A noção de que toda igreja é igual não é bíblica


 

techo_sacristc3ada_toledo

Teto da Catedral de Toledo

Previamente tratamos aqui no blog da realidade da Comunhão de todos os Cristãos numa Igreja Una e Visível. A postagem foi publicada aqui sob o título de  A Igreja de Cristo é Visível. Sua leitura pode auxiliar no entendimento do texto de hoje.

A Igreja Católica é a entidade viva e visível do Corpo de Cristo na Terra, Sua Igreja. A Negação da visibilidade da Igreja de Cristo é chamada de Docetismo Eclesial, onde Docetismo significa uma heresia que considerava o Corpo de Cristo como pura aparência, negando a humanidade de Cristo, rejeitava o mistério da Encarnação, e, por conseguinte, toda a sua obra redentora realizada por sua morte na Cruz. Esta heresia foi definitivamente condenada pelo concílio de Calcedônia.

Na eclesiologia católica, o fundamento da unidade da Igreja é Cristo, que é tanto Espírito e Carne. Estamos unidos a Cristo por estarmos unidos a Seu Corpo Místico, por meio do sacramento do batismo. Estamos ainda mais profundamente unidos a Cristo e à Igreja através dos sacramentos da Confirmação e da Eucaristia. Um ato de cisma separa a pessoa da Igreja, e, portanto, de Cristo, porque a Igreja é o próprio Corpo Místico de Cristo.

O catolicismo é sacramental, na medida em que procura o espiritual através do material, do mesmo modo como conhecemos a natureza divina de Cristo somente através de Sua natureza humana. Nós católicos não tentamos ignorar o material, como no gnosticismo, tentando aqui nesta vida contornar o sacramental e ver diretamente a natureza divina ou tomar o ponto de vista divino, porque isso está presentemente além de nós como criaturas materiais. Se quisermos saber sobre o nosso estado no céu, temos que nos questionar sobre nosso estado no Seu Corpo Místico aqui na Terra. Este sentido Terra-Céu da epistemologia da fé é visto na bíblia, por exemplo, quando Jesus diz aos Apóstolos: “Tudo o que ligares na terra será ligado no céu” O visível e o invisível estão unidos por causa da encarnação, de modo que o que é feito para a carne de Cristo é feito à Pessoa de Cristo. É precisamente por isso que excomunhão “tem dentes”, pois ela realmente corta uma pessoa fora de Cristo.

Considere a posição protestante, segundo a qual todos os cristãos são igualmente unidos a Cristo pela fé, e, portanto, são igualmente unidos à Igreja. Nós descrevemos esta posição no post anterior (link acima) como o modelo “almofada de alfinetes”. De acordo com essa noção de Igreja, a cisma não prejudica a unidade de todos os cristãos, ela fere apenas a manifestação exterior da nossa unidade espiritual, que do contrário segue intacta. Ou seja, não importa se há uma enormidade de diferentes doutrinas, o importante é que se creia em Cristo. Esta é uma noção desmaterializada (ou seja, é uma noção espiritualizada) de eclesiologia que, neste respeito, é ambas gnóstica e docética. Uma vez que o Cristo encarnado é tanto espírito quanto carne, a unidade visível do Seu Corpo Místico não é meramente uma “expressão externa” da verdadeira unidade espiritual e invisível da Igreja, assim como a união sexual de um casal não é meramente uma expressão física do unidade espiritual de marido e mulher, mas é as duas coisas juntas, inseparáveis. A união sexual realmente deve ser uma expressão corporal de uma união espiritual. Mas a união sexual não é apenas uma expressão externa de unidade espiritual; ela própria é uma verdadeira união de marido e mulher. Da mesma forma, a unidade visível da Igreja (incluindo a unidade hierárquica) é uma unidade real do Corpo Místico, não apenas uma expressão externa da unidade que é espiritual e invisível.

A raiz do problema aqui é uma espécie de dualismo que trata o espiritual como de fato real, e o material como um mero contexto para a expressão do espiritual. Isso reduz o Corpo Místico a um espírito tendo alguns membros visíveis, uma almofada invisível com alguns alfinetes visíveis. Onde quer que o cisma é tratado como não separador de uma pessoa (até certo ponto) de Cristo, a Igreja está sendo tratada como fundamental e intrinsecamente invisível, com alguns membros visíveis. Negar a unidade essencial da hierarquia visível, é tratar o Corpo Místico de Cristo como se ele não fosse, na verdade, e, essencialmente, um Corpo, porque a unidade hierárquica visível é essencial e intrínseca a um corpo. Se um corpo deixa de ser visível hierarquicamente, ela deixa de ser. É por isso que um ser humano não pode sobreviver a desintegração de seu corpo. Então, se a unidade visível é apenas acidental a alguma coisa, essa coisa não é um corpo vivo; isto é, no máximo, apenas a aparência de um corpo. Assim, aqueles que afirmam que o Corpo Místico de Cristo é uma forma invisível e visivelmente divididos estão tratando o Corpo de Cristo como se fosse meramente um corpo aparente, não um corpo real. É por isso que esta posição é justamente descrita como docetismo, porque docetismo é a heresia que alegou que Cristo só apareceu para ser um homem.

B. Como é o Docetismo na prática?

A espiritualidade e visibilidade da Igreja não são mais opostas do que a alma e o corpo de um homem, ou melhor ainda, do que a divindade e humanidade em Cristo. . . . Por ignorar este duplo caráter inseparável da Igreja, o protestantismo, Luterano e Reformado, não conseguiu resistir à tentação de distinguir as duas realidades da Igreja, opondo-as, por um lado, numa igreja evangélica invisível e única, e, por outro, visível, humana e pecadora.

Na prática, o docetismo implica consumismo eclesial, porque elimina a noção de encontrar e submeter-se à Igreja que Cristo fundou. Na mentalidade de docetista, o que se procura, na medida em que se olhe, é uma comunidade de pessoas que compartilham de sua própria interpretação das Escrituras. No docetismo a identidade da Igreja não é determinada pela forma e matéria, mas pela forma apenas. Que forma? A forma de uma interpretação própria da Escritura. Isso revela por que existem tantas denominações protestantes diferentes, centros de adoração, e comunidades eclesiais, nenhum deles compartilhando os três laços de unidade com qualquer um dos outros.

Assim como o efeito prático de docetismo é um Cristo de nossa própria fabricação, desconectado do Cristo histórico de carne e sangue, de modo que o efeito prático de docetismo é uma Igreja feita à imagem da nossa própria interpretação, desligada da Igreja histórica.

Isto é expresso doutrinariamente como uma negação da materialidade ou sacramentalidade da sucessão apostólica. O Docetismo redefine a a realidade da “sucessão apostólica”, como a preservação da forma, ou seja, a preservação da doutrina dos apóstolos. Mas sem o componente de material de sucessão apostólica, o indivíduo se torna o árbitro interpretativo final do que a doutrina apostólica vem a ser. E assim, a ‘igreja-shopping’ começa a existir. E onde há uma grande variação de demanda, uma grande variação de oferta surge. A “Igreja” é reduzida a uma empresa orientada para o consumidor, com base na própria percepção interna de cada pessoa de suas próprias necessidades espirituais e como os concorrentes organizações, instituições ou comunidades atender a essas necessidades. Isso transforma “igreja” em algo egocêntrico ao invés de centrada em Deus.

Outro efeito necessário de docetismo é a apatia em relação às divisões visíveis entre os cristãos, comunidades e denominações. Se a unidade da Igreja é espiritual, na medida em que cada cristão é invisivelmente unido a Cristo pela fé, então preservar a unidade visível é supérfluo, e até mesmo presunçoso em sua tentativa de ‘superar’ a Cristo. Se não houver essencialmente hierarquia visível unificada, em seguida, enquanto pode haver algumas razões pragmáticas para a cooperação ecumênica, como existem no seio dos partidos políticos, não pode haver mandato divino de que não haja cismas entre nós. O docetismo redefine o termo “Igreja” para se referir a uma entidade invisível em que todos os crentes são perfeitamente unidos, não importa a que visível instituição (se houver) pertencer o crente atualmente.

Aqui reside um ponto digno de nota. O Docetismo conceitualmente elimina a própria possibilidade de cisma. Fá-lo não por conciliar as partes separadas, mas ao redefinir unidade como algo meramente espiritual, e a de-materialização do cisma como algo invisível e espiritual, ou seja, apenas uma deficiência na caridade. O Docetismo trata divisões visíveis de hierarquias separadas como ramos e nega a pecaminosidade do cisma, não abertamente ou explicitamente, mas por definição e, portanto, sub-repticiamente (fraudulentamente). Ele classifica o que é realmente mal (ou seja, o cisma) como inócuo, e até bom. Ele esconde dos cristãos cismáticos seu estado de não estarem em plena comunhão com o Corpo Místico de Cristo, privando-os da plenitude da graça que receberiam em plena comunhão com a Igreja de Cristo.

Este post é uma continuação do texto postado anteriormente neste blog encontrado aqui. Na terceira e final parte deste artigo, tratarei do seguinte tema:

IV. O que a Igreja Católica ensina sobre a visibilidade da Igreja

A. Igreja Hierarquia e Unidade

Este post é uma adaptação do Blog Ecclesia Militans da obra deBrian Cross em Called to Communion Reformation meets Rome.
Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, Autoridade Eclesial, Doutrinas & Dogmas e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A noção de que toda igreja é igual não é bíblica

  1. Abel de Souza Magalhães disse:

    Boa noite Helen!

    Gostaria de te fazer um pedido. Acompanho sempre que posso o seu blog pois nele sempre existem temas importantíssimos para o enriquecimento de nossa fé.

    O pedido é simples. Se fosse possível, você poderia alterar o fonte do seu blog pois dificulta bastante a visibilidade . Talvez um Arial ou Timew New Roman já melhoria bastante.

    Grato

    Abel

    Curtido por 1 pessoa

    • Hellen disse:

      Obrigada Abel, eu nao entendo o por que deste problema. Muitas vezes já mudei a fonte, mas por algum motivo, o word press parece modifica-la para manter o padrão do tema da pagina, que é o tema Stay. Vou ver o que é possível fazer. Grata pela observação!

      Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s