Estudo Bíblico – Cont. Lição 4: As pragas do Faraó


08thief

O Faraó é punido, sua nação levada a julgamento, por não respeitar os direitos do primogênito de Deus.

O Faraó comete o grave erro de zombar do poder do Deus de Moisés (cf. Ex. 5, 2). Nas dez pragas que Deus lhe envia, a punição é para o Faraó, e representa um julgamento contra os muitos deuses do Egito (ver Êxodo 12,12; Num. 33, 4).

Contra o suposto deus do rio Nilo, Hapi, a praga do sangue. (cf Ex 7, 14-25) é enviada. Heket, a deusa das rãs, é contornada pela praga de sapos (cf. Ex. 8, 1-15). Contra o deus touro, Apis, e a deusa vaca Hathor, a praga do gado. (cf. Ex 9, 1-7 9) é enviada. Contra o suposto deus sol, Re, a praga da escuridão. (cf. Ex 10, 21-23) é enviada.

Estudiosos acreditam que cada uma das pragas esteja ligada a uma divindade específica. Até a última praga que matou os primogênitos do Egito refere-se aos deuses políticos do Egito, porque o Faraó era adorado como um deus e seus filhos deificados em cerimônias especiais. Por estas ações, provocadas por Moisés, Deus mostrou o seu poder, dando prova de que o Deus de Israel era “maior do que qualquer outro deus” (cf. Ex 18:11; 09:16; 11: 9).

A Páscoa e Nosso Cordeiro Pascal

Os primogênitos de Israel não sofrem na última praga e salvam-se da fatalidade do primogênito do Egito. Devemos ler a história da Páscoa com cuidado. Esta história tem grande influência na forma e significado do resto do Velho Testamento. É muito importante compreender a crenças católicas sobre o significado da cruz, a salvação vencida por nós na cruz, e o memorial da nossa salvação, que celebramos na missa.

A história da Páscoa é um dos dramas do Antigo Testamento que define todo o senso do conjunto. Além disso, ela aponta ao drama final de toda a história da salvação, o sacrifício de Jesus na cruz.

Desde seus primeiros dias, a Igreja entendeu a crucificação e ressurreição como “a Páscoa Senhor “(CCC n. 557-559, 1174, 1337, 1364, 1402). A Eucaristia é o memorial da Páscoa Senhor. Por esta razão, o sacerdote apresenta a hóstia consagrada diz: “Este é o Cordeiro de Deus … Felizes os convidados para a Ceia do Senhor.”

A liturgia é a combinação de duas passagens do Novo Testamento (cf. Jo 1,29; Apocalipse 19,9). Mas por que Jesus teve este título no Novo Testamento? A resposta está na história da Páscoa.

A antiga crença da Igreja baseia-se na interpretação da história do Êxodo, iniciada por Jesus e os autores do Novo Testamento.

Adiante lemos na história da crucificação em São João (cfr. Jo 19). Quando Cristo é condenado, São João nota que “era o dia da preparação para a Páscoa, cerca de meio-dia.”
Por este detalhe? Porque este era o momento preciso em que os sacerdotes de Israel sacrificavam os cordeiros para a Ceia da Páscoa (cfr. Jo 19,14).

Mais tarde, os soldados zombeteiros dão a Jesus uma esponja embebida em vinho. A levantam até Ele com um galho de hissopo. É o mesmo tipo de hissopo que os israelitas usavam para aspergir suas portas com o sangue do cordeiro pascal (Jo 19,29; Ex 12,22).
E por que os soldados não quebram as pernas de Jesus (João 19,33, 36)? São João explica com uma citação de Exodus, dizendo que era porque as pernas dos cordeiros pascais não se podiam quebrar. (Cf. Ex 12,46 ; Nm 9,12; Sl 34,21).

Há outros paralelos que podemos tirar a partir do Evangelho de São João e os outros Evangelhos. A crucificação é apresentada no Novo Testamento como um sacrifício pascal. Jesus é ambos o Cordeiro sem defeito e o Sumo Sacerdote que oferece o cordeiro em sacrifício. Para os autores do Novo Testamento, o que lemos agora em Êxodo é um sinal que nos leva a Jesus.

Na Páscoa, Israel foi libertado pelo sangue do cordeiro sem mácula sacrificado e aspergido nos umbrais das suas portas. O cordeiro morreu em vez do primogênito, foi sacrificado para que as pessoas vivessem, “Salvo pelo sangue do Cordeiro” (cf. Ap 5,12 ;. 7,14; 12,11).

É o mesmo com a Páscoa Senhor, sua cruz e ressurreição. O Cordeiro de Deus morre para que o povo de Deus possa viver, salvos “pelo sangue do Cordeiro” (cf. Ap 7,14; 12,11; 5,12). “Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado”, diz São Paulo (1 Coríntios 5, 7). Na cruz, São Pedro nos diz, Jesus foi “um cordeiro sem defeito ou mácula.” Pelo seu “precioso sangue” fomos “resgatados” do cativeiro do pecado e da morte (cf. 1 Ped. 1, 18-19). Isto é o que acontece em Êxodo. Os filhos e filhas primogênitos de Deus são “resgatados” ou “redimidos”, libertos do cativeiro e da escravidão (cf. Ex. 6, 6; 15,13; Sl 69,18; Is 44,24; Gen 48,10).

Os israelitas foram instruídos a se lembrarem da primeira Páscoa a cada ano, e comerem a carne assada do cordeiro pascal. E na sua última ceia, celebrada durante a Páscoa, Jesus ensina sua seguidores a se lembrarem de Sua Páscoa na Eucaristia, na qual comemos Sua carne e beber Seu sangue (Cf. Jo. 6,53,58).

Cumprindo a Antiga Aliança – Imagens do Novo Êxodo

A grande obra de Deus de libertação em Êxodo forma a identidade e imaginário de Israel. Nós vamos encontrar referências ao êxodo em muitas partes do Velho Testamento.
O êxodo foi o sinal divino que convenceu os israelitas que eram o povo escolhido de Deus.

Que outro povo pode dizer que Deus os libertou pessoalmente em seu tempo de provação?
Ouvimos esta fé na canção que Moisés canta, quando o povo atravessa o Mar Vermelho: “Quem é como tu, Senhor, entre os deuses? … Conduzes com amor ao povo que resgataste … Ouvirirão as nações e se estremecerão … até que passe o povo que compraste “(Ex 15,11, 13, 14, 16).

A memória das maravilhas aqui em Êxodo, tornou-se a fundação e a identidade Israel, e a base de todas as suas esperanças no futuro. Mais tarde, no Antigo Testamento, quando Israel pelo seu pecado havia caído em cativeiro e exílio, os profetas prevêem um “novo êxodo” liderado por um Messias, um novo Moisés, que traria uma maior redenção e libertação do povo de Deus (cf. Is 19,25, 27; 11, 15-16; 43, 2, 16-19; 51, 9-11). Este novo Êxodo, como Jeremias previu, marcaria o início de uma “Nova Aliança” (cf. Jer 23,7-8; 31, 31-33). No Novo Testamento, Jesus é o novo Moisés, levando um novo êxodo, liberando o povo de Deus de seu último inimigo, o pecado e a morte. Veremos isso na última lição, quando olharmos mais detalhadamente o Novo Testamento.

Ao lermos a história do povo que cruza o Mar Vermelho e a provação de Israel no deserto, além do mar, é preciso lembrar como estas cenas são compreendidas no Novo Testamento.

No Novo Testamento, e toda a tradição da Igreja, estes eventos históricos são descritos como símbolos dos sacramentos do Batismo e da Eucaristia. Como os israelitas atravessaram as águas para a liberdade e a uma nova identidade como povo escolhido Deus, assim o cristão no batismo é liberto do pecado e feito filho de Deus. E como os israelitas receberam o maná do céu e água da rocha, o cristão é dado o pão celestial e bebida espiritual da Eucaristia.

Nossos ancestrais … “receberam o batismo das nuvens e do mar”, escreveu Paulo,”Todos comeram o mesmo alimento espiritual e beberam da mesma bebida espiritual, a água que brotava da rocha espiritual que os seguia; e a rocha era Cristo” (cf. 1 Cor. 10, 1-3).

À continuação: Testados No Deserto

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Curso Estudo Bíblico e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s