Se a Igreja é Católica, pode ser também Romana?


A Celebração solene da Santa Missa na Santa Igreja Católica

A Celebração solene da Santa Missa na Santa Igreja Católica

O Credo que recitamos aos domingos e dias santos fala de uma una, santa, católica e apostólica Igreja. Como todos sabem, no entanto, a Igreja à qual se refere o presente credo é mais comumente chamada apenas de a Igreja Católica.

O termo Católica Romana não é utilizado pela própria Igreja; é um termo relativamente moderno, e que além disso, se limita em grande parte à alguns idiomas, como o Português. Por exemplo, os bispos de língua Inglesa no Concílio Vaticano I, em 1870, de fato, conduziram uma campanha vigorosa e bem-sucedida para garantir que o termo Católica Romana não fosse incluído em nenhum dos documentos oficiais do Concílio sobre a própria Igreja, e o termo de fato, não foi incluído .

Da mesma forma, em nenhum lugar nos 16 documentos do Concílio Vaticano II, se encontrará o termo Católica Romana. O Papa Paulo VI assinou todos os documentos do Concílio Vaticano II como “Eu, Paulo, Bispo da Igreja Católica.” Bastando-se  – Igreja Católica. Há referências à Cúria Romana, ao Missal Romano, o Rito Romano, etc., mas quando o adjetivo Romano é aplicado à própria Igreja, refere-se à Diocese de Roma!

Os Cardeais, por exemplo, são chamados de Cardeais da Santa Igreja Romana, mas essa designação significa que quando eles são convocados a serem cardeais, eles assim tornam-se clero honorários da diocese casa do Santo Padre, a Diocese de Roma. Cada cardeal recebe uma igreja titular em Roma, e quando participam da eleição de um novo papa, eles estão participando de um processo que nos tempos antigos foi realizado pelo clero da Diocese de Roma.

Embora a Diocese de Roma seja central para a Igreja Católica, isto não significa que o Rito Romano, ou, como às vezes se diz, o rito latino, seja co-terminal com a Igreja como um todo; isso significaria negligenciar os Bizantinos, Caldeus, Maronitas ou outros ritos Orientais, que são todos uma parte muito importante da Igreja Católica tanto hoje, como no passado.

Em nossos dias, muito maior ênfase tem sido dada a estes ritos “não-romanos” da Igreja Católica. O Concílio Vaticano II dedicou um documento especial, Orientalium Ecclesiarum (Decreto sobre Igrejas Católicas Orientais), com os ritos orientais que pertencem à Igreja Católica, e o novo Catecismo da Igreja Católica dá de forma semelhante considerável atenção às tradições distintas e espiritualidade destes ritos orientais.

Assim o nome apropriado para a Igreja universal não é a Igreja Católica Romana. Longe disso. Esse termo pegou principalmente em países de língua Inglesa; ele foi promovido principalmente pelos anglicanos, os defensores da “teoria da sucursal” da Igreja, ou seja, que o una, santa, católica e apostólica do credo deveria consistir em três grandes ramos, a Anglicana, Ortodoxa e assim – a chamada Católica Romana. Foi para evitar esse tipo de interpretação que os bispos de língua Inglesa no Concílio Vaticano I seguiram alertando a Igreja a nunca usar o termo oficialmente sobre si mesma: pois muito facilmente poderia ser mal interpretada.

Hoje, em uma era de dissidência generalizada na Igreja, e de confusão igualmente generalizada a respeito do que a identidade católica autêntica deve consistir em, muitos católicos fiéis têm recentemente pasado a usar o termo Católica Romana para afirmar seu entendimento de que a Igreja Católica do credo do domingo é a mesma Igreja que está unida ao Vigário de Cristo em Roma, o Papa. Esse entendimento deles é correto, mas tais católicos devem, no entanto, ter cuidado com o uso do termo, não apenas por causa de suas origens duvidosas em círculos anglicanos que pretendem sugerir que não só poderia haver alguma outra Igreja Católica em algum lugar além daquele de Roma, mas também porque que muitas vezes é usado ainda hoje para sugerir que a Igreja Católica Romana seja algo diferente e menor do que a Igreja Católica do credo. É comumente utilizado por alguns teólogos dissidentes, por exemplo, que parecem estar tentando classificar a Igreja Católica Romana como apenas mais uma “denominação cristã” contemporânea – não o corpo que é idêntico à una, santa, católica e apostólica Igreja de o credo.

O bom nome da Igreja, então, é a Igreja Católica. Não seja tampouco jamais chamada de “a Igreja Cristã”. Embora a prestigiosa Oxford University Press tenha publicado atualmente um livro de referência bastante útil chamado de “O livro de Oxford da Igreja Cristã,” o fato é que nunca houve uma entidade importante na história chamada por esse nome; o Oxford University Press adotou um equívoco, pois a Igreja de Cristo nunca foi chamada de a Igreja Cristã.

Há, naturalmente, uma denominação protestante nos Estados Unidos que se faz chamar a si mesma por esse nome, mas essa denominação  em particular não é nem de longe o que a Oxford University Press tinha em mente ao atribuir ao seu livro de referência do título que ela fez. A atribuição do título em questão parece ter sido mais um método, como  tantos ao longo da história, de se recusar a admitir que há, de fato, uma – e apenas uma – entidade existente no mundo hoje à qual a designação “a Igreja Católica” no Credo, eventualmente, se aplica.

A entidade em questão, é claro, é apenas isso: a muito visível, e de nível mundial Igreja Católica, na qual o sucessor 263 do apóstolo Pedro, o Papa Franciso, ensina, governa e santifica, juntamente com cerca de 3.000 outros bispos ao redor do mundo, que são sucessores dos apóstolos de Jesus Cristo.

Como mencionado nos Atos dos Apóstolos, é verdade que os seguidores de Cristo logo se tornaram conhecidos como “cristãos” (At 11,26). O nome “cristãos”, no entanto, nunca foi comumente aplicado à própria Igreja. No próprio Novo Testamento, a Igreja é chamada simplesmente de “Igreja”. Havia apenas uma. Naquele tempo ainda não havia quaisquer organismos separatistas substanciais o suficiente para serem pretendentes rivais do nome, e dos quais a Igreja necessitasse distinguir-se a si mesma.

Muito cedo no tempos pós-apostólicos, no entanto, a Igreja fez adquirir um nome próprio – e precisamente para distinguir-se dos corpos rivais que até então já estavam começando a se formar. O nome que a Igreja adquiriu, quando se tornou necessário que tivesse um nome próprio, foi o nome pelo qual ela tem sido conhecida desde então, a Igreja Católica.

O nome aparece na literatura cristã, pela primeira vez por volta do final do primeiro século. No momento em que foi escrito pela primeira vez,  certamente já estava em uso, pois as indicações são de que todos entenderam exatamente o que significava o nome quando foi escrito.

Por volta do ano 107 dC, um bispo, Santo Inácio de Antioquia no Oriente Médio, foi preso, levado à Roma por guardas armados e eventualmente lá martirizado em uma arena. Em uma carta de despedida que este bispo primitivo e mártir escreveu para seus companheiros cristãos em Esmirna (Izmir hoje na Turquia moderna), ele fez a primeira menção escrita na história da “Igreja Católica”. Ele escreveu: “Onde o bispo está presente, aí está a Igreja Católica” (Para as Smyrnaeans 8: 2). Assim, o segundo século do cristianismo mal começara quando o nome da Igreja Católica já estava em uso.

Depois disso, menções do nome tornaram-se mais e mais freqüentes no registro escrito. Ele aparece no registro escrito mais antigo que possuímos fora do Novo Testamento no martírio de um cristão por sua fé, o “Martírio de São Policarpo,” bispo da mesma Igreja de Esmirna à qual Santo Inácio de Antioquia havia escrito. São Policarpo foi martirizado em torno de 155, e o relato dos seus sofrimentos remonta a esse tempo. O narrador nos informa que em suas orações finais, antes de dar a sua vida por Cristo, St. Polycarpio “se lembrou de todos que haviam se encontrado com ele a qualquer momento, pequenos e grandes, tanto aqueles com e sem renome, e toda a Igreja Católica em todo o mundo”

Sabemos que São Policarpo, no momento da sua morte, em 155, tinha sido cristão por 86 anos. Ele não poderia, portanto, ter nascido muito mais tarde do que aon de  69 ou 70. No entanto, parece ter sido uma parte normal do vocabulário de um homem desta era, ao ponto de ser capaz de falar de “toda a Igreja Católica em todo o mundo.”

O nome pegou, e, sem dúvida, por boas razões.

O termo “católico” simplesmente significa “universal”, e ao empregá-lo nos tempo primitivos, Santo Inácio de Antioquia e São Policarpo de Esmirna estavam se referindo à Igreja que já estava “em todos os lugares”, como a distinguir-se de quaisquer as seitas, cismas ou grupos dissidentes, que pudessem ter crescido aqui e ali, em oposição à Igreja Católica.

O termo já era entendido até mesmo no princípio, como um nome apropriado especialmente porque a Igreja Católica era para todos, não apenas para os entusiastas adeptos, ou aqueles especialmente iniciados que pudussem ter sido atraídos por ela.

Mais uma vez, já foi entendido que a Igreja era “católica”, porque – para adotar uma expressão moderna –  possuía a plenitude dos meios de salvação. Ela também estava destinada a ser “universal” no tempo, bem como no espaço, e foi-lhe aplicada a promessa de Cristo a Pedro e aos outros apóstolos que “as portas do inferno não prevalecerão” contra ela (Mt 16: 18).

O Catecismo da Igreja Católica em nossos dias tem concisamente resumido todas as razões porque o nome da Igreja de Cristo tem sido a Igreja Católica: “A Igreja é católica”, o Catecismo ensina “, [porque] ela proclama a plenitude da fé. Ela carrega em si mesma e administra a totalidade dos meios de salvação. Ela é enviada para todos os povos. Ela fala a todos os homens. Ela abrange todos os momentos. Ela é “missionária de sua própria natureza ‘” (n. 868).

Assim, o nome ficou ligado à ela para sempre. Até o momento do primeiro concílio ecumênico da Igreja, realizado em Nicéia, na Ásia Menor, no ano 325 dC, os bispos do concílio que estavam legislando muito naturalmente em nome do corpo universal que chamaram nos documentos oficiais do Concílio de Nicéia “a Igreja Católica”. Como a maioria das pessoas sabe, foi esse mesmo concilio foi quem formulou o credo básico em que o termo “católico” foi retido como uma das quatro marcas da verdadeira Igreja de Cristo. E é o mesmo nome, que pode ser encontrado em todos os 16 documentos do XXI Concílio Ecuménico da Igreja, o Concílio Vaticano II.

O termo voltou no quarto século quando São Cirilo de Jerusalém escreveu apropriadamente, advertindo ao viajante que ao chegar à um lugar novo “Indague não simplesmente onde é a casa do Senhor, pois as seitas dos profanos também fazem uma tentativa de chamar suas próprias tocas as casas do Senhor, nem indague apenas onde a igreja está, mas  onde está a Igreja Católica. Pois este é o nome peculiar deste Corpo Santo, a Mãe de todos, que é a Esposa de Nosso Senhor Jesus Cristo “(Catequeses, xviii, 26).

A mesma pergunta precisa ser feita exatamente da mesma maneira hoje, pois o nome da verdadeira Igreja de Cristo em nada foi alterado. Era inevitável que o Catecismo da Igreja Católica adotasse o mesmo nome, hoje, que a Igreja teve em toda a sua longa história.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica, História de Igreja, Patriarcas da Igreja, Reforma Protestante - Doutrinas e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Se a Igreja é Católica, pode ser também Romana?

  1. Luís disse:

    Acredito eu (posso está errado) que essa passagem na carta de São Paulo aos romanos é q mais representa de forma clara o sentido do termo “Catolicismo Romano”. ” Antes de tudo, dou graças ao meu Deus por meio de Jesus Cristo por causa de vocês, pois a fama da fé que vocês têm se espalhou pelo mundo inteiro. Deus, a quem sirvo em meu espírito anunciando o Evangelho do seu filho, é testemunha de que sem cessar me lembro de vocês, e nas minhas orações peço sempre que, por vontade de Deus, eu tenha ocasião de poder visitá-los. De fato, tenho muita vontade de vê-los. a fim de lhes comunicar algum dom espiritual para fortalecê-los, ou melhor, para ser reconfortado com vocês e entre vocês, através da fé que eu e vocês temos em comum. Por outro lado, irmãos, quero que vocês saibam que muitas vezes pensei em visitá-los, mas até agora fui impedido de ir; esperava recolher algum fruto entre vocês, como entre outras nações. Estou em dívida com gregos e bárbaros, com sábios e ignorantes. Desse modo, naquilo que depende de mim, estou pronto para anunciar o Evangelho também para vocês que estão em Roma” (Carta aos Romanos cap 1; Vers 8 – 15)

    Curtir

    • Hellen disse:

      Ainda hoje li essa mesma passagem.
      Não gosto muito da tradução que usou; não acho que o pronome ‘você’ seja adequado à Bíblia, de qualquer modo, gosto muito da referida passagem.
      Pax

      Curtir

  2. Anônimo disse:

    O nome, que aprendi como seminarista redentorista no Colégio Santo Afono, em Aparecida é Igreja Católica, Apostólica Romana, Hoje até aceito que seja Católica Romana, mas apostólica jamais, pois se o clero fosse, realmente o herdeiro de Simão Pedro (apóstolo) os padres não serviriam de intermediários entre Deus e o perdão (Pedro nunca foi) Não usariam estatuetas, imagens e figuras em seus cultos (Pedro nunca usou) Não batizariam bebês (Pedro nunca batizou) Não santificariam homens e mulheres como santos ((Pedro nunca santificou mortos) Não praticariam rezas extremamente repetidas, proibidas por Jesus (Pedro nunca rezou dessa forma) Não acreditariam no fantasioso Purgatório católico (Pedro jamais acreditou) Não rezariam pelos mortos (Pedro nunca rezou pelos mortos, mas apenas pelos vivos) Guardariam o sétimo dia do Decálogo, nunca um domingo(Pedro, Paulo, Jesus e toda a Igreja santificavam os sábados) e principalmente os “herdeiros de Pedro jamais viveriam em deslumbrantes palácios da gloria humana, não vestiriam vestes de reis e nem se assentariam em tronos da glória (Pedro jamais se sentaria nos tronos dos papas reis) e completando Pedro disse uma vez que não tinha dinheiro para dar a um pedinte, mas curou-o do aleijamento, mas os papas gerencial três trilhões de dólares, segundo O Estado de São Paulo. Além disso, Pedro foi morto pelos ímpios, mas jamais matou, mas os papas da Idade média assassinaram centenas de milhares de pessoas que se recusaram a submeter-se a eles e à sua doutrina carregada de erros. Um abraço

    Date: Mon, 7 Sep 2015 04:37:14 +0000 To: netsimoes@hotmail.com

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s