O valor da Penitência e da Morticação na Igreja Católica


São Luís de Montfort escreveu: “Se quisermos possuir a sabedoria, devemos mortificar o corpo não só por resistir pacientemente nossas mazelas corporais, as inconveniências do clima e as dificuldades decorrentes de ações de outras pessoas, mas também pela empresa de deliberadamente algumas penitências e mortificações tais como jejuns, vigílias e outras austeridades praticadas por penitentes santo.”

Mortificação, em sua essência fundamental é o auto-sacrifício, abnegação e auto-disciplina. É morte para si por amor a Cristo e no reconhecimento de nossa própria incapacidade, temos de nos sacrificar, dar-nos a Cristo. Atos de mortificação são, portanto, comportamentos, devoções e atividades que nos auxiliam nesta oferta dos mesmos sacrifícios de nosso Senhor e Salvador. É como disse Jesus aos seus discípulos: “Se alguém quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”.

Um dos primeiros sacrifícios e cruzes que enfrentamos é ser obediente aos Seus mandamentos e à Sua Igreja; a auto-submissão, o tomar nossa cruz, a Sua fé,  moralidade e o Seu modo de vida, como ensinado pela Sagrada Escritura e Sagrada Tradição,  tal como interpretada e ensinada pelo Magistério da Igreja, é um ato que é contrário à natureza humana. Nossa natureza demanda auto-determinação em todas as coisas. Cristo exige submissão à Sua determinação, à Sua vontade. Nossa natureza humana não deseja a abnegação necessária para carregar a cruz.

Nós precisamos trazer as nossas vontades em submissão à lei do amor, a Cristo, através da realização de vários actos de penitência e mortificação – dentro das limitações do nosso estado de vida. Enquanto isso inclui negar e disciplinar-nos contra as tentações e desejos pecaminosos, e talvez conduzir mortificações penitenciais para subjugar os desejos carnais, ou  pagar recompensa pelo pecado, este não é o único objetivo ou valor de mortificação.

A mortificação é também um meio de auto-sacrifício e auto-disciplina dos aspectos não-pecaminoso da nossa natureza humana para que possamos atingir, através da graça e da misericórdia de Cristo, cada vez mais elevados graus de maturidade espiritual e de santidade. O apóstolo Pedro nos lembra da directiva de Deus: “porque está escrito: Sede santos, porque Eu sou santo”, “Para fazer isso, devemos buscar a santidade. “Prosseguir” é um verbo ativo, não pode ser feito com o status quo da religiosidade. Temos de andar uma milha extra, fazer mais do que o necessário, efetuar mais que os requisitos mínimos, ir além da mera evasão do pecado, se quisermos ganhar este objetivo maior, que nos leva a santidade que Deus espera de nós.

Paulo disse que “Tudo me é permitido, mas nem tudo convém. Tudo me é permitido, mas eu não me deixarei dominar por coisa alguma” (1 Coríntios 6:12). Através da autodisciplina podemos controlar o nosso desejo de ter, fazer, pensar ou sentir algo em favor de uma coisa maior e mais benéfico, ação, pensamento ou emoção. Através do sacrifício que desistir de algo que possamos ter o direito de esperar, possuir, ou fazê-lo para não ser dominado por ele.

Essas circunstâncias  não necessariamene têm a ver com o pecado, mas com maior vocação para a santidade, como ensinado pelas bem-aventuranças – para virar a outra face, para empréstimo sem expectativa de retorno, ou pode ser sobre a imagem e o testemunho que damos aos outros para a maior glória de Deus.

Essas circunstâncias podem envolver comportamentos perfeitamente aceitáveis ​​ou desejos, mas pode ser mais prudente sacrifica-los ou resisti-los através de auto-disciplina em nome “dos valores.” Paulo demonstrou isso na história que ele conta sobre comer carne oferecida aos ídolos. Apesar de comer tal carne ser aceitável, algumas pessoas poderiam se escandalizar, pensando que Paulo estivera pecando e defendendo o pecado dos outros. Assim, a liberdade de Paulo de comer a carne não iria dominá-lo, fazendo com que ele infantilmente exigisse seu “direito” de come-la, em uma demonstração auto-centrada de “liberdade”. Quando na companhia de pessoas com tais crenças, imaturo ou ignorante, ele aceitava a responsabilidade por sua liberdade e abstinha-se de comer pela glória de Deus, pois a missão de evangelizar era mais importante.

É através da penitência e da mortificação, que somos chamados a viver uma vida de abnegação diária, auto-disciplina, e a conversão contínua, não apenas para cumprir o chamado de Deus para a santidade em nossas vidas, mas para que outros possam ligar diariamente para o conforto do  Espírito de Cristo em suas vidas, também, fundamental e essencial, mas também que eles possam começar a sua busca da santidade.

Outras mortificações (auto-sacrifício e auto-disciplina) devem ser feitas conforme as circunstâncias de cada indivíduo, sua saúde espiritual e maturidade, e lutas espirituais. Os santos nos mostram muitos exemplos de mortificações. Nós podemos aprender muito com nossos irmãos e irmãs mais velhos que vieram antes de nós. Mas, na determinação de mortificações para si, Santo Montfort informa que  mortificações excepcionais ou graves não devem ser realizadas sem o conselho de um sábio diretor espiritual.

Anúncios

Sobre Hellen

Católica militante, expatriada, mãe e arquiteta e estudante de Direito. Quando há tempo, engajada na "missão" de defender a fé católica e evangelizar aos irmãos católicos, especialmente aqueles afastados da Santa Fé . I am an expat architect, law student and Catholic mommy who's taken on blogging. I've doing this for a few years now and I'm totally hooked up. All for the Glory of God!
Esse post foi publicado em Tradições Sagradas e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O valor da Penitência e da Morticação na Igreja Católica

  1. Elisangela Ferreira de Lima disse:

    Obrigada pelo explicação , Deus abençoe.

    Curtir

  2. Muito obrigada pela explicação.DEUS os abençoe.

    Curtir

  3. Daniela de Oliveira Gomes disse:

    Obrigada pela explicação,iluminou minha mente,respondendo a algumas dúvidas.

    Curtir

Seja respeitoso. Não ataque o autor, debata sua idéia. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar. Fique no tema do post. Comentários fora do tema original poderão ser excluídos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s