Os Evangélicos não são contra a Virgem Maria Imaculada, são contra a História do Cristianismo


Enviado por leitor, adaptado para publicação no Blog

Aceitamos que todo homem ou mulher tem o direito de professar a fé que lhe pareça mais adequada. Reconhecemos que todos são livres para fazerem suas escolhas. Repudiamos toda e qualquer tentativa de cerceamento no livre exercício da fé e crenças de quem quer que seja.

1)Protestantes modernos (evangélicos): “Meu pastor me disse que os católicos adoram Maria como deusa.”

Catecismo da Igreja Católica:

§2096 A adoração é o primeiro ato da virtude da religião. Adorar a Deus é reconhecê-lo como Deus, como o Criador e o Salvador, o Senhor é o Dono de tudo o que existe, o Amor infinito e misericordioso. “Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a Ele prestarás culto” (Lc 4,8), diz Jesus, citando o Deuteronômio (6,13).
§1418 Visto que Cristo mesmo está presente no Sacramento do altar, é preciso honrar-lo com um culto de adoração. “A visita ao Santíssimo Sacramento é uma prova de gratidão, um sinal de amor e um dever de adoração para com Cristo, nosso Senhor.

§2083 Jesus resumiu os deveres do homem para com Deus com estas palavras: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o coração, de toda a alma e de todo o entendimento” (Mt 22,37); Estas palavras são um eco imediato do apelo solene: “Escuta; Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único” (Dt 6,4-5).

2097. Adorar a Deus é reconhecer, com respeito e submissão absoluta, o «nada da criatura», que só por Deus existe. Adorar a Deus é, como Maria no Magnificat, louvá-Lo, exaltá-Lo e humilhar-se, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que o seu Nome é santo (10). A adoração do Deus único liberta o homem de se fechar sobre si próprio, da escravidão do pecado e da idolatria do mundo.

2)Protestantes modernos (evangélicos): “Na denominação que eu frequento dizem que na Igreja Católica Maria é a quarta pessoa da trindade.”

Catecismo da Igreja Católica:

§253 A Trindade é Una. Não professamos três deuses, mas só Deus em três pessoas: “a Trindade consubstancial”. As pessoas divinas não dividem entre si a única divindade, mas cada uma delas é Deus por inteiro: “O Pai é aquilo que é o Filho, o Filho é aquilo que é o Pai, O Espírito Santo é aquilo que são o Pai e o Filho, isto é, um só Deus por natureza”. “Cada uma das três pessoas é esta realidade, isto é, a substância, a essência ou a natureza divina”
Onde o “sábio” protestante aprendeu que Maria é tida como DEUSA para os católicos ? Quem é seu genial “pregador” ? Três pessoas significam três pessoas e não quatro. Trindade nos remete a três e não a quatro pessoas.

3)Protestantes modernos (evangélicos): “Meu pastor que é homem de DEUS disse que os católicos consideram Maria mais importante do que Jesus.”

Catecismo da Igreja Católica:

481. Jesus Cristo tem duas naturezas, a divina e a humana, não confundidas, mas unidas na única Pessoa do Filho de Deus.

482. Verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Cristo tem uma inteligência e uma vontade humanas em perfeito acordo e submissão à inteligência e vontade divinas, que Ele tem em comum com o Pai e o Espírito Santo.

483. A encarnação é, pois, o mistério da união admirável da natureza divina e da natureza humana, na única Pessoa do Verbo.

449. Ao atribuir a Jesus o título divino de Senhor, as primeiras confissões de fé da Igreja afirmam, desde o princípio, que o poder, a honra e a glória, devidos a Deus Pai, também são devidos a Jesus, porque Ele é «de condição divina» (Fl 2, 6) e o Pai manifestou esta soberania de Jesus ressuscitando-O de entre os mortos e exaltando-O na sua glória.

451. A oração cristã é marcada pelo título de «Senhor», quer no convite à oração: «O Senhor esteja convosco», quer na conclusão da mesma: «Por nosso Senhor Jesus Cristo», quer ainda pelo grito cheio de confiança e de esperança: «Maran atha» («O Senhor vem!») ou «Maranatha» («Vem, Senhor!») (1 Cor 16, 22): «Amen, vem, Senhor Jesus!» (Ap 22, 20).
Onde o “mestre e doutor Bíblia” evangélico aprendeu que no catolicismo coloca-se Maria na mesma condição ou acima de Jesus ?

4) Protestantes modernos (evangélicos): “Meu pastor que é uma benção disse que na Igreja Católica Maria também é mediadora para salvação.”

Catecismo da Igreja Católica:

“432. O nome de Jesus significa que o próprio nome de Deus está presente na pessoa do seu Filho feito homem para a redenção universal e definitiva dos pecados. Ele é o único nome divino que traz a salvação e pode desde agora ser invocado por todos, pois a todos os homens Se uniu pela Encarnação, de tal modo que não existe debaixo do céu outro nome, dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos» (Act 4, l2) (17).

480. Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, na unidade da sua Pessoa divina; por essa razão, Ele é o único mediador entre Deus e os homens.
Com quem, quando e onde, o “teólogo e professor” evangélico aprendeu que se ensina na Igreja Católica que existem outros mediadores para salvação além de Jesus ?

5)Protestantes modernos (evangélicos): “Meu pastor ungido diz que a Missa Católica não é Cristocêntrica e sim um culto a Maria e aos Santos deles.

Catecismo da Igreja Católica:

450. Desde o princípio da história cristã, a afirmação do senhorio de Jesus sobre o mundo e sobre a história significa também o reconhecimento de que o homem não deve submeter a sua liberdade pessoal, de modo absoluto, a nenhum poder terreno, mas somente a Deus Pai e ao Senhor Jesus Cristo: César não é o «Senhor» «A Igreja crê… que a chave, o centro e o fim de toda a história humana se encontra no seu Senhor e Mestre».

“1348. Todos se reúnem. Os cristãos acorrem a um mesmo lugar para a assembleia eucarística. A sua cabeça está o próprio Cristo, que é o actor principal da Eucaristia. Ele é o Sumo-Sacerdote da Nova Aliança. É Ele próprio que preside invisivelmente a toda a celebração eucarística. E é em representação d’Ele (agindo «in persona Christi capitis – na pessoa de Cristo-Cabeça»), que o bispo ou o presbítero preside à assembleia, toma a palavra depois das leituras, recebe as oferendas e diz a oração eucarística. Todos têm a sua parte activa na celebração, cada qual a seu modo: os leitores, os que trazem as oferendas, os que distribuem a comunhão e todo o povo cujo Ámen manifesta a participação.

1350. A apresentação das oferendas (ofertório): traz-se então para o altar, por vezes processionalmente, o pão e o vinho que vão ser oferecidos pelo sacerdote em nome de Cristo no sacrifício eucarístico, no qual se tornarão o seu corpo e o seu sangue. É precisamente o mesmo gesto que Cristo fez na última ceia, «tomando o pão e o cálice». «Só a Igreja oferece esta oblação pura ao Criador, oferecendo-Lhe em acção de graças o que provém da sua criação» (181). A apresentação das oferendas no altar assume o gesto de Melquisedec e põe os dons do Criador nas mãos de Cristo. É Ele que, no seu sacrifício, leva à perfeição todas as tentativas humanas de oferecer sacrifícios.

1354. na anamnese que se segue, a Igreja faz memória da paixão, ressurreição e regresso glorioso de Cristo Jesus: e apresenta ao Pai a oferenda do seu Filho, que nos reconcilia com Ele: nas intercessões, a Igreja manifesta que a Eucaristia é celebrada em comunhão com toda a Igreja do céu e da terra, dos vivos e dos defuntos, e na comunhão com os pastores da Igreja: o Papa, o bispo da diocese, o seu presbitério e os seus diáconos, e todos os bispos do mundo inteiro com as suas Igrejas.

1355. Na comunhão, precedida da Oração do Senhor e da fracção do pão, os fiéis recebem «o pão do céu» e «o cálice da salvação», o corpo e o sangue de Cristo, que Se entregou «para a vida do mundo» (Jo 6, 51):
Quem será o doutrinador do incrédulo evangélico ? Será que é o pastor que disse que o Papa João Paulo II era a besta do apocalipse ? Ou será um daqueles que vivem marcando data e hora para volta de Jesus ? Qual deles é “mestre” do protestante moderno ?

6) Protestantes modernos (evangélicos): “Maria é uma deusa pagã. Os antigos doutores da Igreja tinham outra visão sobre Maria. A Igreja Católica corrompeu-se e começou a inventar os Dogmas Marianos. Meu pastor escreveu um artigo na internet sobre isto.”

São Thomás de Aquino:

“…Os Anjos participam da própria luz divina em mais perfeita plenitude. Pode-se enumerar os soldados de Deus, diz Jó (25, 3) e haverá algum sobre quem não se levante a sua luz? Por isso os Anjos aparecem sempre luminosos. Mas os homens participam também desta luz, porém com parcimônia e como num claro-escuro. Por conseguinte, não convinha ao Anjo inclinar-se diante do homem, até, o dia em que apareceu urna criatura humana que sobrepujava os Anjos por sua plenitude de graças (cf n° 5 a 10), por sua familiaridade com Deus (cf. n° 10) e por sua dignidade.Esta criatura humana foi a bem-aventurada Virgem Maria. Para reconhecer esta superioridade, o Anjo lhe testemunhou sua veneração por esta palavra: Ave.”

Santo Agostinho:

“Entre todas as mulheres, Maria é a única a ser ao mesmo tempo Virgem e Mãe, não somente segundo o espírito, mas também pelo corpo. Ela é mãe conforme o espírito, não dAquele que é nossa Cabeça, isto é, do Salvador do qual ela nasceu, espiritualmente. Pois todos os que nele creram – e nesse número ela mesma se encontra – são chamados, com razão, filhos do Esposo (filii sponsi) (Mt 9,15). Mas, certamente, ela é mãe de seus membros, segundo o espírito, pois cooperou com sua caridade para que nascessem os fiéis na Igreja – os membros daquela divina Cabeça – da qual ela mesma é, corporalmente, a verdadeira mãe. Convinha, pois, que nossa Cabeça, por insigne milagre, nascesse segundo a carne de uma virgem, dando a entender que seus membros, que somos nós, haviam de nascer segundo o Espírito dessa outra virgem que é a Igreja. Somente Maria, portanto, é mãe e virgem, no espírito e no corpo. É Mãe de Cristo e também Virgem de Cristo.

Santo Ambrósio:

“Que porta é esta, senão Maria, que permanece fechada por ser virgem? Portanto esta porta foi Maria, através da qual Cristo veio a este mundo graças a um parto virginal, sem romper os claustros fecundos da pureza. Permaneceu íntegro em seu pudor e se conservaram intactos os selos da virgindade, enquanto nascia Cristo de uma virgem cuja grandeza não podia sustentar o mundo inteiro. Esta porta, disse o Senhor, há de permanecer fechada e não se abrirá. Bela porta!, Maria, que sempre se manteve fechada e não a abriu! Passou Cristo através dela, mas não abriu”(DA formação da Virgem, 52-53).”

“Iria escolher nosso Senhor Jesus para ser sua Mãe a quem se atrevesse a profanar o seio celeste com a intervenção de um varão, ou uma mulher incapaz de guardar intacto o pudor virginal? Aquela com cujo exemplo estimula as demais virgens ao amor da integridade…”(Da formação da Virgem, 44-45).”

Em Maria, jamais se viu algum movimento indecoroso, um andar descomposto, ou voz presumida. Pelo contrário, via-se em sua compostura a pureza interior da alma.” “Com razão só Ela é chamada cheia de graça, porque só Ela conseguiu a graça que nenhuma outra merecera, a de ser cheia do Auto da graça.”

São Francisco de Assis:

“Saudação à Virgem Maria – Salve, ó Senhora Santa, Rainha Santíssima,Mãe de Deus, ó Maria, que sois Virgem feita igreja,eleita pelo Santíssimo Pai celestial,que vós consagrou por seu Santíssimo edilecto Filho e o Espírito Santo Paráclito.Em vós residiu e reside toda plenitude da graça e todo o bem. Salve, ó palácio do Senhor!Salve, ó tabernáculo do Senhor!Salve, ó morada do Senhor!Salve, ó manto do Senhor!Salve, ó serva do Senhor!Salve, ó mãe do Senhor!E salve vós todas, ó santas virtudes derramadas,pela graça e iluminação do Espírito Santo,os corações dos fiéis, transformando-os de infiéis em fiéis servos de Deus!

Doutora da Igreja Santa Teresinha de Lisieux:

“Sou filha de Maria. A Virgem Santíssima é mais Mãe que Rainha.” “A Santíssima Virgem teve menos que nós, porque não teve uma Santíssima Virgem para amar!” “Ó Mãe bem-amada, apesar da minha pequenez, como a Senhora, possuo em mim o Onipotente.” “A Santíssima Virgem nunca estará escondida para mim, porque a amo muito.”

São Luís Maria Grignion de Montfort:

“Deus Pai ajuntou todas as águas e denominou-as Mar; reuniu todas as Suas Graças e chamou-as MARIA”
“Nossa Senhora impede seus devotos de soçobrar no mar agitado deste mundo, onde tantas pessoas naufragam por não se firmarem nesta âncora inabalável. Foi a Ela que os Santos mais se agarraram e prenderam os outros, com o fito de perseverar na virtude. Felizes, mil vezes felizes os cristãos que agora se apegam fiel e inteiramente a Ela, como a uma âncora firme”

7) Protestantes modernos (evangélicos):

“Mas a Bíblia não fala nada sobre Maria. Maria foi a primeira barriga de aluguel da história(risos e escárnio).”

Isabel prima de Maria: “Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se agitou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo(Lucas 1, versículo 41). A Bíblia diz: “…Isabel ficou cheia do Espirito Santo.” E o protestante como fica ? Fica cheio do Espírito Santo ?

João Batista filho de Isabel: “Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se agitou no seu ventre…(Lucas 1, versículo 41). A Bíblia diz que João Batista estremeceu no ventre de Isabel. Algum protestante ousa dizer que não foi de alegria que João Batista estremeceu?

E o protestante ? Ele estremece de alegria como João Batista ou cerra dentes e punhos?

Segundo a Bíblia em Lucas 1,43: “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar ?” Mãe do meu Senhor. E o Senhor é DEUS. Então Maria mãe de DEUS. Maria que serviu para ser mãe de Jesus e que na visão dos protestantes não serve para ser mãe deles.

Importante notar que Isabel ainda estava cheia do Espírito Santo quando disse mãe do meu Senhor. Isabel prima de Maria, possivelmente íntimas, naquele momento, verdadeiramente inspirada pelo Espírito Santo, sentindo-se honrada com a presença de Maria exclama: “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar ? E o evangélico como fica diante de Maria ?

Ainda Isabel: Ainda cheia do Espírito Santo, Isabel em alto e bom som: “Você é bendita entre as mulheres…” (Lucas 1,42)

Isabel cheia do Espírito Santo diz: Você é bendita entre as mulheres. E o protestante sem o Espírito Santo diz: Maria “mulher como outra qualquer.”

Em Lc 1, 48 “Doravante todas as gerações me chamarão bem aventurada”. Em que igreja se cumpre a profecia bíblica ?

Quem está certo? A Igreja que faz cumprir a profecia bíblica ou a Igreja que chuta a Santa?

8)Protestantes modernos (evangélicos): “Maria não é nada diante de DEUS.”

E quem disse que Maria é comparável a DEUS ? Não foi da Igreja Católica que você ouviu, mas sim de pastor protestante que atribui a nós doutrinas que não praticamos.

Para que ninguém tenha a ousadia infame de dizer que Maria é deusa do catolicismo:

Tratado da Verdadeira Devoção da Santíssima Virgem por São Luís Maria Grignion de Montfort:

“…14 Confesso com toda a Igreja que Maria é uma pura criatura saída das mãos do Altíssimo. Comparada, portanto, à Majestade infinita ela é menos que um átomo, é, antes, um nada, pois que só ele é “Aquele que é” (Ex 3, 14) e, por conseguinte, este grande Senhor, sempre independente e bastando-se a si mesmo, não tem nem teve jamais necessidade da Santíssima Virgem para a realização de suas vontades e a manifestação de sua glória. Basta-lhe querer para tudo fazer.15. Digo, entretanto, que, supostas as coisas como são, já que Deus quis começar e acabar suas maiores obras por meio da Santíssima Virgem, depois que a formou, é de crer que não mudará de conduta nos séculos dos séculos, pois é Deus, imutável em sua conduta e em seus sentimentos.” Em outras palavras: Evangélicos, vocês vão ter que aturar. Maria menos que um átomo diante de DEUS, grandiosa diante dos homens, se não vejamos:

A Bíblia: “O anjo entrou onde ela estava, e disse: Alegra-te, cheia de graça! O Senhor está com você ! (Lucas 1, versículo 28).”

Segundo o anjo do Altíssimo DEUS, Maria é cheia de graça. E o Senhor Altíssimo DEUS estava com ela (DEUS está convosco).

Protestantes modernos (evangélicos): “Jesus desprezou Maria chamando-a de Mulher nas Bodas de Caná”

O que a Bíblia diz: Jesus realiza o milagre das Bodas de Canã pela intercessão de sua mãe. Primeiro eles nos deixa uma pergunta: “Mulher, que existe entre nós ? (João 2, 4)” Depois acrescenta que sua hora não chegou, ou seja, não era hora para milagres: “ … Minha hora não chegou (João 2, 4).” Maria insiste e diz: “Façam o que ele mandar (João 1, 5).” Jesus transforma a água em vinho (João 2, 9) Jesus fez o seu primeiro milagre pela intercessão da Santíssima Virgem.

E agora podemos responder àquela pergunta que Jesus fez inicialmente: “Mulher, que existe entre nós?”

João 19, 26 e 27: “Jesus viu a mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava. Então disse à mãe: “Mulher, eis aí o seu filho.” Depois disse ao discípulo: “Eis aí a sua mãe”. E dessa hora em diante, o discípulo a recebeu em sua casa.

Os protestantes sabem optar pelas interpretações literais quando lhes interessam. Assim nos cobram doutrinas professadas pela Igreja e recuz não saber que não estamos obrigados ao “Sola Scriptura” de Lutero. Cobram de nós o Purgatório ou o Batismo infantil clamando por textos claros. Quando lhes mostramos os textos claros que recomendam a Confissão dos pecados, a Recitação do Pai Nosso e a Eucaristia, eles deixam de lado o critério que antes lhes servia e partem para os achismos e “revelações” de seus “ungidos”.

Se fossem literais do começo ao fim, como os protestantes deveriam interpretar a passagem descrita acima(João 19, versículos 26 e 27) ?

Jesus primeiro fala a Maria. Não se trata apenas de cuidado de filho. Se fosse mero cuidado ele teria falado primeiro ao discípulo para que cuidasse de sua mãe. O texto confirma que Jesus viu primeiro a mãe e, ao lado dela, o discípulo. E assim, primeiro Jesus fala a Maria. “Eis o seu filho.” Ele sabe que ela lhe é submissa até o fim. Não há chance de Maria recusar a maternidade que Jesus lhe entrega.

O texto ainda explica que João era o discípulo que ele amava. Que presente mereceria o discípulo amado se não a própria mãe de DEUS ? Maria serviu para ser mãe de João, o amado discípulo de Jesus. Mas para o protestante ela não lhe serve como mãe.

E tem mais. Jesus separa o discípulo amado e este mesmo é entregue a Maria como filho. Não é qualquer discípulo. É o discípulo amado que Jesus entrega a Maria. E o protestante diz que Jesus desprezava Maria.

O texto finaliza nos mostrando que João a levou para a casa. E não apenas naquele dia. O texto fala “..dessa hora em diante.” João, o amado discípulo de Jesus, levou Maria para a casa e para sempre.

Fosse mero carinho de Jesus por sua mãe, conforme dizem os protestantes, ainda assim, como alguém pode imaginar que Jesus despreza Maria se em seu sofrimento mais atroz ele ainda teria se ocupado de designar um amado discípulo que supostamente deveria pregar o evangelho, para tão e somente cuidar de sua mãe ?

Mesmo sem explicação para o conceito que lhe condena, repete o evangélico: “Maria é uma mulher pecadora. Jesus a desprezava”

Se Jesus é bom filho e certamente é o melhor entre todos, será que ele cumpre os mandamentos de seu Pai do Céu e assim honra pai e mãe na Terra ? O que o protestante “profeta”, “ungido”, “teólogo”, “infalível” e seguidor de pastor acha ?

Protestantes atuais(evangélicos): “Mas o Missionário líder da minha abençoada igreja disse que Maria não pode nada.”

DEUS ESPÍRITO Santo: “…o anjo respondeu: O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra(Lucas 1, versículo 35)” “Por isso, o santo que irá nascer de você será chamado de filho de DEUS(Lucas 1, versículo 35

O filho que irá nascer de Maria, será chamado de Filho de DEUS. Quem nós conhecemos que gerou o filho de DEUS se não Maria ?

E o anjo disse: “…irá nascer de você.” Se Maria não pode nada, quem é que pode na Terra mais do que ela ?

9)Protestantes atuais(evangélicos): “Meu pastor que é teólogo e doutor em Bíblia disse que a Igreja Católica inventou o culto a Maria nos últimos dois séculos. Meu pastor me disse que na antiguidade ninguém considerava Maria.”

O concílio de Latrão

Definição como dogma no ano de 649, no Concílio Regional de Latrão(não ecumênico):

“Se alguém, segundo os Santos Padres, não confessa que própria e verdadeiramente é Mãe de Deus a santa e sempre virgem e imaculada Maria, já que concebeu nos últimos tempos sem sêmen, do Espírito Santo, o próprio Deus-Verbo (…) e que deu à luz sem corrupção, permanecendo a sua virgindade indissolúvel mesmo depois do parto, seja anátema”.
São Cirilo de Alexandria no Concílio de Éfeso: “Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve, Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu de ti; mãe, por virtude que cobriste com panos e nutriste em teu seio; serva, por aquele tomou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta, porque concebesse sem concurso de varão, e foi divino teu parto.”
“Salve Maria, templo santo, como o chama o profeta Daví, quando diz: “O teu templo é santo e admirável em sua justiça” (SlLXIV, 6)
“Salve Maria, criatura mais preciosa da criação; salve, Maria, puríssima pomba; salve, Maria, lâmpada inextinguível; salve, porque de ti nasceu o sol de justiça”.
“Salve, Maria, morada da infinitude, que encerraste em teu seio o Deus infinito, o Verbo unigênito, produzindo sem arado e sem semente a espiga incorruptível!”
“Salve, Maria, mãe de Deus, aclamada pelos profetas, bendita pelos pastores, quando, com os anjos, cantaram o sublime hino de Belém: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens de boa vontade” (Lc. II, 14).
Salve, Maria, Mãe de Deus, alegria dos anjos, júbilo dos arcanjos que te glorificam no céu!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus: por ti adoraram a Cristo os Magos guiados pela estrela do Oriente; salve, Maria, Mãe de Deus, honra dos apóstolos!”
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem João Batista, ainda que no seio de sua mãe, exultou de alegria, adorando como luzeiro a perene luz!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, que trouxesse ao mundo graça inefável, da qual diz São Paulo: “apareceu a todos os homens a graça de Deus salvador” (Tt. II, 1).
“Salve, Maria, Mãe de Deus, que fizesse brilhar no mundo aquele que é luz verdadeira, a nosso Senhor Jesus Cristo, que diz em seu Evangelho: “Eu sou a luz do mundo” (Jo. VIII, 12).
“Deus te salve, Mãe de Deus, que alumiaste aos que estavam nas trevas e sombras de morte; porque o povo que jazia nas trevas viu uma grande luz (Is. IX,2), uma luz não outra senão Jesus Cristo, nosso Senhor, luz verdadeira que ilumina todo homem que vem a esse mundo (Jo. I, 9).
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem se apregoa no evangelho: “bendito que vem em nome do Senhor” (Mt. XXI, 9), por quem se encheram de igrejas nossas cidades, campos e vilas ortodoxas!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o vencedor da morte e o destruidor do inferno!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o autor da criação e o restaurador das criaturas, o Rei dos Céus!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem floresceu e refulgiu o brilho da ressurreição!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem luziu o sublime batismo da santidade no Jordão!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem o Jordão e o batista foram santificados e o demônio foi destronado!”
“Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem é salvo todo espírito fiel!”

10) Protestantes modernos(evangélicos): “Mas o apóstolo da minha igreja disse que Maria teve outros filhos”

Ezequiel 44,1-3: “Então me fez voltar para o caminho da porta do santuário exterior, que olha para o oriente, a qual estava fechada. Disse-me o Senhor: ‘Esta porta estará fechada, não se abrirá; ninguém entrará por ela. Porque o Senhor Deus de Israel entrou por ela, estará fechada. Quanto ao príncipe, ele ali se assentará como príncipe, para comer o pão diante do Senhor; pelo caminho do vestíbulo da porta entrará, e por esse mesmo caminho sairá”.

Mas diz o evangélicoem tom terminativo: “Acontece que somos protestantes. Não nos curvamos diante de doutrinas dos homens. Não precisamos de Igreja, intercessores, sacramentos, confissão, indulgências, santos ou Maria. Vocês católicos são idólatras, que adoram a  uma mulher pecadoral. Por isto é que Lutero e Calvino foram necessários. Eles acabaram com a idolatria que os vossos papas ensinavam”.

LUTERO, PAI DOS EVANGÉLICOS: Ao referir-se a Mt 1,25, observa: “Destas palavras não se pode concluir que, após o parto, Maria tenha tido consórcio conjugal. Não se deve crer nem dizer isto” (Obras de Lutero, edição Weimar, tomo 11, pg. 323).
“O que são as servas, os servos, os senhores, as mulheres, os príncipes, os reis, os monarcas da terra, em comparação com a Virgem Maria, que, além de ter nascido de uma estirpe real, é também Mãe de Deus, a mulher mais importante da Terra? No meio de toda a Cristandade ela é a jóia mais preciosa depois de Cristo, a qual nunca pode ser suficientemente exaltada; a imperatriz e rainha mais digna, elevada acima de toda nobreza, sabedoria e santidade”.

“É uma doce e piedosa crença esta de que a alma de Maria não possuía o pecado original; assim, sua alma estava completamente purificada do pecado original e embelezada com os dons de Deus, por ter recebido de Deus uma alma pura. Portanto, desde o primeiro momento de sua vida, ela estava livre de todo o pecado” (Martinho Lutero, “Sermão sobre o Dia da Conceição da Mãe de Deus”, 1527).

CALVINO, SEGUIDO PELA MAIORIA DAS DENOMINAÇÕES EVANGÉLICAS: “Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus.” (Comm. Sur l’Harm. Evang.,20)

“Proclamava uma tão grande dádiva de Deus, que não era lícito silenciá-la…Reconhecemos que este dom foi altamente honroso para Maria. De boa vontade, seguimo-la como mestra, e, obedecemos aos ensinamentos e preceitos da Virgem” ( Calvini Opera 45,38)( Obra de Calvino 45,38)

JOHN WESLEY: “Creio que Jesus foi feito homem, unindo a natureza humana à divina em uma só pessoa; sendo concebido pela obra singular do Espírito Santo, nascido da abençoada Virgem Maria que, tanto antes como depois de dá-lo à luz, continuou virgem pura e imaculada.”

ZWINGLIO: “Firmemente creio, segundo as palavras do Evangelho, que Maria, como virgem pura, nos gerou o Filho de Deus e que, tanto no parto quanto após o parto, permaneceu virgem pura e íntegra.” (Zwinglio, em “Corpus Reformatorum”)

Conclusão:

Conforme já dissemos, o protestante evangélico será literal ou não de acordo com sua necessidade pessoal para construção de sua doutrina particular ou para atacar doutrina alheia.

Por exemplo: O evangélico fundamentalista, ou seja, aquele que diz acreditar apenas naquilo expressamente escrito na Bíblia, diz que Jesus tinha irmãos levando ao pé da letra que irmãos de Jesus só podem ser filhos de Maria com José.

Entretanto, este mesmo evangélico fundamentalista não é tão literal assim quando sabe que não há uma só passagem bíblica que afirme que Maria teve outros filhos com José. Nesta hora, o literalíssimo não tem qualquer importância. Vale o que ele quiser. A verdade é irrelevante. Ele muda de critério de um momento para outro sem qualquer culpa.

Assim como escolhem o que desejam seguir de cada reformador e de cada “profeta” protestante, não fazem diferente com relação a Bíblia. Os textos que lhes favorecem são usados para formular doutrinas e atacar a Igreja Católica e outros tantos que lhes condenam são descartados. Vale sempre o que cada crente quiser que seja aceito pelos demais como doutrina. Não por acaso, quando divergem, pois todos “tem razão”, logo surge uma nova denominação sob o comando de um novo “super mestre” “infalível” e “inspirado” pelo Espírito Santo.

Maria filha amada de DEUS pai; Maria mãe de DEUS filho; Maria esposa do Espírito Santo.

Reflexão aos católicos não praticantes ou aos batizados que se encontram afastados da Igreja

Você católico hesitante, ficará com os pais da igreja ou com os protestantes que defendem o aborto ?

Você católico indeciso, formará fileiras ao lado das personagens bíblicas que estão na presença de DEUS ou será parceiro dos patrocinadores da prosperidade financeira ?

Você católico que nada sabe da religião dos seus pais, desejará conhece-la mais profundamente ou prefere escutar aqueles que dizem que ajudar os pobres desvia recursos da “Igreja” ?

Você que se diz católico, mas que ataca os dogmas da igreja ou o Papa . O que você faz quando os evangélicos ofendem a Virgem Maria na sua presença ? Você age com caridade e lhes mostra a verdade ou diz que o importante é crer em Jesus ?

Você católico pretende ouvir a São Tomás de Aquino ou ao pregador da Unção da Vassoura ? Santo Agostinho ou o pregador da Unção da Galinha ou da vaca ? Santa Teresinha ou o pregador da unção do Chifre ? São Francisco ou aqueles que praticam “unções” da meia, do leão ou da lama ?

Você católico preferirá a Igreja dos Concílios ou as igrejas dos achismos onde cada um diz ter recebido uma revelação ?

A quem você pretende escutar católico ? A Igreja dos 2.000 anos ou a seita da esquina de tua rua ?

Você católico que não estuda, ficará com a Santíssima Trindade, a Igreja que exalta Maria ou com aqueles que a desprezam e lhe imputam filhos que não teve ?

Não admitimos ataques contra a honra e dignidade das pessoas. O debate religioso deve ser limitado as questões de fé e doutrina.

Autor: V.De Carvalho com a colaboração de A.Silva – Livre divulgação mencionando-se o autor

 
Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

23 respostas para Os Evangélicos não são contra a Virgem Maria Imaculada, são contra a História do Cristianismo

  1. Railson dos Santos disse:

    Gostaria de agradecer todos os amigos que defenderam nossa Igreja Católica,sou muito catolico,conheço muito bem minha religião,por isso quero ser sempre catolico…Vocês falaram tão bem que até fiquei sem palavras…obrigado que DEUS abençoe.

    Curtir

  2. W. Frank disse:

    Engraçado….pensamos a mesma coisa de vcs católicos.

    Curtir

    • Helen disse:

      Engraçado, é que os protestantes não acham que considerem adventistas como protestantes, e sim como uma seita dentro do próprio protestantismo! E o sr vem aqui simpatizar com os mesmos evangélicos que os desprezam… isto sim é engraçado!

      Curtir

    • A.Silva disse:

      Vocês não pensam a mesma coisa que nós católicos. Vocês fazem o que pastor mandar ou aquilo que cada qual entender de sua leitura privada da Bíblia.

      Curtir

    • André Silva e Dani Acioli disse:

      A diferença W.Frank é que entre vocês protestantes também há divisões e vocês pensam o mesmo uns dos outros.

      Curtir

  3. elaine disse:

    Olha no mundo de hj temos a clamar a Deus,e tanta gente se achando acima do maior a e Deus,os evangélicos adora muito a Deus,me perguntaram porq a os crentes tem casa carro eu respondi,hj vc gasta quase quientos reais em bebidas,cigarros e drogas os evangelicos a levam a sério não fazem isso,o dinheiro deles e tudo pro dízimo,ta na biblia bíblia diz a vera falso profetas,gente e o mundo de hj,na igreja catolicas,tem varios tipos de coisas horríveis a foram feitas,esse serão condenados por brink com o poder de Deus,o o homem faz 99% de coisas boas,quando ele erra 1% ele e julgado,assim e a igreja católica,eles não fazem nada contra a bíblia,os católicos a odeia o jeito a eles vivem pelos os a tem e inveja,vigiai jesus vai voltar,e todos aqueles a ficam criticando a adoraçao vai pro inferno,sinais ja estão dados,acredite no a quer. Vai ler e praticar a biblia e amar mas a a Deus,jesus te amo. Tem um ano a vou a igreja minha vida mudou plenamente,cheia da bênção. Sou evangélica foi o grandioso a me passou na minha cabeça,para a eu escrevesse tudo isso,amém. Vamo amar mais,e parar de brigar. Tudo a ta na bíblia ta acontecendo,não vou virá santa,mas vou ser santa mas vou ter a salvação.

    Curtir

    • vasni disse:

      Não sou católico, mas tive oportunidade de ler uma bíblia católica, e acompanhar as notas de rodapé e já tinha me convencido que Maria é intercessora, e mãe espiritual dos cristãos. O que não consigo entender é o fato dela ser imaculada. Por que várias vezes na bíblia se diz que Jesus assim como Adão nasceu sem pecado. No entanto ele sendo tentado em tudo, em nada pegou, e por isso mesmo pode oferecer um sacrifício perfeito, como um cordeiro imaculado. Ora se Maria também é Imaculada, no sentido de ser totalmente santa, ela não precisa ser salva por Jesus, e talvez até um sacrifício dela poderia redimir a humanidade. Digo isto, não como afirmação categórica, mas pensando logicamente e expondo com sinceridade essa única dúvida que tenho sobre a virgem Maria?

      Curtir

  4. Fernanda disse:

    Helen saia dessa igreja

    Curtir

    • Helen disse:

      Fernanda,
      Aconselha-me a sair “dessa igreja” e com isso confunde-me… Ora, não são vcs que pregam a crença de que somos salvos somente pela fé em Cristo, e que a Igreja pouco importa? Então, segundo a sua lógica eu já estou salva! Creio em Jesus Cristo. Por que dá-me esse conselho estapafúrdio? Não sei, mas estou começando a desconfiar que a sra não é Cristã e sim Testemunha de Jeová. Se for isso, por favor, avisa.

      Pax Domini

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      HEREGE FERNANDA HEREGE QUEM CONHECE A DOUTRINA DA IGREJA CATÓLICA NUNCA ABANDONA ESSA ÚNICA IGREJA VERDADEIRA DEIXADA POR CRISTO

      A HELEN COMO EU ORGULHAMOS DE PERTENCER A UMA IGREJA EM QUE AS PORTAS DOS INFERNOS NUNCA PREVALECERÃO CONTRA ELA

      TENHO PENA DE VOCÊ FERNANDA POBRE ALMA ERRANTE CONTAMINADA PELA BURRICE PELO ENGANO E PELO RACIONALISMO.

      Da Unidade da Igreja Católica – São Cipriano de Cartago [Parte 1]

      Capítulo I – Vigiai, o inimigo vem disfarçado

      1. “Vós sois o sal da terra” (Mt 5,3), diz o Senhor, e ainda nos recomenda que sejamos simples pela inocência e prudentes na simplicidade [Mt 10,16]. Nada pois é mais importante para nós, irmãos diletíssimos, quanto vigiar com todo o cuidado para descobrir logo e, ao mesmo tempo, compreender e evitar as ciladas do inimigo traiçoeiro. Sem isso, embora sejamos revestidos de Cristo [Rom 13,14; Gál 3,27], que é a Sabedoria de Deus Pai [1Cor 1,24], nos mostraríamos menos sábios na defesa da salvação.

      2. De fato, não devemos temer só a perseguição e os vários ataques que se desencadeiam abertamente para arruinar e abater os servos de Deus. Quando o perigo é manifesto, a cautela é mais fácil. O nosso espírito está mais pronto para lutar contra um adversário abertamente declarado. É mais necessário ter medo e guardar-nos do inimigo que penetra às escondidas, e se vai insinuando oculta e tortuosamente com falsas imagens de paz. Bem lhe convém o nome de serpente! Essa foi sempre a sua astúcia, esse foi sempre o tenebroso e pérfido engano com que tenta seduzir o homem.

      3. Já no começo do mundo mentiu e enganou as almas crédulas e ingênuas (dos nossos primeiros pais), acariciando-as com palavras falazes [Gên 3,1ss] . Igualmente ousou tentar a Cristo, nosso Senhor, e se aproximou dele insinuando, disfarçando, mentindo. Foi contudo desmascarado e repelido. Desta vez, foi derrotado porque foi reconhecido e descoberto [Mt 4,1ss].

      Capítulo II – Acima de tudo, cumprir os mandamentos de Cristo

      1. Sirvam-nos estes exemplos. Evitemos o caminho do homem velho, para não cair no laço da morte. Sigamos as pisadas de Cristo vencedor, para que, usando cautela diante do perigo, alcancemos a verdadeira imortalidade.

      2. Mas, como poderíamos chegar à imortalidade, sem observar os mandamentos de Cristo? São eles os únicos meios para combater e vencer a morte. Ele nos avisa: “Se queres chegar à vida, observa os mandamentos” (Mt 19,17), e, de novo: “Se fizerdes o que vos mando, já não vos chamarei servos, mas amigos” (Jo 15,15).

      3. Esses são os que ele diz serem fortes e firmes. Esses têm fundamento sólido na pedra, e gozam de inabalável resistência contra todas as tempestades e as rajadas do século. “Quem ouve as minhas palavras – diz ele – e as cumpre é semelhante ao homem sábio que construiu a sua casa sobre a pedra. Desceu a chuva, desabaram as correntes, sopraram os ventos, batendo contra aquela casa, e ela não caiu porque fora fundada na pedra” (Mt 7,25).

      4. Devemos, pois, prestar atenção às suas palavras, devemos aprender e praticar o que ele ensinou e o que fez. Como poderia asseverar que acredita em Cristo aquele que não cumpre o que Cristo mandou? E como conseguirá o prêmio da fé aquele que recusa a fé no que foi mandado? Fatalmente ele irá vacilando, à ventura, e, arrastado pelo espírito do erro, será varrido como pó agitado pelo vento.

      5. Nunca poderão conduzir à salvação os passos daquele que não adere à verdade da única via que salva.

      Capítulo III – O demônio é o autor dos cismas

      1. Devemos pois guardar-nos, irmãos caríssimos, não só dos males que aparecem claramente como tais, mas também, como já disse, daqueles que nos enganam pela sutileza da astúcia e da fraude.

      2. Pois bem, vede agora a que ponto chega a astúcia e a sutileza do inimigo. Veio Cristo ao mundo. Veio a luz para os povos e resplandeceu para a salvação dos homens [Lc 2,32]. Com isto ficou descoberto e derrotado o antigo adversário. Os surdos abrem os ouvidos às graças espirituais, os cegos abrem os olhos a Deus, os enfermos ficam são ao ganhar a saúde eterna, os coxos correm à Igreja, os mudos soltam as suas línguas na oração [Mt 11,5; Lc 7,22]. Aumenta dia a dia o povo fiel, abandonam-se os velhos ídolos, tornam-se desertos os seus templos.

      3. Então, o que faz o malvado? Inventa nova fraude para enganar os incautos com o próprio título do nome cristão. Introduz as heresias e os cismas para derrubar a fé, para contaminar a verdade e dilacerar a unidade. Assim, não podendo mais segurar os seus na cegueira da antiga superstição, os rodeia, os conduz ao erro por novos caminhos. Rouba à Igreja os homens e, fazendo-lhes acreditar que alcançaram a luz e se subtraíram à noite do século, envolve-os ainda mais nas trevas: não observam a lei do Evangelho de Cristo e se dizem cristãos, andam na escuridão e pensam que possuem a luz, nisto são iludidos e lisonjeados pelo adversário, que, como diz o Apóstolo, “se transfigura em anjo de luz” (2Cor 11,14).

      4. Disfarça seus ministros em ministros de justiça, ensina-lhes a dar à noite o nome de dia, à perdição o nome de salvação, ensina-lhes a propalar o desespero e a perfídia sob o rótulo da esperança e da fé, a apregoar o Anticristo com o nome de Cristo. Mestres na arte de mentir, diluem com as suas sutilezas toda a verdade.

      5. Isto acontece, irmãos caríssimos, porque não se bebe à fonte mesma da verdade, não se busca aquele que é a Cabeça, nem se observam os ensinamentos do Mestre celestial.

      Capítulo IV – “Tu és Pedro, e sobre esta pedra…”

      1. Quem presta atenção a estes ensinamentos não precisa de longo estudo, nem de muitas demonstrações. A prova da nossa fé é fácil e compendiosa.

      2. Assim fala o Senhor a Pedro: “Eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas dos infernos não a vencerão. Dar-te-ei as chaves do Reino dos céus e tudo o que ligares na terra será ligado também nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado também nos céus” (Mt 16,18-19).

      3. Sobre um só edificou a sua Igreja. Embora, depois da sua ressurreição, tenha comunicado igual poder a todos os Apóstolos, dizendo: “Como o Pai me enviou, eu vos envio a vós. Recebei o Espírito Santo, a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados, a quem os retiverdes ser-lhe-ão retidos” (Jo 20,21-23), todavia, para tornar manifesta a unidade, dispôs com a sua autoridade que a origem da unidade procedesse de um só.

      4. É verdade que os demais Apóstolos eram o mesmo que Pedro, tendo recebido igual parte de honra e de poder, mas a primeira urdidura começa pela unidade a fim de que a Igreja de Cristo aparecesse uma só.

      5. O Espírito Santo, falando na pessoa do Senhor, designa esta Igreja única quando diz no Cântico dos Cânticos: “Uma só é a minha pomba, a minha perfeita, única filha da sua mãe e sem igual para a sua progenitora” (Cânt 6,9).

      6. Aquele que não guarda esta unidade poderá pensar que ainda guarda a fé? Aquele que resiste e faz oposição à Igreja poderá confiar que ainda está na Igreja?

      7. Paulo apóstolo inculca o mesmo ensinamento e mostra o sacramento da unidade, dizendo: “Um só corpo e um só espírito, uma é a esperança da vossa vocação, um Senhor, uma fé, um Batismo, um só Deus” (Ef 4,4-5).

      8. E, depois da ressurreição, diz ao mesmo: “Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21,17). Sobre ele só constrói a Igreja e lhe manda que apascente as suas ovelhas. Embora comunique a todos os Apóstolos igual poder, todavia institui uma só cátedra, determinando assim a origem da unidade.

      9. É verdade que os demais [Apóstolos] eram o mesmo que Pedro, mas o primado é conferido a Pedro para que fosse evidente que há uma só Igreja e uma só cátedra. Todos são pastores, mas é anunciado um só rebanho, que deve ser apascentado por todos os Apóstolos em unânime harmonia.

      10. Aquele que não guarda esta unidade, proclamada também por Paulo, poderá pensar que ainda guarda a fé? Aquele que abandona a cátedra de Pedro, sobre o qual foi fundada a Igreja, poderá confiar que ainda está na Igreja?

      Capítulo V – A Igreja única e universal: muitos são os raios, uma a luz…

      1. Esta unidade devemos guardar e exigir com firmeza, especialmente nós, bispos, que na Igreja presidimos, para dar prova de que o episcopado também é um e indiviso. Ninguém engane os irmãos com mentiras, ninguém corrompa a pureza da fé com pérfidos desvios.

      2. Uma só é a ordem episcopal e cada um de nós participa dela completamente. Mas a Igreja também é uma, embora, em seu fecundo crescimento, se vá dilatando numa multidão sempre maior.

      3. Assim muitos são os raios do sol, mas uma só é a luz, muitos os ramos de uma árvore, mas um só é o tronco preso à firme raiz. E quando de uma única nascente emanam diversos riachos, embora corram separados e sejam muitos, graças ao copioso caudal que recebem, todavia permanecem unidos na fonte comum.

      4. Se pudéssemos separar o raio do corpo do sol, na luz assim dividida já não haveria unidade. Quando se quebra um ramo da árvore, o ramo quebrado já não pode vicejar. Se separamos um regato da fonte, ele secará.

      5. Igualmente a Igreja do Senhor, resplandecente de luz, lança seus raios no mundo inteiro, mas a sua luz, difundindo-se em toda a parte, continua sendo a mesma e, de modo nenhum, é abalada a unidade do corpo.

      6. Na sua exuberante fertilidade, estende os seus ramos em toda a terra, derrama as suas águas em vivas torrentes, mas uma só é a cabeça, uma a fonte, uma a mãe, tão rica nos frutos da sua fecundidade. Do parto dela nascemos, é dela o leite que nos alimenta, dela o Espírito que nos vivifica.

      Capítulo VI – Única Esposa de Cristo: não pode ter Deus por Pai, quem não tem a Igreja por mãe

      1. A Esposa de Cristo não pode tornar-se adúltera, ela é incorruptível e casta [Cf Ef 5,24-31]. Conhece só uma casa, observa, com delicado pudor, a inviolabilidade de um só tálamo. É ela que nos guarda para Deus e torna partícipes do Reino os filhos que gerou.

      2. Aquele que, afastando-se da Igreja, vai juntar-se a uma adúltera, fica privado dos bens prometidos à Igreja. Quem abandona a Igreja de Cristo não chegará aos prêmios de Cristo. Torna-se estranho, torna-se profano, torna-se inimigo.

      3. Não pode ter Deus por Pai quem não tem a Igreja por mãe. Como ninguém se pôde salvar fora da arca de Noé, assim ninguém se salva fora da Igreja [nota: aqui Cipriano fala dos obstinados que, conhecendo a verdade, insistem, por ódio ou comodismo pagão, em se apartar da Igreja de Cristo].

      4. O Senhor nos alerta e diz: “Quem não está comigo está contra mim, quem comigo não recolhe, dissipa” (Mt 12,30). Quem rompe a paz e a concórdia de Cristo trabalha contra Cristo. Quem faz colheita alhures, fora da Igreja, esse dissipa a Igreja de Cristo.

      5. Diz ainda o Senhor: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30), e do Pai, do Filho e do Espírito Santo está escrito: “Estes três são um” (1Jo 5,7). Como poderá alguém pensar que esta unidade da Igreja, decorrente da própria firmeza da unidade divina, e tão conforme com este celeste mistério, pode ser rompida e sacrificada ao arbítrio de vontades opostas? Quem não observa esta unidade não observa a lei de Deus, não observa a fé do Pai e do Filho, não possui nem a vida, nem a salvação.

      Capítulo VII – A túnica inconsútil de Cristo

      1. Este sacramento da unidade, este vínculo de concórdia inviolada e sem rachadura, é figurado também pela túnica do Senhor Jesus Cristo. Como lemos no Evangelho, ela não foi dividida, nem, de modo algum, rasgada, mas sorteada. Isto quer dizer que quem toma a veste de Cristo e tem a dita de se revestir do próprio Cristo [Rom 13,14; Gál 3,27], deve receber a sua túnica toda inteira e possuí-la intacta e sem divisão.

      2. Diz a divina Escritura: “Quanto à túnica, visto que, desde a parte superior, era feita de uma única tecedura, sem costura alguma, disseram: não a dividamos, mas lancemos-lhe a sorte para ver a quem toca” (Jo 19,23-24). A unidade da túnica derivava da sua parte superior – em nosso caso, do céu e do Pai celeste. Aquele que a recebia e guardava não podia rasgá-la de modo nenhum, de fato ela era resistente e sólida por ser constituída de um modo inseparável.

      3. Não pode possuir a veste de Cristo aquele que rasga e divide a Igreja de Cristo.

      4. O contrário aconteceu à morte de Salomão, quando o seu reino e o povo deviam ser divididos. O profeta Aías, indo ao encontro do rei Jeroboão no campo, cortou o seu manto em doze partes, dizendo: “Toma para ti dez partes, porque assim diz o Senhor: eis que eu divido o reino da mão de Salomão, a ti darei dez cetros e dois ficarão para ele, por causa do meu servo Davi e de Jerusalém, a cidade eleita em que eu pus o meu nome” (1Rs 11,30-36). Para separar as doze tribos de Israel, o profeta dividiu O seu manto.

      5. Mas o povo de Cristo não pode ser dividido, e por isso a sua túnica, que era um todo feito de uma só tecedura, não foi dividida por aqueles que a deviam possuir. Ficando uma só, bem firme na sua contextura, ela mostra a união e a concórdia do nosso povo, isto é, daqueles que são revestidos de Cristo. Por este sinal sagrado da sua veste, proclamou ele a unidade da Igreja.

      Capítulo VIII – Figuras do Antigo Testamento: Raabe, o cordeiro pascal

      1. Portanto quem será tão celerado e pérfido, tão louco pelo furor da discórdia, para pensar como possível ou até para ousar romper a unidade de Deus, a veste do Senhor, a Igreja de Cristo?

      2. Ainda uma vez nos avisa ele no Evangelho dizendo: “E haverá um só rebanho e um só pastor” (Jo 10,16). E como se pode pensar que, num mesmo lugar, existam muitos pastores e muitos rebanhos?

      3. O apóstolo Paulo, por sua vez, inculcando esta mesma unidade, suplica e exorta: “Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos digais as mesmas coisas e não se dêem cismas entre vós. Sede unidos no mesmo sentimento e no mesmo pensamento” (1Cor 1,10) E de novo: “Sustentando-vos mutuamente no amor, esforçando-vos por conservar a unidade do Espírito na união da paz” (Ef 4,2-3).

      4. Achas tu que alguém pode afastar-se da Igreja, fundar, a seu arbítrio, outras sedes e moradias diversas e ainda perseverar na vida? Ouve o que foi dito a Raabe, na qual era prefigurada a Igreja: “Recolhe teu pai, tua mãe, teus irmãos e toda a tua família junto de ti, na tua casa, e qualquer um que ouse sair fora da porta da tua casa, será ele próprio culpado da sua perda” (Jos 2,18-19).

      5. Igualmente o sacramento da Páscoa [antiga], como lemos no Êxodo, exigia que o cordeiro, morto como figura de Cristo, fosse comido numa só casa. Eis as palavras de Deus: “Seja comido numa só casa, não jogueis fora da casa carne alguma dele” (Ex 12,46). A carne de Cristo, o Santo do Senhor [Nota: “Sanctum Domini” O Santo do Senhor – era como os primeiros cristãos chamavam a Eucaristia – O Corpo e Sangue de Cristo Jesus], não pode ser jogado fora. Para os que nele creem não há outra casa a não ser a única Igreja.

      6. O Espírito Santo anuncia e significa esta casa, esta morada da união dos corações, dizendo nos salmos: “Deus faz habitar na casa aqueles que são unânimes” (Sl 67,7). Na casa de Deus, na Igreja de Cristo, os moradores são unidos e perseveram na concórdia e na simplicidade.

      Capítulo IX – A pomba, exemplo de sociabilidade e concórdia

      1. Por isto também o Espírito Santo desceu em forma de pomba [Mt 3,16; Mc 1,10], animal simples e alegre, sem amargura alguma de fel, incapaz de se enfurecer; não morde, não arranha com as unhas. Prefere as moradias dos homens e gosta de habitar numa mesma casa. Quando criam, as pombas cuidam dos filhotes juntamente, quando viajam, voam pertinho umas das outras. Passam o tempo em tranquilos arrulhos, manifestam a concórdia e a paz beijando-se no rosto. Enfim, em todas as coisas seguem a lei da boa harmonia.

      2. Esta é a simplicidade que deve reinar na Igreja, essa a caridade que devemos realizar: o amor fraternal imite as pombas, a mansidão e a brandura sejam iguais às dos cordeiros e das ovelhas.

      3. Como podem estar no coração de um cristão a ferocidade dos lobos, a raiva dos cães, o veneno mortífero das serpentes ou a crueldade sanguinária das feras?

      4. Devemos alegrar-nos quando os que têm esses sentimentos se separam da Igreja. Assim as pombas e as ovelhas de Cristo não serão contagiadas pela sua maldade e pelo seu veneno. Não podem conciliar-se e juntar-se amargura e doçura, trevas e luz, chuva e céu sereno, guerra e paz, esterilidade e fecundidade, secura e manancial, tempestade e bonança.

      5. Não acreditem que os bons possam deixar a Igreja: não é o trigo que o vento carrega, o furacão não arranca as árvores que têm sólidas raízes. Ao contrário são as palhas vazias que a tormenta agita, são as árvores vacilantes que a força dos turbilhões abate. Contra esses o apóstolo S. João manifesta a sua repulsa, dizendo: “Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, sem dúvida teriam ficado conosco” (1Jo 2,19).

      Capítulo X – Origem e maldade das heresias

      1. A origem de onde nasceram freqüentemente e continuam nascendo as heresias é a seguinte: há mentes perversas e sem paz, que, discordando em sua perfídia, não podem suportar a unidade. O Senhor, por seu lado, respeita a liberdade do arbítrio humano, permite e tolera que isto aconteça, a fim de que o crisol da verdade purifique os nossos corações e as nossas mentes, e, na provação, resplandeça com luz inequívoca a integridade da fé.

      2. O Espírito Santo nos previne, por meio do Apóstolo: “Convém que haja heresias para que entre vós se tornem manifestos os que resistem à prova” (1Cor 11,19). Assim, aqui mesmo, antes do dia do juízo, são divididas as almas dos justos e dos perversos e as palhas são separadas do trigo.

      3. Esses são os que, por própria iniciativa e sem chamamento divino, se põem a encabeçar temerários grupinhos. Contra toda a lei da ordenação, se constituem superiores e, sem que ninguém lhes dê o episcopado, se atribuem a si mesmos o nome de bispos. A eles faz alusão o Espírito Santo, no Salmo, falando dos que estão sentados em cátedras de pestilência, porque são peste infecciosa da fé. Mestres na arte de corromper a verdade, eles enganam com bocas de serpente, vomitando de suas línguas pestilentas peçonhas mortíferas. Os seus discursos brotam como chaga cancerosa, o trato com eles deixa no fundo de cada coração um veneno mortal.

      Capítulo XI – O Batismo cismático

      1. Contra esses homens brada o Senhor, para afastar ou retirar deles o seu povo desviado: “Não escuteis os sermões dos pseudoprofetas, porque vivem iludidos pelas alucinações do seu coração. Falam, mas não as palavras do Senhor. Aos que rejeitam a palavra de Deus dizem eles: tereis a paz, vós e todos os que andam segundo as próprias vontades. Não virá mal algum, ainda sobre aqueles que seguem os erros do próprio coração. Eu não lhes falei e eles vão profetando. Se tivessem atendido ao meu conselho, ouvido as minhas palavras e as tivessem ensinado ao meu povo, eu os teria convertido dos seus perversos pensamentos” (Jer 23,16-22).

      2. E de novo fala deles o Senhor: “Abandonaram a mim, que sou a fonte da água viva, e escavaram para si covas escuras, que nem podem dar água” (Jer 2,13 [Nota: Tradução literal do texto latino antigo. As versões tiradas do hebraico dizem: “cisternas fendidas, que não retêm a água”]).

      3. Enquanto não pode haver senão um Batismo, eles pensam que podem batizar. Abandonaram a fonte da vida e ainda prometem a graça da água que dá a vida e a salvação. Lá os homens não são purificados, mas, ao contrário, mais poluídos. Lá os pecados não são perdoados, mas, antes, aumentados. Aquele nascimento não gera filhos para Deus, mas para o demônio.

      4. Os que pretendem nascer por meio da mentira não recebem absolutamente as promessas da verdade. Gerados pela perfídia, não alcançam a graça da fé. Aqueles que, no delírio da discórdia, quebraram a paz do Senhor, não podem chegar ao prêmio da paz.

      Capítulo XII – “Onde dois ou três…” (Mt 18,20)

      1. Alguns se enganam a si mesmos com uma presunçosa interpretação das palavras do Senhor, que disse: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles” (Mt 18,20).

      2. São falsificadores do Evangelho e intérpretes mentirosos. Apegam-se ao que é dito depois, esquecendo o que foi dito antes, lembram-se de uma parte da frase e, astutamente, deixam do lado a outra. Assim como eles se separaram da Igreja, do mesmo modo truncam o sentido de uma única sentença.

      3. De fato, o que queria dizer nosso Senhor? Para inculcar aos seus discípulos a união e a paz, diz ele: “Eu vos afirmo que, se dois de vós concordarem na terra em pedir qualquer coisa, ela lhes será outorgada por meu Pai que está nos céus” (Mt 18,19). E continua: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles”, mostrando que o que mais vale na oração não é o número dos que oram, mas a sua união de espírito.

      4. “Se dois de vós concordarem na terra”, diz ele. Antes exige a união, põe na frente a paz: o seu primeiro e mais firme preceito é que entre nós haja acordo. E como poderá estar de acordo com alguém aquele que está em desacordo com o corpo da Igreja e a totalidade dos irmãos?

      5. Como poderão estar reunidos dois ou três em nome de Cristo, se é patente que estão separados de Cristo e do seu Evangelho? De fato não somos nós que nos apartamos deles, mas eles de nós. E quando, em seguida, formando entre si vários grupos, deram origem a heresias e cismas, abandonaram a cabeça e a fonte da verdade.

      6. O Senhor quer falar da sua Igreja e dirige aquelas palavras àqueles que estão na Igreja, dizendo que, se dois ou três deles estiverem concordes, como ele ensinou e mandou, e se reunirem em um só espírito para rezar, embora sejam só dois ou três, impetrarão da majestade de Deus o que pedem.

      7. “Onde quer que se encontrem reunidos em meu nome dois ou três, eu mesmo estou com eles”, quer dizer com os simples, com os pacíficos, com os que temem a Deus e observam os seus preceitos. Com esses, ainda que não fossem mais do que dois ou três, prometeu que estaria, assim como esteve com os três jovens na fornalha ardente, e, porque permaneciam simples com Deus e unidos entre si, até no meio das chamas, os animou com uma brisa de orvalho (Dan 3,50).

      8. Do mesmo modo esteve presente aos dois Apóstolos encerrados na cadeia, porque eram simples e unânimes. Ele mesmo abriu as portas do cárcere e os conduziu de novo à praça para que pregassem à multidão a palavra que tão fielmente anunciavam.

      9. Por conseguinte, quando o Senhor coloca entre os seus preceitos estas palavras: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles”, não quer separar os homens da Igreja, pois ele mesmo instituiu e formou a Igreja, mas ao contrário, repreendendo os pérfidos pela discórdia e encarecendo, com a sua própria voz, a paz aos fiéis, quer mostrar que ele está mais com dois ou três que oram unânimes, do que com muitos que oram na dissidência, e que obtém mais a prece concorde de poucos que a oração sediciosa de muitos.

      Capítulo XIII – Não achará a Deus propício quem não está em paz com o irmão

      1. Por isto, quando ensinou o modo de orar, acrescentou: “Quando estiverdes em pé para orar, perdoai, se por acaso tendes mágoa contra alguém, a fim de que o vosso Pai que está nos céus vos perdoe também os pecados” (Mc 11,25). E se alguém vier ao sacrifício, estando de mal com alguém, ele o afasta do altar e ordena que, antes, se ponha de acordo com o irmão, e só depois volte em paz para oferecer a Deus a sua dádiva [Cf Mt 5,24].

      2. Deus não olhou aos presentes de Caim [Gên 4,5], porque aquele que, pelo rancor da inveja, não tinha paz com o irmão, não podia encontrar a Deus propício.

      3. Que espécie de paz podem pretender os inimigos dos irmãos? Que sacrifício pensam eles oferecer, enquanto não são que rivais dos sacerdotes? Julgam que Cristo esteja presente nas suas reuniões, enquanto se reúnem fora da Igreja de Cristo?
      ________________

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      FERNANDA VOCÊ TINHA QUE TER ERA VERGONHA NA CARA.

      FALAR PARA HELEN DEIXAR A IGREJA CATÓLICA!

      AGORA EU TI PERGUNTO FERNANDA?

      SAIR DA IGREJA CATÓLICA QUE TEM 2000 MIL ANOS PARA IR EM QUAL DAS 50 MIL SEITAS NO BRASIL?

      AS QUE PREGAM QUE JESUS CRISTO NÃO É DEUS?

      OU AS SEITAS QUE PREGAM QUE MESMO QUE VOCÊ MATE ROUBE E ADULTERE VOCÊ QUANDO MORRER NÃO VAI PRO INFERNO POIS DEUS É SEU PAI E VAI TI PERDOAR?

      ME DIGA FERNANDA SAIR DA IGREJA CATÓLICA PARA IR PARA ONDE?

      AS SEITAS PROTESTANTES QUE PREGAM DINHEIRO BEL PRAZER COISAS FÁCEIS EM QUE VOCÊ SÓ BASTA PEDIR E SERÁ ATENDIDO?

      ME DIGA FERNANDA SAIR DA IGREJA CATÓLICA?

      PARA SEGUIR PROTESTANTES QUE ACABARAM COM A EUROPA

      A FAVOR DE CASAMENTOS GAYS SEITAS QUE PREGAM A EUTANÁSIA ?

      SEITAS QUE PREGAM O RACIONALISMO SEITAS QUE APODRECERAM OS ESTADOS UNIDOS?

      VAI ESTUDAR ANALFABETA FERNANDA.

      EU TI ASSEGURO QUE QUEM CONHECE UM POUCO DA DOUTRINA CATÓLICA JAMAIS DEIXARIA A IGREJA CATÓLICA PARA ENTRAR NESSAS DENOMINAÇÕES SATÂNICAS

      AGORA NÃO ME VENHA UM PROTESTANTE VIM ME DIZER QUE A IGREJA DA MACONHA E DE HOMOSSEXUAIS ENTRE MILHARES DE OUTRAS NÃO É PROTESTANTES TODAS SÃO SIM PROTESTANTES E NASCERAM DO LIVRE EXAME BÍBLICO

      ACORDA PRA VIDA FERNANDA VAI ESTUDAR COISA QUE VOCÊ NUNCA FEZ NA VIDA!

      PARA DEPOIS VOCÊ VIM FALAR ASNEIRAS

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      Fernanda, vai aprender o que é ser um proteste.

      Vai aprender a sua origem que tristemente foi célebre pela imoralidade e pelo o ódio, vai conhecer também Fernanda a sua revolta que por Lutero se propagou através do mundo, continuando em toda parte a sua obra destruidora.

      Fernanda se o protestantismo fosse verdadeiro seria uma só denominação uma e não divididas em doutrinas satânicas conheça
      FERNANDA CONHEÇAS O DIABO, LUTERO E O PROTESTANTISMO
      Pois são bem uma trindade inseparável, constitutiva de uma só obra.

      O diabo inspirou Lutero, e este ao protestantismo. O protestantismo é ligado a Lutero e, por ele, é ligado ao demônio.
      É uma obra demoníaca, como o leitor aqui do site ecclesia militans poderá ver nas páginas esta obra como tal, apoiando-nos sobre os próprios autores protestantes, insuspeitos de conivência com os católicos, para rebaixarem a seita que eles mesmos professa, mas da qual se envergonham.

      1. JULGADO POR SI MESMOS

      Apenas dado o sinal e o exemplo da revolta contra a Igreja, por Lutero, eis que cinqüenta comparsas invejosos de seus resultados se atiram na mesma senda. Não é a saúde que é contagiosa, é a moléstia, e, sobretudo, a epidemia da revolta. Eis esses homens, os mais pervertidos entre os humanos, – pois é sempre dos fundos que surge a revolta, – eis os chefes da libertinagem, da devassidão e da mentira, a se proclamarem, para ocultar seus vícios, os novos apóstolos de um DEUS DE PAZ E DE UNIÃO. Em vez de pacificarem os povos e de darem o exemplo da união, insultam-se uns aos outros, injuriam-se, ameaçam-se e se brindam com palavras mau torpes e com as mais infames acusações. Chamam sobre a cabeça uns dos outros, todas as excomunhões das leis e todas as vinganças do céu. Os próprios discípulos de Lutero denominaram-no: “novo Papa, novo Anticristo” e o pai retribui-lhes graciosamente semelhantes títulos, apodando Zwinglio de falso profeta, barqueiro, porco, herege. E este último respondeu-lhe: “Tão certo como Deus é Deus, não lha dúvida que Lutero é o diabo”.Calvino diz que Bucero, também discípulo de Lutero, se comprazia nas vias tortuosas e escuras, e que Ossiandro era um homem de conversação licenciosa e de moral infame.Melanchton acusa Carlostadt de ser um brutal e um ignorante, mais judeu do que cristão. Lutero tinha razão, quando dizia de todos os seus amigos: são miseráveis, não se entendem entre si, e Deus, para ensino nosso, deixa que se mordam, se despedacem e de devorem uns aos outros”. Mais uma vez: eis o mestre e seus primeiros discípulos que devem reformar os abusos da Igreja Católica e nela introduzir a união, a concórdia, a paz, o verdadeiro espírito do Cristo. Oh! Dizei a verdade, protestantes sinceros: será isso possível? Pode Deus servir-se do lodo para aformosear e purificar a verdade: Pode querer extirpar abusos com grosserias, imoralidades, insultos e provocações orgulhosas: Entretanto, tudo o que acabo de dizer é historicamente provado. Para maior certeza, não cito autores católicos, mas unicamente protestantes. Onde estará a verdade: Será com o Papa que, calmo e piedoso, permanece no trono dde Pedro acima das ondulações, das paixões, dos interesses, ou com Lutero, a personificação das paixões mais baixas, das torpezas mais ignóbeis e das ambições mais vergonhosas: Ficar no incerto, no vago, é impossível, É preciso escolher! Ou Pedro ou Lutero… ou Jesus ou Barrabás! Basta isto para ajuizarmos com segurança do valor de todos esses pseudo reformadores, com dados fornecidos pelo próprios chefes da grei. E, no entanto, esses homens, tais como acabamos de representá-los, tiveram naquele tempo um êxito imenso… Qual a causa deste resultado?Deixemos que nos respondas um historiador protestante de renome, o Sr. Monod (Revue Historique l. 49. 1892): “A reforma, diz ele, foi um movimento destruidor do Cristianismo positivo e do princípio de autoridade em matéria de fé. Ela não passa de uma série e de uma coleção de formas religiosas do livre pensamento”. Quanto, porém, aos motivos determinantes da reforma, é o próprio Calvino que escreve: “Ente cem evangélicos, apenas se achará um que se tenha feito evangélicos por outro motivo que não seja o de poder entregar-se com maior liberdade a toda a sorte de voluptuosidades e incontinências” (Com. In II Ep. P. 53). E Frederico, o Grande, assim se exprime nas suas Memórias de Brandenburgo“Quando se reduzirem a princípios simples as causas do progresso da reforma, ver-se-á que na Alemanha foi a OBRA DA AMBIÇÃO E DO INTERESSE; na Inglaterra, a OBRA DO AMOR; e na França, a OBRA DA NOVIDADE”. Falando da Inglaterra, eis o que diz um outro historiador protestante: “Para guardar o devido respeito ao meus país, eu desejaria não falar dos úteis motivos que produziram a REFORMA: todos, porém, sabem que o motivo dói a paixão ilegítima de Henrique VIII por Ana Bolena”. E é sempre assim: A passagem de um membro da Igreja Católica para uma seita é, às mais das vezes pelo caminho do vício ou da ignorância Pelo contrário, a do membro de uma seita para a Igreja É SEMPRE PELO CAMINHO DO ESTUDO E DA VIRTUDE. Eis, queridos protestantes, bem provado pelo bom senso e pela história, que Lutero não é um REFORMADOR mas um DEFORMADOR, um revoltoso. Não passa de um vulgar socialista ou comunista moderno, dando à sua rebelião uma capa religiosa, que só serve para melhor enganar os incautos. Lutero é um frade apóstata, minado pelo orgulho e pela libertinagem. Abriu a porta da dissolução numa época favorável,quando existiam uns abusos particulares, que serviram de pretexto à revolta. O apóstata arrancou do seio da Igreja Católica nações inteiras, para lançá-las nos escarcéus da discórdia, da agitação e do desespero… mas a Igreja de Pedro continuou sua marcha triunfante através dos séculos, produzindo milhares e milhares de SANTOS, enquanto a igreja DEFORMADA, não soube ao menos produzir uma simples irmã de caridade.Lembrem-se disso os protestantes de boa fé, e volvam os olhos para o farol da verdade, edificado sobre a pedra fundamental que é Jesus Cristo. E esta pedra nunca precisou, nem nunca precisará de reforma, porque é divina.
      Tu es Petrus. Tu és Pedro, ou pedra, e sobre esta pedro edirficarei a minha Igreja. Notai bem: MINHA e não a de Lutero.

      2. A SENTENÇA DE MORTE

      O protestantismo nasceu AMORTALHADO… mais que isso:encaixotado como num ataúde.
      À primeira vista parece paradoxal tal asserção, porém, refletindo-se bem, ver-se-á logo que é rigorosamente certa.
      O protestantismo nunca teve, nem pode ter vida real, pelo motivo muito simples de que ele é uma negação; e esta é necessariamente uma falta, privação, ausência de qualquer coisa; e isto não pode subsistir em si; só existe como acidente, em outro objeto subsistente.
      Que é, pois, um protestante?
      É um mau cristão, um apóstata da verdade, um renegado da fé seguida pelos seus pais, insurgindo-se contra o ensino e a autoridade da Igreja e da tradição universal.O protestante, quando muito, pode ser considerado como mau cristão, como cristão negador da autoridade que forma a base do cristianismo.
      Mas o protestantismo não existe; existe, sim, o protestante, o indivíduo apenas.
      Não há moléstias, diz a ciência, só há doentes, porque sendo a moléstia a privação da saúde, , torna-se a negação de uma coisa existente: e a NEGAÇÃO não existe.
      Assim, o protestantismo, que é a privação da obediência à autoridade da Igreja, torna-se uma negação e tal fato não se sustenta por si; somente pode existir num cristão que deixou de ser bom, como o enfermo pela moléstia deixa de ser homem sadio.
      Este vício da revolta nasceu na pessoa de Lutero. E foi por ele transmitido ao século, como foram transmitidos os vícios da bebida, do jogo, da cocaína, etc.
      Os maus cristãos, cegos pela ambição ou licenciosidade, para tranqüilizarem a consciência, ou melhor, como disse Calvino, PARA PODEREM ENTREGAR-SE COM MAIOR LIBERDADE A TODA SORTE DE VOLUPTUOSIDADE E INCONTINÊNCIAS (Com. In II Ep. P.63), lançaram contra Cristo e a sua Igreja o brado de revolta, de insubordinação, constituindo-se em seita de PROTESTANTES.
      Tal seita congregou em redor de seu estandarte todos aqueles que se sentiram desejosos de libertar-se do jugo moralizador da lei do Cristo e da Igreja.
      Mas a revolta é um turbilhão que passa, por si também não pode existir, mas se apóia nas paixões desenfreadas dos homens.
      Eis porque digo que o protestantismo nasceu AMORTALHADO. Nunca chegou a formular um Credo religioso.
      Nunca os protestantes souberam com exatidão o que precisam crer ou rejeitar. Quando uma das MIL SEITAS diz “creio” – uma outras responde logo: nego. Quando esta fala: “está errado”, aquela contesta protamente: “é a verdade”.
      Não se pode nem formular a crença, nem os erros protestantes. É pior que a Torre de Babel: é uma BALBÚRDIA indecifrável.
      Em regra geral pode-se dizer que o erro fundamental é a negação de toda a autoridade, fixando o sentido da Sagrada Escritura, e a negação de tudo o que ensina a tradição.
      Isto teoricamente.
      Praticamente, cada vendedor de Bíblias, ontem padeiro, sapateiro ou negociante de feijão e charque, pretende fixar a explicar o sentido da Bíblia e substituir a tradição pelas suas próprias idéias.
      Negam… e afirmam; rejeitam a autoridade, e se constituem autoridades.
      BIBEL… BABEL diria o alemão. A Bíblia é uma verdadeira Torre de Babel.
      Em tais condições, como foi que o protestantismo se espalhou, pelo mundo, conquistando adeptos e sequazes?
      Convém notar bem o fato.
      Não foi o protestantismo, que se espalhou; foi o vício, a revolta, o espírito vesgo de independência; e esta revolta se rotulou de “protestantismo”, como a loucura moderna se denomina “espiritismo”
      O vício foi de todas as épocas. Ele é o micróbio, o parasita da natureza humana decaída… mas vício é vício; o termo soa mal aos ouvidos.
      Vêm os REFORMADORES ou DEFORMADORES, que lhe colam um rótulo mais atraente.
      A revolta chamar-se-á PROTESTANTISMO, a loucura terá o nome de ESPIRITISMO, o ódio à Igreja receberá o nome de MAÇONARIA e a barbárie denominar-se-á COMUNISMO.
      É como para certos indivíduos, que confundem fineza com grosseria, bondade e fraqueza, piedade e beatice ou carolice, modéstia e acanhamento; assim para certa gente impudor é moda, indecência é educação e namoro é passatempo.
      Ai do pobre dicionário; porém a culpa não é dele.
      É o vício que procura trajar o vestido da virtude ou pelo menos disfarçar sua hediondez.
      Tal é o protestantismo.
      Pois bem, o vício não existe; o que existe é o homem viciado.
      O protestantismo também não existe; é o homem revoltoso que existe, e tal homem nasceu amortalhado, encaixotado no lúgubre esquife, prestes a ser levado ao cemitério para a sepultura.
      Se não o foi logo, é porque o vício lançou raízes fundas no coração e na alma, e estes vícios foram alimentando a hidra protestante, que enfim esá no estertor da agonia.
      O protestantismo de hoje não passa de prolongado enterro!

      3. UM MORTO AINDA VIVO

      Nos parágrafos precedentes tenho atirado ao protestantismo acusações gravíssimas e adiantada afirmações super gravíssimas.
      É preciso prová-las.
      Provemo-las e tiremos as conclusões das premissas enunciadas, pois não quero que os “amigos” da Bíblia me acusem de caluniador.
      O protestantismo não é uma doutrina POSITIVA; não ensina nada de novo do lado bom que a Igreja Católica já não tenha ensinado.
      É uma doutrina NEGATIVA, negando uma parte da verdade e rejeitando o que não concorda com suas paixões e seus caprichos.
      É um PARASITA na árvore da Igrej; é um inseto roedor dos seus frutos.
      Um parasita não vive por si, sustenta-se da vida dos outros.
      Os parasitas do corpo humano só vivem, enquanto o sangue circula; o parasita das plantas só vive, enquanto a seiva as alimenta.
      O protestantismo é o parasita da Igreja Católica; procura alimentar-se do sangue dos fiéis da Igreja do Cristo.
      Felizmente o jardineiro, que é o Papa, viu o parasita e arrancou-o da árvore, lançando-o por terra, onde agora procura viver da poeira que lhe traz o vento e o húmus lançado pelas tempestades das paixões humanas.
      É um eterno moribundo… é um MORTO VIVO.
      Para poder viver, o protestantismo, desde o berço até o túmulo, para onde está baixando hoje, ciente de ser um parasita, enxertou-se nas coroas dos reis e dos Príncipes, para delas tirar a vida e a existência.
      Este é um fato histórico.
      Na Alemanha identificou-se com o império. O Kaiser alemão era o Papa dos luteranos.
      Na Inglaterra, desde Henrique VIII até hoje, o rei da Inglaterra é o Papa dos anglicanos.
      Enquanto estas cabeças coroadas deixam o protestantismo chupar-lhes o sangue, e o protegem, a seita parece viver ainda; desde, porém que arranquem o parasita, este morrerá, secará, pulverizar-se-á ou se transformará em podridão.
      Num momento que se erigiu em Worms, na Alemanha, em honra de Lutero, lêem-se as seguintes palavras, com que os mesmos protestantes, sem o quererem, condenaram a obra do seu corifeu.
      “Se foi obra de Deus: permanecerá”!
      “Se foi obra humana, perecerá”!
      Que ficou da obra de Lutero?
      Nada, ou melhor, os escombros.
      O protestantismo já não existe, dizem os protestantes.
      O sábio teólogo, Dr. Krogh Tonning assim se exprime: “Há um fato, cuja realidade evidente só pode escapar a espíritos obcecados. Este fato é que atualmente a igreja protestante se encaminha fatal e progressivamente para a sua completa destruição. Basta estudar o que se passa no seio desta igrejola para reconhecer a assinatura do tempo, nesta palavra sinistra sem equívoco; DETRUIÇÃO”
      E não são vozes isoladas de pessimistas que assim falam. Um membro do Reichstag alemão, em um dos últimos debates religiosas, fazia a mesma triste confissão:
      “Não se poderia mais achar a igreja luterana em toda a Alemanha, ainda que, para achá-la, em pleno dia se tivesse na mão a lanterna de Diógenes”.
      O Sr. Dammann, pastor de Essen, lança o seu grito angustiado: “Se este progresso dissolvente das crenças continuar, daqui a pouco soará a derradeira hora da nossa igreja”.
      O Dr. Lemme, afamado professor protestante, por sua vez diz: “O protestantismo moderno, destruindo fundamentalmente todos os dogmas, já não tem nenhum traço de união com o cristianismo evangélico”.
      Na Alemanha, na Suiça, em todos os países protestantes, escreve ainda o Dr. Krogh Tonning, verifica-se a triste palavra do Dr. Zahn: TUDO SE DISSOLVE, A IGREJA HISTÓRICA DA REFORMA JÁ NÃO EXISTE, VAMOS DIREITO AO PAGANISMO.
      Ainda bem que não sou eu quem o diz, e sim os mestres protestantes.
      O protestantismo é um cadáver, apodrecido pelo próprio vício que o arrancou do seio da Igreja.
      É um cadáver vivendo na pessoa daqueles que o carregam aos ombros.
      Como seita, está morto o protestantismo: só vive como vício, pelo espírito de revolta e de ódio à Igreja Católica.Os próprios protestantes sentem isso tão bem que as suas pregações consistem em atacar, caluniar a Igreja Católica e repetir velhas objeções mil vezes pulverizadas.
      Quanto à exposição doutrinal e ao desenvolvimento de uma lição de moral prática, nisto não pensam; nem sequer lhes vem a idéia. E se esta lhes acode, não sabem o que escolher na BALBÚRDIA de duas contradições.
      Prova clara de que o protestantismo está bem morto; existe apenas de NOME. E este rótulo serve de disfarce para encobrir a ignorância e a indiferença religiosa, para não dizer o que é aplicável a certos indivíduos; os seus vícios, os seus interesses sórdidos ou seu orgulho.
      Todos esses vícios, feios demais para se apresentarem de cara limpa, revestem-se da máscara protestante que, apesar de não valer mais que o original, possui ao menos um título de apresentação conhecido.
      Pobres protestantes… o tal protestantismo não passa de um cadáver em putrefação que carregais sobre os ombros., Sois vós que viveis, vós e vossa ignorância ou indiferença religiosa, que procurais encobrir sob os farrapos e os destroços do protestantismo.
      Sois filhos de católicos, talvez fostes católicos, deixando-vos então iludir por qualquer pregador americano remunerado, ou qualquer desmoralizado na própria pátria, à procura de fama e de ouro em terras distantes.
      O amor à novidade sempre conquista algum adepto, e o DÓLAR faz o resto, no espírito daqueles que consideram a religião como uma espécie de credo político.
      Amigo, carregai por lá o cadáver protestante; aqui no Brasil o sol é luminoso demais para esconder o fantoche luterano.

      4. SIMULACRO DE RELIGIÃO

      Provei já uma parfte de minhas asserções; vamos ao restante.
      Peço notar que nunca me sirvo de provas apresentadas por autores católicos.
      Tais autores falam a nós católicos, não se dirigem aos protestantes; cito, pois, aqueles que falam aos protestantes: autoridades e sábios protestantes; quisera citar SANTOS PROTESTANTES, como os Romanos citam santos romanos; infelizmente, o protestantismo, como disse Erasmo ( http://www.geocities.com/cobra_pages/fm-erasmo.html?200514), nunca chegou nem a fazer um homem honesto e sequer a curar um cavalo coxo.
      Seus santos são Lutero, Calvino & Cia.;a obra de Lutero foi toda de destruição, sem nada edificar.
      O vão simulacro de religião, que estabeleceu, só serviu de pretexto a todas as loucuras humanas.
      “Os costumes que vim reformar, diz ele, ficaram mais corrompidos. O mundo piora dia a dia, e fica mais malvado”
      “Os homens estão hoje mais açulados à vingança, mais avarentos, mais faltos de misericórdia, menos modestos e mais incorrigíveis e maus que no papismo”
      Pobre reformador! Foi obrigado a dar esta certidão ao papado, e a reconhecer que, em vez de reformar, deformou a humanidade.
      “Coisa assombrosa, escreve ele ainda, quanto é escandaloso ver-se que, depois que a reforma entrou, o mundo vai diariamente de mal a pior”
      Pobre Lutero, como não devia morder os lábios! E ele continua: “Os nobres e os rústicos chegam a dizer que não precisam de pregação e que não pagam um vintém por todos os nossos sermões juntos… Vivem como crêem: são e ficam porcos e morrem como verdadeiros suínos”
      “Há ainda chaga mais deplorável: “Os pastores, sim:os próprios pastores que sobrem ao púlpito, são hoje os mais vergonhosos exemplos da perversidade e de outros vícios. Daí os seus sermões não terem mais crédito, nem mais autoridade que as fábulas recitadas por um histrião. E esses srs. ousam queixarem-se de que os desprezam e os apontam a dedo, para ridicularizá-los. Por mim, admiro-me da paciência do povo e não sei porque as crianças e o povo não o cobrem de lama!”
      E dizer que estes dignos pastores que hoje valem um pouco menos do que no tempo de Calvino e Lutero, tenham o topete de gritar contras os abusos do clero católico!
      MEDICE, CURA TEIPSUM (Médico, cura-te a ti mesmo). É bom que tais médicos se curem a si mesmos, porque estão mortalmente enfermos. Eis o que era o protestantismo e o pastor protestante no fervor da reforma… Eis os modelos, os apóstolos do protestantismo.
      Conclusão: O protestantismo, em vez de melhorar a situação, perverteu os homens e semeou, de mão cheia, e revolta e a corrupção.
      Já que os próprios fundadores do protestantismo confessam isso, resta-me apenas provar que a obra de Lutero conserva ainda o seu nome por puro hábito, por força da rotina; o protestantismo NÃO EXISTE MAIS HÁ MUITO TEMPO.
      Vamos de novo procurar as provas nas palavras dos chefes da reforma.
      Eis o que se lê no memorial dos calvinistas de França, publicado em 1775: ” Estamos hoje bem distanciados do caminho que nos abriaram os nossos maiores no começo do século XVI. Poucos discípulos seguem entre nós Calvino e Lutero; nosso partido, picado em mil partidos diferentes, não é reconhecível em parte alguma; os nossos próprios filhos são nossos adversários… “; não sabemos de quem somos nem debaixo de que bandeira marchamos. Hoje, indiferentes, amanhã cristãos, somos ora pela religião natural, ora pelo revelada… os nossos próprios ministros são abalados em suas crenças”.
      É bastante significativa uma confissão tal, feita por um grupo de sumidades protestantes.
      Eis o que é mais expressivo e mais positivo ainda. É o jurisconsulto prussiano, M. Schmaltz, que resume tudo o que acabamos de ouvir e de dizer.
      “À força de reformar e de protestar, diz ele, o protestantismo reduziu-se A UMA LINHA DE ZEROS, ANTES DOS QUAIS NÃO HÁ ALGARISMOS”.
      “Eu me encarrego, diz outro ministro protestante M. Harens, de escrever, na unha do meu polegar, todas as doutrinas unanimemente admitidas entre nós”.
      Podiam multiplicar-se tais citações ao infinito, mas é o bastante para provar a nossa tese: o protestantismo não existe mais; existe apenas um simulacro de religião, uma espécie de capa, debaixo da qual se abrigam a ignorância, a indiferença, o ateísmo e todos os vícios.
      Não há mais do que isso.
      De fato, o que acabamos de ver, não são suposições, ou acusações partidas dos católicos, são queixas e confissões feitas pelos altos luzeiros do protestantismo.
      Os católicos, de certo, não falam de outro modo, nem podem falar diferentemente, pois os fatos são públicos, universais, históricos, de modo que qualquer homem instruído os conhece e confirma estas alegações.
      Eis o que dizem os escritores católicos:
      “A igreja protestante da Alemanha, diz M. Rose, advogado na universidade de Cambridge, NÃO PASSA HOJE DA SOMBRA DE UM NOME”
      “As quimeras e sonhos que esses ousados renovadores pretenderam fazer passar por verdades, diz de Heronveller, foram mudadas, interpretadas, modificadas hoje ao sabor das paixões humanas e não existem mais senão como monumentos históricos. Os propagandistas protestantes conhecem muito bem a morte de sua seita, mas, ricamente pagos para venderem Bíblias e recolher assinaturas de aderentes, procuram enganar os ignorantes, os pobres, os pequenos e até os desequilibrados, para poderem transmitir ao centro da propaganda biblista a lista de suas conquistas. Peço-vos, queridos amigos, que não vis deixeis iludir; repeli com altivez os fariseus que vos oferecem os trinta dinheiros pelo Cristo, isto é, pela vossa fé e vossa alma”

      5. A MIXÓRDIA PROTESTANTE

      A UNIDADE é a marca característica da verdadeira RELIGIÃO, porque a verdade é UMA, e a religião sendo como é, a relação existente entre Deus e a criatura, deve necessariamente ser UMA, como deve ser UMA a Igreja que essa religião representa.
      “A unidade, diz Santo Agostinho, é a marca de tudo que é belo, grande e divino”
      “Fomos batizados, diz São Paulo, para formarmos um só corpo e termos um só e mesmo espírito… não deve haver divisões no corpo. Há somente um SENHOR, uma FÉ, um BATISMO. Há somente um Deus, Pai de todos, que está cima de todos” (I Cor 12, 13 – Efésios 4,3).
      A Igreja é Jesus Cristo prolongado, através dos tempos.
      Pois bem, o Cristo é sempre o mesmo; não muda, nem em sua PESSOA, nem em sua DOUTRINA.
      Que revela, à primeira vista, a divindade da Igreja Católica é a sua unidade.
      No mundo inteiro, em todos os países, climas e povos, o ensino católico é uniforme. O PAI NOSSO, que recitamos no Brasil, é recitado na Europa. O CREDO, cantado pelos católicos na América, é cantado na Europa, na Ásia, na África, na Oceania. O que o europeu católico crê e professa, o índio, o chinês, o africano e o mongol, católicos, crêem e professam, sem diferença de uma vírgula.
      A Igreja Católica é UMA, porque é a VERDADE.
      O protestantismo, ao contrário, divide-se em tantas seitas quantos aderentes conta… E, sem entrar em pormenores, pode-se afirmar; cada país tem um protestantismo particular.
      Cada Estado protestante possui a sua seita…
      Que digo! Cada cidade, cada rua, cada casa… apresenta alguma especialidade.
      NÃO HÁ PROTESTANTISMO, COMO RELIGIÃO, só há protestantes.
      E esta divisão sem fim é prova clara e insofismável de sua origem humana, de seus erros e deu sua falsidade.
      ==============
      Devemos resumir um assunto que daria para escreve volumes.
      Pergunto a qualquer homem de BOM SENSO: é possível ser a verdade dividida em milhares de partes, de modo que uma parte contradiga a outra, esta combata aquela, e a primeira seja o contrário da segunda?…
      Todos há de responder ser isto impossível: o que é BRANCO é branco e não pode ser PRETO ao mesmo tempo.
      Se no Brasil os matemáticos ensinassem que 2 e 2 fazem 5, na Europa que 2 e 2 fazem 3, e na China que fazem 6, todos gritariam com razão que a aritmética é uma palhaçada, que está errada, falsa, ou melhor, que não existe.
      Pois bem, é o que o protestantismo está fazendo; e isso não somente em três ou quatro contradições, mas em milhares e milhares de incoerências.
      Cada seita, cada ramos do protestantismo está em desacordo com os demais.
      Um jornal protestante, inglês, há mais de 30 anos, dizia: “Não se pode enunciar, sem corar de vergonha, nem ao menos a metade das seitas que, na Inglaterra, disputam à igreja episcopal o governo das almas!” (Monthley Review).
      Digam-me, será possível que a VERDADE, uma e indivisível, seja assim tão multíplice, ao ponto de haver tantas verdades quantas cabeças?
      E notem que cada uma destas seitas diz ter a VERDADE, a ÚNICA verdade… toda a verdade!
      Verdadeiramente, ou esta gente se diverte impudentemente com a verdade, ou não a conhece!
      A última opinião é a mais provável: não a conhece.
      É uma mixórdia, uma confusão completa… prova de que o protestantismo não existe, mas apenas existem protestantes…
      Nenhuma unidade, nenhum fundamento. A hidra luterana tem milhares de cabeças.
      Todas essas seitas aceitam o Evangelho com regra suficiente e, todavia, formulam SÍMBOLOS e impõem DOGMAS.
      Filhas do mesmo pai que renegaram, amaldiçoam-se, perseguem-se entre si, chamam-se reciprocamente de heréticas, fecham-se umas às outras as portas do céu.
      Se as interrogais, separadamente, encontrareis na realidade um Evangelho, mas não crentes; uma revelação, jamais, porém, cristãos.
      Luteranos amaldiçoam os anglicanos; os calvinistas excomungam os metodizaras; os chorões soluçam de raiva contra os tremedores; enquanto estes pulam irados contra os saltadores, os pentecostistas mandam para o reino dos urubus os presbiterianos; os puritanos ameaçam engolir vivos ou mortos os batistas…
      E tudo isso em virtude da mansidão evangélica e por se dizerem CRENTES EM JESUS.

      6. A MORAL PROTESTANTE

      Que afirmei da destruição que caracteriza o protestantismo leva-me necessariamente a falar de sua moral (se pode haver moral numa seita que só se ocupa em negar e destruir).
      O dogma e a moral, a doutrina e a vida, os princípios e a sua aplicação são inseparavelmente unidos na prática.
      O protestantismo abalou, pode-se dizer mais: rejeitou a parte dogmática, a doutrina, os princípios da religião de Jesus Cristo; deve necessariamente rejeitar a moral, a vida cristã, a prática da virtude que neles têm sua base, suas raízes e sua regra.
      E de fato assim é; assim foi desde os tempos do pai dos protestantes, Lutero, e de seus companheiros.
      Estou quase com receio de acumular novas acusações contra a pobre torre de Babel.
      Será melhor procurar nos autores protestantes passagens que provêm ser o protestantismo eminentemente imoral, imoralíssimo, uma escola de imoralidade.
      A acusação é grave.
      Vejamos as provas!
      ——————————
      Lutero pôs como princípio de sua doutrina: A FÉ SÓ, SEM AS OBRAS, JUSTIFICA O HOMEM.
      Eis o que Lutero escreveu a Melanchton:
      “Sê pecador e peca energicamente, mas seja tua fé maior que teu pecado… Basta-nos termos conhecido o Cordeiro de Deus que apaga os pecados do mundo; o pecado não pode destruir em nós o reino de Deus, ainda que prevariquemos e matemos mil vezes por dia”
      Desejam coisa mais clara e positiva no ensino protestante?
      Se um homem tivesse a loucura de pregar uma tal doutrina em plena rua, a polícia mandaria o pregador, em dois tempos, para o xadrez, pois seria exaltar o homicídio a ladroeira e todos os crimes.
      Eis, entretanto, o que Lutero teve a audácia de ensinar, e apresentar como REGRA DE VIDA.
      Por isso eles se chamam: “CRENTES EM JESUS, GRAÇAS A DEUS!”
      Então será isso a lei de Jesus, que dizia: Não matarás. Não escandalizarás. Não furtarás. Não cobiçarás a mulher do próximo?!
      Em quem devemos acreditar: em Deus ou em Lutero?
      Estão em flagrante oposição.
      ————————————-
      Mas continuemos: o leitor tirará as conclusões.
      Procuremos outros textos dos mestres protestantes.
      Diz Tomás Crisp, um dos discípulos dos reformadores: “O Senhor nada tem a imputar a um eleito para o céu, ainda mesmo que este andasse mergulhado nas profundezas da impiedade, nos excessos da devassidão e cometesse todas as abominações que podem ser cometidas!”
      Este é o comentário claro e cru do princípio: “Basta a fé para alguém salvar-se, de nada lhe valem as obras”
      Se os protestantes não andam pela rua, de revólver em punho e faca entre os dentes para matar e roubar os detestados romanos, não é por falta de conselhos perversos de seu pai Lutero, mas – justiça se lhes faça – é porque eles valem mais do que a religião que seguem.
      São honestos talvez, EMBORA SEJA PROTESTANTES, e não PORQUE são protestantes.
      A conclusão é inelutável: O protestante vale mais do que o protestantismo – e digo até que um protestante, por mau e perverso que seja, não se pode tornar pior que a sua religião.
      A prova está indicada acima.
      Para ser bom protestante, conforme a lei da reforma, BASTA TER FÉ, podendo depois (é Lutero quem o diz) prevaricar e matal mil vezes por dia.
      Quem chegará a isso?
      Nenhum protestante, de certo.
      Só mesmo o diabo.
      E não se diga que a conclusão ultrapassa os princípios.
      Eis as palavras de Lutero:
      “Jesus Cristo” diz o apóstata, “arranjou o coordenou as coisas de tal maneira que não existe pecado, além do da incredulidade” (edição de Leipzig. Tom. XIV nº. 128).
      “A fé”, disse ele em outra ocasião, “é uma coisa tal que, onde se encontra, nenhum pecado a pode prejudicar” (Walch: Ausgabe XII 18-28).
      “OS VERDADEIROS SANTOS”, diz ele, ”DEVEM SER BONS E VALOROSOS PECADORES”
      Os mesmos se dizem santos, não porque estejam sem pecado, ou porque se tornem santos por suas obras; ao contrário, eles, de si, em todas as suas obras, não são mais que pecadores e réprobos (Walch: edição de Jena T. VI. 199).
      Estais ouvindo, amigos protestantes?
      Barrabás é um santo protestante: só fez um homicídio.
      Judas é ainda um santo protestante: só vendeu o Cristo um vez.
      Merecem eles uma estátua ao lado de Lutero, Calvino, Zwinglio e Henrique VIII.
      Não ACUSO A PESSOAS – ACUSO A LEI PROTESTANTE. Os protestante são mil vezes melhores do que o sistema religioso que os prende… mas é pena que gente séria, que brasileiro de sangue e de fé esteja cegado pelo erro protestante, ou pelo ignorância que os levou a tais conseqüências.

      7. CONCLUSÃO

      Depois das considerações que precedem é tempo de perguntarmos a nós mesmos; pode haver entre os dissidentes de nosso meio ministros PROTESTANTES convictos de sua boa fé e sinceros?
      Penso que não!
      Pode haver ignorantes, indiferentes; mas protestantes de boa fé, é impossível haver no Brasil.
      A questão da vida futura é de uma importância tal que o h9omem de bom senso não pode quedar-se indiferente em face da sua solução.
      Cada um deve necessariamente ver e examinar, pelo menos, as razões de sua religião, os motivos de credibilidade ao seu alcance.
      Não é dado a todos, de certo, analisar profundamente estes motivos, mas todos podem submetê-los à luz do bom senso; e este deve existir em cada homem que não esteja louco.
      Todos compreendemos que Deus existe; que nossa alma existe igualmente; que Deus dirige tudo pela sua Providência; que devem, pois, existir relações entro o Criador e a Criatura; e que essas relações , que constituem a religião, devem ser ditadas por Deus e cumpridas pelos homens.
      Para isso, nenhum estudo é exigido; essas noções são do domínio da lei natural, do simples bom senso.
      Cada protestante devia, pelo menos, ver, indagar a origem da religião que recebeu de seus pais e da qual apostatou e notar os motivos da apostasia.
      Devia conhecer o fundador da pretensa REFORMA, indagar de suas credenciais e dos resultados alcançados…
      E quem faz isso entre os pobre protestantes?…
      Toda a religião entre eles consiste em repetir meia dúzia de objeções, mil vezes pulverizadas, sem querer ouvir a resposta.
      Se refletissem um pouco, compreenderiam que a única religião fundada por Deus é a Igreja Católica.
      Logo descobririam que a pretensa reforma é uma obra humana, datando apenas do século XVI, e feita por um homem, historicamente reconhecido por PÂNDEGO, DEVASSO e inimigo da verdade.
      Um tal indivíduo não somente é incapaz de reformar a religião, mas nem merece a estima e a veneração que devem premiar um reformador.
      Merece, sim, a compaixão de todos.
      Os protestante o sentem tão bem, que nunca tiveram a coragem sequer de honrá-lo. Nem ao menos se sentem animados a pronunciar o seu nome.
      Não, não pobres protestantes, a virtude não pode nascer do vício; a luz não pode vir das trevas, a pureza não sai da devassidão e a dignidade não se origina da revolta.
      Acima da trista figura de Lutero, a bela, radiante e doce fisionomia do sucessor de Pedro, o Papa, continua a ser o que sempre foi, a imagem da união, da paz e da virtude, dirigindo, através das vicissitudes dos tempos, os destinos da Santa Igreja de Jesus Cristo, como sendo o Cristo visível no meio dos homens.
      Esta Igreja – eles o sabem muito bem, pois nasceram católicos – nesta Igreja continua a florescer a virtude e a santidade.
      Cada ano são elevados às honras dos altares centenas de Santos, homens heróicos, que souberam levar até ao heroísmo a prática da virtude e da abnegação.
      Citemos apenas, entre milhares de outros, a mundial Santa Teresinha de Jesus, passando o seu céu – como ela o predisse – a fazer o bem na terra, por milhares de graças e milagres, que diariamente espalha sobre a humanidade.
      E o protestantismo, durante os seus 400 anos (na verdade agora, quase meio milênio) de existência, não soube produzir nenhuma alma de escol, nenhuma Irmã de Caridade, nenhum ministro casto, nenhum santo.
      É a esterilidade completa!

      Curtir

    • A.Silva disse:

      Caro Sra. Fernanda, qual das 220.000 seitas protestantes a Helen deve escolher para seguir ?

      A seita do aborto ?

      Do divórcio ?
      Do casamento entre pessoas do mesmo sexo ?
      Do culto das princesas ?
      Da unção da Vassoura ?
      Da unção do zoológico ?
      Da troca de anjos ?
      Da transferência de unção ?
      Daquela que nega que Jesus Cristo é DEUS ?
      Daquela que tem Jesus operador de Tv por assinatura ?

      Qual a Helen deve escolher de modo que não seja chamada de herege ?

      Pois todos acusam uns aos outros de hereges. E não há um só protestante que não tenha sido chamado de herege por outros protestantes.

      A quem a Helen deve escutar ?

      Ratiznger ou Terra Nova ?

      Madre Teresa ou Sonia Hernandez ?

      São Tomás de Aquino ou Malafaia da Bíblia de 900 pratas ?

      Santo Agostinho ou Santiago da toalha suada ?

      Padre Pio ou o lunático Terra Nova que patrocina a regressão ao útero materno ?

      São João Maria Vianney ou Soares que diz que ajudar os pobres desvia recursos da Igreja (do bolso dele) ?

      Santa Teresinha de Lexieux ou Culto das princesas ?

      Santo Inácio ou Valadões e Lagoinhas ?

      A Igreja dos 2.000 anos ou a seita da esquina ?

      A Igreja dos concílios ou as seitas dos dízimos pagos em dinheiro e os quais nunca foram pagos por Jesus ou pelos apóstolos ?

      Para que seita herética a Helen deve ir ?

      Qual delas que mencionamos acima é a tua Sr.Fernando ?

      Seria aquela que disse que o Papa João Paulo II era a besta do apocalipse ?

      Ou seria aquela que disse que Jesus voltaria em no ano de 2007 ?

      Qual destes ilustres pregadores é teu irmão em cristo ?

      No protestantismo é assim. Quando alguém se diz irmão em cristo de outro protestante e sabendo que os dois não concordam integralmente em matéria de fé e doutrina, portanto, necessariamente, ao menos um dois é herege, quem assim se declara, irmão em cristo de outro, é no mínimo cúmplice de suas obras más.

      Ou será que no protestantismo é válido que cada qual tenha uma opinião diferente para cada tema, como se Jesus tivesse mais de uma opinião para cada assunto ?

      Ou será que o rótulo é que salva e o importante é pertencer a qualquer igreja evangélica que pregue qualquer Jesus ?

      Mas não são vocês mesmo que dizem que placa de igreja não salva ?

      O que deve fazer a Helen ?

      Escolher a Igreja que cumpre a profecia bíblica(Bem aventurança de Maria) ou aderir a uma das milhares de seitas que não cumprem a profecia bíblica ?

      Curtir

    • Ney Oliveira disse:

      Oi Fernanda, olha realmente se os católicos se aprofundassem mais na historia do Cristianismo, sentiriam medo, há muitos mistérios no Vaticano, a Velha igreja esta se manifestando como os profetas falaram…não entendo o porque de tantas imagens cultuando o Sol. Catolicismo e cristianismo não são a mesma coisa.

      A ideia de que Maria teve apenas Jesus, legaliza dois absurdos, sobre a verdade bíblica
      do ponto de vista Românico.

      Todo católico é obrigado a pensar assim, porque caso contrario a virgindade perpetua de
      Maria cairia por terra bem como sua autoridade como mãe Santa e poderosa.
      Maria não tem poder, tem graça foi usada para um proposito pela sua retidão, assim
      como muitos Elias, Enoque, Abraão, Davi, Salomão e muitos outros grandes notáveis.
      Em Mateus 12: 42-50 Jesus refuta a ideia de que Maria é sua mãe, biologicamente sim, mas espiritualmente não. A essa Idade ele já sabia de seu proposito ” E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos;
      Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe. Mat 12; 47,50 e ainda anteriormente é afirmado no ver:46 ; E falado ele ainda a multidão, eis que estavam fora sua mãe e seus IRMÃOS, pretendendo falar-lhe, ou seja mais uma verdade a de que Jesus tinha irmão sim e a biblia deixa claro a distinção de irmão de fé e irmãos de sangue e amigos chegados. Ainda em Mateus no cap 13; 55,58
      Um homem maravilhado com a sabedoria com que Jesus pregava diz : Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
      E não estão entre nós todas as suas irmãs? De onde lhe veio, pois, tudo isto?
      E escandalizavam-se nele. Jesus, porém, lhes disse: Não há profeta sem honra, a não ser na sua pátria e na sua casa.
      E não fez ali muitas maravilhas, por causa da incredulidade deles?

      Jesus teve irmão e são Tiago, e José, e Simão, e Judas mais duas irmãs .
      Icontaveis são os milagres que Jesus operou mas a proria biblia afirma que o essecial
      nos foi revelados, não precisamos de mais livros pra mostrar nossa fé, o fato é que o catolicismo Romano é a legalização de interesses humanos. O VERDADEIRO INTERESSE DE DEUS é muito mais dificil dada nossa incredulidade, Larga é a porta e espaçoso é o caminho que nos leva a perdição, é muito facil ajoelha pra Santo assim eu não olho pro meu carater e muito menos leio a Biblia.

      Curtir

  5. EDMILSON disse:

    Meus irmãos católicos e católicas saibam que:

    A Igreja nasceu junto do colégio Apostólico, por isso São Paulo diz que em primeiro lugar na Igreja estão os Apóstolos:

    VEJA
    I Corintos 12
    28. Na Igreja, Deus constituiu primeiramente os apóstolos, em segundo lugar os profetas, em terceiro lugar os doutores, depois os que têm o dom dos milagres, o dom de curar, de socorrer, de governar, de falar diversas línguas.

    Sendo assim, nenhuma Igreja nasce sem esse fundamento Apostólico, agora malandro são os que pegam uma Bíblia e colocam debaixo dos braços, e saem por ai alugando uma portinha qualquer para fundar sua própria igreja, realmente esses malandros não tem o porquê ter Maria como mãe de sua igreja, pois não possuem fundamentos Apostólicos.

    Mas voltando ao assunto sobre Maria ser a mãe da Igreja, sabendo que a Igreja é constituída primeiramente com o colégio apostólicos, então vamos entrar para o lado espiritual começando pela Crucificação de Jesus Cristo.
    Saibas que naquele momento havia muitas pessoas ao pé da cruz, entre eles:

    VEJA

    Mateus 27
    56. Entre elas se achavam Maria Madalena e Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu.
    Marcos 15
    40. Achavam-se ali também umas mulheres, observando de longe, entre as quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José, e Salomé,
    João 19
    25. Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena.
    Bem meus irmãos Católicos, podemos ver ao pé da cruz nomes como:
    • Maria Madalena.
    • Maria de Cleofas.
    • Salome.
    • Entre outros.
    Mas observem uma coisa, entre todas as pessoas que estavam ali, só existia um membro do colégio apostólico, ou seja, um representante dos Apóstolos, esse representante era São João que segundo a tradição da Igreja Católica era o Discípulo Amado.
    E foi para esse representante do colégio apostólico que Jesus Cristo e sua mãe.

    João 19
    26. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho.
    27. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa.

    Meus irmãos e minhas irmãs saibas que foi nesse momento que a Virgem Maria se torna Mãe da Santa Igreja Católica
    A única do nosso Senhor Jesus Cristo, e saibas que sendo ela a Mãe do Redentor assim também ela é Mãe de toda a humanidade recriada pelo sacrifício do seu filho na cruz.

    O mais importante no fato de Virgem Maria ser a mãe da Igreja é que assim se cumpre duas profecias.

    VEJA
    Primeira:
    Gêneses 3
    15. Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar.”

    Segunda:
    Romanos 16
    19. A vossa obediência se tornou notória em toda parte, razão por que eu me alegro a vosso respeito. Mas quero que sejais prudentes no tocante ao bem, e simples no tocante ao mal.
    20. O Deus da paz em breve não tardará a esmagar Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!
    Em Gênesis há uma profecia de que a mulher esmagaria a cabeça da serpente, já em Romanos São Paulo diz que o Deus da paz usara a Igreja Romana para esmagar Satanás (Serpente), logicamente por que nós Católicos somos a única Igreja que possui a Mulher (Virgem Maria) como sendo sua Mãe.

    COMO ME ORGULHO DE SER CATÓLICO.

    Curtir

    • Helen disse:

      Parabéns Edmilson! Deus abençoe!

      Curtir

      • EDMILSON disse:

        BRIGADO HELEN!

        HELEN ME DIGA? VOCÊ ESTUDA OU CURSA OU JÁ É FORMADA NOS ESTUDOS DE PATRÍSTICA E DA HISTÓRIA PRIMITIVA DA CIÊNCIA FILOSÓFICA DE ESCRITORES PRIMITIVOS ? RESUMINDO VOCÊ É FORMADA EM HISTÓRIA OU UM DIA PRETENDE?

        FIZ ESSA PERGUNTA HELEN POIS VEJO EM VOCÊ UM GRANDE POTENCIAL IDEOLÓGICO! TENHO QUASE CERTEZA QUE VOCÊ É POETIZA E ESCRITORA POIS VOCÊ POSSUI UM GRANDE TALENTO VERBAL.

        Curtir

        • Helen disse:

          Olá meu caro Edmilson ,

          Eu escrevo apenas amadoramente. Minha motivação para escrever no Blog é o amor à Cristo e Sua Igreja. Gostaria muito de estudar Apologética à fundo, mas as únicas instituições especializadas por perto de onde moro são nos EUA. Eu vivo perto de Miami, no Caribe, mas em território Britanico. Você tem alguma recomendação de curso ai no Brasil?
          Paz de Cristo à você e aos Seus. Deus abençoe!

          Ps. Leu a notícia sobre a renúncia de nosso amado Bento XVI? Estou chocada! Pobre Santo Padre, quanta dor deve estar sentindo neste momento. Não esqueça de rezar por ele.

          Curtir

          • EDMILSON disse:

            Helen o nosso papa bento estava muito doente e fraco e quem estuda e ama a igreja católica entende a sua decisão e mais o papa bento ele explicou os seus motivos bola pra frente olha Helen na verdade, alguns papas na História da Igreja renunciaram o pontificado: Ponciano, em 235; Celestino V, em 1294; Gregório XII, em 1415 (havia sido deposto pelo Concílio de Pisa, depois renunciou espontaneamente). Com a renúncia de Gregório XII foi possível acabar com o chamado Cisma do Ocidente, quando a Igreja chegou a ter um papa legítimo (Gregório XII) e dois antipapas, um em Avignon na França e outro em Pisa.

            Curtir

          • EDMILSON disse:

            HELEN EXISTEM MILHARES DE FACULDADE E ESTUDOS PATRÍSTICOS AQUI NO BRASIL OLHA VOU TI PASSA O ENDEREÇO DO SITE DO PROFESSOR FELIPE AQUINO DA CANÇÃO NOVA ELE É MUITO BOM

            E VAI TI INDICAR CURSOS DE PATRÍSTICA E HISTÓRIA PRIMITIVA A FUNDO

            http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/

            ENTRE E FALE COM ELE

            TEM TAMBÉM O SITE DO PADRE PAULO RICARDO

            ESSE PADRE É UM DOS MAIORES APOLOGISTAS DO MUNDO

            ELE É MESTRE E DOUTOR EM PATRÍSTICA E HISTÓRIA PRIMITIVA VOU TI DA O SITE DELE E FALE COM ELE POIS ELE TAMBÉM DA AULAS

            E PODE TI INDICAR MUITA COISA

            http://padrepauloricardo.org/

            Curtir

  6. Marcelo disse:

    Nenhum protestante começou a chigar que milagre

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s