Liturgia de São Marcos


Liturgia de São Marcos

Autor: Evangelhista Marcos (10-65 d.C)  SANTO APÓSTOLO E  DISCÍPULO DE SÃO PEDRO.

O Sacerdote: I. “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com o teu espírito.”
O Diácono: “Orai.”
O povo: “Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia.”
O Sacerdote ora reservadamente: “Nós Lhe damos graças, sim, mais do que graças, Ó Senhor Nosso Deus, o Pai de Nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo, por toda a tua bondade em todo o tempo e em todos os lugares. Por que Tu nos protegeste, resgataste, salvaste e nos guiaste todos os dias de nossas vidas, e nos trouxe até aqui, nos permitindo estar novamente em Tua presença em Teu lugar Santo, em que nós podemos implorar o perdão de nossos pecados e a expiação para todas as pessoas. Nós oramos e suplicamos a ti, misericordioso Deus, concede-nos em Sua bondade que possamos passar este dia Santo e todos os dias de nossa vida sem pecado, em plenitude de alegria, saúde, segurança, a santidade e reverenciando a Ti. Que toda a inveja, todo medo, toda tentação, toda influencia de Satanás, todos os laços dos ímpios, Faça, Ó Senhor, que sejam apartadas de nós, e da Tua Santa, Católica e Apostólica igreja. Concedei-nos, Ó Senhor o que é bom e recebível. Qualquer que seja o pecado que nós cometemos em pensamento, em palavra ou em ato, faça em sua bondade e misericórdia que sejam perdoados. Não nos deixe, Ó Senhor, enquanto Nós esperamos em Ti; nem nos deixe cair em tentação, mas livra-nos do maligno e de suas ações, Através da graça, misericórdia e amor de seu Filho unigênito.”
(Em voz alta)
Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu mais santo, bom e vivificante Espírito, agora, doravante e para sempre.
O Povo: “Amém.”
O Sacerdote: II. “A paz esteja com Todos.”
O povo: “E Com teu Espírito.”
O Diácono: “Orai pelo Rei.”
O povo: “Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia.”
O Sacerdote ora: “Ó Deus, Senhor Soberano, o Pai de Nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo, nós oramos e Ti pedimos para conceder que o nosso rei possa desfrutar de paz, ser justo e corajoso. Subjugai a ele, Ó Deus, todos os seus adversários e inimigos. Cinge com o Teu escudo e armadura, e vem em seu auxílio. Dar-lhe a vitória, ó Deus, que o seu coração possa ser voltado para a paz e clamores ao Teu santo nome, que nós também no seu reinado pacífico possamos ter uma vida calma e sossegada, em toda reverência e temor de Deus, pela graça, misericórdia, e amor e do Seu Filho unigênito:”
(Em voz alta.)
“Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu mais santo, bom e vivificante Espírito, agora, doravante e para sempre.”
O Povo: “Amém.”
O Sacerdote: III. “A paz esteja com Todos.”
O povo: “E Com teu Espírito.”
O Diácono: “Orai pelos Patriarcas e pelo bispo.”
O povo: “Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia; Senhor, tende Misericórdia.”
O Sacerdote ora: “Ó Soberano e Onipotente Deus, o Pai de Nosso Senhor, Deus, e Salvador Jesus Cristo, Nós oramos e te imploramos que defenda em Sua boa misericórdia o nosso sacerdote mais santo e abençoado, nosso Padre em Deus, e o nosso mais reverendíssimo bispo. Preservai-os para nós por muitos anos em paz, enquanto eles segundo a tua santa e abençoada vontade cumprem o sacerdócio sagrado dispensados aos seus cuidados, e espalham corretamente a palavra da verdade, com todos os bispos ortodoxos, presbíteros, diáconos, subdiáconos, leitores, cantores, e os leigos, com todo o corpo da Santa e Una Igreja Católica. Graciosamente conferi-lhes paz, saúde e salvação. As orações que eles oferecem por nós, e nós por eles, Faça, ó Senhor, com que sejam recebidas em Teu Santo celestial, e justo altar. E que todos os inimigos da Tua Santa Igreja sejam colocados rapidamente sob os seus pés, através da graça, misericórdia e amor de seu Filho unigênito:”
(Em voz alta.)
Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu Santíssimo, bom e vivificante Espírito, agora, doravante e para sempre.
O Povo: “Amém.”
O Sacerdote: IV. “A paz esteja com Todos.”
O povo: “E Com teu Espírito.”
O Diácono: “Levantai e Orai.”
O povo: “Senhor, tende Misericórdia; (3X)”.
O Sacerdote oferece a oração de entrada e o incenso.
O Sacerdote: “Ó Senhor Soberano, nosso Deus, que escolheu as lâmpadas dos doze apóstolos com as suas doze luzes, e os enviou para proclamar por todo o mundo e ensinar o Evangelho do teu reino, e para curar a doença e toda a fraqueza do povo, e soprou sobre seus rostos e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo Consolador: “Àqueles a quem perdoar-lhes os pecados ser-lhes-ão perdoados, aquele a quem os retiveres ser-lhes-ão retidos.” Sopra também o Teu Espírito Santo sobre nós Teus servos, que, em pé ao redor, estão prestes a entrar em seu santo serviço, mediante os bispos, presbíteros, diáconos, leitores, cantores, e os leigos, com todo o corpo da Santa Igreja Católica e Apostólica.
Da maldição e execração, da condenação, prisão e exílio, e das garras do adversário;
Livrai-nos, Ó Senhor.
Purifica nossas vidas e limpa nossos corações de toda a poluição e de toda a fraqueza, que com coração e consciência puros nós possamos oferecer-te este incenso para um aroma agradável e para a remissão de nossos pecados e os do mundo inteiro, através da graça, misericórdia, e amor do Teu Filho Unigênito.”
(Em voz alta.)
“Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu Santíssimo, bom e vivificante Espírito, agora, doravante e para sempre.”
O povo: “Amém.”
O diácono: V. “De pé”
Eles Cantam: “Filho unigênito e Verbo, etc.”
O Evangelho entra e o diácono diz: “Oremos.”
O Sacerdote: “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com o teu Espírito.”
O Diácono: “Oremos.”
O povo: “Senhor, Tende misericórdia.”
O Sacerdote profere a oração do Triságion: “Ó Soberano Senhor Jesus Cristo, o co-eterno, verbo do eterno pai, que foi feito em todas as coisas como nós somos, mas sem pecado, para a salvação de nossa raça, que enviaste Teus santos discípulos e apóstolos para proclamar e ensinar o Evangelho do teu reino, e para curar todas as doenças, todas as enfermidades entre o teu povo. Seja aclamado, ó Senhor, para enviar a tua luz e a tua verdade. Ilumine os olhos da nossa mente, para que possamos entender seu oráculos divinos , faça com que nos tornemos ouvintes, não apenas ouvintes, mas praticantes da Tua palavra, que nós, tornemo-nos frutífero, e rendendo bons frutos de trinta a cem vezes, para sermos considerados dignos do reino dos céus.”
(Em voz alta.)
“Deixe que tua misericórdia rapidamente tomar conta de nós, Ó Senhor. Pois Tu és o portador da boa nova, o Salvador e Guardião das almas e dos corpos; e nos Te redemos glória, graças e o Triságion, em nome O Pai, O filho e o Espírito Santo, Agora, doravante e para sempre.”
O Povo: “Amém. Santo Deus, Santo Onipotente, Santo Imortal, Santo, Santo, Santo, etc.”
VI. Depois do Triságion o Sacerdote faz o sinal da cruz sobre o povo, e diz: “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com teu Espírito.”

Então Continuando, prestemos atenção; O Apóstolo e o prólogo do Aleluia.

Os Diáconos, depois de uma forma prescrita, dizem: “O Senhor nos abençoe.”
Que o Senhor, em Sua misericórdia nos abençoe e nos ajude, agora, doravante, e para sempre.
O Sacerdote, antes de o Evangelho ser lido, oferece o incenso, e diz: “Aceite em Teu Santo, celestial e justo altar, Ó Senhor, este incenso que nós oferecemos na presença de Tua Glória Sagrada. Envie sobre nós, em troca a graça do Teu Espírito Santo, pois Tu és Bendito, e deixe sua glória envolver-nos.”
VII. O diácono, quando está prestes a ler o Evangelho diz: “Que o Senhor nos abençoe.”
O Sacerdote: “Que o Senhor, que é o Deus bendito, nos abençoe, nos fortaleça e nos faça ouvintes de Seu santo Evangelho, agora, doravante, e para sempre. Amém.”
O Diácono: “De pé Vamos ouvir o Santo Evangelho.”
O Sacerdote: “A paz esteja com todos.”
O Povo: “E com o Teu Espírito.”
VIII. O Diácono ler o Evangelho e o Sacerdote recita a oração da coleta.
Olhe para baixo com misericórdia e compaixão, ó Senhor, e cure os enfermos entre o teu povo.
Que todos os nossos irmãos que já partiram ou que estão prestes a partir em viagem, cheguem com segurança ao seu destino no tempo devido.
Enviai a chuva graciosa sobre as terras sedentas, e faça os rios transbordarem, de acordo com Sua graça.
Os frutos da terra que tu, Senhor, enchei-os de sementes e tornai-os maduros para a colheita.
Em paz, coragem, justiça e tranqüilidade preservai o reino de Teu servo, a quem Tu tens considerado digno de reinar sobre esta terra.
Do dia o mal, da fome e da peste, do ataque dos bárbaros, defendei, ó Senhor, esta cidade amada de Cristo, humilde e digna de Sua compaixão, como Você poupou a velha Nínive.
Pois Tu és cheio de misericórdia e compaixão, e não lembraste as iniqüidades dos homens contra eles.
Tu disseste ao Teu Profeta Isaías, — eu defenderei esta cidade, para salvá-la pelo meu próprio bem, e por causa do meu servo Davi.
Portanto, Nós oramos e de pedimos para defender em tua boa misericórdia esta cidade, pelo bem do Mártir e evangelista Marcos, que nos mostrou caminho da salvação através da graça, misericórdia e amor do Teu Filho Unigênito.
(Em voz alta.)
Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu Santíssimo, bom e vivificante Espírito.
O diácono: IX. “Comecem.”
Então eles recitam o verso. O diácono recita – Os três.
O Sacerdote: “O Deus Onipotente e Soberano, O Pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, nós oramos e te pedimos para preencher nossos corações com a paz celeste, e que nos conceda a paz além desta vida. Preservai-os para nós por muitos anos o nosso santíssimo e abençoado Patriarca, e nosso mais pio bispo. Em enquanto eles segundo a tua santa e abençoada vontade cumprem o sacerdócio sagrado dispensados aos seus cuidados, e espalham corretamente a palavra da verdade, com todos os bispos ortodoxos, presbíteros, diáconos, subdiáconos, leitores, cantores, e os leigos, com todo o corpo da Santa e Apostólica Igreja Católica. Abençoai nossas reuniões, Ó Senhor. Fazei com que possamos mantê-las sem impedimentos, de acordo com sua santa vontade. Que tu estejais disposto a nos dar hoje e aos Teus servos depois de nós e para sempre, casas de louvor e oração. Levanta-te, ó Senhor, e que teus inimigos sejam dispersos. Que todos os que odeiam seu santo nome sejam colocados em fuga. Abençoai Teu povo fiel e ortodoxo. Multiplicai-os por milhares e dezenas de milhares. Que nenhum pecado mortal prevaleça contra eles ou contra seu povo santo, por meio da graça, misericórdia e amor de Seu Filho unigênito.”
(Em voz alta.)
“Através do qual e com o qual seja dada a glória e o poder a ti, com Teu Santíssimo, bom e vivificante Espírito.”
O povo: “Amém”
O sacerdote: “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com o teu Espírito.”
O diácono: “Tomem cuidado para que nenhum dos catecúmenos…”

2
Em seguida, canta-se o hino dos Querubins.
X. O sacerdote oferece incenso na entrada, e reza: “Ó Senhor, nosso Deus, que nada lhe falta, aceite este incenso oferecido por uma mão indigna, considerai-nos todos dignos de Sua bênção, porque Tu és a nossa santificação, e nós ti glorificamos.”
Os objetos sagrados são carregados para o altar, e o sacerdote reza assim: “O Santo, Altíssimo, imponente Deus, que habitas entre os santos, santificai-nos, e considerai-nos dignos de seu venerável sacerdócio. Levar-nos ao Teu precioso altar com uma boa consciência, e purifica os nossos corações de toda a poluição. Afasta-nos de todos os pensamentos impuros, e santifica nossas almas e mentes. Fazei com que, com a reverência a ti, podemos executar o serviço de nossos santos padres, e propicie sua presença através de todos os tempos, pois Tu és aquele que abençoa e santifica todas as coisas, e a T que nós glorificamos e agradecemos.”
O diácono: XI. “Saudai uns aos outros.”
O Sacerdote recita a oração depois da saudação: ‘O Soberano e Onipotente Senhor, volva o teu olha do céu sobre a tua igreja. Sobre todo o Teu povo, e sobe todo o Teu rebanho. Salvai-nos todos, Teus servos indignos, as ovelhas do seu rebanho. Dê-nos a Tua paz, a Teu auxílio, o Teu amor, e enviai-nos o dom do Teu Espírito Santo, que com um coração puro e uma boa consciência, possamos saudar-nos uns aos outros com ósculo santo, sem hipocrisia e sem nenhum propósito hostil, mas inocente e puro num só espírito, no vínculo da paz e do amor, um só corpo e um só espírito, em uma só fé, mesmo quando fomos chamados numa só esperança da nossa vocação, para que possamos encontrar todos no divino e ilimitado amor, em Cristo Jesus nosso Senhor, com o qual Tu és Bendito.”
Então o Sacerdote oferece o incenso, e diz: “O incenso é oferecido ao Teu nome. Deixai-o subir, nós Ti pedimos, das mãos de teus pobres e pecadores servos, para o Teu altar celeste por um cheiro suave, e a expiação de todo o teu povo. Para toda a glória, honra, adoração e gratidão que são devidos a Ti, Pai, Filho e Espírito Santo, agora, doravante, e para sempre. Amém.”
Depois da saudação, o diácono em alta voz diz: XII. “Levantem e façam a devida oferta.”
Sacerdote, fazendo o sinal da cruz sobre os discos e os cálices, diz em voz alta (o Credo de Nicéia):“Creio em um Deus, etc.”
O diácono: “levantem e orem.”
O sacerdote: “A paz esteja com todos”.
O diácono: “Orai por aqueles que apresentaram a oferta.”
Ó Soberano Senhor, Cristo Jesus o Verbo, que é igual em poder com o Pai e o Espírito Santo, o Grande Sumo Sacerdote; o pão que desceu do céu, e salvou nossas almas da ruína; que entregaste a si mesmo, um Cordeiro imaculado, para a Salvação do mundo….
Nós oramos e te pedimos, Ó Senhor, em tua misericórdia, Que a Tua presença venha sobre este pão e este cálice na Tua Santíssima mesa, enquanto anjos, arcanjos, e Teus Santos sacerdotes ficam em volta e ministram para Tua glória e a renovação de nossas almas, pela graça, misericórdia e amor do Teu Filho unigênito, pelo qual e com o qual seja dada a glória e o poder a Ti.
E quando o povo diz: “E do Espírito Santo foi feito carne.”
O Sacerdote faz o sinal da cruz, e diz: “E foi crucificado por nós.”
O sacerdote faz sinal da cruz novamente, e diz: “E ao Espírito Santo”.
3
XIII. Da mesma maneira também, como depois do credo, ele faz o sinal da cruz sobre o povo, e diz em voz alta: “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com o teu Espírito.”
O Sacerdote: “Elevemos nossos corações”
O Povo: “Nós elevamos ao Senhor.”
O Sacerdote: “Demos graças ao Senhor”
O Povo: “É digno e justo.”
O sacerdote começa a oração Anáfora: “Ó Senhor Deus, Soberano e Onipotente Pai, verdadeiramente isto é digno e reto, santo e transformador, e bom para nossas almas, Te louvar e bendizer, e agradecer; Fazer aberta confissão a Ti de dia e de noite com voz, lábios e coração, sem cessar;”
A Ti que fizeste o céu, e tudo o que nele há, a terra e tudo o que nela há, O mar, fontes, rios, lagos, e tudo o que neles há;
A Ti que, conforme a Tua própria imagem e semelhança, criastes o homem, sobre o qual também conferiste as alegrias do paraíso.
E quando ele se rebelou contra Ti, Tu nem o negaste nem o deixaste, bom Senhor.
Mas o chamou de volta por Tua lei, o instruíste por Teus profetas, restaurou e o renovou por este impressionante, vivificante e celestial mistério.
E tudo isto Tu fizeste pela Tua Sabedoria e pela Luz da Verdade, Teu filho Unigênito, nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo, pelo a qual o Ti agradecemos com Ele e o Espírito Santo.
Nós oferecemos este justo e incruento sacrifício, que todas as nações, desde o nascer do sol, de norte a sul, oferecem a Ti, Ó Senhor; pois grande é o Teu nome entre todos os povos, e em todos os lugares são oferecidos incenso, sacrifico, e oblação ao Teu santo nome.
XIV. Nós oramos e te pedimos, Ó Amante dos homens, Ó bom Senhor, lembre em sua boa misericórdia a Santa e Una Católica e Apostólica Igreja presente em todo o mundo, e todo o teu povo, e todas as ovelhas deste aprisco.
Guie e direcione em toda paz o rei, exercito, magistrados, concílios, povo, e vizinhos, e todas as nossas despesas e lucros.
Ó Rei da paz, conceda-nos Sua paz em unidade e amor. Que Nós sejamos Teus, Ó Senhor; pois nós não conhecemos nenhum outro Deus, mas só Tu, e nenhum outro nome, mas somente o Teu. Dê vida para as almas de todos nós, e que nenhum pecado mortal prevalecer contra nós, ou contra todo o teu povo.
Olhe para baixo em misericórdia e compaixão, ó Senhor, e curai os enfermos entre o teu povo. Livrai-nos, ó Senhor, da doença e da moléstia, e afastai o espírito de fraqueza.
Sustentai aqueles que têm sido muito atribulados, e curai aqueles que são atormentados por espíritos imundos.
Tem misericórdia de todos os que estão na prisão, em minas, em julgamento, condenados, no exílio, esmagados por escravidão cruel, ou tributando. Livrai-os, ó Senhor, pois Tu és o nosso Deus, que pões os cativos em liberdade; que anima os oprimidos; que dá esperança aos desesperados, e ajudar os indefesos; que levantas o caído; que dá refúgio aos náufragos, e vingança aos oprimidos.
Compadeça, alivie, e restaure toda alma Cristã que está aflita e errante.
Mas Tu, Ó Senhor – o médico de nossas almas e corpos, O Guardião de toda a carne – olhai para nós, e por Seu poder Salvador, curai todas as doenças da alma e do corpo.
Orientai e prosperai os nossos irmãos que já partiram ou que estão prestes a partir em viagem. Se viajarem por via terrestre, ou rio, ou lago, por via pública, ou em qualquer via, trazê-los de todo o mundo a um porto seguro e tranqüilo. Esteja com eles por terra e mar, e entregai os em saúde e alegria a alegre e saudáveis lares.
Sempre defendei, ó Senhor, a nossa jornada por esta vida de problemas e tempestade.
Mandai chuvas ricas e abundantes sobre as terras secas e sedentas.
Alegrai e revivei a face da terra, que esta possa brotar e se alegrar-se com as gotas de chuva.
Fazei com que o fluxo dos rios escoem em capacidade máxima.
Alegrai e revivei a face da terra com as águas abundantes.
Preencha todos os canais dos córregos, e multiplicai os frutos da terra.
Abençoai, ó Senhor, os frutos da terra, e mantenha-os seguros e ilesos. Preenchei-os com a semente, e tornai-os maduros para a colheita.
Abençoai agora, ó Senhor, a tua coroa anual de bênçãos para o bem dos pobres do teu povo, da viúva, do órfão e do estrangeiro, e para o bem de todos nós que temos a nossa esperança em ti e chamamos o Teu santo nome, pois aos olhos de todos estão sobre ti, e tu dar-lhes pão na época devida.
Ó tu que dá alimento a toda carne, encher nossos corações de alegria e regozijo, que em todos os momentos, tendo toda a suficiência, possamos ser ricos de todas as boas obras em Cristo Jesus nosso Senhor.
O Rei dos reis e Senhor dos senhores, defendei o reino do teu servo, nosso ortodoxo e soberano amante de Cristo, a quem Você considerou digno de reinar sobre esta terra em paz, coragem e justiça.
Subjugai debaixo dele, ó Senhor, todos os inimigos e adversários, seja em casa ou no exterior. Cinge em seu escudo e armadura, e vem seu auxílio. Arranca a Tua espada, e ajuda-o a lutar contra os que o perseguem. Protegei-o no dia da batalha, e concede que o fruto de seus esforços possa sentar no seu trono.
Seja gentil com ele, Senhor, por causa da vossa Igreja santa e apostólica, e todo o teu povo amante de Cristo, que nós também em seu reinado pacífico possamos viver uma vida calma e tranqüila, em toda a reverência e piedade.
Ó Senhor, nosso Deus, dá a paz para as almas de nossos pais e irmãos que dormem em Jesus, lembrando os nossos antepassados de idade, nossos pais, patriarcas, profetas, apóstolos, mártires, confessores, bispos, e as almas de todos os santos e homens justos que morreram no Senhor.
Especialmente lembrar aqueles cuja memória celebramos neste dia, e nosso santo padre Marcos, o apóstolo e evangelista, que nos mostrou o caminho da salvação.
O diácono: “Senhor, Nos abençoe.”
O sacerdote: “O Senhor os abençoará em Sua graça, agora, doravante, e para sempre.”
O Diácono ler o registro dos mortos.
O sacerdote inclina-se e ora.
XV. Dê a paz, ó Soberano Senhor, nosso Deus, para as almas de todos os que habitam no Tabernáculo dos teus santos. Graciosamente concedei-lhes, em teu reino, Sua bênção prometida, que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, nem tem entrado no coração do homem o que Tu, ó Deus, tens preparado para aqueles que amam o teu nome santo. Dai paz às suas almas, e considerai-os dignos do reino dos céus.
Fazei com que possamos acabar nossa vida como cristãos, agradáveis a Ti você e sem pecado, e esteja disposto a dar-nos em parte e em muito com todos os Seus santos.
Acolhei, ó Deus, pelos Teus ministros arcanjos em Teu altar santo celestial, e justo nas alturas, as ofertas de agradecimentos daqueles que oferecem sacrifício e oblação, e daqueles que desejam oferecer muito ou pouco, em segredo ou abertamente , mas não para dar.
Aceitar as ofertas de agradecimento daqueles que eles apresentaram nesse dia, como Tu aceitastes os presentes do Teu justo Abel.
O Sacerdote oferece o incenso, e diz: Como Tu aceitou o sacrifício de nosso pai Abraão, o incenso de Zacarias, a esmola de Cornélio, e os dois dinares da viúva, aceitai também as ofertas de agradecimento destes, e dar-lhes para as coisas do tempo as coisas da eternidade, e para as coisas da terra as coisas do céu. Defendei, ó Senhor, nosso mais Santo e abençoado Patriarca, a quem Tu ordenaste para governar a Tua Santa Igreja Católica e Apostólica, e os nossos mais piedoso bispos, que através de muitos anos de paz pode, segundo a tua santa e abençoada vontade, cumprir o sacerdócio sagrado confiados aos seus cuidados, e dispensar corretamente a palavra da verdade.
Lembre-se dos bispos ortodoxos em todos os lugares, os anciãos, diáconos, subdiáconos, leitores, cantores, monges, virgens, viúvas e leigos.
Lembre-se, ó Senhor, da cidade santa do nosso Deus, Jesus Cristo, da cidade imperial, e desta nossa cidade, e todas as cidades e todas as terras, e da paz e da segurança das pessoas que nela habitam na fé ortodoxa de Cristo.

Não se esqueça, ó Senhor, do retorno daqueles que se desviaram, e de cada alma cristã que está aflita e oprimida, e precisa de sua divina misericórdia e auxílio.
Não se esqueça, ó Senhor, dos nossos irmãos em cativeiro. Fazei com que eles possam encontrar misericórdia e compaixão daqueles que os levaram cativos.
Não se esqueça também de nós, Ó Senhor, Teus servos pecadores e indignos, e apagai os nossos pecados em Sua bondade e misericórdia.
Não se Esqueça também de mim, teu servo humilde, pecador e indigno, e pela Sua misericórdia apagai os meus pecados. Esteja conosco, Ó Senhor, que ministramos diante de Seu santo nome.
Abençoe nossas reuniões, ó Senhor.
Arrancai Totalmente a idolatria do mundo.
Esmagai debaixo dos nossos pés Satanás, e toda a sua influência maligna.
Humilhai agora, como em todos os tempos, os inimigos da Tua Igreja.
Desnudai o seu orgulho.
Rapidamente mostra-lhes a sua fraqueza.
Reduzir a nada as conspirações malignas que planejam contra nós.
Levanta-te, ó Senhor, e que teus inimigos sejam dispersos, e que todos os que odeiam o Teu Santo nome sejam dispersos.
Abençoai, mil vezes dez mil, Teu povo fiel e ortodoxo, enquanto eles fazem sua santa vontade.
O diácono: “Aqueles que estão sentados levantem.”
O Sacerdote recita a seguinte oração: Libertai o cativo; resgatai e alimentai os famintos angustiados; confortai os fracos de coração, convertei os que erram; iluminai o escurecido; levantai o caído; confirmai o vacilante; curai os doentes, e orientai-os todos, bom Senhor, ao caminho da salvação, e em teu aprisco sagrado. Livrai-nos das nossas iniqüidades; protegei e defendei-nos em todos os momentos.
O diácono: Virem-se para o leste.
O sacerdote inclina-se e ora: Pois Tu estas acima de todo principado, poder, potestade, dominação, e de todo nome que se é dado, não só neste mundo, mas também no que está por vir. Ao Teu redor estão dez mil vezes dez mil, e milhares de milhares de anjos santos e arcanjos anfitriões, e Tuas duas criaturas mais honradas, o querubim de muitos olhos e o serafins de seis asas. Com duas asas cobrem seus rostos, com duas cobrem seus pés, e com duas voam e gritam uns para os outros para sempre com a voz de louvor, e glorificam a ti, ó Senhor, cantando em voz alta o hino Triunfal e o Triságion para tua grande glória: –
Santo, santo, santo, Senhor dos exércitos. O céu e a terra estão cheios da tua glória.
(Em voz alta.)
Tu já santifica todos os homens; mas com todos os que te glorificamos, receberá também, ó Soberano Senhor, a nossa santificação, que com eles celebramos Tua glorificação, e diz:-
O povo: “Santo, Santo, Santo, Senhor.”
O sacerdote faz o sinal da cruz sobre os mistérios sagrados.
XVI. Pois, verdadeiramente o céu e a terra estão cheios da tua glória, pela manifestação de nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo. Preenchei, ó Deus, este sacrifício com sua benção, pela inspiração de Teu Santíssimo Espírito. Porque o mesmo Senhor, nosso Deus e Rei universal, Cristo Jesus, reclinado se à mesa na mesma noite em que Ele se entregou por nossos pecados e morreu na carne para todos, tomou o pão em suas mãos santas, puras e imaculadas, e levantando os olhos ao Seu Pai, nosso Deus, e Deus de todos, deu graças, e quando ele abençoou, santificou, e partiu o pão, deu a Seus Santos e abençoados discípulos e apóstolos, dizendo: –
(Em voz alta.)
Tomai, comei.
O diácono: “Orem com seriedade.”
O sacerdote (Em voz alta): Pois este é o meu corpo que é partido por vós, e dividido para a remissão dos pecados.
O povo: “Amém.”
O Sacerdote ora: “Do mesmo modo também, quando Ele ceou, Ele tomou o cálice de vinho misturado com água, e elevando os olhos para Ti, Seu Pai, nosso Deus, e Deus de todos, deu graças, e quando ele abençoou e preencheu com o Espírito Santo, deu a Seus santos e abençoados discípulos e apóstolos, dizendo: –
(Em voz alta.)
– “Bebei tudo.”
O diácono: “Orem seriamente novamente”
O Sacerdote (Em voz alta): “Pois este é o meu sangue da nova aliança que é derramado por vós e por muitos, e distribuídos entre vós para a remissão dos pecados.”
O povo: Amém.
O Sacerdote ora assim: “Fazei isto em memória de mim, pois todas as vezes que comerdes este pão e beberdes deste cálice, anunciais a minha morte e reconhecei minha ressurreição e ascensão, até que eu venha. Ó Soberano e Senhor Todo-Poderoso, Rei do céu, enquanto nós anunciamos a morte de Seu Filho unigênito, Nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo, e reconhecemos a Sua bendita ressurreição dos mortos no terceiro dia. Nós também abertamente anunciamos Sua ascensão ao céu, e o Seu assento Tua direita, Deus e Pai, e aguardar sua segunda terrível e espantosa vinda, em que Ele virá para julgar com justiça os vivos e os mortos, e para retribuir a cada um segundo as suas obras.”
XVII. Ó Senhor, nosso Deus, colocamos diante de ti o que é Teu de sua própria misericórdia. Nós rogamos e imploramos, ó bom e misericordioso Deus, para que faça descer do Teu santo céu, da mansão que preparaste, e de Teu seio infinito, o Paráclito, Santo, Poderoso e Vivificante, o Espírito da verdade, que falou na lei, nos apóstolos e profetas; que está presente em toda parte, e preenche todas as coisas, trabalhando livremente na santificação, em quem Ele deseja, com a Sua boa vontade; um em Sua natureza; múltiplos em seu trabalho; a fonte da bênção divina; de substância semelhante à vossa, e proveniente de Ti; sentado contigo sobre o trono de Teu reino, e com o Teu Filho unigênito, nosso Senhor, Deus e Salvador Jesus Cristo. Envia sobre nós também sobre este pão e sobre estes cálices Teu Espírito Santo, que pela Sua influência todo-poderosa e divina, pode santificar e consagrar-los, e fazer deste pão o Corpo.
O povo: “Amém.”
O Sacerdote (Em voz alta): “E este cálice do sangue do novo testamento, do próprio Senhor, Deus, e Salvador e Rei universal, Jesus Cristo.”
O Diácono: “Diáconos desçam.”
O Sacerdote (Em voz alta): “Que a todos nós que participamos dele, que eles nos levam a vigiar na fé, sobriedade, cura, temperança, santificação, na renovação da alma, corpo e espírito, na participação da bem-aventurança da vida eterna e da imortalidade, na glória do Seu nome santíssimo, na remissão dos pecados. Que o Teu santíssimo nome, precioso e glorioso possa ser louvado e glorificado, nestas, e também em todas as coisas.”
O povo: “Como era e é.”
Sacerdote: “XVIII. Paz esteja com todos.”
O diácono: “Oremos”.
O sacerdote ora em reservadamente: “O Deus da luz, Pai da vida, Autor da graça, Criador dos mundos, Fundador do conhecimento, Doador de sabedoria, Tesouro de santidade, Professor de orações puras, Benfeitor das nossas almas, que dá aos de coração fraco que depositam sua confiança em Ti aquelas coisas em que os anjos desejam ver; Ó Soberano Senhor, que nos trouxe das profundezas da escuridão para a luz, que nos deu a vida da morte, que graciosamente derramou sobre nós a liberdade da escravidão, retirou as trevas do pecado de dentro de nós, através da presença de seu Filho unigênito, agora também, através da visitação do seu Espírito Santíssimo, ilumine os olhos do nosso entendimento, para que possamos participar sem medo de condenação deste celestial e imortal alimento, e santificar-nos inteiramente em alma, corpo e espírito, que com seus santos discípulos e apóstolos podemos dizer esta oração a Ti: Pai nosso que estás nos céus, etc.’
(Em voz alta..)
“E concedei, ó Soberano Senhor, em Sua misericórdia, que nós com liberdade de expressão, sem medo de condenação, com coração puro e alma iluminada, com o rosto sem timidez, e com os lábios bem abertos, possamos nos atreve a chamá-lo, o santo de Deus que estais no céu, como nosso Pai, e dizermos….”
O povo: “Pai Nosso que estais no céu, etc.”
O Sacerdote ora: “Verdadeiramente, Senhor, Senhor, não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal; Pois sua abundante misericórdia mostra que nós, pela nossa grande fraqueza, somos incapazes de resisti – lá. Fazei com que possamos encontrar um caminho pelo qual podemos ser capazes de resistir à tentação, pois Tu nos deste poder para pisar serpentes e escorpiões, e todo o poder do inimigo.”
(Em voz alta.)
“Pois teu é o Reino e Poder.”
O Povo: “Amém.”
O Sacerdote: XIX. “A paz esteja com todos.”
O diácono: “Inclinem suas cabeças para Jesus.”
O Povo: “Tu, Senhor.”
O Sacerdote ora: “Soberano e Senhor Todo-Poderoso, que te assentas sobre os querubins, e és glorificado pelos serafins; que fez o céu fora separado águas, e adornou com os coros de estrelas, quem colocou um exército incorpóreo de anjos no mais alto dos céus para cantar o Teu louvor para sempre; Ante a Ti nós curvamos nossas almas e corpos em sinal de nossa escravidão. Nós te pedimos para repelir os assaltos escuros do pecado de nossa mente, e para alegrar as alegrai-as com o brilho divino do Teu Espírito Santo, que, cheios do conhecimento de Ti, nós possamos participar dignamente da misericórdia diante de nós, o puro corpo e o sangue precioso de Teu Filho unigênito, nosso Senhor e Deus e Salvador Jesus Cristo. Perdoai todos os nossos pecados em Sua abundante e insondável bondade , por meio da graça, misericórdia e amor de seu Filho unigênito:”
(Em voz alta.)
“Através do qual e com o qual seja a glória e o poder dados a Ti, com o Santíssimo, bom e vivificante Espírito.”
Sacerdote: “XX. A paz esteja com todos.”
O diácono: “Com o temor de Deus.”
O Sacerdote ora: “O santo, Altíssimo, imponente Deus, que habitas entre os santos, santificai-nos pela palavra de Sua graça e pela inspiração do Seu Santíssimo Espírito, pois Tu disseste, ó Senhor, nosso Deus, Sede santos, porque eu sou santo. Ó Verbo de Deus, Insondável, consubstancial e co-eterno com o Pai e o Espírito Santo, e participante da Sua Soberania, aceitai a pura música, que querubins e serafins, e os lábios indigno de teu servo pecador e indigno, cantam em alta voz.”
O Povo: “Senhor, tende piedade; Senhor, tende piedade; Senhor, tende piedade.”
O Sacerdote (Em voz alta): “Coisas santas para o santo.”
O povo: “Um Pai santo, um Santo Filho, um Santo Espírito, na unidade do Espírito Santo. Amém.”
O Diácono: “Para a salvação e auxílio”
O sacerdote faz o sinal da cruz sobre o povo, e diz em voz alta: “O Senhor esteja com todos”
O sacerdote parte o pão, e diz: “Louvado seja Deus.”
Sacerdote divide entre os presentes, e diz: “O Senhor os abençoará e ajudará pela da Sua grande misericórdia.”
O sacerdote diz: “Ordenai..”
O Clero diz: “O Espírito Santo ordena e santifica.”
Sacerdote: “Então, eles estão santificados e consagrados.”
O Clero: “Um Pai Santo, etc. (três vezes).”
O sacerdote diz: “O Senhor esteja com todos.”
O Clero: “E com teu espírito.”
O sacerdote diz: “O próprio Senhor abençoou.”
O sacerdote partilha, e ora: “Segundo a tua benignidade, etc., OU, Como o cervo anseia por riachos, etc.”
Quando ele dá o pão para o clero, ele diz: “O Corpo Santo.”
E quando ele dá o cálice, diz: “O precioso sangue de nosso Senhor, Deus, e Salvador.”
4

Depois que é serviço está completo, o Diácono diz: XXI. “Levantai para oração. ‘
O Sacerdote: “A paz esteja com todos.”
O diácono: “Orai”.
O Sacerdote diz a oração de ação de graças: “Ó Senhor, nosso Deus, nós Te agradecemos por temos participado de Teus santos, puros, imortais e celestes mistérios, que Tu destes para o nosso bem, e para a santificação e salvação de nossas almas e corpos. Nós rogamos e Te Pedimos, Ó Senhor, conceda pela Sua boa misericórdia, que ao participar do Corpo Santo e Precioso sangue de Seu Filho unigênito, possamos ter fé que não se envergonha, o amor que é sincero, plenitude de santidade, poder para rejeitar o mal e guardar os teus mandamentos, provisão para a vida eterna, e uma defesa justa diante do tribunal terrível de seu Cristo:”
(Em voz alta.)
“Pelo qual e com o qual a glória e o poder sejam dadas a Ti, com seu Santíssimo, bom e vivificante Espírito.”

O Sacerdote então vira-se para o povo, e diz: – XXII. “Ó mais poderoso Rei, co-eterno com o Pai, que por Seu poder venceu o inferno e a esmagou a morte debaixo de seus pés, que tem compelido o homem forte, que pelo seu poder milagroso e o esplendor de sua Divindade indescritível levantou Adão do túmulo , mandai sua mão direita invisível, que é cheia de bênçãos e abençoai a todos nós.”
“Piedade de nós, ó Senhor, e fortalecei-nos pelo Seu poder divino.
Tirai de nós a influência pecaminosa e perversa do desejo carnal.
Deixe a luz brilhar em nossas almas, e dissipai a escuridão envolvente do pecado.
Uni-nos para a assembléia bem-aventurada que é agradável a Ti, pois através de Ti e Contigo, todo o louvor,honra, poder, adoração e ação de graças são dadas ao Pai e a o Espírito Santo, agora, doravante, e para sempre.”
O diácono: “Ide em paz.”
O povo: “Em nome do Senhor.”
O Sacerdote (Em voz alta.): XXIII. “O amor de Deus Pai, a graça do Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, a comunhão e o dom do Espírito Santíssimo, estejam com todos nós, agora, doravante, e para sempre.”
O povo: “Amém. Bendito seja o nome do Senhor.”
O sacerdote ora na sacristia, e diz: “Ó Senhor, Tu nos deste a santificação pela participação do Santíssimo corpo e precioso sangue de Seu Filho unigênito, dá-nos a graça e o dom do Santíssimo Espírito. Nos permita levar uma vida irrepreensível, e guiai-nos até a perfeita redenção, adoção, as alegrias eternas do mundo vindouro. Pois tu és a nossa santificação, e nós damos glória a Vós, Pai, Filho e Espírito Santo, agora, doravante e para sempre.”
O povo: “Amém.”
O Sacerdote: “A paz esteja com todos.”
O povo: “E com o teu Espírito.”
O sacerdote despede-os, e diz: “Que Deus abençoe, abençoe e santifique, que defenda e proteja todos nós, pela participação de Seus santos mistérios; Que é bendito para sempre. Amém.”

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica e marcado , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Liturgia de São Marcos

  1. fabiano disse:

    Mas na liturgia de São Tiago, que é a liturgia mais antiga usada pelos ortodoxos, ela é citada! “comemorando sempre a Santíssima, Puríssima e sempre Virgem Maria. Mãe de Deus.”

    Curtir

  2. Marcel Stange disse:

    Não sabe que a Santa Missa é totalmente voltada a Deus e Jesus Cristo? Nossa Senhora tem em outras orações e honrarias. Mas o Culto Divino, que é a Santa Missa, é somente a Deus! Ou não sabia? Ou acha que se adora Maria na Missa? Pois fique sabendo que não, pois mentiram pra vc.

    Curtir

    • Daniel disse:

      Olá, Marcel.

      Creio que você se equivocou quanto ao meu questionamento. Em nenhum momento insinuei que há latria a Nossa Senhora. O culto a Ela prestado pela Igreja é de hiperdulia.

      Na missa tridentina, Maria é citada, bem como outros santos (S. Arcanjo Miguel, S. João Batista, S. Pedro e S. Paulo). Em outras liturgias na história (como a de São Tiago, citada por Tiago) Ela também é citada.

      Marcel, uma dúvida: você quis realmente dizer que prestar honras a Maria na Santa Missa é latria?

      Pax Domini.

      Curtir

  3. Daniel disse:

    Ué, Nossa Senhora sequer é citada? O.o
    Como isso é possível?

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s