O Batismo infantil na Bíblia


Na Bíblia a palavra CASA representa não apenas a edificação, o lugar físico onde se habita, ou seja a morada de uma pessoa, mas também pretende aludir aos membros de uma família, desde os esposos, seus familiares próximos, servos – se houverem – bem como as CRIANÇAS. Esta forma de se referir ao lar é corrente até hoje em muitas línguas modernas, assim como nos tempos bíblicos e, portanto, no idioma original da Sagrada Escritura.

Portanto, o argumento construído aqui é o seguinte:  A própria Bíblia nos diz que os primeiros Cristãos batizavam suas crianças e bebês!

Vejamos a passagem do sobre o profeta Elias no Livro de Reis: 

Naqueles dias, 10 Elias pôs-se a caminho e foi para Sarepta. Ao chegar à porta da cidade, viu uma viúva apanhando lenha. Ele chamou-a e disse: “Por favor, traze-me um pouco de água numa vasilha para eu beber”.

11 Quando ela ia buscar água, Elias gritou-lhe: “Por favor, traze-me também um pedaço de pão em tua mão”. 

12 Ela respondeu: “Pela vida do Senhor, teu Deus, não tenho pão. Só tenho um punhado de farinha numa vasilha e um pouco de azeite na jarra. Eu estava apanhando dois pedaços de lenha, a fim de preparar esse resto para mim e MEU FILHO, para comermos e depois esperar a morte”. 

13 Elias replicou-lhe: “Não te preocupes! Vai e faze como disseste. Mas, primeiro, prepara-me com isso um pãozinho e traze-o. Depois farás o mesmo para ti e teu filho. 14 Porque assim fala o Senhor, Deus de Israel: ‘A vasilha de farinha não acabará e a jarra de azeite não diminuirá, até ao dia em que o Senhor enviar a chuva sobre a face da terra.”

15 A mulher foi e fez como Elias lhe tinha dito. E comeram, ele e ela e SUA CASA, durante muito tempo. 16 A farinha da vasilha não acabou nem diminuiu o óleo da jarra, conforme o que o Senhor tinha dito por intermédio de Elias.

Note-se que o texto explicitamente informa que a viúva tinha apenas UM FILHO. No versículos 15, contudo, o texto diz que Elias, a Viúva e SUA CASA comeram durante todo tempo. Ou seja, a palavra CASA foi usada para identificar o único membro da família da viuva, a saber, seu filho. Assim, provamos que a palavra CASA representa não apenas o edifício físico da moradia, mas a família.  Entretanto, pode-se argumentar restar ainda um problema: ainda não provamos se a palavra CASA inclui também os membros jovens da família, as crianças, uma vez que o FILHO mencionado no texto pudesse, de fato, ser crescido. Contudo, se continuarmos a ler a história de Elias e o relato de seu encontro com a viúva, veremos mais adiante, na mesma passagem (1 Reis 17:19-23),  que o filho da viúva era sim um menino,  portanto, uma criança. 

E ele disse: Dá-me o teu filho. E ele o tomou do seu regaço, e o levou para cima, ao quarto, onde ele mesmo habitava, e o deitou em sua cama,

E clamou ao Senhor, e disse: Ó Senhor meu Deus, também até a esta viúva, com quem me hospedo, afligiste, matando-lhe o filho?

Então se estendeu sobre o menino três vezes, e clamou ao Senhor, e disse: Ó Senhor meu Deus, rogo-te que a alma deste menino torne a entrar nele.

E o Senhor ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.

E Elias tomou o menino, e o trouxe do quarto à casa, e o deu à sua mãe; e disse Elias: Vês aí, teu filho vive.

Com essa premissa, todos os católicos podemos confortavelmente inferir que no Novo Testamento, quando lemos que um personagem, juntamente com SUA CASA foram batizados, isso positivamente significa que TODOS os membros da família foram batizados, inclusive as CRIANÇAS e bebês. 

Assim o centurião romano Cornélio (At 10), a negociante Lídia de Filipos (At 16,14), o carcereiro de Filipos (At 16,31), Crispo de Coríntios (At 18,18), a família de Estéfanas (1 Cor 1,16) todos foram batizados juntamente com seus filhos, pequenos ou não. Tenhamos em mente que naquela época, crianças não faltavam em família alguma. Diferentemente dos dias de hoje, o matrimónio necessariamente pressupunha a construção de uma família, onde os filhos eram vistos como uma benção de Deus e a ausência deles, um motivo de tristeza e lamentação. Mais adiante, não seria leviano presumir que os batismos narrados nas passagens acima não tenham sidos os únicos nos quais toda a CASA do convertido fora também batizada.

Obviamente, além da Bíblia há o testemunho histórico dos livros, dos escritos patrísticos, bem como da Sagrada Tradição. Esses argumentos podem  – e devem – ser usados quando o interlocutor respeita a história, seus historiadores, o livros, as bibliotecas. Nesse caso torna-se ainda mais fácil demonstrar que a história registra em várias obras aquilo que, à primeira vista, parece estar omitido na bíblia.

Desde o início da Igreja, os apóstolos batizavam os recém-nascidos. Assim se expressa m, entre tantos outros, Orígenes (185 – 255 dC): “A Igreja recebeu dos Apóstolos a tradição de dar batismo também aos recém-nascidos.” (Epist. ad Rom. Livro 5, 9). E São Cipriano, em 258 dC, escreveu: “Do batismo e da graça não devemos afastar as crianças.” (Carta a Fido). Santo Irineu, que viveu entre 140 a 204 dC, afirma: “Jesus veio salvar a todos os que através dele nasceram de novo de Deus: os recém-nascidos, os meninos, os jovens e os velhos“. (Adv. Haer. livro 2)

Portanto, se assim criam os primeiros Cristãos, assim ensina a Santa, Una, Apostólica, Igreja Católica. Assim devem crer os Católicos.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Tradição Católica e marcado , . Guardar link permanente.

10 respostas para O Batismo infantil na Bíblia

  1. Cristão é meu nome, Católico é meu sobrenome disse:

    Êxodo 13.1 – Iahweh falou a Moisés, dizendo: Consagra-me todo primogênito, todo o que abre o útero materno.

    A circuncisão foi substituída pelo batismo: “Nele também fostes circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo, tendo sido sepultados com ele no batismo, nele também ressurgistes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.” (Col 2,11-12)

    Crianças, eu vos escrevo, porque conheceis o Pai.” (1 Jo 2,14a)

    Pax Christi.

    Curtir

  2. amanda disse:

    Olá!
    O batismo requer fé, arrependimento de pecados e a decisão de seguir a Jesus sendo o ato do batismo uma demonstração pública dessa decisão e tendo um forte significado no reino espiritual. É um ato consciente, um passo importante na vida de alguém. Por isso um recém nascido não pode ser batizado, ele não “preenche os requisitos”.

    Pedro respondeu: “ARREPENDAM-SE, e cada um de vocês SEJA BATIZADO em nome de Jesus Cristo, para PERDÃO DOS SEUS PECADOS, e receberão o dom do Espírito Santo…Os que ACEITARAM A MENSAGEM FORAM BATIZADOS, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas.
    Atos 2:38-41

    Prosseguindo pela estrada, chegaram a um lugar onde havia água. O eunuco disse: “Olhe, aqui há água. QUE ME IMPEDE DE SER BATIZADO? ”
    Disse Filipe: “VOCÊ PODE,SE CRÊ DE TODO O CORAÇÃO”. O eunuco respondeu: “Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus”.
    Atos 8:36,37

    Curtir

    • Luiz disse:

      O Batismo requer fé e as crianças tem fé pois a fé assim como arrependimento é um dom de Deus. O ser humano nasce em pecado. Ter consciência do pecado é uma ação humana e como o recem nascido ainda esta em desenvolvimento tal discernimento também está se desenvolvendo então cabendo aos pais a atitude levar a mesma até o batismo cristão o discernimento i. e. o ato consciente está nos pais assim como no Antigo testamento os pais levavam o filho para se circuncidar. Os pais cristãos oram pelos seus filhos recem-nascidos e os filhos não tem consciência disso e aí a oração não é válida?

      Curtir

    • Denilson disse:

      Amanda, espero que a Hellen não se aborreça comigo mas gostaria de lhe sugerir a leitura do artigo “Sacramento do Batismo” publicado no portal “O Fiel Católico”. Peço a Nosso Senhor Jesus Cristo que seja enfim aberto o seu entendimento sobre o batismo de crianças pela Igreja.

      Salve Maria

      Curtir

    • Natasha Silva disse:

      As crianças podem crer:

      Marcos 9,42: “E quem escandalizar a um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado ao mar”

      Salmo 22 (21), 11 “Fui entregue a ti desde o nascimento, desde o ventre materno tu és o meu Deus.”
      ______________________________________________________________________

      Sobre a passagem de Mateus 19, 13-14, Jesus NÃO fala “exceto se for para batizar”. Jesus diz claramente para não impedir as crianças de ir a ele, e NÃO IMPÕE NENHUMA RESTRIÇÃO.

      Mateus 19, 13-14 “13 Então levaram crianças para que Jesus pusesse as mãos sobre elas, e rezasse. Mas os discípulos as repreendiam. 14 Jesus, porém, disse: “Deixem as crianças, e não lhes proíbam de vir a mim, porque o Reino do Céu pertence a elas”.

      Jesus pede para que TODOS SEJAM BATIZADOS. Jesus, novamente, não impõe nenhuma regra/restrição.

      Mateus 28, 19 “Portanto, vão e façam com que TODOS os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo,”

      Marcos 10, 13-16 “13 Depois disso, alguns levaram crianças para que Jesus tocasse nelas. Mas os discípulos os repreendiam. 14 Vendo isso, Jesus ficou zangado e disse: «Deixem as crianças vir a mim. Não lhes proíbam, porque o Reino de Deus pertence a elas. 15 Eu garanto a vocês: quem não receber como criança o Reino de Deus, nunca entrará nele.» 16 Então Jesus abraçou as crianças e abençoou-as, pondo a mão sobre elas.”

      Em Marcos 10, 15 diz “5 Eu garanto a vocês: quem não receber como criança o Reino de Deus, nunca entrará nele.»”

      Jesus quis dizer que as crianças estão sempre preparadas para o Reino de Deus, por serem puras de coração e aptas para receber o batismo que os habilita ao Reino.

      Porque os céus pertence aqueles que se assemelham a uma criança.

      Porque então uma criança não estaria apta para receber o batismo, se até mesmo para entrar no céu temos de ser como uma criança?

      Atos 19, 1-5
      “1 Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as regiões mais altas e chegou a Éfeso. Encontrou aí alguns discípulos, 2 e perguntou-lhes: «Quando vocês abraçaram a fé receberam o Espírito Santo?» Eles responderam: «Nós nem sequer ouvimos falar que existe um Espírito Santo.» 3 Paulo perguntou: «Que batismo vocês receberam?» Eles responderam: «O batismo de João.» 4 Então Paulo explicou: «João batizava como sinal de arrependimento e pedia que o povo acreditasse naquele que devia vir depois dele, isto é, em Jesus.» 5 Ao ouvir isso, eles se fizeram batizar em nome do Senhor Jesus. ”

      João Batista já havia profetizado: “Eu batizo com água, mas vem aquele que batizará com o Espírito e com Fogo” (Jo 1, 33; Lc 3, 16). O batismo de João, na água, era preparatório para a vinda do Messias: ainda não era o Sacramento do Batismo, não era o Batismo cristão. É o Messias, isto é, o Ungido no Espírito de Ressurreição, quem batizará no Espírito. Cristo mesmo diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim, o Senhor me ungiu” (Lc 4, 18). Os cristãos, portanto, nunca tiveram “batismo nas águas”: o nosso Batismo é no Espírito Santo! Falar em “batismo nas águas” é voltar ao Antigo Testamento; é parar em João Batista e desprezar o Sacramento do Batismo trazido por Cristo!

      Curtir

  3. O problema da doutrina católica é que os responsáveis sempre tentaram impor suas idéias, normalmente todas errôneas.
    Batismo: Batizou toda a sua casa não informa que haviam crianças, e se haviam jamais poderiam ser batizadas, pois até Jesus só foi batizado após os 30 anos e as crianças, segundo a tradição israelita, só poderiam ser batizadas aos 30 anos.. Sobretudo, Jesus afirmou que é da crianças que é formado o Reino de Deus, e estava cercado delas. Ora, elas não haviam ainda sido batizadas, mas já estavam salvas.

    Maria: A doutrina católica afirma que Maria não teve outros filhos e que os filhos dela citados no Evangelho eram primos. Ora, isso é mais uma imposição católica, pois poderiam ser primos ou irmãos. Se fosse assim, André seria primo de Simão Pedro e não irmão. Na Bíblia está claro, Tiago, IRMÃO de Jesus. Sobretudo, por duas vezes no Evangelho Maria é citada acompanhada em público de crianças, Ora, é a mãe que circula com crianças e não a tia.

    Na imposição do fantasioso Purgatório, o claro ensina rezar aos mortos. Ora, não há uma única citação no Evangelho que indique qualquer reza aos mortos, como também aos santos, pois no Evangelho não existe santos mortos, mas os SANTOS VIVOS.

    Apenas algumas coisinhas da ridícula tradição católica;

    Curtir

    • Hellen disse:

      Caro Waldecy,

      Obrigada pela visita e por comentar.

      Não se pode falar “a doutrina Católica”, mas nas nas doutrinas católicas. Por exemplo, é uma doutrina católica a crença de que TODO Cristão só faz parte do Corpo de Cristo através do Batismo. Outra doutrina é que o casamento é indissolúvel, a assim por diante. Portanto, a não ser que o sr esteja a dizer que TUDO católico está errado, seria impreciso referir-se aos ensinamentos da Igreja como A Doutrina.

      Em segundo lugar, o texto prova categoricamente que a palavra CASA refere-se a todos os membros de uma família, inclusive as crianças. A conclusão natural é que as passagens citadas acima, em Atos dos Apóstolos, sigam o mesmo padrão do Antigo Testamento, e portanto, a expressão CASA seja uma referência também aos indivíduos pequenos de uma família, tanto quanto aos adultos.

      Mais adiante, sua análise está completamente errada. O Batismo de Jesus é completamente diferente do batismo do Convertido adulto e daqueles que nascem num lar Cristão e herdam a fé dos pais. Ademais, o sr não pode afirmar com segurança que as crianças das escrituras – aquelas que cercaram a Jesus – eram, de fato, batizadas ou não. Sequer podemos afirmar com certeza se eram judias, embora tudo indique que fossem. Uma vez que o texto não nos permite essa conclusão. Contudo, se eram crianças judias, obviamente que não eram batizadas mas apenas circuncidadas, se do sexo masculino.

      Mas o ponto importante da fala de Jesus, o sr parece não ter percebido: Quando o Sr diz que o Reino dos Céus pertence àqueles tal e qual as crianças, Ele quer dizer àqueles PUROS e HUMILDES de coração. Como são a maioria das Crianças. Ou seja, o Reino dos Céus é de todos os puros e humildes, sejam els crianças ou não.

      Os outros pontos levantados no seu comentário, não hei de comentar. Fogem do tema do texto acima e, como é de costume dos Evangélicos, sempre querem fazer uma grande lista de assuntos, e NUNCA se dispõem a discutir UM a UM, até que todos os argumentos sejam exauridos.

      Sendo assim, se quiser me refutar quando ao tema do Batismo, estarei a disposição. Por enquanto já considero o debate vencido, uma vez que PELA biblia eu consigo provar meu argumento, enquanto o sr não!

      PAX DOMINI,
      H.

      Curtir

    • Hellen disse:

      Que duro, Waldecy Antonio… Não leu o texto?

      O sr afirma:

      “Batismo: Batizou toda a sua casa não informa que haviam crianças, e se haviam jamais poderiam ser batizadas, pois até Jesus só foi batizado após os 30 anos e as crianças, segundo a tradição israelita, só poderiam ser batizadas aos 30 anos.. Sobretudo, Jesus afirmou que é da crianças que é formado o Reino de Deus, e estava cercado delas. Ora, elas não haviam ainda sido batizadas, mas já estavam salvas.”

      Leia o texto de novo…

      Entretanto, pode-se argumentar restar ainda um problema: ainda não provamos se a palavra CASA inclui também os membros jovens da família, as crianças, uma vez que o FILHO mencionado no texto pudesse, de fato, ser crescido. Contudo, se continuarmos a ler a história de Elias e o relato de seu encontro com a viúva, veremos mais adiante, na mesma passagem (1 Reis 17:19-23), que o filho da viúva era sim um menino, portanto, uma criança.

      E ele disse: Dá-me o teu filho. E ele o tomou do seu regaço, e o levou para cima, ao quarto, onde ele mesmo habitava, e o deitou em sua cama,

      E clamou ao Senhor, e disse: Ó Senhor meu Deus, também até a esta viúva, com quem me hospedo, afligiste, matando-lhe o filho?

      Então se estendeu sobre o menino três vezes, e clamou ao Senhor, e disse: Ó Senhor meu Deus, rogo-te que a alma deste menino torne a entrar nele.

      E o Senhor ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.

      E Elias tomou o menino, e o trouxe do quarto à casa, e o deu à sua mãe; e disse Elias: Vês aí, teu filho vive.

      Com essa premissa, todos os católicos podemos confortavelmente inferir que no Novo Testamento, quando lemos que um personagem, juntamente com SUA CASA foram batizados, isso positivamente significa que TODOS os membros da família foram batizados, inclusive as CRIANÇAS e bebês.

      Pax Christi
      Hellen

      Curtir

  4. Olá minha querida, a paz.

    Acompanho e sou fé de seus conteúdos…

    Venho encarecidamente pedir que afronte o site UOL pela difamação de nossa Igreja na matéria sobre igrejas gays.

    É claro a vontade de nos humilhar e destruir.

    O filósofo que até então tinha meu respeito Leandro Karnal encabeça a palhaçada.

    O mesmo que em uma de suas palestras diz invejar aqueles que crêem, pois queria ele ser assim, acreditar que alguém o córregos no colo e blá blá blá.

    Eu pensei em escrever algo contra, mas seria perda de tempo minha. Você tem base e audiência suficiente para bater de frente com tal vergonha contra nossa honra.

    Braços fraternos

    Curtir

    • Hellen disse:

      Obrigada, meu caro. Farei o possível.
      O sr Karnal é um espertalhão a aproveitar-se da lamentável secularização e do ateísmo militante da nossa infeliz sociedade. Faz o que faz e diz o que diz por interesse próprio, seu enriquecimento. Tem audiência pra isso e portanto, tira proveito.

      Vou tentar encontrar a matéria e, se estiver ao meu alcance, postarei uma resposta.

      Pax Domini
      H.

      Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s