Depois do Bezerro de Ouro – Estudo Bíblico – *Fim da Lição 4


eb4613410b36b51bbf747d8d58916d20

A Adoração do Bezerro de Ouro Por Andrea di Lioni

Leitura de Levítico

A natureza da relação entre Deus e Seu povo escolhido mudou. Deus não podia habitar em meio a seu Povo. Os levitas tinham que mediar entre Deus e Seu povo. Assim terminou a leitura Êxodo e começamos Levítico.

Levítico é parte da renovação da aliança necessária pela rebelião associada com o bezerro de ouro. O pecado de Israel era tão grave que era preciso uma segunda lei. Os Dez Mandamentos eram essencialmente uma lei moral, mas esta segunda lei é mais legal (jurídica) e ritual, incluindo a punição de criminosos e as regras para o abate de animais.

A segunda lei reflete a condição de Israel caído após o bezerro de ouro. Ela é tão detalhada que preenche a última parte do Êxodo (capítulos 33-40), todo o livro de Levítico e os primeiros dez capítulos de Números.

Lembre-se disso ao ler os capítulos de Levítico: É o manual dos sacerdotes levitas. Antes do bezerro de ouro, Levítico não teria sido necessário. Após o bezerro de ouro, Levítico foi necessário. Não há que se focar tanto em todos os requisitos da lei ritual, mas não se deve ignorar o livro com a ideia de que ele não se aplica a nós católicos. Levítico é a história completa do êxodo da família de Deus.

Lembre-se de ler ‘os rins e as entranhas’ e todos os detalhes sangrentos dos sacrifícios, e que Deus originalmente não quer sacrificar animais. Ele não precisa sacrificar milhões de vacas e cabras. O que Deus sempre prefere é o louvor de alguém que caminha com Ele, num espírito contrito e humilde (Salmo 50, 8-14; Salmo 51, 18-19).

O sistema sacrificial impõe-se como uma espécie de punição corporativa de toda a nação. Os três animais que Deus pediu a Israel com sacrifício—bovinos, ovinos e caprinos— foram adorados como deuses pelos egípcios. Deus tratou Israel como se seu povo fosse adicto à idolatria. Como vimos, era mais fácil tirar Israel do Egito do que remover o Egito de Israel.

Os sacrifícios de animais foram obrigados por lei como uma lembrança de sua apostasia com o bezerro de ouro. Todos os dias, à força, tinham que se lembrar de seu pecado e fazer penitência, e ritualmente sacrificar os falsos “deuses” que antes adoravam. Assim, Deus esperava libertar o coração de Israel da escravidão da idolatria (cf. Jos 24,14; Ez. 20.7-8; Atos 7, 39-41).

Fazendo de Números o livro da segunda geração

Os levitas tinham a missão de assistir a segunda geração de Israel, e ensiná-los o caminho de santidade para que não caíssem como a primeira. Mas como a primeira, tampouco aprendeu a segunda geração. Vamos ver nas histórias contadas em Números, começando com a saída do povo do Sinai (cf. Nm. 10,11).

Números conta a história da segunda geração e suas provações à caminho da Terra Prometida. Os filhos daqueles que deixaram o Egito tornaram-se ainda mais infiéis do que seus pais. Finalmente, foram condenados a vagar pelo deserto durante 40 anos “, sofrendo por sua infidelidade” (cf. Nm. 14, 33-34).

Mesmo durante sua apostasia, Deus nos deu sinais do Redentor que iria enviar: Por exemplo, Moisés levantou a serpente de bronze para curar os israelitas incrédulos, prenunciando a cruz (cf. Nm 21, 4-9; Jo 3,14.).

E o profeta mercenário Balaão, enviado para amaldiçoar Israel, é usado por Deus para proferir uma profecia: “. Uma estrela ergue-se desde Jacó, um cetro se levanta em Israel”

Lembramo-nos desta profecia na liturgia do tempo de Natal, e associamos a estrela de Balaão com a que os Magos seguiram (cf. Nm 24, 15-17; Mt 2, 1-2). A infidelidade da segunda geração, no entanto, culminou na área de fronteira oriental até a Terra Prometida, nas planícies de Moab.

Alí Israel é seduzido e dá culto a Baal-Peor, um deus Moabe (Nm 25). Existem semelhanças entre esta história e a do bezerro de ouro (cf. Ex. 34). A adoração a um deus falso é acompanhada com a imoralidade ritual e é punível por um massacre de israelitas.

No caso do bezerro de ouro, os levitas foram distinguidos por seu zelo e suas espadas. Desta vez, um certo levita, Finéias, no seu zelo pelo Senhor, mata um par de idólatras. Por esta razão Deus vos recompense promete-o “dar-lo o sumo sacerdócio para sempre, para ele e sua descendência” (cf. Nm. 25,13).

Uma Segunda Lei

Tal e qual foi o escândalo do bezerro de ouro para a primeira geração no Sinai, foi o episódio Baal-Peor, nas planícies de Moab para a segunda geração.

Números explica por que Deuteronômio foi necessário. Escrito 40 anos depois de Êxodo, Deuteronômio é, literalmente, “a segunda lei” para governar as 12 tribos laicas ou seculares. Foi elaborado imediatamente após a apostasia e o pecado do culto a Baal-Peor.

Note-se que a lei é feita por Moisés, e não Deus. Essa é a grande diferença da Lei do Sinai, apresentada nas próprias palavras de Deus e entregue pessoalmente por Ele. Deuteronômio, Jesus explicou, é a lei de Moisés, uma lei para os duros de coração (cf. Mt 19, 8) …

Com base em sua jornada desde o êxodo, Moisés sabe que o Povo não chegaria a cumprir a Lei do Sinai, e muito menos os padrões de santidade propostos aos levitas. Deuteronômio é uma lei para os filhos rebeldes. Isso explica porque, em Deuteronômio, Moisés dá permissões incomuns na Bíblia, coisas que parecem contradizer as regras do pacto do Sinai.

Entre outras coisas, Moses permite o divórcio e novo casamento (Dt 24,14); casar-se com mulheres estrangeiras e escravas (cf. Deut. 21, 10-14), e a guerra genocida contra os cananeus (cf. Dt 20.16 a 17.). Em cada caso, essas concessões são “males menores”. Por exemplo, a justificação para matar os cananeus é a tentação do paganismo que eles representam.

Esta não é a lei de Deus, mas a lei de concessões. Moisés estava lidando com um povo de dura cerviz, teimoso. Como Deus explicou depois ao profeta Ezequiel: “E mesmo cheguei a impor-vos leis que não eram boas e mandamentos com os quais não poderíeis encontrar a vida” (Ez 20,25).

Não que Deus houvesse abandonado a ideia de que seu Povo deveria ser santo. Exigindo que Israel oferecesse em sacrifício as primícias de seus rebanhos e manadas (cf. Deut. 15,19-20) em um santuário central (cf. Deut. 12, 5-18), Moisés esperava lembrar a Israel o seu chamado à santidade.

Mas os padrões do Povo eram muito baixos em comparação com os dos levitas. Os estudiosos têm visto que, enquanto a aliança do Êxodo tem semelhanças com as “alianças familiares” do mundo antigo, Deuteronômio se assemelha aos convênios feitos entre reinos e estados vassalos que haviam conquistado.

E Deuteronômio é um jugo muito difícil imposto a Israel como um fardo, para quebrar os corações duros do Povo. No entanto, Moisés prevê que esta lei não os salvaria das consequentes maldições por não cumprirem a aliança. De feito, ele profetiza que todas as maldições do pacto cairiam sobre Israel um dia (cf. Dt 30, 1-19; 31,16-29).

Em primeiro lugar, ele sugere que as maldições são condicionais: “se não obedeceis à voz do Senhor” (Dt 28,15), e descreve em detalhes o castigo severo de exílio, saques e outros sofrimentos (cf. Deut. 28, 16-68). No entanto, dois capítulos depois, com confiança, ele diz que todas estas maldições cairão sobre Israel. Mas quando eles caírem, promete Moisés, Deus irá salvá-los de novo, por misericórdia, “Se voltar-vos ao Senhor e os vossos filhos o obedecerem” (Deuteronômio 30, 1-2).

As maldições que Israel terá de suportar, profetiza Moisés, finalmente os levará ao arrependimento. E então, ele diz: “O Senhor teu Deus circuncidará teu coração e os corações de teus descendentes para que ames ao Senhor com todo o coração e toda tua alma para que vivas” (Dt 30, 6).

Note-se que anteriormente, Moisés tinha dado ordem ao povo circuncidar seus corações (cf. Dt. 10,16). No entanto, até o final do Deuteronômio, ele reconhece que Israel não é capaz de faze-lo, que somente a graça de Deus poderia mudar os corações do Seu Povo. Esta é a promessa a qual os profetas esperavam ensinar a Israel durante seus anos de exílio e cativeiro.

Ezequiel promete que Deus dará ao Povo um coração novo, removendo os seus corações de pedra (cf. Ez. 36, 22-28). Jeremias, na única passagem do Velho Testamento que fala especificamente da “Nova Aliança”, diz Deus escreverá sua lei nos corações do Povo (cf. Jer. 31: 31-33).

Estas promessas aguardam cumprimento até a vinda de Jesus. Moisés tinha profetizado a vinda de “um profeta como eu” (cf. Dt. 18,15). Jesus é aquele profeta (cf. Jo 6,14 ;7:40; Atos 3,22; 7,37).

Mas o livro de Deuteronômio termina com a morte de Moisés, com 120 anos, no topo do Monte Nebo. A terra prometida a Abraão, Isaac e Jacob estava à vista, mas ele não chegou a tocá-la.

Perguntas para Estudo

  1. Quais são alguns dos paralelos entre a vida de Moisés e Cristo?
  2. De qual alianças lembra-Se Deus quando Ele resgata Israel da escravidão no Egito?
  3. Por que podemos dizer que Deus é retratado em Êxodo como um Pai amoroso de Israel, o seu primogênito?
  4. Por quê a crucificação e ressurreição de Jesus são chamados de “Páscoa do Senhor”, por quê podemos dizer o que a a Páscoa do Senhor é como a Páscoa de Israel no Êxodo?

Para rezar e refletir:

Leitura do discurso do Senhor, sobre o Pão da Vida (Jo 6, 27-59) e, em seguida, ler outra vez a história do maná no Êxodo (Ex 16, 1-5, 9-15). Pedir em oração para compreender mais profundamente o significado da Palavra do Senhor: “Os seus pais comeram o maná no deserto, mas morreram: eis aqui o pão que caiu do céu, para que possam comer e não morrerá “(Jo 6, 49-50).

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Curso Estudo Bíblico, Cursos e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s