36, 42-57; At. 4:27-36; 5:10-21, 30-39; 6:7-7:2, 10-21, 32-41, 52-8:1, 14-25, 34-9:6, 16-27, 35-10:2, 10-23, 31-41; 11:2-14, 24-12:5, 13-22; 13:6-16, 25-36, 46-14:3, 15-23; 15:2-7, 19-27, 38-16:4, 15-21, 32-40; 17:9-17 Papiro 967: Chester Beatty 9, Ez. 11:25- grego, ~Codex Vaticano, 231 – uma casa particular na cidade de Dura-Europos, no Eufrates, foi adaptada para adoração cristã. Este é o exemplo mais antigo conhecido de uma igreja com imagens religiosas nas paredes. A arte parece ter sido influenciada por um trabalho semelhante numa sinagoga da cidade. Há afrescos de Adão e Eva, o Bom Pastor e seu rebanho, a mulher samaritana no poço, Cristo caminhando na água, a ressurreição de Lázaro, a ressurreição de Cristo, a cura do paralítico e a vitória de Davi sobre Golias. 235 – perseguição pelo imperador Maximino (235-238). Nesta época, o bispo de Roma, Poncião e Hipólito, foram exilados a Sardenha. Poncião morreu logo após, e Hipólito em aproximadamente 238. 240 – introduzem-se os jogos pítios em muitas cidades do Império romano. Eram competições atléticas feitas de quatro em quatro anos em honra de Apolo e foi originalmente ligado com o oráculo de Delfos. 241 – fim dos Fratres Arvales. Este foi um sacerdócio pagão em Roma que oferecia sacrifícios anuais para a fertilidade da terra. 244 – Plotino, um pagão do Egito, abre uma escola em Roma. A filosofia de Plotino enfatizava a transcendência de Deus e Sua incompreensibilidade (devido à Sua simplicidade). Nous é emanado de Deus e contém idéias de classes e indivíduos. As duas Almas (correspondendo à Alma do Mundo de Platão) procedem do Nous. [A interpretação de Plotino que Nous e Alma emanaram foi questionada pelos filósofos modernos – em particular, veja Plotino, de Lloyd Gerson]. A criação material existe no fundo desta cadeia e é o princípio de mal. Curiosamente, Plotino criticou os gnósticos por seu desprezo à realidade material, considerando-a de alto valor como a imagem da realidade inteligível. Plotino ensinou que a alma pode subir a união com Deus pela purificação, a rejeição da percepção dos sentidos a favor da filosofia e ciência, um estágio além do pensamento discursivo, e uma fase final de união mística além da separação. Vladimir Lossky mostra que que Plotino viu a união como simplicidade e a removeu as distinções, o misticismo cristão não vê a incompreensibilidade de Deus como dívida para Sua simplicidade, mas como absoluto, e assim a união com Deus é um “ir além de ser o que é”. Plotino morreu em 269 ou 270. Seu maior discípulo foi Porfírio, um crítico do Cristianismo, que ofereceu o neoplatonismo como uma alternativa culta para o cristianismo entre as classes altas. 247 – Dionísio, aluno de Orígenes, se torna bispo de Alexandria (247-64) . 249-51 – 7ª perseguição da Igreja, pelo imperador Décio (249-251). Os bispos de Roma, Antioquia e Jerusalém são martirizados. Décio exigiu que se fizesse um certificado se a pessoa oferecia sacrifício aos deuses. Muitos cristãos sacrificaram ou compraram certificados, o que muitos outros declararam como mal. Começa uma praga no reinado de Décio, que dura 15 anos. Cipriano, bispo de Cartago (248-258), disse que nenhum ser humano tem o poder de remeter apostasia. As idéias de Cipriano mais tarde resultam no cisma donatista. Cipriano interpretou Mt.16.18 não como dando algum privilégio especial a Pedro. Em sua opinião, Cristo separa Pedro dos outros como um símbolo de unidade. Os outros apóstolos eram exatamente o que Pedro foi. Cipriano constantemente foi chamado de “o mais glorioso e bendito papa”. Cipriano, pelo menos, desfrutou uma monarquia limitada como bispo: “tenho decretado uma regra desde o princípio de meu episcopado de não decidir as coisas por mim mesmo sem antes consultá-los [os presbíteros] e ter o acordo das pessoas”. Em 251 ou 253, em um concílio em Cartago, Cipriano respondeu a uma questão de Fido, um bispo rural, se o batismo infantil deveria ser demorado até o oitavo dia. Cipriano respondeu que não deveria haver nenhuma demora. Ele não viu nenhuma razão de correr o risco de danação eterna da criança. A comunhão infantil, Cipriano informou, era o costume em Cartago. Fido parece ter sido motivado para demorar batismo por causa do aparecimento impuro de crianças recém-nascidas! (Epístola LVIII.) Em uma obra chamada O Caído, Cipriano recontou a história de uma jovem cristã (que amamentava), que foi participar de um sacrifício pagão. Depois disto, a menina nunca mais foi fisicamente capaz de controlar o pão e vinho da Eucaristia. Esta é evidência mais antiga de paedocommunion. 250 – em uma carta para Paulo de Samasota, Dionísio de Alexandria freqüentemente se refere “aTheotokos Maria (theotokos Maria).” Diofanto de Alexandria nasce neste ano. Ele foi o primeiro em introduzir o simbolismo na álgebra. 250? papiro 72: Bodmer 5-11+, pub. 1959, texto-tipo “Alexandrino”: Natividade de Maria; 3Cor; Odes de Solomão 11; Judas 1-25; o Sermão de Melito Sobre a Páscoa; Fragmento de Hino; Apologia de Filéias; Sl. 33,34; 1Pd. 1:1-5:14; 2Pd. 1:1-3:18; Judas 1-25 Papiro 77: Mt. 23:30-39 Papiro Chester Beatty: #5:R962: Gn. 8:13-9:2; Gn. 24:13-46:33, Enoque 91-105; , #7: Eu 8:18-19:13,38:14-45:5,54:1-60:22; #8: Jr. 4:30-5:24; #10: Dn. 1-12:13 (+Ad), Bel 4-39, Sus 5-eº, Ester 1:1a-8:6(+Ad) O uncial 0189: At. 5:3-21 250 – os góticos aparecem na Ásia Menor. 251 – dois candidatos rivais disputam a vaga da Sé de Roma. Novaciano dizia que a Igreja não podia perdoar ou aceitar os culpados de assassinato, adultério ou apostasia. Cornélio dizia que o bispo podia perdoar até pecados graves. As idéias de Novaciano foram pressagiadas por Hipólito e Tertuliano contra Calisto (veja 217). Cornélio tinha a experiência de Paulo do tratamento do coríntio incestuoso e com a idéia de Irineu de que uma mulher cristã adúltera poderia ser restabelecida pela penitência. Cornélio ganhou a eleição (e isto foi, aparentemente, uma eleição pela congregação), e os seguidores de Novaciano formaram suas próprias comunidades. Cipriano de Cartago, depois de hesitar inicialmente, fez amizade com Cornélio. Na Carta XL, Cipriano disse que os leigos tinham um papel na eleição dos bispos: “nem deixaremos de lhes ordenar que coloquem suas dissensões e disputas perniciosas de lado, e conscientizá-los que isto é abandonar a Mãe; e reconhecer e entender que quando um bispo é eleito e aprovado pelo testemunho e juízo dos colegas e pessoas, nenhum outro possa por nenhum meio ser designado”. Isto é de uma carta a Cornélio, bispo recentemente eleito de Roma na qual Cipriano descreveu como ele também lidou com os seguidores de Novaciano. Veja a Carta LI. Ao escrever a Cornélio, bispo de Roma, Cipriano se referiu a ele como “irmão”, como fez Cornélio em resposta. Os bispos de Roma não começaram a chamar os outros bispos de “filhos” até o tempo de Dâmaso. “Com um falso bispo eleito para eles por hereges, eles ousam vir aqui e trazer cartas de cismáticos e blasfemadores à cátedra de Pedro, inclusive à Igreja principal na qual unidade sacerdotal tem sua fonte; nem eles sabem que estes são romanos cuja fé foi louvada pelo Apóstolo, e entre quem não é possível para perfídia ter entrada….Por isso, como foi decretado por nós – certo e justo – que o caso de toda pessoa deveria ser ouvido onde o crime foi cometido; e uma parte do rebanho foi dedicada a cada pastor individual para reger e governar, tendo que dar conta ao Senhor; convêm que eles não se separarem de nosso acordo entre os bispos com malvada astúcia, mas julgar cada caso onde possa haver julgamento…” (Cipriano, Carta para Cornélio de Roma, LIV,14). 254-6 – Estêvão é bispo de Roma. Ele decidiu que congregações espanholas em Merida e Leon deveriam receber como bispo um deles que tinha decaído durante a perseguição de Décio. As congregações apelaram para Cipriano de Cartago (bispo 248-58). Cipriano convoca um concílio que decidiu a favor do espanhol. Estêvão é o primeiro a utilizar o texto “tu és Pedro” para afirmar sua posição como o sucessor de Pedro (mas veja Calisto e Sirício, 384/5 abaixo. A atribuição dessa interpretação a Estêvão parece ser uma conclusão da resposta de Cipriano). Cipriano se opôs: “Na pessoa de um homem ele deu as chaves a todos, que ele poderia denotar a unidade de tudo; o resto, então, seja o mesmo aquele Peter era, sendo admitido a uma participação igual em honra e dá poder a, mas um começo é feito de unidade que a igreja de Cristo pode ser mostrada para ser um.” 255 – uma compilação dos bispos de Roma, conhecida como Catálogo Liberiano, é escrita nesta época. 256 – Cipriano convoca um concílio setembro deste ano delcarando que o batismo praticado pelos novacianos era ilegal. Estêvão de Roma discutiu contra Cipriano a favor da validez de batismo administrado por eles. 256 – os francos cruzam o Reno. 257 – 8ª perseguição da Igreja, sob Valério (253-259). São publicados editos exigindo prática do paganismo e dizendo que os cristãos são proibidos e prestar serviço de culto, sob pena de morte. Em 258, Valério começou a executar o clero – S. Cipriano foi martirizado nesta época. Ele também atacou não-cristãos, mas perdoava da morte quem negasse a Cristo. A perseguição continuou até 260. Devido as dificuldades da época, Valério buscou predizer o futuro por sacrifício humano e outro ritos. Quando os esforço falharam, culpou os cristãos na família imperial. Assim, seu desejo de restabelecer o culto pagão motivou a perseguição. 258 – em 29 de junho deste ano, os restos de S. Pedro e S. Paulo são transferidos para as catacumbas na Via Ápia. A festa dos santos Pedro e Paulo no calendário romano data deste ano e comemora este evento. 258 – Xisto, bispo de Roma, foi executado, junto com seus diáconos. Quando estava sendo preso, Xisto encarregou S. Lourenço do cuidado dos pobres. Depois prenderam S. Lourenço. Na prisão, ele converteu e batizou um cego e derramou-lhe água de um vaso sobre o corpo três vezes. O cego foi curado. S. Lourenço, ao se recusar ao sacrifício dos ídolos, foi queimado com ferro quente, batido, e colocado em um prato de ferro quente onde morreu. 258 – os Alemanni descem dos Alpes ao vale do rio Pó. Como resultado Verona, Como e Aquileia foram fortificadas com pedra de tumbas. 259 – Dionísio, bispo de Alexandria, foi envolvido em uma disputa na Líbia entre defensores da teologia do Logos (veja acima, ano 189) e com alguns modalistas monarquistas. Dionísio disse que o Filho e o Pai são tão diferentes quanto um barco e um barqueiro, e negou eles são da mesma substância. Os líbios apelaram para Dionísio de Roma (260-68), que organizou um sínodo para avaliar o assunto. Ele reprovou os sabelianos e os que separaram Deus em três deuses ou consideram que o Filho fosse uma criatura. Em sua Defesa da Definição de Nicéia, Atanásio cita Dionísio de Alexandria: “eu escrevi em outra carta uma refutação daquela falsa acusação que eles trazem contra mim, que eu nego que Cristo um em essência com Deus”. Dionísio se arrependeu de usar as expressões “o Filho foi feito” e que “Ele não é eterno”. Escrevendo contra o sabelianos, Dionísio de Roma deu a seguinte exposição da Trindade: “Me dirijo àqueles que dividem, partem em pedaços e destroem a mais sagrada doutrina da Igreja de Deus, a Divina Monarquia, dando a idéia que são três poderes ou um deus de três cabeças. Me disseram que alguns entre vocês que são catequistas e professores da Divina Palavra, tomaram parte, por assim dizer, desta doutrina errônea, as opiniões de Sabélio; porque ele, de forma blasfema, diz que o Filho é o Pai, e o Pai é o Filho, mas de alguma forma pregam três deuses, dividindo a unidade sagrada em três subsistências estranhas uma à outra e totalmente separadas. Pois Deus é assim: a Palavra Divina está unida e o Espírito Santo tem que repousar e habitar em Deus; assim como em um ápice, quero dizer o Deus do Universo, a Divina Trindade deve ser entendida. Porque é a doutrina do presunçoso Marcião, cortar e dividir a Divina Monarquia em três origens, – um ensino do diabo, não dos verdadeiros discípulos de Cristo e amantes dos ensinos do Salvador, porque eles sabem bem que a Escritura prega a Trindade mas nem o Velho Testamento como o Novo pregam três deuses. Da mesma forma deve-se criticar os que dizem o Filho ser uma criatura e dizem que o Senhor foi originado, como uma das obras da Criação; pois os oráculos divinos testemunharam a Sua geração que Ele viria, mas não que seria criado. Isto é uma blasfêmia e não uma blasfêmia comum, mas uma grande, dizer que o Senhor é criado. Pois se Ele viesse ser o Filho, Ele nunca foi Deus; mas se Ele sempre foi Deus, se (como é realmente) Ele está no Pai, como Ele diz, e se o Cristo é o Verbo, Sabedoria e Poder (o qual, como sabeis, diz a Escritura), estes atributos são poderes de Deus. Se então o Filho foi originado, estes atributos nunca existiram; por conseguinte houve um tempo, quando Deus estava sem eles, o que é absurdo. E por que dizer mais a vós, homens cheios do Espírito Santo, conscientes dos absurdos dos que dizem o Filho ser uma obra? Não querendo saber disto, presumo, os autores desta opinião perderam completamente a verdade, explicando, ao contrário do sentido que diz as Sagradas Escrituras, como está profetizado nas palavras: ‘O Senhor me criou, primícias de suas obras’ (Pv. 8.22). Pois o sentido de ‘Ele criou’ como sabeis, não significa que Ele foi criado, porque nós temos que entender ‘Ele criou’ quer dizer ‘Ele me colocou sobre todas as Suas obras’, que foram ‘feitas por Seu Filho’. E ‘Ele criou’ aqui não deve ser entendido como ‘feito’, pois criar difere de fazer. ‘Não é ele teu pai, que te adquiriu, te fez e te criou?’ (Dt. 32.6), diz Moisés em seu grande cântico em Deuteronômio. E alguém precisa lhes dizer, homens temerosos, que Ele é ‘o Primogênito de toda criatura, nascido do útero antes da estrela da manhã’ (Cl. 1.15 e Salmo 110.3) que disse, como Sabedoria, ‘Antes de todas as colinas Ele me criou?’ (Pv. 8.25). E em muitas passagens dos divinos oráculos diz que o Filho foi gerado, mas em nenhuma parte diz que Ele teve um começo; isto já declara como culpados os que dizem que o Senhor foi criado. Não dividimos em três deuses a bendita Unidade nem erramos ao falar de ‘obra’, a dignidade e majestade do Senhor; mas temos que acreditar em Deus Pai Todo-poderoso, em Cristo Jesus Seu Filho e no Espírito Santo, que é o Deus do Universo. Pois ‘eu’, diz Ele, ‘e o Pai somos um’ e ‘eu estou no Pai e o Pai em mim’. Assim temos a Divina Trindade, e este santo ensino da Monarquia, preservado”. 260 – o imperador Valério é levado como prisioneiro pelo imperador persa Shahpuhr I. O príncipe de Palmira (que tinha ganho independência depois da derrota de Valério) tomou controle das províncias orientais do império até 272, quando foram recuperadas pelo imperador Aureliano. 260 – Paulo de Samosata se torna bispo de Antioquia, na Síria. Ele ignorou a teologia do Logos, dizendo que Jesus era um mero homem que foi inspirado em seu batismo (adocionismo). Para ele, o Verbo e o Espírito eram manifestações do Pai. Ele foi condenado por um sínodo em Antioquia em 268 (264?), presidido por Heleno, bispo de Tarso. Dionísio de Alexandria e Firmílio de Cesaréia foram convidados a assistir o sínodo. Paulo teve suporte até certo tempo porque teve o apoio do governo de Palmira. Quando Aureliano (270-75) recuperou controle das províncias orientais, ele disse as igrejas deveriam propriedades legais decididas pelos bispos de Roma. Parece que esta preocupação de Aureliano foi devido à lealdade dos bispo de Antioquia, e ele escolheu empregar o bispo de Roma para garantir a lealdade. Paulo foi visto como o antepassado do arianismo. Gregório Taumaturgo (213-270) estava presente no concílio que condenou Paulo de Samosata. Sendo aluno de Orígenes, Gregório entendia a Trindade de forma ortodoxa. Sua Exposição da Fé é considerada precursora do Credo de Nicéia: “Há um Deus, o Pai do Verbo vivente, que é Sua Sabedoria, Poder e Eterna Imagem: Genitor perfeito do Procriado Perfeito, o Pai do Filho Unigênito. Só há um Senhor, Único, Deus de Deus, Imagem e Semelhança da Divindade, Palavra Eficiente, Sabedoria da constituição de todas as coisas, Poder Criador da Criação, verdadeiro Filho do Pai, Invisível do Invisível, Incorruptível do Incorruptível, Imortal do Imortal, e Eterno do Eterno. E há Um Espírito Santo, que tem Sua precedência de Deus, e sendo feito manifesto pelo Filho, para os homens: Imagem Perfeita do Perfeito; Vida, a Causa do Viver; Fonte Santa; Santidade, Provedor, Líder de Santificação; em quem se manifesta Deus, o Pai, que é antes de todos e em todos, e Deus Filho, que é sobre todos. Há uma perfeita Trindade em glória, eternidade e soberania, não dividida nem estranha. Portanto, não há nada criado ou submisso na Trindade; nem algo superinduzido, como se antes não existisse, ou que depois foi criada. E assim, nem o Filho esperou pelo Pai, nem o Espírito para o Filho; mas sem variação e sem mudança, a mesma Trindade”. 261 – o imperador Galênio proclama um edito de tolerância para os cristãos. Em resposta para um abaixo assinado de bispos cristãos, devolveu as igrejas e cemitérios confiscados. Antes disto, as igrejas não podiam possuir propriedade, já que o cristianismo era ilegal. As igrejas começaram a receber dinheiro e propriedade vendidas em leilões. 262 – o templo de Artêmis em Éfeso é destruído por invasores góticos. 262/3 – Porfírio se torna discípulo de Plotino em Roma. Ele organizou os escritos de Plotino em seis livros de nove capítulos cada, Enêidas. Porfírio ensinou a doutrina da salvação de Plotino como um processo ascético de meditação, terminando no conhecimento de Deus. Porfírio acentuou a necessidade do asceticismo – a abstinência da carne, celibato, fuga dos prazeres, etc. Porfírio também escreveu quinze livros contra o cristianismo, respondido por Metódio, Eusébio de Cesaréia e outros, sendo queimado em 448. Sócrates, o historiador da Igreja do século V, disse que Porfírio era uma apóstata do Cristianismo. 268 – os Júturos e o Alemanni avançam até 112 km de Roma nesta época, e de novo em 270. Por conseguinte, constrói-se uma alta parede ao redor de Roma. 269 – os góticos invadem os Bálcãs. Os romanos os derrotam em Naisus. Permite-se aos góticos habitarem a Dácia, em 270 (quer dizer, o norte do território do Danúbio). O imperador Aureliano retira a regra romana da Dácia. CurtirCurtir
            • Helen, Moisés não matou os homens. Ele simplesmente fechou o mar. Se os egípcios não sabiam nadar, para que entraram mar a dentro? Foi suicídio. rs

              Mas tudo bem, vamos lá, Davi matou Golias. Sansão matou um bocado de filisteus e por aí vai. Entretanto, eles não faziam isso como igreja, como condenação ou julgamento. Era propriamente um sentido de disputa por terra, pelo povo, pela tribo…

              Naquela época as mulheres eram importantes por serem genitoras de um exército tribal. Eram tomadas em batalhas, juntamente com as crianças e reorientadas na nova tribo.

              Imagine se você estivesse lá. E viessem saqueadores, querendo as terras de seu pai, querendo roubar as mulheres e as crianças, você acha que ele assistiria de joelhos? O senhor também é o senhor dos exércitos.

              Devemos ter humildade, mas a depender da motivação, Deus estará contigo para enfrentar teus inimigos como um Leão da tribo de Judá. Certo?

              Nem a Satanás devemos julgar ou condenar, que Deus o faça.

              Abraço. Fica com Deus.

              Curtir

              • Helen disse:

                Caro Leonardo,

                Não estou me referindo à passagem que narra a fugo dos Hebreus do Egito… Desculpa por ter presumido que seu conhecimento da bíblia fosse mais amplo.

                Fala desta passagem:

                Então Moisés ficou de pé no meio do acampamento, e gritou: «Quem estiver do lado de Javé, aproxime-se de mim».E todos os filhos de Levi se reuniram em torno dele. 27.Moisés então disse-lhes: «Assim diz Javé, o Deus de Israel: “Cada um coloque a espada à cintura. Passai e repassai o acampamento, de porta em porta, e cada um de vós mate até mesmo o seu irmão, companheiro e parente”». 28.Os filhos de Levi fizeram o que Moisés havia mandado. E nesse dia morreram uns três mil homens do povo. (Êxodo 32: 26-28)

                Provei meu ponto. Não é verdade?

                Agora, se o senhor tem a sabedoria de levar em consideração o contexto histórico das passsagens que citou em seu comentário. Por favor, faça o mesmo quando falar da inquisição. Que aliás, repito, NÂO é factualmente aquilo que vc tem alegado aqui.

                Vc por acaso leu o meus texto? Se não, eis aqui o link. Se quiser deixar mais comentários sobre a Inquisição, peço a gentileza de fazê-lo no referido texto.

                Leia mais sobre a Inquisição AQUI

                Curtir

            • Ah, só uma observação. Hóstia não se transforma em carne. Se fossemos seguir a linha, deveriamos também beber o sangue, mas só tem o corpo na missa, sem sangue, sem vida. Quando Jesus falou sobre o pão e o vinho, ele falou como elementos simbólicos, pois no final ele diz. Fazei isto em MEMÓRIA de mim. Esse Cristo Eucarístico é inadequado porque Jesus não veio para morrer e ser churrasco para matar a fome do povo. Então o que ele quer é que ao bebermos o vinho e comermos o pão em cerimônia religiosa, nós possamos nos lembrar do sacrifício da cruz onde seu corpo foi torturado e seu sangue derramado para nossa purificação.

              Curtir

              • Helen disse:

                Leonardo

                Qto Mais vc fala, Mais Mostra que seu vasto conhecento é, na Verdade, o oposto de vasto.

                Na consagraçāo da Eucaristia há pāo e vinho. Fora do Brasil, especialmente em países desenvolvidos, o vinho, assim como a Hóstia é ofertado à congregação. No Brasil, entretanto, isso ocorre apenas de acordo com a especificação de cada paróquia. O que não representa uma violação da ordem do Senhor, mas presupoem um conhecimento teológico avançado demais pra eu lhe explicar aqui nesta resposta. Portanto, sugiro que leia sobre o tema no Catecismo, onde este conceito teológico não está profundamente apresentado – uma vex que o catecismo não é destinado aos teólogos, mas aos fieis da Igreja – porém lá explica-se porque o recebimento da comunhão SOB UMA ESPÉCIE é sufuciente para que se receba o Corpo de Cristo em sua totalidade: Corpo, sangue, alma e divindade.

                Agora, uma curiosidade: De onde vem a sua autoridade pra declarar assim tão categoricente que a Hóstia Consagrada não é o Corpo de Cristo?

                Além disso, sr profundo conhecedor do catolicismo, poderia me indicar como referencia bibliografica uma linha sequer onde a Igreja afirme que o Sacrifício da Cruz não seja Salvífico e definitivo?

                Finalmente, de onde saiu a informação que a Hóstia se transforma em carne? O sr, por acaso, tem familiaridade com o termo transubstanciação?

                Ps- qdo o sr vulgarmente compara o Cristo Eucaristico com um ‘churrasco’, mostra tb que não compreende algo que em teologia chama-se tipologia e prefiguracão. Mostra que não conhece a relação entre a páscoa judia – que presupunha o abatimento de um cordeiro sem mácula, ofertado a Deus como Sacrifício para a expiação dos pecados do povo judeu. E obviamente, apos ofertado, sua consumação pelo povo de Deus, em cumprimento aos preceitos por Ele ordenados
                – e o mistério pascoal cristão. Jesus é O Cordeiro que tira os pecados do mundo. A ordem que Ele deu Foi: Tomai e Comei. Tomai e bebei. Este É o meu Corpo. Este É o meu Sangue, etc. onde ai esta escrito tomai e Comei ‘se quiser ou acreditar’, este é o simbolo do meu Corpo, etc.

                Qdo Foi a últa vez que vc cumpriu a ordem de Cristo e
                Fez isso em Memória dele?

                Falando em memória, sabe qual é e o que significa a palvra original traduzida como memória nessa passagem?

                Curtir

            • Oi Helen, segregando a ironia, não vejo pelo quê pedir desculpas, mas tudo bem, está desculpada.

              Já vi que você não teve prudência em buscar no antigo testamento uma justificativa incoerente de justificar uma mancha da igreja.

              Antigo testamento e novo testamento, representa alguma coisa para a igreja? a.c. e d.c. lhe diz algo? Antes de cristo era olho por olho, dente por dente. Depois de cristo, veio o mandamento do amor, oferecer a outra face…

              A igreja de cristo não pode ter postura do velho testamento.

              Entretanto, nós criaturas, podemos viver pelas leis do antigo testamento ou apenas do novo, há salvação das duas maneiras, só que a salvação pelo velho testamento é mais difícil, você tem que ser 100% santo e seguidor dos mandamento de Deus (praticamente impossível).

              Vi o vídeo que você publicou falando da inquisição, não sei nem porque acabou se era uma coisa tão boa… A história mostra torturas, mortes crueis… Se você quer transformar a história em um conto mais brando de ser contado, que faça, quem tem sua boca diz o que quer. 😉

              Eu venho falar de Deus, e você me fala de religião. Me chama de tolo por não aceitar suas colocações infundadas… e eu já sabia que isso aconteceria, religião só separa as pessoas. Veja com seus próprios olhos, se puder.

              Não me importo com seu julgamento sobre minha ignorância histórica ou religiosa, somente Deus pode dar entendimento, e de loucos serão chamados os que podem ver além. Tenho humildade para receber sua repulsa. Entretanto, bato com os pés, e retiro o pó das sandálias na saída desde lugar onde não sou bem vindo.

              Que Deus seja mais presente na sua vida, e lhe desperte amor…

              Curtir

              • Helen disse:

                Esse é o maior absurdo que eu já li, Leonardo. Francamente!!

                O sr diz: “A Igreja de Cristo não pode ser er postura do velho testamento.”

                Cristo Próprio diz: “”Não pensem que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir”… Mateus 5:17.

                A Exegese Bíblia REQUER, pressupõe, exige a Leitura e o discernimento da Bíblia como um TODO. Assim, o pano de Fundo do Antigo Testamento é IMPERATIVO para a compreensão da Mensagem do Evangelho. Francamente, Leonardo, saia do erro!!!

                Sim, há algumas prescrições do Antigo que foram revogadas por Cristo, como a retaliação, muito bem lembrada no seu comentário. Mas o meu ponto no debate da Motivação da Inquisição é esse:

                Ao instituir o Tribunal Inquisitório, a Igreja foi motivada pelo ZELO À SÃ DOUTRINA em proteção ao Depósito da Fé Apostólica, e não por exemplo, pela retaliação ao erro ou pelo ódio religioso.

                Veja só o que disse Cristo – e como isso está em consonância com a motivação de Moisés ( que era o ZELO pela SÃ Doutrina Divina – a religião judaica – do Paganismo do mundo antigo) na Passagem do Êxodo que eu lhe mostrei:

                Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena.
                Mateus 10:28

                Ora, uma doutrina errônea, como a dos Testemunhas de Jeová, apenas para citar um exemplo, PODE matar a ALMA, pois negam a Divindade de Cristo; não concorda?

                Devo mencionar de novo que Inquisição vem do verbo INQUERIR quer dizer: v.tr. Indagar ou tratar de chegar a conhecer uma coisa fazendo perguntas e gestões par conseguir uma informação.

                Sendo assim, repito: A Igreja INQUERIA, mas NUNCA executava pena civil. Pena civil quem executa é a Justiça Civil. Para a Igreja, que é o Corpo de Cristo, a Pena Espiritual Divina quem executa é a Justiça Divina no Tribunal do Julgamento.

                Então, reitero: Como era a punição da Igreja? Era espiritual! Se a pessoa confessasse o erro, e MUITÍSSIMOS confessaram, ela os perdoava e prescrevia-os a penitência cabível – a penitência é meramente o ato externo que reflete um arrependimento ou condição de arrependimento interior, que dá-se no coração do penitente.

                Porém, qdo não havia a confissão de culpa e o arrependimento, a sentença da Igreja era em PLENA concordância com a Bíblia: A EXCOMUNHÃO!!
                Que vem do latim: ex = fora , comunhão = com + união. Portanto, FORA DA COMUNHÃO com o resto do Corpo da Igreja, que é o Corpo Místico de Cristo.

                Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano.
                Em verdade vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu.
                Mateus 18:17-18

                Como eram tratados os gentios e publicanos? Eram separados, viviam FORA da Comunhão com o resto da Igreja!!!

                O que acontecia com o excomungado pela Igreja durante a Inquisição?

                O Estado exercitava o direito de Executar a pena que achasse conveniente. Lembre-se que os Estados em questão eram Cristãos e Católicos! Onde a Religião oficial era o Cristianismo Católico. Portanto, em outras palavras, um herege ( aquele que nega uma doutrina principal de uma fé x, y, z) era PARA O ESTADO um Criminoso, pois negava a Sã Doutrina da Religião oficial daquele determinado Estado. Sendo assim, com base neste princípio, para defender seus próprios interesses o Estado executava as penas de morte – que aliás, ao contrário do que afirmam os pseudo-historiadores anti-católicos, NUNCA atingiram os milhares.

                Qual era o propósito da Excomunhão?

                Incitar o arrependimento, mediante o qual o herege poderia sempre voltar à comunhão com a Igreja.

                Leonardo, eu não gosto de me gabar. Mas não quero praticar a falsa humildade. Muitos falam de humildade, mas nunca reconhecem um erro ou se desculpam quando são corrigidos – e provados estarem em erro – e acham que estão sendo humildes.

                Meu caro Irmão em Cristo, a quem eu tanto respeito por conta da sua fé, que como a minha está em Cristo Jesus: Olha, eu provei para o sr que meu conhecimento da Bíblia é significativo. Não estou aqui a falar pelos cotovelos para me mostrar melhor do que ninguém. Mas porque é importante proteger a vontade de Deus. E esta é a vontade de Deus:

                Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.
                Santifico-me por eles para que também eles sejam santificados pela verdade.
                Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em mim.
                Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste.
                Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam um, como nós somos um:
                eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim.
                João 17:18-23

                Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
                Mateus 28:19

                Cristo SANTIFICOU a SUA Igreja – daí o motivo pelo qual Igreja Católica é Santa.

                Cristo Orou pela UNIDADE dos Apóstolos – que eram os primeiros membros da Igreja, portanto, eram a Igreja.

                Cristo Orou pela UNIDADE daqueles que acreditassem na palavras dos Apóstolos: A sucessão apostólica dá à Igreja Católica o atributo de APOSTÓLICA.

                Cristo Orou para que eles – os apóstolos – e os que viessem depois dos Apóstolos fossem UNOS. Dái porque a Igreja Católica é UNA.

                Cristo Ordenou aos Apóstolos que fossem a ensinar TODA as Nações. Daí porque a Igreja é Católica!

                Assim, a vontade de Cristo é que SUA Igreja seja SANTA; UNA, APOSTÓLICA e CATÓLICA.

                Pax Domini,

                Ps. Este comentário vai virar um novo post. Fiquem atentos!

                Curtir

          • Manuel da Costa disse:

            Sr Leonardo voce diz que tem vasto conhecimento sobre Catolicismo e diz que foi a Igreja católica quem matou Galileu? ahhh voce provou que não sabe nada do catolicismo…mostra a fonte meu caro ignorante.

            Pax domini

            Curtir

            • Manuel, o termo vasto pode ser muito ou pouco, depende de um referencial. Se você tiver um conhecimento ainda mais vasto, isto devastará o meu conhecimento e o reduzirá ao seu gosto. Humildemente ofereço esta explicação para não parecer pretensioso na afirmação que fiz, onde quis apenas expressar que em toda a minha vida busquei informações sobre religião com enfoque no catolicismo.

              Galileu foi condenado, preso, perseguido, e suas descobertas proibidas. O erro da igreja não é contra Galileu em si, mas pela pena de execução sobre todos os hereges – O genocídio. Se foi Galileu Galilei queimado ou Giordano Bruno, pouco importa isso não é catolicismo, mas história. As idéias condenadas eram as mesmas. Nós não estamos falando prioritariamente de história, mas de religião.

              Às fontes, deixo um pedido de inversão do ónus da prova ao principal interessado.

              Sua expressão “meu caro ignorante” não fez sentido na minha cabeça, se for importante, peço que reformule para que eu possa entender, se for apenas para me taxar de ignorante, no sentido pejorativo, peço que não perca seu tempo escrevendo a uma pessoa ignorante. Procure alguém do seu nível intelectual para debater e forçar seu raciocínio. O meu tempo também não é tão barato para futilidade.

              Abraço.

              Curtir

              • Helen disse:

                Caro Leonardo, tudo bem? Mais uma vez agradeço sua valiosa contribuição ao debate.

                Entretanto, amenidades à parte, por favor, veja minha refutação ao seu comentário abaixo:

                Galileu foi condenado, preso, perseguido, e suas descobertas proibidas. O erro da igreja não é contra Galileu em si, mas pela pena de execução sobre todos os hereges – O genocídio. Se foi Galileu Galilei queimado ou Giordano Bruno, pouco importa isso não é catolicismo, mas história. As idéias condenadas eram as mesmas. Nós não estamos falando prioritariamente de história, mas de religião.

                Refutação.

                1. Sua definição de genocídio está completamente incoerente com a sua argumentação: Genocídio ´é o assassinato de um povo, uma etnia, um gênero de pessoas, como no caso do Holocausto, que exterminou MILHARES de milhares de um povo de etnia Judaica. Portanto, tome cuidado com a terminologia, um debate de alto nível deve levar em conta até esses mínimos detalhes.

                2. A Igreja Católica manteve UM TRIBUNAL inquisitivo. NUNCA executou pena de espécie alguma, muito menos de morte!!! Quem executava a pena era o Estado sob o comando dos Reis. NUNCA da Igreja. O que a Igreja fazia era prescrever uma penitência – que podia variar desde cortar pedra por UM ANO para construção de uma nova Igreja, até o exílio perpétuo, como foi o caso de Galileu – e claro, dar o perdão aos réus culpados de heresia, desde que houvesse o arrependimento.

                Isso sim é História e pode ser provado (ver links abaixo). Já a sua afirmação é falácia!

                Leia mais AQUI e AQUI

                Curtir

          • EDMILSON disse:

            HELEN, ESSE LEONARDO É UM VIBRADOR. DEIXA EU DEBATER PATRÍSTICA COM ELE. KKKKKKKKKKKKK

            ESSE CARA É UMA PIADA. FIZERAM LAVAGEM CEREBRAL NELE COM ESTORINHAS DE GIBI.

            QUERIA UMA SÓ FONTE DESSA FIGURAÇA

            Curtir

            • Manuel da Costa disse:

              Sr Leonardo;

              Perdão por lhe chamado de ignorante, mas não deixa de ser desonesto intelectual, você diz algo sem provas e que os historiadores ateus ,judeus e protestante já demonstraram que é pura mentira,porque exemplo sobre a morte de Galileu pela Igreja Católica,mesmo na wikipedia que é um site muito barato não diz estas asneiras que dizes.

              Outra prova que você é desonesto intelectual é dizer que a Igreja condenava os hereges, quem condenava os hereges era o estado e não a santa Igreja Católica.
              Outra prova que o sr é desonesto intelectual é não saber que os livros canônicos foram escolhidos pelos concílios de Cartago 393, Hipona 397 pelos Bispos da Santa Igreja Católica e aprovado pelos PAPAS, meu caro isto é História do Cristianismo não é invenção. A igreja Ortodoxa cismou da Santa Igreja, que é diferente do protestantismo devido de uma causa politica, meu caro.

              PAx domini.

              Curtir

            • Edmilson, Helen não comanda qualquer atitude minha. Por favor não seja infantil, isso não é um ringue escolar do primário, pelo menos, não de minha parte.

              Eu não sei que piada estou contando! Ao meu ver nenhuma, mas se no intervalo tempo/espaço sua cabeça consegue converter minhas palavras em uma piada, me desculpa, mas o problema está dentro da sua cabeça.

              Acredito mesmo que exista uma incompatibilidade entre nossos cérebros.

              Ao meu ver, o seu está interessado em contar vantagem, exibicionismo chulo e depreciação da imagem de qualquer pessoa para sobressair como vencedor. O meu está para servir a Cristo, divulgar a palavra de Deus e tomar a minha cruz e seguir.

              Já falei ao Manuel, vou falar também à você… Procure alguém tão inteligente quanto você, que esteja interessado em debater os seus temas favoritos para que você possa evoluir, caso isto ainda seja possível, visto que seu conhecimento me parece absoluto.

              Que Deus possa lhe guiar e orientar…

              Curtir

        • Ahh, esqueci de falar… sobre os livros serem considerados canônicos e apócrifos, lembre-se que a igreja era uma só, e os cristãos primitivos não tinham distinção entre católicos e protestantes, depois de a igreja ocupar um poder político houve a separação do cristão agnóstico e posteriormente segregados com a revolução protestante, ao contrário do que alguns católicos confundem com simples hereges.

          Curtir

          • Helen disse:

            Exatamente!!!! Não havia protestantismo. O que havia era a Igreja Católica – que quer dizer UNIVERSAL, que dispensa explicações.

            Assim, o protestantismo que surgiu somente depois de 1500 anos NÃO pode, segundo a razão e a lógica, ser igual ou o mesmo àquele cristianismo existente 1500 anos antes da “reforma”!

            Veja Leonardo, é fácil provar que o protestantismo não existia no início do Cristianismo. Mas o mesmo não se pode dizer sobre o catolicismo. Muito pelo contrário, é fácil provar que ela existia. Não acredita? Então aceite ao desafio de Edmilson que centenas de vezes já exortou a todos os que aqui aparecem a estudarem Patrística e a Verdadeira história.

            Agora, sobre a sua afirmação:

            “depois de a igreja ocupar um poder político houve a separação do cristão agnóstico e posteriormente segregados com a revolução protestante, ao contrário do que alguns católicos confundem com simples hereges.”

            Olha, vc está tão determinado a não estudar a verdade que é besteira perder tempo. Isso que vc escreveu pode ter saído de um livro de fábulas, mas historia, leonardo, história isso não é mesmo!

            Foram bispos da Igreja atualmente chamada Católica que definiram ambos os cânons. Um cânon é aceito pelos protestantes: O cânon do NT.
            O outro, o cânon do VT é rejeitado. Isso faz dos seguidores de Lutero um incoerentes!

            Curtir

            • Helen, quando li sua resposta eu me perguntei: quem falou em agnóstico? rs Daí fui ler minha resposta e estava lá. Errei, quis falar Ortodoxo. E não é fábula, é científico. A história é uma ciência, o que a história fala é porque os historiadores conseguiram comprovar por meios tecnológicos de autenticação sobre o que de concreto foi deixado pelo homem ou pela natureza. Não falei nenhuma teoria.

              Teoria nenhuma pode ser considerada verdade absoluta. Ex. de Teoria antiga: A terra é quadrada; BigBang. Ciência: Foi encontrada a Arca de Noé, analisada, datada, comprovada como descrita na bíblia; Foram encontrados corpos egípcios, armaduras e demais instrumentos no mar por onde Moisés atravessou o povo de Deus.

              A outra questão, da separação… Vamos imaginar o seguinte: Eramos uma grande família, mas devido a discrepâncias, nos separamos. Então… Qual das duas é a mais antiga? A família separada ou a que continuou? Ao meu ver, as duas são antigas da mesma forma. Não é que ela renasceu ou teve que reinventar a roda. A cultura permaneceu, tradição e intelecto era sabido, porém, das coisas que não eram aceitas – foram reformadas. Então pergunto… A quem pode ser atribuído um título de um feito de quando as famílias eram apenas uma? impossível atribuir, não?

              É fato que a igreja mudou em muitos aspectos da época do Apóstolo Pedro, mas digamos que ele fosse o primeiro papa, será que Pedro seria de acordo com a Inquisição? Pergunta ainda mais ousada: Será que Pedro ficaria com Títulos dogmáticos ou seguiria como fez Lutero em face as mudanças de um clero político e corrupto? Pois eu lhe digo que Pedro foi repreendido quando puxou a espada para defender o próprio Jesus. Jesus lhe disse que poderia clamar ao pai e Ele, o Pai, lhe poderia mandar uma legião de anjos para o defender. E que aquele que matasse pelo fio da espada, pelo fio da espada morreria. Lembra?

              Agora dê uma analisada aí se sua empatia para comigo não diminuiu desde quando começamos a falar de igreja X, Y e Z… Religiosidade leva a isto.

              Abraço Helen, fica com Deus. Eu gosto de debater com você, você está em um nível de debate amistoso muito agradável. Quando o cara não sabe viver o que fala não dá certo comigo. Não gosto de perder tempo em vão com gente firula. Mas digo isso apenas para demonstrar que não considero você como parte integrante do catolicismo, deixemos esse negócio de igreja pra lá. Você não enforcou ninguém, eu também não. A salvação é individual, então pronto, cuidemos do que é nosso. Sempre quando falo de igreja ficou meio que pisando em ovos sem querer ofender e tal. Então se ofendi, desculpa aí, viu?

              Abraço. Fica com Deus.

              Curtir

          • EDMILSON disse:

            Leonardo Feijó já sei você tirou essas fabulas e piadas de livrarias de fundo de quintal de seitas e faculdades protestantes.

            você é divertido, mas essas piadas não colam.

            vejo que você nunca estudou história primitiva na vida!

            a igreja católica nasceu católica desde o primeiro século e eu ti provo isso, na geografia na geologia na arqueologia

            e nos escritos das atas dos mártires e dos bispos e presbíteros só dos 2 primeiros séculos.

            não vou nem ti mostrar os mas de 140 escritores padres da igreja e padres apostólicos cronistas e escritores menores só dos 2 primeiros séculos seria muito judiação minha

            Leonardo, dentro da bíblia tem 3 papas.

            e assim vai agora vai estudar…

            Curtir

          • EDMILSON disse:

            Vida de Santo Antão.
            Santo Atanásio de Alexandria

            por Santo Atanásio de Alexandria (Festa: 02 de Maio)

            (Subsídio de reflexão no 150o. ano da Congregação Beneditina do Brasil e preparando o 15o. centenário de N. Pai São Bento – Documentação no. 11)

            Tradução do Mosteiro da Virgem – “Cuadernos Monásticos” no. 33-34 – (Publicado aqui nesse site com autorização da Abadessa Madre Eugênia Teixeira, OSB do Mosteiro da Virgem, Petrópolis, Rio de Janeiro.) © Todos os direitos reservados.
            INTRODUÇÃO
            1. Santo Atanásio de Alexandria

            O autor da “Vida de Santo Antão” é o insigne patriarca de Alexandria, Santo Atanásio. Nasceu cerca do ano 295. Em 325, sendo diácono, acompanhou o patriarca Alexandre, seu predecessor, ao Concílio de Nicéia, onde foi condenada a heresia ariana. Foi consagrado bispo de Alexandria a 08 de junho de 328. Toda sua vida pastoral viu-se envolvida pela controvérsia e lutas desencadeadas pelo arianismo, constituindo-se ele um dos baluartes da verdadeira fé proclamada pelo Concílio de Nicéia. Por cinco vezes foi desterrado de sua sede, sob os imperadores Constantino, Constâncio, Juliano e Valente. Entre 335 e 337 esteve em Tróvoris; entre 339 e 346, em Roma; os três últimos desterros passou-os no deserto do Egito: 356-362, 362-363, 365-366. Voltando finalmente a Alexandria, morre em 373. Nada sabemos sobre sua formação, seus mestres, seus estudos. Segundo seu próprio testemunho, alguns de seus mestres morreram durante as perseguições; em consequência, eram cristãos. Em todo caso, seu âmbito era a Igreja. Sem vacilar entrega-se a seu serviço e à sua defesa. parece ser mais copta do que grego. Fala e escreve copta. Conhece seu povo, pois dele provém. Sua comunidade vai apoiá-lo sempre, através de todas as turbulências de sua vida agitada. Dos quarenta e cinco anos de sua atividade episcopal, passou quase vinte no desterro. Isto explica que a maior parte de suas obras tenham surgido da contenda anti-ariana. Não pretende fazer literatura, mas apenas ensinar e convencer. Fora de uma obra em duas partes (Contra os pagãos e Sobre a encarnação do Verbo), escrita em seus tempos de diácono do patriarca Alexandre, a maioria de suas obras teológicas se dedicam a rebater o arianismo e defender a fé nicena, e nelas predomina o tom polêmico, chegando à ironia e ao sarcasmo. (Três sermões contra os arianos, Apologia contra os arianos, Apologia ao imperador Constantino, Apologia sobre sua fuga, História dos arianos para os monges). Mas Santo Atanásio foi também pastor de almas. Infelizmente perderam-se muitas de suas obras, especialmente seus comentários à Sagrada Escritura. Entre seus escritos sobressaem suas cartas pastorais pascais e um tratado sobre a virgindade.
            2. Santo Atanásio e o monaquismo
            Santo Atanásio não foi monge, mas acha-se em lugar muito destacado nas origens do movimento monástico.Sua vida, como a de todos os Padres da igreja do século IV, foi sumamente ascética. Ainda que seus estudos, segundo o testemunho de São Gregório Nazianzeno, não tenham sido especialmente amplos, possuía ele um grande domínio da Sagrada Escritura. Desde muito cedo parece ter estado em relação com os monges, particularmente com Santo Antão. Dois discípulos deste o acompanharam em seu desterro a Roma em 339, e entre os monges buscou e encontrou colaboradores durante sua luta anti-ariana, confiando a alguns deles sedes episcopais. Todas estas relações de amizade e mútua compreensão – os monges apoiaram amplamente a causa de Santo Atanásio, e este defendeu e propagou o nascente ideal no Oriente e no Ocidente – fizeram-se mais sólidas e profundas durante os três últimos desterros do bispo, na Tebaida e entre os monges pacomianos. Em face à resistência de muitos bispos, Santo Atanásio soube compreender o valor do movimento monástico, estimulou-o, influiu grandemente nele através de seu contato pessoal e de seus escritos, propagou seus ideais e o estabeleceu definitivamente como movimento de Igreja. É indubitável que, fora a ajuda de Deus e sua própria convicção e a adesão inquebrantável de seu povo de Alexandria, Santo Atanásio encontrou no apoio entusiata do monaquismo copta um grande consolo em sua luta e em seus desterros. Aqui se destaca de modo especial a amizade de Santo Antão: segundo o historiador Sozomeno, escreveu ao imperador Constantino em favor de seu amigo, e não vacilou em apresentar-se na própria cidade de Alexandria. É indubitável também que, fora do influxo doutrinal, a presença de Santo Atanásio foi decisiva na orientação essencialmente escriturística e evangélica do movimento monástico. E, entre todas as suas obras, é sua “Vida de Santo Antão” a que constitui sua mais significativa contribuição ao desenvolvimento do espírito monástico.
            3. A “vida de Santo Antão”

            Santo Atanásio escreveu a “Vida”, segundo alguns, por ocasião de seu primeiro desterro no deserto, na Tebaida, encontrando-se entre os monges, 356-362; segundo outros, tê-la-ia escrito em sua volta definitiva a Alexandria, depois de 366. Atualmente já ninguém discute que tenha sido efetivamente Santo Atanásio o autor da “Vida”. O que se discute entre os entendidos é, sim, o caráter dessa biografia, isto é, qual o seu gênero literário, a veracidade histórica de seu conteúdo, o próprio pensamento de Santo Antão. Parece haver acordo em aceitar que o substancial dos dados contidos na “Vida” corresponde ajustadamente à verdade histórica, Santo Antão, não é, pois, uma figura mítica, pura criação de Santo Atanásio, como tampouco o são as diversas circunstâncias e etapas de sua vida. No entanto, deve-se conceder que os diversos episódios, separadamente considerados, não têm todos a mesma qualidade. A maior dificuldade se apoia na apresentação da doutrina espiritual de Santo Antão e em alguns aspectos de sua luta contra os demônios; é evidente que se no essencial Santo Atanásio é fiel à figura de seu herói, não é menos certo que expõe suas próprias reflexões sobre o tema. Não cremos que se possa ir tão longe como afirmar que a “Vida” é um tratado de espiritualidade; ela é, efetivamente, uma biografia, que pretende credibilidade histórica (5:7), mas que tem, além dessa finalidade expressa, também outra, abertamente declarada: dar aos monges um modelo digno de imitação (4; 93,1.9; 94,1). É possível que Santo Atanásio tenha tomado em conta o gênero biográfico da antiguidade e que tenha inclusive conhecido determinadas biografias de autores pagãos que puderam ter-lhe servido de modelo. De qualquer modo, deseja demonstrar que o copta iletrado que foi Santo Antão superou amplamente todos aqueles heróis ou homens divinos, não por suas próprias forças, mas pela graça de Deus (5,10; 7,1; 38,3; 78,1.2; 84,1; 94,1). Dificuldades aparte apresentam os dois longos discursos dos caps. 16-43 (sobre o combate espiritual) o 72-80 (contra os arianos). Sabe-se que os historiadores antigos costumavam pôr na boca de seus heróis discursos ou sermões nos quais expunham seus próprios pontos de vista ou sintetizavam livremente as opiniões atribuídas a seus biografados. É provável que Santo Atanásio tenha também recorrido a este procedimento. Contudo, principalmente no primeiro dos discursos dever-se-á reconhecer que se trata do resultado de um influxo recíproco; dadas as íntimas relações entre Santo Atanásio e o mundo monástico do deserto, especialmente Santo Antão, os discursos espirituais refletem a sabedoria experimental dos monges, mas igualmente as reflexões e sabedoria pastoral do patriarca alexandrino. Pois bem, a conferência espiritual dos caps. 16-43, que constitui um quarta parte de toda a “Vida” é a que justamente apresenta o traço que costuma chocar o leitor não iniciado, o mundo horripilante dos demônios. Esse discurso foi caracterizado às vezes como verdadeira súmula de demonologia. Talvez não seja possível dar uma explicação absolutamente satisfatória desse fenômeno. Como todo documento antigo, incluído o Novo Testamento, também a “Vida” dá provavelmente mais lugar ao mundo do maravilhoso, e, portanto, do demoníaco. Muitos serão os fatores que influiram: incapacidade para discernir causas naturais; a convicção de que deuses e ídolos pagãos eram em realidade demônios, que se enfureciam contra os cristãos por sentir ameaçado seu domínio sobre o mundo; crenças populares; influxos de movimentos ocultistas. Não dando muita atenção, sem eliminá-las, no entanto, às representações demasiado realistas do mundo espiritual, fica o essencial de uma grande sabedoria feita de profunda observação e experiência vivida, unida ao carisma do discernimento e da direção espiritual. Finalmente, Santo Atanásio apresenta na “Vida” como tese fundamental, que a santidade ou perfeição cristã, animada pelo Espírito e refletida nas figuras bíblicas (especialmente São João Batista, Nosso Senhor Jesus Cristo, os Apóstolos) e nos mártires da Igreja, continuava ao alcance de todos. Podia mudar, sem dúvida, o quadro externo – agora, o monaquismo tal como Santo Antão o viveu -, mas a plenitude de vida do Espírito continuava sendo a mesma. Neste sentido, a “Vida” continua sendo um documento, não só monástico, mas simplesmente cristão, de perene atualidade. Isto explica também a imensa popularidade que a “Vida” teve em todos os tempos, a quantidade de traduções, desde as que, muito pouco depois da aparição do original grego, foram feitas do latim e do sírio, e constitui a razão mais profunda da versão castelhada (de onde vem esta portuguesa).
            4. Santo Antão

            Para conhecer a vida de Santo Antão tem-se como texto fundamental a obra de Santo Atanásio. Fora dela citam-se por vezes outras fontes, mas que não dão as mesmas garantias de autenticidade. Com mais ou menos segurança se lhes atribuem algumas cartas, ditadas por ele em todo caso, pois não sabia grego. Menor segurança reveste a atribuição que de alguns apoftegmas se lhe faz tradicionalmente. Fora de dúvida estão, no entanto, as notícias contidas na carta que, por ocasião da morte de Santo Antão, escreveu ao amigo deste, São Serapião, bispo de Thmuis (ob. entre 339 e 353), como igualmente a menção do historiador Sozomeno (+ 439?) e o elogio de São Gregório Nazianzeno (+ 389/390). Valem também as menções na literatura pacomiana, ainda que por vezes adornadas com um traço bem legendário. As datas da vida de Santo Antão são inseguras. A mais certa é a de sua morte, no ano 356. Segundo a “Vida” (89,3), tinha nesta data cento e cinco anos de idade. Ainda que semelhante idade, certamente não comum, não seja de todo improvável na vida de um homem, pode, no entanto, estar excedida em alguns anos. Sendo assim, Santo Antão teria nascido entre 250 e 260. Como lugar de origem, costuma-se dar a aldeia de Coma (Kiman-el-Arus), no Egito médio, perto da antiga Heracleópolis. Seus pais eram camponeses abastados. Além de Antão, tinham uma filha. À morte dos pais, o jovem, de uns 18 a 20 anos, vendeu a propriedade, por amor ao Evangelho, distribuiu o dinheiro aos pobres, reservando apenas algo para sua irmã, menor que ele. Posteriormente distribuiu também isso, consagrando sua irmã ao estado de virgem cristã. Retirou-se ele à vida solitária, perto de sua aldeia natal, segundo o costume da época. É a etapa de sua formação monástica, de sua apaixonada dedicação à Escritura e à oração; é também o período de seus primeiros encontros com o demônio. Depois de um certo tempo, buscando uma confrontação mais direta com o demônio, vai viver num cemitério abandonado, encerrando-se um mausoléu. Ali sofre ataques violentíssimos dos demônios, mas sem se deixar amedrontar, persevera em seu propósito. Assim chega aos 35 anos. Empreende então a separação decisiva: vai para o deserto. A “Vida” assinala esse passo como algo totalmente insólito nessa época (11,1). Santo Antão cruza o Nilo e se interna na montanha, onde ocupa um fortim abandonado. Ali passou quase vinte anos (14,1), não se deixando ver por ninguém, entregue absolutamente só à prática da vida ascética. Pressionado pelos que queriam imitar sua vida, Santo Antão abandona a solidão e se converte em pai e mestre de monges. Conta cinquenta e cinco anos, e junto ao dom da paternidde espiritual, Deus lhe concede diversos outros carismas. Em torno dele forma-se uma pequena colônia de ascetas (44). Nesta etapa conta-se também a descida de Santo Antão e de seus discípulos a Alexandria, por ocasião da perseguição de Maximino Daia (311), para confortarem os mártires de Cristo ou ter a graça de sofrerem eles próprios o martírio. Voltando à solidão, encontrou-a povoada demais para seus desejos. Fugindo então à celebridade, Santo Antão chega ao que a “Vida” chama “Montanha interior” (a “Montanha” exterior, ou Pispir (Deir-el-Mnemonn) havia sido até então sua residência, e nela permanece a colônia de seus discípulos), o Monte Colzim, perto do Mar Vermelho. Apesar de tudo, de vez em quando visita seus irmãos, e estes vão a ele. A “Vida” coloca neste tempo a maioria dos prodígios que lhe atribui. A pedido dos bispos e dos cristãos, empreende segunda vez o caminho de Alexandria, para prestar seu apoio à verdadeira fé na luta contra o arianismo. Os últimos anos de sua vida passou em companhia de dois discípulos. Vaticina sua morte, faz legado de suas pobres roupas e roga a seus acompanhantes que não revelem a ninguém o lugar de sua sepultura. Gratificado com uma última visão de Deus e de seus santos, morreu em grande paz.

            Ainda que a “Vida” diga explicitamente que Santo Antão não foi o primeiro anacoreta (3,3-5; 4,1-5), sustentando, por outro lado, que foi o primeiro a retirar-se ao deserto do Egito (11,1), e ainda que, além disso , seja muito difícil assinalar origens e iniciadores precisos num movimento humano tão complexo como o monástico, contudo, a figura se sobressai em forma tão extraordinária, que com razão é ele considerado pai da vida monástica e, especialmente, como modelo perfeito da vida solitária. Sua fama já em vida, acrescentada depois de sua morte sobretudo através das páginas da “Vida”, é inteiramente justa. Ao celebrar sua festa, de acordo com muito antigas tradições, a 17 de janeiro, os cristãos reconhecemos o poder de Deus entre os homens, a força de sua sabedoria ao deixar-nos um exemplo em homem tão humilde, o dom de seu Espírito multiforme com a discrição e o alento fraterno do grande ancião.
            5. O deserto

            O deserto constitui, na revelação do Antigo e do Novo Testamento, um tema de atração particular. Sabemos que Israel teve no deserto as experiências mais imediatas da presença, do amor, da misericórdia de Deus, e que nele teve que lutar pela pureza de sua entrega, pela fidelidade a seu Deus. Para uma tradição, o deserto passou a ser inclusive um símbolo da relação mais pura, da frescura do primeiro amor entre Deus e Israel. Na medida, porém, em que Israel se fez sedentário, foi variando sua compreensão do deserto, e não viu nele senão algo terrível, cheio de ameaças e feras, onde ninguém podia viver. Deste modo, a meditação de sua própria história fê-lo perder a visão idílica de sua peregrinação pelo deserto, e apercebeu-se de que essa época esteve cheia de pecado, de ofensa a Deus, a tal ponto que em certo momento o deserto chegou a ser símbolo do juízo condenatório de Deus. Já se vislumbra nisto a oscilação na consideração do deserto como habitação privilegiada de Deus e como lugar de sua ausência, horrível, cheio de perigos e tentações. O Novo Testamento é igualmente devedor dessa dupla visão. É no deserto que São João Batista começa o anúncio do Reino de Deus, e para onde foge a Igreja perseguida do Apocalipse (12,5-6). É também a montanha solitária lugar preferido por Jesus para sua oração íntima. Mas o deserto é, além disso, morada do demônio, símbolo do obscuro e sem vida. Jesus é tentado no deserto e, segundo seu próprio ensinamento, esse é o lugar próprio dos demônios. Seja qual for a origem dessa dupla imagem do deserto, o essencial é que participa do paradoxo de tudo o que conforma a relação de Deus com o homem. Não há lugar, nem tempo, nem coisa, nem pessoa que goze da unidade que só é própria de Deus. Tudo está marcado com o signo da ambiguidade. Tudo pode ser sinal da presença de Deus, tudo pode ser também tentação para esquecê-lo. O deserto aparece então não sob a simplista concepção de uma fuga ou evasão do mundo, senão como aquela realidade de nosso mundo na qual, mais do que em nenhuma outra, se está com indefesa desnudez ante a única decisão que importa: por Deus ou contra ele. O deserto recorda ao homem sua pobreza e solidão essenciais, sem as quais não se pode compreender nem a riqueza da criação nem a graça que significa a comunidade e o serviço aos homens. É essa dupla visão caracterizada também pela “Vida”. Santo Antão vai ao deserto, vai progressivamente em busca de maior solidão para poder se enfrentar com todas as incitações que pretendem envolvê-lo em sua complexidade, estorvando-lhe o caminho à recuperação de sua unidade. É o lugar de sua luta contra o demôniio. À medida, porém, que seu progresso espiritual avança, o deserto se converte para ele em lugar privilegiado de seu encontro pessoal e místico com Deus. Esta é a finalidade verdadeira e última de toda austeridade, de toda vida ascética. Seria insensato crer que Santo Antão ou os monges esgotam sua vida na busca do demônio. Buscam primeiramente a Deus, mas sabem muito bem que esse caminho passa através de todas as ilusões demoníacas. As privações de todo tipo, a leitura e meditação da Palavra de Deus, a oração constante, são as armas para percorrer o caminho sem temer os perigos. Sua meta última é, porém, restaurar a imagem do homem tal como foi criado por Deus: dono, e não escravo do mundo, ao serviço do único Senhor do universo, e assinalar o estado último e definitivo, em que tudo é um, em que tudo é Sim e Amém.
            6. Texto da “Vida”

            A “Vida de Santo Antão” foi escrita por Santo Atanásio em grego. Do texto grego se conhecem 165 manuscritos. Mais da metade deles se conservam na forma que receberam na compilação de Simeão Metafrasto, o hagiógrafo grego, em fins do século X. Este texto só teve até agora duas edições originais. A primeira foi feita por David Hoeschel em 1611; por este texto todo o século XVII conheceu a “Vida”. Em 1698, os beneditinos da Congregação de São Mauro J. Loppin e B. de Montfaucon publicam a primeira edição crítica das obras de Santo Atanásio, a qual figura na Patrologia grega de Migne, t.26, col. 837-976. De fato, ambas as edições, salvo algumas variantes, continuam utilizando o texto metafrástico. Seria necessária uma edição crítica do texto grego. Do texto original há duas versões latinas e várias orientais. A versão latina mais conhecida é a devida ao presbítero Evágrio de Antioquia, que no ano 388 chegou a ser bispo de sua cidade; Evágrio era amigo de São Jerônimo, e dedicou sua tradução a Inocêncio, amigo comum de ambos, morto em 374. Esta versão é, pois, do tempo de Santo Atanásio, e deve ter sido feita pouco depois da publicação do original, o que demonstra sua ampla difusão e popularidade. Dom André Wilmart deu a conhecer em 1914 a existência de outra versão latina distinta, conservada num códice do Capítulo da Basílica de São Pedro, e publicou algumas partes. Gérard Garitte editou-a integralmente em 1939. Supõe-se hoje em dia, geralmente, que esta versão é também anterior à de Evágrio, mas a deste é que foi constantemente copiada e impressa. Aparece efetivamente na edição beneditina mencionada anteriormente, ao pé do texto grego, e é também a publicada por Migne, tanto na Patrologia grega como no vol. 73, col. 125-168, da Patrologia latina. Também existem versões coptas, árabes, etíopes, sírias, armênias e georgianas, algumas já editatas, outras entretanto inéditas.
            7. Nossa versão

            Como já se explicou ao leitor no prólogo, o manuscrito original da tradução castelhana foi preparado sobre o texto latino de Evágrio de Antioquia. Dada a penúria de material patrístico em nossa região, só nos foi possível utilizar o volume da Patrologia grega por muito pouco tempo. De todo modo, revimos todo o manuscrito segundo esse texto. As variantes de Evágrio, que nos pareceram mais importantes, consignamo-las nas notas com a sigla: E. Foram-nos muito úteis as versões de René Draguet, Robert T. Meyer e Jean Bremond, assinaladas mais adiante na bibliografia. Desde já agradecemos todas as observações dos eruditos amigos sobre erros de tradução ou sugestões para sua melhor formulação. É este também o lugar para agradecer de todo o coração ao Pe. Elmar Boos, o.f.m. Cap. do Convento de São Francisco de Valdivia, por sua generosidade em obter para nossa biblioteca o “Patristic Greek Lexikon”, de G.W.H. Lampe.
            8. Lacunas

            Estamos muito conscientes de nossas insuficiências e lacunas. Em particular teríamos gostado de incluir a tradução das cartas e apoftegmas atribuídos a Santo Antão. Igualmente quiséramos ter podido incluir nesta “Introdução” uma resenha das traduções castelhanas da “Vida” e, sobretudo, uma exposição dos motivos mais salientes de sua doutrina espiritual. Mas, não só esta “Introdução” se teria estendido muito além do que já o foi, como também declaramos nossa incompetência neste ponto, maior ainda do que nos outros em que nos atrevemos a tocar.
            9. Bibliografia

            Damos a lista das obras que mais nos serviram tanto para a redação desta Introdução, como para a preparação da tradução e das notas.

            MIGNE, Patrologia grega, t. 26 (PG).

            MIGNE, Patrologia latina, t. 73 (PL).

            COLOMBAS, GARCIA M., El monacato primitivo, T. I BAC 351, Madrid, 1974, 376 p.

            BREMOND, JEAN, Los Padres del Yermo. Prólogo de Henri Bremond. Aguilar, Madrid, s.a., 510 p.

            DRAGUET, RENE, Les Pères du Désert. Plon, Paris, 1949, 1 X – 333.

            LAMPE, G.W.H., Patristic Greek Lexikon. Clarendon. Oxford, XLVII – 1568 p.

            LORIE, L.T.H.A., Spiritual Terminology in the Latin Translation of the Vita Antonii (Latinitas Christianorum Primaeva XI). Dekker & van de Vegt, Nimega, 1955, XV – 180 p.

            MEYER, ROBERT T., The Life of Saint Anthony (Ancient Christian Writers, n. 10). The Newman Press, Westminster, Maryl., 1950, 130 p.

            Studia Anselmiana 38: Antonius Magnus Eremita. Cura BASILII STEIDLE OSB Herder, Roma, 1956, VIII – 306 -.

            Curtir

          • EDMILSON disse:
            VIDA DE SANTO ANTÃO. Santo Atanásio de Alexandria (295-373). PRÓLOGO Atanásio, Bispo, aos Irmãos (1) no estrangeiro (2) Excelente é a competição em que vocês entraram com os monges (3) do Egito, decididos como estão a igualá-los ou mesmo sobrepujá-los na prática da vida ascética (4). De fato, já existem celas monásticas (5) em sua terra e o nome de “monge” se estabeleceu por si mesmo. Este propósito é, em verdade, digno de louvor, e consignam suas orações que Deus o realize. Vocês me pediram um relato sobre a vida de Santo Antão: querem saber como chegou à vida ascética, que foi antes dela, como foi sua morte, e se é verdade o que dele se diz. Pensam modelar suas vidas segundo o zelo da dele. Muito me alegro em aceitar esse pedido, pois também eu tiro real proveito e ajuda da simples lembrança de Antão, e pressinto que também vocês, depois de ouvida a história, não só admirarão o homem, mas quererão emular sua resolução, quanto lhes seja possível. Realmente, para monges, a vida de Antão é modelo ideal de vida ascética. Assim, não desconfiem dos relatos que receberam de outros a respeito dele, mas certifiquem-se de que, ao contrário, ouviram muito pouco. Em verdade, pouco lhes contaram quando há tanto que dizer. Eu mesmo, com tudo o que lhes conto por cartas, apenas lhes transmitirei algumas das lembranças que tenho dele. Vocês, por sua parte, não deixem de perguntar a todos os viajantes que cheguem de cá. Assim, talvez, com o que cada um conte do que saiba, ter-se-á um relato que aproximadamente lhe faça justiça. Bem, quando recebi sua carta, quis mandar alguns monges, em especial os que estiveram mais estreitamente unidos a ele. Assim teria eu aprendido detalhes adicionais e poderia mandar um relato mais completo. Mas o tempo de navegação já passou, e o homem do correio começa a impacientar-se. Por isso apresso-me a escrever o que sei – porque o vi com frequência -, e o que pude aprender do que foi seu companheiro por largo tempo e lhe vertia água nas mãos (6). Do começo ao fim considerei escrupulosamente a verdade: não quero que alguém recuse crer por lhe parecer excessivo o que ouviu, nem que considero menos a esse homem tão santo, por não lhe parecer suficiente o que tenha sabido. NASCIMENTO E JUVENTUDE DE ANTÃO 1. Antão foi egípcio de nascimento. Seus pais eram de boa linhagem e abastados. Como eram cristãos, também o menino cresceu como cristão. Quando menino viveu com seus pais, só conhecendo sua família e sua casa; quando cresceu e se fez moço e avançou em idade, não quis ir à escola (7), desejando evitar a companhia de outros meninos; seu único desejo era, como diz a Escritura acerca de Jacó (Gn 25,27), levar uma simples vida no lar. Supõe-se que ia à igreja com seus pais, e aí não demonstrava o desinteresse de um menino nem o desprezo dos jovens por tais coisas. Ao contrário, obedecendo aos pais, prestava atenção às leituras e guardava cuidadosamente no coração o proveito que delas extraía. Além disso, sem abusar das fáceis condições em que vivia como criança, nunca importunou seus pais pedindo manjares caros ou finos, nem tinha prazer algum em coisas semelhantes. Ficava satisfeito com o que se lhe punha adiante e não pedia mais (8). A VOCAÇÃO DE ANTÃO E SEUS PRIMEIROS PASSOS NA VIDA ASCÉTICA 2. Depois da morte de seus pais ficou só com sua única irmã, muito mais jovem. Tinha então uns dezoito a vinte anos, e tomou cuidado da casa e de sua irmã. Menos de seis meses depois da morte de seus pais, ia, como de costume, a caminho da igreja. Enquanto caminhava, ia meditanto e refletia como os apóstolos deixaram tudo, e seguiram o Salvador (Mt 4,20;19,27); como, segundo se refere nos Atos (4,35-37), os fiéis vendiam o que tinham e o punham aos pés dos Apóstolos para distribuição entre os necessitados, e quão grande é a esperança prometida nos céus para os que assim fazem (Ef 1,18; Col 1,5). Pensando estas coisas, entrou na igreja. Aconteceu que nesse momento se estava lendo o evangelho, e ouviu a passagem em que o Senhor disse ao jovem rico: “Se queres ser perfeito, vende o que tens e dá-o aos pobres, depois vem, segue-me e terás um tesouro no céu ” (Mt 19,21). Como se Deus lhe houvera proposto a lembrança dos santos, e como se a leitura houvesse sido dirigida especialmente a ele (9), Antão saiu imediatamente da igreja e deu a propriedade que tinha de seus antepassados: trezentas “aruras” (10), terra muito fértil e formosa. Não quis que nem ele nem sua irmã tivessem algo que ver com ela. Vendeu tudo o mais, os bens móveis que possuía, e entregou aos pobres a considerável soma recebida, deixando só um pouco para sua irmã (11). 3. De novo, porém, entrando na igreja, ouviu aquela palavra do Senhor no evangelho: “Não se preocupem do amanhã” (Mt 6,34). Não pôde suportar maior espera, mas foi e distribuiu aos pobres também este pouco (12). Colocou sua irmã entre virgens conhecidas e de confiança, entregando-a para que a educassem (13). Então ele dedicou todo seu tempo à vida ascética, atento a si mesmo e vivendo de renúncia a si mesmo, perto de sua própria casa. Ainda não existiam tantas celas monásticas no Egito, e nenhum monge conhecia sequer o longínquo deserto. Todo o que desejava enfrentar-se consigo mesmo, servindo a Cristo, praticava sozinho a vida ascética, não longe de sua aldeia. Naquele tempo havia na aldeia vizinha um ancião que desde sua juventude levava na solidão a vida ascética. Quando Antão o viu, “teve zelo pelo bem” (Gl 4,18), e se estabeleceu imediatamente na vizinhança da cidade. Desde então, quando ouvia que em alguma parte havia uma alma esforçada, ia, como sábia abelha, buscá-la e não voltava sem havê-la visto; só depois de haver recebido, por assim dizer, provisões para sua jornada de virtude, regressava. Aí, pois, passou o tempo de sua iniciação, se afirmou sua determinação de não voltar à casa de seus pais nem de pensar em seus parentes, mas a dedicar todas as suas inclinações e energias à prática contínua da via ascética. Fazia trabalho manual pois tinha ouvido que “o que não quer trabalhar não tem direito de comer” (2 Ts 3,10). Do que recebia guardava algo para sua manutenção e o resto dava-o aos pobres. Orava constantemente (14), tendo aprendido que devemos orar em privado (Mt 6,6) sem cessar (Lc 18,1; 21,36; 1 Ts 5,17). Além disso, estava tão atento à leitura da Sagrada Escritura, que nada se lhe escapava: retinha tudo (15), e assim sua memória lhe servia de livros. 4. Assim vivia Antão e era amado por todos.Por seu lado, submetia-se com toda sinceridade aos homens piedosos que visitava, e se esforçava por aprender aquilo em que cada um o avantajava em zelo e prática ascética. Observava a bondade de um, a seriedade de outro na oração; estudava a aprazível quietude de um e a afabilidade de outro; fixava sua atenção nas vigílias observadas por um e nos estudo de outro; admirava um por sua paciência, a outro por jejuar e dormir no chão, considerava atentamente a humildade de um e a paciente abstinência de outro; e em uns e outros notava especialmente a devoção a Cristo e o amor que mutuamente se tinham (16). Havendo-se assim saciado, voltava a seu lugar de vida ascética. Então se apropriava do que havia obtido de cada um e dedicava todas as suas energias a realizar em si as virtudes de todos (17). Não tinha disputas com ninguém de sua idade, nem tampouco queria ser inferior a eles no melhor; e ainda isto fazia-o de tal modo que ninguém se sentia ofendido, mas todos se alegravam com ele. E assim todos os aldeões e os monges com os quais estava unido viram que classe de homem era ele e o chamavam “o amigo de Deus” (18), amando-o como filho ou irmão. PRIMEIROS COMBATES COM OS DEMÔNIOS 5. Mas o demônio, que odeia e inveja o bem, não podia ver tal resolução num jovem, e se pôs a empregar suas velhas táticas também contra ele (19). Primeiro tratou de fazê-lo desertar da vida ascética recordando-lhe sua propriedade, o cuidado de sua irmã, os apegos da parentela, o amor do dinheiro, o amor à glória, os inumeráveis prazeres da mesa e todas as demais coisas agradáveis da vida. Finalmente apresentou-lhe a austeridade e tudo o que se segue a essa virtude, sugerindo-lhe que o corpo é fraco e o tempo é longo. Em resumo, despertou em sua mente toda uma nuvem de argumentos, procurando fazê-lo abandonar seu firme propósito. O inimigo viu, no entanto, que era impotente em face da determinação de Antão, e que antes era ele que estava sendo vencido pela firmeza do homem, derrotado por sua sólida fé e sua constante oração. Pôs então toda a sua confiança nas armas que estão “nos músculos de seu ventre” (Jó 40,16). Jactando-se delas, pois são sua preferida artimanha contra os jovens, atacou o jovem molestando-o de noite e instigando-o de dia, de tal modo que até os que viam Antão podiam aperceber-se da luta que se travava entre os dois. O inimigo queria sugerir-lhe pensamentos baixos, mas ele os dissipava com orações; procurava incitá-lo ao prazer, mas Antão, envergonhado, cingia seu corpo com sua fé, orações e jejuns. Atreveu-se então o perverso demônio a disfarçar-se em mulher e fazer-se passar por ela em todas as formas possíveis durante a noite, só para enganar a Antão. Mas ele encheu seus pensmentos de Cristo, refletiu sobre a nobreza da alma criada por Ele, e sua espiritualidade, e assim apagou o carvão ardente da tentação. E quando de novo o inimigo lhe sugeriu o encanto sedutor do prazer, Antão, enfadado com razão, e entristecido, manteve seus propósitos com a ameaça do fogo e dos vermes (cf Jd 16,21; Sir 7,19; Is 66,24; Mc 9,48) (20). Sustentando isto no alto, como escudo, passou por tudo sem se dobrar. Toda essa experiência levou o inimigo a envergonhar-se. Em verdade, ele, que pensara ser como Deus, fez-se louco ante a resistência de um homem. Ele, que em sua presunção desdenhava carne e sangue, foi agora derrotado por um homem de carne em sua carne. Verdadeiramente o Senhor trabalhava com este homem, Ele que por nós tornou-se carne e deu a seu corpo a vitória sobre o demônio. assim, todos os que combatem seriamente podem dizer: “Não eu, mas a graça de Deus comigo” (1 Cor 15,10). 6. Finalmente, quando o dragão não pôde conquistar Antão nem por estes últimos meios, mas viu-se arrojado de seu coração, rangendo seus dentes, como diz a Escritura (Mc 9,17), mudou, por assim dizer, sua pessoa. Tal como é seu coração, assim lhe apareceu: como um moço preto (21); e como inclinando-se diante dele, já não o molestou com pensamentos – pois o impostor tinha sido lançado fora – mas usando voz humana disse-lhe: “A muitos enganei e venci; mas agora que te ataquei a ti e a teus esforços como o fiz com tantos outros, mostrei-me demasiadamente fraco”. “Quem és tu que me falas assim?”, perguntou-lhe Antão. Apressou-sse o outro a replicar com a voz lastimosa: “Sou o amante da fornicação. Minha misão é espreitar a juventude e seduzi-la; chamam-me o espírito de fornicação. A quantos eu enganei, decididos que estavam a cuidar de seus sentidos! A quantas pessoas castas seduzi com minhas lisonjas! Eu sou aquele por cuja causa o profeta censura os decaídos: “Foram enganados pelos espírito da fornicação” (Os 4,12). Sim, fui eu que os levei à queda. Fui eu que tanto te molestei e tão a miúdo fui vencido por ti”. Antão deu, pois, graças ao Senhor e armando-se de coragem contra ele, disse: “És então inteiramente desprezível; és negro em tua alma e tão débil como um menino. Doravante já não me causas nenhuma preocupação, porque o Senhor está comigo e me auxilia: verei a derrota de meus adversários” (Sl 117, 7). Ouvindo isto, o negro desapareceu imediatamente, inclinando-se a tais palavras e temendo acercar-se do homem. ANTÃO AUMENTA SUA AUSTERIDADE 7. Esta foi a primeira vitória de Antão sobre o demônio; ou melhor, digamos que este singular êxito em Antão foi do Salvador, que “condenou o pecado na carne, a fim de que a justificação prescrita pela Lei, fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8,3-4). Mas Antão não se descuidou nem se acreditou garantido por si mesmo pelos simples fato de se ter o demônio lançado a seus pés; tampouco o inimigo, ainda que vencido no combate, deixou de estar-lhe à espreita. andava dando voltas em redor, como um leão (1 Pd 5,8), buscando uma ocasião contra ele. Antão, porém, tendo aprendido nas Escrituras quão diversos são os enganos do maligno (Ef 6,11), praticou seriamente a vida ascética, tendo em conta que, se não pudesse seduzir seu coração pelo prazer do corpo, trataria certamente de enganá-lo por algum outro método; porque o amor do demônio é o pecado. Resolveu, por isso, acostumar-se a um modo mais austero de vida. Mortificou seu corpo sempre mais, e o sujeitou, para não acontecer que, tendo vencido numa ocasião, perdesse em outra (1 Cor9,27). Muitos se maravilhavam de suas austeridades, porém ele próprio as suportava com facilidade. O zelo que havia penetrado sua alma por tanto tempo transformou-se pelo costume em segunda natureza, de modo que ainda a menor inspiração recebida de outros levava-o a responder com grande entusiasmo. Por exemplo, observava as vigílias noturnas com tal determinação, que a míudo passava toda a noite sem dormir, e isso não só uma vez mas muitas, para admiração de todos. Assim também comia só uma vez ao dia, depois do cair do sol; às vezes cada dois dias, e com frequência tomava seu alimento só depois de quatro dias. Sua alimentação consistia em pão e sal; como bebida tomava só água. Não necessitamos sequer mencionar carne ou vinho, porque tais coisas tampouco se encontravam entre os demais ascetas. Contentava-se em dormir sobre uma esteira, embora regularmente o fizesse sobre o simples chão. Despreza o uso de unguentos para a pele, dizendo que os jovens devem praticar a vida ascética com seriedade e não andar buscando coisas que amolecem o corpo; deviam antes acostumar-se ao trabalho duro, tendo em conta as palavras do Apóstolo: “É na fraqueza que se revela minha força” (2 Cor 12,10). Dizia que as energias da alma aumentam quanto mais débeis são os desejos do corpo. Além disto estava absolutamente convencido do seguinte: pensava que apreciaria seu progresso na virtude e seu consequente afastamento do mundo não pelo tempo passado nisto mas por seu apego e dedicação. Assim, não se preocupava com o passar do tempo, mas dia por dia, como se estivesse começando a vida ascética, fazia os maiores esforços rumo à perfeição. Gostava de repetir a si mesmo as palavras de S. Paulo: “Esquecer-me do que fica para trás e esforçar-me por alcançar o que está adiante” (Fl 3,13), recordando também a voz do profeta Elias: “Viva o Senhor em cuja presença estou neste dia” (1 Rs 17,1; 18,15). Observava que, ao dizer “este dia”, não estava contando o tempo que havia passado, mas, como que começando de novo, trabalhava duro cada dia para fazer de si mesmo alguém que pudesse aparecer diante de Deus: puro de coração e disposto a seguir Sua vontade. E costumava dizer que a vida levada pelo grande Elias devia ser para o asceta como um espelho no qual poderia sempre mirar a própria vida. ANTÃO RECLUSO NOS SEPULCROS – MAIS LUTAS COM OS DEMÔNIOS 8. Assim dominou-se Antão a si mesmo. Decidiu então mudar-se para os sepulcros (22) que se achavam a certa distância da aldeia. Pediu a um de seus familiares que lhe levasse pão a longos intervalos. Entrou, pois, em uma das tumbas; o mencionado homem fechou a porta atrás dele, e assim ficou dentro sozinho. Isto era mais do que o inimigo podia suportar, pois em verdade temia que agora fosse encher também o deserto com a vida ascética. Assim chegou uma noite com um grande número de demônios e o açoitou tão implacavelmente que ficou lançado no chão, sem fala pela dor. Afirmava que a dor era tão forte que os golpes não podiam ter sido infligidos por homem algum para causar semelhante tormento. Pela Providência de Deus – porque o Senhor não abandona os que nele esperam – seu parente chegou no dia seguinte trazendo-lhe pão. Quando abriu a porta e o viu atirado no chão como morto, levantou-o e o levou até a igreja da aldeia e o depositou sobre o solo. Muitos de seus parentes e da gente da aldeia sentaram-se em volta de Antão como para velar um cadáver. Mas pela meia-noite Antão recobrou o conhecimento e despertou. Quando viu que todos estavam dormindo e só seu amigo se achava desperto, fez-lhe sinais para que se aproximasse e pediu-lhe que o levantasse e levasse de novo para os sepulcros, sem despertar ninguém. 9. O homem levou-o de volta, a porta foi trancada como antes e de novo ficou dentro, sozinho. Pelos golpes recebidos estava demasiado fraco para manter-se de pé; orava então, estendido no solo. Terminada sua oração, gritou: “Aqui estou eu, Antão, que não me acovardei com teus golpes, e ainda que mais me dês, nada me separará do amor de Cristo (Rm 8,35). E começou a cantar: “Se um exército se acampar contra mim, meu coração não temerá” (Sl 26,3). Tais eram os pensamentos e palavras do asceta, mas o que odeia o bem, o inimigo assombrado de que depois de todos os golpes ainda tivesse valor para voltar, chamou seus cães (23) e arrebatado de raiva disse: “Vêem vocês que não pudemos deter esse tipo nem com o espírito de fornicação nem com os golpes; ao contrário, chega até a desafiar-nos. Vamos proceder contra ele de outro modo”. A função de malfeitor não é difícil para o demônio. Essa noite, porisso, fizeram tal estrépito que o lugar parecia sacudido por um terremoto. Era como se os demônios abrissem passagens pelas quatro paredes do recinto, invadindo impetuosamente através delas em forma de bestas ferozes e répteis. De repente todo o lugar se encheu de imagens fantasmagóricas de leões, ursos, leopardos, touros, serpentes, víboras, escorpiões e lobos; cada qual se movia segundo o exemplar que havia assumido. O leão rugia, pronto a saltar sobre ele; o touro, quase a atravessá-lo com os chifres; a serpente retorcia-se sem o alcançar completamente; o lobo acometia-o de frente (24). E a gritaria armada simultaneamente por todas essas aparições era espantosa, e a fúria que mostravam, feroz. Antão, atormentado e pungido por eles, sentia aumentar a dor em seu corpo; no entanto, permanecia sem medo e com o espírito vigilante. Gemia, é verdade, pela dor que atormentava seu corpo, mas a mente era senhora da situação e, como por debique, dizia-lhes: “Se tivessem poder sobre mim, teria bastado que viesse um só de vocês; mas o Senhor lhes tirou a força e por isso se esforçam em fazer-me perder o juízo com seu número; é sinal de fraqueza terem de imitar animais ferozes”. De novo teve a valentia de dizer-lhes: “Se é que podem, se é que receberam poder sobre mim, não se demorem, venham ao ataque! E se nada podem, para que esforçar-se tanto sem nenhum fim? Porque a fé em Nosso Senhor é selo para nós e muro de salvação”. Assim, depois de haver intentado muitas argúcias, rangeram os dentes contra ele, porque eram eles próprios que estavam ficando loucos e não ele. 10. De novo o Senhor não se esqueceu de Antão em sua luta, mas veio ajudá-lo. Pois quando olhou para cima, viu como se o teto se abrisse e um raio de luz baixasse até ele. Foram-se os demônios de repente, cessou-lhe a dor do corpo, e o edifício estava restaurado como antes. Notando que a ajuda chegara, Antão respirou livremente e sentiu-se aliviado de suas dores. E perguntou à visão: “onde estavas tu? Por que não aparecestes no começo para deter minhas dores?” E uma voz lhe falou: “Antão, eu estava aqui, mas esperava ver-te enquanto agias. E agora, porque aguentaste sem te renderes, serei sempre teu auxílio e te tornarei famoso em toda parte”. Ouvindo isto, levantou-se e orou: e ficou tão fortalecido que sentiu seu corpo mais vigoroso que antes. Tinha por aquele tempo uns trinta e cinco anos de idade. ANTÃO BUSCA O DESERTO E HABITA EM PISPIR 11. No dia seguinte ele se foi, inspirado por um zelo maior ainda pelo serviço de Deus. Foi ao encontro do ancião já antes mencionado (3,5) e rogou-lhe que fosse viver com ele no deserto. O outro declinou o convite devido à sua idade e porque tal modo de viver não era costume. Então ele se foi sozinho para a montanha. Aí estava, entretanto, de novo o inimigo! Vendo sua seriedade e querendo frustrá-la, projetou a imagem ilusória de um grande disco de prata sobre o caminho. Antão, porém, penetrando o ardil daquele que odeia o bem, deteve-se e, mirando o disco, desmacarou nele o demônio, dizendo: “- Um disco no deserto? De onde vem isto? Esta não é uma estrada frequentada e não há sinais de que haja passado gente por este caminho. É de grande tamanho e não pode haver caído inadvertidamente. Em verdade, ainda que fora perdido, o dono teria voltado a procurá-lo, e seguramente o haveria encontrado, pois esta região é deserta. Isto é engano do demônio. Não vás frustrar minha resolução com estas coisas, demônio! Teu dinheiro pereça contigo!” (cf At 8,20). E ao dizer isto Antão, o disco desapareceu como fumo. 12. Logo, enquanto caminhava, viu de novo, não mais outra ilusão, mas ouro verdadeiro, espalhado ao longo do caminho. Pois bem, seja que o próprio inimigo lhe tivesse chamado a atenção, ou fosse um bom espírito que atraiu o lutador, ficou demonstrado ao demônio que ele não se preocupava nem sequer das riquezas autênticas; ele próprio não o indicou, e por isso não sabemos nada senão que era realmente ouro o que ali havia. Quanto a Antão, ficou surpreendido pela quantidade que havia, mas passou por ele como se fora fogo, e seguiu seu caminho sem olhar para trás. Ao contrário, pôs-se a correr tão rápido que em pouco tempo perdeu de vista o lugar e dele desapareceu. Assim, firmando-se sempre mais em seu propósito, apressou-se em direção à montanha (25). Em lugar distante do rio encontrou um fortim deserto que com o correr do tempo achava-se infestado de répteis. Ali se estabeleceu para viver. Os répteis, como que expulsos por alguém, foram-se de repente. Bloqueou a entrada, e depois de enterrar pão para seis meses – assim o fazem os tebanos e muitas vezes os pães se mantêm frescos por todo um ano – e tendo água perto, desapareceu como num santuário. Fizou sozinho, não saindo nunca e não vendo ninguém passar. Por muito tempo perseverou nesta prática ascética; só duas vezes por ano recebia pão, que lhe deixavam cair pelo teto. 13. Seus amigos que vinham vê-lo passavam a miúdo dias e noites fora, pois não queria deixá-los entrar. Ouviam barulho dentro como de multidão frenética, fazendo ruídos, armando tumultos, gemendo lastimosamente e dando guinchos: “Sai de nosso domínio! Que vens fazer no deserto? Tu não aguentas nossa perseguição!” A princípio, os que estavam fora criam haver homens lutando com ele e que haviam entrado por escadas, mas quando espreitaram por um buraco e não viram ninguém, deram-se conta de que os demônios é que estavam na coisa, e cheios de medo, chamaram Antão que estava mais inquieto por eles do que preocupado com os demônios. Chegando à porta, aconselhou-os que se fossem e não tivessem medo. Disse-lhes: “Os demônios só conjuram fantasmas contra o medroso. Façam agora o sinal da cruz e voltem a suas casas sem temor, e deixem que eles se enlouqueçam a si mesmos”. Foram-se, então, fortalecdios com o sinal da cruz, enquanto ele ficava sem sofrer dos demônios mal algum, sem se cansar, nem se alterar na contenda, porque a ajuda que recebia do alto por meio de visões e a debilidade de seus inimigos, davam-lhe grande alívio em suas penas, e ânimo para um entusiasmo maior. Seus amigos vinham uma ou outra vez supondo encontrá-lo morto, mas o ouviam cantar: “Levanta-se Deus e seus inimigos se dispersam; fogem de sua presença os que o odeiam. Como a fumaça, eles se dissipam; como se derrete a cera ante o fogo, assim perecem os ímpios diante de Deus” (Sl 67,2). E ainda: “Todos os povos me rodeavam, em nome do Senhor eu os expulsei” (Sl 117,10). ANTÃO ABANDONA A SOLIDÃO E SE CONVERTE EM PAI ESPIRITUAL 14. Assim passou quase vinte anos, só praticando a vida ascética, não saindo nunca e sendo raramente visto por outros. Depois disto, como havia muitos que ansiavam e aspiravam imitar sua santa vida (26), e alguns de seus amigos vieram e forçaram a porta, derrubando-a, Antão saiu como de um santuário, como um iniciado nos sagrados mistérios e cheio do Espírito de Deus (27). Foi a primeira vez que se mostrou fora do fortim aos que vieram a ele. Quando o viram, estavam estupefatos ao comprovar que seu corpo conservava a antiga aparência: não estava nem obeso pela falta de exercício nem macilento pelos jejuns e lutas com os demônios: era o mesmo homem que haviam conhecido antes de seu retiro. O estado de sua alma era puro, pois não estava nem retraído pela aflição, nem dissipado pela alegria, nem dominado pela distração ou pelo desalento. Não se desconcertou ao ver a multidão nem se orgulhou quando viu tantos que o recebiam. mantinha-se completamente controlado, como homem guiado pela razão e com grande equilíbrio de caráter. Por ele o Senhor curou muitos dos presentes que tinham enfermidades corporais, e a outros libertou de espíritos impuros. Concedeu também a Antão o encanto no falar; e assim confortou a muitos em suas penas e reconciliou a outros que brigavam. Exortou a todos a nada preferir neste mundo ao amor de Cristo. E quando em seu discurso exortou-os a pensar nos bens futuros e na bondade demonstrada a nós por Deus, “que não poupou seu próprio Filho mas o entregou por todos nós” (Rm 8,32), induziu muitos a abraçar a vida monástica. E assim apareceram celas monásticas na montanha, e o deserto se povoou de monges que abandonavam os seus e se inscreviam como cidadãos do céu (cf Hb 3,20; 12,23). 15. Uma vez teve necessidade de atravessar o canal de Arsino e – por ocasião de uma visita aos irmãos -, o canal estava cheio de crocodilos. Orou simplesmente, meteu-se com todos os seus companheiros, e passou ao outro lado sem ser tocado. De volta à cela, aplicou-se com todo o zelo a seus santos e vigorosos exercícios. Por meio de constantes conferências inflamava o ardor dos que já eram monges e incitava muitos outros ao amor à vida ascética; e logo, na medida em que sua mensagem arrastava homens após ele, o número de celas monásticas multiplicava-se, e era para todos como pai e guia. CONFERÊNCIA DE ANTÃO AOS MONGES SOBRE O DISCERNIMENTO DOS ESPÍRITOS E EXORTAÇÃO À VIRTUDE (16-43) 16. Um dia em que ele saiu, vieram todos os monges e lhe pediram uma conferência. Falou-lhes em língua copta, como segue: “As Escrituras bastam realmente para nossa instrução. No entanto, é bom para nós alentar-nos uns aos outros na fé e usar da palavra para estimular-nos. Sejam, por isso, como meninos e tragam a seu pai o que saibam e lho digam, tal como eu, sendo o mais velho, reparto com vocês meus conhecimento e minha experiência. Para começar, tenhamos todos o mesmo zelo, para não renunciar ao que começamos, para não perder o ânimo, para não dizer: ‘Passamos demasiado tempo nesta vida ascética’. Não, começando de novo cada dia, aumentemos nosso zelo. Toda a vida do homem é muito breve comparada ao tempo vindouro, de modo que todo o nosso tempo é nada comparado com a vida eterna (28). No mundo, tudo se vende; e cada coisa se comercia segundo seu valor por algo equivalente; mas a promessa da vida eterna pode comprar-se por muito pouco. A Escritura diz: ‘Ainda que alguém viva setenta anos, e o mais robusto até oitenta, a maior parte é fadiga inútil’ (Sl 89,10). Se, pois, vivemos todos nossos oitenta anos, ou mesmo cem, na prática da vida ascética, não vamos reinar o mesmo período de cem anos, mas em vez dos cem reinaremos para sempre. E ainda que nosso esforço seja na terra, não receberemos nossa herança na terra mas o que nos foi prometido no céu. Mais ainda, vamos abandonar nosso corpo corruptível e recebe-lo-emos incorruptível (cf 1Cor 15,42). 17. Assim, filhinhos, não nos cansemos nem pensemos que nos afastamos muito tempo ou que estamos fazendo algo grande. Pois ‘os sofrimentos da vida presente não podem comparar-se com a glória futura que nos será revelada’ (Rm 8,18). Não olhemos tampouco para trás, para o mundo, crendo que renunciamos a grandes coisas, pois também o mundo é muito trivial comparado com o céu. E ainda que fôssemos donos de toda a terra e renunciássemos a toda ela, nada seria isto comparado com o reino dos céus. Assim como uma pessoa desprezaria uma moeda de cobre para ganhar cem moedas de ouro, assim o que é dono de toda a terra e a ela renuncia, dá realmente pouco e recebe cem vezes mais (cf Mt 19,29). Se, pois, nem sequer toda a terra equivale ao céu, certamente o que entrega uma porção de terra não deve jactar-se ou penalizar-se: o que abandona é praticamente nada, ainda que seja um lar ou uma soma considerável de dinheiro aquilo de que se separa. Devemos, além disso ter em conta que se não deixamos estas coisas por amor à virtude, teremos depois de abandoná-las de qualquer modo e a miúdo também, como nos recorda o Eclesiastes (2,18; 4,8; 6,2), a pessoas às quais não teríamos querido deixá-las. Então, por que não fazer da necessidade virtude e entregá-las de modo a podermos herdar um reino por acréscimo? Por isso nenhum de nós tenha nem sequer o desejo de possuir riquezas. Do que nos serve possuir o que não podemos levar conosco? Por que não possuir antes aquelas coisas que podemos levar conosco: prudência, justiça, temperança, fortaleza, entendimento, caridade, amor aos pobres, fé em Cristo, humildade, hospitalidade? (29). Uma vez possuindo-as, veremos que elas vão diante de nós (30), preparando-nos as boas-vindas na terra dos mansos (cf Lc 16,9; Mt 5,4). PERSEVERANÇA E VIGILÂNCIA 18. “Com estes pensamentos cada qual deve convencer-se de que não deve descuidar-se, mas considerar-se servo do Senhor e preso ao serviço de seu Mestre. Um servo, porém, não se atreve a dizer: “Já que trabalhei ontem, não vou trabalhar hoje”. Tampouco vai por-se a calcular o tempo em que já serviu e descansar durante os dias que lhe ficam pela frente; não, dia após dia, como está escrito no evangelho ( Lc 12,35-38; 17,7-10; Mt 24,45), mostra a mesma boa vontade para que possa agradar a seu patrão e não causar nenhum incômodo. Perseveremos, pois, na prática diária da vida ascética, sabendo que se somos negligentes um só dia, Ele não nos vai perdoar em consideração ao tempo anterior, mas vai aborrecer-se conosco por nosso descuido. Assim o ouvimos em Ezequiel (Ez 18,24-26; 32,12s); assim Judas, numa só noite, destruiu o trabalho de todo o seu passado. 19. Por isso, filhos, perseveremos na prática do ascetimo e não desanimemos. Também nisso temos o Senhor que nos ajuda, diz a Escritura: ‘Deus coopera para o bem de todos os que o amam’ (Rm 8,28). E quanto a não devermos descuidar-nos, é bom meditar o que diz o Apóstolo: ‘Morro cada dia’ (1 Cor15,31). Realmente se também nós vivêssemos como se cada novo dia fôssemos morrer, não pecaríamos. Quanto à citação, seu sentido é este: ao despertarmos cada dia, deveríamos pensar que não vamos viver até à tarde; e de novo, quando vamos dormir, deveríamos pensar que não chegaremos a despertar. Nossa vida é insegura por natureza, e diariamente nos é medida pela Providência. Se com esta disposição vivemos nossa vida diária, não cometeremos pecado, nada cobiçaremos, não nos mancharemos com ninguém, não acumularemos tesouros na terra; mas como quem cada dia espera morrer, seremos pobres e perdoaremos tudo a todos. Desejar mulheres ou outros prazeres desonestos, tampouco teremos semelhantes desejos mas lhes voltaremos as costas como coisas transitórias, combatendo sempre e tendo ante os olhos o dia do juízo. O maior temor ao juízo e o desassossego pelos tormentos dissipam invariavelmente a fascinação do prazer e fortalecem o ânimo vacilante. OBJETO DA VIRTUDE 20. Agora que temos um começo e estamos na senda da virtude, alarguemos ainda mais nosso passo para alcançar o que temos adiante (cf Fl 3,13). Não olhemos para trás, como o fez a mulher de Lot (Gn 19,26), sobretudo porque o Senhor disse: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não é apto para o reino dos céus” (Lc 9,62). E este olhar para trás não é outra coisa senão arrepender-se do começado e lembrar-se de novo do que deixara no mundo. Quando ouvirem falar da virtude, não se assustem nem a tratem como palavra estranha. Realmente não está longe de nós nem seu lugar está fora de nós; está dentro de nós, e sua realização é fácil contanto que tenhamos vontade (cf Dt 30, 11ss). Os gregos viajam e cruzam o mar para estudar as letras; nós, porém, não temos necessidade de por-nos a caminho pelo reino dos céus nem de cruzar o mar para alcançar a virtude. O Senhor no-lo disse de antemão: ‘O Reino dos céus está dentro de vós’ (Lc 17,21). Por isso a virtude só necessita de nossa vontade, já que está dentro de nós e brota de nós. A virtude existe quando a alma se mantém em seu estado natural. É mantida nesse estado natural quando permanece como veio a ser. E veio a ser limpa e perfeitamente íntegra (cf Ecl 7,30). Por isso Josué, o filho de Nun, exortou ao povo com estas palavras: ‘Mantenham íntegros seus corações diante do Senhor, o Deus de Israel (Jos 24, 23); e João: ‘Endireitem seus caminhos’ (Mt 3,3). A alma é reta quando a mente se mantém no estado em que foi criada. Mas quando se desvia e se perverte de sua condição natural, isso se chama vício da alma. A tarefa não é difícil: se ficamos como fomos criados, estamos no estado de virtude; mas se entregamos nossa mente a coisas baixas, somos considerados perversos. Se esse trabalho tivesse de ser realizado de fora, seria em verdade difícil; mas estando dentro de nós, acautelemo-nos contra os pensamentos maus. E tendo recebido a alma como sendo confiada a nós, guardemo-la para o Senhor, a fim de que Ele possa reconhecer sua obra, tal qual a fez (31). 21. Lutemos, pois, para que a ira não nos domine nem a concupiscência nos escravize; pois está escrito que ‘a ira do homem não faz o que agrada a Deus’ (Tg 1,20). E a concupiscência ‘depois de conceber, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte’ (Tg 1,15). Vivendo esta vida, mantenhamo-nos cuidadosamente atentos e, como está escrito, ‘guardemos nosso coração com a máxima vigilância’ (Pr 4,23). Temos inimigos poderosos e fortes: são os malvados demônios; e contra eles é nossa luta’, como diz o Apóstolo, ‘não contra gente de carne e osso, mas contra forças espirituais de maldade espalhados nos ares, isto é, os que têm autoridade e domínio sobre este mundo tenebroso (Ef 6,12). Grande é seu número no ar e em redor de nós (32), e não estão longe de nós. Mas a diferença entre eles é considerável. Levaria muito tempo para dar uma explicação de sua natureza e distinções, e tal investigação é para outros mais competentes do que eu; o único urgente e necessário para nós agora é só conhecer suas vilanias contra nós. ARTIFÍCIOS DOS DEMÔNIOS 22. Em primeiro lugar, demo-nos conta disto: os demônios não foram criados como demônios, tal como entendemos este termo, porque Deus não fez o mal. Também eles foram criados puros, mas desviaram-se da sabedoria celestial. Desde então andam vagando sobre a terra. Por um lado, enganaram aos gregos com vãs fantasias (33), e, invejosos de nós, cristãos, nada omitiram para nos impedir de entrar no céu; não querem que subamos ao lugar de onde cairam. Por isso é necessário muita oração e disciplina ascética para que alguém possa receber do Espírito Santo o dom do discernimento dos espíritos e ser capaz de conhecê-los; qual deles é menos mau, qual o pior; que interesse especial tem cada um e como hão de ser repelidos e lançados fora; pois são numerosas suas astúcias e maquinações. Bem sabiam isto o santo Apóstolo e seus discípulos quando diziam: ‘Conhecemos muito bem suas manhas’ (2 Cor 2,11). E nós, ensinados por nossas experiências, deveríamos guiar outros a apartarem-se deles. Por isso eu, tendo feito em parte essa experiência, falo a vocês como a filhos meus. 23. Quando eles vêem que os cristãos em geral, mas em particular os monges, trabalham com cuidado e fazem progressos, primeiro os assaltam e tentam colocando-lhes continuamente obstáculos em seus caminhos (Sl 139,6). Estes obstáculos são os maus pensamentos. Mas não devemos assustar-nos com suas armadilhas que são logo desbaratadas com a oração, o jejum e a confiança no Senhor. No entanto, ainda que desbaratados, não cessam, mas antes voltam ao ataque com toda maldade e astúcia. Quando não podem enganar o coração com prazeres abertamente impuros, mudam de tática e vão ao ataque. Então urdem e fingem aparições para aturdir o coração, transformando-se e imitando mulheres, bestas, répteis, corpos de grande estatura e hordas de guerreiros. Nas nem assim devem esmagar-nos o modo de semelhantes fantasmas, já que não passam de pura vaidade – especialmente se se fortalece com o sinal da cruz. Em verdade, são atrevidos e extraordinariamente desavergonhados. Se neste ponto também os derrotamos, avançam uma vez mais com nova estratégia. Pretendem profetizar e predizer acontecimentos futuros. Aparecem mais altos que o teto, gordos e corpulentos. Seu propósito é, se possível, arrebatar com mais aparições, os que não puderam enganar com pensamentos. E se acham que ainda assim a alma permanece forte em sua fé e sustentada pela esperança, fazem seu chefe intervir. 24. Este aparece frequentemente desta maneira como, por exemplo, o Senhor revelou a Jó: ‘Seus olhos são como pálpebras da aurora. De sua boca saem tochas acesas, chispas de fogo saltam fora. De suas narinas sai fumaça como de panela ou caldeirão a ferver. Seu sopro acende carvões e de sua boca saem chamas’ (Jó 41,18-21). Quando o chefe dos demônios aparece desta maneira, o velhaco trata de atemorizar-nos, como disse antes, com seu falar valentão, tal como foi desmascarado pelo Senhor quando disse a Jó: ‘Tem toda arma por folha seca e zomba de brandir da azagaia; faz ferver como uma panela o mar profundo e o revolve como uma panela de unguento (Jó 41,29,31); também diz o profeta: ‘Disse o inimigo: Persegui-los-ei e os alcançarei (Ex 15,9); e em outra parte: ‘Minha mão achou como ninho as riquezas dos povos, e como se recolhem ovos abandonados, assim me apoderei de toda a terra’ (Is 10,14): Esta é, em resumo, a jactância do que alardeiam, estas são as arengas que fazem para enganar o que teme a Deus. Com toda confiança não precisamos temer suas aparições nem dar atenção a suas palavras. É apenas um embusteiro e não há verdade em nada do que diz. Quando fala semelhantes estultícias, e o faz com tanta jactância, não se apercebe de de como é arrastado com um garfo de ferro, como dragão, pelo Salvador (cf Jó, 41, l-2), com um cabresto como animal de carga, com anel no nariz como escravo fugitivo, e com seus lábios atravessados por uma argola de ferro. Foi, pois, apanhado como animal pra nossa diversão. Tanto ele como seus companheiros foram tratados assim para serem pisados como escorpiões e cobras (cf Lc 10,19) por nós, cristãos; e prova disso é o fato de que continuamos a existir, apesar dele. Em verdade, notem que ele, que proclamou secar o mar e apoderar-se do mundo todo, não pode impedir nossas práticas ascéticas nem que eu fale contra ele. Por isso, não demos atenção ao que possa dizer, porque é um mentiroso astuto, nem temamos suas aparições, por que são mentiras também. Certamente não é verdadeira luz a que aparece neles, mas antes é mero começo e semelhante ao fogo preparado para eles próprios; e com o mesmo que os queimará tratam de aterrorizar os homens. Aparecem, é verdade, mas desaparecem de novo no mesmo momento, sem danificar nenhum crente, enquanto levam consigo essa aparência de fogo que os espera. Por isso, não há razão alguma para ter medo deles, pois, pela graça de Cristo todas as suas táticas dão em nada. 25. São, porém, traiçoeiros e estão preparados para suportar qualquer mudança ou transformação. Muitas vezes, por exemplo, pretendem até cantar salmos, sem aparecer, e citam textos das Escrituras. Também algumas vezes, quando estamos lendo, repetem de repente, como eco, o que lemos. Quando vamos dormir, despertam-nos para orar, e fazem isto continuamente, mal nos deixando dormir. Outras vezes se disfarçam em monges e simulam piedosas conversas, tendo como meta enganar com sua aparência e arrastar então suas vítimas para onde querem. Mas não lhes devemos prestar atenção, ainda que nos despertem para orar, ou nos aconselhem a não comer de todo, ou pretendem nos acusar de coisas que antes aprovavam. Fazem isto não por amor à piedade ou à verdade, mas para levar o inocente ao desespero, para apresentar a vida ascética como sem valor e fazer com que os homens se enfastiem da vida solitária como algo muito rude e demasiadamente pesado, e assim fracassem os que levam tal vida. 26. Por isso o profeta enviado pelo Senhor chamou a tais infelizes com estes termos: ‘Ai daquele que dá a beber a seu próximo um mau trago!’ (Hab 2,15). Tais táticas e argumentos são desastrosos para o caminho que conduz à virtude. Nosso Senhor mesmo, ainda que os demônios falassem também a verdade – pois diziam verdadeiramente: ‘Tu és o Filho de Deus’ (Lc 4,41) -, não obstante os fez calar e proibiu-lhes falar. Não quis que esparramassem sua própria maldade junto com a verdade, e tampouco desejava que fizéssemos caso deles ainda quando aparentemente falassem verdade. Por isso é inconveniente que nós, possuindo as Escrituras e a liberdade do Salvador, sejamos ensinados pelo demônio que não ficou em seu posto (cf Judas 6), mas constantemente mudou de parecer. Por isso também proibe-lhe citar as Escrituras, ao dizer: ‘Deus disse ao pecador: Por que recitas meus preceitos e tens sempre em tua boca minha aliança?’ (Sl 49,16). Certamente eles fazem de tudo: falam, gritam, enganam, confundem, e tudo para enganar o simples. Armam também tremendos estrépitos, soltam risadas tontas e sibilos. Se ninguém faz caso deles, choram e lamentam-se como derrotados. 27. O Senhor, por isso, porque é Deus, fez os demônios calarem-se. Quanto a nós, aprendemos nossas lições dos santos, fazemos como eles fizeram e imitamos-lhe o valor. Pois quando eles viam tais coisas, costumavam dizer: ‘Quando o pecador se levantou contra mim, guardei silêncio resignado, não falei com leviandade (Sl 38,2); e em outra parte: ‘Mas eu como um surdo não ouço, como um mudo não abro a boca; sou como alguém que não ouve’ (Sl 37,14). Assim também nós não os escutemos, olhando-os como a estranhos, não lhes prestando atenção, ainda que nos despertem para a oração ou nos falem de jejuns. Antes, sigamos atentos a prática da vida ascética como é nosso propósito, e não nos deixemos enganar pelos que praticam a traição em tudo o que fazem. Não lhes devemos ter medo ainda que apareçam para atacar-nos e ameaçar-nos de morte. Na realidade são frágeis e nada podem fazer mais do que ameaçar. IMPOTÊNCIA DOS DEMÔNIOS 28. Bem, até agora só falei deste tema de passagem. Mas agora não devo deixar de tratá-lo com maiores detalhes; recordar-lhes isto só pode redundar em maior segurança. Desde que o Senhor habitou conosco, o inimigo caiu e declinaram seus poderes. Por isso não pode nada; no entanto, ainda que caído, não pode ficar quieto, mas como tirano que não pode fazer outra coisa, vai-se com ameaças, sejam elas embora puras palavras. Cada qual lembre-se disto e poderá desprezar os demônios. Se estivessem confinados a corpos como os nossos, deveriam então dizer: ‘Aos que se escondem, não os vamos encontrar; mas se os encontramos, então vamos daná-los’. E neste caso poderíamos escapar deles escondendo-nos e trancando as portas. Não é este, porém, o caso, e podem entrar apesar das portas trancadas. Vemos que estão presentes em todas as parte no ar, eles e seu chefe, o demônio, e sabemos que sua vontade é má e que estão inclinados a danar, e que, como diz o Salvador, ‘o demônio foi homicida desde o princípio’ (Jo 8,44); então, se apesar de tudo vivemos, e vivemos nossas vidas desafiando-o, é claro que não tem nenhum poder. Como vêem, o lugar não lhes impede a conspiração; tampouco nos vêem amáveis com eles como para que nos perdoem, nem tampouco são amantes do bem para mudar seus caminhos. Não, ao contrário, são maus e nada há que desejem mais ansiosamente do que fazer dano aos amantes da virtude e aos adoradores de Deus. Pela simples razão de serem impotentes para fazer algo, nada fazem senão ameaçar. Se pudessem, estejam vocês seguros de que não esperariam, mas, antes, realizariam seus mais fortes desejos: o mal, e isso contra nós. Notem, por exemplo, como agora estamos reunidos aqui falando contra eles, e ademais eles sabem que na medida em que fazemos progressos, eles se debilitam. Em verdade, se estivesse em seu poder, não deixariam vivo nenhum cristão, porque o serviço de Deus é abominação para o pecador (Sir 1,25). E posto que não podem nada, fazem dano a si mesmos, já que não podem cumprir suas ameaças. Ademais, para acabar com o medo a eles, dever-se-ia também levar em conta que, se tivessem algum poder, não viriam em manadas, nem recorreriam a aparições, nem usariam o artifício de transformar-se. Bastaria que viesse apenas um e fizesse o que fosse capaz de fazer, ou de acordo com sua inclinação. O mais importante de tudo é que o detentor do poder não se esforça em matar com fantasmas nem trata de aterrorizar com hordas, mas, sem mais histórias, usa de seu poder como quer. Atualmente, porém, os demônios, impotentes como são, fazem piruetas como se estivessem sobre um cenário, mudando suas formas em espantalhos infantis, com manadas ilusórias e contorções, tornando-se assim mais desprezível sua carência de vigor. Estejamos seguros: o anjo verdadeiro, enviado pelo Senhor contra os assírios, não teve necessidade de grande número, nem de ilusões visíveis, nem de sopros retumbantes, nem de ressoar de guizos; não, ele exerceu tranquilamente seu poder, e de uma vez matou cento e oitenta e cinco mil deles (cf 2 Rs 19,35). Mas os demônios, impotentes criaturas como são, tratam de aterrorizar, e isto com meros fantasmas! 29. Se alguém, ao examinar a história de Jó dissesse: ‘Por que, então, continuou o demônio agindo contra ele? Despojou-o de suas posses, matou seus filhos e o feriu com graves úlceras’ (cf Jó, 1,13ss; 2,7), que essa pessoa se aperceba de que não se trata de que o demônio tivesse poder para fazer isso, mas Deus é que lhe entregou Jó para que o tentasse (cf Jó 1,12). Fica suposto que não tinha poder para fazê-lo; pediu esse poder e só depois de havê-lo recebido agiu. Aqui temos outra razão para desprezar o inimigo, pois ainda que tal fosse o seu desejo, não foi capaz de vencer o homem justo. Se o poder houvesse sido dele, não haveria necessidade de pedi-lo, e o fato de o pedir não uma, mas duas vezes, mostra sua fraqueza e incapacidade. Não é de estranhar que não tivesse poder contra Jó, quando lhe foi impossível destruir nem mesmo seus animais, a não ser que Deus lhe desse permissão. Mas não tem poder nem sequer contra porcos, como está escrito no Evangelho: (Mt 8,31). Mas se não têm poder nem sequer sobre animais, muito menos o têm sobre os homens feitos à imagem de Deus. 30. Por isso se deve temer a Deus só e desprezar esses seres, sem lhes ter medo, absolutamente. E quanto mais se dedicam a tais coisas, tanto mais dediquemo-nos à vida ascética para contra-atacá-los, pois uma vida reta e a fé em Deus são grande arma contra eles. Temem aos ascetas por seu jejum, suas vigílias, orações, mansidão, tranquilidade, desprezo do dinheiro, falta de presunção, humildade, amor aos pobres, esmolas, ausência de ira, e, acima de tudo, sua lealdade para com Cristo. Esta é a razão pela qual tudo fazem para que ninguém os espezinhe. Conhecem a graça dada pelo Salvador aos crentes quando diz: ‘Olhem: dei-lhes o poder de calcar aos pés serpentes e escorpiões e todo o poder do inimigo’ (Lc 10,19). FALSAS PREDIÇÕES DO FUTURO 31. Também, se pretendem predizer o futuro, não lhes façam caso. Às vezes, por exemplo, nos comunicam dias antes a visita de irmãos, e efetivamente chegam. Mas não é por se preocuparem com seus ouvintes que fazem isto, mas para induzi-los a colocar sua confiança neles, e assim, tendo-os bem nas mãos, poderem destruí-los. Não os escutemos, mas deitemo-los fora, pois não precisamos deles. Que prodígio haverá em que eles, tendo corpos mais sutis que os homens (34), vendo que alguém se põe a caminho, se adiantem e anunciem sua chegada? Uma pessoa a cavalo poderia também adiantar-se de outro a pé e dar a mesma informação. Assim, pois, tampouco nisto não há de que admirar-nos deles. Não têm nenhum conhecimento prévio do que ainda não aconteceu (35), mas só Deus conhece todas as coisas antes que existam (cf Dn 13,42). Neste ponto são como ladrões que correm adiante e anunciam o que viram. Neste momento mesmo, a quantos já terão anunciado o que estamos fazendo, como estamos aqui discutindo sobre eles, antes que nenhum de nós possa levantar-se e informar o mesmo! Mas até um menino veloz para correr faria o mesmo, adiantando-se a uma pessoa mais lenta. Vou ilustrar com um exemplo o que quero dizer. Se alguém quiser por-se em viagem de Tebaida ou de qualquer outro lugar, antes de que efetivamente parta não sabem se vai sair ou não; mas quando o vêem caminhar, adiantam-se e anunciam de antemão sua chegada. E assim sucede que depois de alguns dias chega. Às vezes, porém, o viajante volta e a informação é falsa. 32. Também às vezes falam sandices a respeito da água do Rio (36). Por exemplo, vendo as grossas chuvas nas regiões da Etiópia e sabendo que as enchentes do Rio tem ali sua origem, adiantam-se e o anunciam antes que as águas alcancem o Egito. Também os homens poderiam fazê-lo, se pudessem correr com a rapidez deles. E como a sentinela de Davi (2 Sm 18,24), subindo a uma altura, conseguiu avistar o que chegava antes do que os que estavam em baixo, e correndo informou logo, não o que ainda não havia passado, mas o que estava por acontecer logo, assim também os demônios se apressam a anunciar coisas a outros com o único fim de enganá-los. Em verdade, se entretanto, a Providência tivesse uma disposição especial quanto à água ou aos viajantes, e isto é perfeitamente possível, então se veria ser mentira a informação dos demônios, e ficariam enganados os que neles puseram sua confiança. 33. Assim surgiram os oráculos gregos e assim foi desviado o povo da antiguidade pelos demônios. Com isto deve-se dizer também quanto engano foi preparado para o futuro, mas o Senhor veio para suprimir os demônios e sua vilania. Não conhecem nada fora de si mesmos, mas vendo que outros têm conhecimento, como ladrões apoderam-se dele e o desfiguram. Praticam mais a conjectura do que a profecia. Por isso, ainda que às vezes pareçam estar na verdade, ninguém deveria se admirar. Na realidade, também os médicos, cuja experiência em enfermidades lhes vem de haver observado a mesma doença em diferentes pessoas, fazem muitas vezes conjecturas baseadas em sua prática e predizem o que se vai passar. Também os pilotos e camponeses, observando as condições do tempo, prognosticam se vai haver tempestade ou bom tempo. A ninguém ocorreria dizer que profetizam por inspiraçao divina, mas pela experência que lhes dá a prática. Em consequência, se também os demônios adivinham algumas destas mesmas coisas e as dizem, nem por isso devemos maravilhar-nos nem fazer absolutamente caso delas. De que serve aos ouvintes saber dias antes o que se vai passar? Ou porque afanar-se em saber tais coisas, mesmo supondo que este conhecimento seja verdadeiro? Por certo não é este o elemento fundamental da virtude nem tampouco prova de nosso progresso; pois ninguém é julgado pelo que não sabe, e ninguém é chamado bem-aventurado pelo que aprendeu e sabe. O juízo que nos espera a cada um é se guardamos a fé e observamos fielmente os mandamentos. 34. Daí, não demos importância a estas coisas, nem nos afanemos na vida ascética com o fim de sabermos o futuro, mas para agradar a Deus vivendo bem. Deveríamos orar, não para conhecer o futuro nem deveríamos pedir isto como recompensa pela prática ascética, mas que o fim de nossa oração deve ser que o Senhor seja nosso companheiro para consegurmos a vitória sobre o demônio. Se algum dia, porém, chegarmos a conhecer o futuro, mantenhamos pura nossa mente. Tenho a absoluta confiança de que se a alma é integralmente pura e está em seu estado natural, alcança a claridade da visão e vê mais e mais longe que os demônios. A ela o Senhor revela as coisas. Tal era a alma de Eliseu que viu o que se passou com Giezi (2 Rs 5,26), e contemplou os exércitos que estavam perto (2 Rs 6,17). DISCERNIMENTO DOS ESPÍRITOS 35. Agora, pois, quando se lhes apareçam de noite e queiram contar-lhes o futuro ou lhes digam: ‘Somos os anjos’, ignorem-nos porque estão mentindo. Se louvam sua prática da vida ascética ou os chamam santos, não os ouçam nem tenham nada que ver com eles. Façam antes o sinal da cruz sobre si mesmos, sobre sua morada e oração, e vê-los-ão desaparecer. São covardes e têm terror mortal do sinal da cruz de Nosso Senhor, desde que na cruz o Senhor os despojou e escarmentou-os (Sl 2,15). Se insistem, porém, com maior cinismo, bailando em torno e mudando de aparência, não os temam nem se acovardem nem lhes prestem atenção como se fossem bons; é totalmente possível distinguir entre o bem e o mal com a garantia de Deus. Uma visão dos santos não é turbulenta, ‘pois não contenderá nem gritará’ e ninguém ouvirá sua voz nas ruas (Mt 12,19; cf Is 42,2). Essa visão chega tão tranquila e suave, que logo haveá alegria, gozo e valor na alma. Com eles está nosso Senhor, que é nossa alegria, e o poder de Deus Pai. E os pensamentos da alma permanecem desembaraçados e sem agitação, de modo que em sua própria brilhante transparência é possível contemplar a aparição. Um anelo das coisas divinas e da vida futura se apossa da alma, e seu desejo é unir-se totalmente a eles e com eles poder partir. Se alguns, porém, por ser humanos, têm medo ante a visão dos bons, então os que aparecem expulsam o temor pelo amor, como o fez Gabriel com Zacarias (Lc 1,13), e o anjo que apareceu às mulheres no santo sepulcro (Mt 28,5) e o anjo que apareceu aos pastores. ‘Não temam’ (Lc 2,10). Temor, nestes casos, não é covardia da alma, antes, porém, consciência da presença de seres superiores. Tal é, pois, a visão dos santos. 36. Por outro lado, o ataque e a aparição dos maus estão cheios de confusão, acompanhada de ruídos, bramidos e alaridos; bem poderia ser o tumulto produzido por homens grosseiros ou salteadores. Isto no começo ocasiona terror na alma, distúrbios e confusão de pensamentos, desalento, ódio da vida ascética, tédio, tristeza, lembrança dos parentes, medo da morte; e logo vem o desejo do mal, o desprezo da virtude e completa mudança do caráter. Por isso, se vocês têm uma visão e sentem medo, mas se o medo se afasta logo e em seu lugar lhes vem inefável alegria e contentamento, recuperação da força e da calma do pensamento e tudo o mais que mencionei, e valentia de coração e amor de Deus, então alegrem-se e orem; seu gozo e a tranquilidade da alma dão prova da santidade Daquele que está presente. Assim, Abraão, vendo o Senhor, alegrou-se (Jo 8,56), e João, ouvindo a voz de Maria, a Mãe de Deus (37), saltou de alegria (Lc 1,41). Se, porém, visões os surpreedem e confundem e há abertamente tumulto e aparições terrenas e ameaças de morte e tudo o mais que mencionei, saibam então que a visita é do mau. 37. Tenham, também este outro sinal: se a alma prossegue com medo, o inimigo está presente. Os demônios não tiram o medo que produzem, como o fez o grande arcanjo Gabriel com Maria e Zacarias, e o que apareceu às mulheres no sepulcro. Os demônios, ao contrário, quando vêem que os homens têm medo, aumentam suas fantasmagorias para aterrorizá-los ainda mais, depois descem e os enganam dizendo-lhes: ‘Prostrem-se e adorem-nos’ (cf Mt 4,9). Assim enganaram aos gregos, pois entre eles os havia, tomados falsamente por deuses. Nosso Senhor, porém, não permitiu que fôssemos enganados pelo demônio, quando uma vez repeliu-o quando intentava utilizar suas alucinações com Ele: ‘Aparta-se, Satanás, porque está escrito: Adorarás ao Senhor, teu Deus, e só a Ele servirás’ (Mt 4,10). Por isso, desprezemos sempre mais o autor do mal, pois o que nosso Senhor disse foi por nós: quando os demônios ouvem tais palavras, são expulsos pelo Senhor que com essa palavras os repreendeu. 38. Não devemos jactar-nos de expulsar os demônios nem vangloriar-nos por curas realizadas; não devemos honrar só ao que expulsa os demônios e desprezar o que não o faz. Que cada um observe atentamente a vida ascética do outro, e então imite-a e emule, ou a corrija; quanto a fazer milagres, não nos compete. Isto está reservado ao Salvador, que, por outro lado, disse a seus discípulos: ‘Alegrem-se, não porque os demônios se lhes submetem, mas porque têm seus nomes escritos no céu’ (Lc 10,20). E o fato de estarem nossos nomes escritos no céu é testemunho para nossa vida de virtude, mas quanto a expulsar demônios, é dom do Salvador. Por isso, aos que se gloriavam não de sua virtude mas de seus milagres e diziam: ‘Senhor, não expulsamos demônios em teu nome e não operamos milagres, também em teu nome?’ (Mt 7,22). Ele respondeu: ‘Em verdade lhes digo que não os conheço’ (Mt 7,23), pois o Senhor não conhece o caminho dos ímpios (cf Sl 1,6). Em resumo, deve-se orar, como já disse, pelo dom do discernimento dos espíritos, a fim de que, como está escrito, não creamos a cada espírito (cf 1 Jo 4,1). ANTÃO NARRA SUAS EXPERIÊNCIAS COM OS DEMÔNIOS 39. Em realidade, queria agora deter-me e não dizer nada mais que viesse de mim mesmo, já que basta o que foi dito. Mas para que vocês não pensem que simplesmente digo estas coisas por falar, mas para que se convençam de que o faço por verdadeira experiência, por isso quero contar-lhes o que vi quanto às práticas dos demônios. Talvez me chamem de tonto, mas o Senhor que está ouvindo o sabe que minha consciência é limpa e que não é por mim mesmo mas para vocês e para alentá-los que digo tudo isto. Quantas vezes me chamaram bendito, enquanto eu os maldizia em nome do Senhor! Quantas vezes faziam predições acerca da água do Rio! E eu lhes dizia: ‘Que têm vocês a ver com isto? ‘Uma vez chegaram com ameaças e me rodearam como soldados armados até os dentes. Noutra ocasião encheram a casa com cavalos e bestas e répteis, mas eu cantei o salmo: ‘Uns confiam nos carros, outros em sua cavalaria, mas nós confiamos no nome do Senhor nosso Deus’ (Sl 19,8), e a esta oração foram rechaçados pelo Senhor. Outra vez, no escuro, chegarm com uma luz fátua dizendo: ‘Vimos trazer-te luz, Antão’. Fechei, porém os olhos, orei, e de um golpe apagou-se a luz dos ímpios. Poucos meses depois chegaram cantando salmos e citando as Escrituras. Mas ‘eu fui como um surdo que não ouve’ (Sl 37,14). Uma vez sacudiram a cela de um lado a outro, mas eu rezei, permanecendo inalterável em minha mente. Voltaram então e fizeram um ruído contínuo, dando golpes, sibilando e fazendo cabriolas. Pus-me então a orar e cantar salmos, e então começaram a gritar e lamentar-se como se estivessem extenuados, e eu louvei ao Senhor que reduziu a nada seu descarmento e insensatez e lhes deu uma lição. 40. Uma vez apareceu-me em visão um demônio realmente enorme, que teve a desfaçatez de dizer: ‘Sou o Poder de Deus’ e: ‘Sou a Providência. Que favor desejas que te faça?’ Então soprei-lhe meu bafo (38), invocando o nome de Cristo e fiz empenho de golpeá-lo. Parece que tive êxito, porque logo, grande como era, desapareceu, e todos seus companheiros com ele, ao nome de Cristo. Outra vez, estava eu jejuando e chegou-se a mim o velhaco trazendo pães ilusórios. Pôs-se a dar-me conselhos: ‘Come e deixa-te de privações. Também tu és homem e estás a ponto de adoecer.’ Mas eu, percebendo seu embuste, levantei-me para orar e ele não aguentou: desapareceu como fumaça através da porta. Quantas vezes me mostrou no deserto uma visão de ouro que eu podia pegar e levar! Opus-me cantando um salmo e se dissolveu. Bateu-me muitas vezes e eu dizia: ‘Nada poderá separar-me do amor de Cristo’ (cf Rm 8, 35), e eles então se golpeavam uns aos outros. Não fui eu, porém, quem deteve e paralisou seus esforços, mas o Senhor que disse: ‘Vi Satanás caindo do céu como um relâmpago’ (Lc 10,18). Filhinhos meus, lembrem-se do que disse o Apóstolo: ‘Apliquei-me isto a mim mesmo’ (1 Cor 4,6), e aprenderão a não descoroçoar-se em sua vida ascética e a não temer as ilusões do demônio e de seus companheiros. 41. Já que me fiz louco entrando em todas estas coisas, escutem também o que segue, para que possa servir-lhes para sua segurança; creiam-me, não minto. Uma vez ouvi um golpe na porta de minha cela, saí e vi uma figura enormemente alta. Quando lhe perguntei: ‘Quem és?’, respondeu-me: ‘Sou Satanás’. ‘Que estás fazendo aqui?’Ele respondeu: ‘Que falta encontram em mim os monges e os demais cristãos, sem razão alguma? Por que me expulsam a cada momento?’- ‘Bem, por que os molestas?, disse-lhe. Ele contestou: ‘Não sou eu que os molesto, mas seus embaraços têm origem neles mesmos, pois eu me enfraqueci. Não leste por acaso: O inimigo foi desarmado, arrasaste suas cidades (Sl 9,7)? Agora não tenho nem lugar nem armas nem cidade. Em toda parte há cristãos e até o deserto está cheio de monges. Que se dediquem ao que lhes é próprio e não me maldigam sem causa. Maravilhei-me então ante a graça do Senhor e lhe disse: ‘Ainda que sejas sempre mentiroso e nunca fales a verdade, no entanto desta vez a disseste, por mais que te desagrade fazê-lo. Vês, Cristo, com sua vinda te fez impotente, derrubou-te e te despojou’. Ele, ouvindo o nome do Salvador e incapaz de suportar o calor que isto lhe causava, desvaneceu-se. 42. Por isso, se até o próprio demônio confessa que não tem poder, deveríamos desprezá-lo totalmente. O mau e seus cães têm, é verdade, todo um provimento de velhacaria; nós, porém, conhecendo sua impotência, podemos desprezá-los. Não nos entreguemos, pois, nem nos desalentos, nem deixemos que haja covaria em nossa alma nem nos causemos medo a nós próprio, pensando: ‘Oxalá não venha o demônio e me faça cair! Queira Deus que não me leve para cima ou para baixo, ou apareça de repente e me tire dos eixos! Não deveríamos absolutamente ter semelhantes pensamentos nem afligir-nos como se fôssemos perecer. Antes tenhamos coragem e alegremo-nos sempre como homens que estão sendo salvos. Pensemos que o Senhor está conosco, Ele que afugentou os maus espíritos e lhes tirou o poder. Meditemos sempre sobre isto e recordemos que enquanto o Senhor estiver conosco, nossos inimigos não nos causarão dano. Pois quando vêm, atuam como nos encontram, e, no estado de alma em que nos encontrem, apresentam suas ilusões (39). Se nos vêem cheios de medo, de pânico, imediatamente tomam posse como bandidos que encontram a praça desguarnecida; tudo o que pensemos de nós, aproveitam-no com redobrado interese. Se nos vêem temerosos e acovardados, aumentam nosso medo o mais que possam em forma de imaginações e ameaças, e assim a pobre alma é atormentada para o futuro. Se nos encontram, porém, alegrando-nos no Senhor; meditando nos bens futuros e contemplando as coisas que são do Senhor; considerando que tudo isto está em Suas mãos e que o demônio não tem poder sobre um cristão, que, de fato, não tem poder sobre ninguém, absolutamente, então, vendo a alma salvaguardada com tais pensamentos, envergonham-se e voltam atrás. Assim, quando o inimigo viu Jó fortificado, retirou-se dele, enquanto que encontrando Judas desprovido de toda defesa, aprisionou-o. Por isso, se quisermos desprezar o inimigo, mantenhamos sempre nosso pensamento n CurtirCurtir
    • EDMILSON disse:

      Paulo Sergio Neves aprenda uma coisa que livros e historiadores não são fontes, POIS ELE TEM QUE FORNECER UMA FONTE DA ÉPOCA.

      Pois se um historiador lhe trouxer um livro onde ele diz que seu pai é assassino e traficante, seu pai passará a ser assassino e traficante porque “um autor” escreveu isso em seu livro?

      Olha Paulo Sergio Neves, é muito fácil para tais (supostos historiadores) antagonizarem à Maria e os santos e da Igreja, pessoas que hoje não podem mais se defenderem. Agora eu lhe asseguro Paulo Sergio Neves, que qualquer pastor ou historiador protestante se estudar a grandeza da patrística a sério ele se converte à Igreja católica de corpo e alma. agora, você quer estudar em livros adulterados Paulo Sergio Neves …

      E você vai em livrarias para amigo esse não é o caminho…

      Paulo Sergio Neves, existem só nos primeiros 4 séculos da era cristã mas de 500 livros e testemunhos sobre Maria mãe de Jesus cristo com testemunhas oculares com fatos verídicos sem uma só voz discorde.

      Amigo Paulo Sergio Neves, vai um conselho, estude a patrística. olha eu tenho milhares de milhares de escritos sobre Maria com traduções legítimas que não se encontra na língua portuguesa. agora meu amigo. esse tipo de procura que você faz é errado estude nas fontes. E outra, livrarias protestantes não tem patrística e quando fala contra Maria e os padres da igreja eles mentem safadamente adulteram textos, como faz com a bíblia que é católica

      Se quer aprender a patrística meu amigo e conhecer falsificações e o podre das seitas protestantes, me procure.

      um abraço.

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      Virgindade perpétua de Maria

      Desde os primeiros dias bíblicos adultério levou com ele um sentimento de impureza, de modo que uma mulher que havia saber contato com outro homem, mesmo que pela força, foi considerado não tem condições para ser visitado por seu marido (Gênesis 49:4, 2 Samuel 20:3, re ibid 16:21-22;. Livro dos Jubileus 33:6-9; Epstein, leis de casamento no Talmud bíblica , p.51).

      O código deuteronômica ensina que uma mulher que se divorcia de seu marido e, posteriormente, se casa com outro homem também não pode retornar ao seu ex-marido (Dt 24:1-4). Como o Senhor disse através do profeta Jeremias: “Se um homem repudiar a sua mulher e ela vai-se dele e se torna a esposa de outro homem, ele deve retornar para ela novamente, não a terra (o corpo de sua esposa) se poluiria?” ( Jr 3:1; ver Targum de Dt 24:1-4) .

      Na lei rabínica uma mulher que cometeu adultério é “impura” e não pode continuar a ser a esposa de seu marido, mas deve ser divorciado (Sifre em Dt , editar M. Friedman (1864) 270 p 122b,.. Sifre em Números , edição. M. Friedman (1915) p 7. 4a e 19 p. 66). Além disso, qualquer contato íntimo masculino pela mulher com judeus ou gentios, potente ou impotente, natural ou artificial torna obrigatório o divórcio (Sotha 26b; Yebamoth 55a, b, 87b; Kethuboth 9a, Talmude Babilônico ; Kethuboth ; 25a Sotah 27a, Vashem, Sotah 2 , 2, Talmud de Jerusalém).

      Desposada
      Na Lei Judaica um homem noivo de uma mulher era considerada legalmente casado com ela. A palavra para noivos em hebraico é Kidush , uma palavra que deriva da palavra hebraica kadash que significa “santo” “consagrado” Porque pela noivado (como em Mt 1:18; Lc 1:27) “separado”., ou casamento, uma mulher se tornou a propriedade peculiar de seu marido, proibido para os outros.
      A Lei Oral de Kiddushin (Casamentos e acoplamentos) afirma: “O marido proíbe a esposa para o mundo inteiro como um objeto que é dedicado ao Santuário” (Kiddushin 2b, Talmude Babilônico).

      Sabemos do Evangelho de Mateus 01:14 que José marido de Maria era um homem justo, um judeu devoto cumpridor da lei. Tendo notado que Maria estava grávida e que ele, seu noivo, não tinha nada a ver com a gravidez, José tinha tanto para condenar publicamente ela e tê-la levado à morte por adultério (Dt 22:22-29) ou colocá-la secretamente.

      Sua decisão foi tomada quando um anjo lhe apareceu em sonho, dizendo: “José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que nela foi gerado é do Espírito Santo, ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados “(Mt 1:20-21). O anjo não usar a frase para a união conjugal: “ir até a” (como em Gn 30:3, 4, 16) ou “Come Together” (Mt 1:18), mas apenas o significado de uma palavra levando-a para dentro da casa como uma esposa (paralambano gunaika) , mas não coabitar com ela.

      Para quando o anjo lhe revelou que Maria era verdadeiramente a esposa do Espírito Santo, José poderia receber Maria, sua esposa, em sua casa, como a mulher, mas ele nunca poderia ter relações sexuais com ela, porque de acordo com a Lei, ela foi proibida de ele por todo o tempo.

      O casamento com o Espírito Santo
      Nós também temos que levar em consideração que, quando Maria foi informada pelo arcanjo Gabriel “Eis que conceberás no teu seio e dar à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus” (Lc 1:31), ele também acrescentou que era para acontecer, porque “O Espírito Santo virá sobre ti, eo poder do Altíssimo vai ofuscar você, por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus” (Lc 1:35).
      Ao afirmar que, nesses termos, o arcanjo, declarou a Maria que Deus iria entrar em um relacionamento conjugal com ela, fazendo-a conceber seu Filho em seu ventre, para “dar uma de energia (reshuth) sobre uma mulher ” (Targum de Dt 21 : 4) era um eufemismo para “ter uma relação conjugal com ela.”

      Da mesma forma “ofuscar” (Lc 1:35) por espalhar a “asa” ou “manto” sobre uma mulher foi outro eufemismo para relações conjugais. Assim, os rabinos comentou (Midrash Genesis Rabbah 39,7; Midrash Ruth Rabbah 3.9) que Rute era casto em sua redação, quando ela perguntou Boaz ter relações conjugais com ela, dizendo-lhe: “Eu sou você Ruth serva, espalhar, portanto, a sua capa (literalmente , “wing”: kanaph) sobre sua serva por você é a minha próxima de-kin “(Rute 3:9).

      Tallith , outra palavra em hebraico para aramaico capa, é derivado de tellal = sombra. Assim, “para espalhar uma de capa (tallith) sobre uma mulher “significa a coabitar com ela (Kiddushin 18b, ver também Mekilta em Êxodo 21:8) . Será que o Senhor não dizer à sua noiva Israel: “Eu sou casado com você” (Jr 03:14) e “o seu Criador é o seu marido?” (É 54-5:5; Jr 31:32)? E o que é mais íntimo do que o que o Senhor disse a sua noiva: “Você desenvolveu, você cresceu, você chegou a feminilidade completo; seus seios tornou-se firme e seu cabelo cresceu … você estava nu … e eu vi que você estava agora idade suficiente para amo então eu estenderei a minha capa sobre você … Eu te dei meu juramento, eu entrei em aliança com você e você se tornou meu, diz o Senhor Deus “(Ez 16:7, 8).

      Maria proibida a José
      Depois de ter sido iluminada por um anjo em sonho a respeito de sua gravidez e, talvez, ainda mais por Maria sobre as palavras do arcanjo Gabriel a ela na anunciação, José sabia que Deus tinha se comportado como um marido em relação a Maria. Ela agora estava proibida para ele por todo o tempo, e para o bem da Criança e Maria, ele só poderia viver com ela em uma relação absolutamente casto.
      Viver uma vida de celibato dentro do casamento não era desconhecido na tradição judaica. Foi dito que Moisés, que era casada, manteve-se o continente resto de sua vida após o comando para se abster de relações sexuais (Ex 19:15) dada na preparação do 70 anciãos se absteve depois de suas esposas após a sua chamada, e assim o fez Eldade e Medade quando o espírito de profecia veio sobre eles, na verdade, foi dito que os profetas se tornou celibatário após a Palavra do Senhor comunicou com eles (Midrash Rabá Êxodo 19, 46,3; Sifre a Números 99 seita 11;. Sifre Zutta 81-82 , 203-204; Aboth rabino Nathan 9, 39; Tanchuman 111, 46; Tanchumah Zaw 13; 3 Petirot Moshe 72; Shabbath 87a; Pesachim 87b, Talmude Babilônico).

      Celibato acordo com a tradição
      Elias e Eliseu foram celibato al suas vidas (Hadash Zohar 2:1; Midrash Mishlei 30, 105, Pirke rabino Eliezer 33). Quando, por causa da Torah (ou seja, o estudo intenso no mesmo), um rabino que se abster de relações com sua mulher, foi considerado permitido, por que ele foi, então, coabita com a Shekinah (a “Presença Divina”) na Torá ( Zohar re Gn 01:27, 13:3 e Salmo 85:14 no discurso do rabino Phineas para Rabinos José, Judá e Oi) .
      É bem conhecido que os rabinos falou sobre a obrigação de todos os homens a se casar e procriou: “Ele que se abstém de procriação é considerado como se tivesse derramado sangue” (o rabino Eliezer em Yebamoth 63b, Talmude Babilônico, ver também Arukh Aruch ( Código da Lei Judaica) seção Evenhar-Ezer 1:1,3,4). De acordo com Yebamoth 62b, a BT um homem é apenas metade de um homem sem uma mulher, citando Gênesis 5:02, onde se diz: “Macho e fêmea Ele (Deus) os criou e os abençoou, e chamou o seu nome Adão (lit.” Homem “).

      No entanto, “se uma pessoa se unir ao estudo da Torá (ou seja, dedica todo o seu tempo a ele) como Simeão ben Azzai, sua recusa em se casar pode ser tolerada” (Skulkhan Shulchan EH 1:4). Rabínica estudioso Simeon ben Azzai (AD início do segundo século) foi extraordinário na sua aprendizagem: “com o passar dos estudiosos Ben diligentes Azzai passaram da terra” (Sotah 9:15). Ele nunca se casou e foi celibatário toda a sua vida de modo a não ser distraído de seus estudos, e por considerar a Torá sua esposa, por quem ele sempre desejou com toda a sua alma (Yebamoth 63b). Ele era um estudioso proeminente (Kiddushin 20a, BT) e também famosa por sua santidade (Berakoth 57b, BT).

      Celibatários outros
      A tradição judaica também menciona a Ẓenu’im celibatário (lit. “castas”), para quem o segredo do Nome de Deus foi confiada, pois eram capazes de preservar o Santo Nome em “perfeita pureza” (Kiddushin 71a; Midash Eclesiastes Amã 3:11; . Yer Yoma 39a, 40a).
      Aqueles na esperança de uma revelação divina, consequentemente, absteve-se de relações sexuais e eram rigorosos em matéria de pureza (Enoque 83:2, Apocalipse 14:2-5).

      Philo ( Apol. pró Judaeis 1X, 14-17), Josefo, (Antiq . XVIII. 21) e Hipploytus ( Philosophumena IX, IV, 28) escreveu sobre o celibato dos essênios judeus centenas de anos antes da descoberta de seus assentamentos em Qumran no Mar Morto.

      Fílon de Alexandria (c. 20 aC-50 dC), um filósofo judeu, descreveu as mulheres judias que eram virgens que têm mantido a sua castidade não por obrigação, como algumas sacerdotisas gregas, mas de sua própria vontade em sua ânsia ardente de Sabedoria. “Ansioso para ter sabedoria para a sua vida-mate, eles rejeitaram os prazeres do corpo e do desejo não descendência mortal, mas as crianças imortais que só a alma que é querido de Deus pode trazer à nascença” (Philo, Cont 68.; ver também Philo, Abr . 100).

      Para “os castos são recompensados ​​por receber a iluminação da luz escondida celestial” (Zohar 11. 229b-230a). Porque “se o entendimento é segura e perfeita, livre da opressão das iniquidades ou paixões … ele vai olhar com clareza sobre tudo o que é digno de contemplação” (Philo, Sob . 1,5). Por outro lado, “a compreensão do homem amante do prazer é cego e incapaz de ver as coisas que valem a pena ver … a visão de que é maravilhoso de se ver e desejável” (Philo, Q. Gen . IV.245).

      Joseph como celibatário zelador
      Como o destinatário da grande revelação de que o que foi concebido no ventre de Maria, sua esposa, era do Espírito Santo e que a criança a nascer foi destinado a salvar o seu povo dos seus pecados, certamente José sabia que ele foi chamado para cuidar de Maria e de seu Filho, o Messias, para o resto de sua vida, é por isso que o anjo disse-lhe para receber Maria como sua esposa.
      Podemos razoável supor que a própria Maria agora compartilhado com ele tudo o que o arcanjo Gabriel disse a ela. Não menos uma pessoa do que “o Filho de Deus” (Lc 1:35) era para ser confiado aos seus cuidados sob o abrigo de sua humilde casa, agora se tornou o Santo dos Santos.

      A tradição judaica menciona que, embora as pessoas tinham de se abster de relações sexuais com suas esposas por apenas três dias antes da revelação no Monte Sinai (Ex 19:15), Moisés escolheu permanecer continente o resto de sua vida com a plena aprovação Deus. Os rabinos explicou que isso era assim porque Moisés sabia que ele foi nomeado para, pessoalmente, comunhão com Deus, não só no Monte Sinai, mas, em geral, ao longo dos quarenta anos de peregrinando no deserto. Por esta razão, Moisés manteve-se “para além de mulher”, permanecendo na santidade da separação de estar no beck e chamada de Deus em todos os momentos, pois eles citou o mandamento de Deus a Moisés, em Deuteronômio 05:28 (Midrash Rabá Êxodo 19:03 e 46,3).

      Mais uma vez, podemos estar certos de que São José permaneceu celibatário por toda a vida, pois ao longo de seus anos casados ​​ele estava em atendimento diário e de comunicação com Jesus, o Verbo de Deus encarnado.

      Curtir

    • Marcelo disse:

      Infelizmente o que percebo em tudo isso é uma confusão, uma tentativa de adaptar a bíblia a dogmas, Maria foi bem aventurado, contudo teve pecados, ela chama o próprio Jesus de Salvador, vamos lá segue abaixo algumas questões pontuadas:

      Ela teve filhos conforme “Mateus 13:55-56 “Não é este o filho do carpinteiro? E não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
      E não estão entre nós todas as suas irmãs? De onde lhe veio, pois, tudo isto?”

      E não é intercessora, conforme 1Timoteo 2,5.”Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem”.

      isso sem levar em consideração outras coisas que discordo da mesma forma.

      me prove ao contrário com bases bíblica claras como estas que lhe apresento, a graça e a paz do Deus vivo seja contigo.

      Curtir

      • Helen disse:

        Marcelo,

        De fato Deus é o Salvador de todos, inclusive de Maria, claro! Maria era criatura, como eu e você. Como poderia ser salva sem Deus?
        Agora, como Deus salvou Maria, isso sim é o x da questão.
        Maria afirma Deus ser seu Salvador porque foi a graça divina – a qual ela possuía plenamente – que a possibilitou viver uma vida santa, sem ofender a Deus. Sem essa graça ela não seria aquilo que era. Portanto, Deus é sim o Salvador de Maria!

        A nós Deus concede graças santificantes, de acordo com a Sua vontade. À Maria Deus santificou, antes mesmo que ela pudesse pecar.

        Irmãos de Jesus?

        Leia aqui a prova de que sua interpretação livre da bíblia, a parte da Igreja, está errada

        Intercessão

        Assim como eu e você podemos interceder por outros à Deus em nome de Cristo. Maria e os Santos também!

        Leia sobre a Mediação Única de Cristo AQUI e sobre a Comunhão dos Santos AQUI

        Espero que isso lhe esclareça as dúvidas.

        Curtir

    • EDMILSON disse:

      Quando católicos e protestantes falam sobre “a Bíblia”, os dois grupos, na verdade, tem dois livros diferentes em mente.

      No século XVI, os reformadores protestantes removeram uma grande parte do Antigo Testamento que não era compatível com sua teologia. Eles alegaram que estes escritos não foram inspirados Escritura e marca-los com o pejorativo título de “apócrifos”.

      Os católicos se referem a eles como “deuterocanônicos” (livros, uma vez que foram disputados por alguns autores e seus primeiros canonicidade foi estabelecida mais tarde que o resto), enquanto o resto são conhecidos como os “protocanonical” livros (já que sua canonicidade foi estabelecida primeiro) .

      Após o ataque protestante sobre a integridade da Bíblia, a Igreja Católica infalivelmente reafirmou a inspiração divina dos livros deuterocanônicos no Concílio de Trento, em 1546. Ao fazer isso, ele reafirmou o que se acreditava desde a época de Cristo.

      Que compilou o Antigo Testamento?

      A Igreja não nega que há escritos antigos que são “apócrifos”. Durante o início da era cristã, havia dezenas de manuscritos que pretendia ser a Sagrada Escritura, mas não eram. Muitos sobreviveram até os dias de hoje, como o Apocalipse de Pedro eo Evangelho de Tomé, que todas as igrejas cristãs consideram como escritos falsos que não pertencem nas Escrituras.

      Durante o primeiro século, os judeus discordavam quanto ao que constitui o cânon das Escrituras. Na verdade, houve um grande número de diferentes cânones em uso, incluindo o cânone crescendo usado por cristãos. A fim de combater o culto cristão se espalhando, os rabinos se encontraram na cidade de Jâmnia ou Jâmnia em 90 dC para determinar quais livros eram verdadeiramente a Palavra de Deus. Eles pronunciado muitos livros, incluindo os Evangelhos, para ser impróprios como escrituras. Este cânon também excluiu sete livros (Baruc, Eclesiástico, 1 e 2 Macabeus, Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, além de porções de Ester e Daniel) que os cristãos considerados parte do Antigo Testamento.

      O grupo de judeus que se reuniu em Jâmnia tornou-se o grupo dominante para a história judaica posterior, e hoje a maioria dos judeus aceitam o cânon de Jâmnia. No entanto, alguns judeus, tais como os da Etiópia, siga um cânon diferente, que é idêntico ao do Velho Testamento Católica, e inclui os sete livros deuterocanônicos (cf. Encyclopedia Judaica , vol. 6, p. 1147).

      Escusado será dizer que a Igreja ignorou os resultados de Jâmnia. Primeiro, um conselho judaico após a época de Cristo não é vinculativa para os seguidores de Cristo. Segundo, Jâmnia rejeitou precisamente os documentos que são fundamentais para a Igreja Cristã – os Evangelhos e outros documentos do Novo Testamento. Terceiro, rejeitando os deuterocanônicos, Jâmnia rejeitou livros que foram usados ​​por Jesus e os apóstolos e que estavam na edição da Bíblia que os apóstolos usaram no dia a dia – a Septuaginta.

      Os apóstolos e os deuterocanônicos

      A aceitação cristã dos livros deuterocanônicos era lógica porque os deuterocanônicos também foram incluídos na Septuaginta, a versão grega do Antigo Testamento que os apóstolos usaram para evangelizar o mundo. Dois terços das citações do Antigo Testamento no Novo são da Septuaginta. No entanto, os apóstolos nada disseram aos seus convertidos para evitar sete livros dele. Como os judeus em todo o mundo, que usou a Septuaginta, os primeiros cristãos aceitaram os livros encontrados nela. Sabiam que os apóstolos não iria enganá-los e pôr em perigo suas almas colocando falsas Escrituras em suas mãos – especialmente sem adverti-los contra eles.

      Mas os apóstolos não se limitou a colocar os deuterocanônicos nas mãos de seus convertidos como parte da Septuaginta. Eles regularmente referidas os deuterocanônicos em seus escritos. Por exemplo, Hebreus 11 nos encoraja a imitar os heróis do Antigo Testamento e no Antigo Testamento “As mulheres receberam seus mortos pela ressurreição. Alguns foram torturados, recusando-se a aceitar liberação, para que pudessem subir de novo para uma vida melhor” (Hb 11:35).

      Há um par de exemplos de mulheres recebendo de volta seus mortos pela ressurreição no Antigo Testamento protestante. Você pode encontrar Elias ressuscitando o filho da viúva de Zarepheth em 1 Reis 17, e você pode encontrar seu sucessor Eliseu ressuscitando o filho da mulher sunamita em 2 Reis 4, mas uma coisa que você nunca pode encontrar – em qualquer lugar do Velho protestante Testamento, da frente para trás, de Gênesis a Malaquias – alguém está sendo torturado e recusando-se a aceitar a liberação por causa de uma melhor ressurreição. Se você quiser descobrir que, você tem que olhar no Testamento Católica velha – nos livros deuterocanônicos Martin Luther cortar de sua Bíblia.

      A história é encontrada em 2 Mac 7, onde lemos que durante a perseguição dos Macabeus, “Aconteceu também que sete irmãos e sua mãe foram presos e estavam sendo obrigados pelo rei, sob tortura com chicotes e cabos, para participar de ilegal de porco carne …. [B] ut os irmãos e sua mãe incentivou o outro a morrer nobremente, dizendo: ‘O Senhor Deus está olhando por nós e, na verdade, tem compaixão de nós …’ Após o primeiro irmão tinha morrido .. . que apresentou o segundo para o seu esporte …. ele por sua vez, sofreu torturas como o primeiro irmão tinha feito. E quando ele estava em seu último suspiro, ele disse, ‘Você maldito desgraçado, você nos despedir desta vida presente, mas o Rei do universo nos ressuscitará para uma renovação da vida eterna “(2 Macc. 7:1, 5-9).

      Um a um os filhos morrem, proclamando que eles serão justificados na ressurreição. “A mãe foi especialmente admirável e digna de memória honrosa. Embora ela viu seus sete filhos morrem em um único dia, suportou com coragem bom por causa de sua esperança no Senhor. Ela incentivou cada um deles … [dizendo], ‘Eu não sei como você surgiu em meu ventre. Não fui eu quem lhe deu vida e respiração, nem eu que pôr em ordem os elementos dentro de cada um de vocês. Portanto o Criador do mundo, que formou o homem e inventou a origem de todas as coisas, vai na sua misericórdia dar vida e fôlego para você de novo, já que agora esquecer-vos para o amor das suas leis “, diz o último,” Não temas este açougueiro, mas provar digno de seus irmãos. aceitar a morte, de modo que na misericórdia de Deus eu possa ter você de volta novamente com seus irmãos “(2 Macc. 7:20-23, 29).

      Este é apenas um exemplo das referências do Novo Testamento ‘para os deuterocanônicos. Os primeiros cristãos foram, assim, plenamente justificada em reconhecer esses livros como Escritura, para os apóstolos, não só colocá-las em suas mãos como parte da Bíblia que eles usaram para evangelizar o mundo, mas também se refere a eles no próprio Novo Testamento, citando as coisas eles registram como exemplos a serem seguidos.

      Os Padres falam

      A aceitação dos deuterocanônicos é evidente ao longo da história da Igreja. O protestante patrística estudioso JND Kelly escreve: “Deve ser observado que o Antigo Testamento admitido como autoridade na Igreja era algo maior e mais abrangente do que o [Antigo Testamento protestante] … É sempre incluído, embora com graus de reconhecimento , os chamados livros apócrifos ou deuterocanônicos. A razão para isso é que o Antigo Testamento que passou em primeira instância nas mãos dos cristãos era … a tradução grega conhecida como Septuaginta …. a maioria da citações bíblicas encontradas no Novo Testamento são baseados em cima dele e não o hebraico …. Nos primeiros dois séculos … a Igreja parece ter aceito todas, ou a maioria, estes livros adicionais, como inspirados e trataram-los sem pergunta como escritura. Citações de Sabedoria, por exemplo, ocorrem em 1 Clemente e Barnabé … Policarpo cita Tobias, eo Didache [cita] Eclesiástico. Irineu se refere a Sabedoria, a história de Susana, Bel eo Dragão [isto é, o deuterocanonical porções de Daniel], e Baruch. O uso dos deuterocanônicos por Tertuliano, Hipólito, Cipriano e Clemente de Alexandria é tão freqüente que referências detalhadas são necessárias ” (Doutrina Cristã , 53-54).

      O reconhecimento dos deuterocanônicos como parte da Bíblia que foi dada pessoalmente pelos pais também foi dada pelos Padres como um todo, quando se encontraram nos Concílios da Igreja. Os resultados dos Concílios são especialmente úteis porque não representam a opinião de uma única pessoa, mas o que foi aceito pelos líderes da Igreja de todas as regiões.

      O cânon das Escrituras, Antigo e Novo Testamento, foi fixado definitivamente no Concílio de Roma em 382, ​​sob a autoridade do Papa Dâmaso I. E foi logo reafirmou em várias ocasiões. O mesmo cânon foi firmado no Concílio de Hipona em 393 e no Concílio de Cartago em 397. Em 405 o Papa Inocêncio I reafirmou o cânon em uma carta ao bispo Exuperius de Toulouse. Outro Concílio de Cartago, este no ano de 419, reafirmou o cânon dos seus antecessores e pediu o Papa Bonifácio para “confirmar este cânon, pois estas são as coisas que temos recebido de nossos pais para serem lidos na Igreja”. Todos estes cânones eram idênticas à Bíblia católica atual, e todos eles incluindo os deuterocanônicos.

      Este mesmo cânon foi implicitamente confirmado no sétimo Concílio Ecumênico, o de Nicéia II (787), que aprovou os resultados do Concílio de Cartago 419, e explicitamente reafirmou nos Concílios Ecumênicos de Florença (1442), Trento (1546), o Vaticano I (1870), e do Vaticano II (1965).

      O Ataque Reforma sobre a Bíblia

      Os deuterocanônicos ensinar a doutrina católica, e por esta razão eles foram retirados do Antigo Testamento por Lutero e colocados como apêndice sem números de páginas. Lutero também retirou livros do Novo Testamento – Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse – e colocá-los em um apêndice sem números de páginas também. Estes foram depois colocados de volta no Novo Testamento por outros protestantes, mas os sete livros do Antigo Testamento foram deixados de fora. Após Lutero haviam sido deixados em um apêndice do Velho Testamento, e, eventualmente, o próprio apêndice foi retirado (em 1827 pela Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira), que é por isso que esses livros não são encontrados em todos em mais contemporâneos Bíblias protestantes, embora foram appendicized em traduções protestantes clássicas, como a King James Version.

      A razão que eles foram retirados é que ensinam doutrinas católicas que os protestantes rejeitam. Anteriormente, citou um exemplo em que o livro de Hebreus mantém-se para nós um exemplo do Antigo Testamento em 2 Mac 7, um incidente não se encontra na Bíblia protestante, mas facilmente localizada na Bíblia católica. Porque Lutero teria retirado este livro quando é tão claramente tido como um exemplo para nós no Novo Testamento? Simples: alguns capítulos mais adiante o livro apóia a prática da oração pelos mortos, para que possam ser libertados das conseqüências de seus pecados (2 Mac 12:41-45.), Em outras palavras, a doutrina católica do purgatório. Desde que Lutero rejeitou o ensino histórico do purgatório (que data de antes da época de Cristo, como mostra 2 Macabeus), ele teve que retirar este livro da Bíblia e appendicize-lo. (Note que ele também retirou Hebreus, o livro que cita 2 Macabeus, a um apêndice também.)

      Para justificar esta rejeição a livros que estavam na Bíblia desde tempos antes dos apóstolos (a Septuaginta foi escrita antes dos apóstolos), os primeiros protestantes citado como razão principal o fato de que os judeus de sua época não honrou estes livros, indo de volta para o Conselho de Jâmnia em 90 dC. Mas os reformadores estavam atentos apenas judeus europeus, eles não sabiam Africano judeus, como os judeus etíopes, que aceitavam os deuterocanônicos como parte de sua Bíblia. Eles censuraram as referências ao deuterocanônicos no Novo Testamento, bem como seu uso da Septuaginta. Eles ignoraram o fato de que havia vários cânones das Escrituras judaicos circulando no primeiro século, apelando a um conselho pós-cristã judaica, que não tem autoridade sobre os cristãos como prova de que “os judeus não aceitaram estes livros”. Em suma, eles foram para comprimentos enormes a rejeição a estes livros da Bíblia.

      Reescrevendo a história da Igreja

      Em anos mais tarde eles até iniciaram a propagação do mito de que a Igreja Católica “adicionou” estes sete livros à Bíblia no Concílio de Trento!

      Os protestantes também tentaram distorcer as evidências patrísticas em favor do deuterocanônicos. Alguns superficialmente afirmam que os Pais da Igreja não os aceitavam, enquanto outros fazem reivindicações comedidas que certos Padres importantes, como Jerônimo, também não os aceitava.

      É verdade que Jerônimo, e poucos e isoladas escritores, não aceitavam alguns deuterocanônicos como inspirados. Entretanto, Jerônimo fora persuadido, contra sua convicção original, a incluir os deuterocanônicos em sua edição Vulgata das Escrituras testemunho para o fato de que os livros eram comumente aceitos e era esperado para ser incluído em qualquer edição das Escrituras.

      Além disso, pode ser documentado que em anos mais tarde Jerônimo de fato aceitou certos deuterocanônicos da Bíblia. Em sua resposta a Rufino, ele defendeu bravamente as partes deuterocanônicos de Daniel mesmo que os judeus de seu tempo não fazia.

      Ele escreveu, “Que pecado eu cometi se segui o julgamento da Igreja? Mas ele que traz acusações contra mim por relatar as objeções a que os judeus estavam acostumados a formar contra a história de Susana, o Filho de as três crianças, e a história de Bel eo dragão, que não são encontrados nos volumes hebraicos, provam que ele é apenas um bajulador insensato. Porque eu não estava relatando minha própria visão, mas antes as questões que eles [os judeus] são acostumados a fazer contra nós ” (Contra Rufinus 11,33 [402 dC]). Desta forma Jerônimo reconheceu o princípio pelo qual o cânon foi fixado – o julgamento da Igreja, não dos judeus.

      Outros escritores protestantes citam como objeção aos deuterocanônicos, que Atanásio e Orígenes, também aceitou alguns ou de todos eles como canônicos. Por exemplo, Atanásio, aceitou o livro de Baruch como parte de sua Antigo Testamento (Festal Letter 39) e Orígenes aceitou todas as deuterocanônicos, ele simplesmente não se recomenda usá-los em disputas com os judeus.

      No entanto, apesar das dúvidas e hesitações de alguns escritores individuais como Jerônimo, a Igreja permaneceu firme em sua afirmação histórica sobre os deuterocanônicos como Escritura, transmitida de os apóstolos. Protestantes Patrística estudioso JND observações Kelly afirma isto apesar da dúvida de Jerônimo: “Para a grande maioria, porém, os escritos deuterocanônicos classificados como Escritura no sentido mais amplo. Agostinho, por exemplo, cuja influência no ocidente foi decisiva, não fazia distinção entre eles eo resto do Antigo Testamento … a mesma atitude ao apócrifos foi demonstrada nos Sínodos de Hipona e Cartago em 393 e 397, respectivamente, e também na famosa carta do papa Inocêncio I ao Exuperius, bispo de Toulouse, em 405 ” (Doutrina Cristã , 55-56).

      É, portanto, um verdadeiro mito que, como protestantes acusam a Igreja Católica “adicionado” os deuterocanônicos à Bíblia no Concílio de Trento. Estes livros estavam na Bíblia antes de o cânon tempo foi inicialmente se instalaram na 380s. Tudo o que Trento fez foi reafirmar, em face do ataque protestantes à Bíblia, que tinha sido a histórica Bíblia da Igreja – a edição padrão do que era próprio Vulgata de Jerônimo, incluindo os deuterocanônicos!

      O Novo Testamento deuterocanônicos

      É irônico que os protestantes rejeitem a inclusão dos deuterocanônicos em conselhos como o Hippo (393) e Cartago (397), porque estes são os mesmos conselhos da igreja primitiva que os protestantes atraem para o cânon do Novo Testamento. Antes dos conselhos de ano 300, houve uma ampla discussão sobre quais livros exatamente deveriam pertencer ao Novo Testamento. Alguns livros, como os Evangelhos, Atos ea maioria das epístolas de Paulo foram acordadas. No entanto, uma série de livros do Novo Testamento, mais notavelmente Hebreus, Tiago, 2 Pedro, 2 e 3 João, e Apocalipse permaneceram em ardente disputa até que o cânon foi fixado. Eles são, de fato, “deuterocanônicos do Novo Testamento.”

      Enquanto os protestantes estão dispostos a aceitar o testemunho de Hipona e Cartago (os Concílios que eles mesmos mais citam) para a canonicidade dos deuterocanônicos do Novo Testamento, eles não estão dispostos a aceitar o testemunho de Hipona e Cartago para a canonicidade dos deuterocanônicos do Antigo Testamento. Realmente irônico!

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      RICARDO VOU TI DA SÓ UMA DICA!

      MESMO QUE UM BISPO ESCREVA UM LIVRO SOBRE MARIA
      QUE VAI CONTRA O QUE A IGREJA PREGA NÃO ALTERA EM NADA OS DOGMAS E MUITO MENOS O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA!

      VAI UMA DICA RICARDO ESTUDE A SÉRIO DEIXA DE FANTASIAS OK!

      POIS O QUE UM PADRE ESCREVEU OU BISPO ESCREVEU PODE SER DO ANO QUE FOR SE ESSA DOUTRINA

      SE ESTÁ FORA DO QUE ENSINA A IGREJA COM CERTEZA ELE É EXCOMUNGADO

      QUE APRENDER PATRÍSTICA RICARDO SE VOCÊ QUISER EU TI PASSO UNS 2 MIL VOLUMES DAS PRIMEIRAS HERESIAS DOS QUATRO PRIMEIROS SÉCULOS DA ERA CRISTÃ!

      VEJA AQUI RICARDO UM POUCO DAS
      Grandes Heresias dos Primeiros Séculos vencidas pela a igreja católica.

      Desde o princípio da Cristandade, a Igreja sempre se confrontou e combateu os falsos ensinamentos ou heresias.

      Hoje em dia basta darmos uma olhada no catálogo telefônico para encontrarmos em qualquer cidade do mundo, uma denominação religiosa que nos diga exatamente aquilo que queremos ouvir. Algumas ensinam que Jesus não é Deus, ou que Ele é a única pessoa da Trindade, ou que existem muitos deuses (três dos quais são o Pai, o Filho e o Espírito Santo) ou que nós podemos nos tornar “deuses”, ou que uma pessoa uma vez salva, jamais poderá perder sua salvação, ou que não existe inferno, ou que o homossexualismo é apenas mais uma expressão da sexualidade humana, portanto um estilo de vida aceitável para um cristão, ou qualquer outro tipo de ensinamento.

      A Bíblia nos advertiu que isso ocorreria. O Apóstolo Paulo avisou ao seu aluno Timóteo: “Porque virá o tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas suas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas”.(2Tim. 4,3-4).

      O QUE É HERESIA?

      Antes de darmos uma olhada nas grandes heresias da história da Igreja, cumpre-nos dar algumas palavras sobre a natureza da heresia. Isso é muito importante já que o termo em si carrega um forte peso emocional e frequentemente é mal utilizado. Heresia não significa o mesmo que incredulidade, cisma, apostasia ou qualquer outro pecado contra a fé. O Catecismo da Igreja Católica define a heresia do seguinte modo:

      “Incredulidade é negligenciar uma verdade revelada ou a voluntária recusa em dar assentimento de fé a uma verdade revelada. Heresia é a negação após o batismo de algumas verdades que devem ser acreditadas com fé divina e Católica, ou igualmente uma obstinada dúvida com relação às mesmas; apostasia é o total repúdio da fé cristã; cisma é o ato de recusar-se a submeter-se ao Romano Pontífice ou à comunhão com os membros da Igreja sujeitos a ele” (CCC 2089).

      Para ser culpado de heresia, uma pessoa deve estar obstinada (incorrigível) no erro. Uma pessoa que está aberta à correção ou que simplesmente não tem consciência de que o que ela está dizendo é contrário ao ensinamento da Igreja, não pode ser considerada como herética.

      A dúvida ou negação envolvida na heresia deve ser pós-batismal. Para ser acusado de heresia, uma pessoa deve ser antes de tudo um batizado. Isso significa que aqueles movimentos que surgiram da divisão do Cristianismo ou que foram influenciados por ele, mas que não administram o batismo ou que não batizam validamente, não podem ser considerados heresias mas apenas religiões separadas (exemplos incluem Muçulmanos que não possuem batismos e Testemunhas de Jeová que não batizam validamente).

      E, finalmente, a dúvida ou negação envolvidos na heresia devem estar relacionados a uma matéria que deve ser crida com “fé Católica e divina” – em outras palavras, alguma coisa que tenha sido definida solenemente pela Igreja como verdade divinamente revelada (por exemplo, a Santíssima Trindade, a Encarnação, a Presença Real de Cristo na Eucaristia, o Sacrifício da Missa, a Infalibilidade Papal, a Imaculada Conceição e Assunção de Nossa Senhora).

      É especialmente importante saber distinguir heresia de cisma e apostasia. No cisma, uma pessoa ou grupo se separa da Igreja Católica sem repudiar nenhuma doutrina definida. Já na apostasia, uma pessoa repudia totalmente a fé cristã e não mais se considera cristã.

      Esclarecidas as diferenças, vamos dar uma conferida nas maiores heresias da história da Igreja e quando elas começaram:

      Os Judaizantes (Séc. I)

      A heresia Judaizante pode ser resumida pelas seguintes palavras dos Atos dos Apóstolos 15,1: “Alguns homens, descendo da Judéia, puseram-se a ensinar aos irmãos o seguinte: ‘Se não vos circuncidais segundo o rito de Moisés, não podeis ser salvos’”.

      Muitos dos primeiros Cristãos eram Judeus, e esses trouxeram para a Fé cristã muitas de suas práticas e observâncias judaicas. Eles reconheciam em Jesus Cristo o Messias anunciado pelos profetas e o cumprimento do Antigo Testamento, mas uma vez que a circuncisão era obrigatória no Antigo Testamento para a participação na Aliança com Deus, muitos pensavam que ela era também necessária para a participação na Nova Aliança que Cristo veio inaugurar. Portanto eles acreditavam que era necessário ser circuncidado e guardar os preceitos mosaicos para se tornar um verdadeiro cristão. Em outras palavras, uma pessoa deveria se tornar judeu para poder se tornar cristão.

      Gnosticismo (Sécs. I e II)

      “A matéria é má!” – Esse é o lema dos Gnósticos. Essa foi uma idéia que eles “tomaram emprestado” de alguns filósofos gregos e isso vai contra o ensinamento Católico, não apenas porque contradiz Gênesis 1,31: “Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom”, bem como outras partes da Sagrada Escritura, mas porque nega a própria Encarnação. Se a matéria é má, então Jesus não poderia ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, pois em Cristo não existe nada que seja mau. Assim muitos gnósticos negavam a Encarnação alegando que Cristo apenas “parecia” como homem, mas essa sua humanidade era apenas ilusória.

      Alguns Gnósticos, reconhecendo que o Antigo Testamento ensina que Deus criou a matéria, alegavam que o Deus dos Judeus era uma divindade maligna bem diferente do Deus de Jesus Cristo, do Novo Testamento. Eles também propunham a crença em muitos seres divinos, conhecidos como “aeons” que servem de mediadores entre o homem e um inatingível Deus. O mais baixo de todos esses “aeons” que estava em contato direto com os homens teria sido Jesus Cristo.

      Montanismo (final do Séc. II)

      Montanus iniciou inocentemente sua carreira pregando um retorno à penitência e ao fervor. Todavia ele alegava que seus ensinamentos estavam acima dos ensinamentos da Igreja porque ele era diretamente inspirado pelo Espírito Santo. Logo, logo ele começou a ensinar sobre uma eminente volta de Cristo em sua cidade natal na Frígia. Seu movimento enfatizava sobretudo a continuidade dos dons extraordinários como falar em línguas e profecias.

      Sabelianismo (Princípio do Séc. III)

      Os Sabelianistas ensinavam que Jesus Cristo e Deus Pai não eram pessoas distintas, mas simplesmente dois aspectos ou operações de uma única pessoa. De acordo com eles, as três pessoas da Trindade existem apenas em referência ao relacionamento de Deus com o homem, mas não como uma realidade objetiva.

      Arianismo (Séc. IV)

      Uma das maiores heresias que a Igreja teve que confrontar foi o Arianismo. Arius ensinava que Cristo não era Deus e sim uma criatura feita por Deus. Ao disfarçar sua heresia usando uma terminologia ortodoxa ou semi-ortodoxa, ele foi capaz de semear grande confusão na Igreja, conquistando o apoio de muitos Bispos e a rejeição de alguns. O Arianismo foi solenemente condenado no ano 325 pelo Primeiro Concílio de Nicéia, o qual definiu a divindade de Cristo e no ano 381 pelo Primeiro Concílio de Constantinopla, o qual definiu a divindade do Espírito Santo. Esses dois Concílios deram origem ao Credo Niceno que os Católicos recitam nas Missas Dominicais.

      Pelagianismo (Séc. V)

      Pelagius, um monge gaulês deu início a essa heresia que carrega seu nome. Ele negava que nós herdamos o pecado de Adão e alegava que nos tornamos pessoalmente pecadores apenas porque nascemos em solidariedade com uma comunidade pecadora a qual nos dá maus exemplos. Da mesma forma, ele negava que herdamos a santidade ou justiça como resultado da morte de Cristo na cruz e dizia que nos tornamos pessoalmente justos através da instrução e imitação da comunidade cristã, seguindo o exemplo de Cristo.

      Pelagius declarava que o homem nasce moralmente neutro e pode chegar ao céu por seus próprios esforços. De acordo com ele, a graça de Deus não é verdadeiramente necessária, mas apenas facilita uma difícil tarefa.

      Nestorianismo (Séc. V)

      Essa heresia sobre a pessoa de Cristo foi iniciada por Nestorius, bispo de Constantinopla que negava a Maria o título de Theotokos (literalmente “Mãe de Deus”). Nestorius alegava que Maria deu origem apenas à pessoa humana de Cristo em seu útero e chegou a propor como alternativa o título Christotokos (“Mãe de Cristo”).

      Os teólogos Católicos ortodoxos imediatamente reconheceram que a teoria de Nestorius dividia Cristo em duas pessoas distintas (uma humana e outra divina, unidos por uma espécie de “elo perdido”), sendo que apenas uma estava no útero de Maria. A Igreja reagiu no ano 431 com o Concílio de Éfeso, definindo que Maria realmente é Mãe de Deus, não no sentido de que ela seja anterior a Deus ou seja a fonte de Deus, mas no sentido de que a Pessoa que ela carregou em seu útero era de fato o Deus Encarnado.

      Monofisismo (Séc. V)

      O Monofisismo originou-se como uma reação ao Nestorianismo. Os monofisistas (liderados por um homem chamado Eutyches) ficaram horrorizados pela implicação Nestoriana de que Cristo era duas pessoas com duas diferentes naturezas (divina e humana). Então eles partiram para o outro extremo alegando que Cristo era uma pessoa com uma só natureza (uma fusão de elementos divinos e humanos). Portanto eles passaram a ser reconhecidos como Monofisistas devido à sua alegação de que Cristo possuía apenas uma natureza (Grego: mono= um; physis= natureza).

      Os teólogos Católicos ortodoxos imediatamente reconheceram que o Monofisismo era tão pernicioso quanto o Nestorianismo porque esse negava tanto a completa humanidade como a completa divindade de Cristo. Se Cristo não possuía a natureza humana em sua plenitude então Ele não poderia ser verdadeiramente homem e se Ele não possuía a natureza divina em plenitude, então Ele também não era verdadeiramente Deus.

      Iconoclastas (Sécs. VII e VIII)

      Essa heresia surgiu quando um grupo de pessoas conhecidos como iconoclastas (literalmente, destruidores de ícones) apareceu. Esses alegavam que era pecaminoso fazer estátuas ou pinturas de Cristo e dos Santos apesar de exemplos bíblicos que provam que Deus mandou que se fizesse estátuas religiosas (por exemplo, em Ex 25,18-20 e 1Cr 28,18-19), inclusive representações simbólicas de Cristo (Num 21,8-9 e Jo 3,14).

      Curtir

    • Ricardo disse:

      Eu pensei que o objetivo desse blog fosse esclarecer as duvidas do povo cristão sobre os assuntos relativos a Igreja. Mas ja que a sra. nao quer responder eu vou verificar os links que me passou. Mesmo assim, agradeço.

      Curtir

      • Helen disse:

        Caro Ricardo,

        Pensou certo. O objetivo é esclarecer dúvidas e ensinar, mas não é, entretanto, a ambição ou objetivo do blog ensinar em PROFUNDIDADE cada dogma, prática, doutrina pertinente à fé católica. O sr, como participante do debate do blog, pode atestar perfeitamente – haja visto o número de perguntas e comentários seus explicados e debatidos neste espaço – que estou sempre disposta a esclarecer dúvidas genuínas. Agora, percebo que sua intenção, principalmente nos seus últimos “comentários”, não é aprender , mas sim refutar cada vírgula do que lhe foi dito até agora. Se esse é o caso, e peço que me desculpe se estiver errada, o sr não deveria presumir que eu possa ensinar questões tão complexas em apenas alguns comentários. Seria preciso tempo, textos longos, etc. Portanto, eu lhe refiro aos links da Igreja. Lá o sr encontrará detalhes sobre o que deseja aprender, se esse realmente for se objetivo.

        Pax Domini

        Curtir

    • EDMILSON disse:

      Ricardo você ao menos sabe? Que a palavra “adoração” sofreu uma mudança de significado em Inglês. E que ela vem do Inglês Antigo weorthscipe, o que significa a condição de ser digno de honra, respeito ou dignidade. Adorar no mais velho, o sentido maior é atribuir honra, valor, ou excelência de alguém, seja um sábio, um magistrado, ou Deus.
      Por muitos séculos, o termo adoração significava simplesmente mostrar respeito ou honra, e um exemplo deste uso sobrevive em Inglês contemporâneo. Súditos britânicos se referem aos seus magistrados como “Your Worship”, embora os americanos diriam “Your Honor”. Isso não significa que os indivíduos britânicos adoram seus magistrados como deuses (na verdade, eles podem até desprezar um magistrado especial são endereçamento). Isso significa que eles estão dando-lhes a honra apropriado para o seu escritório, e não a honra apropriado para Deus.
      Fora deste exemplo, no entanto, o termo Inglês “culto” foi reduzida em âmbito indicar apenas que a forma suprema de honra, reverência e respeito que é devido a Deus. Esta mudança de uso é bastante recente. Na verdade, ainda se pode encontrar livros que usam “adoração” no velho, o sentido mais amplo. Isso pode levar a um significativo grau de confusão, quando as pessoas que estão familiarizados somente com o uso das palavras em seu próprio dia e seus próprios círculos material de encontro escrito em outros tempos e outros lugares.
      Na Bíblia, o termo “adoração” era igualmente amplo de significado, mas nos primeiros séculos da era cristã, os teólogos começaram a se diferenciar entre diferentes tipos de honra, a fim de tornar mais claro o que é devido a Deus e que não é.
      Como a terminologia da teologia cristã desenvolveu, o termo grego latria passou a ser usado para referir-se a honra que é devida somente a Deus, eo termo dulia veio referir a honra que é devido aos seres humanos, especialmente aqueles que viveram e morreram na amizade de Deus, em outras palavras, os santos. A Escritura indica que a honra é devida a estes indivíduos (Mt 10:41 b). Um termo especial foi cunhado para se referir à honra especial dada à Virgem Maria, que deu à luz Jesus, o Deus encarnado em seu ventre. Este termo, hyperdulia ( huper [mais de] + dulia = “além dulia”), indica que a honra devida a ela como a própria mãe de Cristo é mais do que a dulia dado a outros santos. É em grau maior, mas ainda com o mesmo tipo. No entanto, uma vez que Maria é uma criatura finita, a honra que é devido é fundamentalmente diferente em espécie da latria devida ao Criador infinito.
      Todos estes termos- latria, dulia, hiperdulia -costumava ser agrupados sob o Inglês palavra “adoração”. Às vezes, quando se lê livros antigos discutindo o assunto de como pessoas particulares devem ser honrados, eles vão qualificar a palavra “adoração”, referindo-se “a adoração de latria “ou” o culto de dulia . ” Para os contemporâneos e para aqueles não familiarizados com a história desses termos, no entanto, isso é muito confuso.
      Outra tentativa de deixar claro a diferença entre a honra devida a Deus e que, devido aos seres humanos tem sido a de usar as palavras adorar e adoração para descrever o total, o consumo de reverência devida a Deus e ao termos veneram, veneração e honra para se referir ao respeito devido humanos. Assim, os católicos às vezes dizem: “Nós adoramos a Deus, mas que honra os seus santos. ”
      Infelizmente, muitos não-católicos têm sido tão educado em hostilidade contra a Igreja que eles parecem incapazes ou não querem reconhecer essas distinções. Eles confiança (muitas vezes arrogante) afirmam que os católicos “adoram” Maria e os santos, e, ao fazê-lo, cometem idolatria. Isto é obviamente falso, é claro, mas a educação em preconceito anti-católico é tão forte que é preciso explicar pacientemente que os católicos não adoram ninguém, mas Deus, pelo menos tendo em conta o uso contemporâneo do termo. A Igreja é muito rigorosa sobre o fato de que latria , adoração, o que os falantes ingleses contemporâneos chamam de “adoração”, deve ser dada somente a Deus.
      Embora deve-se saber que a partir de sua própria experiência, que muitas vezes pode ser melhor do que simplesmente apontar que os católicos não adoram a ninguém, mas Deus e omitir a discutir a história do termo. Muitos não-católicos pode ser mais perplexo do que esclarecido por ouvir a história da palavra. Familiarizado apenas com o seu grupo o uso do termo “adoração”, eles podem misperceive uma lição de história como racionalização e acabam ainda mais inflexível nas suas declarações de que o termo se aplica somente a Deus. Eles podem até ir mais longe. Querendo atacar a veneração dos santos, eles podem declarar que só Deus deve ser honrado.
      Ambas as declarações estão em contradição direta com a linguagem e os preceitos da Bíblia. O termo “culto” foi usado da mesma forma como a Bíblia que costumava ser usado em Inglês. Ele poderia abranger tanto a adoração dada somente a Deus ea honra que é para ser mostrado para certos seres humanos. Em hebraico, o prazo para a adoração é shakhah . É utilizado apropriadamente para seres humanos em um grande número de passagens.
      Por exemplo, em Gênesis 37:7-9 Joseph relaciona dois sonhos que Deus deu a ele a respeito de como sua família iria homenageá-lo nos próximos anos. Traduzido literalmente a passagem afirma: “‘[B] ehold, estávamos atando molhos no campo, e eis que o meu feixe se levantou e ficou em pé, e eis que os seus feixes se reuniram em volta dele, eo adoraram [ shakhah ] meu molho. ” Então ele … outro sonho, eo contou a seus irmãos, e disse: ‘Eis que tenho outro sonho, e eis que o sol, a lua, e onze estrelas estavam adorando [ shakhah ] me. ”
      Em Gênesis 49:2-27, Jacó pronuncia uma bênção profética sobre seus filhos, e sobre Judá, ele declarou: “Judá, teus irmãos te louvarão, sua mão será sobre o pescoço de teus inimigos, os filhos de teu pai se prostrarão [ shakhah ] você (49:8). ” E em Êxodo 18:07, Moisés honrou seu pai-de-lei, Jethro: “Moisés saiu ao encontro de seu pai-de-lei, e adoraram [ shakhah ] ele e beijou-o, e perguntaram um ao outro de seu bem-estar, e entrou na tenda. ”
      No entanto, nenhuma dessas passagens estavam discutindo o culto de adoração, o tipo de culto prestado a Deus.

      Honrando Santos
      Considere como honra é dado. Damos-lo regularmente para funcionários públicos. Nos Estados Unidos, costuma-se tratar de um juiz como “Your Honor”. Na cerimônia de casamento costumava-se dizer que a mulher iria “amar, honrar e obedecer” o marido. Cartas para os legisladores são tratados como “The Honorable So-and-So.” E apenas cerca de ninguém, vivo ou morto, que tem um grau elevado é considerado digno de honra, e isto é particularmente verdadeiro de figuras históricas, como quando as crianças são (ou pelo menos costumava ser) instruiu para homenagear os fundadores dos América.
      Essas práticas são totalmente bíblico. Estamos explicitamente ordenou em vários pontos da Bíblia para homenagear as pessoas certas. Um dos comandos mais importantes sobre este assunto é o comando de honrar nossos pais: “Honra teu pai e tua mãe, para que seus dias se prolonguem na terra que o Senhor teu Deus te dá” (Êxodo 20:12). Deus considerou este comando é tão importante que ele repetiu várias vezes na Bíblia (por exemplo, Lev. 19:03, Deut. 05:16, Matt. 15:04, Lucas 18:20, e Ef. 6:2-3 ). Também foi importante para dar honra a um de presbíteros em geral: “Você deve se levantar antes da cãs, e honrar o rosto de um homem velho, e temerás o teu Deus: Eu sou o Senhor” (Lev. 19:32 ). Também foi importante para homenagear especialmente os líderes religiosos: “Faça vestes sagradas para Arão, teu irmão [o sumo sacerdote], para dar-lhe dignidade e honra” (Ex. 28:2).
      O Novo Testamento sublinha a importância de respeitar os outros não menos do que o Antigo Testamento. O apóstolo Paulo ordenou: “Pagar todos os seus direitos, impostos a quem os impostos são devidos, a receita para quem a receita deve-se, respeito a quem se deve respeito, honra a quem honra é devida” (Rm 13:7). Ele também afirmou isso como um princípio em relação a empregadores de uma: “Escravos, obedecei aos vossos senhores terrenos, com temor e tremor, na sinceridade de coração, como a Cristo” (Efésios 6:05). “Que todos os que estão sob o jugo da escravidão consideram seus senhores dignos de toda honra, para que o nome de Deus ea doutrina não pode ser difamada” (1 Tm. 6:1). Talvez o comando mais amplo para honrar os outros é encontrada em 1 Pedro: “… Honrar todos os homens amam a irmandade Temei a Deus Honra ao imperador” (1 Pedro 2:17.).
      O Novo Testamento também salienta a importância de homenagear figuras religiosas. Paul falou sobre a necessidade de dar-lhes honra especial em 1 Timóteo: “Deixe o presbíteros [sacerdotes] que governam bem sejam tidos por dignos de dupla honra, especialmente os que labutam na pregação e no ensino” (1 Timóteo 5:17.). O próprio Cristo prometeu bênçãos especiais àqueles que honram os valores religiosos: “Quem recebe um profeta, porque ele é profeta, receberá a recompensa de profeta, e quem recebe um justo [santo], porque ele é um homem justo, receberá de um homem justo recompensa “(Mateus 10:41).
      Então, se não pode haver nada de errado com honrando a vida, que ainda têm uma oportunidade para arruinar suas vidas através do pecado, certamente pode haver nenhum argumento contra a dar honra aos santos cujas vidas são feitas e que acabou los em santidade. Se as pessoas devem ser honrados em geral, amigos especiais de Deus, certamente, deve ser honrado.

      Culto Statue?
      Pessoas que não sabem melhor às vezes dizem que os católicos estátuas de adoração. Não só isso não é verdade, é mesmo verdade que os católicos estátuas de honra. Afinal de contas, a estátua é nada além de um bloco de mármore esculpido ou um pedaço de gesso, e ninguém dá a honra de mármore ainda cortada da pedreira ou gesso ainda na tigela.
      O fato de que alguém se ajoelha diante de uma estátua para rezar não significa que ele está orando para a estátua, assim como o fato de que alguém se ajoelha com uma Bíblia em suas mãos para orar não significa que ele está adorando a Bíblia. Estátuas ou pinturas ou outros dispositivos artísticos são usados para lembrar à mente a pessoa ou coisa representada. Assim como é mais fácil de lembrar a mãe, olhando para a fotografia dela, por isso é mais fácil de recordar as vidas dos santos, olhando para as representações dos mesmos.
      O uso de estátuas e ícones para fins litúrgicos (em oposição aos ídolos) também tiveram um lugar no Antigo Testamento. Em Êxodo 25:18-20, Deus ordenou: “Farás também dois querubins de ouro, de ouro batido se você torná-los, nas duas extremidades do propiciatório Farás um querubim numa extremidade, eo outro querubim na. do outro lado, de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades Os querubins estenderão as suas asas por cima, que cobriam o propiciatório com suas asas, seus rostos um para o outro;. voltadas para o propiciatório deve a as faces dos querubins ser. ”
      Em Números 21:8-9, ele disse a Moisés: “Faça uma serpente de bronze, e configurá-lo em um poste, e todo aquele que for mordido, quando vê-lo, viverá.” Então Moisés fez uma serpente de bronze, e configurá-lo em um poste, e se um pouco serpente qualquer homem, ele olhava para a serpente de bronze e viver “. Isso mostra o uso cerimonial real de uma estátua (olhando para ele), a fim de receber uma bênção de Deus (a cura de picada de cobra). Em João 03:14, Jesus diz-nos que ele mesmo é o que a serpente de bronze representava, por isso foi uma representação simbólica de Jesus. Não havia nenhum problema com a estátua-Deus tinha ordenado que fosse feito, desde que as pessoas não adorá-lo. Quando o fizeram, o justo rei Ezequias tinha destruído (2 Rs. 18:04). Isto mostra claramente a diferença entre o uso religioso adequado de estátuas e idolatria.
      Quando chegou a hora de construir o Templo de Jerusalém, Deus inspirou os planos de Davi para ele, que incluiu “o seu plano para a carruagem de ouro dos querubins que abriram suas asas e cobrir a arca da aliança do Senhor. Tudo isso ele deixou claro pela escrita da mão do Senhor sobre ele, todo o trabalho deve ser feito de acordo com o plano “(1 Cr. 28:18-19).
      Em obediência a este plano divinamente inspirada, Salomão construiu duas gigantescas estátuas douradas de querubins: “No lugar santíssimo fez dois querubins de madeira e os cobriu de ouro As asas dos querubins em conjunto estendido de vinte côvados. Uma ala do um, de cinco côvados, tocava na parede da casa, e sua outra asa, de cinco côvados, tocava na asa do outro querubim, e deste querubim, uma asa, de cinco côvados, tocava na parede da casa, e a outra asa, também de cinco côvados, juntou-se à asa do primeiro querubim As asas destes querubins estendeu vinte côvados;.. os querubins se puseram em pé, de frente para a nave e ele fez o véu de azul, púrpura e carmesim tecidos de linho fino, e trabalhou querubins sobre ele “(2 Cr. 3:10-14).
      (Veja o trato Respostas Católica, os católicos Estatutos adoração? para mais informações.)

      Imitação é a forma bíblica de Honra
      A forma mais importante de honrar os santos, para a qual todas as outras formas estão relacionadas, é a imitação de-los em sua relação com Deus. Paulo escreveu extensivamente sobre a importância da imitação espiritual. Ele declarou: “Exorto-vos, portanto, que sejais meus imitadores Portanto vos enviei Timóteo, meu filho amado, e fiel no Senhor, para lembrá-lo dos meus caminhos em Cristo, como ensiná-los em todos os lugares, em todas as igrejas.” ( 1 Coríntios. 4:16-17). Mais tarde, ele disse ao mesmo grupo: “Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo vos encomendo, porque você se lembra de mim em tudo e manter as tradições assim como eu tenham entregue a você.” (1 Coríntios 11:1-2. ). O autor do livro de Hebreus também salienta a importância de imitar os verdadeiros líderes espirituais: “Lembre-se seus líderes, aqueles que vos pregaram a palavra de Deus, considerar o resultado de sua vida, e imitar a sua fé” (Hb 13:07 ).
      Veja Ricardo que uma das passagens mais importantes da imitação é encontrada em Hebreus. O capítulo 11 do livro, conhecido por “hall da fama” capítulo da Bíblia, apresenta inúmeros exemplos dos santos do Antigo Testamento para a nossa imitação. Conclui-se com a famosa exortação: “Portanto, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, vamos também deixar de lado todo o embaraço, eo pecado que se agarra tão de perto, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta “(00:01), a prova de que os santos têm executado antes de nós.

      Curtir

  7. Ricardo disse:

    “SANTA MARIA MÃE DE DEUS…”

    Maria, nunca foi e nunca será a mãe de Deus por um único motivo: DEUS JÁ EXISTIA ANTES DE MARIA NASCER.

    Deus já existia antes de tudo e de todos. É uma resposta tão simples, mas que é preciso ser fundamentada nas Letras Sagradas:

    1) Deus não nasceu. Deus é Criador e não criatura. “No princípio, CRIOU Deus, os céus e a terra.” (Genesis 1.1)

    2) Maria não é mãe de Deus porque ela era uma mera criatura: “criou, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou. homem e MULHER os criou.” (Genesis 1.27)

    3) Maria deu à luz ao Jesus homem e não ao Jesus SENHOR porque este foi a primeira Criação do PAI: “Este é a imagem do Deus invisível, o PRIMOGÊNITO DE TODA A CRIAÇÃO” (Colossenses 1.15)

    4) Maria não deu à luz ao Jesus Deus porque ele estava com o Criador no princípio, ERA O PRÓPRIO CRIADOR e foi participante na criação de todas as coisas:
    “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. ELE ESTAVA NO PRINCÍPIO COM DEUS. Todas as coisas foram feitas por intermédio Dele, e, SEM ELE, NADA DO QUE FOI FEITO SE FEZ.” (João 1.1)

    5. Confirmando a afirmação acima, Jesus (filho) juntamente com o Pai e o Espírito Santo, criaram o homem e por conseguinte, Maria, logo, jamais se pode afirmar que Maria é a mãe do Criador:

    “Disse pois Deus: FAÇAMOS o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança.” (Genesis 1.26)

    Note-se a presença do verbo no plural “FAÇAMOS”, indicando que Deus não estava sozinho quando criou o homem.

    6. Maria não foi a mãe de Jesus Deus porque ao tentar impor sua autoridade de mãe para o Senhor Jesus fazer algo em relação à falta do vinho, Ele a repreendeu dizendo, “o que tenho eu contigo, mulher?”

    “e tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: eles não têm mais vinho. E Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? ainda não é chegada a minha hora.” (João 2.4)

    Perceba que Jesus não falou:”mãe, o que tenho eu contigo?”, mas sim, “MULHER”, deixando claro que Maria não era a mãe do Senhor Jesus e que ela não poderia fazer intervir no seu Ministério.

    7. Por fim, Maria não é a mãe de Deus, porque ela mesma reconheceu sua condição de filha e disse aos serventes: “FAZEI TUDO O QUE ELE VOS DISSER”. (João 2.5)

    Se Maria fosse a mãe de Deus, ela assumiria naquele momento toda a autoridade, mandando a Jesus fazer tudo aquilo que ele deveria fazer. Porém, ela, na condição de FILHA e não de Mãe de Deus, deixou essa mensagem para o mundo: FAÇAM TUDO AQUILO QUE JESUS DISSER.

    Essa foi a mensagem de Maria para a humanidade. Devemos fazer tudo o que Jesus disse. E tudo o que Ele disse está escrito nos Evangelhos. Eis, portanto, algumas razões Bíblicas para refutar que Maria é a mãe de Deus. Ela foi a criação de Deus, a filha de Deus, assim como todos nós que fazemos parte da Sua criação.

    Curtir

    • Helen disse:

      Herege Ricardo,

      Vê bem seu erro e arrependa-se!

      Se Maria não é Mãe de Deus, Cristo é o que?

      Está a negar a divindade de Cristo? Está a dizer, assim como outros hereges refutados ha séculos atrás pela Igreja, que a Natureza de Jesus é separada da sua Natureza humana?

      Qdo Maria deu a luz à Jesus ele era um bebê comum e somente depois de nascer recebeu a sua natureza divina?

      Pára de dizer besteira!

      Curtir

      • rs. Existe um filme chamado: Maria, filha de seu filho. Uma coisa não exclui a outra. O problema é que nós só conhecemos os conceitos terrestres, então fica difícil aceitas as duas coisas, parece um conflito, mas segundo meu entendimento, o Ricardo está certo ao afirmar que Maria é filha de Deus, sendo Jesus também Deus, ela é filha de seu filho, mas não convém dizer que ela não é mãe de Cristo como a Helen explicou também.

        Curtir

        • EDMILSON disse:

          Refutando o argumento do Cânon Interno das Escrituras

          Alegação protestante

          “Se examinarmos as citações de dentro dos livros protocanônicos da Bíblia, torna-se claro que a própria Bíblia reflete seu próprio cânon. Para começar, os cinco primeiros livros da Bíblia, são atribuídos a Moisés e eles são imediatamente aceito por todos os judeus como tendo autoridade divina e estes livros são repetidamente citado como autoridade em toda a Escritura. O Livro de Josué também foi aceito porque Josué foi o sucessor de Moisés como foram os juízes que o seguiram. Os profetas posteriores citam os profetas anteriores. As citações do Novo Testamento de ambos os profetas anteriores e posteriores. São Paulo cita o Evangelho segundo Lucas. Pedro confirma os escritos de Paulo como Escrituras. Finalmente, o livro do Apocalipse cita muitas Escrituras. Por este exame de como a Escritura confirma Escritura, vemos que os livros protocanônicos afirmam o status autoritário e inspirado uns dos outros.”

          Resposta: Esse argumento tem a aparência de seguir do que é conhecido para o que não é conhecido, neste, começa com os primeiros cinco livros da Bíblia (cujo status ninguém nega) e baseia-se no Pentateuco para confirmar os outros livros da Escritura. Um exame mais atento revela algo muito diferente.

          Sim, o opositor começa com os livros de Moisés, Josué e Juízes de modo a dar a impressão de que irá continuar em ordem cronológica, mas o argumento então passa para os livros mais tardios, a fim de confirmar os livros anteriores e continua neste mesmo padrão até ao fim. A base para esse argumento não é na realidade os primeiros cinco livros da Bíblia; e sim II Pedro e o Livro do Apocalipse. II Pedro supostamente confirma os escritos paulinos. Os escritos paulinos, então, por sua vez, confirmam os Evangelhos. Os Evangelhos, então, supostamente confirmam os profetas posteriores, e os profetas posteriores confirmam os anteriores e todos eles citam os primeiros cinco livros de Moisés. Porém nenhuma justificação é dada para estabelecer a bona fides ou a confirmação de II Pedro ou Apocalipse!

          O argumento é, na verdade, muito pior. Vamos examiná-lo passo-a-passo, começando da conclusão e trabalhando em frente às premissas anteriores. O Livro do Apocalipse cita muitos dos profetas (especialmente Ezequiel e Daniel), mas que livros inspirados citam o Apocalipse? Como Apocalipse é geralmente considerado o último livro a ser escrito no Novo Testamento, nenhum livro do Novo Testamento pode confirmá-lo. II Pedro é usado pelo autor desta objeção para tentar confirmar os escritos de Paulo. II Pedro diz:

          “Reconhecei que a longa paciência de nosso Senhor vos é salutar, como também vosso caríssimo irmão Paulo vos escreveu, segundo o dom de sabedoria que lhe foi dado. É o que ele faz em todas as suas cartas, nas quais fala nestes assuntos. Nelas há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras.” (II Pedro 3, 15-16)

          Como o livro do Apocalipse, nada é citado para estabelecer o estado inspirado de II Pedro. Mesmo se admitirmos autenticidade de II Pedro, como sabemos quantos e quais escritos de Paulo, Pedro tinha em mente? Uma vez que eles não são nomeados, é impossível saber que “todas as suas cartas” são aquelas mesmas cartas que estão em nossas Bíblias. Quanto à citação de São Paulo ao Evangelho de Lucas, onde está a confirmação para os outros três Evangelhos ou das três cartas de João, I Pedro e Judas? E sobre eles, onde são confirmados?

          O argumento do cânon interno apenas afirma que o Evangelho de Lucas, as cartas de Paulo (do qual o número não sabemos nem sabemos se inclui o livro de Hebreus), II Pedro e Apocalipse (embora nenhuma prova é fornecida para confirmar estes dois livros). Claramente, este método não consegue produzir nenhum cânon idêntico ao atual, nem muito menos ao cânon protestante.

          A situação torna-se pior quando passamos para o Antigo Testamento. Vários livros protocanônicos do Antigo Testamento não são mencionados ou citados no Novo Testamento. Portanto, de acordo com a teoria de nosso opositor, eles também ficam desaparecidos no “cânon interno”. Logo se o Novo Testamento não cita nenhum destes livros, então sabemos que há vários livros a menos para confirmar os livros anteriores. Quando essa teoria estiver dita, feita e aplicada, o cânon das Escrituras não corresponderá nem ao cânon Católico, nem ao protestante, muito menos ao judaico.

          Os livros omitidos do pseudo “cânone interno” não são o único problema com este argumento. O Antigo e Novo Testamento citam os deuterocanônicos e se utilizam livros apócrifos que ninguém aceita. Por exemplo, o livro do Novo Testamento de Judas cita o Livro apócrifo de Henoc 1, 9.

          “Também Henoc, que foi o oitavo patriarca depois de Adão, profetizou a respeito deles, dizendo: Eis que veio o Senhor entre milhares de seus santos para julgar a todos e confundir a todos os ímpios por causa das obras de impiedade que praticaram, e por causa de todas as palavras injuriosas que eles, ímpios, têm proferido contra Deus.” (Judas 14-15)

          Se citação equivale a canonicidade, então o Livro de Henoc é canônico e deveria estar na Bíblia de todos. Certamente, ninguém diria tal coisa hoje.

          Se uma cotação é igual canonicidade, o que constitui uma citação? Será que uma citação tem que ser um jogo de palavra-por-palavra literalmente ou pode ser uma paráfrase? Será uma alusão prova suficiente para inspiração? Se sim, então como é que alguém descarta tantas alusões aos deuterocanônicos no Novo Testamento? Se uma alusão não confirma a inspiração, com que base é que alguém conta para determinar se uma referência de qualidade serve para confirmar a inspiração?

          Conclusão, o Espírito Santo não nos deu uma tabela inspirada de conteúdos para a Bíblia, nem nos deu um código interno pelo qual se pudesse reconstruir um cânon. Ao contrário, a revelação do Pai nos foi dada através da inspiração do Espírito Santo, e concedeu a Igreja pelo Filho. A Igreja não definiu o cânone por algum tipo de quebra-cabeça interno das escrituras, mas apenas recebe as Escrituras como parte do depósito da fé dado a ela por Cristo e os Apóstolos e propagado pela tradição da Igreja.

          Curtir

        • Ricardo disse:

          Leonardo

          eu não disse que Maria não é a mãe de Cristo, disse que ela não é a mãe de Deus. Leia minha resposta à d. Helen que vc vai entender. Deus criou todas as coisas, confira em Gênesis. Maria é criação de Deus e Deus não nasceu. Ele é auto existente.

          Curtir

      • Ricardo disse:

        – Está a negar a divindade de Cristo? Está a dizer, assim como outros hereges refutados ha séculos atrás pela Igreja, que a Natureza de Jesus é separada da sua Natureza humana?

        Resposta: Nao estou negando a divindade de Jesus. Antes de Jesus ser batizado por João Batista nas águas, ele era um homem comum e depois do Batismo Jesus recebeu o Espirito Santo, conforme atesta Mateus 3.16,17: “Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus e viu o Espirito Santo de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis que uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu filho amado em quem me comprazo”.

        Foi apenas após o batismo que Jesus assumiu sua forma DIVINA e iniciou seu ministério. Se a sra. contesta isso, me responda o que Jesus enquanto Deus fez durante todos os anos antes de ser batizado? Qual manifestação de Deus na vida de Jesus antes do batismo na água?

        – Qdo Maria deu a luz à Jesus ele era um bebê comum e somente depois de nascer recebeu a sua natureza divina?

        Resposta: Sim, Jesus era apenas um bebê e como disse na resposta anterior, somente após o batismo de João Batista, Jesus assumiu a forma Divina e iniciou seu Ministério. Portanto, é absurdo o dogma que ensina que Maria é “mãe de Deus” porque Deus não nasceu, Ele é o Criador de tudo e todos. Ao se afirmar que Maria é a mãe de Deus, atribui-se a Maria status de Deusa Mãe, estando num patamnar superior ao do Deus Vivo o que não é admitido no monoteísmo Cristão que crer num ÙNICO DEUS.

        Curtir

        • Helen disse:

          Ricardo,

          Vc diz:

          Nao estou negando a divindade de Jesus. Antes de Jesus ser batizado por João Batista nas águas, ele era um homem comum e depois do Batismo Jesus recebeu o Espirito Santo, conforme atesta Mateus 3.16,17: “Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus e viu o Espirito Santo de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis que uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu filho amado em quem me comprazo”.

          Isso é uma heresia!! Um erro doutrinário que só poderia ter saído do Livre exame da bíblia!

          Deus nos proteja!!!

          Curtir

          • Ricardo disse:

            Se é heresia o que eu disse, responda a minha pergunta:

            me mostre na Biblia o que Jesus fez antes do batismo do João Batista, em outras palavras, mostre-me na BIBLIA, a natureza divina de Jesus antes do batisma nas águas…
            ————————————————

            RESPOSTA DO BLOG

            Prezado Sr Ricardo,

            É heresia sim! Vou provar isso agora Pela Bíblia, claro, que é a Revelação Divina.

            Prepare-se para ter suas vendas desatadas e retiradas dos seus olhos, quem diria, por uma católica!!

            Em João 1 aprendemos quem é Deus:

            1. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.

            O verbo era DEUS.

            14. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.

            Eu repito: O Verbo (DEUS) FEZ-SE CARNE ( Encarnou) e Habitou entre Nós. Quem encarnou e habitou entre nós em carne? O Cristo, o Filho do Deus vivo. Amém!

            Diga-me, Sr Advogado da Livre interpretação da Bíblia: Até quando o sr pretende sair por ai dizendo que Jesus nasceu como um homem qualquer e só se tornou divino por causa do Batismo no Rio Jordão?

            Quer ver outras provas da Divindade de Cristo? São Paulo também nos confirma isso:

            6.Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus,
            7. mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. Filipenses 2,6-7

            Ricardo, o Sr parece ter falhado em perceber uma coisa que até mesmo os Judeus incrédulos entenderam: Ao afirma que era o Filho de Deus, Jesus Cristo estava, de fato, afirmando sua Igualdade com Deus. Ora, Deus que é Divino NÃO pode ser Pai de um filho não Divino! Pode um gato dar cria a um coelho?

            18. Por isso, as autoridades dos judeus tinham mais vontade ainda de matar Jesus, porque, além de violar a lei do sábado, chegava até a dizer que Deus era seu Pai, fazendo-Se assim igual a Deus

            Antes que o sr argumente mais uma besteira, eu lhe informo do seguinte: nós, Cristãos, somos filhos de Deus por Adoção, enquanto os judeus não eram filhos, mas o povo escolhido.

            5. Ele nos predestinou para sermos seus filhos adoptivos por meio de Jesus Cristo, conforme a benevolência da sua vontade, ( Efésios 1, 5)

            Veja bem que S. Paulo diz que Cristo era de Condição Divina. Não diz que Ele se tornou divino ou estava divino ( por causa do batismo ou seja lá o que for) mas disse: Sendo de Condição Divina.

            A Línguistica prova meu ponto. São Paulo usou o verbo SER e não Estar

            “Ser”: uma condição permanente, inata, fixa, imutável, uma definição.
            “Estar”: uma condição provisória, temporária, que pode ser mudada.

            Portanto, Sr. Ricardo, se sua humildade lhe permitir, pode voltar aqui para admitir que estava em erro. E quando o fizer, quem sabe não aproveita para refletir se esse era o seu único erro, ou se por acaso há outros que o sr desconhece ou não quer admitir.

            Pax Domini

            Helen

            Curtir

            • Helen disse:

              Prezado Sr Ricardo,

              É heresia sim! Vou provar isso agora Pela Bíblia, claro, que é a Revelação Divina.

              Prepare-se para ter suas vendas desatadas e retiradas dos seus olhos, quem diria, por uma católica!!

              Em João 1 aprendemos quem é Deus:

              1. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.

              O verbo era DEUS.

              14. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.

              Eu repito: O Verbo (DEUS) FEZ-SE CARNE ( Encarnou) e Habitou entre Nós. Quem encarnou e habitou entre nós em carne? O Cristo, o Filho do Deus vivo. Amém!

              Diga-me, Sr Advogado da Livre interpretação da Bíblia: Até quando o sr pretende sair por ai dizendo que Jesus nasceu como um homem qualquer e só se tornou divino por causa do Batismo no Rio Jordão?

              Quer ver outras provas da Divindade de Cristo? São Paulo também nos confirma isso:

              6.Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus,
              7. mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. Filipenses 2,6-7

              Ricardo, o Sr parece ter falhado em perceber uma coisa que até mesmo os Judeus incrédulos entenderam: Ao afirma que era o Filho de Deus, Jesus Cristo estava, de fato, afirmando sua Igualdade com Deus. Ora, Deus que é Divino NÃO pode ser Pai de um filho não Divino! Pode um gato dar cria a um coelho?

              18. Por isso, as autoridades dos judeus tinham mais vontade ainda de matar Jesus, porque, além de violar a lei do sábado, chegava até a dizer que Deus era seu Pai, fazendo-Se assim igual a Deus

              Antes que o sr argumente mais uma besteira, eu lhe informo do seguinte: nós, Cristãos, somos filhos de Deus por Adoção, enquanto os judeus não eram filhos, mas o povo escolhido.

              5. Ele nos predestinou para sermos seus filhos adoptivos por meio de Jesus Cristo, conforme a benevolência da sua vontade, ( Efésios 1, 5)

              Veja bem que S. Paulo diz que Cristo era de Condição Divina. Não diz que Ele se tornou divino ou estava divino ( por causa do batismo ou seja lá o que for) mas disse: Sendo de Condição Divina.

              A Línguistica prova meu ponto. São Paulo usou o verbo SER e não Estar

              “Ser”: uma condição permanente, inata, fixa, imutável, uma definição.
              “Estar”: uma condição provisória, temporária, que pode ser mudada.

              Portanto, Sr. Ricardo, se sua humildade lhe permitir, pode voltar aqui para admitir que estava em erro. E quando o fizer, quem sabe não aproveita para refletir se esse era o seu único erro, ou se por acaso há outros que o sr desconhece ou não quer admitir.

              Pax Domini

              Helen

              Curtir

    • Ricardo disse:

      Edmilson,

      Voce citou o meu nome. Tentei ler o seu texto até o fim e nao consegui. A propósito: eu dou um prêmio a quem conseguir ler o que você escreve do inicio até o fim.

      Seja mais objetivo, meu caro!

      Curtir

  8. Alessandra disse:

    Helen, te admiro pela coragem, principalmente pela paciência e serenidade com que responde a questionamentos as vezes grosseiros e ofensivos, outros com uma pseudo-gentileza trasbordante de veneno. É muito difícil convencer alguem. Voce me convenceu com seus argumentos. Os protestantes nunca vão aceitar Maria. Fato. Nem nós temos que aceitar o comercio de salvação que as igrejas protestantes praticam. Isso eles nao comentam.

    Curtir

    • EDMILSON disse:

      MEU CARO RICARDO POR FAVOR MEU AMIGO A IGREJA CATÓLICA NÃO SE RESUME SOMENTE NUM LIVRO

      OLHA VAI UM CONSELHO ESTUDE A PATRÍSTICA E A HISTÓRIA PRIMITIVA POR NO MINIMO 8 ANOS DE ESTUDOS

      E DEPOIS ESTUDE POR NO MINIMO 8 ANOS OS IDIOMAS PRINCIPAIS ONDE SE ENCONTRAM AS TRADUÇÕES AS LINGUAGENS E OS COSTUMES

      RENATO DEPOIS VOCÊ ESTUDA O QUE É FONTE HISTÓRICA E O QUE É TESTEMUNHAS OCULARES COM FATOS VERÍDICOS LADO A LADO COM A GEOLOGIA E COM A ARQUELOGIA

      DEPOIS VOCÊ ESTUDE A CIÊNCIA DAS LETRAS E DOS COSTUMES

      AÍ SIM DEPOIS DE VOCÊ ESTUDAR TUDO ISSO COM CERTEZA VOCÊ VAI PARAR DE FALAR ASNEIRAS E VAI COMEÇAR A ENTENDER O QUE É A PATRÍSTICA VAI POR MIM RENATO ESTUDAR HISTÓRIA EM NET PELA WIKIPEDIA E ESTUDAR EM SITES PROTESTANTES É FURADA

      EM VEZ DE VOCÊ VIRAR UM DOUTOR
      VOCÊ VIRA UM GRANDE MENTIROSO
      POIS PROTESTANTES TEM FABULAS E ESTORIAS

      ISSO EU TI ASSEGURO COM TODA CERTEZA DO MUNDO
      E APOSTARIA COM VOCÊ O QUE VOCÊ QUISER
      MAS COM ASSINATURA EM CARTÓRIO
      POIS NÃO JOGO CONVERSA FORA EU DIGO APOSTO E PROVO
      EM NOME DA VERDADE

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      RICARDO VOCÊ SÓ FALA PAPAGAIADA

      VAI UM CONSELHO LEIA COM MAIS ATENÇÃO

      A BÍBLIA DO NOVO TESTAMENTO!

      QUE OS BISPOS E PADRES DA IGREJA SELECIONOU.

      E OUTRA RICARDO ANALFABETO!

      ME DIGA QUAL DAS 50 MIL SEITAS VOCÊ REPRESENTA AQUI NO BRASIL?

      AS IGREJAS DA PROSPERIDADE?

      OU AS IGREJAS QUE NEGAM JESUS CRISTO DEUS?

      OU AS IGREJAS DA MACONHA OU AS IGREJAS GLS?

      ME DIGA RICARDO?

      VOCÊ É TÃO LEIGO E ANALFABETO
      QUE NEM SABE O QUE É IDOLATRIA?

      VOCÊ É TÃO LEIGO E TÃO ANALFABETO
      QUE SE A BÍBLIA FOSSE CONTRA IMAGENS ELA JAMAIS DARIA REFERENCIAS A ELAS SEJA NOS TEMPLOS E EM MAIS DE 78 PASSAGENS!

      VOCÊ É MUITO MANÉ RICARDO.

      A BÍBLIA JÁ PROFETIZAVA OS FALSOS PASTORES NOS FINAIS DOS TEMPOS E VOCÊ É UM TRISTE EXEMPLO DISSO.

      Curtir

  9. Helen disse:

    Olá Leonardo,

    Exatamente, a bíblia não se contradiz. Por isso é importante entende-la corretamente para evitar confusões como a sua.

    O Edmilson enviou algumas passagens onde podemos ver que a prostração – que aliás é algo excepcionalmente incomum, até na tradição católica, que na verdade costuma praticar a Genuflexão, uma coisa completamente diferente da prostração – não necessariamente significa o ato de adorar.

    Os protestantes adeptos da Interpretação privada são como ovelhas sem um pastor. Falo com eles o tempo todo, e dependendo da denominação – ou não denominação – cada um tem uma opinião “infalível” sobre exatamente o mesmo assunto, a mesma passagem. Minha pergunta, sempre sem resposta, é a seguinte: qual deles está verdadeiramente inspirado pelo Espírito de Deus? Pois o Espirito Santo não pode levar duas ou mais pessoas a ter um entendimento diferente do mesmo tema? Pode? O que o sr acha?

    O ponto é o seguinte: Idolatria é pecado. Mas o que é idolatria? Não é fazer ídolos? Então, Leonardo. Alguém que se prostra diante de um objeto porque acha que aquele objeto tem poder, que é um deus, etc… Esta pessoa está criando para si um ídolo, é um idólatra. Isso acontece nas religiões da Índia, no induísmo. No catolicismo isto não acontece. Ponto final. Quem não aceita este fato legitima o ditado de que diz: “Somente os tolos não mudam de opinião!” … Infelizmente.

    Eu publiquei um texto baseado nesta nossa discussão. Já o havia mencionado no meu último comentário. Neste texto cito documentos escritos da Igreja onde está claramente explicado a aversão do Catolicismo à idolatria.

    AQUI

    Leia mais sobre o tema da prostração aqui.

    Pax Domini

    Curtir

    • Helen, quem tem sua boca diz o que quer, não é mesmo? Algumas pessoas já sabem tudo, eu só sou um discípulo de Cristo. Mais uma vez repito que não vim falar de religião. Se você segue uma religião, ok. Eu sigo a cristo, tento ser imitador dele.

      A bíblia fala que nem todo aquele que chama Jesus de mestre vai pro céu, e acrescenta dizendo que muitos dos que as pessoas nem imaginavam entrando no céu, vão entrar, e muitos dos que as pessoas tinham certeza de que entrariam, não entrarão. Portanto, não serei eu a dizer quem está com a interpretação segundo o espírito santo de Deus. Só Ele pode conhecer os nossos corações.

      Eu posso te falar no meu nível mais profundo de intelecto, e ser lindo e inspirador, mas posso estar sendo hipócrita com o que verdadeiramente o meu espírito é. Falamos publicamente coisas corretas e coerentes, mas nossas ações, vontades, pensamentos e omissões nos definem para Deus.

      Humilha-te para Deus, reconhece a tua pequenez diante da sabedoria infinita do criador. Ninguém nessa terra pode conhecer tudo de Deus. No fim, Ele mesmo revelará as coisas ocultas (diz ele). Desculpa não dar continuidade exatamente na linha que você propôs, vejo que me levaria a fazer rótulos religiosos, comparações a acabariamos chateados um com o outro. Nós não precisamos disso Helen. Se temos algo em comum que pode nos unir – Jesus Cristo, abracemos essa intercessão literal. Amor ágape é para isso. 😉

      Curtir

      • Helen disse:

        Muito bem, Leonardo!! Continue a imitar a Cristo. Falando nisso, como vai a leitura de “Imitação de Cristo” de Tomás Kempis?

        Quanto à sua observação; Não, eu não sigo à nenhuma religião. Sigo à Cristo, tal e qual o sr. A minha religião, entretanto, ensina-me sobre Cristo. Ensina-me como seguí-lo e imitá-lo.

        Veja bem, ai parece estar seu erro… mais um! – Sua definição de religião, tal e qual sua definição da palavra idolatria (que no seu entendimento parece ser sinônimo de prostração) está equivocada:

        Leia:

        A etimologia tradicional faz derivar a palavra religião do latim: religio, religare [religar, ligar bem], o que nos permite afirmar que a religião é, assim, uma ligação entre os homens.

        A religião pode, portanto, definir-se como um sistema de crenças [dogmas] e de práticas relativos ao sentimento da divindade [ou realidade sagrada] e que une na mesma comunidade moral [ por exemplo, a Igreja] todos aqueles que a ela aderem.

        Toda a religião se funda sobre uma revelação, cuja condição histórica pode ser a história exemplar de um povo [ex. Judaísmo], ou de um profeta, cujos ensinamentos e modelo ideal de vida são conservados pela tradição, sobretudo oral [ex. Islaminsmo, Cristianismo].

        Leonardo, seguir a Cristo é ser Cristão. Ser cristão é fazer parte do Cristianismo. Sua religião é Cristianismo. Se vc concorda com isso ou não, não importa. Não vou discutir o óbvio. Seria como discutir com alguém que chama de pedra, um pedaço de pau. A pedra é pedra, não vai deixar de sê-lo porque alguém decidiu chamá-la de pau!

        Neste sentido, eu sou Católica. Mas eu, como você, sigo à Cristo. Não uma religião!

        Paz

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        Leonardo é fato que a Bíblia condena a adoração a imagens, e por isso alguns protestantes usam esses trechos bíblicos para apoiar suas afirmações contraditórias.

        Leonardo veja que há uma diferença entre ídolos (imagens que são adoradas como se fossem deuses) e imagens que servem como uma lembrança e inspiração para as pessoas. Então, o fato de nós católicos utilizarem imagens não significa que nós somos idólatras (adoram as imagens como se fossem deuses). Quem faz isso, segundo a doutrina católica, não é católico.

        Leonardo se fosse proibido fazer imagens jamais em hipótese alguma a bíblia faria referências a ela> Agora se você vim me dizer que existem passagens bíblicas que proíbem a fazer imagens e outras em que Deus ordena que se faça imagens concordaria com você. Pois Deus pode se contradizer?
        Nós cristãos acreditamos que não, então deve haver uma explicação para isso, e vamos observar o que a bíblia diz para ter essa explicação. Caso não acredite na explicação, o que resta é a conclusão de que Deus se contradisse, o que nenhum cristão pode acreditar.

        No primeiro exemplo Deus ordena que uma serpente seja construída para que qualquer pessoa que olhasse para ela fosse curada. No momento esta serpente não era adorada, apenas a tinham como um instrumento de livramento que o seu Deus havia ordenado. Só a partir do tempo em que davam a essa serpente adoração e glória devidas a Deus que ela foi destruída. O mesmo se pode dizer dos anjos na arca e das imagens que tinha no tempo.

        Ele tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã. (2Reis 18:4)

        O que está implícito aí é que a serpente foi preservada pelos que sucederam Moisés, como Josué, em tempos posteriores. Nesse caso, o problema não foi a confecção da imagem que foi ordenada pelo próprio Deus, mas a adoração como se fosse um Deus.

        Agora Leonardo outro exemplo interessante são as imagens que estavam no templo, que, segundo a bíblia, eram revestidas de ouro (1Reis 6:21,22). Adiante o livro relata que:
        E no oráculo fez dois querubins de madeira de oliveira, cada um da altura de dez côvados. E uma asa de um querubim era de cinco côvados, e a outra asa do querubim de outros cinco côvados; dez côvados havia desde a extremidade de uma das suas asas até à extremidade da outra das suas asas. Assim era também de dez côvados o outro querubim; ambos os querubins eram de uma mesma medida e de um mesmo talhe. A altura de um querubim era de dez côvados, e assim a do outro querubim. E pôs a estes querubins no meio da casa de dentro; e os querubins estendiam as asas, de maneira que a asa de um tocava na parede, e a asa do outro querubim tocava na outra parede; e as suas asas no meio da casa tocavam uma na outra. E revestiu de ouro os querubins. E todas as paredes da casa, em redor, lavrou de esculturas e entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, por dentro e por fora. Também revestiu de ouro o soalho da casa, por dentro e por fora. E à entrada do oráculo fez portas de madeira de oliveira; o umbral de cima com as ombreiras faziam a quinta parte da parede. Também as duas portas eram de madeira de oliveira; e lavrou nelas entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, os quais revestiu de ouro; também estendeu ouro sobre os querubins e sobre as palmas. (1Reis 6:23:32)
        Os Querubins tinham 10 cúbitos, sendo que cada cúbito possui 50cm! Até mesmo o véu tinha Querubins 2Cr 3:7. Nas crônicas relata que tinha também animais:
        Fez também o mar de fundição, de dez côvados de uma borda até a outra, redondo, e de cinco côvados de altura; cingia-o ao redor um cordão de trinta côvados. E por baixo dele havia figuras de bois, que cingiam o mar ao redor, dez em cada côvado, contornando-o; e tinha duas fileiras de bois, fundidos juntamente com o mar. E o mar estava posto sobre doze bois; três que olhavam para o norte, três que olhavam para o ocidente, três que olhavam para o sul e três que olhavam para o oriente; e o mar estava posto sobre eles; e as suas partes posteriores estavam todas para o lado de dentro. (2Cronicas 4:2-4)
        Leonardo o que podemos compreender nisso tudo é que o que Deus proíbe é a idolatria, que é diferente de veneração.

        Por isso que logo quando criticam a Igreja Católica dizendo que Deus condena a idolatria eu digo que é verdade, o problema é: o que é idolatria? Qual a definição bíblica de idolatria?

        Por isso fica um dilema para os que dizem que Deus condena a simples confecção de imagens: Ou Deus se contradisse, ou mentiu. A pessoa que acredita nisso não pode, de hipótese alguma, ser considerada cristã, pois para os cristãos Deus não pode mentir nem se contradizer. A única saída é acabar com o preconceito sobre a confecção de imagens e admitir que o que Deus proíbe é a adoração delas como se fossem um deus, o que se vê pelo contexto das proibições. Se não fosse isso, Deus não teria dado sua benção sobre o templo como a bíblia relata:
        E sucedeu que, saindo os sacerdotes do santuário, uma nuvem encheu a casa do SENHOR. E os sacerdotes não podiam permanecer em pé para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a casa do SENHOR. (1Reis 8:10,11)
        É bom lembrar que a questão aqui não é o objetivo das imagens, mas se todo e qualquer tipo de imagem são proibidos por Deus. Se Deus abominasse, não teria enchido a casa com sua glória garantindo a aprovação de tudo que foi feito.

        Alguns se utilizam de subterfúgios como o dicionário para dizer que veneração tem o mesmo significado de adoração. Ora, a definição do dicionário é superior a definição bíblica? Além disso, o dicionário atribui o mesmo significado para “amar” e “honrar”, então Deus teria mandado os filhos adorar os pais?

        Quando não conseguem condenar o uso de imagens pela bíblia, com seu preconceito infundado, algumas pessoas apelam para a afirmação de que os cristãos primitivos não faziam o uso de imagens, o que é mentira. Qualquer um que observar as catacumbas cristãs primitivas vai perceber que eles faziam sim o uso de imagens, como se pode ver em pesquisas sobre as catacumbas cristãs. Esse é um dos vários motivos que se faz concluir que os cristãos primitivos eram mais católicos que protestantes, além das doutrinas que seguiam.

        E mais Leonardo é importante citar que a reforma protestante inicialmente não condenou o uso de imagens, já que como observamos, não é algo anti-biblico. Eles tratavam de outras questões como a justificação do cristão, por exemplo. Com o passar do tempo e o aumento do preconceito e implicância com o catolicismo, além da falta de conhecimento bíblico devido à Sola Scriptura (afinal, qualquer um poderia ler e concluir o que bem entendesse já que, segundo eles o Espírito Santo os inspiraria e daria entendimento), os protestantes criaram esse clichê anti-católico de que os católicos adoram imagens. Com essa atitude de ignorar a importância das imagens no cristianismo, algumas pessoas têm agido com extrema falta de respeito em outras ocasiões do culto que merecem reverência.

        Quero destacar, também, que quando se olha uma imagem não é para venerá-la, como se ela pudesse ver. A bíblia fala claramente que estátuas não ouvem, tocam ou enxergam. O que se faz é lembrar-se da pessoa retratada. Ninguém considera idólatra um filho que ama a mãe e vive recordando seu exemplo através de seu retrato (que é uma imagem), seria idolatria se o filho adorasse a mãe como se fosse o Deus criador do universo.

        É fato também que algumas pessoas dão honras exageradas aos santos, entretanto esse não é o ensino católico. Vários afirmam que os padres poderiam acabar com esse tipo de atitude apenas afirmando que não se deve adorar aos santos, e é o que fazem. Quanto a alguns que não conhecem piamente sua doutrina, é bom lembrar que Deus não leva em conta o tempo de ignorância. Por essas e outras razões que ainda serão apresentadas, não se deve julgar o todo por causa de uma pequena parte.

        Um exemplo desse julgamento é o que ocorre por conta do sincretismo religioso. É verdade que algumas pessoas atribuem os mesmos santos cristãos a divindades pagãs, como alguns “católicos” fazem? É verdade. Esse sincretismo ocorreu inicialmente com os negros, que, para poderem praticar seus cultos livremente, identificaram suas divindades aos santos cristãos. Mas isso não quer dizer que a doutrina da igreja permite. É verdade que alguns padres apóiam essa atitude? Também é verdade, mas isso acontece até mesmo no protestantismo com pastores que apóiam atitudes totalmente anti-cristãs, e quando não apóiam são coniventes com essa situação.

        Também desde os primórdios do cristianismo houve pessoas que implantavam heresias, e os lideres não estavam livres disse. Portanto, assim como não devemos dizer que todos os evangélicos pisam no sangue de Cristo quando fazem sacrifícios vãos e apóiam doutrinas contrárias à própria escritura, também não devemos julgar toda a igreja católica por conta de uma pequena parte (pois isso ocorre principalmente no nordeste do Brasil). Por conta disso alguns objetam que o uso de imagens leva a idolatria. Isso algumas vezes é verdade, como a bíblia mostra que aconteceu com o povo de Israel, mas nem por isso Deus condenou a sua fabricação, principalmente na arca e no templo. Assim como as musicas muitas vezes levam a idolatrar os músicos e alguns pregadores são exaltados nas alturas, mas não se deixa de fazer musica e pregar devido seu beneficio.

        Além dessas situações relatadas na bíblia, é bom lembrar que ela fala de formasiguais que apresentam objetivos diferentes. Para que entenda melhor essa questão, pode-se lembrar de musicas com um mesmo ritmo, tocadas por instrumentos idênticos, mas com mensagens totalmente opostas. Algumas fazem apologia à violência, enquanto outras trazem mensagens de paz. Ou um médico que abre o corpo para salvar uma vida e um psicopata que o faz por prazer mórbido. Ambos possuem a mesma forma (abrir um corpo ou possuir o mesmo ritmo), mas têm objetivos diferentes.

        As situações narradas pelas escrituras são semelhantes. Alguns se ajoelham para venerar, como forma de respeito e veneração (1 Reis 1:16; 2 Samuel 14:4; 1 Reis 18:7; Rute 2:10), outros como adoração a ídolos ou a Deus.

        Pedro foi prudente falar para o homem que se ajoelhou diante dele pois sua cultura era essencialmente idólatra. João se prostrou diante do Anjo para adorar, o anjo disse para adorar a Deus. O versículo diferencia a forma do objetivo. Assim como o medico abre um corpo para salvar vidas e outro faz o mesmo para matar, João fez com o objetivo errado. Isso faz total sentido pois o anjo não o exortou porque se ajoelhou, mas por causa do objetivo de adorar.

        Saibas Leonardo que nem sempre se adora ajoelhado, ou se ajoelha adorando. Por isso, como observamos, na cultura judaica, se prostrar não é necessariamente adorar. Por esses motivos a forma (ajoelhar) não se configura sempre ao mesmo objetivo, que pode ser venerar, adorar ou até mesmo fazer zombaria.

        Idolatria, como foi visto não é confeccionar imagens como lembrança ou respeito, mas tratar a criatura como se fosse o criador. Caso os protestantes que defendem isso levassem essa distorção da verdade a sério, e não apenas como preconceito (isso porque nem todos cometem esse erro), não teriam fotos, lembranças artesanais ou até mesmo imagens nos livros que falam contra imagens.

        Nesse ponto, não se pode continuar ir de encontro a verdade e afirmar que confeccionar qualquer tipo de escultura é adoração e é condenado por Deus, mas apenas a idolatria, que nem sempre se dá com imagens esculturais.

        Em suma: Deus proíbe os ídolos, não as imagens. Tanto que ordenou que dois anjos fossem postos na arca e que Salomão (seu escolhido para construir o templo) colocou várias imagens de tamanho consideráveis no Templo, atitude que foi aprovada por Deus. Por isso Leonardo qualquer pessoa honesta intelectualmente deve pensar duas vezes antes de chamar os católicos de idólatras e considerar qualquer imagem um ato de idolatria.

        Curtir

        • Helen disse:

          Obrigada pela participação Edmilson.

          Para aqueles que não leram o texto que eu publiquei ontem, aqui vai o que diz o Catecismo da Doutrina Cristã na versão emitida no pontificado de S Pio X:

          180- Quais são os principais pecados contra a religião?

          Os principais pecados contra a religião são a adoração de falsos deuses ou ídolos e a doação a qualquer criatura que seja a honra que pertence a Deus somente.

          184 – É proibido dar honra divina ou adoração aos anjos e santos?

          Sim, é proibido dar honra divina ou adoração aos anjos e santos, pois isso pertence à Deus somente.

          187 – Rezamos às relíquias ou imagens?

          Nós não oramos à relíquias e imagens. Estas não podem ver, ouvir, nem nos ajudar. (Catecismo da Doutrina Cristã, Papa São Pio X)

          Para aqueles abertos a conhecerem a verdade, assistam ao vídeo do Padre Wilson Salazar pregando a Palavra de Deus contra a Idolatria

          Curtir

          • EDMILSON disse:
            HELEN VEJA AQUI O PEDAÇO DA APOLOGIA de S. João Damasceno CONTRA os que condenam imagens sagradas. Com a convicção sempre presente da minha própria indignidade, eu deveria ter mantido silêncio e confessou minhas falhas diante de Deus, mas todas as coisas são boas no momento certo. Eu vejo a Igreja que Deus fundada sobre os Apóstolos e dos Profetas, a sua pedra de esquina sendo Cristo, Seu Filho, jogou em um mar revolto, batido pelas ondas correndo, agitado e preocupado com os ataques de espíritos malignos. Vejo rendas na túnica inconsútil de Cristo, que os ímpios têm procurado separamos, e seu corpo cortado em pedaços, isto é, a palavra de Deus ea tradição antiga da Igreja. Portanto, tenho julgado que não é razoável manter o silêncio e para segurar minha língua, tendo em mente a advertência Escritura: – “Se tu retiras-te, minha alma não se deleitarão em ti”, (Hb 10,38) e “Se vires [ 2] que vem a espada e não avisar dost teu irmão, vou exigir o seu sangue da tua mão. ” (. Cf. Ez 33,8) medo, então, obrigou-me a falar, a verdade era mais forte do que a majestade dos reis. “Eu prestou testemunho a Ti perante os reis,” Eu ouvi o real * David dizendo, “e eu não tinha vergonha.” (Sl 119,46) Não, eu era o mais incitado a falar. Comando do rei é todo poderoso sobre seus súditos. Para alguns homens foram até agora encontrados, que, embora reconhecendo o poder do rei terreno que vir de cima, têm resistido a suas exigências ilegais. Em primeiro lugar, agarrando-se como uma espécie de pilar, ou fundação, o ensinamento da Igreja, que é a nossa salvação, eu abri o seu significado, dando, por assim dizer, as rédeas a um carregador bem ajaezados. † Para eu olhar para ela como uma grande calamidade que a Igreja, adornada com seus grandes privilégios e os mais sagrados exemplos de santos no passado, deve voltar para os primeiros rudimentos, e do medo, onde não há medo. É desastroso para supor que a Igreja não conhece a Deus como Ele é, que ela se degenera em idolatria, pois se ela declina da perfeição [3] em um único iota, é como uma marca duradoura em um rosto formoso, destruindo por sua unsightliness a beleza do todo. Uma coisa pequena não é pequeno quando se leva a algo grande, nem mesmo é uma coisa, não importa de dar-se a antiga tradição da Igreja realizada pelos nossos antepassados, cuja conduta devemos observar, e cuja fé devemos imitar. Em primeiro lugar, então, antes de falar com você, eu peço Deus Todo-Poderoso, a quem todas as coisas estão abertos, quem sabe minha pequena capacidade e minha intenção genuína, para abençoar as palavras da minha boca, e para permitir-me refrear minha mente e não dirigi-lo a Ele, para andar em Sua presença diretamente, recusando-se a uma mão plausível direita, nem saber a esquerda. Então, peço a todos o povo de Deus, os escolhidos do Seu sacerdócio real, com o pastor do rebanho santo ortodoxo de Cristo, que representa em sua própria pessoa sacerdócio de Cristo, para receber meu tratado com gentileza. Eles não devem habitar em minha indignidade, nem procurar para a eloqüência, porque eu sou apenas muito consciente dos meus defeitos. Eles devem considerar os próprios pensamentos. O reino dos céus não consiste em palavras, mas em atos. Conquista não é meu objetivo. I [4] levantar a mão que está lutando pela verdade – uma mão disposta sob a orientação divina. Baseando-se, então, sobre a verdade substancial, como meu auxiliar, eu vou entrar no meu assunto. Tomei atenção às palavras da Verdade Ele mesmo: – “O Senhor teu Deus é um só.” (Dt 6,4) e “medo Tu o Senhor, teu Deus, e só a ele servirás, e não terás estranho, deuses”. (Dt 6,13) Mais uma vez, “Não farás para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, ou embaixo na terra” (Ex 20,4), e “Sejam confundidos todos os que adoram coisas de escultura. ” (Sl 97,7) Mais uma vez, “Os deuses que não fizeram os céus ea terra, deixá-los perecer.” (Jr 10,11) Desta forma falou Deus antigamente aos patriarcas através dos profetas e, finalmente, através de Seu Filho unigênito, por conta do qual Ele fez as idades. Ele diz: “Esta é a vida eterna, que te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, ea Jesus Cristo, a quem enviaste.” (Jo 17,3) Eu acredito em um Deus, a fonte de todas as coisas, sem começo, incriada, imortal, eterno, incompreensível, incorpóreo, invisível, incircunscrito * sem forma. Eu acredito em um supersubstancial [5] ser, uma divindade divina em três entidades: o Pai, o Filho, eo Espírito Santo, e eu adoro-o sozinho com o culto de latreia. Eu adoro um Deus, um Deus, mas três pessoas, Deus Pai, Deus Filho se fez carne, e Deus o Espírito Santo, um só Deus. Eu não adoro criação mais do que o Criador, mas eu adoro a criatura criada como eu sou, adotando criação livre e espontânea que pudesse elevar nossa natureza e nos fazer participantes de Sua natureza divina. Juntamente com o meu Senhor e Rei Eu adorá-lo vestido com a carne, e não como se fosse uma peça de roupa ou Ele constituiu uma quarta pessoa da Trindade – Deus me livre. Que a carne é divino, e perdura após a sua suposição. A natureza humana não se perdeu no Supremo, mas apenas como o Verbo feito carne permaneceu a Palavra, então a carne se tornou a Palavra carne restante, tornando-se, ao invés, um com a Palavra através da união ( kaq upostasin ). Por isso atrevo-me a desenhar uma imagem do Deus invisível, não como invisível, mas como tendo se tornado visível por nós através de carne e sangue. Eu não desenhar uma imagem da divindade imortal. Eu pinto a carne visível de Deus, pois é impossível representar [6] um espírito ( yuch ), quanto mais Deus, que dá fôlego para o espírito. Agora adversários dizem: Deus ordena a Moisés o legislador foram: “Tu adoro te adorar o Senhor, teu Deus, e só tu, e tu não fazer para ti uma coisa de escultura, que está nos céus acima, ou na terra abaixo “. Eles erram verdadeiramente, não conhecendo as Escrituras, porque a letra mata, enquanto o espírito vivifica – não encontrar na carta o significado oculto. Eu poderia dizer a essas pessoas, com justiça, Ele quem te ensinou isso ensinar-lhe o seguinte. Ouça a interpretação do legislador em Deuteronômio: “E o Senhor falou com você a partir do meio do fogo Você ouviu a voz de suas palavras, mas você não viu qualquer forma em tudo.”. (Dt 4,12) E logo depois: “Manter as vossas almas com cuidado Você não viu qualquer semelhança no dia em que o Senhor Deus lhe falou em Horebe, do meio do fogo, talvez com medo de ser enganado você pode fazer de você uma similitude de escultura. , ou a imagem de macho e fêmea, à semelhança de quaisquer animais que estão sobre a terra, ou de aves que voam debaixo do céu. ” (Dt 4,15-17) E ainda: “Para que, talvez, levantando-se os teus olhos para [7] céu, tu ver o sol ea lua, e todas as estrelas do céu, e sendo enganados por erro tu adorar e servir-lhes . ” (Dt 4,19) Você vê uma coisa a ser destinado a não é adorar uma coisa criada mais do que o Criador, nem para dar o culto de latreia exceto para ele sozinho. Pela adoração, conseqüentemente, Ele sempre entende o culto de latreia. Para, mais uma vez, Ele diz: “Não terás outros deuses além de mim Tu não deverás fazer para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma Tu não adorá-los, e tu não atendê-los, pois eu sou o Senhor.. teu Deus. ” (Dt 5,7-9) E novamente, “derrubar os seus altares, e quebrar suas estátuas; seus bosques queimareis a fogo, e quebrar os seus ídolos em peças para não te adorar um deus estranho.”. (Dt 12,3) E um pouco mais adiante: “Não farás para ti deuses de metal.” (Ex. 34,17) Você vê que Ele proíbe imagem de decisões sobre a conta de idolatria, e que é impossível fazer uma imagem do infinito, Deus, incircunscrito invisível. Você não viu a semelhança daquele, diz a Escritura, e este foi o testemunho de São Paulo, enquanto ele estava no meio do Areópago: “Sendo, portanto, [8], a geração de Deus, não devemos supor que a divindade se semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, o graving de arte e imaginação do homem. ” (Atos 17,29) Essas liminares foram dadas aos judeus por causa de sua propensão à idolatria. Agora nós, pelo contrário, não estão mais em cadeias líderes. Falando teologicamente, é dado a nós para evitar o erro supersticioso, para estar com Deus no conhecimento da verdade, para adorar a Deus sozinho, para desfrutar a plenitude do Seu conhecimento. Nós passamos a fase da infância, e alcançou a perfeição da masculinidade. Nós recebemos o nosso hábito de espírito de Deus, e sabe o que pode ser trabalhada e que não pode. A Escritura diz: “Você não viu a semelhança daquele.” (Ex. 33,20) Que sabedoria no legislador. Como descrever o invisível? Como imaginar o inconcebível? Como dar expressão para o ilimitado, o imensurável, o invisível? Como dar uma forma a imensidão? Como a imortalidade pintura? Como localizar mistério? É claro que quando você contempla a Deus, que é um espírito puro, tornando-se o homem para o seu bem, você será capaz de vesti-lo com a forma humana. Quando o Invisível se torna visível à carne, então você pode desenhar uma semelhança da sua forma [9]. Quando Ele, que é um espírito puro, sem forma e sem limite, imensurável na imensidão de sua própria natureza, existindo como Deus, toma para si a forma de servo em substância e em estatura, e um corpo de carne, então você pode desenhar Sua semelhança, e mostrá-lo para alguém disposto a contemplá-lo. Retratar Sua condescendência inefável, Seu nascimento virginal, Seu batismo no Jordão, sua transfiguração no Tabor, seus todo-poderosos sofrimentos, sua morte e milagres, as provas de sua divindade, as obras que ele trabalhou na carne através do poder divino, Sua Cruz salvadora, Seu Sepulcro, e ressurreição, e ascensão ao céu. Dê a ele toda a paciência de gravura e de cor. Não tenho medo ou ansiedade; adoração não é tudo do mesmo tipo. Abraão adorava os filhos de Emmor, homens ímpios na ignorância de Deus, quando ele comprou a caverna de casal para um túmulo. (Gn 23,7; Atos 7.16) Jacob adorou seu irmão Esaú e Faraó, o egípcio, mas no ponto de sua equipe. * (Gn 33,3) Ele adorou, ele não adorar. Josué e Daniel adoravam um anjo de Deus; (Jos 5,14) eles não o adoram. O culto de latreia é uma coisa, ea adoração que é dada para merecer [10] outro. Agora, como estamos falando de imagens e de adoração, vamos analisar o significado exato de cada um. Uma imagem é uma semelhança da original com uma certa diferença, pois não é uma reprodução exata do original. Assim, o Filho é a vida, Imagem, substancial imutável do Deus invisível (Cl 1,15), tendo em si mesmo o Pai todo, sendo em tudo igual a ele, diferindo apenas em ser gerado pelo Pai, que é o Criador , o Filho é gerado. O Pai não procede do Filho, mas o Filho do Pai. É por meio do Filho, embora não depois dele, que Ele é o que é, o Pai que gera. Em Deus, também, há representações e imagens de seus atos futuros,-isto é, o Seu conselho desde toda a eternidade, que é sempre imutável. O que é divino é imutável, não há mudança nele, nem sombra de mudança. (Tiago 1.17) Bendito Denis, (o cartuxo [isto é, Pseudo-Dionísio]), que tornou as coisas divinas na presença de Deus seu estudo, diz que essas representações e imagens são marcadas com antecedência. Nos Seus conselhos, Deus observou e se estabeleceram tudo o que Ele faria, os eventos futuros imutáveis ​​antes de se passar. Da mesma forma, um homem que desejava [11] construir uma casa que primeiro fazer e pensar em um plano. Mais uma vez, as coisas visíveis são imagens das coisas invisíveis e intangíveis, em que eles lançam uma luz fraca. Roupas Sagrada Escritura em figura de Deus e dos anjos, e que o mesmo homem santo (Bendito Denis) explica o porquê. Quando as coisas sensatas suficientemente tornar o que é além do senso, e dar uma forma ao que é intangível, um meio imperfeito seria contada de acordo com o nosso padrão, se não representa totalmente a visão material, ou se exigiu um esforço da mente. Se, portanto, a Sagrada Escritura, que prevê a nossa necessidade, nunca colocar diante de nós o que é intangível, roupas em carne, não é fazer uma imagem do que é investido, assim, com a nossa natureza, e trouxe para o nível de nossos desejos, mas invisível? Uma certa concepção através dos sentidos, assim, ocorre no cérebro, que não estava presente anteriormente, e é transmitido para a faculdade judicial, e adicionado ao armazenamento mental. Gregory, que é tão eloquente sobre Deus, diz que a mente, que é definido em cima ir além coisas corpóreas, é incapaz de fazê-lo. Porque os atributos invisíveis de Deus, desde a criação do mundo se tornam visíveis por meio de imagens. (Rm 1.20) Vemos imagens em [12] criação, que nos lembram vagamente de Deus, como quando, por exemplo, falamos da Santíssima Trindade e adorável, imaginada pelo sol, ou luz, ou raios ardentes, ou por um execução fonte, ou um rio cheio, ou pela mente, fala, ou o espírito dentro de nós, ou por uma árvore rosa, ou uma flor brotando, ou uma fragrância doce. Mais uma vez, uma imagem é expressiva de algo no futuro, misticamente sombreamento adiante o que está para acontecer. Por exemplo, a arca representa a imagem de Nossa Senhora, Mãe de Deus, * o mesmo acontece com o pessoal eo pote de barro. A serpente traz diante de nós Aquele que na Cruz venceu a picada da serpente original, o mar, a água, ea nuvem a graça do batismo. (I Coríntios. 10.1) Mais uma vez, as coisas que aconteceram são expressos por imagens para a memória ou de um milagre, ou uma honra, ou desonra, ou bem ou mal, para ajudar aqueles que olham para ele depois de tempos que podem evitar males e imitar a bondade. É de dois tipos, a imagem escrito nos livros, como quando Deus tinha o direito inscrito em comprimidos, e quando ele ordenou que as vidas de homens santos devem ser registradas e memoriais sensatas ser preservado em [13] lembrança, como, por exemplo, , a jarra de barro e os funcionários na arca. (Ex. 34,28;. Heb 9,4) Então, agora nós preservar, por escrito, as imagens e as boas ações do passado. Ou, então, tirar fotos e ser completamente fora de sintonia com Deus, que fez estes regulamentos, ou recebê-los com a língua e da maneira que convém a eles. Ao falar da maneira vamos entrar na questão da adoração. A adoração é o símbolo de veneração e de honra. Vamos entender que existem diferentes graus de adoração. Primeiro de tudo o culto de latreia, que vamos mostrar a Deus, o único que, por natureza, é digno de adoração. Quando, por causa de Deus, que é de adoração pela natureza, honra que os Seus santos e servos, como Josué e Daniel adoravam um anjo, e David Seus lugares sagrados, quando diz: “Vamos para o lugar onde seus pés têm resistido . ” (Sl 132,7) novamente, em sua tendas, como quando todos os filhos de Israel adorava na tenda, e de pé em volta do templo em Jerusalém, fixando o seu olhar sobre ela de todos os lados e adorando a partir desse dia até hoje, ou em os governantes estabelecido por ele, como Jacob prestou homenagem a Esaú, seu irmão mais velho, (Gn 33,3) e para Faraó, o [14] governante divinamente estabelecido. (Gn 47,7) Joseph era adorado por seus irmãos. (Gn 50,18) Estou ciente de que a adoração foi baseado em honra, como no caso de Abraão e os filhos de Emmor. (Gn 23,7) Ou, então, acabar com a adoração, ou recebê-lo totalmente de acordo com a sua medida apropriada. Responda-me esta pergunta. Há um só Deus? Você responde: “Sim, há apenas um Legislador.” Por que, então, ele comandar coisas contrárias? Os querubins não estão fora da criação, por que, então, ele permite querubins esculpidos pela mão do homem para ofuscar a misericórdia scat-? Não é evidente que, como é impossível fazer uma imagem de Deus, que é incircunscrito e impassível, ou de um gosto de Deus, a criação não deve ser adorado como Deus. Ele permite que a imagem dos querubins que estão circunscritos, e prostrado em adoração diante do trono divino, a ser feita, e, assim, prostrado a ofuscar o propiciatório. Convinha que a imagem dos coros celestiais deve ofuscar os mistérios divinos. Você diria que a arca e pessoal e propiciatório não foram feitas? São [15] não produziram pela mão do homem? Não são devido ao que vocês chamam de matéria desprezível? Qual foi o próprio tabernáculo? Não foi uma imagem? Não foi um tipo e uma figura? Daí as palavras do Apóstolo Santo sobre as observâncias da lei: “Quem vos servir de exemplo e sombra, de coisas celestiais”. Como foi respondido a Moisés, quando ele estava para terminar o tabernáculo: “Veja” (Ele diz), “que faças todas as coisas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte.” (Hb 8,5;. Ex 25,40) Mas a lei não era uma imagem. É envolta da imagem. Nas palavras do mesmo Apóstolo, “a lei contém a sombra dos bens para vir, não a imagem dessas coisas.” (Hb 10,1) Porque, se a lei deve proibir imagens, e ainda assim ser-se um precursor de imagens, o que devemos dizer? Se o tabernáculo era uma figura, e do tipo de um tipo, por que a lei não proíbe imagem de decisões? Mas este não é, no mínimo o caso. Há um tempo para tudo. (Eclesiastes 3.1) De idade, Deus o incorpóreo e incircunscrito nunca foi retratado. Agora, no entanto, quando Deus é visto vestido de carne, e conversando com os homens, (Bar. 3,38) Eu faço uma imagem do Deus a quem eu vejo. Não adoro a matéria, I [16] adorar o Deus da matéria, que se tornou matéria por minha causa, e se dignou habitar a matéria, que elaboraram a minha salvação através da matéria. Eu não deixará de honrar essa matéria que trabalha a minha salvação. Venero-lo, embora não como Deus. Como Deus poderia nascer de coisas inanimadas? E se o corpo de Deus é Deus por união ( kaq upostasin ), é imutável. A natureza de Deus permanece a mesma de antes, a carne criado no tempo é vivificado por uma alma lógica e raciocínio. Eu honra toda a matéria, além disso, e venerá-lo. Através dela, preenchidos, por assim dizer, com um poder divino e graça, minha salvação veio para mim. Não foi a madeira três vezes feliz e abençoada três vezes do assunto Cruz? Não foi a montanha sagrada e santa de matéria Calvário? O que dizer da vida-dando rocha, o Santo Sepulcro, a fonte de nossa ressurreição: não foi isso importa? Não é o livro mais sagrado do assunto Evangelhos? Não é o assunto da tabela abençoada que nos dá o pão da vida? Não são o assunto de ouro e prata, dos quais cruzes e altar-plate e cálices são feitas? E, antes de todas essas coisas, não é o corpo eo sangue de nosso Senhor importa? Ou acabar com a veneração [17] e culto devido a todas estas coisas, ou submeter-se a tradição da Igreja, na adoração de imagens, honrar a Deus e Seus amigos, e seguindo essa a graça do Espírito Santo. Não despreze a matéria, pois não é desprezível. Nada é o que Deus fez. Essa é a heresia maniqueísta. Isso por si só é desprezível, que não vem de Deus, mas é a nossa própria invenção, a escolha espontânea de vontade para ignorar a lei natural, – isto é, o pecado. Se, portanto, você desonra e desistir de imagens, porque eles são produzidos pela matéria, consideram que a Escritura diz: E o Senhor falou a Moisés, dizendo: “Eis que eu tenho chamado por Beseleel nome, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá. E o enchi com o espírito de Deus, de sabedoria e de entendimento, e do conhecimento em todos os tipos de trabalho. Para conceber tudo quanto pode ser artificialmente feito de ouro e prata, e de bronze, de mármore e pedras preciosas, e variedade de madeira. e eu dei-lhe o seu companheiro, Ooliab, filho de Achisamech, da tribo de Dã. E pus sabedoria no coração de cada homem habilidoso, que pode fazer todas as coisas que te ordenei. ” (Ex. 31,1-6) [18] E ainda: “Moisés disse a toda a congregação dos filhos de Israel: Esta é a palavra que o Senhor ordenou, dizendo:. Separe com vocês primeiros frutos ao Senhor Que cada um que está disposta e tem um coração pronto, oferecê-los ao Senhor, ouro e prata, eo bronze, violeta e roxo, e escarlate duas vezes tingido, e linho fino, pêlos de cabra, e peles de carneiro morreu vermelho e violeta, peles coloridas , selim de madeira e óleo para manter as luzes e fazer pomada, e incenso mais doce, pedras de ônix, e pedras preciosas para o adorno do éfode eo Todo aquele que racional. de você é sábio, venha, e fazer o que o Senhor ordenou “. (Ex. 35,4-10) Veja aqui a glorificação da matéria que você faz inglório. O que é mais insignificante do que o cabelo de cabra ou de cores? Não são vermelho e roxo e cores jacinto? Agora, considere o trabalho manual do homem tornando-se a semelhança dos querubins. Como, então, você pode fazer a lei pretexto para desistir do que manda? Se você chamá-lo contra as imagens, você deve guardar o sábado, e praticam a circuncisão. É certo que “se você observar a lei, Cristo não vos aproveitará. Você que são justificados na lei, [19] são caído em desgraça.” (Gl 5,2-4) Israel de velho não viu Deus, mas “vemos o rosto do Senhor glória a face”. (IICor. 3.18) Nós proclamamos Ele também pelos nossos sentidos em todos os lados, e santificar o sentido mais nobre, que é o da visão. A imagem é um memorial, apenas o que as palavras são de um ouvido atento. O que um livro é para os alfabetizados, que uma imagem é o analfabeto. A imagem fala à vista como palavras ao ouvido, que nos traz a compreensão. Por isso, Deus ordenou a arca para ser feita de madeira incorruptível, e para ser dourado dentro e por fora, e os comprimidos para ser colocado na mesma, e os funcionários ea urna de ouro contendo o maná, para uma memória do passado e um tipo de futuro. Quem pode dizer que estes não eram imagens e muito sonantes arautos? E eles não estão pendurados nas paredes do tabernáculo, mas em vista de todas as pessoas que olhou para eles, eles foram trazidos para a frente para o culto e adoração a Deus, que fez uso deles. É evidente que eles não eram adorados por si mesmos, mas que as pessoas foram levadas por eles para lembrar os sinais do passado, e para adorar o Deus de maravilhas. Eram imagens para servir de lembranças, não divinos, mas levando a coisas divinas pelo poder divino. [20] E Deus ordenou 12 pedras de ser retirado do Jordão, e especificou o motivo. Pois ele diz: “Quando teu filho te perguntar o significado dessas pedras, diga a ele como a água deixou a Jordan pela ordem divina, e como a arca foi salvo e todo o povo.” (Jos 4,21-22) Como, então, não devemos gravar na imagem as dores de poupança e maravilhas de Cristo nosso Senhor, de modo que quando o meu filho me pergunta, “O que é isso?” Posso dizer, que Deus, o Verbo se fez homem, e que por causa dele não só Israel passou pela Jordânia, mas toda a raça humana ganhou sua felicidade original. Por meio dele a natureza humana surgiu das profundezas da terra mais elevados do que os céus, e na sua pessoa sentou-se no trono de Seu Pai havia preparado para ele. Mas o adversário diz: “Faça uma imagem de Cristo ou de sua mãe, que lhe deu ( thV qeotokou ) e deixar que seja suficiente. ” Ó que loucura é essa! Em sua própria exibição, que são absolutamente contra os santos. Porque, se você faz uma imagem de Cristo e não dos santos, é evidente que você não renegar imagens, mas a honra dos santos. Você faz estátuas de Cristo, como de fato de uma glorificado, enquanto você [21] rejeitar os santos como indigno de honra, e verdade chamada uma falsidade. “Eu vivo”, diz o Senhor , “e eu glorificarei os que me glorificará.” (I Sm 2,30). E o Apóstolo divino: portanto, agora ele não é um servo, mas filho. “E se um filho, um herdeiro também através de Deus.” (Gl 4,7) Mais uma vez, “Se sofremos com Ele, que também pode ser glorificado:” (Rm 8,17) você não está travando uma guerra contra as imagens, mas contra os santos. São João, que repousava sobre o peito, diz que “seremos semelhantes a Ele” (I Jo 3,2).: Assim como um homem pelo contato com o fogo se torna fogo, não por natureza, mas por contato e pela queima e pela participação, assim é, eu entendo, com a carne do Filho de Deus crucificado. Que a carne, por participação através da união ( kaq upostasin ) com a natureza divina, era imutável Deus, não em virtude da graça de Deus, como foi o caso de cada um dos profetas, mas pela presença do Chefe Fonte mesmo. Deus, diz a Escritura, estava na sinagoga dos deuses, (Sl 82,1) para que os santos, também, são deuses. Santo Gregório toma as palavras: “Deus está no meio dos deuses”, para significar que Ele discrimina seus vários méritos. Os santos em sua vida foram cheios do Espírito Santo, e quando eles são [22] não mais, Sua graça permanece com seus espíritos e com seus corpos em suas tumbas, e também com suas semelhanças e imagens santas, não por natureza, mas pela graça e poder divino. Deus ordenou David de lhe edificar um templo através de seu filho, e para preparar um lugar de descanso. Salomão, na construção do templo, fez os querubins, como o livro dos Reis diz. E ele abrangeu os querubins de ouro, e todas as paredes em um círculo, e ele tinha os querubins esculpidos, e as palmas das mãos para dentro e para fora, em um círculo, e não a partir dos lados, seja observada. E havia touros e leões e romãs. (I Rs. 6,28-29) Não é mais conveniente para decorar todas as paredes da casa do Senhor, com formas de santos e imagens, em vez de com os animais e as plantas? Onde está a lei que declara “Não farás imagem de escultura”? Mas Salomão receber o dom da sabedoria, o céu de imagem, fez os querubins e as semelhanças de touros e leões, que a lei proibia. Agora, se fizermos uma estátua de Cristo, e semelhanças dos santos, não serem cheios do Espírito Santo aumentar a piedade da nossa homenagem? Como então as pessoas eo templo foram purificados no sangue e em holocaustos, (Hb 9.13) Portanto, agora o sangue [23] de Cristo dando testemunho sob Pôncio Pilatos, (I Tm. 6.13) e sendo ele próprio o primeiro fruto da mártires, a Igreja é edificada sobre o sangue dos santos. Em seguida, os sinais e formas de animais sem vida imaginei diante do tabernáculo humano, a quem eles próprios mártires estavam se preparando para a morada de Deus. Nós retratar Cristo como nosso Rei e Senhor, e não privá-lo de seu exército. Os santos constituem o exército do Senhor. Deixe o rei terreno demitir seu exército antes que ele desiste de seu Rei e Senhor. Deixe-o colocar fora do roxo antes de ele tomar honra longe de seus homens mais valentes que conquistaram suas paixões. Porque, se os santos são herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, (Rm 8,17) serão também participantes da glória divina de soberania. Se os amigos de Deus ter tido uma parte nos sofrimentos de Cristo, como eles não devem receber uma parte de Sua glória, mesmo na terra? “Eu chamo você não servos,” nosso Senhor diz: “vocês são meus amigos.” (Jo 15,15) Deveríamos, então, privá-los da honra dada a eles pela Igreja? Que audácia! Que ousadia de espírito, para lutar contra Deus e seus mandamentos! Você, que se recusam a adorar imagens, não adorar o Filho de [24] Deus, a imagem viva do Deus invisível, (Col. 1,15) e Sua forma imutável. Eu adoro a imagem de Cristo como Deus encarnado, a de Nossa Senhora ( thV qeotokou ), a Mãe de todos nós, como a Mãe do Filho de Deus, que os santos como os amigos de Deus. Eles resistiram pecado até o sangue, e seguiram a Cristo em derramar seu sangue por Ele, que derramou Seu sangue por eles. Eu coloquei no registro as excelências e os sofrimentos daqueles que andaram em seus passos, para que eu me santifico, e ser demitido com o zelo de imitação. São Basílio diz: “Honrar a imagem leva para o protótipo.” Se você levantar igrejas para os santos de Deus, aumentar também seus troféus. O templo de idade não foi construída em nome de qualquer homem. A morte do justo era uma causa de lágrimas, não de festa. Um homem que tocou um cadáver era considerada impura, (Nm 19,11), mesmo se o cadáver era o próprio Moisés. Mas agora as lembranças dos santos são mantidos com regozijo. O corpo de Jacob foi chorado, enquanto há alegria sobre a morte de Stephen. Portanto, ou dar-se as comemorações solenes dos santos, que não estão de acordo com a lei antiga, ou aceitar imagens que são [25] também contra ela, como você diz. Mas é impossível não manter com alegria as memórias dos santos. Santos Apóstolos e dos Padres são unânimes em enjoining-los. Desde o momento em que Deus, o Verbo se fez carne, Ele é como nós em tudo, exceto no pecado, e de nossa natureza, sem confusão. Ele tem deificado nossa carne para sempre, e nós estamos de fato muito santificados pela sua divindade e da união de sua carne com ele. E a partir do momento que Deus, o Filho de Deus, impassível em razão de sua divindade, escolheu sofrer voluntariamente Ele acabou com a nossa dívida, pagando também para nós um resgate mais completa e nobre. Estamos verdadeiramente livre através do sangue sagrado do Filho intercedendo por nós junto ao Pai. E estamos realmente entregues a partir de corrupção, já que Ele desceu ao inferno para as almas lá detidos através de séculos (I Ped. 3,19) e deu os cativos a sua liberdade, a vista aos cegos, (Mt 12,29) e acorrentar a mais forte. * Ele subiu na plenitude de seu poder, mantendo a carne de imortalidade que Ele tinha tomado para nós. E já que nasceu de novo da água e do Espírito, somos verdadeiramente filhos e herdeiros de Deus. Daí São Paulo chama os fiéis [26] santo; (. Coríntios 1.2), portanto, nós não lamentam, mas se alegra com a morte dos santos. Estamos, então, não mais sob a graça, (Rm 6,14), sendo justificados pela fé, (Rm 5.1) e conhecer o Deus único e verdadeiro. O homem só não é obrigado pela lei. (I. Tim. 1,9) Nós não são de propriedade da letra da lei, nem nos servir como crianças, (Gl 4,1), mas cresceu na propriedade perfeita do homem que são alimentados com alimentos sólidos, e não sobre o que conduz à idolatria. A lei é boa como uma luz que brilha em lugar escuro, até que as quebras de dia. Seus corações já foram iluminados, a água viva do conhecimento de Deus foi executado ao longo dos mares tempestuosos do paganismo, e todos nós podemos conhecer a Deus. A criação era antigo passou, e todas as coisas são renovadas. O santo Apóstolo Paulo disse a São Pedro, o chefe dos Apóstolos: * “Se você, sendo um judeu, vive como um pagão e não um judeu, como você vai convencer os pagãos a fazer como os judeus fazem” (Gl 2.14) e aos Gálatas: “Eu vou dar testemunho de cada homem circuncidado que é salutar para cumprir toda a lei.” (Gl 5,3) De anos eles que não conhecem a Deus, adoravam deuses falsos. Mas agora, conhecendo a Deus, ou melhor, ser conhecido por Ele, como podemos [27] retorno a rudimentos descalços e nus? (Gl 4,8-9) Tenho olhado para a forma humana de Deus e minha alma foi salva. Eu contemplo a imagem de Deus, como fez Jacó (Gn 32,30), embora de uma maneira diferente. Jacob soou a nota do futuro, vendo com vista imaterial, enquanto a imagem daquele que é visível a carne é queimada em minha alma. A folha de sombra e sinuoso e as relíquias dos apóstolos curada, a doença ea colocar demônios em fuga. (Atos 5.15) Como, então, não será a sombra e as estátuas dos santos ser glorificado? Ou acabar com a adoração de toda a matéria, ou não ser um inovador. Não perturbe os limites de séculos, colocou-se por seus pais. (Prov. 22,28) Não é apenas por escrito que eles nos legaram a tradição da Igreja, mas também em certos exemplos não escritas. No livro vigésimo sétimo de sua obra, em 30 capítulos dirigida a Amphilochios sobre o Espírito Santo, São Basílio diz: “No ensino acarinhados e dogmas da Igreja, temos algumas coisas por documentos escritos, outros que recebemos em mistério da tradição apostólica “. Ambos são de igual valor para o crescimento da alma. Ninguém vai disputar esta que considerou até mesmo um pouco do [28] disciplina da Igreja. Para se negligenciarmos costumes não escritos, como não ter muito peso nos enterrar no esquecimento os fatos mais relevantes relacionados com o Evangelho. Estas são as palavras do Basil Grande. Como sabemos que o lugar Santo do Calvário, ou o Santo Sepulcro? Não descansar em uma tradição passada de pai para filho? Está escrito que o nosso Senhor foi crucificado no Calvário, e enterrado em um túmulo, que Joseph cortou da rocha; (Mt 27,60), mas é tradição não escrita que identifica esses pontos, e faz mais coisas do mesmo tipo. De onde vêm os três imersões no batismo, orando com o rosto virado para o leste, e da tradição dos mistérios? * Assim diz São Paulo: “Portanto, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, quer por palavra, quer por epístola nossa. ” (II Tess. 2,15) Como, então, muito tem sido transmitida na Igreja, e é observada até os dias de hoje, por denegrir imagens? Se você apresentar certas práticas, não inculpar nossa adoração de imagens, mas a adoração de pagãos que os tornam ídolos. Porque pagãos fazem isso tolamente, este [29] não é motivo de recusa para a nossa prática piedosa. Se os magos e feiticeiros mesmo usar súplica, faz assim a Igreja com catecúmenos, o ex-invocar os demônios, mas a Igreja apela a Deus contra os demônios. Pagãos levantaram-se imagens de demônios, a quem eles chamam de deuses. Agora temos os criou para o Deus Encarnado, a Seus servos e amigos, que são a prova contra as hostes diabólicas. Se, novamente, você objetar que as grandes Epifânio completamente rejeitado imagens, eu diria que, em primeiro lugar o trabalho em questão é fictícia e inautêntica. Tem o nome de alguém que não escrevê-lo, o que costumava ser feito normalmente. Em segundo lugar, sabemos que bem-aventurado Atanásio opôs-se os corpos de santos sendo colocadas em caixas, e que ele preferia seu enterro na terra, desejando fixada em zero a estranho costume dos egípcios, que não enterrar os seus mortos sob a terra, mas defini-los em camas e sofás. Assim, supondo que ele realmente escreveu este trabalho, os grandes Epifânio, querendo corrigir algo do mesmo tipo, ordenou que as imagens não devem ser usados. A prova de que ele não fez objeção às imagens, encontra-se em sua igreja [30] própria, que é adornada com imagens para este dia. Em terceiro lugar, a exceção não é uma lei para a Igreja, nem uma andorinha não faz verão, como parece Gregório, o Teólogo, e para a verdade. Nem pode uma expressão derrubar a tradição de toda a Igreja que está espalhada por todo o mundo. Aceitar, portanto, o ensino da Escritura e escritores espirituais. Se a Escritura faz chamar ” os ídolos pagãos de prata e ouro, e as obras da mão do homem, “(Sl 135,15) não proíbe a adoração de coisas inanimadas, ou obra do homem, mas a adoração de demônios. Temos visto que os profetas adoravam os anjos e os homens, e os reis, e os ímpios, e até mesmo uma equipe. David diz: “E você adora escabelo de seus pés.” (Sl 99,5) Isaias, falando em nome de Deus, diz: “Os céus são o meu trono, ea terra estrado dos meus pés.” (Is. 66,1) Agora, é evidente para todos que os céus ea terra são criadas as coisas. Moisés, também, e Arão com todas as pessoas adoraram o trabalho de mãos. São Paulo, o Golden gafanhoto * da Igreja, diz em sua Epístola aos Hebreus: “Mas Cristo, tendo vindo, um sumo sacerdote do bem [31] não as coisas que virão, por um tabernáculo maior e mais perfeito feito à mão, “que” não é desta criação. ” E, novamente, “Para Jesus não entrou num dos Santos feitos por mãos, os padrões do verdadeiro,., Mas no próprio céu” (Hb 9.11, 24) Assim, as primeiras coisas santas, o tabernáculo, e tudo dentro dele, foram feitos por mãos, e ninguém nega que eles foram adorados. TESTEMUNHO autêntico de antigos Padres A FAVOR DE IMAGENS. St Denis, o Areopagita. De sua carta ao bispo Tito. Em vez de anexar a concepção comum de imagens, devemos olhar para o que eles simbolizam, e não desprezes a marca divina e caráter que eles retratam, como imagens sensíveis de visões misteriosas e celestial. Comentário ., Mark que ele nos adverte para não desprezar as imagens sagradas. O mesmo “, sobre os nomes de Deus.” Temos tomado a mesma linha. Por um lado, através da linguagem velada da Escritura e com a ajuda da tradição oral, as coisas intelectuais são entendidos através de entes sensíveis, e [32] coisas acima da natureza por parte das coisas que são. Formas são dadas para o que é imaterial e sem forma, e perfeição imaterial está vestida e multiplicadas em uma variedade de diferentes símbolos. Commentary.-se que seja um bom trabalho para vestir com tamanho e forma, de acordo com o nosso padrão, o que é sem forma, sem forma e sem consistência, como não devemos fazer imagens de nós mesmos, da mesma forma das coisas percebidas através da forma e forma, para que possamos tê-los em mente, e ser transferido para imitar o que eles representam. O mesmo, sobre a “hierarquia eclesiástica.” Agora, se as substâncias ( ousiai ) e ordens acima de nós, de que já fizemos menção reverente, estão sem corpos, sua hierarquia é sentido intelectual e superior. Nós fornecemos a variedade de símbolos sensíveis a ordem visível, o que está de acordo com a nossa própria medida. Esses símbolos sensíveis nos levar naturalmente a concepção intelectual, a Deus e Seus atributos divinos. Mentes espirituais formar suas próprias concepções espirituais, mas somos levados a visão divina por imagens sensíveis. [33] Comentário .-Se, então, ser racional que somos levados à visão divina por imagens sensíveis, e se a Divina Providência com misericórdia roupas em forma e imagem que é sem tanto para nosso benefício, o que há indecorosa sobre imagens , de acordo com a nossa capacidade, Ele que graciosamente disfarçou para nós em forma e forma? Uma tradição que chegou até nós que Angaros, o rei de Edessa, foi elaborado com veemência ao amor divino por ouvir de nosso Senhor, * e que ele enviou emissários para pedir Sua semelhança. Se esta foi recusada, eles foram ordenados para ter uma semelhança pintado. Então, Ele, que é onisciente e todo-poderoso, é dito ter tomado uma tira de pano, e pressionando-o para o seu rosto, ter deixado Sua semelhança sobre o pano, que mantém até hoje. Sermão de São Basílio na Mártir São Barlam, início: “Em primeiro lugar, a morte dos santos.” Levanta-te, você pintores renomados de atos corajosos que estabelecidos pela sua arte uma imagem fraca do General. Meu louvor do vencedor louro-coroado é fraca comparada com as cores do seu pincel [34]. Vou desistir de escrever sobre as excelências do mártir quem você coroado. Alegro-me com a vitória ganhou a-dia por sua força. Contemplo a mão posta a as chamas, mais poderosamente tratados por você. Eu vejo a luta mais claramente representado na sua estátua. Deixe que os demônios se enfureceu mesmo agora, superado por excelências do mártir que você revelar. Que a mão poderosa ser novamente estendido para a vitória. Que Cristo, nosso Senhor, o juiz supremo da guerra, aparecem na imagem. A ele seja a glória para sempre e sempre. Amen. Do mesmo, a partir dos trinta capítulos a Amphilochios, no Espírito Santo. Cap. xviii. A imagem do rei também é chamado de rei, e não há dois reis em conseqüência. Nem é poder dividido, nem glória distribuído. assim como o poder reinar sobre nós é um, assim é a nossa homenagem um, não muitos, e a honra dada à imagem remonta ao original. O que a imagem está em um caso como uma representação, que o Filho é por Sua humanidade, e como na arte [35] semelhança está de acordo para formar, por isso, a natureza divina e incomensuráveis ​​( asunqetoV ) união é realizada na Divindade habitação . Comentário -. Se a imagem do rei é o rei, a imagem de Cristo é Cristo, ea imagem de um santo do santo, e se o poder não está dividido nem glória distribuídos, honrando a imagem torna-se honrar o que está estabelecido na imagem. Diabos têm medo dos santos, e fugiram de sua sombra. A sombra é uma imagem, e eu faço uma imagem que eu possa assustar demônios. Se você diz que só intelectual culto convém a Deus, tirar todas as coisas corpóreas, luz e fragrância, a oração se através da voz física, os mistérios divinos muito que são oferecidos através da matéria, pão, vinho e, o óleo do crisma, o sinal da Cruz, para tudo isso é a matéria. Tire da Cruz, e da esponja da Crucificação, ea lança que perfurou o lado que dá vida. Ou desistir de honrar essas coisas tão impossível, ou não rejeitar a veneração de imagens. A matéria é dotado de um poder divino através da oração feita àqueles que estão representadas na imagem. Roxo por si é simples, e assim é de seda, e a capa, que é feita de [36] em ambos. Mas se o rei pôs-lo, a capa recebe homenagem da honra devida ao utente. Assim é com a matéria. Por si só, não é de conta, mas se o apresentado na imagem ser cheia de graça, os homens se tornam participantes da sua graça de acordo com a sua fé. Os apóstolos sabiam o Senhor com os olhos de seus corporais; outros sabiam os apóstolos, outros mártires. Eu, também, o desejo de vê-los no espírito e na carne, e de possuir um remédio salvar como eu sou um ser composto. Eu vejo com meus olhos, e reverenciar o que representa o que eu honra, embora eu não adorá-lo como Deus. Agora você, talvez, é superior a mim, e se elevam acima das coisas corporais, e sendo, por assim dizer, não de carne, você fazer a luz do que é visível, mas como eu sou humano e vestido com um corpo, eu desejo para ver e ser corporalmente com os santos. Condescende para meu humilde desejo de que você pode estar seguro de suas alturas. Deus aceita o desejo por ele e para os seus santos. Para Ele se alegra na louvores de Seu servo, segundo a São Basílio grande em seu panegírico do Quarenta Mártires. Ouça as palavras que ele pronunciou em honra do mártir São Gordion. [37] De Sermão de São Basílio em Gordion St A mera lembrança dos feitos apenas é uma fonte de alegria espiritual para todo o mundo, as pessoas são movidas para imitar a santidade de que eles ouvem. A vida dos homens santos é como uma luz que ilumina o caminho para aqueles que iria vê-lo. E, novamente, quando contamos a história de santo vive glorificamos em primeiro lugar, o senhor daqueles servos, e dar louvor aos funcionários por conta do seu testemunho, que é conhecido por nós. Regozijamo-nos com o mundo através de bom relatório. Comentário ., A lembrança dos santos é assim, você vê, uma glória a Deus, o louvor dos santos, alegria e de salvação para o mundo inteiro. Por que, então, poderia destruí-lo? Esta lembrança é mantida pela pregação e por imagens, diz o Basílio mesmo grande. O mesmo, no Gordion St Martyr Assim como queima segue naturalmente em fogo, e fragrância em pomada doce, tão bom deve surgir de ações santas. Por isso não é pouca coisa para representar eventos passados ​​de acordo com a vida. É uma vaga lembrança de lutas do homem [38], que chegou até nós, e não corresponde à imagem do pintor com a nossa atual conflito? Agora, como pintores desenhar imagens a partir de imagens, eles freqüentemente afastar-se do original, tanto quanto a própria imagem faz, e como não vimos o que eles representam, não há temor de que podemos ferir a verdade. O mesmo, no final. O sol nos enche de admiração perpétua, embora sempre diante de nós, para que a memória deste homem é sempre nova. Comentário -. É evidente que é fresco através sermão e imagem. Testemunho do mesmo, a partir de seu Sermão do Quarenta Mártires. Pode o amante dos mártires tem muito de sua memória? Para a honra mostrado aos poucos, nossos semelhantes, é um testemunho da bondade de nosso Senhor comum. E mais uma vez – Reconhecer a bem-aventurança do mártir de coração, que você pode ser um mártir na vontade; assim, sem perseguidor, ou fogo, ou golpes, dignos de a mesma recompensa. Comentário -. Como, então, você me dissuadir de honrar os santos, e ter inveja da minha salvação? Ouça o que ele diz que um pouco mais adiante, para mostrar que ele uniu arte do pintor à oratória. São Basílio. Veja, então, que colocá-los diante de nós em representação, estamos tornando-os úteis para a vida, exibindo sua santidade para todos nós como se fosse uma fotografia. Comentário .-Você entende que tanto a imagem eo sermão ensinar uma lição? Ele diz: “Vamos mostrar a eles para frente em um sermão como se estivesse em um filme.” E ainda: Escritores e pintores apontar as lutas de guerra, o primeiro pela arte de estilo, o segundo com a sua escova, e cada induzir muitos a ser corajoso. O que uma conta falado apresenta a audiência, uma imagem silenciosa retrata por imitação. Comentário ., Que melhor prova temos de que as imagens são os livros dos analfabetos, os arautos nunca falam de honrar os santos, ensinando aqueles que olhar para elas sem palavras, e santificando o espetáculo. Eu não tenho muitos livros nem tempo para o estudo, e eu vou [40] em uma igreja, o refúgio comum das almas, minha mente cansada com pensamentos conflitantes. Vejo diante de mim uma imagem bonita e que atualiza a visão de mim, e me induz a glorificar a Deus. Fico maravilhado com a resistência do mártir, em sua recompensa, e disparou à queima zelo, eu caio para adorar a Deus através de Seu mártir, e receber uma graça da salvação. Você não ouviu o mesmo pai santo em sua homilia sobre o início dos Salmos, dizer que o Espírito Santo, sabendo que a raça humana fosse obstinado e difícil de conduzir, mel misturado com o salmo-cantando? O que você acha disso? Não hei de perpetuar o testemunho do mártir tanto pela palavra e pincel? Não abraçar com meus olhos que o que é uma maravilha para os anjos e para o mundo inteiro, formidável para o diabo, um terror para os demônios, como o Pai mesmo grande diz? Mais uma vez, no final da sua homilia sobre os mártires 40, ele exclama, “banda O santo Ó fraternidade sagrado! O exército invencível! Protetores da raça humana, consolo da esperança, perturbado de seus peticionários, intercessores mais poderosos, a luz do mundo, florescer tanto intelectual e material das Igrejas! A terra tem [41] não escondida-lo de vista, o céu recebeu você. Que seus portões será aberta. O espetáculo é digno de anjos e patriarcas, profetas e justo “. Comentário -. Como não desejo ver o que os anjos desejam? Irmão de São Basílio, que é um com ele em pensamento, São Gregório de Nissa, compartilha seus sentimentos. São Gregório de Nissa, a partir da “Estrutura do Homem” Supplementary.-Assim como na moda humana, os criadores de imagem do aperto poderoso o personagem da forma e estabelecem a dignidade real com a insígnia do roxo, e sua obra é chamada de imagem ou rei, assim é com a natureza humana. Como ele foi criado para governar sobre outras criações, foi feito como um tipo de animação ou imagem, participando do original em dignidade e nome. O mesmo, Fifth Capítulo A beleza divina não é estabelecido nem na forma nem formosura de design ou coloração, mas é contemplada em bem-aventurança fala, de acordo com a sua virtude. Então faça pintores [42] formas de transferência de humanos a tela através de determinadas cores, colocando em tonalidades adequadas e harmonioso para a imagem, de modo a transferir a beleza do original para a semelhança. Comentário -. Você vê que a beleza divina não é estabelecida na forma ou aspecto, e por esta razão não pode ser transmitida por uma imagem ( ouk eikonizetai ) é a forma humana, que é transferido para a tela com pincel do artista. Se, portanto, o Filho de Deus se fez homem, tomando a forma de servo, e aparecendo na natureza do homem, um homem perfeito, por que não Sua imagem deve ser feita? Se , na linguagem comum, a imagem do rei é chamado de rei, ea honra mostrado na imagem redunda ao original, como Basil Santo diz, por que não a imagem ser honrado e adorado, não como Deus, mas como a imagem do Deus encarnado? O mesmo, de seu sermão em Constantinopla sobre a divindade do Filho e do Espírito, e em Abraão. Em seguida, o pai passa a vincular seu filho. Tenho visto muitas vezes pinturas desta cena tocante, e não podia olhar para ele com olhos secos, arte configuração-lo adiante de forma tão vívida. Isaac está mentindo [43] diante do altar, com as pernas amarrado, com as mãos amarradas atrás das costas. O pai se aproxima da vítima, apertando o cabelo com a mão esquerda, inclina-se sobre o rosto para piteously virou para ele, e segura em sua mão direita a espada, pronto para atacar. Já a ponta da espada está no corpo quando a voz divina é ouvida, proibindo a consumação. Leo, * Bispo de Nápoles, em Chipre. De seu livro contra os judeus, na Adoração da Cruz, e as estátuas dos santos, e em Relíquias. Se tu, judeu, censurar-me dizendo que eu adoro a madeira da cruz como Deus, por que você não reprovar Jacob, que adoravam a ponto de sua equipe ( epi para akron thV rabdou )? Agora, é evidente que ele não estava adorando madeira. Então, com a gente, estamos adorando a Cristo por meio da cruz, não a madeira da cruz. Comentário .-Se adoramos a cruz, feita de madeira que quer que seja, como não devemos adorar a imagem do Crucificado? [44] A partir do mesmo. Abraão adorava os homens ímpios que lhe vendeu a caverna, e dobrou o joelho no chão, mas não adorá-los como deuses. Jacob elogiou Faraó, um idólatra ímpio, ainda não como Deus, e ele caiu aos pés de Esaú, mas não adorá-lo como Deus. E, novamente, Como Deus pedir-nos a adorar a terra e as montanhas? “Exaltai o Senhor teu Deus e adorá-Lo no Seu santo monte, e adoro escabelo de seus pés” (Sl 99,9, 5), isto é, a terra. Para “o céu é o meu trono”, diz Ele, “ea terra meu escabelo.” (Is. 66,1) Como foi que adorou Moisés Jothor, um idólatra, (Ex. 18,7) e Daniel, Nabucodonosor? Como você pode me censurar porque eu honrar aqueles que honram a Deus e Lhe mostrar serviço? Diga-me, não é adequado para adorar os santos, em vez de jogar pedras neles como você faz? Não é direito de adorá-los, em vez de atacá-los, e para arremessar seus benfeitores na lama? Se você amou Deus, você estaria pronto para honrar seus servos também. E se os ossos dos justos estão imundos, porque eram os ossos de Jacó e de [45] Joseph trouxeram com toda a honra do Egito? (Gn 50.5ff, Ex. 13,19) Como é que um homem morto ressuscitou ao tocar os ossos de Eliseu? (Kgs II. 13,21) Se Deus faz maravilhas através dos ossos, é evidente que Ele pode trabalhá-los através de imagens, e pedras, e muitas outras coisas, como no caso de Eliseu, que deu a sua equipe a seu servo, dizendo: ” Com este ir e levantar dos mortos, filho da sunamita. ” (Kgs II. 4,29) Com sua equipe Moisés castigado Faraó, separou as águas, bateu na rocha, e tirou o fluxo. E Salomão disse: “Bem-aventurado é a madeira por que a justiça vem.” (Sb 14,7) Eliseu levou ferro do Jordão com um pedaço de madeira. (II Rs. 6,4-7) E, novamente, a madeira é a madeira de vida, ea madeira de Sabec, isto é, de remissão. Moisés humilhou a serpente com madeira e salvou o povo. (Nm 21,9) A haste florescendo no tabernáculo confirmou o sacerdócio de Aarão. (Nm 17,8) Talvez, O judeu, você vai me dizer que Deus prescreveu a Moisés de antemão todas as coisas do testemunho no tabernáculo. Agora, eu digo a você que Salomão fez uma grande variedade de coisas no templo em esculturas e esculturas, que Deus não havia ordenado que ele fizesse. (II Crônicas. 3.1ff) Nem o tabernáculo do testemunho conter [46] eles, nem o templo que Deus mostrou a Ezequiel, (Ez. 40.47ff) nem foi Salomão a culpa nisso. Ele tinha essas imagens esculpidas feitas para a glória de Deus como nós. Você, também, tinha muitas imagens e variada e sinais no Antigo Testamento para servir como um lembrete de Deus, se você não tivesse perdido através de ingratidão. Por exemplo, a vara de Moisés, as tábuas da lei, a sarça ardente, a rocha dando sair água, a arca contendo o maná, o altar em chamas de cima ( purenqeon ), a lâmina com o nome divino, o éfode o tabernáculo ofuscada por Deus. Se você tinha preparado todas essas coisas de dia e de noite, dizendo: “Glória a Ti, ó Deus Todo-Poderoso, que tens feito maravilhas em Israel através de todas essas coisas”, se através de todas essas ordenanças da lei, feita de velho , você tinha caído de joelhos para adorar a Deus, você verá que a adoração é dada a ele por meio de imagens. E mais adiante: – Aquele que verdadeiramente ama um amigo ou o rei, e, especialmente, benfeitor dele, se ele vê o filho que benfeitor, ou o seu pessoal, ou a sua cadeira, ou [47] sua coroa, ou sua casa, ou seu servo, ele segura-los rapidamente em seu abraço, e se ele honra o seu benfeitor, o rei, quanto mais Deus. Mais uma vez repito, teria que você tinha feito imagens de acordo com a lei de Moisés e os profetas, e que dia a dia você adoraram a Deus de imagens. Sempre que, em seguida, você vê os cristãos adoradores da cruz, sabemos que eles estão adorando o Cristo crucificado, não o mero madeira. * Se, de fato, eles honraram a madeira como madeira, eles seriam obrigados a adorar árvores de qualquer tipo, como você, ó Israel, os adoraram de idade, dizendo à árvore e à pedra: “Tu és o meu Deus e te traga-me por diante.” (Jr 2,27) Nós não falamos tanto para a Cruz ou às representações dos santos desta forma. Eles não são os nossos deuses, mas os livros que se encontram abertas e são venerados nas igrejas, a fim de lembrar-nos de Deus e conduzir-nos para adorá-Lo. Ele, que homenageia o mártir [48] honra a Deus, a quem o mártir prestou testemunho. Ele, que adora o apóstolo de Cristo O adora que enviou o apóstolo. Aquele que cai aos pés da mãe de Cristo certamente mostra honra de seu Filho. Não há senão um só Deus, Ele que é conhecido e adorado na Trindade. Comentário. – Quem é o intérprete fiel do bem-aventurado Epifânio – Leôncio, cujo ensinamento adornado a ilha de Chipre, ou aqueles que falavam de acordo com seus próprios olhos? Ouça o depoimento de Severiano, Bispo da Gabali. Severiano, Bispo da Gabali, na Dedicação da Cruz. Como foi que a imagem do inimigo deu vida a nossos progenitores? . . . Como foi que a imagem da serpente trabalhou salvação para as pessoas em perigo? Não teria sido mais razoável dizer: “Se algum de vocês ser mordido, deixe-o olhar para o céu, a Deus, e ele será salvo, ou deixá-lo olhar para o tabernáculo de Deus”? Passando sobre isso, ele criou a imagem da Cruz. Por que Moisés fazer isso, que [49] disse ao povo: “Não farás para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, ou embaixo na terra, nem das coisas que estão em as águas debaixo da terra “? (Ex. 20,4) No entanto, por que eu falo para as pessoas indignas? Diga-me, servo devoto de Deus, você vai fazer o que é proibido, e ignorar o que você disse para fazer? Ele que disse: “Não farás para ti escultura, uma coisa”, condenou o bezerro de ouro, e você fazer uma serpente de bronze, e isto não secretamente, mas o mais abertamente, para que ele seja conhecido de todos. Respostas Moisés, eu me deitei esse mandamento, a fim de erradicar a impiedade, e retirar as pessoas de toda a apostasia e idolatria, agora, tenho a serpente lançou para um bom propósito – como uma figura da verdade. E assim como eu colocar uma tenda, e tudo na mesma, e querubins, à semelhança dos poderes invisíveis, sobre o santo dos santos, como um sinal e figura do futuro, por isso eu tenha definido uma serpente para a salvação das pessoas, para servir como uma preliminar para a imagem da Cruz, e da redenção nele contidas. Como confirmação desta, ouvir o Senhor dizendo: “Como Moisés a serpente no deserto, exaltado, então [50] que você tem que exaltar o Filho do Homem, que cada um acreditando nele não pode ser perdido, mas tenha a vida eterna . ” (Jo 3,14) Comentário . Aviso-que Seu mandamento de não fazer qualquer coisa de escultura foi dada para atrair o povo da idolatria, a que estavam sujeitos, e que a serpente de bronze era uma imagem de sofrimento de nosso Senhor. Escute o que eu vou dizer como uma prova de que as imagens não são invenção nova. É uma prática antiga conhecida a melhor o lugar dos pais. Elladios, o discípulo de Basil abençoada e seu sucessor, diz em sua vida de Basílio que o santo homem estava de pé com a imagem de Nossa Senhora, em que foi pintado também a semelhança de Mercúrio, o mártir de renome. Ele estava de pé por ela pedindo a remoção dos ímpios apóstata Juliano, e recebeu esta revelação da estátua. Ele viu o mártir desaparecer por um tempo, e depois reaparecer, segurando uma lança sangrenta. Tomadas palavra por palavra da Vida de São João Crisóstomo. Beato João amava as epístolas de São Paulo excessivamente. . . . Ele tinha uma imagem do [51] apóstolo em um lugar onde ele estava acostumado a se aposentar agora e, em seguida, por conta de sua debilidade física, pois ele superou natureza em vigílias e vigílias. Como ele ler as epístolas de São Paulo, ele tinha a imagem diante dele, e falou com o apóstolo, como se tivesse estado presente, elogiando-o e dirigindo todos os seus pensamentos para ele. . . . Quando Proclus terminou de falar, olhando fixamente para a imagem do apóstolo, e reconhecendo a semelhança com o homem que ele tinha visto, saudando João, ele disse, apontando para a imagem: “Perdoe-me, pai, o homem que eu vi falando com você é muito parecido com esta estátua. Na verdade, eu diria que ele é o mesmo. ” Na vida de São Eupraxia nos é dito que seu Superior lhe mostrou a semelhança de nosso Senhor. Nós lemos na vida de Santa Maria do Egito que ela rezou diante da imagem de Nossa Senhora e suplicou a sua intercessão, e assim obteve a licença para entrar na Igreja. * Em toda a matriz do passado de sacerdotes cristãos e reis, sábios e piedosos, visíveis através do ensino e exemplo, nos conselhos de tantos santos padres e inspirado, como é que ninguém tem [52] apontou estas coisas? Nós não estamos defendendo uma nova fé. “A lei sairá de Sião”, o Espírito Santo disse profeticamente “, ea palavra do Senhor de Jerusalém.” (Is. 2,3) Nós não defendemos uma coisa de cada vez, e outra no outro, nem que a fé deve se tornar um motivo de riso para os de fora. Nós não vamos permitir que os comandos do rei para derrubar a tradição transmitida pelos pais. Não é para os reis piedosos para derrubar fronteiras eclesiásticas. Estas não são formas patrísticos. Coisas feitas pela força são imposições, e não levar persuasão. Uma prova disso foi dada no Conselho segundo de Éfeso, quando um decreto, que nunca foi reconhecido como válido, foi executada pela mão do imperador, e bendito Flaviano foi condenado à morte. Conselhos não pertencem aos reis, como diz o Senhor: “Onde quer que um ou dois estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mt 18,20) Cristo não deu aos reis o poder de ligar e desligar, mas para os apóstolos, (Mt 18,18) e aos seus sucessores e pastores e professores. “Se um anjo lhe ensinasse um evangelho diferente do que recebestes, de” (Gl 1,8) diz São Paulo -, mas vamos ficar em silêncio sobre o que se segue, na esperança de [53] sua conversão. E se encontrar o aviso desconsiderados, o que pode afastar Deus, vamos então adicionar o resto. Esperemos que não vai ser necessário. Se alguém entrar em uma casa e deve ver nas paredes uma história na pintura de Moisés e Arão, por ventura ele pode perguntar sobre as pessoas que estão andando sobre o mar como se fosse terra seca. “Quem são eles?” , ele pergunta. O que você diria? “Não são os filhos de Israel?” “Quem está dividindo o mar com a sua vara?” Você não diria “Moisés”? Então, se um homem faz uma imagem de Cristo crucificado, e você é perguntado sobre quem ele é, você responde: “É Cristo, nosso Senhor, que se encarnou para nós.” Sim, Senhor, nós adoramos tudo o que pertence a Ti, e nós levamos aos nossos corações Teu Deus, Teu poder e bondade, a tua misericórdia para conosco, Tua condescendência e Tua Encarnação. E como os homens temem tocar o ferro em brasa, não por causa do ferro, mas por causa do calor, por isso adoramos Tua carne, não para a natureza da carne, mas através da Divindade unidos para que a carne de acordo com a substância. Nós adoramos os teus sofrimentos. Quem já conheceu adorou a morte ou sofrimento venerado? No entanto, nós [54] realmente adoram a morte física de nosso Deus e Seus sofrimentos poupança. Nós adoramos Tua imagem e tudo o que é teu; teus servos, os teus amigos, e acima de tudo Tua Mãe, a Mãe de Deus. Nós imploramos, por isso, o povo de Deus, o rebanho fiel, de agarrar-se a tradição eclesiástica. A gradual tirar do que foi entregue a nós seria minar os alicerces, e não seria de pouco tempo derrubar toda a estrutura. Que possamos provar firme, inabalável, imóveis, fundada sobre a rocha sólida, que é Cristo, a quem seja o louvor, glória e louvor, com o Pai eo Espírito Santo, agora e para sempre. Amen. Índice | Parte II | Parte III APOLOGIA de S. João Damasceno CONTRA os que condenam imagens sagradas. PARTE II [55] Eu CRAVE sua indulgência, meus leitores ( despotai mou ), e pedir-lhe para receber a verdadeira declaração de alguém que é um servo inútil, o menor de todos, na Igreja de Deus. Eu não tenho sido movido para falar por motivos de vanglória, Deus é minha testemunha, mas por zelo pela verdade. Neste sozinho é a minha esperança de salvação, e com ela eu confio e rezar para ir ao encontro de Cristo, nosso Senhor, pedindo que ele pode ser uma expiação por meus pecados. O homem que recebeu cinco talentos de seu senhor, trouxe outros cinco que ele tinha ganho, eo homem com dois, outros dois. O homem que recebeu um, e enterrou-o, deu-lhe de volta, sem juros, e sendo pronunciado um servo mau, foi banido para a escuridão externa. (Mt 25.20ff) Para que eu não deveria sofrer da mesma forma, eu obedecer os mandamentos de Deus, e com o talento de eloqüência, que é o seu dom, eu ponho diante de sábios entre uma mesa tesouro, então [56] que, quando o Senhor vier, Ele pode me achar rica em almas, um servo fiel, que Ele pode tomar em que a alegria inefável da sua, que é o meu desejo. Dá-me ouvidos atentos e corações dispostos. Receba meu tratado, e ponderar bem a força dos argumentos. Esta é a segunda parte do meu trabalho em imagens. Algumas crianças da Igreja pediram-me para fazê-lo porque a primeira parte não foi suficientemente clara para todos. Seja indulgente comigo nessa conta, para a minha obediência. A serpente perverso de idade, Amado, quero dizer, o diabo – está acostumado a travar uma guerra de muitas maneiras contra o homem, que é feita após a imagem de Deus, e para trabalhar a sua destruição por meio da oposição. No início ele inspirou homem com a esperança eo desejo de se tornar um deus, e por isso desejo que ele arrastou o homem para baixo para compartilhar a morte da criação bruta. Ele tem atraído também o homem pelos prazeres vergonhosos e brutal. Que contraste entre se tornar um deus e sentindo luxúria brutal. E mais uma vez, ele levou o homem à infidelidade, como o real ( qeopatwr ) David diz: “O tolo disse em seu coração que Deus não existe.” (Sl 14,1) Ao mesmo tempo, ele trouxe o homem a adorar deuses demais, em outro não, mesmo [57] o verdadeiro Deus, às vezes, demônios, e, novamente, os céus ea terra, o sol ea lua e as estrelas, e os resto da criação, animais selvagens e répteis. É tão ruim de se recusar a devida honra onde a honra é devido, como para dar-lhe onde não é devido. Mais uma vez, ele ensinou alguns a chamar o mal incriados Deus, e enganou os outros, fazendo-os reconhecer a Deus, que é bom por natureza, como o autor do mal. Algumas ele tem enganado pelo equívoco de uma natureza e uma substância da Divindade; alguns, ele induziu a honra três naturezas e três substâncias; alguma substância um em nosso Senhor Jesus Cristo, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade; cerca de duas naturezas e duas substâncias. Mas a verdade, tendo um meio-termo, varre esses equívocos e nos ensina a reconhecer um Deus, uma natureza em três pessoas ( CurtirCurtir
      • EDMILSON disse:

        Salmos 89:5
        ouvir
        E os céus louvarão as tuas maravilhas, ó SENHOR, a tua fidelidade também na congregação dos santos.
        LEONARDO VAMOS AO ASSUNTO SOBRE OS SANTOS BIBLICAMENTE

        Olha Leonardo pode ter toda certeza do mundo que a própria Escritura dá testemunho de que Abraão foi considerado justo pelos apóstolos (cf. Rm 4,3-9; Gl 3,9; Hb
        6,15; Tg 2,23). Leonardo este reconhecimento de que Abraão estava no céu com Deus é um exemplo de canonização na própria Escritura e já na era apostólica.

        SOBRE ISSO LEONARDO EXISTEM MAIS DE 200 ESCRITOS QUE TESTIFICAM ISSO SÓ DO PRIMEIRO E SEGUNDO SÉCULO DA ERA CRISTÃ SEM UMA SÓ ÚNICA VOZ DISCORDE
        E QUANDO AINDA A BÍBLIA DO NOVO TESTAMENTO AINDA NÃO TINHA SIDO SELECIONADA PELOS BISPOS DA IGREJA CATÓLICA
        Agora Leonardo vou ti da um outro exemplo que podemos citar na própria Escritura que é a canonização de Estevão.

        Leonardo assim diz a Escritura que era homem cheio do Espírito Santo (cf. At 6,8). Quando foi martirizado em nome da Fé em Cristo, viu a Glória do Cristo e pediu ao Senhor que recebesse o seu espírito (cf. At 7,55-59).
        AGORA EU TI PERGUNTO Leonardo será que Estevão não foi para o céu? Claro que sim!
        E mais ele foi considerado santo pelo próprio apóstolo Paulo (cf. At 22,20), que assistiu a pregação de Estevão e corroborou com a sua morte.
        E OUTRA Leonardo e o bom ladrão que reconheceu Cristo como seu Salvador e que o próprio Senhor prometeu levá-lo ao paraíso (Lc 23,43), por acaso WILLIAM não é um outro exemplo de canonização feita pela própria Escritura?
        OLHA Leonardo a canonização não faz parte da doutrina católica, mas da práxis católica.
        O que faz parte da doutrina católica é a Comunhão dos Santos, não confundir.

        Leonardo vou citar por exemplo as obras conhecidas na antiguidade como hagiógrafos (atas da vida dos santos).
        Os hagiógrafos testificavam o reconhecimento pela Igreja de que uma determinada pessoa ou grupo de pessoas era santo e que já gozava da presença de Deus.
        E MAIS Leonardo a Igreja desde os primeiros séculos reconhecia os mártires como santos (a exemplo de Estevão, considerado o primeiro mártir da Igreja).
        Ser um mártir da fé era um critério que não deixava dúvidas se uma pessoa devia ser considerada santa, isto é, um modelo na fé, um herói em Cristo e que estava no céu.
        Os hagiógrafos mais citados da antiguidade são as atas dos mártires de Lião (177 d.C) e do Martírio de S. Policarpo de Esmirna (250 d.C.), discípulo de S. João (1).
        Como se vê, Leonardo a canonização dos santos, isto é, o reconhecimento de que uma pessoa venceu a corrida (cf. Cl 2,8) e que está com Deus, é uma prática que consta na Bíblia e que sempre foi observada pelos primeiros cristãos.
        Leonardo assim diz as escrituras sagradas.
        Hebreus 13
        7. Lembrai-vos de vossos guias que vos pregaram a palavra de Deus. Considerai como souberam encerrar a carreira. E imitai-lhes a fé.
        Leonardo agora observe que venerar os Santos é uma ordem Bíblica, se eu lembro, considero e imito já estou venerando, a veneração respeitosa aos Santos e Anjos é uma doutrina já praticada no (AT).
        O Rei Davi em um ato de veneração compôs um cântico fúnebre para Saul e Jonathan após a morte deles.
        VEJA
        II Samuel 1
        Compôs então Davi o seguinte cântico fúnebre sobre Saul e seu filho Jônatas,
        Ordenando que fosse ensinado aos filhos de Judá. É o canto do Arco, que está escrito no Livro do Justo:
        Tua flor, Israel, pereceu nas alturas! Como tombaram os heróis?
        UM ABRAÇO LEONARDO
        LEONARDO SE VOCÊ ESTUDESSE A PATRÍSTICA A FUNDO ENTENDERIA AÍ SIM VOCÊ ENTENDERIA A SUBLIME DOUTRINA DA IGREJA CATÓLICA

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        LEONARDO É SOFISMA IGNORÂNCIA E LOROTA RECHEADO DE CONTRADIÇÕES E FALTA DE ESTUDO NAS FONTES VERDADEIRAS ONDE SE FORAM CRIADAS AS OBRAS OS TESTEMUNHOS E OS FATOS.
        LEONARDO ALÉM DOS MILHARES DE MILHARES DE ESCRITOS QUE COMPROVAM IMAGENS BÍBLICAMENTE EXISTEM TAMBÉM A ARQUEOLOGIA E GEOGRAFIA QUE COMPROVAM AS IMAGENS USADAS PELAS IGREJAS CATÓLICAS DO PRIMEIRO SÉCULO.
        VEJA MEU CARO SUAS CONTRADIÇÕES
        Deus informa a Moisés o seguinte: Eu escolhi Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, dando-lhe destreza, habilidade e plena capacidade artística para (desenhar) e executar trabalhos em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar madeira e executar todo tipo de obra artesanal

        LEONARDO AQUI NESSE SITE DO MEU AMIGO RAFAEL RODRIGUES VOCÊ VAI VÊ QUE IMAGENS JÁ ERAM USADAS PELOS APOSTÓLOS E PELOS PADRES APOSTÓLICOS NAS IGREJAS DO PRIMEIRO SECULO DA ERA CRISTA!
        ENTRE E VEJA:
        http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/imagens/540-as-pinturas-mais-antigas-dos-apostolos-de-jesus

        E mais Leonardo longe da ignorância dos fanáticos freqüentadores de seitas tupiniquins, na Ilha de Malta, na Reunião Mundial das igrejas protestantes, foi assinado um acordo onde 92% das Igrejas Luteranas entre outras, já reconheceram que as imagens católicas não são e nunca foram ídolos. A esse respeito, sugiro a leitura do livro “História da Igreja”, vol. 3, de Martin N. Dreher, Ed. Sinodal, em especial as págs. 53 a 57, já que se trata de uma editora protestante e um autor protestante, que defendem o uso de imagens nas igrejas de Deus.
        Olha Leonardo foi descoberta a igreja católica mas antiga do mundo vou ti mandar o l site aí você entra nela ok ela é repleta de imagens
        http://filhosprediletosdemaria.blogspot.com.br/2012/05/a-surpresa-de-megido-e-igreja-crista.html

        Leonardo entenda meu caro que as imagens tantas vezes na Bíblia solicitadas por Deus, já eram usadas pelos primeiros Cristãos:
        “Vem dos primeiros tempos do Cristianismo, envolvendo até o Apóstolo São Pedro, que teria chegado na Península Ibérica com uma imagem de Nossa Senhora Jerusalemitana, esculpida por São Lucas.” Diz o jornalista, pesquisador de História e escritor J. Muniz Jr. (Jornal A Tribuna de Santos, 9/9/97).
        Também dizia o grande teólogo primitivo Santo Agostinho (354-430): “Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos.”(Biblioteca Patrística). Morre o embuste protestante.
        Deus proíbe ídolo deus e não “imagens de esculturas”.
        LEONARDO EU ADORO DECIFRAR FARSAS PROTESTANTE PELA PATRÍSTICA PELA ARQUEOLOGIA E PELA BÍBLIA:
        Entenda também Leonardo que o falsário tradutor protestante, João Ferreira de Almeida, adulterou as já incompletas bíblias protestantes, colocando o termo “Imagens de Escultura” onde nos originais constam ÍDOLO, para fazer confusão. Se examinarmos o texto original hebraico, notaremos que em ambas as citações do Êxodo e do Deteuronônio falam claramente que aquilo que os protestantes e más traduções traduzem por “IMAGENS DE ESCULTURA”, na verdade, deveria ser traduzido por ÍDOLOS, pois a palavra hebraica utilizada é “PESEL” que se traduz no grego por “ÊIDOLON” e em português por ÍDOLO.
        Esta é uma dentre as muitas querelas que, examinadas a fundo, a Igreja Católica está claramente com a razão.
        Como poderia Deus proibir “imagens de escultura” se mandou construir duas para colocar sobre a arca da aliança que guardavam as tábuas, que na verdade proíbem ÍDOLOS????
        Exemplos das falsificações protestantes estão em (Isaías 44,9-10,15,17). O falsário protestante, além de enfiar “imagem de escultura” onde consta ÍDOLO, ainda enfiou criminosamente a palavra “procissão” em (Is 45,20).
        Mas não conseguiu adulterar os versículos seguintes, que restauram o sentido verdadeiro dos originais, com o ídolo de Micas, que não era mais um deus, transformado em “imagem de escultura” para a casa de Deus, veja: “E os filhos de Dã levantaram para si aquela IMAGEM DE ESCULTURA, e Jônatas, filho de Gérson, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até ao dia do cativeiro da terra. Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). (conf. Bíblia J. Ferreira).
        Deus só proibia figura de si, enquanto ninguém o viu naquele instante no monte Horebe (Dt 4,15-19), se o esculpissem estariam mentindo, se o comparassem com as figuras que Ele descreve, podendo incorrer na fabricação da imagem de um falso deus pagão.
        Mas logo, muitos viram Deus: Jacó viu Deus cara a cara (Gênesis 32,30); Moisés e os anciões de Israel viram Deus (Êxodo 24,9-11); Deus falou com Moisés cara a cara (Êxodo 33,11) (Deuteronômio 34,10); Ezequiel viu Deus em uma visão (Ezequiel 1,27-28). Com o passar do tempo, relata a bíblia:
        … “Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). (conf. Bíblia J. Ferreira).

        E outra coisa Leonardo não se pode esquecer jamais que todos utensílios para o altar e o altar ungidos(consagrados) se tornam coisas santas:
        VEJA:
        “Tomarás o óleo de unção e ungirás com ele o tabernáculo com tudo o que ele contém; consagrá-lo-ás com todo o seu mobiliário para que ele se torne uma coisa santa.
        Ungirás o altar dos holocaustos e todos os seus utensílios; em virtude de tua consagração, o altar se tornará uma coisa santíssima.” (Ex 40, 9-10)

        No templo no lugar santissimo Deus manda oferecer sacrificios para perdão dos pecados e que se derrame o sangue deste sacrificio onde esta duas IMAGENS DE ESCULTURA.

        Agora Leonardo veja essa exaustiva concordância Strong
        (dicionário das linguas bíblicas, e protestante) traduz essa palavra como:

        06459 pecel
        procedente de 6458; DITAT – 1788a; n. m.
        1) ídolo, imagem

        Como vemos Leonardo a palavra não diz respeito a qualquer imagem, e sim a ídolos esculpidos, ou seja imagens de ídolos. De fato pode ser traduzida como imagem, mas não diz respeito a qualquer imagem e sim especificamente ídolos esculpidos.

        Dessa forma vemos que a passagem é uma clara referência aos deuses do Egito, como constataremos a baixo:
        “Não farás para ti ídolos ou coisas alguma que tenha a forma de algo que se encontre no alto do céu…”. (êxodo 20, 4)

        O que estava no céu, eram os deuses dos ares do Egito:
        RÁ (ou Rê), o criador dos deuses e da ordem divina egípcia. Foi retratado pela arte egípcia sob muitas formas e denominações e era também representado por um falcão, por um homem com cabeça de falcão ou ainda, mais raramente, por um homem. Quando representado por uma cabeça de falcão estabelecia-se uma identidade com Hórus, outro deus solar adorado em várias partes do país desde tempos remotos.
        Í BIS, uma ave pernalta de bico longo e recurvado. Existe uma espécie negra e outra de plumagem castanha com reflexos dourados, mas era o íbis branco, ou íbis sagrado,que era considerado pelos egípcios como encarnação do deus Thoth. Um homem com cabeça de íbis, era outra das representações daquele deus.

        HÓRUS, filho de Isis e Osíris. Ele é representado como um homem com cabeça de falcão ou como um falcão, sempre usando as duas coroas do Alto e Baixo Egito. Na qualidade de deus do céu, Hórus é o falcão cujos olhos são o sol e a lua.

        TOTH, era o deus-escriba e o deus letrado por excelência. Representado como um íbis ou um homem com cabeça de íbis, ou ainda um babuíno.

        “…embaixo na terra…”. (Êxodo 20, 4)
        O que estava na terra eram os deuses e animais terrestres do Egito:

        ANÚBIS, filho de Seth e Néftis, é o mestre dos cemitérios e o patrono dos embalsamares. É na realidade o primeiro entre eles, a quem se deve o protótipo das múmias, a de Osíris. Todo egípcio esperava beneficiar-se em sua morte do mesmo tratamento e do mesmo renascimento desta primeira múmia. Anúbis também introduz os mortos no além e protege seus túmulos com a forma de um cão, vigilante.
        ÁPIS, o boi sagrado que os antigos egípcios consideravam como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e que encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptah. O culto do boi Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos. Essa antiga divindade agrária, simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora.

        KHEPRA, (escaravelho, em egípcio) ou um homem com um escaravelho no lugar da cabeça também representavam o deus-Sol. Nesse caso o besouro simbolizava o deus Khepra e sua função era nada menos que a de mover o Sol, como movia a bolazinha de excremento que empurrava pelos caminhos. Associados à idéia mitológica de ressurreição, os escaravelhos eram motivo freqüente das peças de ourivesaria encontradas nos túmulos egípcios.
        BABUINO ou cinocéfalo é um grande macaco africano, cuja cabeça oferece alguma semelhança com os cães. No antigo Egito este animal estava associado ao deus Thoth, considerado o deus da escrita, do cálculo e das atividades intelectuais. Era o deus local em Hermópolis, principal cidade do Médio Egito. Deuses particularmente numerosos parecem ter se fundido no deus Thoth: deuses-serpentes, deuses-rãs, um deus-íbis, um deus-lua e este deus-macaco.
        APÓFIS, a serpente que habitava o além-túmulo, representava as tempestades e as trevas. As serpentes estavam entre os adversários mais perigosos e o demônio líder de todos eles era Apófis a grande serpente.
        BASTET, uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio ( Per Bast ) significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo.
        GEB, o deus da Terra é irmão e marido de Nut. É o suporte físico do mundo material, sempre deitad o sob a curva do corpo de Nut. Ele é o responsável pela fertilidade e pelo sucesso nas colheitas. Ele estimula o mundo material dos indivíduos e lhes assegura enterro no solo após a morte. Geb umedece o corpo humano na terra e o sela para a eternidade. Nas pinturas é sempre representado com um ganso sobre a cabeça.
        “…ou nas águas debaixo da terra.”. (Êxodo 20, 4)
        Por fim o que estava nas águas eram justamente os deuses animais que ficavam nas águas e que eram adorados no Egito:
        SEBEK, um crocodilo ou um homem com cabeça de crocodilo representavam essa divindade aliada do implacável deus Seth. O deus-crocodilo, era venerado em cidades que dependiam da água, como Crocodilópolis.
        TUÉRIS, (Taueret ) era a deusa-hipopótamo que protegia as mulheres grávidas e os nascimentos. Ela assegurava fertilidade e partos sem perigo. Adorada em Tebas, é representada em inúmeras estátuas e estatuetas sob os traços de um hipopótamo fêmea erguido, com patas de leão, de mamas pendente s e costas terminadas por uma espécie de cauda de crocodilo.
        Será que é mera coincidência, Deus ter proibído as “imagens” justamente quando os judeus saíram do Egito? E por que esta proibição se assemelha tanto aos deuses do Egito? É apenas uma coincidência?
        Para que não haja mesmo qualquer dúvida ou questionamento de que Deus se referia aos falsos deuses do Egito, ao pedir que o povo não praticasse idolatria, nem fizesse “imagens”, leremos agora um trecho do livro de Josué, que foi quem substitui Moises:
        “Agora, pois, temei o Senhor e o servi-o com inteligência e fidelidade. Afastai os deuses aos quais vossos pais serviram do outro lado do rio e no Egito, e servi ao Senhor”. (Josué 24, 14).
        E para termos ainda mais certeza de que Deus falava claramente dos falsos deuses do Egito, leiamos o que fala também, Ezequiel 8, 8-10:
        “Filho do homem, disse-me ele, fura a muralha, quando a furei, divisei uma porta. Aproxima-te, diz ele, e contempla as horríveis abominações a que se entregam aqui. Fui até ali para olhar: enxerguei aí toda espécie de imagens de répteis e animais imundos e, pinturas em volta da parede, todos os ídolos da casa de Israel”.
        Agora Leonardo o que podemos perceber com essa passagem bíblica? Obviamente que os sacerdotes estavam adorando os falsos deuses em forma de répteis e animais, que Deus havia proibido que fossem adorados.

        Saibas Leonardo que o próprio Josué que condenou as imagens dos ídolos, se prostrou diante das imagens da Arca da Aliança e isso não foi caracterizado como idolatria:

        VEJA
        “Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças” (Josué 7, 6)

        A serpente de Bronze:
        “E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo.” (Nm 21,8-9)

        A própria serpente de bronze foi uma prefiguração de Cristo e ele próprio confirma isto, ou seja a crucificação de Cristo foi representada com uma imagem de cobra:
        “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem,” (João 3, 17)
        Estaria Moisés cometendo idolatria?
        O templo de Salomão:
        “E no oráculo fez dois querubins de madeira de oliveira, cada um da altura de dez côvados.” (I Reis 6, 23)
        “E revestiu de ouro os querubins. E todas as paredes da casa, em redor, lavrou de esculturas e entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, por dentro e por fora.” (I Reis, 6, 28-29)
        “E sobre as cintas que estavam entre as molduras havia leões, bois, e querubins, e sobre as molduras uma base por cima; e debaixo dos leões e dos bois junturas de obra estendida.” (I Reis 7, 29).
        “Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro.” (II Crônicas 3,10)

        E outra meu caro Leonardo Era neste mesmo templo que os apóstolos e Jesus iam para orar:

        VEJA:
        “Jesus passeava no templo, no pórtico de Salomão.” (João 10,23)
        “Enquanto isso, realizavam-se entre o povo pelas mãos dos apóstolos muitos milagres e prodígios. Reuniam-se eles todos unânimes no pórtico de Salomão.”(Atos 5, 12)

        Me diga Leonardo?Estariam Jesus e os apóstolos sendo idólatras ao frequentar um templo repletos de imagens de escultura?

        Olha Leonardo só aqui fica mais do que provado , que Deus nunca proibiu a fabricação de imagens e sim de ídolos para a adoração, colocando-os no lugar do próprio Deus.

        São milhares de referências bíblicas meu caro Leonardo saibas que todos os templos de Deus tinha milhares de milhares de imagens e eu ti provo pela geologia pela arqueologia pela bíblia e por mais de 50 historiadores dos primeiros séculos
        Leonardo entenda que a idolatria é uma palavra formada por dois radicais, ido, que provém de ídolo e latria, que significa culto a uma divindade
        Veja outras passagens bíblicas que apoiam as imagens.
        E ainda: Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2
        ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
        (Sl 65(64),5).
        LEONARDO CHAME ESSE VERSÍCULO DE IDOLATRIA POIS É ISSO QUE A IGREJA FAZ NOS SEUS TEMPLOS.
        Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou.
        Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).
        Veja
        Ezequiel 8
        6
        E ele me disse: Filho do homem, vês tu o que eles estão fazendo? As grandes abominações que a casa de Israel faz aqui, para que me afaste do meu santuário; Mas verás ainda outras grandes abominações.7 E levou-me à porta do átrio; então olhei, e eis que havia um buraco na parede.8 Então ele me disse: Filho do homem, cava agora na parede. E quando eu tinha cavado na parede, eis que havia uma porta.9 Disse-me ainda: Entra, e vê as ímpias abominações que eles fazem aqui.10 Entrei, pois, e olhei: E eis que toda a forma de répteis, e de animais abomináveis, e todos os ídolos da casa de Israel, estavam pintados na parede em todo o redor.
        Leonardo você lê que no livro de Ezequiel, ídolos são figuras de répteis!
        Agora eu pergunto Leonardo? O que as figuras de répteis tem a ver com o catolicismo???
        Agora, veja que no mesmo livro de Ezequiel ele citando as imagens permitidas dentro do templo, e detalhe Leonardo, ELES POSSUEM ROSTO HUMANO!
        VEJA:
        Ezequiel 41
        1 ENTÃO me levou ao templo, e mediu os pilares, seis côvados de largura de um lado, e seis côvados de largura do outro, que era a largura da tenda.(…)17 No espaço em cima da porta, e até na casa, no seu interior e na parte de fora, e até toda a parede em redor, por dentro e por fora, tudo por medida.
        18 E foi feito com querubins e palmeiras, de maneira que cada palmeira estava entre querubim e querubim, e cada querubim tinha dois rostos,
        19 A saber: um rosto de homem olhava para a palmeira de um lado, e um rosto de leãozinho para a palmeira do outro lado; assim foi feito por toda a casa em redor.
        Agora vejam essas outras passagens bíblicas que vai contra toda tese do protestantismo
        Salomão mandou colocar no Santo templo imagens de
        – 2 QUERUBINS no Oráculo (III Reis 6,23-28),
        -mandou colocar no templo
        12 BOIS na bacia de bronze! (III Reis 7,25);

        Mandou colocar no templo
        BOIS e LEOES e QUERUBINS! (III Reis 7,28-29) e
        E ainda “como que figuras de HOMENS EM PÉ”, e

        Mais QUERUBINS e LEÕES (III Reis 7,36);
        Leonardo quando você estuda nas fontes as palavras os costumes e as línguas primitivas dos escritores das época dos fatos você não contradiz.
        Veja que as representações simbólicas dos querubins – muito provavelmente – possuíam pés e mãos, não é mesmo?
        Da vida acreditam que os “querubins da glória” (Hb 9,5) eram cotos ou aleijados?
        As estátuas querubínicas da Arca da Aliança são representadas possuindo pés e mãos.]
        OBS LEONARDO.: Que na Vulgata, inclusive, é citada que, no Templo de Jerusalém, a presença de uma imagem de homem:
        Apresentando como que a figura de um homem de pé” (III Reis 7,36)>> [BÍBLIA SAGRADA (Traduzida da Vulgata), 15a.
        Edição, Edições Paulinas, SP, 1998, p. 378].– [III Reis 7,36 equivale, nas demais traduções da Bíblia, a 1 Reis 7,36]
        b)Ao citar o texto do Deuteronômio, você Maurício Pereira da Silva frisou: imagem de “homem e mulher “. Por que ele não frisou também a parte antecedente que diz: “Imagem esculpida em forma de ídolo” (Dt 4,16).
        Assim, Deus haveria especificado a proibição da Lei como sendo só sobre as estátuas (isto é, “imagem esculpida”) e não com referência a qualquer tipo de imagem.
        Essa proibição do Deuteronômio inclui: a pintura, o desenho, o mosaico, o vitral, os bordados, as tapeçaria, posters, etc?
        Se dizes que sim; então, prove! Pois, pelo texto bíblico é dito especificadamente: “imagem esculpida em forma de ídolo”(cf. Dt 4). Repito, pelo texto do deuteronômio citado, NÃO é qualquer tipo de imagem; mas “ESTÁTUA” e ainda, esta estátua, tem que ser “em forma de ídolo”.
        (Sugerindo, assim, que éxistem estátuas que não possuem a forma idolátrica e estas, por conseguinte, também não seriam proibidas).
        Em suma, por tal inferência,então, poder-se-ia afirmar que: “Todo ídolo – obrigatoriamente – teria que ser uma estátua; mas nem toda estátua seria um ídolo” (assim como todo dólar é dinheiro; mas nem todo dinheiro é dólar);
        Haja vista existirem estátuas aceitas no templo (querubins, leões, touros: 1Rs 7,29; além de escultura de guirlandas e palmas: 2 Cron 3,5),afora a estátua da serpente de bronze (cf. Nm 21,8-9) ou dos ratos e tumores (cf. 1Sm 6,11).
        Há ainda a estátua que ficou – por um bom período de tempo – na Casa de Deus em Silo: “Eles instalaram para seu uso a imagem que Micas havia esculpido, e ela permaneceu lá todo o tempo em que subsistira a casa de Deus em Silo” (Jz 18,31).
        E o Dicionário?
        “No Dicionário Aurélio 3.0 – Século XXI” também é dito que honrar é venerar. E agora Maurício Pereira da Silva ? Tu não honrarás mais teus pais porquanto – no Aurélio – venerar significar honrar?
        E como fica o santo mandamento que diz: “Honra teu pai e tua mãe” (Lc 18,20); bem como a seguinte sentença bíblica que diz: “Se alguém me serve, meu Pai o honrará” (Jo 12,26); ou ainda: “Honrai a todos” (1 Ped
        Aliás, no mesmo dicionário, “venerar”
        Significa respeitar. Será que não mais respeitará nada e ninguém, exceto Deus?… Eu creio que não! Pois, certamente, você Leonardo.
        Continuará respeitando muitas coisas; bem como dando a honra a quem é devida a honra, não é mesmo?… Aí eu me pergunto: você honra os santos de Deus? Você os respeita? Sim ou não?… Você respeitaria as imagens do Templo de Jerusalém?
        {Lembre-se –- segundo o Aurélio respeitar é venerar (e que, presumidamente, seria o mesmo que adorar).]
        Você as respeitaria ou não?… E como Adorar, segundo o citado dicionário, é igual a idolatrar; então, não te incomodarias de ser chamado de “idolatrador” de Deus? [Eu porém não idolatro Deus, eu o adoro!]
        Segundo o mesmo dicionário, adorar é amar extremamente. E me responda, então: “Deus amou o mundo: pouco, medianamente, ou em extremo?
        Não foi em extremo,? A ponto de – conforme está escrito – entregar ao seu Filho amado para salvação do mesmo:
        “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único” (Jo 3,16). Por conseguinte, segundo aquele que vulgarmente é denominado de “Pai dos Burros”, Deus teria cometido o pecado da idolatria;?
        Esse é um cipoal em que se meteste,
        (E com dicionário embaixo do braço!… Melhor seria fechá-lo, e rapidamente! Antes que, “com pés e mãos”
        Sejas, tu, laçado nos fogo do inferno – conforme asseverou Nosso Senhor Jesus Cristo.)
        Eu, porém, digo: têm certos lugares (“as sinagogas de Satanás”) que peço a Deus não precisar nunca ir para não ter, quiçá, que me depara com os “cães” (Mt 7,6), “víboras” (Mt 23,33) e todo tipo de “bestas” – que por lá possa haver? Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou. Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).
        E ainda Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2). [O Santuário, como é bem sabido, estava cheio de imagens.
        ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
        (Sl 65(64),5).
        AGORA UMA OUTRA[OBS LEONARDO.: o Templo e tudo que havia nele eram sagrados! Portanto, cada objeto de lá, inclusive, as imagens, não podiam ser tidos com simples enfeites – eram ornamentos sacros com significados simbólicos-religiosospreciosos.]
        Olha os que ignoram a Escritura é preciso deixar claro: o que é proibido é a prostração “adorativa” perante criaturas (sejam imagens ou não); e não a prostração SEM adoração. Vejamos, alugns exemplos, lícitos, de prostrações sem a adoração:
        – “Betsabéia se ajoelhou e se prostrou diante do rei” (1 Rs 1,16).
        – “Quando chegou o profeta Natã… Ele veio perante o rei e se prostrou diante dele” (1 Rs 1,22s.) – “Esse terceiro chefe subiu, dobrou os joelhoes diante de Eliseu e suplicou-lhe assim: “Ó homem de Deus…” ” (2 Rs 1,13).
        – “Prostrai-vos perante o seu monte sagrado” (Sl 99(98),9).
        Leonardo aprenda uma coisa que em primeiro lugar, que nenhum dicionário é tratado de epistemologia, de hermenêutica ou de exegese.
        E saiba que qualquer estudo mais sério de sinonímia lhe dirá que não há sinônimo que seja absolutamente equivalente.
        também aprenda ainda, meu caro, que se existem duas palavras distintas para designar algo ou uma ação, é porque cada uma delas dá um matiz diverso da coisa ou da ação designada. Se duas palavras são absolutamente idênticas, a língua tende a eliminar uma delas.
        Assim Leonardo eu ti provo biblicamente e por mais de 80 escritores e padres da igreja dos 4 primeiros séculos da era cristã que, adorar não é venerar, nem, muito menos, idolatrar.
        Pois cada uma dessas palavras tem sentidos diferentes.
        Agora se o seu “pai de burros” não faz essa distinção, é porque é um “Pai de burros” muito pouco sábio. E apesar de o mais famoso “pai de burros”, no Brasil, se chamar Aurélio, se o sr. compará-lo com qualquer “Pai de Burros ” estrangeiros, verá logo uma diferença… uma diferença… digamos… gigantesca olha (hesitei na escolha do adjetivo, e coloquei um muito vulgar, só para manter o respeito).
        Leonardo aprenda que adorar significa reconhecer como Deus, criador de todas as coisas.
        Já a palavra idolatrar, embora seu amigo Aurélio — que não mora aqui em casa — não explique isso, significa em certo sentido o oposto, pois designa a ação de adorar uma criatura em vez de adorar o Criador.
        Materialmente, a ação de adorar e a ação de idolatrar são idênticas.
        Formalmente são opostas.
        Mais o senhor certamente compreende a diferença entre matéria e forma, na consideração de uma ação. Mas, para auxiliar sua recordação e compreensão, dou-lhe um exemplo didático, visto que um especialista em dicionário e em leitura enviezada da Bíblia normalmente anda tão atarefado em decorar e citar a Escritura por “centímetros” e “milímetros”, que facilmente pode ter esquecido uma coisa tão primária.
        Ademais, o “pai dos burros” nacionais, ou mesmo seus eqüivalentes estrangeiros, não trata disso.
        Agora você não é protestante né Leonardo você é um cristão! MAIS EU TI DIGO E AFIMO LEONARDO QUE OS PROTESTANTES SÃO CHAMADOS DE PROTESTANTES MESMO.
        Pois não existe a religião “evangélica”. Esse adjetivo é falsamente usado pelas seitas protestantes muito hoje em dia.

        As seitas protestantes se esconde, por trás do adjetivo “evangélico”, que é vago demais.
        Pois nele cabem os luteranos que crêem que Cristo é Deus.
        Nele se escondem também os Testemunhas de Jeová que não crêem na divindade de Cristo.
        Há milhares de seitas que se dizem evangélicas, cada uma acreditando ser a única verdadeira igreja.
        Na verdade os protestantes, são filho de Lutero. E não é preciso ser alemão para ser protestante, isto é, para ser filho de Lutero.
        Há, infelizmente, brasileiros filhos dele (e do dicionário).
        Os protestantes não anda bem da lógica.

        Vou ti da uma prova?
        Os protestantes costumam sempre citar o texto do II livro dos Reis (XVIII, 3-4) para provar que o Rei Ezequias destruiu a serpente de bronze feita por Moisés.
        Obrigado pela prova de que tenho razão.
        Pois o que prova esse texto que as seitas citam?
        Prova:
        1) Que Moisés fizera de fato uma serpente de bronze;
        2) que essa serpente fora conservada pelos judeus durante longo tempo;
        3) que eles acabaram por adorá-la ou a prestar-lhe culto indevido;
        4) que por isso, Ezequias a quebrou.
        Agora eu digo Leonardo? Teria agido mal Moisés ao fazer a serpente de bronze?
        É claro que não, pois foi o próprio Deus quem ordenou fazê-la e olhar para ela para que os judeus se curassem.
        Erraram os judeus conservando-a? É evidente que não, porque mostravam gratidão e obediência a Deus.
        E entre os que conservaram estavam Moisés, Josué, os Juízes, Daví, Salomão.
        Será que todos eles estavam errados? Será que nenhum deles tinha um “Aurélio” — um dicionário à mão para saber que adorar, venerar, reverenciar, amar extremamente é tudo a mesma coisa?
        E nenhum deles contou com um sábio protestante para aconselhá-lo?
        Por que, durante tantos séculos, Deus e seus enviados permitiram que se guardasse a serpente de bronze?
        É evidente que permitiram porque ela não era adorada. Quando a transformaram abusivamente em ídolo, Ezequias a destruiu.
        Mas fique sabendo, Leonardo, que abusus non tolit usum.
        E não pense que isso é lei da Igreja: é um princípio jurídico do Direito Romano.
        O abuso não tolhe o uso. Por isso Leonardo que se alguém abusa do culto de dulia de um santo e de sua imagem, e passa da veneração a idolatria, isso é um abuso condenável que não proíbe nem invalida o culto de dulia — e não de latria — de um santo e de sua imagem.
        Erraram depois os judeus transformando-a em ídolo? Evidente que sim, e, por isso fez bem Ezequias em destruí-la.
        Portanto, enquanto não se adora uma imagem como se fosse Deus, é lícito tê-la e mesmo “olhar para ela para ser curado” como Deus mandou.
        Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)
        Leonardo desaprovação que muitos protestantes têm para com o costume católico de ter imagens religiosas e estátuas surge suspeita de que os católicos cometer o pecado de idolatria a adorá-los (o que é proibido em Êxodo e Deuteronômio 20,3-5 5.6. – 9). O que eu digo: Esse erro é muito mais amplo do que podemos imaginar.
        Veja que advertências contra a idolatria aparecem por toda a Bíblia (por exemplo, 33,52 Números, Deuteronômio 7,5, 25, 9,12, 12,3, 2 Reis 17,9-18, 23,24, 2 Crônicas 23:17 ; 28,1-3, 22,18-25, 34,1-7). Em 1 Coríntios 10,14 Paulo escreveu: ” Amados, Shun a adoração de ídolos “(Romanos 1,18-23).
        Mais saibas que Deus condena o pecado da idolatria, seja na forma de estátuas, coisas materiais, sexo, poder, tudo o que se torna um ídolo. Mas Ele não proíbe imagens religiosas, desde que sejam usados corretamente. Por exemplo, em Êxodo, capítulo 25, Deus ordena a Moisés a esculpir estátuas de anjos.
        ” Senhor falou a Moisés dizendo … Farás também dois querubins de ouro maciço, o que em ambas as extremidades do propiciatório: faça o querubim primeiro em uma extremidade e segundo na outra. A forma querubins um corpo com o propiciatório em suas duas extremidades. Eles vão estar com as asas estendidas acima, ofuscando o propiciatório com eles, frente a frente, com o rosto virado para a misericórdia … Não vou encontrar contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins sobre a arca do Testemunho você se comunica tudo o que tenho para te ordenar para os israelitas. “(Êxodo 25,1.18-20.22, ver também 26,1)
        Veja Leonardo que issto mostra claramente que há circunstâncias em que as imagens religiosas não são apenas permitidas, mas também muito agradável a Deus . Outro exemplo é descrito em mais incidente 1 Samuel 6,1-18. Em Êxodo 28,31-34 o Senhor ordenou que vestes sacerdotais de Arão adornados com imagens de romãs. Em Números 21,8-9 Ele ordenou a Moisés, para esculpir a imagem de uma cobra milagrosamente curado picadas de cobras venenosas (uma estranha prenúncio da cruz de Cristo [cf João 3:14). E em 2 Reis 18,4, quando as pessoas começaram a adorar a serpente de bronze, o rei imediatamente destruído. O que antes era uma imagem legítima sagrado tornou-se um objeto de idolatria. (Um conto de advertência para qualquer um tentado a superstição ou idolatria).
        Agora Leonardo observe o que Deus disse a Salomão, quando construiu o Templo:
        ” “Para esta casa que você está construindo, se você andar nos meus estatutos, de acordo com trabalhos meus juízos e manter todos os meus mandamentos para andar de acordo com eles, eu mantenho a minha palavra contigo, o que eu disse a Davi, teu pai, habitar entre os filhos de Israel e não desampararei o meu povo de Israel “Salomão construiu a casa, e terminou “(1 Reis 6,12-14).
        Entenda Leonardo que esta declaração é muito importante porque o templo continha um grande número de estátuas e imagens, incluindo anjos, árvores, flores, bois e leões (cf. 1 Reis 6,23-35, 7,25.36).Decisão de Salomão para incluir estas imagens religiosas veio o dom da sabedoria que Deus havia abençoado com (cf. 1 Rs 3,1-28). E longe de ser perturbado por estas imagens ” Senhor disse: “Eu ouvi a oração e súplica de ter executado antes de mim. Eu consagrei esta casa que você construiu para colocar o meu nome para sempre, e os meus olhos e meu coração estarão nele para sempre ” Y (1 Reis 9:3).
        Obviamente, Deus não teria abençoado Salomão e “santificado” seu templo cheio de estátuas e imagens, se ele não concorda com eles – mais uma prova de que as imagens podem ser bom quando usado para dirigir nossos pensamentos a Deus e às coisas mais altas .
        Lembre-se Leonardo que São Paulo chama Cristo ” imagem do Deus invisível “(Colossenses 1:15). A palavra grega para “imagem” é Eikonos , da qual deriva a palavra “ícone”. Assim como manter imagens de nos
        sa família e amigos para lembrá-los, temos também estátuas e imagens de nossas casas e igrejas para lembrar-nos de nossa Senhor, da Virgem e dos Santos.
        Agora Leonardo vou ti passar algumas passagens adicionais para você estudar:
        João 14:9
        Colossenses 1,15
        Hebreus 1,3
        1 Evangelho de João 1:1-3

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        Agora vou usar a lógica para desmontar que a argumentação protestante não passa de fútil herética caduca leiga e contraditória.

        Ora ,os protestantes costumam usar um dicionário da língua portuguesa para justificar a igualdade de adorar e venerar isso é uma piadaaaaaa.

        POIS NO MEU ENTENDER E NO ENTENDER DE TODOS OS GRANDES TEOLOGOS E APOLOGÍSTAS
        QUAL QUER PALAVRA ESCRITA NA BÍBLIA VOCÊ DEVE ESTUDA-LA NA ÉPOCA EM QUE ELA FORA ESCRITA!

        Além de tosca essa sua argumentação lembramos que o dicionário (carinhosamente apelidado de PAI DOS BURROS)

        Se vale de similaridades para explicar aos seus filhos (OS BURROS) o que significa a palavra desconhecida.

        Quando uma pessoa não sabe algo, nos valemos de exemplos SIMILARES para dar a noção à quem desconhece.

        Na verdade, podemos dizer sem NENHUMA sombra de dúvida que para duas palavras existem dois significados…

        Se adorar é igual a venerar então…

        sagrado (definido no dicionário)

        do Lat. sacratu

        adj.,

        relativo aos ritos ou ao culto religioso;

        que foi consagrado;
        profundamente venerável;
        puro;

        santo;

        a que se deve o maior respeito;

        inviolável;

        s. m.,

        aquilo que é sagrado;

        prov.,

        adro da igreja;

        o chão do cemitério.

        VEJA AS CONTRADIÇÕES PROTESTANTES
        “I Coríntios 3:17 Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus, que sois vós, é SAGRADO.”

        (Êxodo 19,23)

        Moisés respondeu ao Senhor: “O povo não poderia subir o monte Sinai, pois vós no-lo ordenastes expressamente, dizendo: fixa limites ao redor do monte, e declara-o sagrado.” 03/07/2007 deleteHєnriquє

        (Êxodo 29,29)

        Os ornamentos sagrados de Aarão servirão para seus filhos depois dele, que os vestirão quando se lhes der a unção e forem empossados.

        Aliás isso é legal pra quem critica as vertes liturgicas da igreja…

        (Êxodo 31,10)

        as vestes litúrgicas, os ornamentos sagrados para o sacerdote Aarão, as vestes de seus filhos para as funções sacerdotais;

        (Êxodo 31,14)

        Guardareis o sábado, pois ele vos deve ser sagrado. Aquele que o violar será morto; quem fizer naquele dia uma obra qualquer será cortado do meio do seu povo.
        (Êxodo 34,15)

        Guarda-te de fazer algum pacto com os habitantes do país, pois, quando se prostituírem a seus deuses e lhes oferecerem sacrifícios, poderiam convidar-te e tu comerias de seus banquetes sagrados;

        (Números 7,9)

        Aos filhos de Caat, porém, não deu carros nem bois, porque tinham o cuidado de objetos sagrados que levavam aos ombros.

        (Números 10,21)

        Os caatitas partiram em seguida, levando os objetos sagrados. E, antes que chegassem, era montado o tabernáculo.

        (Números 18,3)

        Eles farão o serviço que te é devido e o serviço da tenda, mas não se aproximarão dos objetos sagrados, nem do altar, para que não morram, e vós juntamente com eles.

        (I Crônicas 16,29)

        tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome. Trazei oferendas e chegai à sua presença, adorai o Senhor com ornamentos sagrados.

        (II Crônicas 5,5)

        e transportaram-na com a tenda de reunião e todo o seu mobiliário de utensílios sagrados. Foram os sacerdotes levíticos que fizeram essa transladação.

        (Salmos 46,9)

        Deus reina sobre as nações, Deus está em seu trono sagrado.

        (I Macabeus 4,49)

        Fizeram novos vasos sagrados e transportaram ao santuário o candeeiro, o altar dos perfumes, e a mesa.

        (Salmos 28,2)

        Rendei-lhe a glória devida ao seu nome; adorai o Senhor com ornamentos sagrados.

        (Eclesiástico 26,22)

        Como a lâmpada que brilha no candelabro sagrado, assim é a beleza do rosto na idade madura. 03/07/2007 delete Hєnriquє

        (Jeremias 17,2)

        nos ângulos de seus altares. (Lembrando-se de seus filhos), (pensam) em suas estelas e marcos sagrados, junto das árvores verdejantes no alto das colinas elevadas.

        (Ezequiel 42,14)

        Uma vez que tiverem entrado, os sacerdotes não sairão do lugar santo para o átrio exterior, sem ter deixado ali as suas vestes litúrgicas, porque esses paramentos são sagrados. Eles se revestirão de outros hábitos para penetrar nos lugares destinados ao povo.

        Me digam protestantes se?Paramentos são sagrados??? Alguns acham que não… Mas como é possível isso? Não está dito na bíblia???

        (Ezequiel 45,6)

        Para o domínio da cidade, assinalareis uma porção de cinco mil côvados de largura, por vinte e cinco mil de comprimento, paralelamente ao espaço sagrado já reservado. Ela pertencerá a toda a casa de Israel.

        (Joel 4,17)

        Sabereis então que eu sou o Senhor, vosso Deus, que habita em Sião, minha montanha santa. Jerusalém será um lugar sagrado onde os estrangeiros não tornarão mais a passar.

        (Miquéias 5,13)

        Extirparei de tua terra os bosques sagrados e arrasarei tuas cidades.

        aliás … pela mesma fonte, temos que…

        consagrar

        Conjugar

        de sagrar

        v. tr., tornar sagrado; sagrar; dedicar a Deus; converter (pão e vinho) no corpo e sangue de Jesus Cristo; oferecer em homenagem; destinar; dedicar ao culto; sancionar;

        v. int., ant.,

        jurar pela sagrada hóstia;

        v. refl.,

        dedicar-se.
        Continuando… Se ‘sagrado’ é aquilo que é ‘profundamente venerável’ e consagrar é ‘tornar sagrado’. Quando ouvimos muitos religiosos dizerem que eu me consagro a Deus, podemos ter que esta pessoa esta por seus méritos próprios (por seus ‘poderes’) SE tornando sagrado e portanto digno e profundamente venerável…?

        Ora, me parece que de duas, uma…

        Ou o dicionário não se presta a responder quesitos da fé… Ou temos muitos hipócritas por ai…

        A cereja em cima do bolo…

        o dicionário ainda aponta que

        santo

        do Lat. sanctu

        adj.,

        sagrado; bem-aventurado;

        venerável; virtuoso; bondoso; santificado (dia);

        s. m.,

        indivíduo que morreu em estado de santidade ou foi canonizado; por ext. homem reconhecidamente virtuoso e bom.

        campo -: cemitério;

        lugar -: a igreja; qualquer templo;

        nariz de -: algo que se faz meticulosamente;

        remédio -: remédio eficaz;

        Santo Ofício: tribunal da Inquisição;

        – de pau carunchoso: pessoa sonsa, velhaca; o m. q. santo de pau oco;

        – de pau oco:vd. santo de pau carunchoso;

        – sacrifício: missa.

        Assim acaba o raciocínio de que o dicionário aponta como sendo “santo” o que é sagrado;

        venerável…

        Se a bíblia fala que “(Êxodo 29,31)

        Tomarás o carneiro de inauguração e farás cozer a sua carne em um lugar santo.” Temos então que EXISTE um lugar santo…

        Se diz que “(Êxodo 30,35)

        Farás com tudo isso um perfume para a incensação, composto segundo a arte do perfumista, temperado com sal, puro e santo.” Temos um perfume SANTO…

        “(Levítico 2,3)

        O que sobrar da oblação será para Aarão e seus filhos; isto é, o que há de mais santo entre os sacrifícios feitos pelo fogo ao Senhor.” Existe um sacrifício SANTO…

        “(Levítico 6,11)

        Todo varão entre os filhos de Aarão comerá dela. Essa é uma lei perpétua, no tocante às partes destinadas a vossos descendentes, das ofertas feitas pelo fogo ao Senhor. Todo aquele que tocar essas coisas será santo.” ” Existem homens SANTOS…”(Levítico 11,44)

        Pois eu sou o Senhor, vosso Deus. Vós vos santificareis e sereis santos, porque eu sou santo. Não vos contaminareis com esses animais que se arrastam sobre a terra, …”

        Se existem santos (que são sagrados;bem-aventurados;veneráveis)

        E se sagrado é o profundamente venerável… Então me explique protestante? porque cargas d’água falam que católicos são idolatras por venerar um santo?
        Protestantes olha vai um conselho antes de vocês usarem um dicionário como instrumento de estudo teológico, vamos pensar.

        tanto em Êxodo 20,4, quanto em Deuteronômio 5,8 consta o seguinte
        “לא תעשׁה לך פסל וכל תמונה אשׂר בשׂמים ממעל ואשׂר בארץ מתחת ואשׂר במים מתחת לארץ ”
        A quarta palavra da direita para a esquerda encontramos a palavra “פסל” que se lê “FESEL” que, no hebraico, significa ÍDOLO.

        E mais nas traduções bíblicas encontramos quase sempre “IMAGENS DE ESCULTURA” ou “IMAGENS ESCULPIDAS”.

        Isso meu caro não está errado. Apenas devemos entender que não se trata de qualquer imagem e sim apenas como imagens de ídolos.

        É o que se entende quando lemos com cuidado todo o início do Decálogo em que podemos verificar facilmente que se trata de ídolos.
        Por isso de forma alguma devemos aí incluir toda e qualquer imagem que Deus considera comonecessárias, úteis e benéficas.
        Caso Fosse o contrário, então Deus não teria:

        1 – mandado fazê-las (Êxodo 25,18; Números 21,8)

        2 – dado suas ordens ao povo falando do meio dos querubins de ouro (Êxodo 25,22);

        3 – operado milagres através delas (Números 21,9; Êxodo 25,22);

        4 – aprovado tais imagens, quando encheu com sua glória o templo de Salomão (que estava repleto delas “por dentro e por fora”) (Números 21,9; 1 Reis 8, 10-11; Êxodo 25,22);

        5 – permitido que seus amigos o adorassem prostrados à frente delas (Josué 7,6)

        PROTESTANTES ESTUDEM NAS FONTES

        O DICIONÁRIO DIZ QUE NÃO TEM DIFERENÇA… – Segundo o dicionário encontramos as seguintes acepções para o verbo

        – ADORAR: (lat adorare) vtd 1 – VENERAR. 2 – Amar extremamente, idolatrar. 3 – Gostar muito de. 4 Prestar culto a; cultuar. Antôn: desadorar, detestar.

        Daí podemos concluir que VENERAR é o mesmo que ADORAR?

        De forma alguma
        Vejamos outro exemplo:

        – BOLACHA – 1. Bolo chato e seco de farinha, de diversas formas e tamanhos.

        2 Lâmina fina de borracha. 3. Bofetada. 4. Porcelana isoladora, no fogareiro elétrico.

        Raciocinando à maneira protestante teríamos de entender forçosamente que tanto faz alguém gostar de saborear “bolacha” quanto saborear um atrevido “sopapo”, ou até mesmo comer uma peça de “porcelana”.

        2.Aqui é necessário distinguir a diferença que vai entre uma imagem que o próprio Deus mandou fazer e as imagens de ídolos (“fesel” em hebraico) que os idólatras tinham na conta de divindades.

        Em Ex 20,4 e Deut 5,8 Deus proíbe FESEL (ídolo) e
        não toda e qualquer imagem que são necessárias, bené-
        ficas e úteis, tanto assim que ele próprio as mandou
        fazer, operou milagres através delas, falou ao povo
        dentre elas, aprovou-as quando abençoou o templo de
        Salomão que estava repleto delas. Também aceitou a
        adoração de seus servos prostrados ante duas delas
        que estavam sobre o tampo da Arca da Aliança.

        Apenas com um pouco de bom senso é o suficiente para perceber que uma procissão pagã exaltando seus ídolos é muito diferente da procissão de judeus que conduziam as imagens de dois santos (os anjos são santos)

        sobre um andor (a Arca da Aliança), como difere igualmente da procissão dos católicos portando as imagens de santos nas quais não se reconhece nenhuma divindade.

        DICIONÁRIO: “O MESMO SENTIDO…” – Não é a mesma coisa com vimos em “1” acima.

        IMAGEM DE GESSO – É o uso que se dá à imagem que a torna ídolo ou não. Uma imagem comum não passa a ser um ídolo só porque foi feita de gesso, da mesma forma que um ídolo não passa a ser uma imagem comum só porque foi feito com metais preciosos.

        ADORAR E VENERAR SÃO SINÔMOS – Nem sempre! Procure no dicionário e verifique o significado de “SERRA” que vai desde ferramenta até penedia com picos, ou cadeia de montanhas, ou cordilheira. O termo “MANGA” tem várias acepções: parte do vestuário, chaminé de lampião, mangueira, filtro, redes para pesca de sardinhas, grupo, turma, tromba-d’água, chocalho, eixo de um veículo, peça tubular destinada a ser enfiada sobre uma peça cilíndrica, bucha ou casquilho, hoste de tropas, abaneiro, paio e seguem muitíssimos outros significados. Os dicionários registram palavras sinônimas assim como as diversas acepções diferentes que tem uma palavra. Venerar até pode significar também adorar, mas nem sempre.

        APENAS O CRIADOR, O PAI E O FILHO DEVEM SER ADORADOS/VENERADOS – E o Espírito Santo que também é Deus (Atos 5,3-4)? Não faça confusão: ADORAR pode ter o significado de gostar, amar muito, (exemplo: “Alzira adora seu pai”; “Adoro desmentir os protestantes”), enquanto VENERAR também pode significar ADORAR, mas nem sempre (exemplo: Os pagãos veneram seu ídolos)
        Já nós católicos não

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        EU TE PERGUNTO LEONARDO?
        TERIA DEUS PROIBIDO TODA E QUALQUER IMAGEM?

        VEJA UMAS DAS PRINCIPAIS PASSAGENS USADAS PELOS PROTESTANTES
        Êxodo 20-4,6 agora saiba como nós católicos explicamos essa parte?

        NOTE LEONARDO QUE RESPOSTA É muito Simples; Mas Muito simples mesmo! Veja o que nos diz o texto original de Êxodo 20,4-6 e não somente este mas também Deuteronômio 5,8?

        Veja aqui Leonardo o texto original em hebraico, mas não se assuste com as letrinhas diferentes e sem vogais: “לא תעשׁה לך פסל וכל תמונה אשׂר בשׂמים ממעל ואשׂר בארץ מתחת ואשׂר במים מתחת לארץ” Leonardo conte a quarta palavra da direita para a esquerda (é assim que se escreve o hebraico) e encontrará a palavra” פסל”, que se lê “FESEL” e se traduz no grego por “EIDOLON” e no português por “ÍDOLO”.

        Portanto, o que Deus realmente está proibindo são IMAGENS DE ÍDOLOS com as quais os hebreus estavam tão acostumados, e não toda e qualquer imagem.

        Leonardo, agora veja o original hebraico de Isaías 42,8 que foi traduzido por “imagens de Escultura”:
        “אני יהוה הוא שמי וכבודי לאחר לא אתן ותהלתי לפסילים”

        Que é “לפסילים”? Coloquemos este termo no tradutor Google Hebraico-Português e que obteremos de retorno?

        Isto: “Ídolos”; Nos demais versículos, 45,20 e 51,18 a tradução já é mesmo “ídolo”.

        Leonardo, agora vamos ler em Atos 28 o que fez o Católico São Paulo quando embarcou em um Navio indo Para ROMA

        “Ao termo de três meses, embarcamos num navio de Alexandria, que havia passado o inverno na ilha. Este navio levava por INSÍGNIAS* os DIÓSCUROS*”. (At 28,11)

        *INSÍGNIAS : EMBLEMAS, IMAGENS

        *DIÓSCUROS: A IMAGEM DE CASTOR E PÓLUX, ORNANDO A PROA DO NAVIO

        Eu te pergunto Leonardo? Como pode São Paulo, embarcar num navio de idolatras? Pois o navio tinha imagens de estatuas?
        Mais não Leonardo! São Paulo não aproveitou a ocasião para condenar aquelas imagens, porque era Católico e não protestante (QUE NEM EXISTIAM AINDA) e mais ele sabia muito bem distinguir Imagem de Ídolo.

        LEONARDO, AGORA LEIA ESSA PASSAGEM E NOTE QUE DEUS HABITAVA NOS TEMPLOS.

        VEJA

        “Quando os sacerdotes saíram do lugar santo, a nuvem encheu o templo do Senhor, de modo tal que os sacerdotes não puderam ali ficar para exercer as funções de seu ministério; porque a glória do Senhor enchia o templo do Senhor” (1 Reis 8, 10-11)

        LEONARDO, É SOFISMA E CONTRADIÇÃO E MUITA FALTA DE ESTUDO DAS FONTES VERDADEIRAS, ONDE SE FORAM CRIADAS AS OBRAS E OS TESTEMUNHOS E OS ACONTECIMENTOS DOS FATOS.

        VOU TE DAR UM SÓ EXEMPLO LEONARDO, ALÉM DOS MILHARES DE MILHARES DE ESCRITOS QUE COMPROVAM IMAGENS BIBLICAMENTE EXISTEM. TAMBÉM A ARQUEOLOGIA E A GEOGRAFIA QUE COMPROVAM AS IMAGENS USADAS PELAS IGREJAS CATÓLICAS DO PRIMEIRO SÉCULO
        SEM CONTAR OS PADRES DA IGREJA, OS PADRES APOSTÓLICOS ,OS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS OS HISTORIADORES E OS CRONISTAS DOS 4 PRIMEIROS SÉCULOS DA ERA CRISTÃ.

        VEJA, MEU CARO LEONARDO, SUAS CONTRADIÇÕES. DEUS QUE PROÍBE IMAGENS DIZ A MOISÉS QUE ESCOLHESSE UM ESCULTOR, ESSE MESMO QUE CONSTRUIU A ARCA DA ALIANÇA.

        VEJA

        Deus informa a Moisés o seguinte: Eu escolhi Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, dando-lhe destreza, habilidade e plena capacidade artística para (desenhar) e executar trabalhos em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar madeira e executar todo tipo de obra artesanal

        AGORA LEONARDO PARA NÃO RESTAR DUVIDAS ENTRE NESSE SITE DO MEU AMIGO RAFAEL RODRIGUES E VOCÊ VAI VÊ QUE IMAGENS JÁ ERAM USADAS PELOS APOSTÓLOS E PELOS PADRES APOSTÓLICOS NAS IGREJAS DO PRIMEIRO SECULO DA ERA CRISTA!
        ENTRE E VEJA:
        http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/imagens/540-as-pinturas-mais-antigas-dos-apostolos-de-jesus

        E mais Leonardo, longe da ignorância dos fanáticos freqüentadores de seitas tupiniquins, na Ilha de Malta, na Reunião Mundial das igrejas protestantes, foi assinado um acordo onde 92% das Igrejas Luteranas entre outras, já reconheceram que as imagens católicas não são e nunca foram ídolos.

        A esse respeito, sugiro a leitura do livro “História da Igreja”, vol. 3, de Martin N. Dreher, Ed. Sinodal, em especial as págs. 53 a 57, já que se trata de uma editora protestante e um autor protestante, que defendem o uso de imagens nas igrejas de Deus.

        Olha Leonardo. foi descoberta a igreja católica mas antiga do mundo, vou te mandar o link do site, aí você entra nela ok ela é repleta de imagens

        http://filhosprediletosdemaria.blogspot.com.br/2012/05/a-surpresa-de-megido-e-igreja-crista.html

        Leonardo, entenda meu caro, que as imagens tantas vezes na Bíblia solicitadas por Deus, já eram usadas pelos primeiros Cristãos:

        “Vem dos primeiros tempos do Cristianismo, envolvendo até o Apóstolo São Pedro, que teria chegado na Península Ibérica com uma imagem de Nossa Senhora Jerusalemitana, esculpida por São Lucas.” Diz o jornalista, pesquisador de História e escritor J. Muniz Jr. (Jornal A Tribuna de Santos, 9/9/97).

        Também dizia o grande teólogo primitivo Santo Agostinho (354-430): “Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos.”(Biblioteca Patrística). Morre o embuste protestante.

        Deus proíbe ídolo deus e não “imagens de esculturas”.

        LEONARDO EU ADORO DECIFRAR FARSAS PROTESTANTE PELA PATRÍSTICA PELA ARQUEOLOGIA E PELA BÍBLIA:

        Entenda também Leonardo que o falsário tradutor protestante, João Ferreira de Almeida, adulterou as já incompletas bíblias protestantes, colocando o termo “Imagens de Escultura” onde nos originais constam ÍDOLO, para fazer confusão.

        Se examinarmos o texto original hebraico, notaremos que em ambas as citações do Êxodo e do Deteuronônio falam claramente que aquilo que os protestantes e más traduções traduzem por “IMAGENS DE ESCULTURA”, na verdade, deveria ser traduzido por ÍDOLOS, pois a palavra hebraica utilizada é “PESEL” que se traduz no grego por “ÊIDOLON” e em português por ÍDOLO.

        Esta é uma dentre as muitas querelas que, examinadas a fundo, a Igreja Católica está claramente com a razão.
        Como poderia Deus proibir “imagens de escultura” se mandou construir duas para colocar sobre a arca da aliança que guardavam as tábuas, que na verdade proíbem ÍDOLOS????

        Exemplos das falsificações protestantes estão em (Isaías 44,9-10,15,17). O falsário protestante, além de enfiar “imagem de escultura” onde consta ÍDOLO, ainda enfiou criminosamente a palavra “procissão” em (Is 45,20).

        Mas não conseguiu adulterar os versículos seguintes, que restauram o sentido verdadeiro dos originais, com o ídolo de Micas, que não era mais um deus, transformado em “imagem de escultura” para a casa de Deus, veja:
        “E os filhos de Dã levantaram para si aquela IMAGEM DE ESCULTURA, e Jônatas, filho de Gérson, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até ao dia do cativeiro da terra. Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31).
        (conf. Bíblia J. Ferreira).

        Deus só proibia figura de si, enquanto ninguém o viu naquele instante no monte Horebe (Dt 4,15-19), se o esculpissem estariam mentindo, se o comparassem com as figuras que Ele descreve, podendo incorrer na fabricação da imagem de um falso deus pagão.

        Mas logo, muitos viram Deus: Jacó viu Deus cara a cara (Gênesis 32,30); Moisés e os anciões de Israel viram Deus (Êxodo 24,9-11); Deus falou com Moisés cara a cara (Êxodo 33,11) (Deuteronômio 34,10); Ezequiel viu Deus em uma visão (Ezequiel 1,27-28). Com o passar do tempo, relata a bíblia:

        … “Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). (conf. Bíblia J. Ferreira).

        E outra coisa Leonardo não se pode esquecer jamais que todos utensílios para o altar e o altar ungidos(consagrados) se tornam coisas santas:

        VEJA:

        “Tomarás o óleo de unção e ungirás com ele o tabernáculo com tudo o que ele contém; consagrá-lo-ás com todo o seu mobiliário para que ele se torne uma coisa santa.

        Ungirás o altar dos holocaustos e todos os seus utensílios; em virtude de tua consagração, o altar se tornará uma coisa santíssima.” (Ex 40, 9-10)

        No templo no lugar santissimo Deus manda oferecer sacrificios para perdão dos pecados e que se derrame o sangue deste sacrificio onde esta duas IMAGENS DE ESCULTURA.

        Agora Leonardo veja essa exaustiva concordância Strong
        (dicionário das linguas bíblicas, e protestante) traduz essa palavra como:

        06459 pecel
        procedente de 6458; DITAT – 1788a; n. m.
        1) ídolo, imagem

        Como vemos Leonardo a palavra não diz respeito a qualquer imagem, e sim a ídolos esculpidos, ou seja imagens de ídolos. De fato pode ser traduzida como imagem, mas não diz respeito a qualquer imagem e sim especificamente ídolos esculpidos.

        Dessa forma vemos que a passagem é uma clara referência aos deuses do Egito, como constataremos a baixo:
        “Não farás para ti ídolos ou coisas alguma que tenha a forma de algo que se encontre no alto do céu…”. (êxodo 20, 4)

        O que estava no céu, eram os deuses dos ares do Egito:
        RÁ (ou Rê), o criador dos deuses e da ordem divina egípcia. Foi retratado pela arte egípcia sob muitas formas e denominações e era também representado por um falcão, por um homem com cabeça de falcão ou ainda, mais raramente, por um homem. Quando representado por uma cabeça de falcão estabelecia-se uma identidade com Hórus, outro deus solar adorado em várias partes do país desde tempos remotos.
        Í BIS, uma ave pernalta de bico longo e recurvado. Existe uma espécie negra e outra de plumagem castanha com reflexos dourados, mas era o íbis branco, ou íbis sagrado,que era considerado pelos egípcios como encarnação do deus Thoth. Um homem com cabeça de íbis, era outra das representações daquele deus.

        HÓRUS, filho de Isis e Osíris. Ele é representado como um homem com cabeça de falcão ou como um falcão, sempre usando as duas coroas do Alto e Baixo Egito. Na qualidade de deus do céu, Hórus é o falcão cujos olhos são o sol e a lua.

        TOTH, era o deus-escriba e o deus letrado por excelência. Representado como um íbis ou um homem com cabeça de íbis, ou ainda um babuíno.

        “…embaixo na terra…”. (Êxodo 20, 4)
        O que estava na terra eram os deuses e animais terrestres do Egito:

        ANÚBIS, filho de Seth e Néftis, é o mestre dos cemitérios e o patrono dos embalsamares. É na realidade o primeiro entre eles, a quem se deve o protótipo das múmias, a de Osíris. Todo egípcio esperava beneficiar-se em sua morte do mesmo tratamento e do mesmo renascimento desta primeira múmia. Anúbis também introduz os mortos no além e protege seus túmulos com a forma de um cão, vigilante.
        ÁPIS, o boi sagrado que os antigos egípcios consideravam como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e que encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptah. O culto do boi Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos. Essa antiga divindade agrária, simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora.

        KHEPRA, (escaravelho, em egípcio) ou um homem com um escaravelho no lugar da cabeça também representavam o deus-Sol. Nesse caso o besouro simbolizava o deus Khepra e sua função era nada menos que a de mover o Sol, como movia a bolazinha de excremento que empurrava pelos caminhos. Associados à idéia mitológica de ressurreição, os escaravelhos eram motivo freqüente das peças de ourivesaria encontradas nos túmulos egípcios.
        BABUINO ou cinocéfalo é um grande macaco africano, cuja cabeça oferece alguma semelhança com os cães. No antigo Egito este animal estava associado ao deus Thoth, considerado o deus da escrita, do cálculo e das atividades intelectuais. Era o deus local em Hermópolis, principal cidade do Médio Egito. Deuses particularmente numerosos parecem ter se fundido no deus Thoth: deuses-serpentes, deuses-rãs, um deus-íbis, um deus-lua e este deus-macaco.
        APÓFIS, a serpente que habitava o além-túmulo, representava as tempestades e as trevas. As serpentes estavam entre os adversários mais perigosos e o demônio líder de todos eles era Apófis a grande serpente.
        BASTET, uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio ( Per Bast ) significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo.
        GEB, o deus da Terra é irmão e marido de Nut. É o suporte físico do mundo material, sempre deitad o sob a curva do corpo de Nut. Ele é o responsável pela fertilidade e pelo sucesso nas colheitas. Ele estimula o mundo material dos indivíduos e lhes assegura enterro no solo após a morte. Geb umedece o corpo humano na terra e o sela para a eternidade. Nas pinturas é sempre representado com um ganso sobre a cabeça.
        “…ou nas águas debaixo da terra.”. (Êxodo 20, 4)
        Por fim o que estava nas águas eram justamente os deuses animais que ficavam nas águas e que eram adorados no Egito:
        SEBEK, um crocodilo ou um homem com cabeça de crocodilo representavam essa divindade aliada do implacável deus Seth. O deus-crocodilo, era venerado em cidades que dependiam da água, como Crocodilópolis.
        TUÉRIS, (Taueret ) era a deusa-hipopótamo que protegia as mulheres grávidas e os nascimentos. Ela assegurava fertilidade e partos sem perigo. Adorada em Tebas, é representada em inúmeras estátuas e estatuetas sob os traços de um hipopótamo fêmea erguido, com patas de leão, de mamas pendente s e costas terminadas por uma espécie de cauda de crocodilo.
        Será que é mera coincidência, Deus ter proibído as “imagens” justamente quando os judeus saíram do Egito? E por que esta proibição se assemelha tanto aos deuses do Egito? É apenas uma coincidência?
        Para que não haja mesmo qualquer dúvida ou questionamento de que Deus se referia aos falsos deuses do Egito, ao pedir que o povo não praticasse idolatria, nem fizesse “imagens”, leremos agora um trecho do livro de Josué, que foi quem substitui Moises:
        “Agora, pois, temei o Senhor e o servi-o com inteligência e fidelidade. Afastai os deuses aos quais vossos pais serviram do outro lado do rio e no Egito, e servi ao Senhor”. (Josué 24, 14).
        E para termos ainda mais certeza de que Deus falava claramente dos falsos deuses do Egito, leiamos o que fala também, Ezequiel 8, 8-10:
        “Filho do homem, disse-me ele, fura a muralha, quando a furei, divisei uma porta. Aproxima-te, diz ele, e contempla as horríveis abominações a que se entregam aqui. Fui até ali para olhar: enxerguei aí toda espécie de imagens de répteis e animais imundos e, pinturas em volta da parede, todos os ídolos da casa de Israel”.
        Agora Leonardo o que podemos perceber com essa passagem bíblica? Obviamente que os sacerdotes estavam adorando os falsos deuses em forma de répteis e animais, que Deus havia proibido que fossem adorados.

        Saibas Leonardo que o próprio Josué que condenou as imagens dos ídolos, se prostrou diante das imagens da Arca da Aliança e isso não foi caracterizado como idolatria:

        VEJA
        “Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças” (Josué 7, 6)

        A serpente de Bronze:
        “E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo.” (Nm 21,8-9)

        A própria serpente de bronze foi uma prefiguração de Cristo e ele próprio confirma isto, ou seja a crucificação de Cristo foi representada com uma imagem de cobra:
        “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem,” (João 3, 17)
        Estaria Moisés cometendo idolatria?
        O templo de Salomão:
        “E no oráculo fez dois querubins de madeira de oliveira, cada um da altura de dez côvados.” (I Reis 6, 23)
        “E revestiu de ouro os querubins. E todas as paredes da casa, em redor, lavrou de esculturas e entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, por dentro e por fora.” (I Reis, 6, 28-29)
        “E sobre as cintas que estavam entre as molduras havia leões, bois, e querubins, e sobre as molduras uma base por cima; e debaixo dos leões e dos bois junturas de obra estendida.” (I Reis 7, 29).
        “Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro.” (II Crônicas 3,10)

        E outra meu caro Leonardo Era neste mesmo templo que os apóstolos e Jesus iam para orar:

        VEJA:
        “Jesus passeava no templo, no pórtico de Salomão.” (João 10,23)
        “Enquanto isso, realizavam-se entre o povo pelas mãos dos apóstolos muitos milagres e prodígios. Reuniam-se eles todos unânimes no pórtico de Salomão.”(Atos 5, 12)

        Me diga Leonardo?Estariam Jesus e os apóstolos sendo idólatras ao frequentar um templo repletos de imagens de escultura?

        Olha Leonardo só aqui fica mais do que provado , que Deus nunca proibiu a fabricação de imagens e sim de ídolos para a adoração, colocando-os no lugar do próprio Deus.

        São milhares de referências bíblicas meu caro Leonardo saibas que todos os templos de Deus tinha milhares de milhares de imagens e eu ti provo pela geologia pela arqueologia pela bíblia e por mais de 50 historiadores dos primeiros séculos
        Leonardo entenda que a idolatria é uma palavra formada por dois radicais, ido, que provém de ídolo e latria, que significa culto a uma divindade
        Veja outras passagens bíblicas que apoiam as imagens.
        E ainda: Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2
        ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
        (Sl 65(64),5).
        LEONARDO CHAME ESSE VERSÍCULO DE IDOLATRIA POIS É ISSO QUE A IGREJA FAZ NOS SEUS TEMPLOS.
        Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou.
        Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).
        Veja
        Ezequiel 8
        6
        E ele me disse: Filho do homem, vês tu o que eles estão fazendo? As grandes abominações que a casa de Israel faz aqui, para que me afaste do meu santuário; Mas verás ainda outras grandes abominações.7 E levou-me à porta do átrio; então olhei, e eis que havia um buraco na parede.8 Então ele me disse: Filho do homem, cava agora na parede. E quando eu tinha cavado na parede, eis que havia uma porta.9 Disse-me ainda: Entra, e vê as ímpias abominações que eles fazem aqui.10 Entrei, pois, e olhei: E eis que toda a forma de répteis, e de animais abomináveis, e todos os ídolos da casa de Israel, estavam pintados na parede em todo o redor.
        Leonardo você lê que no livro de Ezequiel, ídolos são figuras de répteis!
        Agora eu pergunto Leonardo? O que as figuras de répteis tem a ver com o catolicismo???
        Agora, veja que no mesmo livro de Ezequiel ele citando as imagens permitidas dentro do templo, e detalhe Leonardo, ELES POSSUEM ROSTO HUMANO!
        VEJA:
        Ezequiel 41
        1 ENTÃO me levou ao templo, e mediu os pilares, seis côvados de largura de um lado, e seis côvados de largura do outro, que era a largura da tenda.(…)17 No espaço em cima da porta, e até na casa, no seu interior e na parte de fora, e até toda a parede em redor, por dentro e por fora, tudo por medida.
        18 E foi feito com querubins e palmeiras, de maneira que cada palmeira estava entre querubim e querubim, e cada querubim tinha dois rostos,
        19 A saber: um rosto de homem olhava para a palmeira de um lado, e um rosto de leãozinho para a palmeira do outro lado; assim foi feito por toda a casa em redor.
        Agora vejam essas outras passagens bíblicas que vai contra toda tese do protestantismo
        Salomão mandou colocar no Santo templo imagens de
        – 2 QUERUBINS no Oráculo (III Reis 6,23-28),
        -mandou colocar no templo
        12 BOIS na bacia de bronze! (III Reis 7,25);

        Mandou colocar no templo
        BOIS e LEOES e QUERUBINS! (III Reis 7,28-29) e
        E ainda “como que figuras de HOMENS EM PÉ”, e

        Mais QUERUBINS e LEÕES (III Reis 7,36);
        Leonardo quando você estuda nas fontes as palavras os costumes e as línguas primitivas dos escritores das época dos fatos você não contradiz.
        Veja que as representações simbólicas dos querubins – muito provavelmente – possuíam pés e mãos, não é mesmo?
        Da vida acreditam que os “querubins da glória” (Hb 9,5) eram cotos ou aleijados?
        As estátuas querubínicas da Arca da Aliança são representadas possuindo pés e mãos.]
        OBS LEONARDO.: Que na Vulgata, inclusive, é citada que, no Templo de Jerusalém, a presença de uma imagem de homem:
        Apresentando como que a figura de um homem de pé” (III Reis 7,36)>> [BÍBLIA SAGRADA (Traduzida da Vulgata), 15a.
        Edição, Edições Paulinas, SP, 1998, p. 378].– [III Reis 7,36 equivale, nas demais traduções da Bíblia, a 1 Reis 7,36]
        b)Ao citar o texto do Deuteronômio, você Maurício Pereira da Silva frisou: imagem de “homem e mulher “. Por que ele não frisou também a parte antecedente que diz: “Imagem esculpida em forma de ídolo” (Dt 4,16).
        Assim, Deus haveria especificado a proibição da Lei como sendo só sobre as estátuas (isto é, “imagem esculpida”) e não com referência a qualquer tipo de imagem.
        Essa proibição do Deuteronômio inclui: a pintura, o desenho, o mosaico, o vitral, os bordados, as tapeçaria, posters, etc?
        Se dizes que sim; então, prove! Pois, pelo texto bíblico é dito especificadamente: “imagem esculpida em forma de ídolo”(cf. Dt 4). Repito, pelo texto do deuteronômio citado, NÃO é qualquer tipo de imagem; mas “ESTÁTUA” e ainda, esta estátua, tem que ser “em forma de ídolo”.
        (Sugerindo, assim, que éxistem estátuas que não possuem a forma idolátrica e estas, por conseguinte, também não seriam proibidas).
        Em suma, por tal inferência,então, poder-se-ia afirmar que: “Todo ídolo – obrigatoriamente – teria que ser uma estátua; mas nem toda estátua seria um ídolo” (assim como todo dólar é dinheiro; mas nem todo dinheiro é dólar);
        Haja vista existirem estátuas aceitas no templo (querubins, leões, touros: 1Rs 7,29; além de escultura de guirlandas e palmas: 2 Cron 3,5),afora a estátua da serpente de bronze (cf. Nm 21,8-9) ou dos ratos e tumores (cf. 1Sm 6,11).
        Há ainda a estátua que ficou – por um bom período de tempo – na Casa de Deus em Silo: “Eles instalaram para seu uso a imagem que Micas havia esculpido, e ela permaneceu lá todo o tempo em que subsistira a casa de Deus em Silo” (Jz 18,31).
        E o Dicionário?
        “No Dicionário Aurélio 3.0 – Século XXI” também é dito que honrar é venerar. E agora Maurício Pereira da Silva ? Tu não honrarás mais teus pais porquanto – no Aurélio – venerar significar honrar?
        E como fica o santo mandamento que diz: “Honra teu pai e tua mãe” (Lc 18,20); bem como a seguinte sentença bíblica que diz: “Se alguém me serve, meu Pai o honrará” (Jo 12,26); ou ainda: “Honrai a todos” (1 Ped
        Aliás, no mesmo dicionário, “venerar”
        Significa respeitar. Será que não mais respeitará nada e ninguém, exceto Deus?… Eu creio que não! Pois, certamente, você Leonardo.
        Continuará respeitando muitas coisas; bem como dando a honra a quem é devida a honra, não é mesmo?… Aí eu me pergunto: você honra os santos de Deus? Você os respeita? Sim ou não?… Você respeitaria as imagens do Templo de Jerusalém?
        {Lembre-se –- segundo o Aurélio respeitar é venerar (e que, presumidamente, seria o mesmo que adorar).]
        Você as respeitaria ou não?… E como Adorar, segundo o citado dicionário, é igual a idolatrar; então, não te incomodarias de ser chamado de “idolatrador” de Deus? [Eu porém não idolatro Deus, eu o adoro!]
        Segundo o mesmo dicionário, adorar é amar extremamente. E me responda, então: “Deus amou o mundo: pouco, medianamente, ou em extremo?
        Não foi em extremo,? A ponto de – conforme está escrito – entregar ao seu Filho amado para salvação do mesmo:
        “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único” (Jo 3,16). Por conseguinte, segundo aquele que vulgarmente é denominado de “Pai dos Burros”, Deus teria cometido o pecado da idolatria;?
        Esse é um cipoal em que se meteste,
        (E com dicionário embaixo do braço!… Melhor seria fechá-lo, e rapidamente! Antes que, “com pés e mãos”
        Sejas, tu, laçado nos fogo do inferno – conforme asseverou Nosso Senhor Jesus Cristo.)
        Eu, porém, digo: têm certos lugares (“as sinagogas de Satanás”) que peço a Deus não precisar nunca ir para não ter, quiçá, que me depara com os “cães” (Mt 7,6), “víboras” (Mt 23,33) e todo tipo de “bestas” – que por lá possa haver? Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou. Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).
        E ainda Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2). [O Santuário, como é bem sabido, estava cheio de imagens.
        ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
        (Sl 65(64),5).
        AGORA UMA OUTRA[OBS LEONARDO.: o Templo e tudo que havia nele eram sagrados! Portanto, cada objeto de lá, inclusive, as imagens, não podiam ser tidos com simples enfeites – eram ornamentos sacros com significados simbólicos-religiosospreciosos.]
        Olha os que ignoram a Escritura é preciso deixar claro: o que é proibido é a prostração “adorativa” perante criaturas (sejam imagens ou não); e não a prostração SEM adoração. Vejamos, alugns exemplos, lícitos, de prostrações sem a adoração:
        – “Betsabéia se ajoelhou e se prostrou diante do rei” (1 Rs 1,16).
        – “Quando chegou o profeta Natã… Ele veio perante o rei e se prostrou diante dele” (1 Rs 1,22s.) – “Esse terceiro chefe subiu, dobrou os joelhoes diante de Eliseu e suplicou-lhe assim: “Ó homem de Deus…” ” (2 Rs 1,13).
        – “Prostrai-vos perante o seu monte sagrado” (Sl 99(98),9).
        Leonardo aprenda uma coisa que em primeiro lugar, que nenhum dicionário é tratado de epistemologia, de hermenêutica ou de exegese.
        E saiba que qualquer estudo mais sério de sinonímia lhe dirá que não há sinônimo que seja absolutamente equivalente.
        também aprenda ainda, meu caro, que se existem duas palavras distintas para designar algo ou uma ação, é porque cada uma delas dá um matiz diverso da coisa ou da ação designada. Se duas palavras são absolutamente idênticas, a língua tende a eliminar uma delas.
        Assim Leonardo eu ti provo biblicamente e por mais de 80 escritores e padres da igreja dos 4 primeiros séculos da era cristã que, adorar não é venerar, nem, muito menos, idolatrar.
        Pois cada uma dessas palavras tem sentidos diferentes.
        Agora se o seu “pai de burros” não faz essa distinção, é porque é um “Pai de burros” muito pouco sábio. E apesar de o mais famoso “pai de burros”, no Brasil, se chamar Aurélio, se o sr. compará-lo com qualquer “Pai de Burros ” estrangeiros, verá logo uma diferença… uma diferença… digamos… gigantesca olha (hesitei na escolha do adjetivo, e coloquei um muito vulgar, só para manter o respeito).
        Leonardo aprenda que adorar significa reconhecer como Deus, criador de todas as coisas.
        Já a palavra idolatrar, embora seu amigo Aurélio — que não mora aqui em casa — não explique isso, significa em certo sentido o oposto, pois designa a ação de adorar uma criatura em vez de adorar o Criador.
        Materialmente, a ação de adorar e a ação de idolatrar são idênticas.
        Formalmente são opostas.
        Mais o senhor certamente compreende a diferença entre matéria e forma, na consideração de uma ação. Mas, para auxiliar sua recordação e compreensão, dou-lhe um exemplo didático, visto que um especialista em dicionário e em leitura enviezada da Bíblia normalmente anda tão atarefado em decorar e citar a Escritura por “centímetros” e “milímetros”, que facilmente pode ter esquecido uma coisa tão primária.
        Ademais, o “pai dos burros” nacionais, ou mesmo seus eqüivalentes estrangeiros, não trata disso.
        Agora você não é protestante né Leonardo você é um cristão! MAIS EU TI DIGO E AFIMO LEONARDO QUE OS PROTESTANTES SÃO CHAMADOS DE PROTESTANTES MESMO.
        Pois não existe a religião “evangélica”. Esse adjetivo é falsamente usado pelas seitas protestantes muito hoje em dia.

        As seitas protestantes se esconde, por trás do adjetivo “evangélico”, que é vago demais.
        Pois nele cabem os luteranos que crêem que Cristo é Deus.
        Nele se escondem também os Testemunhas de Jeová que não crêem na divindade de Cristo.
        Há milhares de seitas que se dizem evangélicas, cada uma acreditando ser a única verdadeira igreja.
        Na verdade os protestantes, são filho de Lutero. E não é preciso ser alemão para ser protestante, isto é, para ser filho de Lutero.
        Há, infelizmente, brasileiros filhos dele (e do dicionário).
        Os protestantes não anda bem da lógica.
        Vou ti da uma prova?
        Os protestantes costumam sempre citar o texto do II livro dos Reis (XVIII, 3-4) para provar que o Rei Ezequias destruiu a serpente de bronze feita por Moisés.
        Obrigado pela prova de que tenho razão.
        Pois o que prova esse texto que as seitas citam?
        Prova:
        1) Que Moisés fizera de fato uma serpente de bronze;
        2) que essa serpente fora conservada pelos judeus durante longo tempo;
        3) que eles acabaram por adorá-la ou a prestar-lhe culto indevido;
        4) que por isso, Ezequias a quebrou.
        Agora eu digo Leonardo? Teria agido mal Moisés ao fazer a serpente de bronze?
        É claro que não, pois foi o próprio Deus quem ordenou fazê-la e olhar para ela para que os judeus se curassem.
        Erraram os judeus conservando-a? É evidente que não, porque mostravam gratidão e obediência a Deus.
        E entre os que conservaram estavam Moisés, Josué, os Juízes, Daví, Salomão.
        Será que todos eles estavam errados? Será que nenhum deles tinha um “Aurélio” — um dicionário à mão para saber que adorar, venerar, reverenciar, amar extremamente é tudo a mesma coisa?
        E nenhum deles contou com um sábio protestante para aconselhá-lo?
        Por que, durante tantos séculos, Deus e seus enviados permitiram que se guardasse a serpente de bronze?
        É evidente que permitiram porque ela não era adorada. Quando a transformaram abusivamente em ídolo, Ezequias a destruiu.
        Mas fique sabendo, Leonardo, que abusus non tolit usum.
        E não pense que isso é lei da Igreja: é um princípio jurídico do Direito Romano.
        O abuso não tolhe o uso. Por isso Leonardo que se alguém abusa do culto de dulia de um santo e de sua imagem, e passa da veneração a idolatria, isso é um abuso condenável que não proíbe nem invalida o culto de dulia — e não de latria — de um santo e de sua imagem.
        Erraram depois os judeus transformando-a em ídolo? Evidente que sim, e, por isso fez bem Ezequias em destruí-la.
        Portanto, enquanto não se adora uma imagem como se fosse Deus, é lícito tê-la e mesmo “olhar para ela para ser curado” como Deus mandou.
        Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)
        Leonardo desaprovação que muitos protestantes têm para com o costume católico de ter imagens religiosas e estátuas surge suspeita de que os católicos cometer o pecado de idolatria a adorá-los (o que é proibido em Êxodo e Deuteronômio 20,3-5 5.6. – 9). O que eu digo: Esse erro é muito mais amplo do que podemos imaginar.
        Veja que advertências contra a idolatria aparecem por toda a Bíblia (por exemplo, 33,52 Números, Deuteronômio 7,5, 25, 9,12, 12,3, 2 Reis 17,9-18, 23,24, 2 Crônicas 23:17 ; 28,1-3, 22,18-25, 34,1-7). Em 1 Coríntios 10,14 Paulo escreveu: ” Amados, Shun a adoração de ídolos “(Romanos 1,18-23).
        Mais saibas que Deus condena o pecado da idolatria, seja na forma de estátuas, coisas materiais, sexo, poder, tudo o que se torna um ídolo. Mas Ele não proíbe imagens religiosas, desde que sejam usados corretamente. Por exemplo, em Êxodo, capítulo 25, Deus ordena a Moisés a esculpir estátuas de anjos.
        ” Senhor falou a Moisés dizendo … Farás também dois querubins de ouro maciço, o que em ambas as extremidades do propiciatório: faça o querubim primeiro em uma extremidade e segundo na outra. A forma querubins um corpo com o propiciatório em suas duas extremidades. Eles vão estar com as asas estendidas acima, ofuscando o propiciatório com eles, frente a frente, com o rosto virado para a misericórdia … Não vou encontrar contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins sobre a arca do Testemunho você se comunica tudo o que tenho para te ordenar para os israelitas. “(Êxodo 25,1.18-20.22, ver também 26,1)
        Veja Leonardo que issto mostra claramente que há circunstâncias em que as imagens religiosas não são apenas permitidas, mas também muito agradável a Deus . Outro exemplo é descrito em mais incidente 1 Samuel 6,1-18. Em Êxodo 28,31-34 o Senhor ordenou que vestes sacerdotais de Arão adornados com imagens de romãs. Em Números 21,8-9 Ele ordenou a Moisés, para esculpir a imagem de uma cobra milagrosamente curado picadas de cobras venenosas (uma estranha prenúncio da cruz de Cristo [cf João 3:14). E em 2 Reis 18,4, quando as pessoas começaram a adorar a serpente de bronze, o rei imediatamente destruído. O que antes era uma imagem legítima sagrado tornou-se um objeto de idolatria. (Um conto de advertência para qualquer um tentado a superstição ou idolatria).
        Agora Leonardo observe o que Deus disse a Salomão, quando construiu o Templo:
        ” “Para esta casa que você está construindo, se você andar nos meus estatutos, de acordo com trabalhos meus juízos e manter todos os meus mandamentos para andar de acordo com eles, eu mantenho a minha palavra contigo, o que eu disse a Davi, teu pai, habitar entre os filhos de Israel e não desampararei o meu povo de Israel “Salomão construiu a casa, e terminou “(1 Reis 6,12-14).
        Entenda Leonardo que esta declaração é muito importante porque o templo continha um grande número de estátuas e imagens, incluindo anjos, árvores, flores, bois e leões (cf. 1 Reis 6,23-35, 7,25.36).Decisão de Salomão para incluir estas imagens religiosas veio o dom da sabedoria que Deus havia abençoado com (cf. 1 Rs 3,1-28). E longe de ser perturbado por estas imagens ” Senhor disse: “Eu ouvi a oração e súplica de ter executado antes de mim. Eu consagrei esta casa que você construiu para colocar o meu nome para sempre, e os meus olhos e meu coração estarão nele para sempre ” Y (1 Reis 9:3).
        Obviamente, Deus não teria abençoado Salomão e “santificado” seu templo cheio de estátuas e imagens, se ele não concorda com eles – mais uma prova de que as imagens podem ser bom quando usado para dirigir nossos pensamentos a Deus e às coisas mais altas .
        Lembre-se Leonardo que São Paulo chama Cristo ” imagem do Deus invisível “(Colossenses 1:15). A palavra grega para “imagem” é Eikonos , da qual deriva a palavra “ícone”. Assim como manter imagens de nos
        sa família e amigos para lembrá-los, temos também estátuas e imagens de nossas casas e igrejas para lembrar-nos de nossa Senhor, da Virgem e dos Santos.
        Agora Leonardo vou ti passar algumas passagens adicionais para você estudar:
        João 14:9
        Colossenses 1,15
        Hebreus 1,3
        1 Evangelho de João 1:1-3

        Curtir

  10. Paulo disse:

    Irmã Ellen Gostaria que se você pudesse fizesse um post relacionado as fogueiras e porque acendemos foguei como hoje acederemos a fogueira de são josé é um tema que não encontro na net se puder criar esse post agradeço. Graça e Paz Att. Paulo

    Curtir

  11. Angelica disse:

    Vou escrever Helen sobre o assunto anterior não de forma taquigrafada ,porém de forma transitória já que demoro para responder devido ao tempo que não tenho.
    Ao meu simples intelecto entendo que, não podemos servir dois Deuses e uma fonte de água amarga não pode jorrar água doce,entretanto imagens de maria são jorge e outros santos são idolatrados num terreiro de umbanda no candomblé e até entre maçons.As escrituras dizem que atrás de cada imagem a um demônio atrás,já podemos entender um pouco porque elas estão aonde estão.

    14 Não se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que têm em comum a justiça e a maldade? Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas?
    15 Que harmonia entre Cristo e Belial? Que há de comum entre o crente e o descrente?
    16 Que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois somos santuário do Deus vivo. Como disse Deus: “Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”.
    17 Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei”
    18 “e serei o seu Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas”, diz o Senhor todo-poderoso.
    « 2 Coríntios

    Voltando ao raciocínio
    Maria, mãe de Jesus, vemos sua presença em grandes religiões como o Islã, onde ela assume o papel de mãe do profeta Jesus, no entanto é possível encontrar Maria nos cultos ou religiões sincréticas das Américas. O colonizador europeu trouxe o africano como escravo e ambos se instalaram nesta terra do índio. Logo as culturas do branco, do negro e do vermelho se encontraram de forma particularizada em diferentes regiões deste continente. E assim chegou Maria ao Brasil, onde foi acolhida também pela religiosidade popular, associada e comparada com divindades e entidades do mundo mítico afro-indígena. Neste contexto está, também, a Umbanda, nascida da miscigenação tão brasileira, no seu jeito de ser, fruto de mitos, ritos e símbolos os mais variados.
    O primeiro templo de Umbanda de que se tem noticia traz o nome de “Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade”, quem nos conta a história de sua fundação é o Sacerdote de Umbanda, Ronaldo Linares, Presidente da Federação Umbandista do Grande ABC (FUGABC), criador do primeiro curso de formação de sacerdotes de Umbanda.
    Dia 15 de Novembro de 1908, Zélio Fernandino de Moraes, um jovem rapaz de 17 anos, incorporou o espírito de Frei Gabriel de Malagrida, queimado na inquisição.O espírito do Frei revelou que, em uma vida posterior, nasceu como índio no Brasil, preferindo ser identificado, agora, como “Caboclo das Sete Encruzilhadas” e que vinha para trazer a Religião de Umbanda. Sua “igreja” se chamaria Nossa Senhora da Piedade, pois assim como Maria acolheu a Jesus, a Umbanda acolheria os filhos seus.
    Zélio vinha de uma família de origem católica e no seio deste lar tiveram início as sessões mediúnicas de Umbanda, onde já havia um pequeno altar católico. Com o tempo, o espírito de um “preto velho”, escravo de origem africana, “Pai Antônio”, traria o conhecimento dos orixás africanos associados aos santos católicos. Nascia o sincretismo de Umbanda, Maria já estava presente e enraizada nos valores religiosos e espirituais dessa família.
    No decorrer dos tempos surgiriam milhares e milhares de Templos de Umbanda, identificados como “tendas”, “centros”, “casa” ou “terreiros” de Umbanda, nos quais a exemplo da primeira “Tenda de Umbanda”, estariam presentes as “Marias”, identificando estes templos como: “Tenda Nossa Senhora da Conceição”, “Tenda Nossa Senhora da Guia”, “Nossa Senhora de Sant’Ana”, “Nossa Senhora dos Navegantes” e outras como “Estrela D’alva”, “Tenda Nossa Senhora Aparecida”, “Casa de Maria” etc.
    O sincretismo de Maria com os Orixás se faz notar principalmente no altar de Umbanda, que é um altar composto por imagens católicas. Encontraremos a imagem de Nossa Senhora da Conceição ou de Nossa Senhora Aparecida, fazendo sincretismo com Oxum. E o único orixá que tem uma imagem própria, umbandista, assim mesmo encontramos sincretismo com Nossa Senhora dos Navegantes ou Nossa Senhora das Graças.

    Como será rogai por nós pecadores e servos ocultos de satanás ?

    Cândido Procópio Ferreira de Camargo, no final da década de 50, dedicou parte de seu tempo ao estudo das “Religiões Mediúnicas” e registrou no livro “Kardecismo e Umbanda: uma interpretação sociológica”, o resultado de sua pesquisa de campo, onde descreve um Terreiro de Umbanda:
    “No ‘terreiro’ propriamente dito, barracão com cerca de 50m², há um altar, semelhante aos católicos . O ‘Orixá’ guia do ‘terreiro’ assume lugar de destaque , sob a figura do Santo Católico correspondente. São Jorge, Nossa Senhora, São Cosme e São Damião são os Santos mais comuns que integram o altar, além do Cristo abençoando, de braços abertos.”[5]
    Procópio Ferreira dedica especial atenção ao sentimento de pertença daquele que busca as “religiões mediúnicas”, observando que boa parte dos freqüentadores consideram-se Católicos.
    Embora já tenha decorrido meio século e a umbanda venha mudando de perfil, na busca de identidade, ainda nos dias de hoje observamos este fato em menor grau. Para evitar preconceito da sociedade ou desinformação, alguns dos adeptos, da Umbanda, identificam-se de pertença espírita, não fazendo distinção entre sua prática e a criada por Allan Kardec.
    Ao adentrar um terreiro de Umbanda pela primeira vez muitos o fazem com certo receio do desconhecido, mas se deparando com um altar católico sentem-se confortados e tranqüilos. Jesus de braços abertos e Maria a seu lado, junto com todos os outros santos, continuariam a guiar sua fé, agora ao lado da tão popular Yemanjá.
    O sincretismo, neste caso, serve de amparo para que o desconhecido se apresente através de elementos já conhecidos. O Católico se sente à vontade para justificar sua pertença, assim como, fica clara a importância do altar para a recepção e a conversão do novo adepto.

    Podemos ainda lembrar que Maria ocupa o posto que antes pertencia às “Deusas Pagãs”. O Catolicismo fez sincretismo de culturas e valores, durante sua expansão por territórios desconhecidos ao cristianismo. Podemos dizer que a Deusa também está no inconsciente coletivo que busca elementos conhecidos para concretizar-se em uma realidade palpável.
    Por fim, podemos dizer que onde houver duas ou mais culturas haverá sempre o sincretismo, que marca o encontro entre elas. Maria faz parte de uma cultura que dominou todo o Ocidente e boa parte do Oriente. No mundo pós-moderno e globalizado, cada vez mais encontraremos sincretismos e associações a Maria.
    Independente de como possa ser interpretada, concluímos que Maria também faz parte da Religião de Umbanda e se manifesta de formas diferentes dentro desta mesma religião.
    *Alexandre Cumino é presidente do Colégio de Umbanda Sagrada Pena Branca, conselheiro consultivo da Associação Umbandista e Espiritualista do Estado de São Paulo, Sacerdote de Umbanda, ministrante dos cursos livres de “Teologia de Umbanda Sagrada” e “Sacerdócio de Umbanda Sagrada”, editor do Jornal de Umbanda Sagrada e estudante de Ciências da Religião na Faculdade Claretiano.

    Meu ponto de vista helen
    Está muito claro no Evangelho de Lucas, que Maria é o modelo biblico de serva. Ela sendo virgem e já comprometida com José, aceitou prontamente o chamado de Deus: “Eis-me aqui Senhor…”

    E falando numa linguagem bem facil de entender Maria foi uma “Santa” mulher, como foi também santo os apostólos e outros discipulos do Senhor Jesus.

    É claro que Santa no sentido de que ela foi uma serva fiel ao Senhor e cumpriu todos os designios do chamado do Senhor na sua vida. Ela, os apóstolos e muitos outros cristãos na história da igreja estão aguardando a vinda do Senhor e o julgamento final!

    A parada da intercessão é uma sandice sem pé nem cabeça, feita na base de livros apócrifos, sincretismo religioso e poder de uma certa igreja “universal” romana!
    Para mim não há nenhuma comunhão entre Jesus e Maomé, Jesus e Krishna, Jesus e Brahma, Jesus e Buda, ou Jesus e qualquer outro que queira suplantar a revelação do Verbo Divino. Disso tenho plena consciência.

    Fé é diferente de religião. Há muita religião se passando por fé, princípios gerados por criadores de denominações cristãs, inclusive, a sua e a minha, que são frutos de facções, partidarismos, discordâncias e divisões, por sua vez, são introjetados como a mais pura expressão de fé e não é.

    O ecumenismo ao qual defendo tem lugar apenas no meio cristão, fora dele, não há ecumenismo.

    Se tratando de cristianismo, a fé é uma só, é em Jesus Cristo. O que acontece é a supervalorização dos pontos doutrinários divergentes, que são os motivos da fragmentação do corpo, esquecendo-se de que são secundários no que tange a fé apostólica, expressada no Credo dos Apóstolos.

    Se viéssemos a considerar o que temos em comum (pilares da fé cristã), seria melhor a nossa estadia na terra e desenvolvimento da missão outorgada pelo Mestre.

    Portanto, a disciplina de Teologia Comparada não servirá de nada, pois será ministrada por uma ótica, advinda de um pensamento teológico, que é contrário ao espírito do Evangelho de Cristo, porque carrega a mácula do individualismo denominacional.

    O que falo e penso está embasado na fé que um dia abracei, à luz do que leio na Bíblia e do que o Espírito Santo me diz.

    DEUS OS ABENÇÕE

    Curtir

    • Helen disse:

      Cara Angélica,

      Eu lhe havia pedido que voltasse ao blog apenas se fosse para se desculpar, mas por consideração, li o seu comentário e vou publicá-lo. Entretanto, devo dizer que parece-me repleto daquilo que posso chamar apenas, senão de pseudo-intelectualismo … Desculpe-me a franqueza.

      De uma coisa estou certa: O Catolicismo é MONOTEÍSTA. REPUDIA A IDOLATRIA ( O CULTO DA LATRIA AOS ÍDOLOS) E EM NADA se associa com a Umbanda ou qualquer outra “religião” a parte da Cristandade!!!

      Eis o que a Igreja ENSINA DE FATO em seu Catecismo – Espero que isso seja suficiente para refutar as difamações que a sr postou aqui.

      A VIDA EM CRISTO

      SEGUNDA SECÇÃO

      OS DEZ MANDAMENTOS

      CAPÍTULO PRIMEIRO

      «AMARÁS O SENHOR TEU DEUS
      COM TODO O TEU CORAÇÃO,
      COM TODA A TUA ALMA
      E COM TODAS AS TUAS FORÇAS»

      2083. Jesus resumiu os deveres do homem para com Deus nestas palavras: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente» (Mt 22, 37) (1). Elas são um eco imediato do apelo solene: «Escuta, Israel: o Senhor nosso Deus é o único» (Dt 6, 4).

      Deus foi o primeiro a amar. O amor do Deus único é lembrado na primeira das «dez palavras». Em seguida, os mandamentos explicitam a resposta de amor que o homem é chamado a dar ao seu Deus.

      ARTIGO 1

      O PRIMEIRO MANDAMENTO

      «Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egipto, dessa casa da escravidão. Não terás outros deuses perante Mim. Não farás de ti nenhuma imagem esculpida, nem figura que existe lá no alto do céu ou cá em baixo, na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não te prostrarás diante delas nem lhes prestarás culto (Ex 20, 2-5) (2).

      «Está escrito: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto”» (Mt 4, 10).

      I. «Ao Senhor teu Deus adorarás, a Ele servirás»

      2084. Deus dá-Se a conhecer lembrando a sua acção omnipotente, benevolente e libertadora, na história daquele a quem se dirige: «Sou Eu […] que te tirei da terra do Egipto, dessa casa da escravidão» (Dt 5, 6). A primeira palavra encerra o primeiro mandamento da Lei: «Ao Senhor, teu Deus, adorarás, a Ele servirás […]. Não ireis atrás de outras divindades» (Dt 6, 13-14). O primeiro apelo e a justa exigência de Deus é que o homem O acolha e O adore.

      2085. O Deus único e verdadeiro revela, antes de mais, a sua glória a Israel (3). A revelação da vocação e da verdade do homem está ligada à revelação de Deus. O homem tem a vocação de manifestar Deus pelo seu agir, em conformidade com a sua criação, «à imagem e semelhança de Deus» (Gn 1, 26).

      «Não haverá jamais outro Deus, ó Trifão, e nunca houve outro, desde os séculos […], senão Aquele que fez e ordenou o Universo. Não pensamos que o nosso Deus seja diferente do vosso. É o mesmo que fez sair os vossos pais do Egipto, pela sua mão poderosa e braço levantado. Nós não pomos as nossas esperanças em qualquer outro, que não há, mas no mesmo que vós, o Deus de Abraão, Isaac e Jacob» (4).

      2086. «O primeiro dos preceitos abrange a fé, a esperança e a caridade. De facto, quem diz Deus diz um ser constante, imutável, sempre o mesmo, fiel, perfeitamente justo. Daí se segue que devemos necessariamente aceitar as suas palavras e ter n’Ele uma fé e confiança plenas. É todo-poderoso, clemente, infinitamente propenso a bem-fazer. Quem poderia não pôr n’Ele todas as suas esperanças? E quem seria capaz de não O amar, ao ver os tesouros de bondade e ternura que derramou sobre nós? Daí a fórmula que Deus emprega na Sagrada Escritura, quer no princípio, quer no fim dos seus preceitos: Eu sou o Senhor» (5).

      II. «Só a Ele prestarás culto»

      2095. As virtudes teologais da fé, da esperança e da caridade informam e vivificam as virtudes morais. Assim, a caridade leva-nos a prestar a Deus o que com toda a justiça Lhe devemos, enquanto criaturas. A virtude da religião dispõe-nos para tal atitude.
      A ADORAÇÃO

      2096. A adoração é o primeiro acto da virtude da religião. Adorar a Deus é reconhecê-Lo como tal, Criador e Salvador, Senhor e Dono de tudo quanto existe, Amor infinito e misericordioso. «Ao Senhor teu Deus adorarás, só a Ele prestarás culto» (Lc 4, 8) – diz Jesus, citando o Deuteronómio (Dt 6, 13).

      2097. Adorar a Deus é reconhecer, com respeito e submissão absoluta, o «nada da criatura», que só por Deus existe. Adorar a Deus é, como Maria no Magnificat, louvá-Lo, exaltá-Lo e humilhar-se, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que o seu Nome é santo (10). A adoração do Deus único liberta o homem de se fechar sobre si próprio, da escravidão do pecado e da idolatria do mundo.

      A IDOLATRIA

      2112. O primeiro mandamento condena o politeísmo. Exige do homem que não acredite em outros deuses além de Deus, que não venere outras divindades além da única. A Sagrada Escritura está constantemente a lembrar esta rejeição dos «ídolos, ouro e prata, obra das mãos do homem, que «têm boca e não falam, têm olhos e não vêem…». Estes ídolos vãos tornam vão o homem: «sejam como eles os que os fazem e quantos põem neles a sua confiança» (Sl 115, 4-5.8) (40). Deus, pelo contrário, é o «Deus vivo» (Js 3, 10) (41), que faz viver e intervém na história.

      2113. A idolatria não diz respeito apenas aos falsos cultos do paganismo. Continua a ser uma tentação constante para a fé. Ela consiste em divinizar o que não é Deus. Há idolatria desde o momento em que o homem honra e reverencia uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demónios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do Estado, do dinheiro, etc., «Vós não podereis servir a Deus e ao dinheiro», diz Jesus (Mt 6, 24). Muitos mártires foram mortos por não adorarem «a Besta» (42), recusando-se mesmo a simularem-lhe o culto. A idolatria recusa o senhorio único de Deus; é, pois, incompatível com a comunhão divina (43).

      2114. A vida humana unifica-se na adoração do Único. O mandamento de adorar o único Senhor simplifica o homem e salva-o duma dispersão ilimitada. A idolatria é uma perversão do sentido religioso inato no homem. Idólatra é aquele que «refere a sua indestrutível noção de Deus seja ao que for, que não a Deus» (44).

      O que REALMENTE ENSINA A IGREJA sobre as tais religiões e práticas como a Umbanda, etc…

      ADIVINHAÇÃO E MAGIA

      2115. Deus pode revelar o futuro aos seus profetas ou a outros santos. Mas a atitude certa do cristão consiste em pôr-se com confiança nas mãos da Providência, em tudo quanto se refere ao futuro, e em pôr de parte toda a curiosidade malsã a tal propósito. A imprevidência, no entanto, pode constituir uma falta de responsabilidade.

      2116. Todas as formas de adivinhação devem ser rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demónios, evocação dos mortos ou outras práticas supostamente «reveladoras» do futuro (45). A consulta dos horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságios e de sortes, os fenómenos de vidência, o recurso aos “médiuns”, tudo isso encerra uma vontade de dominar o tempo, a história e, finalmente, os homens, ao mesmo tempo que é um desejo de conluio com os poderes ocultos. Todas essas práticas estão em contradição com a honra e o respeito, penetrados de temor amoroso, que devemos a Deus e só a Ele.

      2117. Todas as práticas de magia ou de feitiçaria, pelas quais se pretende domesticar os poderes ocultos para os pôr ao seu serviço e obter um poder sobrenatural sobre o próximo – ainda que seja para lhe obter a saúde – são gravemente contrárias à virtude de religião. Tais práticas são ainda mais condenáveis quando acompanhadas da intenção de fazer mal a outrem ou quando recorrem à intervenção dos demónios. O uso de amuletos também é repreensível. O espiritismo implica muitas vezes práticas divinatórias ou mágicas; por isso, a Igreja adverte os fiéis para que se acautelem dele. O recurso às medicinas ditas tradicionais não legitima nem a invocação dos poderes malignos, nem a exploração da credulidade alheia.

      Sendo assim, se outras religiões querem servir-se da notoriedade dos santos, de sua fama ou piedade para parecerem atraentes aos olhos dos confundidos. Que o façam! O catolicismo NÃO promove isso. É vítima do sincretismo e não seu propagador!

      Para finalizar, aqui neste blog eu faço a defesa da fé católica, do que ela ensina de fato, e não da caricatura que os desinformados e, por vezes, seu maliciosos opositores querem retratar como Catolicismo.

      Se a sra acha que é culpa da Igreja Católica o fato que que outras ditas “religiões” se servem do nome – e imagem – de alguns dos servos de Deus, reverenciados dentro do catolicismo. O problema é da sra. É lamentável, mas nada preciso dizer em defesa a não ser o que já foi dito. OU seja, que isso não é verdade, e que a sra., infelizmente é apenas mais uma confundida.

      Agora, diante dos FATOS a única coisa que eu posso fazer é citar John H. Patterson que disse

      “Apenas os tolos e os mortos não mudam de opinião. Os tolos não querem fazê-lo. Os mortos não podem fazê-lo!”

      No catolicismo NÃO ADORAMOS imagens. Somos monoteístas e ponto final.

      Quem, em conhecendo os fatos, negar isso atesta tanto para a própria ignorância quanto ao orgulho desordenado. Haja visto, a vastidão de informação disponível àqueles que buscam verdadeiramente conhecer a verdade sobre a fé católica de fato e não sua caricatura.

      Se amanhã ou depois alguém resolver abrir um Terreiro de Macumba com o nome “Jesus Cristo, Rei dos Macumbeiros”, será que nós, cristãos, passaremos a ser vistos e considerados como macumbeiros? Pensa, por favor! Pois é isto que a Sra está dizendo. Acusa a fé católica porque uns pagãos usurparam da identidade de de seus membros – no caso dos Santos em detrimento e à parte da Igreja!! Não, isso não é aceitável, tampouco é justo!

      Curtir

      • Oi Helen, como você não me escreveu como prometeu e eu senti falta…

        Vou contar um episódio engraçado de pai: Meu filho (quase 3 anos) costumava chamar coca-cola de suco, essa semana eu me dediquei em corrigi-lo. Não foi nada fácil! Eu falava – João, isso não é suco filho, é refrigerante, é coca-cola. E ele me respondia – É não. É suco! E falava com convicção, pedia apoio à mãe e a avó. Mas ninguém concordava mais com ele. Ele gritava frustrado, dizendo que era suco. Ele sabia que tinha gás, que era diferente do suco de goiaba, mas mesmo assim chamava de suco, não fazia distinção. Como ele é criança, aprendiz e imitador, se convenceu de que teria que aderir ao novo nome.

        É assim quem se aventura em um novo idioma, antes você entende que você não está errada em chamar suco, nem o norte-americano está errado em chamar juice. Primeiro você entende que ele tem outro idioma para depois aprender a falar a língua dele.

        A gente cresce e acaba ficando rabugento, certos de que estamos completamente certos. Imagine como nós ficamos frustrados em reconhecer que o que aprendemos está errado… Eu fiquei frustrado quando aprendi que -2 +2 = 0. E nem era tão grande assim…

        Aí você conjectura: Rá, já sei onde ele quer chegar – quer dizer que ele está certo e eu errada! Rs Não. 😉

        O que quero dizer é que a nossa natureza humana está tão convicta de si, que não se permite entrar em contradição. Vai dizer para um maluco que ele é maluco. Ele vai chamar você de maluca! Mas sendo franco e mais objetivo: o que você fala sobre a conduta da igreja me é coerente e sensato, mas isso não é a verdadeira conduta do catolicismo massivo praticante.

        Então em resumo, pelo que já conversamos anteriormente, você me fala que esses são católicos que não praticam o que verdadeiramente ensinam a santa igreja. Mas eu te deixo essa pergunta: Será mesmo? Ou é você quem tenta com todas as suas forças definir um novo rumo para o catolicismo?

        Curtir

        • Helen disse:

          Obrigada outra vez pela participação.

          Desculpe-me pela demora em escrever. Eu queria ter lhe respondido ha dias atrás, mas não consegui me lembrar qual comentário devia responder, depois estive ocupada e não pude escrever… Esclareço que, na minha página de administração todos os comentários são mostrados em uma só área por ordem de chegada. Fiquei confusa e não tinha certeza. Desculpa. Poderia enviá-lo de novo – copy + paste – adicionando apenas uma breve explicação que trata-se do mesmo comentário. Obrigada!

          Agora, sobre suas considerações quanto ao que você entender ser uma discrepância entre o “Catolicismo real” e o “Catolicismo tal e qual visto pelos não católicos”, vou tentar responder da melhor forma possível e espero que desta vez fique claro.

          Primeiramente, para determinar se a Igreja Católica aprova o culto aos ídolos é preciso ouvir o que a Igreja de fato diz sobre o tema, e não o que se acredita que ela diga ou ensine. Isto parece que o sr já entendeu, o que é ótimo. Porém, há um mal-entendido que parece persistir: Quando eu afirmo que existe uma diferença entre o Catolicismo real e o Catolicismo caricaturado pela concepção popular, principalmente do ponto de vista dos não-católicos, mais precisamente no que se refere ao caso específico das imagens, eu não estou afirmando que haja obrigatoriamente um conflito entre aquilo que a Igreja ensina de fato e o que os Católicos realizam na prática. Ao invés disso, eu estou a dizer que aquilo que o não-católico parece entender como idolatria não é necessariamente idolatria no sentido verdadeiro da palavra. Ou seja, tanto o culto de veneração aos santos quanto o uso da iconografia litúrgica, não contradizem aos ensinamentos da Igreja. Assim, os fiéis que assim conduzem sua fé não cometem o pecado da idolatria.

          Como o sr sabe, a Igreja não apenas permite, mas cultiva a tradição e o uso da iconografia sacra, tanto para uso litúrgico como privado. Ela condena, entretanto, a superstição, não só a cerca dos ícones litúrgicos mas em relação a qualquer outra atividade. Contudo, mesmo que ocorra a superstição, seja pela desinformação ou mesmo ignorância das Escrituras e dos ensinamentos da Igreja, este erro não deve ser atribuído à Igreja, uma vez que ela mesmo em seu catecismo instrui contra e condena a idolatria, superstição, etc. Deste modo, esse argumento não tem legitimidade para condenar o catolicismo enquanto religião.

          Ao meu ver, o mal-entendido ocorre porque o sr, e outros não-católicos, não compreendem o que vêem. Não fazem distinção entre adoração (Latria) de Dulia e Hiperdulia. Um exemplo clássico disso é que, para o não-católico ato de ajoelhar-se é sinônimo de prestar adoração, enquanto para o católico o ato de ajoelhar-se PODE ser desempenhado na Adoração, mas não obrigatoriamente representa o ato de Adoração, podendo estar presente também fora dele. A própria Bíblia confirma esta visão, como demonstrado pelo Edmilson nas passagens que enviou sobre prostração, etc…

          Portanto, quando o sr diz que eu pareço querer construir uma imagem do catolicismo que não corresponde ao catolicismo na prática, eu devo discordar da sua posição veementemente. Assim, reitero que a Igreja Católica permite que um fiel:

          1. Reverencie os Santos e seus ícones
          2. Peça oração intercessória ao santos – seja de joelhos ou não – com as mãos estendidas aos céus ou não, chorando ou sorrindo.
          3. Que toque no ícone, beije-o e que o exponha em altar. Enfim, que manisfeste reverência e honra aos santos de diversas formas.

          Tudo isso, não caracteriza idolatria desde que o fiel saiba que:

          “De fato, “a honra prestada a uma imagem se dirige ao modelo original”, e “quem venera uma imagem venera a pessoa que nela está pintada”. A honra prestada às santas imagens é uma “veneração respeitosa”, e não uma adoração, que só compete a Deus:
          O culto da religião não se dirige ás imagens em si como realidades, mas as considera em seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não termina nela, mas tende para realidade da qual é imagem.”

          Eu escrevi um texto sobre o tema com base no seu comentário. Ainda devo editá-lo antes de publicar algo. Mas peço que o lei com atenção e mente aberta. Foi escrito como resposta à sua dúvida. Assim, não mais me prolongo aqui.

          Obrigada mais uma vez,
          Helen

          Curtir

  12. angélica disse:

    olá leonardo, meu querido o que você esta fazendo aqui,Jesus disse sede meus imitadores,ide e pregai o evangelho porem não falava aos incrédulos e religiosos,a palavra de Deus é uma pérola não deem pérolas aos porcos diz a bíblia.Dobre seus joelhos e Interceda a essas pessoas que o espirito santo irá toca-las,pois escrevendo criticando-as e ate mesmo xingando não é o que Deus quer,ao contrário ,Ajude aos pobres faça companhia aos velhinhos abandonados nos asilos,levando uma ação social as crianças sem família e com cancêr,ame ao próximo não guarde rancor de ninguém,respeite um ao outro .Porque meu querido leonardo Deus quer que sejamos simples, honestos,humilde e o mais importante dependentes dele. Não adore ídolos famosos dinheiro e imagens pois o único nome ligado no céu e na terra é de Jesus…

    Que Deus o abençõe

    Curtir

    • Helen disse:

      Angélica, obrigada pela visita.

      O seu comentário-conselho ao Leonardo, ao meu ver, apresenta dois problemas:

      1. Jesus não falava aos religiosos e incrédulos ( não-crentes). Deixo que a própria bíblia, não eu, prove seu equívoco

      1-2 Certa noite, um chefe religioso chamado Nicodemos, um fariseu, procurou Jesus: Mestre, todos sabemos que Deus te enviou para nos ensinares, e bastam os teus milagres para o provar. […] 10-13 Jesus respondeu: Então tu, um respeitado mestre, não compreendes estas coisas? Estou a dizer-te aquilo que sei e que vi, e, contudo, não queres acreditar em mim. Mas, se nem sequer acreditas em mim enquanto te falo nestas coisas que acontecem aqui entre os homens, como poderás crer se te falar de coisas celestiais? Pois só eu, o Filho do Homem, desci à Terra e voltarei novamente para o céu. (João 3)

      5 Conduzam-se sempre com sabedoria em relação aos não-crentes, procurando aproveitar o melhor possível todas as ocasiões. 6 E aquilo que disserem que seja agradável, como que temperado com sal, para saberem responder a de cada um. (Colossenses 4)

      2- A sra parece advertir ao Leonardo para, a exemplo de Jesus, não perder tempo com os “religiosos e incrédulos” do blog-

      Ora, como visto acima, Jesus falava aos religiosos e até os ensinava, como na passagem sobre Nicodemos. Mais adiante, vemos nosso Santo Apóstolo Paulo ensinar ao cristão o devido trato para com os não-cristãos.

      Assim, pergunto: que tipo de conselho é esse que contradiz a bíblia.

      Pergunto ainda, por que a sr deduz que aquele que discorda de si é incrédulo? Incrédulo em que? Na Sola Scriputra, na Sola Fide, Na interpretação privada? Se for isso, sim, enquanto católicos somos incrédulos mesmo. Nossa fé é apostólica e como tal, aceita a autoridade apostólica para o magistério da sã doutrina cristã. Agora, somos muito crédulos no poder de Cristo Jesus, salvador e redentor, que morreu para dar-nos vida! Acreditamos, enquanto católicos, que sob o Céu e na terra não há qualquer outro nome sob o qual o homem pode ser salvo. Somos católicos, lembre-se, portanto, aceitamos o evangelho, pregamos a caridade cristã, seguimos a um ÚNICO Deus, como professado em Nosso Credo por tantos séculos. Se ainda assim, para a sra. formos incrédulos. Então, prefiro, sinceramente, ser incrédula e viver sob a guia dos princípios cristãos acima citados, do que aceitar a Sola Scriptura, Interpretação privada, etc. para ganhar então o rótulo de crente.

      Não há ofensa nas minhas palavras. Apena uma correção justa. Não precisa, por tanto, voltar para continuar o “debate”, esclarecer suas intenções, ou ampliar o seu primeiro comentário. Não se preocupe. Nenhuma ofensa foi recebida. Faço isso apenas e simplesmente porque é certo corrigir o que está errado. Sua sugestão de que nós católicos somos incrédulos e religiosos, foi um erro.

      Pra finalizar, eu acho importante esclarecer também que o cancro neo-protestante que prega a não-religião é realmente um mal que só pode ser obra do Inimigo de Deus. Ora, Angélica, Jesus NUNCA pregou a Não-religião! Veja, Maria, sua mãe, levou-o ao templo para cumprir os rituais sagrados da religião judaica. Veja, Jesus na juventude e infância peregrinou com seus pais para participar dos festivais sagrados do judaísmo, veja, Jesus praticava os rituais de purificação dos judaísmo. Inclusive instituiu o batismo como a nova circuncisão, etc… Por favor, não confunda religião com ritualismo pagão! Religião é todo conjunto de preceitos, práticas e rituais pelos quais se manifesta essa crença. Assim, sra Angélica, a sua religião é a religião cristã, bem como a minha!

      A etimologia tradicional faz derivar a palavra religião do latim: religio, religare [religar, ligar bem], o que nos permite afirmar que a religião é, assim, uma ligação entre os homens. A religião pode, portanto, definir-se como um sistema de crenças e de práticas relativos ao sentimento da divindade e que une na mesma comunidade moral todos aqueles que a ela aderem. Toda a religião se funda sobre uma revelação, cuja condição histórica pode ser a história exemplar de um povo [Judaísmo], ou de um profeta, cujos ensinamentos e modelo ideal de vida são conservados pela tradição, sobretudo oral.

      Agora, se vocês não conseguem entender nem isso, não me admira a salada de fruta que fazem com os ensinamentos da bíblia, uma vez que cada um é o próprio professor e ninguém pode corrigí-los, porque, claro, são ensinados pelo Espírito Santo, mesmo quando se contradizem entre si…

      Uma lástima!

      Pax Christi

      Curtir

      • Helen, a Angélica só quis dizer que não somos nós quem escolhemos os homens eleitos, mas Deus, que nós devemos interceder ao invés de ficar debatendo conceitos em vão. Pois a salvação é pela graça de Deus e não por graça minha, não por graça tua.

        Jesus não fala aos que não querem ouvir. Em toda a bíblia, ele sempre falou e curou aos que o buscavam. Entender o que significa qualquer palavra, por exemplo humildade, não significa que você seja ou pratique a humildade. A palavra não retorna vazia, mas não existe palavra se não há quem lhe dê ouvidos.

        A pérola está para o porco como o ouro está para o índio, ele não compreende o seu valor, não lhe tem serventia, assim como o oriental está para o ocidental, eles não se compreendem na linguagem, um não serve para o outro. Também a palavra de Deus, está para Jesus e a interpretação vem do seu espírito santo. O sentido não é tão somente espiritual, ou não seria preciso o texto alfabético, por isso qualquer um pode ler, mas a interpretação não é nossa. Por isso, o pecado de um pode não ser pecado para outro. Faço um exemplo claro, já que estamos falando de porco… Comer a carne de porco é abominável, aos que acreditam nisso e não comem, fazem bem, mas se eles acreditam que Jesus purificou e deixou um novo testamento e mandamento, os que comem não fazem mau. Mas tendo dúvidas – então fazei e pecai.

        Fica com Deus.

        Curtir

      • angelica disse:

        derrotando os argumentos evangélicos contra os dogmas de maria…….
        Nasci dentro de um terreiro de macumba umbanda kinbanda , vi minha mãe fazendo rituais e colocando fotos de pessoas dentro de sapos ,separando casamento alheios ,bebendo sangue entre muitos outros trabalhos satânicos e para uma criança presenciar tudo isso vou dizer não é nada bom ver sua mãe encorporando demônios …”vi dentro dos centros de umbanda imagens principalmente de maria ” eles crêem mais nela do que os católicos …rsrs…Satanás todos os dias levantando exércitos contra Deus,e nós aqui falando só falando uns até se achando mestres da lei ….Precisamos é da unção do ESpirito santo precisamos ouvir a voz de DEUS e obedecer pois é isto que ele sempre procurou pessoas ,profetas que o ouçam e obedeçam-o…

        Sei que você helen não vai aceitar esse comentário e se aceitar irá contrariar,mas é verdade no mundo em que trabalho convivo diariamente com umbandistas camdonblés entre outros que são devotos a Maria ….eu acredito na santidade que ela foi, gerar Deus dentro de si concerteza é santidade…mas ela morreu e não ressucitou ”Deus é vivo ”servimos um Deus vivo ,Jesus morreu e ressucitou ….Não é certo pedir rogai por nós pecadores se apenas um nome um mediador entre Deus e os homens Jesus cristo vivo….volto a pedir desculpas pois não gosto de criticar ,amo a todos e respeito,mas vocês falam tantas coisas se criticam tanto uns aos outros Satanás manipula tanto a vida do ser humano que achamos que estamos fazendo certo e não estamos …

        eu também já acreditei em santos e também já os adorei,porém Deus perdoa a ignorância ele me perdoou e mudou minha vida hoje eu posso ajudar as pessoas mesmo lidando com crimes todos os dias corrupção e coisas piores Deus tem me usado muito ….Deus tem uma promessa na sua vida concerteza ele vai cumprir e você ganhará multidões para cristo ….Que o espirito santo te guie…

        Curtir

        • Helen disse:

          Angélica,

          Em três anos blog este, sem dúvida, foi o comentário mais vil e terrível que eu já tive que ler. Eu nunca imaginei que a ignorância das pessoas pudesse causar tamanha cegueira a ponto de se acharem no direito de ofender até mesmo o nome da Santa Mãe de Deus!!

          Angélica, eu lhe exorto, não se trata de concordar com você ou não. Trata-se de falar a verdade, de não caluniar, não difamar ou levantar falso testemunho, enfim, tudo aquilo ensinado na bíblia. Pois bem, eu lhe exorto para que ESTUDE antes de abrir a boca e tirar conclusões estapafúrdias! Se você, nas sua santa ignorância, pretende seguir acreditando que as imagens que você viu naqueles lugares horríveis por onde passou são mesmo de Maria ( entenda aqui o que quero dizer com “não são mesmo de Maria”, eu sei que elas podem ser idênticas, mas eu refiro-me ao sentido católico atribuído ao ícone enquanto representação do original celestial. Eu explico; o ícone sagrado católico está necessariamente retratando o original. Trata-se de uma representação física daquele que já não se encontra entre nós. Assim, uma imagem de Maria numa Igreja refere-se à Maria Santíssima, mãe de Jesus. Enquanto uma estátua qualquer, profanada num antro qualquer, mesmo que seja a exata réplica daquela que se vê num altar católico, já não mais tem valor, pois NÃO está nem indiretamente tampouco intrinsecamente a representar a Maria original, a mãe de Jesus, que se encontra na Glória de Deus), então está não apenas a confirmar que tem um coração endurecido, mas ao fato de que possivelmente, sofreu alguma espécie de “lavagem cerebral” no seu meio anti-católico e já não consegue raciocinar corretamente.

          Eu não vou lhe ensinar toda a história da colonização brasileira, dona Angélica, vou apenas fazer uma brevíssima explicação à sra e outros desinformados que por aqui passarem, o seguinte:

          Quando os escravos africanos chegaram da africa vieram servir os colonizadores portugueses e seus descendentes, que eram CRISTÃOS CATÓLICOS. Assim, esses senhores de escravos, enquanto cristãos, corretamente repudiavam as “religiões” pagãs trazidas pelos escravos, aos quais SEVERAMENTE puniam se fossem descobertos à praticá-las.

          Pois bem, esses escravos que não eram tolos, logo perceberam que se camuflassem seus cultos pagãos com símbolos católicos, facilmente poderiam enganar aos seus senhoris e com isso, seguirem sua prática “religiosa” nativa.

          Foi assim, sra Angélica, que DIGNÍSSIMOS ícones da religiosidade católica foram parar nos infames e imundos terreiros de umbanda!!!

          Será que é muito difícil de entrar na sua cabeça de “juíza e teóloga” que esses imundos praticantes do satanismo – a quem chamam de umbandistas, etc – NADA tem a ver com a Igreja Católica?

          Será que é muito difícil entender que esta prática que a sra descreveu não é um ensinamento católico? Eu lhe desafio a mostrar uma linha dos documentos católicos onde está autorizado ou ensinado que é permitido a um católico pôr os pés num centro satânico, muito menos profanar ícones sacros de tal forma!!! Será que a sra realmente crê que, porque a Santa memória da Mãe de Jesus e outros servos de Deus é profanada nesses antros de paganismo, significa que tal prática tenha o aval da Santa Igreja Católica!? Busque os livros, estuda. A sra precisa demais!

          E tem mais, se a sra já “acreditou” em santos ou não é problema seu, com esse seu nível de informação, provavelmente acreditava sem saber porque o fazia. De certo cometia mesmo o pecado da idolatria, porque com seu nível de conhecimento sobre o catolicismo, talvez atribuísse aos santos algum status de “deus”, coisa que a Igreja NUNCA ensinou e JAMAIS ensinará!

          A sra, ao invés refletir sobre minha refutação aos erros postados na sua mensagem ao Leonardo, convenientemente, nem tocou no assunto. Assumiu – que surpresa! – a tática MOR dos que aqui aparecem para “ensinar” aos católicos a serem verdadeiros cristãos: Mudou de assunto atacando mais uma vez algo que jamais foi capaz de compreender.

          Não seria mais digno se a sra tivesse dito: “Muito bem, Helen, você demonstrou pela bíblia que meu conselho ao Leonardo estava errado. Assim, obrigada por me corrigir na caridade cristã.” Seria isso humildade demais para uma cristã?

          Desculpe-me o desabafo, mas é difícil aceitar a que ponto vocês protestantes chegam com o ódio e o rancor pela Igreja mais antiga da face da Terra? Arrependa-se por ter mesmo que em pensamento, associado o nome de Maria ao Satanismo Umbandista. Volte aqui somente se for para pedir desculpas!!

          Curtir

        • Lindo seu testemunho Angélica! Fiquei emocionado.

          O nome disso Helen, é sincretismo religioso. E você está bem certa em suas colocações históricas, mas a meu ver e entender da bíblia, ninguém pode servir a 2 senhores. Logo, se uma imagem está para serviço de Deus, poderia ela também estar a serviço de Satanás? Pois as imagens no tempo da escravidão eram de fato católicas, então como poderiam também servir ao maligno? Reflete aí nisso.

          Abraço, fica com Deus.

          Curtir

          • Helen disse:

            Leonardo,

            Reflita nisso o sr:

            Imagem NÃO serve a ninguém, é só um pedaço de pau, barro, etc… É um objeto INANIMADO feito por mãos humanas, assim não podem servir nem a Deus nem ao diabo.

            Estranha-me que vc, ao mesmo tempo admita que o uso dos ícones sacros são consequencia dos sincretismo – o que na verdade é um tanto incorreto, uma vez que não houve assimilação doutrinária católica nas praticas umbandistas, mas por conveniência, apenas uma usurpação das figuras dos Santos católicos para representar os demônios da umbanda – e apesar disso parece concluir que o catolicismo seja culpado dele e não vítima!

            Não importa, o que interessa é isto: no catolicismo as imagens sagradas representam os servos de Deus, esses sim O serviam na terra e por isso são reverenciados como santos… e são usadas, entre outras razões, como forma de preservar a memória dos mesmos e com isso, perpetuar o testemunho de cada um deles para as gerações futuras.

            Agora, o que se faz nos centros de umbanda, etc, é problema deles! Se quiserem usar um pedaço de pau e dizer que é uma entidade, que o façam! Se, por outro lado, por conveniência quiserem seguir a se utilizar de simbolos católicos nas suas práticas horrendas, pois bem, que o façam, um dia terão que prestar conta disso. Agora, isso não faz deles católicos, tampouco faz do Catolicismo a umbanda, macumba, ou seja lá o que for!

            E depois de refletir lembre-se do seguinte:

            O blog, como dito antes, faz a apologética daquilo que a Igreja ENSINA e prega DE FATO, e uma coisa é certa, ela NÃO ensina que o catolicismo esteja associado, nem que remotamente, à qualquer “religião” pagã!

            A Igreja é vítima do sincretismo, e não tem qualqer benefício nele, pelo contrário, sofre com isso, haja visto a confusão que ele causa na mente dos desinformados.

            Curtir

          • Refleti. 😉

            Na verdade concordamos plenamente com a serventia das imagens.

            Eu não quis dizer que o catolicismo assimilou a umbanda. Como falei antes, vou repetir só pra deixar claro: você tem razão em sua colocação histórica sobre a escravatura, onde os escravos assimilaram os símbolos católicos.

            Mas você acha que se as imagens fossem mesmo sagradas, satanás permitiria essa assimilação por parte dos seus seguidores? Não precisa nem responder, pois entendi bem sua posição sobre ícones.

            Mas se você conhecesse os símbolos demoníacos, iria ver que eles jamais usam os símbolos determinados por Deus, eles usam parecidos, como a estrela de Davi. Satanás não é bobo de usar igual porque ele é contra Deus em tudo.

            Veja uma situação parecida: Os espíritas estão ligados ao catolicismo, peço perdão pela heresia, mas de fato eles se denominam assim. Não é difícil encontrar católicos-espíritas. Isso acontece por uma interpretação errada do líder espírita Alan Cardec, que gerou o evangelho segundo o espiritismo. Veja você. 🙂

            Em outra extremidade, a umbanda/macumba se denominam com a mesma prática do espiritismo ou seja, manipulação de energia, daí os bons costumes vão de cada caso e cada casa. A casa de pai Raimundo de Ogun só faz coisa boa, já na casa de Célia do Exu ninguém sabe dizer.

            Mas enfim, tudo que não é de Deus é do diabo. E ele usa para confundir, para roubar a vida das pessoas, seja pela confusão das imagens, seja pela interpretação literal da bíblia. E com quem macumbeiros vão prestar contas de fazer assimilações com o espiritismo?

            Agora uma coisa disso tudo é certa, as imagens mais confundem do que ajudam, pois levam muitos a crerem nelas e enganados não alcançarão a graça de Deus. Então não seria o caso de a igreja retirar as esculturas para que os católicos não cometam suicídio?

            Abraço e fica com Deus.

            Curtir

    • Angélica, obrigado pelas palavras, estava precisando muito. Vou continuar intercedendo sim. Obrigado Helen, por permitir democraticamente este comentário.

      Curtir

  13. JAIME disse:

    ola!!

    Irmãos,
    será que o depoimento de um protestante ajuda?

    “Cristo é união e não divisão” vamos camihar juntos, nossa luta é contra o encardido.

    http://testemunhoscatolicos.blogspot.com.br/2011/09/testemunho-de-scott-hahn-ex-pastor.html

    Testemunho de Scott Hahn (Ex-Pastor Presbiteriano) – ÓTIMO!

    Ministro protestante se converte ao catolicismo

    Tradução: Jaime Francisco de Moura

    Muito obrigado. É muito bom estar com vocês. Eu nunca deixo a oportunidade de mostrar e compartilhar por que eu me tornei um Católico, e como Deus trabalhou em minha vida, na vida de minha esposa, e minha família.

    Isso é o que eu gostaria de compartilhar com vocês agora. Começo com uma experiência de conversão que eu tive na escola secundária. Eu não cresci em uma família Cristã forte. Nós não fomos muito de igreja, e assim eu não era muito religioso. O que Deus usou em minha vida era um organização chamada Vida Jovem, sob a direção de Jack, uma pessoa que muito me ajudou, na escola secundária de crianças.

    Depois me ensinaram a amar a Deus e a ler a Bíblia. Até que eu estivesse terminando a escola secundária, eu tinha lido a Bíblia duas ou três vezes em sua totalidade. E eu tinha me apaixonado pela Bíblia Sagrada. Como resultado disso me convenci de muitas coisas.

    Primeiro, além de ler a Bíblia, Jack tinha compartilhado comigo de sua própria biblioteca pessoal e os escritos de Martinho Lutero, João Calvino, e me tornei um Cristão protestante convencido, não só um Cristão com a bíblia, mas alguém que foi convencido que até 1500, o Evangelho tinha estado perdido entre o período medieval, com superstições e práticas pagãs que a Igreja católica tinha adotado. E assim esta primeira convicção era ajudar meus amigos católicos para o Evangelho de Jesus Cristo, lhes mostrar a Bíblia, e para mostrar para eles que na Bíblia, você aceita Jesus como Salvador e isso era tudo. Não Maria, não os Santos, não purgatório, não devoções, etc.

    Naquele tempo eu estava saindo com uma menina que era católica, e nós estávamos ficando com um namoro sério. Mas eu imaginava que não havia nenhum futuro em nossa relação se ela permanecesse católica. Assim eu dei a ela, um livro de Loraine Boettner intitulado Catolicismo romano. O livro era conhecido como a bíblia do Anti-catolicismo. Era quatrocentos e cinqüenta páginas que encheram de todos os tipos de distorções e mentiras sobre a Igreja Católica. Mas eu não soube que na ocasião, eu compartilhei isto de boa fé com ela. Ela leu do princípio ao fim.

    Ela me escreveu dizendo, “obrigada pelo livro; Eu nunca voltarei contigo novamente.” Eu figurei que se a bolacha na que eles estão adorando no altar não é Deus, então eles são os idólatras, eles são os pagãos. Se o Papa em Roma não é infalível, e sim um tirano. Ele é um simples ditador espiritual.

    O único católico em minha família em ambos os lados era minha amada avó. Ela era muito quieta, muito humilde, muito santa, eu tenho que admitir. Ela também era uma católica devota. Quando faleceu, os pertences religiosos dela foram doados a meus pais. Então eu achei as contas do rosário dela, e isto me fez ficar doente por dentro. Eu soube que minha avó teve uma fé real em Jesus, mas sabia que tudo isso era mau. Assim eu rasguei separadamente as contas do

    rosário. Eu pensei que essas contas era uma cadeia e que afinal ela estava quebrada livre. Isso era o segundo aspecto de minha própria perspectiva: que estas pessoas poderiam ter alguma fé mas há pouco eram rodeados através de mentiras, e assim eles precisavam amar a Bíblia.

    Bem, depois de se formar na escola secundária, decidi não só eu procurar o ministério mas estudar teologia. A decisão veio como resultado do papel de pesquisa que eu escrevi no ano final dentro da escola secundária. Eu escrevi um papel intitulado “Sola Fide”. Isso é uma frase latina “Somente a Fé”. Era a frase que Martinho Lutero lançava na Reforma protestante. Ele disse que nós estamos justificados, nós estamos com Deus só pela fé, não por qualquer trabalho que poderíamos fazer. E para ele, isso era o artigo em qual a igreja estava em quedas. E por causa disso, a Igreja Católica caiu.. E assim eu entrei na faculdade com esta forte convicção.

    Anos de faculdade

    Nos meus quatro anos de faculdade, estudei profundamente a Filosofia, Teologia, Bíblia e Economia. Assim durante esses quatro anos eu me dediquei a alcançar as crianças que não souberam de Cristo, e eu confesso que esta categoria incluiu as crianças católicas na escola secundária onde eu trabalhei porque eu olhei para estas pobres almas de que realmente não souberam de Jesus Cristo. Eu descobri depois de vários estudos da Bíblia que não só estas crianças, mas praticamente todo católico adulto que encontrei não sabia o que a Igreja católica ensinava. Assim conseguindo que eles vissem a Bíblia, estava como apanhar patos em um barril. Eles não estavam prontos, eles eram desarvorados, eles eram indefesos.

    No meu terceiro ano de ministério na Vida Jovem, eu perguntei para a menina mais bonita no campus, se ela me ajudaria trabalhando a localizar estas crianças, e ela disse “Sim.” Nós trabalhamos juntos durante dois anos, ás vezes nós discutimos vários modos e meios para alcançar estes crianças. Mas nós crescemos respeitando um ao outro de forma que ao término dos quatro anos de faculdade, eu fiz a pergunta. E a maior coisa que ela já disse foi “Sim.” Nós nos casamos. Tivemos a mesma visão, fizemos ministério junto, compartilhamos as boas notícias de Cristo.

    Anos de seminário

    Fomos para um seminário uma semana depois do nosso casamento. Depois de três anos eu me formei sendo o primeiro lugar de minha classe. Eu digo fora de qualquer orgulho, como eu procurei meus estudos com um tipo de vingança. Pessoas que me conheceram no seminário, me conheceu por ser bastante intenso. Eu gastava todo tempo lendo a Bíblia estudando os livros sobre Bíblia. Kimberly e eu tivemos uma grande experiência de três anos. Mas muitas coisas aconteceram no caminho que eu preciso relacionar porque em retrospecto eu os vejo como experiências.

    A primeira coisa era um curso que Kimberly fez no primeiro ano, uma classe que eu tinha levado

    antes de Éticas Cristãs. Dr. Davis formou pequenos grupos de forma que cada grupo poderia estudar um tópico. Havia um grupo em aborto, um em guerra nuclear, um em pena de morte. Ela anunciou que estava em um grupo dedicado a estudar contracepção. Eu me lembro de pensamento na ocasião, “Por que contracepção? “

    Ela disse, “Bem, três outros se inscreveram para isto e nós tivemos nossa primeira reunião hoje”. Fulano de tal anunciou os resultados de nosso estudo. Ele disse, bem, todos nós conhecemos como protestantes, que contracepção está bem. Ele anunciou que as únicas pessoas que se chamam Cristãos que opõem ao controle de natalidade artificial são os católicos, e a razão que eles fazem, é porque eles são corridos por um Papa celibatário.

    Bem, aquele tipo de argumentação realmente não impressionou Kimberly. Ela disse, “esses são os melhores argumentos que você oferece?” e ela se interessou pesquisando isto por conta dela.

    Assim eu elevei o assunto e ela me deu um livro. Foi intitulado Controle de natalidade e o Matrimônio por John Kippley. Eu comecei a ler o livro com grande interesse para meu próprio

    estudo pessoal, com o título de, “Controle de natalidade e a Convenção de Matrimônio”. Quando eu abri o livro e comecei a ler, eu disse, “Espere um segundo, Kimberly, este sujeito é um católico. Você espera que eu leia uma obra católica? “

    Bem, eu comecei a ler o livro. Passei por dois ou três capítulos e ele estava começando a fazer sentido. Eu não queria francamente que ele fizesse sentido algum. Livro mostrava que o matrimonio não é só um ato físico; é um ato espiritual que Deus tem projetado no matrimonio e é sempre renovado. Terminei de ler o livro, e fiquei convencido.

    Fiquei um pouco aborrecido, porque a Igreja católica era a única denominação, que sempre defendeu esses ensinamentos, pois em 1930 a Igreja anglicana, que mantinha os mesmos ensinamentos, quebrou esta tradição e permitia a contracepção. Antes de 1960 e 70, minha própria denominação, a Igreja presbiteriana nos Estados Unidos da América, não só endossou a contracepção, mas também o aborto, e isso me intimidou.

    Durante o ano final no seminário, aconteceu algo que representou uma crise para mim. Eu estava estudando convenção e eu ouvi de outro teólogo, que ensina no Seminário de Westminster. Eu ouvi um Pastor que estava sendo acusado de heresia. Pessoas estavam sugerindo que a heresia dele cresceu fora da compreensão da convenção. Ele estava questionando a “Sola Fide”.

    Eu o chamei no telefone e disse,. Mas porque você está duvidando de Lutero e da doutrina “sola fide? “ Ele foi mostrar nesta discussão que a concepção de Lutero sobre a justificação era muito restringida e limitada. Isto tem muitas verdade, mas também perdeu muitas verdades.

    Quando eu desliguei o telefone, eu procurei ver mais adiante os ensinamentos de Lutero no qual, Deus é um juiz, e a convenção é uma cena de sala de tribunal por meio de que todos nós somos os criminosos culpados. Mas desde que Cristo levou nosso castigo, nós adquirimos a retidão dele, e ele adquire nossos pecados.

    Para Lutero, em outras palavras, a salvação é uma troca legal, mas para Paulo em romanos, para Paulo em Gálatas, salvação é muito mais que isso. Não é só uma troca legal porque a aliança não aponta para uma sala de tribunal sobre um quarto familiar hebreu. Deus não é só simplesmente juiz; e os julgamentos dele são paternais. Cristo não é só alguém que representa uma vítima inocente que leva nossos pecados, ele é o primogênito entre muitos irmãos. Ele é nosso irmão mais velho, e ele nos vê como fugitivos, como rebeldes que estão cortados da família de Deus. A Nova Aliança não faz que Cristo troque em um senso legal; Cristo nos dá a própria vontade de forma que nós realmente tornemos filhos de Deus.

    Assim concluí que a “Sola fide” estava errada. Primeiro, porque a Bíblia nunca diz isso em qualquer lugar. Segundo, porque Lutero inseriu a palavra “só” na tradução para o alemão, embora ele soube perfeitamente bem que a frase “só” não estava no grego. Em nenhuma parte o Espírito santo inspirou os escritores da Bíblia para dizer que nós somos salvos só pela fé. Paulo nos ensina que somos salvos por fé, mas em Gálatas diz que nós somos salvos por fé e obras.

    Então de repente nós adquirimos notícias que nossa mudança teoricamente sobre contracepção tinha provocado uma mudança na anatomia de Kimberly e fisiologia; ela estava grávida.

    Pastor de uma Igreja em Virgínia

    O telefone tocou. Uma igreja em Virgínia, uma igreja famosa “que eu tinha ouvido muito bem me chama e diz, você é o candidato para pastorear, nós o queremos aqui”. Na realidade nós lhe pagaremos bem de forma que você pode estudar 20 horas pelo menos por semana, Bíblia e teologia. “Nós queremos que você nos imirja na Palavra de Deus”, e assim eu comecei.

    A primeira coisa que eu fiz era lhes falar sobre a Aliança. A segunda coisa era corrigir o engano deles E mostrar que Aliança significa a família. A terceira coisa que eu fiz era mostrar que a família de Deus faz sentido e que Deus é Pai, Deus é o Filho, e Deus pelo Espírito santo nos fez uma família com Ele. A quarta coisa , era os ensinos sobre liturgia e convenção e família na Bíblia. Eu sugeri que deveríamos ter a refeição familiar, comunhão. Eu usei a palavra “Eucaristia.” Como nós mudamos nossa liturgia, nós sentíamos uma mudança com a nova experiência. Era excitante ver, e como eu lhes ensinei mais sobre a Aliança, eles tinham sede para saber ainda mais.

    O professor em um Seminário presbiteriano

    Enquanto isso algo dramático aconteceu. Eu cheguei em um seminário, um seminário presbiteriano, e perguntaram se eu ensinava cursos para seminário que começa com Evangelho de João. Eu disse, “Seguramente.” Assim eu comecei a compartilhar do Evangelho de João, sobre a família de Deus, sobre o nascer de novo. Eu descobri em meu estudo que nascer não quer dizer que é somente aceitar Jesus Cristo como seu Salvador. Mas descobri o que Jesus quis dizer em (João 3) quando disse que você tem que nascer novamente. Ele diz que tem que nascer da água e do espírito. Eu ensinei que nascer é novamente um ato de Aliança, um sacramento, uma renovação da Aliança que envolve o batismo.

    Enquanto isso eu estava preparando meus sermões e algumas conferências à frente de (João capítulo 3). Eu estava vendo também o capítulo 6. Lá eu descobri algo que nunca tinha notado. Jesus disse a eles, “Verdadeiramente, eu digo, a menos que você coma a carne do filho do homem e bebe o sangue dele você não terá vida em você. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna e eu o elevarei no último dia, pois minha carne é verdadeiramente uma comida e meu sangue verdadeiramente uma bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”. Eu olhei para isto de dez ângulos diferentes.

    Eu tinha sido treinado para interpretar isso em um sentido figurado; Jesus está usando um símbolo. Mas o mais que eu estudei, o mais que eu percebi que esta interpretação não faz sentido nenhum. Porque assim que todos os Judeus ouvem o que Jesus diz, eles partem. Até este ponto, milhares o estavam seguindo, e então de repente as multidões ficam chocado com o que Ele diz, “Minha carne realmente é comida, meu sangue é realmente bebida” e todos eles partem. Se Jesus tinha pretendido falar em um modo figurativo, Ele teria sido obrigado a dizer, “Pare, eu só quero dizer que isto é somente um simbolismo.” Mas Ele não faz isso; ao invés, o que ele faz? Pergunta aos Apóstolos. Pedro se levanta e fala; “Para quem iremos nós? O Senhor tem palavras de vida eterna e nós viemos acreditar.” .

    Como eu comecei a estudar isto, eu comecei a perceber uma coisa. Eu descobri que Jesus nunca tinha usado a palavra “Aliança” em seu ministério público. Ele economizou o tempo para instituir a Eucaristia e disse, “Este Cálice é o sangue da nova aliança.” Eu comecei a ver por que na Igreja primitiva durante mais de 700 anos, ninguém em qualquer lugar duvidou do significado das palavras de Jesus. Todos os pais da Igreja primitiva sem exceção levaram as palavras de Jesus acreditando e ensinando na real presença de Cristo na Eucaristia. Eu estava assustado.

    Então de repente um episódio aconteceu numa noite em um seminário. Um estudante diplomado nomeado John tinha terminado uma apresentação sobre o Concílio de Trento. O Concílio de Trento, você recordará, era a respostas oficial da Igreja para Martinho Lutero e a Reforma. Em uma hora e meia ele tinha apresentado o Concílio de Trento dentro da luz mais favorável. Ele tinha mostrado quanto os argumentos estavam de fato baseado na Bíblia. Então ele virou o jogo. Os estudantes lhe perguntavam algumas coisas, mas ele disse, “Posso eu fazer primeiro uma pergunta, Professor Hahn?” Você sabe como Lutero realmente teve dois slogans, não só a sola fide, mas a sola scriptura, ou seja: . “Somente a Bíblia” minha pergunta é, onde a Bíblia ensina isto? “

    Eu olhei para ele com um olhar fixo em branco. Eu poderia sentir o suor que vinha a minha testa, mas eu disse, “John, isso é uma pergunta boba. Ele olhou para mim e disse, me “Dê uma resposta boba.” Eu disse, “certo, eu tentarei.”. Eu disse, “Bem, (2 Timóteo 3,16) é a chave: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” Ele disse, “Espere um segundo” aqui diz que a Bíblia é inspirada e lucrativa; não diz que é SÓ a Bíblia. Nós precisamos de outras coisas como oração, e então ele disse, que em (2 Tessalonicenses 2,15), Paulo conta que eles têm que agarrar as tradições que Paulo os ensinou por escrito ou através das palavras de boca. Eu não estava pronto. Eu disse, “Bem, algumas perguntas e respostas; eu lidarei na próxima.”

    Eu penso que eles não perceberam o pânico que eu estava por dentro. Quando eu dirigi para minha casa a noite, eu estava me perguntando, por que eu nunca ouvi aquela pergunta? Por que eu não achei uma resposta? No dia seguinte eu comecei a chamar os teólogos ao redor do país. Eu lhes perguntaria, “Onde a Bíblia ensina a sola Scriptura? Onde a Bíblia nos ensina que a Bíblia é a única autoridade ? ” Um homem na verdade disse a mim, isso é uma pergunta boba que vem de você.” Eu disse, “Me dê então” uma resposta boba. Eu estava tendo êxito. Um professor quem eu respeitava, um teólogo de Oxford, disse a mim, “Scott, você não vai achar na Bíblia uma prova para sola Scriptura porque não é algo que a Bíblia demonstra”.

    Outro amigo, um teólogo, me chamou e disse, “Scott, isso que estou ouvindo, é que você está considerando a fé católica? ” Bem, eu realmente não estou considerando a fé católica. “Então eu decidi fazer uma pergunta. Eu disse, “Qual é a coluna e o fundamento da verdade? “ E ele disse, “Scott, para todos nós é a Bíblia.” Eu disse, “Então por que, em (1 Timóteo 3,15) diz que a coluna e o fundamento da verdade é a igreja? “ Ele fiou em silêncio. Eu disse, quantas igrejas dizem ser a coluna e o fundamento da verdade? Eu só sei que a Igreja católica Romana ensina que ela foi fundada por Cristo; e está ao redor durante 2000 anos e está fazendo algumas reivindicações estranhas que parecem muito semelhante a (1 Timóteo 3,15).

    Bem, neste momento eu não estava seguro. Eu peguei um telefone e chamei, o presidente do seminário onde eu estava ensinando. Steve me pediu para almoçar fora. Quando saímos para o almoço, eu estava muito assustado e inseguro. Ele falou que as minhas classes iam tão bem, que deixaria ensinar qualquer curso que eu quisesse. Pagaria até mesmo por um curso de doutorado em teologia. Eu disse, “Onde se faz um curso desses por perto? “ Ele disse, “Universidade católica.” Eu pensei, “Não, não, não. Eu não quero estudar lá; eu estou fugindo dessa perspectiva no momento.” Na realidade, ele disse, “Bem, você oraria sobre isto? “ Eu disse, “penso que você já sabe a resposta”.

    Quando eu cheguei em casa, Kimberly estava esperando por mim e expliquei a proposta do seminário e que não ia aceitar porque não estava seguro do que eu ensinaria, porque nesse exato momento eu não estava seguro do que a Bíblia estava ensinando. Ela caminhou até mim, e me deu um grande abraço e disse, “Scott nós vamos ter que orar então.” Ela soube o que significou: Significou a rejeição de um trabalho prospero como pastor de uma igreja crescente.

    De Assistente administrativo para Presidente de Faculdade

    Nós não soubemos o que íamos fazer. Depois de muita oração, decidimos que deveríamos mudar para a cidade de onde nós nos encontramos. Quando mudamos, eu solicitei um emprego a vários lugares, mas a faculdade me contratou como um administrador assistente do presidente. Durante dois anos eu trabalhei lá, e me esforçava bastante durante o dia e a noite sobrava um tempo para pesquisas detalhadas.

    Em dois anos eu tinha lido vários livros, e comecei a ler os teólogos Católicos pela primeira vez e os Estudantes da Bíblia. E eu estava impressionado com as perspicácias deles, eram de acordo com minhas próprias descobertas pessoais, descobertas inovadoras que eu estava assumindo.

    Às vezes eu mostrava as obras eruditas para Kimberly e dizia, “Ouça isto, preste bem no autor.” Porque ela era de certo modo uma teóloga, mas estava tão ocupada em cuidar das crianças que não tinha muita energia. Mas ela sentava, enquanto escutava, eu diria, “Quem você pensa que é? “Ela disse, “fiquei emocionada! Isso parece um de seu sermões em Virgínia.” Eu disse, “Isso é o Vaticano II, Isso é a Igreja católica.” Ela disse, “Scott, eu não quero ouvir isso.” Eu disse, “Kimberly, esta matéria-prima sobre liturgia é tão excitante. Eu não tenho certeza, mas eu penso que Deus poderia ter nos chamando a se tornar Anglicanos.” Ela olhou em meus olhos, e os seus encheram de lágrimas e disse, “da igreja Anglicana! “ Ela disse, “eu sou uma presbiteriana, meu pai é um ministro presbiteriano, meu tio é um ministro presbiteriano, meu marido era um ministro presbiteriano, meu irmão quer ser um. Eu não quero ser da igreja Anglicana.”

    Eu me lembro que alguns meses depois de ler muito mais, uma noite eu saí e disse, “Kimberly, eu não estou seguro, mas eu estou começando a pensar que Deus poderia me estar chamando a se tornar um Católico romano.” Este olhar de desespero aconteceu com ela. Ela disse, não “nós não podemos nos tornar Episcopalianos? Qualquer coisa, menos católico.” Ela começou a orar para alguém salvar o marido dela, algum professor, algum teólogo, algum amigo.

    Viagem direta para o Catolicismo

    Finalmente aconteceu. Um dia, Gerry, meu melhor amigo de seminário, me chamou. Ele era o único estudante, junto comigo, que segurou à velha convicção protestante que o Papa era o anti-Cristo. Ele falou comigo uma noite no telefone. Eu li a ele uma passagem de um livro de Bouyer. Ele disse, “Emocionei, isso é rico e profundo. Quem escreveu isto? “ Eu disse, “Louis Bouyer.” “Bouyer? eu nunca ouvi falar dele, o que é ele? “ Eu disse, “O que você quer dizer? “Bem, ele é um Metodista? “ Eu disse, “Não”. “Ele é um batista? “ “Não.” “Eu quero dizer é Luterano? O que é ele? ” Eu disse, “Bem, ele é um Cató—–. ” “Eu sinto muito” Eu disse, “Ele é Cató—-romano “Espere um segundo, deve haver um erro, Scott. Eu pensei que você disse que ele é católico.” Eu disse, “Gerry, ele é católico, e eu tenho lido muitos livros católicos.”

    De repente eu falei, “eu tenho lido Danielou, Ratzinger, Lubac,Garrigou-Lagrange e Congar, e todos estes sujeitos tem uma riqueza enorme; você tem que ler também”. Ele disse, “Reduza a velocidade. E continuou, “Scott, sua alma pode estar em perigo.” Eu disse, “Gerry, possa eu lhe dar uma lista de títulos? “ Ele disse, lerei, qualquer coisa para o salvar deste tipo de armadilha. E eu lhe dei estes títulos.” Eu disse, “Gerry, eu li todos, separe um deles, pelo menos uma ou duas vezes”. E eu enviei isto a ele.

    Depois, de um mês nós conversamos um longo tempo por telefone. Bem, isto foi por três ou quatro meses. Nós falaríamos por telefone, duas, três, às vezes quatro horas discutindo, teologia e Bíblia até três ou quatro pela manhã. Uma noite minha esposa sentou na cama e disse, “Como vai? “Me fale sobre isto. Eu disse, “Gerry ficou perplexo com a verdade Bíblica e o avanço da Igreja católica”. Eu não pude ver ela enfrentar isso, mas eu pude ver sua face no travesseiro começando a chorar.

    Em pouco tempo Gerry me chamou e disse, escute, eu estou um pouco assustado. Meus amigos também estão assustados. Nós realmente deveríamos levar isto a sério. Eu falei com John Gerstner, um teólogo Presbiteriano, anti-católico, para uma reunião de seis horas, para um estudo aprofundado, começando pelo Velho Testamento em hebraico, o Novo Testamento em grego, e documentos da história da Igreja. Ao término de seis horas, Gerry descobrimos que a Igreja católica nem mesmo tem necessidade de uma defesa. Ela está mais como um leão. Nós apresentamos os ensinos da Igreja no contexto Bíblico, e ele não tinha respondido nenhuma de nossas perguntas ou objeções.

    Enquanto isso, eu enviei uma aplicação para Universidade de Marquette porque eu tinha ouvido que tinham alguns teólogos excelentes. Fui aceito, e consegui uma bolsa de estudos, comecei a visitar alguns padres na área. Nenhum deles quis discutir minhas perguntas. Um deles na verdade disse, “você está pensando em converter-se para o Catolicismo? Não, você não quer fazer isso. Desde o Vaticano II nós desencorajamos isso. A melhor coisa que você pode fazer para a Igreja é ser um bom ministro presbiteriano.”

    Três ou quatro encontros assim fiquei sem entender. Eu compartilhei isto com Kimberly. Ela disse, “Você tem que ir a uma Escola católica onde você pode estudar em tempo integral, onde você pode ter certeza que acredita na Igreja católica.” Assim depois de muito oração e preparação, nós nos mudamos para Milwaukee onde eu estudei dois anos de tempo integral no programa doutoral deles.

    Esses dois anos eram os anos mais ricos de estudo que eu já tinha experimentado e o tempo mais rico de oração. Eu me achei dentro de alguns seminários, entretanto, onde eu era de fato o solitário protestante. Eu realmente desfrutei o tempo. Mas aconteceu duas coisas no caminho.

    Primeiro, eu comecei a pedir um rosário. Eu estava muito assustado, mas procedi a rezar, e como rezei. Comecei a entender então os Católicos. Logo veio em minha mente, que eu era uma criança de Deus. Eu não tinha somente Deus como Pai e Cristo como meu irmão; mas eu tinha também uma Mãe.

    Um amigo meu que tinha ouvido que eu estava passando para a igreja católica me chamou um dia e disse: “Você adora a Maria como esses Católicos fazem? “ Eu disse, “Eles não adoram a Maria; eles honram a Maria.” “Bem, qual é a diferença? ” Eu disse, me Deixe explicar. Quando Cristo aceitou o chamada do Pai para se tornar um homem, Ele aceitou a responsabilidade para obedecer a lei, a lei moral na qual é resumida os Dez Mandamentos. Há um mandamento que diz, Honra seu pai e mãe. eu disse, “Chris, no hebreu original, aquela palavra “honra”, kaboda, palavra hebréia pretende glorificar, dar qualquer glória e honre você seu pai e mãe. Cristo cumpriu aquela lei mais perfeitamente que qualquer humano dando a glória dele honrando a Mãe. Tudo que nós fazemos no rosário, Chris, é imitar Cristo que honra a Sua Mãe com a glória dele. Nós a honramos com a glória de Cristo.

    A segunda coisa que aconteceu foi quando fui a capela. Sentei na parte de trás, e era um observador. Então um sino tocou e todos eles se levantaram e a Missa começou. Eu nunca tinha visto isto antes.

    A Liturgia da Palavra era rica. Eles leram a Bíblia, mais do que eu pensei. Então a Liturgia da Eucaristia começou. Eu assisti e escutei como o padre pronunciou as palavras de consagração. E eu confesso, a última gota de dúvida escoou fora naquele momento. Eu olhei e disse, “Meu Deus meu Deus.” Como as pessoas começaram a ir adiante para receber a comunhão, eu fiquei alegre e o Senhor entrou em meu coração. O Senhor é Deus e meu Salvador pessoal , mas agora eu penso que o Senhor quer vir em meu corpo como também em minha alma até que esta comunhão esteja completa.

    O próximo dia que eu estava de volta, e o próximo, e o próximo. Eu não pude contar a ninguém. Eu não pude contar a minha esposa. Mas em duas ou três semanas eu estava com a cabeça erguida e sempre dizendo em meu íntimo, ame o Cristo na Real Presença, no Santíssimo Sacramento.

    Então um dia Gerry me chamou no telefone. Ele tinha lido centenas de livros. Ele chamou para anunciar, “Leslie e eu decidimos tornar católicos na Páscoa de 1986. “ Depois que desliguei o telefone, eu disse, “Kimberly, você nunca vai adivinhar o que Gerry e Leslie estão planejando fazer.” “O que?” Eles vão se tornar Católicos na Páscoa de 1986. ”

    Eu soube que Kimberly me amou bastante e nunca me permitiu desobedecer meu Deus e Salvador. Ela disse, “eu rezarei aproximadamente, mas eu tenho que lhe falar, eu me sinto traída. Eu me sinto abandonada. Eu nunca me senti tão só em minha vida. Todos meus sonhos estão morrendo por causa disto.” Mas ela rezou, e Deus a abençoou, ela voltou e disse, “Esta é a coisa mais dolorosa em minha vida, em nosso matrimônio, mas eu penso que é o que Deus quer que eu faça.”

    Na vigília da Páscoa de 1986, ela me acompanhou para a Missa de vigília, que até este momento, eu já tinha recebido o batismo, primeira comunhão, Confirmação. Quando eu voltei eu estava chorando, e eu pus meu braço ao redor do dela e nós começamos a rezar. Deus disse a mim, “Olhe, eu não lhe estou pedindo que se torne um católico apesar de seu amor por Kimberly, porque eu a amo mais que você”.

    Nós tivemos um terceiro bebê, Hannah. Quando Hannah foi concebida, eu estava realmente assustado. Assustado por muitos razões mas nunca tão assustado como numa manhã de domingo quando Kimberly estava grávida de cinco meses. Estávamos na Igreja dela e na última estrofe do último hino, ela se levantou e virou para mim. Ela estava branca como um fantasma e disse, “eu não me sinto bem.” Ela se sentou e se deitou,e não soube o que fazer, corri para um telefone público, e estava em um pânico mas logo veio a ajuda e ela entrou no carro e fomos para o hospital e a vida de Kimberly, e o bebê foram poupadas, e Hannah nasceu.

    Eu há pouco tive o senso que estávamos mais íntimos de Deus para o nosso matrimônio, pois antes de Hannah nascer Kimberly me disse, “eu não estou segura mas acho que Deus está me dizendo que Hannah vai ser um criança de reconciliação. Eu não estava seguro do que isso significaria.” Nós abraçamos e começamos a rezar sobre isto.

    Depois que Hannah nasceu, Kimberly me chamou. Ela disse, “penso que Deus quer que eu tenha a Hannah batizado dentro da Igreja católica.” Eu disse, o que? Ela disse, “eu não estou segura mas sim.” e nós passamos pela liturgia do batismo. Como resultado desta celebração litúrgica do batismo, ela fotografou a liturgia batismal e enviou à família e amigos. Mas ela ainda não estava pronta para entrar nestes debates. Ela começou ler e rezar.

    Viagem para o Vaticano em Roma

    Em Janeiro meu sogro me convidou a se juntar a ele e um grupo de pessoas que estavam trabalhando contra a pornografia que se espalhava pela Europa oriental. Nesta viagem, iríamos também ao Vaticano para uma reunião e uma privada audiência com o Papa João Paulo II. Meu sogro, presbiteriano auxiliar, me perguntou se eu queria conhecer o Papa Eu disse, “Sim.” Assim no final de janeiro, além de ter podido se reunir com o Papa também fui convidado o acompanhar na capela privada dele em uma sexta-feira e participar da Missa matutina às 7:00 da manhã onde fiquei alguns metros dele. Você poderia ouvir ele que reza com a cabeça dele nas mãos dele, levando o peso do Igreja com todos seus fardos no coração dele.

    Como ele celebrou os Mistérios da Santa Missa, eu prometi para mim mesmo de participar profundamente na Missa, compartilhar com meus irmãos e irmãs, e agradecer a Cristo que nos deu uma incrível família, agradecer a Santíssima Virgem Maria por ser nossa Mãe espiritual, ao Papa, João Paulo II por ser um guia e um pai espiritual que nos conduz ao Pai divino, agradecer aos santos que são nossos irmãos e são a família de Deus.

    “A Igreja é a coluna e o fundamento da verdade” (1 Tim 3,15)

    “Todo aquele que divide Jesus é um anti-cristo” (1 Jo 4,3)

    Fonte: http://caiafarsa.wordpress.com/ex-pastor-presbiteriano/

    Postado por Testemunhos Católicos às 00:33
    Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar no Orkut

    Marcadores: Ex-Protestantes

    Curtir

    • Helen disse:

      Olá Jaime,

      Infelizmente, os não-denominacionais e neo-protestantes nunca leram isso:

      Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, dizeis a todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós cisões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer. 1 Coríntios 1:10

      Não haja cisões? Espera ai!! Como explicar a abertura de uma nova denominação a cada… hum… dia, ou seria minuto? Por favor!!!

      UM só CORPO e UM SÓ ESPÍRITO porque fostes chamados na esperança de vossa vocação ( Ef 4,4)

      Curtir

  14. Helen, deixo este vídeo para que você veja que meu intento não é defender evangélicos. http://www.youtube.com/watch?v=kAw1dXRx3h4

    Curtir

    • Helen disse:

      Caro Leonardo,

      Não creio que seu intuito seja defender o evangelicalismo neo-protestante…acho apenas que vc parece já ter formado uma opinião sobre o catolicismo que, queira ou não, é frotemente influenciada pelo protestantismo militante anti-católico Norte-Americano (bastante difundido no Brasil), o qual, que diga-se de passagem, nem mesmo faz um juízo bem informado e idôneo do Catolicismo, uma vez que julga-o apartir de uma caricatura do que acreditam ser o catolicismo, e não daquilo que ele realmente é!

      Grata pelo vídeo, vou assistí-lo.

      Pax Domini

      Curtir

    • Helen, eu não falei nada, só deixei um vídeo e você me respondeu antes mesmo de assistí-lo.

      Curtir

      • Helen disse:

        Oi Leonardo,
        Eu estava respondendo ao seu comentário anterior… vou ver o vídeo. Já escrevo mais.

        Curtir

      • JAIME disse:

        LEONARDO ME DIGA NA SUA BÍBLIA PROTESTANTE ADULTERADA E INCOMPLETA NÃO TEM ESSAS PASSAGENS BÍBLICAS?

        Os santos, depois desta, podem muito mais ainda que quando caminhavam conosco nesta vida. Eles receberam de Cristo o PODER de reinar, julgar e até de nos introduzir nos céus.

        1 – REINAM

        “… aqueles que receberam a abundância da graça e o dom da justiça REINARÃO na vida [eterna] por um só, que é Jesus Cristo!” (Romanos 5,17)

        “Eis uma verdade absolutamente certa: Se morrermos com ele, com ele viveremos; se soubermos perseverar, com ele REINAREMOS” (II Timóteo 2,11-12)

        “Cantavam um cântico novo, dizendo: Tu és digno de receber o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste imolado e resgataste para Deus, ao preço de teu sangue, homens de toda tribo, língua, povo e raça; e deles fizeste para nosso Deus um reino de sacerdotes, que REINAM sobre a terra” (Apocalipse 5, 9-10)

        “Feliz e santo é aquele que toma parte na primeira ressurreição! Sobre eles a segunda morte não tem poder, mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo: REINARÃO com ele durante os mil anos” (Apocalipse 20,6)

        “Já não haverá noite, nem se precisará da luz de lâmpada ou do sol, porque o Senhor Deus a iluminará, e hão de REINAR pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 22,5);

        “Veio o primeiro: Senhor, a tua mina rendeu dez outras minas. Ele lhe disse: Muito bem, servo bom; porque foste fiel nas coisas pequenas, receberás o governo de dez cidades” (São Lucas 19,16-17)

        2 – JULGAM

        “… vós tendes permanecido comigo nas minhas provações; eu, pois, disponho do Reino a vosso favor, assim como meu Pai o dispôs a meu favor, para que comais e bebais à minha mesa no meu Reino e vos SENTEIS EM TRONOS, para JULGAR as doze tribos de Israel. (São Lucas 22,28-30)

        “Não julgueis que vos hei de acusar diante do Pai; HÁ QUEM VOS ACUSA: Moisés, no qual colocais a vossa esperança” (São João 5,45)

        “Ainda mais, o incircunciso de nascimento, cumprindo a lei, TE JULGARÁ que, com a letra e com a circuncisão, és transgressor da lei. (Romanos 2,27)

        “O homem espiritual, ao contrário, julga todas as coisas e não é julgado por ninguém” (I Coríntios 2,15)

        “Não sabeis que os santos julgarão o mundo?… ” (1 Coríntios 6,2

        “Não sabeis que julgaremos os anjos?… ” (1 Coríntios 6,3)

        “Vi também tronos, sobre os quais se assentaram aqueles que RECEBERAM O PODER DE JULGAR…” (Apocalipse 20,4)

        3 – INTRODUZEM-NOS NO CÉU

        “Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos.” (São Lucas 16,9).

        SE LOUVAR, BENDIZER, GLORIFICAR, EXALTAR E HONRAR OS SANTOS FOR IDOLATRIA, ENTÃO O PRÓPRIO DEUS É IDÓLATRA…

        Veja porque:

        O próprio Deus é o primeiro a SERVI-LOS, LOUVÁ-LOS, HONRÁ-LOS e GLORIFICÁ-LOS :

        1 – SERVE SEUS SANTOS

        “Bem-aventurados os servos a quem o senhor achar vigiando, quando vier! Em verdade vos digo: cingir-se-á, fá-los-á sentar à mesa e servi-los-á. (São Lucas 12,37)

        2 – LOUVA-OS

        “… é judeu o que o é interiormente, e verdadeira circuncisão é a do coração, segundo o espírito da lei, e não segundo a letra. Tal judeu recebe o louvor não dos homens, e sim de Deus. (Romanos 2,29)

        “… cada um receberá de Deus o louvor que merece” (I Coríntios 4,5)

        “… para que a prova a que é submetida a vossa fé (mais preciosa que o ouro perecível, o qual, entretanto, não deixamos de provar ao fogo) redunde para vosso louvor, para vossa honra e para vossa glória, quando Jesus Cristo se manifestar” (I São Pedro 1,7).

        3 – HONRA-OS: (São João 12,26; Romanos 2,7; 2,10; I Timóteo 3,13; I São Pedro 1,7; I São Pedro 2,7 );

        4 – GLORIFICA-OS: (São João 12,26; Romanos 2,7; 2,10; I Timóteo 3,13; I São Pedro 1,7; I São Pedro 2,7 )

        Curtir

      • JAIME disse:

        Leonardo, entenda filho de Lutero, que a Escritura nos ensinaM que todos os batizados foram revestidos de Cristo e, tornando-se uma só coisa com ele, são membros do seu Corpo, que é a Igreja. Ser cristão é estar incorporado, enxertado no Senhor Jesus ressuscitado: “Todos vós, que fostes batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo… pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,27); “Vós sois o corpo de Cristo e sois seus membros, cada um por sua parte” (1Cor 12,27); “Nós somos muitos, mas formamos um só corpo em Cristo” (Rm 12,27). A união nossa com Cristo é tão forte e real, tão concreta e verdadeira, que Paulo fala que o cristão é batizado (=mergulhado) em Cristo, no Cristo, dentro de Cristo: “Não sabeis que todos os que fomos batizados em Cristo Jesus, é na sua morte que fomos batizados?… Porque se nos tornamos uma só coisa com ele por uma morte semelhante à sua, seremos uma só coisa com ele também por uma ressurreição semelhante à sua” (Rm 6,3-9). A vida dos bem-aventurados no céu – e também já aqui na terra a vida de cada batizado – é vida em Cristo: “A graça de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 6,23). A ele estamos unidos como os ramos à videira, de tal modo que vivemos da sua mesma vida: “Eu sou a verdadeira videira e meu Pai é o agricultor… Permanecei em mim, como eu em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanece na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele produz muito fruto; porque sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15,1.4-5). O cristão é aquele que permanece em Cristo, que vive não mais por si mesmo, mas por Cristo. A seiva, a vida nova da qual vivem os cristãos é o próprio Espírito Santo do Senhor Jesus ressuscitado, recebido no batismo: “Aquele que se une ao Senhor, constitui com ele um só Espírito” (1Cor 6,17); “Pois fomos todos batizados num só Espírito para ser um só corpo… e todos bebemos de um só Espírito” (1Cor 12,13). De tal modo isto é verdadeiro, real, que Paulo exclamava: “Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20); “Para mim o viver é Cristo…” (Fl 1,23). Cristo está de tal modo presente no cristão e este é de tal modo enxertado em Cristo e nele incorporado, que fazia o Apóstolo afirmar: “A vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Cl 3,2). E falar também do mistério de Deus que é “o Cristo em vós, a esperança da glória” (Cl 1,27). Aparece assim claramente que os batizados – particularmente os que estão na Glória – são uma só coisa com Cristo, estão em Cristo, foram «con-formados» com Cristo, são membros de Cristo, que é Cabeça de todos. Não há, para aqueles que estão na Glória, outra vida que não a de Cristo e em Cristo!
        Ora, o Espírito de Cristo ressuscitado em nós, fazendo-nos uma só coisa com o Senhor Jesus, suscita em nós os bons sentimentos e as boas obras: tudo de bom que pensamos e fazemos é suscitado pelo Espírito Santo em nós: “É Deus quem opera em vós o querer e o operar” (Fl 2,13). É exatamente porque cremos em Cristo, porque estamos unidos a ele e nele estamos enxertados e incorporados pelo Batismo, que podemos realizar as obras da fé, daquela fé que atua pela caridade (cf. Gl 5,6). Quando rezamos, não somos nós que rezamos: quem ora em nós, quem louva em nós e intercede em nós é o próprio Espírito do Cristo Jesus ressuscitado: “Assim também o Espírito socorre a nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir como convém; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis e aquele que perscruta os corações sabe qual é o desejo do Espírito; pois é segundo Deus que ele intercede pelos santos” (Rm 8,26-27). É por isso que, já aqui na terra, pedimos aos nossos irmãos que intercedam por nós. Dizemos uns aos outros: «Fulano, reze por mim!» O próprio Novo Testamento recomenda que rezemos uns pelos outros (cf. 2Cor 1,1; Ef 1,16; 6,19; Fl 1,4; Cl 4,12; 1Ts 1,2; 1Ts 5,25; 1Tm 2,1; Tg 5,16). Pedimos a oração de um irmão batizado porque sabemos que ele ora em Cristo, que esse irmão é uma só coisa com Cristo, já que é membro do seu Corpo e vive do Espírito do Senhor ressuscitado, de modo que já não é ele quem ora, mas é Cristo que ora nele como Mediador único entre nós e Deus.
        Com nossos irmãos que estão na Glória acontece o mesmo. A morte não nos separa do amor de Cristo nem dos irmãos, não rompe a comunhão entre os que estão com o Senhor, no céu, e nós, peregrinos: “Estou convencido de que nem a morte nem a vida… nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8,38-39). No Senhor todos vivem e permanecem unidos no amor. Se a morte interrompesse uma tal comunhão em Cristo isso significaria que ela – a morte – seria mais forte que o amor, que a vida e que a vitória do Senhor Jesus. Mas, não! Cristo é mais forte que a morte e o inferno: “Morte, onde está a tua vitória? Morte, onde está o teu aguilhão?” (1Cor 15,55). Desse modo, nossos irmãos que estão com Cristo (cf. Fl 1,23) na Glória, são plenamente membros do Corpo do Cristo, vivem do Espírito do Cristo ressuscitado e participam da única mediação de Cristo! É Cristo quem intercede neles, de modo que a intercessão dos Santos, amigos de Cristo, nada mais é que uma admirável manifestação do poder e da fecundidade da única mediação do Senhor Jesus. Ele é o único Mediador, que inclui na sua mediação única todos os que são uma só coisa com ele por serem membros do seu Corpo. A mediação do Senhor Jesus não é mesquinha: é única, mas não é exclusivista: ela inclui todos nós: não é exclusiva, mas inclusiva! Caso contrário, nem nós, que vivemos ainda neste mundo, poderíamos rezar uns pelos outros, já que isso é também uma forma de mediação.
        Assim, é em Cristo, como seus membros, no seu Espírito, que os Santos intercedem ao Pai. A intercessão dos Santos nada mais é que uma manifestação da única intercessão do Senhor Jesus, que, sendo rico e potente, suscita em nós a capacidade de participar da sua única mediação. Os nossos irmãos na Glória são aquela nuvem de testemunhas de que fala a Epístola aos Hebreus: “Portanto, também nós, com tal nuvem de testemunhas ao nosso redor, rejeitando todo o fardo e o pecado que nos envolve, corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, com os olhos fixos nAquele que é o Autor e Realizador da fé, Jesus” (Hb 12,1-2). São eles que, a exemplo dos primeiros santos mártires, participando da mediação única do Senhor Jesus, e nessa única mediação, suplicam em nosso favor, como membros de Cristo: “Vi sob o Altar as vidas dos que tinham sido imolados por causa da Palavra de Deus e do testemunho que dela tinham prestado. E eles clamaram em alta voz: ‘Até quando, ó Senhor Santo e Verdadeiro, tardarás a fazer justiça, vingando nosso sangue contra os habitantes da terra?’” (Ap 6,10).
        Certamente, como aquela que mais esteve unida a Cristo Senhor neste mundo e na glória, a Virgem Maria participa de um modo todo especial dessa única mediação de Cristo…
        Fica claro que uma coisa é certíssima: a Igreja de Cristo, ao ensinar que os nossos irmãos do céu, os Santos, intercedem por nós, mostra o quanto a única mediação de Cristo é fecunda e eficaz… de tal modo fecunda e eficaz, que nela nos inclui e dela nos faz participantes! Não se trata, portanto, nem de concorrência, nem de competição e nem mesmo de uma mediação paralela à mediação única de Cristo. Também não se trata de uma escadinha de mediadores: os Santos seriam mediadores junto a Cristo e Cristo é o Mediador junto ao Pai. Não! Há um só Mediador! Todos os outros apenas participam da única mediação do Cristo Jesus, nossa Cabeça e nossa santificação. Se participamos desta mediação única é exatamente porque, pelo Batismo, recebemos a plenitude de Cristo: “Nele aprouve a Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele todos os seres” (Cl 1,19). E da sua plenitude todos nós recebemos graça sobre graça! (Jo 1,16).
        Atenção! É errado pensar que os Santos intercedem por nós informando a Deus sobre nossas necessidades – como se Deus não as conhecesse! – ou convencendo Deus a mudar sua opinião. É errado e herético pensar que a Virgem Maria e os Santos intercedem por nós a Deus de modo independente de Cristo ou ao lado de Cristo! A Virgem e os Santos intercedem por nós em Cristo, como membros do seu Corpo e em união com a santíssima vontade do Senhor Jesus, nosso único Intercessor junto do Pai!
        Para completar tudo quanto aqui foi dito, é muito útil transcrever trechos da declaração de um grupo de teólogos anglicanos, luteranos, reformados (todos protestantes!), ortodoxos e católicos reunidos em nome de suas igrejas na ilha de Malta, nos dias 8-15 de setembro de 1983:
        1. Todos reconhecemos a existência da Comunhão dos Santos como comunhão daqueles que na terra estão unidos a Cristo, como membros vivos do seu Corpo Místico. O fundamento e o ponto central de referência desta comunhão é Cristo, o Filho de Deus feito homem e Cabeça da Igreja (cf. Ef 4,15-16), para nos unir ao Pai e ao Espírito Santo.
        2. Esta comunhão, que é comunhão com Cristo e entre todos os que são de Cristo, implica uma solidariedade que se exprime também na oração de uns pelos outros; esta oração depende daquela de Cristo, sempre vivo para interceder por nós (cf. Hb 7,25).
        3. O fato mesmo de que, no céu, à direita do Pai, Cristo roga por nós, indica-nos que a morte não rompe a comunhão daqueles que durante a própria vida estiveram unidos em Cristo pelos laços da fraternidade. Existe, pois, uma comunhão entre os que pertencem a Cristo, quer vivam na terra, quer, tendo deixado os seus corpos, estejam com o Senhor (cf. 2Cor 5,8; Mc 12,27).
        4. Neste contexto, compreende-se que a intercessão dos Santos por nós existe de maneira semelhante à oração que os fiéis fazem uns pelos outros. A intercessão dos Santos não deve ser entendida como um meio de informar Deus das nossas necessidades. Nenhuma oração pode ter este sentido a respeito de Deus, cujo conhecimento é infinito. Trata-se, sim, de uma abertura à vontade de Deus por parte de si mesmo e dos outros, e da prática do amor fraterno.
        5. No interior desta doutrina, compreende-se o lugar que pertence a Maria Mãe de Deus. É precisamente a relação a Cristo que, na Comunhão dos Santos, lhe confere uma função especial de ordem cristológica… Maria ora no seio da Igreja como outrora o fez na expectativa do Pentecostes (cf. At 1,14). Quaisquer que sejam nossas diferenças confessionais (=de religião), não há razão alguma que impeça de unir a nossa oração a Deus no Espírito Santo com a liturgia celeste, e de modo especial com a Mãe de Deus.
        Este documento é assinado por teólogos e pastores luteranos, anglicanos, reformados, bem como por teólogos ortodoxos e católicos!
        Conclusão: no culto e oração dos Santos nada há que fira a unicidade da mediação, da santidade e da glória de Cristo! É ele, Autor da santidade, que é grande e admirável nos seus Santos!

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        MEU AMIGO LEONARDO VOCÊ JÁ LEU ESSA PASSAGEM BÍBLICA?

        Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        VEJA LEONARDO COMO SUA TESE É MORTA E HERÉTICA, FRUTO NASCIDO DE LUTERO.QUE PREGOU O LIVRE EXAME BÍBLICO QUE FAZ DE QUAL QUER SEMI ANALFABETO MEDITO A TEOLÓGO
        OLHA LEONARDO ISSO É NO VELHO TESTAMENTO E O POVO DE DEUS JÁ ACREDITAVA QUE AS ALMAS DOS PATRIARCAS ESTAVAM NO PARAÍSO
        Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)

        LEONARDO PARA VOCÊ APRENDER O QUE É IMAGENS SANTOS E INTERCESSÃO PRIMEIRO VOCÊ TEM QUE ESTUDAR A PATRÍSTICA E A EXEGESE E OS PADRES APOSTÓLICOS E OS GRANDES DOUTORES DA IGREJA CATÓLICA COISA QUE VOCÊ NUNCA FEZ NA SUA VIDA A NÃO SER DECORAR TEXTOS FORA DO CONTEXTO ISSO É UMA PIADA LEONARDO

        Agora veja LEONARDO uma Analise Sobre os Santos e a Intercessão
        Chamem de Santo só ao Senhor dos exércitos.”, dizem as sagradas escrituras.
        Porém, elas mesmas dizem:
        “Sede santos porque eu sou santo!” (Lv 19, 2; 20, 7; I Pd 1, 16)

        LEONARDO SAIBA QUE O PRÓPRIO
        Deus diz para sermos santos Nele! Logo, Deus não é apenas santo, Ele é o Santo dos santos. Cristo é o Santo dos santos! (Dn 9, 24; Is 11, 1-5; Mt 3, 1-17). Origem de toda a santidade. Ser santo é ser “são”, íntegro, puro. Porém, não é ser alguém sem pecados!
        AGORA EU TI PERGUNTO LEONARDO o que é interceder?
        PARA NÓS CATÓLICOS O QUE EU SEI É QUE Interceder, no sentido religioso, é pedir a Deus algo em favor de outra pessoa.
        EU TI PERGUNTO LEONARDO E quem pode interceder?
        Ora todos podemos interceder por alguém, porém temos um supremo intercessor que é Cristo, mas todos nós cristãos podemos interceder uns pelos outros em nossas orações como assim nos ensina a bíblia (Tg 5, 16 , Rm 15, 30 e etc.)
        E os Santos Canonizados na Igreja Católica onde entram nesta história? Não estariam eles mortos?
        Morrer em Cristo é ir Para o Céu!
        LEONARDO
        VEJA a Carta aos Hebreus diz claramente, “como está determinado que os homens morram uma só vez, e logo em seguida vem o juízo”. (Hb 9,27)
        Ou seja depois que morremos somo imediatamente julgados, ou é céu ou é inferno.
        LEONARDO VOCÊS protestantes costumam rebater a intercessão dizendo que os mortos não sabem de nada, não tem consciência de coisa alguma, estão dormindo, esperando o julgamento final e que ainda não há ninguém no céu, citam Ecl 9, 5, Sl 115, 17 para confirmar isto. Ora, isto é uma realidade do antigo testamento, antes de Cristo.

        Já mostrei em Hebreus que após a morte somos julgados. Cristo trouxe uma nova economia, foi pregar aos que estavam na Região dos Mortos desde a criação do mundo até Sua Crucificação ( 1.ª Pd 3, 18-20; 4, 5-6 ). Vencendo a morte levou muitos deles para o Céu ( Sl 68, 19; Ef 4, 8 ) e mesmo assim, ainda no antigo testamento já vemos algumas pessoas que foram para o céu, vejamos:
        Henoc:
        Gêneses 5, 23. A duração total da vida de Henoc foi de trezentos e sessenta e cinco anos. 24. Henoc andou com Deus e desapareceu, porque Deus o levou.
        Elias:
        II Reis 2, 1: Eis o que se passou no dia em que o Senhor arrebatou Elias ao céu num turbilhão (…)
        E mesmo no antigo testamento já temos uma menção a interseção dos Santos:

        Jer 15, 1. Disse-me, então, o Senhor: Mesmo que Moisés e Samuel se apresentassem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo. Expulsai-o para longe de minha presença! Que se afaste de mim!
        Samuel já tinha até aparecido para Saul depois de mortos para fazer uma revelação (I Samuel 28, 1-19). Não era nenhum demônio como alguns costumam dizer, era Samuel mesmo, o próprio texto sacro afirma ser Samuel! Quem somos nós para duvidar? E ainda mais, um demônio é onisciente para saber o futuro? Acaso os demônios já podem profetizar? A confirmação do que Samuel revelou no capitulo 28 se dá no 29. (I Samuel 29, 1-11)

        E o novo testamento comprova que eles estavam no céu. Apareceram (Elias e Moisés) para Jesus e conversaram com ele conscientemente, sabendo que ele era o Messias, o que estava fazendo e o que iria acontecer com ele. Confira Mt 17,3; Mc 9,4; Lc 9, 28-31.
        LEONARDO ME DIGA como Moisés pode aparecer, com corpo glorificado, a Cristo?
        No AntigoTestamento não é relatado que Moisés morreu e foi sepultado?
        É simples, LEONARDO saibas que o corpo de Moisés foi levado por Miguel para o céu, e Judas atesta:
        Judas 9. Ora, quando o arcanjo Miguel discutia com o demônio e lhe disputava o corpo de Moisés, não ousou fulminar contra ele uma sentença de execração, mas disse somente: Que o próprio Senhor te repreenda!

        E também:
        Disse Jesus: “Por outra parte, que os mortos hão de ressuscitar é o que Moisés revelou na passagem da sarça ardente (Ex 3,6), chamando ao Senhor: Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó. Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos; porque todos vivem para ele.” (Lc 20,37-38).
        AGORA EU TI PERGUNTO LEONARDO! O que significam os santos para a Igreja católica?
        Com sua intercessão diante de Jesus, nossas orações recebem um forte impulso, e muitas graças alcançamos assim! De modo especial as graças que são necessárias ou importantes para vivermos fiéis à Vontade de Deus!
        O exemplo de suas vidas, o testemunho que deixaram de Amor a Deus, a vivência firme do Evangelho, o amor ao próximo, tudo isto serve de exemplo para nós, nos fortalecem nos animam para sermos melhores cristãos, melhores filhos do altíssimo.
        A Igreja tem especial carinho filial àquela que foi escolhida pra ser a Mãe de Jesus e nossa (João 19, 26-27). A Igreja proclama-a como Bem-Aventurada! (Lc 1, 48), ela recebeu uma graça maravilhosa e EXCLUSIVA: Ser mãe do Filho de Deus!

        DEIXA DE LOROTAS LEONARDO a própria bíblia nos ensina a seguir o exemplo dos Santos:

        VEJE
        Hb 11, 4-5. Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício bem superior ao de Caim, e mereceu ser chamado justo, porque Deus aceitou as suas ofertas. Graças a ela é que, apesar de sua morte, ele ainda fala. Pela fé Henoc foi arrebatado, sem ter conhecido a morte: e não foi achado, porquanto Deus o arrebatou; mas a Escritura diz que, antes de ser arrebatado, ele tinha agradado a Deus (Gn 5,24).

        LEONARDO NOVAMENTE EU TI PERGUNTO?
        Onde encontramos eles orando, falando com Deus, ou pedindo algo pelos vivos na carne?

        É SIMPLES MEU CARO HEREGE
        basta lermos um pouquinho mais a fundo a bíblia e notarmos!

        Vejamos agora em apocalipse: LEONARDO
        Apocalipse4, 4. Ao redor havia vinte e quatro tronos, e neles, sentados, vinte e quatro Anciãos vestidos de vestes brancas e com coroas de ouro na cabeça. Estes Anciãos são sacerdotes, adoram a Deus (4, 10; 5, 9; 11, 16-17; 19, 4). OFERECEM AS ORAÇÕES DOS FIÉIS (AP 5, 8). Este número corresponde talvez aos das 24 ordens sacerdotais de 1Cr 24, 1-19. Visto que o que havia na terra era uma imagem do santuário no céu.

        E mais LEONARDO vemos os mortos em Cristo aparecem sob seu altar clamando por justiça contra os habitantes da terra:
        Apocalipse 6, 9. Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. 10. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra? 11. Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos.

        Agora Em Lucas LEONARDO
        vemos até alguém que foi para o inferno suplicando por sua família:
        Lucas 16, 22. Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. 23. E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio. 24. Gritou, então: – Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua, pois sou cruelmente atormentado nestas chamas. 25. Abraão, porém, replicou: – Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em vida, mas Lázaro, males; por isso ele agora aqui é consolado, mas tu estás em tormento.
        26. Além de tudo, há entre nós e vós um grande abismo, de maneira que, os que querem passar daqui para vós, não o podem, nem os de lá passar para cá. 27. O rico disse: – Rogo-te então, pai, que mandes Lázaro à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos,
        28. para lhes testemunhar, que não aconteça virem também eles parar neste lugar de tormentos.

        LEONARDO veja outras passagens que falam que os mortos em cristo vão para o céu?
        Veja:
        II Coríntios 5, 1-9. 1. Sabemos, com efeito, que ao se desfazer a tenda que habitamos neste mundo, recebemos uma casa preparada por Deus e não por mãos humanas, uma habitação eterna no céu.2. E por isto suspiramos e anelamos ser sobrevestidos da nossa habitação celeste, 3. contanto que sejamos achados vestidos e não despidos. 4. Pois, enquanto permanecemos nesta tenda, gememos oprimidos: desejamos ser não despojados, mas revestidos com uma veste nova por cima da outra, de modo que o que há de mortal em nós seja absorvido pela vida. 5. Aquele que nos formou para este destino é Deus mesmo, que nos deu por penhor o seu Espírito. 6. Por isso, estamos sempre cheios de confiança. Sabemos que todo o tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor. 7. Andamos na fé e não na visão. 8. Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto do Senhor. 9.É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe.

        Efésios 4, 7-8 Mas a cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo, pelo que diz: Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).
        I tessalonicenses 3,13: “Que ele confirme os vossos corações, e os torne irrepreensíveis e santos na presença de Deus, nosso Pai, por ocasião da vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos!”
        Fl 1, 21-23. Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro. Mas, se o viver no corpo é útil para o meu trabalho, não sei então o que devo preferir. Sinto-me pressionado dos dois lados: por uma parte, desejaria desprender-me para estar com Cristo – o que seria imensamente melhor;
        “Mas, cheio do Espírito Santo, Estevão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus: Eis que vejo, disse ele, os céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus. Levantaram então um grande clamor, taparam os ouvidos e todos juntos se atiraram furiosos contra ele. Lançaram-no fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um moço chamado Saulo. E apedrejavam Estevão, que orava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (At 7,55-59)

        I tessalonicenses 5, 10 Ele morreu por nós, a fim de que nós, quer em estado de vigília, quer de sono, vivamos em união com ele.

        LEONARDO AGORA veja alguém que foi ao céu vivo:
        II coríntios 12,2. Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. 3. E sei que esse homem – se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe – 4. Foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. 5. Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas.

        E mais LEONARDO
        Jesus foi pregar aos mortos para que pudessem se salvar, portanto eles só poderiam estar acordados:
        VEJA
        1 Pedro 3, 18. Pois também Cristo morreu uma vez pelos nossos pecados – o Justo pelos injustos – para nos conduzir a Deus. Padeceu a morte em sua carne, mas foi vivificado quanto ao espírito. 19. É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que eram detidos no cárcere, àqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes…
        1 Pedro 4, 5. Eles darão conta àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos. 6. Pois para isto foi o Evangelho pregado também aos mortos; para que, embora sejam condenados em sua humanidade de carne, vivam segundo Deus quanto ao espírito.
        E o que falar então de 1 Timóteo 2, 5:
        “ Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo….”agora vocês das satânicas seitas protestantes costumam usar está passagem para dizer que nós católicos não temos Jesus como único mediador,
        Ora LEONARDO interceder é diferente de mediar, e ainda mais no sentindo da salvação,
        Já ti mostrei como podemos orar uns pelos outros, a mediação de Jesus é no sentido de homem salvador e reconciliador, isto só ele pode ser, e não há outro como assim afirma o catecismo da Igreja católica:
        Parágrafo 956: A intercessão dos santos. “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (Parágrafos relacionados 1370,2683)
        A intercessão dos Santos e os primeiros Cristãos:
        veja um texto de um dos mais renomados Historiadores Protestantes JND Kelly. Ele diz:
        Um fenômeno de grande significação no período patrístico foi o surgimento e gradual desenvolvimento da veneração aos santos, mais particularmente à bem-aventurada virgem Maria…Logo após vinha o culto aos mártires, os heróis da fé que os primeiros cristãos afirmavam já estarem na presença de Deus e gloriosos em sua visão. Em primeiro lugar tomou forma de uma preservação das relíquias e da celebração anual de seu nascimento. A partir daí foi um pequeno passo, pois já estavam participando com Cristo da glória celeste, para que se buscassem suas orações, e já no terceiro século se acumulam as evidências da crença no poder da intercessão dos santos [J.N.D. Kelly, Early Christian Doctrines, revised edition (San Francisco: Harper, c. 1979), p. 490]
        Relatos Primitivos
        Martírio de Policarpo (Ano 155 D.C):
        Após sua morte lemos a honra que era prestada as suas relíquias:
        “Ele disse: não aconteça que eles, abandonando o crucificado, passem a cultuar este ai. ”Dizia estas coisas por sugestão insistentes dos judeus, que nos tinham vigiado quando queríamos retirar o corpo do fogo. Ignoravam eles que não poderíamos jamais abandonar Cristo, que sofreu pela salvação de todos aqueles que são salvos no mundo, como inocente em favor dos pecadores, nem prestamos culto a outro nós o adoramos, por que é o Filho de Deus. Quanto aos mártires, nós os amamos justamente como discípulos e imitadores do senhor, por causa da incomparável devoção que tinham para com seu rei e mestre. Pudéssemos nós também ser seus companheiros e condiscípulos….
        …..Então, ao menos, conseguimos tomar os seus ossos, mais preciosos que uma jóia e mais puros que o ouro, e os pusemos em local adequado. Que o Senhor nos permita ser capaz de nos juntarmos a ele na alegria e no júbilo, e de celebrar o aniversário do seu martírio.”

        Cirilo de Jerusalém(+- 350 d.C), escreveu:
        “Façamos menção aos já falecidos; primeiro aos patriarcas, profetas, apóstolos e mártires, que por suas súplicas e orações Deus receberá nossos pedidos”
        Santo Agostinho (400 d.C) dizia:
        “A oração, contudo, é oferecida em benefício de outros mortos de quem lembramos, pois é errado rezar por um mártir, a cujas orações nós devemos nos recomendar.”

        Na obra Contra Fausto, escreve:
        “O povo cristão celebra unidos em solenidade religiosa a memória dos mártires, tanto para encorajar que sejam imitados e para que possam repartir seus méritos e serem auxiliados pelas suas orações”.
        Devoção X Devocionalismo
        Devoção é respeito, amor, uma atitude Cristã e Católica.
        Devocionalismo Não é uma atitude católica, muitos hoje se dizem católicos, apenas por que seus antepassados foram, sem nem saber nada sobre a história da igreja, sobre sua doutrina e até mesmo sem saber quem é Jesus de fato, apenas o têm como um ídolo distante que deve ser adorado apenas para aplacar a necessidade humana de crer em divindades. Estes vêm nos santos outros deuses e não irmãos que fazem parte de um mesmo corpo (1Cor 12,12.20s) e que podem apenas orar e suplicar por nós diante do Senhor. São os chamados caçadores de milagres, apenas vão a Igreja quando estão atrás de milagres e se esquecem de buscar lá a salvação em Jesus. Devocionalismo é fruto de ignorância, de falta de evangelização e catequese adequadas! Devocionalismo atrapalha um verdadeiro relacionamento com Jesus, pois toma o foco, e muitas vezes até a Salvação de quem o prática.

        LEONARDO VAI UM CONSELHO LARGA DE MÃO DE SER IGNORÂNTE
        VAI UM CONSELHO ESTUDE NAS FONTES VERDADEIRAS

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        LEONARDO VOCÊS OS EVANGÉLICOS MISTURAM IMAGENS DE ÍDOLOS, (que é proibido), COM IMAGENS SACRAS, (que é permitido por Deus)!

        LEONARDO APRENDA QUE A idolatria é uma palavra formada por dois radicais:

        Ido, que provém de ídolo
        Latria, que significa culto a uma divindade

        LEONARDO,

        Veja aqui nesse versículo umas das piadas e contradições protestantes:

        E ainda:”Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2 ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
        (Sl 65(64),5).

        LEONARDO VOCÊS PROTESTANTES CHAMEM ESSE VERSÍCULO DE IDOLATRIA, POIS É ISSO QUE A IGREJA FAZ NOS SEUS TEMPLOS.

        CONTRADIÇÕES PROTESTANTES, VEJA:

        Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou.

        Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).

        LEONARDO, E AGORA PARA LHE REFUTAR DE UMA VEZ POR TODAS, SAIBA QUE era neste mesmo templo que os apóstolos e Jesus iam para orar:

        VEJA

        “Jesus passeava no templo, no pórtico de Salomão.” (João 10,23)

        “Enquanto isso, realizavam-se entre o povo pelas mãos dos apóstolos muitos milagres e prodígios.

        Reuniam-se eles todos unânimes no pórtico de Salomão.”(Atos 5, 12)

        AGORA EU PERGUNTO, LEONARDO; Estariam Jesus e os apóstolos sendo idólatras ao frequentar um templo repletos de imagens de escultura? Claro que não!

        OLHA AQUI MAIS UMA VEZ

        Fica provado, portanto, que Deus nunca proibiu a fabricação de imagens e sim de ídolos para a adoração, colocando-os no lugar do próprio Deus. Desmascaramos assim mais uma falsa interpretação protestante.

        A própria Bíblia as diferenciam, mais são os protestantes que misturam tudo!

        Vou mostrar uma prova bíblica sobre esse tema.

        No livro de Ezequiel, ele próprio cita de que tipo de imagens são ídolos, e os que são proibidos!

        Veja

        Ezequiel 8

        6 E ele me disse: Filho do homem, vês tu o que eles estão fazendo? as grandes abominações que a casa de Israel faz aqui, para que me afaste do meu santuário; Mas verás ainda outras grandes abominações.7 E levou-me à porta do átrio; então olhei, e eis que havia um buraco na parede.8 Então ele me disse: Filho do homem, cava agora na parede. E quando eu tinha cavado na parede, eis que havia uma porta.9 Disse-me ainda: Entra, e vê as ímpias abominações que eles fazem aqui.10 Entrei, pois, e olhei: E eis que toda a forma de répteis, e de animais abomináveis, e todos os ídolos da casa de Israel, estavam pintados na parede em todo o redor.

        No livro de Ezequiel, ídolos são figuras de répteis!

        Agora eu pergunto as seitas protestantes o que as figuras de répteis tem a ver com o catolicismo???

        Agora, vejam no mesmo livro de Ezequiel ele citando as imagens permitidas dentro do templo, e detalhe, TEM ROSTO HUMANO!

        Ezequiel 41

        1 ENTÃO me levou ao templo, e mediu os pilares, seis côvados de largura de um lado, e seis côvados de largura do outro, que era a largura da tenda.(…)17 No espaço em cima da porta, e até na casa, no seu interior e na parte de fora, e até toda a parede em redor, por dentro e por fora, tudo por medida.

        18 E foi feito com querubins e palmeiras, de maneira que cada palmeira estava entre querubim e querubim, e cada querubim tinha dois rostos,

        19 A saber: um rosto de homem olhava para a palmeira de um lado, e um rosto de leãozinho para a palmeira do outro lado; assim foi feito por toda a casa em redor.

        Agora vejam essas outras passagens bíblicas que vão contra toda tese do protestantismo

        Salomão mandou colocar no Santo templo imagens de

        – 2 QUERUBINS no Oráculo (III Reis 6,23-28),

        -mandou colocar no templo

        12 BOIS na bacia de bronze! (III Reis 7,25);

        Mandou colocar no templo

        BOIS e LEõES e QUERUBINS! (III Reis 7,28-29) e

        E ainda “como que figuras de HOMENS EM PÉ”, e

        Mais QUERUBINS e LEÕES (III Reis 7,36);

        Há ainda a estátua que ficou – por um bom período de tempo – na Casa de Deus em Silo: “Eles instalaram para seu uso a imagem que Micas havia esculpido, e ela permaneceu lá todo o tempo em que subsistira a casa de Deus em Silo” (Jz 18,31).

        Haja vista existirem estátuas aceitas no templo (querubins, leões, touros: 1Rs 7,29; além de escultura de guirlandas e palmas: 2 Cron 3,5),afora a estátua da serpente de bronze (cf. Nm 21,8-9) ou dos ratos e tumores (cf. 1Sm 6,11).

        Agora eu me pergunto, Não seria contradição se realmente fosse proibido fazer imagens?

        Pois quem abomina à quem faz imagens jamais em hipótese alguma daria ordens para fazê-las, vocês não acham?

        Pode ter certeza que se fosse proibido fazer imagens COMO AS SEITAS PROTESTANTES AFIRMAM, A PRÓPRIA BÍBLIA jamais faria referências a imagens.

        POIS SE DEUS DIZ NÃO COMETERÁS ADULTÉRIO E NA MESMA BÍBLIA TIVESSE PASSAGENS QUE SE PODE COMETER ADULTÉRIO, NÃO SERIA UMA GRANDE CONTRADIÇÃO?

        POR ISSO SE FOSSE PROIBIDO FAZER IMAGENS OS VERSÍCULOS BÍBLICOS NÃO NOS DARIAM MILHARES DE MILHARES DE REFERÊNCIAS SOBRE O TEMA IMAGENS.

        Vamos AGORA ler em Atos 28, Veja o que fez o Católico São Paulo quando embarcou em um Navio indo Para ROMA

        “Ao termo de três meses, embarcamos num navio de Alexandria, que havia passado o inverno na ilha. Este navio levava por INSÍGNIAS* os DIÓSCUROS*”. (At 28,11)

        A PALAVRA INSÍGNIAS É: EMBLEMAS, IMAGENS

        E O NOME DIÓSCUROS: REPRESENTA A IMAGEM DE CASTOR E PÓLUX, ORNANDO A PROA DO NAVIO

        Agora São Paulo, ao embarcar nesse navio cheio de imagens ele não aproveitou a ocasião para condenar aquelas imagens, porque São Paulo era Católico e não um protestante pois ele sabia muito bem distinguir Imagem de Ídolo.

        Agora vamos pensar e raciocinar.

        tanto em Êxodo 20,4, quanto em Deuteronômio 5,8 consta o seguinte

        “לא תעשׁה לך פסל וכל תמונה אשׂר בשׂמים ממעל ואשׂר בארץ מתחת ואשׂר במים מתחת לארץ ”

        A quarta palavra da direita para a esquerda encontramos a palavra “פסל” que se lê “FESEL” que, no hebraico, significa ÍDOLO.

        E mais nas traduções bíblicas encontramos quase sempre “IMAGENS DE ESCULTURA” ou “IMAGENS ESCULPIDAS”.

        Devemos entender que não se trata de qualquer imagem e sim apenas como imagens de ídolos.

        É o que se entende quando lemos com cuidado todo o início do Decálogo em que podemos verificar facilmente que se trata de ídolos.

        Por isso de forma alguma devemos aí incluir toda e qualquer imagem que Deus considera

        Caso Fosse o contrário, então Deus não teria:

        1 – mandado fazê-las (Êxodo 25,18; Números 21,8)

        2 – dado suas ordens ao povo falando do meio dos querubins de ouro (Êxodo 25,22);

        3 – operado milagres através delas (Números 21,9; Êxodo 25,22);

        4 – aprovado tais imagens, quando encheu com sua glória o templo de Salomão (que estava repleto delas “por dentro e por fora”) (Números 21,9; 1 Reis 8, 10-11; Êxodo 25,22);

        5 – permitido que seus amigos o adorassem prostrados à frente delas (Josué 7,6)

        Aqui fica claro que Deus proíbe ídolos se caso não fosse Deus não dirá assim para Moisés

        Veja

        Deus informa a Moisés o seguinte: Eu escolhi Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, dando-lhe destreza, habilidade e plena capacidade artística para (desenhar) e executar trabalhos em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar madeira e executar todo tipo de obra artesanal

        Nesse versículo fica claro que é safadeza protestante e dos seus pastores que fazem lavagem cerebral em pessoas inocentes e leigas que são levadas e enganadas pelo livre exame bíblico

        A conhecida sola scriptura.

        Pois meus irmãos católicos e minhas irmãs católicas

        SaibaM que são enormes os erros de tradução de João Ferreira de Almeida sobre a palavra Imagens.

        Saibas que em 1683, o tradutor da Bíblia protestante em língua Portuguesa, João Ferreira de Almeida, passa a adulterar as Sagradas Escrituras, colocando o termo “Imagens de Escultura” no lugar de ÍDOLO.

        Para desmascarar esse farsante é simples!

        Leia Exodo 20 verso 3 e 4, no grego e no hebraico, e pegue a palavra EIDLON e PHESEL, traduze ela e veja

        Que a Bíblia protestante está adulterada, em IMAGENS DE ESCULTURA,

        Vejamos esta frase nos escritos originais!

        “לא תעשׁה לך פסל וכל תמונה אשׂר בשׂמים ממעל ואשׂר בארץ מתחת ואשׂר במים מתחת לארץ

        A palavra “פסל” foi escrita em hebraico e se lê “PESEL” que se traduz no grego por “ÊIDOLON” e em português por ÍDOLO. Confira então algumas falsificações, em (Êxodo 20,4) (Isaías 42, 8) (Isaías 42, 17) (Isaías 44,9) (Isaías 44, 10) (Isaías 44,15) (Isaías 44,17) onde nos originais estão as palavras “ÍDOLOS”.

        Além de enfiar a palavra“imagem de escultura”em sua tradução, João Ferreira de Almeida criminosamente enfia também a palavra “procissão” em (Is 45,20). Assim maldosamente, depois de querer condenar as imagens usa mais um pretexto para negar as procissões Católicas.

        As informações daquela época não diziam se Almeida sabia hebraico, mas há uma certeza de que nunca teve às mãos os originais da Bíblia, e sim, escritos do século XVI de Erasmo de Roterdan.

        Por isso hoje, os erros na tradução de João Ferreira de Almeida, aumentaram, incluindo os de gramática, com frases inteiras erradas, tanto pela fraseologia quanto pela ortografia e sintaxe.

        Os atualizadores das edições contemporâneas são, na maioria, estrangeiros, que mal conhecem a língua portuguesa, e escrevem no nosso idioma palavras e frases tiradas do inglês, pois é comum esses revisores e atualizadores serem norte-americanos.

        Para aqueles que não sabem muito sobre a vida de João Ferreira de Almeida, eis um pequeno comentário!

        Almeida saiu do Catolicismo por volta de 1642, para ingressar no protestantismo com o objetivo de trabalhar na Igreja Reformada Holandesa, tornando-se radicalmente um anti-Católico.

        Tinha deixado Portugal para viver em Málaca na Malásia, mas em 1651 se transferiu para a Batávia e, em 1656, se ordenou pastor. Por volta de 1642 começou a traduzir para o Português uma parte do Novo Testamento e em 1683 completou a tradução do Pentateuco.

        João Ferreira de Almeida nunca foi Padre, mas usava este título para ganhar credibilidade, pois eram assim também chamados os missionários protestantes.

        O protestantismo atual não sabendo destas falsas traduções, aprendeu através de várias gerações a acusar os Católicos de adorar imagens. Muitas vezes conseguiram e ainda conseguem confundir os mais simples.

        Lendo na Bíblia (Ex 20,1-5), percebemos que Deus proíbe severamente a fabricação de ídolos(falsos deuses) para serem colocados no lugar do Deus verdadeiro (criador do universo) mas Ele não proíbe a fabricação de imagens.

        Vou aqui esclarecer melhor:

        O que é Imagem: é a representação de um ser em seu aspecto físico. Assim imagem é

        : é um falso deus, inventado pela fantasia humana (sol, lua, animais, etc.) Os povos vizinhos dos antigos Israelitas adoravam vários deuses e fabricavam vários ídolos. uma fotografia, uma estátua, um quadro, etc.

        O que é Ídolo é um falso deus, inventado pela fantasia humana (sol, lua, animais, etc.) Os povos vizinhos dos antigos Israelitas adoravam vários deuses e fabricavam vários ídolos.

        O que é Adorar: é o ato de considerar Deus como o único criador e senhor do mundo.

        O que é Idolatria: é o ato de adorar o ídolo, o falso deus, ou seja, é considerar o falso deus como criador e senhor do universo.

        O que é Venerar: é imitar, honrar, louvar, homenagear, saudar, etc. Por isso, nós Católicos, veneramos os Anjos, os Santos e Nossa Senhora.

        Por isso é certo que quando as imagens não são para serem colocadas no lugar de Deus, isto é, quando as imagens não são para serem adoradas, então o mesmo Deus as manda fazer, e muitas. Confira em: (Êxodo 25,18-20) (26,1-2; 37,7-9) (1 Reis 6,23-29) (1 Reis 6,32; 7,36; 8,7) (2 Crônicas3,10-14; 5,8) (Ezequiel 41,17-21) (Números 21,8-9) (1 Crônicas 28,18-19) (Números 7,89) (1 Samuel 4,4) (2 Samuel 6,2) (Hebreus 9,5)

        O templo de Deus, construído ricamente pelo rei Salomão, estava cheio de imagens de escultura e Deus se manifestou nesse templo e o encheu de sua glória: (Ezequiel 41,17-20 – 43,4-6). Nesse templo havia até imagens gigantes: (1 Reis 6,23-35) (2 Crônicas 3,10-14) tinha “a serpente de bronze, querubins de ouro, grinaldas de flores, frutos, árvores, leões”, etc. (Números. 21,9) (Êxodo 25,13) (Ezequiel 1,5; 10,20) (1 Reis 6,18,23; 7,36) (Números 8,4).

        Os primeiros Cristãos usavam imagens nos lugares de culto, nos cemitérios e nas catacumbas. Perseguidos, para auxiliar sua fé tão posta à prova, pintavam e esculpiam naqueles subterrâneos, figuras representando Cristo e Sua Mãe Santíssima. O que mostra de passagem que o culto também à Mãe de Cristo é tão antigo quanto o próprio Cristianismo. Desde os inícios da arquitetura sacra as Igrejas foram enriquecidas com imagens tanto a título de instrução dos iletrados.

        Irmãos e irmãs as imagens contribuem para dar aos lugares de culto um aspecto sagrado, e convidam ao recolhimento e à oração (Êxodo 25,22) (1 Reis 6,23-28). Por isso, os querubins da Arca da Aliança não eram simples adornos. Lembravam ainda a mediação secundária dos Anjos (Hebreus 1,14), e integravam os objetos do culto.

        OBS.: Na Vulgata, inclusive, é citada que, no Templo de Jerusalém, a presença de uma imagem de homem:

        Apresentando como que a figura de um homem de pé” (III Reis 7,36)>> [BÍBLIA SAGRADA (Traduzida da Vulgata), 15a.

        LEONARDO QUAL PIADA E CONTRADIÇÃO VOCÊ VAI INVENTAR AGORA

        Curtir

    • JAIME disse:

      LEONARDO VOCÊ DIZ QUE OS SANTOS DORMEM? ME DIGA PASTOR ENTENDIDO NA SUA BÍBLIA ADULTERARAM ESSAS PASSAGENS TAMBÉM?

      está determinado que os homens morram uma só vez, e logo em seguida vem o juízo,” (Hb 9,27)

      “Vi sob o ALTAR as ALMAS DOS HOMENS IMOLADOS por causa da Palavra de Deus e por causa do testemunho que dela tinham prestado. E CLAMARAM EM ALTA VOZ: Até quando ó Senhor, Santo e Verdadeiro, tardarás a fazer justiça, vingando o nosso sangue contra os habitantes da terra? A cada um deles foi dada, então, uma veste branca, e foi-lhes dito, também, que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos seus companheiros e irmãos, que iriam SER MORTOS COMO ELES.” (Apc 6,9-11)

      Os “santos são como os anjos de Deus no céu” (S. Mateus 22, 30). Zacarias diz: “que o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos” (1, 12 -13).

      Tobias 12
      12. Quando tu oravas com lágrimas e enterravas os mortos, quando deixavas a tua refeição e ias ocultar os mortos em tua casa durante o dia, para sepultá-los quando viesse a noite, eu apresentava as tuas orações ao Senhor.
      15. Eu sou o anjo Rafael, um dos sete que assistimos na presença do Senhor.

      Apocalipse 8
      3. Adiantou-se outro anjo e pôs-se junto ao altar, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes, para que os oferecesse com as orações de todos os SANTOS no altar de ouro, que ESTÁ adiante do TRONO.
      4. A fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com as orações dos santos, diante de Deus.
      5. Depois disso, o anjo tomou o turíbulo, encheu-o de brasas do altar e lançou-o por TERRA; e houve trovões, vozes, relâmpagos e terremotos.

      “Então um dos anciões falou comigo e perguntou-me: Esses, que estão revestidos de vestes brancas, quem são e de onde vêm? Respondi-lhe: Meu Senhor, tu o sabes. E ele me disse: Esses são os SOBREVIVENTES da grande tribulação. Lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro. Por isso, ESTÃO DIANTE DO TRONO DE DEUS, E O SERVEM, DIA E NOITE, NO SEU TEMPLO.” (Apc 7,13-15)

      “Onias (…) estava com as mãos estendidas, INTERCEDENDO por toda a comunidade dos judeus. Apareceu a seguir um homem notável (…) Esse é aquele que MUITO ORA pelo povo e por toda cidade santa, é Jeremias, o Profeta de Deus.” (2Mac 15,12-14)

      “Outro anjo pôs-se junto ao ALTAR, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes para que os oferecesse com as ORAÇÕES DE TODOS OS SANTOS NO ALTAR de ouro, que ESTÁ ADIANTE DO TRONO. A fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com AS ORAÇÕES DOS SANTOS, DIANTE DE DEUS.” (Apc 8,3-4)
      Eis aí uma passagem bíblica que nos garante a intercessão dos santos falecidos, e que agora estão diante do Trono de Deus. São oferecidas a Deus as orações de TODOS os santos. Se são de todos os santos, são tanto as orações dos santos da terra (cristãos que levam uma vida santa) quanto dos santos do Céu (que estão vestidos de branco diante do Trono de Deus). podemos entender as orações que chegam a Deus, também vindas dos santos da terra, pois é afirmado ser as orações de TODOS os santos.

      Curtir

    • Bíblia protestante adulterada, filho de Lutero, Herege, Pastor entendido, burro, desprovido de inteligência…

      Essa é a receptividade dos que se dizem cristãos. A mim só me resta aceitar tudo. Assim como Cristo também aceitou o juízo do seu próprio povo e foi condenado. Seria eu egoísta se não aceitasse sofrer por ele também.

      Avalie cada homem a si mesmo e veja quem é o seu senhor pelas suas ações.

      Não vim falar de igreja, mas me perguntam de igreja, e para que? Apenas para me acusar sobre minhas respostas. Fariseus.

      Curtir

      • Helen disse:

        Olá Leonardo.

        Não fica aborrecido com as palavras do Edmilson, ele não lhe quer mal, pelo contrário. Aqui ninguém quer ofendê-lo. Por favor, não leve para o pessoal, eu não consigo ler tudo, e peço desculpas por ter deixado passar alguns comentários com palavras ofensivas. Achava que o filtro do WordPress se ocupasse disso, uma cez que adicionei uma lista de palavras proibidas na moderação automática… Eu entendo sua frustação e possívelmente sei o que lhe causa ser chamado de herêge, deve ser algo como ser chamado de idólatra, adorador de Maria, etc…

        Mas enfim, eu passei apenas pra lhe pedir de novo que por favor, não despreze o link que eu te enviei, ou deixe-se desanimar porque há na pagina uma foto de Maria.

        Por favor, comece a ler o livro hoje mesmo. Eu sei que você vai se maravilhar com ele! Dê uma olhadinha sem preconceito, e com amor!

        Deus abençoe!

        Curtir

      • EDMILSON disse:

        LEONARDO VEJA SUAS CONTRADIÇÕES
        VAMOA LÁ

        Se prostrar por respeito e honra a um Anjo:
        E, levantando Davi os seus olhos, viu o anjo do SENHOR, que estava entre a terra e o céu, com a sua espada desembainhada na sua mão estendida contra Jerusalém; então Davi e os anciãos, cobertos de sacos, se prostraram sobre os seus rostos. (1Cr 21:16 ACF)
        Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do SENHOR, que estava no caminho e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se sobre a sua face. (Num 22:31 ACF)
        E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do SENHOR subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos. (Juízes 13:20 ACF)

        AGORA LEONARDO

        Se prostrar por respeito e honra a um homem:
        Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de Davi, e se inclinou à terra. (1Sm 25:23 ACF)
        E o fizeram saber ao rei, dizendo: Eis aí está o profeta Natã. E entrou à presença do rei, e prostrou-se diante dele com o rosto em terra. (1Re 1:23 ACF)
        E mandou o rei Salomão, e o fizeram descer do altar; e veio, e prostrou-se perante o rei Salomão, e Salomão lhe disse: Vai para tua casa. (1Re 1:53 ACF)
        Estando, pois, Obadias já em caminho, eis que Elias o encontrou; e Obadias, reconhecendo-o,prostrou-se sobre o seu rosto, e disse: És tu o meu senhor Elias? (1Re 18:7 ACF)
        Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)
        E veio Judá com os seus irmãos à casa de José, porque ele ainda estava ali; e prostraram-se diante dele em terra. (Gen 44:14 ACF)
        E o rei no seu furor se levantou do banquete do vinho e passou para o jardim do palácio; e Hamã se pôs em pé, para rogar à rainha Ester pela sua vida; porque viu que já o mal lhe estava determinado pelo rei. Tornando, pois, o rei do jardim do palácio à casa do banquete do vinho, Hamã tinha caído prostrado sobre o leito em que estava Ester. Então disse o rei: Porventura quereria ele também forçar a rainha perante mim nesta casa? Saindo esta palavra da boca do rei, cobriram o rosto de Hamã. (Est 7:7-8 ACF)
        E ele mesmo passou adiante deles e inclinou-se à terra sete vezes, até que chegou a seu irmão. Então Esaú correu-lhe ao encontro, e abraçou-o, e lançou-se sobre o seu pescoço, e beijou-o; e choraram. Depois levantou os seus olhos, e viu as mulheres, e os meninos, e disse: Quem são estes contigo? E ele disse: Os filhos que Deus graciosamente tem dado a teu servo. Então chegaram as servas; elas e os seus filhos, e inclinaram-se. E chegou também Lia com seus filhos,e inclinaram-se; e depois chegou José e Raquel e inclinaram-se. (Gen 33:3-7 ACF)
        E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. (Mat 18:25-26 ACF)
        Porém, depois da morte de Joiada vieram os príncipes de Judá e prostraram-se perante o rei; e o rei os ouviu. (2Cr 24:17 ACF)
        Então saiu Moisés ao encontro de seu sogro, e inclinou-se, e beijou-o, e perguntaram um ao outro como estavam, e entraram na tenda. (Exo 18:7 ACF)
        Depois também Davi se levantou, e saiu da caverna, e gritou por detrás de Saul, dizendo: Rei, meu senhor! E, olhando Saul para trás, Davi se inclinou com o rosto em terra, e se prostrou. (1Sm 24:8 ACF)
        E Mefibosete, filho de Jônatas, o filho de Saul, veio a Davi, e se prostrou com o rosto por terra e inclinou-se; e disse Davi: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui teu servo. (2Sm 9:6 ACF)
        E a mulher tecoíta falou ao rei, e, deitando-se com o rosto em terra, se prostrou e disse: Salva-me, ó rei. (2Sm 14:4 ACF)
        Então foi Joabe ao rei, e assim lho disse. Então chamou a Absalão, e ele se apresentou ao rei, e se inclinou sobre o seu rosto em terra diante do rei; e o rei beijou a Absalão. (2Sa 14:33 ACF)
        Então Joabe se prostrou sobre o seu rosto em terra, e se inclinou, e agradeceu ao rei; e disse Joabe: Hoje conhece o teu servo que achei graça aos teus olhos, ó rei meu senhor, porque o rei fez segundo a palavra do teu servo. (2Sm 14:22 ACF)
        E, atravessando a barca, para fazer passar a casa do rei e para fazer o que bem parecesse aos seus olhos, então Simei, filho de Gera, se prostrou diante do rei, quando ele passava o Jordão. (2Sm 19:18 ACF)
        E Bate-Seba inclinou a cabeça, e se prostrou perante o rei; e disse o rei: Que tens? (1Re 1:16 ACF)
        Então Bate-Seba se inclinou com o rosto em terra e se prostrou diante do rei, e disse: Viva o rei Davi meu senhor para sempre. (1Re 1:31 ACF)
        E entrou ela, e se prostrou a seus pés, e se inclinou à terra; e tomou o seu filho e saiu. (2Re 4:37 ACF)
        E Davi veio a Ornã; e olhou Ornã, e viu a Davi, e saiu da eira, e se prostrou perante Davi com o rosto em terra. (1Cr 21:21 ACF)

        AGORA VEJA LEONARDO QUE

        Os gentios se prostrariam à Jerusalém:
        Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; e prostrar-se-ão às plantas dos teus pés todos os que te desprezaram; e chamar-te-ão a cidade do SENHOR, a Sião do Santo de Israel. (Is 60:14 ACF)
        Assim diz o SENHOR: O trabalho do Egito, e o comércio dos etíopes e dos sabeus, homens de alta estatura, passarão para ti, e serão teus; irão atrás de ti, virão em grilhões, e diante de ti se prostrarão; far-te-ão as suas súplicas, dizendo: Deveras Deus está em ti, e não há nenhum outro deus. (Is 45:14 ACF)
        Josué se prostra perante um objeto santo:
        Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças. (Jos 7:6 ACF)
        Hebreus se prostraram ao Senhor e ao Rei:
        Então disse Davi a toda a congregação: Agora louvai ao SENHOR vosso Deus. Então toda a congregação louvou ao SENHOR Deus de seus pais, e inclinaram-se, e prostraram-se perante o SENHOR, e o rei. (1Cr 29:20 ACF)
        Perceba que nesta passagem mostra justamente um ato parecido, porém com sentidos e razões diferentes: eles se prostram a Deus, para adora-lo, mas também ao Rei, para reverencia-lo. Deus em momento algum se enfureceu com aquilo.
        AGORA LEONARDO VEJA ALGUMAS

        Objeções
        João se prostrou ao anjo e foi repreendido:
        E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. (Apo 22:8 ACF)
        Aqui perceba que claramente João deixa muito claro qual foi o ato dele: adoração. Ele se prostrou justamente para adora-lo, e foi repreendido pelo próprio anjo:
        E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. (Apo 22:9 ACF)
        O mal aqui não estava em se prostrar, mas em se prostrar para adora-lo. Compare o ato de João com os citados acima, como 1Cr 21, 16 em que Davi se prostra para o anjo e não é repreendido pelo mesmo.

        Cornélio se prostrou a Pedro e foi repreendido:
        VEJA:
        E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem. (At 10:25-26 ACF)
        Aqui acontece a mesma coisa: Cornélio se prostra para adora-lo e não simplesmente reverencia-lo, por isso foi repreendido. Compare com esse texto:
        E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (At 16:27-31 ACF)
        AGORA LEONARDO SAIBA QUE
        A diferença entre esse texto e o de cima fica clara: em um houve adoração, já no outro não. Paulo e Silas não repreendem o carcereiro, pois o que ele fez foi apenas um ato de respeito, uma suplica, um pedido em desespero, longe de ser uma adoração aos mesmos.

        SOBRE ISSO MEU CARO NUNCA OUVE CONTRADIÇÕES
        SE A BÍBLIA PROÍBISSE IMAGENS JAMAS ELA FARIA VÁRIAS REFERÊNCIAS A ELA

        ME RESPONDA LEONARDO? UM LIVRO QUE PROIBE QUE É PECADO ROUBAR.
        FARIA REFERÊNCIA QUE SE PODES ROUBAR EM ALGUMA HIPÓTESE?

        Curtir

        • Não há contradições entre todos os livros da bíblia. O que existe é o que não conseguimos enxergar por nossos próprios olhos.

          Se você acha bacana se prostrar para contemplar ou seja lá o que, mesmo Deus dizendo que não faça, que faça você o que eu não recomendo. Eu fico com Daniel 3 e não abro mão. Se vou perder tempo com imagem que não pode fazer nada por mim como é dito claramente em Isaías…

          Sobre o anjo do senhor, esse é um assunto teológico muito debatido. Alguns teólogos acreditam que seja o próprio Jesus Cristo, outros João Batista… Mas enfim, é um sujeito muito singular. Diferente de anjos e arcanjos.

          Valeu. Fica com Deus.

          Curtir

          • Helen disse:

            Olá Leonardo,

            Exatamente, a bíblia não se contradiz. Por isso é importante entende-la corretamente para evitar confusões como a sua.

            O Edmilson enviou algumas passagens onde podemos ver que a prostração – que aliás é algo excepcionalmente incomum, até na tradição católica, que na verdade costuma praticar a Genuflexão, uma coisa completamente diferente da prostração – não necessariamente significa o ato de adorar.

            Os protestantes adeptos da Interpretação privada são como ovelhas sem um pastor. Falo com eles o tempo todo, e dependendo da denominação – ou não denominação – cada um tem uma opinião “infalível” sobre exatamente o mesmo assunto, a mesma passagem. Minha pergunta, sempre sem resposta, é a seguinte: qual deles está verdadeiramente inspirado pelo Espírito de Deus? Pois o Espirito Santo não pode levar duas ou mais pessoas a ter um entendimento diferente do mesmo tema? Pode? O que o sr acha?

            O ponto é o seguinte: Idolatria é pecado. Mas o que é idolatria? Não é fazer ídolos? Então, Leonardo. Alguém que se prostra diante de um objeto porque acha que aquele objeto tem poder, que é um deus, etc… Esta pessoa está criando para si um ídolo, é um idólatra. Isso acontece nas religiões da Índia, no induísmo. No catolicismo isto não acontece. Ponto final. Quem não aceita este fato legitima o ditado de que diz: “Somente os tolos não mudam de opinião!” … Infelizmente.

            Eu publiquei um texto baseado nesta nossa discussão. Já o havia mencionado no meu último comentário. Neste texto cito documentos escritos da Igreja onde está claramente explicado a aversão do Catolicismo à idolatria.

            AQUI

            Leia mais sobre o tema da prostração aqui.

            Pax Domini

            Curtir

          • EDMILSON disse:

            Leonardo a desaprovação que muitos protestantes têm para com o costume católico de ter imagens religiosas e estátuas surge da suspeita de que os católicos cometem o pecado de idolatria a adorá-los (o que é proibido em Êxodo e Deuteronômio 20,3-5 5.6. – 9).

            O que eu digo: Esse erro é muito mais amplo do que podemos imaginar.

            Veja que advertências contra a idolatria aparecem por toda a Bíblia (por exemplo, 33,52 Números, Deuteronômio 7,5, 25, 9,12, 12,3, 2 Reis 17,9-18, 23,24, 2 Crônicas 23:17 ; 28,1-3, 22,18-25, 34,1-7). Em 1 Coríntios 10,14 Paulo escreveu: ” Amados, Shun a adoração de ídolos “(Romanos 1,18-23).

            Mais saibas que Deus condena o pecado da idolatria, seja na forma de estátuas, coisas materiais, sexo, poder, tudo o que se torna um ídolo. Mas Ele não proíbe imagens religiosas, desde que sejam usados corretamente. Por exemplo, em Êxodo, capítulo 25, Deus ordena a Moisés a esculpir estátuas de anjos.

            ” Senhor falou a Moisés dizendo … Farás também dois querubins de ouro maciço, o que em ambas as extremidades do propiciatório: faça o querubim primeiro em uma extremidade e segundo na outra. A forma querubins um corpo com o propiciatório em suas duas extremidades. Eles vão estar com as asas estendidas acima, ofuscando o propiciatório com eles, frente a frente, com o rosto virado para a misericórdia … Não vou encontrar contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins sobre a arca do Testemunho você se comunica tudo o que tenho para te ordenar para os israelitas. “(Êxodo 25,1.18-20.22, ver também 26,1)

            Veja Leonardo, que isto mostra claramente que há circunstâncias em que as imagens religiosas não são apenas permitidas, mas também muito agradável a Deus . Outro exemplo é descrito em mais incidente 1 Samuel 6,1-18. Em Êxodo 28,31-34 o Senhor ordenou que vestes sacerdotais de Arão adornados com imagens de romãs. Em Números 21,8-9 Ele ordenou a Moisés, para esculpir a imagem de uma cobra milagrosamente curado picadas de cobras venenosas (uma estranha prenúncio da cruz de Cristo [cf João 3:14). E em 2 Reis 18,4, quando as pessoas começaram a adorar a serpente de bronze, o rei imediatamente destruído. O que antes era uma imagem legítima sagrado tornou-se um objeto de idolatria. (Um conto de advertência para qualquer um tentado a superstição ou idolatria).

            Agora Leonardo, observe o que Deus disse a Salomão, quando construiu o Templo:

            “Para esta casa que você está construindo, se você andar nos meus estatutos, de acordo com trabalhos meus juízos e manter todos os meus mandamentos para andar de acordo com eles, eu mantenho a minha palavra contigo, o que eu disse a Davi, teu pai, habitar entre os filhos de Israel e não desampararei o meu povo de Israel “Salomão construiu a casa, e terminou “(1 Reis 6,12-14).

            Entenda Leonardo, que esta declaração é muito importante porque o templo continha um grande número de estátuas e imagens, incluindo anjos, árvores, flores, bois e leões (cf. 1 Reis 6,23-35, 7,25.36).Decisão de Salomão para incluir estas imagens religiosas veio o dom da sabedoria que Deus havia abençoado com (cf. 1 Rs 3,1-28). E longe de ser perturbado por estas imagens ” Senhor disse: “Eu ouvi a oração e súplica de ter executado antes de mim. Eu consagrei esta casa que você construiu para colocar o meu nome para sempre, e os meus olhos e meu coração estarão nele para sempre ” Y (1 Reis 9:3).

            Obviamente, Deus não teria abençoado Salomão e “santificado” seu templo cheio de estátuas e imagens, se ele não concorda com eles – mais uma prova de que as imagens podem ser bom quando usado para dirigir nossos pensamentos a Deus e às coisas mais altas .

            Lembre-se Leonardo que São Paulo chama Cristo ” imagem do Deus invisível “(Colossenses 1:15). A palavra grega para “imagem” é Eikonos , da qual deriva a palavra “ícone”. Assim como manter imagens de nossa família e amigos para lembrá-los, temos também estátuas e imagens de nossas casas e igrejas para lembrar-nos de nossa Senhor, da Virgem e dos Santos.

            Agora Leonardo vou te passar algumas passagens adicionais para você estudar:

            João 14:9
            Colossenses 1,15
            Hebreus 1,3
            1 Evangelho de João 1:1-3

            Curtir

        • ROMUALDO disse:

          Irmãos Edmilson que possamos meditar também a essas passagens:
          Mateus 17,3 “e eis que lhes apareceram Moisés e Elias conversando com ele”
          E o que Jesus disse ao bom ladrão? “HOJE MESMO estarás comigo no paraíso.”
          Somos muito ignorantes ainda para compreendermos o mistério de Deus, como dizia santo Agostinho, Deus não esta no tempo mais na eternidade e o tempo não passa sobre ele…
          O santo nos conforta e nos leva a presença de Deus.
          “Eliseu morreu e foi sepultado. Guerrilheiros moabitas faziam cada ano incursões na terra.
          Ora, aconteceu que um grupo de pessoas, estando a enterrar um homem, viu uma turma desses guerrilheiros e jogou o cadáver no túmulo de Eliseu. O morto, ao tocar os ossos de Eliseu, voltou à vida, e pôs-se de pé.” 2 reis,20-21
          Para quem quer crer ou não a palavra e bem clara. São homens de Deus e mesmo estando mortos (para o mundo) já renasceram para Cristo, e a segunda morte não lhes fará mal algum.
          “abriram-se os túmulos e muitos corpos dos santos falecidos ressuscitaram…” Mt 27,52

          Curtir

      • Manuel da Costa disse:

        Leonardo;

        Não consegues enxergar as suas contradições obre a imortalidade e mortalidade da alma?
        Sobre imagens e idolos?

        Por favor Leonardo…a Helen,Jaime e Edmilson postaram várias referências sobre este assunto.

        Outra coisa Leonardo,a bíblia protestante é adulterasa sim,basta estudar a história.

        Pax domini

        Curtir

        • Não consigo enxergar minhas contradições. Talvez seja mesmo bastante néscio para compreender sua conclusão.

          A mim, não me basta quantas pessoas falaram, mas é preciso me sentir estimulado por mim mesmo a acreditar em cada coisa. Cada pessoa tem seu conjunto lógico para arbitrar sobre as coisas que aceita ou não. A minha lógica não foi abalada de forma a buscar uma nova peça ou por em questão meu conceito atual.

          Se você tivesse vivido absolutamente tudo que vivi, pensaria como eu. Assim como se eu tivesse vivido absolutamente tudo que você viveu, eu pensaria como você. Então tenho prudência em aceitar que você não compreenda as minhas exposições.

          Comigo não se ganha credibilidade gritando nem falando muito. É preciso ter um espírito amistoso, um coração cristão resplandecido em atitudes para com o semelhante, e uma postura democrática onde até o que é verdade pode ser questionado e discutido. Por que não?

          Mas não vou falar de religião, seja histórica, seja tradicional. Não foi por isso que vim e acho perca de tempo.
          Um abraço.

          Fica com Deus.

          Curtir

          • Helen disse:

            Oi Leonardo,

            Sim, é perda de tempo falar quando o interlocutor não está disposto a ouvir. Concordo consigo!

            Diga-me, você olhou o link que eu lhe envie? Fazia-me muito gosto se tivesse! Estou me deleitando com a leitura… Eu também não conhecia os escritos de Tomas Kempis, fiquei maravilhada! Imitação de Cristo é o nome, e o conteúdo faz júz ao título. Por favor, não se acanha e vai lá dar uma olhada.

            Eis o link de novo. Sugiro que comece a leitura pelo capítulo chamado Oração para a Limpeza Interior.

            Leia, você vai amar! Estou pensando em abrir uma página somente para discussão do livro, que tal?

            Curtir

            • Oi Helen, ainda não comecei a ler, só vi o sumário. Não gosto de fazer muitas pausas na leitura, e por enquanto está bastante corrido meu tempo. Casa, empresa, filhos, cachorros… vc sabe, né? Mas acho uma boa idéia o debate do livro se tiverem muitas pessoas na leitura. Se não, acho melhor você criar uma publicação com o resenha da obra e o debate será feito abordando as mesmas questões e possibilitando aos que não leram participar.

              Abraço. Fica com Deus! 😉

              Curtir

              • Helen disse:

                Ai irmão Leonardo.

                Eu nem sei explicar o quanto meu coração é cheio de amor por todos os meus irmão do rebanho separado… que bom que vai ler!!

                Espero que a leitura lhe seja proveitosa. Eu sei que você vai amar!! Não se preocupe com o debate, apenas leia, você pode escrever se quiser prosear sobre o livro. Mas o Espírito virá em nosso auxilio… Se Deus quiser!