O papel da Igreja Católica na Escravidão


Quando é que a Igreja Católica de fato condenou a escravidão?

De acordo com algumas figuras notórias, a Igreja não condenou a escravidão até recentemente.  Alguns afirmam que  até 1890 a Igreja ainda não havia condenado a instituição da escravidão, ficando atrás até mesmo das tardias leis promulgadas para proibir a prática. Outros argumentam que a escravidão é uma das áreas em que a Igreja mudou seu ensinamento moral para adequar-se aos tempos, e que o tempo para essa mudança não veio até perto do final do século passado. Há aqueles que vão ainda mais adiante,  como o autor americano John F. Maxwell, que em 1975 afirmou que  a Igreja não corrigiu o seu ensinamento sobre a legitimidade moral da escravidão até 1965, com a publicação de  <Gaudium et Spes> a partir do Concílio Vaticano II  (A Constituição Pastoral sobre a Igreja no Mundo Moderno).

São Pedro Claver - Evangelizando escravos africanos por décadas nos mercados escravistas da Am. do Sul.

São Pedro Claver – Evangelizando escravos africanos por décadas nos mercados escravistas da Am. do Sul.

Existia, naturalmente, a prática de vários tipos de escravidão antes do século XV. No entanto,  foi só a partir do  século XV, e com um forte incremento entre os séculos XVI e XIX, que a escravidão racial como a conhecemos hoje tornou-se um grande problema. É esta forma de servidão que nos vem à mente quando pensamos na instituição da escravidão, e é o tipo que era a predominante em partes do Novo Mundo há mais de quatro séculos.

Isso nos traz de volta à nossa pergunta inicial: Quando a Igreja de fato condenou esta escravidão? Se realmente não foi até 1890, ou mesmo 1965, uma grande sombra, de fato, deve ter sido lançada sobre o Magistério da Igreja. Se, no entanto, pudermos demonstrar que o Magistério condenou desde o início da escravidão colonial que se desenvolveu nas terras recém-descobertas, então será necessário que alguns historiadores e leigos afins  revejam suas opiniões sobre o tema, bem como sobre a Igreja Católica.

Documentos da Igreja

Entre 1435 a 1890, temos  numerosas bulas e encíclicas de vários papas escritas à muitos bispos e fiéis cristãos condenando tanto a escravidão quanto o tráfico de escravos. A existência destes muitos ensinamentos papais durante este período particular da história é uma forte indicação de que, do ponto de vista do Magistério, a escravidão deve ter desenvolvido um problema moral de um tipo improcedente.   Neste texto veremos apenas três – dentre muitas –  respostas do Magistério Pontifício para a escravização generalizada que acompanhou a época dos Descobrimentos e além.

Eugênio IV: <Sicut Dudum>, 1435

Em 13 de janeiro de 1435, Eugênio IV emitiu a partir de Florença a bula Dudum Sicut. Enviou-na ao Bispo Fernando, localizada em Rubicon, na ilha de Lanzarote. Esta bula condenava a escravidão dos nativos negros da recém colonizada Ilhas Canárias, ao largo da costa da África. O Papa afirmou que, mesmo após serem convertidos à fé ou prometido batismo, muitos dos habitantes foram retirados de suas casas e escravizados:

“Eles privaram os nativos de sua propriedade voltando-a para seu próprio uso, e tem submetido alguns dos habitantes das ditas ilhas,  à escravidão perpétua (<subdiderunt perpetuae servituti>), vendendo-os a outras pessoas e cometendo vários outras ações ilícita  contra eles …. Portanto … Nós exortamos, através da aspersão do sangue de Jesus Cristo derramado por seus pecados, todos e cada um, os príncipes temporais, senhores, capitães, homens armados, barões, soldados, nobres, comunidades e todos os outros de todo o tipo entre os fiéis cristãos de qualquer grau, estado ou condição, que eles próprios desistam das ações acima mencionadas e façam com que aqueles sujeitos a eles desistam delas,  impedindo-os rigorosamente. E não menos  Nós ordenamos e comandamos todos e cada um dos fiéis de cada sexo que, no espaço de quinze dias da publicação dessas cartas no lugar onde vivem, que restaurem a sua liberdade intocada à todas e cada pessoa, de qualquer sexo que uma vez foram os moradores das referidas Canárias Ilhas … que foram sujeitas à escravidão (<servituti subicere>). Estas pessoas devem ser totalmente e perpetuamente livres e devem ser deixadas ir e vir sem a cobrança ou a recepção de dinheiro. “

A data desta Bula, de 1435, é muito significativa. Cerca de 60 anos ANTES de os europeus aportarem no Novo Mundo, já havia a condenação papal da escravidão, tão logo que este crime fosse descoberto em um dos primeiros dos descobrimentos portugueses.

Com <Sicut Dudum>, o Papa Eugenio claramente teve a intenção de condenar a escravização do povo das Canárias e, em termos inequívocos, de informar aos fiéis que o que estava sendo condenado era o que poderíamos classificar como gravemente errado. Assim, a escravidão injusta, que tinha começado nos territórios recém-descobertos foi condenada, condenado tão logo foi descoberta, e condenado em forte dos termos.

Paulo III: <Sublimis Deus> de 1537

O decreto pontifício conhecido como “Deus Sublime”, de fato, teve um papel exaltado na causa da justiça social no Novo Mundo. Recentemente, autores como Gustavo Gutierrez notaram este fato: “A bula do Papa Paulo III, <Sublimis Deus> (2 de junho de 1537), é considerada como o mais importante pronunciamento papal sobre a condição humana dos índios”. É, além disso, dirigida a todos os fiéis cristãos no mundo, e não à um bispo particular em uma área, não limitando assim a sua importância, mas universalizando-a.

<Sublimis Deus> foi destinada a ser emitida como o trabalho central pedagógico contra a escravidão. Duas outros bulas seria publicada para implementar o ensino de uma <Sublimis,> sancionar aqueles que deixam de cumprir o ensinamento contra a escravidão, e um segundo para especificar as conseqüências sacramentais do ensino que os índios são verdadeiros homens.

O primeiro ensinamento central deste belo trabalho é a universalidade do chamada para o recebimento da  fé e da salvação:

“E desde que a humanidade, de acordo com o testemunho da Sagrada Escritura, foi criada para a vida eterna e felicidade, e uma vez que ninguém é capaz de atingir essa vida eterna e felicidade, exceto mediante a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, é necessário confessar que o homem é de tal natureza e condição de que ele é capaz de receber a fé em Cristo e que todo aquele que possui a natureza humana está apto para receber tal fé … Por isso a Verdade Ele Mesmo, que não  engana e nem pode ser enganado, quando Ele destinou os pregadores da fé o ofício de pregar, é conhecido por ter dito: “Ide, fazei discípulos de todas as nações.” “Todas”, disse Ele, sem qualquer exceção, uma vez que todos são capazes de disciplina da fé “.

Vendo e invejando-se disso,  o inimigo do gênero humano, que sempre se opõe a todos os homens de bem para que a corrida possa perecer, pensou-se numa forma inédita até agora, por que ele pode impedir a palavra salvífica de Deus de ser pregada às nações. Ele despertou alguns de seus aliados que, desejando satisfazerem sua  própria avareza, têm a pretensão de afirmar  grandemente  que os índios do Oeste e do Sul, que vieram ao nosso conhecimento nestes tempos, são reduzidos a o nosso serviço como animais irracionais, sob o pretexto de que lhes estão faltando a fé católica. Eles reduziram-os à escravidão (<Et eos em servitutem redigunt>), tratando-os com aflições que dificilmente usariam com animais selvagens. “

O segundo núcleo de ensino Sublimis Deus que decorre disso é a necessidade de restaurar e manter a liberdade dos índios:

“Por isso, nós, … observando que os próprios índios são verdadeiros homens de fato e não só são capazes da fé cristã, mas, como tem sido feito conhecido a nós, prontamente apressam-se à “fé” e que pretende fornecer remédios adequados para eles, por nossa Autoridade Apostólica decretamos e declaramos, por estas presentes cartas,  que os mesmos índios e todos os outros povos, mesmo aqueles que  estão fora da fé,  que a partir de agora vierem ao conhecimento dos cristãos que não tenham sido privados ou não devem ser privados de sua liberdade ou de seus bens. Ao contrário, eles devem ser capazes de usar e gozar dessa liberdade e desse direito de propriedade livre e licitamente, e não devem ser reduzidos à escravidão, e que tudo que acontece ao contrário deve ser considerado nulo e sem efeito . Estes mesmos índios e outros povos estão a ser convidados para a fé, disse em Cristo através da pregação e do exemplo de uma vida boa.”

Assim, vemos que tanto Eugenio IV e Paulo III não hesitaram em condenar a escravidão de negros e índios, e  fizeram isso uma vez que essas práticas se tornaram conhecidas da Santa Sé. Seus ensinos foram continuados por Gregório XIV em 1591 e por Urbano VIII em 1639. Na verdade Urbano, em seu documento <Commissum Nobis>, recorreu à aos ensinos de seus antecessores, particularmente Paulo III. O ensino pontifício foi continuado pela resposta do Santo Ofício em 20 de março de 1686, sob Inocêncio XI, e pela encíclica de Bento XIV, <Immensa Pastorum>, em 20 de dezembro de 1741. Este trabalho foi seguido pelos esforços de Pio VII, no Congresso de Viena, em 1815, para que os vencedores contra Napoleão declarasse a escravidão ilegal.

Gregório XVI: <In Supremo>, 1839

A Constituição <In Supremo> 1839 por Gregório XVI continuou o ensino antiescravista de seus antecessores, e foi da mesma forma rejeitada por muitos desses bispos, sacerdotes e leigos, para quem foi escrita. Muitos autores ainda hoje não têm uma compreensão exata deste trabalho. Assim, vamos considerar o conteúdo de <In Supremo> em si.

A introdução de <In Supremo> nos diz que ela foi escrita para afastar os cristãos da prática de escravizar os negros e outros povos. Nele, Gregório mencionado pela primeira vez os esforços dos apóstolos e outros cristãos primitivos para aliviar, por conta da caridade cristã, o sofrimento daqueles mantidos em servidão, o que incentivou a prática de emancipar os escravos merecem. Ao mesmo tempo, notou que:

“Havia de ser encontrado posteriormente entre alguns fiéis que, vergonhosamente cegos pelo desejo de ganho sórdido, em países solitários e distantes, não hesitam em reduzir à escravidão (<in servitutem redigere>) índios, negros e outros povos infelizes, ao instituir ou ampliar o comércio de aqueles que tinham sido feitos escravos por outros, auxiliados pelo crime dos outros. Certamente, muitos Pontífices romanos de gloriosa memória, nossos predecessores, não falharam, de acordo com os deveres de seu cargo, em culpar severamente esta maneira de agir como perigosa para o bem-estar espiritual de quem faz tais coisas e para a vergonha do nome cristão “.

Gregório então citou os antecessores e diversas de seus ensinamentos abolicionistas, mesmo lembrando a frase familiar em <servitutem redigere> contido na obra de Paulo III e seus sucessores. Ele mencionou os esforços de Clemente I, II Pio, Paulo III, Bento XIV, Urbano VIII e Pio VII, antes de concluir este resumo histórico:

“Na verdade, essas sanções e esta preocupação de nossos predecessores, aproveitada em grande medida, com a ajuda de Deus, para proteger os índios e outros povos mencionados das crueldades dos invasores e da ganância dos comerciantes cristãos”.

No entanto Gregório estava bem consciente de que ainda havia muito trabalho a ser feito:

“O comércio de escravos, embora tenha sido um pouco diminuído, ainda é realizado por numerosos cristãos. Portanto, desejando remover uma vergonha grande de todos os povos cristãos … e seguindo os passos de nossos antecessores, nós, pela autoridade apostólica , advertimos e exortamos fortemente os cristãos de todas as condições,  fiéis ao Senhor, que ninguém no futuro se atreva a incomodar injustamente, despojar de seus bens, ou reduzir à escravidão (<in servitutem redigere>) índios, negros ou outros tais povos. Também não devem  dar auxílio e favor para aqueles que se entregam a essas práticas, ou exercer o tráfego desumano pelo qual os negros, como se não fossem seres humanos, mas sim meros animais, tem sido trazidos à escravidão, não importa o caminho, sem qualquer distinção e contrária aos direitos de justiça e humanidade, comprados, vendidos e, por vezes, entregues ao mais difíceis do trabalhos. “

Assim, o ensino histórico papal contra a servidão injusta e do comércio de escravos foi confirmada, e em 1839 foi novamente apresentada aos fiéis para sua adesão.

Com o tempo de Gregório, como com os esforços anteriores papais, houve obviamente difundida a não aceitação por parte do clero e leigos católicos. Assim, <In Supremo> também contém uma proibição contra os clérigos, bem como leigos que tentavam defender a escravidão ou o tráfico de escravos:

“Nós proibimos e proibimos estritamente qualquer pessoa eclesiástica ou leigo que se arvore em defender como  admissível  o comércio de negros não importa sob qual pretexto ou desculpa, ou de publicar ou ensinar de qualquer forma, em público ou em privado, opiniões contrárias ao que temos estabelecido nestes Cartas Apostólicas “.

Os excertos acimas são bastante claros e não deixam dúvida quanto a inocência da Igreja Católica no que se refere ao mal da escravidão. Com isso, nós católicos temos a obrigação de aprender os fatos e fazer a defesa da Santa Igreja contra a acusação de quem quer que seja que visa causar o perjúrio do nome da Igreja de Cristo, colocando-a entre aqueles que defenderem, difundiram ou permitiram a vergonha da escravidão, seja por condições raciais ou por mera conveniência e ganância.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Apologética Católica e marcado , , , . Guardar link permanente.

15 respostas para O papel da Igreja Católica na Escravidão

    • Helen disse:

      Caro Mercúrio,

      Se não houvesse uma Igreja Visível para ensinar e preservar a Sã doutrina, não haveria, por conseguinte, a possibilidade de Cisma, Apostasia, Heresia.
      Não haveria, do mesmo modo, a responsabilidade pela Disciplina do Cristão, uma vez que ele individualmente seria livre para crer naquilo que quisesse, e formular as doutrinas que lhes conviessem de acordo com sua própria interpretação privada das escrituras.

      Por que teria S. Paulo escrito aos cristãos para ensiná-los? Por que teria ele exortado a todos que preservassem os ensinamentos apostólicos, se ele achasse que cada cristão está equipado e capacitado para exercer o seu próprio discernimento? Porque obviamente, como a bíblia mostra, desde o princípio existe um magistério eclesiástico e uma autoridade visível dentro da Igreja!! Negar isso é uma questão bastante séria, pois compromete a fé e a salvação.

      Veja, quem pode repreender o testemunha de Jeová que professar fé em Deus mas negar a divindade de Cristo? Não adiante dizer que a Bíblia se encarrega disso, porque não é possível. A Bíblia é a Revelação, mas ela não se auto-interpreta. Justamente por isso existem as seitas! Que são resultado direto da intrepretação erronea da sã doutrina!

      Ora, se Jesus não instituiu um ofício magistério, não há a infalibilidade, como o sr, por exemplo, sequer rejeitar a fé “cristã” de um Testemunha de Jeová, ou Anabatista, ou quem quer quer seja. Como foi que o sr, e todo cristão, em sua vida cristã adquiriu a consciência da existência de Cisma, heresias? Quem determina isso? Não é a Bíblia, que como já disse repetidamente aqui no Blog, não existiu por mais de 3 séculos ( e posteriormente era inacessível até a invenção da imprensa escrita) nos primórdios da fé, mas a Igreja!

      O sr está em erro e em erro gravíssimo!

      Pax Domini,

      Curtir

    • Mercúrio disse:

      “Se não houvesse uma Igreja Visível para ensinar e preservar a Sã doutrina, não haveria, por conseguinte, a possibilidade de Cisma, Apostasia, Heresia. Não haveria, do mesmo modo, a responsabilidade pela Disciplina do Cristão, uma vez que ele individualmente seria livre para crer naquilo que quisesse, e formular as doutrinas que lhes conviessem de acordo com sua própria interpretação privada das escrituras.”

      Mas foi exatamente isso que a Igreja Católica fez. Ela formulou as doutrinas da maneira que a conviesse. Tanto é que várias e várias Tradições Católicas contradizem a Bíblia, uma vez que ela acha que a Palavra de Deus não deve unicamente nortear o pensamento do cristão. Veja bem, não são as Tradições que são erradas. Apenas as anti-Bíblicas.

      “Por que teria S. Paulo escrito aos cristãos para ensiná-los? Por que teria ele exortado a todos que preservassem os ensinamentos apostólicos, se ele achasse que cada cristão está equipado e capacitado para exercer o seu próprio discernimento? Porque obviamente, como a bíblia mostra, desde o princípio existe um magistério eclesiástico e uma autoridade visível dentro da Igreja!! Negar isso é uma questão bastante séria, pois compromete a fé e a salvação.”

      Paulo foi uma pessoa tocada por Deus para ensinar aos homens e levar o Evangelho. Suas admoestações, por serem inspiradas por Deus, foram incluídas na Bíblia e entram em perfeita consonância com qualquer outro livro sagrado. Mas mesmo tendo sido usado por Deus de tal forma, nem Paulo nem Pedro, ou qualquer outro que a Igreja Católica tente colocar como autoridade máxima, se afirma dessa maneira. Pedro diz: “Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês, e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, como alguém que participará da glória a ser revelada” (1 Pedro 5:1) colocando-se como alguém no mesmo nível de autoridade dentro de uma Igreja que seus outros irmãos presbíteros. Não como “Papa Pedro, Pontífice Máximo de Roma”. Se nem Pedro admitia isso, por que os católicos sim? Papado é invenção católica. Tanto é que o então chamado de segundo Papa, Linus, possui uma historiografia muito parca e incerta para alguém que deveria, na visão católica, ter um cargo tão supremo assim.

      “Veja, quem pode repreender o testemunha de Jeová que professar fé em Deus mas negar a divindade de Cristo? Não adiante dizer que a Bíblia se encarrega disso, porque não é possível. A Bíblia é a Revelação, mas ela não se auto-interpreta. Justamente por isso existem as seitas! Que são resultado direto da intrepretação erronea da sã doutrina!”

      E justamente a católica, uma das que mais vão contra os ensinamentos da Bíblia, é a “sã”? É preferível acreditar em nota de três do que nisso.

      “Ora, se Jesus não instituiu um ofício magistério, não há a infalibilidade, como o sr, por exemplo, sequer rejeitar a fé “cristã” de um Testemunha de Jeová, ou Anabatista, ou quem quer quer seja. Como foi que o sr, e todo cristão, em sua vida cristã adquiriu a consciência da existência de Cisma, heresias? Quem determina isso? Não é a Bíblia, que como já disse repetidamente aqui no Blog, não existiu por mais de 3 séculos ( e posteriormente era inacessível até a invenção da imprensa escrita) nos primórdios da fé, mas a Igreja!”

      Claro, e porque a Bíblia não era inacessível, a Igreja podia deitar e rolar criando tradições a esmo. Guardando as Escrituras que ela possuía para si mesma, dizendo ser a única capaz de lê-la e entendê-la, para assim dominar por completo a mente da pessoa que de instrução tinha praticamente zero na época da Idade Média. E aí depois disso aceitar instituir o catolicismo como fé oficial ainda que a salvação depende de uma aceitação verdadeira, sendo a conversão forçada pelo poder que deveria ser secular e laico uma das coisas mais anti-cristãs que já existiram. Promoveram Cruzadas, Guerra de Reconquista, Inquisição, permissão da escravidão de judeus e mouros, venda de indulgências, construção de imagens, canonização de pessoas, condenação daqueles que achavam que a Terra girava em torno do sol e de quem cobrava juros, em vez de concentrar esforços para tornar as Escrituras acessíveis a todos, para a correta formulação de Tradições que não fossem contra os preceitos bíblicos, para levar o Evangelho à todas as pessoas do mundo, enfim, para a execução do Plano de Deus.

      “O sr está em erro e em erro gravíssimo!”

      O pior cego é aquele que fala pros outros que enxerga.

      Curtir

      • Helen disse:

        Sr Mercúrio,

        Não comentarei sobre os outros pontos do seu “argumento”, exceto pelo último…

        Quer dizer que antes de Bíblia a Igreja “deitava e rolava”, inventando e confundindo os cristãos com suas falsas doutrinas….

        Pode definir cronologicamente quando isto se deu? Lembre-se, por séculos ( inclusive na era apostólica) não havia bíblia compilada, portanto, cuidado com suas palavras. O sr acabou de dizer que só é possível ser cristão se houver bíblia. Nem a bíblia ousa a fazer tal afirmação.

        O sr está em erro pior do que supunha!

        Curtir

  1. tania victoriano disse:

    A igreja mandava, tinha poder sobre os monarcas , se quisesse acabaria com a escravidão , nem Cristo manifestou contra a escravidão, agora é fácil dizer que era contra a, daqui a uns anos vai dizer que nunca foi contra a homossexuais.

    Curtir

    • Helen disse:

      cara Tania Victoriano,

      Enquanto estou aqui a refletir se vale a pena ou não aprovar o seu comentário – visto que ele não acrescenta absolutamente NADA de concreto à discussão, exceto a sua OPINIÃO pessoal sobre o assunto, uma vez que a afirmação de que a Igreja “mandava, tinha poder sobre os monarcas , se quisesse acabaria com a escravidão” está fundamentada nos seus devaneios e especulações, e não fatos. Se fosse fato pesquisado e comprovado, a Sra. teria apresentado a fonte histórica, como não o fez, não passa disso, devaneios! – ocorreu-me o seguinte pensamento: será que uma pessoa que afirma algo tão leviano quanto ” aqui a uns anos (a Igreja) vai dizer que nunca foi contra a homossexuais”, merece ser levada à sério? Minha conclusão é simples; seguramente que não!

      Se a sr sugere que a Igreja não deve se opor ao homossexualismo, e sim aprová-lo, é porque não conhece a Bíblia. Se, por outro lado, acha que ela está certa em desaprovar tal conduta, é no mínimo leviana quando tenta “prever” o futuro e condenar a Igreja por uma coisa que ela não fez e que seguramente JAMAIS virá a fazer! Digo que jamais será à favor da união homossexual e do homossexualismo em si porque a Palavra de Deus é Eterna, ela não muda para se adequar aos padrões da Sociedade, não! Sendo assim, posso lhe assegurar que seu comentário tem uma característica marcante, infelizmente ele não se baseia na lógica, tampouco no conhecimento histórico, mas no desafeto, rancor e desprezo que a senhora alimenta pelo catolicismo. Se a sua consciência lhe permite agir assim, pois bem. Mas certo e errado não depende da consciência de cada um – pois muitos hoje em dia não têm consciência alguma – mas da verdade. Matar é errado hoje, foi errado no passado, e será no futuro. Se a consciência do assassino diz a ele que não tem problema, não importa. Assassinato ainda é errado! Entendeu dona Tania?

      Pax Domini

      Curtir

  2. EDMILSON disse:

    Novaciano

    Novaciano (200 -258) Foi um teólogo romano que se tornou o antipapa segundo em 251. Um líder entre o clero romano, Novaciano desposada um rigorismo na disciplina da igreja que era semelhante a montanismo.
    Após o martírio do Papa Fabian em 250 durante as perseguições do imperador Décio, a igreja romana adiada a eleição de um sucessor. Em 251 a Igreja eleita Cornelius como papa. Cornelius defendeu o perdão ea readmissão dos cristãos que haviam cometido apostasia sob perseguição. Novaciano, no entanto, acredita que depois do batismo não poderia haver perdão por pecados graves. Ele havia se consagrado papa por três bispos do sul da Itália e entrou em cisma com seus seguidores, em 251 eles foram excomungados por Cornelius. Os Novatianists estabeleceu sua própria igreja, que durou até foram formalmente reunido com a Igreja Católica pelo Conselho de Nicéia, em 325. Novaciano se é pensado para ter sido martirizado durante as perseguições do imperador romano Valeriano.

    Novaciano foi o primeiro teólogo Romano de escrever em latim. Dois de seus nove tratados conhecidos sobreviveram: Sobre a Trindade e sobre os alimentos judaicos.

    Obras de Novaciano

    Introdução – Novaciano (210-280 AD)
    De Trinitate, Tratado de Novaciano relativas à Santíssima Trindade
    Nas carnes judeu – Novaciano
    Tratado Contra o Herege Novaciano por um bispo Anônimo
    Um Conselho Romano celebrado sob Stephen.
    Conselhos cartagineses.
    Novaciano – A controvérsia sobre o batismo dos hereges
    Apêndice – Novaciano

    Curtir

    • EDMILSON disse:

      Santo Inácio de Antioquia

      O terceiro bispo de Antioquia, Inácio, dc107, foi levado a Roma sob Trajano e lançados às feras. No caminho para Roma, ele escreveu aos cristãos de Éfeso, Magnésia, Tralles, Roma, Filadélfia e Esmirna, Policarpo, bispo de Esmirna. Estas sete cartas dão uma visão esclarecedora não só as crenças e as condições internas de primeiras comunidades cristãs, mas também do caráter de seu autor.
      Inácio escreveu sobre o nascimento virginal ea divindade de Cristo, mas destacou especialmente a natureza humana de Cristo. O primeiro escritor a chamar a Igreja “católica”, Inácio descreveu-a como uma sociedade de amor, no amor presidida por um bispo com seus presbíteros e diáconos, e montados “em graça, em uma só fé e um Jesus Cristo” (Ef 20).

      Chamado theophoros (“portador de Deus”), Inácio martírio considerado uma grande honra e pediu aos cristãos romanos não para salvá-lo. “Deixe-me ser dada aos animais selvagens”, escreveu ele, “para através deles que eu possa alcançar a Deus” (Rm 4). Dia de festa: Oct. 17 (ocidental); 17 dez (Antioquia); 20 dez (Eastern outro).

      Obras de Santo Inácio de Antioquia

      Epístola de Inácio (30-107 dC) aos Efésios
      Epístola de Inácio aos Magnésios
      Epístola de Inácio aos Trallians
      Epístola de Inácio aos Romanos
      Epístola de Inácio para a Filadélfia
      Epístola de Inácio aos Esmirnenses
      Epístola de Inácio a Policarpo
      Versões siríaco das Epístolas de Inácio
      Epístolas diversos de e para Inácio
      A Segunda Epístola de Inácio aos Efésios
      A Terceira Epístola de o mesmo Santo Inácio

      nota introdutória para as epístolas espúrias de Inácio.
      Epístola de Inácio aos Tarsians
      A Epístola de Inácio aos antioquenos
      A Epístola de Inácio a herói, um diácono de Antioquia
      A Epístola de Inácio aos Filipenses
      Epístola de Maria prosélito do Inácio
      A Epístola de Inácio de Maria em Neapolis, Próximo Zarbus.
      Epístolas de Inácio para St. John (espúrio)
      A Epístola de Inácio a São João Apóstolo
      A Segunda Epístola de São João Inácio.
      Epístola de Inácio à Virgem Maria (espúrio)
      Martírio de Inácio

      Curtir

      • EDMILSON disse:

        São Justino Mártir

        São Justino Mártir, C.100-c.165, é reconhecido como um dos mais importantes escritores cristãos primitivos. Um samaritano, ele estudou em diversas escolas de filosofia – estóica, peripatética, pitagórica e platônica – antes de se tornar um cristão. Justin assumiu a tarefa de fazer uma defesa racional do cristianismo para os forasteiros. Ele foi para Roma e abriu uma escola de filosofia. Justin é o renomado autor de um vasto número de tratados, mas as únicas autênticas obras restantes são duas Apologies, o seu Diálogo com Trifão o judeu, e fragmentos de Sobre a ressurreição. Justin foi decapitado, provavelmente em 165
        Obras de S. Justino Mártir

        Justino Mártir (110-165 AD)
        Primeira Apologia de Justino Mártir
        Segunda Apologia de Justino Mártir
        Diálogo de Justino Mártir e Trifon
        Exortatório Endereço de Justin para os gregos
        Justino Mártir sobre o único governo de Deus
        Justino Mártir sobre a Ressurreição
        Fragmentos de escritos Justin Mártir
        Martírio de Justino Mártir
        Martírio dos Santos Mártires
        .

        Curtir

        • EDMILSON disse:

          Santo Irineu, Irineu
          {Y-ruh-nee’-uhs}
          Santo Irineu, b. Anatólia, c.140-60, dc200, conhecido como o pai da teologia católica, é o mais importante teólogo do século 2d. Em sua juventude, ele se tornou um discípulo de São Policarpo de Esmirna. Mais tarde ele serviu como bispo de Lugdunum (Lyon) na Gália.

          Irineu é conhecido por várias obras existentes, bem como por sua influência sobre escritores cristãos posteriores da época patrística. Ele era um homem de paz e de tradição. Seus grandes esforços foram gastos no combate ao gnosticismo, e sua grande obra, Adversus Haereses (Contra as Heresias), foi escrito para este fim. Ele desenvolveu a doutrina da recapitulação (anakephalaiosis) de todas as coisas em Jesus Cristo, em oposição aos ensinamentos dos gnósticos, como Valentino e Basilides. Um defensor da tradição apostólica, Ireneu de Lyon foi o primeiro Pai da Igreja para sistematizar as tradições religiosas e teológicas da igreja, na medida em que eles existiam. Na controvérsia Quartodecimana sobre a data para a observância da Páscoa, ele defendeu a diversidade de práticas na unidade da fé. Festa dia: 28 de junho.

          Obras de Santo Ireneu de Lyon

          Ireneu de Lyon (120-202 dC)
          Irineu – Contra as Heresias, Livro I
          Irineu – Contra as Heresias, Livro II
          Irineu – Contra as Heresias, Livro III
          Irineu – Contra as Heresias, Livro IV
          Irineu – Contra as Heresias, Livro V
          Fragmentos dos Escritos Perdidos de Ireneu de Lyon

          .

          Curtir

    • EDMILSON disse:

      E mais uma coisa Alexandre a utilização da palavra “agraciada” (Lucas 1,28) é muito vaga, não expressa o real valor da palavra grega.

      Olha esse negócio de “agraciada” veio de Lutero, porém, o mesmo admitiu que só pôs assim por não achar melhor alemão.

      Abaixo o que disse:

      “Igualmente quando o anjo saúda Maria e fala: Gegrüßet seist du, Maria voll Gnaden, der Herr mit dir [“Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo”]. Pois bem, até agora isto foi simplesmente traduzido segundo as letras latinas. Mas diga-me se algo assim também é um bom alemão. Onde é que um homem alemão fala desta forma: Du bist voll Gnaden [“estás cheia de graça”]? Que alemão entende o que significa voll Gnaden [“cheia de graça”]? Ele deve pensar num barril cheio de cerveja, ou num saco cheio de dinheiro; por isso eu traduzi: Du Holdselige [“agraciada”], com o que um alemão pode imaginar muito melhor o que o anjo quer dizer com sua saudação. Mas aqui os papistas se enfurecem comigo porque eu teria pervertido a saudação angelical, muito embora eu com isso ainda não tenha encontrado o melhor alemão.” (Carta aberta sobre a tradução)

      O fato é que a palavra kekharitômenê não pode ser traduzida em nossa língua, nem no alemão, por uma única palavra, arriscando, com isso, não revelar seu verdadeiro valor.
      Veja, por exemplo, São Jerônimo expert em grego, traduziu por “plena graça”, forma que acho mais adequada do que a que vemos atualmente nas Bíblias Católicas “cheia de graça”.
      A palavra tem um significado mais abrangente do que apenas agraciada.
      Ela está no Particípio Perfeito, provinda do verbo “Charitoo” que quer dizer: “estado de santidade ou graça diante de Deus”. O prefixo “ke” indica tempo passado indefinido de sua “charitoo”. E o sufixo “mene” indica que sempre será assim. Se o Kecaritwmenh está no tempo passado indefinido, é pq em toda sua vida ela foi assim, desde a concepção. O modo de “Particípio Perfeito” indica que Deus a fez assim, ou seja, ela ERA e não ESTAVA. Se esse estado de santidade tivesse ocorrido após sua concepção deveria ser usada a palavra “Karitúmene”, que é o particípio presente. Por isso, como bem passou o Reverendo, ela foi nomeada de Kecaritwmenh, ao invés do anjo dizer “chaire Maria” (Alegra-te Maria), disse “chaire kekaritomene” (Alegra-te cheia de graça), o que mostra que essa qualidade é de sua natureza.
      Agora para um entendimento mais fácil, o anjo quis dizer: “TU QUE ÉS E SEMPRE FOSTE PLENA DA GRAÇA DIVINA”.
      Foi falado sobre “plêrês kharis” (duas palavras), essa expressão tem significado literal por “cheio de graça”, enquanto “kekharitômenê” não há palavra que demonstre literalmente sua verdadeira definição em nossa língua. Além de que “plêrês kharis” não quer dizer que Ele tenha sido “cheio de graça” desde o momento de sua concepção e até o fim “cheio de graça”. Sabemos que foi desde sempre e sempre será por outras passagens bíblicas e não se guiando por essas duas palavras em junção.

      “Sim, plena de graça, porque aos outrem é dada em fragmentos, mas a Maria lhe foi infundida a plenitude da graça por inteiro de uma vez” (São Jerônimo, citado por São Tomás de Aquino em Suma Teológica III, q. 27, a. 5, resp.)

      Curtir

  3. Eduardo D S N Soares disse:

    existem leituras contraditórias:
    “o abolicionista Joaquim Nabuco escreveu que a deserção do clero brasileiro de seu papel de defensor dos oprimidos tinha sido uma vergonha. Nabuco continua que o clero jamais tomou o lado dos escravos, e jamais usou a força da religião para aliviar o sofrimento dos negros (citado em Conrad, 1984, 153). “

    Curtir

    • Helen disse:

      Então Nabucco estava errado, estão ai as provas que a Igreja era sim muito contra à escavidão. Não dicuta com os fatos, por favor!

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      Entenda irmão Felipe que os documentos da Igreja Católica: Ensina que a Sã Doutrina, que ela prega, em suas minúcias e detalhes, foi sendo gradualmente revelada por Deus através dos tempos. Esse processo vem desde os tempos do Antigo Testamento, pois o Povo de Deus, é claro, já existia desde antes da vinda de Cristo.

      Pois Jesus Cristo anunciou o Evangelho definitivo à humanidade, que é considerado pelos cristãos católicos como o único Salvador da humanidade.
      Mas a definição e compreensão da Sã Doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo é baseada na Revelação Divina progressiva, isto é, se dá progressivamente através da História. Por isso, necessitamos de constante estudo, reflexão e oração.

      Agora Felipe essa compreensão, no entanto, permanece sempre fiel à Revelação e é sempre orientada pelo Magistério da Igreja à qual foi confiada a autoridade. – Esta definição progressiva da Doutrina é chamada de “desenvolvimento da Doutrina”.

      Essa Revelação imutável e definitiva é transmitida pela Igreja sob a forma da Tradição. A doutrina católica está expressa e resumida no Credo dos Apóstolos, no Credo Niceno-Constantinopolitano e também nos documentos da Igreja, como Por exemplo o Catecismo da Igreja Católica (CIC) e o seu Compêndio (CCIC).

      Por isso a Igreja, ao longo da história, cresceu na fé e produziu a Teologia. Dessa maneira foram criadas diversas formas de comunicação, internas e externas, destinadas a toda a Igreja (clero e leigos). Surgiam assim os documentos, as diretrizes e as normas baseadas na experiência e observância da prática cristã e da doutrina da Igreja.

      Portanto Felipe, tudo que até hoje foi publicado pela Igreja (documentos) têm grande importância. Pois se o Magistério da Igreja extrai todo o ensinamento que dá aos fiéis da Revelação Divina, que se compõe da Tradição (oral) que veio dos Apóstolos e da Tradição (escrita), a Bíblia, e se é sobre essa Tradição (escrita e oral), com igual importância nas duas formas, que o Magistério assenta seus ensinamentos infalíveis, podemos dizer que sim, sem dúvida os documentos da Igreja são tão verdadeiros quanto as Escrituras.

      Como você sabe, sem a Revelação oral, que chegou até nós, nem mesmo a Bíblia existiria, já que ela foi redigida pela Igreja.

      Agora Felipe saiba como verificar se um documento é oficial:

      Se é oficial aparece na Acta Apostolicae Sedis. Se você não tem acesso a essa acta, pode-se verificar no jornal do Vaticano, o L’ Osservatore Romano, que se publica em português e outras línguas.

      Veja como é a classificação dos Documentos Pontifícios

      Carta Encíclica

      a) doutrinal

      b) exortatória

      c) disciplinar

      Epístola Encíclica

      Constituição Apostólica

      Exortação Apostólica

      Carta Apostólica

      Bula

      Motu Próprio

      Abraço fraterno irmão Felipe, e a Paz de Cristo!

      Curtir

    • EDMILSON disse:

      HELEN ENRIQUEÇA SEUS CONHECIMENTOS SOBRE PATRÍSTICA E HISTÓRIA PRIMITIVA SOBRE A IGREJA CATÓLICA.

      http://www.catacombe.roma.it/indice_br.html

      Curtir

Os comentários estão encerrados.