A verdade sobre “Cinquenta Tons de Cinza”: Maníaco sádico vira herói romântico.


Descubra a verdade por trás de “Cinquenta Tons de Cinza”, a patética história que transforma um maníaco sadomasoquista em herói romântico

Em um tempo longínquo, a sociedade costumava enviar sádicos para um terapeuta ou para a prisão, não para o próprio quarto. Mas, com o advento de Fifty Shades of Grey [“Cinquenta Tons de Cinza”, em português], os dias de sanidade mental da humanidade estão contados. O recorde de vendas do livro e o sucesso de bilheteria do filme denunciam o estado doentio da modernidade e convidam pais, mães e filhos a uma importante reflexão.

A obra, escrita por uma mulher e recentemente adaptada para o cinema, conta a história de “amor” nada saudável entre o magnata Christian Grey e a jovem estudante Anastásia Steele. O relacionamento dos dois é regido por um “contrato”, no qual Christian é denominado o “dominante”, e Anastásia, a “submissa”. As cláusulas do documento são estarrecedoras: “a Submissa (…) deve oferecer ao Dominante, sem perguntar nem duvidar, todo o prazer que este lhe exija”; “o Dominante pode açoitar, surrar, dar chicotadas e castigar fisicamente à Submissa (…) por motivos de disciplina, por prazer ou por qualquer outra razão, que não está obrigado a expor”; “a Submissa aceitará açoites, surras, pauladas, chicotadas ou qualquer outra disciplina que o Dominante administrar, sem duvidar, perguntar nem queixar-se”.

O mesmo contrato ainda fixa um prazo de validade de “três meses”, durante os quais Anastásia se torna “propriedade” de Christian. A lista de aberrações é interminável. “Açoites”, “açoites com pá”, “chicotadas”, “gelo”, “cera quente” são talvez as únicas “fantasias” nomináveis do livro. É este arsenal de torturas o protagonista de “Cinquenta tons de cinza”.

Um estudo conduzido pelo Journal of Women’s Health [“Jornal de Saúde da Mulher”] traz uma importante relação entre os atos da trama sadomasoquista e os aspectos reais de violações sexuais. No desenrolar dos acontecimentos,

Christian lança mão de estratégias típicas de abusadores, incluindo perseguição (ele deliberadamente segue Anastásia Steele e usa um telefone e um computador para rastrear sua localização), intimidação (ele a ameaça com punições e violência, incluindo pressioná-la a atividades com as quais ela fica desconfortável), isolamento social (ele afasta Anastásia de amigos e família) e violência sexual (ele usa álcool para forçar o seu consentimento e a constrange a atividades sexuais desconfortáveis).

Como resposta, Anastásia experimenta reações típicas de mulheres violadas, incluindo ameaça constante (por exemplo, de que Christian está tentando rastreá-la, está nervoso com ela e vai puni-la ou machucá-la); identidade alterada (Anastásia descreve a si mesma como um “assombrado fantasma pálido”); estresse (Anastásia começa a ter comportamentos para manter a paz no relacionamento, como reter informação sobre a sua localização para evitar a ira de Christian); ânsia pela sanidade e normalidade no relacionamento; e enfraquecimento e aprisionamento, já que as suas condutas se mecanizam em resposta ao abuso de Christian.

Sabendo qual o verdadeiro teor dessa história assombrosa, urge identificar, afinal, qual a origem da sua repercussão. Na Inglaterra, a trilogia de E. L. James vendeu mais do que “Harry Potter” e “O Código da Vinci”. Nos Estados Unidos, foram 10 milhões de cópias compradas em apenas seis semanas. No mundo inteiro, o filme bateu recorde de bilheteria, beirando a cifra de 240 milhões de dólares. Como uma narrativa sádica e violenta é capaz de alcançar tamanho sucesso?

A primeira resposta – e, certamente, a primeira que vem à mente do leitor – é o sexo. O êxito de “Cinquenta Tons de Cinza” se deveria principalmente às passagens eróticas inseridas pela autora no livro. O fato de 68% da audiência do filme ser composta por mulheres é um dado importante. Mostra como a pornografia – um problema eminentemente masculino – tem se adaptado também para o universo feminino. Do material explícito e visual usado para os homens, o demônio adapta livros e letras para destruir também as mulheres.

Mas, ainda que o aspecto sexual responda muito, não responde tudo. Para Kirsten Andersen, correspondente do LifeSiteNews.com, o sucesso de tramas como “Cinquenta Tons de Cinza” eTwilight [“Crepúsculo”] “tem sua origem na batalha que se trava em todos nós desde o dia em que aparecemos gritando, nus e indefesos, neste mundo”, tem a ver com o fato de que “nós todos queremos ser profundamente amados”, ainda que, muitas vezes, vejamos a nós mesmos como seres “pateticamente desprezíveis”. Os romances exploram, portanto, a radical necessidade do ser humano por amor e redenção – na maioria das vezes, porém, do jeito errado.

Em “Cinquenta Tons de Cinza”, por exemplo, o senhor Grey é pintado como o “redentor” de Anastásia. A menina virgem que nunca teve sorte no amor teria finalmente encontrado o seu par. O modo como ele a intimida e os serviços humilhantes a que ela se presta, porém, mostram o erro brutal que estão cometendo. Nem ele a redime, tampouco ela é amada; no relacionamento erótico e dominador dos dois – repleto de medo, ciúmes e ameaças –, ambos vão, pouco a pouco, se destruindo. (Só em uma ficção de muito mau gosto algo deste tipo poderia acabar bem.)

A razão disso é que o ser humano, além de seu corpo, possui uma alma. Enquanto seu corpo se entrega desordenadamente ao prazer, algo no mais íntimo do seu ser clama pelo infinito, pelo eterno, por Deus. Por isso, mil atos sexuais – por mais inventivos e pitorescos que possam parecer – não são capazes de fazer ninguém, absolutamente, feliz. “Coisas ruins acontecem quando tentamos ser Deus, ou quando deixamos que alguém preencha o papel de Deus para nós”, escreve Kirsten Andersen. “O único amor salvífico que iremos encontrar neste mundo é divino em sua origem – não romântico”.

Não é preciso, pois, ter “bola de cristal” para prenunciar o trágico fim em que acabará qualquer casal que queira imitar Christian e Anastásia. E não adianta vir com a conversa de que “o que eles fizeram no filme, fica no filme, não tem nada a ver com o mundo real”. O chamado “mercado erótico” já está comemorando o sucesso de “Cinquenta Tons de Cinza”, seja no exterior, seja em terras tupiniquins. A obra de E. L. James não é uma “história inofensiva” para mero entretenimento. É mais uma iniciativa – na linha das muitas começadas pela Revolução Sexual – para forçar limites morais, destruindo a família natural, o projeto de Deus para a sexualidade humana e a própria dignidade da mulher.

Sim, a pergunta a ser feita é: o que este livro e este filme têm a dizer sobre o valor da mulher? Você gostaria que sua filha entrasse em um relacionamento com Christian Grey? Ou que seu filho se tornasse um sádico e torturador sexual? Anastásia Steele é, felizmente, uma personagem fictícia, mas os efeitos malignos de “Cinquenta Tons de Cinza” – a patética história que transforma um maníaco em herói romântico – estão prontos para entrar em cena na vida real: nesta, e nas próximas gerações.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Atualidades e marcado , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para A verdade sobre “Cinquenta Tons de Cinza”: Maníaco sádico vira herói romântico.

  1. Andressa Andrade disse:

    Cada um tem sua opinião, e respeito, mas embora tenha essas criticas difamativas, cabe a cada se deixar influenciar ou não. Para mim, não mudou nada, continuo amando o livro e o filme igual, tenho todos livro da trilogia, e recomendo…

    Curtir

    • Hellen disse:

      Prezada,

      Sua fala confirma o relativismo institucionalizado nos dias de hoje. “Cada um tem sua opinião” virou o mantra daqueles que, ao mesmo tempo pregam a ‘liberdade’de escolha, tiranizam aqueles discordam do consenso geral, chamando-os de intolerantes.

      O que está em questão não é a opinião pessoal de cada um, caso não tenha entendido o ponto do texto. A questão, na verdade, é sobre o discernimento entre o certo e o errado. O bom e o ruim. Afinal, esses conceitos ainda existem…

      O texto propõe uma reflexão sobre questões morais muito mais relevantes do que mera opinião pessoal. Afinal, quem se importa com o que eu e você, ou algum outros leitor pense individualmente? A questão importante aqui revolve sobre o aspecto moral da mensagem que o filme passa, seja ela intencional ou não.

      Para aqueles que ainda têm consciência reta, qualquer coisa, seja um filme, uma conduta, um hábito, que infrinja a dignidade da pessoa humana, que banalize ou profane aquilo que temos como sagrado e preciso, como o amor e a afetividade entre um casal, continua a ser recriminável.

      O fato da sociedade ter passado a aceitar as condutas desordenadas como norma padrão, não necessariamente eleva essas condutas àquilo que o juízo reto chama de normal ou aceitável.

      Se um dia tiver uma filha e souber que ela é objeto de abuso de “Sr Grey”, talvez o instinto maternal lhe fale mais alto e aí venha a entender o que foi discutido no texto acima. O relativismo é um câncer social. Disso estou certa.

      Pax Domini
      H.

      Curtir

    • tambem recomendo… pra todos que gostam de putaria!

      Curtir

  2. Julio disse:

    Eu felizmente não tive o desprazer de ver esse filme.E NEM TEREI.
    Outro filme de muito mau gosto na minha opinião é:Ninfomaníaca vol1,e vol2.Pornografia sendo considerado cinema.

    Curtir

    • Flavia Xavier disse:

      é um filme bem legal e não é pornográfico para mim, tenho 15 anos, e adorei como a ana tenta mudar ele, sim é um filme ótimo para as pessoas que sabem entender, se vc nao quer assistir não assista mais também não difame ele…
      se toca ta.
      #UmDosMelhoresFilmesQueEuAssistiNaMinhaVida

      Curtir

      • Hellen disse:

        Prezada Flávia Xavier,

        Não sei se leu todo o artigo acima, e se sim, a despeito disso continua a admirar o filme. Só posso dizer que sua aparente falta de discernimento está escusada pela sua tenra idade. Um dia talvez venha a entender o ponto levantado aqui.

        Pax Domini
        Hellen

        Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s