A celebração Eucarística sobre o pano de fundo do Antigo Testamento


No presente texto o blog propõe um estudo sobre a Seia do Senhor, bem como uma reflexão sobre seu correto entendimento com base no pano de fundo do Antigo Testamento dentro do contexto do Evangelho. O objetivo desta análise é estabelecer também uma breve comparação entre a visão protestante, onde a Seia do Senhor possui um significado símbolo, e o entendimento católico onde é proclamada não com símbolo, mas como a realidade do Milagre concretizado pelo próprio Cristo no Novo Testamento.

Antes, contudo, de aprofundarmos nossa análise do tema da Seia do Senhor – a Eucaristia – sugiro uma reflexão importante:

Pintura da Seia do Senhor

Seia do Senhor

O Novo testamento é o cumprimento de tudo o que até então fora prefigurado no Antigo. Por exemplo: Jesus é o Novo Adão e o Novo Moisés do Novo Testamento, ao mesmo tempo é o Cristo, Filho do Deus vivo. Nele temos o cumprimento de tudo o que foi prometido por Deus através dos Profetas do Antigo Testamento. Sendo assim, se o Novo Testamento é o cumprimento do antigo, podemos tranquilamente ecoar aquilo que Santo Agostinho de Hippona afirmou;  ou seja, que o Novo Testamento está “oculto” no Antigo e o Antigo é desvendado no Novo.

Pois bem, da mesma forma que a Pessoa de Jesus e sua Missão Salvífica foram prefiguradas no Antigo Testamento, outras realidades do Antigo Testamento foram também desvendadas no Novo.

Façamos uma brevíssima síntese das principais ofertas de sacrifício relatadas na Bíblia, notando, obviamente, que quando Deus instituiu a religião judaica e estipulou as ordenanças a serem observadas pelo povo Judeu, na verdade, não o fez de modo que  elas mais tarde viessem a ser simplesmente esquecidas, mas sim substituídas por outras melhores, mais perfeitas, como veremos mais adiante.

Alguns fatos do Judaísmo Bíblico:

1-      Deus mandou que fosse construído um templo para seu povo, o templo de Salomão em Jerusalém.

2-      Deus também estabeleceu que a religião judaica seria uma religião sacerdotal.

3-      Deus estabeleceu o sacerdócio judeu e determinou que apenas aqueles descentes do clã de Arão, da tribo de Levi, seriam sacerdotes legítimos e poderiam oferecer sacrifício no templo.

4-      Deus determinou que os sacrifícios oferecidos para a expiação dos pecados do povo de Israel haveriam de ser oferecidos somente no templo em Jerusalém.

5-      Deus institui o Dia do Perdão, ou Yom Kippur, o evento mais santo para o povo judeu; quando o sacerdote oferece sacrifício no templo para o perdão dos pecados do povo de Deus. O dia do Yom Kippur é o único dia em que o sumo sacerdote judeu tem permissão para entrar no Santo dos Santos do templo, onde então invoca o nome de Deus e pede o Seu perdão.

Há muito simbolismos na celebração do Yom Kippur, e por isso não irei me estender muito neste aspecto. Contudo, uma peculiaridade importante para entendimento do Sacrifício de Jesus na Cruz deve ser mencionada; no Yom Kippur o sangue de um cordeiro sem mácula é o oferecido à Deus no  Santo dos Santos para o perdão dos pecados. Ou seja, a vida do inocente pela vida do pecador. Do mesmo modo, Jesus oferta Sua vida para a remissão dos pecados de todo o mundo.

Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma.
Levítico 17:11

Outros Sacrifícios do Antigo Testamento:

Mesmo antes da construção do Templo vemos o Povo de Deus, quando ainda liderado por Moisés, ser livrado da morte pelo sangue de cordeiros sem mácula sacrificados à Deus. A Bíblia nos conta que, o povo hebreu em êxodo do Egito rumo à Terra prometida, sacrificou seus cordeiros à Deus (o Korban Pescha, em Hebreu),  aspergiu o seu sangue nas vergas de suas casas e depois consumiu sua carne. Assim, toda casa cuja marca do sangue do cordeiro estivesse presente seria preservada da morte (Cf. Exodo 12,17) – Esse evento inaugurou a Pesach, ou a Páscoa Judia. Porém, antes mesmo da Páscoa Judia, outros sacrifícios e ofertas podem ser vistos na história do povo judeu:

Pão e do Vinho

Vejamos os sacrifícios de Melquisede. Ele mostra-se misteriosamente , quase no início da Bíblia – em Gênesis 14 , depois de Abrão ( que logo se tornou Abraão ) resgatar muito de todos estes reis em guerra. Após o resgate , lá vem ele, Melquisedeque , rei de Jerusalém e ” Sumo Sacerdote do Deus Altíssimo ” ( esta é a primeira vez que a palavra sacerdote é usada na Bíblia !) . Ele abençoa Abraão (indicando uma posição de autoridade ) , que lhe deu um “dízimo de tudo”.  E o que esso Sumo Sacerdote do Deus Altíssimo , o Rei da Justiça , este homem que se digna a abençoar Abraão oferta? Pão e vinho. Uma oferta sacrificial incruenta, ou seja, em que não há sangue ou morte da vítima.

Melquisedeque não é mencionado mais no Antigo Testamento até o Salmo 110,4

O Senhor jurou e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque .

Mas sua oferta é mencionada na profecia de Malaquias :

Malaquias 1:10-11

Quem há também entre vós que feche as portas para nada ? Nem façais ascender o fogo no meu altar para nada. Eu não tenho prazer em vós, diz o Senhor dos Exércitos, nem aceitarei oferta da vossas mãos. Mas desde o nascente do sol até o pôr-do- mesmo o meu nome é grande entre as nações , e em todo o lugar incenso [” Sacrifício” na tradução Douay -Reims ] deve ser oferecido ao meu nome, e uma oblação pura, porque o meu nome será grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos.

Então, a Bíblia é mais uma vez fica em silêncio sobre Melquisedeque, até o livro de Hebreus, que nos diz que Nosso Senhor é um sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque para sempre e , em Hebreus 7:11-12 , que ” se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico , ( pois sob o qual o povo recebeu a lei), que necessidade havia ainda de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque , e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Pois o sacerdócio sendo mudado , não é feito de necessidade de uma mudança também da lei. ” Aqui podemos ver que o sacerdócio ainda existe – mas é alterada e é agora , segundo a ordem de Melquisedeque.  Sabemos que Melquisedeque ofereceu pão e vinho, e sabemos que sua oferta foi pura.

Agora vamos voltar novamente e ver mais um pouco como o Antigo Testamento prefigura a Seia do Senhor, ou a Eucaristia, como chamada pelos Católicos :

Levítico 23:12-13

[ E falou o SENHOR a Moisés, dizendo …] 12. o mesmo dia em que o molho for agitado, oferecereis ao Senhor em holocausto um cordeiro de um ano, sem defeito, 13. ajuntando a ele uma oferta de dois décimos de flor de farinha amassada com óleo, como sacrifício pelo fogo de agradável odor ao Senhor, e mais uma libação de vinho, constando de um quarto de hin.

A oferta era para ser de farinha misturada com azeite, e era para ser oferecida com vinho.

Levítico 24:5-9

E tomarás flor de farinha, e asse doze pães; : duas décimas deve estar em um bolo. E põe -os em duas fileiras , seis em cada fileira, sobre a mesa pura , perante o SENHOR . E porás incenso puro em cima de cada linha, que pode ser o pão para um memorial, até mesmo uma oferta queimada ao SENHOR. Cada dia de sábado , isso se porá em ordem perante o SENHOR continuamente, pelos filhos de Israel por aliança perpétua . E será de Arão e de seus filhos , que os comerão no lugar santo, por serem coisa santíssima para eles, das ofertas queimadas do Senhor, preparada no fogo por estatuto perpétuo.

E assim foi :

1 Reis 7:48

E fez Salomão todos os vasos que pertencia a casa do Senhor : o altar de ouro , e a mesa de ouro, sobre o qual os pães da proposição foi

2 Crônicas 2: 4 2

[ E Salomão mandou dizer a Hirão, rei de Tiro , dizendo … ] Eis que vou edificar uma casa ao nome do Senhor meu Deus, para dedicá-lo a ele, para queimar perante ele incenso aromático , e para os pães da proposição contínua , e para os holocaustos da manhã e da tarde, nos sábados, e nas luas novas , e nas festividades do Senhor nosso Deus. Este é um estatuto perpétuo para Israel.

Avançando novamente o período do templo

Como vimos, no templo era oferecido um sacrifício animal; um cordeiro sem mácula. Esse cordeiro era sacrificado à Deus e depois de sacrificado, sua carne era consumida pelo sacerdote e pelo fiéis. Isso era necessário para que cada um participasse oferta à Deus e recebesse também a expiação.

O problema com o Sacrifício animal é que, ao contrário do Sacrifício de Jesus,  ele tinha que ser renovado anualmente  e não durava. Assim, todo ano o Sacerdote e o Povo ofereciam um novo Sacrifício.

NOVO TESTAMENTO –

Jesus consolidou todos os Sacrifícios prefigurados no Antigo Testamento por meio de um único sacrifício na Cruz.

A Bíblia diz que Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do Mundo. Ele tomou o lugar do animal, do cordeiro sem mácula, e é oferecido na Cruz como um sacrifício Eterno, de uma vez por todas que não precisa ser renovado todo ano. Pois Jesus é o cordeiro perfeito, infinitamente superior ao cordeiro animal oferecido no templo.

Jesus, o Cordeiro Perfeito, é também o Sumo Sacerdote Eterno ( Cf. Hebreus 7:26-8:2), e é enquanto o Sacerdote Eterno da Ordem de Melquisedeque, na Seia do Senhor, na Pescha ou Páscoa judia, Ele oferece Pão e Vinho. Jesus antecipa aquilo o que se passaria na Sexta-feira Santa, e declara:

Tomai, comei, isto é o meu corpo. Mateus 26:26 … E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. Mateus 26:27-28

Neste sentido Jesus transcende e suplanta a oferta prefigurada por Melquisedeque, que ofertou Pão e Vinho. Cristo oferta  Pão e Vinho consagrados em Seu Sangue e Sua Carne.

A Eucaristia – Santa Comunhão

Tal e qual os Israelitas consumiam a carne do Cordeiro no Antigo Testamento, para os judeus – altamente familiarizados com os rituais e celebrações de sua religião – fica claro o que Jesus, o Cordeiro de Deus, quis dizer em João 6:

E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede. João 6:35 … Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. João 6:54-56

Paulo e seus discípulos entenderam isso muito bem, pois para  eles essa não era uma ideia alienígena à sua tradição. O problema é que quando Jesus antecipou essa noção em João 6, sua mensagem foi rejeitada:

Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?… Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.
João 6:66

Porém, ainda na Seia do Senhor, ordenou os Seus Apóstolos tornando-os também sacerdotes. Isso foi importante porque, tal e qual prefigurado no Antigo Testamento, somente um sacerdote legítimo podia consagrar uma oferta e oferecer sacrifício a Deus. Desse modo, Jesus pôde então instruir a Seus discípulos: “Fazei isso em memória de mim”.

O entendimento desse mistério talvez não tenha sido imediato à todos, e foi revelado seguramente pelo Espirito Santo aos Santos Apóstolos depois da Ressurreição do Senhor. Contudo, já na era apostólica – bem como nos primeiros séculos do cristianismo, como comprovam os escritos dos Padres da Igreja – o  memorial da Seia do Senhor não era visto apenas como um símbolo, uma representação, mas a perpetuação do sacrifício consumado de uma vez por toda na Cruz.  A fração do Pão tem sido celebrada no Cristianismo desde o princípio da fé cristã.

Assim, S. Paulo diz ao Coríntios:

Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão. Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são porventura participantes do altar? 1 Coríntios 10:16-18

Notemos que São Paulo se refere ao cálice abençoado para a celebração da Fração do Pão – ou a Seia do Senhor – não de vinho, mas do sangue de Cristo. Do mesmo modo fala do corpo de Cristo. Pois era esse o entendimento apostólico, até hoje ensinado pela Igreja Católica.

A fração do Pão era e continua a ser, portanto, uma parte importantíssima da vida do Cristão de tradição apostólica da qual a Igreja Católica é embaixadora. Infelizmente, esse entendimento perdeu-se no  protestantismo e hoje há uma gama de argumentos contrários à crença dos apóstolos e dos cristãos primitivos.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Doutrinas & Dogmas e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para A celebração Eucarística sobre o pano de fundo do Antigo Testamento

  1. a eucaristia, se os irmãos protestantes prestarem atenção e lerem com o coração aberto, sem querer perseguir a Igreja Católica, foi instituída no deserto quando DEUS mandou o maná para Moisés e seu povo. é como a matéria diz, o novo testamento e o velho se complementam. boa matéria vou postar no meu blog. A paz de CRISTO a todos.

    Curtir

  2. PABLO DE CARVALHO disse:

    IRMÃ HELEN,SE ASSIM VOCÊ ME PERMITE CHAMAR,POIS OS FILHOS DE UM MESMO PAI SE REFEREM ASSIM UNS AOS OUTROS!!

    QUE ABENÇOADÍSSIMO TEMA MINHA CARA!

    NA REALIDADE NÃO SE PERDEU NO MEIO PROTESTANTE O SENTIDO VERDADEIRO DA SANTA CEIA DO SENHOR.NA VERDADE O QUE CREMOS,À LUZ DA BÍBLIA,É QUE É UM MEMORIAL( I CO 11.24-26)VERSÃO CATÓLICA ROMANA;
    O PÃO A PARTIR DE CONSAGRADO PASSA À FAZER LEMBRAR O CORPO DO SENHOR,DILACERADO NA CRUZ DO CALVÁRIO POR NOSSOS PECADOS,E VINHO APÓS CONSAGRADO IDEM.

    O ATO DE COMERMOS O PÃO E BEBERMOS O VINHO,FALA-NOS DO CUMPRIMENTO DO ANÚNCIO DO ANJO GABRIEL À JOSÉ(MATEUS 1.18-23;conf. Isaías 7.14)VERSÃO CATÓLICA.

    ALÉM DO QUE,O FATO DE CRERMOS,NA CONSUBSTÂNCIAÇÃO(PRESENÇA ESPIRITUAL DE JESUS NO PÃO E NO VINHO) E NÃO NA TRANSUBSTÂNCIAÇÃO(PÃO E VINHO SE TRANSFORMAM LITERALMENTE NO CORPO E SANGUE DO SENHOR).CRISTO ESTÁ PRESENTE NO PÃO E NO VINHO SEM HAVER TRANSFORMAÇÃO DESSES ELEMENTOS ,NÃO SIGNIFICA QUE DAMOS MENOS IMPORTÂNCIA À CELEBRAÇÃO.

    Curtir

    • Ednardo Rodrigues disse:

      Você diz que o partir do pão consagrado é apenas a memória de Jesus, porém Cristo não disse isso. Cristo disse para os Apóstolos repetirem o que ele fez – FAZEI ISTO – em sua memória.

      Somente LEMBRAR de alguém é bem diferente. Ao pronunciar “Fazei isto em memória de mim” (lc 22,19) , Nosso Senhor transmitiu seu próprio poder aos apóstolos e sucessores, instituindo e estabelecendo a ordem do novo sacerdócio.

      E isso era preciso, pois há uma estreita relação entre o sacrifício da Missa e o do Calvário. Assim como a Eucaristia precedeu a imolação de Cristo na Cruz, assim o sacrifício da Missa devia seguir e perpetuar a imolação do Calvário, como sinal de que o sacrifício de Cristo foi, e sempre será, o único sacrifício propiciatório , instituindo no Cenáculo, consumado no Calvário e PERPETUADO nos nossos altares.

      O fato de Cristo continuar presente na missa, sob as espécies de pão e vinho é um dos milagres invisíveis para os que têm a verdadeira fé, que confiam no poder de Deus, sem precisar conferir com os sentidos. A multiplicação dos pães foi um milagre visível, para que os judeus se convencessem da divindade de Cristo. Mas o milagre maior é a eucaristia, que Cristo revela de modo inquestionável na seqüência desta cena, pois os judeus procuravam fazê-lo rei. (São João, VI). Neste capítulo do evangelista, Cristo diz que é o pão que veio do céu, e que sua carne é verdadeira comida e seu sangue verdadeira bebida, que é preciso comer sua carne, que quem não comer sua carne não terá vida eterna, mostrando que a eucaristia não é memorial, mas REAL. Aos judeus escandalizados, reafirma estas verdades, e São João relata que vários discípulos foram embora.

      E de forma alguma o milagre deixa de ser a manifestação do poder de Deus, ou algo que se torna algo trivial, pois só Deus pode fazê-lo! Não sabemos de ninguém que possa suspender as leis da natureza e retirar as substâncias do pão e do vinho, substituindo-as por Cristo. São Tomé é quem precisava ver para crer, e apesar de Cristo permitir que ele tocasse suas chagas (pois era Apóstolo), censurou sua incredulidade e disse que melhor eram aqueles que não viram e creram (portanto, que tinham fé). São Tomé então dá a belíssima profissão de fé. Além do mais, S. Paulo na carta aos Coríntios (capítulo XI), afirma estas verdades, condenando aqueles que transformaram a missa em refeição, e mostrando a realidade do corpo de Cristo na eucaristia, dizendo que quem não distingue o CORPO DO SENHOR, come e bebe a própria condenação.

      Em Jesus e Maria

      Curtir

    • bruno otenio disse:

      A expressão “Memória” no AT tem o mesmo significado que “fazer acontecer de novo” um fato do passado no momento presente. Tem a força de não somente trazer à mente de novo, mas reviver de forma espiritual um fato ocorrido no passado. Tal como os judeus faziam “memória” da páscoa antiga. Eles não só traziam à mente, mas reviviam, choravam, se lamentavam e vibravam de alegria pela Libertação ocorrido no passado.

      Jesus ao celebrar justamente a Ceia nos pede para fazermos ESTA MEMÓRIA. Não apenas lembrar ou recordar, mas reviver na comunidade o ato salvífico consumado na Cruz.

      Curtir

      • Hellen disse:

        Absolutamente preciso seu comentário.
        Quem é judeu sabe que a celebração da memória da Páscoa Judia requer transcender o véu do passado, como se não houvesse a noção de tempo linear que nós conhecemos, e transpor-se ao momento vivido por cada judeu no passado como se fora um deles.

        Assim o Católico é chamada a fazer na Eucaristia.

        Pax Domini
        H

        Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s