A concordância da Graça de Deus e a Liberdade Humana: Até que ponto a graça interfere em nossas escolhas?


Embora este seja um debate complexo e, mais importante ainda, embora eu não seja a pessoa mais indicada a discutí-lo, à pedido de um leitor, tentarei fazer aqui uma reflexão sobre o tema – infelizmente em duas, quisá, três partes, haja visto que o assunto requer mais espaço do que é recomendado para um único post… Antes de mais nada, aviso que estou de férias com a familia (aliás, na cidade de San Franciso, Califórnia. Um lugar muito necessitado de orações, aos amigos que quiserem rezar por esse lugar…) e sendo assim, continuo o post quando for possível.  Aviso ainda que fiz uso de publicações católicas onde os conceitos de Sciencia Media, entre outros, foi utilizado. Esses conceitos são definidos aqui.

Primeiramente, devemos nos lembrar de que Deus não é parte do tempo ou espaço. Assim, Ele não está sujeito a nenhuma experiência de aprendizagem como nós criaturas estamos. Em segundo lugar, se Ele não possuísse conhecimento de tudo, sua onisciência infinita estaria sujeita à nossa consciência finita e limitada dentro do tempo. Isso faria Dele um ser dependente de nós para o conhecimento.

Então, sim, quando a escritura usou as palavras “Eu sou” para caracterizar Deus, isso coloca Deus no imediato “agora”, sempre. E não sujeito ao passado ou futuro, pois passado e futuro estão sujeitos ao tempo, e Deus não.

“Deus não tem que esperar no contingente do evento temporal do livre arbítrio do homem para saber o que será a ação deste; Ele tem conhecimento desta ação desde a eternidade. Contudo, a dificuldade é: como, do nosso ponto de vista finito, podemos interpretar e explicar a maneira misteriosa do conhecimento de Deus de tais eventos sem, ao mesmo tempo, sacrificar o conceito, ou pelo menos nosso entendimento do livre arbrítrio da criatura? ” (Publicação: Novo Advento)

Neste ponto, diferentes escolas de pensamento são utilizadas aqui para explicar a questão, tais como os dominicanos e jesuítas.

“A escola jesuíta, com quem provavelmente a maioria dos teólogos independentes concordam – usando da ‘sciencia media’ sustenta que devemos conceber o conhecimento de Deus das futuras ações livres não como sendo dependente e consequênte do decreto de Sua vontade, mas em seu caráter como conhecimento hipotético ou como sendo antecedente à elas. Deus tinha conhecimento na ‘sciencia media’ do que Pedro iria fazer em determinadas circunstâncias se ele recebesse determinada ajuda, e isso antes mesmo de qualquer decreto absoluto de dar essa ajuda seja suposto. Assim, não há predeterminação Divina daquilo que a vontade humana escolhe livremente, não é porque Deus tem conhecimento de antemão a respeito de um certo ato de livre escolha que este ato se concretiza, mas Deus prevê que, em primeira instância, como uma questão de fato que o ato vai acontecer. Ele o sabe como um fato objetivo hipotético antes que se torne um objeto da ‘scientia visionis’ – ou melhor, é assim que, a fim de salvaguardar a liberdade humana, devemos concebê-lo como sabê-lo.

Foi assim, por exemplo, que Cristo sabia o que teriam sido os resultados de seu ministério dentre os povos de Tiro e Sidão. Mas é preciso ter cuidado para evitar implicar que o conhecimento de Deus seja de algum modo dependente das criaturas, como se ele tivesse, por assim dizer, que aguardar o evento real no tempo antes de saber infalivelmente o que uma criatura livre pode optar por fazer. Desde a eternidade Ele sabe, mas não pressupõe a escolha da criatura. E se for perguntado como podemos conceber esse conhecimento para existir precedentemente e independentemente de algum ato da vontade divina, na qual todas as coisas contingentes dependem, só podemos dizer que a verdade objetiva expressa pelos fatos hipotéticos em questão é de alguma forma reflectida na Essência Divina, que é o espelho de toda a verdade, e que em saber Ele mesmo Deus sabe essas coisas também. Independentemente da forma como nós viramos, em última análise, somos obrigados a encontrar um mistério, e, quando há uma questão a escolher entre uma teoria que remete ao mistério de Deus e uma que só salva a verdade da liberdade humana, fazendo o livre-arbítrio em si um mistério , a maioria dos teólogos naturalmente prefiro a primeira alternativa. “

Pois bem, se isso parece muito complicado – é porque é mesmo. Mas é uma premiça que deve ser estabelecida, antes que possamos avançar na nossa reflexão. E como já passa da meia noite aqui no meu quarto de hotel, paro por aqui. Enquanto isso, reflitamos. Comentários serão bem-vindos. E nos vemos à continuação do tema, no próximo post!!

Paz

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para A concordância da Graça de Deus e a Liberdade Humana: Até que ponto a graça interfere em nossas escolhas?

  1. Denilson Guedes disse:

    Helen, boa noite. Aguardava muito pela publicação destes artigos. Espero esclarecer algumas dúvidas que tenho sobre a Graça de Deus na vida humana.

    Curtido por 1 pessoa

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s