Estudo Bíblico: Início da Lição 4!


findmoses2

A Filha do Faraó Salva Moisés

Mas uma vez, caros amigos, tenham paciência comigo e perdoem meu atraso.  Tentarei adiantar o que está atrasado e nas próximas lições, serei mais breve, de modo que possa postar com mais assiduidade.

I. Revisão e Visão Geral

Um livro lido, 72 por ler!

Talvez você possa estar a se perguntar, se em apenas três lições vimos o primeiro livro da Bíblia, como é que vamos ser capazes de ler os outros 72 nas três lições que nos restam?

Lembre-se, estamos realizando um vôo de pássaro pelas Escrituras ao fazermos este curso. Queremos ensina-los os grandes temas que conectam os livros individuais da Bíblia entre si para converte-los, realmente, em “capítulos” de um único livro, a “Palavra de Deus”.

Nosso curso está estruturado em torno dos “ápices” da história da salvação: a aliança da criação com Adão; o dilúvio e a aliança com Noé; com Abraão; Moisés no Sinai, com David, e, finalmente, a Nova Aliança que Jesus inaugurou.

Se entendermos bem estas “cimeiras” seremos capazes de ver como cada livro da Bíblia é integrado em toda a Palavra de Deus.

É por isso que nós passamos tanto tempo estudando Gênesis, e pelo qual vamos tomar esta lição para falar sobre a experiência dos israelitas como contada em Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

Antes do começo seria bom rever as três primeiras lições. Talvez desta vez se fixe algo que não nos chamou a atenção na primeira leitura: temos escolhidos exemplos de toda a Bíblia para entender o que estamos lendo.

Vimos como várias histórias do Gênesis foram compreendidas e interpretadas em quase uma dúzia de livros do Antigo Testamento, em cada um dos Evangelhos, nas epístolas do Novo Testamento e no Livro de Apocalipse.

Não se esqueça de consultar a citações e referências que fazemos a outros livros da Bíblia. Primeiramente, isso lhes dará mais familiaridade com a Bíblia inteira. Mas em segundo lugar, e mais importante, isso aprofundará a sua compreensão, ajudando-os a ler o Antigo Testamento à luz do Novo e Novo à luz do Antigo.

Nesta lição, também, percebam esses tipos de conexões, especialmente no Livro do Êxodo, onde vamos encontrar imagens e idéias que se repetem uma ou outra vez no Antigo e no Novo Testamento: a figura de Moisés, a idéia do “Cordeiro de Deus”, a Páscoa e muito mais.

A História até este ponto

Como um breve resumo, isso é o que vimos até agora:

Deus criou o mundo do nada, e criou o homem e a mulher “à sua imagem e semelhança” como seus filhos, para terem domínio sobre o Seu reino celestial na Terra. Deus fez uma aliança com eles, prometendo-lhes derramar suas bênçãos sobre eles, e através deles, sobre o mundo todo.

Mas Adão e Eva romperam a aliança, o que indeferiu o seu direito real de primogênitos de Deus. Cresceram em exílio do santuário do jardim original, seus filhos encheram o mundo com sangue e todo tipo de males.

Então Deus realmente criou o mundo de novo, destruindo o mal e salvando apenas os justos em um grande dilúvio.

Ele começou Sua família novamente com a família de Noé. Mas Noé também caiu, e o mundo se encheu de distúrbios. O esforço das nações para construir uma torre para alcançar o Céu, para trazer glória a seus próprios nomes, não ao nome de Deus, ilustra seu desvio.

De Babel, Deus espalhou as nações para os quatro pontos cardeais da Terra, dividindo a família humana por uma multitude de línguas e culturas, confundindo sua fala e incapacitando que se entendessem e trabalhassem em coordenação.

Mais uma vez Deus suscita um justo, por quem espera restaurar a família de Deus, o que tem sido sua intenção desde o início.

Realiza uma aliança com Abraão e promete uma descendência que durará para sempre, pela qual Deus abençoa todas as famílias e nações do mundo.

Ao final de Gênesis, a descendência de Abraão é grande, consiste em doze tribos, cada uma dirigida por um filho de Jacó, que era filho de Isaac, filho de Abraão.

Por conta de vários pormenores, o povo eleito de Deus, os filhos de Abraão, agora identificados como filhos de Israel (o novo nome dado por Deus a Jacó) se encontram no Egito.

Nesta lição, vamos ver como família de Deus cresceu de uma rede de líderes patriarcas tribais para se tornar uma nação completa, sob a liderança de um salvador e legislador atribuído por Deus, Moisés.

II. Do Egito chamei meu filho

Moisés e Jesus

O início do livro do Êxodo deve lembrá-lo de algo. Que outra figura na Bíblia que nasceu sob a ameaça de morte por um tirano que decretou a morte de todas as crianças do sexo masculino?

Na história de Natividade sabemos que Herodes enviou tropas para Belém para matar todas os bebês e infantes Hebreus (cfr. Mt 2,16).

Em Êxodo, o Faraó tem um plano mais insidioso para alcançar o infanticídio: ele ordena que as parteiras do Egito matem todas as crianças do sexo masculino que nascerem (Ex 1, 15-16).

Moses, aliás, é salvo por uma “arca” (a palavra literal traduzida como “cesta de
junco” em Ex 2, 3; na verdade, é a mesma palavra usada para a arca de Noé, em Gênesis 6,14).

A criança Moisés e o menino Jesus são salvos pelos esforços dos membros da sua família, Moisés pela sua mãe e irmã (Ex 2, 1-10) Jesus por sua mãe e seu pai (Mt 2, 13-15; Ex 2, 5-10). E os dois permanecem no exílio por um tempo, de volta apenas quando estão mortos aqueles que queriam matá-los (Mt Ex 2,20 e 4,19).

Há muitos paralelos entre Jesus e Moisés. Por exemplo, Jesus jejuou durante 40 dias e noites em deserto como fez Moisés (Mt 4,1 e Ex 34,28); e como Moisés, Jesus sobe uma colina e dá uma lei de aliança a seu povo (cf. Mt 5-7; Dt 5,1-21.).

Moisés é o protótipo de todos os homens de Deus mencionados na Bíblia. Os evangelistas, especialmente São Mateus, apresentam Jesus como um “novo Moisés”, um novo líder e Rei, salvador e redentor, professor, profeta e taumaturgo padecente.

E a história de Moisés, especialmente os elementos da Páscoa dos judeus, dividindo o mar, a peregrinação no deserto, e o pão de cada dia do céu, tem um significado muito profundo para os Católicos quando lemos a Bíblia.

O Filho Primogênito de Deus

Moisés é chamado por Deus para libertar os israelitas da escravidão no Egito.
O que motiva a ação de Deus? Ele agiu “lembrando-se da aliança que fizera com Abraão, Isaac e Jacó “(cf. Ex 2,24; Sl 105, 8-11.). É por isso que repetidamente identificada antes de Moisés como “o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó” (cf. Ex 3, 6, 13, 15 , 6, 2-8).

Deus tinha advertido Abraão em um sonho que seu povo seria escravizado e oprimidos durante 400 anos, mas que Deus os livraria (Gn 15, 13-15). Neste ponto da história, os israelitas se encontram.

No Egito por 430 anos, nos primeiros 30 anos como convidado con privilégios por ser parente do primeiro-ministro do Faraó, José, e os demais, como escravos (cf. Ex. 12,40).

Era chegada a hora de cumprir sua promessa a Abraão, tornar seus descendentes uma grande nação e dar-lhes uma terra natal, bela e abundante (Gn 28,13-15).

Deus ordena a Moisés para dizer ao Faraó que “Israel é meu filho, meu primogênito” (Ex 4,22; Sir 36,11).

Mais uma vez Deus quer estabelecer sua santa família. Isto é evidente quando ele diz a Moisés: “Os tomarei como meu povo, e eu serei o seu Deus “(Êxodo 6, 7). Isso antecipa a vontade aliança quer faria com eles no Sinai (Ex 19, 5).

Olhe para o perfil de Deus em Êxodo, o que Ele diz e não diz. Ele não é um Criador separado ou distante.

Em Êxodo, Deus realmente se revela como o Pai divino de Israel (cf. Deut. 32, 6). salva o seus filhos (cf. Ex. 12, 29-31), os vê (cf. Ex. 12, 35-36), os guia (cf. Ex. 13, 21-22), os alimenta (cfr. Ex 16, 1-17, 7), os protege (cf. Ex 14, 10-29; 17, 8-16), os ensina (cf. Ex 20, 1-17; 21, 1-23, 33). e habita entre eles (cf. Ex 25: 8; 40, 34-38). Em suma, é um Pai para eles (cf. Oséias 11, 1.).

Ele não é apenas um Pai para Israel. Israel é seu filho primogênito, mas não único. Deus é Deus de todas as nações e quer ser o Pai das outras nações também. Mas Israel é o primogênito, o seu orgulho e alegria. Israel é chamado (levado) para o Egito para mostrar as nações como viver como filhos de Deus.

Israel, e seu líder devem ser justos antes que possam pregar a justiça para outras nações. Isto é o que acontece nessa estranha cena antes do encontro com Faraó, quando Deus diz “Quis matar Moisés” (Ex 4, 24-26).

Deus está sério sobre Sua aliança, e ninguém pode ser isento de seus requisitos. Moisés estava violando a aliança de Deus com Abraão. Seu filho, Gerson, não havia sido circuncidado como Deus ordenou (cf. Gn. 17, 9-14). a mulher de Moisés, Zípora, decide a questão e faz a circuncisão, para salvar a vida de Moisés.

À Continuação: As pragas do Faraó

Pax Dominus Iesus!

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Curso Estudo Bíblico, Cursos e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s