Estudo Bíblico: Fim da Lição 3


The Sacrifice of Isaac, (oil on canvas)

A Atadura de Isaac – Por Phillipe de Champaigne

Nota ao leitor: Peço, em primeiro lugar, desculpas pelo atraso na publicação deste artigo. Em segundo lugar, que aqueles que aqui vierem, se possível, me ajudem a divulgar este conteúdo em suas redes sociais. Comentários são bem-vindos.

Atando a Isaac

São Paulo disse que a história dos dois filhos de Abraão, o ilegítimo Ismael cuja mãe era Agar, e seu herdeiro Isaac, nascido pela promessa de Deus à sua esposa Sara, simbolizada a diferença entre a Nova Aliança e Antiga (cfr. Gl 4 : 21-31).

Mas há um símbolo ainda mais profundo na terrível provação com que Deus fez Abraão passasse: oferecer seu único filho, Isaac, em sacrifício.

A interpretação desta história, como um prenúncio de como Deus ofereceu Seu único amado Filho na Cruz do Calvário, começou a ser vista na própria Bíblia e, em seguida, floresceu nos escritos dos Padres da Igreja, por exemplo São Augustine (cfr. Jo 3:16).

Duas vezes Deus elogia a fidelidade de Abraão nessa história: “Não recusaste a dar-me o teu único filho” (Gênesis 22:12, 15). Paulo repete as mesmas palavras da Septuaginta (a tradução oficial do Velho Testamento em grego) falando sobre a crucificação: “Nem sequer negou o Seu próprio Filho, mas o entregou à morte por todos nós” (Rm 8:32) .

Os Padres da Igreja viram outros paralelos interessantes:

Por exemplo, a montanha onde Deus pediu a Abraão que fizesse o sacrifício era o Monte Moriá. Ela está no mesmo lugar de onde veio Melquisedeque, em Salem. Também será construído nesse lugar o Templo do Senhor (cf. 2 Chron. 3: 1). Na verdade, a tradição judaica diz que o nome Jerusalem vem das palavras de Abraão, “Deus proverá” (Gn 22: 8; o hebraico é yir”eh ou jira) unido ao nome de Salem: Jira + salem.

O Calvário, onde Jesus foi crucificado, é uma das colinas de Moria. E tal e qual Isaac carregou a lenha do seu próprio sacrifício, e submeteu-se a ser amarrado à árvore, também Jesus, “filho de Abraão” (Mt 1: 1) carregou sua própria cruz e deixa que os homens o atassem à ela. São Agostinho também viu no carneiro, com seus chifres entrelaçados em um arvoredo, uma referência à coroa de espinhos (cfr. Gn 22:13).

As palavras de Abraão aos seus servos: “O menino e eu iremos lá em cima para adorar, e, em seguida, voltaremos à vós” (Gn 22: 5) podem ser interpretadas como uma promessa de ressurreição. O mesmo acontece com a Carta aos Hebreus: “Abraão certamente pensou que Deus era capaz de ressuscitar dos mortos. Por isso, recuperou seu filho, o que faz sentido para nós” (Hb 11: 17-19). Na verdade, Isaac é salvo no “terceiro dia” (cf. Gn 22: 4.).

Assim como a disposição de sacrificar seu próprio filho foi um sinal de sua lealdade, o sacrifício de Cristo nos traz “a bênção de Abraão” (cfr. Gl 3:14).

 IV. Época do Patriarcas: Jacó, o mais novo

Isaac cresceu e se casou com Rebecca. Como ela aconteceu com sua sogra Sarah, Rebecca sofreu infertilidade. Isaac, como seu pai Abraão, pede a Deus o dom dos filhos (Gn 25:21; 15: 3).

Enquanto seus gêmeos estão lutando em sua barriga, Deus diz a Rebeca que todo mundo vai ser uma nação, mas que o menor dos dois, Jacó, será mais forte do que o outro “e o maior [Esaú] servirá o menor” (Gn 25:23).

Este é outro fenômeno que ocorre em Gênesis. Deus sempre escolhe o filho mais novo, embora o estilo do mundo é dar privilégios e lugar de importância ao maior. O sacrifício de Abel é preferido ao de Caim. A Isaac em vez de Ismael. E José, o segundo mais jovem dos filhos de Jacó, será o herói dos últimos capítulos de Gênesis; e Ruben, o mais velho, o peca por não para defende-lo contra a inveja dos outros irmãos (cfr. Gn 37).

Por que Deus fez assim? Talvez a traição do filho primogênito de Deus, Adão, tenha causado um ruptura entre a maneira do mundo e a de Deus. No entanto, não se pode frustrar a providência divina. Salva-nos, apesar de nós mesmos, escolhendo os jovens, os fracos e pecadores para mostrar que a história da salvação se faz por Sua graça e Seu amor. São Pablo, interpretando esta escritura diz que Deus escolheu Isaac em vez de Esaú “e foi confirmado o direito que Deus tem de escolher, de acordo com seu propósito, aos que querem chamar, independentemente do que eles tenham feito” (Romanos 9: 11-13).

Vemos isso também na Bíblia, especialmente a história de Davi, o filho mais novo de Jessé, que Deus escolhe para ser ungido como rei (cf. 1 Sam. 16: 1-13). Os mais novos são os “motores” da História da Salvação até a vinda de Jesus, o Filho único de Deus, o primogênito da nova família de Deus. Jesus cumpre a promessa de Israel que é, como veremos na próxima lição, o “primogênito de Deus” entre as nações (Ex 4:22).

Não há que se distrair com o truque dramático de como Jacó recebe a bênção de Isaac. Já que Esaú provou que não era digno da bênção ao vender sua primogenitura a Jacó por um guisado de lentilhas. Então Esaú agiu “sem dar qualquer importância ao seu direito de nascença” (Gn 25: 29-34).

O engando praticado por Jacó foi criticado pelos profetas (cf. Os. 12: 4; Jer 9: 3), e ele sofre algumas consequências por esse engano no texto de Gênesis. Por exemplo, ele foi enganado por seu tio a se casar com Lia, a filha mais velha de seu tio, em vez de Rachel à quem ele amava. E mais tarde, quando seu filho José é vendido como escravo, os filhos de Jacó o enganam encharcando-lhe a túnica de José no sangue de uma cabra. A ironia é óbvia, pois Jacó enganou a seu pai Isaac, usando uma pele de cabra para fingir ser o seu irmão Esaú (Gn 27: 15-16; 37: 31-33).

Jacob mentir para seu pai serviu a providência de Deus. Deus escolheu Jacó ao invés de Esaú (cf. Mal 3: 1; Rm 9:13.). Para Jacob, Deus fez a bênção prometida a Abraão (Gn. 28: 3-4). O próprio Deus confirmado quando Jacob mostra a escada para o céu (Gn 28: 10-15). Então Jesus aplicar esse sonho de Jacob si mesmo, revelando que no céu Ele e toque a terra e o humano eo divino se encontram. O próprio Jesus é o que Jacob chamado de “o portão do céu” (cf. João 1:51 ;. Gen 28:17).

Deus muda o nome de Jacob depois de uma noite de luta misteriosa. O nome “Israel” significa “aquele que tem lutado com Deus” (cf. Gen 32:28; 35:10; Os. 12: 5).

José e Judá

Os doze filhos de Jacó são as doze tribos de Israel.

Na história de José e seus irmãos, vemos mais uma vez que Deus escolhe um dos mais jovens para realizar o seu plano de salvação.

José prenunciou os sofrimentos de Jesus e da salvação conquistada para nós. Ele é uma vítima do ciúme e rejeição de seus irmãos, os filhos de Israel. Eles o vendem como escravo por vinte moedas de prata. No entanto, José perdoa seus irmãos e os salva da morte por inanição.

Mais uma vez, Deus nos mostra que usa o mal, que planejam os homens, para os propósitos de Seu plano salvífico (Gn 50: 19-21).

O primeiro livro da Bíblia termina com as bênçãos de Jacó-Israel em seu leito de morte. A Judá, ele promete uma dinastia real e eterna (Gn 49: 9-12). Ele governará os povos do mundo uma passagem que a Igreja interpreta como a promessa da vinda de Jesus, o Messias-Rei. A descendencia de Judá é a dos reis Davi e Salomão (ver 2 Sam 8: 1-14; 1 Rs. 4: 20-21).

Jesus virá como um verdadeiro filho de Davi (cf. Mt. 1: 1-16) e “Leão de Judá” (Ap 5: 5). A família de Deus havia migrado do leste do Éden para o Egito. Em nossa próxima lição veremos como Deus cumpre a promessa que Jacó fez a José, “Deus estará contigo e retornarás à terra de teus ancestrais” (Gn 48:21).

V. Questões para Estudo

1. Em que sentido podemos dizer que a aliança com Noé sinaliza o sacramento do batismo?
2. Quais são as três partes da aliança entre Deus e Abraão?
3. Quais são os paralelos mencionados na antiga tradição da Igreja, entre o sacrifício de Isaac e de Cristo na cruz?

Para rezar e refletir:

A Liturgia das Horas da Igreja sempre incluiu o Cântico de Zacarias (cf. Lc 1. 68-79) no Laudes, no Magnificat (cf. Lc 1. 46-55) e nas Vésperas. As duas canções anunciam a vinda de Jesus como o cumprimento da aliança de Deus com Abraão. Reze estas orações bíblicas da igreja pedindo a Deus para compreender mais plenamente “a promessa a nossos pais, a Abraão e à sua descendência para sempre.”

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Curso Estudo Bíblico, Cursos e marcado , . Guardar link permanente.

5 respostas para Estudo Bíblico: Fim da Lição 3

  1. dirce lobue disse:

    Parabéns pelo maravilhoso estudo. Continue… É muito importante este tipo de estudo, de conteúdo magnífico. Obrigada, dirce.

    Curtir

  2. Maria Cristina Cataldi Cilento disse:

    Hellen, acabo de chegar neste site e estou gostando muito. Sua explicação bibica no contexto atual, enquanto Novo Testamento, é simplesmente muito bom. Parabéns e espero aproveitar suas reflexões para primorar a mente interior.
    Salva Rainha
    Cristina Cilento

    Curtir

  3. Wagner Sousa disse:

    Parabéns pela iniciativa Hellen!!!

    Muito obrigado por disponibilizar tão riquíssimo conteúdo.

    Obrigado!!

    Pax Domine Iesus.

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s