Porque todo Padre deveria obedecer a Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano


Colarinho Romano – Tradicional da Igreja Católica

1. O colarinho romano é um sinal de consagração sacerdotal ao Senhor. Como um anel de casamento distingue marido e mulher e simboliza a união de que gozam, de mesmo modo o colarinho romano identifica bispos e padres (e muitas vezes diáconos e seminaristas) e manifesta a sua proximidade com o Divino Mestre, em virtude de seu livre consentimento para o ministério ordenado para o qual que tenham sido (ou pode ser) chamado.

2. Pela utilização de roupa do ofício e por não possuir roupas em excesso, o sacerdote demonstra a adesão ao exemplo do Senhor de pobreza material. O sacerdote não escolhe suas roupas – a Igreja o faz, graças a sua sabedoria acumulada ao longo dos últimos dois milénios.

3. Humilde aceitação do desejo da Igreja que o sacerdote ao vestir  a batina e o colarinho romana ilustra por uma apresentação saudável à autoridade e conformidade com a vontade de Cristo, expressa através da sua Igreja.

4. A lei da Igreja exige que clérigos usem roupas clérigas, conforme número 66 do Diretório para sacerdotes, que se cita no cânon 284.

5. O uso do colarinho romano é um desejo repetido ardente pelo falecido papa João Paulo II. O desejo do então Santo Padre, hoje beatificado, a esse respeito não pode ser sumariamente demitido, ele fala com um carisma especial na função de líder da Santa Igreja. Ele freqüentemente lembrava aos sacerdotes o valor do uso do colarinho. Em uma carta datada aos 8 de setembro de 1982 ao Cardeal Ugo Poletti, seu vigário para a Diocese de Roma, o Pontífice instruiu-o a promulgar normas sobre o uso do colarinho romano e hábito religioso, observou que a veste clériga é valiosa, “não só porque contribui para a adequação do padre em seu comportamento externo ou no exercício do seu ministério, mas sobretudo porque dá evidência dentro da comunidade eclesiástica do testemunho público ao qual cada sacerdote é chamado a dar de sua própria identidade e que pertencem especialmente a Deus.

6. “Em uma homilia em Novembro 1982, o Papa dirigindo-se a um grupo de diáconos transitórios os quais ele estava prestes a ordenar ao sacerdócio, disse que se eles tentassem ser como outra pessoa qualquer em seu “estilo de vida” e na “maneira de vestir”, então sua missão como sacerdotes de Jesus Cristo não poderia ser plenamente realizada.

7. O colarinho romano impede “mensagens contraditórias”; outras pessoas irão reconhecer as intenções do padre quando ele se vê no que poderia parecer circunstâncias comprometedoras. Vamos supor que um padre seja obrigado a fazer visitas pastorais a prédios de apartamentos diferentes em uma área onde o tráfico de drogas ou prostituição é prevalecente. O colarinho romano envia uma mensagem clara a todos que o padre chegou para ministrar aos doentes ou necessitados em nome de Cristo. Especulações ociosas podem ser desencadeadas por um sacerdote conhecido por moradores do bairro ao visitar casas apartamentos vestido como um leigo.

8. O colarinho romano inspira outros a evitarem a imodéstia no vestir, bem como palavras e ações e lembra-nos da necessidade de decoro público. Um padre alegre, mas diligente e sério, pode obrigar aos outros a fazerem um balanço da maneira pela qual se conduzem. O colarinho serve como um desafio necessário para tempos de afogamento na impureza, exibida pela vestes sugestivas, pelo discurso blasfemo e ações escandalosas.

9. O colarinho romano é uma ‘proteção’ para a vocação ao lidar com fiés do sexo oposto. Um padre sem seu colarinho (e, naturalmente, não usando uma aliança de casamento) pode parecer um alvo atraente para os afetos de uma mulher solteira à procura de um marido, ou para uma mulher casada tentada a infidelidade.

10. O colarinho romano oferece uma espécie de “salvaguarda” para si mesmo e fornece um lembrete para o próprio sacerdote de sua missão e identidade: testemunhar a Jesus Cristo, o Grande Sumo Sacerdote, como um de seus irmão-sacerdotes.

11. Um padre em um colarinho romano é uma inspiração para outros que pensam: “Aqui esta um discípulo moderno de Jesus.” O colarinho fala da possibilidade de fazer um compromisso sincero e duradouro com Deus. Fiéis de diversas idades, nacionalidades e temperamentos vão notar a virtuosa vida centrada no próximo que o homem que de bom grado e orgulhosamente veste a roupagem de um padre católico e, talvez, venham a perceber que eles também podem consagrar-se denovo, ou pela primeira vez, ao amoroso Bom Pastor.

12. O colarinho romano é uma fonte de intriga benéfica para os não-católicos. A maioria dos não-católicos não têm experiência com os ministros que vestem trajes clericais. Portanto, os sacerdotes católicos em virtude de suas vestes podem levá-los a refletir – mesmo que seja apenas de um modo superficial – sobre a Igreja e o que ela implica.

13. Um sacerdote vestido como a Igreja quer é um lembrete de Deus e do sagrado. O pântano secular vigente não é gentil com as imagens que conotam o Todo-Poderoso, a Igreja, etc… Quando alguém usa o colarinho, os corações e mentes dos outros são invariavelmente elevados ao “Ser Superior”, que geralmente é relegado a uma nota pequena na agenda da cultura contemporânea.

14. O colarinho romano é também um lembrete para o padre que ele “nunca é não um sacerdote.” Com tanta confusão prevalecente hoje, o colarinho pode ajudar o sacerdote a evitar as dúvidas internas a respeito de quem ele é. Dois guarda-roupas diferentes podem facilmente suscitar – e muitas vezes o fazem – a dois estilos de vida, ou mesmo duas personalidades distintas.

15. Um padre em um colarinho romano é uma mensagem de vocação ambulante. A visão de um padre, alegre feliz com confiança andando na rua pode ser um ímã a atrair jovens a considerarem a possibilidade de que Deus está lhes chamando ao sacerdócio. Deus faz o chamado, o sacerdote é simplesmente um sinal visível que Deus usará para atrair os homens para si.

16. O colarinho romano faz com que o padre esteja disponível para os Sacramentos, sobretudo da Confissão e da Unção dos Enfermos, e em situações de crise. Porque o colarinho dá reconhecimento imediato, sacerdotes que usam-no tornam-se mais aptos a serem abordados, particularmente quando seriamente necessário. Adeptos ao colarinho podem testemunhar quanto a serem solicitados para os Sacramentos e convocados para assistência em aeroportos, cidades populosas e vilarejos isolados, pois foram imediatamente reconhecidos como sacerdotes católicos.

17. O colarinho romano é um sinal de que o padre está se esforçando para tornar-se santo, vivendo a sua vocação sempre. É um sacrifício de fazer-se sempre disponível a todas as almas, pois são publicamente identificados como um sacerdotes, mas esse é um sacrifício agradável a Nosso Divino Senhor. Somos lembrados de como o povo veio a ele, e como ele nunca os rejeitou. Há tantas pessoas que serão beneficiadas pelo sacrifício do padre que incessantemente luta para ser santo.

18. O colarinho romano serve como um lembrete para aqueles católicos “alienados” não se esquecerem de sua situação irregular e de suas responsabilidades para com o Senhor. O padre é uma testemunha – para o bem ou para o mal – a Cristo e sua Santa Igreja. Quando um “decaído” vê um padre, ele é estimulado a lembrar que a Igreja continua a existir. Um padre alegre fornece um lembrete salutar da Igreja.

19. O uso de roupa clerical às vezes é um sacrifício, especialmente em climas quentes. A melhores mortificações são aquelas que não procuramos. Submeter-se ao desconforto do calor e da umidade pode ser uma reparação maravilhosa para os nossos próprios pecados, e um meio de obter graças para nossos paroquianos.

20. O colarinho romano serve como um “sinal de contradição” para um mundo perdido no pecado e rebeldia contra o Criador. O colarinho torna-se uma poderosa declaração: o padre enquanto um alter Christus aceitou mandato do Redentor para levar o Evangelho para a praça pública, independentemente do sacrifício pessoal.

21. O colarinho romano ajuda aos sacerdotes a evitarem o ‘plantão’, a mentalidade de ‘folga do serviço sacerdotal’. Os números 24 e 7 devem ser os seus números especiais: sacerdotes são sacerdotes, 24 horas por dia, 7 dias por semana. São sacerdotes, não os homens que se engajam na “profissão de sacerdote.” Dentro ou fora de serviço, o sacerdote deve estar disponível a quem Deus possa enviar no seu caminho. As “ovelhas perdidas” não fazem agendamento.

22. Os “oficiais” do exército de Cristo devem ser identificáveis como tal. Tradicionalmente, temos observado que aqueles que recebem o sacramento da Confirmação se tornam “soldados” de Cristo, são católicos adultos prontos e dispostos a defender seu nome e sua Igreja. Aqueles que são ordenados diáconos, padres e bispos também devem estar preparados para pastorearem o rebanho do Senhor. Aqueles padres que usam o colarinho romano manifestam o seu papel inequivocamente como líderes na Igreja

23. Os santos nunca aprovam uma abordagem da abstinência das vestes sacerdotais. Por exemplo, Santo Afonso de Ligório (1696-1787), patrono dos moralistas e dos confessores, em seu estimado tratado Dignidade e Deveres do Sacerdote, insta o uso apropriado de vestes clericais, afirmando que o colarinho ajuda tanto sacerdote quanto aos fiéis a recordar o sublime esplendor do estado sacerdotal instituído pelo Deus-Homem.

24. A maioria dos católicos espera que os seus sacerdotes se vistam de acordo. Sacerdotes há muito tem dado uma grande medida de conforto e segurança ao seu povo. Enquanto jovens, os católicos são ensinados que o padre é o representante de Deus – alguém em quem se pode confiar. Assim, o Povo de Deus quer saber quem são esses representantes são e o que eles representam. O costume de usar vestes distinguíveis foi sancionado durante séculos pela Igreja, não é uma imposição arbitrária. Os católicos esperam que os seus sacerdotes vistam-se como padres e comportem-se em harmonia com o ensinamento prática da Igreja. Como temos dolorosamente observado ao longo dos últimos anos, os fiéis são especialmente incomodados e prejudicados quando os sacerdotes desafiam a autoridade legítima da Igreja, e ensinam e agir de forma inadequada e até mesmo desobediente.

25. A vida de um padre pertence a Deus de uma maneira especial, ele é enviado para servi-lo com sua vida. Quando acordamos todas as manhãs, devemos dirigir o nosso pensamento para o nosso Deus amoroso, e pedir a graça de servi-lo bem naquele dia. De uma forma especial, os padres devem lembrar-se do seu status como Seus servos, escolhidos por colocar o traje que proclama para que todos possam ver que Deus ainda está trabalhando neste mundo através do ministério de pobres homens pecadores.

Adaptado do artigo por Corageous Priest – 25 reasons to wear the Roman Colar
About these ads

13 comentários sobre “Porque todo Padre deveria obedecer a Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano

  1. Recordo com saudade os meus tempos de criança. Porquê? eu explico:
    Antes do Concílio Vaticano II, eu, com nove anos aprendi a ajudar à Missa, em latim, celebrada de manhã cedo antes de ir para a escola.
    No inverno, o padre que vinha do outro lado da Serra, de motorizada, com as mãos engadanhadas, cheio de frio, a quem eu,esperava e, a mando de minha boa Mãe, lhe ia abrir a porta, depois de ele dar sinal da sua chegada; Esse padre meu grande amigo, de batina e colar romano, eu cumpimentava sempre dando-lhe um beijo na mão, como se tivesse junto a mim o senhor Jesus; “Deus te abençoe meu menino” era a sua resposta, antes de se ir aquecer ao lume junto da lareira na modesta casa onde nasci, antes de ele ir celebrar a Eucaristia, em que eu tantas vezes ajudei nessa tão nobre missão; foi ali, nesse local, que aprendi com o exemplo de minha Boa Mãe, a rezar em família, e também junto desse padre de batina vestida , de mãos erguidas a darmos graças a Deus pelas simples refeições, de uma familia pobre, rural mas rica na fé de Cristo. Dário Costa

    • Pois bem sr Dario,

      Não vivi nesse tempo abençoado. Sinta-se privilegiado. Oremos para que um dia, nossos filhos ou netos, passem pelo que o sr relatou acima. Acho difícil. Mas o que para Deus é impossível?

      Pax Domini

  2. Concordo com a Helen. Acho que tem que ser a batina e o colarinho. A diferença se nota em todo canto, conheço um padre que só vemos com batina e colarinho, aonde está tem criança pedindo a benção, adulto e pessoas olhando com respeito e admiração. Quando não são católicos, noto um olhar de respeito, ainda que não gostem da fé católica, mas muitos que hoje são protestantes, surgiram dessa perda do amor do clero moderno à armadura da fé que é a batina. O protestantismo ganhou força com a dessacralização da Santa Missa e com o relaxamento na conduta dos padres no que tange ao respeito que se tem que ter com o que a Igreja diz, ou seja, que o clérigo se vista como é necessário para o exercício da vocação, tudo isso acima das suas vontades próprias e do famoso respeito humano que hoje justifica tudo.

  3. Há um provérbio Que diz que é o hábito que faz o Monge, mas eu digo que se existe um hábito para o Monge vestir, ele, tem que o fazer primeiro. Pois, trocado a miúde, de que vale a um Padre Usar colarinho, se não é um bom Padre? Por isso, o colarinho pouco vale. O que é preciso, é haver bons Padres!

    • Lídia,
      O colarinho e a batina são expressões externas de uma consagração que acontece em nível interno quando alguém dedica a vida ao sacerdócio, e declara ao mundo sua consagração por meio de suas vestes.

      Claro que o bom Pastor é bom interiormente, antes de tudo. Mas sua batina é um sinal vivo àqueles que o cercam, os fiéis e mesmo não crentes, da presença e existência da igreja em nosso meio. Ao vermos um padre vestido com o hábito somos imeditamente conduzidos a pensar em Cristo e Sua Igreja. É um testemunho silencioso, sem palavras, mas muito eficiente…

      O Padre que segue os regulamentos da igreja, ou seja, pratica o uso do hábito, em princípio já demonstra sua fidelidade e maior predisposição em seguir a Cristo e representar Sua Igreja, do que aquele que não usa o colarinho Romana. Ele demonstra obediencia e humildade, duas caracteristicas importantes de qualquer padre. Já aquele que se recusa a seguir as normas da Igreja, mostra não apenas desobediência e orgulho, mas uma predisposição perigosa a se fazer senhor de suas próprias vontades, o que por si só não corresponde às características de um padre santo e piedoso.

      Helen

  4. Para mim os Padres devem usar além do Colarinho Romano a Batina!!!
    E não só os Padres, os diaconos e os Seminaristas também devem usar a Batina, pois assim nenhum Seminarista seria capaz de fazer alguma gracinha fora das vistas do Padre e do Bispo!!!

  5. a que benção ! pois no estados unidos os padres usam colarinho

    poxa v6 ja leramo que Jesus falou sobre as vestimentas e importancia delas?
    Mais é a vida do que o sustento, e o corpo mais do que as vestes Lucas 12:23

    eu num to criticando a uso do colarinho to criticando v6 criticarem o padre que não usa colarinho

  6. Pingback: Porque todo Padre deveria obedecer à Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano « Ichthys

  7. Sou totalmente contrário a estes Padres Católicos “moderninhos” e que se vestem sem o uso do “colarinho romano” (clergyman) . Principalmente em atos ou cerimônias solenes, em reuniões, escolas, palestras, apresentações em público e em Televisão.
    Um sacerdote vestido como a Igreja quer é um lembrete de Deus e do sagrado.
    Fica aqui meu protesto solene contra Padres Católicos que não usam o “clergyman”.
    Orlando Alves Ferreira (orlandoalvesferreira@hotmail.com)
    Belo Horizonte – M.G.

  8. Pingback: O COLARINHO ROMANO OU CLERICAL « BLOG CARLOS LOPES שלום

Os comentários estão desativados.