Estudo Bíblico: Lição 2


A Queda de Adão e Eva

Leia as lições anteriores AQUI

I. Revisão e Visão Geral

Na lição anterior vimos a história de como Deus concluiu a criação do mundo. Por sua palavra, do nada, em seis “dias” que ele praticamente moldou um templo onde Ele habita com toda a criação. No sétimo dia, fez uma aliança com o mundo, interagindo com o sua criação para sempre.

Agora vamos focar na jóia da coroa da criação, a raça humana. Nesta lição, vamos aprender sobre os nossos antepassados, o pais da família humana. Nós já ouvimos essa história mil vezes. Mas desta vez, vamos lê-la como o início da História Salvação, o início da relação entre Deus e da família humana.

I. Homens e Mulheres: A imagem original

Primogênito de Deus

Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, “homem e mulher os criou” (Gn. 1, 26-28). O que significa dizer que Deus criou o homem à Sua imagem divina? Isso significa que a pessoa humana é um filha de Deus. Como sabemos disso? Lembre-se do que dissemos na última lição: ler a Bíblia como católicos é interpretar o Antigo Testamento à luz do Novo Testamento.

Em seguida, vemos o Evangelho de Lucas. Alí, lemos que Adão é “filho de Deus” (Lc 3,38). Vemos também que a frase “imagem e semelhança” trata de descrever o nascimento de Sete, filho Adão (Gn 5, 3.). Na linguagem da Bíblia, nascer à “imagem e semelhança” de alguém significa ser filho daquela pessoa. Então, quando Deus cria o homem à sua imagem e semelhança, cria-no como seu filho. Desde o início, é a intenção divina que os seres humanos sejam seus filhos.

Pai de um Povo Sacerdotal

Adão é criado como o filho primogênito de Deus. Ele também é concebido como um sacerdote. Na última lição, vimos como o mundo foi criado como um Templo, onde o Jardim do Éden é representado como o santuário do templo, o lugar santo onde Deus habita. Agora, é impossível ter um templo sem um sacerdote para protegê-lo, mantê-lo e oferecer sacrifícios. E essa é a tarefa que Deus dá a Adão. É uma tarefa sacerdotal, mas isso requer um pouco de conhecimento de hebraico para reconhecermos isso.

Adão foi colocado no Jardim “para cultivá-lo e mantê-lo” (Gn 2,15). É fácil não perceber o sentido mais importante dessas palavras. No original hebraico, as palavras “Abodah” e “shamar”, são palavras associadas ao serviço ou ofício sacerdotal.

Na verdade, as únicas outras citações na Bíblia em que essas duas palavras são encontradas juntas é no Livro dos Números, que normalmente são traduzidas como “serviço” e “fim” dos levitas, a tribo (ou clã) sacerdotal de Israel (cf. Nm 3, 7-8; 8,26; 18, 5-6.).

Os levitas eram responsáveis pela proteção do santuário e do altar. Foi dado a Adão o dever
de proteger e cuidar do jardim do Éden. Tudo isso será muito importante quando considerarmos a desobediência de Adão e sua queda em desgraça. Adão é descrito, então, como um sacerdote primogênito. Eles também observam o mandato: sede fecundos e multiplicai-vos “(Gn 1,28). Adão é o primogênito e pai do povo de Deus. Dado que é sacerdote, seu povo também receberá esse sacerdócio.

O que encontramos, então, em Genesis é a intenção original de Deus para a raça humana: Ser a família de Deus e ser um povo sacerdotal. Há ecos destes conceitos do Antigo e do Novo Testamento, Israel também serão chamados de primogênito de Deus e um povo sacerdotal.

Com a vinda de Jesus,  Ele será chamado Filho de Deus, o “novo Adão”, “o primeiro de muitos irmãos” e Sumo Sacerdote. A Igreja também será referida como o povo sacerdotal. Vamos ver tudo isso em detalhes em lições futuras neste curso. Mas tudo começa aqui, com Adão, nosso Pai.

III. A queda

Figuras e Enigmas

E, em seguida, como nós, pessoas modernas e sofisticadas, poderemos ler a história da queda de Adão e Eva em Gênesis 3, com seu cenário de fábula ou conto fada, onde a serpente fala e engana o casal de crédulos, árvores com nomes estranhos e o fruto proibido?

O Catecismo da Igreja Católica nos dá bons conselhos sobre o assunto:

“A narrativa da queda (Gn 3) utiliza uma linguagem feita de imagens, mas afirma um acontecimento primordial, um facto que teve lugar no princípio da história do homem (264). A Revelação dá-nos uma certeza de fé de que toda a história humana está marcada pela falta original, livremente cometida pelos nossos primeiros pais (265). “(CIC 390)

O que o Catecismo quer dizer com isso? Em primeiro lugar, a história é escrita em uma “linguagem imagens “, isto é, que é mais poesia do que o jornalismo, mais uma pintura de um documentário. No entanto, a história relata um acontecimento real que ocorreu no início da história humana. Além disso, nesse caso, o “pecado original” de Adão e Eva, marcou a história da nossa raça humana para sempre. Não podemos ler Gênesis 3 como um jornal. Nem ler como mito ou conto de fadas ou uma fábula. Isso é algo que realmente aconteceu.

Os estudiosos nos dizem que Genesis é melhor entendido como um exemplo de um estilo literário. Ele é chamado mashal, que significa “enigma” ou “provérbio” e tem vários níveis de significado. E quando lemos Gênesis 3 cuidadosamente, descobrimos que a história tem muitas partes não tão fáceis de entender, com palavras que têm vários significados; Vida, morte, sábio, árvores (que são muito mais que apenas árvores).

Adão viu a Serpente

Agora vamos rever os personagens. Em primeiro lugar, quem é esta “serpente”?

Estamos acostumados às ilustrações da Bíblia que temos visto desde crianças, com a serpente longa e delgada, enrolada nos galhos de uma macieira. Talvez devêssemos mudar essa imagem mental. A palavra hebraica para “serpente” é nahash; Ela envolve muito mais fatal. No Antigo Testamento a palavra nahash é usada para se referir a poderosas e gigantescas criaturas do mal. Em Isaías chama a Nahash dragão do mar, o grande leviatã (cf. Is. 27: 1). Jó também fala de Nahash como monstros marinhos (JB 26:13). É a mesma imagem do Apocalipse fala de “grande dragão vermelho … conhecida como a Diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo … “(cf. Apoc. 12: 3,9).

É claro que a Igreja sempre interpretou a serpente de Gênesis 3 como uma figura de Satanás, o Diabo (cfr. CIC 391-395). Então nós, leitores da história da queda, sabemos de uma coisa que Adão talvez ignorasse; que o encontro com a Serpente era uma prova contra o mal, uma batalha pela alma da humanidade. Mas precisamos saber o que Adão viu. Quando entendi que a cobra era muito mais do que uma “cobrazinha” de jardim, começamos a entender porque Adão falhou em seu dever de “proteger” sua esposa e o Éden (Gn 2:15).

Morrer de medo?

Sejamos francos: Adão estava com medo, medo de morrer. Ele viu a serpente como uma ameaça à sua vida. Sabemos que Adão sabia que estava para morrer. Como sabemos? Porque Deus o advertiu que se comesse do fruto proibido (cfr. Gn 2:17), morreria. Ora, se ele não soubesse o que é a morte, não teria sentido adverti-lo. Adão estava tão assustado que pensei que se fizesse o que lhe pedia a serpente, sofreria e morreria. Esta hipótese pode estar relacionado com uma passagem na Carta aos Hebreus. Ela diz que o Diabo “reina por meio da morte”, e diz que por medo da morte o homem ” vivem como escravos “(Hb 2: 14-15). Isso não significa que Adão tinha nenhuma responsabilidade ou culpa. Ele optou por salvar sua vida, mas acabou perdendo-a. Ele temia mais a morte do que desobedecer ao Pai amoroso, Quem lhe tinha dado o Paraíso. E com isso ele submeteu toda a raça humana escravidão.

IV. Teste de Amor, Réprobos

Sacrifício e egoísmo

O que está se passa no Jardim? Adão falhou em sua prova de amor, não somente a Eva, mas também ao seu Deus.

Deus deu a Adão a responsabilidade de guardar o jardim-santuário, o lugar onde viviam
Deus e o homem. No confronto com a serpente, ele falhou. Ele não protegeu sua esposa ou o jardim, ou a si mesmo. Por que Deus provou-o assim? Precisamente porque o amor da aliança requer um compromisso total. A abnegação é essencial para cumprir as obrigações decorrentes da relação humana com Deus. Lembre-se do que dissemos na última lição: Uma aliança significa que Deus se entrega a seu Povo e seu Povo se rende a Ele. Nas Escrituras, cada aliança exige que as pessoas façam uma oferta simbólica de sua entregar a Deus. Nenhuma aliança existe sem sacrifício. O sacrifício é oferecido pelas pessoas para simbolizar a sua oferta pessoal a Deus. O sacrifício é um sinal de seu compromisso com a aliança, o seu compromisso de entregar a Deus tudo o que temos e somos.

Noé faz o sacrifício de cada um dos animais que estavam na arca. A Abraham é solicitado o sacrifício de seu único filho Isaque. Os israelitas no tempo de Moisés tiveram de sacrificar um cordeiro sem mácula, em vez de seu primogênito. E no tempo de Salomão, filho de Davi, ofereciam sacrifícios todos os dias no templo.

Cada uma destas alianças foram apenas parcialmente bem-sucedida e, finalmente, todos falharam. Por quê? Por falta de amor, falta de abnegação. As pessoas não se rendem completamente. Noé, Abraão e outros fizeram grandes coisas. Mas todo eles também cometeram erros estúpidos. Abraão tomou para si uma concubina. Noé embebedou-se. Moisés se desesperou no deserto. Israel adoraram o bezerro de ouro. Davi cometeu adultério com Betsabé. Seu filho, Salomão, construiu um harém, além do templo. No fracasso de Adão, vemos o início de um padrão de conduta. Na verdade, resultando o enfraquecimento da raça humana, fruto do pecado original, ninguém pode totalmente entregar-se a Deus. Pelo pecado de Adão, a humanidade perdeu sua primogenitura, o seu direito à herança eterna, a sua participação na Família de Deus.

Na próxima semana continuamos com o tema da Queda e falaremos sobre Vinda do segundo Adão e da segunda Eva.

Pax Domini!!

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Curso Estudo Bíblico e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Estudo Bíblico: Lição 2

  1. Marco Saraceni disse:

    Os aprofundamentos nos faz ir além daquilo que aprendemos… É um novo ponto de vista que jamais tinha reparado e isso contribui para que possamos sempre meditar a palavra de Deus. Todos os dias ele se renova em nossas vidas.

    Curtir

  2. Pingback: Curso de Estudo Bíblico: De Gênesis a Jesus – Final da Lição 1 | Ecclesia Militans

  3. Boa tarde, Hellen!
    Estou acompanhando todo o estudo, confesso, que, nunca lerei a bíblia da mesma maneira. A interpretação que o Dr. Scott Hahn nós proporciona é enriquecedora. Obrigada mais uma vez por se dar a esse trabalho!

    Fique com Deus.

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s