Afinal, a igreja Católica pratica Idolatria?


“Os católicos são idólatras, pois adoram estátuas!”… Quem nunca ouviu essa afirmação? Infelizmente, uma vez que os católicos usam estátuas em suas igrejas, enfrentamos a acusação de  violar um dos mandamentos de Deus:

“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que está em cima nos céus, nem em baixo na terra, ou seja nas águas debaixo da terra: você não deve se curvar a elas nem as servirás “(Êxodo 20:4-5),” Ai, este povo cometeu um grande pecado, pois eles fizeram para si deuses de ouro “(Ex . 32:31).

'Adoração do Bezerro Dourado'

Loraine Boettner, em seu livro Catolicismo Romano, faz a afirmação genérica: “Deus proibiu o uso de imagens na adoração” (281) para criticar a Iconografia Sacra praticada no Catolicismo. No entanto, se as pessoas “Examinassem as Escrituras” (cf. João 5:39),  iriam descobrir que o oposto disto é verdadeiro.

Mas Deus proibiu mesmo toda Imagem?

Deus proibiu a adoração de estátuas, mas não proibiu o uso delas. Em vez disso, ele de fato mandou que fossem usadas em contextos religiosos, como provarei abaixo. Portanto, aqueles que se opõem à iconografia e estatuária religiosa esquecem das muitas passagens onde o Senhor ordena a confecção de estátuas. Por exemplo:

“Farás dois querubins de ouro; e os farás de ouro batido, nas duas extremidades da tampa, um de um lado e outro de outro, fixando-os de modo a formar uma só peça com as extremidades da tampa. Terão esses querubins suas asas estendidas para o alto, e protegerão com elas a tampa, sobre a qual terão a face inclinada. Colocarás a tampa sobre a arca e porás dentro da arca o testemunho que eu te der. Ali virei ter contigo, e é de cima da tampa, do meio dos querubins que estão sobre a arca da aliança, que te darei todas as minhas ordens para os israelitas.” “Farás uma mesa de madeira de acácia, cujo comprimento será de dois côvados, a largura de um côvado e a altura de um côvado e meio. Recobri-la-ás de ouro puro e farás em volta dela uma bordadura de ouro. Farás em volta dela uma orla de um palmo de largura com uma bordadura de ouro corrente ao redor. “(Ex. 25:18-20).

Davi deu a Salomão a planta do templo “Também determinou a quantidade de ouro refinado que o altar do incenso deveria ter. Deu-lhe o modelo do carro dos querubins de ouro, que cobriam com as suas asas a Arca da Aliança de Javé. Tudo isso estava num escrito que Javé havia entregado a David, explicando a fabricação do modelo. “(1 Cr. 28:18-19). A planta de Davi para o templo, que o autor bíblico nos diz que foi “escrita pela mão do Senhor”, incluía estátuas de anjos.

Da mesma forma Ezequiel 41:17-18 descreve escultura (talha) das imagens do templo idealizado, que lhe havia sido mostrada em uma visão, pois ele escreve: “Nas paredes ao redor na sala interior e [sobre] a nave foram esculpidos semelhanças de querubins. “

O Uso Religioso de Imagens

Durante uma praga de serpentes enviadas para punir os israelitas durante o êxodo, Deus disse a Moisés para “fazer [a estátua de] uma serpente e coloque-a em um poste, e todo aquele que for picado e vêr a serpente viverá. Então Moisés fez uma serpente de bronze, e prendeu-a em um poste, e se qualquer pessoa picada  olhasse para a serpente de bronze e vivia.”(Num. 21:8-9).

Bastava olhar para a estátua de bronze da serpente para ser curado, o que mostra que as estátuas poderiam ser usadas ‘sacramentalmente’, ou seja, como símbolo externo que manifesta a fé existente interior, e não apenas como ornamentos religiosos. Eis aqui apenas mais uma evidência Bíblica que Deus  de fato utilizou de símbolos ou sinais físicos para dispensar suas Graças ao Seu Povo já no Antigo Testamento. O mesmo pode ser dito do método escolhido por Deus para saciar a sede dos israelitas no deserto, quando ordenou a Moisés que usasse seu cajado contra uma pedra, que somente então jorraria agua e salvaria o povo de Israel de morrer de sede. Não poderia Deus ter apenas feito chover? Obviamente que sim, mas o Senhor escolheu um modo simbólico de apresentar sua benção ao seu povo, permitindo assim que através do gesto de Moisés a fé de todos aqueles presentes fosse aumentada.

Os Católicos usam estátuas, pinturas e outros recursos artísticos para “recuperarem” a pessoa ou cena representada na arte. Da mesma forma que ao olharmos para uma fotografia lembramos da pessoa nela capturada, ao olharmos uma estátua nos remetemos mental e espiritualmente àquilo que ela representa.

Os católicos também usaram as estátuas como ferramenta de ensino. No início da Igreja elas foram especialmente úteis para a instrução dos analfabetos. Muitos protestantes usam imagens de Jesus e outras figuras da Bíblia na escola dominical para ensinar as crianças, uma tradição tipicamente católica.

Os católicos também usam estátuas para imortalizarem a lembrança de certas pessoas e eventos, do mesmo modo muitas igrejas protestantes nos EUA e no mundo usam presépios tridimensionais no Natal.

Sendo assim, se o mesmo peso e a mesma medida forem usados, os protestantes também estariam praticando a “idolatria” de que acusam os católicos. Mas não há idolatria em nenhuma dessas situações, pois Deus proíbe a adoração de imagens como deuses, mas  não proíbe sua realização. Se fosse o caso, os filmes religiosos, vídeos, fotografias, pinturas, e todas as coisas semelhantes seriam idolatria. Mas, como no caso da serpente de bronze de Moisés, Deus não proibiu o uso ritual de imagens religiosas.

O problema é quando as pessoas começam a adorar a estátua como um ‘deus’ que o Senhor se zanga. Assim, quando os judeus do Antigo Testamento começaram a adorar a serpente de bronze como um ‘deus-serpente’ (a quem chamaram de “Neustã”), o rei justo Ezequias mandou destruí-la (2 Rs. 18:4).

Prostração: Postura Idólatra?

Às vezes os anti-católicos citam Deuteronômio 5:9, onde Deus disse a respeito de ídolos, “Vós não deveis vos curvar a eles.” para formularem sua acusação.  Uma vez que muitos católicos às vezes se ajoelham diante de estátuas de Jesus e mesmo dos santos, as pessoas confundem esse ato de veneração com o pecado da idolatria.

Apesar da curvatura e a genoflexão (ato de ajoelhar-se) poderem ser posturas de adoração, isso não quer dizer que sempre que elas ocorrem esteja caracterizada a adoração. Assim, um católico que se ajoelha diante de uma imagem sacra não está prestando adoração à estátua, mas apenas assumindo uma postura de oração. Ou seja, a genuflexão é uma postura de reverência que exterioriza um sentimento de humildade e piedade interior,  ela somente caracterizaria um ato de adoração se houvesse  a atribuição do status de divindade ao objeto ( imagem sacra) em substiuição à Deus, o que não ocorre na prática Católica. A Bíblia Sagrada nos prova isso:

Moisés saiu ao encontro do sogro e, prostrando-se, o beijou. Em seguida, depois de mútua saudação, os dois entraram na tenda. Ex. 18:17

Josué rasgou suas vestes e prostrou-se [diante da Arca da Aliança] com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças. Seria esse o desejo de Deus?~

Obadias ajoelhou-se diante de Elias e esse por sua vez não o repreendeu, pois percebia o gesto de Obadias como ato de respeito:

“Enquanto Obadias caminhava, eis que veio Elias a seu encontro. Abdias reconheceu-o e prostrou-se com o rosto por terra, dizendo: És tu, meu senhor Elias?” (1 Reis 18,7)

Eliseu também para se pos de joelhos:

“Os filhos dos profetas que estavam em Jericó, vendo o que acontecera defronte deles, disseram: O Espírito de Elias repousa em Eliseu. Foram-lhe ao encontro, prostraram-se por terra diante dele.”(2 Reis 2:15)

As mulheres se ajoelharam diante dos anjos no sepulcro:

“Não sabiam elas o que pensar, quando apareceram em frente delas dois personagens com vestes resplandecentes. Como se estivessem amedrontadas, inclinaram o rosto para o chão, disseram-lhes eles: Por que buscais entre os mortos aquele que está vivo?”[Lucas 24: 4-5)

Alguns recorrem ainda à Deuteronômio 4:15-18 para condenarem o uso  de estátuas religiosas:  “No dia em que o Senhor, vosso Deus, vos falou do seio do fogo em Horeb, não vistes figura alguma. Guardai-vos, pois, de fabricar alguma imagem esculpida representando o que quer que seja, figura de homem ou de mulher, representação de algum animal que vive na terra ou de um pássaro que voa nos céus, ou de um réptil que se arrasta sobre a terra, ou de um peixe que vive nas águas, debaixo da terra”

Já mostramos que Deus não proíbe a confecção de estátuas ou imagens de várias criaturas para fins religiosos (cf. 1 Rs 6:29-32, 8:6-66;.. 2 Crônicas 3:7-14) mas sim o ‘endeusamento’ de estátuas  em subistuição ao culto a Deus. Muitos protestantes diriam que mesmo assim essa prática é errada, pois Deuteronômio 4 nos diz que os israelitas não viam a Deus sob uma forma concreta e, portanto, não devemos fazer representações simbólicas de Deus. Mas será que Deuteronômio 4 proíbe tais representações?

A resposta é não

No início de sua história, Israel foi proibida de fazer quaisquer representações de Deus, porque Ele não havia se revelado de uma forma visível. Dada a cultura pagã ao seu redor, os israelitas poderiam ter sido tentados a adorarem a Deus sob a forma de um animal ou algum objeto natural (por exemplo, um touro ou o sol), como de fato o fizeram.

Mais tarde, porém, Deus revelou-se sob formas visíveis, como em Daniel 7:9 “Enquanto eu olhava, foram colocados tronos e um que era Ancião de Dias, tomou o seu lugar, o seu vestido era branco como a neve, e o cabelo da sua cabeça como a pura lã; o seu trono era chamas de fogo, suas rodas eram fogo ardente.” Os Evangélicos e protestantes em geral fazem representações de Deus Pai,  de acordo com essas descrições quando fazem ilustrações das profecias do Velho Testamento.

O Espírito Santo revelou-se sob pelo menos duas formas visíveis, a de uma pomba, no batismo de Jesus (Mateus 3:16, Marcos 1:10, Lucas 3:22, João 1:32), e como línguas de fogo, no dia de Pentecostes (Atos 2:1-4). Os cristãos não-Católicos usam essas imagens para representarem episódios bíblicos, nos EUA por exemplo,  usam alfinetes na lapela com a representação do Espírito Santo em forma de pomba, ou ainda emblemas em seus carros, etc…

Mas, mais importante, na encarnação de Cristo, Seu Filho, Deus mostrou à humanidade um ícone de si mesmo. Em Colossenses 1:15 Paulo disse: “Ele é a imagem. (Em grego imagem = ikon) do Deus invisível, o primogênito de toda a criação.Cristo é o tangível “ícone” divino do invisível, do Deus infinito.

Nós lemos que, quando os Reis Magos foram “entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e prostrando-se, o adoraram. Então, abrindo os seus tesouros, ofereceram-lhe presentes: ouro, incenso e mirra” (Mt 2:11). Embora Deus não tivesse revelado uma forma no Monte Horebe, ele revelou uma na casa em Belém.

A questão é, quando Deus estabeleceu Sua nova aliança conosco, ele revelou-se sob uma forma visível em Jesus Cristo. Por esse motivo, nós podemos fazer representações de Deus em Cristo. Até mesmo os protestantes usam todos os tipos de imagens religiosas: Imagens de Jesus e outras personagens bíblicos aparecem em uma variedade de Bíblias, livros de fotos, camisetas, bijuterias, adesivos, cartões, discos compactos, e presépios. Cristo ainda é simbolicamente representado pela Icthus ou “emblema de peixe.”

O bom senso nos diz que, uma vez que Deus se revelou em várias imagens, sobretudo na encarnação de Jesus Cristo, não é errado para nós usarmos imagens destas formas para aprofundar o nosso conhecimento e  amor à Deus. É por isso que Deus revelou-se nessas formas visíveis,  é por isso que são feitos ícones e estátuas.

A Igreja Católica Condena a Idolatria há 2000 anos

Desde os tempos dos apóstolos, a Igreja Católica  sempre condenou o pecado da idolatria. Os Padres da Igreja alertam contra este pecado, e concílios da Igreja também abordaram a questão.

O Segundo Concílio de Niceia (787 D.C), que referiam-se sobretudo à questão do uso religioso de imagens e ícones, dizendo: “[A] quele que nos redimiu das trevas da idolatria insanidade, Cristo nosso Deus, quando assumiu … a sua noiva a sua santa Igreja Católica prometeu que iria protegê-la e garantiu aos seus santos discípulos, dizendo: “Eu estou convosco todos os dias até a consumação dos tempos”… À esta graciosa oferta algumas pessoas não prestaram atenção … sendo ludibriadas pelo inimigo traiçoeiro elas abandonaram a verdadeira linha de raciocínio… e eles não conseguiram distinguir o sagrado do profano, ao afirmar que os ícones de nosso Senhor e dos seus santos não foram diferentes das imagens de madeira dos ídolos satânicos.

O Catecismo do Concílio de Trento (1566 DC) ensinou que a idolatria é cometida “a adoração de ídolos e imagens como Deus, ou acreditar que elas possuem qualquer divindade ou virtude que os autorizem a nossa adoração, por meio da oração, ou depositando confiança neles” ( 374).

“A idolatria é uma perversão do sentido inato do homem religioso. Idólatra é aquele que” transfere a sua indestrutível noção de Deus como algo diferente de Deus “(CIC 2114).

A Igreja absolutamente reconhece e condena o pecado da idolatria. Os não-católicos, ao acusarem os Católicos de Idólatras, não reconhecem a distinção entre o pensamento  que eleva um pedaço de pedra ou gesso ao status de um deus e o desejo de visualmente lembrar Cristo e dos santos no céu, fazendo estátuas em sua homenagem. A fabricação e utilização de estátuas religiosas é uma prática totalmente bíblica. Quem disser o contrário não conhece a Bíblia.

Fonte: Catholic Answers
About these ads

292 thoughts on “Afinal, a igreja Católica pratica Idolatria?

  1. Olá, primeiramente gostaria de dizer que sou Batista e tenho um forte conhecimento bíblico. Com isso gostaria de parabenizar este blog pelo conteúdo muito lúcido e baseado na verdade que é a Bíblia.
    Estou casado com uma mulher católica e por isso busco entender os fundamentos da Igreja Católica.
    Infelizmente é uma realidade que muitos católicos confundem os ensinamentos e acabam caindo na idolatria acreditando realmente que a estátua é o foco da adoração e não uma imagem que arremete a um ser superior como se ajoelhar aos pés da cruz.
    A Igreja deveria investir mais em ensinar aos fiéis os seus fundamentos. Isso evitaria um leigo de acabar adorando uma estátua como se fosse o próprio santo.
    Amei seu comentário sobre os santos intercederem por nós. Isso é uma realidade e sim! existem muitos deles até mesmo em nosso convívio. Porque a palavra santo quer dizer separado, diferente dos outros. Assim qualquer um que dedique sua vida à vontade de Deus é um ser santificado e sua oração tem muito poder.

    Grande abraço e que Deus faça deste Blog uma grande bênção nas vidas das pessoas que procuram conhecer o nosso Deus

    • Jether,

      Obrigada pela visita ao blog. No momento encontro-me de ferias e por isso não responderei ao seu e a outros comentários, postados esta semana. Farei-o na semana que vem, se Deus quiser.

      Peço a todos que me desculpem e tenham paciência.

      Paz Domini.
      H.

  2. gostaria de lembrar que jesus é o nosso intercessor e mediador entre Deus e os homens. não maria a onde esta escrito para provar ao contrario . por que orar aos santos se não ouvem e aonde esta escrito que eles intercede por nós. a bíblia é a verdade devemos seguir o que esta escrito .

    • Everaldo,

      A Bíblia é a verdade. Isso não se discute. Sua interpretação dela, sim, discute-se.

      Já lhe passou que talvez sua interpretação não seja correta?

      Não ponha-se acima da Igreja. A ela, e somente a ela, foi dada a autoridade para interpretar a Revelação divina.

      Pax Domini,

  3. LU – LUTERO

    luADULTERAÇÃO BÍBLICA – “Os zurros de tais asnos a respeito da palavra “sola” (“só”) não merecem outra resposta, senão: LUTERO QUER que assim seja e o diz: ELE É DOUTOR ACIMA de todos os autores do papado inteiro. É preciso que fique nisso. O papista, que teimar ocupar-se com a palavra “só”, é preciso responder: DOUTOR LUTERO QUER que assim seja. Assim EU QUERO, assim ORDENO, a MINHA VOTADE é a razão” (Grisar II,267).

    luAFOGO-ME EM PECADOS – “Nesta solidão, afogo-me em pecados (“peccatis immergor in ac solitudine”)” (De Wette II, p.26).

    luANTI-SEMITA – “14/12/2006 05:37 Em 1523, Martim Lutero escreveu: Talvez eu consiga atrair alguns judeus para a fé cristã, pois nossos tolos, os papas, bispos, sofistas e monges… até agora os têm tratado tão mal que… se fosse judeu e visse esses idiotas cabeças-duras estabelecendo normas e ensinando a religião cristã, eu preferiria ser um porco a ser cristão. Pois esses homens trataram os judeus como cães, e não como seres humanos. (Martim Lutero: That Jesus Christ was born a Jew [Que Jesus Cristo Nasceu Judeu], reimpresso em Frank Ephraim Talmage, ed. Disputation and Dialogue: Readings in the Jewish-Christian Encounter (Nova York: Ktav/Anti-Defamation League of B’nai B’rith, 1975), p. 33. ) Vinte anos mais tarde, amargurado e desapontado, Lutero escreveu estas palavras inacreditáveis a respeito do povo que um dia defendera: Em primeiro lugar, suas sinagogas deveriam ser queimadas… Em segundo lugar, suas casas também deveriam ser demolidas e arrasadas… Em terceiro, seus livros de oração e Talmudes deveriam ser confiscados… Em quarto, os rabinos deveriam ser proibidos de ensinar, sob pena de morte… Em quinto lugar, os passaportes e privilégios de viagem deveriam ser absolutamente vetados aos judeus… Em sexto, eles deveriam ser proibidos de praticar a agiotagem [cobrança de juros extorsivos sobre empréstimos]… Em sétimo lugar, os judeus e judias jovens e fortes deveriam pôr a mão na debulhadeira, no machado, na enxada, na pá, na roca e no fuso para ganhar o seu pão no suor do seu rosto… Deveríamos banir os vis preguiçosos de nossa sociedade … Portanto, fora com eles… (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos judeus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36. ) Com essas palavras, e a atitude assustadora por trás delas, o alemão Lutero lançou os fundamentos do anti-semitismo do Terceiro Reich. Muitos de seus compatriotas puderam afirmar, séculos depois, que estavam seguindo a orientação de Lutero ao incendiarem sinagogas judaicas durante a Kristallnacht ["Noite dos Cristais"], episódio que se tornou o ponto de partida para acontecimentos muito piores [durante o tempo do nazismo] O próprio Hitler considerou Lutero uma das três maiores figuras da Alemanha, juntamente com Frederico, “o Grande”, e Richard Wagner.

    luAPARIÇÕES DO DIABO – “Quando estava em meu Patmos, tinha fechado, dentro dum armário, um saco de nozes de avelãs. Certa noite, apenas me deitara, começou um barulho infernal nestas nozes que, uma por uma, foram lançadas com força, contra as vigas do forro. Senti sacudirem-me a cama, e ouvi nas escadas um ruído, como se lançassem para baixo uma grande quantidade de vasos. Entretanto, a escada havia sido retirada, para ninguém poder subir ao meu quarto, estando presa à parede com uma corrente de ferro” (Wette Erl.59 p.340).

    luAPOCALIPSE – Lutero diz que o Apocalipse “não é nem apostólico nem profético.” (Erl. LXIII, 169).

    luAUTORIDADE – “Todo cristão é pela fé tão exaltado sobre todas as coisas que, por meio de um poder espiritual, é senhor de todas as coisas, sem exceções, que nada lhe causará mal. De fato, todas as coisas foram feitas sujeitas a ele e são orientadas a servi-lo na sua salvação”. (’Freedom of a Christian,’ Martin Luther. Selections From His Writings, ed. por Dillenberger, Anchor Books, 1962 p. 63.) “Injustiça é feita quando as palavras “sacerdote, clérico, espiritual, eclesiástico” são transferidas de todos os cristãos para aqueles poucos que são chamados por costume mesquinho de “esclesiásticos” (Ibid., p. 65) A Bíblia nos ensina a não proceder contra os escolhidos por Deus: “Deus me guarde de jamais cometer este crime, estendendo a mão contra o ungido do Senhor, meu senhor, pois ele é consagrado ao Senhor!” (1Sam 24,7). Pela intercessão de Moisés, Mirian foi curada da lepra. Logo depois vemos Coré (Num 16) se rebelar contra Moisés e Aarão: “Basta! Toda a assembléia é santa, todos o são, e o Senhor está no meio deles. Por que vos colocais acima da assembléia do Senhor?”. A Bíblia mostra que, por causa desta revolta, “Saiu um fogo de junto do Senhor e devorou os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam o incenso”.

    luBEBERRÃO – “Vou comendo como um boêmio e bebendo como um alemão, louvado seja Deus!…” (Carta à sua Catarina) ; “Ontem, aqui, bebi mal e depois fui obrigado a cantar; bebi mal, e sento-o muito. Como quisera ter bebido bem, ao pensar que bom vinho e que boa cerveja tenho em casa, e mais uma bela mulher” (De Wette IV. 553). Na noite em que o reformador, com companhia de outros, chegou a Erfurt (19 de out. 1522) “… não se fez senão beber e gritar, como de costume”, escreve Melanchton presente à cena “Os excessos do copo chegaram a fazer-lhe mal à saúde”. “Quando o diabo te vexar com pensamento”, diz ele, “palestra com os amigos, bebe mais largamente, joga, brinca ou ocupa-te em alguma coisa. De quando em quando se deve beber com maior abundância, jogar, divertir-se, e mesmo fazer algum pecado em ódio e acinte ao diabo, para não lhe darmos azo de perturbar-nos a consciência com ninharias. Quando te disser o diabo: Não bebas, responde-lhe: Por isso mesmo que me proíbes, é que hei de beber, e em nome Jesus Cristo beberei mais copiosamente… Por que pensar que eu bebo assim com mais largueza, cavaqueio com mais liberdade, banqueteio-me com mais freqüência, senão para vexar e ridicularizar o demônio que me quer vexar e ridicularizar?… TODO O DECÁLOGO SE NOS DEVE APAGAR DOS OLHOS E DA ALMA, a nós tão perseguidos e molestados pelo diabo” (De Wette IV. 188).

    luBEBERRÃO – “Vou comendo como um boêmio e bebendo como um alemão, louvado seja Deus!…” (Carta à sua Catarina) ;
    “Ontem, aqui, bebi mal e depois fui obrigado a cantar; bebi mal, e sento-o muito. Como quisera ter bebido bem, ao pensar que bom vinho e que boa cerveja tenho em casa, e mais uma bela mulher” (De Wette IV. 553).
    Na noite em que o reformador, com companhia de outros, chegou a Erfurt (19 de out. 1522) “… não se fez senão beber e gritar, como de costume”, escreve Melanchton presente à cena “Os excessos do copo chegaram a fazer-lhe mal à saúde”.
    “Quando o diabo te vexar com pensamento”, diz ele, “palestra com os amigos, bebe mais largamente, joga, brinca ou ocupa-te em alguma coisa. De quando em quando se deve beber com maior abundância, jogar, divertir-se, e mesmo fazer algum pecado em ódio e acinte ao diabo, para não lhe darmos azo de perturbar-nos a consciência com ninharias. Quando te disser o diabo: Não bebas, responde-lhe: Por isso mesmo que me proíbes, é que hei de beber, e em nome Jesus Cristo beberei mais copiosamente…
    Por que pensar que eu bebo assim com mais largueza, cavaqueio com mais liberdade, banqueteio-me com mais freqüência, senão para vexar e ridicularizar o demônio que me quer vexar e ridicularizar?… TODO O DECÁLOGO SE NOS DEVE APAGAR DOS OLHOS E DA ALMA, a nós tão perseguidos e molestados pelo diabo” (De Wette IV. 188)

    luBEBERRÃO E CRÁPULA – “Eu estou, da manhã à noite, desocupado e bêbado. Você me pergunta por que eu bebo tanto, por que eu falo tão galhardamente e por que eu como tão freqüentemente? É para pregar uma peça ao diabo que se pôs a me atormentar”. É bebendo, comendo, rindo, nessa situação, e cada vez mais, e até mesmo cometendo algum pecado, à guisa de desafio e desprezo por Satanás, procurando tirar os pensamentos sugeridos pelo diabo com o auxílio de outros pensamentos, como, por exemplo, pensando numa linda moça, na avareza ou na embriaguez, caso contrário ficarei muito raivoso.” (Lutero). (Marie Carré, J’ai choisi l’unité – D.P.F., 1973, apud Lex Orandi: La Nouvelle Messe et la Foi, Daniel Raffard de Brienne 1983). luBÍBLIA – “A Bíblia poderia melhorar” (’TheFacts About Luther, O’Hare, TAN Books, 1987, p. 202) “A história de Jonas é tão monstruosa que é absolutamente inacreditável” (Ibid.) “Eu jogaria o livro de Esther no Elba. Sou de tal forma inimigo deste livro que preferiria que não existisse, pois é judaizante demais e com grande parte de idiotices pagãs”. (Ibid.) “A carta de Tiago é uma carta de palha, pois não contém nada de evangélico.” (’Preface to the New Testament,’ ed. Dillenberger, p. 19.) “Se algo sem sentido foi falado, este é o lugar. Eu confirmo o que muitos já haviam dito que, com muita probabilidade, esta epístola não fora escrita pelo apóstolo, e não merece o nome do apóstolo”. (’Pagan Servitude of the Church‘ ed. Dillenberger, p. 352.). “Para mim tal livro [o Apocalipse]) não possui qualquer característica cristã. Que cada um julgue este livro; eu mesmo tenho aversão, e isto é o suficiente para rejeitá-lo” (Sammtliche Werke, 63, pp. 169-170, ‘The Facts About Luther,’ O’Hare, TAN Books, 1987, p. 203).

    luBÍBLIA – “A Bíblia poderia melhorar” (’TheFacts About Luther, O’Hare, TAN Books, 1987, p. 202)
    “A história de Jonas é tão monstruosa que é absolutamente inacreditável” (Ibid.)
    “Eu jogaria o livro de Esther no Elba. Sou de tal forma inimigo deste livro que preferiria que não existisse, pois é judaizante demais e com grande parte de idiotices pagãs”. (Ibid.)
    “A carta de Tiago é uma carta de palha, pois não contém nada de evangélico.” (’Preface to the New Testament,’ ed. Dillenberger, p. 19.)
    “Se algo sem sentido foi falado, este é o lugar. Eu confirmo o que muitos já haviam dito que, com muita probabilidade, esta epístola não fora escrita pelo apóstolo, e não merece o nome do apóstolo”. (’Pagan Servitude of the Church‘ ed. Dillenberger, p. 352.).
    “Para mim tal livro [o Apocalipse]) não possui qualquer característica cristã. Que cada um julgue este livro; eu mesmo tenho aversão, e isto é o suficiente para rejeitá-lo” (Sammtliche Werke, 63, pp. 169-170, ‘The Facts About Luther,’ O’Hare, TAN Books, 1987, p. 203).

    luBÍBLIA – UM LIVRO DE HERESIA – “Embora Lutero desejasse restringir o princípio da interpretação privada da Escritura ao seu uso próprio, e fazer que a sua interpretação pessoal fosse aceita por todos, o seu exemplo provou-se mais contagioso do que o seu preceito. Os seus seguidores reclamaram o mesmo direito e logo começaram a dar interpretações divergentes aos mais simples textos. Assim, em Ingolstadt, em 1577, Cristóvão Rasperger citava duzentas interpretações diferentes das quatro simples palavras da consagração, Isto é o meu Corpo, interpretações sustentadas pelos sequazes dos reformadores.
    (The Faith of Millions, J. A . O’Brien, Our Sunday Visitor, Huntington, Ind. 1938, p. 227).
    Lutero começou declarando que a Bíblia podia ser interpretada por qualquer um até mesmo pela humilde criada ou até por uma criança de nove anos. Mais tarde, no entanto, quando os Anabatistas, Zwinglianos e outros contrariaram as suas vistas, a Bíblia tornou-se para ele UM LIVRO DE HERESIA, muito obscuro e difícil de entender.” (http://br.geocities.com/robeline2/vidalutero.html).

    luBOAS OBRAS – IMPEDIR DE FAZÊ-LAS – “Estas almas piedosas que fazem o bem para chegar ao céu não somente não o alcançarão, como serão arranjados entre os ímpios; e importa mais em impedi-los de fazerem boas obras que pecados”. (Wittenberg, VI, 160, citado por O’Hare, in ‘The Facts About Luther’, TAN Books, 1987, p. 122).

    luCAMPONESES – CONFISSÃO DE CULPA – “Eu, Dr. Martim Lutero, durante a rebelião matei todos os camponeses, porque fui eu quem ordenou que eles fossem mortos. Todo o sangue deles está sobre minha cabeça. Mas eu o ponho todo sobre Deus Nosso Senhor; pois foi ele quem assim me mandou falar!” (“Tischredden”, Ed. Erlangen, Vol. 59, p. 284)

    COMO CÃES FURIOSOS – “Não quero saber nada de misericórdia, como já escrevi, escrevo ainda: ninguém se deve compadecer dos camponeses tiemosos, obcecados, cegos, mas bater neles com cordas, pau e foice, como de faz com cães furiosos… Eles são, com certeza, revoltosos, ladrões, assassinos e blasfemadores, de modo que entre eles não há nenhum que não tenha merecido dez vezes a morte sem compaixão… O senhores compreendem o que está atrás desta populaça; o burro quer pau, e este povo quer ser governado pela força… o diabo tem em mira destruir a Alemanha inteira, porque não há outro jeito de implantar o Evangelho!… Os campônios permanecem campônios; faça-se-lhes o que quiser, têm o rosto, o nariz e os olhos tortos” (Schlaginhaufen Leipzig, 1888, p. 125)

    ABRIR OS OUVIDOS COM BALAS – “Os camponeses não queriam escutar nada; por isso, era preciso abrir-lhes o ouvido com balas de espingarda para que a sua cabeças voassem pelos ares” (Grisar v. Lther vol.l. p.7l5. Ed. 7912)

    É PECADO NÃO MATAR OS CAMPONESES – Lutero, esquecendo a sua própria revolta, acabou por condenar totalmente o movimento. Publicou um panfleto Contra as hordas de salteadores e assassinos camponeses, onde incita a autoridade civil a massacrar, incendiar, destruir os revoltosos: «Os nossos príncipes devem pensar que são, nas actuais circunstâncias, agentes da cólera divina e que esta manda castigar semelhantes tratantes. Um príncipe que não o fizesse pecaria altamente contra Deus; faltaria à sua missão. Um príncipe que, nesta circunstância, evitasse derramar o sangue, tornar-se-ia responsável pelas mortes e por todo o mal que estes canalhas possam ainda vir a praticar.» Na batalha de Boblingen, a 12 de Maio de 1525, os príncipes coligados liquidaram a revolta. Os camponeses morreram cantando Vinde Espírito Santo. O seu herói, Thomas MüIler, aprisionado a 15 de Maio, foi decapitado.
    http://www.arqnet.pt/portal/teoria/lutero_amoreira.html
    ACOVARDA-SE – Em 1530 não teve coragem de visitar o pai doente e escreveu: “Não quero tentar a Deus, expondo-me ao perigo, pois sabes quanto me desprezaram senhores e camponeses” (Corresp. VII.. 230 a Hans Luther)

    MASSACRE TOTAL DAS BESTAS SELVAGENS – Lutero, que tinha permanecido originalmente neutro, culpando tanto camponeses como governantes, passou a denunciar os camponeses e incitar a nobreza para a matança, em uma linguagem tão desenfreada quanto a de Thomas Münzer. “Só há uma maneira do sr. povinho fazer sua obrigação”, disse Lutero, “constrangendo-o pela lei e pela espada, prendendo-o em cadeias e gaiolas, da mesma forma que se faz com bestas selvagens . . . melhor a morte de todos os camponeses do que a morte dos príncipes . . . estrangulem os rebeldes como fariam com cães raivosos”. E quando a rebelião foi suprimida através de um massacre total, Lutero disse “que todo seu sangue recaia sobre mim”, procedendo uma justificação teológica à nova servidão.
    http://www.geocities.com/projetoperiferia/comunalismo3.htm#7.%20The%20Radical%20Reformation,%20Thomas%20M%FCnzer

    MULAS, PORCOS, CACHORROS: AÇOITAR, ENFORCAR, QUEIMAR, TORTURAR, DECAPITAR – “Assim como as mulas não se movem até que seu dono lhe puxe as cordas, assim o poder civil deve conduzir as pessoas comuns, açoitá-los, enforcá-los, queimá-los, torturá-los e decapitá-los, para que aprendam a temer o poder estabelecido” (El. ed. 15, 276, citado by O’Hare, em ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 235).
    “O camponês é um porco, e quando um porco é abatido, ele está morto, e da mesma forma os camponeses não pensam sobre a vida futura, pois do contrário se comportariam de outra maneira”. (’Schlaginhaufen,’ ‘Aufzeichnungen‘ p. 118, citado ibid., p. 241)
    Trata-se do episódio da guerra dos camponeses de 1525. O próprio Lutero recomendava aos príncipes:
    “impeça-os da forma que puderem, como se matam cachorros loucos” (Ibid., p. 235).
    Erasmo de Roterdã, contemporâneo de Lutero, relatou que mais de cem mil camponeses perderam suas vidas (Ibid., p. 237).

    luCARTA DE PALHA – EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO – Lutero chama a Epistola de São Tiago de carta de palha. (Erl. LXIII, 115)

    luCATARINA DE BORA – Entre as egressas, saídas do convento por influência de Lutero, se achava Catarina de Bora. “Sem ser uma beldade, diz Grisar, Catarina ambicionava esposar Lutero ou Amsdorf”. Para ilaquear o seu preferido, multiplicou as armadilhas da astúcia feminina. Pelas referências contemporâneas, os precedentes de Catarina não recomendavam muito sua moralidade. A 10 de agosto de 1528, Joaquim de Heyden escrevia à própria Catarina, recriminando-lhe o haver entrado em Wittemberg, como uma bailarina, e de aí ter vivido com Lutero, antes do casamento, como uma miserável decaída (Enders Vol. VI p.334). Em 1523 já estivera em relações amorosas com Jerônimo Baumgastner, que mais tarde (1529) se casou com outra. No mesmo ano (1523) Cristiano, rei da Dinamarca, desterrado, passou por Wittemberg e aí conheceu Catarina, que deste encontro conservou como lembrança significativa o presente de um anel (Koestlin: Luter I. p.728). Eis os predicado de tal “nobre senhora, digna de todo respeito, pelos seus dotes de espírito e de coração”, tal como os protestantes o pretendem.

    luCONVENCE SUA CONSCIÊNCIA – “Pude apenas, com os textos mais expressivos da Escritura, convencer a minha consciência de que era permitido resistir ao Papa, fazendo-o passar por anticristo, e considerar os Bispos como os apóstolos do anticristo, e as universidades como antros do pecado” .

    luCRISTO BEBERRÃO E TAGARELA – “Pensais, sem dúvida que o beberrão Cristo, tendo bebido demais na última Ceia, aturdiu os discípulos com vã tagarelice?” (Lutero). (Funk Brentano, Martim Lutero, Casa Editora Vecchi – 1956 – pg. 135).

    luCRISTO SUBMISSO AO DIABO – “Cristo não tomou sobre si só uma condição humana geral, mas submeteu-se ao diabo e concorda com o diabo de alguma forma. Ele não assumiu só as culpas, como afirma a fé católica, mas também a disposição ao pecado.” (Beer): 30 Giorni Ano VII, fev. 1992, pág.55, entrevista “Lutero? Delírio Maniqueísta”). Agora ficam claras as frases blasfemas de Lutero contra Cristo: na cristologia luterana Nosso Senhor de fato tinha de pecar; para que Cristo pagasse o pecado deveria cometer todos os pecados! Eis a reforma que dizia reconduzir a Igreja à pureza primitiva! Dado que Cristo é uma dualidade para Lutero, Ele não pode ser a terceira pessoa da Santíssima Trindade, que encarnando tornou-se uma só pessoa: “Cristo não pode ser “pessoa”, deve ser um “compositum”, pois nele devem coexistir a divindade e a maldição, ou seja, a diabolicidade.” (Beer: 55) “Para Lutero (…) Deus é mau em si, é preciso atribuir a diabolicidade a Deus. São Paulo escreveu que em Jesus Cristo “habita a plenitude da divindade”, e Lutero comentou: “é bom que tenhamos um homem assim, porque Deus é em si mesmo mau e cruel.” (Beer: 59)

    luDEBATE EM LEIPZIG – Lutero, reconheceu a derrota de seu comparsa Carlostad quando d i s p u t o u publicamente com o Dr. Eck em 27 de junho de 1519 em debate organizado pelas universidades de Wittemberg, Ingolstad e Leipzig, no castelo do conde Jorge de Saxe:
    “Em Leipzig Carlostad recolheu vergonha em vez de honra, mostrando-se um miserável polemista, com espírito tapado e tolo”. (H. Boekmer; Der Junge Luther 1929, pág.255).
    Mas em 14 de julho do mesmo ano o próprio Lutero caiu em contradição e titubeou frente ao mesmo adversário, levando os louros do triunfo o Dr. Eck. Mesmo aqui Lutero teve a sinceridade de confessar em uma carta a Melanchton:
    “Eck tem tem as vantagens: ele triunfa e reina. Estes leipziganos não nos saudaram, nem visitaram, mas nos trataram como inimigos, enquanto acompanharam Eck em toda parte… para nossa vergonha… aí está todo o drama: começou mal e acabou pior… discutimos mal” (Enders: corr. II, 85, 20 de julho de 1519).

    luDEMÔNIO – JanMozol [debatedor protestante] MENTINDO escreveu:
    “supera em anos luzes qualquer coisa que Lutero possa ter falado ou pensado quando era padre!!!!”
    ———————————-

    Nada como não ter compromisso com a verdade, hein Mozol ?
    O Mozol se engana e quer enganar os outros, dizendo que o comportamento doentio de Lutero se dá quando ele ainda era Padre
    Neste Tópico o DEMAPRO [debatedorcatólico] provará que essas manifestações doentias são bem posteriores à “conversão” de Lutero, e que, portanto, o reformador já estava livre das lendas e da influência que os biógrafos protestantes atribuem à Igreja Católica.
    “Quanto mais Lutero se afastou da Igreja Católica e mais se afundou em seus erros, mais desesperado e doentio foi seu comportamento” (Grisar: 384)
    Basta lembrar que Lutero irá encontrar o demônio durante toda vida, e de modo mais intenso ainda depois que abandonou a Igreja Católica e supostamente libertou-se da opressão que denunciara.
    Lutero e o demônio
    As doentias discussões com o demônio são um lugar comum na vida de Lutero.

    Em Wartburg (1521), por exemplo, no ócio que ele mesmo disse estar, demônios começam a povoar sua imaginação e mesmo “tornam-se visíveis e audíveis para ele (…)” (Grisar: 200)
    Outras manifestações anormais o acompanhavam, como o diabo que lhe aparece em forma de um cachorro (Grisar: 202)

    E Lutero admirava o poder do príncipe das trevas em termos estarrecedores (em 1530):
    “Eu mal posso esperar o dia (…) no qual veremos o grande poder desse espírito e, como era, sua quase divina majestade.” (sic!) (Grisar: 383)
    Via demônios em Cobourg em 1530, como a serpente de fogo que depois de transforma em estrela cadente; e ainda:
    “Eu vi meu demônio sobrevoando a floresta de Cobourg”;
    Vc sabe fazer contas não sabe Mozol?
    Se não sabe, 1530 é bem depois de 1521,
    A partir de 1521, Quando Lutero abandonou a batina. Lutero deveria possuir a paz e a alegria que atribuía à sua doutrina de justificação pela fé, livre da prisão moral imposta pela Igreja!

    CONTINUEMOS…

    O diabo era companheiro inseparável de Lutero.
    Lutero, Dirá que “Levava o diabo pendurado no pescoço”; e também:
    “Conheço o diabo a fundo, de pensamento e de aspecto, tendo comido em sua companhia mais de uma pipa de sal” (Brentano: 93)
    E ainda, surpreendentemente:
    “O diabo dormiu ao meu lado, em minha cama, mais vezes do que minha mulher.”; (Brentano: 93)
    E o Mozol descaradamente, quer nos empurrar goela abaixo que ele, ainda era Padre, nessa época
    Ao que ajunta Brentano:
    “Satã mostrava-se ao pai da reforma sob os mais diversos aspectos: ora sob a forma de uma grande porca preta, ora sob a de uma tocha acesa; no castelo de Cobourg insinua-se na pele duma feia serpente, para aparecer, em seguida, na forma de estrela radiosa. (…)” (Brentano: 93)

    E vemos Lutero falando aos discípulos sobre as tentações do demônio, e a forma anticristã de afastá-las:
    “Muitas vezes os ataques do demônio vos caem na cabeça, como o raio; não há melhor remédio do que comer bem, passar boa vida, e as maquinações do demônio derretem-se como neve ao sol.” (Brentano: 97)
    E ainda:
    “Cuida de teu estômago, não te vás matar com jejuns; dormirás melhor; quando não durmo, o diabo acorre logo e põe-se a discutir comigo. Fala com voz grave e forte” (Brentano: 97)
    Ora, esse é um comportamento diametralmente oposto ao sola gratia de Lutero: é um comportamento pelagiano, através do qual o homem se julga capaz de disputar com a tentação e de vencê-la com as próprias forças, sem apelar à graça divina através da oração!
    É mais uma das inúmeras contradições do rebelde…
    Nessa linha, Brentano vai além, mostrando como o demônio, além de companheiro, era de fato mestre de Lutero:

    ESSA AQUI É TERRÍVEL, LEIAM BEM !!!

    “Mas às vezes o reformador tinha com o Espírito do Mal longas conversas; dava-lhe ouvidos aos argumentos. Aconteceu deixar-se convencer por eles. Por sua própria confissão, esta e aquela parte de sua doutrina nascem dessas infernais discussões. Nicolau anotou, (…): “Nunca houve ninguém, a não ser Lutero, que se tivesse gabado, numa obra impressa, de ter tido uma longa conferência com o diabo; que se tinha convencido de suas razões, que as missas privadas eram um abuso e que era esse o motivo que o tinha levado a aboli-las”.
    Bossuet volta ao mesmo ponto, em sua História das variações… (liv. IV):
    //////////////////////////////////////////////////////////////////
    “Nesse tempo Lutero publicou esse livro contra a missa privada, onde se encontra a famosa conversa que tivera com o anjo das trevas e onde, forçado pelas razões deste, aboliu, como ímpia, a missa que celebrara durante tantos anos (…) ” (Brentano: 98-99)
    Como dissemos, aqui encontramos a justificativa para Lutero mentir tanto e se contradizer continuamente: ele tinha por mestre o próprio pai da mentira…
    Portanto está provado que a reforma tem por pai o próprio Satã
    E se o diabo era mestre e companheiro inseparável de Lutero, convém notar também que o rebelde foi descrito pelo menos três vezes como dotado de um olhar estranho, faiscante, como o de um homem possuído pelo demônio: em Worms, pelo Cardeal Alexander (Grisar: 183), no retorno a Wittemberg, pelo bispo John Dantiscus (Grisar: 217) e pelo núncio Vergério, que entrevistou Lutero em 1535. (Grisar: 414)
    É fato que Lutero tinha um encantamento estranho; que cativava as pessoas, em que pese suas incoerências e inúmeros vícios. Diz-se que, entre os luteranos, somente Schwenkfeld não foi dominado pela estranha atração de Lutero.
    ////////////////////////////////////////////////////////////////
    “Se eu não posso mais rezar, ao menos poderei maldizer. Não direi mais: “Santificado seja o teu nome…”; mas “Que seja maldito, emporcalhado, danado, o nome dos papistas!”Não direi mais: “Venha a nós o teu reino… Repetirei: “Que o papado seja maldito, danado, aniquilado… Sim, é assim que eu rezo todos os dias, do fundo do coração.” (Brentano: 194)
    Pasmem, leitores!
    Até o Pai-Nosso Lutero inverteu!

  4. Cara Helen
    Como você pode acreditar em qualquer religião, se você não acredita na biblia, a biblia é a igreja, pois se não fosse as escrituras não conheceriamos à Deus, e provavelmente não existiria nenhuma igreja hoje. Mas sabe o que acontece o ser humano só acredita o que convém a ele. Onde está escrito que Maria vive ou quem te falou? Leia João 19. 26-27
    Infelizmente a igreja católica não ensina seus cristões como deveria, pois pegue 10 pessoas e pergunta a eles qual deles nunca fez pedidos ao Santo? Tenho certeza que 9 deles vão falar que sim, pois eles não sabe a diferença entre idolatria ou ter aquelas imagens como exemplo, quantas pessoas vão em Aparecida do Norte fazer pedidos, orar pra aquela imagem e pagar promessas, isso é idolatria, pois eles acreditam que ela pode fazer milagres, não preciso ir longe pra ver isso que citei, pois minha familia são todos católicos, eles mesmo não sabem distinguir essa diferença, eles acreditam os santos são para interceder junto a Deus, mas como sabemos o unico que pode interceder ao pai e o unico mediador entre nós e Deus è JESUS CRISTO( 1 Timoteo 2. 5) .Não tenho preconceito a nenhuma religião, só não concordo de algumas religiões não ensinar a palavra de Deus a seus seguidores, pois muitos estão vivendo de uma forma errada achando que está certa.

    • Lauriane,

      Existem alguns problemas com seu comentário. De modo breve, tentarei responder aos mais críticos deles:

      1- A sra pergunta como posso acreditar em “religião” se não creio na bíblia! Ora, que absurdo é este?

      Nesta frase a sra comete dois erros graves: O primeiro é presumir – claro, erroneamente – que eu não creio na Bíblia. Ora, se assim o fosse, não seria católica, pois não é possível não crer na Bíblia e ser Católica. São duas coisas incompatíveis. Para ser Católico é preciso estar em comunhão com a Igreja – COMUNHÃO, vem do latim e significa Em União – Portanto, se Santa Madre Igreja ensina que a Bíblia é a Revelação Divina, como poderia eu duvidar disso? Portanto, cara Sra, sua suposição está errada. Como Cristã Católica, eu creio na Bíblia – que é a Palavra de Deus – e só assim o creio não é porque a Bíblia se auto declara ser a Palavra de Deus, mas porque a IGREJA declarou que a Bíblia é a Palavra. Sim! Não sabia disso? Pois estude e aprenda.

      Leia A Bíblia e A Igreja – http://igrejamilitante.wordpress.com/a-profissao-da-fe/

      Sim, cara Lauriane, na Bíblia lemos em 1 Tim 3 que TODA ESCRITURA é inspirada. Correto? Sim, é correto. Mas ONDE na Bíblia está escrito uma lista dos Livros Inspirados? Quem determinou o que é Sagrada Escritura e o que não é? Você? Eu? Não, sra. Lauriane, foi a IGREJA!!

      Prezada Sra. a própria Bíblia diz que a Igreja são os seguidores de Cristo (Cf. 1 Cor 12:12-31; Col 1:18; 2:18-20; Eph. 1:22-23; 3:19 e 4:13). A sra por acaso não leu as Cartas de São Paulo? O Corpo místico de Cristo, ou seja, a Igreja, tem o Próprio Cristo é a Cabeça. Como a Sra pode ver a própria Bíblia diz que a Igreja são os membros do Corpo de Cristo e NÃO as Sagradas Escrituras!

      2- Cara Sra Lauriane, a Sr afirma que sem a Bíblia não haveria nenhuma Igreja. Outra lamentável demonstração de falta de conhecimento. Conforme o mandamento de Cristo aos Seus Apóstolos, os primeiros líderes da Igreja – os apóstolos – saíram ao mundo pregando a Boa Nova, edificando o Corpo de Cristo e espalhando a Fé. Por mais de TRÊS séculos fizeram isso sem a existência da Bíblia – exceto pelas inúmeras cartas ou epístolas que circulavam entre as diversas Igrejas do recém surgido mundo cristão.

      Sendo assim, pelos primeiros 300 anos do cristianismo, não havia Bíblia como nós a conhecemos hoje. Os Cristãos tinham o Velho Testamento, a Septuaginta, e centenas de outros livros dentre os quais escolher. A Igreja Católica percebeu cedo que tinha que decidir qual desses livros foram inspirados e quais não eram. Os debates travados entre teólogos, Bispos e Padres da Igreja, aconteceram por vários séculos, no intuito de se determinar quais livros eram inspirados e quais não eram. Nesse meio tempo, vários Sínodos ou Concílios da Igreja foram convocadas para lidar com o assunto, nomeadamente, Roma, em 382, Hipona em 393 e Cartago em 397 e 419.

      Assim, dona Lauriane, podemos convicta e categoricamente afirmar que a Igreja veio primeiro e NÃO a Bíblia! Ademais, é importante lembrar que naquele tempo NÃO existia imprensa escrita. Portanto, o fato de haver uma bíblia compilada não necessariamente significava que cada cristão tivesse acesso a uma de suas cópias. Foi justamente a Igreja que a sra parece desprezar que preservou os manuscritos originais, traduziu-os e perpetuou a sua existência até o surgimento da Imprensa escrita, que aliás aconteceu somente no ano de 1540. Porém, apesar da invenção da Imprensa escrita a disseminação de exemplares privados da Bíblia só veio a ocorrer séculos mais tarde, basicamente por dois fatores: 1- em 1540 o número de cópias produzidos era irrisório, o que ocasionava o alto preço de um exemplar. A primeira bíblia impressa – a chamada Guttemberg – teve apenas 48 exemplares produzidos. 2- O grande índice de analfabetismo e pobreza na Idade média contribuía para a pouca disponibilização das Sagradas Escrituras.

      3- Os Santos.

      Não traterei deste tema devido à sua complexidade e falta de espaço neste comentário. Apenas re-direcionarei a sr aos seguintes textos:

      A. http://igrejamilitante.wordpress.com/2013/03/23/a-verdade-sobre-idolatria-imagens-e-os-santos/
      B- http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/03/03/imagens-sagradas-versus-idolatria-o-que-diz-a-igreja/
      c- http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/01/02/afinal-a-igreja-catolica-condena-a-idolatria/
      D- http://igrejamilitante.wordpress.com/2010/12/15/rezar-com-os-santos-nao-e-idolatria/
      E- http://igrejamilitante.wordpress.com/2013/05/07/como-explicar-maria-medianeira-aos-evangelicos/

      Se a sra for uma pessoa bem intenciona e não adversa ao aprendizado, confio que se dará ao trabalho de ler o que já foi escrito pelo blog a cerca do tema e assim, com a Graça de Deus, talvez abandone suas opiniões destorcidas, errôneas e preconceituosas quem tem do catolicismo.

      Pax Domini

    • MINHA CARA LAURIANE VOU TI MOSTRAR UM POUCO DA DEVOÇÃO AOS SANTOS NA FASE APOSTÓLICA DA IGREJA CATÓLICA.

      VOCÊ LAURIANE AO MENOS SABE O QUE É O CULTO DOS SANTOS NA IGREJA PRIMITIVA?
      VAMOS LÁ:

      1 – Sendo os Santos amigos de Deus pela santidade, e nossos, pela sua perfeita caridade, é justo que lhes tributemos os louvores que, sob esse duplo título, merecem; e que nos recomendemos à sua intercessão junto de Deus. É justo, visto que neles também se realiza, embora em grau bem menor, mas bem verdadeiro, o que disse de Si mesma, mas cheia do Espírito Santo, a mais santa que todos os Santos, Maria Santíssima: “Todas as gerações me proclamarão bem-aventurada, porque fez em mim grandes coisas o Todo-Poderoso.” (Lc 1,48-49)
      2 – Vê-se, por essas palavras inspiradas, que o louvor dos Santos redunda em louvor e glória de Deus, pois os Santos são obras-primas da sua sabedoria, bondade e poder. Quando os louvamos, é a seu Autor que louvamos. De fato, sendo “Deus admirável em tudo o que é Santo” (Salmo), e sendo os Santos, principalmente, obra de sua graça, Deus os ama de modo especial. Aliás, no preceito de “amar e honrar a Deus” está incluído o de amar e honrar o que Ele ama e honra; e segundo a ordem com a qual Ele o faz. E Deus ama, de modo especial, os seus Santos: a Jesus Cristo enquanto Homem, depois a Nossa Senhora, depois aos Anjos e a todos os Santos da glória; e às santas almas do Purgatório; e aos que ainda pelejam neste mundo.
      3 – Eis porque, já nos dois primeiros séculos do Cristianismo, encontramos registrada a prática de um culto prestado aos Santos, especialmente aos heróis da fé, os mártires cristãos. É útil conhecer alguns documentos históricos dessa época, que atestam remontar às origens do Cristianismo a prática do culto aos Santos. Já provamos que ela lança raízes no Antigo Testamento.(Cf. Folhetos Católicos, nº 03)
      A – Documentos de autores dessa época
      4 – Bem no começo do 2º século (ano 107), Santo Inácio Mártir, que foi discípulo direto dos Apóstolos e Bispo de Antioquia, quando era levado cativo a Roma, aonde ia ser devorado pelas feras por causa da fé católica, afirma em uma carta que escreveu aos fiéis de Éfeso: “Sou vossa vítima, e me ofereço em sacrifício por vossa Igreja.” (Carta aos efésios, nº 21) É este um testemunho da fé da Igreja no valor do martírio sofrido por causa da fé.
      5 – Uma carta com data do ano 156, enviada pelos fiéis da comunidade cristã de Esmirna à comunidade da Frígia (Filomélia), dá notícia de reuniões religiosas e cultuais dos cristãos de Esmirna, realizada no túmulo (“relíquias mais preciosas que o ouro e pedras preciosas” – diz a carta) de seu Bispo e Mártir, São Policarpo, por ocasião dos aniversários de seu martírio. (Padres Gregos, 5, 1029-1045) É já a prática da Igreja ao festejar oaniversário do triunfo dos Mártires e dos Santos.
      6 – Também Orígenes, que viveu no século II e começo do III, atesta a fé da Igreja Católica na intercessão dos Santos, nesses termos: “O Pontífice não é o único a se unir aos orantes; os Anjos e as almas dos justos também se unem a eles na oração.” (Em “De Oratione”)
      7 – E em outro livro dá Orígenes o fundamento dessa mediação: “Eles conhecem os que são dignos da amizade de Deus, e auxiliam os que querem honrá-lO.” (Em “Contra Celsum”)
      O mesmo ensinamento encontramos em São Cipriano, Bispo de Cartago, martirizado no ano 256. Em carta ao Papa São Cornélio, afirma: “Se um de nós partir primeiro deste mundo, não cessem as nossas orações pelos irmãos.” (Carta 57)
      B – As Atas dos Mártires
      8 – A mesma verdade é atestada pelas Atas autênticas do suplício dos mártires. Assim, Santa Teodósia, em Tiro, pedia aos mártires, na hora em que iam para o suplício, que se lembrassem dela quando tivessem recebido a recompensa. E Santa Pantomina, em Alexandria, na hora de seu próprio martírio, prometeu ao soldado que a conduzia, que ia pedir por ele quando estivesse junto de Deus. (Em “Eusébio”,1.6, c. 2; apud Lúcio Navarro (Monsenhor), “A legítima interpretação da Bíblia, p. 542)
      9 – Também em Tarragona, o Bispo Mártir São Frutuoso, na hora do suplício, vendo que muitos fiéis faziam fila e lhe pediam a mesma graça de que não se esquecesse deles quando estivesse junto de Deus, falou para todos em voz alta: “Sim, eu devo ter em mente toda a Igreja espalhada pelo mundo, do Oriente ao Ocidente.”(Acta Fructuosi, 1,7)
      10 – Fiquemos com esses exemplos, por brevidade. Mas notemos que, transcorrido o tempo das perseguições sangrentas que banharam a terra com o sangue generoso dos heróis da fé, era normal que continuasse a ser lembrada com carinho e espírito de fé, a memória de sua fé e santidade. E especialmente no dia de seu nascimento para a glória, como era chamado o seu “dies natalis” (o dia natalício para a glória), se lhe prestasse culto especial.
      C – Documentos Arqueológicos
      11 – A fé dos cristãos dos três primeiros séculos nessa verdade está também registrada em muitas inscrições gravadas nos túmulos de santos cristãos e mártires da fé. Eis alguns exemplos:
      – No Cemitério de São Pânfilo: “Mártires santos, bons e benditos, ajudai a Ciríaco”;
      – No Cemitério de Aquiléia: “Santos Mártires, lembrai-vos de Maria”;
      – Na Via Salária lemos também esta inscrição: “Genciano, fiel em paz… Que em tuas orações, rogues por nós porque sabemos que estás em Cristo”;
      – No Cemitério de Gordiano esta outra: “Sebácio, doce alma, pede e roga por teus irmãos e companheiros”;
      – E no de São Calixto: “Vicência, pede em Cristo por Febe e seu esposo”.
      – No Cemitério de Priscila: “Anatólio… teu espírito descanse em Deus. Pede por tua mãe”.
      São alguns registros apenas. Ver outros em Lúcio Navarro-Ibidem, pg. 541-542- Recife, PE.
      12 – Foi certamente com base em documentos com esses acima transcritos, e em muitos outros, que o sábio Leibnitz – protestante, mas que estudou com lealdade esse assunto – deixo-nos o seguinte e importante depoimento: “É certo que já no segundo século da Igreja Cristã, eram celebradas as festas dos mártires, e que em seus túmulos se reuniam assembléias religiosas.” (Em “Syst. Theol.”, p. 70)
      13 – Note-se que a expressão “assembléias religiosas” indica as “reuniões cultuais” dos primeiros cristãos para celebrar os Mistérios Eucarísticos, ou Santa Missa, e que na época das perseguições religiosas, era também celebrada sobre os túmulos dos mártires nas catacumbas. Eis a razão da “pedra d´ara” dos nossos altares, que contém relíquia dos mártires, e sobre a qual se celebra a Santa Missa.
      14 – Conclusão: A devoção ou culto dos Santos, como é praticado na Igreja Católica – e não nas superstições espíritas e folclóricas – teve sua origem na Igreja Primitiva ou Apostólica, que era dirigida, ou pelos Apóstolos diretamente, ou pelos santos Bispos que os Apóstolos mesmos estabeleceram para substituí-los, e não tardiamente, no século IV, como falsamente pretendem os protestantes.
      15 – Eis os motivos de garantia da legitimidade da devoção aos Santos. Eis como a única Igreja de Cristo (Mt 16,18), a que unicamente tem a promessa de sua assistência divina (Mt 28,20), explicitou os textos sagrados que contêm a verdade bíblica da intercessão dos Anjos e Santos.

      Ela orientou assim os fiéis a festejar o dia de seus natalícios para o Céu, a pedir-lhes auxílio junto de Deus, e a se esforçarem por imitar-lhes as virtudes cristãs.

    • LAURIANE AGORA EU VOU TI MOSTRAR AS GRANDEZAS DE MARIA NA BÍBLIA
      ESSA MESMA MARIA ADMIRADA POR TODOS OS PADRES DA IGREJA
      E PERSEGUIDAS PELAS SERPENTES DOS FINAIS DOS TEMPOS!

      1 – OLHA lauriane entenda que a Santa Mãe do Divino Salvador tenha recebido de Deus prerrogativas que Lhe são exclusivas, e é verdade que se deduz de várias passagens da Bíblia.Agora para ti provar, vou examinar os vários textos sagrados, que a Ela se referem.

      VAMOS LÁ:
      Note-se desde já que a Bíblia abre-se e se fecha (Gên. 3,15 – Apoc.12,1) sob o signo da Mulher vitoriosa e bendita, sempre em luta com o dragão.
      2 – Eis alguns textos áureos da Bíblia Sagrada:
      a) “Porei inimizade entre ti e a Mulher, e entre a tua descendência e a dEla. Ela te esmagará a cabeça, e tu tentarás ferir o seu calcanhar”. (Gên. 3,15)

      LAURIANE
      O texto acima é a 1ª profecia da vinda do Salvador feita por Deus logo após a queda de nossos primeiros pais. Nele, ao grupo dos vencidos (Adão e Eva) Deus contrapõe o grupo dos vencedores (Jesus e sua Mãe). – A “descendência da mulher” (no original: sêmen, prole), é, num 1º plano, Jesus Cristo; e, num 2º plano, são todos os remidos que correspondem à graça da Redenção. – O termo “Ela”, como sujeito de “esmagará”, se refere diretamente à “prole”, a Jesus. Mas, será através da natureza humana de Cristo, recebida de Maria, que o poder de Satã será quebrado por Cristo unido à sua Mãe. Logo, também Ela, a “Mulher invicta” desta profecia, com o seu Filho, quebrará a cabeça de Satã. – O termo “inimizade” indica a incompatibilidade absoluta entre Cristo e sua Mãe de um lado, e Satã e os seus aliados, do outro; indica ainda a vitória completa de ambos sobre o Maligno.
      B Dois textos de Isaías:“Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um Filho, o Emanuel (Deus conosco)”. (Is. 7,14) “Nasceu-nos um menino …Ele será Deus forte …”. (Is. 9,5)
      C Outros textos de S. Lucas:“Ave, ó cheia de graça…” (Lc. 1,28);“…darás à luz um Filho, e Lhe porás o nome de Jesus; (…)Ele será Filho do Altíssimo” (Lc. 1,32); e “Filho de Deus” (Lc. 1,35); “Bendita és tu entre as mulheres; ( …) donde me vem a dita de vir a mim a Mãe de meu Senhor?”. (Lc. 1,42-43)
      LAURIANE
      Esses textos sagrados destacam as várias grandezas singulares de Nossa Senhora:
      VEJA:
      3 – A Maternidade Divina: É evidente: – 1º ) no texto “a”, a descendência da Mulher (sêmen, prole) é, no 1º plano, Jesus Cristo. E então a “mulher singular” da profecia é a sua verdadeira Mãe. E como Cristo é Deus, Ela pode e deve chamar-se Mãe de Deus.
      2º) Confirma-se isso com os textos da letra “b” (Is. 7,14), pois “a Virgem” é predita aí como a verdadeira Mãe do Emanuel (Deus conosco), portanto, Mãe de Deus.
      3º) O mesmo afirmam os textos da letra “c” (Lc. 1,31-32;1,42-43), pois aí se declara que Maria Santíssima é a verdadeira Mãe “doFilho do Altíssimo”, “do Filho de Deus” e a “Mãe de meu Senhor”.
      ARGUMENTO DE TAZÃO:
      Podemos e devemos chamar a Virgem Maria “Mãe de Deus” porque o objeto-termo de toda maternidade é a pessoa. Não se diz que a mãe é mãe da natureza do filho, mas da sua pessoa. E a Pessoa, em Cristo, é a 2ª da Santíssima Trindade, o Filho de Deus. Na Virgem Maria se realiza, pois, este mistério: ser Ela, ao mesmo tempo, “Mãe de Deus e de Deus filha”. Ela participa do mistério do seu Filho que é “Deus e Homem ao mesmo tempo”.
      – MATERNIDADE ESPIRITUAL
      – também. De fato, como no 2º plano, aquela “Mulher” é Mãe da “prole” também no sentido de “descendência”, Maria Santíssima é Mãe espiritual dos remidos. O que o próprio Jesus na Cruz confirmou, na pessoa de São João, ao dizer à sua Mãe: “Mulher, eis aí o teu filho”. São João, então, representava a todos os remidos.
      – MEDIANEIRA
      Também. Realmente, como Deus deu às mães, como ofício próprio da maternidade, prover o alimento dos filhos, assim Cristo, ao dar à sua Santa Mãe o ofício da maternidade espiritual, deu-Lhe também todas as graças necessárias para a salvação de seus filhos espirituais. Senão esse título seria meramente nominal. Ela é, pois, Medianeira de todas as graças de Cristo para nós.
      4 – A IMACULADA CONCEIÇÃO–
      Essa prerrogativa é conseqüência da primeira. Destinada a ser Mãe verdadeira e virginal de Cristo-Deus, não podia Ela ter contato com o pecado. Ademais, se a alguém fosse dado poder escolher a própria mãe, não escolheria a mais virtuosa, a mais pura, a mais santa? E Jesus não só pôde escolher a Sua Mãe, mas criá-lA, pois é Deus. Ele A fez, pois,
      imaculada, isenta de toda a culpa original. É a razão de conveniência.Mas, essa verdade está contida no próprio texto da Bíblia (Gên. 3,15), pois aí se prediz para o futuro Salvador e para a sua Mãe,uma inimizade total com Satã, que implica derrota total deste. Isso é incompatível com a condição de quem tivesse estado, por um momento sequer, sob o pecado e, pois, sob o poder do Maligno. É claro que isso pressupõe a concepção imaculada, não só de Cristo-Homem, mas também de sua Santa Mãe.
      5 –O OFÍCIO DE CORREDENTORA –
      Também está contida no texto de Gên. 3,15 a verdade de que aquela Mulher invicta, posta por Deus em total inimizade com o Demônio, ia participar de todos os sofrimentos e lutas do futuro Redentor. De fato, a Virgem Maria participou da Paixão de Jesus no grau máximo, sofrendo em união com Ele as dores mais atrozes, oferecendo-O a Deus Pai como Vítima por nós. Ela sacrificou-Lhe também o direito natural de Mãe sobre o próprio Filho. Todos esses sacrifícios já estavam incluídos na aceitação da maternidade divina. Ela cooperou voluntariamente para nossa Redenção.
      6 –A ASSUNÇÃO CORPÓREAAO CÉU –
      A vitória de Cristo sobre Satã, o pecado e a morte foi realizada na Paixão e Morte na Cruz, mas se tornou completa e patente com a sua Ressurreição e Ascensão ao Céu.
      Ora, o texto do Gênesis associainseparavelmente o Messias e a sua Mãe na mesma luta e na mesma Vitória final e completa. Ora, a vitória de Maria Santíssima não seria completa se o seu corpo imaculado e virginal tivesse ficado sujeito à corrupção do sepulcro. Jesus Cristo não o permitiu, mas A elevou ao Céu em corpo e alma, no fim de sua vida. Assim cumpriu-se plenamente aquela magnífica profecia.
      AGORA RESPONDENDO AS OBJEÇÕES LAURIANE
      8 – Vocês protestantes não cessam de injuriar a Jesus, rebaixando a sua Santa Mãe à condição de uma mulher comum, pela interpretação errônea que dão a alguns textos.
      VEJAMOS NA BÍBLIA LAURIANE COMO ISSO É FALSO:
      No encontro de Jesus no Templo, Ele não argüiu a Sua Mãe de não saber que Ele “devia cuidar dos interesses de seu Pai”. (Lc. 2,49) Não era esse o sentido das suas palavras no contexto. Era antes o seguinte: “Não sabeis que devo estar no que é de meu Pai ?” (sentido literal) Assim, era normal que sua Mãe entendesse a resposta no sentido de “ficar morando no TEMPLO”, a exemplo de Samuel. Por isso, em Lc. 2,50 lemos: “Eles não entenderam o que Jesus lhes dissera”.
      9 – Em Caná, a Mãe de Jesus Lhe informou ter acabado o vinho para os convidados. Jesus respondeu usando a expressão semítica(da língua hebraica): “Mulher, que há entre mim e ti?” E acrescentou: “A minha hora ainda não chegou”. (Jo.2,4) A expressão usada por Jesus tem um sentido próprio daquela língua.
      DE FATO, verificou-se que ela foi usada, pelo menos seis (6) vezes na Bíblia do Antigo Testamento, nas quais se supõe resposta negativa: “não há nada”; uma ou outra vez, indica que “não há nada” porque há oposição; as outras indicam que as partes estão de acordo. (Cf. 2 Reis 3,13; 2 Sam.16,10; 19,22; Jz. 11,12; 1 Reis 17,18; 2 Crôn. 35,21)
      NOTE-SE que essas citações conferem com a tradução literal da frase latina:
      “QUID MIHI ET TIBI ESTQ?” =
      “Que há entre mim e ti?”,Sem as acomodações ao nosso modo de falar, como por ex., “Que nos importa isso a mim e a ti?”, ou “Que queres de mim ?”, como hoje se costuma fazer.
      EM CANÁ é claro o sentido de pleno acordo quanto ao fato da providência solicitada (o milagre), com pequena restrição quanto à sua oportunidade. Daí Jesus dizer:“a minha hora ainda não chegou”. Mas antecipou essa hora, e fez o milagre, atendendo a intenção caritativa de sua Santa Mãe.
      10 – Quanto ao apelativo “Mulher”, dizem os peritos da língua que Jesus falava, o aramaico, que tem um sentido respeitoso equivalente a “Senhora”. E que dizer do acento de respeito desta palavra na boca de Jesus ao dirigir-se à sua Santa Mãe! Sobretudo no contexto de Caná e da Cruz. Jesus, o melhor dos Filhos, deve ter-Se dirigido à sua santa Mãe com acentuado carinho e respeito filiais. Nesse contexto, tal apelativo lembra ainda a “Mulher” da profecia do Gênesis. (3,15) Então, Jesus Se projeta ao lado de sua Mãe como dando cumprimento àquela profecia.
      11 – Por fim, Jesus pregava numa casa cheia de gente. Avisam-Lhe que lá fora estão sua Mãe e os seus (chamados) irmãos. (primos-Ver “F. C. nº 12) Jesus responde: “Minha Mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática”. (Lc. 8,21) É claro que Jesus não está negando à sua Santa Mãe a honra de ser a primeiríssima entre os ouvintes e praticantes da palavra de Deus, antes o supõe, e é seu principal título de glória. O mesmo se diga de Lc.11,27-28.
      AGORA LAURIANE
      Vê-se a má fé ou a ignorância dos adversários das verdades da nossa fé.

      TENHO DÓ E MUITA PENA DE MUITOS PROTESTANTES QUE DETURPAM A VERDADE

      A IGREJA CATÓLICA SEGUE A TRADIÇÃO APOSTÓLICA COMO DAVI MOISÉS SALOMÃO E TODOS OS PROFETAS DO ANTIGO TESTAMENTO SEGUIAM…

    • VEJA AGORA LAURIANE QUE OS PRIMEIROS CRISTÃOS NÃO TINHAM UMA BÍBLIA COMPLETA

      VAMOS LÁ:

      Estudiosos bíblicos nos revelam que o último livro da Bíblia não havia sido escrito até o final do primeiro século, isto é, até meados do ano 100 d.C. [9]. Este fato demonstra um intervalo inexato de cerca de 65 anos entre a ascensão de Cristo aos céus e o término da redação da Bíblia como a conhecemos. A pergunta que deve ser feita é a seguinte: Quem ou o quê serviu como autoridade final e infalível durante este tempo?
      //////////////////////////////////////////

      Entenda Lauriane que se a doutrina protestante da Sola Scriptura fosse verdade, então houveram disputas e discussões dentro das comunidades que não tiveram a oportunidade de ser resolvidas definitivamente, até que os livros do Novo Testamento fossem escritos, mesmo já existindo uma Igreja antes que a Bíblia estivesse completa. O barco ficou sem comandante, por assim dizer, pelo menos por um determinado tempo. Porém isto vai de encontro às afirmações e promessas que Jesus fez à sua Igreja: Eis que estarei convosco todos os dias, até a consumação dos tempos (Mt 28,20), sem mencionar que Ele garantiu a seus discípulos: não vos deixarei órfãos (Jo 14,18)

      ///////////////////////////////////
      Este é um assunto de particular importância, pois as primeiras décadas da existência da Igreja foram repletos de tumultos. As perseguições já haviam começado, cristãos estavam sendo martirizados, a nova fé estava lutando para crescer, e alguns falsos mestres já haviam aparecido (cf. Gl 1,6-9). Se a Bíblia fosse a única regra de fé dos cristãos, sendo que ela ainda não havia tomado forma – muito menos definido seu cânon – durante pelo menos 65 anos depois da ascenção de Jesus, como a Igreja primitiva poderia resolver questões doutrinárias sem uma autoridade que a conduzisse?
      ////////////////////////////////////////////////////////
      Neste momento os protestantes buscam oferecer duas possíveis respostas: 1) Os apóstolos eram temporariamente a última autoridade enquanto o Novo Testamento estava sendo escrito, e 2) que o Espírito Santo foi dado à Igreja e que a sua direta orientação foi o que preencheu o lacuna entre a ascenção e a definição do Novo Testamento.

      ////////////////////////////////
      Sobre a primeira resposta, é verdadeiro que Jesus revestiu aos apóstolos da Sua autoridade; contudo, a Bíblia em local algum indica que esta autoridade dentro da Igreja iria cessar com a morte dos apóstolos. Pelo contrário, a Bíblia é bastante clara quando: 1) em lugar algum diz que uma vez morto o último apóstolo, a Palavra de Deus escrita tornaria-se a autoridade final e; 2) os apóstolos claramente escolheram sucessores que, por sua vez, possuíram a mesma autoridade de ligar e desligar. A substituição de Judas Iscariotes por Matias (cf. At 1,15-26) e a transmissão da autoridade apostólica de Paulo a Timóteo e Tito (cf. 2 Tm 1,6; Tt 1,5) são exemplos de sucessão apostólica.
      ///////////////////////////////////////////////
      Sobre a segunda resposta – que o auxílio direto do Espírito Santo preencheu a lacuna – o problema com este entendimento é que o auxílio direto do próprio Espírito Santo é uma conclusão extra-bíblica. Naturalmente, a Bíblia nos fala da clara presença do Espírito Santo entre os cristãos e sua missão de ensinar aos apóstolos toda a verdade, porém se a direção direta do Espírito Santo foi, de fato, a autoridade final durante estes 65 anos, então a história da Igreja conheceu duas autoridades finais sucessivas: primeiro, o Espírito Santo, sendo que esta autoridade foi substituída pela Escritura, que então tornaria-se sola, ou a única autoridade final. E se esta situação de uma autoridade final extra-bíblica é permissiva pelos protestantes, não o é pelos católicos, que afirma que a autoridade do ensino da Igreja é a autoridade final direta – derivando sua autoridade de Cristo e seu ensino da Escritura e da Tradição, guiada pelo Espírito Santo.

      O Espírito Santo foi dado à Igreja por Jesus Cristo, e é exatamente este mesmo Espírito que protege o chefe visível da Igreja, o Papa, e a autoridade do ensino da Igreja jamais permitindo que ele ou ela caiam em erro. O católico acredita que Cristo de fato enviou seu Espírito Santo à Igreja e que este Espírito esteve sempre presente na Igreja, ensinando toda a verdade (Jo 16,13) e continuamente protegendo sua integridade doutrinal, particularmente pelo ofício do Papa. Com isso o Evangelho pode continuar sendo pregado – com autoridade e infalivelmente – mesmo sem um só versículo do Novo Testamento.

      E MAIS MINHA CARA LAURIANE! FOI A IGREJA QUE PRODUZIU A BÍBLIA, E NÃO O CONTRÁRIO

      A doutrina da Sola Scriptura não dá importância – ou pelo menos grosseiramente desmerece – ao fato de que a Igreja surgiu antes da Bíblia, e não o contrário. Foi a Igreja, com efeito, que escreveu a Bíblia sob a inspiração do Deus todo-poderoso: os israelitas como a Igreja do Antigo Testamento (ou pré-católicos) e os católicos da Igreja do Novo Testamento.

      Nas passagens do Novo Testamento notamos que Nosso Senhor dá certa primazia à autoridade do ensino de Sua Igreja e sua proclamação em Seu nome. Por exemplo, em Mateus 28,20 vemos Jesus ordenando os apóstolos a ir e ensinar em Seu nome, fazendo discípulos em todas as nações. Em Marcos 16,15 vemos que os apóstolos são enviados a pregar a todo o mundo. E em Lucas 10,16 vemos que aquele que escuta os setenta e dois escuta o Senhor. Estes fatos são muito importantes, pois em lugar algum vemos Nosso Senhor ordenando que seus apóstolos evangelizem o mundo escrevendo em Seu nome. A ênfase está sempre na pregação do Evangelho, não na sua impressão e distribuição escrita.
      ////////////////////////////////////////
      Então segue que o comando e a autoridade do ensino da Igreja são elementos indispensáveis como meios pelos quais a mensagem do Evangelho deve alcançar os confins do mundo. Pelo fato de a Igreja ter escrito a Bíblia, é lógico e racional dizer que somente a Igreja detém a autoridade para interpretá-la e aplicá-la. E sendo assim, por causa de sua natureza e origem, a Bíblia não pode servir como única regra de fé para os fiéis cristãos. Em outras palavras, por ter produzido a Escritura, a Igreja não elimina a necessidade de ela mesma servir como mestre e intérprete destas Escrituras.
      /////////////////////////////////////////
      Além do mais, não é errado dizer que somente por colocar a autoridade apostólica no papel, a Igreja de alguma forma faz com que esta mesma autoridade seja superior ao ensino oral? Semelhantemente à organização que Nosso Senhor estabeleceu, Sua palavra é autoridade, mas porque esta palavra está posta em uma forma diferente da outra não significa que uma forma seja superior à outra. Pelo fato de a única Palavra de Deus ser dimórfica em sua organização, negar a autoridade de uma é negar a autoridade da outra. As formas da Palavra de Deus são complementares, não excludentes. Portanto, se há necessidade das Escrituras, também há necessidade da autoridade que a produziu.

      É COMPLETAMENTE ESTRANHA À IGREJA PRIMITIVA

      Lauriane a idéia da autoridade da Escritura existindo separada da autoridade do ensino da Igreja é completamente estranha à Igreja Primitiva

      VOU TI DA SÓ UM EXEMPLO

      Se buscarmos os escritos dos Pais da Igreja Primitiva, encontraremos referências à Sucessão Apostólica [10], aos bispos como guardiões do Depósito da Fé [11], e ao primado e autoridade de Roma [12]. O precioso valor destas referências torna claro o fato de que a igreja primitiva entendeu a si própria como uma hierarquia necessária para proteger a integridade da fé. Em lugar algum encontramos alguma indicação de que os primeiros fiéis cristãos discordavam da autoridade da Igreja e a consideravam inválida como regra de fé. Do contrário, vemos nestes escritos que a Igreja, desde a sua mais longínqua origem, entendeu sua autoridade para ensinar como uma combinação inseparável entre Escritura e Tradição Apostólica – sendo ambas ensinados e interpretados com autoridade pelo Magistério da Igreja, cuja cabeça é o bispo de Roma.
      //////////////////////////////
      Dizer que a Igreja primitiva acreditava na noção de somente a Bíblia, seria o mesmo que dizer que homens e mulheres poderiam alegar que as leis civis não necessitam de um Congresso que as legisle, ou de uma corte que as interprete e de polícia alguma que as execute. Tudo que seria necessário seria o livro de Direito Civil em todas as casas para que cada cidadão possa determinar por si mesmo como entender e aplicar as leis. Tal afirmação, claro, é absurda, pois ninguém esperaria que as leis civis funcionassem bem deste modo. A conseqüência de tal escândalo inadvertidamente levaria à anarquia total.
      ////////////////////////////////////////////

      Quão mais absurdo, então, é pretender que a Bíblia pode funcionar por si mesma sem a Igreja que a organizou? É somente esta Igreja – e não somente qualquer cristão – que possui a autoridade divinamente transmitida para a interpretar corretamente, assim como legislar sobre os problemas decorrentes da conduta de seus membros. Se este não fosse o caso, qualquer nível de situação – local, regional ou global – rapidamente desenvolver-se-ia em anarquia espiritual, onde cada cristão pode formular um sistema teológico e desenvolver uma moral simplesmente baseadas em sua própria interpretação da Bíblia.
      //////////////////////////////////////////////////
      E desde a tão chamada Reforma não é isto que estamos vendo? De fato, um exame do escândalo na Europa que imediatamente seguiu a gênese da reforma – particularmente na Alemanha – irá demonstrar que o resultado das doutrinas da reforma são uma desordem tanto espiritual quanto social [13]. Mesmo Lutero se mostrou desapontado pelo fato de que infelizmente, é de nossa costumeira observação que agora sob o Evangelho o povo está mais amargo, invejoso e avarento que antes sob o papado [14].

      PODE TER CERTEZA DISSO LAURIANE QUE TODAS AS HERESIARCAS BASEIAM-SE NA INTERPRETAÇÃO SEM O MAGISTÉRIO E PROTESTANTISMO TRISTEMENTE É O MAIOR EXEMPLO DISSO IGREJAS DA MACONHA, IGREJA DE HOMOSSEXUAIS, ETC…

      Saiba também que os heresiarcas e os movimentos heréticos baseiam suas doutrinas na interpretação da Bíblia separada do Magistério e da Tradição.

      Ao longo da história da Igreja primitiva, vemos que ela lutou continuamente contra as heresias e contra quem as promovia. Vários foram os concílios que responderam aos desafios dos detratores [15] e recorreram à Roma para dar um fim às disputas doutrinárias e disciplinares. Por exemplo, o Papa Clemente interveio em uma discussão na comunidade de Corinto no fim do primeiro século e acabou com um cisma por lá. No segundo século, o Papa Vitor excomungou uma grande parte da Igreja no Oriente por motivos de divisões sobre quando a páscoa deveria ser celebrada. No início do século três, o Papa Calixto condenou a heresia sabeliana.
      /////////////////////////////
      Nestes casos, quando estas heresias ou conflitos disciplinares ocorrem, as pessoas envolvidas defendem seus erros através de sua própria interpretação das Escrituras, excluindo a participação da Tradição e do Magistério da Igreja. Um bom exemplo disto é o caso de Ário, sacerdote do quarto século que declarou que o Filho de Deus era uma criatura e não co-substancial ao Pai.

      Ário e todos os seus seguidores citavam versículos da Bíblia para provar seus argumentos [15]. Os debates que chegaram por causa desta doutrina tornaram-se tão volumosos que foi convocado o primeiro Concílio Ecumênico, em Nicéia, em 325 d.C. O Concílio, sob a autoridade do Papa, declarou serem as doutrinas arianas heréticas e elaborou declarações definitivas quanto à pessoa de Jesus, e fez isso baseada no que a Sagrada Tradição tinha a dizer sobre os versículos bíblicos em questão.
      /////////////////////////////////
      Aqui vemos a autoridade da Igreja sendo utilizada como última e extremamente importante palavra em matéria doutrinária. Caso não existisse autoridade alguma a quem apelar, a heresia de Ário poderia ter se apossado da Igreja. A maioria dos bispos daquela época foi seduzida pela heresia ariana [17]. Apesar de Ário ter fundamentado sua doutrina nas Escrituras – e provavelmente comparou a Escritura pela Escritura – o fato é que chegou a uma conclusão herética. Foi somente a autoridade do ensino da Igreja – hierarquicamente constituída – que o freou e declarou que estava errado.

      A implicação é óbvia. Se você perguntar a algum protestante se Ário estava ou não correto em sua doutrina de que o Filho fora criado, ele irá, claro, responder que não. Enfatize, então, que mesmo que ele tenha utilizado as Escrituras pelas Escrituras, mesmo assim ele chegou a uma conclusão errada. Se isto foi verdadeiro para Ário, o que garante ao protestante que este não é o caso acerca de sua interpretação de uma dada passagem bíblica? O fato de os protestantes reconhecerem que a interpretação de Ário estava errada implica dizer que de fato houve uma base bíblica para seus argumentos. Este fato, portanto, transforma-se em um questionamento acerca do que seja uma verdadeira interpretação bíblica. A única explicação possível é que deve haver, por necessidade, uma autoridade infalível que no-la diga. Esta autoridade infalível, a Igreja Católica, declarou Ário um herege. Se a Igreja Católica jamais foi infalível ou possuiu alguma autoridade em suas declarações, então os cristãos não teriam razão alguma em rejeitar Ário e aceitar a autoridade da Igreja, e a maioria do cristianismo atual seria baseado nos ensinamentos de Ário.

      É evidente, portanto, que usar somente a Bíblia não é garantia de se chegar a uma doutrina verdadeira. O resultado acima descrito é o que acontece quando a falsa doutrina da Sola Scriptura é utilizada como princípio guia, e a história da Igreja e das inúmeras heresias que teve de combater são testemunhas inegáveis deste fato.

      E MAIS LAURIANE EU TI PROVO QUE O CÂNON DA BÍBLIA NÃO ESTAVA FORMADO ATÉ O SÉCULO 4

      Um dos fatos históricos que é um extremo inconveniente aos protestantes é o fato de que o cânon da Bíblia – a lista sagrada dos livros que fazem parte das Escrituras inspiradas – não fora definido até o final do século 4. Até esta data, havia larga discórdia sobre quais seriam os livros considerados inspirados e de origem apostólica. O cânon bíblico antigo variava de local a local: algumas listas continham livros que mais tarde foram reconhecidos como apócrifos, enquanto outras listas não traziam livros que hoje constam entre os livros canônicos. Por exemplo, existiam livros cristãos que eram considerados por alguns inspirados e apostólicos e que eram lidos nos cultos públicos, mas que foram mais tarde omitidos do Novo Testamento, entre eles, O Pastor de Hermas, Epístola de Barnabé, Didaché [18].

      ////////////////////////
      Somente nos Concílio de Roma (382), Hipona (393) e Cartago (397) podemos encontrar uma lista definitiva dos livros canônicos sendo descrita, e cada um destes concílios reconheceu a mesma lista do anterior [19]. A partir de então, não houveram mais disputas sobre o cânon bíblico, a única exceção ficando a cargo dos reformadores protestantes, que entraram em cena em 1517, inacreditáveis 11 séculos depois.
      ///////////////////////////
      Mais uma vez, mais duas questões fundamentais porque alguém não deve buscar respostas que sejam consoantes com a Sola Scriptura: a) Quem ou o quê serviu como autoridade cristão final durante o tempo em que o Novo Testamento não tomou forma? b) E se havia alguma autoridade final que os protestantes reconhecem antes da definição do cânon, com que bases esta autoridade desapareceu uma vez que o cânon bíblico tenha sido fechado?

      POR ISSO LAURIANE O CÂNON FOI DEFINIDO POR UMA AUTORIDADE “EXTRA-BÍBLICA”

      SE VOCÊ CONTESTA OU UM PROTESTANTE TENTE ME REFUTAR
      OU ME DEMONSTRAR O CONTRÁRIO?

      Olha devido a Bíblia não vir com um índice inspirado, a doutrina da Sola Scriptura criou um outro dilema: como alguém pode saber quais são os livros que pertencem à Bíblia – principalmente, ao Novo Testamento? Um fato inquestionável é que ninguém pode saber disso, a menos que alguma coisa fora da Bíblia mostre a resposta. E sem dúvida, este detalhe a mais deve ser, por necessidade, infalível, pois a possibilidade haver erro na definição dos livros inspirados [20] significa que todos os cristãos estariam correndo o risco de estar lendo livros não-inspirados, uma situação que tornaria a Sola Scriptura defeituosa. Porém, se houve tal autoridade “extra-bíblica”, a doutrina da Sola Scriptura desaba da mesma forma.

      Outro fato histórico que dificulta ainda mais a aceitação desta doutrina é que não houve qualquer outra instituição que tenha identificado e ratificado o cânon da Bíblia. Os três Concílios mencionados anteriormente, todos, eram concílios católicos. A Igreja Católica deu a sua definição final do cânon da Bíblia no Concílio de Trento em 1546 – nomeando os mesmos 73 livros que já haviam sido incluídos desde o século 4. Se a Igreja Católica é capaz, então, de conceder uma definição autoritária e infalível de tão importante assunto sobre quais livros deve conter a Bíblia, logo com que bases alguém pode questionar sua autoridade em outros assuntos acerca de fé e moral?

      Os protestantes, no mínimo, devem, assim como o seu fundador, Martinho Lutero, reconhecer que a Igreja Católica protegeu e organizou a Bíblia: Somos obrigados a reconhecer muitas coisas aos católicos – (como por exemplo), que eles possuem a Palavra de Deus, que nós recebemos deles; de outro modo, não saberíamos nada sobre ela [21].

      E OUTRA LAURIANE CRER QUE A BÍBLIA É “AUTO-AUTENTICÁVEL” NÃO TEM BASES VAI POR MIM!

      Procurando uma resposta satisfatória ao problema de como fora determinado o cânon bíblico, os protestantes costumeiramente apelam para o fato de que a Bíblia é auto-autenticável, ou seja, os próprios livros da Bíblia testemunham que eles são inspirados. O grande problema com esta afirmação é que uma boa excursão pela história da Igreja demonstra que esta teoria é falha.

      Por exemplo, vários livros do Novo Testamento – Tiago, Judas, 2 Pedro, 3 João e Apocalipse – receberam questionamentos acerca de seu status canônico por algum tempo. Em alguns lugares eram aceitos, enquanto simultaneamente em outros eram rejeitados. Mesmo grandes pensadores, como Santo Atanásio (297-373), São Jerônimo (342-420) e Santo Agostinho (354-430) apresentaram listas de livros do Novo Testamento que refletiam o que era reconhecido como inspirado em seus tempos e lugares, porém nenhuma destas listas correspondia ao Novo Testamento que fora identificado pela Igreja Católica no fim do século 4 e que até hoje corresponde à Bíblia que os católicos possuem [22].

      Se a Bíblia é auto-autenticável, porque, então, havia tamanha discórdia e incerteza sobre tantos livros? Porque a disputa? Porque o cânon não foi identificado logo do início, já que os livros são prontamente discerníveis? A única resposta a estes questionamentos é que o cristão deve aceitar que a Bíblia não seja auto-autenticável.
      //////////////////////////////////////
      Mais interessante também é o fato de que alguns livros da Bíblia não identificam seu próprio autor. A idéia de auto-autenticação – se fosse verdade – seria mais plausível se cada um dos autores bíblicos identificassem a si mesmos, pois examinaríamos mais facilmente suas credenciais, ou, no mínimo, quem era que alegava falar em nome de Deus. Mas quanto a isso a Bíblia nos deixa ignorantes, com poucos exemplos.

      Tome o Evangelho de Mateus como exemplo: não há indicação de que fora Mateus, o cobrador de impostos, quem o escreveu. Há duas possibilidades, então, para conhecermos o autor deste livros: 1) através da Tradição; 2) por estudiosos bíblicos. Em ambos os casos, a fonte da conclusão é “extra-bíblica”, e, portanto, condena a doutrina da Sola Scriptura à completa incompetência e fracasso.

      Mas os protestantes respondem a este argumento dizendo que não é necessário conhecer se Mateus escreveu ou não este Evangelho, pois a salvação não depende de conhecer se foi ele ou outro quem o escreveu. Porém, tal ponto de vista guarda uma dificuldade. O que os protestantes estão dizendo é que, enquanto um Evangelho autêntico é a Palavra de Deus e é o meio pelo qual o cristão adquire um conhecimento salvífico de Jesus Cristo, o mesmo cristão não tem como saber com certeza, no caso do Evangelho de Mateus, se este é de origem apostólica e, conseqüentemente, não possui meios para saber se este Evangelho é autêntico (ou seja, a Palavra de Deus) ou não. E se a autenticidade deste Evangelho é questionável, então porque está incluído na Bíblia? Se sua autenticidade é certa, como se pôde saber com a ausência do autógrafo de Mateus? A única saída coerente é admitir que a Bíblia não é auto-autenticável.

      O protestante então recorrerá à asserção bíblica de auto-inspiração, citando a passagem de 2 Tm 3,16 – Toda Escritura é inspirada por Deus, e útil… – Contudo, a alegação de inspiração não é por si só garantia de inspiração. Considere o fato de que os escritos de Mary Baker Eddy, a fundadora da seita Ciência Cristã, aleguem ser inspirados. Os escritos de Joseph Smith, o fundador da seita Mórmon, afirmem ser inspirados. São apenas dois exemplos, entre muitos, que demonstram que qualquer escrito particular pode reclamar a autoridade sobre qualquer coisa. Obviamente, para reconhecermos se um escrito é inspirado de verdade ou não necessitamos mais do que tal afirmação escrita no papel. A garantia de inspiração de algum escrito deve vir de fora deste escrito, senão será um eterno argumento circular. No caso da Bíblia, a garantia deve vir de uma fonte fora da Bíblia. Porém a autenticação extra-bíblica é uma possibilidade excluída pela Sola Scriptura.

      E OUTRA COISA QUE VOCÊ NÃO SABE LAURIANE SAIBA QUE NENHUM DOS ESCRITOS BÍBLICOS ORIGINAIS EXISTE MAIS

      Uma importante consideração – talvez uma das mais fatais à doutrina da Sola Scriptura – é a de que não possuímos ao menos um manuscrito original de nenhum livro da Bíblia. Claro que existem milhares de manuscritos que são cópias dos originais – e mais provável é que sejam cópias das cópias-, e este fato em nada auxilia a Sola Scriptura pela simples razão de que sem os originais, ninguém pode garantir que possuímos atualmente a Bíblia real, completa e sem corrupções [23]. Os autógrafos originais são inspirados, as cópias não…

      Os protestantes argumentam que não há problema em não ter os escritos originais, pois Deus protegeu a Bíblia protegendo sua duplicação ao longo dos séculos [24]. Entretanto, existem dois problemas com esta linha de pensamento. Primeiro, que afirmar que a providência de Deus manteve a integridade das cópias é afirmar algo que não encontra nem de longe suporte nas Escrituras, logo não pode ser tomada como regra de fé, pela própria definição de Sola Scriptura. Em outras palavras, não se encontra versículo algum que demonstre que Deus protegeria a transmissão dos manuscritos, logo esta conclusão está excluída. A Bíblia nada diz a respeito.

      Segundo, se você afirmar que Deus protegeu a transmissão da Sua Palavra escrita, então podemos concluir que também protegeu a transmissão de Sua Palavra oralmente (releia 2 Ts 2,15 e a dimórfica estrutura da Palavra de Deus). Até porque a pregação do Evangelho começou pela Tradição Oral(cf. Lc 1,1-4 e Rm 10,17). Somente muito tempo depois uma parte da Tradição oral fora posta na forma Escrita – tornando-se a Sagrada Escritura – e somente muito tempo após este mesmo evento os escritos foram reconhecidos e definidos com canônicos. Uma vez que você possa reconhecer que Deus protegeu a transmissão oral de Sua mensagem, você automaticamente admite as bases da Sagrada Tradição e já começou a compreender a posição católica.

      E MAIS LAURIANE CREIO QUE VOCÊ NÃO SABVE QUE OS MANUSCRITOS BÍBLICOS POSSUEM MILHARES DE VARIAÇÕES

      Percebeu-se que, existindo milhares de manuscritos da Bíblia, estes manuscritos continham milhares de variações textuais; um autor estima que devam existir mais de 200.000 variações [25]. Apesar de muitas destas variações referirem-se a temas menores – tais como escrita, ordem das palavras e etc. – também existem variações das mais importantes naturezas: a) os manuscritos demonstram que algumas vezes os escribas modificavam o texto para harmonizar passagens, acomodá-las a fatos históricos, e para estabelecer uma correta conduta doutrinária [26]; b) existem partes de versículos (isto é, mais que simples palavras) que possuem leitura diferente em diferentes manuscritos, como Jo 7,39, At 6,8, Cl 2,2 e 1 Ts 3,2 [27]. Estes fatos levam o protestante a não saber se a Bíblia que possui é a mesma Bíblia que foi escrita pelo autor inspirado. E se este é o caso, então como o protestante pode professar a base de sua crença somente na Bíblia quando ele não consegue determinar com certeza a autenticidade textual desta mesma Bíblia? [28].

      Mais importante, existem muito mais variações entre os manuscritos do Novo Testamento. Os dois exemplos seguintes ilustrarão este ponto:

      ///////////////////////////////////////////////////
      Primeiro, de acordo com os manuscritos que possuímos, existem quatro possíveis finais para o Evangelho de Marcos: o menor, que inclui os vv.1-8 do capítulo 16, o longo, que inclui os vv.1-8 mais os vv.9-20; o intermediário, que inclui duas ou três linhas entre o v.8 e o final longo, e o final longo expandido, que inclui vários versículos após o v.14 do final longo [29]. O melhor que podemos concluir sobre estas diferenças é que não podemos saber, apenas pela Bíblia, onde termina o Evangelho de Marcos, e, dependendo de qual final está (ou estão) incluído(s) na Bíblia protestante, o publicador corre o risco de estar distribuindo Bíblias acrescentando ou omitindo versículos do texto original – portanto violando a doutrina da Sola Scriptura, que requer que somente a Bíblia, e a Bíblia inteira seja a única regra de fé. Mesmo se uma Bíblia protestante incluir todos os quatro finais com notas de rodapé e comentários, mesmo assim não terão a certeza de qual final é o genuíno.
      /////////////////////////////////////////////////
      Segundo, há algumas evidências para leituras alternadas de alguns textos centrais da Bíblia, tal como Jo 1,18, onde ocorrem dois possíveis significados [30]. Algumas Bíblias (como a King James Version) trazem este versículo como está na Douay-Rheims: Nenhum homem viu a Deus em qualquer tempo, o filho único que está no seio do Pai o revelou. Outras acompanham a New Internacional Version: Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está à direita do Pai, foi quem o revelou. Ambas as formas estão sustentadas por manuscritos, e você encontrará exegetas bíblicos debruçarem seus mais preciosos julgamentos à que crêem seja a “correta”. Uma situação similar ocorre em At 20,28, onde os manuscritos mostram que Paulo poderia estar se referindo tanto à Igreja do Senhor (gr. Kurion) ou à Igreja de Deus (gr. Theou) [31].

      Este assunto pode parecer simplório à primeira vista, mas suponha que você esteja tentando evangelizar um membro de uma seita que nega a divindade de Jesus Cristo. Ainda que Jo 1,18 e At 20,28 não sejam as únicas passagens que possam defender a divindade de Nosso Senhor, você ficará incapacitado de utilizá-los com esta pessoa, dependendo de qual manuscrito sua Bíblia foi reproduzida. Isto levaria-o a uma possibilidade reduzida de defender uma doutrina bíblica fundamental, e este fato tornaria problemática a perspectiva da doutrina da Sola Scriptura.

      E OUTRAS COISAS QUE TAMBÉM CREIO QUE VOCÊ NÃO CONHECE E MUITO MENOS SABE LAURIANE QUE EXISTEM CENTENAS DE VERSÕES BÍBLICAS

      Como mencionado no tópico anterior, existem milhares e milhares de variações nos manuscritos bíblicos. Acrescentado a isto o fato de histórico de que existiram centenas de versões bíblicas, variando cada uma tanto em tradução quanto em fontes textuais. A questão é: qual é a versão correta? ouqual é a versão mais fidedigna ao original? A possível resposta dependerá de qual lado você estiver, ou de católicos ou de protestantes. Outra saída dependerá de qual especialista bíblico você depositará sua confiança e credibilidade.
      ///////////////////////////////////////
      É fato que algumas versões são inferiores a outras. Os avanços nos campos arqueológicos possibilitaram descobertas (como os manuscritos do Mar Morto) que alteraram nosso conhecimento sobre locais e linguagens bíblicas antigas. Sabemos mais hoje pelos avanços dos estudos bíblicos que nossos antepassados de 100, 200, 1000 anos atrás. Deste ponto de vista, versões bíblicas contemporâneas provavelmente possuem certa superioridade em relação às suas versões mais antigas. Por outro lado, Bíblias transcritas a partir da Vulgata latina de São Jerônimo (quarto século) – em língua inglesa, a Douay-Rheims – são baseadas em textos originais que não existem mais, portanto estas versões passaram por dezesseis séculos de possíveis corrupções.
      ////////////////////////////////////////////////////
      Isto causa um problema considerável aos protestantes, pois significa que os protestantes modernos possuem, por assim dizer, uma versão bíblica melhor ou mais acurada que a Bíblia de seus antecessores, que, portanto, possuíram Bíblias de menor qualidade – que por sua vez leva a concluir que os protestantes modernos possuem uma bíblia “mais completa” como autoridade final que a bíblia “menos completa” que dos antigos protestantes. Só que esta discrepância entre autoridades começa a diminuir a doutrina da Sola Scriptura, pois esta significa que uma bíblia não é mais ou menos autoritária que outra, e se uma não é autêntica e completa, a probabilidade de produzir doutrinas erradas é imensa, logo a função particular da bíblia como autoridade final falha, pois não pode mais ser uma autoridade final.
      ////////////////////////////////////////////////////////////////////
      Outro ponto a considerar é que traduções bíblicas, como produtos humanos, não são completamente objetivas e imparciais. Um pode se sentir mais à vontade de incluir notas a uma passagem de uma maneira que corresponda melhor à doutrina que deseja transmitir. Um exemplo disto é a ocorrência da palavra grega paradoseis nas bíblias protestantes. Como negam a existência da Sagrada Tradição, algumas traduções trazem esta palavra como ensinamentos ou costumes e não tradições, sendo que esta última é a que mais se encaixa na tradução correta e à posição católica.
      //////////////////////////////////////////////////////
      Ainda outra consideração é que algumas versões são corrupções bíblicas notáveis, como é o caso da Bíblia dos Testemunhas de Jeová, a New World Translation. Nela os “tradutores” manusearam passagens bíblicas para propagar doutrinas erradas [32]. Agora, a menos que haja uma autoridade fora da Bíblia para declarar tais traduções como falsas e perigosas, com qual autoridade e revelação divina os protestantes podem considerar esta ou aquela tradução como falsa? Com qual autoridade os protestantes podem impedir os Testemunhas de usar esta tradução para difundir suas doutrinas? Os protestantes responderiam que este caso pode ser encontrado na Bíblia, através dos estudos de pesquisadores bíblicos. Contudo isto ignora o fato dos Testemunhas também basearem sua tradução em estudos “especialistas”. Forma-se um jogo de vai-e-volta, colocando as conclusões de um especialista contra outro, uma autoridade humana contra outra.
      ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
      Este problema somente pode ser resolvido pela intervenção de um magistério infalível e com autoridade de falar por Cristo. O católica sabe que esta autoridade é a Igreja Católica e a autoridade de seu magistério. No exercício desta autoridade, os bispos católicos conferem o imprimatur (“Imprima-se”) que deve constar nas primeiras páginas de certas versões bíblicas e outros tipos de literatura religiosa para alertar os leitores que aquele livro não contém nada contrário ao ensinamento de Cristo ou dos apóstolos [33].

      E OUTRA COISA BEM SIMPLES QUE ENTENDER SAIBA QUE A BÍBLIA NÃO ESTAVA DISPONÍVEL A TODOS ATÉ O SÉCULO 15

      Essencial à doutrina da Sola Scriptura é a idéia de que o Espírito Santo guia cada crente na interpretação infalível de qualquer passagem bíblica. Esta idéia, no mínimo, requer que todos possuam Bíblias ou acesso a ela. A dificuldade de tal pensamento está no fato de que a Bíblia não era um produto de massas disponível para todo mundo até o advento da imprensa no século 15 [34]. Mesmo depois disso, custava certo tempo até que um número ideal de Bíblias fosse impressa para suprir a população.
      ///////////////////////////////////
      A difícil situação que esta idéia coloca é que milhões e milhões de cristãos ficaram sem uma autoridade final até o século 15, na total confusão espiritual, a menos que eles pudessem possuir uma Bíblia manuscrita. Qualquer um consideraria Deus um tanto cruel por causa disto, pois teria revelado sua mensagem de salvação para a humanidade por Cristo, mesmo sabendo que esta mensagem não estaria disponível a esta mesma humanidade por quinze séculos.
      /////////////////////////////////////////////
      Porém sabemos que Deus não é cruel, mas tem um amor infinito por nós. Por esta razão não nos deixaria na escuridão. Nos enviou Seu único Filho para nos mostrar o Reino de Deus, como deveríamos agir e crer, e este Filho estabeleceu uma Igreja para promover esses ensinos através da pregação aos letrados e iletrados: assim a fé vem da pregação, e a pregação é o anuncio da Palavra de Cristo (Rm 10,17). Cristo também deu à Sua Igreja a garantia de que Ele sempre estaria com ela, nunca permitindo que ensine o erro. Deus, por essa razão, não abandonou Seu povo e fez com que antes da invenção da imprensa estes chegassem ao conhecimento de Seu Filho. De fato, deu-nos um mestre infalível, obra divina, a Igreja Católica, para nos dar toda a informação necessária sobre a Boa Nova – e da forma certa.

      E OUTRA COISA LAURIANE A SOLA SCRIPTURA NÃO EXISTIA ANTES DO SÉCULO 14

      É uma realidade dura, mas deve ser encarada pelos protestantes, o fato de que esta doutrina não surgiu antes do século 14 e não se difundiu antes do século 16 – um tempo longo, muito longo, desde a era dos apóstolos e da fundação da Igreja de Cristo. Este fato, claro, é simplesmente ignorado pelos protestantes, mas sozinho é razão para refutar a Sola Scriptura. Esta doutrina não existia antes de John Huss (precursor do protestantismo) no século 14 e somente ganhou difusão quando Martinho Lutero, no século 16, veio trazer suas “tradições de homens” para por no lugar da autêntica doutrina cristã. Esta doutrina, portanto, não somente surgiu do nada, mas também representa uma mudança abrupta e radical no ensino dos apóstolos.
      ////////////////////////////////////////////
      Claro, os protestantes afirmam que a própria Bíblia ensina a Sola Scriptura e por isso esta doutrina é tão antiga quanto a Igreja. Contudo, como mostramos nos primeiros tópicos, a Bíblia não ensina esta doutrina em lugar algum. A insistência nesta afirmação é uma tentativa de forçar um contexto bíblico que mais se adeque ao que se pretende. Um exame acurado da história revela se uma crença foi ou não originada por Jesus e pelos apóstolos ou se apareceu em algum outro lugar no tempo. O fato é que, apesar dos esforços protestantes, os registros históricos são silenciosos quanto à doutrina da Sola Scriptura antes do 14º século.

      POR QUE PRODUZ MAUS FRUTOS, COMO DIVISÕES E DISPUTAS

      Se esta doutrina Lauriane fosse correta e santa, então todos os protestantes deveriam concordar em todos os pontos doutrinários, pois a Bíblia não pode ensinar doutrinas contraditórias simultaneamente. Mas a realidade é que existem milhares [35] de seitas protestantes, cada uma proclamando ser a Bíblia sua única regra de fé, cada uma garantindo que está pregando a verdade do Evangelho, embora muitas preguem assuntos totalmente diferentes umas das outras. Os protestantes, mestres da fuga, dizem que tais doutrinas discordantes não são essenciais, são secundárias, porém é realidade também que em assuntos, então, centrais, mesmo estes, os protestantes discordam. A salvação do homem, os sacramentos e a justificação são somente alguns exemplos.
      ////////////////////////////////////////
      Exemplificando: algumas seitas pregam que Jesus está simbolicamente presente na Eucaristia. Outros, como os luteranos, crêem o contrário, que Jesus está realmente presente na Eucaristia. Algumas denominações pregam que uma vez salvo, o crente não poderá jamais perder a sua salvação, não importa se faça o bem ou o mal. Outros pregam que o pecado pode causar a condenação do homem, mesmo após justificado. Algumas seitas afirmam que o ser justificado é apenas declarado justo, enquanto outras afirmam que o ser justificado é tornado justo.
      ///////////////////////////////////////
      Jesus jamais quis que seus discípulos estivessem divididos, desunidos, mergulhados num caos doutrinário como está o protestantismo desde a sua origem [36]. Jesus, pelo contrário, pediu a união de seus seguidores: para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que também eles estejam em nós (Jo 17,21). E São Paulo exorta aos cristãos a unidade doutrinária com estas palavras: um só corpo e um só Espírito…um só Senhor, uma só fé, um só batismo (Ef 4,4-5). Como, então, as milhares de seitas protestantes podem ser denominadas de “Igrejas verdadeiras” quando as suas simples existências já refutam tal presunção? Como doutrinas tão heterodoxas e contraditórias podem servir de instrumento divino de união, desejada por Jesus? Sobre isto, o leitor deve lembrar das palavras de Jesus: pela árvore se conhece os frutos (Mt 12,33). Por este versículo, vemos que a árvore da história do protestantismo e da Sola Scriptura está recheada de maus frutos.

      NÃO PERMITE A INTERPRETAÇÃO DEFINITIVA DA BÍBLIA

      A doutrina da Sola Scriptura não permite a interpretação definitiva de nenhuma passagem bíblica

      Como temos visto, a Sola Scriptura supõe que basta uma Bíblia como regra de fé para se obter a verdadeira interpretação de qualquer passagem bíblica simplesmente comparando este verso com o restante da Bíblia. Na prática, contudo, o remendo saiu pior que a fratura, pois acaba por impedir que o crente possa chegar a uma certa e definitiva interpretação de qualquer passagem bíblica.
      ////////////////////////////////////////////////
      O protestante, na verdade, interpreta a Bíblia mais a partir de uma opinião subjetiva que de uma verdade objetiva. Por exemplo, digamos que o protestante A estudou a determinada passagem bíblica e chegou à conclusão X. O protestante B estudou a mesma passagem, mas concluiu Y. Então, o protestante C estudou a mesma passagem dos outros dois, mas chegou a uma interpretação Z [37]. As interpretações X, Y e Z são contraditórias, entretanto cada um acha que chegou à verdadeira interpretação bíblica porque cada um estudou e comparou a Bíblia pela Bíblia.
      /////////////////////////////////////////////////////////////////
      Lauriane só existem, agora, somente duas saídas para estes três protestantes: 1) todos estão errados; 2) somente um está correto. Três interpretações contraditórias jamais podem estar simultaneamente corretas [38]. O problema aqui é que, sem haver uma autoridade infalível que diga qual das três interpretações é a verdadeira (objetivamente verdadeira), não há meios para se saber qual das três é a correta seguramente. Cada protestante está, portanto, em meio a uma interpretação pessoal baseada meramente em opinião pessoal. Estudos e mais estudos são vãos. Cada protestante torna-se, com isso, sua própria autoridade final, ou seja, seu próprio Papa.
      ////////////////////////////////////////////////////////////////
      Na prática o próprio protestantismo nos mostra que este raciocínio é verdadeiro. Pelo fato de somente a Bíblia não ser suficiente como regra de fé (se fosse, todos os protestantes concordariam em interpretação), cada denominação têm que se render e aderir fixamente às suas próprias interpretações bíblicas. Logo, se existem várias possíveis interpretações da Bíblia, nenhuma é de fato definitiva. E se não há interpretação definitiva da Bíblia o protestante não têm como saber se sua interpretação é verdadeira ou falsa.

      Uma boa comparação seria com a lei moral. Se cada um pudesse determinar por sua própria opinião o que é certo e errado, não restaria nada mais que um relativismo moral, e cada uma fixaria seus próprio padrões morais. Entretanto, Deus definiu leis morais absolutas para nós (em adição às que conhecemos pelas leis naturais), e por isso podemos analisar cada ato e reconhecer se é moralmente bom ou mal. O mundo seria impraticável sem moral absoluta.
      //////////////////////////////////////////////////////////////////////
      Cada denominação protestante afirma, lógico, que possui a verdadeira interpretação bíblica. Todas fazem isso. Se não fizessem, perderiam membros. Entretanto, se afirmam que possuem a verdadeira interpretação bíblica, em detrimento às demais, então está se auto-proclamando autoridade final. O problema aqui, se os leitores ainda não notaram, é que este detalhe viola o princípio da Sola Scriptura, que rejeita qualquer autoridade final que não seja a própria Bíblia. Cheque-mate.
      /////////////////////////////////////////////////////////
      Por outro lado, se uma denominação reconhece que sua interpretação bíblica não é mais correta que a de outra, então voltamos ao eterno dilema: qual interpretação está correta? existe alguma, então, que está correta? e se todas são falsas?. Nosso Senhor disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida (Jo 14,6). O problema aqui é que cada denominação, na prática, afirma possuir a única interpretação correta. Conclusão, milhares de interpretações corretas diferentes, que resultam em uma total impossibilidade de se conhecer a real e definitiva interpretação a uma passagem bíblica qualquer. Em outras palavras, nenhum seita protestante pode dizer a autoridade está aqui em relação a uma interpretação bíblica.

      E OUTRA COISA LAURIANE? FALTAM SETE LIVROS NA BÍBLIA PROTESTANTE?

      Para sua decepção, os protestantes são culpados de violar sua própria doutrina. A Sola Scriptura proíbe que algo seja acrescentado ou subtraído das Escrituras, porém os protestantes retiraram sete livros das Escrituras do Antigo Testamento, assim como porões de outros dois. Estes são erroneamente chamados de Apócrifos (não-autênticos) pelos protestantes, e de deuterocanônicos (segundo cânon) pelos católicos: Tobias, Judite, 1 e 2 Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, partes de Daniel e Ester.
      ///////////////////////////////////////////////////////////////////
      Defendendo seu cânon incompleto, os protestantes apresentam alguns argumentos, tais como: 1) O cânon menor, chamado cânon farisaico ou palestinense do Antigo Testamento, foi aceito por Jesus e seus apóstolos, pois eles nunca citaram nenhuma fonte dos livros deuterocanônicos; 2) O Antigo Testamento foi fechado no tempo de Jesus, e este era composto pelo cânon menor; 3) Os próprios judeus aceitaram o cânon menor no sínodo de Jâmnia (ou Javneh) em 90 d.C.; 4) Os livros deuterocanônicos contém doutrinas anti-bíblicas.
      ///////////////////////////////////////////////////////////////////////
      Vejamos cada um destes argumentos:

      1) Sobre este, que Jesus e seus apóstolos aceitaram o cânon menor, um exame das citações neotestamentárias do Antigo Testamento demonstrará a falácia. O Novo Testamento cita o Antigo cerca de 350 vezes, e em aproximadamente 300 destas (86%!) foram retiradas da septuaginta, a tradução grega do Antigo Testamento, largamente usada no tempo de Cristo. Esta versão, a septuaginta, continha os deuterocanônicos. Não há razão para dizer que Jesus e os seus discípulos aceitaram o cânon menor, quando na maioria das vezes utilizaram fontes do Antigo Testamento que continham os deuterocanônicos.
      ///////////////////////////////////////////////////////
      Tomemos o exemplo de Paulo, cujas cartas missionárias eram dirigidas a regiões fora da palestina. Deve-se notar, por exemplo, que seu sermão em Antioquia na Pisídia presumiu um conhecimento, entre seus ouvintes, da Septuaginta e uma vez que a comunidade fora formada, o conteúdo de suas cartas a estas era baseado na Septuaginta [40] Obviamente, Paulo assim não rejeitava, mas se utilizava do cânon maior, com os livros deuterocanônicos.

      Além do mais, é errado dizer que estes livros não foram citados no Novo Testamento [41] e que tal citação deve ser pré-requisito para a canonicidade de um livro bíblico. Algumas fontes dizem que os deuterocanônicos são citados no Novo Testamento, no mínimo, 150 vezes [42]. Acrescido a isto, livros do cânon menor, como Eclesiastes, Abdias e Ester não são citados por Jesus ou seus apóstolos, e nem por isso os protestantes retiraram-nos do seu cânon. Obviamente este argumento não serve para determinar a canonicidade de um livro.
      ////////////////////////////////////////////////////////////////////
      2) A evidência histórica mostrará que o argumento protestante de que o cânon do Antigo Testamento foi fechado no tempo de Jesus é falso. Primeiro que não havia nenhum cânon palestino oficial, pois existia neste tempo três cânons em circulação [43], além da Septuaginta. Segundo, as evidências mostram que o judaísmo durante os últimos dois séculos antes de Cristo e o primeiro século depois de Cristo não era uniforme em seu entendimento sobre quais livros deveriam ser considerados sagrados. Existiam muitas opiniões dentro e fora de Israel sobre esta questão [44].
      ////////////////////////////////////////////////////////////////
      3) Usar o sínodo de Jâmnia para justificar o cânon menor é problemático por algumas razões: a) tal decisão, tomada cerca de 50 anos após a morte de Cristo, não tem relação alguma com o cânon dos livros cristãos, pois os rituais veterotestamentários (como não comer carne de porco) não têm relação com o cristianismo; b) é questionável se de fato este sínodo possuiu uma visão definitiva e autoritária sobre o cânon do Antigo Testamento das Escrituras, pois a lista continuou a variar dentro judaísmo até o século 4 d.C. [45]; c) o sínodo foi, de certo modo, formado devido a polêmica contra a seita dos cristãos, portanto em total oposição ao cristianismo. Estes judeus aceitaram o cânon menor porque os cristãos aceitavam o cânon maior da Septuaginta; d) as decisões deste sínodo representaram a decisão de apenas um ramo do judaísmo farisaico, o da palestina, e não do judaísmo como um todo.
      ////////////////////////////////////////////////////////////////
      4) Por fim, Lauriane para os protestantes afirmarem que os deuterocanônicos possuem doutrinas anti-bíblicas é decididamente um caso de insegurança dogmática. Esta conclusão foi tomada porque os reformadores, claramente em antagonismo com a Igreja Católica, tomavam a Bíblia a priori como um livro de doutrinas protestantes. Descartaram os deuterocanônicos porque continham doutrinas católicas, como 2 Mac 12,42-46, que claramente baseia a oração pelas almas do purgatório: santo foi e piedoso o seu pensamento, e foi essa a razão por que mandou que se celebrasse pelos mortos um sacrifício expiatório, para que fossem absolvidos de seus pecados. Lutero, claramente, quis retirar também do Novo Testamento livros como Apocalipse, Hebreus e Tiago, este merecendo o nome de epístola de palha, onde nada de evangélico é encontrado [46], isso devido, sem dúvidas, o fato de que Tiago afirmava que somos salvos pela fé e pelas boas obras (Tg 2,14-26), refutando a doutrina recém-criada por Lutero de que somos salvos somente pela fé, sem participação das obras. Lutero foi convencido por seus correligionários a não retirar mais este livro da Bíblia.
      //////////////////////////////////////////////////////////
      Além deste fato acima, existe o testemunho histórico da continuidade do cânon bíblico. enquanto vimos que existiam disputas em relação ao cânon bíblico, duas considerações são evidentemente verdadeiras: a) com certeza os deuterocanônicos eram usados pelos cristãos do primeiro século, a começar por Jesus e seus apóstolos; b) desde que foi definido o cânon no século 4, não vemos mudança alguma em relação ao conteúdo da Bíblia. Na prática, a única disputa que surgiu após este evento veio com a reforma protestante, somente no século 16, que decidiram que poderiam simplesmente lançar no lixo a continuidade de 11 séculos do cânon bíblico em sua existência formal, e 15 séculos de existência prática.
      ////////////////////////////////////////////////////
      O fato de que qualquer pessoa possa vir e simplesmente alterar a continuidade de um tema tão central como o conteúdo dos livros da Escritura deveria levar o cristão a pensar seriamente sobre um detalhe. Este cristão deveria se perguntar: com que autoridade esta pessoa pôde fazer esta alteração? Tanto a história como os próprios escritos de Lutero mostram que suas ações foram baseadas em nada mais que sua opinião pessoal. Certamente, tal “autoridade final” falha grosseiramente no que se requer para que alguma alteração canônica seja feita, especialmente quando se considera que o processo de identificar o cânon bíblico envolveu um processo guiado pelo Espírito Santo, levou séculos, e envolveu algumas das maiores mentes do cristianismo assim como alguns Concílios da Igreja. Mais interessante é o fato de que outros chamados reformadores – e desde então todos os protestantes – aceitaram a alteração do cânon de Lutero, mesmo que todos dissessem que eram fiéis à Bíblia e insistiam que nada deveria ser acrescentado ou retirado de suas páginas

      LAURIANE VOCÊ CONHECE OU SABE COMO SE ORIGINOU DOS PROBLEMAS EMOCIONAIS DE LUTERO?

      Se algo deve ser dito com relação a Martinho Lutero é o fato de que ele era cronicamente assolado por uma combinação de dúvidas e inseguranças quanto a sua própria salvação e uma sensação de extrema impotência em face as tentações do pecado. Ele próprio escreveu: meu espírito está completamente partido e estou em eterno estado de melancolia; pois, faça o que fizer, minha retidão e minhas boas obras não me trazem ajuda ou consolação alguma [47].
      //////////////////////////////////////////////
      À luz desta realidade, pode-se acessar o perfil emocional e psicológico do pensamento de Lutero e seu impacto na origem de sua Sola Scriptura. Uma pequena análise pode mostrar que esta doutrina nasceu da necessidade que Lutero tinha de se ver livre de seus sentimentos de culpa, insegurança e tentação que o “torturavam”.
      /////////////////////////////////////////////
      Considerando que o próprio Lutero admite uma tendência obsessiva ao pecado, assim como uma inabilidade de resistir a ele, fica claro que ele sofreu de “escrupulosidade”, e todos os estudiosos luteranos admitem isso [48]. Escrupulosidade significa que uma pessoa fica extremamente ansiosa quanto a ter cometido um pecado quando na verdade não há razão para tal, e uma pessoa escrupulosa é aquela que geralmente supervaloriza seu pecado, com uma correspondente confiança em Deus. Também é relevante notar que a escrupulosidade parece ser baseada em alguma disfunção psicológica [49].
      ////////////////////////////////////////////
      Em outras palavras, Lutero provavelmente nunca desfrutou de paz espiritual e psicológica, pois a voz de sua “consciência” sempre o alcançava sobre qualquer assunto, real ou imaginário. É natural que alguém tão atordoado busque refúgio nesta voz, e para Lutero este refúgio foi encontrado na doutrina da Sola Fide, ou a salvação somente pela fé.
      ///////////////////////////////////////////////////////
      Mas desde que resistir ao pecado e praticar boas obras são componentes essenciais para nossa salvação, e desde que estes fatos são satisfatoriamente componentes e defendidos pela Igreja Católica, Lutero se encontrou diametricamente oposto à doutrina da Igreja. Pelo fato de a Igreja ensinar a necessidade de algo que ele exatamente não podia fazer, tomou uma decisão drástica – uma que “resolveria” sua escrupulosidade: rejeitou a autoridade da Igreja, contida no seu Magistério cujo Papa é o chefe, e afirmou que era algo contrário à Bíblia. Em outras palavras, por dizer que a Sola Scriptura deveria ser a verdadeira doutrina cristã, Lutero repugnou a autoridade que o fazia reconhecer que sua própria espiritualidade era disfuncional.

      OLHA LAURIANE VOCÊ TEM QUE APRENDER E DEIXAR A IGNORÂNCIA DE LADO!

      E aprender que por todas estas razões, então, é evidente que a doutrina protestante da Sola Scriptura é uma extremamente anti-bíblica, humana e errônea crença que deve ser desacreditada e rejeitada completamente. Todos os que são genuinamente cristãos e seguem as verdades que Jesus ensinou – mesmo que contradiga o seu sistema religioso atual – devem reconhecer a falha desta doutrina, falha esta óbvia pelas Escrituras, pela história e pela lógica.
      /////////////////////////////////
      A plenitude da verdade cristã, sem erro, é encontrada somente na Igreja Católica, a mesma Igreja que o próprio Cristo estabeleceu sobre a terra. De acordo com esta Igreja, a Sola Scriptura é uma distorção da autoridade cristã. Na realidade, a verdadeira e direta regra de fé do cristão é a Igreja, que por sua vez absorve o que ensina da Revelação Divina –A TRADIÇÃO ESCRITA E A TRADIÇÃO ORAL,
      que juntas formam a regra indireta de fé.

      Pois Lauriane a Escritura e a Tradição são as fontes inspiradas da doutrina cristã, enquanto que a Igreja – entidade histórica e visível em sucessão ininterrupta desde Pedro e os demais apóstolos – é a intérprete infalível da doutrina cristã. Somente aceitando completamente esta regra de fé que os seguidores de Cristo podem aderir a todas as coisas que Ele ordenou aos seus apóstolos ensinar (Mt 28,20). Somente aceitando completamente esta regra de fé o cristão pode conhecer a verdadeira doutrina pregada por Cristo, e nada além da verdade.

  5. Caro Edimilson, em primeiro lugar para ser um bom apologista, não é necessário ser sarcástico. Você pode perfeitamente defender a sua fé com classe, sem ofensas e sem querer inferiorizar ninguém, afinal, eu não te conheço e você não me conhece e as nossas divergências é apenas no campo das ideias e nada pessoal. Então, como bons cristãos, que eu acredito que sou e espero que você também seja na sua fé, vamos ser mais moderados no modo de falar e de tratar quem quer que seja. Eu te falo isto, porque não é possível ter diálogo saudável através de sarcasmos, pois além dessa atitude ser desrespeitosa para com o próximo, ainda dá a impressão de que a pessoa é ignorante no assunto e para se defender usa deste tipo de argumento baixo. Se você julga que o seu argumento é melhor que o de alguém, respeite a opinião dos outros e deixe que outras pessoas julguem, ao invés de você mesmo se exaltar.

    Graça e paz

    • Caro Alexandre, concordo com você em gênero, número e grau.

      Defender sua crença não implica em desabonar aquele que o contradiz, respeito é fundamental em qualquer assunto, que dirá entre pessoas que professam o cristianismo, pois se o cristão, assim como o próprio nome já diz, representa os pensamentos e condutas de Cristo, como considerar um seguidor de Cristo aquele que esculhamba e faz chacota de outras pessoas pelo fato de discordarem de pontos na fé?

      Já venho faz tempo aqui, aconselhar que o irmão Edmílson repense sua conduta, pois desta forma acaba em fazer uma péssima auto-propaganda de si mesmo, mostrando que ser católico e escrever posts kilométricos com todo o tipo de apologéticas absolutamente não transforma ninguém, visto que o ódio, o deboche e o pouco caso que faz dos evangélicos revela ser ele, uma pessoa nada cristã, sem capacidade de evangelizar nem ensinar, ele deve primeiro saber se quer ser realmente um cristão, depois entender o bom proceder, daí sim aparecer em um blog para opinar, com respeito e sabedoria, pois como pode um cego guiar outro cego? No momento ele só queima seu próprio filme, magoa pessoas e destila arrogância e senso de grandeza em postar coisas enormes, repetidas e que não trazem objetividade.
      Isso não é bom como exemplo pessoal nem como exemplo do que é e como age um católico.

      Paz a todos.

    • OLHA ALEXANDRE RELIGIÃO SE DISCUTE AGORA PONTOS DE VISTA NÃO!
      PROTESTANTES USAM MENTIRAS E PONTOS DE VISTA PARA ARGUMENTAR SUAS HERESIAS

      AGORA EU FALO CONDENO O ERRO E MOSTRO E MOSTRO NÃO NO PONTO DE VISTA FALAZ

      MAS MOSTRO HISTORICAMENTE

      VOU TI DA SÓ UM PEQUENO EXEMPLO EM 20 ANOS ATRÁS OS CATÓLICOS NOS ESTADOS UNIDOS ERAM 21 MILHÕES E HOJE POR CAUSA DO ENSINAMENTO DA PATRÍSTICA EM MILHARES DE SITES E TELEVISÃO
      O NUMERO JÁ PASSA OS 70 MILHÕES

      ISSO É INCRÍVEL EU TI GARANTO MEU RAPAZ ESTUDE A PATRÍSTICA E VOCÊ VERÁS OS ERROS MENTIRAS E SAFADEZAS QUE OS PROTESTANTES PARA SE PROMOVEREM FAZEM CONTRA A IGREJA CATÓLICA

    • ALEXANDRE NÃO É SÓ A ESCRITURA?

      Pode ter certeza Alexandre se a doutrina da “Sola Scritura” fosse verdadeira, então seria possível provar todas as doutrinas baseando-se unicamente nas Sagradas Escrituras.

      Dessa forma, também seria possível provar que a “Sola Scriptura” encontra-se registrada na mesma Bíblia. Se isso, contudo, não puder ser feito, então a doutrina da “Sola Scriptura” estará refutada por si mesma.

      Por essa razão, há um grande interesse de se encontrar na Bíblia versículos que possam ser usados para provar a teoria da “Sola Scriptura“. Essas tentativas geralmente são feitas por dois tipos de defensores da referida doutrina: os descuidados e os cuidadosos. O primeiro tipo, entretanto, parece ser a grande maioria…
      Os defensores da “Sola Scriptura“, assim como muitos outros “defensores de meras idéias”, não tomam o devido cuidado com o modo de fundamentar suas posições, e pressionam para que as coisas mais insignificantes lhe sirvam para provar que suas teorias são verdadeiras.

      Agora em outras palavras Alexandre, os defensores descuidados da “Sola Scriptura” citam todo gênero de passagens irrelevantes como se estas fossem prova da referida doutrina.
      Citam, por exemplo, passagens dos Evangelhos onde Jesus, ao ser interrogado por seus inimigos sobre certo ponto doutrinário, lhes responde com alguma passagem do Antigo Testamento.

      Entretanto, essa classe de versículos só pode ser usada para provar que o Antigo Testamento possui autoridade doutrinária, mas não que seja prova da “Sola Scriptura“, uma vez que Jesus nunca disse que apenas o Antigo Testamento possui autoridade doutrinaria
      (neste caso, teríamos que admitir a doutrina do “‘Solo’ Antigo Testamento”).

      Ora, quando Jesus cita o Antigo Testamento para provar certa doutrina, está apenas querendo mostrar que essa doutrina poderia ser provada por tal passagem do Antigo Testamento. Não significa, assim, que Ele tenha considerado que todas as doutrinas poderiam ser provadas pelo Antigo Testamento ou pela Bíblia em geral. Por isso, não surpreende ver Jesus respondendo aos seus inimigos apelando para a sua própria autoridade ou ainda para outras fontes extra-escriturísticas.
      A idéia de que Jesus – Palavra viva de Deus que veio trazer-nos uma nova revelação por meio de suas pregações e ensinamentos – praticava e cria na proposição de que toda a doutrina deveria ser provada apenas pela Palavra escrita de Deus é absurda em si mesma. Apesar disto, os defensores descuidados da “Sola Scriptura” não deixam de citar os exemplos onde Jesus usa a Escritura para provar uma doutrina individual, como se provassem assim que a Escritura é capaz de dar validade à todas as doutrinas.
      De outro modo, os defensores cuidadosos da “Sola Scriptura” – aqueles que tentam limitar os versículos usados para fundamentar essa doutrina, deixando somente aqueles que têm como mais relevantes – são mais raros que “dentes de galinha”.

      E ti digo Alexandre que Só alguns reconhecem que deixam de lado um grande número de passagens irrelevantes… Na verdade, reconhecem que só uma ou duas passagens poderiam mesmo ser usadas para fundamentar a doutrina da “SolaScriptura“.
      A maior esperança estaria em 2Tim 3,16-17, que declara: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para convencer, para corrigir e para educar na justiça. Assim o homem de Deus se encontra perfeito e preparado para toda boa obra”.
      Quem recorre a esta passagem afirma que a primeira parte (“Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar”) é suficiente para fundamentar a “Sola Scriptura“. Algumas vezes a discussão ganha a forma de um apelo mais emotivo, ou seja, de que a expressão “Toda Escritura é inspirada por Deus” poderia ser melhor traduzida por “É exalada por Deus”, passando a idéia de que os católicos não crêem que a Bíblia tenha sido escrita por inspiração verbal de Deus.
      Mas o uso desta primeira parte do versículo é infrutífero pois diz apenas que a Escritura é “útil” (“ophelimos” em grego) para ensinar, e não que seja obrigatória para ensinar cada ponto teológico. Exemplificando, o martelo é útil para pregar, mas isso não significa que todos os pregos só possam ser pregados com um martelo.
      Um apelo mais cuidadoso para esta passagem buscaria outras partes da mesma, como por exemplo, a última parte, cuja idéia central é que “o homem de Deus se encontra perfeito e preparado para toda boa obra”.
      O que mas tem no meio do protestantismo são leigos com meros discurso sobre as palavras gregas usadas nessa expressão, “perfeito” (=artios) e “preparado” (=exartizo), que ele interpretava como “suficiente”. Ele foi até capaz de citar um dicionário que aceitava a palavra “suficiente” como uma tradução possível para “artios” e um outro dicionário que apresentava “suficiente” também como possível tradução para “exartizo“. Porém, Alexandre algumas observações devem ser feitas quanto a este argumento:
      Os dicionários que aceitam o termo “suficiente”, citam-no como terceira ou quarta opção de tradução para os termos “artios” e “exartizo“. Nunca são tidos, porém, como a tradução preferencial, de maneira que não se pode recorrer a esse possível significado como prova final de que esse é o significado do texto, principalmente porque ainda existem mais três ou quatro possibilidades de tradução.

      Agora Alexandre eu ti garanto e ti provo seguramente que todas as versões protestantes da Bíblia (publicadas em inglês – KJV, NKJV, RSV, NRSV, NIV, etc.) mostram que “suficiente” não é a tradução perfeita para os vocábulos “artios” e “exartizo“, isto é, nenhuma dessas Bíblias traduz a referida passagem para “Que o homem de Deus seja suficiente, suficiente para toda boa obra”. Nenhuma delas usa “suficiente” como tradução dos termos gregos citados…
      Ocorre no texto uma hipérbole (exagero objetivando certa expressividade; ex: “chorou rios de lágrimas”), algo muito comum no pensamento hebraico e traço distintivo das cartas de São Paulo. Por exemplo, em Col 1,20, Paulo afirma que Deus quis reconciliar todas as coisas consigo mesmo em Cristo. Obviamente ele não quis dizer “absolutamente todas as coisas”, pois senão estaria dizendo que Deus teria reconciliado consigo mesmo em Cristo também a Satanás e os demais condenados (cf. 2Cor 5,19, Ef 1,10). Logo, a sentença de Paulo que afirma que a Escritura torna um ministro perfeito pode ser compreendida como mais uma hipérbole hebraica.
      Se aceitarmos esse mesmo princípio de interpretação de 2Tim 3,16-17 e aplicarmos a outros textos, obteremos resultados absurdos. O princípio é: “Se X te faz perfeito, então não precisasnada mais que X”. A partir deste raciocínio temos: “Se a Escritura te faz perfeito, então somente precisas da Escritura”. Se aplicarmos este princípio a Tg 1,4 que afirma: “A constância vai acompanhada por obras perfeitas, para que sejais perfeitos, irreprováveis, sem deixar nada que desejar”, teremos que dizer que não necessitamos de qualquer outra coisa – o que inclui a Escritura – a não ser a constância. Alguém, porém, pode objetar que Tg 1,4 não emprega as palavras gregas “artios” e “exartizo“. É verdade, pois as palavras desta passagem são “teleios” e “holokleros“… Contudo, são termos ainda mais fortes que aqueles! Além disso, tal objeção também seria uma falácia pois afirmar que uma diferença de termos implica sempre em diversidade de conceito, não pode ser tido como verdadeiro. Seja como for, ninguém poderia ser capaz de elaborar uma teoria (baseada em estudos sobre o Novo Testamento) para afirmar que “artios” ou “exartizo” devem ser traduzidos para “suficiente” já que o primeiro termo aparece somente uma única vez e o segundo aparece duas vezes (o outro caso está em At21,5 e não possui esse significado).
      Os dois termos se referem ao homem de Deus e não à Escritura. 2Tim 3,17 diz que a Escritura ajuda a fazer o homem perfeito e preparado e não que a Escritura é completa (perfeita) e preparada. Para provar que a Escritura é suficiente, os defensores da “Sola Scriptura” precisam retroceder em seus argumentos partindo da suficiência de um homem até a suficiência de uma coleção de documentos. Isto acaba agregando o argumento e portanto agrega também uma exegese incerta.
      Essa agregação de incertezas aumenta ainda mais os problemas para os defensores da “SolaScriptura” porque, admitindo que algo possa ajudar a fazer um homem perfeito e preparado, deve-se pressupor que ele já tenha antes algumas outras “peças do equipamento”. Por exemplo, se um escoteiro possui todo o equipamento necessário para a sua exploração, com exceção do cantil, e vai até uma loja de material de camping e o compra, então poderá afirmar que “agora estou completo, pronto para a minha aventura”; note que isto não significa que o cantil foi o único equipamento que ele necessitava para estar pronto; na verdade, o cantil foi somente a última peça do equipamento… a certeza de que estava pronto pressupunha que ele já tinha todo o resto do equipamento necessário. Da mesma forma, a sentença que afirma que a Escritura torna o homem de Deus perfeito também pressupõe que este homem de Deus detém alguns outros artigos que pertencem à doutrina, como por exemplo, o ensinamento oral dos Apóstolos.
      E mesmo quando uma pessoa adquire todo o equipamento necessário de uma mesma loja, esta não ensina como tal equipamento deve ser usado. Por isso precisa ser instruído, para saber como usá-lo. Novamente exemplificando, o fato de uma pessoa possuir todo o equipamento necessário para sobreviver numa selva ou suportar uma longa caminhada não significa que saiba usá-lo. Assim, ainda que a Escritura fornecesse a alguém todo o conhecimento básico para se fazer teologia, ela pode ser tão obscura em certos pontos que pode tornar necessário o uso da Tradição Apostólica para se chegar a uma correta interpretação. Não é possível afirmar que a Bíblia é tão clara que não seja necessária a Tradição Apostólica ou o Magistério da Igreja para interpretá-la (posição conhecida como suficiência formal da Escritura, idêntica à doutrina protestante da “Sola Scriptura“). Portanto, ainda que a Bíblia ofereça toda a base necessária para a teologia, ela não nos ensina todos os detalhes.
      E ainda que alguém consiga provar que as palavras “artios” ou “exartizo” de 2Tim 3,16-17significam “suficiente” e mostre que se aplicam, direta ou indiretamente, à Bíblia, na verdade estaria provando que a Bíblia é suficiente materialmente falando, e isto qualquer católico pode admitir, felizmente. Porém, nunca seria possível provar sua suficiência formal (isto é, a doutrina da “Sola Scriptura“).
      Realmente o texto diz que a Escritura tornará o homem de Deus perfeito, mas esta perfeição não é dada ao leigo, mas ao clérigo, que recebe um treinamento especial como, por exemplo, o conhecimento da Tradição Apostólica, que o faz capaz de interpretar corretamente as Escrituras. Assim, o texto pressupõe o conhecimento que o homem de Deus já deve ter antes de tomar contato com as Escrituras.
      Porém, além destas considerações (que levam em conta as traduções dos termos “artios” ou “exartizo“), há razões positivas pelas quais esta passagem (pouco importando a tradução dos referidos termos gregos) não pode ser usada para provar a teoria da “Sola Scriptura“, a começar nas primeiras palavras do v.16: a frase “Toda Escritura” é normalmente entendida pelos protestantes como “Toda a Bíblia”, ou seja, se refere a todo o cânon bíblico (AT+NT). A isto soma-se o desejo protestante de fazê-la normativa para a teologia cristã. Assim, é natural para um protestante pensar que o termo “Escritura” no singular refere-se à Bíblia por inteiro e nada mais além da Bíblia. Todavia, não é assim que a mesma Escritura compreende… A Bíblia, como obra unificada é invenção de certo período histórico e, por isso, esteve sujeita a alterações no decorrer dos tempos. Antes da existência da imprensa, a Escritura foi, extraordinariamente, uma coleção de livros individuais, agrupados em volumes. No séc. I, quando São Paulo escreveu, esta era uma coleção de uns doze rolos. Portanto, naquela época, não havia como considerar a Escritura um trabalho literário unificado como o é atualmente. Assim, como resultado de um estudo sobre o modo em que o Novo Testamento usa o termo “Escritura”, nos é revelado que esse termo, quando usado no singular – Escritura – se refere sempre a um livro específico da Bíblia ou a uma determinada passagem dentro de um livro da Bíblia; nunca se refere, portanto, à totalidade do trabalho, ao que atualmente chamamos de “Escrituras” (isto é, a Bíblia). Quando a Bíblia quer referir-se à totalidade (todas as Escrituras), usa sempre o termo no plural (As Escrituras) e nunca no singular (Escritura). Sabendo disto, poderíamos indicar a presença de uma má tradução no início da passagem de 2Tim 3,16. O termo singular de “Escritura” é usado sempre para uma passagem em particular ou para um livro da Bíblia; a frase “Toda Escritura” significaria então: “todo livro individual da Bíblia” ou “toda passagem particular da Bíblia”; em nenhum momento se faz referência ao seu sentido gramatical. Ao confrontar com o original grego de 2Tim 3,16, nos encontramos verdadeiramente diante de uma má tradução. A frase traduzida como “Toda Escritura” é um parágrafo que significa “Cada Escritura”, sendo a palavra chave “Cada” e não “Toda”. Esta é uma distinção importante e constitui o sentido gramatical da frase, dando-nos a conhecer o que significa o termo singular de “Escritura” (porque certamente cada livro e cada passagem em particular da Bíblia possui um sentido gramatical). Quando Paulo quis referir-se à totalidade das Escrituras usou uma frase diferente em grego – algo assim como “hai pasai graphai” (“a totalidade das Escrituras”) e não “pasa graphe“, a qual significa simplesmente “cada Escritura” (fato este que um dos maiores defensores do uso de 2Tim 3,16-17, o anti-católico James White, teve que admitir publicamente). Isto é importante porque impossibilita totalmente o uso desta passagem para provar a teoria da “Sola Scriptura” já que, se alguém tentar usá-la, a única coisa que conseguirá provar será apenas o modo. Desta forma, se a passagem que diz “Cada Escritura é inspirada por Deus é útil para o ensinamento, etc.” prova a suficiência da Escritura, provaria realmente a suficiência que cada passagem da Escritura – ou ao menos cada livro da Bíblia – possui para a teologia. Em outras palavras, isto significaria que somente a Bíblia não é suficiente para provar cada ponto da teologia, mas que seria suficiente cada passagem ou livro em particular. Assim poderíamos fazer teologia não somente com toda a Bíblia, mas também apenas com Mateus, Marcos, Lucas ou ainda recorrer a apenas um dos livros mais breves da Escritura, como Judas ou 3João… Isto seria um completo absurdo já que nenhuma passagem ou livro em particular da Bíblia contém o que necessitamos saber para fazer teologia. Vemos então que 2Tim 3,16-17 não pode ser usado para provar a “Sola Scriptura“. Se fosse assim, mais que a “Sola Scriptura“, provaria o modo utilizado. Paulo simplesmente está dizendo que cada escritura em particular contribui para que o homem de Deus seja preparado para todas as suas tarefas ministeriais, só isso… Não diz que cada Escritura em particular é suficiente para se fazer toda a teologia.
      Se formos ainda mais além, perceberemos que sempre que os protestantes citam 2Tim 3,16-17, acabam por excluir da citação os dois versículos anteriores. Isto não é bom – para eles. Se abrirmos a Bíblia nos versículos imediatemente precedentes, leremos o seguinte:
      “14. E tu, permaneça fiel ao que tens aprendido e de que estás firmemente convencido, sabendo de quem o aprendeste.
      15. E que desde a infância conheces as Sagradas Escrituras, que podem dar-te a sabedoria que leva à salvação mediante a fé em Cristo Jesus.
      16. Cada Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para convencer, para corrigir e para educar na justiça,
      17. assim o homem de Deus pode ser perfeito e preparado para toda boa obra”.
      Paulo exorta a Timóteo a permanecer fiel àquilo que está firmemente convencido, citando duas bases para essa crença:
      Timóteo sabe de quem aprendeu tudo isso: foi através do ensinamento oral do mesmo apóstolo Paulo. Nós, igualmente, temos a mesma crença de Timóteo, baseada na Tradição Apostólica.
      Desde a infância, Timóteo se familiarizou com as Santas Escrituras, constituindo esta a segunda base para a sua crença.
      Assim, é justamente aqui, em 2Tm 3,14-17, onde temos um duplo recurso: a Tradição Apostólica e a Escritura Apostólica. Portanto, quando os protestentes citam os versículos 16 e 17, estão citando somente a última parte de uma dupla apelação que faz referência à Tradição e à Escritura, coisa que evidentemente não prova a “Sola Scriptura“.
      Finalmente, temos que concluir que todos os argumentos que apresentamos constituem uma ajuda contra aqueles que, baseados em 2Tim 3,16-17, defendem a “Sola Scriptura“. A razão pela qual se distingue a “Sola Scriptura” da opinião católica de suficiência material é a seguinte: a “Sola Scriptura” reclama que não apenas a Escritura tem toda a base de dados necessária para se fazer teologia, como também é suficientemente perspicaz (ou seja, bem clara), de maneira que não se necessita de outras informações externas (como as que provêm da Tradição Apostólica ou do Magistério) para se interpretar corretamente a Bíblia. O fato de mencionar muitos fatores que minam o uso de 2Tim 3,16-17 – cada um dos quais é fatal para se tentar usar a passagem – nos mostra que esta não é suficientemente clara para provar a doutrina da “Sola Scriptura“. Se alguém não estiver convencido do que dissemos, mas considerar como opinião válida qualquer um dos pontos que apresentamos, então restará provado que 2Tim 3,16-17 não é suficientemente clara para se provar a doutrina da “SolaScriptura” de forma que tal citação não poderá ser usada para essa finalidade.
      E assim, tendo demonstrado desde o princípio que a passagem de 2Tim 3,16-17 (que parecia ser a mais oportuna e favorável) não é suficientemente clara para provar a doutrina da “SolaScriptura“, aqui podemos afirmar, sem medo de errar meu caro Alexandre, que nenhuma outra passagem estará apta para provar essa doutrina. Isto, então, nos mostra que a Bíblia não é suficientemente clara quanto a “Sola Scriptura“, nem que possa ser tida como verdadeira.

      VAI POR MIM

    • Sou católica, e devo admitir (pois não sou cega) que muitos fieis católicos têm praticado sim Idolatria, que muitas vezes me questiono: os meus irmãos católicos não lêm a Bíblia!?. sem dúvidas, a resposta seria: muitos católicos não lêm a Bíblia. É triste ver os cultos prestados aos diferentes santos e santos e as diferentes nossas senhoras. pois, é idolatria fazer pedidos em oração a qualquer outro ser que não seja Deus, vê-se muitos católicos fazendo pedidos à nossa senhora não sei da quantas ou aos diferentes santos (por exemplo pedir marido a S.Jose), acreditando de coração que essa nossa senhora ou o tal santo concretizará…. Já tentei investigar quem implementou essas práticas a igreja, mas não tive sucesso… E se uma imagem dessas partisse do altar, talvez muitos crentes se meteriam a chorar e/ou ficariam com medo… nos perguntemos: por que rezamos ave-maria, se a mesma está morta e os mortos nada podem fazer por nós!? por que salve rainha?. Eu sei, muitas vezes é dificil dar a mão a palmatória.. pois muitas vezes buscamos, querendo ou não, a nossa própria glória, querendo arranjar formas de justificarmos as nossas práticas ou ponto de vista, e às vezes distorcemos mesmo o que a Escritura diz para nossa própria perdição…. Acho que nos falta a humildade, o coração humilhado, pois o que eu notei de todos os meus irmãos aqui foi o orgulho q nos subir à cabeça, não deixando espaço para o espírito falar. certamente não fomos sensatos, pois o que vemos aqui, embora nos seja permitido em nada edifica, porque perdemos o foco que é pregar Cristo… qualquer doutrina que não pregue Cristo como único Senhor deve ser banida…. Que o Senhor tende misericórdia de nós, se nos comportámos como pedra de tropeço par um ou outro irmão… nos perguntemos agora: Está Deus alegre com esta discussão por nós fomentada?.. fica Deus alegre, triste ou indiferente quando rezamos ave-maria? .. fica Deus alegre, triste ou indiferente quando fazemos um pedido a um santo, metendo nele a nossa fé?…

      Busquemos o crescimento espiritual… o querer exaltar-se e humilhar o outro é prática carnal e não espiritual…

      Desculpa se feri alguém com estas simples palavras… pois foi sem intenção…

      Se alguém me julgar fraca na fé, por favor, me ensine, mas com humildade e sabedória divina, como convém a um Cristão… pois tudo o que edifica é bom.. Mas, antes de falar, por favor, ore ao Deus vivo para que seja Ele a falar através de ti… refreiemos a nossa língia… E se virmos que estamos a buscar nos exlatar, paremos, como seguidores de Cristo.

      Louvado seja o nosso Deus…

      • Cara Val Pedro,

        Não dissimule! Não é católica. Seu discurso é protestante e grosseiramente esconde seus desígnios.
        Não há católico no mundo que acredita que nas parvices que a sra descreveu. Católico adora à Deus e mais ninguém. Católico sabe que Maria vive, nesse ponto a sra realmente revelou seu protestantismo. Católico não adora imagem. Católico ama a Igreja e a ela ouve.
        Católico sabe que a Palavra de Deus está contida na Bíblia, mas sabe também que foi a Igreja quem determinou o que é a Bíblia. Na bíblia não uma lista com o nome dos Livros que devem ser considerados Inspirados. Foi a Igreja quem os determinou e os compeliu na Sagrada Bíblia. POr isso o católico ouve a Igreja, porque ele nasceu primeiro.
        Católico sabe que Cristo é a totalidade de Revelação. Nele, e somente Nele, encontra-se a TOTALIDADE do Verbo de Deus. Assim, adoramos à Cristo e não o Livro que contém a Verbo de Deus.

        Pax Domini

  6. Digníssima Helen, o meu comentário não trata-se apenas da minha “percepção pessoal”, conforme você afirmou, mas acima de tudo, trata-se realmente da prática do catolicismo, ainda que nenhum católico romano admita. Talvez não admita, porque é mais fácil para quem está de fora perceber o engano, do que para quem está envolvido nele a muito tempo, pois muitas vezes, a pessoa está tão cega pelas tradições herdadas desde a infância, de pai e mãe, que realmente não consegue perceber muita coisa por conta própria e isto, é perfeitamente compreensível. Sendo assim, com todo o amor que Deus colocou em meu coração pelos católicos, eu gostaria de fazer algumas perguntas para tentar mostrar de alguma maneira, onde está a idolatria, que muitos não percebem, vamos lá. Em primeiro lugar, a idolatria consiste no culto de tudo aquilo que não é Deus, concorda?. Pergunto aos católicos: Maria é Deus? A resposta certamente é não, então o culto a ela prestado, é idolatria, pois todo culto cujo alvo não é Deus, é culto idólatra. Entenda que somente Deus é Digno e Santo, e só há um Deus. Os anjos glorificam unicamente àquele que está sentado no trono e o Cordeiro e a mais ninguém (Apocalipse 4:1-11; 5:1-14). Sendo assim, no céu não há espaço para a “Nossa Senhora Rainha dos Céus” dos católicos romanos. Outra pergunta, mas esta eu gostaria que você me respondesse com toda a sinceridade do seu coração. Do seu ponto de vista, se o mesmo culto que todo católico presta à Maria, coroando-a de honras e de glórias, e chamando-a de “Rainha do Céu” e de “Nossa Senhora”, de “Advogada”, de “Medianeira”, de “Intercessora” com todas as rezas e ladainhas a ela dirigidas, se este mesmo tipo de culto fosse prestado à outra pessoa que não faz parte do contexto da Igreja Romana, do seu ponto de vista, tal culto não seria idolatria? Nenhum católico considera os santos e Maria apenas com grande respeito, mas o seu tratamento e considerações, vão muito além. A mãe de Jesus é coroada com honras, glórias e orações lhe são dirigidas, pois sob o falso pretexto de que ela intercede no céu, acreditam que ela pode ouvir e atender às orações dos fiéis e ainda é chamada de “Nossa Senhora” e de “Rainha do Céu”. Isto não é venerar, mas é na verdade, endeusar a pessoa de Maria, que é apenas uma criatura de Deus e não uma divindade. Ainda mais associar tais atos com orações, pois a oração em si, é um ato de adoração e portanto, deve ser direcionada exclusivamente para Deus, pois somente Ele pode ouvir orações. Infelizmente, o sistema religioso consegue tampar a visão daqueles que seguem suas tradições heréticas, a ponto de muitos não perceberem através da Palavra de Deus, que o culto que prestam, não é veneração, mas é na verdade um culto idólatra.Qualquer católico, mesmo que não conheça muito bem a Palavra de Deus, sabe que se o mesmo culto prestado a mãe de Jesus, fosse prestado a qualquer outra criatura, tal ato caracterizaria a idolatria sem dúvida, pois isto é muito evidente para qualquer ser racional. Mas, então por que em relação à mãe de Jesus, afirmam que não é idolatria, e sim, veneração? Só pode ser porque estão com a visão espiritual tampada pelas heresias da tradição religiosa, pois não há outra explicação. Uma vez que a tradição fica impregnada na formação e no caráter de uma pessoa, ela passa a fazer parte da cultura e dos costumes de tal maneira, que dificilmente essa pessoa abrirá espaço para a verdade, preferindo permanecer no engano religioso em que foi criada desde quando nasceu. Eu falo isto, porque tenho muitos parentes católicos, inclusive, muitas vezes, eu acompanho uma tia minha muito querida até a missa, pois ela é daquelas que nasceu católica e não abre mão da tradição pela verdade, tão somente porque segue a tradição e eu respeito tanto a opinião dela, que a seu pedido, vou até à missa com ela, pois ela não pode ir sozinha. Eu também já fui católico, mas escolhi ficar com a verdade da Palavra de Deus ao invés da tradição religiosa. Maria não é Nossa Senhora, nem Medianeira de todas as graças, pois há um só Senhor e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem (1ª Timóteo 2:5; 1ª Coríntios 8:5,6). O fato de Jesus ser o Senhor, não faz de Maria, Nossa Senhora, do mesmo modo que o fato dele ser Deus, também não a torna uma divindade. Os defensores dos dogmas católicos, não encontram respaldo bíblico para o culto mariano, então, a partir de deduções infundadas, declaram que “Maria é mãe de Deus” simplesmente porque Jesus é Deus e afirmam que ela é “Nossa Senhora”, tão somente porque Jesus é o Senhor. Porém, isto não tem lógica nenhuma, pois ninguém considera a mãe de um médico como sendo “doutora”, pelo simples fato do seu filho ser médico. igualmente também, ninguém considera a mãe de um advogado como sendo advogada, pelo simples fato do filho ser advogado, pois isto não faz o menor sentido. Certa vez, quando Jesus estava pregando sobre o reino de Deus, uma mulher levantou a voz em meio à multidão dizendo: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos que te amamentaram” (Lucas 11:27). Nunca houve oportunidade melhor para Jesus declarar que sua mãe Maria, era verdadeiramente digna de louvor e de adoração, do que o momento em aquela mulher fez tal declaração. Mas, qual foi a resposta de Jesus? “Antes bem aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a observam” (Lucas 11:28). Em outras palavras, Jesus estava dizendo, que mais importante do que o fato de Maria ser sua mãe, era alguém ouvir a Palavra de Deus e colocá-la em prática. Será que algum católico romano é como Jesus, que considera mais importante alguém obedecer a Palavra de Deus, do que o fato de Maria ser a mãe dele? É importante observar, que em nenhum lugar das Escrituras Sagradas, não se vê Jesus, nem pessoa alguma, dirigindo nenhum tipo de culto, nem de longe parecido com o culto que os católicos prestam a Maria hoje. Isabel sua prima, a louvou em Lucas 1:42-44, mas o seu louvor é baseado no fato de que Maria daria à luz ao Filho de Deus, portanto, tal louvor era em referência à Jesus Cristo especificamente, e não à Maria. Note bem, que quando Maria foi visitar Isabel, esta a saudou chamando-a de “mãe do meu Senhor” e não de “mãe do Senhor” (Lucas 1:43), pois apesar de Jesus ser verdadeiro Deus, Maria o concebeu como verdadeiro Homem e não como Deus absolutamente. Além do mais, é necessário considerar que a natureza divina de Cristo é eterna e procede exclusivamente do Pai o Criador, e não de sua mãe carnal, que foi uma simples criatura humana, e portanto dela, ele herdou somente a natureza humana. Ela não é a Rainha do Céu, pois a Rainha do Céu é uma antiga deusa pagã e a mãe de Jesus nada tem haver com essa entidade espiritual pagã (Jeremias 7:18; 44:17; Atos 19:23-41). Ela não é Nossa Intercessora, nem Advogada Nossa, pois quem intercede por nós junto ao Pai, é o próprio Senhor Jesus (Hebreus 7:25,26; 1ª João 2:1; Romanos 8:33,34). Ela não é a Porta do Céu, pois não pode salvar ninguém, nem ela mesma (Lucas 1:46,47); Jesus é a verdadeira e única Porta da Salvação (João 10:9). Maria não pode ouvir, nem atender orações, pois não é onisciente, nem onipotente e nem onipresente, portanto, acreditar que ela e os santos intercedem no céu, é tributar divindade a eles, e isto sem dúvida é idolatria, uma vez que nenhum santo no céu pode ouvir as orações, nem de uma única pessoa na terra, quanto mais de milhares ao mesmo tempo ao redor do mundo. Jesus pode ouvir e atender as orações da humanidade inteira, porque ele é o Todo-poderoso (Mateus 28:18; João 14:13,14). Maria não é Mãe de Deus, pois não é uma divindade, mas sim, apenas uma criatura humana. Jesus em sua natureza divina, sempre existiu na glória com o Pai, mas Maria, não. Bom, chega por aqui né, eu creio que estes argumentos são suficientes no momento, para se ter uma noção básica de que na teoria católica, pode até ser que não existe idolatria, mas na pratica a coisa é muito diferente. Além destas, há ainda muitas outras práticas católicas, que caracterizam fortemente a idolatria, mas as tais serão explanadas em outra oportunidade, se houver.

    Graça e paz.

    • Realmente você Alexandre é muito fraquinho e mais eu e você não falamos a mesma língua, Pois isso não é questão de entendimento e sim de crença, pois você acredita que Jesus edificou um livro, mandou escreve seu evangelho e após a ressurreição se transformou em bíblia sagrada, acabou os profetas, acabou as revelações, acabou Deus com sua Criação. Eu acredito que Cristo edificou a sua Igreja, mandou anunciar seu evangelho e voltou ao Pai, está conosco todos os dias, atuando e revelando a sua igreja.

      Veja Alexandre como você alterou as ordens dos valores, desde quando a Igreja tem que se basear apenas no que está escrito na bíblia? Sendo que a mesma precisou da autoridade dessa igreja para nascer e existir! Saiba Alexandre que não foi a bíblia que edificou a igreja e sim a igreja quem edificou a bíblia, é a bíblia que tem que ser baseada nos fundamentos doutrinais da igreja, por isso a igreja definiu um cânon, os livros que não estavam de acordo com a doutrina da igreja ficaram de fora.

      Por isso Alexandre a igreja pode pregar qualquer coisa que não esteja escrito, pois São Paulo mandou a igreja guardar tudo o que foi ensinado (SEJA ESCRITO OU SEJA ORAL), já a bíblia não, a bíblia tem que conter apenas o que a igreja tem como doutrina, por isso mais de 500 livros foram expurgados que o nome desses livros expurgados eu ti passo um por um meu caro Alexandre

      Saibas também que a igreja se baseia em Deus e no que Deus revela a ela, a igreja não se baseia apenas em alguma coisa que foi escrita, nós somos a religião da palavra (Jesus Cristo) e não a religião do livro, religião do livro se chama agnosticismo.
      Por isso São Paulo diz que A LETRA MARA.

      II COR 3
      6. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.

      Observe as palavras de São Paulo, a nova aliança foi constituída pelo espírito e não pela LETRA, a antiga aliança morreu porque se baseava apenas na LETRA e isso os levou a matar o Filho de Deus.

      Veja que São Paulo diz que nós somos a CARTA DE CRISTO.

      II COR 3
      2. Vós mesmos sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
      3. Não há dúvida de que vós sois uma carta de Cristo, redigida por nosso ministério e escrita, não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, em vossos corações.

      Alexandre sabe por que São Paulo diz que nós somos a carta de Cristo? A carta dele São Paulo? Isso é simples, por que ele sabia que a LETRA mata, se basear apenas na LETRA levou os fariseu as matarem Jesus Cristo, e São Paulo sabia que o ministério do Espírito seria anunciado a todas as gerações seja ESCRITO OU ORALMENTE, nada iria se perder. Por isso ele mesmo diz.
      “Assim, pois, irmãos, estai firmes e conservai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.” (II Tessalonicenses capítulo 2 verso 15, Bíblia versão João Ferreira de Almeida)

      Sabe por que ele pede para se guardar tudo o que foi ESCRITO E O QUE DOI DITO ORALMENTE?
      Porque ele sabia que a LETRA penas matava, matou o judaísmo e está matando o protestantismo com suas 50 milhões de seitas, todas com suas verdades pessoais e ninguém fala a mesma língua, observação, todas com a mesma LETRA DEBAIXO DOS BRAÇOS.

      Vocês ainda Alexandre querem justificar a heresia da sola scripture, ainda mais, sola scripture mutilada e adulterada.

      Agora a nossa igreja é uma carta de cristo, ela guardou tudo, não ficou apenas com a Letra e a Letra precisou de sua autoridade para existir.

      Reveja seus conceitos meu rapaz, a bíblia não está acima da igreja e não é um Deus.

      Agora Alexandre você sobre o porque muitas seita nascem por ai, isso é simples, não tem nada a ver com se basear ou não na bíblia, até porque todas são adeptos da sola sacripture mutilada e adultera, essas seitas nascem por CAUSA DA AUTO INTERPRETAÇÃO, fora da Igreja coluna da verdade.

      Todas essas seitas, TJs, Adventistas, Mormons, seguem a mesma bíblia e sola scripture e todas usam o seu argumento para defender a sua ideologia.

      Alexandre você diz que a bíblia é a palavra de Deus, você comete mais um pecado, a palavra de Deus é o verbo encarnado, ou seja, Jesus Cristo, você chamar a bíblia de palavra de Deus se chama bibliolatria.

      Olha Alexandro quem é a palavra de Deus.

      Apocalipse 19
      11. Vi ainda o céu aberto: eis que aparece um cavalo branco. Seu cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro, e é com justiça que ele julga e guerreia.
      12. Tem olhos flamejantes. Há em sua cabeça muitos diademas e traz escrito um nome que ninguém conhece, senão ele.
      13. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome é Verbo de Deus.

      Agora Alexandre você me diz seguir apenas a bíblia, porém tudo o que você falou até agora é ant bíblico.

      Me respondas Alexandre? Quem falou para você que só na bíblia se encontra as palavras de Jesus? Ele edificou uma Igreja ou um Livro? Os milhares de milhares dos padres apostólicos e dos padres da igreja junto com os cronistas e aos historiadores eclesiásticos dos 4 primeiros séculos testificaram unânimes que foi a igreja Católica Apostólica Romana

      Alexandre as palavra de São Paulo estão vivas, todas as que foram escritas como as que foram apenas transmitidas, por isso NÓS SOMOS A CARTA DELE, se São Paulo quisesse que todos seu Me diga Alexandre? ensinamento tivesse em um livro, ele teria escrito o livro de São Paulo e enviado esse mesmo livro a todas comunidade, ao invés de enviar alguma cartas diferentes para regiões diferentes, fora muitas cartas que foram perdidas. Como a carta de Laodiceia, São Paulo sabia disso, que nem tudo seria escrito e muitas coisas seriam perdidas, por isso ele diz NÓS SOMOS A CARTA DELE, e ordena que se guarde tudo o que foi escrito e o que foi dito oralmente.

      Essa de ler a bíblia e pedir a iluminação do senhor para entende-la, é a furada do milênio, você só conseguir isso em comunhão com sua igreja, fora dele acontece o que aconteceu com o protestantismo 50 mil seitas só no Brasil, você diz ter iluminação para entender a bíblia, os TJs, os Adventistas, os Mormosn dizem o mesmo e ninguém fala a mesma língua. Ou seja que existe 50 milhões de Espírito Santo? O que te faz ter a certeza que a sua iluminação é melhor do que a dos TJs? Ou dos Judaizantes? Ele tb dizem seguir os principio bíblicos!

      Agora eu Alexandre sigo as interpretações dos padres da igreja, pois eles conviveram com os apóstolos e sabiam o que ali estava escrito, e não deixaram o que não fora escrito morrer.

      No dia que vc entender que Jesus enviou a sua igreja e mandou anuncia o evangelho ao invés de edificar seu livro e escrever seu evangelho, ai seu olhos serão abertos.

      Entenda Alexandre que a bíblia é um livro sagrado e inspirado por Deus, mas é apenas mais uma das fontes de fé Cristã, não é a única, Deus não se calou com a humanidade depois que João morreu, e muito menos deixou de enviar seus profetas e suas revelações. O cristianismo nasceu com os apóstolos e não morreu com a morte dos apóstolos.

  7. É argumentado que Deus proíbe a fabricação de imagens de falsos deuses ou de ídolos e não de santos e nem de anjos especificamente, uma vez que o mesmo Deus que proibiu o uso de certas imagens ordenou a fabricação de outras. No entanto, se o amigo católico observar bem, perceberá que na prática, a forma de culto prestado às imagens e relíquias na tradição da Igreja Romana, é a mesma condenada por Deus em relação às imagens de falsos deuses e de ídolos. Além do mais, segundo o dicionário Aurélio da língua portuguesa, os termos ídolo e idolatria, não se referem somente a falsos deuses, mas também a qualquer pessoa a quem se tributa respeito demasiado ou afeto excessivo, sem necessariamente o ato de adoração, nem de soberania. Os apologistas católicos tentam se justificar, dizendo que não adoram, mas que apenas veneram as imagens e os santos. No entanto, a definição de veneração em excesso também é idolatria. Argumentam que rezar diante das imagens, não é o mesmo que rezar para elas e que se prostrar diante delas, nem sempre significa adorá-las. É bem verdade que o simples ato de se curvar diante de pessoas, por si só não caracteriza idolatria, mas sim, humildade. Porém, diante de objetos e coisas, a história é muito diferente, ainda mais associado com praticas de culto, como orações, rezas, etc.
    É bem verdade que no Antigo Testamento, o próprio Deus ordenou fazer alguns tipos de imagens e figuras. No entanto, elas não eram objetos de culto como os católicos fazem com suas imagens e relíquias, mas eram apenas símbolos. Ninguém se curvava diante daquelas imagens, nem lhes dirigia orações, nem acendiam velas diante delas, pois tudo isto, era terminantemente proibido por Deus, pois tais atos caracteriza evidentemente a idolatria (Êxodo 20:4-6). É importante observar, que nenhuma das imagens que Deus mandou fabricar, representavam a sua própria pessoa e com exceção da imagem da serpente de bronze (que prefigurava Cristo crucificado), todas as outras representavam figuras de anjos e de querubins. Observe bem, que cada uma daquelas imagens tinha um propósito específico, porém unicamente simbólico. Aquelas imagens foram ordenadas por Deus, mas e as imagens de santos usadas pela Igreja Católica? Elas foram ordenadas por Deus ou foram feitas por conta da tradição religiosa? Será que os católicos conseguiriam cultuar sem o uso de imagens, de altares e de velas? Você conhece algum católico que cultua sem o uso de imagens? Seria isto possível? Pense bem nisto. Deus ordenou fazer imagens de anjos para ornamentar o tabernáculo e o templo (Êxodo 26:1; 36:8; 2ª Crônicas 3:10-14); mandou fazer imagens de querubins para simbolizar a sua glória (Êxodo 25:17-22) e mandou fazer uma serpente de bronze pendurada numa haste, prefigurando a salvação, através do sacrifício de Cristo (Números 21:8,9; João 3:14-18). Porém, quando a imagem da serpente de bronze, deixou de ser um simples símbolo de fé para se tornar um objeto de culto, teve que ser destruída pelo rei Ezequias (2ª Reis 18:1-4). O texto bíblico descreve que os filhos de Israel passaram a lhe queimar incenso e lhe chamar de Neustã. Infelizmente, muitos católicos fazem de modo semelhante, pois se curvam diante de uma imagem, acendem velas, rezam e dizem que é a imagem da “Nossa Senhora”. Tal ato é um insulto ao Deus Vivo e Todo-poderoso, pois somente Ele é o Senhor e não há nenhum outro, além d’Ele e sendo assim, não existe “Nossa Senhora” (Deuteronômio 6:4,5; 1ª Coríntios 8:5,6; Efésios 4:5,6). Se o culto de imagens de santos no catolicismo não é idolatria, então o rei Ezequias deve ter sido um daqueles crentes fanáticos quebrador de imagens.
    Muitos se encontram tão cegos espiritualmente, que não percebem que recorrer aos santos que já partiram deste mundo, dirigindo-lhes orações, é atribuir divindade a eles, pois os tais não são oniscientes, e isto torna muito clara a idolatria que praticam, pois somente Deus pode ouvir e atender orações. A Palavra de Deus diz que é inútil se curvar diante das imagens dos ídolos, fazendo-lhes petições e procissões. Do mesmo modo é também em relação às imagens dos santos, pois embora eles estejam vivos na glória celeste juntos à Deus, fisicamente para nós estão mortos e sepultados e nada sabem, nem podem fazer nada por ninguém (Eclesiastes 9:5,6). Os mortos nada sabem, não no se sentido de estarem inconscientes dormindo no pó da terra, mas porque não há nenhuma ligação entre os vivos e os mortos (Lucas 16:20-31). Nós os vivos, também nada sabemos em relação aos mortos e igualmente nada podemos fazer por eles, de tal maneira que é inútil rezar pelos mortos. Recorrer aos mortos, sejam eles santos ou não, é uma pratica abominável ao ver de Deus, além de ser uma prática do espiritismo, cuja característica principal é a invocação dos mortos e a comunicação com os mesmos (Deuteronômio 18:9-12; Isaías 8:19). Que diferença há entre a invocação dos mortos e a suposta intercessão dos santos que já morreram? Absolutamente nenhuma, não é mesmo? As relíquias tão veneradas no catolicismo, muitas vezes são restos mortais de santos católicos ou objetos que a eles pertenceram em vida e cegamente essas coisas são cultuadas por milhares de pessoas. É uma ofensa a Deus, deixar de recorrer a Ele que é o Senhor Soberano, para recorrer a qualquer criatura ou aos santos que já partiram deste mundo para a eternidade. Biblicamente a qual santo os apóstolos e os primeiros cristãos recorriam? A nenhum, a não ser unicamente ao Santo dos santos, que Senhor Jesus Cristo. Outro argumento é comparar o uso de imagens com fotografias, dizendo que não são adoradas, mas que são usadas como recordação dos santos, do mesmo modo como usamos as fotografias como recordação de pessoas queridas, vivas ou falecidas. Esse argumento é totalmente inválido, pois ninguém se curva diante da fotografia do pai, da mãe ou de quem quer que seja, para dirigir orações, acender velas, rezar, etc. e se alguém comete tal ato, está sendo igualmente idólatra.
    Deus é Espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade (João 4:23,24). Deus não aceita culto através de imagens, pois Ele não dá a sua glória, que é devida somente a Ele mesmo para ninguém, nem o Seu louvor às imagens esculpidas (Isaías 42:8; 44:9-20). Ele nunca foi visto por homens e não aceita ser representado por imagens ou figuras, pois fazer isto é rebaixá-lo demais. Portanto, não é permitida a fabricação de imagens para culto, nem de Deus e nem de homens ou de mulheres, nem tão pouco de coisa alguma, veja o que diz Deuteronômio 4:15,16: “Tende cuidado com a vossa vida. No dia em que o Senhor, vosso Deus, vos falou do seio do fogo em Horebe, não viste figura alguma. Guardai-vos pois, de fabricar alguma imagem esculpida representando o que quer que seja, figura de homem e mulher”, leia também, Deuteronômio 5:8,9. Observe que o texto diz claramente figura de homem e mulher, podendo, portanto, se referir perfeitamente a Imagens de santos. Lembre-se que entre nos tempos apostólicos, não havia culto de imagens, aliás, eles pregavam energicamente contra tais coisas.
    Graça e paz.

    • caro Alexandre,

      Não seja injusto ao fazer críticas ao catolicismo tal e qual você o vê e o interpreta. O catolicismo DE FATO, condena a Idolatria. Ponto Final.

      Sua percepção pessoal – aquilo que vc julga ser idolatria – não é catolicismo, é o SEU juízo do que parece ao seus olhos Idolatria, no catolicismo de fato tem uma razão de ser, tem uma explicação. O ponto de vista que cada um tem do catolicismo não interessa para o blog. A defesa feita aqui não é da caricatura que cada protestante tem do catolicismo. É a defesa da Igreja e seus verdadeiros ensinamentos.

      Recomendo fortemente que leia este post – http://igrejamilitante.wordpress.com/2013/03/23/a-verdade-sobre-idolatria-imagens-e-os-santos/

    • ALEXANDRE VOCÊ É MUITO AMADOR, POIS É MUITO FRACO O SEU ARGUMENTO QUE FALA SOBRE IMAGENS E IDOLATRIA!
      OLHA ESSE SEU TEXTO AMADOR QUE VOCÊ POSTOU AQUI SÓ CONVENCE MESMO CEGO E LEIGO E OLHA LÁ.

      QUE EXEMPLOS EU APOSTO 100 MIL REAIS COM VOCÊ COM ASSINATURA EM CARTÓRIO SE EXISTE ALGUM PADRE APOSTÓLICO OU PADRE DA IGREJA QUE ESCREVEU MANDANDO ADORAR IMAGENS E VOU MAIS LEIA O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA E VÊ SE A IGREJA MANDA ADORAR IMAGENS!

      AMIGO A IGREJA CATÓLICA É A UNICA IGREJA FUNDADA POR JESUS CRISTO

      NÃO É UMA IGREJA COMO A SUA QUE SÓ OFERECE O BEL PRAZER QUE OFERECE DINHEIRO E VÁRIOS CASAMENTOS MESMO JÁ TENDO SIDO ANTES CASADO E ASSIM VAI.

      ALEXANDRE O MUNDO ESFRIOU E AS PESSOAS PERDERAM VALORES VIRTUDES TUDO HOJE É NA BASE DO RACIONALISMO E DA PROCURA DO SEU EU VAI POR MIM PROTESTANTISMO É FURADA.

    • ALEXANDRE E SUAS CONTRADIÇÕES HERÉTICAS!
      NUNCA VI TANTA BURRICE ALIADA A UMA PESSOA SEM NOÇÃO DO QUE FALA

    • Alexandre, armado com o “pai dos burros” (o dicionário) e com textos escolhidos e mal lidos da Sagrada Escritura. Sr. Alexandre, querendo posar de sábio profeta, dicionarista e teólogo. Com Bíblia protestante e dicionário a tiracolo.
      Em primeiro lugar, que nenhum dicionário é tratado de epistemologia, de hermenêutica ou de exegese. E saiba que qualquer estudo mais sério de sinonímia lhe dirá que não há sinônimo que seja absolutamente equivalente.
      prenda ainda, meu caro opositor, que se existem duas palavras distintas para designar algo ou uma ação, é porque cada uma delas dá um matiz diverso da coisa ou da ação designada. Se duas palavras são absolutamente idênticas, a língua tende a eliminar uma delas.

      Assim, adorar não é venerar, nem, muito menos, idolatrar. Cada uma dessas palavras tem sentidos diferentes.
      Se o seu “pai de burros” não faz essa distinção, é porque é um “Pai de burros” muito pouco sábio. E apesar de o mais famoso “pai de burros”, no Brasil, se chamar Aurélio, se o sr. compará-lo com qualquer “Pai de Burros ” estrangeiros, verá logo uma diferença… uma diferença… digamos… gigantesca (hesitei na escolha do adjetivo, e coloquei um muito vulgar, só para manter o respeito).Adorar significa reconhecer como Deus, criador de todas as coisas.
      Idolatrar, embora seu amigo Aurélio — que não mora aqui em casa — não explique isso, significa em certo sentido o oposto, pois designa a ação de adorar uma criatura em vez de adorar o Criador.
      Materialmente, a ação de adorar e a ação de idolatrar são idênticas. Formalmente são opostas.

      O senhor certamente compreende a diferença entre matéria e forma, na consideração de uma ação. Mas, para auxiliar sua recordação e compreensão, dou-lhe um exemplo didático, visto que um especialista em dicionário e em leitura enviezada da Bíblia normalmente anda tão atarefado em decorar e citar a Escritura por “centímetros” e “milímetros”, que facilmente pode ter esquecido uma coisa tão primária. Ademais, o “pai dos burros” nacionais, ou mesmo seus eqüivalentes estrangeiros, não trata disso.

      Exemplo didático:

      Um médico que opera o coração de um doente e um assassino, materialmente, agem de da mesma forma: abrem o peito de um ser humano com instrumento perfurador e cortante (bisturi ou punhal). Entretanto, formalmente suas ações são opostas, pois um tem por fim curar o homem de quem abriu o peito — (É o médico, entendeu, seu Alexandre? ) — enquanto o outro visa tirar a vida de quem abriu o peito com o punhal. (É o assassino, está claro, seu Alexandre?).

      Assim quem adora a Deus e quem adora o ídolo materialmente fazem as mesmas coisas, que formalmente são opostas. Por isso é que existem as palavras adorar e idolatrar.

      O pobre Aurélio diz que adorar, venerar, idolatrar, amar extremamente são sinônimos. O senhor é que me garante isso. E quem o seguisse, e seguisse seu modo enviezado de ler, seu, concluiria que, quando alguém diz: “Eu adoro chocolate”, estaria considerando que chocolate é o Criador do céu e da terra. E quando o senhor mesmo dissesse: “Amo extremamente meus filhos”, estaria — na opinião do Aurélio — cometendo ato de idolatria, já que para ele, e para o senhor, amar extremamente é o mesmo que adorar.

      Que besteira, não é?

      O senhor vê para que atoleiro o conduziu o “pai dos burros”?

      Quer um conselho? Seja “órfão”. Pelo menos quando discutir religião ou filosofia, não se baseie em dicionários populares; seja “órfão”, repito.

      Alexandre, conhece Camões?Lembra-se do que ele escreveu?

      “Pois até entre os portugueses
      traidores houve algumas vezes”.

      Esperando tê-lo agradecido, e desejando-lhe a luz da Fé verdadeira, despeço-me,
      in Corde Jesu et Mariae, semper.

      Eduardo Ferreira.

    • Alexandre, armado com o “pai dos burros” (o dicionário) e com textos escolhidos e mal lidos da Sagrada Escritura. Sr. Alexandre, querendo posar de sábio profeta, dicionarista e teólogo. Com Bíblia protestante e dicionário a tiracolo.
      Em primeiro lugar, que nenhum dicionário é tratado de epistemologia, de hermenêutica ou de exegese. E saiba que qualquer estudo mais sério de sinonímia lhe dirá que não há sinônimo que seja absolutamente equivalente.
      prenda ainda, meu caro opositor, que se existem duas palavras distintas para designar algo ou uma ação, é porque cada uma delas dá um matiz diverso da coisa ou da ação designada. Se duas palavras são absolutamente idênticas, a língua tende a eliminar uma delas.

      Assim, adorar não é venerar, nem, muito menos, idolatrar. Cada uma dessas palavras tem sentidos diferentes.
      Se o seu “pai de burros” não faz essa distinção, é porque é um “Pai de burros” muito pouco sábio. E apesar de o mais famoso “pai de burros”, no Brasil, se chamar Aurélio, se o sr. compará-lo com qualquer “Pai de Burros ” estrangeiros, verá logo uma diferença… uma diferença… digamos… gigantesca (hesitei na escolha do adjetivo, e coloquei um muito vulgar, só para manter o respeito).Adorar significa reconhecer como Deus, criador de todas as coisas.
      Idolatrar, embora seu amigo Aurélio — que não mora aqui em casa — não explique isso, significa em certo sentido o oposto, pois designa a ação de adorar uma criatura em vez de adorar o Criador.
      Materialmente, a ação de adorar e a ação de idolatrar são idênticas. Formalmente são opostas.

      O senhor certamente compreende a diferença entre matéria e forma, na consideração de uma ação. Mas, para auxiliar sua recordação e compreensão, dou-lhe um exemplo didático, visto que um especialista em dicionário e em leitura enviezada da Bíblia normalmente anda tão atarefado em decorar e citar a Escritura por “centímetros” e “milímetros”, que facilmente pode ter esquecido uma coisa tão primária. Ademais, o “pai dos burros” nacionais, ou mesmo seus eqüivalentes estrangeiros, não trata disso.

      Exemplo didático:

      Um médico que opera o coração de um doente e um assassino, materialmente, agem de da mesma forma: abrem o peito de um ser humano com instrumento perfurador e cortante (bisturi ou punhal). Entretanto, formalmente suas ações são opostas, pois um tem por fim curar o homem de quem abriu o peito — (É o médico, entendeu, seu Alexandre? ) — enquanto o outro visa tirar a vida de quem abriu o peito com o punhal. (É o assassino, está claro, seu Alexandre?).

      Assim quem adora a Deus e quem adora o ídolo materialmente fazem as mesmas coisas, que formalmente são opostas. Por isso é que existem as palavras adorar e idolatrar.

      O pobre Aurélio diz que adorar, venerar, idolatrar, amar extremamente são sinônimos. O senhor é que me garante isso. E quem o seguisse, e seguisse seu modo enviezado de ler, seu, concluiria que, quando alguém diz: “Eu adoro chocolate”, estaria considerando que chocolate é o Criador do céu e da terra. E quando o senhor mesmo dissesse: “Amo extremamente meus filhos”, estaria — na opinião do Aurélio — cometendo ato de idolatria, já que para ele, e para o senhor, amar extremamente é o mesmo que adorar.

      Que besteira, não é?

      O senhor vê para que atoleiro o conduziu o “pai dos burros”?

      Quer um conselho? Seja “órfão”. Pelo menos quando discutir religião ou filosofia, não se baseie em dicionários populares; seja “órfão”, repito.

      Alexandre, conhece Camões?Lembra-se do que ele escreveu?

      “Pois até entre os portugueses
      traidores houve algumas vezes”.

      Esperando tê-lo agradecido, e desejando-lhe a luz da Fé verdadeira, despeço-me,
      in Corde Jesu et Mariae, semper.

      Eduardo Ferreira.

    • Meu irmão Felipe conheça o que é infalibilidade papal: o Papa é infalível? Quando? Como?

      Entenda que a doutrina da infalibilidade do Papa foi definida no 4º capítulo da 4ª sessão do Concílio Vaticano I (1869 – 1870), durante o pontificado de Pio IX. Ouvimos, porém, muitos questionamentos a esse respeito, de pessoas que pensam que os católicos acreditam que o Papa seja isento de qualquer erro ou pecado, sendo ele um homem falho e imperfeito. Alguns polemizam a respeito dessa questão por puro desconhecimento da doutrina (talvez alguma preguiça de aprender?), mas me parece que a maioria o faz por má fé. Por ser uma tema muito importante, é necessário que os católicos entendam definitivamente este assunto, para que possam também elucidar a outros quando tiverem oportunidade.

      Em primeiro lugar, a doutrina da infalibilidade não, NÃO diz que o Sumo Pontífice é um homem perfeito, que nunca erra e não peca, por ser Papa. O que a doutrina da infalibilidade do Papa afirma é que o Papa é infalível quando fala nas condições “Ex Cathedra”.

      O que significa isto? Ex Cathedra (do latim) quer dizer, literalmente, “da Cadeira” ou “do Trono”. Quer dizer que o Papa é infalível quando se pronuncia a partir do Trono de Pedro, como Sumo Pontífice, isto é, como líder e condutor de toda a Igreja, nas seguintes condições:

      1) Quando se pronuncia como sucessor de Pedro, usando o poder das Chaves concedidas ao Apóstolo pelo próprio Cristo (Mt 16, 19);

      2) Quando o objeto do seu ensinamento é a moral, fé ou os costumes;

      3) Quando ensina à Igreja inteira;

      4) Quando é manifesta a intenção de dar decisão dogmáticae não simples advertência, declarando anátema que se ensine tese oposta.

      Em resumo, o Papa é infalível quando se dirige, como Papa e sucessor do Apóstolo Pedro, que ele é, a toda a Igreja; quando o objeto de seu pronunciamento é a moral, a fé e/ou os costumes; e quando define que dará uma decisão dogmática.

      Em outras palavras, o Papa é passível de falhas fora das condições descritas acima. Fica esclarecido, portanto, que nós, católicos, não cremos que o Papa é um ser humano perfeito, que nunca erra nem peca. Mesmo assim, alguns continuam achando absurdo pensar que o Papa é infalível quando instrui a Igreja a respeito de doutrina. O que você acha disso?

      Se somos cristãos, não, isso não é nenhum absurdo, pelo contrário. Para quem tem fé, absurdo seria pensar que o Papa, sucessor de Pedro e pastor maior da Igreja, aquele que comanda toda uma imensa nação de fiéis que constituem o Corpo Místico de Cristo no mundo, fosse falho enquanto líder, pois nesse caso seria totalmente incapaz de assumir a missão de orientar e conduzir a Igreja!

      Se o líder máximo da cristandade não fosse infalível enquanto condutor da Igreja, não poderíamos crer em Igreja, nem nos Evangelhos, nem mesmo em Jesus Cristo, que prometeu que estaria com a sua Igreja até o fim do mundo. – A infalibilidade é lógica, óbvia e consta explicitamente nas Sagradas Escrituras:

      “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.” (Jesus Cristo à sua Igreja, no Evangelho segundo S. Mateus, 28, 19-20)

      Nosso Senhor afirma aos Apóstolos que estará com a Igreja até o fim do mundo. Isto demonstra que os Apóstolos, e não só os primeiros, mas também os seus sucessores, escolhidos pelos próprios Apóstolos (como vemos no livro de Atos), estão ainda hoje conduzindo a humanidade sob a Assistência do Espírito Santo e de Nosso Senhor Jesus Cristo, que garantiu a infalibilidade da doutrina dos Apóstolos:

      “Eu vos mandarei o Prometido de meu Pai; permanecei até que sejais revestidos da Força do Alto.” (Lc 24, 49)

      “O Espírito da Verdade o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conheceis, porque permanecerá convosco e estará em vós.” – “O Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á todas as coisas e vos recordará tudo que vos tenho dito.” (Jo 14, 17.26)

      Note a afirmação: “O Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece…” – Isto é, cabe aos Apóstolos ensinar a doutrina verdadeira e autenticamente inspirada por Deus. – Então, não basta cada um ler a Bíblia, é preciso seguir a orientação da Igreja, que por sua vez é guiada pelo Papa, sob a Luz do Santo Espírito.

      Jesus Cristo enviou seus Apóstolos a propagar à toda a humanidade o Caminho até o Pai. Portanto, se cremos em Jesus Cristo e nos Evangelhos, temos que crer também que os Apóstolos são infalíveis em seus ensinamentos, pois Cristo mesmo afirmou categoricamente que estaria com eles até o fim do mundo, para que cumprissem a missão de levar o Evangelho “até os confins do mundo”: “Descerá sobre vós o Espírito Santo, e vos dará o poder; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia, Samaria e até os confins do mundo” (At 1, 8).

      A própria entrega das Chaves do Reino dos Céus a Pedro, com a promessa de que o Inferno não prevaleceria sobre a Igreja, juntamente com o poder dado a ele, Pedro, diretamente por Jesus Cristo: “O que ligares na Terra será ligado nos Céus, e o que desligares na Terra será desligado nos Céus” (Mt 16, 18-19), é a afirmação clara, direta e inquestionável da infalibilidade daquele que comanda a Igreja. Pois, se Nosso Senhor disse aos Apóstolos que deveriam ensinar o Evangelho à humanidade e que estaria com eles até o fim do mundo, então, pela Providência Divina, esta Igreja não poderia ensinar senão a verdadeira Doutrina, o Caminho certo até o Pai. A confirmação definitiva consta em Lucas 22, 31, quando o Senhor Jesus Cristo fala a Simão Pedro:

      “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como o trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua confiança não desfaleça; e tu, por sua vez, confirma os teus irmãos.”

      Não há dúvida quanto a autoridade e infalibilidade da Igreja de Jesus Cristo enquanto “Coluna e Fundamento da Verdade” e “Casa do Deus Vivo” (1Tm 3,15) na Terra. – Sabemos bem que Padres, Bispos e Papas estão sujeitos ao pecado, como qualquer ser humano. Porém, se cremos em Cristo e na Bíblia Sagrada, devemos crer que o Papa, enquanto condutor máximo da Igreja no mundo, é infalível quando guia a Igreja; nessa função, ele faz uso das Chaves que foram entregues por Cristo a S. Pedro: ele não é infalível por si mesmo, mas é assistido pelo Espírito Santo.

      Porém, como a criatividade humana não tem limites, os inimigos da Igreja nunca deixam de tentar contestar até mesmo as verdades mais simples da Teologia. Desesperados em sua tentativa de negar o óbvio, apelam para todo tipo de insanidade: já ouvimos dizer até que Pedro teria perdido a sua autoridade ao ter negado Nosso Senhor por três vezes(!). O mais curioso é que as pessoas que inventam esses desvarios são aquelas que se colocam como conhecedoras das Sagradas Escrituras! Incrível que nunca tenham lido aquilo que Jesus Cristo mesmo diz a Pedro no Evangelho segundo João, depois da crucificação e da negação de Pedro:

      “Após a ceia, Jesus perguntou a Simão Pedro: ‘Simão, filho de João, amas-me mais do que estes?’ Respondeu ele: ‘Sim, Senhor, tu sabes que te amo.’ Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta os meus cordeiros.’ Perguntou-lhe outra vez: ‘Simão, filho de João, amas-me?’ Respondeu-lhe Pedro: ‘Sim, Senhor, tu sabes que te amo.’ Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta os meus cordeiros.’ Perguntou-lhe pela terceira pela vez: ‘Simão, filho de João, amas-me?’ Pedro entristeceu-se por que o Senhor perguntou pela terceira vez: ‘Amas-me?’, e respondeu-lhe: ‘Senhor, sabes tudo, e sabes que te amo.’ Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta as minhas ovelhas.'” (João 21, 15-17)

      Jesus Cristo, Deus, sabe tudo. Por certo sabia das contestações que surgiriam, no correr da história, a respeito da autoridade e da infalibilidade do Papa. Por isso, fez questão de repetir por três vezes que estava entregando a Ele, Pedro, a missão de cuidar do seu rebanho, a Igreja, neste mundo.

      Não. O Papa não é infalível enquanto homem. Trata-se de um ser humano que dedicou e consagrou toda a sua vida, – literalmente toda a sua vida, – ao serviço de Deus e da Igreja. Mesmo assim, isso não significa necessariamente ser santo, pois, como foi visto, até mesmo S. Pedro, que conviveu diretamente com o Senhor e foi o primeiro líder da Igreja (embora não fosse chamado ‘Papa’ naquela época, ele sem dúvida o era), era falho e pecou ao negá-lo. Até mesmo após a Ascensão do Senhor ao Céu, Pedro, que sempre manteve o seu livre arbítrio, parece ter se equivocado em questões teológicas, sendo que foi repreendido por Paulo, outro Pilar da Igreja e grande Apóstolo.

      Sim, o Papa é infalível em suas funções como autoridade instituída diretamente por Nosso Senhor Jesus Cristo. A ele foram concedidas as Chaves do Reino de Deus, para instruir o Povo de Deus neste mundo, à frente da santa Igreja. Ele foi canonizado e morreu martirizado pelos romanos.

      A única ocasião em que Deus interfere no livre-arbítrio dos Apóstolos é quando estes cumprem a missão de doutrinar as “ovelhas” de Deus, pois os seres humanos não têm condições de comunicar Deus através da sua própria ciência ou por seus próprios méritos. Assim, o fiel comum não é capaz, através de elucubrações, estudos e debates com outras pessoas, de definir um ensinamento isento de erro; mesmo os grandes teólogos não possuem essa capacidade: suas conclusões somente são aceitas quando colocadas sobe apreciação do Magistério da santa Igreja, centrada na figura do Papa.

  8. Helen,

    Porque apagaste alguns posts meus? É por receio que algum católico idólatra leia e possa refletir com isso?
    Ótimo, atingi meu objetivo, divulgar o evangelho tal qual ele é e causar o seu medo de que alguém possa ler e mudar de opinião.

    Se não fosse isso jamais teria apagado, sei que apagará este também, mas só em ficar claro que minhas opiniões não são em vão e a amedontram de forma que impede que as sejam publicadas já estás a confessar suas dúvidas e o temor em que possam demover os idólatras irmãos seus, cegos, deboxados, rancorosos e com educação chula, não todos mas boa parte dos frequentadorea deste blog.

    Sempre desejei respeito e ainda o faço pois minha educação transcende alguns de seus amigos aqui, que inclusive são alvos de seu elogio….é triste, mas cada cego que caia em seu buraco, aliás pergunte ao Ratzinger o diâmetro deste buracão, e deixe de se irar por uma causa satânica Sra. Helen, Jesus está próximo e desta forma a Sra. e seus compadres ficarão fora da festa, ok?

    Que Deus a abençoe e lhe mostre a verdadeira luz.

    • Gilmar,

      Nunca apaguei comentários seus ou de quem quer que seja! Quando não quero publicar algo – seja porque é ofensivo ou porque não é pertinente à discussão – faço isso no momento que o comentário é enviado, NUNCA depois de publicá-lo.
      .

      Pax Domini,

    • GILMAR MENESES E SUAS PIADAS
      VOCÊ É UM PODRE ALFABETO

      VOCÊ VIM DIZER QUE A HELEN APAGOU SEUS COMENTÁRIOS
      ACORDA E SE MANCA

      QUE DEUS TI ABENÇOE E TI DÊ MUITA LUZ
      E ENTENDIMENTO
      POIS VOCÊ TA PRECISANDO

      VOCÊ E O TIAGO É UMA PIADA

      DOIS ANALFABETOS LEIGOS QUE NÃO CONHECE PATRÍSTICA
      E O OUTRO PARA TENTAR JUSTIFICAR SUAS BLASFÊMIAS TEM
      COM VERSÍCULO ISOLADO ONDE PENSA QUE A SOLA SCRIPTURA ESTÁ NA BÍBLIA

      ACORDAM PARA VIDA CAMBADA DE HEREGE.

      • Edmilson,

        Piada faz quem proporciona risos, gargalhadas, correto?

        Quem me chama de analfabeto mas escreve:
        “vou TI dizer”, “vou TI mostrar” isso sim é engraçado, portanto só pode ser piada, volte para a escola e depois quem sabe possa falar com propriedade sobre analfabetismo, no momento voce tem se mostrado o maior analfabeto por aqui, e já tinha reparado nisso faz muito tempo, aliás qualquer um que lê seus posts percebe isso.

        Só estou fazendo o comentário pois você traz à tona algo que não domina acusando os outros de ser o que VOCÊ na verdade é.

        A sua falta de noção neste quesito aponta a sua fragilidade em perceber seus próprios erros, sendo assim, isto vem a colaborar em entendermos que, sua visão sobre ensinos católicos pode estar tão distorcida quanto sua percepção sobre o que é uma pessoa analfabeta, pois você em sendo um exemplo clássico de analfabetismo tem a petulância de chamar os outros disso, logo fica visto a olhos nus que você percebe o mundo que lhe cerca de forma míope, desrrespeitosa, arrogante e deboxada….E pede para que eu me manque? ah…fala sério, volte para o ensino médio para depois dar pitacos sobre o “analfabetismo” dos outros, “TI” dizer, “TI” mostrar..Dizer que sou podre? Podre é a tua cultura, tua educação.
        Todas as palavras que usei aqui já foram usadas por você e seus posts não foram retirados, aliás muitas palavras torpes que estão aí em seus “belos” comentários, são excelentes fontes para provar o que digo sobre o seu analfabetismo e sua horrível educação com os outros debatedores.

        Continue a exalar seu ódio através de seus xingamentos, isso só faz mal à você mesmo, e se tiver um pouco de bom senso não chame mais ninguém de analfabeto, fica no mínimo ridículo e você só queima o filme.

        Mas que é engraçado não se pode negar, e se tem graça é porque me faz rir.

        Então quem é o VERDADEIRO PIADISTA?

    • ALEXANDRE LEIA ISSO A APOLOGIA de S. João Damasceno CONTRA
      os que condenam imagens sagradas.

      PARTE I

      Com a convicção sempre presente da minha própria indignidade, eu deveria ter mantido silêncio e confessou minhas falhas diante de Deus, mas todas as coisas são boas no momento certo. Eu vejo a Igreja que Deus fundada sobre os Apóstolos e dos Profetas, a sua pedra de esquina sendo Cristo, Seu Filho, jogou em um mar revolto, batido pelas ondas correndo, agitado e preocupado com os ataques de espíritos malignos. Vejo rendas na túnica inconsútil de Cristo, que os ímpios têm procurado separamos, e seu corpo cortado em pedaços, isto é, a palavra de Deus ea tradição antiga da Igreja. Portanto, tenho julgado que não é razoável manter o silêncio e para segurar minha língua, tendo em mente a advertência Escritura: – “Se tu retiras-te, minha alma não se deleitarão em ti”, (Hb 10,38) e “Se vires [ 2] que vem a espada e não avisar dost teu irmão, vou exigir o seu sangue da tua mão. ” (. Cf. Ez 33,8) medo, então, obrigou-me a falar, a verdade era mais forte do que a majestade dos reis. “Eu prestou testemunho a Ti perante os reis,” Eu ouvi o real * David dizendo, “e eu não tinha vergonha.” (Sl 119,46) Não, eu era o mais incitado a falar. Comando do rei é todo poderoso sobre seus súditos. Para alguns homens foram até agora encontrados, que, embora reconhecendo o poder do rei terreno que vir de cima, têm resistido a suas exigências ilegais.

      Em primeiro lugar, agarrando-se como uma espécie de pilar, ou fundação, o ensinamento da Igreja, que é a nossa salvação, eu abri o seu significado, dando, por assim dizer, as rédeas a um carregador bem ajaezados. † Para eu olhar para ela como uma grande calamidade que a Igreja, adornada com seus grandes privilégios e os mais sagrados exemplos de santos no passado, deve voltar para os primeiros rudimentos, e do medo, onde não há medo. É desastroso para supor que a Igreja não conhece a Deus como Ele é, que ela se degenera em idolatria, pois se ela declina da perfeição [3] em um único iota, é como uma marca duradoura em um rosto formoso, destruindo por sua unsightliness a beleza do todo. Uma coisa pequena não é pequeno quando se leva a algo grande, nem mesmo é uma coisa, não importa de dar-se a antiga tradição da Igreja realizada pelos nossos antepassados, cuja conduta devemos observar, e cuja fé devemos imitar.

      Em primeiro lugar, então, antes de falar com você, eu peço Deus Todo-Poderoso, a quem todas as coisas estão abertos, quem sabe minha pequena capacidade e minha intenção genuína, para abençoar as palavras da minha boca, e para permitir-me refrear minha mente e não dirigi-lo a Ele, para andar em Sua presença diretamente, recusando-se a uma mão plausível direita, nem saber a esquerda. Então, peço a todos o povo de Deus, os escolhidos do Seu sacerdócio real, com o pastor do rebanho santo ortodoxo de Cristo, que representa em sua própria pessoa sacerdócio de Cristo, para receber meu tratado com gentileza. Eles não devem habitar em minha indignidade, nem procurar para a eloqüência, porque eu sou apenas muito consciente dos meus defeitos. Eles devem considerar os próprios pensamentos. O reino dos céus não consiste em palavras, mas em atos. Conquista não é meu objetivo. I [4] levantar a mão que está lutando pela verdade – uma mão disposta sob a orientação divina. Baseando-se, então, sobre a verdade substancial, como meu auxiliar, eu vou entrar no meu assunto.

      Tomei atenção às palavras da Verdade Ele mesmo: – “O Senhor teu Deus é um só.” (Dt 6,4) e “medo Tu o Senhor, teu Deus, e só a ele servirás, e não terás estranho, deuses”. (Dt 6,13) Mais uma vez, “Não farás para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, ou embaixo na terra” (Ex 20,4), e “Sejam confundidos todos os que adoram coisas de escultura. ” (Sl 97,7) Mais uma vez, “Os deuses que não fizeram os céus ea terra, deixá-los perecer.” (Jr 10,11) Desta forma falou Deus antigamente aos patriarcas através dos profetas e, finalmente, através de Seu Filho unigênito, por conta do qual Ele fez as idades. Ele diz: “Esta é a vida eterna, que te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, ea Jesus Cristo, a quem enviaste.” (Jo 17,3) Eu acredito em um Deus, a fonte de todas as coisas, sem começo, incriada, imortal, eterno, incompreensível, incorpóreo, invisível, incircunscrito * sem forma. Eu acredito em um supersubstancial [5] ser, uma divindade divina em três entidades: o Pai, o Filho, eo Espírito Santo, e eu adoro-o sozinho com o culto de latreia. Eu adoro um Deus, um Deus, mas três pessoas, Deus Pai, Deus Filho se fez carne, e Deus o Espírito Santo, um só Deus. Eu não adoro criação mais do que o Criador, mas eu adoro a criatura criada como eu sou, adotando criação livre e espontânea que pudesse elevar nossa natureza e nos fazer participantes de Sua natureza divina. Juntamente com o meu Senhor e Rei Eu adorá-lo vestido com a carne, e não como se fosse uma peça de roupa ou Ele constituiu uma quarta pessoa da Trindade – Deus me livre. Que a carne é divino, e perdura após a sua suposição. A natureza humana não se perdeu no Supremo, mas apenas como o Verbo feito carne permaneceu a Palavra, então a carne se tornou a Palavra carne restante, tornando-se, ao invés, um com a Palavra através da união ( kaq upostasin ). Por isso atrevo-me a desenhar uma imagem do Deus invisível, não como invisível, mas como tendo se tornado visível por nós através de carne e sangue. Eu não desenhar uma imagem da divindade imortal. Eu pinto a carne visível de Deus, pois é impossível representar [6] um espírito ( yuch ), quanto mais Deus, que dá fôlego para o espírito.

      Agora adversários dizem: Deus ordena a Moisés o legislador foram: “Tu adoro te adorar o Senhor, teu Deus, e só tu, e tu não fazer para ti uma coisa de escultura, que está nos céus acima, ou na terra abaixo “.

      Eles erram verdadeiramente, não conhecendo as Escrituras, porque a letra mata, enquanto o espírito vivifica – não encontrar na carta o significado oculto. Eu poderia dizer a essas pessoas, com justiça, Ele quem te ensinou isso ensinar-lhe o seguinte. Ouça a interpretação do legislador em Deuteronômio: “E o Senhor falou com você a partir do meio do fogo Você ouviu a voz de suas palavras, mas você não viu qualquer forma em tudo.”. (Dt 4,12) E logo depois: “Manter as vossas almas com cuidado Você não viu qualquer semelhança no dia em que o Senhor Deus lhe falou em Horebe, do meio do fogo, talvez com medo de ser enganado você pode fazer de você uma similitude de escultura. , ou a imagem de macho e fêmea, à semelhança de quaisquer animais que estão sobre a terra, ou de aves que voam debaixo do céu. ” (Dt 4,15-17) E ainda: “Para que, talvez, levantando-se os teus olhos para [7] céu, tu ver o sol ea lua, e todas as estrelas do céu, e sendo enganados por erro tu adorar e servir-lhes . ” (Dt 4,19)

      Você vê uma coisa a ser destinado a não é adorar uma coisa criada mais do que o Criador, nem para dar o culto de latreia exceto para ele sozinho. Pela adoração, conseqüentemente, Ele sempre entende o culto de latreia. Para, mais uma vez, Ele diz: “Não terás outros deuses além de mim Tu não deverás fazer para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma Tu não adorá-los, e tu não atendê-los, pois eu sou o Senhor.. teu Deus. ” (Dt 5,7-9) E novamente, “derrubar os seus altares, e quebrar suas estátuas; seus bosques queimareis a fogo, e quebrar os seus ídolos em peças para não te adorar um deus estranho.”. (Dt 12,3) E um pouco mais adiante: “Não farás para ti deuses de metal.” (Ex. 34,17)

      Você vê que Ele proíbe imagem de decisões sobre a conta de idolatria, e que é impossível fazer uma imagem do infinito, Deus, incircunscrito invisível. Você não viu a semelhança daquele, diz a Escritura, e este foi o testemunho de São Paulo, enquanto ele estava no meio do Areópago: “Sendo, portanto, [8], a geração de Deus, não devemos supor que a divindade se semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, o graving de arte e imaginação do homem. ” (Atos 17,29)

      Essas liminares foram dadas aos judeus por causa de sua propensão à idolatria. Agora nós, pelo contrário, não estão mais em cadeias líderes. Falando teologicamente, é dado a nós para evitar o erro supersticioso, para estar com Deus no conhecimento da verdade, para adorar a Deus sozinho, para desfrutar a plenitude do Seu conhecimento. Nós passamos a fase da infância, e alcançou a perfeição da masculinidade. Nós recebemos o nosso hábito de espírito de Deus, e sabe o que pode ser trabalhada e que não pode. A Escritura diz: “Você não viu a semelhança daquele.” (Ex. 33,20) Que sabedoria no legislador. Como descrever o invisível? Como imaginar o inconcebível? Como dar expressão para o ilimitado, o imensurável, o invisível? Como dar uma forma a imensidão? Como a imortalidade pintura? Como localizar mistério? É claro que quando você contempla a Deus, que é um espírito puro, tornando-se o homem para o seu bem, você será capaz de vesti-lo com a forma humana. Quando o Invisível se torna visível à carne, então você pode desenhar uma semelhança da sua forma [9]. Quando Ele, que é um espírito puro, sem forma e sem limite, imensurável na imensidão de sua própria natureza, existindo como Deus, toma para si a forma de servo em substância e em estatura, e um corpo de carne, então você pode desenhar Sua semelhança, e mostrá-lo para alguém disposto a contemplá-lo. Retratar Sua condescendência inefável, Seu nascimento virginal, Seu batismo no Jordão, sua transfiguração no Tabor, seus todo-poderosos sofrimentos, sua morte e milagres, as provas de sua divindade, as obras que ele trabalhou na carne através do poder divino, Sua Cruz salvadora, Seu Sepulcro, e ressurreição, e ascensão ao céu. Dê a ele toda a paciência de gravura e de cor. Não tenho medo ou ansiedade; adoração não é tudo do mesmo tipo. Abraão adorava os filhos de Emmor, homens ímpios na ignorância de Deus, quando ele comprou a caverna de casal para um túmulo. (Gn 23,7; Atos 7.16) Jacob adorou seu irmão Esaú e Faraó, o egípcio, mas no ponto de sua equipe. * (Gn 33,3) Ele adorou, ele não adorar. Josué e Daniel adoravam um anjo de Deus; (Jos 5,14) eles não o adoram. O culto de latreia é uma coisa, ea adoração que é dada para merecer [10] outro. Agora, como estamos falando de imagens e de adoração, vamos analisar o significado exato de cada um. Uma imagem é uma semelhança da original com uma certa diferença, pois não é uma reprodução exata do original. Assim, o Filho é a vida, Imagem, substancial imutável do Deus invisível (Cl 1,15), tendo em si mesmo o Pai todo, sendo em tudo igual a ele, diferindo apenas em ser gerado pelo Pai, que é o Criador , o Filho é gerado. O Pai não procede do Filho, mas o Filho do Pai. É por meio do Filho, embora não depois dele, que Ele é o que é, o Pai que gera. Em Deus, também, há representações e imagens de seus atos futuros,-isto é, o Seu conselho desde toda a eternidade, que é sempre imutável. O que é divino é imutável, não há mudança nele, nem sombra de mudança. (Tiago 1.17) Bendito Denis, (o cartuxo [isto é, Pseudo-Dionísio]), que tornou as coisas divinas na presença de Deus seu estudo, diz que essas representações e imagens são marcadas com antecedência. Nos Seus conselhos, Deus observou e se estabeleceram tudo o que Ele faria, os eventos futuros imutáveis ​​antes de se passar. Da mesma forma, um homem que desejava [11] construir uma casa que primeiro fazer e pensar em um plano. Mais uma vez, as coisas visíveis são imagens das coisas invisíveis e intangíveis, em que eles lançam uma luz fraca. Roupas Sagrada Escritura em figura de Deus e dos anjos, e que o mesmo homem santo (Bendito Denis) explica o porquê. Quando as coisas sensatas suficientemente tornar o que é além do senso, e dar uma forma ao que é intangível, um meio imperfeito seria contada de acordo com o nosso padrão, se não representa totalmente a visão material, ou se exigiu um esforço da mente. Se, portanto, a Sagrada Escritura, que prevê a nossa necessidade, nunca colocar diante de nós o que é intangível, roupas em carne, não é fazer uma imagem do que é investido, assim, com a nossa natureza, e trouxe para o nível de nossos desejos, mas invisível? Uma certa concepção através dos sentidos, assim, ocorre no cérebro, que não estava presente anteriormente, e é transmitido para a faculdade judicial, e adicionado ao armazenamento mental. Gregory, que é tão eloquente sobre Deus, diz que a mente, que é definido em cima ir além coisas corpóreas, é incapaz de fazê-lo. Porque os atributos invisíveis de Deus, desde a criação do mundo se tornam visíveis por meio de imagens. (Rm 1.20) Vemos imagens em [12] criação, que nos lembram vagamente de Deus, como quando, por exemplo, falamos da Santíssima Trindade e adorável, imaginada pelo sol, ou luz, ou raios ardentes, ou por um execução fonte, ou um rio cheio, ou pela mente, fala, ou o espírito dentro de nós, ou por uma árvore rosa, ou uma flor brotando, ou uma fragrância doce.

      Mais uma vez, uma imagem é expressiva de algo no futuro, misticamente sombreamento adiante o que está para acontecer. Por exemplo, a arca representa a imagem de Nossa Senhora, Mãe de Deus, * o mesmo acontece com o pessoal eo pote de barro. A serpente traz diante de nós Aquele que na Cruz venceu a picada da serpente original, o mar, a água, ea nuvem a graça do batismo. (I Coríntios. 10.1)

      Mais uma vez, as coisas que aconteceram são expressos por imagens para a memória ou de um milagre, ou uma honra, ou desonra, ou bem ou mal, para ajudar aqueles que olham para ele depois de tempos que podem evitar males e imitar a bondade. É de dois tipos, a imagem escrito nos livros, como quando Deus tinha o direito inscrito em comprimidos, e quando ele ordenou que as vidas de homens santos devem ser registradas e memoriais sensatas ser preservado em [13] lembrança, como, por exemplo, , a jarra de barro e os funcionários na arca. (Ex. 34,28;. Heb 9,4) Então, agora nós preservar, por escrito, as imagens e as boas ações do passado. Ou, então, tirar fotos e ser completamente fora de sintonia com Deus, que fez estes regulamentos, ou recebê-los com a língua e da maneira que convém a eles. Ao falar da maneira vamos entrar na questão da adoração.

      A adoração é o símbolo de veneração e de honra. Vamos entender que existem diferentes graus de adoração. Primeiro de tudo o culto de latreia, que vamos mostrar a Deus, o único que, por natureza, é digno de adoração. Quando, por causa de Deus, que é de adoração pela natureza, honra que os Seus santos e servos, como Josué e Daniel adoravam um anjo, e David Seus lugares sagrados, quando diz: “Vamos para o lugar onde seus pés têm resistido . ” (Sl 132,7) novamente, em sua tendas, como quando todos os filhos de Israel adorava na tenda, e de pé em volta do templo em Jerusalém, fixando o seu olhar sobre ela de todos os lados e adorando a partir desse dia até hoje, ou em os governantes estabelecido por ele, como Jacob prestou homenagem a Esaú, seu irmão mais velho, (Gn 33,3) e para Faraó, o [14] governante divinamente estabelecido. (Gn 47,7) Joseph era adorado por seus irmãos. (Gn 50,18) Estou ciente de que a adoração foi baseado em honra, como no caso de Abraão e os filhos de Emmor. (Gn 23,7) Ou, então, acabar com a adoração, ou recebê-lo totalmente de acordo com a sua medida apropriada.

      Responda-me esta pergunta. Há um só Deus? Você responde: “Sim, há apenas um Legislador.” Por que, então, ele comandar coisas contrárias? Os querubins não estão fora da criação, por que, então, ele permite querubins esculpidos pela mão do homem para ofuscar a misericórdia scat-? Não é evidente que, como é impossível fazer uma imagem de Deus, que é incircunscrito e impassível, ou de um gosto de Deus, a criação não deve ser adorado como Deus. Ele permite que a imagem dos querubins que estão circunscritos, e prostrado em adoração diante do trono divino, a ser feita, e, assim, prostrado a ofuscar o propiciatório. Convinha que a imagem dos coros celestiais deve ofuscar os mistérios divinos. Você diria que a arca e pessoal e propiciatório não foram feitas? São [15] não produziram pela mão do homem? Não são devido ao que vocês chamam de matéria desprezível? Qual foi o próprio tabernáculo? Não foi uma imagem? Não foi um tipo e uma figura? Daí as palavras do Apóstolo Santo sobre as observâncias da lei: “Quem vos servir de exemplo e sombra, de coisas celestiais”. Como foi respondido a Moisés, quando ele estava para terminar o tabernáculo: “Veja” (Ele diz), “que faças todas as coisas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte.” (Hb 8,5;. Ex 25,40) Mas a lei não era uma imagem. É envolta da imagem. Nas palavras do mesmo Apóstolo, “a lei contém a sombra dos bens para vir, não a imagem dessas coisas.” (Hb 10,1) Porque, se a lei deve proibir imagens, e ainda assim ser-se um precursor de imagens, o que devemos dizer? Se o tabernáculo era uma figura, e do tipo de um tipo, por que a lei não proíbe imagem de decisões? Mas este não é, no mínimo o caso. Há um tempo para tudo. (Eclesiastes 3.1)

      De idade, Deus o incorpóreo e incircunscrito nunca foi retratado. Agora, no entanto, quando Deus é visto vestido de carne, e conversando com os homens, (Bar. 3,38) Eu faço uma imagem do Deus a quem eu vejo. Não adoro a matéria, I [16] adorar o Deus da matéria, que se tornou matéria por minha causa, e se dignou habitar a matéria, que elaboraram a minha salvação através da matéria. Eu não deixará de honrar essa matéria que trabalha a minha salvação. Venero-lo, embora não como Deus. Como Deus poderia nascer de coisas inanimadas? E se o corpo de Deus é Deus por união ( kaq upostasin ), é imutável. A natureza de Deus permanece a mesma de antes, a carne criado no tempo é vivificado por uma alma lógica e raciocínio. Eu honra toda a matéria, além disso, e venerá-lo. Através dela, preenchidos, por assim dizer, com um poder divino e graça, minha salvação veio para mim. Não foi a madeira três vezes feliz e abençoada três vezes do assunto Cruz? Não foi a montanha sagrada e santa de matéria Calvário? O que dizer da vida-dando rocha, o Santo Sepulcro, a fonte de nossa ressurreição: não foi isso importa? Não é o livro mais sagrado do assunto Evangelhos? Não é o assunto da tabela abençoada que nos dá o pão da vida? Não são o assunto de ouro e prata, dos quais cruzes e altar-plate e cálices são feitas? E, antes de todas essas coisas, não é o corpo eo sangue de nosso Senhor importa? Ou acabar com a veneração [17] e culto devido a todas estas coisas, ou submeter-se a tradição da Igreja, na adoração de imagens, honrar a Deus e Seus amigos, e seguindo essa a graça do Espírito Santo. Não despreze a matéria, pois não é desprezível. Nada é o que Deus fez. Essa é a heresia maniqueísta. Isso por si só é desprezível, que não vem de Deus, mas é a nossa própria invenção, a escolha espontânea de vontade para ignorar a lei natural, – isto é, o pecado. Se, portanto, você desonra e desistir de imagens, porque eles são produzidos pela matéria, consideram que a Escritura diz: E o Senhor falou a Moisés, dizendo: “Eis que eu tenho chamado por Beseleel nome, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá. E o enchi com o espírito de Deus, de sabedoria e de entendimento, e do conhecimento em todos os tipos de trabalho. Para conceber tudo quanto pode ser artificialmente feito de ouro e prata, e de bronze, de mármore e pedras preciosas, e variedade de madeira. e eu dei-lhe o seu companheiro, Ooliab, filho de Achisamech, da tribo de Dã. E pus sabedoria no coração de cada homem habilidoso, que pode fazer todas as coisas que te ordenei. ” (Ex. 31,1-6) [18] E ainda: “Moisés disse a toda a congregação dos filhos de Israel: Esta é a palavra que o Senhor ordenou, dizendo:. Separe com vocês primeiros frutos ao Senhor Que cada um que está disposta e tem um coração pronto, oferecê-los ao Senhor, ouro e prata, eo bronze, violeta e roxo, e escarlate duas vezes tingido, e linho fino, pêlos de cabra, e peles de carneiro morreu vermelho e violeta, peles coloridas , selim de madeira e óleo para manter as luzes e fazer pomada, e incenso mais doce, pedras de ônix, e pedras preciosas para o adorno do éfode eo Todo aquele que racional. de você é sábio, venha, e fazer o que o Senhor ordenou “. (Ex. 35,4-10) Veja aqui a glorificação da matéria que você faz inglório. O que é mais insignificante do que o cabelo de cabra ou de cores? Não são vermelho e roxo e cores jacinto? Agora, considere o trabalho manual do homem tornando-se a semelhança dos querubins. Como, então, você pode fazer a lei pretexto para desistir do que manda? Se você chamá-lo contra as imagens, você deve guardar o sábado, e praticam a circuncisão. É certo que “se você observar a lei, Cristo não vos aproveitará. Você que são justificados na lei, [19] são caído em desgraça.” (Gl 5,2-4) Israel de velho não viu Deus, mas “vemos o rosto do Senhor glória a face”. (IICor. 3.18)

      Nós proclamamos Ele também pelos nossos sentidos em todos os lados, e santificar o sentido mais nobre, que é o da visão. A imagem é um memorial, apenas o que as palavras são de um ouvido atento. O que um livro é para os alfabetizados, que uma imagem é o analfabeto. A imagem fala à vista como palavras ao ouvido, que nos traz a compreensão. Por isso, Deus ordenou a arca para ser feita de madeira incorruptível, e para ser dourado dentro e por fora, e os comprimidos para ser colocado na mesma, e os funcionários ea urna de ouro contendo o maná, para uma memória do passado e um tipo de futuro. Quem pode dizer que estes não eram imagens e muito sonantes arautos? E eles não estão pendurados nas paredes do tabernáculo, mas em vista de todas as pessoas que olhou para eles, eles foram trazidos para a frente para o culto e adoração a Deus, que fez uso deles. É evidente que eles não eram adorados por si mesmos, mas que as pessoas foram levadas por eles para lembrar os sinais do passado, e para adorar o Deus de maravilhas. Eram imagens para servir de lembranças, não divinos, mas levando a coisas divinas pelo poder divino.

      [20] E Deus ordenou 12 pedras de ser retirado do Jordão, e especificou o motivo. Pois ele diz: “Quando teu filho te perguntar o significado dessas pedras, diga a ele como a água deixou a Jordan pela ordem divina, e como a arca foi salvo e todo o povo.” (Jos 4,21-22) Como, então, não devemos gravar na imagem as dores de poupança e maravilhas de Cristo nosso Senhor, de modo que quando o meu filho me pergunta, “O que é isso?” Posso dizer, que Deus, o Verbo se fez homem, e que por causa dele não só Israel passou pela Jordânia, mas toda a raça humana ganhou sua felicidade original. Por meio dele a natureza humana surgiu das profundezas da terra mais elevados do que os céus, e na sua pessoa sentou-se no trono de Seu Pai havia preparado para ele.

      Mas o adversário diz: “Faça uma imagem de Cristo ou de sua mãe, que lhe deu ( thV qeotokou ) e deixar que seja suficiente. ” Ó que loucura é essa! Em sua própria exibição, que são absolutamente contra os santos. Porque, se você faz uma imagem de Cristo e não dos santos, é evidente que você não renegar imagens, mas a honra dos santos. Você faz estátuas de Cristo, como de fato de uma glorificado, enquanto você [21] rejeitar os santos como indigno de honra, e verdade chamada uma falsidade. “Eu vivo”, diz o Senhor , “e eu glorificarei os que me glorificará.” (I Sm 2,30). E o Apóstolo divino: portanto, agora ele não é um servo, mas filho. “E se um filho, um herdeiro também através de Deus.” (Gl 4,7) Mais uma vez, “Se sofremos com Ele, que também pode ser glorificado:” (Rm 8,17) você não está travando uma guerra contra as imagens, mas contra os santos. São João, que repousava sobre o peito, diz que “seremos semelhantes a Ele” (I Jo 3,2).: Assim como um homem pelo contato com o fogo se torna fogo, não por natureza, mas por contato e pela queima e pela participação, assim é, eu entendo, com a carne do Filho de Deus crucificado. Que a carne, por participação através da união ( kaq upostasin ) com a natureza divina, era imutável Deus, não em virtude da graça de Deus, como foi o caso de cada um dos profetas, mas pela presença do Chefe Fonte mesmo. Deus, diz a Escritura, estava na sinagoga dos deuses, (Sl 82,1) para que os santos, também, são deuses. Santo Gregório toma as palavras: “Deus está no meio dos deuses”, para significar que Ele discrimina seus vários méritos. Os santos em sua vida foram cheios do Espírito Santo, e quando eles são [22] não mais, Sua graça permanece com seus espíritos e com seus corpos em suas tumbas, e também com suas semelhanças e imagens santas, não por natureza, mas pela graça e poder divino.

      Deus ordenou David de lhe edificar um templo através de seu filho, e para preparar um lugar de descanso. Salomão, na construção do templo, fez os querubins, como o livro dos Reis diz. E ele abrangeu os querubins de ouro, e todas as paredes em um círculo, e ele tinha os querubins esculpidos, e as palmas das mãos para dentro e para fora, em um círculo, e não a partir dos lados, seja observada. E havia touros e leões e romãs. (I Rs. 6,28-29) Não é mais conveniente para decorar todas as paredes da casa do Senhor, com formas de santos e imagens, em vez de com os animais e as plantas? Onde está a lei que declara “Não farás imagem de escultura”? Mas Salomão receber o dom da sabedoria, o céu de imagem, fez os querubins e as semelhanças de touros e leões, que a lei proibia. Agora, se fizermos uma estátua de Cristo, e semelhanças dos santos, não serem cheios do Espírito Santo aumentar a piedade da nossa homenagem? Como então as pessoas eo templo foram purificados no sangue e em holocaustos, (Hb 9.13) Portanto, agora o sangue [23] de Cristo dando testemunho sob Pôncio Pilatos, (I Tm. 6.13) e sendo ele próprio o primeiro fruto da mártires, a Igreja é edificada sobre o sangue dos santos. Em seguida, os sinais e formas de animais sem vida imaginei diante do tabernáculo humano, a quem eles próprios mártires estavam se preparando para a morada de Deus.

      Nós retratar Cristo como nosso Rei e Senhor, e não privá-lo de seu exército. Os santos constituem o exército do Senhor. Deixe o rei terreno demitir seu exército antes que ele desiste de seu Rei e Senhor. Deixe-o colocar fora do roxo antes de ele tomar honra longe de seus homens mais valentes que conquistaram suas paixões. Porque, se os santos são herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, (Rm 8,17) serão também participantes da glória divina de soberania. Se os amigos de Deus ter tido uma parte nos sofrimentos de Cristo, como eles não devem receber uma parte de Sua glória, mesmo na terra? “Eu chamo você não servos,” nosso Senhor diz: “vocês são meus amigos.” (Jo 15,15) Deveríamos, então, privá-los da honra dada a eles pela Igreja? Que audácia! Que ousadia de espírito, para lutar contra Deus e seus mandamentos! Você, que se recusam a adorar imagens, não adorar o Filho de [24] Deus, a imagem viva do Deus invisível, (Col. 1,15) e Sua forma imutável. Eu adoro a imagem de Cristo como Deus encarnado, a de Nossa Senhora ( thV qeotokou ), a Mãe de todos nós, como a Mãe do Filho de Deus, que os santos como os amigos de Deus. Eles resistiram pecado até o sangue, e seguiram a Cristo em derramar seu sangue por Ele, que derramou Seu sangue por eles. Eu coloquei no registro as excelências e os sofrimentos daqueles que andaram em seus passos, para que eu me santifico, e ser demitido com o zelo de imitação. São Basílio diz: “Honrar a imagem leva para o protótipo.” Se você levantar igrejas para os santos de Deus, aumentar também seus troféus. O templo de idade não foi construída em nome de qualquer homem. A morte do justo era uma causa de lágrimas, não de festa. Um homem que tocou um cadáver era considerada impura, (Nm 19,11), mesmo se o cadáver era o próprio Moisés. Mas agora as lembranças dos santos são mantidos com regozijo. O corpo de Jacob foi chorado, enquanto há alegria sobre a morte de Stephen. Portanto, ou dar-se as comemorações solenes dos santos, que não estão de acordo com a lei antiga, ou aceitar imagens que são [25] também contra ela, como você diz. Mas é impossível não manter com alegria as memórias dos santos. Santos Apóstolos e dos Padres são unânimes em enjoining-los. Desde o momento em que Deus, o Verbo se fez carne, Ele é como nós em tudo, exceto no pecado, e de nossa natureza, sem confusão. Ele tem deificado nossa carne para sempre, e estamos deveras, santificados pela sua divindade e da união de sua carne com ele. E a partir do momento que Deus, o Filho de Deus, impassível em razão de sua divindade, escolheu sofrer voluntariamente Ele acabou com a nossa dívida, pagando também para nós um resgate mais completa e nobre. Estamos verdadeiramente livre através do sangue sagrado do Filho intercedendo por nós junto ao Pai. E estamos realmente entregues a partir de corrupção, já que Ele desceu ao inferno para as almas lá detidos através de séculos (I Ped. 3,19) e deu os cativos a sua liberdade, a vista aos cegos, (Mt 12,29) e acorrentar a mais forte. * Ele subiu na plenitude de seu poder, mantendo a carne de imortalidade que Ele tinha tomado para nós. E já que nasceu de novo da água e do Espírito, somos verdadeiramente filhos e herdeiros de Deus. Daí São Paulo chama os fiéis [26] santo; (. Coríntios 1.2), portanto, nós não lamentam, mas se alegra com a morte dos santos. Estamos, então, não mais sob a graça, (Rm 6,14), sendo justificados pela fé, (Rm 5.1) e conhecer o Deus único e verdadeiro. O homem só não é obrigado pela lei. (I. Tim. 1,9) Nós não são de propriedade da letra da lei, nem nos servir como crianças, (Gl 4,1), mas cresceu em propriedade perfeita do homem que são alimentados com alimentos sólidos, e não sobre o que conduz à idolatria. A lei é boa como uma luz que brilha em lugar escuro, até que as quebras de dia. Seus corações já foram iluminados, a água viva do conhecimento de Deus foi executado ao longo dos mares tempestuosos do paganismo, e todos nós podemos conhecer a Deus. A criação era antigo passou, e todas as coisas são renovadas. O santo Apóstolo Paulo disse a São Pedro, o chefe dos Apóstolos: * “Se você, sendo um judeu, vive como um pagão e não um judeu, como você vai convencer os pagãos a fazer como os judeus fazem” (Gl 2.14) e aos Gálatas: “Eu vou dar testemunho de cada homem circuncidado que é salutar para cumprir toda a lei.” (Gl 5,3)

      De anos eles que não conhecem a Deus, adoravam deuses falsos. Mas agora, conhecendo a Deus, ou melhor, ser conhecido por Ele, como podemos [27] retorno a rudimentos descalços e nus? (Gl 4,8-9) Tenho olhado para a forma humana de Deus e minha alma foi salva. Eu contemplo a imagem de Deus, como fez Jacó (Gn 32,30), embora de uma maneira diferente. Jacob soou a nota do futuro, vendo com vista imaterial, enquanto a imagem daquele que é visível a carne é queimada em minha alma. A folha de sombra e sinuoso e as relíquias dos apóstolos curada, a doença ea colocar demônios em fuga. (Atos 5.15) Como, então, não será a sombra e as estátuas dos santos ser glorificado? Ou acabar com a adoração de toda a matéria, ou não ser um inovador. Não perturbe os limites de séculos, colocou-se por seus pais. (Prov. 22,28)

      Não é apenas por escrito que eles nos legaram a tradição da Igreja, mas também em certos exemplos não escritas. No livro vigésimo sétimo de sua obra, em 30 capítulos dirigida a Amphilochios sobre o Espírito Santo, São Basílio diz: “No ensino acarinhados e dogmas da Igreja, temos algumas coisas por documentos escritos, outros que recebemos em mistério da tradição apostólica “. Ambos são de igual valor para o crescimento da alma. Ninguém vai disputar esta que considerou até mesmo um pouco do [28] disciplina da Igreja. Para se negligenciarmos costumes não escritos, como não ter muito peso nos enterrar no esquecimento os fatos mais relevantes relacionados com o Evangelho. Estas são as palavras do Basil Grande. Como sabemos que o lugar Santo do Calvário, ou o Santo Sepulcro? Não descansar em uma tradição passada de pai para filho? Está escrito que o nosso Senhor foi crucificado no Calvário, e enterrado em um túmulo, que Joseph cortou da rocha; (Mt 27,60), mas é tradição não escrita que identifica esses pontos, e faz mais coisas do mesmo tipo. De onde vêm os três imersões no batismo, orando com o rosto virado para o leste, e da tradição dos mistérios? * Assim diz São Paulo: “Portanto, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, quer por palavra, quer por epístola nossa. ” (II Tess. 2,15) Como, então, muito tem sido transmitida na Igreja, e é observada até os dias de hoje, por denegrir imagens?

      Se você apresentar certas práticas, não inculpar nossa adoração de imagens, mas a adoração de pagãos que os tornam ídolos. Porque pagãos fazem isso tolamente, este [29] não é motivo de recusa para a nossa prática piedosa. Se os magos e feiticeiros mesmo usar súplica, faz assim a Igreja com catecúmenos, o ex-invocar os demônios, mas a Igreja apela a Deus contra os demônios. Pagãos levantaram-se imagens de demônios, a quem eles chamam de deuses. Agora temos os criou para o Deus Encarnado, a Seus servos e amigos, que são a prova contra as hostes diabólicas.

      Se, novamente, você objetar que as grandes Epifânio completamente rejeitado imagens, eu diria que, em primeiro lugar o trabalho em questão é fictícia e inautêntica. Tem o nome de alguém que não escrevê-lo, o que costumava ser feito normalmente. Em segundo lugar, sabemos que bem-aventurado Atanásio opôs-se os corpos de santos sendo colocadas em caixas, e que ele preferia seu enterro na terra, desejando fixada em zero a estranho costume dos egípcios, que não enterrar os seus mortos sob a terra, mas defini-los em camas e sofás. Assim, supondo que ele realmente escreveu este trabalho, os grandes Epifânio, querendo corrigir algo do mesmo tipo, ordenou que as imagens não devem ser usados. A prova de que ele não fez objeção às imagens, encontra-se em sua igreja [30] própria, que é adornada com imagens para este dia. Em terceiro lugar, a exceção não é uma lei para a Igreja, nem uma andorinha não faz verão, como parece Gregório, o Teólogo, e para a verdade. Nem pode uma expressão derrubar a tradição de toda a Igreja que está espalhada por todo o mundo.

      Aceitar, portanto, o ensino da Escritura e escritores espirituais. Se a Escritura faz chamar ” os ídolos pagãos de prata e ouro, e as obras da mão do homem, “(Sl 135,15) não proíbe a adoração de coisas inanimadas, ou obra do homem, mas a adoração de demônios.

      Temos visto que os profetas adoravam os anjos e os homens, e os reis, e os ímpios, e até mesmo uma equipe. David diz: “E você adora escabelo de seus pés.” (Sl 99,5) Isaias, falando em nome de Deus, diz: “Os céus são o meu trono, ea terra estrado dos meus pés.” (Is. 66,1) Agora, é evidente para todos que os céus ea terra são criadas as coisas. Moisés, também, e Arão com todas as pessoas adoraram o trabalho de mãos. São Paulo, o Golden gafanhoto * da Igreja, diz em sua Epístola aos Hebreus: “Mas Cristo, tendo vindo, um sumo sacerdote do bem [31] não as coisas que virão, por um tabernáculo maior e mais perfeito feito à mão, “que” não é desta criação. ” E, novamente, “Para Jesus não entrou num dos Santos feitos por mãos, os padrões do verdadeiro,., Mas no próprio céu” (Hb 9.11, 24) Assim, as primeiras coisas santas, o tabernáculo, e tudo dentro dele, foram feitos por mãos, e ninguém nega que eles foram adorados.

      TESTEMUNHO autêntico de antigos Padres A FAVOR DE IMAGENS.

      St Denis, o Areopagita. De sua carta ao bispo Tito.

      Em vez de anexar a concepção comum de imagens, devemos olhar para o que eles simbolizam, e não desprezes a marca divina e caráter que eles retratam, como imagens sensíveis de visões misteriosas e celestial.

      Comentário ., Mark que ele nos adverte para não desprezar as imagens sagradas.
      O mesmo “, sobre os nomes de Deus.”

      Temos tomado a mesma linha. Por um lado, através da linguagem velada da Escritura e com a ajuda da tradição oral, as coisas intelectuais são entendidos através de entes sensíveis, e [32] coisas acima da natureza por parte das coisas que são. Formas são dadas para o que é imaterial e sem forma, e perfeição imaterial está vestida e multiplicadas em uma variedade de diferentes símbolos.

      Commentary.-se que seja um bom trabalho para vestir com tamanho e forma, de acordo com o nosso padrão, o que é sem forma, sem forma e sem consistência, como não devemos fazer imagens de nós mesmos, da mesma forma das coisas percebidas através da forma e forma, para que possamos tê-los em mente, e ser transferido para imitar o que eles representam.

      O mesmo, sobre a “hierarquia eclesiástica.”

      Agora, se as substâncias ( ousiai ) e ordens acima de nós, de que já fizemos menção reverente, estão sem corpos, sua hierarquia é sentido intelectual e superior.

      Nós fornecemos a variedade de símbolos sensíveis a ordem visível, o que está de acordo com a nossa própria medida. Esses símbolos sensíveis nos levar naturalmente a concepção intelectual, a Deus e Seus atributos divinos. Mentes espirituais formar suas próprias concepções espirituais, mas somos levados a visão divina por imagens sensíveis.

      [33] Comentário .-Se, então, ser racional que somos levados à visão divina por imagens sensíveis, e se a Divina Providência com misericórdia roupas em forma e imagem que é sem tanto para nosso benefício, o que há indecorosa sobre imagens , de acordo com a nossa capacidade, Ele que graciosamente disfarçou para nós em forma e forma?

      Uma tradição que chegou até nós que Angaros, o rei de Edessa, foi elaborado com veemência ao amor divino por ouvir de nosso Senhor, * e que ele enviou emissários para pedir Sua semelhança. Se esta foi recusada, eles foram ordenados para ter uma semelhança pintado. Então, Ele, que é onisciente e todo-poderoso, é dito ter tomado uma tira de pano, e pressionando-o para o seu rosto, ter deixado Sua semelhança sobre o pano, que mantém até hoje.

      Sermão de São Basílio na Mártir São Barlam, início: “Em primeiro lugar, a morte dos santos.”

      Levanta-te, você pintores renomados de atos corajosos que estabelecidos pela sua arte uma imagem fraca do General. Meu louvor do vencedor louro-coroado é fraca comparada com as cores do seu pincel [34]. Vou desistir de escrever sobre as excelências do mártir quem você coroado. Alegro-me com a vitória ganhou a-dia por sua força. Contemplo a mão posta a as chamas, mais poderosamente tratados por você. Eu vejo a luta mais claramente representado na sua estátua. Deixe que os demônios se enfureceu mesmo agora, superado por excelências do mártir que você revelar. Que a mão poderosa ser novamente estendido para a vitória. Que Cristo, nosso Senhor, o juiz supremo da guerra, aparecem na imagem. A ele seja a glória para sempre e sempre. Amen.

      Do mesmo, a partir dos trinta capítulos a Amphilochios, no Espírito Santo. Cap. xviii.

      A imagem do rei também é chamado de rei, e não há dois reis em conseqüência. Nem é poder dividido, nem glória distribuído. assim como o poder reinar sobre nós é um, assim é a nossa homenagem um, não muitos, e a honra dada à imagem remonta ao original. O que a imagem está em um caso como uma representação, que o Filho é por Sua humanidade, e como na arte [35] semelhança está de acordo para formar, por isso, a natureza divina e incomensuráveis ​​( asunqetoV ) união é realizada na Divindade habitação .

      Comentário -. Se a imagem do rei é o rei, a imagem de Cristo é Cristo, ea imagem de um santo do santo, e se o poder não está dividido nem glória distribuídos, honrando a imagem torna-se honrar o que está estabelecido na imagem. Devils ter temido dos santos, e fugiram de sua sombra. A sombra é uma imagem, e eu faço uma imagem que eu possa assustar demônios. Se você diz que só intelectual culto convém a Deus, tirar todas as coisas corpóreas, luz e fragrância, a oração se através da voz física, os mistérios divinos muito que são oferecidos através da matéria, pão, vinho e, o óleo do crisma, o sinal da Cruz, para tudo isso é a matéria. Tire da Cruz, e da esponja da Crucificação, ea lança que perfurou o lado que dá vida. Ou desistir de honrar essas coisas tão impossível, ou não rejeitar a veneração de imagens. A matéria é dotado de um poder divino através da oração feita àqueles que estão representadas na imagem. Roxo por si é simples, e assim é de seda, e a capa, que é feita de [36] em ambos. Mas se o rei pôs-lo, a capa recebe homenagem da honra devida ao utente. Assim é com a matéria. Por si só, não é de conta, mas se o apresentado na imagem ser cheia de graça, os homens se tornam participantes da sua graça de acordo com a sua fé. Os apóstolos sabiam o Senhor com os olhos de seus corporais; outros sabiam os apóstolos, outros mártires. Eu, também, o desejo de vê-los no espírito e na carne, e de possuir um remédio salvar como eu sou um ser composto. Eu vejo com meus olhos, e reverenciar o que representa o que eu honra, embora eu não adorá-lo como Deus. Agora você, talvez, é superior a mim, e se elevam acima das coisas corporais, e sendo, por assim dizer, não de carne, você fazer a luz do que é visível, mas como eu sou humano e vestido com um corpo, eu desejo para ver e ser corporalmente com os santos. Condescende para meu humilde desejo de que você pode estar seguro de suas alturas. Deus aceita o desejo por ele e para os seus santos. Para Ele se alegra na louvores de Seu servo, segundo a São Basílio grande em seu panegírico do Quarenta Mártires. Ouça as palavras que ele pronunciou em honra do mártir São Gordion.

      [37] De Sermão de São Basílio em Gordion St

      A mera lembrança dos feitos apenas é uma fonte de alegria espiritual para todo o mundo, as pessoas são movidas para imitar a santidade de que eles ouvem. A vida dos homens santos é como uma luz que ilumina o caminho para aqueles que iria vê-lo. E, novamente, quando contamos a história de santo vive glorificamos em primeiro lugar, o senhor daqueles servos, e dar louvor aos funcionários por conta do seu testemunho, que é conhecido por nós. Regozijamo-nos com o mundo através de bom relatório.

      Comentário ., A lembrança dos santos é assim, você vê, uma glória a Deus, o louvor dos santos, alegria e de salvação para o mundo inteiro. Por que, então, poderia destruí-lo? Esta lembrança é mantida pela pregação e por imagens, diz o Basílio mesmo grande.

      O mesmo, no Gordion St Martyr

      Assim como queima segue naturalmente em fogo, e fragrância em pomada doce, tão bom deve surgir de ações santas. Por isso não é pouca coisa para representar eventos passados ​​de acordo com a vida. É uma vaga lembrança de lutas do homem [38], que chegou até nós, e não corresponde à imagem do pintor com a nossa atual conflito? Agora, como pintores desenhar imagens a partir de imagens, eles freqüentemente afastar-se do original, tanto quanto a própria imagem faz, e como não vimos o que eles representam, não há temor de que podemos ferir a verdade.

      O mesmo, no final.

      O sol nos enche de admiração perpétua, embora sempre diante de nós, para que a memória deste homem é sempre nova.

      Comentário -. É evidente que é fresco através sermão e imagem.

      Testemunho do mesmo, a partir de seu Sermão do Quarenta Mártires.

      Pode o amante dos mártires tem muito de sua memória? Para a honra mostrado aos poucos, nossos semelhantes, é um testemunho da bondade de nosso Senhor comum.

      E mais uma vez –

      Reconhecer a bem-aventurança do mártir de coração, que você pode ser um mártir na vontade; assim, sem perseguidor, ou fogo, ou golpes, dignos de a mesma recompensa.

      Comentário -. Como, então, você me dissuadir de honrar os santos, e ter inveja da minha salvação? Ouça o que ele diz que um pouco mais adiante, para mostrar que ele uniu arte do pintor à oratória.

      São Basílio.

      Veja, então, que colocá-los diante de nós em representação, estamos tornando-os úteis para a vida, exibindo sua santidade para todos nós como se fosse uma fotografia.

      Comentário .-Você entende que tanto a imagem eo sermão ensinar uma lição? Ele diz: “Vamos mostrar a eles para frente em um sermão como se estivesse em um filme.” E ainda: Escritores e pintores apontar as lutas de guerra, o primeiro pela arte de estilo, o segundo com a sua escova, e cada induzir muitos a ser corajoso. O que uma conta falado apresenta a audiência, uma imagem silenciosa retrata por imitação.

      Comentário ., Que melhor prova temos de que as imagens são os livros dos analfabetos, os arautos nunca falam de honrar os santos, ensinando aqueles que olhar para elas sem palavras, e santificando o espetáculo. Eu não tenho muitos livros nem tempo para o estudo, e eu vou [40] em uma igreja, o refúgio comum das almas, minha mente cansada com pensamentos conflitantes. Vejo diante de mim uma imagem bonita e que atualiza a visão de mim, e me induz a glorificar a Deus. Fico maravilhado com a resistência do mártir, em sua recompensa, e disparou à queima zelo, eu caio para adorar a Deus através de Seu mártir, e receber uma graça da salvação. Você não ouviu o mesmo pai santo em sua homilia sobre o início dos Salmos, dizer que o Espírito Santo, sabendo que a raça humana fosse obstinado e difícil de conduzir, mel misturado com o salmo-cantando? O que você acha disso? Não hei de perpetuar o testemunho do mártir tanto pela palavra e pincel? Não abraçar com meus olhos que o que é uma maravilha para os anjos e para o mundo inteiro, formidável para o diabo, um terror para os demônios, como o Pai mesmo grande diz? Mais uma vez, no final da sua homilia sobre os mártires 40, ele exclama, “banda O santo Ó fraternidade sagrado! O exército invencível! Protetores da raça humana, consolo da esperança, perturbado de seus peticionários, intercessores mais poderosos, a luz do mundo, florescer tanto intelectual e material das Igrejas! A terra tem [41] não escondida-lo de vista, o céu recebeu você. Que seus portões será aberta. O espetáculo é digno de anjos e patriarcas, profetas e justo “.

      Comentário -. Como não desejo ver o que os anjos desejam? Irmão de São Basílio, que é um com ele em pensamento, São Gregório de Nissa, compartilha seus sentimentos.

      São Gregório de Nissa, a partir da “Estrutura do Homem”

      Supplementary.-Assim como na moda humana, os criadores de imagem do aperto poderoso o personagem da forma e estabelecem a dignidade real com a insígnia da púrpura, e sua obra é chamada de imagem ou rei, assim é com a natureza humana. Como ele foi criado para governar sobre outras criações, foi feito como um tipo de animação ou imagem, participando do original em dignidade e nome.

      O mesmo, Fifth Capítulo

      A beleza divina não é estabelecido nem na forma nem formosura de design ou coloração, mas é contemplada em bem-aventurança fala, de acordo com a sua virtude. Então faça pintores [42] formas de transferência de humanos a tela através de determinadas cores, colocando em tonalidades adequadas e harmonioso para a imagem, de modo a transferir a beleza do original para a semelhança.

      Comentário -. Você vê que a beleza divina não é estabelecida na forma ou aspecto, e por esta razão não pode ser transmitida por uma imagem ( ouk eikonizetai ) é a forma humana, que é transferido para a tela com pincel do artista. Se, portanto, o Filho de Deus se fez homem, tomando a forma de servo, e aparecendo na natureza do homem, um homem perfeito, por que não Sua imagem deve ser feita? Se , na linguagem comum, a imagem do rei é chamado de rei, ea honra mostrado na imagem redunda ao original, como Basil Santo diz, por que não a imagem ser honrado e adorado, não como Deus, mas como a imagem do Deus encarnado?

      O mesmo, de seu sermão em Constantinopla sobre a divindade do Filho e do Espírito, e em Abraão.

      Em seguida, o pai passa a vincular seu filho. Tenho visto muitas vezes pinturas desta cena tocante, e não podia olhar para ele com olhos secos, arte configuração-lo adiante de forma tão vívida. Isaac está mentindo [43] diante do altar, com as pernas amarrado, com as mãos amarradas atrás das costas. O pai se aproxima da vítima, apertando o cabelo com a mão esquerda, inclina-se sobre o rosto para piteously virou para ele, e segura em sua mão direita a espada, pronto para atacar. Já a ponta da espada está no corpo quando a voz divina é ouvida, proibindo a consumação.

      Leo, * Bispo de Nápoles, em Chipre. De seu livro contra os judeus, na Adoração da Cruz, e as estátuas dos santos, e em Relíquias.

      Se tu, judeu, censurar-me dizendo que eu adoro a madeira da cruz como Deus, por que você não reprovar Jacob, que adoravam a ponto de sua equipe ( epi para akron thV rabdou )? Agora, é evidente que ele não estava adorando madeira. Então, com a gente, estamos adorando a Cristo por meio da cruz, não a madeira da cruz.

      Comentário .-Se adoramos a cruz, feita de madeira que quer que seja, como não devemos adorar a imagem do Crucificado?

      [44] A partir do mesmo.

      Abraão adorava os homens ímpios que lhe vendeu a caverna, e dobrou o joelho no chão, mas não adorá-los como deuses. Jacob elogiou Faraó, um idólatra ímpio, ainda não como Deus, e ele caiu aos pés de Esaú, mas não adorá-lo como Deus. E, novamente, Como Deus pedir-nos a adorar a terra e as montanhas? “Exaltai o Senhor teu Deus e adorá-Lo no Seu santo monte, e adoro escabelo de seus pés” (Sl 99,9, 5), isto é, a terra. Para “o céu é o meu trono”, diz Ele, “ea terra meu escabelo.” (Is. 66,1) Como foi que adorou Moisés Jothor, um idólatra, (Ex. 18,7) e Daniel, Nabucodonosor? Como você pode me censurar porque eu honrar aqueles que honram a Deus e Lhe mostrar serviço? Diga-me, não é adequado para adorar os santos, em vez de jogar pedras neles como você faz? Não é direito de adorá-los, em vez de atacá-los, e para arremessar seus benfeitores na lama? Se você amou Deus, você estaria pronto para honrar seus servos também. E se os ossos dos justos estão imundos, porque eram os ossos de Jacó e de [45] Joseph trouxeram com toda a honra do Egito? (Gn 50.5ff, Ex. 13,19) Como é que um homem morto ressuscitou ao tocar os ossos de Eliseu? (Kgs II. 13,21) Se Deus faz maravilhas através dos ossos, é evidente que Ele pode trabalhá-los através de imagens, e pedras, e muitas outras coisas, como no caso de Eliseu, que deu a sua equipe a seu servo, dizendo: ” Com este ir e levantar dos mortos, filho da sunamita. ” (Kgs II. 4,29) Com sua equipe Moisés castigado Faraó, separou as águas, bateu na rocha, e tirou o fluxo. E Salomão disse: “Bem-aventurado é a madeira por que a justiça vem.” (Sb 14,7) Eliseu levou ferro do Jordão com um pedaço de madeira. (II Rs. 6,4-7) E, novamente, a madeira é a madeira de vida, ea madeira de Sabec, isto é, de remissão. Moisés humilhou a serpente com madeira e salvou o povo. (Nm 21,9) A haste florescendo no tabernáculo confirmou o sacerdócio de Aarão. (Nm 17,8) Talvez, O judeu, você vai me dizer que Deus prescreveu a Moisés de antemão todas as coisas do testemunho no tabernáculo. Agora, eu digo a você que Salomão fez uma grande variedade de coisas no templo em esculturas e esculturas, que Deus não havia ordenado que ele fizesse. (II Crônicas. 3.1ff) Nem o tabernáculo do testemunho conter [46] eles, nem o templo que Deus mostrou a Ezequiel, (Ez. 40.47ff) nem foi Salomão a culpa nisso. Ele tinha essas imagens esculpidas feitas para a glória de Deus como nós. Você, também, tinha muitas imagens e variada e sinais no Antigo Testamento para servir como um lembrete de Deus, se você não tivesse perdido através de ingratidão. Por exemplo, a vara de Moisés, as tábuas da lei, a sarça ardente, a rocha dando sair água, a arca contendo o maná, o altar em chamas de cima ( purenqeon ), a lâmina com o nome divino, o éfode o tabernáculo ofuscada por Deus. Se você tinha preparado todas essas coisas de dia e de noite, dizendo: “Glória a Ti, ó Deus Todo-Poderoso, que tens feito maravilhas em Israel através de todas essas coisas”, se através de todas essas ordenanças da lei, feita de velho , você tinha caído de joelhos para adorar a Deus, você verá que a adoração é dada a ele por meio de imagens.

      E mais adiante: –

      Aquele que verdadeiramente ama um amigo ou o rei, e, especialmente, benfeitor dele, se ele vê o filho que benfeitor, ou o seu pessoal, ou a sua cadeira, ou [47] sua coroa, ou sua casa, ou seu servo, ele segura-los rapidamente em seu abraço, e se ele honra o seu benfeitor, o rei, quanto mais Deus. Mais uma vez repito, teria que você tinha feito imagens de acordo com a lei de Moisés e os profetas, e que dia a dia você adoraram a Deus de imagens. Sempre que, em seguida, você vê os cristãos adoradores da cruz, sabemos que eles estão adorando o Cristo crucificado, não o mero madeira. * Se, de fato, eles honraram a madeira como madeira, eles seriam obrigados a adorar árvores de qualquer tipo, como você, ó Israel, os adoraram de idade, dizendo à árvore e à pedra: “Tu és o meu Deus e te traga-me por diante.” (Jr 2,27) Nós não falamos tanto para a Cruz ou às representações dos santos desta forma. Eles não são os nossos deuses, mas os livros que se encontram abertas e são venerados nas igrejas, a fim de lembrar-nos de Deus e conduzir-nos para adorá-Lo. Ele, que homenageia o mártir [48] honra a Deus, a quem o mártir prestou testemunho. Ele, que adora o apóstolo de Cristo O adora que enviou o apóstolo. Aquele que cai aos pés da mãe de Cristo certamente mostra honra de seu Filho. Não há senão um só Deus, Ele que é conhecido e adorado na Trindade.

      Comentário. – Quem é o intérprete fiel do bem-aventurado Epifânio – Leôncio, cujo ensinamento adornado a ilha de Chipre, ou aqueles que falavam de acordo com seus próprios olhos? Ouça o depoimento de Severiano, Bispo da Gabali.

      Severiano, Bispo da Gabali, na Dedicação da Cruz.

      Como foi que a imagem do inimigo deu vida a nossos progenitores? . . .

      Como foi que a imagem da serpente trabalhou salvação para as pessoas em perigo? Não teria sido mais razoável dizer: “Se algum de vocês ser mordido, deixe-o olhar para o céu, a Deus, e ele será salvo, ou deixá-lo olhar para o tabernáculo de Deus”? Passando sobre isso, ele criou a imagem da Cruz. Por que Moisés fazer isso, que [49] disse ao povo: “Não farás para ti uma coisa de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, ou embaixo na terra, nem das coisas que estão em as águas debaixo da terra “? (Ex. 20,4) No entanto, por que eu falo para as pessoas indignas? Diga-me, servo devoto de Deus, você vai fazer o que é proibido, e ignorar o que você disse para fazer? Ele que disse: “Não farás para ti escultura, uma coisa”, condenou o bezerro de ouro, e você fazer uma serpente de bronze, e isto não secretamente, mas o mais abertamente, para que ele seja conhecido de todos. Respostas Moisés, eu me deitei esse mandamento, a fim de erradicar a impiedade, e retirar as pessoas de toda a apostasia e idolatria, agora, tenho a serpente lançou para um bom propósito – como uma figura da verdade. E assim como eu colocar uma tenda, e tudo na mesma, e querubins, à semelhança dos poderes invisíveis, sobre o santo dos santos, como um sinal e figura do futuro, por isso eu tenha definido uma serpente para a salvação das pessoas, para servir como uma preliminar para a imagem da Cruz, e da redenção nele contidas. Como confirmação desta, ouvir o Senhor dizendo: “Como Moisés a serpente no deserto, exaltado, então [50] que você tem que exaltar o Filho do Homem, que cada um acreditando nele não pode ser perdido, mas tenha a vida eterna . ” (Jo 3,14)

      Comentário . Aviso-que Seu mandamento de não fazer qualquer coisa de escultura foi dada para atrair o povo da idolatria, a que estavam sujeitos, e que a serpente de bronze era uma imagem de sofrimento de nosso Senhor.

      Escute o que eu vou dizer como uma prova de que as imagens não são invenção nova. É uma prática antiga conhecida a melhor o lugar dos pais. Elladios, o discípulo de Basil abençoada e seu sucessor, diz em sua vida de Basílio que o santo homem estava de pé com a imagem de Nossa Senhora, em que foi pintado também a semelhança de Mercúrio, o mártir de renome. Ele estava de pé por ela pedindo a remoção dos ímpios apóstata Juliano, e recebeu esta revelação da estátua. Ele viu o mártir desaparecer por um tempo, e depois reaparecer, segurando uma lança sangrenta.

      Tomadas palavra por palavra da Vida de São João Crisóstomo.

      Beato João amava as epístolas de São Paulo excessivamente. . . . Ele tinha uma imagem do [51] apóstolo em um lugar onde ele estava acostumado a se aposentar agora e, em seguida, por conta de sua debilidade física, pois ele superou natureza em vigílias e vigílias. Como ele ler as epístolas de São Paulo, ele tinha a imagem diante dele, e falou com o apóstolo, como se tivesse estado presente, elogiando-o e dirigindo todos os seus pensamentos para ele. . . .

      Quando Proclus terminou de falar, olhando fixamente para a imagem do apóstolo, e reconhecendo a semelhança com o homem que ele tinha visto, saudando João, ele disse, apontando para a imagem: “Perdoe-me, pai, o homem que eu vi falando com você é muito parecido com esta estátua. Na verdade, eu diria que ele é o mesmo. ”

      Na vida de São Eupraxia nos é dito que seu Superior lhe mostrou a semelhança de nosso Senhor.

      Nós lemos na vida de Santa Maria do Egito que ela rezou diante da imagem de Nossa Senhora e suplicou a sua intercessão, e assim obteve a licença para entrar na Igreja. *

      Em toda a matriz do passado de sacerdotes cristãos e reis, sábios e piedosos, visíveis através do ensino e exemplo, nos conselhos de tantos santos padres e inspirado, como é que ninguém tem [52] apontou estas coisas? Nós não estamos defendendo uma nova fé. “A lei sairá de Sião”, o Espírito Santo disse profeticamente “, ea palavra do Senhor de Jerusalém.” (Is. 2,3) Nós não defendemos uma coisa de cada vez, e outra no outro, nem que a fé deve se tornar um motivo de riso para os de fora. Nós não vamos permitir que os comandos do rei para derrubar a tradição transmitida pelos pais. Não é para os reis piedosos para derrubar fronteiras eclesiásticas. Estas não são formas patrísticos. Coisas feitas pela força são imposições, e não levar persuasão. Uma prova disso foi dada no Conselho segundo de Éfeso, quando um decreto, que nunca foi reconhecido como válido, foi executada pela mão do imperador, e bendito Flaviano foi condenado à morte. Conselhos não pertencem aos reis, como diz o Senhor: “Onde quer que um ou dois estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mt 18,20) Cristo não deu aos reis o poder de ligar e desligar, mas para os apóstolos, (Mt 18,18) e aos seus sucessores e pastores e professores. “Se um anjo lhe ensinasse um evangelho diferente do que recebestes, de” (Gl 1,8) diz São Paulo -, mas vamos ficar em silêncio sobre o que se segue, na esperança de [53] sua conversão. E se encontrar o aviso desconsiderados, o que pode afastar Deus, vamos então adicionar o resto. Esperemos que não vai ser necessário.

      Se alguém entrar em uma casa e deve ver nas paredes uma história na pintura de Moisés e Arão, por ventura ele pode perguntar sobre as pessoas que estão andando sobre o mar como se fosse terra seca. “Quem são eles?” , ele pergunta. O que você diria? “Não são os filhos de Israel?” “Quem está dividindo o mar com a sua vara?” Você não diria “Moisés”? Então, se um homem faz uma imagem de Cristo crucificado, e você é perguntado sobre quem ele é, você responde: “É Cristo, nosso Senhor, que se encarnou para nós.” Sim, Senhor, nós adoramos tudo o que pertence a Ti, e nós levamos aos nossos corações Teu Deus, Teu poder e bondade, a tua misericórdia para conosco, Tua condescendência e Tua Encarnação. E como os homens temem tocar o ferro em brasa, não por causa do ferro, mas por causa do calor, por isso adoramos Tua carne, não para a natureza da carne, mas através da Divindade unidos para que a carne de acordo com a substância. Nós adoramos os teus sofrimentos. Quem já conheceu adorou a morte ou sofrimento venerado? No entanto, nós [54] realmente adoram a morte física de nosso Deus e Seus sofrimentos poupança. Nós adoramos Tua imagem e tudo o que é teu; teus servos, os teus amigos, e acima de tudo Tua Mãe, a Mãe de Deus.

      Nós imploramos, por isso, o povo de Deus, o rebanho fiel, de agarrar-se a tradição eclesiástica. A gradual tirar do que foi entregue a nós seria minar os alicerces, e não seria de pouco tempo derrubar toda a estrutura. Que possamos provar firme, inabalável, imóveis, fundada sobre a rocha sólida, que é Cristo, a quem seja o louvor, glória e louvor, com o Pai eo Espírito Santo, agora e para sempre. Amen.

      Índice | Parte II | Parte III

      APOLOGIA de S. João Damasceno CONTRA
      os que condenam imagens sagradas.

      PARTE II

      [55] Eu CRAVE sua indulgência, meus leitores ( despotai mou ), e pedir-lhe para receber a verdadeira declaração de alguém que é um servo inútil, o menor de todos, na Igreja de Deus. Eu não tenho sido movido para falar por motivos de vanglória, Deus é minha testemunha, mas por zelo pela verdade. Neste sozinho é a minha esperança de salvação, e com ela eu confio e rezar para ir ao encontro de Cristo, nosso Senhor, pedindo que ele pode ser uma expiação por meus pecados. O homem que recebeu cinco talentos de seu senhor, trouxe outros cinco que ele tinha ganho, eo homem com dois, outros dois. O homem que recebeu um, e enterrou-o, deu-lhe de volta, sem juros, e sendo pronunciado um servo mau, foi banido para a escuridão externa. (Mt 25.20ff) Para que eu não deveria sofrer da mesma forma, eu obedecer os mandamentos de Deus, e com o talento de eloqüência, que é o seu dom, eu ponho diante de sábios entre uma mesa tesouro, então [56] que, quando o Senhor vier, Ele pode me achar rica em almas, um servo fiel, que Ele pode tomar em que a alegria inefável da sua, que é o meu desejo. Dá-me ouvidos atentos e corações dispostos. Receba meu tratado, e ponderar bem a força dos argumentos. Esta é a segunda parte do meu trabalho em imagens. Algumas crianças da Igreja pediram-me para fazê-lo porque a primeira parte não foi suficientemente clara para todos. Seja indulgente comigo nessa conta, para a minha obediência.

      A serpente perverso de idade, Amado, quero dizer o diabo – está acostumado a travar uma guerra de muitas maneiras contra o homem, que é feita após a imagem de Deus, e para trabalhar a sua destruição por meio da oposição. No início ele inspirou homem com a esperança eo desejo de se tornar um deus, e por isso desejo que ele arrastou o homem para baixo para compartilhar a morte da criação bruta. Ele tem atraído também o homem pelos prazeres vergonhosos e brutal. Que contraste entre se tornar um deus e sentindo luxúria brutal. E mais uma vez, ele levou o homem à infidelidade, como o real ( qeopatwr ) David diz: “O tolo disse em seu coração que Deus não existe.” (Sl 14,1) Ao mesmo tempo, ele trouxe o homem a adorar deuses demais, em outro não, mesmo [57] o verdadeiro Deus, às vezes, demônios, e, novamente, os céus ea terra, o sol ea lua e as estrelas, e os resto da criação, animais selvagens e répteis. É tão ruim de se recusar a devida honra onde a honra é devido, como para dar-lhe onde não é devido. Mais uma vez, ele ensinou alguns a chamar o mal incriados Deus, e enganou os outros, fazendo-os reconhecer a Deus, que é bom por natureza, como o autor do mal. Algumas ele tem enganado pelo equívoco de uma natureza e uma substância da Divindade; alguns, ele induziu a honra três naturezas e três substâncias; alguma substância um em nosso Senhor Jesus Cristo, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade; cerca de duas naturezas e duas substâncias.

      Mas a verdade, tendo um meio-termo, varre esses equívocos e nos ensina a reconhecer um Deus, uma natureza em três pessoas ( upostasesi

    • 4. ― JESUS CRISTO É CHAMADO “BISPO DE NOSSAS ALMAS”, PELO QUE OS BISPOS SÃO SEUS SUCESSORES

      1ª. PEDRO, II, 25: ― “Éreis como ovelhas desgarradas. Mas agora retornastes ao Pastor e Bispo de vossas almas”.

      Ver também CHEFES DA IGREJA.

      CELIBATO CATÓLICO

      1. ― S. PAULO ACONSELHA O CELIBATO

      1ª COR. VII, 1-8: ― “Penso ser bom que o homem não toque mulher. Mas pelos perigos da incontinência, cada um tenha a sua esposa… Digo isto por concessão, não como ordem. Pois que todos fossem como eu… Digo às pessoas solteiras e viúvas, que lhes é bom se permanecerem assim como eu”.

      IDEM, 25: ― “A respeito das pessoas virgens, não tenho mandamento do Senhor. Julgo, pois, que, em razão das dificuldades presentes, é bom ao homem ficar assim como eu”.

      IDEM, 32-35: ― “Quero que fiques sem cuidados. O solteiro cuida das coisas do Senhor, de como agradar a Deus. Mas o casado cuida das coisas do mundo, de como agradar à sua esposa e está dividido. A mulher solteira e a virgem, cuidam das coisas do Senhor, para serem santas no corpo e no espírito”.

      NOTA: ― Eis ai porque os sacerdotes católicos, até neste ponto de vista de meios naturais, estão acima de qualquer ministro protestante. São castos, celibatários, “para serem santos no corpo e no espírito”, e para serem inteiramente de Deus, e não “estarem divididos” entre o mundo, mulher e filhos de um lado, e Deus do outro.

      1ª COR. VII, 38: ― “De modo que, quem casa sua virgem faz bem; o que não a casa, faz melhor”.

      2. ― CONSELHO ESPECIAL AOS SACERDOTES

      LEV. XXI, 8: ― “Portanto santificai-vos e sede santos, porque eu, o Senhor que vos santifico, sou santo”.

      MARC. X. 29: ― “Todo aquele que deixar, por causa de meu nome, ou casa, ou irmão, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou terras, receberá cem por um e a vida eterna”.

      IDEM, 28: ― “E Pedro, tomando a palavra, disse: Eis que nós abandonamos tudo e te seguimos”.

      NOTA-SE que, se os Apóstolos “abandonaram tudo”, é porque deixaram também a família. Foram castos.

      3. ― POSSIBILIDADE DO CELIBATO PELA GRAÇA DE DEUS

      MAT. XIX, 12: ― “Há eunucos que o são desde o ventre de suas mães; e há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens; e há eunucos que a si mesmos fizeram eunucos por amor do reino de Deus. Quem puder compreender, compreenda”.

      MAT. XIX, 24-26: ― “É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha que entrar um rico no reino do céu. Ora, os discípulos admirava-se, ouvindo estas palavras, e disseram: Quem poderá, então salvar-se? Jesus porém, fitando-os, disse: Aos homens, isso é impossível”.

      Estas mesmas palavras se podem aplicar à guarda da castidade, contida aliás no que Jesus pediu ao jovem, quando lhe disse: “Vem, e segue-me”.

      Noutros termos, Jesus diz que, com os auxílios da graça, tudo é possível, pois esta faz no homem desapegar-se de tudo o que é de mais apetecível, para sacrificar-se por Deus.

      ROM. VIII, 11-13: ― “Mas se o espírito daquele que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos habita em vós… ele também dará vida aos vossos corpos mortais pelo seu espírito que habita em vós. Portanto, irmãos, não somos devedores à carne, para que vivamos segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas se pelo espírito mortificardes as obras da carne vivereis”.

      Iª. COR. X,13: ― “Não vos sobreveio tentação alguma que não seja humana; mas Deus é fiel; não permitirá que sejais tentados acima das vossas forças; antes dará um meio de tirardes proveito da tentação, para poderdes suportar”.

      IIª. COR. XII, 7-9: ― “E, para que a grandeza das revelações não me ensoberbeça, foi-me dado um estímulo da carne, um anjo de Satanás, para me esbofetear pelo que três vezes roguei ao Senhor que se apartasse de mim. Mas Ele me disse: Basta-te a minha graça, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. Portanto, de boa vontade me gloriarei nas minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo”.

      4. ― O VOTO, QUE SE FAZ, OBRIGA SOB PECADO

      DEUTER. XXIII, 21; ― “Quando fizerdes algum voto ao Senhor vosso Deus, não deixeis de cumpri-lo, porque o Senhor vosso Deus vos pedirá conta dele, e em vos haverá pecado”.

      Iª TIM. V, 11 E 12: ― “Rejeita as viúvas novas (ao pedido de voto) pois que, quando o atrativo dos prazeres as desgostar do serviço de Cristo, querem casar-se, tendo a sua condenação, porque violaram a primeira fé (isto é, violaram o voto)”.

      O mesmo se pode dizer com respeito ao sacerdote que deixa a batina para casar-se.

      CHEFES DA IGREJA

      1. ― TODOS DEVEM DAR-LHES OUVIDOS E OBEDECER-LHES AS ORDENS

      MAT. XVIII, 17-18: ― “Se, porém, não ouvir a Igreja, seja tido como pagão e publicano. Em verdade, vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra, será desligado no céu”.

      MAT. XXVIII, 19-20: ― “Foi-me dado todo o poder no céu, e na terra (eu vo-lo transmito): Ide, e ensinai a todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e instruindo-os a observar tudo o que vos hei ensinado. E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

      NOTA: ― Dada a alta importância deste texto, probativo da perenidade da Igreja e da assistência eterna de Cristo, para que ela não venha a errar, formemos o seguinte raciocínio: Jesus é Deus. Não pode, pois errar nem fazer-nos errar, senão deixaria de ser Deus. Ora, Jesus prometeu ESTAR com a Igreja, isto é, com a Igreja que Ele fundou, até o fim dos séculos. Logo, não errou a sua Igreja, e portanto sua assistência divina continua ainda a ser garantia de perenidade da verdadeira Igreja de Pedro.

      Suponhamos que sua palavra tenha falhado, e que esta Igreja tenha errado, como o afirmam os protestantes. Então Jesus já não seria mais Deus, e toda a Igreja que se apresentasse com o nome de “Igreja de Cristo” seria tão mentirosa quanto a primeira.

      LUC. X, 16: ― “Quem vos ouve, a mim me ouve; quem vos despreza, a mim me despreza; e quem me despreza, despreza Aquele que me enviou”.

      MAT. X, 40: ― “Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem vos recebe, recebe Aquele que me enviou”.

      NOTE-SE que os protestantes, desprezando a autoridade da Igreja fundada por Jesus Cristo, desprezam o próprio Cristo, e portanto, o Pai que o enviou ao mundo. Não estão, portanto, com a verdade.

      2. ― O ESPIRITO SANTO ESTÁ COM ELES

      JOÃO, XIV, 16: ― “E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará um outro Paráclito, (consolador), que ficará eternamente convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber…”

      JOÃO, XVI, 13: ― “Quando, porém, vier aquele Espírito de verdade, Ele vos ensinará toda a verdade”.

      Este texto, mais uma vez, vem ensinar que toda a verdade que a Igreja ensinaria aos seus filhos, ser-lhe-ia ministrada mediante iluminação do Espírito da Verdade, que deveria assistir aos legítimos Chefes da Igreja.

      COMUNHÃO

      (Vide Eucaristia e Missa)

      Os protestantes, no afã de insinuar dúvidas, dizem que o padre comunga “o vinho e a hóstia, mas não dá o vinho aos católicos”. Objeção tola. Na Bíblia está a resposta:

      LUC. XXIV, 30-31: ― E aconteceu que, sentando à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lho serviu; então se lhes abriram os olhos e o reconheceram”.

      ATOS, II, 12: ― “Eles perseveraram na doutrina dos Apóstolos, na comunhão da fração do pão e nas orações”.

      ATOS, XX, 7: ― “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos, para partir o pão, Paulo disputava com ele, e foi alongado o discurso até a meia noite…”

      Iª COR. X, 16-17: ― E o pão que partimos, não é, acaso, a comunhão do corpo do Senhor ? Porque nós, que somos muitos, somos um pão somente, e um só corpo, pois que nós todos comungamos de um mesmo pão”.

      Vale a pena ler todo o Cap. X, onde aparece, com toda a evidência, o mistério da Presença Real de Cristo debaixo das espécies do pão e do vinho. O Apóstolo como que desafia os protestantes de hoje a retrucarem se “o pão que partimos acaso não é o corpo do Senhor?”.

      CONCÍLIOS DA IGREJA

      (Vide CHEFES)

      1. ― OS CONCÍLIOS OU ASSEMBLÉIAS DE BISPOS EM NOME DE CRISTO, SÃO ASSISTIDOS PELO ESPÍRITO SANTO

      MAT. XVIII, 20: ― “Onde quer que dois ou três se reunam em meu nome, ali estou no meio deles”.

      ATOS, XV, 28: ― “Porque pareceu bem o Espírito Santo e a nós não vos impor maior jugo além do seguinte necessário”.

      2. ― SEUS PRECEITOS DEVEM SER OBSERVADOS PELOS FIÉIS

      ATOS, XV, 41: ― “E (Paulo) andava pela Síria e pela Cilicia, confirmando as Igrejas, ordenando que guardassem os preceitos dos Apóstolos e dos Presbíteros” (dados no Concílio de Jerusalém).

      ATOS, XVI, 4: ― “E quando andavam pelas cidades, ensinavam-lhes que observassem as decisões que haviam sido tomadas pelos Apóstolos e Presbíteros em Jerusalém (no Concílio)”.

      ATOS, XVI, 4: ― “E quando andavam pelas cidades, ensinavam-lhes que observassem as decisões que haviam sido tomadas pelos Apóstolos e Presbíteros em Jerusalém (no Concílio)”.

      CONFIRMAÇÃO OU CRISMA

      ATOS, VIII, 15-17: ― “Os quais (Pedro e João), tendo chegado, fizeram oração por eles, afim de receberem o Espírito Santo, porque Ele ainda não tinha descido sobre eles, mas somente tinham sido batizados em nome do Senhor Jesus”.

      ATOS, XIX, 6 ― “E tendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e falaram diversas línguas e profetizaram”.

      NOTA: ― Comumente, na primitiva Igreja, logo após a recepção da Crisma, o Espirito Santo se manifestava-se pelo dom das línguas, pela profecia, dom de milagres, etc. para maior edificação das almas. Isto revela no texto acima.

      IIª COR. I, 21-22: ― “Ora, o que nos confirma em Cristo convosco, e que nos ungiu é Deus, o qual também nos imprimiu seu selo (caráter sacramental) e deu em nosso corações o penhor do Espírito”.

      NOTA: ― Este texto revela, como muitos outros, haver um sacramento que se segue ao Batismo, e que se faz com a unção do óleo: é a Confirmação ou Crisma, que a Igreja nos ministra.

      HERB. VI, 1-2: ― “ Pelo que, deixando de discorrer acerca dos primeiros rudimentos acerca de Cristo, elevemo-nos a coisas mais perfeitas, sem lançar de novo os fundamentos da conversão das obras mortas (do pecado) e da fé em Deus, da doutrina sobre os Batismos e da imposição das mãos (Crisma)”.

      EFES. I, 13-14: ― “…Tenho crido nele, fostes marcados com o selo do Espírito Santo, que tinha sido prometido, o qual é o penhor da nossa herança, para a redenção do povo conquistado”.

      Iª JOÃO, II, 20: ― “Porém, vós recebestes a unção do Espírito Santo, e sabeis todas as coisas (necessárias)”.

      IEM, 27: ― “E permaneça em vós a Unção que recebestes dele”.

      ECL. III, 4: ― “O que ama a Deus implorará o perdão de seus pecados e se absterá de tornar a cair neles”.

      ECL. IV, 31: ― “Não te envergonhes de confessar os teus pecados, mas não te submetas a ninguém para pecar”.

      IIª ESD. IX, 1 E 2: ― “E no dia 24 deste mês se ajuntaram os filhos de Israel em jejum e vestidos de sacos e cobertos de terra. E os da linhagem dos filhos de Israel foram separados de todos os filhos estrangeiros; e confessaram os seus pecados e as iniqüidades de seus pais”.

      PROV. XXVIII, 13: ― “Aquele que esconde as suas maldades não será bem sucedido; aquele, porém, que as confessar e se retirar delas alcançará misericórdia”.

      2. ― NA TRANSIÇÃO DO ANTIGO TESTAMENTO PARA O N.T., JOÃO BATISTA EXIGIA A CONFISSÃO DOS PECADOS

      MAT. III, 6: ― “Então vinham a ele a circunvizinhança do Jardão, e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados”.

      NOTE-SE que estes textos não falam ainda da confissão sacramental, que foi instituída por Cristo para sua Igreja. Falam da confissão penitencial, que não era sacramental, mas fazia as vezes de sacramento.

      3. ― NA PRIMITIVA IGREJA, USAVA-SE A CONFISSÃO

      ATOS, XIX, 18: ― “E muitos dos que tinham crido iam confessar e manifestar suas obras”.

      S. TIAGO, V, 16: ― “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros para serdes salvos; porque a oração fervorosa do justo pode muito”.

      Iª S. JOÃO, I, 9: – “Se nós confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar estes nossos pecados e para nos purificar de toda iniqüidade”.

      Estes textos falam da verdadeira confissão sacramental instituída por Cristo, conforme a melhor interpretação. (1) Pouco importa que não falem de confissão auricular feita só ao padre. Nos começos do cristianismo usava-se a confissão pública

      4. ― A CONFISSÃO DEFLUI DO PODER DE PERDOAR PECADOS QUE CRISTO CONFERIU A SUA IGREJA

      MAT. XVIII, 18: ― “Tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu; e tudo o que desligardes sobre a terra será desligado no céu”.

      Para um juiz dar uma sentença ligando ou desligando alguém relativamente a uma pena ― é óbvio que lhe deve ser declarada a culpa do réu. É esta a razão porque o penitente tem necessidade de declarar seu pecado ao confessor, afim de este perdoar ou não, perdoar ou reter.

      JOÃO, XX, 22-23: – “Tendo dito estas palavras, soprou sobre eles (os Apóstolos) e disse: Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; e aqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos”.

    • Prezado Alexandre, Salve Maria, mãe do meu Senhor (Lc. I, 43).

      VEJA:

      Da saudação acima Alexandre o senhor pode ver que o culto Mariano tem bases bíblicas.

      Veja, por exemplo, que de Gênesis ao Apocalipse nunca um anjo saúda alguma pessoa, só Maria em Lc I. E veja que não é qualquer saudação, ele diz Ave, graça em plenitude, o Senhor (Deus) é contigo (Lc. 1, 28). Ora, Maria na hora não sabia por que recebia tamanha saudação porque na verdade ela é tão agraciada e virtuosa que seu coração evitou a soberba.

      Graça em plenitude significa aquela que era, que é e que sempre será cheia de graça.
      Se um anjo a saudou, Alexandre! Agora quem sou eu ou você para negar-lhe os méritos que lhe são devidos? Pois até um anjo reconheceu a pureza de Maria e o senhor a coloca em dúvida, senhor Alexandre. O Anjo Gabriel se maravilha e a saúda, o que indica que a grandeza da Mãe de Deus (Lc. I, 43) é superior à dos anjos.

      Isso tanto é verdade que Deus quis que Maria e não um anjo, trouxesse Jesus ao mundo.

      Alexandre o senhor é protestante, mas pelas suas palavras e pelo seu fundamentalismo e sua afirmação se mostra mentirosa. Pois só apenas o estudo da Bíblia não leva ninguém a ter ódio da Santa Igreja, pois os cristãos primitivos amaram a Igreja Católica, mesmo estudando a Bíblia, mas eles a estudavam com base no que os pais da Igreja ensinaram. O senhor é protestante e não aceita a tradição? É algo tão ruim assim pertencer a uma comunidade do período pós-reforma? Olha Alexandre o senhor perdeu toda a razão com esse argumento, atirou contra o próprio pé e seguiu ao pai da mentira, satanás.

      Foi isso que lhe ensinaram na sua Igreja? O senhor atira contra si próprio quando diz que apenas lê a Bíblia, como se a leitura Dela causasse, por imediato todas as conclusões protestantes. Isso já é um princípio protestante, a Sola Scriptura, que prega que só a Bíblia livremente interpretada por inspiração do Espírito Santo é fonte de toda a doutrina. Esse princípio foi formulado por Lutero no século XVI e causou várias conclusões desastrosas para o próprio protestantismo. Saiba que o próprio Lutero diz acerca das interpretações diversas da escritura. Veja o que São Pedro diz acerca disso (II Pd 1, 20-21).

      Talvez o senhor Alexandre saiba me dizer por que vários protestantes tradicionais afirmam que há, logo após a morte, a passagem para a outra vida ao passo que outros protestantes negam essa passagem? Vocês dizem que são a Igreja de Cristo, mas enfrentam problemas graves de doutrina graças à livre interpretação.

      Vocês sequer têm um consenso nesse e em vários outros assuntos, senhor protestante. Como o senhor quer passar a Igreja Católica por falsa, sendo que há uma só doutrina verdadeira e as várias doutrinas protestantes estão em colapso igrejas da maconha outras negam Jesus cristo Deus outras igrejas de homossexuais e assim vai? Aí eu ti pergunto Alexandre como pode haver um doutrina verdadeira com tantos pontos discrepantes? Entre vocês alguns crêem no sacramento da Eucaristia, outros não. Uns crêem na Santíssima Trindade, outros não. Uns dizem que o batismo é válido para adultos e crianças, outros dizem que só é válido para adultos. Uns batizam em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, outros batizam só em nome de Jesus. Uns dizem que há ressurreição logo após a morte e outros dizem que só há ressurreição no fim dos tempos. Uns crêem que se pode comer sangue, outros proíbem isso. Uns deixam as mulheres andarem como querem, outros só as aceitam de saias e cabelo comprido. Uns chegam a negar a divindade de Cristo, outros a aceitam. Percebe agora o caos da Sola Scriptura, meu caro? Para a correta interpretação da Bíblia, deve haver a Sagrada Tradição e sem ela o que ocorre é a divisão doutrinal que se observa nas seitas protestantes. A proposição de Lutero de que o Espírito Santo guia cada um no momento em que lê a Bíblia é uma farsa, pois todos vocês apoiados apenas na Bíblia discordam profundamente na doutrina.

      Me diga Alexandre? O senhor com certo tom de superioridade, como se fosse o único que tem a Bíblia em casa cita que Jesus é o único que subiu aos céus. De fato, como afirma São João em Jo 3, 13, de Corpo e Alma, até aquela época em que os Apóstolos escreveram seus livros, somente quem tinha subido era o Cristo. Após isto, afirma a Sagrada Tradição tão esquecida por vocês que temem a verdade da patrística, Nossa Senhora também ascendeu de corpo e alma aos céus.

      Seus comentários de que os mortos dormem é simplesmente uma ignorância de quem lê a Bíblia, mas não a entende. Responda-me Alexandre? O senhor sabe me falar se quem dorme pode dizer alguma coisa? É interessante como sua interpretação literal da Sagrada Escritura atira contra seu próprio pé. Veja bem essas passagens: Mt 17, 1-3; Lc 16, 22-31. Que interessante, aqui os mortos estão falando, mesmo “dormindo”, como o senhor mesmo disse. Mais interessante ainda é ver que foi Jesus mesmo quem disse que Dimas estaria com ele ainda hoje no paraíso (Lc 23, 41-43). Então, será que os mortos são mesmo inconscientes? Estariam os mortos literalmente dormindo, ou estariam aguardando a ressurreição da carne, mas já vivendo no paraíso? Veja mais em II Cor 12, 3-4; Ap 6, 9-11. Nesse caso, acho que está mais que provado que os mortos não estão inconscientes e mais, que já estão com Cristo nos céus. Veja bem que mesmo antes da crucificação que nos salvou do pecado, Jesus afirma que Lázaro, o mendigo, já tinha consolo no seio de Abraão.

      Agora Alexandre mas uma vez saiba que a doutrina Católica também não ensina a ninguém adorar santos, meu caro doutor protestante. Apenas admiramos profundamente os nossos que deram a vida pela palavra de Deus e pela única Igreja de Cristo, porque todo aquele que crer e for batizado será salvo. Ora, o próprio São Paulo fala que somos membros do Corpo de Cristo (I Cor 2, 27). Se assim o somos, então podemos orar a Cristo uns pelos outros validamente e se somos parte de Cristo que é onipotente e onipresente, então também nós, após a morte, através do Corpo de Cristo somos onipotentes e onipresentes.

      Alexandre também vi que o senhor cita erroneamente Jo 14, 6. Esse é o perigo de se isolar um versículo da Bíblia senhor protestante. Cristo é o único que leva ao Pai, pois a Salvação, o Paraíso, é a graça de contemplar a Deus e foi por Cristo que fomos salvos. A passagem que o senhor cita é muito bem interpretada em I Tm 2, 1-5. Nosso Senhor é o único mediador de salvação, pois só pelo sacrifício dele é que pudemos ser salvos, afinal, foi pelo sacrifício de Cristo que veio a salvação (Leia os capítulos de 9 a 13 da Carta aos Hebreus). Nenhum homem que morresse na cruz poderia perdoar nossos pecados e por isso, só um homem Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, pôde lavar nossas manchas e nos abrir as portas da Salvação. Se Cristo já morreu por nós e já apagou nossas culpas, porque então o senhor teima em dizer que o paraíso permanece fechado? Se Cristo já fez o sacrifício infinito que lavou nossas culpas, qual é o sentido do paraíso permanecer fechado? Todavia esperamos em Cristo pelo juízo final, onde todos ressucitaremos na carne eterna e incorruptível como Cristo também ressurgiu.

      Assim, pela salvação de Cristo, mesmo mortos viveremos (Jo 5, 25, Jo 6, 57-58, Jo 11, 25) e como vivemos mesmo estando mortos, podemos orar uns pelos outros. Santo Inácio de Antioquia, discípulo de São João Apóstolo, disse que depois de morto continuaria a orar pelos seus (Carta aos Tralianos 13, 3). E então, quem tem maior autoridade, um conjunto de seitas protestantes dos séculos posteriores ao século XVI que nem sequer se entende ou um santo discípulo de um dos 12 apóstolos, bispo de uma das Igrejas Primitivas dos séculos I e II dC?

      Pois é Alexandre entenda que nós católicos apenas amamos os Santos e Jesus mesmo mandou amarmos uns aos outros (Mt 22, 39). Por esse amor que nos une aos santos, pedimos suas orações, pois como já estão os santos em plena comunhão com Deus, sua oração é mais poderosa. Os Santos já não pecam mais e não estão mais atrelados ao corpo terreno meu caro amigo protestante e por isso não têm as limitações da carne. Agora o senhor entendeu o que é veneração?

      Vi também no seu comentário Alexandre o senhor nos acusando de sermos idólatras, é claro, essa acusação nunca pode faltar quando um protestante quando se refere a um católico, mesmo tendo sido refutado várias vezes.
      Mais o pior cego é o que não vê e o pior surdo é o que não ouve.

      Alexandre vou mostrar-lhe que essa acusação é completamente infundada. Eu poderia lhe dar mais de dez versículos na Bíblia que mostram que ídolos são deuses falsos, que nunca existiram, e que foram feitos por mãos de homens. Entretanto, vou lhe apresentar apenas um versículo e se o senhor quiser, leia mais a Bíblia e descubra outros que o confirmarão.

      Olha Alexandre para o senhor não falar que o Antigo Testamento caiu com Cristo, vou citar At 19, 26. Nesse caso em específico, vemos que as pessoas usavam os ídolos para obter lucros. Isso não é similar ao que muitos protestantes fazem hoje com coletas milionárias?

      A Sola Scriputra não seria também um idolatria (costumo chamá-la de bibliolatria)? É correto dar à Bíblia o lugar que é de Deus? Se não, porque vocês abandonaram a Igreja de Cristo, que é seu próprio Corpo, para seguir a livre interpretação da Bíblia?

      A Igreja Católica não adora, mas apenas ama pessoas, e não deuses, que existiram e que dariam suas vidas por Cristo como muitos o fizeram. Através disso o senhor já pode notar que o culto aos santos não é idolatria, pois não consiste em adoração, não consiste em reconhecimento das imagens como divindades e não consiste em dar mérito a algo que não existe, como os ídolos. Entendeu agora, senhor protestante?

      Quanto à acusação de que padres não pregam o evangelho, como é que o senhor acha que o Evangelho se espalhou pelo mundo? Certamente o senhor deve imaginar que do nada sopraram brisas que levaram as páginas da Sagrada Escritura por todo o mundo e as pessoas a interpretaram livremente chegando à mesma fé. Por um acaso Alexandre? Não foram os padres quem levaram o Evangelho do Oriente Médio para o mundo? Não sei se o senhor sabe, mas a “Reforma Protestante” só ocorreu no século XVI, quando uma boa parte do mundo já era cristã. Foi a Igreja Católica, senhor protestante, a mesma Igreja de Madre Tereza de Calcutá, que pregava o Evangelho pelo exemplo na Índia e não pela exploração dos pobres, quem levou a Bíblia e a sã doutrina ao mundo.

      Foi também a Igreja Católica que levou o Evangelho ao Japão, o país com maior número de mártires e mártires católicos, da história. Foram os Jesuítas quem tentaram, mesmo contra a vontade dos portugueses e espanhóis, trazer o Evangelho aos indígenas. Agora por favor, tenha a curiosidade de ler o que fizeram os protestantes puritanos com os índios da América do Norte.

      Eu novamente ti pergunto Alexandre? Será que as seitas que o senhor defende estão pregando o Evangelho para a Maior Glória de Deus, como os Jesuítas fazem até hoje, ou será que é para a maior grandeza do dinheiro? Com certeza, muitos protestantes são sinceros de coração, mas francamente, existem uns por aí dos quais eu desconfio e desconfio mais quando Jesus diz que ninguém serve a Deus e ao dinheiro.

      E tem mais uma coisa, Alexandre! Ao contrário do que o senhor diz, existem padres e missionários católicos que viajam pelo mundo pregando o Evangelho sim, como os Arautos do Evangelho, os Jesuítas, os Dominicanos e outros. Os padres paroquiais por sua vez têm um rebanho já fixado para cuidar e por isso eles ficam em suas Igrejas, ajudando os pobres com campanhas, pregando o Evangelho para os seus e ministrando os sete sacramentos deixados por Cristo em suas Igrejas. Agora só um conselho Alexandre estude a patrística e a história primitiva ok? Estuda nas fontes e não em pontos de vista e falsificações barata.

  9. a vdd eh q enquanto os evangelicos fikam ai difamando a igreja catolica muitas almas estao de perdendo :(

    • Gilmar herege piadista conheças o que é Imagens de escultura:
      Olha na sua bíblia protestante e adulterada será que não tem essas passagens que fazem referências as imagens

      Olha Gilmar meneses, falta em
      você estudo vai um aviso parede de versículos de lê isolados da bíblia vou ti mostrar passagens sobre imagens e estátuas Pois. Vocês protestantes costumam dizer que os católicos violam o mandamento segundo. Eles vão dizer que os católicos acabar com um mandamento para validar o que chama de idolatria, com a construção de estátuas e assim por diante. Os católicos violar o mandamento de Deus? Neste artigo vou dar uma olhada nisso.
      Os católicos número Mandamentos diferente de muitos protestantes. De Êxodo 20, vou contar o caminho que os católicos número os mandamentos, e depois o número do caminho algum número protestantes os mandamentos (na maioria das vezes esses são os que acusam os católicos de cometer idolatria). Eu vou colocar em itálico os mandamentos na forma curta. É claro que alguns mandamentos têm mais elaboração sobre eles, e que será deixado para dar contexto. Este é o mandamentos como dada por Deus a Moisés. Agora, a numeração dos mandamentos variar. Há 14 imperativos dentro acusação de Deus, incluindo três acusações, sublinhadas abaixo, que não são considerados mandamentos, nem católico nem protestante por. Desde o Livro do Êxodo não nos diz “Este é o primeiro mandamento”, “Este é o segundo mandamento”, etc, o julgamento por seres humanos deve ser dada em sua numeração. Forma que é numerado, há quatro acusações que estão sob a rubrica de outros mandamentos. No entanto, em forma de sinopse, normalmente temos uma frase linha rápida uma para cada mandamento por ambos católicos e protestantes. Eu coloquei a numeração protestante em verde ea numeração Católica em marrom (luteranos fazer tão bem) e eu colocar em itálico os mandamentos frequentemente administrada em forma curta para aqueles que memorizar esses mandamentos, Êxodo 20:2-17. Este itálico irá incluir os que protestantes e católicos fazem e não itemize como mandamentos separado:

      2: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
      3: 1 1 “Você não deve ter outros deuses diante de mim.
      4: 2 “Não farás para ti imagem de escultura , nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, ou que está na água debaixo da terra; 5: você não deve se curvar a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam, 6: mas faço misericórdia a milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.
      7: 3 2 “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. 8: 4 3 “Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. 9: Seis dias trabalharás, e fazer todo o seu trabalho; 10: mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus, em que você não deve fazer qualquer trabalho, você, ou seu filho, ou sua filha, seu servo, nem a sua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas; 11: porque em seis dias o Senhor fez os céus ea terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou, por isso o Senhor abençoou o sábado dia eo santificou. 12: 5 4

      “Honra teu pai e tua mãe, que seus dias se prolonguem na terra que o Senhor teu Deus te dá.
      13: 6 5 “Não matarás.
      14: 7 6 “Não cometerás adultério.
      15: 8 7 “Não furtarás.
      16: 9 8 “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. 17: 10 9 “Não cobiçarás a casa do teu próximo; 10 Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva , ou o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo. ”
      Os católicos têm Êxodo 20:04 em suas Bíblias e não escondê-lo. Os críticos protestantes da Igreja sobre esta questão que as imagens não fazem escultura como seu próprio mandamento, separado do primeiro mandamento de adorar outro Deus. É preciso reconhecer que nem todos os protestantes que o número de católicos mandamentos diferente, faça a acusação de violar os católicos o que eles chamam o mandamento de não fazer imagens de escultura, porque eles reconhecem que, mesmo em fazer imagens de escultura, ele está condenando a idolatria, que o Igreja Católica condena também. No entanto, para enfrentar os críticos, uma leitura da passagem em contexto mostra que o mandamento de não fazer imagens de escultura não está isolado do que o primeiro mandamento, mas uma parte dela. Versículos 2-6 são todas relacionadas com a mesma coisa. Ele estabelece as bases do primeiro mandamento do versículo 3, dizendo que ele é o Senhor, teu Deus, no versículo 2. Deus, então, diz no versículo 3 “Não terás outros deuses diante de mim”. O versículo 4 diz que imediatamente após não fazer uma imagem de escultura. Versículo 5 dá maior elaboração, dizendo para não se curvar ou servir essas imagens, porque Deus está com ciúmes de outros deuses. Quem? Os outros deuses que Deus falou de não adorar no versículo 3. É preciso ter amor e ter Deus como seu único Deus, e ele abençoará os que guardam os seus mandamentos no V. 6. Há um grande fluxo de todo o mandamento primeiro. Para dizer o mandamento segundo é dado no versículo 4, como separado dos anteriores dois versos, (como a não matar e não roubar, nos versículos 13-14 são mandamentos separado), quebra todo o fluxo de pensamento nos versículos 2-6 . O anti-católico, que diz que este mandamento sobre fazer imagens de escultura é separado, nos dá uma leitura mais desorientado do Êxodo 20:2-6. Esta visão tem versículos 2 e 3 para ser sobre uma coisa – adorando apenas o único Deus. Que é, assim, o fim da ordem. Versículo 4 de acordo com este ponto de vista é um mandamento totalmente diferente sobre as imagens de escultura. Basta fazer imagens de escultura é idolatria. Então, ele tem de voltar para Deus elaborar sobre as razões para não ter outros deuses, nos versículos 5 e 6, enquanto ele falava de não ter de volta os deuses nos versículos 2 e 3. Isso quebra a continuidade de pensamento. A visão católica é a idéia mais razoável que o versículo 4 é em meados de fluxo do mandamento toda a primeira a não adorar outros deuses. Por que não fazer imagens de escultura? Porque se você se curva para baixo ou servem imagens de escultura , em lugar de Deus, você está violando o mandamento de adorar outros deuses, e iniqüidades serão visitados em cima de você, porque Deus é um Deus zeloso (v. 5, 6). A Igreja Católica, e na minha opinião visão mais razoável é que a concentração de Deus não é as imagens de escultura, por si só, mas, se um faz aquelas imagens de escultura, e serve as imagens de escultura, um está fazendo as imagens esculpidas deus. Isso é idolatria e adorar a outros deuses, violando assim o primeiro mandamento. Em outras palavras, se tornam deuses imagens de escultura, depois que Deus condena. A Igreja Católica condena a idolatria precisamente porque condena a violação do primeiro mandamento. A Igreja Católica nunca ensinou que imagens de escultura são deus.
      Como um aparte, a numeração dos mandamentos diferem de acordo com o protestante fazendo a confecção de imagens de escultura, o segundo mandamento, ao passo que a visão católica é que esta directiva é apenas uma parte do primeiro mandamento. Os protestantes, assim, combinar v. 17, que diz para não cobiçar bens do outro, e cobiçar a mulher de outro como o 10 º mandamento. Esta numeração não faz distinção na propriedade cobiça e as pessoas. A visão católica é que a cobiça de bens de alguém no mandamento 9 é separado e um tipo diferente de cobiça do que quando uma mulher cobiça de alguém, e marcas que, como o 10 º mandamento. Mas é claro que é para uma discussão diferente.

      Agora, é a explicação Católica do mandamento em disputa uma maneira conveniente de contornar o mandamento de não fazer imagens de escultura? Não. Nós vemos um exemplo da quebra deste mandamento na conta em Êxodo 32, quando Deus condenou os israelitas fazendo um bezerro de ouro, abandonando a Deus por isso deus falso. Foi a tomada de imagens esculpidas em si idolatria (a visão anti-católica), ou fazer as imagens esculpidas para se tornar o deus da idolatria (a visão católica)?

      Vamos dar uma olhada em Êxodo 32:2-4, 24:

      2: E Arão lhes disse: “Tire os anéis de ouro que estão nas orelhas de vossas mulheres, vossos filhos e vossas filhas, e trazê-los para mim.” 3: Então todo o povo tirou os anéis de ouro que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Aarão. 4: E ele recebeu o ouro em suas mãos, e formou-la com uma ferramenta graving, e fez um bezerro de fundição, e disseram: “Estes são os teus deuses, ó Israel, que te tirou da terra do Egito!” …
      22: E Arão disse: “Não deixe a ira do meu senhor queimar quente, você conhece as pessoas, que são definidas em mal 23:. Pois eles me disseram: ‘ Faça-nos deuses, que vão adiante de nós, como a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que aconteceu com ele. ” 24: E disse-lhes: Que qualquer que têm ouro tirá-lo “, de modo que me deu, e eu o lancei no fogo, e saiu este bezerro”.
      Agora olhe para o que os israelitas idólatras proclamou a Arão, ‘Estes são os seus deuses “, V. 4. O bezerro seu deus, que deram crédito para tirá-los do Egito. Aaron cedeu e moldou o ouro em um bezerro. Ele minimizou sua cumplicidade com Moisés, mas reconheceu que ele estava fazendo estava fazendo o ouro em um deus. Israel passou a adorar o bezerro de ouro. Agora Deus condenou as pessoas devido à sua falta de fidelidade, e embora ele cedeu de destruir toda a Israel por causa da intercessão de Moisés (Êxodo 32:11-14), Deus ainda ordenou o assassinato dos idólatras (Ex. 32:27 -28). A razão que Deus os condenou era porque os israelitas tinham feito a imagem de escultura de um bezerro para o seu Deus. O ídolo se tornou Deus para os israelitas. Isso é quebra-los a proibição do mandamento Êxodo 20:3 de adorar uma falsa divindade, através da confecção de imagens de escultura, porque eles deram o status de deus para o bezerro de ouro. E inclinaram-se e adoraram um deus falso. Não foi curvando-se, por si só, foi atribuir divindade ao bezerro de ouro. A Igreja Católica não faz o que os israelitas são condenados por Deus para fazer: Atribuir divindade para que a imagem de escultura. A Igreja condena tal idolatria. A Igreja Católica não ensina que a sua estatuária é deus, como os israelitas fizeram com o seu bezerro de ouro.
      Se o anti-católico é certo, e apenas fazer imagens de escultura para fins religiosos é uma violação do mandamento segundo, em seguida, fazer imagens de escultura, em qualquer contexto, é uma violação do mandamento segundo. Por que isso? Porque voltar ao versículo 4, diz: “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, ou que está na água debaixo da terra ‘ . Ele diz que qualquer tipo de semelhança de qualquer coisa é condenado. Até mesmo uma imagem de uma montanha seria condenado. Qualquer escultura que representa que seria condenado. Mesmo tendo uma imagem de alguém seria uma violação do mandamento. No entanto, a maioria dos protestantes ‘violar’ que o mandamento levando imagens de membros da família. Mas a maioria dos críticos da Igreja Católica não condena esses tipos de imagens por algum motivo. Além disso, eles geralmente não têm problemas que visitam o monumento Lincoln ou monumentos a heróis de guerra. Se eles dizem fazer imagens de escultura é pecaminoso em si mesmo, por que visitar esses lugares?

      Eles, então, dizer: ‘bem, isso só significa imagens esculpidas em um contexto religioso. No entanto, mostra a Escritura que este ponto de vista do mandamento cria um Deus que se contradiz no mesmo livro do Êxodo, onde o mandamento é dado! Por que isso? Vejamos entre Êxodo 20, onde o mandamento é dado, e Êxodo 32, onde os israelitas quebrar esse mandamento de adorar a outros deuses e são mortos pela idolatria. Na verdade, Deus comandos Moisés para fazer imagens de escultura: Êxodo 25:16-20, 26:1, 31:

      16 E porás na arca o testemunho, que eu te darei. 17: Então, você deve fazer um propiciatório de ouro puro; de dois côvados e meio será o seu comprimento, e de um côvado e meio a sua amplitude. 18: Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido se você os faz, nas duas extremidades do propiciatório. 19: Faça um querubim na extremidade de um, eo outro querubim na outra extremidade; uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades. 20: Os querubins estenderão as suas asas acima, ofuscando o propiciatório com suas asas, seus rostos um para o outro; direção ao propiciatório os rostos dos querubins ser.
      26:1 1: “Além disso, você deve fazer o tabernáculo com dez cortinas de linho fino torcido e outras coisas azul e roxo e escarlate; com querubins habilmente trabalhado fareis eles …. 31: “E você deve fazer um véu de azul e roxo e coisas escarlate e linho fino torcido, de obra qualificada que deve ser feita, com querubins;

      Deus ordena a Moisés que fizesse uma imagem de escultura, com querubins. Assim, ele ordena que na arca muito da aliança em que o próprio Deus residia. Mesmo a arca em si é o ouro que é refinado, corte para adornar um lugar onde Deus reside em uma maneira especial. Há um propiciatório de ouro puro. Isso por si só é uma imagem de escultura. Além disso, ele é puramente feito em um contexto religioso e a elaboração dessas imagens era para trazer mais glória a Deus, a si mesmo. Observe também que Deus quer que os querubins a ser habilmente feita (vv. 1, 31). Por que ele quer que eles sejam habilmente feita se fosse um pecado fazer querubins tal? Deus não quer que alguém a esmo moldar algo juntos, mas ele deseja alguém com habilidade moldar os querubins, bem como o propiciatório. É importante para Deus, que o homem faz o seu melhor na moldagem que imagem de escultura. Ele quer ter uma boa aparência. Deus reconhece que as imagens podem nos ajudar a adoração do próprio Deus.
      É a visão católica que pode olhar tanto o mandamento não ter nenhum outro Deus além dele, e não atribuem à divindade imagens de escultura, mas também mostra que adorno hábil de imagens também pode ser aproveitada para trazer mais honra e glória a Deus com estátuas tal.

      Nós vemos em outros lugares que as imagens são ordenados por Deus para ser feito até mesmo salvar as pessoas da morte! Números 21:7-9:

      7: E o povo veio a Moisés, e disse: “Pecamos, porquanto temos falado contra o Senhor e contra ti; orar ao Senhor, que tire de nós as serpentes”. Então Moisés orou pelo povo. 8: E disse o SENHOR a Moisés: “Faça uma serpente ardente, e defini-lo em um poste, e todo aquele que for mordido, quando ele vê isso, viverá”. , 9: Então Moisés fez uma serpente de bronze, e defini-lo em um pólo, e se um pouco serpente qualquer homem, ele olhava para a serpente de bronze e viver.
      Moisés faz uma serpente de bronze, uma imagem de escultura. O anti-católica não acho que uma imagem de escultura deve ser feita a todos em um contexto religioso. O anti-católica, durante o tempo de Moisés teria acabou morto, porque ele teria se recusado a reconhecer a bondade da serpente na imagem de escultura. Na verdade, a única maneira que as pessoas evitem a morte é dando uma olhada na imagem de escultura de uma serpente. Mais uma vez, os mandatos de Deus uma imagem de escultura a ser feitas e as pessoas só pode ser dada a oportunidade de viver, se olhar para a imagem. O anti-católica teria sido morto um anti-católica.
      O próprio Jesus fala mesmo do episódio em Número 21, em referência ao modo como ele traz a salvação: João 3:13-15

      13: Ora, ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do homem. 14: E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado, 15:. que aquele que nele crê tenha a vida eterna ”
      Jesus usa especificamente a imagem de Moisés criação e utilização de imagem de escultura que como um meio para curar e até mesmo salvar as pessoas. Ele não colocar isso em uma luz negativa. Ele elogia tanto que assim ele usa o evento para apontar como a salvação vem de Jesus Cristo. Assim como só aqueles que olhavam para a imagem de escultura de uma serpente foram salvos da morte, aqueles que olham para Jesus, que será crucificado e ressuscitado terá a vida eterna. Devemos crer em Jesus. Por que Jesus fazer uma comparação, se tornando a imagem de escultura, a serpente era um pecado?
      Agora, isso deve resolver o problema, mas há mais provas dadas na Escritura que Deus aprova de fazer imagens de escultura para fins religiosos. Agora, David queria fazer um templo para Deus. No entanto, Deus disse a Davi que ele não faria um templo, mas seu filho Salomão faria o templo. David iria receber instruções de Deus sobre o que o templo seria composto por. A arca da aliança, que já consistiu de imagens esculpidas, seria cercada com estátuas outro tanto.

      1 Crônicas 28:11, 17-19:

      11: Então Davi deu a Salomão, seu filho, o plano do vestíbulo do templo, e de suas casas, as suas tesourarias, os seus cenáculos e as suas recâmaras interiores, e do quarto para o propiciatório; … ouro 17 e puro para a garfos, as bacias e os jarros; para as taças de ouro, o peso de cada um, para as taças de prata, o peso de cada um; 18: para o altar do incenso de ouro refinado, e seu peso, também seu plano para a carruagem dourada dos querubins que, de asas estendidas, cobririam a arca da aliança do Senhor. 19: Tudo isso ele deixou claro pela escrita da mão do Senhor sobre ele, todo o trabalho a ser feito de acordo com o plano.
      Olhe para tudo o que envolve o estatuária arca da aliança. Ouro está em toda parte, e note que o que ele estava escrevendo estava vindo “a mão do Senhor.” Portanto, este templo construído cuidadosamente e estatuária não tinha apenas a aprovação de Deus, mas veio do próprio Deus.
      Vamos ver quando ele realmente foi feito por Salomão quando ele colocar isso em prática, um rei 6:22-29:

      22: E cobriu toda a casa com o ouro, até que toda a casa estava terminado. também todo o altar que pertencia ao santuário interior cobriu de ouro. 23: No interior do santuário , ele fez dois querubins de olivewood, cada um com dez côvados de altura. 24: Cinco côvados era o comprimento de uma asa do querubim, e de cinco côvados o comprimento da outra asa do querubim, que era de dez côvados de a ponta de uma asa para a ponta da outra. 25: O outro querubim também mediu dez côvados; tanto querubins tinham a mesma medida e da mesma forma. 26: A altura de um querubim era de dez côvados, e assim foi que do outro querubim. 27: Ele colocou os querubins na parte mais interior da casa, e as asas dos querubins estavam espalhados de forma que uma asa de um tocava na parede, e uma asa do outro querubim tocava na outra parede; suas asas tocou outros o outro no meio da casa. 28: E cobriu de ouro os querubins. 29: Ele esculpiu todas as paredes da casa em redor com figuras esculpidas de querubins e palmeiras e flores abertas, nas salas de interiores e exteriores.
      Querubins, ou imagens de escultura são construídas em todo o lugar no templo de Deus. O templo como sabemos foi amarrado em centralmente a adoração de Deus. Tudo através de um Reis 6 e 7 vemos Salomão ter feito muitas imagens esculpidas com querubins. Isto está fazendo imagens para fins religiosos.
      Qual foi a resposta de Deus para isso? Ele condena a construção do templo, porque foi adornada com querubins tudo isso? Vejamos a resposta de Deus a Salomão, quando o trabalho foi concluído:

      1 Reis 9:1-3:

      1: Quando Salomão acabou de construir a casa do Senhor ea casa do rei, e tudo o que Salomão quis edificar, 2: o Senhor apareceu a Salomão pela segunda vez, como lhe tinha aparecido a ele em Gibeão. 3: E o Senhor disse-lhe: ” Ouvi a tua oração e súplica a sua, que você fez antes de mim, eu consagrei esta casa que você construiu, e colocar ali o meu nome para sempre , meus olhos e meu coração estar lá para sempre.
      Deus viu de tudo claro que Salomão tinha construído. Ele viu todas as imagens esculpidas de todos os querubins, que, aparentemente, foram habilmente feitas. No entanto, Ele não só não condenou Salomão, para fazer esse estatuária, mas disse que, Ele consagra a esta casa que você construiu “, e promete que estaria ali para sempre!! Como Deus pode estar lá para sempre se Ele condena imagens de escultura!! Porque isso estatuária foi feito para não prejudicar a glória de Deus, mas ajudou na adoração de Deus.
      Vemos que, para fins religiosos em Êxodo 25, Números 21, 1 Reis 6 e 7, estatuária pode ser feito que não diminuirá de Deus, mas mesmo dar-lhe mais glória. Também vemos isso em um tempo muito mais tarde, em Ezequiel 41:17-19, que incluía imagens de querubins e homem. O catolicismo não é a mesma em sua estatuária é não desvirtuar Deus ou de substituir Deus como os israelitas fizeram em Êxodo 32. Deus reconheceu que tais imagens são boas para as pessoas e como as pessoas têm sentidos, estas imagens podem ajudar as pessoas em sua adoração a ele. A Igreja também dá-nos estátuas cujo objetivo é trazer a glória de Deus. Ela nos ajuda a trazer à mente as realidades celestes da presença de Deus para nós. Assim, estátuas e imagens, se for feito de forma a não torná-los como um deus, ajuda a trazer para a realidade os nossos sentidos celestiais para a nossa mente. Podemos ver que Deus não só elogia, mas mesmo ordenou a confecção de estátuas, de Moisés a Ezequiel.

      As imagens de querubins são elogiados por Deus no Antigo Testamento. Pode-se dizer, ‘Bem, isso é verdade, mas você católicos têm todas estas estátuas e ícones de Jesus e todos os santos. Não há nada sobre estátuas de pessoas elogiado ou ordenado por Deus, talvez isso é o que Deus está condenando em Êxodo 20:4. “Bem, uma coisa a notar que em Ezequiel 41:18-19 há uma menção de fazer estatuárias dos homens:

      18 E foi feito com querubins e palmeiras, uma palmeira entre querubim e querubim. Cada querubim tinha dois rostos, 19so que o rosto de um homem foi em direção a uma palmeira de um lado, eo rosto de um leão novo para a palmeira do outro lado, assim que foi feito durante todo o templo todos os lados.
      Por isso, foi permitido, mesmo no Antigo Testamento, para fazer uma imagem de um homem. No entanto, fica acordado que os querubins, que representam os anjos que viviam no céu com Deus foram os representados na maioria das obras elogiado por Deus. Não poderia haver imagens de Jesus no Antigo Testamento, porque Jesus ainda não havia se revelado a seu povo. A Palavra não se tornou carne até que a Nova Aliança. Na verdade, a Palavra, Jesus, fez-se carne (Jo 1:14). Mesmo que Jesus existiu desde o princípio (Jo 1:01, 8:58), o povo de Deus não o conhecia ainda. Quando Ele se fez carne, a encarnação mudou o mundo inteiro em volta da área. Cristo se dignou a tornar-se homem para a nossa salvação. Nenhuma imagem poderia ser feita de alguém que é puro espírito, mas na encarnação, Jesus se fez homem, o que nos permite ter uma imagem dele. Hebreus 1:3 diz: “O qual, sendo o resplendor da sua glória, ea expressa imagem da sua pessoa “. Estátuas nos ajudar a trazer à mente, e meditar sobre Jesus (e traz à nossa mente a realidade da Encarnação), precisamente porque Ele tornou-se carne por nós. Ele também traz à mente que Jesus intercede agora por nós no céu (Hb 7:25). É admissível que os Seus seguidores para fazer imagens dele para trazer-lhe glória. Os católicos sabem que as estátuas que refletem a imagem de Cristo, não é um deus.
      Quando Jesus veio ao mundo e foi ressuscitado, aqueles que estavam no inferno, já foram liberados, e os santos do Antigo Testamento poderia agora ir para o céu. Assim como o céu abriu-se, não só para os santos do Antigo Testamento, mas também os santos que surgiriam na Nova Aliança. Na Nova Aliança ficaram aqueles que também vivem em Sua presença no céu. Desde estátuas de seres celestiais foram ok na Antiga Aliança, agora na Nova Aliança, esses seres celestiais agora incluem os santos que estão agora no céu. E agora, na nova aliança, Deus gosta não única empresa com os anjos do céu (como significadas pelas “obras hábeis” de imagens de querubins por Moisés, Salomão e Ezequiel), mas também os santos do céu também residem na presença de Deus. As estátuas dos santos nos ajudam a visualizar as pessoas que apesar de ter um corpo de carne, assim como nós, fizeram grandes coisas no serviço de Deus. Ver aquelas estátuas de santos nos ajudam a visualizar e modelar nossas vidas, depois daqueles santos que se esforçaram para a santidade. Eles também nos dão um lembrete visual do fato de que essas pessoas estão no céu, e eles rogai por nós. Nos é dito em Hebreus que chegarmos aos espíritos dos justos aperfeiçoados, Heb. 00:01, 22-24:

      1: Portanto, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, vamos também deixar de lado todo peso, e do pecado que se agarra tão de perto, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, 22: Mas você tem chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, da Jerusalém celestial, e aos anjos inumeráveis ​​em reunião festiva, … 23: e para a montagem do primeiro-nascido, que estão inscritos nos céus, e para um juiz que é Deus de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, 24: ea Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue aspergido, que fala melhor do que o sangue de Abel.
      A Bíblia diz que estamos rodeados por estas testemunhas no céu como observado em Hebreus 12:1. Ele também diz que chegamos aos espíritos dos justos aperfeiçoados. É interessante que isto é anotado justamente quando a Bíblia fala de Jesus como o mediador de uma nova aliança. Isso não diminui-nos de Deus, mas nos leva para mais perto Dele. Eles oram por nós. Estátuas ajudar a trazer à nossa mente esta realidade celeste.
      Eu quero fechar com algumas observações apresentadas por São João de Damasco, (675-749 dC), em sua batalha contra aqueles que rejeitaram as imagens, e os que rejeitaram a tradição da Igreja, ele nos dá algum raciocínio sobre a questão , Sobre as imagens divinas, 1:16-17:

      16. Em tempos antigos Deus, que é sem forma ou corpo, nunca poderá ser pintada. Mas agora, quando Deus é visto na carne conversar com homens, faço uma imagem do Deus a quem eu vejo. que eu não adorar importa, eu adorar o Criador da matéria, que se tornou matéria por minha causa, que se dispôs a levar Sua morada em matéria, que trabalhou a minha salvação através da matéria. Nunca vou deixar honrando o assunto que operou minha salvação! Eu honrá-lo, mas não como Deus. Como Deus poderia nascer de coisas que não tem existência em si mesmos? Corpo de Deus é Deus, porque ele está ligado à sua pessoa por uma união que nunca passará. A natureza divina permanece a mesma, a carne criada no tempo é acelerado por uma alma, razão-dotado. Devido a isso saúdo toda a matéria restante com reverência, porque Deus encheu-o com a sua graça e poder. Através dela a minha salvação veio para mim. Não foi a madeira três vezes feliz e abençoada três vezes da questão cruz? Não foi a montanha sagrada e sublime da matéria Calvário? O que dizer da vida útil do rolamento de rocha, o túmulo de santa e que dá vida, a fonte da nossa ressurreição, não era assunto? Não é a tinta no assunto mais santo Evangelho livro? Não é o altar que dá vida feita de matéria? A partir dele nós recebemos o pão da vida! Não são ouro e prata assunto? A partir deles podemos fazer cruzes, cálices, patenas! E acima de todas essas coisas, não é o Corpo eo Sangue de Nosso Senhor importa? Ou acabar com a honra e veneração essas coisas merecem, ou aceitar a tradição da Igreja e da veneração das imagens. Reverência a Deus e Seus amigos, de seguir a inspiração do Espírito Santo. Não despreze a matéria, pois não é desprezível. Deus fez nada desprezível. Para pensar tais coisas é maniqueísmo. Só o que não tem a sua fonte em Deus é desprezível – o que é a nossa própria invenção, a nossa escolha deliberada de ignorar a lei de Deus – ou seja, o pecado. Se você despreza e abomino o comando para fazer as imagens porque são coisas materiais, considere as palavras da Escritura: “E o Senhor disse a Moisés: Veja, eu tenho chamado por nome Bezalel, filho de Uri, filho de Aur, da tribo de Judá, e eu enchi do espírito de Deus, com habilidade e inteligência, com o conhecimento e toda a habilidade para elaborar desenhos artísticos, para trabalhar em ouro, prata e bronze, no corte de pedras para a definição e em escultura em madeira, para o trabalho de todas as embarcações. E eis que eu tenho designado com ele Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã, e tenho dado capacidade de todos os homens capazes, que podem fazer tudo o que vos tenho ordenado. ” (Êxodo 31:1-6) …
      17. Nós usamos todos os nossos sentidos para produzir imagens digno dele, e santificar o mais nobre dos sentidos, que é o da visão. Pois, assim como palavras edificar a orelha, de modo também a imagem estimula o olho. que o livro é para os alfabetizados, a imagem é o analfabeto. Assim como palavras falam ao ouvido, para que a imagem fala à vista;. Traz-nos compreender Por isso Deus ordenou a arca para ser construído de madeira que não iria decair, e estar fora e dourada, e para os comprimidos para ser colocado dentro, com a equipe de Arão ea urna de ouro contendo o maná, a fim de proporcionar uma recordação do passado, e uma imagem do futuro. Quem pode dizer que estes não eram imagens, anuncia som de longe? Eles não foram colocados de lado na reunião de tenda, mas foram trazidos à vista de todas as pessoas, que olhavam para eles e os usou para oferecer louvor e adoração a Deus. Obviamente, eles não foram adorados por sua própria causa, mas através de eles as pessoas foram levadas para lembrar as maravilhas da antiguidade e adorar a Deus, o trabalhador de maravilhas. Eram imagens que servem como memoriais, não fosse divino, mas levou a lembrança do poder divino.

  10. ERMANOS EN RELIDAD ES QUE LA PALAVRA DE DIOS ES CLARA AL RESPECTO DE REVERENCIAR,ADORAR,O VENERAR IMAGENES ES CONDENADO POR NUESTRO SEÑOR JESUS CRISTO QUE ES EL DIOS ENCARNADO, SANTOS ,SANTAS O OTRO TIPO DE IMAGEN HECHAS Y CREADAS POR EL HOMBRE ES REPROVADA POR DIOS NO PODEMOS COMPARAR LA SANTIDAD DE SAN ANTONIO CON LA DE CRISTO SERIÁ UNA HEREJIA ,UNA FALTA TOTAL DE CONOCIMIENTO DEL EVANGELIO DE CRISTO …ESTA ESCRITO ¨NADIE VA AL PADRE SI NO ES POR MI ¨LA CONFUCION DE USAR LA VIEJA ALIANZA COMO DISCULPA ES FALTA DE CONOCIMIENTO PUES ESTA ESCRITO QUE NINGUNA CARNE SERÁ JUSTIFICADA POR LA LEI De modo que si alguno está en Cristo, nueva criatura es: las cosas viejas pasaron; he aquí todas son hechas nuevas. 2 Coríntios 5:17 ES INTERESANTE VER LO QUE SE DISCUTE ENTRE LOS HERMANOS DE DIFERENTES DENOMINACIONES ….OBSERVAMOS QUE TENEMOS EL MISMO DIOS EL MISMO OBJETIVO QUE ES LA SALVACION Y MI PREGUNTA ES A LOS HERMANOS VALE LA PENA ESTA DISCUCION? ENTIENDIO LA POSTURA DEL HERMANO EVANGELICO POR DEFENDER SU POSTURA MAS QUIEN JUSGA ES DIOS EN CUANTO A LO QUE SE COMENTGA Y DISCUTE AQUI ESTA CLARO LA NUEVA ALIANZA CON DIOS POR MEDIO DE JESUS Y ACEPTANDO A EL COMO UNICO SALVADOR DECLARANDO PUBLICAMENTE ACEPTAMOS EN NO ARRODILLARNOS MAS DELANTE DE CUALQUIER OTRO IDOLO,IMAGEN,O IMAGINACION DE IMAGES DE ARTISTAS HUMANOS QUE TENTANMOSTRAR DE COMO SERIÁ LA IMAGEN DE CRISTO ….HERMANOS EN VERDAD LES DIGO QUE TODO JUSTO VIVE POR LA FÉ Y MI UNICO GUIA FUÉ DADO POR DIOS NUESTRO CONSOLADOR QUE ES EL ESPIRITO SANTO QUE EN EL MOMENTO QUE ACEPTAMOS JESUS RESIVIMOS POR LA GRACIA DE DIOS Y COMENSAMOS COMO NUEVA CRIATURA COSA QUE ES MARAVILLOSO PUES YA NO SOY PECADOR LA PALAVRA DE DIOS DICE QUE SOY LIVRE Y CUANDO ACEPTE JESUS ACTOMATICAMENTE SOY LIVRE DE TODO PECADO Y TODO SE HACE NUEVO …JESUS ES PREGUNTADO POR NICODEMOS SOBRE EL NACER DE NUEVO Y EL EXPLICA QUE NO SE HABLA DE LA CARNE SINO DEL ESIRITO QUE PARA OCTENER LA SALVACION DEVEMOS DE DEJAR MORIR EL VIEJO HOMBRE Y QUE NASCA EL NUEVO HOMBRE POR EL CUAL JESUS REDIMIÓ CON SU SANGRE TODAS NUESTRAS ENFERMEDADES,MIEDOS,PECADOS Y NOS HISO LIVRES ….COMO SE CONSIGUE ESO?HERMANOS ESO ES POR LA FÉ TRES ACTITUDES NOS LLEVA A SE ENCONTRAR CON DIOS ESCUCHAR LA PALAVRA DE DIOS ,CREER EN LA PALAVRA DE DIOS Y RESIVIR LA PALAVRA QUE SIENDO NUEVA CRIATURA LO VIVIMOS TODOS LOS DIAS DE NUESTRA VIDA DIOS NO BUSCA RELIGIONES EL QUIERE QUE CREEAS EN EL SIGAS LA PALAVRA DE EL Y VIVAS LA PALAVRA DE EL TODAS LAS OTRAS COSAS CON LA NUEVA ALIANZA DESAPARECIERON GRACIAS POR LA OPORTUNIDA Y ESPERO QUE LA IGLESIA CATOLICA DEJE DE LADO LOS DOGMAS Y ORAMOS POR QUE REVELE EL VERDADERO PLANO DE DIOS SOLAMENTE EL ES DIGNO DE REVERENCIA,ADORACION, Y EL NO DIVIDE CON NADIE SU GLORIA AMA TU HERMANO COMO A TI MISMO DE LA BOCA DEL CRISTIANO (QUE SIGUE LA DOCTRINA DE CRISTO Y NO OUTRAS SANTAS NI SANTOS SOLAMENTE CRISTO) NO DEVE SALIR NI UN TIPO DE MALDICIONES …..DIOS NOS BENDIGA A TODOS Y OREMOS PARA QUE DIOS NOS DE DICERNIMIENTO Y SABIDURIA EN TODO TIEMPO Y DISFRUTEMOS DE PA GRACIA DE DIOS EN TODO TIEMPO A M E M

  11. Bom dia Helen, como vai?

    Sobre suas colocações:

    HELEN:

    Entretanto, o fato de Deus conhecer nossos pensamentos e, por conseguinte, nossas necessidades não significa dizer que Ele não queira que nós – até em reconhecimento de nossa dependência da bondade divina – nos dirijamos à Ele em orações de súplica e intercessão. Do contrário, se esse argumento funcionasse para anular ou invalidar a “necessidade” de recorrer à intercessão dos santos, ele deveria logicamente também descartar a necessidade da oração de petição feita diretamente à Deus em benefício próprio! Ou seja, se Deus sabe dos nossos pensamentos, para que então orar para alcançar as graças que desejamos?

    RESPOSTA:

    O problema todo que vejo aqui, é o “supor” que Deus deva fazer ou ser desta ou daquela maneira, veja o que voce diz: ” se esse argumento funcionasse para anular ou invalidar a “necessidade” de recorrer à intercessão dos santos, ele deveria logicamente também descartar a necessidade da oração de petição feita diretamente à Deus em benefício próprio!”, ora, este “argumento” como a Sra. chama está embasado, de forma explícita da Bíblia quando ordena e adverte ao mesmo tempo sobre a intercessão de Jesus, e SOMENTE ele como meio ou forma de se chegar à Deus ou interceder, então o que digo não é resultado de conjucturas ou “possibilidades”, mas de fato o que está escrito e ordenado na Palavra de Deus, volto a dizer que o cristão verdadeiro se SUBMETE ao que lhe é ordenado, e o cristão INSUBMISSO percorre caminhos do seu próprio pensamento para fazer ‘suposições”. Então, Deus quer sim, que recorramos a ele, pois ele não nega isso, pelo contrário, exorta a todos que assim o façam, pois o Pai abençoa e responde o filho que a ele clama segundo a sua nescessidade, disto EU NUNCA DISSE O CONTRÁRIO, pois é bíblico, é conselho e exortação do próprio Deus, me refiro as intercessões de santos, que conforme voce comenta aqui, é resultado de “presunção” e não de ordem direta de Deus. Acho muito perigoso entender algo a partir de uma conclusão que não é Bíblica, não é concenso e que desmentiria a própria Bíblia que diz; “ninguém chega ao Pai senão por MIM”, se isto não lhe basta para rejeitar o que for diferente disto é seu ponto de vista, prefiro o ponto de vista de Deus a respeito disso, conjucturas e presunções de que isso “pode” ser é prova ou embasamento frágil para que configure uma tese concreta e sólida, da mesma forma que uma vez a Sra. deu “carta branca” às pílulas de papel do galvão, simplesmente porque em dado momento histórico a sombra de Pedro curou pessoas, é disso que estou falando, forçar a aceitação de algo que em nada tem a ver com um acontecimento bíblico para legalizá-lo ou mostrá-lo como “correto” a partir de um exemplo que em nada se compara a ele, nem foi ordenança de Deus, vou morrer dizendo e repetindo: “não ultrapassem a palavra, não inventem nada que ali não ordene”.

    HELEN:

    os Santos VIVEM em Espírito e fazem parte do Corpo Místico de Cristo. Sendo assim, a promessa de Deus feita em João 14 é válida não apenas para os santos vivos na carne, mas também àqueles vivos em ESPÍRITO, por isso eles têm poder de intervir, porque amaram a Jesus e guardaram os mandamentos. Os Santos viveram de acordo com os preceitos de Deus e por isso, herdaram a vida Eterna. Portanto, suas orações são ainda mais eficientes (cf Tiago, 5,16) do que as daqueles que – ainda em vida – apesar de crentes, lutam contra a própria carne e o pecado. No Céu não há pecado. Sem a Santidade NINGUÉM verá o Senhor! ( Hebreus 12, 14)

    RESPOSTA:

    Ok, concordo, a promessa é válida para os santos na terra e no mundo celestial, se ELES tem poder ou não de intervir NÃO É A QUESTÃO, a questão é se isso É ORDENAÇÃO DE DEUS que eles assim o façam.

    Por favor, onde voce encontrou na Bíblia sobre orações são MAIS EFICIENTES? (copie e cole P O R F A V O R)

    Segundo o versículo por voce citado, Tiago 5-16 “confessai pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode pela sua eficácia, a súplica do justo” não há nada aí que se possa concluir que a interscessão dos santos seja mais ou menos eficiente ou ainda, que DEVA SER FEITA, pois está citando pessoas em vida, orando e confessando uns aos outros, portanto se este foi seu exemplo para embasar que “as orações dos santos sejam mais eficientes”, “que Deus ordena que os santos no céu orem e intercedam”, não há NADA nexte texto bíblico que aponte para este seu “particular” entendimento, desculpe.

    HELEN:

    Este conceito de “receber” um santo NÃO pertence à Santa Fé Católica. A Igreja, em NENHUM documento ou JAMAIS em sua tradição ensinou que o católico deve receber um santo. Isso, ao que parece-me, deve-se à sua confusão com práticas pagãs das religiões pagãs como umbanda, etc… que justamente para conseguir sobreviver durante o domínio Português num Brasil extremamente católico – usaram o termo católico “santo” para definir-denominar as entidades as quais eles “recebiam”.

    RESPOSTA:

    Ops, temos um “mal-entendido” aqui, é óbvio que tenho perfeita ciência que situações vividas por práticas espíritas e de alguns rito africanos não fazem parte da doutrina católica, ok?

    Eu quiz exemplificar a questão sobre intercessão da seguinte forma: vizualizando na PRÁTICA o que poderia ser e como se daria a situação vista, entendida e aceita pelos católicos, ou seja, Deus em seu lugar sagrado e específico, “recebendo” o mensageiro “santo” que vinha lhe dizer que o fulano de tal está a pedir, que seja curado de tal doença, Deus em seu santo lugar “recebendo o “santo” ou “santa” que chegam com notícias sobre o que fulano ou ciclano quer ou pede, entendeu o “receber” a que me refiro?

    E é sobre esta questão que coloco, como já fiz anteriormente, se Deus já conhece o motivo da petição, automaticamente se torna desnescessário, ineficiente, ilógico e sem sentido que algum santo ou santa chegue-se até Ele para lhe comunicar o que Deus já sabia bem antes do tal santo ou santa receberem o “pedido”.

    As teses são “desmontadas” quando se colocam à prova de sua execução, eficiência no seu propósito, assim como quando não simplemente aceitei dulia, iperdulia e latria e pronto, mas dissequei a funcionalidade das mesmas, e quando se percebe a “inoperação” e falta de sustentação para a seu REAL e eficiente procedimento, acaba ficando viável apenas no campo da teoria, o que claro é insuficiente, assim como esta questão sobre intercessão, quando se aceita uma doutrina sem averiguar extamente sua eficácia, sua lógica de assim ser, fica apenas e meramente no campo do “concluo isso a partir daquilo, mesmo que aquilo não corresponda diretamente”, resumindo, tem muita forçação para “validar” um conceito que em NENHUM LUGAR DA BÍBLIA mostra assim que se faça, e se o versículo de Tiago 5-16 é por exemplo, considerada pela Sra. uma “base” para sua explicação, eu só reforço o que venho dizendo, os católicos não interpretam o que está escrito, mas sim o que eles gostariam que ali estivesse, ora Sra. Helen, aqui não se trata da minha ou da sua opinião, está escrito e contra a Bíblia eu não rebato, por favor leia novamente o seu exemplo de Tiago 5-16, sei que a Sra. consegue fazer melhor, busque outros versículos e P O R F A V O R copie e cole, me repasse eles, terie o maior prazer em comentar a rspeito.

    Como sou brasileiro, estou no Brasil e falo a língua portuguesa, e estou me comunicando com pessoas de língua PORTUGUESA,

    Desejo Paz a todos os homens, imagine se eu mando uma saudação em francês, mandarim..ninguém é obrigado a saber uma língua diferente de

    • vcs ai debatendo em vez de ir orar e pedir a Deus para q haja uniao entre as doutrinas q adoram a um unico e verdadeiro Deus a vdd eh q naum eh a religiao q te leva para o ceu sao seus atos aqui na terra

      • olá victor Augusto,

        A paz do Senhor!
        Eu debato, mas oro também. Não se preocupe.
        O sr está coberto de razão ao dizer que o que nos leva ao Céu são nossos atos. A Religião é apenas um instrumento que nos ajuda a conhecer o Deus único e Verdadeiro. A comunidade da Fé é nossa irmandade, onde encontramos refúgio e encorajamento. Onde podemos compartilhar nossas alegrias, tristezas e aprender um com os outros.

        Deus abençoe.

  12. O erro sempre usa o erro para se justificar e continuar no ERRO. a arca da aliança, a serpente de metal e as figuras do templo, jamais justifica as GROTESCAS fabricação de imagens e idolatrias dessa igreja falida espiritualmente. DEUTERONÔMIO 5:v.7,8; jamais deixa espaço para uma comparação e justificação tão IMBECIL do clero romano, que sabe muito bem, que no dia em que confirmarem as verdades da BÍBLIA, certamente a católica DESAPARECERÁ DEFINITIVAMENTE;;;;;;; SHALOM.

    • RIBAMAR TENHO PENA DE VOCÊ! JÁ PENSOU MESMO SE A IGREJA CATÓLICA FOSSE FALIDA COMO A SEITA PROTESTANTE? QUE SÓ NO BRASIL JÁ PASSA AS 50 MIL DENOMINAÇÕES! RIBAMAR, NO MEIO DE VOCÊS TEM SEITAS DE HOMOSSEXUAIS, IGREJA DA MACONHA, QUE NEGAM JESUS CRISTO, DEUS…OUTRAS SEIRAS PREGAM CASAMENTOS AO BEL PRAZER,STATUS…ACORDA PRA VIDA, RIBAMAR VAI ESTUDAR.

      A DOENÇA DA SEITA PROTESTANTE É TÃO PODRE QUE DESTRUIU A EUROPA TRAZENDO CASAMENTOS GAYS TRAZENDO O NEOLIBERALISMO ACABOU COM OS CASAMENTOS E TANTAS DESGRAÇAS FUNESTAS.

      RIBAMAR VEJA A SEITA NO ESTADOS UNIDOS JÁ SUPERAM 200 MIL DENOMINAÇÕES QUE PREGAM MIL ABSURDOS

      SAIBAS RETARDADO MENTAL QUE EM 20 ANOS ATRÁS OS CATÓLICOS ERAM 22 MILHÕES E HOJE ESSE NUMERO JÁ PASSA DE 87 MILHÕES DE CATÓLICOS SABE POR QUE ESSE CRESCIMENTO FOI POR CAUSA DA PATRÍSTICA.

      RIBAMAR VOCÊ TEM PROBLEMAS MENTAIS A UNICA SEITA SEM CREDIBILIDADE HOJE NO MUNDO SE CHAMA PROTESTANTISMO

      E PARA SEU GOVERNO OS CATÓLICOS HOJE NO MUNDO JÁ CHEGAM A 1 BILHÃO E 600 MILHÕES DE SEGUIDORES

      A IGREJA É TÃO FALIDA QUE É A QUE MAIS AJUDA NO MUNDO

      ACORDA RIBAMAR VAI PREGAR SUAS FANTASIAS PARA SEUS PASTORES LADÕES E VAGABUNDOS

    • Ribamar qualquer pessoa que tenha lido a Bíblia deve ter-se fartado dos textos, onde o povo de Deus realizava suas procissões.
      Vamos logo aos exemplos:
      “…procissões de luto diante do Senhor dos exércitos?”(Ml 3,14).

      Os dois transportes da Arca da Aliança realizados por Davi, foram em grande festa, onde o próprio rei dançava diante da Arca do Senhor:
      “Davi, os anciãos de Israel e os chefes de mil foram para retirar da casa de Obededom a arca da aliança do Senhor, e para transportá-la no meio de regozijo.”(1Cr 15,25)
      “Davi e toda a casa de Israel dançavam com todo o entusiasmo diante do Senhor, e cantavam acompanhados de harpas e de cítaras, de tamborins, de sistros e de címbalos.”(2Sm 6,5)
      A bem da verdade toda a caminhada dos israelitas no deserto por 40 anos foi uma LONGA PROCISSÃO, onde a Arca da Aliança sempre ia à frente deles.

      Também o governador Neemias ao inaugurar as muralhas reconstruidas, fez solene procissão com 2 cortejos:
      “Fiz então subir à muralha os chefes de Judá, e formei dois grandes coros para o cortejo. Um ia pela direita, por cima da muralha, na direção da porta da Esterqueira.”(Ne 12,31).

      Portanto Ribamar…. só nos resta lamentar: Coitados dos filhos de Lutero…. como estão cegos !!!

  13. Helen: Celebrar e reconhecer a contribuição do santo, tanto no fortalecimento da fé como no amor ao próximo, é nada mais nada menos do que fazer justiça a quem merece! Isso, seguramente não ofende a Deus, pois os santos são pessoas que em vida honraram á Deus. Portanto, Deus honra aos seus santos. Sendo assim, como Ele poderia reprovar aqueles que honram aos seus bons servos?
    Resposta: Este erro é elementar entre os católicos, se não faz mal porque não há de fazer o bem?
    Vamos lá, a Sra. me comentou certa vez que é arquiteta, ok. Se eu a denominar de outra coisa, mesmo que não sejas tal, seria correto? Por exemplo, se a Sra. disser que eu sou o patrono da minha cidade (Porto Alegre), isso é um mérito excepcional para um cidadão, mas embora sua intenção seja 100% boa, não significa que eu me torne automaticamente o patrono da cidade simplesmente porque esta informação se espalhou e eu passo a ser e ter tal status.
    Acima de Deus ver nossas intenções, ele vê a VERDADE daquilo, se procede ou não, se ele assim determina ou não, ou seja, minha intenção é boa ao desejar que os santos que já se foram sejam intercessores entre eu e Deus, eu preciso saber se Deus quer ou ordena isso, ok? Não posso, mesmo que seja colocando um cargo de excelência aos santos, determinar que assim seja, apenas por entender que “aquilo é bom”, mas ninguém se pergunta: “será que é correto determinar algo independente da vontade de Deus, apenas porque vejo aquilo como sendo bom?”
    Todas as situações onde se mencionam que os santos intermediem em orações são em situações onde os “santos” estão VIVOS, nenhuma passagem pede intercessão de santos MORTOS.
    Além de Deus nos dizer que: “antes que a palavra chegue à tua lingua eu já a conheço”, “eu prescruto teu coração e esquadrinho teus pensamentos”, isso não deixa dúvidas da “não-nescessidade” de intermediação pois se Deus já conhece nossos pensamentos antes mesmo que falemos, imagine o tempo de ir até a igreja ou procissão para mandar o “recado” à Deus através do “santo”, ora, ela já está ciente da nossa petição, logo não faz sentido um santo chegar até ele pra falar tudo o que ele já sabe.
    Helen:Agora, sr Gilmar, o sr está indignado com a suposta permissividade do cimo da Igreja em relação aos supostos abusos ( abusos sob a ótica e veredito protestante, fique aqui bem claro!) acontecidos dentro da Igreja
    Resposta: Não sou protestante, minha ótica é sob a luz da Bíblia, que também fique claro para a Sra.
    Helen: Sírio de Nazaré?
    O sírio é uma festa e procissão. Como já expliquei sobre isso no comentário acima, omitirei responder de novo.
    Resposta: Já comentei acima e sobre a sua explicação, aguardo o post que a Sra. prometeu, ok?
    Helen: Eu gostaria de saber qual é o problema das Romarias? Desde o princípio do cristianismo esta prática existe. Quantos milhares de milhares de cristãos não saíram de sua própria casa para um dia visitar um sítio importante na história de sua fé? Eu estive ao Egito, no Monte Sinai, um sítio santo onde ocorreram eventos importantíssimos para a história judeo-cristã, eventos dignos de serem lembrados, merecedores de reflexão, etc. Onde está a idolatria nisto? Visitar o local onde foi crucificado Jesus, também classifica como idolatria? Afinal, trata-se apenas de um lugar onde ocorreu um evento, não do Cristo em pessoa!
    Orar a Deus em agradecimento pela obediência de Maria ao aceitar a tarefa a ele incumbida de dar a luz ao messias, cuidar Dele, viver por Ele e para Ele, isso é ofensa a Deus?
    Seria Idolatria fazer uma viagem longa para conhecer ou ver de perto um sítio onde aconteceu um grande milagre, onde a glória e bondade de Deus foram manifestadas de forma extraordinária também é idolatria?
    Se fosse, então de fato a Igreja deveria intervir.
    Resposta: Nas romarias (que eu já fui, já participei, já vi, já escutei, já toquei) as pessoas EXTRAPOLAM, agradecem para as estátuas, quando na verdade Deus é que faz a obra em nossas vidas e não aqueles santos (lembrando, Deus conhece nossos pensamentos, logo, não nescessita de “telegramas” para ficar ciente do nosso problema ou desejo).
    As pessoas ascenam para as estátuas enquanto choram, atiram pétalas de rosa no gesso esculpido, esfolam os joelhos em frente às imagens, eu vi tudo isso, uma histeria assim que NÃO SE VÊ no Monte Sinai, no busto de Dom Pedro, nem na foto do parente guardada na carteira, são comparações que se contradizem como tentativa de exemplos SEMELHANTES, a questão não é em construir ou ter foto, imagem consigo, mas sim o STATUS dado à ela.

    • Sr Gilmar,

      Infelizmente o sr distorce meus comentários, desvia da discussão com conjecturas inúteis, não responde aos meus desafios, não reflete sobre meus argumentos…
      Enfim, eu sinto que estou a perder meu tempo com o sr.

      O seu questionamento, em princípio era a acusação contra idolatria.~
      Provei que no contexto oficial dos ensinamentos católicos – ou seja, aquilo que a Igreja ensina e prega, isso é uma abominação.
      Dai o sr passou a se apoiar na tese de que ” se a igreja realmente condena a idolatria, porque não impede os abusos?”
      A isso eu respondi que; o que é abuso para o sr, protestante e portanto alguém que rejeita a comunhão dos santos, não é abuso para a Igreja, que não só ensina sobre a comunhão dos santos afirmando que o povo de Deus é, portanto, membros do “corpo místico” de Cristo (1 Coríntios. 12:27), em comunhão com Cristo, e espiritualmente nutridos ( Efes. 5,25-29) … mas presta honra a eles. Mais adiante, demonstrei ser bíblica a honra aos santos, pois Deus honra à quem O honra…
      Ai o sr parte para uma defesa ou deveria dizer ataque, argumentando que não basta afirmar que aquilo que não é ruim pode ser feito, pois não ser ruim não determina algo como bom.
      Ora, sr Gilmar, o sr parece jogado meus argumentos na lata de lixo para chegar a essa conclusão. Eu, tampouco a Igreja, prega que a Idolatria de fato seja permitido. O que eu estava tentando demonstrar é que as Romarias, procissões, etc não são idolatria, mas atos de honraria!

      Leia isto que diz o apóstolo Paulo:

      Os membros do corpo que parecem mais fracos são os mais necessários; 23. e aqueles membros do corpo que parecem menos dignos de honra são os que cercamos de maior honra; e os nossos membros que são menos decentes, nós os tratamos com maior decência;
      24. os que são decentes não precisam desses cuidados. Deus dispôs o corpo de modo a conceder maior honra ao que é menos nobre,

      Assim, creio eliminar sua “preocupação” em afirmar que se não está errado, não necessariamente significa estar correto. Pois se Deus honra até aos menos importantes membros do Corpo Místico – a Igreja – não se opõe, logicamente, que o outros membros façam o mesmo!

      Agora, pra finalizar minha refutação, exorto ao senhor que leia tanto os posts como os comentários mais antigos sobre o tema. OS SANTOS no céu NÃO estão MORTOS, mas vivem em Espírito, conforme a promessa de Deus!! Será que isso é tão difícil assim de entender?! Se ao morrermos nosso Espírito morresse, então de que serviria a promessa????

      Leia com atenção o post que eu publiquei hoje sobre o sono da alma, bem como o outro sobre o mesmo tema publicados tempos atrás. Por favor, faça uma busca no blog sobre ” Santos” e ” Sono da Alma”

      Finalizo, com uma saudação pelo debate, agradecendo pela participação e pela paciência em esperar por uma resposta. Que as bençãos de Deus recaiam sobre si e sua familia!

      Pax Domini

      • Olá Sra. Helen,

        HELEN:

        Sr Gilmar,

        Infelizmente o sr distorce meus comentários, desvia da discussão com conjecturas inúteis, não responde aos meus desafios, não reflete sobre meus argumentos…

        RESPOSTA:

        É justamente para tentar ser o mais claro possível que estou elencando cada comentário feito pela Sra. para que se possa compará-los juntamente com o que penso sobre o que foi dito, se eu “desviasse” da discussão não teria colocado seus comentários junto ao meu parecer, e “conjucturas inúteis” é meramente sua opinião, meus argumentos TODOS são com embasamento bíblico, sobre não responder à Sra., o que estou fazendo agora? Sobre refletir sobre seus argumentos, tanto reflito que estou a contradizê-los ou questioná-los.

        HELEN:

        O seu questionamento, em princípio era a acusação contra idolatria.~
        Provei que no contexto oficial dos ensinamentos católicos – ou seja, aquilo que a Igreja ensina e prega, isso é uma abominação.

        RESPOSTA:

        Se a Sra. considera “prova”, os ensinamentos feitos por, e para católicos para darem embasamento às práticas existentes, aproveite as “suas” provas para a Sra., não significa que eu tenha de aceitá-las, se me mostrares algo coerente com a Bíblia Sagrada, ok, mas se houver contradição, estou fora, muito obrigado.

        HELEN:

        Dai o sr passou a se apoiar na tese de que ” se a igreja realmente condena a idolatria, porque não impede os abusos?”
        A isso eu respondi que; o que é abuso para o sr, protestante e portanto alguém que rejeita a comunhão dos santos, não é abuso para a Igreja, que não só ensina sobre a comunhão dos santos afirmando que o povo de Deus é, portanto, membros do “corpo místico” de Cristo (1 Coríntios. 12:27), em comunhão com Cristo, e espiritualmente nutridos ( Efes. 5,25-29)

        RESPOSTA:

        Nunca disse que rejeito a comunhão dos santos, porém tal qual ele deve ser, baseado na Bíblia, veja isto:

        Lev.20-7 “portanto santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o senhor vosso Deus”,

        aqui Deus fala a Moisés (ainda vivo), dando instruções à ele para que levasse ao seu povo (vivos) os conselhos de Deus, pois bem, acaso voce percebe que Deus pede para Moisés que está VIVO para que ele seja SANTO? E que ele leve este mesmo recado ao seu povo para que eles também se SANTIFIQUEM?

        Pedro 1-16, “sede santos porque eu sou santo”, novamente a mesma afirmação, ou seja, Deus considera isto tão essencial para o cristão que repete para Pedro o que ele já havia dito para Moisés,

        Lev. 11-44, “eu sou o Senhor vosso Deus, portanto vós vos consagrareis, e SEREIS SANTOS, porque eu sou santo”

        Veja que, em nenhum momento Deus fala a moisés que ele sá poderá ser santo após morrer, ou para todo o povo, Pedro, enfim, Deus pede isso para pessoas diferentes em épocas diferentes, mas algo em comum, todas as pessoas estão em vida, o que significa que é possível santificar-se enquanto vivemos, os que Deus chama de Santos são pessoas como eu e voce, desde que, santificadas, consagradas à ele.

        Fil. 1-1, “Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a TODOS OS SANTOS, que ESTÃO em Filipos, com os Bispos e Diáconos.

        Atos 9-41, “e ele, dando-lhe a mão, a levantou e, CHAMANDO OS SANTOS e as viúvas, apresentou-lha viva”.

        Romanos 16-15, “saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas e a TODOS OS SANTOS que com eles estão.

        Romanos 15-26, “porque pareceu bem à Macedônia e à Acácia fazerem uma coleta para os pobres dentre OS SANTOS que ESTÃO em Jerusalém.

        Atos 9-32, “e aconteceu que, passando Pedro por toda a parte, veio também AOS SANTOS QUE HABITAVAM EM LIDA.

        Todas estas passagens mostram com clareza absoluta que a santificação é descrita como a condição daqueles em vida, separados por Deus.

        Santo,Qadash, o termo para santo no Velho Testamento, é usado mais de 600 vezes, de muitos modos. Muitas vezes é usado para nomear alguma coisa a ser separada; o santo lugar, por exemplo (Êxodo 28:43; 29:30), era separado dos lugares comuns para propósitos de adoração. Outras vezes é usado para descrever uma característica. O nome de Deus é literalmente expresso “meu santo nome” (Levítico 20:3; 22:2). Sião é, às vezes, chamado o “santo monte” (Salmo 2:6). Freqüentemente, o termo é usado como verbo. “Santificar” uma coisa é “consagrá-la”, ou separá-la do comum. Deus “santificou” o altar (Êxodo 29:29), o Templo (1 Reis 8:64), pessoas (Êxodo 19:10, 14) e lugares (Êxodo 19:23).

        Quando Deus pede que os santos intercedam em orações, e ele cita em toda a Bíblia que santos somos nós, eu, voce, desde que consagrados, separados, ele orienta para que os santos intercedam e fala isso abertamente aos próprios santos que estavam presentes durante as pregações, e estes VIVOS, ou seja, ele não diz: “depois que voces morrerem comecem a interceder”, ou “quando precisarem de intercessão e oração, peçam aos santos que já morreram, que estão na glória” NÃO! Ele fala isso entre os SANTOS VIVOS, tanto os SANTOS POBRES, que estavam em Jerusalém nescessitados de contribuições para viverem, tanto os SANTOS que HABITAVAM EM LIDA, assim como entre os SANTOS que Moisés orientou após ouvir de Deus “portanto vós vos CONSAGRAREIS, e SEREIS SANTOS”.

        Se Deus assim quizesse, que os santos não mais presentes aqui na terra fossem os REAIS “intercessores”, ele assim o faria, portanto, se os homens SANTOS daquela época eram VIVOS e estavam SANTIFICADOS, para intercederem entre eles, a mesma coisa acontece desde então, qualquer um de nós, que se SANTIFIQUE, está apto para interceder na condição de SANTO, pois assim é que a Palavra de Deus se refere e dá exemplos absolutamente claros em relação à isso, em contrapartida não há uma ordem sequer da parte de Deus que alguém que já esteja além deste mundo terreno, venha a intervir em nossas vidas além do nosso Senhor Jesus Cristo.

        Isto não é conjectura inútil nem tão pouco distorção, caso eu esteja errado em minhas colocações, por favor mostre-me onde está na Bíblia a ordem ou conselho de Deus que se deve orar ou pedir ou interceder com os que não estão mais neste mundo terreno,

        HELEN:

        Agora, pra finalizar minha refutação, exorto ao senhor que leia tanto os posts como os comentários mais antigos sobre o tema. OS SANTOS no céu NÃO estão MORTOS, mas vivem em Espírito, conforme a promessa de Deus!! Será que isso é tão difícil assim de entender?! Se ao morrermos nosso Espírito morresse, então de que serviria a promessa????

        RESPOSTA:

        Será que é tão difícil de entender? Essa pergunta foi pra mim? Veja, não afirmo que os SANTOS no CÉU estão mortos, NUNCA disse isso, e a questão NÃO É ESSA, o fato de nosso espírito continuar vivo não significa que ele tem que receber ATRIBUIÇÕES que o Senhor nosso Deus NUNCA as deu, percebe a diferença? O princípio aqui trata-se de submissão/senhorio, obediência, se for ordenamento divino, ok, vá em frente, mas se Deus não assim o disse, porque eu haveria de tirar conclusões próprias para justificar uma atitude? “Deus não ordenou, mas eu ACHO que não haveria problema nenhum honrar aos santos que já partiram”, o “mal”, o “erro” não está nescessariamente na SUA intenção, mesmo que pura e inocente ela seja, mas por trás dela a DESOBEDIÊNCIA, a AUTONOMIA HUMANA em se auto-regrar, dispensando Deus, pois se o que ele falou não faço, e o que ele NÃO falou faço, onde está o SERVO e o SENHOR nisso?

        O católico pode ser 100% honesto, 100% sincero, 100% devotado, mas pode mesmo com tudo isto que citei estar 100% enganado no que diz respeito à identificar o que Deus REALMENTE quer que eu faça, e não o que EU JULGUE poder fazer.

    • Alexandre o mero o leigo estudante de história que conhece a igreja católica nos falsos e meros pontos de vista dos historiadores protestantes

      Alexandre você é apenas mais um pobre protestante manipulado, nessa modalidade teatral, como aquele que dá vida e expressão aos bonecos nos seus mais variados formatos. Como nos grandes congressos evangélicos, agora Alexandre a única diferença é que o manipulado foi você como muitos milhares de outros protestantes que são manipulados por charlatões pastores Que inventam milhares de mentiras contra a igreja católica

      Alexandre leigo conheçamos alguns tipos de crentes que se deixam manipular:
      ALEXANDRE VOCÊ SE PARECE COM CRENTE MARIONETE. Marionetes são os mais elaborados bonecos entre os vários tipos usados no teatro. Geralmente, são construídos com madeira, com articulações nos pulsos, cotovelos, ombros, cintura, quadris, joelhos e, ocasionalmente, pescoço e tornozelos. Uma marionete padrão é movimentada através de uma série de nove fios que obedece à seguinte distribuição: um para cada braço, um para cada perna, dois para a cabeça, um para cada ombro e um para as costas. Os fios de sustentação da marionete são ligados a um controle central de madeira em forma de cruz que é movimentado por uma única mão do manipulador.
      Também Alexandre você se parece com os pregadores manipuladores pois também têm os seus “fios”, isto é, os seus clichês, as suas frases de efeito, para mecanizar o culto e manipular o povo, afastando-o da Palavra de Deus e do Deus da Palavra: “Quem nasceu para vencer levante a mão”, “Aperte a mão do seu irmão até que ele diga ‘aleluia’”, “Tire o pé do chããão”, etc. Mas veja que curioso! Na manipulação de marionetes há uma cruz na mão do manipulador! E, na pregação moderna, não existe mais cruz! Além disso, o pregador não está mais na mão do Senhor, o Controlador de todas as coisas!
      ALEXANDRE VOCÊ TEM UM JEITO DE CRENTE FANTOCHE. Aquele que da montagem do fantoche é feita numa luva, calçada na mão do manipulador, que dá movimento ao boneco. Ele tem tamanho e gestos limitados às dimensões e possibilidades gestuais do operador. A sua construção é relativamente simples: cabeça e mãos são feitas geralmente de material resistente, como madeira, unidas entre si por uma roupa folgada de tecido aberta atrás, por onde é introduzida a mão do manipulador.
      Esse é o seu estilo Alexandre vocês manipuladores costumam ter facilidade para enganar crentes fantoches, que costumam ser “cabeça dura”, por não frequentarem a Escola Bíblica Dominical e os cultos ensino da Palavra, além de fazerem “corpo mole” para a obra de Deus. Esses crentes não têm firmeza e vivem atrás de movimentos. Quando ficam diante de um manipulador, comportam-se como se estivessem hipnotizados e obedecem a todas as suas ordens…
      Certos milagreiros, à semelhança dos manipuladores de fantoches, que introduzem a mão no interior do boneco, têm conseguido tocar na alma de crentes desavisados, fazendo-os ter sentimentos nunca antes experimentados! Alguns, ao ouvirem esses “pregadores”, caem ao chão anestesiados, riem sem parar, rugem, latem, unem as mãos e não conseguem mais separá-las, etc. E assim caminha o teatro, ops!, o culto “evangélico”, sem pregação expositiva da Palavra de Deus e muita hipnose, considerada hoje uma grande manifestação do Espírito!
      ALEXANDRE VOCÊ SE ENCAIXA TAMBÉM NO CRENTE MAMULENGO. Mamulengo é uma corruptela de “mão molenga” e alude a um tipo de boneco comum nos teatros do Nordeste do Brasil. O manipulador — ou mamulengueiro — emprega um tom bastante crítico nos diálogos e improvisa bastante, ao fazer piadas de humor pesado, que ridicularizam fatos ou pessoas da comunidade.
      Não é difícil de identificar os mamulengueiros e os mamulengos no meio “evangélico”. Ambos, ignorando o evangelho cristocêntrico, valorizam as pregações e as canções revanchistas, ridicularizadoras, zombeteiras, pelas quais se tripudia dos inimigos, que não são as hostes do mal, o mundo ou a carne. Os seus inimigos são os seus vizinhos, patrões, colegas de trabalho e irmãos que os viram na prova e os não ajudaram, e agora são hostilizados “entre a plateia” por aqueles que estão no palco…
      E POR ULTIMO ALEXANDRE VOCÊ TAMBÉM PODE SE COMPARADO COM O CRENTE JÔRURI. Comum nos teatros de bonecos do Japão, o jôruri adquiriu grande requinte a partir do século XVIII, com movimento de olhos e articulação dos dedos. Mas a sua movimentação não é fácil. São necessários três manipuladores: o mestre, vestido com traje cerimonial, responsável pela cabeça e o braço direito, e dois manipuladores assistentes, vestidos de preto e com um capuz cobrindo o rosto.
      O crente jôruri geralmente é classe média alta e catedrático. Não é fácil manipulá-lo. Clichês de autoajuda como “Ouse sonhar” não funcionam com ele. Ele é muito racional e submete tudo ao teste da lógica. Para convencê-lo, é preciso um manipulador-mestre — capaz de mexer com a sua cabeça e com a sua mão direita, induzindo-o a colocá-la no bolso!
      Um dos mais famosos manipuladores de crente jôruri da atualidade tem nome e sobrenome estrangeiros e é conhecido como o homem mais sábio do mundo. Não há rico e intelectual que resista aos seus argumentos! Dizem que ele, quando usa a “sua sabedoria” e conta com a ajuda de seus assessores (bispos e apóstolos brasileiros), consegue arrecadar dinheiro até para comprar jatinhos!
      Fazer o quê Alexandre? Na falta de exposição da Palavra de Deus, sobram as representações teatrais. E aumenta cada vez mais o número de manipuladores e manipulados nesse grande circo, ops!, grande teatro que se tornou o culto “evangélico” nesses tempos pós-modernos.
      ONDE NINGUÉM QUER MAIS ASSUMIR A SUA CRUZ
      ENTÃO VAI APROCURA FALASTRÕES COMO VOCÊ
      QUE FALA PAGAGAIA MURMURA ACUSA E QUANDO PEDIMOS A FONTE NADA………….

  14. Helen: Assim, peregrinar pelos caminhos percorridos pelo santo Apóstolo Tiago, que saiu de uma terra longínqua em obediência à ordenança de Cristo: Ide e fazei discípulos de todas a nações”, meditar sobre o que vivenciou o santo apóstolo em sua jornada, refletir sobre a graça de Deus que o motivou a cumprir a missão a ele incumbida… Isso também é idolatria?

    Resposta: Claro que não, isso não se destina a petições, agradecimentos, interecessões? Então não é idolatria.

    Helen: Visitar o local onde viveu Maria, a Mãe do nosso Salvador. Ver como vivia uma santa mulher que trouxe ao mundo o Emmanuel, Deus conosco. Isso é idolatria?

    Resposta: Obviamente também não, a Sra. sabe a que “tipo” de conduta me refiro como idolatria, seu exemplo não fez sentido como objeto de idolatria assim como a pergunta anterior também não.

    Helen: Orar a Deus em agradecimento pela obediência de Maria ao aceitar a tarefa a ele incumbida de dar a luz ao messias, cuidar Dele, viver por Ele e para Ele, isso é ofensa a Deus?

    Resposta: Não acho que seja ofensa, mas vejo como desnescessário, se Deus não pediu que assim fosse ele sabe que melhor do que eu e vocen o que importa ou não fazermos. Sendo assim, penso que se possa agradecer, mas não acho que seja de grande proveito ou resultado direto pois como já falei, quem determina minha vida e o que eu devo ou não fazer é Deus, e se a sua Palavra é meu manual de vida eu prezo em me encontrar dentro dela, inventar coisas, mesmo que com boas intenções acho duvidoso, pois antes de tentar “puxar o saco de Deus” incrementando sua escritura vou estar é fazendo o que Ele não me pdeiu que fosse feito.

    Se eu quiser varrer a sala do meu chefe e colocar quadro de picasso para agradá-lo, com a plena certeza de estar fazendo “o bem”, poderei estar entrando no campo que não me pertence.

    Deus dá as regras, o Cristão obedece, ok.

    O cristão dá as regras, e Deus tem de aprová-las (mesmo que não pareçam fazer algum mal), INSUBORDINAÇÃO!

    Helen:Seria Idolatria fazer uma viagem longa para conhecer ou ver de perto um sítio onde aconteceu um grande milagre, onde a glória e bondade de Deus foram manifestadas de forma extraordinária também é idolatria?

    Se fosse, então de fato a Igreja deveria intervir.

    Resposta: Isso também não é idolatria pois não configurasse assim, a igreja não precisa intervir pois não vejo idolatria nesta situação.

    Mas deveria intervir onde de fato acontecem situações absurdas, por ignorãncia? Que seja, mas de qualquer forma que seja o motivo a igreja DEVERIA SIM intervir, cada situação é distinta da outra, mas pelo que se vê por aí, é óbvio que a coisa corre solta, e não é de hoje, são décadas sem aparecer quem abrace a “correção” destas situações, como disse, já fui católico, e as coisas não mudaram de 40 anos pra cá, lamentavelmente.

    Helen; Se os primeiros cristãos, como a própria bíblia diz, aglomeravam-se para serem cobertos pela sombra do santo apóstolo Pedro, ou para tocar no avental de Paulo, como pode a Igreja condenar a prática de crer num milagre feito através de algo tão banal como uma pílula abençoada por um santo?

    Resposta: Usar uma situação para justificar outra completamente diferente fica difícil, porque?

    Novamente não vemos Deus citar que seja assim feito, logo, aquela situação fica entendida como local e pontual, e se alguém na melhor das hipóteses fosse tomar frente à isso para “continuar” aqueles tipos de milagres fariam tal qual, com sombra e avental, o que já considero equívoco, mas no caso aqui, pegar um exemplo absolutamente diferente para justificar que engolindo pedaço de folha de caderno equivale ao ocorrido com Pedro e Paulo é novamente deixar Deus no banco do carona e dizer “deixa que eu dirijo!”

    Helen: Cadê os responsáveisda igreja para se posjcionarem?

    Como demonstrado acima, esta pergunta é desnecessaria, pois ao que concerne os pontos levantados pelo senhor, os “responsáveis” estão livre da culpa de omissão.

    Resposta: Os pontos por mim levantados sugerem a vontade de Deus, pois estão respaldados pela sua Palavra , pela minha convivência no seio católico e capacidade de observação, se voce diz que os “omissos” estão livre de culpa, calma Sra. Helen, Deus conhece a igreja católica e suas práticas, bem como os responsáveis por omissão, a Bíblia sagrada instrui a todos sobre tudo, se eu ando nela, penso que vou bem, Deus apenas e nenhum homem “incrementando” é o mais prudente e sensato, ele assim nos julgará.

    Helen: Agora, desculpe-me mencionar… Porém, o sr me acusa de fugir da resposta, mas não parece ter refletido sobre a verdadeira idolatria que eu apresentei com a passagem de Colossenses 3, 5-6!

    Resposta: “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza,paixão lascíva,desejo maligno e a avareza, que é idolatria, por estas coisas é que vem a ira de Deus”

    Será que sou eu que não refleti sobre esta passagem?

    Natureza terrena: aquilo que se originou a partir do homem natural, ou seja, não é ordenança de Deus, logo não é de natureza espiritual, mas sim terrena = As procissões, o Sírio de Nazaré, as dulias, latrias e iperdulias, a intercessão de santos fora do contexto bíblico, nada disso tem natureza ESPIRITUAL, mas a partir de concílios de pessoas HUMANAS, portanto, TERRENAS, portanto são práticas não encontradas na Bíblia (natureza espiritual/divina)

    Prostituição: adulteração, alteração de algo correto, então se a Bíblia sofre alguma distorção ou adulteração com algo colocado ou interpretado forçadamente para que tenha um “sentido” isso é adulteração.

    Impureza: Praticar cultos diante de janelas que “supõen-se” seja a face de Maria pela silhoueta, nó de madeira, formigas que escrevem nas folhas de árvores, engolir celulose processada (pílulas de papel), e mais uma vez a situação em que as pessoas se submetem na festa de Sírio de Nazaré, se ali não há impureza, ok, cada um tenha o bom senso e julgue a si mesmo.

    Antes que a Sra. indague sobre o tamanho do post, ele foi proporcional aos seus questionamentos, não lhe respondi antes por estar ausente e sem tempo, confesso que me decepcionei com algumas de suas colocações, não porque eu gostaria de ouvir outro tipo de resposta, mas por terem sido muito aquém do que a Sra. tenho certeza absoluta poderia fazer.

    • Gilmar,

      Rapidamente – o sr escreveu – “Resposta: Obviamente também não, a Sra. sabe a que “tipo” de conduta me refiro como idolatria, seu exemplo não fez sentido como objeto de idolatria assim como a pergunta anterior também não.”

      O tipo de conduta à qual o srse refere imagino ser ; rezar diate de uma estatua, acompanhar procissão, etc…Ora, não foram respondidos e esclarecidos esses argumentos? Mostrei tanto pelo catecismos que no catolicismo culto de adoração só se deve à Deus. Mostrei que a Igreja ensina sobre a comunhão dos santos, que aliás, vivem em espírito, na glória de Deus. (Vide Apocalipse 6, 9-10 e outras). Expliquei pelo catecismo que qualquer reverência ao ícone do santo refere-se, na verdade. ao ORIGINAL QUE ESTÄ NO CÉU!

      Asssim, fica claro sua relutância em ouvir e perceber o é o catolicismo. Portanto, se não é possível convence-lo, pergunte a si mesmo os verdadeiros motivos de sua participação aqui.

      Pelo que eu saiba sua crença é de que Crer em Jesus basta para ser salvo. Sendo assim, de acordo com sua crença, não apenas eu, mas todos os católicos estamos salvos, pois cremos em Jesus. Deste modo, não gaste energia tentando nos converter… Há muitos no mundo q nunca ouviram om Evangelho!

      • Olá Sra. Helen,

        Seguem minhas respostas após seus respectivos comentários,

        HELEN:

        O tipo de conduta à qual o srse refere imagino ser ; rezar diate de uma estatua, acompanhar procissão, etc…Ora, não foram respondidos e esclarecidos esses argumentos? Mostrei tanto pelo catecismos que no catolicismo culto de adoração só se deve à Deus. Mostrei que a Igreja ensina sobre a comunhão dos santos, que aliás, vivem em espírito, na glória de Deus. (Vide Apocalipse 6, 9-10 e outras). Expliquei pelo catecismo que qualquer reverência ao ícone do santo refere-se, na verdade. ao ORIGINAL QUE ESTÄ NO CÉU!

        RESPOSTA:

        Jamais entenderei sua pretensa explicação “via” catecismo, argumente com a Bíblia sobre Deus ordenar procissões, contruções de estátuas (para que se ajoelhem e as carreguem), friso isto antes que venham falar de fotos de ente querido e querubins, a Idolatria reside no que eu farei com determinado objeto, se uma pessoa tem a boneca Barbie e a considera uma simple “boneca”, nada há de errado nisso, mas se aquele pequeno pedaço de plástico tiver status de intermediação, agradecimentos, curas milagrosas, aí é a questão, falando em questão, a Sra. costuma dizer que eu “fujo” de seus questionamentos, então por favor dê um bom exemplo e me mostre como se faz:

        Deus prescruta nosso coração e esquadrinha nosso pensamento, ele afirma que antes que a palavra chegue à nossa lingua ele já a conhece toda.

        Se Deus conhece meus pensamentos, mesmo antes que eu fale, então ele sabe de meus anseios e nescessidades, ENTÃO PRA QUE HAVERIA DE EXISTIR UM “LEVA RECADOS” AO SENHOR? Qual o sentido de intercessores para Deus, já que ele sabe de tudo mesmo antes que falemos, pois ele conhece e esquadrinha os nossos pensamentos, e para ele não há NADA que esteja encoberto? Trabalho inútil para o “santo” falar para Deus o que ele já sabia, não acha?

        Somadas estas constatações, aos contextos bíblicos sobre santos e o interceder e orar que coloquei de forma bem clara no post anterior a este, a coisa não é bem assim como a Sra. imagina ser, estude mais a Bíblia Sagrada, ela é o motivo principal, o que vier após tem de ter concordância, caso contrário, fique com o Catecismo ou com Bíblia somente, ambos juntos definitivamente não apresentam sintonia.

        Se a Sra. quiser começar a debater somente à luz da Bíblia, verás o porque de me posicionar tal qual tenho feito até então.

        HELEN:

        Pelo que eu saiba sua crença é de que Crer em Jesus basta para ser salvo. Sendo assim, de acordo com sua crença, não apenas eu, mas todos os católicos estamos salvos, pois cremos em Jesus. Deste modo, não gaste energia tentando nos converter.

        RESPOSTA:

        Apenas crêr em Jesus não basta, há de se fazer TUDO quanto ele ordena, se voce crê em Jesus, mas TAMBÉM possui práticas que o próprio Jesus condena, e que em NENHUM momento afirmou que se fizesse, com esta mistura não cabe a mim definir se voce está ou não salva, o importante é como voce estará no dia do juízo, ou seja, vale o que somos no final e não no início, eu era católico, voce também pode vir um dia a se converter, mas não se preocupe, assim como voce disse, minha energia é para quem aproveita minhas palavras, se voce as refuta, é direito e livre arbítrio seu, certamente ela chega em solo fértil, seja onde ele for ou estiver.

        • A verdade meu caro, é que vc e sua religião não inertpreta de forma correta como deveria ser as Sagradas Escrituras. Vcs interpretam de uma forma errada. Procure vc estudar com mais atenção a Bíblia, tudo o que vc condena sobre o catolicismo, são acusações mal interpretadas da parte de vcs protestantes. è verdade q Deus não ordena procissões na Bliblia, mas entenda q Deus tambem não condena, ai vem a questão de inteligência e sabedoria sua, de saber interpretar esta questão. è uma questão de lógica meu qrido. Parece que é vc q não estuda a Bíblia.

  15. Vou fazer os comentários a mim destinados para argumentar o que vejo como prudente em assim fazê-lo:

    Helen: Em primeiro lugar, este blog não se propõe a tratar do tema da Idolatria em, mas em ensinar e esclarecer os ensinamentos católicos.

    Resposta: Quando o post em questão tem como título: “Afinal, a igreja Católica pratica a idolatria?” e voce diz que “este blog não se propõe a tratar do tema da Idolatria em, mas em ensinar e esclarecer os ensinamentos católicos.” Voce não acha então que deveria mudar o título deste post para algo como: “ensinamentos e esclarecimentos dos ensinamentos católicos”.

    Como o blog é aberto e não restringe pessoas, sejam de quais crenças forem, é natural e esperado que aconteçam as mais variadas posições, principalmente com um título: “Afinal, a igreja Católica pratica a idolatria?”

    Esta pergunta é um convite à resposta, logo não faz sentido que voce afirme ser este post somente para ensinamentos e esclarecimentos católicos exclusivamente, pode é claro ser com este fim (TAMBÉM), além de opiniões contrárias, a favor, neutras, diversas, enfim, o proposto é o debate buscando a resposta de cada indivíduo baseado na pergunta do post, não vejo onde posso estar errado sobre isto, visto que todos os participantes emitem suas mais variadas posições, o que entendo como normal, porque eu não poderia opinar? Propor debate justamente para o que voce cita (esclarecimentos católicos), é a oportunidade para que se esclareçam as dúvidas, pois se estas não existissem, seu título de post não terimnaria com uma interrogação.

    Helen: não estou de modo algum a fugir da resposta. Se tiver disposição releia todos os meus comentários já postados aqui e terá a confirmação do que acabo de afirmar.

    Então vejamos, eu lhe perguntei:

    O que a Sra. tem a dizer sobre a festa de Sírio de Nazaré?

    Pessoas suadas, coladas umas às outras, no maior empurra-empurra, para se manterem agarradas à uma enorme corda, é uma bagunça, caos total, pessoas chorando grudadas na corda, corpos encostando um no outro de uma forma bem “esquisita” pra ser educado.

    Helen: O tema do sirio de Nazaré e os questionamentos que o sr apresenta são extensos demais para eu responder aqui. Preciso escrever um post sobre o assunto e iniciar uma nova discussão, pois a meu ver, sua pergunta não trada de idolatria, mas de necessidade de catequização (Palavra proveniente do grego katḗchēsis , que significa ensinar oralmente, como faziam os santos apóstolos. aliás, por isso os professores da fé primitiva eram chamados catequistas, palavra ainda em uso pelos católicos), ingerência da Igreja, ignorância e mal-entendidos por parte dos não-católicos.

    Helen: “sua pergunta não trada de idolatria, mas de necessidade de catequização”

    Resposta: Se há a nescessidade de catequização é porque a Sra. admite que existem falhas e/ou erros nesta festa citada, mas se ao mesmo tempo em que a Sra fala da nescessidade de catequização, diz que a minha pergunta “não se trata de idolatria”, qual seria então o problema existente para que se faça a catequização dos fiéis relativos à festa de Sírio de Nazaré? E esta nescessidade de catequização, precisa do que pra começar?

    Onde estão (pela milésima vez) os responsáveis, padres, bispos, arcebispos, assim como toda a cúpula da igreja para darem início a esta “catequização”?

    Helen: OU seja, em querer julgar a Igreja católica por algo que ela não ensina, promove, encoraja, dissemina ou aprova: a idolatria! Infelizmente, não obtive êxito, minhas palavras caíram em ouvidos surdos. Se a igreja desaprova a idolatria não pode ser idólatra.

    Resposta: A constituição brasileira prevê situações onde o cidadão brasileiro é amparado para seu próprio benefício, através de leis que se tornaram concenso a partir da nescessidade demonstrada, embora muitas destas leis não se cumpram por alguns fatores como, negligência, falta de fiscalização, falta de punição entre outros, a lei CONTINUA linda, perfeita e maravilhosa NA TEORIA, ou seja, o fato de que, as leis, os tratados ali constantes existem e mesmo que todos assinem embaixo tudo que ela diz e se propõe, isso não é garantia para que LITERALMENTE se cumpra, ok?

    Com base nisto, citado como exemplo, a igreja católica nega que apóie a idolatria, que ela não concorda com isso, mas assim como o exemplo citado acima, não basta que se diga “sou assim” ou “faço isso”, há que se identificar isso na prática, e justamente é nesse ponto que incide a maioria das questões indagadas aqui neste blog. Assim como a constituição brasileira erra, não por suas leis, mas pelo descumprimento delas, assim se mostra a igreja católica.

    É fato que erros existem e sempre irão existir entre os seres humanos, por ignorãncia, por acomodação, por negligência, ou falta de fiscalização,

    este último me parece ser o mais vital, pois é pela fiscalização (observação) do erro que acontece a advertência, a correção. E nisto a igreja católica se mostra bem omissa, como no exemplo da festa de Sírio de Nazaré citada acima, onde o fiel pode estar despreparado para saber se portar em uma demonstração de fé, mas é aí que os superiores (esclarecidos) entrariam com o papel de educadores e orientadores da grande massa ignorante que faz o que acha correto, mas se ninguém lhes adverte, continuarão no erro ou reciclarão suas convicções de forma autônoma?

    Ou seja, quando se diz que a igreja condena a idolatria, logo não é idólatra, este é o preceito apenas, se na prática situações dignas de averiguação (no mínimo) não acontecem, o “desejar”, o “querer” não é suficiente, ou seja, a idealização é fácil, mas coragem para corrigir a prática dá muito mais trabalho, e será que exite a vontade de arregaçar as mangas de verdade?

    Helen: Não existe idolatria na minha Igreja! Mais claro que isso, não sei como dizer!

    Resposta: A igreja é de Cristo, não é nossa igreja, pertencemos a ela mas não a possuímos.

    Helen: Meu caro Gilmar, devo informá-lo que sua impressão-conclusão está categoricamente errada!

    já fui católico, minha mãe já foi católica, já fiz a catequese, crisma, comunhão e vi de perto a fragilidade e superficialidade dos ensinamentos, niguém me contou nem estou “achando”, eu via o choro e o desespero das pessoas em frente a uma estátua, e ninguém vai me dizer que aquilo era uma “mera lembrança” de alguém importante que já viveu. NÃO, as pessoas pediam pro cimento, agradeciam pro gesso, EU VI isso acontecer, e será que tem alguém que acha que isso não acontece mais?

    Não tenho impressão-conclusão, tenho CONSTATAÇÃO FACTUAL, ok. Já estive dentro deste sistema religioso, não julgue-me por isso por favor.

    Acontece DIRETO, se por exemplo a Sra. ou o Edmílson (exemplo de amor, compaixão e respeito ao próximo pela conduta e linguajar) dedicam tempo copiando/colando o que São frutuoso disse, o que São firmino falou, façam um plantão de 30 minutos em uma igreja católica e analisem as pessoas que chegam e se prostram diante das imagens, conversem com elas depois e perguntem como elas se dirigiram à elas, façam este teste, já que a cúpula da igreja não se mexe, eu se fosse católico iria para o front de batalha NA PRÁTICA, aqui a teoria é facílimo de dizer que não há idolatria, mas na prática a verdade não é essa.

    Voce sabia que naqueles debates sobre dulia, iperdulia e latria, eu fui perguntar para vários católicos à título de constatação sobre se sabiam, entendiam o significado e como aplicá-los?

    Sabe o resultado? Faça o mesmo questionamento para vários católicos, de forma geral, verás a resposta que eu tive e entenderás também que não estou a caricaturar ninguém, apenas usufruo plenamente dos dois olhos e dois ouvidos que tenho, qualquer um que lançar mão disso também poderá constatar.

    Se algum dia certas coisas deixarem de acontecer na igreja que a Sra. pertence, concordadrei que não há idolatria, mas tenho um compromisso com o meu Deus, com o meu bom senso, com a minha capacidade crítica de ver/constatar/julgar, com a minha consciência também. Já disse que não agrado a homens, somente a Deus, vejo erros em grupos evangélicos, católicos, a diferença é que em um grupo evangélico, se eu não estiver de acordo eu POSSO opinar, contradizer, e se não achar que naquele lugar a prioridade não é o que Deus ordena eu posso me retirar sem culpa, não sou massa de manobra na mão de padre, pastor, quem quer que seja.

    Helen: Também não nego que possa haver erros na PRÁTICA do catolicismo por parte de seus fiéis. Como já disse, a Igreja não é a polícia da vida de ninguém, mas aquele que ensina o que é certo, cabe ao católico apegar-se aos seus ensinamentos

    Resposta: A igreja não pode ser a “polícia”, ok. Mas também não pode ser a “omissão” em pessoa, mas quando voce diz que a igreja ensina o que é certo e cabe ao católico apegar-se aos seus ensinamentos, fica claro que, se ela ensina, mas o católico faz errado por que não aprende, este ENSINO não está funcionando, então a igreja católica ensina do seu jeito e quem entender entendeu? Cada um por si, cadê o pastor que reúne e cuida se suas ovelhas? Eu vejo um pasto católico com ovelhas cada uma para um lado mas supostamente de um mesmo rebanho, ora se elas estão cada uma indo para uma direção é porque estão SEM DIREÇÃO, sem alguém que as reúna e as redirecione para um mesmo ponto em comum. Se nós, que somos pessoas esclarecidas (minoria) não chegamos a consenso sobre os temas discutido, voce acredita que a grande massa de católicos entendeu perfeitmente os ensinamentos da igreja católica? A igreja não é polícia, mas se não tem quem direcione e ensine, como fica?

    Daí a Sra. vai dizer, eles que leiam o catecismo, as apologéticas, etc.. está tudo aí à disposição de todos, só não lêem por que não querem.

    Se estes ensinamentos fossem coesos e funcionais, todos os católicos saberiam o que é dulia, iperdulia e latria, saberiam como não cometerem abusos nas procissões e tantas coisas que não coincidem com a ordenança de Deus.

    Helen:Se existe no mundo algum católico que ao olhar para um imagem, seja estátua, pintura, etc, acredite estar olhando para um “deus”. Ele é um tolo idólatra! Mas eu até hoje nunca encontrei ou ouvi falar de alguém instruído na Santa Fé que tivesse cometido tal erro!

    Resposta: “Se” existe?

    Se voce nunca encontrou ou ouviu falar de idólatras entre os que estão “instruídos”, ok, mas não esqueça que a MAIORIA esmagadora não é nada instruída, e entre estes, as aberrações correm soltas, mais uma vez lembrando que, o erro não é do fiel equivocado, é do RESPONSÁVEL que nunca aparece para direcioná-los corretamente, como já frisei antes, se o ensino dado fosse eficaz voce não ouviria sobre idolatria na igreja católica, minoria “instruída” que faz certo não desfaz o erro da maioria.

    Helen: Quer saber genuinamente sobre a Igreja Católica? O MELHOR lugar para começar sua pesquisa honesta e livre de parcialidade é no Site oficial da Santa Mãe Igreja!

    Resposta: Pesquisa honesta e LIVRE de parcialidade é no site oficial da Santa Mãe Igreja?? Voce não pode estar falando sério, IMPARCIAL? É como eu lhe oferecesse um site de OVNIS para falar sobre OVNIS de forma IMPARCIAL.

    Imparcial é terreno NEUTRO, mas um site católico para dar base a ensinamento católico ser IMPARCIAL?

    Helen: Um dos grandes males do protestantismo é julgar o que não conhece ou entende!

    Resposta: Concordo com voce, por isso não sou protestante, sou cristão, e julgo o que conheço e entendo, JÁ FUI CATÓLICO, minha família toda já foi católica. Não entendi sua afirmação, a propósito, meu nome não é Gilberto, não sou protestante, e já vivi no catolicismo para emitir opinião.

    • Gilmar,

      O blog não foi aberto pra tratar de idolatria, o post em questão não é o BLOG, mas um post.
      Aqui fica claro o seu problema. O sr ouve o que quer. Não o que lhe é dito. Faz isso com as passagens da bíblia também!

      Sobre a omissão da Igreja: Mais uma vez, ela não se omite quando há erro. Uma prova é a excomungação de Lutero, pai dos hereges. Mas qto às procissões, romarias, não tem o que punir, pois não violação. Aceita isso!

      Ps. O protestante é aquele que segue as ramificações – admito, são milhares, mas são ramificações – de Lutero. No seu caso, a Sola Scriptura e Sola fide.
      Sr Gilmar, o sr é um Cristão. Um Cristão PROTESTANTE! E sim, julga o que não conhece. Já provou isso com os seus comentários feitos aqui! Ou seja, o sr pode chamar um pedaço de pau pelo nome de pedra, mas o fato é o pau não deixa de ser pau porque o sr decidiu chamá-lo de pedra! o Sr se recusa a dizer o nome da igreja que frequenta. Se não frequenta uma aos Domingos, então, o sr, seguidor da bíblia, viola o mandamento de guardar o domingo como santo, pois não presta culto a Deus do modo como ele ordena…

      • Seguem as respectivas respostas,

        HELEN:

        O blog não foi aberto pra tratar de idolatria, o post em questão não é o BLOG, mas um post.
        Aqui fica claro o seu problema. O sr ouve o que quer. Não o que lhe é dito. Faz isso com as passagens da bíblia também!

        RESPOSTA:

        Falei no blog com o sentido de que, “quem está na chauva é pra se molhar”, ora, se eu não imagino que haverão opiniões contraditórias, apoiadoras ou até neutras, então eu não construo um, caso contrário faz parte e é absolutamente natural, quando citei que um post que pergunta: “Afinal, a Igreja Católica é idólatra?” e voce se mostrou irritada, pelos meus questionamentos rebatendo para que eu explicasse sobre o judaísmo, o protestantismo, ora, cada coisa a seu tempo e seu devido lugar, vejo que a sua recorrente prática de “responder” “perguntando” faz mais juz à “fugir de respostas”, do que a Sra. tem me acusado. E quando a Sra. comenta que, “Faz isso com as passagens da bíblia também!”, ISSO O QUE? QUAIS PASSAGENS? Acusações vagas e sem objetividade ficam difíceis para que se esclareça, por favor copie e cole o que lhe fez ver que “aqui fica claro o seu problema”, desculpe mas problemas eu tinha antes de conhecer Jesus Cristo, mas isso já faz tempo graças a Deus.

        HELEN:

        Sobre a omissão da Igreja: Mais uma vez, ela não se omite quando há erro. Uma prova é a excomungação de Lutero, pai dos hereges. Mas qto às procissões, romarias, não tem o que punir, pois não violação. Aceita isso!

        RESPOSTA:

        Sinceramente, não conheço Lutero nem tão pouco encontrei na Bíblia o que é “excomungação”, lamento, mas o que não está na Bíblia que seja “Anátema”, como ela própria recomenda, quantos as procissões e romarias, também não tem nada que fale a favor ou apóie isso na Bíblia, muito pelo contrário, o que mais existe ali é avisos para a “não-prática”, agora, se a Sra. acha que não tem o que punir pois não há violação, quem sabe se tem é Deus, e se tiver que punir por estar no erro ele assim o fará, mesmo que a Sra. ache que não, ou coloque um imponente ponto de exclamação após dizer “Aceita isso!”. Eu aceito a palavra de Deus e seus mandamentos, agradar homens em detrimento de Deus não é, definitivamente uma atitude cristã.

        HELEN:

        Ps. O protestante é aquele que segue as ramificações – admito, são milhares, mas são ramificações – de Lutero. No seu caso, a Sola Scriptura e Sola fide.
        Sr Gilmar, o sr é um Cristão. Um Cristão PROTESTANTE! E sim, julga o que não conhece. Já provou isso com os seus comentários feitos aqui! Ou seja, o sr pode chamar um pedaço de pau pelo nome de pedra, mas o fato é o pau não deixa de ser pau porque o sr decidiu chamá-lo de pedra! o Sr se recusa a dizer o nome da igreja que frequenta. Se não frequenta uma aos Domingos, então, o sr, seguidor da bíblia, viola o mandamento de guardar o domingo como santo, pois não presta culto a Deus do modo como ele ordena…

        RESPOSTA:

        Me recuso a dizer a igreja que frequento? Está preparada para saciar sua sede? Tchantchantachantchan!!

        Me converti em 1998 após conhecer o Evangelho tal qual ele é, diferente das aulas de catequese que em cada 10 alunos 11 achavam a coisa mais enfadonha e pouco esclarecedora, uma mesmice, uma receita de bolo pronta, isso é assim e acabou, e se tu pergunta aquelas tias sem preparo algum como poderiam responder? ( ISTO EU VIVI, NÃO DIGA QUE JULGO SEM SABER). O ministério do Pastor Paulo Figueiró aqui em Porto Alegre me deu o impulso nescessário para crescer na fé em Jesus Cristo, minha mãe congrega em Capão da Canoa, litoral do RS e quando a visito vou na igreja batista onde ela congrega, aqui em Porto Alegre, mesmo na congregação Encontros de Fé, já recebeu e vi pregações como de Silas Malafaia entre outros.

        Como o católico tem um sistema único de “formato” ele acha estranho ou fora deste “padrão” as denominações que não tenham o mesmo nome, o mesmo ritual, a mesma apresentação de louvor, a questão principal do cristão evangélico, não é que seja fundamental ter o mesmo tipo de teto, o mesmo tipo de porta, a mesma escadaria de sempre, o mesmo ritual de sempre, o cerne da questão é o que está sendo pregado, acima de qualquer diferença de cor ou tipo de banco pra sentar, ou se o coral canta na frente, atrás ou se não tem coral, o VITAL é a mensagem pregada, o que ela produzirá de fato, se as denominações divergem de formato de prédio, ou se umas cantam mais que outras, isso é secundário, todos os irmãos em Cristo são verdadeiramente os que entendem a mensagem de Deus e a cumprem, até porque isso é o que está nas Escrituras Sagradas, não poderia ser diferente. Ao contrário da Igreja Católica, é tanto ritualismo, tanta ornamentação, que a palavra é que fica na condição de secundária, pregada de forma “padrão”, sem estímulo ao cristão utilizá-la diariamente, e o pouco que se utiliza dela ainda é “sufucada” pelo catecismo, concílios, apologéticas, patrística, terços, novenas, sendo que a Bíblia Sagrada que Deus adverte que nada seja acrescentado nem retirado dela fica disputando espaço com o tanto de tradicionalismo humano, e digo isto SABENDO O QUE DIGO sim Sra, Helen. Minha mãe tem 83 anos, avós italianos (Bergamo), ela com 6 anos rezava o terço em latim, depois aprendeu 5 tipos de terços, participava de todas as festas e procissões, recebia aquela casinha de madeira uma vez por mes, tinha uma santaiada lá em casa que era a coisa mais patética ver a minha mãe diante delas, chorando, pedindo, olhando nos olhos do boneco de gesso, de joelhos, era bem triste de ver aquela condição de submissão ao que depois de anos, ela também veio a descobrir que não estava correto, não fazia sentido e hoje ela é LIVRE em Cristo Jesus, pois “o jugo dele é suave e seu fardo é leve”, eu fiz minha catequese na igreja São José, Av. Assis Brasil, Porto Alegre, o padre se chamava Marçal, há cerca de 10 anos atrás descobri que ele foi descoberto sendo casado, e possuindo uma amante, tudo sem a IC saber(?), daí Sra. Helen que diz que eu julgo sem saber, cadê aquele padreco mulherengo que me olhava com canto de olho dentro da sacristia? Será que a Sra. acredita que aquele homem com aquelas condutas era digno de ser ordenado por Deus, e fazer a 1 comunhão dos adolescentes? A propósito, o dia do Senhor é TODOS OS DIAS, o mandamento agora é outro, não sabia? “O maior mandamento é este: amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.” E continuou: “o segundo é semelhante a este: amarás o teu próximo como a ti mesmo” , com isso em mente o cristão verdadeiro não dedica apenas o domingo para Deus, mas em qualquer dia da semana sempre haverá culto a Deus, mas agora pergute aos seu amigos católicos quantas vezes por semana eles dedican-se a ir à igreja? Se voce acha que o católico, bocejando e olhando no relógio pra ver se tá perto de acabar não está violando o mandamento só por estar de corpo presente, lamento. “O Senhor Deus procura verdadeiros adoradores, que o adorem em ESPÍRITO e em verdade”

        • Caro Gilmar,

          Eu já havia encerrado o nosso debate, não porque não tenho resposta, mas porque a mim ele parece ter virado uma contenda e os benefícios parecem ser ínfimos face ao desgaste que parece causar… Entretanto, diante deste seu comentário, achei por bem corrígi-lo, porque a caridade cristã assim me obriga:

          O sr afirmou:

          “Sinceramente, não conheço Lutero nem tão pouco encontrei na Bíblia o que é “excomungação”, lamento, mas o que não está na Bíblia que seja “Anátema”, como ela própria recomenda,”

          Ora, sr Gilmar, excomungar é uma prática surgida de dentro do judaísmo, a fé que originou o catolicismo. Os judeus excomungavam e assim, os judeus que criam em Cristo e que mais tarde, com a bíblia relata, passaram a ser chamados de Cristãos, preservaram a prática. Onde está isso na bíblia? Está aqui:

          “15 Ora, se teu irmão pecar, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, terás ganho teu irmão;

          16 mas se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda palavra seja confirmada.

          17 Se recusar ouvi-los, dize-o ã igreja; e, se também recusar ouvir a igreja, considera-o como gentio e publicano.

          Isso, meu caro, é a excomungação! Ex-comungar significa fora da comunhão. Comunhão significa CoM União. Portanto, na referida passagem quem não está em união com o que ensinava o evangelho dos apóstolos, estava FORA (EX) da comunhão! é um ex-comungado!

          Percebeu seu problema? Quis dar uma de sabichão – insinuando que a excomunhão é não bíblica – e teve que aprender um conceito básico das práticas judeo-cristãs. Isso, sr Gilmar, para o seu governo é a mesma coisa que anátema! Não sabia? ah… pois fique sabendo!

          Agora, sobre o sr não conhecer Lutero, isso está claro! Se conhecesse JAMAIS sairia por ai dizendo que nada tem a ver com ele! Pois o sr tem TUDO a ver com ele. O senhor submetesse à doutrina da Bíblia somentea? Então submete-se à doutrina de Lutero. O sr prega a salvação pela fé somente? Então submetesse ao que ensinou Lutero. Não sabia? Ah… pois fique sabendo, foi ele que formulou, difundiu e ensinou tudo isso!!

          Outro esclarecimento:

          O católico não tem um sistema único, como o sr afirma, mas Uma fé única! Ou seja, O católico não pode comungar – estar com união com aquilo que ensina a Igreja – e ao mesmo tempo em união com algo que ela não ensina!

          Você, enquanto batista ou metodista, ou quadrangular, etc, pode frequentar uma congregação episcopal que esteja ou não consoante com TODOS os ensinamentos batista, pois isso não implica em nada. Pra mim, católica, se eu creio que aquilo que ensina minha igreja é correto, então não posso aceitar ou fingir que aceito o erro dos outros. Portanto, vou à missa católica, que aliás não é uma mera congregação, mas um culto de adoração à Deus extremamente belo – algo inconcebível no mundo evangélico – onde também recebo o Corpo e Sangue de Jesus! Por que então ir à qualquer outro lugar»?

          Com isso não quero dizer que os evangélicos sejam inferiores, ou pior, que não sejam verdadeiros cristãos! Longe de mim cometer tal injustiça! Eu acho que o protestantismo evangélico é uma fonte de muitas bençãos nas vidas, inclusive de ex-católicos, que por falta de apego à Deus e conhecimento da própria fé, encontravam-se na escuridão. Isso, não quer dizer que eu esteja a admitir que o evangelicalismo é igualmente completo e pleno.

          A Igreja Católica foi fundada por Cristo. Isso já deveria bastar para qualquer Cristão sincero. Não basta. Portanto, Deus em sua infinita sabedoria e bondade, abre outros caminhos para que seu rebanho aumente, mesmo face à divisão, que claramente, não é a vontade Dele. Mas Deus produz bem até do próprio mal, como então poderia não extrair bem até da divisão da fé cristã?

          Minha opinião ( aqui não tem ensinamento católico, mas meu pto de vista):

          O pior mal daqueles que deixam o catolicismo é nunca o terem verdadeiramente conhecido e praticado-o de forma informada, sabendo o por quê de tudo.
          Saem por ignorância e alguns viram seus inimigos. Nunca conseguem ver nada de bom dentro da Igreja católica e acham-se obrigados a tirarem todos de dentro dela! Na nova fé, são instruídos a desprezarem seu passado católico, a ridicularizarem seus irmãos católicos e a odiarem tudo o que remonta à fé católica.
          O ganho que isso produz, ainda não sei dizer qual, nunca fui capaz de entender.
          Como católica praticante, jamais trocaria de religião para continuar a seguir Jesus, pois já o tenho na minha.
          Se fosse me converter a algo, que fosse para algo fora do cristianismo – o que é claro, seria um erro – mas que para efeito de discussão serve para ilustrar meu ponto: Sou Cristã, Católica. Vivo a vida para imitar a Cristo. Por que então um dia acordar e dizer “Vou virar Evangélica!”

          Sr Gilmar, o sr há de convir comigo – talvez não tenha coragem de admitir, mas em seu intimo saberá que digo a verdade:

          99 por cento dos católicos que abandonam a fé católica NUNCA souberam o que é o catolicismo e NÃO deixaram de ser católicos por divergências teológicas ou doutrinárias, mas simplesmente por ocasião da vida… Somente DEPOIS que se tornam evangélicos são bombardeados com um imenso número de objeções contra o catolicismo para justamente REFORÇAR a conversão e garantir que nunca mais voltem pra lá!

          Se um dia o sr tiver a disposição leia as sublimes obras de S. Tomas de Aquino. Leia Apologia pro vita sua de J. Henry Newman. Leia autores e títulos sérios, credíveis. Entenda o que é o catolicismo. Saiba-o como ele verdadeiramente é. Julgue o conteúdo. Busque refutar cada vírgula, se for o caso, mas com base no que a Igreja ensina, não com base no que o sr pensa ser o que ela ensina.

          Quer um exemplo?7

          Muitos acham que a Igreja ensina que o católico tem que fazer boas obras pra se salvar. Enquanto a Igreja ensina NA VERDADE que somos salvos pela fé em Cristo, através da Graça de DEUS!! Ora, faz sentido; se a fé é fruto da Graça então sem graça não há salvação!
          As boas obras são, na verdade, parte de santificação do fiel, sem a qual ninguém verá Deus. Mas graças a bondade divina, se o fiel não se santifica em vida, purifica-se depois da morte, quando já salvo, mas ainda fora da visão beatífica, durante o tempo que estiver que passar pelo estado de purgação, que chamamos de purgatório…
          Quem entende isso, e busca saber a fonte desses ensinamentos. sem preconceito, com o coração aberto. ai sim, maravilha-se com a santa fé!

          Pax Domini

          • Nota 10 Helen;

            O Gilmar pensa que é um sábio,porque já conheces em decor muitos textos.

            Mas infelizmente é um ignorante ele estuda a Igreja Católica com os inimigos da Igreja.

            Ele prefere ouvir os Pastores como Silas Malafaia e ignorar Sto Agostinho,Sto Policarpo,Sto Inácio de Antioquia que são os legitimos sucessores dos Apostólos.

            Por exemplo Sto Agostinho participou nos concilios que canonizou a bíblia ,então é uma pessoa que deve ser ouvida e estudada, mas o protestante ignora os santos que nos deram a bíblia e os sacramentos.

            Por exemplo, quando eu era protestante ouvia falar de Sto Agostinho, Sto Tomás, Sto Clemente, Sto Inácio de Antioquia ,mas pela ignorância eu ignorava fazer os estudo sobre estes homens … porque Já os Pastores protestante diziam que são idolatras.

            Meu caro Gilmar, desculpa chamar lhe de ignorante, mas vendo os seus comentários dei conta que não sabes nada do Catolicismo, pior ainda agora como protestante.

            Pax domini!

          • Olá Helen,

            Seguem minhas colocações sobre seus comentários,

            HELEN:
            “Eu já havia encerrado o nosso debate, não porque não tenho resposta, mas porque a mim ele parece ter virado uma contenda e os benefícios parecem ser ínfimos face ao desgaste que parece causar…”

            RESPOSTA:
            Quando a Sra, diz: “Eu” ja havia encerrado este debate, confirma o que em outro post eu já havia percebido, a sua postura em colocar um “ponto final” no debate, arbitrando e julgando o momento de encerrá-lo ou não, isso demonstra ausência de democracia, o que não vejo com bons olhos, debate entre duas pessoas, as “duas” pessoas devem ter este mesmo consenso, se apenas uma das partes define isso, expõe autoritarismo, mesmo que a Sra. não tenha se dado conta disto. Entre duas pessoas, com questões diametralmente opostas, é natural e esperado que hajam contradições e questionamentos de ambas as partes, o “desgaste” que a Sra. cita, talvez por se sentir desconfortável diante das perguntas que lhe fiz, e que ainda carecem de resposta, (antes que a Sra. peça para ler em seus posts “as respostas”, copie e cole como já lhe pedi, e assim fica mais simples e objetivo). Nossas divergências estão no campo das idéias, fora isto, a Sra. é um ser humano assim como eu, imagine a Sra. arquiteta e eu maquetista envolvidos em um mesmo projeto, por isso que digo, questões filosóficas ou de conceitos firmados não devem ser levadas para o âmbito pessoal e humano no sentido do “desgaste” ou “contenda”. Se este debate terá benefícios ínfimos ou não, eu não posso ter nenhuma certeza disso, pois não sei quem os lê, não sei como são interpretados, portanto acho prematuro que se defina se isso é positivo ou não.

            HELEN:
            “Percebeu seu problema? Quis dar uma de sabichão – insinuando que a excomunhão é não bíblica – e teve que aprender um conceito básico das práticas judeo-cristãs. Isso, sr Gilmar, para o seu governo é a mesma coisa que anátema! Não sabia? ah… pois fique sabendo!”

            RESPOSTA:
            Eu não quero dar uma de nada, muito menos de “sabichão” (a Sra. deve estar tendo muito contato com o Edmilson, este palavreado não provém de alguém com a sua educação), não estou a insinuar nada, ou por favor me mostre o versículo onde aparece esta palavra, não o sinônimo.
            Não estou falando do sentido de excomungar estar errado, mas sim de esta palavra não ser bíblica, esta coisa tipo “exclusivista”, “vamos inventar uma palavra que só entre nós é propagada”, vamos falar “Pax Domini”, vamos falar “padre” ao invés de pai, vamos chamar de “madre” ao invés de mãe, ora, a igreja é para o mundo, e o mundo tem línguas diferentes de acordo com o país, nós que somos um país de língua oficial portuguesa temos que ouvir um católico dizer aqui no Brasil “Pax Domini”, a igreja de Cristo seria ITALIANA? Ou celestial? Ou algum católico que chama pela sua mãe grita; “madre! madre!”? Então repito e reafirmo, EXCOMUNHÃO não se encontra na bíblia, e se para “o meu governo” a Sra. diz que é o mesmo que anátema, então como um bom conselho (para o “seu” governo), utilize o que está na BÍBLIA, não precisa inventar nada, o que tinha de estar e ser já está ali, sejamos simples e observemos nossa conduta para evitar a soberba, resultante de um linguajar “substancioso” mas absolutamente criação humana

            HELEN:
            Agora, sobre o sr não conhecer Lutero, isso está claro! Se conhecesse JAMAIS sairia por ai dizendo que nada tem a ver com ele! Pois o sr tem TUDO a ver com ele. O senhor submetesse à doutrina da Bíblia somentea? Então submete-se à doutrina de Lutero. O sr prega a salvação pela fé somente? Então submetesse ao que ensinou Lutero. Não sabia? Ah… pois fique sabendo, foi ele que formulou, difundiu e ensinou tudo isso!!

            RESPOSTA:

            Quem submete-se à doutrina da Bíblia, submete-se à Cristo, pois a Bíblia não foi escrita por Lutero, logo, se eu me submeto ao que Cristo nos escreveu, como voce pode dizer que estou me submetendo à Lutero? A bíblia foi escrita por Lutero? A Bíblia prega que a fé combinada com as obras nos leva à salvação, entenda, quem tem fé automaticamente irá realizar obras, quem diz que tem fé mas não realiza obras aqui na terra é porque PENSA TER FÉ mas na verdade NÃO TEM. Quando voce diz: “O sr prega a salvação pela fé somente? Então submetesse ao que ensinou Lutero.”, QUANDO, EM QUE MOMENTO EU DISSE QUE PREGO A SALVAÇÃO SOMENTE PELA FÉ????

            Novamente, incansavelmente, peço que copie e cole aonde disse isso, aliás sempre peço que faça isso em todas as acusações de que eu sou acusado de ter dito “isso” ou “aquilo”. Debate em alto nível pressupõe que, se voce diz que eu citei algo, imprima meu contário para que a sua credibilidade não fique no campo dos sofistas.

            Daí voce também cita: “Então submetesse ao que ensinou Lutero. Não sabia? Ah… pois fique sabendo, foi ele que formulou, difundiu e ensinou tudo isso!!”, como NÃO PENSO como Lutero, sua colocação em dizer que eu PENSO COMO ELE não tem sentido nenhum, desculpe decepcionar a Sra. que insiste em tentar me colocar como luterano ou protestante, é um direito seu, porém desde que eu compactuasse com os pensamentos dele (lutero), mas sinceramente, me baseio apenas na Bíblia, e se ela foi escrita por Deus e não por Lutero, logo sigo a Cristo Jesus, e a minha vida é dirigida por Cristo, orientada por Cristo, lutero que sirva para a Sra. discutir com luteranos e protestantes, comigo a Sra. errou o alvo, lamento, eu sou Cristão e qualquer afirmação de que eu não o seja, por favor prove, COPIE E COLE para que ninguém aqui passe por mentiroso (a).

            HELEN:

            A Igreja Católica foi fundada por Cristo. Isso já deveria bastar para qualquer Cristão sincero. Não basta. Portanto, Deus em sua infinita sabedoria e bondade, abre outros caminhos para que seu rebanho aumente, mesmo face à divisão, que claramente, não é a vontade Dele. Mas Deus produz bem até do próprio mal, como então poderia não extrair bem até da divisão da fé cristã?

            RESPOSTA:

            A sua interpretação é meramente católica, e voce assim acredita pois é católica, se a igreja católica alega que Cristo a fundou, isso basta como explicação para os católicos (obviamente), não se poderia esperar diferente, senão o católico que despreza esta afirmação não seria católico (genuinamente falando), pois não crê nos ensinamentos da igreja que frequenta.

            A suposta “implicância” por parte dos evangélicos sobre esta tese não é mera “implicância”, porque? Quando alguém se submete à Deus, ele passa a valorizar o que Deus exorta a fazer acima de qualquer coisa, inclusive de magoar algum familiar ou amigo por este apresentar uma tese nova/diferente da que o outro até então conhecia, a controvérsia sobre Pedro ser a pedra fundamental, e sendo assim o pretenso “primeiro papa” se descaracteriza quando vejo aquela passagem, pequena, simples, mas que diz tudo: “conhecereis a àrvore pelos seus frutos”, ou seja, se eu digo que isto ou aquilo é “fantástico”, “sensacional” teoricamente, mas na prática é um completo desastre, então os frutos mostraram que a àrvore não era boa.

            Sei que é difícil um católico compreender isso, pois ele vê situações dentro da sua igreja como absolutamente normais, designadas por Deus e assim portanto não dignas de reprovação, mas quem vê de fora, longe do apelo sentimental/emocional, e compara com os textos bíblicos que condenam determinadas práticas fica fácil perceber que, se o fruto não é bom, a àrvore não pode ser boa, mas então vejamos que àrvore seria essa, aquela em que Jesus fala à Pedro e assim determina o início da igreja católica, mas se esta árvore que seria Jesus está dando frutos ruins então Jesus, que seria a árvore também é ruim?? Isto é impossível de ser, Jesus é nosso exemplo maior e seus ensinamentos nos conduzem à verdade, e é esta verdade que liberta, os frutos ruins estão bem expressos para qualquer um ver, não precisa de pastor, nem de bispo nem de ninguém, qualquer um que se dedicar a estudar a Bíblia vai perceber as contradições católicas, independentemente de frequentar este ou aquele lugar, ou de ser influenciado por esta ou aquela pessoa, a bíblia por si só é a peça chave para influenciar alguém, Jesus Cristo influenciou minha vida, minha conduta, não foi pessoa humana que me mostrou a verdade.

            HELEN:

            O pior mal daqueles que deixam o catolicismo é nunca o terem verdadeiramente conhecido e praticado-o de forma informada, sabendo o por quê de tudo.
            Saem por ignorância e alguns viram seus inimigos. Nunca conseguem ver nada de bom dentro da Igreja católica e acham-se obrigados a tirarem todos de dentro dela! Na nova fé, são instruídos a desprezarem seu passado católico, a ridicularizarem seus irmãos católicos e a odiarem tudo o que remonta à fé católica.

            RESPOSTA:

            Quando a Sra. comenta que as pessoas que deixam o catolicismo saem por ignorância, lhe digo que, ignorante eu era quando católico no sentido de que, as missas, catequese, crisma nunca me trouxeram grandes aprendizados ou experiências VERDADEIRAS com Cristo, era como “cumprir um protocolo”, eu sei que enquanto estive lá fiz minha parte, mas tudo sempre se mostrou muito “morno”, muito confuso aquelas estátuas, o porque daquilo, era uma confusão na cabeça de qualquer adolescente, depois que desisti de tentar descobrir o que nunca me diziam com clareza (como aqui, que lhe pergunto e fico sem respostas), me converti e vi a disposição não só dos pastores mas de todos os membros em fazer estudos bíblicos, em esclarecer, debater, ir a fundo mesmo, foi um contraste marcante notar a prontidão em virem à minha casa, ou a liberdade que eu e todos tinham de colocar ao pastor o que eu achava que não estava bem, sempre com a Bíblia como instrumento de suporte para tudo o quanto era debatido, via curas, libertações, que era até então como católico, algo somente possível nos tempos bíblicos, não via mais estátuas, não via mais procissões, terços, novenas, o tempo era direcionado apenas aos ensinamentos que Deus avalizou como sendo os nescessários e suficientes, sem “perfumarias”, a busca da fé era “direta e reta” como sempre deveria ter sido. Sua colocação sobre o “Na nova fé, são instruídos a desprezarem seu passado católico” é sem nexo, pois se alguém deixa o catolicismo, é óbvio que ele passou a crêr em uma nova apresentação de Deus à ele, e se nessa nova apresentação ele entende que o erro da idolatria e dos ensinamentos que ultrapassam a Palavra de Deus não é correto, ninguém o “instrui” a fazer assim, a própria mensagem de Cristo se encarregou de fazer isso, ninguém é “massa de manobra”, o cristão genuíno tem autonomia e entendimento próprio a respeito do que faz, e a Bíblia é a maior e principal instrução que se tem, ela me diz como e o que fazer.

            HELEN:

            Se um dia o sr tiver a disposição leia as sublimes obras de S. Tomas de Aquino. Leia Apologia pro vita sua de J. Henry Newman. Leia autores e títulos sérios, credíveis. Entenda o que é o catolicismo. Saiba-o como ele verdadeiramente é. Julgue o conteúdo. Busque refutar cada vírgula, se for o caso, mas com base no que a Igreja ensina, não com base no que o sr pensa ser o que ela ensina.

            RESPOSTA:

            Se um dia a Sra. tiver a disposição leia a Biblia Sagrada. Leia os mandamerntos e advertências que lá constam. Leia os profetas, apóstolos, Jesus Cristo de Nazaré, sérios, credíveis. Entenda o que é o cristianismo. Saiba-o como ele verdadeiramente é. Julgue o conteúdo. Busque refutar cada vírgula, se for o caso, mas com base no que a Bíblia ensina, não com base no que a Sra. pensa ser o que ela ensina.

            (aproveitei boa parte do seu texto para exemplificar que “cada ponto de vista, depende da vista de cada ponto”)

            HELEN:

            Mas graças a bondade divina, se o fiel não se santifica em vida, purifica-se depois da morte, quando já salvo, mas ainda fora da visão beatífica, durante o tempo que estiver que passar pelo estado de purgação, que chamamos de purgatório…
            Quem entende isso, e busca saber a fonte desses ensinamentos. sem preconceito, com o coração aberto. ai sim, maravilha-se com a santa fé!

            RESPOSTA:

            Impossível entender isso, está fora da palavra de Deus, não existe este tipo de ensinamento, se não ter preconceito e abrir o coração é aceitar o que não está na Bíblia, por favor siga no erro, mostrando os frutos ruins da DESOBEDIÊNCIA, isso mantém qualquer cristão verdadeiro a perceber que “aquela” árvore boa (Jesus) não pode dar frutos ruins, mas se tem quem ache “maravilhoso” aceitar tudo, acreditar em tudo, que se deixem dominar, eu tenho Jesus como meu instrutor, o que não vier da parte dele, nem pensar.. A “fonte dos ensinamentos” é a Bíblia, literaturas fora disso são fontes de pecado, estude a Bíblia, não sou eu que digo por mim mesmo, mas a Palavra de Deus, que é a “Verdade”, “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”

            Respeito, cordialidade e paz a todos.

          • Em razão de questionamento sem resposta, gostaria gentilmente de que, algum católico (a) pudesse de forma objetiva, esclarecer ou opinar a respeito do que segue:

            – Deus revela em sua palavra que: “prescruto vossos corações e esquadrinho todos os pensamentos”, ainda diz: “conheço seus pensamentos, antes que a palavra chegue à tua língua eu já as conheço”.

            Estes textos, mostram claramente a capacidade de Deus em saber as nossas nescessidades e anseios, mesmo antes de falarmos ele já as conhece, pois nossos pensamentos e corações são esquadrinhados e prescrutados, conforme revelado na Bíblia.

            – Com base neste conceito, convido os amigos católicos (as) a opinarem sobre as seguintes questões;

            – A dita intermediação entre os “santos” e Deus pressupõe a nescessidade de alguém levar um pedido, prece, agradecimento até Deus, mas se Deus já conhece meus anseios e nescessidades, qual o sentido de um santo se chegar à Deus para dar um “recado” que ele já está sabendo, se até mesmo antes do “santo” saber desta petição Deus já a conhece?

            – Porque Deus permitiria toda a mobilização de “santos” levando e trazendo os pedidos e recados dos seres humanos até ele?

            – Qual a lógica em Deus receber um “santo” para que este lhe conte o que já é de seu conhecimento?

            Eu já havia feito esta pergunta, mas as “respostas” nunca vieram, gostaria de renovar minha esperança em ver quem poderia refutar estes textos bíblicos, para dar base na tese da intermediação entre Deus e os homens através dos “santos”.

            Agradeço desde já a quem colaborar, com educação e respeito.

            • Caro Gilmar,

              Eis as respostas às suas dua primeiras perguntas:

              De fato, Deus, como proclama a Bíblia, é onisciente. Assim ensina também a Igreja Católica, caso o sr não saiba.
              Entretanto, o fato de Deus conhecer nossos pensamentos e, por conseguinte nossas necessidades, não significa dizer que Ele não queira que nós – até em reconhecimento de nossa dependência da bondade divina – nos dirijamos à Ele em orações de súplica e intercessão. Do contrário, se esse argumento funcionasse para anular ou invalidar a intercessão dos santos, ele deveria logicamente também descartar a necessidade da oração de petição que fazmos diretamente à Deus em benefício próprio! Ou seja, se Deus sabe dos nossos pensamentos, para que então orar para alcançar as graças que desejamos?

              Como explicado EXAUSTIVAMENTE aqui no blog, os Santos VIVEM em Espírito e fazem parte do Corpo Místico de Cristo. Sendo assim, a promessa de Deus feita em João 14 é válida não apenas para os santos vivos na carne, mas também àqueles vivos em ESPÍRITO. Por isso mesmo eles têm poder de intervir, porque amaram a Jesus e guardaram os mandamentos. Os Santos viveram de acordo com os preceitos de Deus e assim herdaram a vida Eterna. Portanto, suas orações são ainda mais eficientes (cf Tiago, 5,16) do que as daqueles que – ainda em vida – apesar de crentes, lutam contra a própria carne e o pecado. No Céu não há pecadoe pois a Santidade NINGUÉM verá o Senhor! ( Hebreus 12, 14)

              Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
              Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. Se me amais, guardai os meus mandamentos. João 14:12-15

              A oração do justo tem grande eficácia. Tiago 5:16

              Qual a lógica em Deus receber um “santo” para que este lhe conte o que já é de seu conhecimento?

              Este conceito de “receber” um santo NÃO pertence à Santa Fé Católica. A Igreja, em NENHUM documento ou JAMAIS em sua tradição ensinou que o católico deve receber um santo. Isso, ao que parece-me, deve-se à sua confusão com práticas pagãs das religiões pagãs como umbanda, etc… que justamente para conseguirem sobreviver durante o domínio Português num Brasil extremamente católico – usaram o termo católico “santo” para definir-denominar as entidades ou espíritos que eles “recebiam”em seus rituais.

              Favor não confundir as “revelações” privadas dadas por Deus aos santos vivos – que são nada mais que profecias, como as que se veem nas igrejas protestantes – que por sua vez, são documentadas pela igreja para a edificação do rebanho de Cristo. Nelas podemos ler confirmações daquilo já revelado na Bíblia, nunca portanto, podendo contradize-la.

              Isso passava-se tb no antigo testamento, quando profetas em diferentes épocas, pela vontade de Deus, renovavam ao Povo de Israel as mensagens previamente transmitidas ou reveladas, porém não necessariamente acatadas pelo Povo. Os profetas do AT consistentemente repetiam algo que já havia sido dito, pois Deus nunca desiste de ensinar ao seu povo.

              Espero ter respondido tudo. Se alguém desejar acrescentar algo mais, fique à vontade!

  16. quer dizer que não a adoração, pedidos de ajuda, interseção, veneração a nossa senhora de aparecida e a todos os santos da igreja catolica, mesmo que a intenção do uso de imagem e esculturas não sejam para a idolatria, não tem como negar que a muitos caticos idolatras, e de quem é a culpa, quem está colocando estas pessoas em risco, sendo que Jesus Cristo, o proprio Deus já veio para tirar todo o misticismo da Terra, sendo Ele o unico mediador entre o homem e Deus, tudo o que é criado por mão do homem não transforma a vida de ninguém, quem escolhe os salvos é Deus e não o homem, quando a igreja catolica canoliza um santo significa que e a igreja catolica esta escolhendo este pessoa como salva pelas obras que ela fez na Terra, mas somente Deus pode escolher os salvos porque somente Ele conhece o coração do homem, e não o proprio homem, e como ter certeza de que todos os 10.000 santos da igreja catolicas realmente são santos se somente Deus conhece o coração do homem.

    • quer dizer que não a adoração, pedidos de ajuda, interseção, veneração a nossa senhora de aparecida e a todos os santos da igreja catolica, mesmo que a intenção do uso de imagem e esculturas não sejam para a idolatria, não tem como negar que a muitos caticos idolatras, e de quem é a culpa, quem está colocando estas pessoas em risco, sendo que Jesus Cristo, o proprio Deus já veio para tirar todo o misticismo da Terra, sendo Ele o unico mediador entre o homem e Deus, tudo o que é criado por mão do homem não transforma a vida de ninguém, quem escolhe os salvos é Deus e não o homem, quando a igreja catolica canoliza um santo significa que e a igreja catolica esta escolhendo este pessoa como salva pelas obras que ela fez na Terra, mas somente Deus pode escolher os salvos porque somente Ele conhece o coração do homem, e não o proprio homem, e como ter certeza de que todos os 10.000 santos da igreja catolicas realmente são santos se somente Deus conhece o coração do homem.

    • Muito bem vc usou as passagens bíblicas, porém esqueceu de falar dos CULTOS que os católicos fazem para Maria, para os padroeiros, para santo antônio. Isso se vc esqueceu de falar, é um tipo de adoração. AS PESSOAS ESQUECEM DO SEU DEUS E SE VOLTAM A OUTROS ÍDOLOS, O QUE É ABOMINÁVEL PARA DEUS TODO PODEROSO.

      • Cara Débora,

        A sra não deveria ser leviana e acusar-me sem antes ter lido todo o conteúdo até o momento publicado no blog.
        Já debati aqui exaustivamente sobre a veneração dos santos e sobre os ensinamentos oficiais da Igreja a esse respeito, etc… Convido-lhe a pesquisar o blog e retificar sua conclusão.

        Pax Domini

        Helen

        • Olá Helen, como vai?

          Eu vejo como a questão principal e fundamental dos comentários aqui feitos é a seguinte:

          Não basta que se mostre as regras, leis e regulamentos que regem a igreja católica e seus fiéis, se na prática existe um descompasso enorme e não condizente com os preceitos pregados, podem existir mil blogs que mostrem e remostrem que a igreja é contra a idolatria, não apoia nem incentiva a prática, mas todos que apontam a igreja católica, fazem por experiência anterior, quando participaram de rituais, festas e situações vivenciadas, onde puderam compartilhar “in loco” que a idolatria acontece, ou os que não eram católicos, mas constatam pela comparação entre o que Deus pede e propõe com algo está fora do correto.
          Eu tenho acompanhado o blog e lido todos os posts, analisado com calma e nada aqui, por melhor que seja a intenção conseguem explicar os abusos e distorções ocorridos na prática, em relação as leis da igreja, catecismos, etc. pois se estes se mostram contrários à prática da idolatria, não está tudo bem.
          Inclusive quando a Sra. concorda em abrir um novo post sobre os abusos e práticas que ocorrem em Sírio de Nazaré, acaba também por admitir que nem tudo são flores, portanto quem questiona a posição da igreja em relação a estas festas em desacordo com o que propõe a Bíblia Sagrada, pode ser taxada de leviana?

          • Caro Gilmar Menezes. Como vai?

            Olha, em primeiro lugar vamos refletir sobre sua afirmação número 1:

            A. Não basta que se mostre as regras, leis e regulamentos que regem a igreja católica e seus fiéis, se na prática existe um descompasso enorme e não condizente com os preceitos pregados, podem existir mil blogs que mostrem e remostrem que a igreja é contra a idolatria, não apoia nem incentiva a prática, mas todos que apontam a igreja católica, fazem por experiência anterior, quando participaram de rituais, festas e situações vivenciadas, onde puderam compartilhar “in loco” que a idolatria acontece, ou os que não eram católicos, mas constatam pela comparação entre o que Deus pede e propõe com algo está fora do correto.

            Reflexão do blog:

            Ora, por que não basta? Se eu disser, por exemplo, vamos avaliar e fazer uma crítica ao método de Ensino Montessoriano, o sr acha correto que eu formule minha avaliação à cerca do que cada escola Montessoriana ensina na Prática, ou que eu avalie aquilo que o Método formulado por Montessori REALMENTE ensina?

            Se eu quiser produzir uma crítica honesta tenho que me basear no método tal e qual formulado por seu criador, e não por aquilo que eu vi aqui e ali ou pior, ouvi dizer de terceiros! Parece-lhe justa minha preposição? Espero que sim!

            Bem, como então o sr deseja vir aqui e formular sua crítica à Igreja Católica se o sr não está disposto a aceitar aquilo que ensina DE FATO a Igreja Católica? Se o caso é o Catolicismo, então não se pode pedir menos de qualquer opositor sério que o Catolicismo tal e qual difundido, defendido, propagado e ensinado pela Igreja Católica seja avaliado. Nada mais que isso.

            Agora, se sua crítica não diz respeito aos ensinamentos católicos, mas à má prática do catolicismo, ai sim, o sr está justificado em avaliar a prática dos fieis.

            Sua afirmação número 2

            Eu tenho acompanhado o blog e lido todos os posts, analisado com calma e nada aqui, por melhor que seja a intenção conseguem explicar os abusos e distorções ocorridos na prática, em relação as leis da igreja, catecismos, etc. pois se estes se mostram contrários à prática da idolatria, não está tudo bem.

            Reflexão do Blog;

            Bom, a partir deste comentário o sr parece aceitar que a Igreja DE FATO condena a idolatria. Contudo, retorna à questão da prática do catolicismo para argumentar seu ponto de vista.
            Eu estive ha pouco tempo em Israel. Vi com meus próprios olhos que infelizmente, tal e qual, os católicos nominais espalhados pelo mundo ( católicos nominais é expressão que define o católico que foi batizado na Igreja, vai à Missa quando muito no Natal e Páscoa, não sabe NADA sobre os ensinamentos da Igreja, não segue não, não lê a bíblia, desobedece os ordenanças apostólicas, nunca ouviu falar do conteúdos das encíclicas escritas pelos Papa… mas, quando perguntado, diz-se católico!), os Judeus estão cada vez mais secularizados e não passam de judeus nominais! Eu tenho amigos judeus que comem carne de porco, não celebram o Hanukkah, não sabem explicar uma linha sobre o judaísmo bíblico ou rabinico, mas quando pergunta-se sobre sua religião dizem-se judeus.

            Agora, o sr acha justo que eu como católica queira julgar o judaísmo – uma religião instituída pelo Senhor Deus no AT – com base na desobediência, e impiedade de maus judeus? Seria isso correto?

            Portanto, o sr há rever suas objeções ao catolicismo. Eu, de minha parte, já provei aqui que ser católico é seguir a Deus, Crer em Cristo e imitá-lo. Idolatria é paganismo. Isso nada tem a ver com minha Santa Fé.

            Não achou conveniente minha comparação com o judaísmo? Pois bem, lancemos então nosso olhar ao evangelicalismo, mais precisamente à sua denominação, que aliás o sr prefere não revelar:

            Sr. Gilmar, a julgar por sua veemência em combater a idolatria, concluo que o sr., enquanto cristão evangélico devoto que é, condena a idolatria. O mesmo deve ocorrer no seio de sua denominação. Ou seja, não toleram a idolatria. Porém, pergunto: Sr Gilmar, o sr tem certeza que em seu meio evangélico não há idólatras?

            Lembre-se da palavras de Paulo em 3 Colossenses 5-6:

            5. Façam morrer aquilo que em vocês pertence à terra: fornicação, impureza, paixão, desejos maus e a cobiça de possuir, que é uma idolatria. 6. Isso é o que atrai a ira de Deus sobre os rebeldes.

            Assim, se apenas um membro de sua denominação, talvez o sr mesmo, por vezes comete o pecado da cobiça, ganancia, comete também idolatria! Não sou eu quem disse isso, mas a bíblia que o sr, graças a Deus, tanto reverencia. Sabemos que ser idólatra é dar o lugar de Deus em nossas vidas à qualquer outra coisa. é tornar um bem material ou criatura em um ídolo.

            Meu conselho; a todos os q repudiam a idolatria. Combatam-na onde quer que ela haja.

            Pax Domini

            • AMIGA HELEN VEJA COMO NOSSO IRMÃO DE NOME TIAGO SEPARADO É UM PIADISTA VEJA AQUI UM PROTESTANTE CREIO MAIS INTELIGENTE QUE O TIAGO SENDO HUMILHADO NUM DEBATE NÃO SEI COMO PODE TER TANTAS PESSOAS HELEN PRESAS NO ENGANO ISSO É INFANTILIDADE OU DOENÇA!

              Resposta ao argumento protestante sobre S. Jerônimo e os deuterocanônicos – Parte 1

              Apologistas Católicos

              10 partes

              Introdução

              No dia 03 de Março de 2012, foi publicado aqui no site o artigo “São Jerônimo rejeitou os deuterocanônicos?” (http://apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/deuterocanonicos/503-sao-jeronimo-rejeitou-os-deuterocanonicos) de minha autoria com a colaboração do nosso amigo Matt. O referido artigo foi mencionado e comentado em um blog protestante de nome “Conhecereis a Verdade”. Este comentário realizado pelo dono do blog (Não o nome dele, por que não se identifica em seus artigos) foi publicado no dia 12 de julho de 2012 e é objeto de nosso presente artigo.

              Este artigo é uma tréplica à réplica apresentada pelo blog, se é que podemos chamar de réplica o seu comentário ao meu artigo, que jugo ser de péssimo gosto, não por discordar dos meus argumentos, mas por querer convencer o leitor não pela força dos argumentos, mas por falácias comentários e questionamentos vagos usando ginásticas mentais para negar o que é óbvio. Por vezes diz que eu adulterei os escritos de São Jerônimo em minha tradução, sem prová-lo. Por esta razão lhe daremos atenção e provaremos que aqui quem está mentindo e adulterando escritos alheios, denunciando ao leitor os artifícios enganadores usados pela apologética protestante no Brasil, herdados do fundamentalismo protestante americano.

              Chamaremos o autor desta “refutação” de “sr. verdade” (por sugestão ao nome do seu blog), já que não sabemos o seu nome.

              Parte desta matéria em resposta ao artigo do nosso site, nada mais é do que a tradução de uma tentativa de Ray Aviles (protestante americano) em 2006 [pode ser acessada aqui] de refutar o Matt. Esse protestante já foi devidamente colocado no seu lugar com uma bela resposta do Matt. [pode ser vista aqui], porém o protestantismo brasileiro insiste em repetir a mesma peripécia já refutada do protestantismo americano. Para não ter que escrever exatamente a mesma coisa que o Matt já escreveu, vamos também traduzir partes relevantes da resposta dele, e acabar com o murmúrio protestante de uma vez por todas. Os escritos de São Jerônimo estarão em Azul, a pseudo-refutação em vermelho e minha resposta em marrom.

              Refutação

              “Mas como veremos a seguir todo o seu artigo é uma enorme sugestão de falsidade, ou seja, uma mentira.”

              Na verdade, como veremos a seguir o que é “uma enorme sugestão de falsidade, ou seja, uma mentira” é toda essa falácia apresenta pelo blog.

              “Dámaso não pediu a Jerónimo que traduzisse a Vulgata Latina (Tradução das escrituras do original para o Latim).

              Dámaso pediu a Jerónimo DUAS coisas:

              1. Uma revisão dos Salmos [...]

              2. Uma revisão do NOVO TESTAMENTO [...]“

              Ele cita isso aqui quando eu falo que Papa Dâmaso pediu solicitou a São Jerônimo a tradução das escrituras para o Latim, ou seja, a Vulgata.

              Qualquer um que estudou a história da vulgata vai saber o óbvio, que não foi um decreto do Papa Dâmaso que fez São Jerônimo traduzir a Vulgata, porém o nosso amigo não conseguiu imaginar que eu quisesse dizer apenas que com o pedido de revisão dos Salmos e do NT pelo Papa foi o que deu o start up para a tradução da Vulgata, ou seja, a partir do pedido de Dâmaso a vulgata nasceu.

              Então quando falei “apedido deste começou a traduzir a Vulgata Latina”, não significa necessariamente que eu esteja dizendo que o Papa Damaso baixou o decreto de tradução das escrituras para o Latim, mas sim que um pedido dele que deu o embalo para a confecção da supracitada tradução. Inclusive o autor que eu cito como fonte, faz da mesma forma que eu, e nem por isso eu entendi o que o protestante entendeu. Vamos ter que colocar notas de rodapé, nas matérias agora, dizendo “aqui eu digo assim” e “ali eu digo assado”, para os protestantes poderem compreender o que escrevemos.

              Jerônimo aceitou o cânon hebraico de 22 livros (ou 24, dependendo da convenção).

              Isso aqui foi escrito em 392 d.C no indica que foi sua opinião pelo resto de sua vida.

              “E assim há também vinte e dois livros do Antigo Testamento; isto é, cinco de Moisés, oito dos profetas, nove dos hagiógrafos, embora alguns incluam Ruth e Kinoth (Lamentações) entre os hagiógrafos, e pensam que estes livros devem contar-se por separado; teríamos assim vinte e quatro livros da Antiga Lei”. (Prefácio a Samuel e Reis)

              e rejeitou a canonicidade dos escritos apócrifos ou que tivessem a mesma autoridade que os textos hebraicos.

              Novamente escritos datados de tempos mais antigos, não figuram a opinião do autor por toda a sua vida, nem as circunstancias em que ele citou os livros como não canônicos!

              “Este prólogo às Escrituras pode servir como um prefácio com elmo para todos os livros que vertemos do hebraico para o latim, para que possamos saber – os meus leitores tanto como eu mesmo – que qualquer [livro] que esteja para lá destes deve ser reconhecido entre os apócrifos. Portanto, a Sabedoria de Salomão, como se a titula comummente, e o livro do Filho de Sirá [Eclesiástico] e Judite e Tobias e o Pastor não estão no Cânon. (Prefácio a Samuel e Reis)

              Ninguém deve ser incomodado pelo fato de a minha edição ser composta por apenas um livro, nem ninguém deve se deleitar nos sonhos encontrados no terceiro e quarto livros apócrifos. Pois entre os hebreus os textos de Esdras e Neemias constituem um único livro, e aqueles textos que não são usados por eles e não se ocupam com os vinte e quatro anciãos devem ser rejeitados. (Prefácio a Esdras)

              “Portanto, como a Igreja lê os livros de Judite e Tobite e Macabeus, mas não os recebe entre as Escrituras canónicas, assim também lê Sabedoria e Eclesiástico para a edificação do povo, não como autoridade para a confirmação da doutrina Igreja” (Prefácio aos escritos de Salomão)

              Portanto, Jerónimo acreditava que o cânon hebraico de 22 livros (ou 24 livros, dependendo de como eles são contados) devia ser o cânon autorizado do Antigo Testamento.

              Isso daqui eu já tinha citado no meu artigo, mostrando que essa era sua opinião inicial, mas o nosso amigo insiste em repetir. Como já dito o prefácio de Samuel e Reis foi de 392 d.C e o de Esdras em 394 d.C. O sr. “verdade” implica que o que ele escreveu nestas datas, significa o que ele pensou sua vida toda de todos os livros deuterocanônicos. Isso é enganoso. São Jerônimo viveu ainda mais 26 anos após esta data, quando morreu em 30 de setembro de 420. Como dito no meu outro artigo ele cita esses livros 55 vezes em nossa leitura da edição de Schaff de seus escritos, tanto antes como depois destes prefácios, e pelo menos de acordo com os próprios escritos de São Jerônimo, lemos Susanna e os hinos dos três jovens, por exemplo, tratados como Escritura por ele, como veremos, então essas coisas que são percebidas nos prefácios não indicam o que ele pensou em toda a sua vida.

              Vamos vê-lo citando os deuterocanônicos em datas perto dos seus últimos escritos contra os pelagianos e também se referindo aos livros deuterocanônicos no combate à heresia pelagiana. Na prática, trata-os assim como ele faz com os outros livros da bíblia que são inquestionavelmente reconhecidos por ele.

              Continua

              Título Original: Tréplica a tentativa de argumentação protestante sobre São Jerônimo e os deuterocanônicos

              LinkOriginal:http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/deuterocanonicos/530-treplica-a-tentativa-de-argum

              Site: Apologistas Católicos
              Editado por Henrique Guilhon

            • Olá Helen,

              A questão aqui não é o judaísmo nem a minha congregação, mas sim a Idolatria questionada dentro da comunidade católica.

              Não nego erros em qualquer congregação, onde existe ser humano, existe chance de erros, tanto por natureza proposital como por entendimento equivocado, fruto de ingenuidade ou mal ensinamento.

              A questão aqui é sobre a Idolatria na Igreja Católica, ou estou enganado?

              Sendo assim, vejo que respostas defensivas que refazem a mesma pergunta feita, e as redirigem a outras denominações evidenciam fuga de resposta.
              Passam a idéia de: “tem outras como a minha, porque tocar pedra só na minha? Respondam sobre a de voces?”

              Em um blog que aborde o mesmo tema dentro do judaísmo ou na comunidade evangélica seria o lugar propício para voce perguntar a respeito, como a proposta DESTE blog é debater sobre a Idolatria na IC, desculpe a franqueza mas quem o criou deveria imaginar as perguntas feitas como uma oportunidade de esclarecer, mas se ao invés disso se desvia da resposta com outra pegunta, acaba demonstrando a falta de resposta direta e objetiva.

              A Sra. sabe o quanto venho tentando saber porque os Padres e toda a cúpula da igreja católica se calam e deixam as coisas seguirem como se estivesse tudo bem, e todos vêem que não está.

              Se mostrar as regras do catecismo e da igreja católica bastassem este blog já teria convencido a todos, mas como as procissões e romarias são públicas e qualquer um tem livre ascesso e/ou já presenciou como os ritos se desenvolvem, a IC não é consenso, inclusive tem diminuído os frequentadores ao invés de aumentar.

              Não apoio a igreja universal com rosa ungida, entre outros erros por exemplo, do judaísmo também haveria muito a se criticar.

              Mas este blog propõe idolatria na IC, então falarmos sobre isso me parece coerente, ok?

              Sírio de Nazaré?
              Romarias?
              Pílulas de folha de caderno?
              Cadê os responsáveisda igreja para se posjcionarem?

              POR FAVOR TEM ALGUM CATÓLICO QUE POSSA RESPONDER, SE NÃO É IDOLATRIA, O QUE SÃO ESTAS COISAS?

            • Gilmar,

              Eu estou começando a acreditar que estou a perder meu tempo com o sr. Parece que nada do que eu digo lhe faz olhar para a questão como ela é e não como o sr a caricaturou em sua mente…

              Em primeiro lugar, este blog não se propõe a tratar do tema da Idolatria em, mas em ensinar e esclarecer os ensinamentos católicos.
              Segundo, não estou de modo algum a fugir da resposta. Se tiver disposição releia todos os meus comentários já postados aqui e terá a confirmação do que acabo de afirmar.

              Terceiro, ao mencionar os exemplos do Judaísmo, Montessori, Evangelicalismo, tratei de buscar exemplos que talvez o fizessem refletir sobre seu erro. OU seja, em querer julgar a Igreja católica por algo que ela não ensina, promove, encoraja, dissemina ou aprova: a idolatria! Infelizmente, não obtive êxito, minhas palavras caíram em ouvidos surdos.

              Se a Igreja desaprova a Idolatria não pode ser idólatra.

              Se a conclusão que o sr tirou a partir de minhas respostas – e de outros membros- é que estamos a admitir que há idolatria na Igreja Católica, assim com pode também haver em outras denominações, e portanto, está tudo bem, cada um que continue no seu erro… Meu caro Gilmar, devo informá-lo que sua impressão-conclusão está categoricamente errada!

              Não existe idolatria na minha Igreja! Mais claro que isso, não sei como dizer!

              Só porque eu afirmei a necessidade de escrever um post sobre o tema das procissões não estou assinando uma confissão de culpa. Estou apenas admitindo a necessidade de fornecer esclarecimentos sobre a questão! Nada mais.

              Também não nego que possa haver erros na PRÁTICA do catolicismo por parte de seus fiéis. Como já disse, a Igreja não é a polícia da vida de ninguém, mas aquele que ensina o que é certo, cabe ao católico apegar-se aos seus ensinamentos.

              Se existe no mundo algum católico que ao olhar para um imagem, seja estátua, pintura, etc, acredite estar olhando para um “deus”. Ele é um tolo idólatra! Mas eu até hoje nunca encontrei ou ouvi falar de alguém instruído na Santa Fé que tivesse cometido tal erro!

              Professamos o credo na missa todo domingo: Creio em Deus Pai, …Em Jesus Cristo… No Espírito Santo. Ponto final, essa é a nossa fé.

              O sr pergunta se há algum católico aqui que possa explicar sobre as procissões… Ora, Sr gilberto, está com tanta pressa assim – relembro que já afirmei precisar de um momento de quietude, fora das minhas atribulações, para escrever um artigo digno de ser publicado aqui no blog – sugiro que vá direto à fonte:

              Quer saber genuinamente sobre a Igreja Católica? O MELHOR lugar para começar sua pesquisa honesta e livre de parcialidade é no Site oficial da Santa Mãe Igreja! É maravilhoso, sr Gilberto! Uma verdadeira dádiva de Deus os arquivos e documentos do Vaticano Online. Busque no catecismo, tenho certeza que encontrará!

              Um dos grandes males do protestantismo é julgar o que não conhece ou entende! Acham que porque uma procissão tem a figura do santo, ou é dedicada a um santo, os fiéis creem que o santo é um deus, ou algo parecido. O católico sabe que o ícone – grego para imagem – é apenas a representação do original. E o original do santo é um homem ou mulher pecador que viveu na terra,mas que pela promessa de Deus, vivem em espírito na glória divina. Ora, se sabemos disso, não podemos achar então que o santo é um deus. Se não é Deus, então não pode atuar como um.

              Mais uma vez, o católico reverencia aos bons servos de Deus. A festa, a procissão, as imagens são em reverência aos santos servos de Deus, aos quais pedimos por orações e desejamos imitar. Os santos foram bons imitadores de Cristo e apesar de pecadores, produziram bons frutos para a glória de Deus, não a sua própria. Eles nos encorajam em nossa própria caminhada. Ao ler sobre seus tropeços, suas dificuldades e obstáculos vencidos, somos revigorados e sabemos que nossa própria miséria pode ser vencida com a ajuda de Deus e fé em Cristo Jesus. Os santos nos ensinam a crescer na fé, ajudam-nos a buscar por Deus e a servi-lo, e assim nos auxiliam a ser mais parecidos com Cristo. Celebrar e reconhecer a contribuição do santo, tanto no fortalecimento da fé como no amor ao próximo, é nada mais nada menos do que fazer justiça a quem merece! Isso, seguramente não ofende a Deus, pois os santos são pessoas que em vida honraram á Deus. Portanto, Deus honra aos seus santos. Sendo assim, como Ele poderia reprovar aqueles que honram aos seus bons servos?

              Por isso, eis o que diz o Senhor, Deus de Israel: Eu tinha dito que a tua casa e a casa de teu pai serviria para sempre diante de mim. Mas agora, diz o Senhor, não será mais assim. Eu honro aqueles que me honram e desprezo os que me desprezam.

              Agora, sr Gilmar, o sr está indignado com a suposta permissividade do cimo da Igreja em relação aos supostos abusos ( abusos sob a ótica e veredito protestante, fique aqui bem claro!) acontecidos dentro da Igreja. Vejamos este seu comentário: “A Sra. sabe o quanto venho tentando saber porque os Padres e toda a cúpula da igreja católica se calam e deixam as coisas seguirem como se estivesse tudo bem, e todos vêem que não está.”

              Bom, se houver abuso DE FATO, é papel da Igreja repreender e fazer a correção do problema. Porém, os exemplos que o sr usa são abusos somente na visão evangélica. Sendo assim, se para a Igreja não há abuso, não há necessidade de intervenção.

              Eis os “abusos” listados pelo sr:

              Sírio de Nazaré?

              O sírio é uma festa e procissão. Como já expliquei sobre isso no comentário acima, omitirei responder de novo.

              Romarias?

              Eu gostaria de saber qual é o problema das Romarias… Desde o princípio do cristianismo esta prática existe. Quantos milhares de milhares de cristãos não saíram de suas próprias casas para um dia visitar um sítio importante na história de sua fé? Eu, por exemplo, em Jeruzalém em Israel… estive no Monte Sinai no Egito, um sítio santo onde ocorreram eventos importantíssimos para a história judeo-cristã, eventos dignos de serem lembrados, merecedores de reflexão, etc. Onde está a idolatria nisto? Visitar o local onde foi crucificado Jesus, também classifica como idolatria? Afinal, trata-se apenas de um lugar onde ocorreu um evento, não se trata de estar diante do Cristo em pessoa!
              Assim, peregrinar pelos caminhos percorridos pelo santo Apóstolo Tiago, por exemplo, que saiu de uma terra longínqua em obediência à ordenança de Cristo: Ide e fazei discípulos de todas a nações”, meditar sobre o que vivenciou o santo apóstolo em sua jornada, refletir sobre a graça de Deus que o motivou a cumprir a missão a ele incumbida… Isso também é idolatria?
              Visitar o local onde viveu Maria, a Mãe do nosso Salvador. Ver como vivia uma santa mulher que trouxe ao mundo o Emmanuel, Deus conosco. Isso é idolatria? Orar a Deus em agradecimento pela obediência de Maria ao aceitar a tarefa a ele incumbida de dar a luz ao messias, cuidar Dele, viver por Ele e para Ele, isso é ofensa a Deus?
              Seria Idolatria fazer uma viagem longa para conhecer ou ver de perto um sítio onde aconteceu um grande milagre, onde a glória e bondade de Deus foram manifestadas de forma extraordinária também é idolatria?

              Se fosse, então de fato a Igreja deveria intervir. Felizmente, para a Igreja Católica, nada disso é idolatria.

              Pílulas de folha de caderno?

              Se os primeiros cristãos, como a própria bíblia diz, aglomeravam-se para serem cobertos pela sombra do santo apóstolo Pedro, ou para tocar no avental de Paulo, como pode a Igreja condenar a prática de crer num milagre feito através de algo tão banal como uma pílula abençoada por um santo?

              12 de modo que até lenços e aventais que Paulo usava eram levados e colocados sobre os enfermos. Estes eram curados de suas doenças, e os espíritos malignos saíam deles. Atos 19,12

              Cadê os responsáveisda igreja para se posjcionarem?

              Como demonstrado acima, esta pergunta é desnecessaria, pois ao que concerne os pontos levantados pelo senhor, os “responsáveis” estão livre da culpa de omissão.

              Agora, desculpe-me mencionar… Porém, o sr me acusa de fugir da resposta, mas não parece ter refletido sobre a verdadeira idolatria que eu apresentei com a passagem de Colossenses 3, 5-6!

              Pax Domini,

      • Déborah Dutra vou só ti da um conselho ta!

        Saibas que Santo não são deuses, e Idolos não são Santo

        e esse termo IMAGENS DE ESCULTURA nem aparece na bílbia

        ISSO É ADULTERAÇÕES FERREIRA DE ALMEIDA RSRSRS

        • Déborah Dutra já que vc quer usar de sofismas, leia exodo 20 verso 3 e 4, no grego e no hebraico, pegue a palavra EIDLON e PHESEL, traduza

          e veja qual biblia está adulterda, IMAGENS DE ESCULTURA, só no retartadismo protestante mesmo

  17. Obrigado Sra. Helen, vi justiça e imparcialidade em suas palavras e fico no aguardo para que, quando puderes faça a alteração citada.

    Voce é arquiteta, interessante saber, eu convivo com vários colegas seus em função do meu trabalho, sei a correria que é.

    Agradeço sua compreensão e que Deus abençoe sua filha Maria Eduarda.

  18. Olá Manuel da Costa,

    Com base no que disseste deixo-lhe a seguinte indagação:

    Todos sabemos como é a figura/imagem/silhoueta de Edson Arantes do Nascimento, o nosso Pelé do futebol.

    Pois bem, imagine que ele tivesse vivido há cerca de 2.000 anos atrás onde não haviam máquinas nem para fimá-lo nem fotografá-lo, nem documentos deixados ou encontrados que lhe pertencesse, e que tivessem alguma menção sobre: cor da pele, estatura, cor do cabelo, comprimento do cabelo, cor dos olhos, se era de corpo esguio, ou mais encorpado ou se seu biotipo era endomorfo, mesomorfo ou ectomorfo.

    Então, passado-se 1.500 anos da existência do famoso e comentado “Pelé” alguém tem a maravilhosa idéia de confeccionar uma estátua para homenagear o “Pelé”, mas como o artífice não tem a mínima idéia de por onde começar pois não há registros nem referências do Pelé enquanto forma física, somente da sua história e de seus feitos, aí começa a lambança.

    Então ele confecciona uma estátua de um homem alto, fortíssimo e musculoso, pele clara, olhos claros e cabelos lisos compridos, com olhos de traços orientais.

    Pois bem, o que o amigo acha de lembrar-se de um homem de estatura mediana, magro, de pele negra e cabelo bem curto enquanto está diante de uma imagem absolutamente diferente da pessoa de Pelé?

    Quando voce olha para uma foto de um ente querido é certamente de alguém que conhecemos, então ao se olhar a foto, instantâneamente a pessoa real nos é lembrada por termos o convívio com ela, mas se voce hipotéticamente não conhecesse seu pai ou mãe, e um belo dia alguém lhe mostrasse a foto de uma mulher de outro país e que não era sua mãe na realidade, mas lhe convencessem que sim.
    Acharia justo, devotar afeto e lembrança materna a pessoa errada? Não estaria voce “criando” um personagem para lembrar do verdadeiro? Isto faz sentido? É lógico?

    Se por ventura fosse (o que não é) possível se conhecer como Maria era de fato, fisicamente falando, digamos que ela na realidade fosse mais gordinha e de baixa estatura, nariz mais largo e olhos grandes arredondados, e alguém disesse a um católico: “esta é a verdadeira imagem de como é Maria”, o católico não iria dar crédito pois o nariz fininho, o rosto esguio em nada lembrava aquilo, dou este exemplo para mostrar que foram fabricados estereótipos de santos TAL QUAL ELES NÃO ERAM.

    Então dizer que olhando para tal forma física lhe remete a pessoa real não faz sentido.

    Se eu olhar uma estátua do Pelé, saberei que é ou não.
    Se eu olhar uma estátua do Frank Sinatra saberei que é ou não.

    Portanto, quando um católico diz que olhando “A” lembra de “B”, e olhando “C” lembra de “D” é uma das coisas mais sem nexo que já vi.

    Respeito e paz a todos

    • Caro Rafael,

      Sem nexo, com todo respeito, é a sua lógica de pensamento e sua conclusão!! Que absurdo! Pelo amor…

      Vou direto ao ponto, porque isto já passou dos limites tanto do aceitável quando do produtivo:

      1- Quem disse que não há registros documentais sobre a aparência dos Santos? Sabia que muitos deles foram retratados em vida em pinturas, assim como foram também retratados imperadores, reis, etc? Sabia que muitos deles viveram depois da invenção da fotografia, que como sabemos não é assim tão recente? Primeiro argumento encerrado.

      2- Quem disse que para alguém remeter o pensamento à lembrança de um santo ele precisa conhecer exatamente as características físicas do mesmo? O sentimento muda, se por ventura penso em Santa Teresa de Ávila ( que à propósito, como acontece como muitos outros, foi fotografada. Por favor, use o google) como uma mulher loira e alta, enquanto na verdade era morena e baixa? Isso mudo o que ela fez? O exemplo que ela deixou e que por sinal é MUITÍSSIMO bem registrado tanto pela história como pela Igreja? Sendo assim, muda quem ela foi e sua contribuição à propagação da mensagem do Evangelho? Não, não muda! Segundo argumento, encerrado.

      3- Se eu pedir a qualquer Cristão do mundo para dar-mne uma descrição de como imaginam Jesus Cristo fisicamente, cada um dirá algo diferente, porém, de certa forma, todos dirão que era uma homem de pele morena clara, com cabelos à altura dos ombros, etc…. Bom, se Cristo tinha realmente essa aparência ou não pouco importa. Importa? Será que eu preciso saber exatamente como ele era para poder amá-lo, adorá-lo e serví-lo? Não, não preciso!! Portanto, isso deveria bastar para refutar seu argumento, meu caro Rafael!

      Claro, deveria ser supérfluo dizer que NINGUÉM na Santa Igreja Católica e Apostólica adora aos Santos, mas do modo que as coisas caminham neste debate, parece que nós católicos temos que detalhar cada linha da nossa fé, porque vcs protestantes entram aqui para dizer que não somos cristãos verdadeiros, que somos idólatras, que seguimos doutrinas de homens e não de Deus, etc… Portanto, cada pingo de “I” deve ser explicado. Sendo assim, reitero, minha analogia sobre a aparência física de Jesus tem por objetivo mostrar o absurdo do seu raciocínio, e não igualar os santos à Cristo!! Santos são criaturas e servos de Deus. Deus é UM e só a Ele adoramos e servimos. Isso, é a fé católica. Não acredita? Não concorda? Direito seu, o fato, entretanto, não muda. A religião católica é Cristã e MONOTEÍSTA. Se é monoteísta é porque crê em UM SÓ Deus. Ponto final!

      Meu conselho ao sr e aos outros não católicos participantes é o seguinte: Tenham humildade para aceitar que não são capazes de entender a comunhão dos santos. Não queiram julgar algo que não entendem. O testemunho tanto da Igreja ( através dos seus documentos, história e catecismo) bem como os dos seus fiéis deveria bastar para os senhores se convencerem que de fato não temos aos santos como “deuses”, mas exemplo admiráveis de vida cristã. Por que os srs acreditam que nós tão veementemente debatemos contra a acusação de idolatria que os srs insistem em nos proferir se, de fato, acreditássemos que os santos são mais que meros servos de Deus? Por que eu iria gastar meu tempo para lhe convencer disso? Eu não tenho compromisso com os senhores, tenho? Por isso, estou livre para crer no que quiser, não é correto? Então, se o faça, faço isso pela verdade, nada mais!

  19. Amigo, voce diz que eu falei, falei e só mostrei meus pontos de vista.

    Vai ver é porque EU estava falando, logo é natural e normal mostrar os MEUS pontos de vista. Quando voce fala, voce não expões os SEUS pontos de vista? Ora, acaso isso estaria errado?

    Mas vamos lá, se existe igreja de homossexuais que se dizem protestantes o problema É ÚNICO E EXCLUSIVO DELES, ASSIM COMO O DIA EM QUE IRÃO PRESTAR CONTAS DE SEUS ERROS.

    Não sou protestante, sou CRISTÃO e sigo o evangelho, não tenho nenhuma nescessidade de seguir lutero, constantino, pedro ou quem quer que seja além de Jesus, pois ele é meu mestre, ele é o bom pastor e confio à ele tudo o que preciso para viver feliz, e qualquer seita, congregação, religião ou placa que não esteja em sintonia com a Palavra de Deus eu sou o primeiro a criticar e me posicionar contrariamente, sigo à Deus e não à homens nem mártires.

    EU NUNCA DISSE QUE A BÍBLIA CONDENA IMAGENS (por favor, copie e cole esta afirmação, certamente o amigo confundiu outro post de outra pessoa).

    Todos sabem da ordem de Deus para confeccionar os querubins da arca, mas existe passagem bíblica que mostre pessoas indo aos querubins pedir cura para câncer, pedir para arranjar marido, pedir um trabalho? Voce viu alguma passagem bíblica onde oessoas voltavam aos querubins da arca para agradecerem graças alcançadas? Obviamente que não pois Deus ordenar a construção de uma imagem, até aí não há problema, mas se depositar esperança que aquele artefato fará algo pela pessoa que pede daí sim temos um problema, que é abdicar do poder de Deus para atuar em nossas vidas em prol de pedir a uma imagem, qualquer que seja ela.

    Já vi comentários assim: “mas o templo onde Jesus ensinava e pregava haviam imagens nas paredes de anjos, leões, etc” Novamente pergunto, existe alguma passagem bíblica que fala em Jesus entrando no templo e orestando qualquer tipo de reverência àquelas pinturas? Ou eram meramente ornamentais e simbolizavam o mundo celestial? Porém note que ninguém atribuiu a elas poderes de intercessão ou pedidos, promessas, etc

    Automaticamente as comparações entre imagens que Deus ordenou/permitiu com as imagens católicas são DIFERENTES pois tem FINALIDADES DIFERENTES.

    Deus nunca proibiu a fabricação de imagem, mas sim a devoção nelas que resulta em idolatria.

    Quando dizem, e o busto de Dom Pedro I? Tiradentes? E os heróis de nossa pátria?
    Ora, o simples fato da imagem estar no meio de uma praça como simbolo e lembrança de alguém importante historicamente, não a torna objeto de idolatria, apenas quando pessoas se mobilizam e tornam esta situação real.
    Pergunto:
    Alguém já viu pedirem curas, empregos ou passar na escola para o busto de tiradentes ou dom pedro I?
    Então não há idolatria, são imagens e só, não ultrapassam a sua condição inicial como algo inanimado, sem vida em si, portanto incapaz de intervir ou fazer qualquer coisa por nós.

    Sobre as fotos de entes queridos na carteira:

    Alguém por acaso dobra os joelhos para seus familiares da foto? pedem curas? Agradecem graças alcançadas?
    Então isto também não ultrapassa a condição normal da foto, logo não é idolatria simplesmente carregar na carteira imagem de um ente querido.

    Portanto, há que se diferenciar as práticas e não determinar que Deus autorizou a confecção de imagens para a partir disso, dar margem ao “ir além do apenas construir as imagens”, se passar disso é idolatria.

    Respeito e paz a todos

    • “Prostração: Postura Idólatra?”
      Esse ponto do blog nos mostra como somos capazes de nos fazer de cegos para justificar nossos pontos de vista. Minha família católica não só se prosta diante das imagens como pedem favores e lhes dão graças( que deveria ser dadas a DEUS) quando alcançam o que pedem.

      • Djcle,

        Se sua família é católica, então é Monoteísta, ou seja, crê e adora à UM Deus, único e soberano. Assim, certamente, não são idólatras. Que é algo bem diferente. Negar isso, isto sim é cegueira!

        Leia os comentários postados anteriormente ao seu para maiores esclarecimentos.

        Obrigada pela participação.

        Pax Domini,

        Nosso Credo

        CREIO EM UM SÓ DEUS,Pai Todo-Poderoso, Criador do Céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Único de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos:
        Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro;gerado, não criado, consubstancial ao Pai, por quem todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação desceu dos Céus. E encarnou pelo Espírito Santo, no seio de Maria Virgem e Se fez Homem.
        Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado.
        Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras; e subiu aos Céus,onde está sentado à direita de Deus Pai. De novo há-de vir cheio de glória, para julgar os vivos e os mortos; e o Seu Reino não terá fim.
        Creio no Espírito Santo, Senhor e Fonte de Vida que procede do Pai e com o Pai e o Filho recebe a mesma adoração e a mesma glória. Foi Ele que falou pelos Profetas.
        Creio na Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica.
        Reconheço um só Baptismo para a remissão dos pecados. E espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há-de vir. Amem!

        • Infelizmente quando a fala ou teoria se choca com a prática, faz da teoria mero detalhe escrito, o que se vê, mesmo que não sejam todos, mas certamente é a grande maioria que faz preces e petições diretamente para este ou aquele santo, para quem viveu em lar católico, viu amigos e parentes e presencia a mesma prática até os dias presentes fica claro que os católicos de uma forma geral não sabem como fazer seus pedidos e com isso se detecta o erro e a falta de organização e consenso neate quesito, dizer que o católico é monoteísta fica fácil, mas qualquer um que fizer uma pesquisa diretamente com os fiéis católicos, censo ou questionário direto verá que o monoteísmo está só no papel e no entendimento de uma pouca minoria católica, a grande massa pode dizer que é mas adota outra prática, nem é questão de cegueira mas de estar engajado aos irmãos fiéis que precisam de ajuda para não viverem ao léu de seus próprios deuses (santos) e com isso instalada a confusão, perpetuam o erro gerado pela falta de comando da cúpula da igreja, que foi e continua sendo o maior mal deste resultado pois sem freio um carro está fadado a colidir e os estragos nunca são pequenos. Cegueira não, acomodação e egoísmo sim, monoteíta é dito, politeísmo é o que se vê, a propósito, o cego não vê porque não pode, mas aquele que pode ver e vira o rosto para outro ângulo para não encarar de frente o que acontece nas barbas de todos, isso sim é preocupante..

  20. Saudações Sra. Helen,

    Agradeço o respeito e cordialidade em que vens conduzindo nossos debates e controvérsias, ao contrário de alguns irmãos católicos que se mostram pouco instruídos para evangelizar ou convencer alguém da dúvida, pois com linguajar chulo e postura arrogante e soberba prestam um péssimo serviço à Igreja Católica, explicitando falta de educação e respeito, o que não é um marketing positivo, a Sra. há de convir.

    Quanto ao meu questionamento feito, caso queira, como disse, deter-se em derrubar e refutar completamente os meus argumentos sobre dulia, iperdulia e latria, fique à vontade, mas ainda aguardo que fale a respeito DESTES SENTIMENTOS e como ESTES SENTIMENTOS SE APLICAM E FUNCIONAM.
    Por hora, vi que voce fez uma pergunta sobre o “amor”, e não me parece razoável que esta tenha sido a sua resposta para “derrubar” ou “refutar” minha questão sobre dulia, iperdulia e latria.

    Sua tese para derrubar e refutar meu questionamento seria que:

    “A sagrada escritura instrui-nos para amarmos ao próximo como a nós mesmos, então se Deus ordenou que se amasse o próximo, quem poderia definir o que é amar ao próximo? Imagine, Deus cometeu um erro”

    Vamos entender o que há de diferença ou de semelhança entre o que Deus criou e ordenou que se faça (amor), e o que homens humanos criaram e ordenaram que se faça (dulia, iperdulia e latria).

    Primeiramente parte-se do pressuposto de que Deus jamais, em hipótese alguma ordenaria algo impossível ou inviável de praticar-se, ou que o ser humano não tivesse condições de cumprir, ou acaso poderíamos duvidar da eficácia no sentido de concretizar aquilo que Deus nos manda e ensina?
    Mateus 11:30 “porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve”, ou seja, Deus é ascessível, e obviamente o que nos pede fazer também pois é parte do seu caráter.
    Deus que é amor, e compartilha naturalmente este sentimento com todo o pecador que o recebe e o aceita, ora, se Deus é amor e temos Deus em nós, então como haveria do amor ficar de fora?

    O amor é um sentimento inerente ao ser humano, uma vez em comunhão com Deus saberemos manifestá-lo pois assim diz a palavra, ele flui naturalmente pois é intrínseco à natureza humana, já dulia, iperdulia e latria são sentimentos criados por homens, mas que não basta que se leiam para que se os possua, não fazem parte da natureza humana, logo, por mais que se tente dizer que “temos tais sentimentos” os mesmos não são passíveis de aceitação, pois:
    Não foram delegados e explicados por Deus nem tão pouco ordenados pelo Criador a que se fizesse uso, primeiro porque só trariam, como trazem confusão entre os católicos e risco de estarem em idolatria por se apoiarem nesta tese de que seria “apenas” latria, linha tênue entre o erro eo pecado, Deus não deixa seu povo correr “riscos”, andar na corda bamba.
    O amor é sim um sentimento subjetivo pois não é visível nem palpável, porém Deus EXPECIFICA-NOS o que ele é:
    1cor. 13:4-7
    “O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com averdade, tudo sofre, tudo ,crê, tudo espera, tudo suporta.O amor jamais acaba”
    NOS DIRECIONA SOBRE SEU EMPREGO:
    2 joão 1:6
    “O amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos, como ouvistes desde o princípio, é que andeis nesse amor”
    ESTA IMPLÍCITO NO PRINCIPAL MANDAMENTO:
    Mateus 22:37-39
    “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este é: ” Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

    Com base nisso temos a explicação, a conduta e o emprego do “amor” sem expeculações, toda a fragilidade acerca das explicações sobre o funcionamento real e de fato de dulia, iperdulia e latria são um choque frontal quando comparadas ao sentimento de amor ao próximo.

    Imaginar que o que Deus criou, ensinou e ordenou seria tão obscuro e carente de explicação como o que ex papas tiveram um belo dia uma “bela idéia” de inventar trés novos sentimentos humanos até então nunca vistos?
    Respeite-se a opinião de cada um, mas Deus é Deus, e submeter o sentimento AMOR por ELE criado e ordenado ao mesmo patamar de latria, dulia e iperdulia criados por homens sem o aval da Sagrada Escritura para justificar a sua resposta, desculpe Sra. Helen, mas ainda não é minimamente razoável.
    Deus ordena e explica o que é e como funiona o sentimento amor.
    E dulia, iperdulia e latria tem as mesmas explicações pormenorizadas que contém o sentimento amor na bíblia sagrada?
    Não?
    Então sua comparação não se equivale e seu suposto “derrubar” e “refutar” minhas colocações sobre dulia, iperdulia e latria não são passíveis de consideração, lamento.
    Segundo voce disse, minhas intermináveis refutações estão proporcionalmente relacionadas com a objetividade sua em responder o que é como funciona a dulia, iperdulia e latria, e NÃO ME PERGUNTANDO o que é como funciona o sentimento “amor”, como se este não fosse passível de explicação.

    Estão aí os textos e o sentido lógico que esta palavra tem em nossas vidas e que voce questionou, ok?
    E os textos bíblicos que voce tem para me explicar os 3 sentimentos inventados pelo homem? Não tens? Sra. Helen, vamos acabar com etas intermináveis refutações, por favor colabore!

    • Caro Gilmar,

      Novamente, obrigada pela participação.

      Bem, ainda no tema da veneração dos santos e da adoração à Deus, mais especificamente no caso da Dúlia, Hiperdúlia e Látria, o sr parece não perceber que, como eu havia dito em minha primeira resposta, estes não são nada mais que “nomes ou nomenclaturas” que definem sentimentos específicos.

      Ao contrário do que o sr parece pensar, hiperdúlia, látria e etc não são sentimentos inventados pela Igreja, mas são inerentes ao coração humano, como mostrarei mais adiante. Existiam desde sempre. A Igreja apenas fez dar-lhes nome. Contudo, tendo em vista que um sentimento não é algo palpável e não raramente, fácil de explicar em palavras, a Igreja, em sua sabedoria, define-os aos seus filhos – através do catecismo e de outros documentos. Assim, cabe a cada um discerni-los e saber à quem cada um deles deve ser reservado. O que não quer dizer que, num caso onde um erro ocorra explicitamente – por exemplo, se um católico batizado erroneamente declara que Maria é uma “deusa” com poderes para nos salvar – a Igreja deve corrigir ao fiel – imagino que nos 2 mil anos de sua história talvez já o tenha feito, mas não é do meu conhecimento um exemplo concreto para citar agora…

      Para ilustrar meu ponto acima, ou seja, que tal e qual o sentimento de amor, a veneração dos justos (santos) não foi algo inventado pela Igreja, acho relevante lembrar que já durante a vida dos apóstolos os crentes da Igreja Primitiva demonstravam a existência sentimento de dulia. Aliás, como Edmilson já demonstrou em uma de suas repostas, a veneração não é uma invenção do cristianismo católico; e está presente no Antigo Testamento.

      Cada vez mais aumentava a multidão dos homens e mulheres que acreditavam no Senhor. 15. De maneira que traziam os doentes para as ruas e punham-nos em leitos e macas, a fim de que, quando Pedro passasse, ao menos a sua sombra cobrisse alguns deles. Atos 5, 15

      Veja que interessante, aqueles que acreditavam NO SENHOR queriam que a sombra de Pedro os cobrisse! O motivo é simples; Pedro os remetia ao Senhor. Porque o santo não brilha uma luz própria, mas a Luz de Cristo. O Verdadeiro santo conduz o seu próximo até Deus e não a si mesmo. Isso é aprazível à Deus.

      (Antes que alguma objeção seja feita, trato de alertar que o Santo não é aquele que partiu da carne. Mas aquele que em VIDA vive consoantemente com o Evangelho e EM VIDA dá testemunho dele. O Santo não se faz depois da morte, mas EM VIDA. Assim, a Igreja Primitiva via em Pedro, o chefe dos apóstolos, um santo vivo em meio deles, como nos dá testemunho a passagem acima.)

      Portanto, mais uma vez, do mesmo modo que Deus, e não a Igreja, é o autor do amor, Ele é também o autor de todos os outros sentimentos justos e corretos existentes no coração do homem. Sabemos se um sentimento é justo e aprazível a Deus se esse sentimento nos conduz à Ele.

      Pra não me estender demais, embora não queira correr o risco de ser acusada de deixá-lo sem resposta, vou BREVEMENTE discorrer sobre suas afirmações sobre a ordenança de Deus sobre o amor ao próximo.

      É muito pertinente sim minha comparação e de forma alguma desvia a discussão. O meu objetivo quando usei o exemplo do amor ao próximo é porque, que tal e qual dulia e hiperdulia, este é um sentimento subjetivo, ou seja, não é algo palpável e de fácil definição, e como você mesmo afirma, é inerente ao homem. Com isso minha intenção foi demonstrar que como no caso do amor ao próximo, quando prestamos homenagem a um santo, DEUS, embora o que sentimos não seja evidente aos que estão à volta, isso inclui a Igreja, Deus (que pode ver nosso coração pode infalivelmente) conhece a verdade sobre o que sentimos e sabe se estamos a quebrar o primeiro mandamento ou não.

      Deste modo, se um católico se ajoelha em agradecimento pela intercessão de Maria, por exemplo, mas em seu coração atribui À MARIA, e não a Deus, o poder de conceder a graça pedida, e com isso crê que Maria seja uma espécie de “deusa” com poderes para fazer alguma coisa À PARTE do Poder do Verdadeiro Deus, este mesmo Deus saberá do erro dessa pessoa. Mesmo que ninguém à sua volta se aperceba do fato! Foi nesse sentido que eu quis explicar que não cabe à Igreja policiar o que nós sentimos interiormente. Cabe à ela ensinar o certo e o errado. Desta forma eu creio sim que respondi sua pergunta, pois o sr queria saber, em outras palavras, como é possível para a Igreja certificar-se de que não hajam abusos, tendo em vista que qualquer católico pode hipoteticamente prestar Látria a um Santo, quando isso é proibido e fere o Mandamento de Deus.

      • Saudações Sra. Helen,

        Bom, eu confesso que conheço amor, saudade, raiva, tristeza, alegria pois são sentimentos universais independentes de raça, etnia ou credo religioso.
        Quando me referi que dulia, iperdulia e latria eram 3 sentimentos criados, foi em razão de apenas os católicos o utilizarem em situações próprias com objetivos religiosos próprios, ou seja, sentimento inerente ao ser humano é por exemplo saudade, qualquer pessoa de qualquer religião ou até mesmo um ateu sente saudade e expressa quando a está sentindo, amor idem, tristeza, idem, alegria idem. Mas dulia, letria e iperlatria é específicamente ao povo católico, e ainda assim em situações específicas, por isso disse que foram sentimentos criados e introduzidos com a finalidade de atingir o católico exclusivamente e não todo e qualquer ser humano de forma inerente como saudade, tristeza, alegria, amor.

        O exemplo da sombra de Pedro que citaste mostra uma passagem bíblica que, penso que se houvesse relevância em Deus informar ao cristão sobre o que significava, o teria dito naquela ocasião. Além de, mesmo sendo a sombra de Pedro, era a sombra de uma pessoa em vida, não morta.
        Se analizarmos que a palavra não contém tais afirmações, eu prefiro crer que Deus não levaria tanto tempo para explicar passada a situação, uma vez que as passagens bíblicas possuem em si próprias o entendimento ou mais tardar nos próximos versículos o desenrolar ou as explicações pertinentes sobre o acontecido, entendendo que, o que não se está evidente é porque é desnescessário que se saiba, mas se tem alguma explicação ou ordenamento é porque existe preocupação de Deus em que saibamos e fiquemos informados.
        Quando a Bíblia diz que Deus não é um Deus de confusão isso engloba várias coisas, inclusive este fato, de ter sua palavra sagrada completa e possível de ser lida e compreendida, um Deus que não é um Deus de confusão jamais faria algo pela metade ou incompleto a fim de propiciar entendimentos dúbios e gerar disenssões e contendas em razão do próprio Deus ter deixado suas escrituras “não claras” ou “falatando algo”.
        Eu creio que Deus é perfeito o suficiente para não ter tido este “lapso”, ora, se ele criou sua palavra para difundir o que quer e pensa sobre nós, a faria de forma a causar dúvidas? Deixaria algo relevante de fora dela?
        Sinceramente, independente até de religião eu penso que não. A Bíblia como está, sem tirar ou acrescentar nada já tem gente que faz cada lambança, e é todo tipode gente meamo, evangélicos, católicos. Se incluirmos o que se subntende ou não está ali efetivamente já imaginou a cabeça do povo, a maioria de bom coração, sinceros, mas sem entendimento algum ou o mínimo possível, e vale pra todo mundo, eu continuo aprendendo todos os dias, não sei se aprenderei tudo até a vinda do Senhor, tomara!

        Respeito e paz a todos,
        por favor Helen, fala com teus amigos que não estão fazendo o que é bom aos olhos de Deus, penso que para se evangelizar e direcionar pessoas no tangente à Deus a paciência, longanimidade e amor são fundamentais,esta é minha opinião e somente fiz esta citação porque o desrespeito comigo não é recente.

        • Caro Gilmar,

          Obrigada pelo esclarecimento.

          Proponho uma reflexão para encerrar o tema: Se de fato a dulia, etc são sentimentos particulares apenas ao povo católico e não se aplicam ao resto da humanidade, isso quer dizer que essa prática está errada? (Atenção; com isso não estou a admitir que a veneração seja algo pertinente somente ao católico. Mas proponho essa suposição como forma apenas de estimular uma profunda reflexão por sua parte).

          Vejamos o que aconteceu na história da salvação:

          Ha milhares de anos atrás, antes de Deus revelar-se ao homem da forma explícita que o fez quando escolheu o Povo Judeu, havia no mundo apenas povos pagãos, idólatras e politeístas. Quando Deus finalmente revelou-se ao seu Povo, o Povo de Israel passou a ser o único povo que tinha consciência de existência de UM ÚNICO Deus, ao qual prestavam culto e somente a Ele. Os judeus Israelitas sofreram perseguições de toda sorte, morreram e mataram em nome deste princípio.

          Pergunto-lhe: porque eram os únicos, estavam errados?

          Pax Domini,

          H

          • AMIGA HELEN VAI POR MIM ESSE TAL GILMAR MENEZES É UM IMPOSTOR
            ELE É DAQUELES QUE FOGE DA PERGUNTA

            PARA ELE AFIRMAR TAL HERESIA ELE TERIA QUE TER PROVA HISTÓRICAS E BÍBLICAS ELE TERIA QUE ARRANCAR DA BÍBLIA AS MAIS DE 70 PASSAGENS QUE FAZEM REFERÊNCIAS AS IMAGENS

            AMIGA HELE JESUS DISSE QUE NOS FINAIS DOS TEMPOS VIRIAM OS FALSOS PASTORES COM FALSAS DOUTRINAS

            NÃO PRECISO DIZER MAIS NADA A SEITA PROTESTANTE NASCEU EM 1517
            DE LÁ PRA CÁ SÓ FALSIFICAÇÕES DIVISÕES MAU DO SÉCULO

            AMIGO PARA ESSE TAL GILMAR MENEZES ENTRAR EM ACORDO COM V ERA PRECISO ELE ESTUDAR E DEIXAR A BURRICE E IGNORÂNCIA DE LADO

            ESSE TAL GILMAR MENEZES É COMO OS ESCRIBAS DO TEMPO DE JESUS POR TEREM O CORAÇÃO DURO E CHEIO DE VAIDADES ELE SE ACHA O DOUTOR MAIS NÃO PASSA DE UM LEIGO SEMI ANALFABETO

            VAI POR MIM HELEN EU POSSO FAZER SÓ DUAS PERGUNTAS AO GILMAR MENEZES QUE ELE PASSARIA A VIDA INTEIRA SEM NUNCA ME RESPONDER APENAS UMA

            A IGREJA NASCEU CATÓLICA AMIGA É A IGREJA FUNDADA POR JESUS

            E PONTO FINAL

          • Saudações Sra. Helen,

            Veja, não concluo que esteja errada pelo fato destas 3 expressões terem sido criadas exclusivamente para uma prática católica, logo, exclusivamente para o povo católico, mas por não representarem eficácia, pelo contrário, embora eu creia que este sistema/método fora criado com as melhores intenções, na prática acaba sendo confuso para o praticante, que na dificuldade de auto-gerenciar o que e quando fica sujeito ao equívoco, pois precisa compreender um sentimento novo, de tão imprecisa subdivisão que não se sabe como realmente funciona.

            Quando digo que dulia, latria e iperlatria NÃO são inererentes ao ser humano, veja bem, um índio na mais remota região, sem contato com outras civilizações consegue expressar alegria, tristeza, raiva, amor, saudade, pois estes SÃO inerentes ao ser humano, independe de aceitarmos eles ou não, já nascemos com eles, fazem parte da essência humana, portanto é intrínseco.

            Já dulia, iperdulia e latria deveriam nescessariamente serem repassados aquele mesmo índio, pois não são sentimentos auto-emanáveis, espero que tenha me expressado de forma clara para diferenciar o que SÃO sentimentos humanos INERENTES, e o que NÃO são sentimentos inerentes, ou seja, criados e introduzidos ao homem com determinado fim específico.

            O questionamento surgiu a partir disto, por não existir uma “fórmula” que possa explicar o gerenciamento de tais sentimentos, sem garantias ou certezas da perfeita e correta forma a proceder, a probabilidade do católico dar um “tiro no escuro” é grande, “será que aquele fiel ali está em estado de dulia? Mas se estiver em idolatria pensando estar em dulia?”.

            Baseado neste fato, volto a afirmar que uma fórmula linda e perfeita teóricamente, mas que se mostra imperfeita na sua execução, não me admito aceitando que isso venha da parte de Deus, ao contrário do sentimento “amor” que a Sra. tentou colocar em pé de igualdade com dulia, iperdulia e latria, note que da parte de Deus o “amor” é explicado, ensinado e se Deus o disse assim, obviamente é porque esta ao nosso alcance, é possível administrá-lo com eficácia e certeza.
            Já da parte do homem natural temos 3 sentimentos em graus distintos de teor, mas todos com o mesmo tipo de sentimento, um quase o outro e se entrelaçam pois onde acaba um começa o outro, é algo muito confuso, na prática inviável ao menos para a grande maioria, quando se compara uma criação de Deus e uma criação do homem natural, alguém pensou que seria eficiente? De fácil ascesso? Eu fico com o que Deus mandou, nestas coisas eu me garanto, fora isso eu poderia morrer tentando, como muitos católicos que, tenho certeza absoluta não fazem a mínima idéia de como funcionam estes 3 sentimentos e como organizá-los e separá-los dentro da cabeça de cada um, para uma pessoa com mais visão é complicado, que dirá pessoas mais simples.
            Repito, não retiro o mérito da boa intenção em fazê-las, mas que não funcionam eu vejo que não, mesmo respeitando quem pense diferente de mim.

            Quanto a sua pergunta sobre o povo israelita ter um único Deus, então eles estariam errados por só eles serem monoteístas?

            Helen, a questão é bem simples, não estavam errados pois esta prática acontecia em razão da obediência e submissão à Deus,
            Não foi mera invenção ou criação do povo israelita por vontade própria, mas determinação de Deus que os advertira e ordenara que assim o fizessem.

            Novamente voce tenta trazer no mesmo patamar as comparações de que: Se o sentimentos dulia, iperdulia e latria são unicamente utilizados na igreja católica isso não nescessariamente estaria errado pois o povo israelita tambem era o único povo monoteísta, então automaticamente também estariam errados por isso.

            – Uma ordenança da parte de Deus, logo eficiente, infalível, digna de toda aceitação.

            – Uma ordenança da parte do homem natural, logo, ineficiente, falível não digna de aceitação.

            Eu fico com Deus e seus preceitos, não tem erro.
            Quem preferir aos ex papas e bibliografias de origem humana, é um direito que cabe a cada um que assim o quizer, mas digo, repito e reafirmo: DEUS é DEUS e ninguém está que se pode compará-lo nem fazer igual nem fazer melhor, mas fazer pior sim, e isto tenho visto.

            Respeito e paz a todos

            • CARO GILMAR…
              Mais uma vez, meu irmão, o sr está equivocado.

              Eu vou ser breve e fazer uma pergunta…e por favor, não precisa tomar ofensa e achar que estou respondendo sua pergunta com outra pergunta… pelo amor! estou apenas tentando leva-lo a refletir:

              O sr sabia que os Judeus honram aos seu santos? Sabia que esta prática não saiu dos catolicismo, mas do judaísmo bíblico? Garanto que não sabia. Portanto, como pode isso ser algo particular aos católicos? O mal de voces é achar que porque lêem a bíblia, sabem TUDO sobre a fé cristã! Sim, Gilmar, o catolicismo é o berço do cristianismo.

              Pesquise sobre os santos judeus e sobre a intercessão deles. aqui no blog mesmo tem um artigo. São chamados em hebraico: Tzadiks ou tzaddiks.

              Por favor, tá na hora de aceitar que sua indignação pode ser fruto do seu preconceito e não necessariamente de um genuíno zelo pela sua fé!

              COM ISSO ENCERRO MEUS COMENTÁRIOS.

              Pax

            • Saudações Sra. Helen,

              Primeiramente o seu comentário sobre meu “preconceito” ou “indignação” não concordo, pois ao contrário do palavreado utilizado por alguns seus irmãos católicos, indignação ou preconceito não partiram de mim, os posts estão aí como prova para mostrar quem realmente se mostrou indignado ou preconceituoso. Se alguém que diverge do seu ponto de vista é taxado de preconceituoso, voce estaria sendo o que? Não seria preconceito?

              Se eu me basear na Palavra de Deus e seguí-la é preconceito? Ok.

              Pergunta: “É bíblica a oração aos santos e a Maria?”
              Resposta: A questão que envolve os católicos orando a santos é cercada de confusão. A posição oficial da Igreja Católica Romana é que os católicos não orem a santos ou a Maria, mas ao invés disso, que os católicos podem pedir AOS santos ou a Maria que orem POR eles. A posição oficial da Igreja Católica Romana é que pedir aos santos por suas orações não é diferente do que pedir a alguém aqui na terra para orar por você. Contudo, a prática de muitos católicos diverge do ensinamento oficial da Igreja Católica Romana. De fato, muitos católicos oram diretamente a santos e/ou Maria, pedindo a eles ajuda, ao invés de pedir aos santos e/ou Maria para que intercedam junto a Deus por ajuda. Qualquer que seja o caso, se a pessoa estiver orando a um santo ou a Maria, ou se a pessoa estiver pedindo a intercessão dos santos ou de Maria junto a Deus, nenhuma destas duas práticas tem qualquer base bíblica.
              Em nenhum lugar a Bíblia instrui os crentes em Cristo para que orem a qualquer um que não seja Deus. A Bíblia, em nenhum lugar, encoraja, ou mesmo menciona crentes pedindo a qualquer um no Céu por suas orações. Então, por que muitos católicos oram a Maria ou a santos, ou pedem suas orações? Os católicos vêem a Maria e aos santos como “intercessores” perante Deus. Eles crêem que um santo, que é glorificado no Céu, tem “acesso mais direto” a Deus do que temos nós. Por este motivo, se um santo entrega uma oração a Deus, isto é mais eficaz do que se nós orarmos diretamente a Deus. Este conceito é obviamente não-bíblico. Hebreus 4:16 nos diz que nós, crentes aqui na terra, podemos chegar “…com confiança ao trono da graça…”
              I Timóteo 2:5 declara: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” Não há qualquer outro que possa ser mediador entre nós e Deus. Se Jesus é o ÚNICO mediador, isto indica que Maria e os santos não podem ser mediadores. Eles não podem mediar nossos pedidos de oração a Deus. Além disso, a Bíblia nos diz que o próprio Jesus Cristo está intercedendo por nós perante o Pai: “Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7:25). Com o próprio Jesus intercedendo por nós, por que precisaríamos de Maria ou dos santos para interceder por nós? A quem Deus ouviria mais atentamente do que a Seu Filho? Romanos 8:26-27 descreve o Santo Espírito intercedendo por nós. Com o segundo e o terceiro membros da Trindade já intercedendo por nós perante o Pai no Céu, que necessidade poderia haver que Maria ou os santos intercedessem por nós?
              Os católicos colocam que orar a Maria e a santos não é diferente de pedir a alguém aqui na terra que ore por você. Examinemos isto: (1) O Apóstolo Paulo pede a outros cristãos que orem por ele em Efésios 6:19. Muitas Escrituras descrevem os crentes orando uns pelos outros (II Coríntios 1:11; Efésios 1:16; Filipenses 1:19; II Timóteo 1:3). A Bíblia em nenhum lugar menciona qualquer pessoa pedindo por alguém no Céu para que ore por ela. A Bíblia em nenhum lugar descreve qualquer pessoa no Céu orando por quem quer que seja na terra. (2) A Bíblia não dá absolutamente nenhuma indicação de que Maria ou os santos possam ouvir nossas orações. Maria e os santos não são oniscientes. Mesmo glorificados no Céu, eles são seres finitos com limitações. Como poderiam ouvir as orações de milhões de pessoas? Todas as vezes que a Bíblia menciona orar ou falar com os mortos, é em um contexto de magia, bruxaria, necromancia e ocultismo – atividades que a Bíblia fortemente condena (Levítico 20:27; Deuteronômio 18:10-13). O único exemplo no qual se fala com um “santo”, Samuel, em I Samuel 28:7-19, Samuel não estava exatamente feliz em ser perturbado. É evidente que orar a Maria ou a santos é completamente diferente de pedir a alguém aqui na terra para que ore por você. Uma coisa tem forte base bíblica, a outra não tem qualquer base bíblica.
              Deus não responde orações baseado em quem está orando. Deus responde orações baseado no que se o que pedimos está de acordo com Sua vontade (I João 5:14-15). Não há absolutamente qualquer base ou necessidade de orar a qualquer um que não seja somente Deus. Não há qualquer base para que se peça àqueles que estão nos Céus para que orem por nós. Somente Deus pode ouvir nossas orações. Somente Deus pode responder nossas orações. Ninguém no Céu tem acesso maior ao trono de Deus do que nós mesmos, através da oração (Hebreus 4:16).

            • Gilmar,

              Quando falo de preconceito e indignação não me refiro à ofensas e abuso de linguagem, mas à preconceito e indignação. Seu preconceito é achar q porque o catolicismo não proíbe ícones, aprova a idolatria. Sua indignação é que descordamos de sua opinião. Esclarecido meu comentário, como dito, encerro minha participaçao

            • Saudações Sra. Helen,

              Visto que a Sra. está delimitando os assuntos e dando a “palavra final”, não deixarei farei questionamentos, e sim deixo uma AFIRMAÇÃO.

              Por favor, veja isto que me parece elementar:

              “Porque o Senhor ESQUADRINHA TODOS OS CORAÇÕES e PENETREA TODOS OS DESÍGNIOS DO PENSAMENTO” Cr. 28:9

              “Senhor, tu me sondas e ME CONHECES. SABES QUANDO ME ASSENTO E QUANDO ME LEVANTO, de longe PENETRAS OS MEUS PENSAMENTOS. ESQUADRINHAS O MEU ANDAR E O MEU DEITAR E CONHECES TODOS OS MEUS CAMINHOS. AINDA A PALAVRA NÃO ME CHEGOU À LINGUA, E TU, SENHOR, JÁ A CONHECE TODA.” Sl. 139: 1-4

              Estes dois textos bíblicos deixam claro que o nosso Senhor Deus CONHECE TODOS OS NOSSOS PENSAMENTOS, mesmo até antes de dizermos.

              Sabendo disso, imagine uma pessoa que acorda e pensa:
              “hoje vou a tal santuário ou igreja para me dirigir a determinado santo no intuito de que ele interceda e leve minha petição até Deus”

              Mas quando a pessoa estiver no local de destino em frente ao santo “intercessor” Deus já sabe de cór o que a pessoa quer ou nescessita, mesmo antes de chegar em frente ao santo para que este interceda.

              Seria como eu(A), voce(B) e outra pessoa(C) sentados em uma mesa redonda pequena onde todos se escutam, e eu pedir a voce: “fale para a pessoa C que eu quero que ela faça tal e tal coisa”, ora, se a pessoa já está ali me ouvindo, portanto, ciente do que eu quero, para que voce (B) nescessitaria repassar (interceder) a informação?

              Então quando um santo chegar diante de Deus com a pretensão de avisá-lo de que “fulano” precisa e pede “tal coisa”, Deus já não sabia??
              Conforme a Bíblia deixa muito claro o entendimento que Deus tem acerca do que pedimos e nescessitamos, pois ESQUADRINHA NOSSO CORAÇÃO E PENETRA EM NOSSO PENSAMENTO.

              Ele sabe de nossos problemas, mas fica no aguardo que a ELE comuniquemos, e como dito antes, a intercessão NÃO TEM SENTIDO LÓGICO DE SER. Receber uma informação de pedido, quando Deus já havia conhecimento deste, não faz sentido imaginar um monte santos fazendo um trabalho que não precisa ser feito.

              Quando o católico se revolta pelo cristão que analisa e estuda as escrituras, deveria se preocupar por dar ouvidos à ensinamentos que NÃO SÃO LÓGICOS E NÃO FAZEM SENTIDO.

              Deus não é um Deus de confusão, mas se sairmos da palavra dele o próprio Deus acaba mostrando a SUA VERDADE, pois Deus é objetivo, claro em seus desígnios.

              Respeito e paz a todos.

            • Gilmar,

              Meu caro, não dei “palavra final” alguma, só disse que de minha parte não perderei mais tempo. Até o Senhor instruiu aos seus apóstolos a saberem a hora de bater a poeira das sandálias e partir.

              O fórum continua aberto!

              Pax

            • Ok Helen,

              De qualquer maneira voce nunca comentou ou explicou sobre o que significavam as pessoas suadas coladas umas às outras na festa de Sírio de Nazaré, todas para se manterem agarradas a uma corda.
              E no nordeste, uma imagem que não foi para cima da montanha inteira por ser muito pesada, foi primeiro o tronco e braços mas a cabeça acabou não sendo transportada, os fiéis apelidaram do “santo sem cabeça” e da cabeça que ficou ao pé do morro os fiéis quebram pedacinhos do cimento dela e fazem chá que dizem ser milagroso, depois tem as pílulas feitas de folha de caderno do frei galvão.

              Onde está a cúpula da igreja uma hora destas? Por acaso não são os responsáveis por redirecionar seu rebanho da ignorância para a verdadeira luz?

              É por estas e outras que quando se fala em idolatria não é meramente causuismo ou implicância gratuita, os FATOS ESTÃO AÍ, escrachados para qualquer um ver, mesmo que tenham 1 milhão de livros e apologéticas contestando o uso da idolatria, ela está explícita nestes exemplos citados.

              Se tivessem respostas já teriam sido dadas, mas infelizmente voce prefere bater o pó das sandálias. Ok.

              Só deixo claro que, ninguém aqui é maluco de fazer uma acusação de erro se o mesmo não existisse.

              Mas de qualquer forma, se algum católico estiver disposto a defender as situações citadas, seria bom, até para a própria IC não ser objeto de críticas por condutas idólatras com seus líderes calados, passivos.

              Respeito e paz a todos.

            • Gilmar…
              Não seja um provocador…

              Leia suas palavras: “Só deixo claro que, ninguém aqui é maluco de fazer uma acusação de erro se o mesmo não existisse.”

              Vou respondê-las com a bíblia:

              Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.

              Olha bem para a imensidão de problemas existentes dentro do protestantismo e pensa se o sr está em posição de fazer um comentário desses!

            • Saudações Sra. Helen,

              Eu provocador?
              Acho que voce me confundiu com um tal de “Edmilson” que anda por aí..

              Antes de qualquer coisa NÃO SOU PROTESTANTE.
              Meu mestre é Cristo Jesus, ele é meu bom pastor e ele me basta, não tenho nada a ver com lutero, constantino, pedro ou qualquer outro mártire. SOU CRISTÃO, espero que tenha sido claro pois não aceito responsabilidade alguma quanto a seitas e qualquer denominação que tenha Jesus como mestre e exemplo maior, compreendido?

              Quanto ao argueiro no meu olho, ele sai sim, inclusive se a Sra. tiver a condição de responder meus questionamentos fica mais simples.

              Mas não quero forçar, se não há resposta eu entendo o seu silêncio, pois o que diria de Sírio de Nazaré? Uma micareta do céu?
              Não, não quero me intrometer na sua resposta, aliás há muito já desisti dela pois por mais que eu a esperasse nunca chegou..

              Quando eu era católico tinha mais dúvidas do que respostas, não é porque estou fora que agora seria diferente.

              Respeito e paz a todos.

            • Gilmar,

              O tema do sirio de Nazaré e os questionamentos que o sr apresenta são extensos demais para eu responder aqui. Preciso escrever um post sobre o assunto e iniciar uma nova discussão, pois a meu ver, sua pergunta não trada de idolatria, mas de necessidade de catequização (Palavra proveniente do grego katḗchēsis , que significa ensinar oralmente, como faziam os santos apóstolos. aliás, por isso os professores da fé primitiva eram chamados catequistas, palavra ainda em uso pelos católicos), ingerência da Igreja, ignorância e mal-entendidos por parte dos não-católicos.

              Só para o sr entender a situação, eu sou uma mera arquiteta que hoje virou dona de casa, mas que como o sr, é temente à Deus. Faço isso ( o blog) por amor aos meus irmãos católicos espalhados pelo mundo, que nem conhecem a própria fé. Vivem na escuridão de certa forma, porque ao mesmo tempo que professam fé no Cristo que nos redimiu, não sabem nada sobre a Igreja e o que ela ensina… O Que, concorde o sr ou não, é a fé dos apóstolos, do cristo que tanto amamos e a Quem tão sinceramente desejamos servir.

              No momento estou dedicada à minha pequena Maria Eduarda, que toma todo o meu tempo e mais um pouco. Só eu sei como faço pra continuar “tocando” o blog. Escrevo até na sala de espera do médico… qdo a bebê dorme, no meio da noite, etc…

              O post sobre o Sírio virá. O tema é importante.

            • Olá Sra. Helen,

              Este post segue uma linha diferente dos demais, e gentilmente peço sua colaboração, explico:

              Eu, Gilmar Menezes, ao rever um de meus posts, mais precisamente o do dia 15 de janeiro de 2013, enviado ao seu blog às 2:01 pm. me deparei com o seguinte texto, que copiei e colarei ele a seguir:

              “Helen, eu tenho como regra de vida e fé a Bíblia Católica, ela me basta e produz sentido completo.”

              Com isso já deves ter entendido o motivo de minha reclamação.
              Não é novidade nem mistério algum que, os integrantes deste blog assim como os que passam por ele sabem, nitidamente que NÃO SOU CATÓLICO, sigo o evangelho de Cristo e nada mais, possuo divergências com algumas práticas católicas, o que não implica em ofender quem quer que seja, e respeitando a OPINIÃO individual de cada um, jamais manipulando ou MODIFICANDO um texto que por ventura eu esteja em desacordo, primeiro porque não tenho ascesso para tal, e mesmo que tivesse não estaria sendo HONESTO com a opinião particular de outra pessoa, além de que, mentira ou trapaça não estão no agrado do Senhor Deus, nem mesmo em outro blog de qualquer assunto ou tema que se proponha, que dirá em um blog gerenciado e compartilhado com pessoas que até onde se sabe buscam estarem sendo GUIADAS por Deus para através do blog levarem mensagens e idéias pertinentes ao reino celestial, logo, este seria um local nada propício para tais atitudes e em hipótese alguma se faz pertinente um “EQUÍVOCO” desta grandeza, onde em a ALTERAÇÃO ou INTRODUÇÃO de uma única palavra TRANSFORMA todo o contexto REAL.

              Longe de mim julgar pessoas ou atitudes, tenho temor à Deus, portanto se houve equívoco não proposital o Senhor o sabe e cabe à ele julgar, pois aos seus olhos nada está incoberto que não venha a ser revelado.

              Eu possuo o post original na íntegra, que não cita Bíblia Católica, o que seria uma contradição total, basta que se leiam meus posts para que não se tenha dúvida a cerca de meus posicionamentos.

              Quero continuar acreditando na seriedade e imparcialidade deste blog, para tal conto com a presteza da Sra. para corrigir esta pequena “confusão”, mantendo como disse, a seriedade e respeito que este blog imprime aos seus participantes, com a imparcialidade, que é a marca da democracia e do respeito às diferenças.

              Aguardo a retirada da palavra “católica” após a palavra “bíblia” conforme o texto mostrado no início deste post.

              Agradeço desde já, mantendo meu respeito e credibilidade a todos os participantes deste blog, mesmo que infelizmente, com alguns não haja recíproca, mas sei que neste sentido posso contar com voce Sra. Helen.

              Obrigado, respeito e paz a todos.

            • Caro Gilmar,

              Estou intrigadíssima como o ocorrido. Sou a única moderadora do blog e não me recordo de ter jamais adicionado uma palavra ao comentário de ninguém. As vezes, ao moderar, acrescento pontuação, simplesmente porque acredito que parágrafos extensos não pontuados dificultam a leitura e o entendimento, mas nem isso eu tenho tido tempo de fazer ultimamente… O estranho é que tenho uma vaga lembrança deste comentário, justamente porque chamou-me atenção que ele parecia contradizer a posição sustentada pelo autor ( não posso afirmar com 100% de certeza que era o seu comentário, mas parecia estranho que um não-católico usasse a bíblia católica, ou algo assim…). O sr está seguro de que não cometeu um equívoco ao escrever? De minha parte, estou certa que não acrescentei palavras indevidas. Especialmente num caso desses, pois está claro para todos que o sr não é católico, certo?

              Vou procurar o comentário e farei a retificação.

        • GILMAR MENEZES VOCÊ É FRACO VAI ESTUDAR A BÍBLIA NAS SUAS ORIGENS SEU ANALFABETO

          VOCÊ CORREU PIADISTA ME REFUTE

          POIS GILMAR MENEZES VOCÊ FALA DE EDUCAÇÃO
          MAIS VOCÊ SÓ USA DE SOFISMA E FALSA EDUCAÇÃO
          PARA CALUNIAR O QUE VOCÊ NÃO SABE E NÃO VIVE

          OLHA HEREGE NO TEMPO DE MOISÉS BLASFEMADORES E HEREGES ERAM APEDREJADOS

          ANALFABETO GILMAR MENEZES VOCÊ NÃO CONHECE NADA O QUE É IDOLATRIA E ÍDOLOS SEU FILHO DAS TREVAS

          OLHA HEREGE UM GRANDE APOLOGISTA TEM QUE DA AS COBRAS ESCORPIÕES

          COMO DA DE ALFACE AOS COELHOS

          GILMAR MENEZES UM GRANDE APOLOGISTA SABE DA LAVAGENS AOS PORCOS

          POIS OS PORCOS NÃO CONHECEM OS DIAMANTES E MUITO MENOS O OURO

          TENHO PENA DE VOCÊ ESTOU SENDO EDUCADO COM VOCÊ
          PIADISTA

          • MEU CARO EDMILSON PARABÉNS PELA FORÇA E PELA INTELIGÊNCIA PARA REFUTAR ESSES BANDOS REBELDES DE NOMES PROTESTANTES

            VI AQUI SEUS ARTIGOS MUITO BOM E VI QUE ESSE RAFAEL É UM VIBRADOR ELE DIZ QUE FEZ FACULDADE SEU DIPLOMA DEVE SER DE ALGUMA FEIRA DO PARAGUAI QUE CARA BURRO E ARROGANTE

            MAS É ASSIM MESMO OS BESTAS FERAS DO APOCALIPSES ESTÃO PRESOS NAS SUAS DOUTRINAS SATÂNICAS

          • Edmilson,

            Acho que voce está perdendo o seu tempo, meu objetivo é expressar o que penso, e o seu me parece que é competir, brincar de “quem refuta mais”.
            Já tenho muito cabelo branco, deixei de ser guri faz muito tempo, quanto ao reino de Deus não se brinca, não se faz chacota, isso aqui é infinitamente mais sério do que o amigo imagina, e se disso tivesse ciência não haveria de dirigir suas palavras tal qual vem fazendo.

            Voce deve possuir uma gráfica on-line para colocar os posts-livros que tens publicado, talvez por isso não lhe tenha sobrado tempo para a Bíblia Sagrada, leia sobre Juízo Temerário, tenho certeza que estás precisando saber do que se trata.

            Vale dizer também que o conceito bíblico maior é o AMOR, e deste prescede longanimidade, paciência, mansidão e domínio próprio, o que se nota serem sentimentos absolutamente estranhos e desconhecidos por voce, pois não o vejo aplicando-os.

            Voce não possui aptidão para saber se opor à opiniões divergentes de forma educada e respeitosa, por esta razão não me detenho a ler seus posts na íntegra, pois rapidamente detecto seu linguajar chulo e rasteiro e descarto suas opiniões, ao contrário da Helen e outros irmãos que são merecedores de crédito sim, Edmilson, tem irmãos evangélicos malas, tem católico mala (voce) e tem ateu super gente boa, voce esta balizando a coisa de forma abrangente demais.

            Suas palavras destilam ódio, soberba e ira e isso não combina com um espaço para falar de Deus, parece que voce se enquadraria melhor em um tatâme com selvagens para descarregar sua raiva do que convencendo com serenidade e sabedoria aquele que busca conhecer melhor a Deus,

            Já vou te avisar, não vou mais te responder, minha consideração por voce não foi recíproca portanto me despeço de voce.

            Peço apenas ao moderador do blog que faça valer o aviso sobre humilhar ou ofender os participantes aqui, inclusive para dar mais seriedade ao conteúdo do mesmo.

            Edmilson, voce diz que eu sou piadista, não te responderei mais, porem fique à vontade para vasculhar meus posts e rir com eles, voce não imagina quão bom é saber que consigo fazer sorrir uma pessoa tão amarga quanto voce.

            Respeito e paz a todos.

            • AGORA ENTENDI SUA TESE GILMAR MENEZES VOCÊ TEM SEUS PONTOS DE VISTA AGORA SIM VOCÊ DISSE TUDO.

              POIS RELIGIÃO SE DISCUTE AGORA PONTOS DE VISTA NÃO.

              OLHA GILMAR MENEZES SE IMAGENS DE SANTOS FOSSE IDOLATRIA A PRÓPRIA BÍBLIA NÃO DARIA MAIS DE 70 PASSAGENS REFERENTES AS IMAGENS DE ANJOS BOIS ETC…

              OLHA GILMAR MENEZES SE EXISTISSE CONTRADIÇÃO BÍBLICA SOBRE IMAGENS RACIOCINE MEU AMIGO!

              QUEM DECIDIU QUAIS SERIAM OS 27 LIVROS DO NOVO TESTAMENTO FOI A IGREJA CATÓLICA DAS MAIS DE 500 CARTAS

              RACIOCINE MEU IRMÃO SE ELA QUISESSE COLOCARIA O QUE QUISESSE
              POIS DAS MAIS DAS 500 CARTAS A IGREJA DECIDIU 27

              GILMAR MENEZES VOU SER SINCERO COM VOCÊ A IGREJA JAMAIS NOS SEUS 2000 MIL ANOS JAMAIS PREGOU ADORAR UM ANJO OU ALGUM TIPO DE IDOLATRIA

              AGORA SE VOCÊ ME DIZER QUE EXISTEM ALGUNS CATÓLICOS SEM CONHECIMENTO QUE PRATICA IDOLATRIA CONCORDARIA COM VOCÊ!

            • GILMAR MENEZES EU NÃO SOU HERÉTICO COMO VOCÊ
              POIS CONHEÇO A DOUTRINA DA IGREJA CATÓLICA

              E TENHO SIM MAIS DE 2000 MIL ESTUDOS PRONTOS PARA REFUTAR PROTESTANTES COM SUAS TESES SATÂNICAS

              E MAIS GILMAR MENEZES EU TENHO SIM MAIS DE 40 MIL VOLUMES DE ESCRITORES ECLESIÁSTICOS E DE HISTORIADORES DE DENTRO E DE FORA DA IGREJA

              E MAIS GILMAR MENEZES EU TENHO UMA IMENSA LISTA DE PADRES DA IGREJA E DE PADRES APOSTÓLICOS E DE ESCRITORES ECLESIÁSTICOS DE DENTRO E DE FORA DA IGREJA DOS ANOS 700 ANTES DE CRISTO
              AO ANO 1450 DEPOIS DE CRISTO

              E ANTES DE A PRIMEIRA SEITA PROTESTANTE SURGIR NO MUNDO

              POR ISSO GILMAR MENEZES EU SEI UM POUCO SOBRE HISTÓRIA PRIMITIVA E O QUE ACONTECEU NO CRISTIANISMO DOS PRIMEIROS SÉCULOS

              E SEI TAMBÉM TI DIZER GILMAR MENEZES O QUE É VERDADEIRO E FALSIFICADO

              OLHA GILMAR MENEZES O DIA EM QUE VOCÊ ESTUDAR E SER UM DOUTOR EM PATRÍSTICA E HISTÓRIA PRIMITIVA

              O DIA QUE VOCÊ SOUBER FALAR E ESCREVER EM LÍNGUA HEBRAICA ANTIGA

              O DIA EM QUE VOCÊ CONHECER A LÍNGUA GREGA CLÁSSICA AO GREGO KÓINE

              O DIA QUE VOCÊ CONHECER A LÍNGUA RARA DO ARAMAICO E SUAS ORIGENS

              O DIA EM QUE VOCÊ GILMAR MENEZES SABER QUE FOI OS BISPOS DA IGREJA QUE SELECIONOU OS 27 LIVROS DO NOVO TESTAMENTO ENTRE AS MAIS DE 500 CARTAS

              PODE TER CERTEZA MEU CARO GILMAR MENEZES VOCÊ DEIXARÁ DE SER PROTESTANTE!

        • Gilmar Menezes veja suas contradições

          “Pois lhes dou testemunho de que têm zelo por Deus, mas um zelo sem discernimento.” (Rm 10,2).

          Por se considerarem cumpridores irrepreensíveis da “Palavra”, se acham no direito de considerar os demais irremediavelmente abaixo da excelência que já alcançaram em sua vida espiritual. É como se dissessem: “Graças vos dou, ó Deus, porque não sou como os católicos: ladrões, injustos e adúlteros; eles não leem a Bíblia e adoram santos…”. Comparem isto com esta parábola “a respeito de alguns que se vangloriavam como se fossem justos, e desprezavam os outros”: “Subiram dois homens ao templo para orar. Um era fariseu; o outro, publicano.

          O fariseu, em pé, orava no seu interior desta forma: Graças te dou, ó Deus, que não sou como os demais homens: ladrões, injustos e adúlteros; nem como o publicano que está ali” (Lc 18,9-11). É um julgamento ímpio, não que adorar santos não seja grave pecado, mas sim porque católicos não adoram santos coisíssima nenhuma.

          MAIS UMA VEZ GILMAR MENEZES ENTENDAS QUE PEDIR AOS SANTOS NÃO É ADORAÇÃO

          CONSIDERAÇÕES BÍBLICAS – Fosse assim, por que, então Deus lhes concedeu poderes extraordinários para reinar, julgar e nos introduzir nos tabernáculos eternos? (Conferir Rm 5,17; II Tm 2,12; Ap 5, 9-10; 20,6; 22,5; Lc 22,30; Jo 5,45; Rm 2,27; I Cor 2,15; 6,2; 6,3; Ap 20,4; Lc 16,9).

          Será que estes poderes dados aos bem-aventurados foram somente por boniteza?

          No Reino de Deus servir não é reinar! E não será para tal serviço que Deus criou anjos e homens? “Deus não é injusto e não esquecerá vossas obras e a caridade que mostrastes por amor de seu nome, vós que servistes e continuais a servir os santos”. (Hb 6,10) – o “servir” aqui corresponde apenas ao exercício da caridade segundo está escrito: “O maior dentre vós será vosso servo”. (Mt 23,11).

          E se esses nossos amigos, os santos, têm poderes, onde é que está proibido que lhes façamos nossos pedidos? Não será isto do inteiro agrado de Deus, ele próprio, o primeiro a servir, louvar, bendizer, honrar e exaltar seus amigos? (Cf. Lc 12,37; Rom 2,29; I Cor 4,5; I Pd 1,7; Jo 12,26; Rom 2,7; 2,10; I Tim 3,13; I Pd 1,7; I Pd 2,7 ; Mt 23,12; Lc 1,52; 14,11; 18,14; Jo 13,32; Atos 13,17; Rom 8,17; 8,30; I Tim 3,13; I Pd 1,7; I Pd 2,7; Tg 4,10).

          VEJA ALGUMAS CONSIDERAÇÕES E PROVAS HISTÓRICAS

          INÁCIO – Mártir – 107 d.C. – OS SANTOS ATENDEM NOSSAS ORAÇÕES – “Meu espírito se sacrifica por vós, não somente agora, mas também quando eu chegar a Deus. Eu ainda estou exposto ao perigo, mas o Pai é fiel, em Jesus Cristo, para atender minha oração e a vossa. Que sejais encontrados nele sem reprovação” (Inácio – ep.aos tralianos – 13-3)

          AGOSTINHO – bispo (354-430) – INTERCESSÃO DOS SANTOS: “Por isso, quando nos aproximamos da mesa do Senhor, não recordamos os mártires do mesmo modo como aos outros que dormem o sono da paz, ou seja, não rezamos por eles, mas antes pedimos para que rezem por nós, a fim de seguirmos os seus passos” (Do Tratado sobre o Evangelho de São João).

          • Boa tarde Juca,

            Desculpe amigo, mas de modo nenhum me considero melhor ou superior que alguém, pois o que sou não depende de minha vontade, aprendo como Cristão a ser imitador de Cristo, mas tenho convicção que não basta querer, é uma grande caminhada e sei que falta muito para que eu chegue lá.

            Alguém que se julgue superior ou com um perfeito grau de excelência é porque na verdade ainda não entendeu nada, nunca me julguei ou disse isso e desculpe se passei esta idéia.

            Claro que, uma discordância leva-nos a pensar, se “A” discorda de “B” é porque automaticamente “B” discorda de “A”, e cada qual tem firme confiança no que aceita e acredita fazendo assim cada qual sua defesa.

            A visão que voce tem como este ou aquele sendo o “dono da verdade” é a mesma que muitos terão de voce por estarem olhando do lado oposto, isso é natural e faz parte.

            Tem um ingrediente humano interessante no meio disso:

            É quase que inconsciente que tenhamos todos em mente: “eu jamais estaria de fora do que é melhor, mais correto, mais bonito, etc.”
            Enfim, só a chance de pensar ou cogitar que alguém por uma outra escolha diferente da nossa, possa estar perdendo o seu tempo, devotando energia mental, tempo de sua vida em algo que não seria merecedora de crédito, seria tão frustrante e decepcionante, que acaba-se criando um mecanismo de defesa que dificulta uma abertura para analisar uma contradição de forma neutra, racional, lógica e isenta de sentimentos que alterem estas percepções onde, na maioria da vezes para efeito de análise crítica carecem de interpretação pura e simples.

            A minha convicção surge a partir do estudo e interpretação Bíblica que em momento algum dá margem para os acontecimentos que coloco aqui e os vejo como sendo equivocados, ou seja, não é a opinião do Gilmar, é a interpretação entendida por mim segundo mostra a Palavra de Deus.

            Vi que voce mostra exemplos de documentos e “provas” históricas.
            O problema é que aquilo que voce considera como “prova” se mostra em descompasso com a Palavra de Deus, veja bem, eu não sou contra nem desmereço qualquer escrito extra-bíblico desde que este ande em sintonia e reforce o que Deus nos mostra e revela na sua Palavra.
            Mas quando há contradições, acréscimos ou qualquer outro tipo de visão diferente da que Deus revela automaticamente não posso aceitar como sendo uma “prova”, e por este motivo descarto como algo passível de se crêr, mas reafirmo, este é o meu entendimento e voce tem o direto de refutar o que digo assim como eu a voce, de forma democrática e principalmente respeitosa.
            Existem pessoas com ânimos distintos em uma mesma congregação, pode haver evangélicos desrespeitosos e católicos idem, veja que em meus posts eu não destrato ninguém, e voce Juca, se dirigiu à mim com educação, mas também tem aqui mesmo neste blog uma pessoa de nome Edmilson que exala arrogância e falta de educação, se tiver tempo veja a conduta dele.

            Digo isso para que se fique claro, comportamentos humanos não são um padrão homogêneo, seja nesta igreja ou outra congregação que for, e baseado no que lhe disse, Deus é meu motivo maior de obediência e aprendizado, padre, pastor, mártires, papas são criaturas de Deus e como criaturas humanas são passíveis de erro, pois é uma característica inerente nossa.
            Sendo assim, sigo o que Deus quer que eu faça e me torne, e se porventura desagrado este ou aquele, isto faz parte do “abdicar” e “carregar a sua cruz”, mas tenho minhas convicções pois não me baseio em provas históricas e documentos humanos, aceito apenas a Bíblia Sagrada para me revelar e me conduzir à verdade, mas respeito quem pense diferente, o que não impede-me de colocar minhas posições e idéias, pois se eu não consigo ou não sei expor o porque de minha crença, não faria sentido eu defender algo sem saber dizer o porque defendo.

            Respeito e paz a todos.

  21. Helen, saudações, perguntei a voce sobre os tipos de adoração e veneração (dulia, hiperdulia, latria e idolatria), sua resposta foi esta:

    A Dulia, Hiperdulia etc… São nomenclaturas, como o sr sabe, que classificam o tipo de culto demonstrado na religião católica.

    Não é possível saber o sentimento interior de cada pessoa. A Igreja não é a Gestapo

    Sra. Helen, eu não esperaria uma resposta concreta justamente por não haver uma, quando se cria ou se idealiza alguma regra é básico e fundamental que ela seja possível de ser cunprida, caso contrário não existe eficácia pois a teoria tem de estar em sintonia com a prática
    Quando alguém imaginou estas nomeclaturas para subdividir os “teores” ou “graus” de devoção aos diferentes tipos de santos, não percebeu antes que, na prática ficaria totalmente inviável comprovar e saber que estes conceitos estariam sendo feitos tais quais aparecem na regra escrita.
    Toda a lei criada, tem como objetivo principal desaguar na parte onde ela é desenvolvida na prática, mas se na prática estas subdivisões não são passíveis de verificação e comprovação se estão ou não sendo feitas, que lei é esta? Que regra é esta? Como acreditar que seja real, atingível?
    Quando lhe perguntei sobre isso, fiquei imaginando, quando eu era católico, e em uma fila esperava o momento de beijar os pés de uma estátua de gesso, lembro do gesso frio e dos resquícios de saliva que inevitavelmente ficavam ali de um ou outro que dava seu beijo no mesmo lugar, era uma cena patética, e eu como criança/adolescente lembrava em parte de um velório que havia presenciado de meu avô, a situação de passar pelo meu avô morto no caixão e passar pela imagem deitada com sangue nos pulsos me trazia uma grande confusão, as duas cenas se misturavam e a diferença é que meu avô morto realmente era meu avô morto, mas aquela estátua de gesso era fria e nada além disso, parecia em certo momento que toda aquela fila era um grande teatro onde eu também fazia parte.

    Como aquelas pessoas se culturas diferentes, educações diversas, valores diversos teriam capacidade de diferenciar o que era dulia, iperdulia, latria e idolatria?
    Como em uma procissão, no calor da emoção saberemos quantos e quais fiéis colocaram o “pé no freio” para não exagerarem na dose de sentimentos?
    Como saber e explicar para o fiel católico aonde acaba a dulia e começa a iperdulia e qual o limite entre a latria e iperlatria?

    É esta questão que passa desapercebida, fica aquela impressão de que está tudo bem, tudo certo, mas uma explicação teórica que pretende “dar margem” a determinadas práticas idólatras e não se pode na prática ser confirmada??

    Como já disse, lei ou regra só tem vida e efeito em si quando a mesma é passível de verificação e confirmação, apostar no escuro que todos sabem pelo simples fato de que leram que existem estas diferenças de veneração/adoração dá a idéia de que:
    “Católicos, a regra está aí, não nos perguntem como se faz na prática, mas como dissemos que é assim, nós lavamos nossas mãos, a regra teórica nós criamos, daqui pra frente a parte prática efetivamente é com vocês, se virem!”

    Se uma regra especifica por exemplo: “Pegue a madiera A e encaixe na madeira B e depois cole na madeira C”

    Mas determinar níveis de sentimentos subjetivos, e inerentes ao ser humano, onde fatores externos, fatores pessoais naquele dia ou momento, cultura diferente entre as pessoas, educações e valores diferentes, uns mais outros menos, influenciam para que a mesma pessoa em dias diferentes possa demandar sentimentos diferentes.
    Sendo assim, se algo como o proposto não consegue ser averiguado e confirmado se está tudo conforme deveria ser, pode um católico ao invés de latria estar em estado ou nível de idolatria e neste caso continuará no erro e ninguém saberá que está, automaticamente a igreja estará cooperando na manutenção de uma prática errada sem condições de avisar, alertar ou corrigir o seu fiel, aí está a falha desta regra, simplismente muitos fiéis podem estar e creio que estão em idolatria e nem eles mesmos julgam que estão pois atribuem a estarem em dulia, iperdulia ou latria, mas jamais idolatrando, mas que certeza, que garantia se consegue de algo subjetivo, deficiente em constatação??

    Eu tenho visto aqui muitos relatos tratando de concilios e catecismos, pois bem, na mesma linha do que falei anteriormente, sigo alertando, e vejam bem o que vou dizer:

    NÃO DISCORDO QUE EXISTAM OS CONCÍLIOS E SEUS TRATADOS.
    NÃO DISCORDO QUE EXISTA A REGRA DO CATECISMO E QUE EXISTE A MAIOR BOA VONTADE E DESEJO QUE SE CUMPRAM.

    Com base nisto, pergunto:
    Se a constituição brasileira é linda, maravilhosa e perfeita no papel, mas na prática é um desastre, logo o problema não estão em suas leis que são claras e estão condizentes com o bem comum.
    Mas é sabido e notório que várias de suas leis não são cumpridas tal qual deveriam ser.
    Automaticamente, se percebe o descompasso entre a teoria e a prática, ora, se a prática se desvincula do que a lei propões, TEMOS AÍ UMA FALHA DETECTADA.

    Mas porque estou citando isso, porque por mais que o católico emprima todos os concílios, tratados, leis e regras de catecismo, as contradições entre teoria e prática mostram falta de sintonia, como o exemplo aqui citado, dulia, iperdulia, latria e idolatria.

    O que mais se vê nestes posts são os concílios e regras de catecismo demonstrando que a igreja católica é contra e desaprova a idolatria, até aí perfeito, tudo beleza, mas ao contrário do que o católico pensa, estes posts só reforçam o fato de falta de sintonia entre o edealizado promulgado com as ações reais vistas, não são todas mas existem e se não fosse por orgulho talvez muitos católicos diriam o mesmo.

    Quando alguém me diz:
    “viu como eu disse que podia te provar? Esta aqui o tratado tal do ano tal que fala isso e aquilo..”
    Documentos que servem de provas são provas obviamente para quem as crê como tais.

    Quando a Bíblia Sagrada se encerra com a advertência de que nada, nem uma vírgula deverá ser acrescentada à ela nem retirada também, fica explícito que o que se precisa está ali, caso contrário Deus não traria esta advertência e teria escrito o 3 testamento ou algo do tipo.
    Se Deus precisasse que homens continuassem sua obra escrita ele estaria sendo incompleto, mas Deus é Deus.

    Por isso os evangélicos refutam livros extra bíblia pois Deus fez o que era nescessário e diz que aquele que for além “que seja anátema”, e as contradições neste caso específico de “tipos” de adoração dulia, iperdulia, latria e idolatria é um exemplo clássico da mão humana criando regra que não se podem efetivar, ficam no campo do subjetivismo, ora, se as regras fossem palpáveis e dignas de respeito pela seriedade com que seriam aplicadas ok, mas Helen, por favor, a igreja não precisa ser uma Gestapo como citaste, mas colocar os fiéis em situações que eles mesmos tem que saber como lidar e se não souberem lidar não há quem as advirta pois o erro está acontecendo e ninguém vê nem percebe, porque? Porque sentimento é invisível e se eles passarem da dose estarão pecando de forma velada e contínua, isto é algo perverso.
    Se está forma de conduta não é efeciente, que mude-se esta regra, esta lei, mas aqui vai a mesma pergunta do meu primeiro post ainda carecendo de resposta:
    ONDE ESTÃO OS PADRES, BISPOS E ARCEBISPOS E TODA A CÚPULA DA IGREJA? ACOMODADOS? POR ACASO ESTÁ TUDO MIL MARAVILHAS??
    E voce irmão ou irmá católico(a) não usa seu raciocínio lógico pra ver que determinado ensinamento mais atrapalha do que ajuda, que ao invés de organizar a fé das pessoas traz mais pecados, pois pecam sem saber e ninguém as adverte pois ninguém sabe o que vai por dentro daquele coração, coração puro, verdadeiro sim, mas por ser ingênuo e sem direção acaba por pecar.

    Respeito e paz a todos.
    .

    • Caro Gilmar,

      Ainda aguardo suas respostas às minhas perguntas!

      Enquanto isso não ocorre, vou deter-me apenas em derrubar, refutar completamente o seu argumento sobre Dúlia, Hiperdúlia e Latria.

      O sr disse:

      “Sra. Helen, eu não esperaria uma resposta concreta justamente por não haver uma, quando se cria ou se idealiza alguma regra é básico e fundamental que ela seja possível de ser cunprida, caso contrário não existe eficácia pois a teoria tem de estar em sintonia com a prática.

      Quando alguém imaginou estas nomeclaturas para subdividir os “teores” ou “graus” de devoção aos diferentes tipos de santos, não percebeu antes que, na prática ficaria totalmente inviável comprovar e saber que estes conceitos estariam sendo feitos tais quais aparecem na regra escrita.

      Toda a lei criada, tem como objetivo principal desaguar na parte onde ela é desenvolvida na prática, mas se na prática estas subdivisões não são passíveis de verificação e comprovação se estão ou não sendo feitas, que lei é esta? Que regra é esta? Como acreditar que seja real, atingível?…

      …Como aquelas pessoas se culturas diferentes, educações diversas, valores diversos teriam capacidade de diferenciar o que era dulia, iperdulia, latria e idolatria?
      Como em uma procissão, no calor da emoção saberemos quantos e quais fiéis colocaram o “pé no freio” para não exagerarem na dose de sentimentos?
      Como saber e explicar para o fiel católico aonde acaba a dulia e começa a iperdulia e qual o limite entre a latria e iperlatria?

      A Sagrada Escritura instrui-nos para amarmos ao próximo como a nós mesmos.
      Como é possível determinar o que significa amar ao próximo!?
      Qual é o grau certo e aceitável de sentimento necessário para se determinar que alguém realmente ama ao próximo? – seria esse grau aceitável o ato de morrer por um estranho? Seria talvez apenas acolher um mendigo? Dar de comer a uma pessoa faminta? Ou apenas quem sabe consolar um amigo entristecido? O então, quem sabe amar ao próximo seja mandar um cartão de Feliz aniversário!

      Quem pode definir o que é amar ao próximo?

      Pela sua lógica, sr Gilmar, Deus não deveria ter-nos ordenado amar ao próximo, já que é algo tão subjetivo, que as pessoas podem se confundir e uns podem amar menos do que os outros!

      Imagine, Deus cometeu um erro!

      Não, sr Gilmar. A sua lógica esqueceu de levar em conta um fator importante: Deus pode ver o coração do homem. Demonstração externa tanto de devoção – no caso da sua pergutna sobre Dúlia, hiperdúlia, etc – quanto no caso da ordenança divina de amar ao próximo, é Deus que sabe quem faz realmente o que dele é esperado!

      Como disse antes, a Igreja ensina. Cabe ao católico ouví-la.

      Pra finalizar, qdo o sr descreve sua repulsa e amarga memória que leva do tempo em ‘tinha’ que beijar uma estátua ge gesso, mostra que (1) não leu a explicação que eu postei sobre a iconografia sacra, segundo o catecismo católico ou (2) não a entendeu!

      Segundo ensina a igreja, TODA HONRA DADA A UM ÍCONE SAGRADO REFERE-SE AO MODELO ORIGINAL, NÃO AO OBJETO!

      Ou seja, qdo um católico beija a imagem de Nosso Senhor ele deve saber que só beija uma imagem porque de fato não é possível fisicamente beijar o VERDADEIRO Cristo. Fâ-lo, portanto, simbolicamente, como se estivesse prostado diante do original, com reverência e respeito.

      Quando a pessoa entende isso, sente prazer em demonstrar externamente a fé que leva interiormente, no coração.

      Se ainda não conseguir entender o que acima tento exlpicar, imagine a seguinte situação:

      Um ente querido que seja por motivo de morte ou uma longa viagem se faz ausente pir muito tempo… Ao olhar para a fotografia da pesssoa, seu semblante lhe inspira sentimentos de amor… Com isso, o sr dá um beijo na foto, que comosabemos não passa de papel e tinta, porém remete-lhe à memória viva de um ser amado. É como se disséssemos a nós mesmos, “se estivesse aqui, eu lhe beijaria.”

      Espero que isso incerre suas intermináveis refutações!

      Pax Domini

    • GILMAR MENEZES ESSA É A VERDADEIRA VENERAÇÃO DAS IMAGENS

      Vou ti mostrar isso e para todos meus irmãos e irmãs católicas
      Pois no meio das seitas protestantes não falta quem diga: “
      Os católicos são idólatras”, porque além de fazerem imagens de esculturas, o que a bíblia proíbe absolutamente cf. Ex 20, 4-5.23; Lv 19, 4; 26,1; Dt 4, 16-20; 27, 15; Sl 113 ou 115, 4-8; Is 44, 9-20 … também estão indo atrás de ídolos mudos cf. Is 45, 20; 46, 7; Jr 10, 3-5 …

      OLHA GILMAR MENEZES muitos por não conhecerem o contexto bíblico de tais textos e por não conhecerem realmente a doutrina da igreja católica, chegam à conclusão de que a bíblia condena a fabricação e o uso de qualquer tipo de imagens, até mesmo das imagens sagradas dos santos, ou qualquer procissão com imagens e que por conseguinte condena a doutrina e prática da igreja católica.

      E por isso,” por falta de conhecimento bíblico e da doutrina católica, deixam a Igreja católica para participarem de igrejas ou seitas fundadas por homens”.

      AGORA GILMAR MENEZES por meio deste estudo você verá através da bíblia e da doutrina católica que tais textos não condena a fabricação e muito menos o uso das imagens sagradas nem todas procissões religiosas com imagens, e por conseguinte não condena a doutrina e prática católica.

      Vou ti mostrar aqui as principais objeções, perguntas e dúvidas dos protestantes contra o que “supostamente” imaginam ser a doutrina e prática católica em relação ao assunto, para que você tenha o conhecimento do fundamento bíblico das mesmas, ou seja, para que saiba que a bíblia não as condena.

      Então GILMAR MENEZES façamos, antes de tudo, umas distinções básicas entre “Santo” e “imagem”. Santo ou Santa é um homem ou mulher, servos de Deus, os quais são santos exatamente por terem obedecido fielmente a Deus e se tornado assim modelos de vida cristã.
      Maria disse: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim, segundo a vossa Palavra” (Luc 1,38).
      Agora GILMAR MENEZES a Imagem é uma representação de um ser, alguém ou alguma coisa em seu aspecto físico, assim imagem é uma fotografia, desenho, estátua, um quadro, etc.
      Uma imagem é só uma imagem, um símbolo, uma lembrança ou um sinal, até o momento em que é adorada, a partir dai então vira ídolo.

      As imagens sagradas são “representações” de Cristo e dos seus santos.

      Agora GILMAR MENEZES uma outra distinção fundamental precisa ser feita entre adorar e honrar (venerar). E devemos saber o que significa ídolo e idolatria.
      Adorar é reconhecer alguém como seu Deus e Senhor, e a Ele se submeter em obediência, prestando-lhe culto como Criador do Universo e dono absoluto da nossa vida.
      O culto de adoração somente se pode dar a Deus porque só ele é o criador e Senhor do universo e da nossa vida.
      Venerar é honrar, homenagear, respeitar, louvar … mas não reconhecer aquela pessoa ou objeto como Deus.
      Já Ídolo é uma imagem de um falso deus, de uma falsa divindade, é um falso deus inventado pela fantasia humana, é “tudo” que ocupa o lugar de Deus em nosso coração, é ” tudo” que damos prioridade e amamos igual ou mais do que Deus, por conseguinte, nem todo ídolo é imagem e nem toda imagem é ídolo.
      Agora a Idolatria, etimologicamente, é a composição de duas palavras ídolo + latria, isto é, adoração de ídolo, é o ato de adorar o falso deus.
      Idolatria não é o uso de imagens no culto divino, mas prestar à criatura ou objeto o culto de adoração que devemos exclusivamente a Deus.
      É por isso que são Paulo em Col. 3,5 nos adverte que a avareza é uma idolatria, e como sabemos avareza é um sentimento e não uma imagem, a avareza é idolatria uma vez que o avarento coloca o dinheiro no lugar de Deus, como valor supremo da sua vida,
      idolatrar é colocar alguém ou alguma coisa no lugar de Deus. Por isso GILMAR MENEZES Podemos então refletir: onde estariam os verdadeiros ídolos e idólatras na sociedade moderna? infelizmente os artistas, os cantores, os jogadores, os times de futebol, os programas de televisão “principalmente as novelas”, o sexo, a beleza física, o dinheiro, o poder, a fama e tantas outras coisas é que ocupam o primeiro lugar do coração e pensamentos de muitos ! A idolatria é o pior e mais grave pecado que se possa fazer !
      SAIBAS GILMAR MENEZES que a Igreja Católica ensina que devemos adorar somente a Deus! A todas as outras criaturas e às imagens dos santos devemos apenas respeito, honra e veneração.
      Aliás, a Igreja só venera os santos e os honra, porque foram fiéis seguidores de Cristo e por isso se tornaram para nós modelos de vida evangélica.
      Suas imagens tem, para nós a finalidade de lembrar a pessoa e seus bons exemplos em nosso meio;
      Merecem respeito pelo que representam, tal como um retrato de nosso pai ou nossa mãe.
      O que diz mesmo a Bíblia sobre imagens?
      OLHA GILMAR MENEZES no célebre trecho de Ex 20, 4-5 tão citado por vocês protestantes, vocês deixam de lado o versículo 3: “Não terás outros deuses diante de minha face”.
      Ora, naquela época não havia imagens de Jesus, Maria ou dos Santos, até mesmo porque eles nem existiam ainda.
      O Êxodo foi escrito aproximadamente 1.250 anos antes do nascimento de Jesus.
      São Francisco morreu em 1.226 depois de Cristo, São Benedito em 1563, Santa Teresinha em 1897, então não poderia estar se referindo a eles.
      A Bíblia fala de “deuses”, “ídolos” para substituir o lugar do verdadeiro Deus.
      Agora Isso nunca quiseram os Santos!
      Maria se declarou a “Serva do Senhor” (Luc 1,38) S. Francisco dizia “Meu Deus e meu Tudo”.
      Agora GILMAR MENEZES veja uma outra passagem muito usada por vocês protestantes onde está escrito: “Com a sobra faz um deus, um ídolo, diante do qual se prostra para adorar e orar, dizendo: “Salva-me, tu és o meu Deus” (Is 44,17).
      Ora, a própria citação já fala que o que Deus proíbe é fazer imagem na forma de ídolo, de fato leia Dt 4,16, na tradução revista e atualizada no Brasil, SBB, que são considerados como deus em substituição ao Deus único e verdadeiro cf. Ex 20, 3-5. 23; Dt 7, 25; Is 44,17.
      Fala que adorar imagem é considerá-la como deus cf. Ex 32, 4; Is 44,7, ou teologicamente falando, é também valorizá-la igual ou mais de que Deus.
      Ora GILMAR MENEZES saibas que nenhum católico(a) “que conhece e obedece a doutrina católica” considera os santos e suas imagens a coisa mais importante de sua vida, menos ainda os (as) considera como Deus,
      Agora GILMAR MENEZES afirmar o contrário é mentira e calúnia, que assim como a idolatria, fecha a porta do céu para quem morre com ou em tais pecados.
      Já fala em se prostrar para adorar, o que não é o nosso caso de católicos, diante das imagens. Pois GILMAR MENEZES se ajoelhar-se diante de alguém ou alguma coisa não significa logo, adoração.
      Os noivos que se ajoelham diante dos pais e lhes pedem a bênção, não estão adorando os seus pais!
      Moisés se prostrou diante do seu sogro Jetro (Ex 18, 7); Betsabé se prostrou diante de Davi (1Rs 1,16 ), Josué e todo o povo se ajoelharam diante da arca a qual tinha duas imagens de esculturas de anjos ( Js 7, 6 ) e nem por isso cometeram idolatria, porque não se prostraram em adoração e sim em reverência.
      GILMAR MENEZES VEJA AGORA
      no versículo 4-5 de êxodo 20, Deus não está proibindo fazer qualquer espécie de imagem ou com qualquer finalidade, pois se assim fosse, toda humanidade estaria condenada, pois quem é que não tem ou não manda fazer retrato, pintura, escultura, desenho ,
      estaria proibindo a profissão do escultor, desenhista, pintor … Mas está proibindo qualquer tipo de imagem de ídolo e fazer imagem para serem adoradas.
      Todas as vezes que Deus condena as imagens ele se refere à ” idolatria”, na qual se reconhece e considera a imagem como único Deus em substituição ao Deus verdadeiro.
      E a prova GILMAR MENEZES de que Deus só proíbe fazer ídolo ou fazer imagens com a finalidade de serem adoradas está no fato de que ; Quando não é para adoração, Deus permiti e manda fazer imagens:
      Por ordem de Deus Moisés fez e colocou duas imagens de esculturas de anjos sobre o propiciatório da arca. “O Senhor disse a Moisés: Farás dois querubins de ouro. Estes querubins
      terão suas asas estendidas para o alto e com as asas protegerão a tampa da Arca da Aliança. E ali eu virei ter contigo”. (Ex 25,18-22 ).
      Agora GILMAR MENEZES no templo construído por Salomão foram confeccionadas imagens de querubins de madeira( cf. 1 Rs 6, 23-28); todas as paredes do templo e até as portas foram revestidas de imagens de querubins( cf. 1 Rs 6, 29-35),
      tais obras se fizeram com a ordem do próprio Deus (cf. 1 Crônicas 22, 10. 15-16; 28, 18-19) e com a sua divina aprovação pois vemos que Deus abençoa este templo, porque sabia que as imagens lá não eram ídolos ( deuses ), e sim, imagens sagradas (cf. 1 Rs 9, 3), pois foram feitas por ordem divina, que, já no deserto encheu Bezaleel de seu próprio espírito- espírito de sabedoria, inteligência e ciência- para realizar toda espécie de obras em ouro, prata e bronze … assim como para talhar ( esculpir) a madeira( isto é, fazer imagem de escultura de madeira)
      Confira: Ex 31, 1-5, de fato leia 1 Rs 6, 29 na edição revista e corrigida de João F. de Almeida.
      GILMAR MENEZES vê-se assim com que apreço Deus considerava as esculturas de seu templo. Por isso os querubins da arca da aliança( Ex 37, 1. 3-5. 7-9) não eram para serem adorados, mas também não eram simples adorno, eles lembravam que tudo devia convergir para o Deus que fizera aliança com o povo,
      lembravam ainda a mediação “secundária ” dos anjos(cf. Heb 1,14) e integravam os objetos do culto,ou seja, participavam do verdadeiro culto a Deus, de fato, Deus além de pedir a Moisés para fazer essas duas imagens de anjos, diz que é ali, no meio dos querubins, que ele viria dar as suas ordens aos israelitas (cf. ex 25, 22; Num 7, 89) em vista disso a bíblia costuma dizer que Deus está sentado sobre os querubins (cf. 1 Sm 4, 4; 2Sm 6, 2; 2 Rs 19,25; Sl 79(80), 1.
      GILMAR MENEZES isso eram imagens sagradas, abençoadas por Deus ( cf. 1 Rs 9, 3; 8, 10-11 ) e por Moisés ( cf. Ex 39, 42-43 ) – deixando-nos o exemplo de termos nossas imagens abençoadas- por isso eram imagens que conjuntamente com todo o templo do altíssimo, eram reverenciadas,
      Pois GILMAR MENEZES está escrito : “Reverenciareis” meu santuário ( Lv 19, 30 ) e ainda, me prosto -“inclinar-me-ei” – para o teu sagrado templo ( Sl 138 ou 137, 2 )
      O santuário, como é bem sabido, estava cheio de imagens, vemos Josué e todo o povo ajoelhados “prostados” diante da arca da aliança , por conseguinte, diante das duas imagens de querubins que estavam em cima da arca ( Js 7,6 ) e nem por isso estavam cometendo idolatria, adorando tais imagens.
      O templo e tudo que havia nele eram sagrados! portanto, cada objeto de lá, inclusive as imagens, não podiam ser tidos como simples enfeites- eram ornamentos sacros com significados simbólico-religiosos preciosos e por isso respeitados, reverenciados, ou seja, venerados. de fato ,
      AGORA EU TI PERGUNTO GILMAR MENEZES: por que uzá morreu fulminado ao tocar na arca da aliança cf. 2 Sm 6, 7; 1 Cro 13,7-14 ?
      E mais GILMAR MENEZES e o mar de bronze ou reservatório de água lustral colocado à entrada do palácio de Salomão era sustentado por dois bois de metal ( 1Rs 7, 23-25 ), havia também figuras de leões, touros e querubins ( 1 Rs 7, 29 ),
      Leia ainda Ez 41, 17-22 GILMAR MENEZES Quando mostramos estes textos para os protestantes eles respondem imediatamente: mas essas imagens não foram feitas para serem adoradas, pois o propiciatório com os querubins apenas era a figura da ( representava a ) redenção de Cristo ( Heb 9, 5-9 ), cf. manual de apologética cristã, pag. 178, CPAD, os querubins não faziam parte do culto, permaneciam trancados no templo, no lugar santo dos santos, onde só penetrava o sumo sacerdote uma vez por ano, conforme Heb 9, 2-7; Ex 30, 10, e as figuras do templo de Salomão tinha a finalidade única de adornar,
      OLHA GILMAR MENEZES AS RESPOSTAS : Para essas simples questãões aqui não é o que as imagens representam, mas se todo e qualquer tipo de imagem são proibidas por Deus ou se a proibição é absoluta,
      Esto é, com qualquer finalidade, mesmo que não seja para adorá-las, a questão estar em saber se é bíblico ou não fazer imagens.
      O fato dos querubins ( de ouro ou madeira ) representar isso ou aquilo, não nega a realidade que eram imagens de anjos em forma de esculturas e figuras que o próprio Deus mandou fazer, por isso não nega a verdade que a proibição divina de fazer imagens não é absoluta, ou seja, que a proibição de fazer e adorar ídolos, não proíbe fazer imagens que não são ídolos e que não são para serem adoradas.
      Pois quando os protestantes dizem que os querubins foram feitos não para serem adorados, não estão fazendo nenhuma objeção à doutrina católica pois a igreja católica e nenhum católico diz que foi, ao contrário, estão aceitando a doutrina e interpretação do catolicismo a respeito do assunto, e rejeitando a dar maior parte do protestantismo que ensina que a proibição divina é absoluta, ou seja, que Deus proíbe fazer todo tipo de imagens e com qualquer finalidade, que proíbe fazer não só para adoração mas até mesmo para veneração! que ensina que Deus proíbe não apenas adorar imagens, mas até mesmo fazer-las,
      E para tentarem provar isso, vocês protestantes vivem citando para os católicos o salmo 115, 4-8 , esquecendo que o texto trata de ídolos (cf. Sl 115, 4) e não de qualquer imagem.
      POIS GILMAR MENEZES se as imagens que Deus mandou fazer não foi para serem adoradas, isto implica dizer que :” quando as imagens não são para serem adoradas, Deus as manda e permite fazer-las “. Ora, essa é a pura doutrina e interpretação católica”!
      Quanto a afirmação que os querubins ficavam trancados no templo … cai por terra diante dos textos que apresentam a arca da aliança com os querubins sendo carregados pelo povo de Deus solenemente em procissão religiosa ( cf. 1 Sm 6, 1 .4 – 5. 10 – 18; 2 Sm 6, 12 – 18; Js 6, 4-16; 2 Cr 5, 2-8; Ne 12, 27-43; Nm 10, 33-34 ),
      AGORA GILMAR MENEZES veja uma dessas procissões em um site de um pastor assembleiano na 4° foto com o nome” queda dos muros de Jericó ” ( http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao5-ldj-aconquistadejerico.htm ),
      Agora quanto a dizer que eram simples ornamentos … já foi respondido a cima. O povo veio a Moisés e disse-lhe: Pecamos, murmurando contra o Senhor e contra ti: Roga ao Senhor que afaste de nós essas serpentes. Moisés intercedeu pelo povo e o Senhor disse a Moisés: “Faze para ti uma serpente ardente(de bronze) e mete-a sobre um poste.
      Todo o que for mordido, olhando para ela será salvo” (Nm 21,7-8). é claro que a serpente não foi feita para ser adorada, considerada como um deus ou deusa, mas para mostrar aos israelitas que Deus tinha mais poder do que todas as enfermidades ou tragédias da terra, e por isso não tinham motivos para não confiar nele ou em Moisés seu escolhido para libertá-los, mais tinha a finalidade de mostrar o perdão e a misericórdia de Deus para os israelitas arrependidos.
      GILMAR MENEZES OLHA quando associamos Nm 21,8-9 a Jo 3,14; 12,32 entendemos que a serpente levantada no deserto por Moisés era uma prefiguração de Jesus Cristo suspenso na cruz curando e libertando toda humanidade, assim como quem ferido por serpentes olhava para a serpente de Moisés suspensa numa haste era curado das picadas mortíferas, assim também quem ferido pelo pecado olha para Jesus crucificado com os olhos da fé, reconhecendo nele o salvador do mundo, será salvo do pecado e da condenação eterna.
      Enquanto a serpente de bronze era apenas venerada como recordação da cura prodigiosa das venenosas mordidas das serpentes, a mesma era conservada, porém, quando no tempo do reinado de ezequias (721-693 a.C)
      O povo cercou-a com crenças e práticas suspeticiosas com evidente perigo de idolatria, ezequias quebrou essa venerável relíquia da era mosaica (cf. 2 Rs 18,4).
      Muitos protestantes citam o texto da destruição da serpente de bronze cf. 2 Rs 18, 3-4, para tentarem provar que, aprovando a destruição da serpente de bronze,
      Deus estava por isso desaprovando adoração e veneração de imagens, pois ambas são a mesma coisa.
      RESPOSTA : Que fique bem claro : a serpente de bronze foi destruída não porque era uma imagem de escultura que o próprio Deus mandou fazer, mas devido o mau uso que dela o povo começou a fazer, agora isso GILMAR MENEZES não anula nem vai contra o princípio que” o mau uso não exclui o bom uso, que o uso incorreto não exclui o uso correto”,
      A prova disso é que, mesmo depois de destruída, cerca de cinco séculos depois, Jesus encontrou valores na serpente de bronze pois ilustrou sua morte através dela (cf. Jo 3, 14),
      Deus aprovando a destruição da serpente de bronze, não estava desaprovando a(as) imagem(ns) que ele mesmo mandou fazer, mas a atitude errada do povo para com ela, da mesma forma Moisés ao quebrar as tábuas da lei não estava desaprovando a lei que o próprio Deus as mandou escrevê-las, mas a desobediência do povo para com ela.
      De fato, enquanto a bíblia mostra Deus aprovando a destruição da imagem da serpente de bronze ( cf.2 Rs 18, 3) porque o povo a transformou de imagem em ídolo, considerando-a como a deusa da magia( Neustã), porque o povo deixou de venerá-la e passou a adorá-la, enquanto mostra Deus mandando destruir as imagens em forma de ídolos (cf. Ex 20, 3-5. 23; 32,20; Dt 4,,16-20; 7,5. 25; Is 31, 7; Mq 1, 7; Ez 6,4-6 … )
      OLHA GILMAR MENEZES saibas que a própria bíblia considera como inimigo de Deus aqueles que destruíram as imagens sagradas do templo cf. levanta os pés para tudo o que ” o inimigo” tem feito de mal no santuário; toda obra entalhada ( imagens de esculturas 1 Rs 6, 29 E mostra Deus abençoando o templo cheio de imagens sagradas ( cf. 1 Rs 8, 10-11; 9, 3 )
      GILMAR MENEZES OLHA se Deus abominasse todo tipo de imagem, como se todo tipo de imagem de escultura fosse ídolo, não teria enchido o templo com sua glória e benção garantindo a aprovação de tudo que foi feito.
      Por isso veneração não é e nunca foi o mesmo que adoração !
      Pois o que prova esse texto que eles citam ? Prova: 1)
      Que Moisés fizera de fato uma serpente de bronze; 2) que essa serpente fora conservada pelos judeus durante longo tempo; 3) que eles acabaram por adorá-la ou a prestar-lhe culto indevido; 4) que por isso, Ezequias a quebrou.
      GILMAR MENEZES agora eu ti pergunto?
      Teria agido mal Moisés ao fazer a serpente de bronze? É claro que não, pois foi o próprio Deus quem ordenou fazê-la e olhar para ela para que os judeus se curassem.
      Erraram os judeus conservando-a? É evidente que não, porque mostravam gratidão e obediência a Deus. E entre os que conservaram estavam Moisés, Josué, os Juízes, Daví, Salomão. Será que todos eles estavam errados?
      Será que nenhum deles tinha um “Aurélio” – ou um dicionário à mão para saber que adorar, venerar, reverenciar, amar extremamente é tudo a mesma coisa?
      Por que, durante tantos séculos, Deus e seus enviados permitiram que se guardasse a serpente de bronze?
      É evidente que permitiram porque ela não era adorada. Quando a transformaram abusivamente em ídolo, Ezequias a destruiu. Mas fique sabendo, GILMAR MENEZES, que abusus non tolit usum.
      E não pense que isso é lei da Igreja: é um princípio jurídico do Direito Romano. O abuso não tolhe o uso. Se alguém abusa do culto de Dúlia de um santo e de sua imagem, e passa da veneração a idolatria, isso é um abuso condenável que não proíbe nem invalida o culto de Dúlia ( veneração ) — e não de latria — de um santo e de sua imagem.
      Erraram depois os judeus transformando-a em ídolo? Evidente que sim, e, por isso fez bem Ezequias em destruí-la. Portanto, enquanto não se adora uma imagem como se fosse Deus, é lícito tê-la e mesmo “olhar para ela para ser curado” como Deus mandou.
      E nenhum católico de verdade GILMAR MENEZES olha para uma imagem de Nossa Senhora e dos santos julgando que sejam Deus e adorando essas imagens.
      Nós as veneramos. em suma: veneração não é o mesmo que adoração. Quando os israelitas veneraram a serpente de bronze, foram curados. Quando posteriormente os israelitas adoraram a mesma serpente, cometeram uma abominação e Deus mandou destruí-la.
      No primeiro caso, o ato curava; no segundo caso, o ato era abominável diante de Deus. No primeiro caso, veneração; no segundo, idolatria, adoração de uma criatura.
      A imagem era sempre a mesma, porém, o ato era diferente! Se veneração fosse o mesmo que adoração, então Deus teria permitido a adoração aos ídolos ainda que somente no antigo testamento, o que é um absurdo.
      A sã doutrina não comporta tal absurdo! Portanto GILMAR MENEZES não adianta citar a destruição da serpente de bronze contra a veneração das imagens, pois o texto é claro:
      Deus mandou ou aprovou destruir a serpente de bronze quando os israelitas passaram a adorá-la, mas a mandou fazer e aprovou o povo conservá-la enquanto a veneravam, mostrando claramente a diferença entre veneração permitida e adoração proibida.
      Portanto, se Deus proibiu as imagens para idolatria, para serem adoradas, e essa proibição continua valendo, também continua valendo a permissão às imagens para veneração, para serem veneradas.
      Pode ter certeza disso GILMAR MENEZES que estes textos bíblicos associados a outros referentes ao mesmo assunto e que constituem o seu contexto, deixam bem claro que Deus proíbe ter ou fazer imagens para serem adoradas, isto é, para serem consideradas como Deus, criador e senhor absoluto de todas as coisas (cf. Ex 20, 3-5; Is 44, 9-20; Sl 113 ou 115, 4-8 … ),
      Para serem valorizadas igual ou superior a Deus, ” a lei eterna jamais pode ser abrogada e assim será sempre pecaminoso adorá-las “.
      Ensinam que Deus condenou, condena e sempre continuará condenando ídolos;” imagens que ocuparam ou ocupam o lugar de Deus “. Que Deus proíbe a idolatria : substituir o criador em nosso coração por quaisquer coisa ou criatura,
      Vou ti da aguns exemplo Gilmar menezes:
      objetos” imagens, taslimã …” , poder, prazer, dinheiro, sexo, esporte, pessoa humana … Ensinam que se alguém substitui Deus por quaisquer coisa ou criatura está cometendo o pior e mais grave pecado “a idolatria, e portanto é idólatra” que caso morra com este pecado-sem ter se arrependido e deixado ele – não se salvará nem entrará no céu ( 1 cor 6, 9-10; Apoc 22, 15 …).
      Ensinam também que quando as imagens não são para serem adoradas Deus permite e as manda fazer como vimos nos textos já mencionados acima. Visto que é impossível haver contradição em Deus, fica claro que a proibição de fazer imagens na bíblia não é absoluta ” com quaisquer finalidade, válidas para sempre e em todas as circunstâncias” , mas relativas ” referente e dependente unicamente da finalidade e circunstância, “intenção e condição ” com a(s) qual é proibida.
      OLHA GILMAR MENEZES esta é a interpretação da Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Em suma; Deus proíbe fazer imagens para serem adoradas, porém, não proíbe fazer imagem com outra finalidade, como por exemplo, para serem veneradas.
      Deus proíbe fazer ídolos, porém, não proíbe fazer imagem que não são ídolos. Por isso a Igreja católica, que compreende e aceita tudo o que Deus disse na sagrada escritura e que não isola uma frase de outra, mas a todas harmoniza, sempre permitiu o uso de imagens( jamais de ídolos) e sua veneração, mas nunca a sua adoração.
      Infelizmente GILMAR MENEZES vocês protestantes, por preconceito ( talvez até por ódio) da Igreja Católica, por avareza, introduzem seitas e heresias perniciosas no meio do povo ( 2 ped. 2, 1-3), e por falta de conhecimento e má fé deturpam e adulteram a própria palavra de Deus para sua própria perdição ( 2 ped. 3, 16) e apenas com a má fé, com a má e diabólica intenção de difamar, caluniar, criticar a Igreja Católica, dizem e escrevem :
      Basta alguém fazer ou ter imagens para já estar afrontando a lei de Deus, os pretensos retratos do Pai (capela Sistina), do Filho ( crucifixos, etc.), do Espírito Santo (pomba), dos apóstolos, etc. etc. São proibidos por Deus.
      Deus não somente proíbe adorá-los ou venerá-los, mas também fazê-los. ( cf. a idolatria Ora, estamos diante de uma decisão séria: ou aceitamos que a Bíblia se contradiz claro que não por isso GILMAR MENEZES É FASLSA E UM ABSURDO A SUA DECLARAÇÃO
      Pois se como os Protestantes explicam: “não farás para ti imagem de escultura, nem figura alguma do que está em cima nos céus ou embaixo sobre a terra… não te prostrarás diante delas…” (Ex 20,4-5) significa que não se pode fazer imagem com qualquer finalidade, exceto adoração, quer dizer que pelos textos acima Deus se contradisse.
      Pois os querubins que Ele mandou fazer são seres que “estão acima nos céus” e a serpente está “embaixo sobre a terra”. Além disso,GILMAR MENEZES se considere o fato de que o Templo e a Arca da Aliança eram os lugares mais sagrados para o Povo de Deus.
      O Senhor se manifestava na Arca! Pior ainda a serpente de bronze não só foi feita, mas quem olhasse para ela ficaria curado! Como ainda afirmar com a Bíblia na mão que Deus proíba fazer todo tipo de imagens e com quaisquer finalidade ?
      OLHA GILMAR MENEZES no Novo Testamento Passaram-se os séculos … O mesmo Senhor que se mantivera invisível, quis tomar corpo humano e viver na terra; quis assim dirigir-se aos homens mediante uma figura (a do Cristo Jesus), que, sem dúvida, devia ser impressionante.
      Em sua pregação, Jesus houve por bem ilustrar as realidades transcendentais (o Reino de Deus, a Misericórdia do Pai, o dinamismo da graça …) mediante imagens inspiradas pelas realidades visíveis; tal foi o significado das parábolas e alegorias utilizadas pelo Divino Mestre, que aludiu aos lírios do campo, à figueira, aos pássaros do céu, ao bom pastor, à videira e a seus ramos, às crianças que brincam na praça pública, à mulher que perdeu sua moeda, ao administrador infiel, aos operários chamados à vinha, em outras palavras :
      O Deus invisível se tornou visível em Jesus. Por isso a Bíblia diz: “Cristo é a imagem de Deus invisível, o primogênito de toda criatura”. (Col. 1,15) A imagem mais sagrada de Deus que temos em nosso meio é o ser humano:
      “Façamos o homem a nossa imagem e semelhança” (Gn 1,26). Já que Deus quis tornar visível o seu ser através de Cristo e do ser humano, isso nos diz que as coisas criadas podem ser um reflexo de sua beleza, de sua bondade e de seu poder.
      Ele quer se manifestar também pelas coisas visíveis. Esse é o sentido da “encarnação” do Filho de Deus. “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14,9) e o que Filipe estava vendo era a face humana de Cristo. Todavia, os cristãos foram percebendo que a proibição de fazer imagens no Antigo Testamento tinha o mesmo papel de pedagogo (condutor de crianças destinado a cumprir as suas funções e retirar-se)
      Que a Lei de Moisés em geral tinha junto ao povo de Israel.
      Por isto o uso das imagens foi-se implantando. As gerações cristãs compreenderam que, segundo o método da pedagogia divina, atualizada na Encarnação, deveriam procurar subir ao Invisível passando pelo visível que Cristo apresentou aos homens; a meditação das fases da vida de Jesus e a representação artística das mesmas se tornaram recursos com que o povo fiel procurou aproximar-se do Filho de Deus.
      Considerem-se os antigos cemitérios cristãos (catacumbas), onde se encontram diversos afrescos geralmente inspirados pelo texto bíblico: Noé salvo das águas do dilúvio, os três jovens cantando na fornalha, Daniel na cova dos leões, os pães e os peixes restantes da multiplicação efetuada por Jesus, o Peixe (Ichthys), que simbolizava o Cristo …
      A Igreja primitiva tinha sim uma grande veneração pelas imagens prova disso são as Imagens contidas nas Catacumbas Romanas dos primeiros séculos. Trago as fotos das Catacumbas dos Primeiros séculos, GILMAR MENEZES vejam que os primeiros Cristãos já usavam as imagens e isso é séculos antes de Constantino! confira :
      (http://praelio.blogspot.com.br/2009/02/igreja-primitiva-x-protestantismo.html ).
      GILMAR MENEZES isso prova -se assim que a veneração dos santos e por conseguinte das suas imagens não é uma inovação no cristianismo, pois vem dos primeiros séculos cristãos, da igreja primitiva, nem do romanismo como outros dizem.
      Prova-se assim que a veneração dos santos e das suas imagens é uma doutrina e prática cristã e bíblica,
      Ou seja GILMAR GILMAR MENEZES, mesmo que o culto de veneração aos santos não seja citado “explicitamente” na bíblia, o mesmo já começa nos primeiros séculos do cristianismo, aproximadamente no ano 100 d.C, estando são João ainda vivo e o mesmo não o condenou, A reflexão nos ensinamentos e exemplos de Jesus e dos apóstolos levaram os primeiros cristãos (dos primeiros séculos) a venerarem os mártires, os santos e por conseguinte Maria.
      VEJA NESSE SITE GILMAR MENEZES que os Protestantes também usam imagens de esculturas em seus templos para fins religiosos, confira : http://caiafarsa.wordpress.com/imagens-em-templos-prostestantes/ http://groups.gloog.com.br/answer/pt_br/answer_20100522161156AAsVIW3.html?categoryId=396545163
      Na praça dos reformadores em genebra, os protestantes fizeram 4 imagens de esculturas dos mesmos, para através delas venerá-los. Veja a foto no livro, manual de apologética cristã, pág170, CPAD, na capa da revista ” institutas”; em linguagem simplificadas, livro I, capítulos 7, 8 e 9, no Google buscando imagens, escreva na caixa de pesquisa: praça dos reformadores em genebra.
      Na revista protestante ultimato ” indenominacional” n° 235, págs 52-53, da editora Betânia, está escrito que: ” na America do Norte, Europa, Ásia, Austrália … figuras de Jesus e Maria, além do uso generalizado da cruz não cria menor problema.
      Na coréia do sul é possível encontrar nas fachadas de todos os templos, inclusive das assembléias de Deus, imagens de esculturas em tamanho natural representando pessoas e cenas bíblicas” .
      PRA VOCÊ QUE NÃO SABE GILMAR MENEZES SAIBAS
      Que o próprio Martinho Lutero fundador do protestantismo foi a favor do uso de imagens , como se depreende do texto abaixo, datado de 1528: “Tenho como algo deixado à livre escolha as imagens, os sinos, as vestes litúrgicas … e coisas semelhantes. as imagens inspiradas pela Escritura e por histórias edificantes me pareçam muito úteis… Nada tenho em comum com os Iconoclastas” (Da Ceia de Cristo). e mais : Ler mais: http://larcatolico.webnode.com.br/doutrina-catolica/ Crie o seu website grátis: http://www.webnode.pt
      GIMAR MENEZES VEJA em Atos 28 o que fez O Católico São Paulo quando embarcou em um Navio indo Para ROMA

      “Ao termo de três meses, embarcamos num navio de Alexandria, que havia passado o inverno na ilha. Este navio levava por INSÍGNIAS* os DIÓSCUROS*”. (At 28,11)

      *INSÍGNIAS : EMBLEMAS, IMAGENS

      *DIÓSCUROS: A IMAGEM DE CASTOR E PÓLUX, ORNANDO A PROA DO NAVIO
      E MAS GILMAR MENEZES SAIBAS
      Saibas que os filisteus roubaram a arca da alinça e pagaram muito caro por isso
      Então eles consultaram seus adivinhos e eles disseram essa ordem dada pelo senhor de Israel para colocar
      A arca do SENHOR sobre o carro, como também o cofre com os ratos de ouro e com as imagens das suas hemorroidas.
      Então os filisteus oferecem a Deus pela expiação da culpa, “cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro”.
      Então, disseram: Qual é a expiação da culpa que lhe havemos de oferecer? E disseram: Segundo o número dos príncipes dos filisteus, cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro, porquanto a praga é uma mesma sobre todos vós e sobre todos os vossos príncipes.
      E AÍ GILMAR MENEZES DEUS DEU A ORDENS PARA ELES FAZEREM VARIAS IMAGENS E DEPOIS DE FEITAS ELES FORAM CURADOS AGORA NÃO ME VENHA COM MEIO TERMO CONDIÇÕES PONTOS DE VISTA E COM EXEÇÕES POIS DEUS JAMAIS MUDOU SUA LEI SE IMAGENS FOSSE PROÍBIDOS SERIA UMA IMENSA CONTRADIÇÃO AQUI!

      AGORA VEJA GILMAR MENEZES NO TEMPLO DE SALOMÃO:
      “E no oráculo fez dois querubins de madeira de oliveira, cada um da altura de dez côvados.” (I Reis 6, 23)
      “E revestiu de ouro os querubins. E todas as paredes da casa, em redor, lavrou de esculturas e entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, por dentro e por fora.” (I Reis, 6, 28-29)

      “E sobre as cintas que estavam entre as molduras havia leões, bois, e querubins, e sobre as molduras uma base por cima; e debaixo dos leões e dos bois junturas de obra estendida.” (I Reis 7, 29).

      “Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro.” (II Crônicas 3,10)
      E PRA REFUTAR VOVÊ DE UMA VEZ POR TODAS GILMAR MENEZES SAIBAS QUE era neste mesmo templo que os apóstolos e Jesus iam para orar:
      VEJA
      “Jesus passeava no templo, no pórtico de Salomão.” (João 10,23)

      “Enquanto isso, realizavam-se entre o povo pelas mãos dos apóstolos muitos milagres e prodígios.
      Reuniam-se eles todos unânimes no pórtico de Salomão.”(Atos 5, 12)

      EU TI PEREGUNTO AGORA GILMAR MENEZES?
      Estariam Jesus e os apóstolos sendo idólatras ao frequentar um templo repletos de imagens de escultura?
      OLHA GILMAR MENEZES AQUI MAIS UMA VEZ
      Fica provado, portanto, que Deus nunca proibiu a fabricação de imagens e sim de ídolos para a adoração, colocando-os no lugar do próprio Deus. Desmascaramos assim mais uma falsa interpretação protestante.

    • “Gilmar quando beijamos uma foto ,não estamos a amar o Papel,mas sim estamos manifestando o amor que sentimos pela pessoa que esta representado na foto”

      Porque ex:Nunca vou beijar a imagem do Imperador Nero.,Mas a Imagem do Nosso senhor ,Nossa Senhora,os Anjos e ao Santos posso beija -lás sem problema,porque é manifestação do meu amor por estas pessoas que já estão na glória com Cristo!

      Pax Domini.

  22. parabéns Edmilson belíssima aula de apologética a igreja precisa de homens como você como o Cris Macabeus como Felipe Aquino

    gostei da apologética calou a boca desse Gilmar Meneses

    com sua permissão vou pegar o que você escreveu e vou colocar no meu blog

    continue assim desmascarando hereges como esse tal Gilmar Menezes

    um abraço a você e a Helen pelo maravilhoso Blog

    • A educação de cada um mostra quem somos e de onde viemos,
      continue assim, soberbo e arrogante é um bom marketing pessoal.

      Advertimos que comentários desrespeitosos e linguagem ofensiva serão editados antes de sua publicação. É permitido discordar, questionar, debater. Não será permitido, entretanto, humilhar ou ridicularizar a quem quer que seja. O Blog agradece! Outubro de 2012

  23. Helen, as outras duas questões que ainda pairam sem resposta:

    COMO SE SUBDIVIDE DULIA, IPERDDULIA, LATRIA E IDOLATRIA, COMO SE SABE QUEM ESTA AGINDO COM ESTE OU AQUELE SENTIMENTO OU EXPRESSÃO DE FÉ JÁ QUE É ALGO QUE NÃO SE VÊ? COMO AFERIR SE DETERMINADA EXPRESSÃO DE SENTIMENTO ESTÁ CORRETA DENTRO DE MILHARES DE FIÉIS EM UM EVENTO CATÓLICO QUANDO ESTES SEDIRIGEM A UMA IMAGEM?

    -DEUS É UNIPRESENTE E UNISCIENTE, OU SEJA, PODE ESTAR E SABER DE TUDO AO MESMO TEMPO, MAS O SANTO NÃO, ENTÃO COMO ELE CONSEGUE RECEBER MILHÕES E MILHÕES DE PETIÇÕES EM UM EVENTO RELIGIOSO NA MESMA HORA, NO MESMO DIA ANTES DE ENCAMINHÁ-LAS A DEUS?

    Respeito e paz a todos, e menos rancor neste coraçãzinho Sra. Helen.

    • Caro Gilmar,

      A Dulia, Hiperdulia etc… São nomenclaturas, como o sr sabe, que classificam o tipo de culto demonstrado na religião católica.

      Não é possível saber o sentimento interior de cada pessoa. A Igreja não é a Gestapo. Ela ensina o que é certo, cabe a nós, católicos, praticarmos o que aprendemos. Assim, por exemplo, cada criança católica aprende que devemos adorar SOMENTE à Deus. Aprendemos que há apenas um Deus, criador de todo o Universo, a quem devemos amar e respeitar. Este Deus manifestou-se sob 3 pessoas, a Santa Trindade. Jesus Cristo é seu Filho unigênito, a Quem devemos seguir como exemplo e adorar como Deus, e assim por diante…

      Nunca a Igreja ensina que devemos adorar a uma imagem, a uma pessoa-criatura. Nunca devemos adorar aos bens materiais, à Riqueza, ao Poder, etc… Pois isso também é idolatria. Em suma, a Igreja é uma mãe generosa. Ensina e corrige aos seus filhos. Cabe à nos sermos bons filhos e ouvir à nossa mãe, a Santa Mãe Igreja Católica.

      Segunda pergunta:

      Já respondi a ela esta semana, não me lembro à quem. Seria bom se o sr desse uma olhadinha no site, pois assim ajuda-me a não gastar tempo com material repetido. Mas a grosso modo, podemos dizer que o sr está coberto de razão. SOMENTE Deus é onipresente e onisciente. Porém, como Ele mesmo concedeu-nos a Comunhão dos Santos ou seja, fez-nos UMA Igreja UNA, tanto no Céu quanto na Terra, Ele em sua Santa bondade concede aos Seus santos o poder que eles requerem. Assim, da mesma forma que intercedemos uns pelos outros na terra, os Santos, que como mostrei no artigo postado aqui, vivem em Espírito, também intercedem. Agora, como podem ouvir a tantas pessoas ao mesmo tempo? De nenhuma forma senão pelo poder de Deus! Somente Deus concede ao santo que vive em Espírito a possibilidade de ouvir àqueles que a eles se dirigem. Não é pelo próprio poder que o Santo nos ouve. Mas pela vontade e misericórdia Divina. Ora, se em Cristo estamos unidos à Videira, ao Corpo, como membros da Cabeça, esta Cabeça que vive no Céu não poderia ter unidos a Si membros mortos, surdos-mudos. Não! Deus dá consciência aos Salvos para que possam ouvir as preces as petições a eles dirigidas.

      Deus é o Deus dos vivos, tanto em Espírito como na carne.
      2 Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.

      COmo eu disse na outra resposta, querer imaginar o mundo espiritual sob a ótica da realidade temporal é ser ingênuo. Lembre-se: Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam. 1 Coríntios 2,9

      Pax Domini,

    • VAI UM CONSELHO GILMAR MENESES VOCÊ É UM PIADISTA DECORADOR DE VERSÍCULOS JÁ REFUTEI MILHARES DE MILHARES DE LUNÁTICOS COMO VOCÊ PARA VOCÊ QUE NÃO CONHECE NADA DE PATRÍSTICA MEU CARO O LIVRO DO APOCALIPSE ENTROU NO NOVO TESTAMENTO EM ULTIMA HORA MUITOS QUERIAM O CÂNON DE MURATORI

      GILMAR MENEZES VOCÊ É UM POBRE HEREGE VAI PREGAR SUAS FABULAS EM QUEM ACREDITA EM PAPAI NOEL

      A IGREJA CATÓLICA É BÍBLICA
      AGUARDE MEU AMIGO O POVO HOJE ESTÁ CONHECENDO A PATRÍSTICA E SITES COMO ESSE DA HELEN ESTÃO ABRINDO OS OLHOS DAS PESSOAS E ENTÃO AS PESSOAS ESTÃO DESCOBRINDO AS MENTIRAS E SAFADEZAS PREGADAS CONTRA A ÚNICA IGREJA DE CRISTO

      • Desculpe amigo, mas a sua falta de educação e arrogância somadas a um péssimo português, até menezes escreves com “s”, estás longe para aconselhar alguém.

        A propósito, se quizer verdadeiramente um conselho, continue com seu linguajar chulo que muitos que verão seus posts não irão depositar credibilidade em voce, ao invés de um agregador, paciente e longânimo em amor, passa a péssima imagem de fanfarrão mal educado.
        O marketing que voce faz pela sua igreja depende de voce, ok?

        Respeito e paz a todos!

  24. Helen, saudações, gostaria de começar lhe perguntando se achas correto, justo e respeitoso que eu lhe respondesse suas perguntas com perguntas? Acredito que não gostaria obviamente.

    Digo isso pois ainda não obtive respostas aos meu questionamentos primeiramente feitos, ou seja, acho justo, correto e respeitoso que a Sra. me responda o que perguntei e depois responderei aos seus questionamentos, até por uma questão de ordem, pode ser?
    Se entendes que já me respondeste sobre meus questionamentos peço por gentileza que copie e cole pois eu já revi seus argumentos e não foi possível detectar a explicação direta e objetiva, mas caso tenha lhe passado desapercebido vou tentar novamente:

    – Se a igreja Católica não admite a idolatria, mas é sabido e notório que as procissões de Sírio de Nazaré, Aparecida, Padre Cícero, Navegantes entre outras são o exemplo escrachado de idolatria, onde fiéis se amontoam para “tocar na imagem de gesso”, choram acenando lenços para a imagem inanimada, ora, se a imagem não tem vida e segundo os católicos ela só teria o fim de fazer o fiel “lembrar de alguém importante do passado” mas ela em si não tem vida, não é algo com poder ou sobrenatural, como explicar milhares ascenando para algo “sem vida”? Chorando ao se aproximar de uma imagem de gesso, jogando pétalas? Ela não era só pra recordar de alguém valoroso? O cenário que se mostra é de não “apenas” uma imagem sem vida, mas algo com “muita” vida segundo as demonstrações explícitas dos romeiros, não é questão de opinião de A ou B, é fato! Ou ninguém aqui imagina ou sabe como é o proceder dos fiéis em uma romaria? Ignorar o que acontece a olhos vistos é muta forçação de barra, desculpe a franqueza.

    Sírio de Nazaré então, pessoas amontoadas pra segurar em uma corda, todas suando às bicas, coladas umas às outras, chorando copiosamente enquanto agarradas na corda, caos total, isso é mentira? Se voce já viu televisão, certamente assistiu a estes eventos citados, estão à mostra para quem quiser ver.

    Uma das suas “respostas” foi de que a Igeja Católica é absolutamente.contra a idolatria e para tanto não apoia nem pratica tal heresia, apesar de voce admitir que alguns podem cometer este erro ingenuamente e exagerar, até aí tudo bem, pois a igreja é constituída de seres humanos, e estes sabidamente são passíveis de erro, mas veja minha dúvida.

    -Segundo esta sua afirmação, minha pergunta foi esta:

    – Se as festas e procissões mostram abusos e extrapolações de fiéis que não possuem entendimento perfeito sobre o tema, ONDE ESTÃO OS PADRES, BISPOS, ARCEBISPOS para intervirem durante as missas ou pronunciamentos oficiais em meios de comunicação a fim de alertarem e orientar seus próprios fiéis para como procederem em prol de uma imagem positiva sobre a Igreja Católica, com objetivo de não criarem confusão doutrinária que venha a questionar a seriedade da cúpula da igreja, pois estes são os RESPONSÁVEIS pela conduta e procedimento do seu povo, PORQUE NÃO SE MANIFESTAM? NÃO É DEVER DELES INTERVIR? ENTÃO NÃO O FAZEM POR CONIVÊNCIA OU DESCASO? OU SE NÃO É ISSO, O QUE SERIA?????

    Helen, por favor me responda onde anda a cúpula da igreja que não intervém nos abusos???

    Reintero meu pedido de receber sua resposta clara, objetiva e direta sobre ESTA questão, meu respeito para com a Sra. é mantido portanto não imagino ou espero recíproca diferente, logo, tenha calma, meu banco dos réus virá, mas na sequência lógica de ordem dos posts, por hora ainda aguardo sua resposta para depois sim entrarmos nas suas dúvidas e questionamentos, ninguém é mais ou melhor aqui para ter primazia nos questionamentos, é mera questão de ordem e assim como eu responderei a todas as suas dúvidas, uma a uma, espero o mesmo da Sra.

    Por favor, se puder responder meu questionamento agradeço, mas adoraria que fosse prática e direta, pois a pergunta que fiz depende do seu entendimento cotidiano sobre os acontecimentos atuais dentro da Igreja Católica, seria muito bom saber o que VOCE pensa a respeito, pois os ex-papas e concílios não podem falar sobre sírio de nazaré, mas voce Helen, consegue me explicar que tipo de “não-idolatria” seria aquilo???

    Por enquanto o banco dos réus permanece com a Sra.

    Respeito e paz a todos.

    • Caro Gilmar,

      Mais uma vez obrigada pela participação. Não acho injusto que eu lhe faça perguntas, haja vista a enorme quantidade de questionamentos que o sr já postou no meu site. Talvez o sr não faça idéia, mas é bastante grande a quantidade de comentários e emails que recebo todos os dias. Se eu pudesse responder a cada um deles, garanto-lhe que o faria. Não é por falta de resposta que não o faço, mas de tempo. O propósito do Blog não é ser um espaço de debate apenas, mas de informação. Os comentários são permitidos como uma forma de tornar interativa a participação dos leitores, que podem interagir entre si, e por vezes diretamente com o blog.

      Meu trabalho está tornando-se demasiado grande para duas mãos apenas. Reconheço que preciso de ajuda, voluntários, mas isso não está no meu poder… Deus há de mandar a solução qdo Ele julgar conveniente.

      Para finalizar reitero que não é um abuso fazer festa ou procissão em homenagem à um santo, que são, de fato, heraldos do Evangelho, exemplo de inspiração à todo homem errante e pecador de como viver uma vida consoante com o Evangelho pregado pelo Cristo e Deus que eles serviram.

      O sr já teve a oportunidade de ler uma biografia de algum santo? Nem mesmo qdo era católico se interessou em saber como viveu, o que disse, o que escrever um S. Tomás de Aquino, por exemplo. Eu, da minha parte, converti-me a Cristo pela leitura da Vida da Santa Teresa de Ávila. Uma leitura belíssima que à toda gente recomendo. Como podem os Santos tirar a glória de Deus, se só fazem ajudar a aumentar o Seu Rebanho? Pergunto-lhe.

      Por enquanto, aguardo suas respostas!!

      • Irmã Helen a paz de Cristo vai um conselho para você irmã
        Olha esse tal Gilmar Menezes tem problemas mentais suas teses são heréticas como demonstrou o Edmilson aqui no blog

        Vai por mim Helen se esse tal Gilmar Menezes procurar a verdade ele vai se libertar
        para terminar Veja essas passagens amiga

        Josué 7,6: “Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel”. – Josué e os anciãos de Israel eram idólatras?

        1Rs 1,22-23: “O profeta Natã… veio perante o rei e se prostrou diante dele”. – O profeta era idólatra?

        2Rs 2,14-15: “Eliseu atravessou o rio. Os irmãos profetas… vieram ao seu encontro e se prostraram por terra, diante dele”. – Os profetas estariam adorando Eliseu?

  25. Sr. Edmilson, por gentileza, poderia me explicar o que significam estas palavras postadas por voce e dirigidas a mim???
    “E ainda você GILMAR MENEZES tem a cara de pau de dizer que quem “criou a Igreja Católica foi Constantino”… hahaha. Conta outra”
    Eu nunca disse esta frase, veja minhas postagens, voce certamente me confundiu com outro que fez tal comentário, talvez por isso que eu vi que estava direcionada a minha pessoa uma série de explicações de papas perseguidos e mortos, coisa que eu nunca perguntei, mas aproveito para que, se o amigo puder como católico que é, responder minhas indagações seria bom, veja os posts assinados por mim e tente me explicar meus questionamentos, de preferência com respeito, sem soberba ou arrogância, se eu não lhe chamei de cara de pau seria boa a recíproca pois todos nascemos sem saber nada e morreremos sem saber de tudo, Aguardo respostas pertinentes as MINHAS PERGUNTAS, ok? Obrigado

    • Gilmar Menezes vi seus posts é são contradições baratas

      OLHA eu amo refutar as seitas protestantes isso da ibope entende tem muitos protestantes que estuda em livros de pontos de vista criado séculos depois dos fatos e depois vem em sites e blog conversar lorotas entende Gilmar Menezes
      olha meu caro eu só refuto esses hereges Gilmar Menezes com testemunhas oculares e fatos verídicos com fonte históricas

      agora poço-te desculpas eu enviei sobre constantino não era pra você

      pois creio que você Gilmar Menezes mesmo sem ser católico sabe que essa afirmação de Constantino ter fundado a igreja católica é uma piada um absurdo

      tão prova que é verdade meu amigo Gilmar Menezes

      que tenho nos meus arquivos mas de 300 escritos de escritores dos três primeiros séculos muito antes de Constantino ter nascido de escritores e historiadores fora da igreja que testifica a igreja católica como a igreja fundada por Jesus Cristo

      • Edmilson, voce citou que viu meus posts e só encontrou contradições baratas, bom vamos lá, eu citei que não existe lógica em comparar os querubins da arca da aliança confeccionados por ordem de Deus com as estátuas de imagens confeccionadas pelos homens por ordem dos próprios homens, para que fique bem claro, OS FINS UTILIZADOS SÃO DISTINTOS, os querubins não eram objetos de romarias, procissões, nem pedidos, nem promessas e agradecimentos, em contrapartida as imagens católicas possuem estas premissas, pedidos, agradecimentos, prossissões e honrarias. Quando o católico diz que Deus ordenou a confecção dos dois querubins para sustentar e justificar o uso das imagens católicas, ele esquece que não houve nenhuma prática nem sequer semelhante com as que são feitas em relação às imagens católicas, portanto o problema em si não está em confeccionar, mas sim na destinação que se dá aquele objeto, não existe um mandamento que fale em apenas “não farás imagem”, ou seja, pode-se fazer imagem, até aí não existe erro, mas o mandamento especifica que não farás imagem e a ela “NÃO TE PROSTARÁS” “NÃO PRESTARÁS CULTO”, com o entendimento a respeito do que significa este mandamento fica visível e explícito que a confecção dos querubins não ultrapassou o mandamento, pois apenas e meramente confeccionar uma simbologia de guardiões da arca, com fins de beleza estética, ornamentação e representação de uma classe angelical É DIFERENTE da forma em que as estátuas e imagens são tratadas, ou seja, SITUAÇÕES DIFERENTES são colocadas pelos católicos como EXEMPLOS IGUAIS, mas então, como pode se concluir que porque Deus mandou fazer dois querubins E PONTO, E SÓ, nada mais além do que a confecção deles, se poderá fazer estátuas para venerações, pagamentos de promessas, pedidos, agradecimentos, arrumar marido, desatar nós???? Se também houveram estas situações com os querubins da arca da aliança podem comparar sem problema, mas todos aqui, independentemente de credo religioso sabemos que não houve nada neste sentido com relação aos querubins da arca, logo não foram situações iguais, uma não feriu o mandamento que cita idolatria, já as imagens, os meios de comunicação mostram as festas de sírio de nazaré, aparecida, navegantes, padre cícero e não há como negar os exageros e exaltações explícitas de idolatria, só não ve quem não quer, e quando dizem que a igreja é contra a idolatria, onde estão os padres, bispos,arcebispos ou qualquer um da cúpula da igreja que alerte o erro nas missas ou em meios de comunicação?? O católico que não se considere idólatra não fica com vergonha dos seus líderes deixarem a coisa solta? Acontecendo sem que ninguém intervenha? Não tem quem seja responsável em combater e aparar as arestas do erro que gera o pecado? Mas daí aparece quem diga, não, isso não é idolatria, é dulia, e em outras situações hiperdulia ou apenas latria, explicação teoricamente maravilhosa, mas na prática como isso se dá? Em meio a multidões, como aferir e detectar que algo subjetivo como sentimento, emoção esteja neste ou naquele grau? Como o padre sabe se determinada pessoa está ajoelhada expressando dulia e outra hiperdulia e outra idolatrando? Existe curso para os fiéis aprenderem a subdividir isso? Como saber se estão aptos,.se conseguem compreender REALMENTE a diferença entre tais níveis distintos de expressão de fé? Toda explicação teórica que carece de confirmação prática, isto sim meu caro Edmilson é uma legítima e genuína contradição furada!
        Gostaria gentilmente de solicitar a resposta às minhas indagações pois depois de três posts com basicamente o mesmo questionamento, NENHUMA RESPOSTA sobre minhas dúvidas foram respondidas, penso que o blog exista para esclarecer e tornar debates de idéias pertinentes entre dúvida/explicação de forma mais objetiva e concreta pois vi respostas na base do “copiar/colar” que serviriam para editar um livro, nada contra, mas se uma pegunta é respondida de forma evasiva, com tons de ironia e prepotencia creio que o objetivo se esvai e acaba sendo um “marketing” negativo para quem deseja convencer e conquistar vidas para Cristo. Respeito e paz a todos.

        • Caro Gilmar,

          Em primeiro lugar respondo à sua queixa de que NENHUMA das suas perguntas foram respondidas. Isso, a mim pelo menos, parece-me leviano. Eu mesma comentei sobre alguns dos seus questionamentos. Agora, se as respostas que o sr recebeu não lhe pareceram satisfatórias, isso é uma outra questão. Lembro, contudo, que o propósito dos comentários abertos não é ser um fórum interminável de perguntas que se repetem indefinidamente. Não há tempo pra isso, seria-me humanamente impossível responder sozinha a tudo o que postam aqui. O mais correto é que o leitor veja as respostas postadas anteriormente, pois no mesmo tópico elas tendem a se repetir, e por isso mesmo dispensam que eu perpetuamente as re-responda uma a uma.

          Agora, partindo ao que interessa mesmo que inevitavelmente eu seja repetitiva, coisa que acima afirmei querer evitar, reafirmo: O Catolicismo é MONOTEÍSTA. Ou seja, prestamos culto a UM Deus. Como afirma o nosso credo e catecismo que abaixo citarei:

          Credo:

          Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso,
          Criador do céu e da terra,
          de todas as coisas visíveis e invisíveis.
          Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
          Filho Unigênito de Deus,
          gerado do Pai antes de todos os séculos
          Deus de Deus, Luz da luz,
          verdadeiro Deus de verdadeiro Deus,
          gerado, não feito,
          da mesma substância do Pai.
          Por Ele todas as coisas foram feitas.
          E, por nós, homens,
          e para a nossa salvação,
          desceu dos céus:
          Se encarnou pelo Espírito Santo,
          no seio da Virgem Maria,
          e se fez homem.
          Também por nós foi crucificado
          sob Pôncio Pilatos;
          padeceu e foi sepultado.
          Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia,
          conforme as Escrituras;
          E subiu aos céus,
          onde está assentado à direita de Deus Pai.
          Donde há de vir, em glória,
          para julgar os vivos e os mortos;
          e o Seu reino não terá fim.
          Creio no Espírito Santo,
          Senhor e fonte de vida,
          que procede do Pai;
          e com o Pai e o Filho
          é adorado e glorificado:
          Ele falou pelos profetas.
          Creio na Igreja
          Una, Santa, Católica e Apostólica.
          Confesso um só batismo para remissão dos pecados.
          Espero a ressurreição dos mortos;
          E a vida do mundo vindouro.
          Amém.

          COmo pode ver, ai não se faz menção a Santo algum. Como se é de esperar. Nossa crença é um UM Deus ÚNICO criador do Céu e Da terra a quem devemos TODA honra e toda Glória e a Quem e somente à Quem devemos adorar! Ponto final.

          Isso é repetido no Catecismo:

          CAPÍTULO PRIMEIRO

          «AMARÁS O SENHOR TEU DEUS
          COM TODO O TEU CORAÇÃO,
          COM TODA A TUA ALMA
          E COM TODAS AS TUAS FORÇAS»

          2083. Jesus resumiu os deveres do homem para com Deus nestas palavras: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente» (Mt 22, 37) (1). Elas são um eco imediato do apelo solene: «Escuta, Israel: o Senhor nosso Deus é o único» (Dt 6, 4).

          Deus foi o primeiro a amar. O amor do Deus único é lembrado na primeira das «dez palavras». Em seguida, os mandamentos explicitam a resposta de amor que o homem é chamado a dar ao seu Deus.

          ARTIGO 1

          O PRIMEIRO MANDAMENTO

          «Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egipto, dessa casa da escravidão. Não terás outros deuses perante Mim. Não farás de ti nenhuma imagem esculpida, nem figura que existe lá no alto do céu ou cá em baixo, na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não te prostrarás diante delas nem lhes prestarás culto (Ex 20, 2-5) (2).

          «Está escrito: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto”» (Mt 4, 10).

          I. «Ao Senhor teu Deus adorarás, a Ele servirás»

          2084. Deus dá-Se a conhecer lembrando a sua acção omnipotente, benevolente e libertadora, na história daquele a quem se dirige: «Sou Eu [...] que te tirei da terra do Egipto, dessa casa da escravidão» (Dt 5, 6). A primeira palavra encerra o primeiro mandamento da Lei: «Ao Senhor, teu Deus, adorarás, a Ele servirás [...]. Não ireis atrás de outras divindades» (Dt 6, 13-14). O primeiro apelo e a justa exigência de Deus é que o homem O acolha e O adore.

          2085. O Deus único e verdadeiro revela, antes de mais, a sua glória a Israel (3). A revelação da vocação e da verdade do homem está ligada à revelação de Deus. O homem tem a vocação de manifestar Deus pelo seu agir, em conformidade com a sua criação, «à imagem e semelhança de Deus» (Gn 1, 26).

          «Não haverá jamais outro Deus, ó Trifão, e nunca houve outro, desde os séculos [...], senão Aquele que fez e ordenou o Universo. Não pensamos que o nosso Deus seja diferente do vosso. É o mesmo que fez sair os vossos pais do Egipto, pela sua mão poderosa e braço levantado. Nós não pomos as nossas esperanças em qualquer outro, que não há, mas no mesmo que vós, o Deus de Abraão, Isaac e Jacob» (4).

          2086. «O primeiro dos preceitos abrange a fé, a esperança e a caridade. De facto, quem diz Deus diz um ser constante, imutável, sempre o mesmo, fiel, perfeitamente justo. Daí se segue que devemos necessariamente aceitar as suas palavras e ter n’Ele uma fé e confiança plenas. É todo-poderoso, clemente, infinitamente propenso a bem-fazer. Quem poderia não pôr n’Ele todas as suas esperanças? E quem seria capaz de não O amar, ao ver os tesouros de bondade e ternura que derramou sobre nós? Daí a fórmula que Deus emprega na Sagrada Escritura, quer no princípio, quer no fim dos seus preceitos: Eu sou o Senhor» (5).

          Quanto às Imagens, eis o que afirma o catecismo:

          IV. «Não farás para ti nenhuma imagem esculpida…»

          2129. Esta imposição divina comportava a interdição de qualquer representação de Deus feita pela mão do homem. O Deuteronómio explica: «Tomai muito cuidado convosco, pois não vistes imagem alguma no dia em que o Senhor vos falou no Horeb do meio do fogo. Portanto, não vos deixeis corromper, fabricando para vós imagem esculpida» do quer que seja (Dt 4, 15-16). Quem Se revelou a Israel foi o Deus absolutamente transcendente. «Ele é tudo», mas, ao mesmo tempo, «está acima de todas as suas obras» (Sir 43, 27-28). Ele é «a própria fonte de toda a beleza criada» (Sb 13, 3).

          2130. No entanto, já no Antigo Testamento Deus ordenou ou permitiu a instituição de imagens, que conduziriam simbolicamente à salvação pelo Verbo encarnado: por exemplo, a serpente de bronze (61) a arca da Aliança e os querubins (62).

          2131. Com base no mistério do Verbo encarnado, o sétimo Concílio ecuménico, de Niceia (ano de 787) justificou, contra os iconoclastas, o culto dos ícones: dos de Cristo, e também dos da Mãe de Deus, dos anjos e de todos os santos. Encarnando, o Filho de Deus inaugurou uma nova «economia» das imagens.

          2132. O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. Com efeito, «a honra prestada a uma imagem remonta (63) ao modelo original» e «quem venera uma imagem venera nela a pessoa representada» (64). A honra prestada às santas imagens é uma «veneração respeitosa», e não uma adoração, que só a Deus se deve:

          «O culto da religião não se dirige às imagens em si mesmas como realidades, mas olha-as sob o seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não se detém nela, mas orienta-se para a realidade de que ela é imagem» (65).

          Sendo assim, como muito claramente ensina o catecismo, a homenagem prestada não é à imagem – ícone – mas ao ORIGINAL que ele meramente representa! Se nós podemos homenagear a memória dos nossos heróis no mundo temporal, um grande ícone da história temporal, por exemplo, com bustos, estátuas, pinturas e poemas, sem incorrer alguma espécie de idolatria, por que haveria de ser diferente como os “heróis” servos de Deus!?

          Francamente, já passamos do limite do aceitável quanto à acusação de idolatria sustentada por 99 por cento dos protestantes que aqui aparecem! Se esta é a grande acusação que mantêm contra a Igreja, então devo informá-los que não têm nenhuma!

          No início de seu comentário o sr parece demonstrar aceitar que nem todo “imagem” é proibida. O que é bom, já é um começo. Mas tropeça ao concluir que a imagem dos santos sejam, por causa das explícitas honrarias que recebem, alguma espécie de deus com poderes especiais na visão católica! Isso é uma verdadeira estapafúrdia que só pode ser explicada pelo fato de que no Protestantismo a noção da doutrina da comunhão dos Santos.

          Ora, nós na terra somos os santos viventes na carne. Os dos céu são os Santos vivos em Espírito, como muito bem nos ensina S. Paulo. Somos todos partes da videira, membros do Corpo, que como sabemos tem como cabeça o Cristo que nos redimiu. Se a Ele estamos unidos, Nele vivemos e com Ele, por Ele e junto a Ele intercedemos um pelos outros. Seja no Céu ou na Terra. Assim, pela bondade e misericórdia do Único Deus que nos criou, somos capazes de ajudar-nos uns aos outros, com nossas preces e intercessão até mesmo depois de deixarmos a carne.

          Agora, eis aqui algumas perguntas ao Sr. Gilmar:

          1- Se o Magistério da Igreja é supérfluo, pois basta-nos crer em Cristo e ler a Sagrada Bíblia para o bom aprendizado e entendimento da Fé Cristã. Como é que o Irmão explica as inúmeras discrepâncias entre as mais de 50 mil denominações evangélicas?

          2- Haja visto que o Senhor Cristo orou pela UNIDADE de sua igreja, como o Sr Gilmar justificaria o fato de que a cada dia surgem novas Igrejas e novas doutrinas? Estariam todos a fazer a vontade de Cristo, simplesmente porque professam crer Nele?

          3- Se a fé somente salva, como explicar as palavras de Cristo, para citar uma passagem apenas, haja vista que a Sola Fide pode ser refutada por um arsenal de passagens bíblicas que aqui não citarei, mas que se encontram disponíveis no blog sob o tema Sola Fide, onde Jesus claramente diz que a fé não é o único meio de salvação, senão a prática dela? E praticar está intrinsecamente ligado à ação.

          Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
          Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
          Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;
          Mateus 7:21-24

          4- Como é que o cristão põe em prática a sua fé? Como boas ações?

          Sr Gilmar, bem-vindo ao banco dos réus!

          Pax Domini

          • Helen, os outros dois questionamentos que ainda pairam SEM RESPOSTA:

            – Como se subdivide dulia, hiperdulia, latria e idolatria? Como a cúpula da Igreja Católica confere e sabe se todo o fiel esta expressando dulia ao invés de hiperdulia? Ou apenas latria ao invés de idolatria? Como se afere na prática os níveis individuais desteas expressões já que são sentimentos internos e subjetivos que não se pode ver externamente? Em meio a uma multidão de fiéis, como saber quem esta com a prática correta e quem está com a prática errada?

            – Todos sabemos que Deus é unipresente e unisciente, ou seja, pode estar em.todos os lugares ao mesmo tempo.e saber de tudo.ao mesmo tempo, então como um santo católico consegue receber as petições de milhões defiéis em um único evento antes de entregar à Deus??

            – Vejo citações de concílios e todo o tipo de explicações mas ainda penso que, não adianta existirem tratados escritos que condenem e repudiem a idolatria se na parte prática não houver coerência. Fica fácil explicar a idolatria afirmando que na verdade existem níveis diferentes de latria dulia e superdulia, mas saindo da teoria a Sra. pode me explicar o funcionamento disso na vida prática? Assim como santos sem unisciencia que atendem a milhões ao mesmo tempo?

            Para esclarecimento tanto aos que vemao blog como para os participantes do mesmo penso ser de vital importância as explicações pertinebtes para tais situações para que possamos daí sim dar valor a uma igreja com mais de 2000 anos e com mais de 500 manuscritos, caso contrário, se com toda esta bagagem não conseguirem explicar de forma CLARA E OBJETIVA na parte prática como funcionam estas questões fica evidente que não se pode explicar o que não pode acontecer.

            Respeito e paz a todos, e menos rancor neste coraçãozinho Sra. Helen.

          • O ANALFABETO GILMAR MENEZES VOCÊ NÃO SABE COMO ADORO E AMO REFUTAR HEREGES ANALFABETOS COMO VOCÊ ISSO ME DIVERTE

            VAI UM CONSELHO FILHO DE LUTERO PARE DE ESTUDAR NESSES LIVROS DE APOLOGÉTICA DE PASTORES DE FUNDO DE QUINTAL ISSO APODRECEU O SEU CÉREBRO SE É QUE VOCÊ TEM!

            ANALFABETO DENTRO DA BÍBLIA DEUS DIZ NÃO COMETERÁS ADULTÉRIO
            VOCÊ AGORA JÁ VIU O VÊ DEUS ENTRANDO EM CONTRADIÇÃO E DIZER EM OUTRAS PASSAGENS BÍBLICAS PODES COMETER ADULTÉRIO É CLARO QUE NÃO HEREGE DE MEIA TIGELA!

            DEUS DIZ HONRA TEU PAI E MÃE HEREGE GILMAR MENES VOCÊ JÁ VIU EM OUTRAS PASSAGENS BÍBLICAS DEUS DIZER A ALGUNS DOS SEUS SERVOS MATE SEU PAI E SUA MÃE E NÃO OS HONRE É CLARO QUE NÃO HEREGE ANALFABETO!

            RESUMINDO GILMAR HEREGE DEUS DIZ NÃO FARÁS IMAGENS ELE SE RESUME AOS ÍDOLOS DO EGITO EM QUE O POVO ESCOLHIDO ESTAVA

            VAI ESTUDAR FILHO DE LUTERO VOCÊ SÓ CONVERSA HERESIAS DE DOENTES MENTAIS

            GILMAR MENESES DEUS NÃO VOLTA ATRÁS DE SUA PALAVRA NO QUESITO ORDEM E MANDAMENTO POR ISSO SE FOSSE PROIBIDO FAZER IMAGENS ELE JAMAIS DARIA ORDENS PARA FAZER-LAS E OUTRA SEU ANALFABETO TODOS OS TEMPLOS DO POVO JUDEU TINHA VARIAS IMAGENS E PINTURAS

            VOCÊ É UM PIADISTA DOENTE OLHA SEU CHARLATÃO NENHUM PADRE DA IGREJA CONDENOU IMAGENS E PINTURAS E OS SANTOS

            SÓ DEPOIS DE SURGIR AO MUNDO A DOENÇA SATÂNICA DE NOME PROTESTANTISMO É QUE COMEÇOU ESSA SAFADEZA

            GILMAR MENEZES VOCÊ É UM POBRE LEIGO DOENTE QUE VOU AMAR ADORA REFUTAR AQUI NESSE SITE PARA OS NOSSOS MILHARES DE LEITORES APRECIAR COMO É SIMPLES REFUTAR HEREGES DOENTE COMO VOCÊ

            • Edmilson, se continuar com esta ira incontida além de cientificamente comprovado que pode gerar câncer demonstra falta de bom senso e muitíssima falta de educação.
              Me nomeclaturar como: CÉREBRO DE MINHOCA, HEREGE DO INFERNO, PIADISTA DO SÉCULO E IDIOTA EMANDAR EU LAVAR A BOCA como se eu fosse criança e voce minha mãe, não é elegante nem tão pouco respeitoso, sendo que nunca lhe direcionei tais tratamentos.

              Espero que alguém responsável pelo blog venha a intervir com estes seus adjetivos chulos, acaba causando uma péssima impressão sobre a seriedade dos participantes, e voce como católico acaba fazendo um marketing ruim para a sua igreja pois quem não tem controle emocional nem mede suas palavras desrrespeitando seu próximo mostra quem REALMENTE É E DO BERÇO DE ONDE VEIO.

              E responder um post com OITO Posts, eu disse O I T O (8) Posts, cada um com 10 kilometros de extensão passa a idéia de sufocar meu post deixando-o lá no meio sem que outros possam encontrá-lo mais próximo do último post, isto também quando se vê os tamanhos de suas respostas FICA CLARA ESTA TÉCNICA EM ESVAZIAR MEU QUESTIONAMENTO.
              Agradeço por esta atitude, pois também acaba por mostrar a sua forma de “esconder” o que eu citei no meu post e isso as pessoas também percebem, mesmo que voce pense que as pessoas tem cérebro de minhoca, nunca subestime quem não conhece.

              Se suas literaturas “extra bíbicas” fossem vistas como verdade por mim eu teria continuado católico, logo de nada me convence suas infinitas explicações de concílios e catecismos, que são verdades para QUEM ACREDITA que sejam verdades, agora voce chegar para quem não as crê e dizer: ” olha aqui, fulano no ano 365 disse assim e assim e ciclano em 415 confirmou que isso e aquilo, viu como eu consigo te provar?” Provar? que fácil não? amigo, se voce pergunar para os kardecistas algo ou contraditá-los eles dirão: “veja o livro tal e tal e verá que posso provar minha teoria”, os testemunhas de jeová dirão: “na sentinela despertai do ano tal, pagina tal verás e poderás comprovar tudo que dizemos”, se voce contraditar a existência de ETs com algum ufólogo ele lhe dirá: “tenho centenas de revistas e artigos oficiais de pessoas sérias e responsáveis com testemunhas oculares e pela quantidade de documentos consigo te provar a existência de ETs”.
              A verdade de cada um aceita aquilo que ELE vê como verdade e isso é PROVA PARA ELE, mas não significa que isso prova alguma coisa para quem que descarte tais documentos.
              Ou seja, a SUA VERDADE serve pra VOCE que acredita nela, quem não ve como verdade não vai adiantar voce ficar só na base do copie e cola em 90% do que escreve, continue assim mostrando a sua forma de “evangelizar” as pessoas.

              Em apocalipse no último capítulo Deus diz para que NÃO SE ACRESCENTE NEM UMA VÍRGULA SEQUER NEM SE RETIRE NADA DESTE LIVRO.
              É uma advrtência, quem quiser se submeter a Deus e acatar seus conselhos ótimo, quem quiser acrescentar que acrescente, cada um cada um.

              SE A BÍBLIA NÃO FOSSE COMPLETA HAVERIA O 3° TESTAMENTO OU ALGO DO TIPO, ACEITAR OUTROS LIVROS “EXTRA” É ADMITIR QUE DEUS FOI INCOMPLETO, E QUE O HOMEM NATURAL APARECEU PARA DAR UMA MÃOZINHA.

              DEUS NÃO PRECISA DE “MÃOZINHA”
              DEUS É DEUS!
              Deixe por uns momentos o computador e seus documentos de lado e saia a campo, vá em uma romaria e veja em loco, ao vivo o que acontece, não esqueça que já fui católico e participei eu mesmo de filas para beijar os pés de uma estátua, lembro-me de beijar aquele gesso frio, com resquícios de saliva das outras pessoas, era algo patético, se ter cérebro de minhoca é não aceitar coisas como esta, ok.

              A propósito, estou no aguardo da Helen me responder, mesmo tendo divergência de idéias tem se mostrado infinitamente mais BEM EDUCADA QUE VOCE EDMILSON.

              E se quiser continuar falando do “seu jeito” vá em frente, mostre a todos como voce é e como voce se comporta, para quem acha que está em Cristo com esta conduta e pretende convencer e conquistar fiéis indecisos, quem irá desejar ser como voce é?
              Quem vê um católico sendo arrogante e mal educado que manda quem o contradiz “vá lavar a boca” jamais irá ter isso como exemplo a ser seguido.

              Quem possui o espírito santo de Deus possui auto controle e jamais usaria o seu.palavreado.
              CONTINUES ASSIM, PARABÉNS, SIGA MOSTRANDO AO MUNDO QUE TIPO DE ESPÍRITO TENS.

              “Conhecereis a árvore pelos seus frutos”

              PELO SEUS FRUTOS AQUI APRESENTADOS NO TRATAMENTO COM AS PESSOAS, VOCE ACREDITA QUE SUA ÁRVORE É BOA OU MÁ?

          • Saudações Sra. Helen,

            Sobre seus questionamentos: (as duas primeiras questões tem a mesma resposta)
            1- Se o Magistério da Igreja é supérfluo, pois basta-nos crer em Cristo e ler a Sagrada Bíblia para o bom aprendizado e entendimento da Fé Cristã. Como é que o Irmão explica as inúmeras discrepâncias entre as mais de 50 mil denominações evangélicas?
            2- Haja visto que o Senhor Cristo orou pela UNIDADE de sua igreja, como o Sr Gilmar justificaria o fato de que a cada dia surgem novas Igrejas e novas doutrinas? Estariam todos a fazer a vontade de Cristo, simplesmente porque professam crer Nele?

            Helen, eu tenho como regra de vida e fé a Bíblia, ela me basta e produz sentido completo, sem coisas “inexplicáveis” como idolatrias, dulias, encomendar os mortos, e várias outras coisas que, respeito quem crê, mas não me apetecem.
            Eu respondo por mim, pela minha fé e pela minha conduta para com meus irmãos em Cristo ou não, nos seus dois primeiros questionamentos voce repassa a responsabilidade para mim, como se eu tivesse a obrigação de saber o porque de condutas alheias à mim ou à minha igreja, como eu explico as dissenções? Ora, se caso ocorrer alguma na minha igreja serie o primeiro a lhe relatar, mas no momento eu não tenho nada a ver com isso, se existe agum ou alguns apostatando da verdadeira fé, estes haverão de prestar contas, mas eu estou muito tranquilo quanto à minha fé, não apoio o aborto, não apoio casamento homossexual, ou seja, se eu estiver em desacordo com a palavra de Deus, automaticamente estarei fora do propósito.
            Isto é algo que escuto com frequência, que toda e qualquer falha de alguma igreja que se diz “evangélica” transpõe-se a todas as verdadeiras igrejas “evangélica”.
            Igreja Evangélica, em sua essência é aquela que prega, exorta e segue o que está no Evangelho, se alguma congregação prega o aborto, logo, não é evangélica, se alguma congregação prega o casamento entre pessoas do mesmo sexo, logo não é evangélica, pois aborto e casamento entre pessoas do mesmo sexo não são aceitos nem defendidos na Bíblia Sagrada.

            Dizer que existe uma Igreja Evangélica que não condena casamentos gays, obviamente não é Evangélica pois não tem o Evangelho como norma e regra de fé, ou seja, o que o evangelho prega como erro não pode estar presente no seu meio pois automaticamente está descaracterizada como IGREJA EVANGÉLICA.
            Ou por chacota ou desconhecimento do conteúdo bíblico, muitos falam que determinada “igreja evangélica” rouba ou faz crendices que fogem à luz da bíblia, então, se roubo, ou crendices “extra-bíblia” são protagonizados, o conceito “evangélico” fica só na linguagem, mera caricatura.

            Digo e repito, eu respondo por mim, se exitem mais de 50 mil igrejas hipócritas diante de Deus, elas irão arcar com seus erros, não eu, não sou advogado de igreja apóstata, sou apenas um cristão que conheceu jesus e este transformou minha vida, ele me capacita para perceber o erro e a cilada quando estes aparecerem, sou sincero e honesto contigo Sra. Helen, sempre busquei minhas respostas na Palavra de Deus e voce por muitas vezes buscou suas respostas nos concílios e catecismos, nunca me faltou argumentação coerente e objetiva, pois as respostas não são minhas, mas o que Deus escreveu, imagino o porque da dificuldade em voce responder aos meus questionamentos de forma direta e objetiva,
            eu tenho as respostas do próprio Deus, voce tem as respostas de ex-papas, com todo o respeito, aquele em que me baseio criou eu e voce e tudo o que nos cerca, quanta diferença entre Deus e os ex-papas, que até eles foram por Deus criados, beba na fonte Sra. Helen, é a única água que realmente mata a sede, já estive em outros campos de batalha e tenho como comprara, não porque me disseram, mas porque eu vivi.

            3- Se a fé somente salva, como explicar as palavras de Cristo, para citar uma passagem apenas, haja vista que a Sola Fide pode ser refutada por um arsenal de passagens bíblicas que aqui não citarei, mas que se encontram disponíveis no blog sob o tema Sola Fide, onde Jesus claramente diz que a fé não é o único meio de salvação, senão a prática dela? E praticar está intrinsecamente ligado à ação.

            Eu nunca disse nem concordei com isto, sei que a fé com obras fazem o complemento e eu tenho participado disso na minha vida cotidiana, vou te contar uma coisa, eu construo maquetes físicas em escala, e lhe asseguro que é um trabalho árduo, modificações de projeto sem prazo estendido, alteração na maquete de última hora, em todas as situações mais absurdas e imagináveis, onde beirava o desespero, estressado, intoxicado por colas e tintas e com um cançaso mental fora do comum, eu clamo por ele, Jesus, Jesus, ele me orienta e me ajuda de forma sobrenatural, sempre lembro que ele por ser carpinteiro (não significa que ele não possa ajudar qualquer um em qualquer área), mas Jesus tinha como profissão algo relacionado com medidas, retas, curvas, detalhes e acabamentos, tu não tens idéia o que ele tem me orientado, e só ele, sem vela, sem santo, so Jesus.
            Não quero te importunar, mas eu hoje digo que sou muito feliz, e tenho convicção e entendimento na palavra que nunca pensei ter antes de conhecê-lo, fico triste quando vejo pessoas no teu blog falando absurdos sobre minha pessoa sem me conhecer e saber da minha caminhada, entrei neste blog prar compartilhar opiniões, mesmo que divergentes, confesso um pouco de decepção e confirmando o quanto alguns católicos carecem de humildade e amor pra tratar os seus semelhantes, mesmo que sejam de outra denominação, pois antes da religião de cada um, ali vai um ser humano que respira o mesmo ar e depende de Deus tanto quanto voce ou outra pessoa, se pude colaborar com minhas respostas agradeço e penso ter ajudado, direta ou indiretamente, pois se alguém entender o que digo e passar pelo blog já dei minha contribuição.

            Respeito e paz a todos

            • Olá Gilmar,

              Obrigada pela resposta.
              Apesar de moderá-la agora, vou ler tudo com calma mais tarde e volto a discutir mais tarde.

              Pax Domini

            • GILMAR MENEZES, FALOU FALOU MAS SÓ DEMONSTROU PONTOS DE VISTA. OLHA AS IGREJAS DE HOMOSSEXUAIS SÃO PROTESTANTE, QUEIRA OU NÃO QUEIRA, POIS NASCERAM DO LIVRE EXAME BÍBLICO.

              VOCÊ DIZ QUE A BÍBLIA CONDENA IMAGENS, MAS DENTRO DA BÍBLIA TEM MAIS DE 70 PASSAGENS QUE MOSTRAM IMAGENS NOS TEMPLOS E AINDA DEUS COLOCANDO SUA GLORIA NELAS…

        • GILMAR MENESES PIADISTA DO SÉCULO MEDITE CÉREBRO DE MINHOCA
          SE CASO FOSSE PROÍBIDO FAZER IMAGENS O HEREGE CONTRADITÓRIO
          A BÍBLIA DO NOVO TESTAMENTO SERIA OUTRA

          OLHA GILMAR MENEZES A BÍBLIA DO NOVO TESTAMENTO ELA SÓ FOI CONCLUÍDA NO TERCEIRO SÉCULO HEREGE ANALFABETO
          AGORA NO PRIMEIRO E SEGUNDO SÉCULO DA ERA CRISTÃ
          ERAM LIDOS NAS IGREJAS ERAM AS CARTAS DOS APOSTÓLOS E DOS PAPAS ESCRITORES E DOS PADRES DA IGREJA E DOS PDRES APOSTÓLICOS

          GILMAR ALMA ERRANTE SE DUVIDA ME REFUTE PIADISTA NOS PRIMEIRO SÉCULO ERAM MAIS DE 500 CARTAS E MUITAS DELAS ERAM HERÉTICAS AGORA ANALFABETO FILHO DE LUTERO QUEM CELECIONOU OS 27 LIVROS FORAM OS PADRES DA IGREJA E OS BISPOS DA ÉPOCA FILHO DA DISCORDIA QUEM JULGOU SER APOCRÍFO OU NÃO FOI A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA E NÃO FOI NENHAMA SEITA SATÂNICA PROTESTANTES SEU PIADISTA ATÉ POR QUE PROTESTANTES NÃO EXISTIAM

          GILMAR MENEZES PIADISTA APRENDA A DIFERENÇA ENTRE IMAGEM E ÍDOLO
          MAIS NÃO VAI BUSCAR ISSO EM LIVROS DE PROTESTANTES ISSO É O CÚMULO
          Pois GILMAR MENEZES imagem não é o mesmo que ídolo. Chama-se ídolo: uma imagem falsa, um simulacro a que se atribui vida própria, conforme explica o profeta Habacuc (2, 18). Eis o que claramente indica Habacuc, dizendo: “Ai daquele que diz ao pau: Acorda, e a pedra muda: Desperta” (Hc 2, 19)
          GILMAR MENEZES A Bíblia reza no livro de Josué: “Josué prostrou-se com o rosto em terra diante da arca do Senhor, e assim permaneceu até à tarde, imitando-o todos anciãos de Israel” (Jos 7, 6).
          Terão sido idólatras Josué e os anciãos de Israel?
          GILMAR MENEZES foi Deus ainda que ordenou a Moisés levantar uma “serpente” de metal (Nm 21, 8) e todos os que olhassem para ela seriam curados. Ora, que “olhar” é esse que confere uma cura milagrosa diante de uma estátua de metal?
          GILMAR MENEZES HEREGE E AINDA temos as provas de como esse culto era já uma pré-figura do culto à Deus nas palavras de S. João, que diz que tal “serpente” era o símbolo do Cristo crucificado: “Bem como ergueu Moisés a serpente no deserto, assim cumpre que seja levantado o Filho do Homem” (Jo 3, 14).
          GILMAR MENES por acaso caíram também Moisés e S. João, e até o Espírito Santo (autor da Sagrada Escritura) em crime de idolatria? É claro que não.
          A idolatria consistiria em achar que a divindade está em uma estátua, por exemplo. Ou seja, teríamos que colocar alimentos para as imagens, como faziam os romanos, os egípcios e os demais povos idólatras. Teríamos que achar que Deus e o santo são a mesma pessoa. No fundo, seria dizer que S. Benedito não é e nem foi S. Benedito, mas foi Deus, etc.
          GILMAR MENEZES HEREGE e que eu sei é que nunca se ouviu algum católico defendendo que o Santo era Deus! Mesmo porque isso seria cair em um panteísmo (defendido por Calvino e Lutero em algumas de suas obras). Para se dizer que os católicos adoram os santos, eles teriam que dizer que S. Benedito, por exemplo, não é S. Benedito, mas Deus.
          E, ainda mais difícil, os católicos teriam que afirmar que S. Benedito é a estátua, uma espécie de amuleto mágico…
          APRENDA UMA COISA GOMAR MENEZES HEREGE QUE nenhum católico acredita que o santo seja Deus ou que ele seja a madeira da estátua (como uma divindade). Logo, não há idolatria possível, visto que esta consiste em adorar um falso deus.
          VOCÊS DAS SEITAS protestantes argumentam que só é possível fazer imagens quando Deus expressamente permite.
          Pergunta-se: ME MOSTRE HEREGE GILMAR MENEZES onde está essa norma na Bíblia?
          É uma contradição dos protestantes, pois tudo para eles está na Bíblia, todavia, para condenar os católicos, não é necessária a Bíblia…GILMAR MENEZES VOCÊS SÃO A BESTA DO APOCALIPSE POIS VOCÊS DAS SEITAS PROTESTANTES NEM 500 ANOS AINDA TEM GILMAR MENEZES E JÁ DIVIDIDA EM MAIS DE 50 MIL SEITAS NO BRASIL TEM SEITAS DE TODOS OS NAIPES TEM SEITAS DE HOMOSSEXUAIS SEITAS DA MACONHA TEM OS MÓRMONS AS TESTEMUNHAS DE JÉOVÁ DO EDIR MACEDO ETANTAS E TANTAS…
          Pobre alma de nome GILMAR MENEZES o que eu sei e que todos os padres da igreja sabem e pregou é que Deus proíbe a idolatria e não o uso de imagens
          Gilmar Menezes o mesmo Deus, no mesmo livro do Êxodo em que proíbe que sejam feitas imagens, manda Moisés fazer dois querubins de ouro e colocá-los por cima da Arca da Aliança (Ex 25, 18-20). Manda-lhe, também, fazer uma serpente de bronze e colocá-la por cima duma haste, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas (Num 21, 8-9). Manda, ainda, a Salomão enfeitar o templo de Jerusalém com imagens de querubins, palmas, flores, bois e leões (I Reis 6, 23-35 e 7, 29).
          Ora, se Deus manda fazer imagens em várias passagens das Sagradas Escrituras (Ex 25, 17-22; 1Rs 6, 23-28; 1 Rs 6, 29s; Nm 21, 4-9; 1Rs 7, 23-26; 1 Rs 7, 28s; etc) e proíbe que se façam imagens em outra, de duas uma, ou Deus é contraditório ou fazer imagens não é idolatria!
          Portanto, fica claro que o erro não está nas imagens, mas no tipo de culto que se presta à elas.
          Os Judeus, saindo da dominação egípcia, um povo idólatra, tinham muita tendência à idolatria. Basta ver o que aconteceu quando Moisés desceu do Monte Sinai com as Tábuas da Lei e encontrou o povo adorando o “Bezerro de Ouro” como se ele fosse uma divindade, um amuleto. É claro, como permitir que um povo tendente à idolatria fosse fazer imagens.
          AGORA GILMAR MENEZES nas imagens católicas se representam os santos, que são pessoas que possuem virtudes que os tornam “semelhantes” a Deus, como afirmou S. Paulo: “já não sou eu quem vivo, mas é Cristo que vive em mim“.
          E MAIS GILMAR MENEZES nas catacumbas encontram-se, em toda parte, imagens e estátuas da Virgem Maria; prova de que tal culto existia no tempo dos apóstolos e foi por eles praticado, ensinado e transmitido à posteridade. Uma das imagens de Nossa Senhora, segundo a tradição, foi pintada pelo próprio S. Lucas e está na catedral de Loreto, exposto à veneração dos fiéis.
          As imagens católicas representam pessoas virtuosas. Virtude essa que provém da graça de Deus. O mesmo não se dava na idolatria, pois os povos idólatras representavam as virtudes e os vícios em seus ídolos.
          GILMAR MENEZES AGORA PRA VOCÊ QUE NÃO CONHECE DE PATRÍSTICA SAIBAS QUE FOI NO Concílio de Trento formalmente legitimou o uso das imagens: As imagens de Jesus Cristo, da Mãe de Deus, e dos outrossantos, podem ser adquiridas e conservadas, sobretudo nas Igrejas, e se lhes pode prestar honra e veneração; não porque há nelas qualquer virtude ou qualquer coisa de divino, ou para delas alcançar qualquer auxílio, ou porque se tenha nelas confiança, como os pagãos de outrora, que colocavam a sua esperança nos ídolos, mas, sim, porque o culto que lhes é prestado dirige-se ao original que representam, de modo que nas imanges que possuímos, diante das quais nos descobrimos ou inclinamos a cabeça, nós adoramos Cristo, e veneramos os santos que elas representam (Sess XXV).
          O Concílio de Nicéia, o primeiro celebrado na Igreja, no ano de 325, sob o Papa S. Silvestre I e o imperador Constantino, defende o culto das imagens contra os iconoclastas, com um vigor admirável.
          E MAIS GILMAR MENEZES SE lê-se nos atos deste concílio: Nós recebemos o culto das imagens, e ferimos de anátema os que procedem de modo contrário. Anátema a todo aquele que aplica às santas imagens os textos da escritura contra os ídolos. Anátema a todo aquele que as chama ídolos. Anátema àqueles que ousam dizer que a Igreja presta culto a ídolos.

          GILMAR MENEZES UM PIADISTA COMO TODA SEITA PROTESTANTE

          • Vai um sincero conselho pra vc GILMAR MENEZES aprenda agora, como se livrar do Protestantismo e se tornar um autentico Cristão pois um protestante sincero, que estivesse em sua seita por ignorância invencível, teria que praticar sinceramente o que ensina a sua seita protestante.

            Como todas elas mandam ler a Bíblia, você GILMAR MENEZES teria que ler a Bíblia com atenção e respeito.

            Pois, GILMAR MENEZES ao ler a Bíblia, você encontraria , nos Atos do Apóstolos, o eunuco da Rainha de Candace diz que não adiante ler a Bíblia, sem ter alguém que a explique (Atos 8,31).

            E esse protestante supostamente sincero, lê a Bíblia sem que ninguém lha explique, pois para o protestante não é necessário que ninguém explique a Bíblia a ninguém.

            Todos seriam inspirados pelo Espírito Santo, ao ler a Sagrada Escritura, entendendo-a infalivelmente.

            Mas, então, GILMAR MENEZES como é que o eunuco da rainha, afirmou, na Bíblia, que não pode se entender a Bíblia, se alguém não a explica?

            Por acaso o Espírito Santo teria deixado de atender ao eunuco, enquanto ele lia a Bíblia? GILMAR MENEZES VOCÊS PROTESTANTES… leia com os seus olhos, que a Bíblia afirma que “A fé vem pelo ouvido” (Rom 10, 17).

            E para o protestante a fé vem pelos olhos, vem pela leitura. E não pelo ouvido. Ao ler isso, nosso suposto protestante de boa fé, começaria a se perguntar se o protestantismo, de fato, é certo.

            E MAIS GILMAR MENEZES, mais adiante, veja que no Evangelho de São Lucas, Isabel saudou Maria chamando-a de “Mãe de meu Senhor”. E que todas as gerações chamariam Maria de bem aventuradada. .. Exceto a geração de Lutero, que se recusa honrar à Maria…

            Agora esse protestante sincero e de boa fé — em ignorância já meio vencida — leria que, na Cruz, Cristo disse: “Mulher, eis aí o teu filho. E, dirigindo-se ao discípulo, disse-lhe: “Filho, eis aí tua mãe”. ( Luc 19. 26-27).

            Depois de ler, esse testamento de Cristo, como esse protestante “sincero” como poderia ele continuar a chamar a Mãe de Cristo, e nossa Mãe misericordiosa, apenas de “a Maria”, como os protestantes normalmente o fazem?

            E mais GILMAR MENEZES e depois de ler que Cristo deu a PEDRO as chaves do Reino dos céus, e lhe confiou a missão de apascentar cardeiros e ovelhas de Cristo, como continuar protestante, negando o pastor chefe estabelecido por Cristo?

            Como continuar eu ti pergunto GILMAR MENEZES, como continuar esse sincero protestante, (agora, sincero sem aspas)? E ademais de ler a Bíblia – que condena de mil modos o protestantismo — esse protestante estranhamente “sincero” deveria também estudar as origens do protestantismo.

            Deveria estudar a vida de Lutero. Lendo essa vida, e lendo suas Tische Redden — suas “Conversas à Mesa”– veria que o heresiarca de Wittenberg chamou Cristo de adúltero e de bêbado (Luthero, Tische Redden, ed Weimar, II, 107, n*1472 , apud F. F. Brentano, Lutero, p 151.) . Lendo as obras do heresiarca, veria que, para Lutero, quanto mais o homem pecasse, mais provaria ter fé.

            Daí o princípio protestante: “Crê firmemente, e peca muitas vezes”. Pesquisando os cadernos de anotação de Lutero, ficaria sabendo que, para esse herege, Cristo era Deus e o diabo, ao mesmo tempo (Cfr. Theobald Beer, Der frölich Wecsel un Streit, e 30 Giorni, Ano VII, n*2, Fevereiro de 1992, p. 34 seg, ).

            Vemos então que não seria difícil a um protestante — “sincero” – descobrir que a “Reforma” foi uma rebelião contra a Igreja de Cristo, e que lhe era dever de consciência tornar-se Católico.

            Agora GILMAR MENEZES se um protestante sincero, lesse a Bíblia com atenção e respeito, saberia que para salvar-se não basta ter fé, é preciso praticar boas obras, conforme ensina São Tiago 2, 14-24

            CONCLUSÃO

            “Se alguém ensina alguma outra doutrina e não concorda com as sãs palavras do nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino que santifica, é enfatuado, nada entende, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, suspeitas ruins, contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, supondo que a santificação [através da pregação do Evangelho] é uma fonte de lucro. Porém, grande fonte de lucro está de fato na santificação com contentamento.

            Porque nada trouxemos para este mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Mas tendo sustento e com que nos cobrir, estejamos com isto contentes.

            Mas os que querem ser ricos caem em tentação e em cilada, em muitas concupiscências loucas e perniciosas, as quais submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males; e alguns nessa cobiça se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (1Tm 6,3-10).

            APRENDA, HEREGE GILMAR MENEZES, “Que a Igreja é a Coluna e o Fundamento da Verdade” (1 Tim 3,15 )

            ESTUDA A PATRÍSTICA, GILMAR MENEZES. MAIS VAI UM CONSELHO: OS PROTESTANTES LOUCOS ESTÃO PEGANDO OS NOSSOS PADRES DA IGREJA E ADULTERANDO FRASES POR ISSO VAI NAS FONTES

        • VEJA GOLMAR MENEZES HEREGE COMO SUA TESE É MORTA E HERÉTICA, FRUTO NASCIDO DE LUTERO.
          OLHA GILMAR MENEZES ISSO É NO VELHO TESTAMENTO E O POVO DE DEUS JÁ ACREDITAVA QUE AS ALMAS DOS PATRIARCAS ESTAVAM NO PARAÍSO
          VEJA SÓ ESTA PASSAGEM, HEREGE COLECIONADOR DE VERSÍCULOS ISOLADOS:
          Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)

          O HEREGE GILMAR MENEZES PARA VOCÊ APRENDER O QUE É IMAGENS SANTOS E INTERCESSÃO PRIMEIRO VOCÊ TEM QUE ESTUDAR A PATRÍSTICA E A EXEGESE COISA QUE VOCÊ NUNCA FEZ NA VIDA A NÃO SER DECORAR TEXTOS FORA DO CONTEXTO ISSO É UMA PIADA GILMAR MENEZES

          Agora veja GILMAR MENEZES uma Analise Sobre os Santos e a Intercessão
          Chamem de Santo só ao Senhor dos exércitos.”, dizem as sagradas escrituras.
          Porém, elas mesmas dizem:
          “Sede santos porque Eu sou santo!” (Lv 19, 2; 20, 7; I Pd 1, 16)

          GILMAR MENEZES O PRÓPRIO Deus diz para sermos santos Nele! Logo, Deus não é apenas santo, Ele é o Santo dos santos. Cristo é o Santo dos santos! (Dn 9, 24; Is 11, 1-5; Mt 3, 1-17). Origem de toda a santidade. Ser santo é ser “são”, íntegro, puro. Porém, não é ser alguém sem pecados!
          AGORA EU TI PERGUNTO GILMAR MENEZESo que é interceder?
          PARA NÓS CATÓLICOS O QUE EU SEI É QUE Interceder, no sentido religioso, é pedir a Deus algo em favor de outra pessoa.
          EU TI PERGUNTO HEREGE GILMAR MENEZES E quem pode interceder?
          Ora Todos podemos interceder por alguém, porém temos um supremo intercessor que é Cristo, mas todos nós cristãos podemos interceder uns pelos outros em nossas orações como assim nos ensina a bíblia (Tg 5, 16 , Rm 15, 30 e etc.)
          E os Santos Canonizados na Igreja Católica onde entram nesta história? Não estariam eles mortos?
          Morrer em Cristo é ir Para o Céu!
          GILMAR MENEZES VEJA a Carta aos Hebreus diz claramente, “como está determinado que os homens morram uma só vez, e logo em seguida vem o juízo”. (Hb 9,27)
          Ou seja depois que morremos somo imediatamente julgados, ou é céu ou é inferno.
          GILMAR MENEZES VOCÊS protestantes costumam rebater a intercessão dizendo que os mortos não sabem de nada, não tem consciência de coisa alguma, estão dormindo, esperando o julgamento final e que ainda não há ninguém no céu, citam Ecl 9, 5, Sl 115, 17 para confirmar isto. Ora, isto é uma realidade do antigo testamento, antes de Cristo.

          Já mostrei em Hebreus que após a morte somos julgados. Cristo trouxe uma nova economia, foi pregar aos que estavam na Região dos Mortos desde a criação do mundo até Sua Crucificação ( 1.ª Pd 3, 18-20; 4, 5-6 ). Vencendo a morte levou muitos deles para o Céu ( Sl 68, 19; Ef 4, 8 ) e mesmo assim, ainda no antigo testamento já vemos algumas pessoas que foram para o céu, vejamos:
          Henoc:
          Gêneses 5, 23. A duração total da vida de Henoc foi de trezentos e sessenta e cinco anos. 24. Henoc andou com Deus e desapareceu, porque Deus o levou.
          Elias:
          II Reis 2, 1: Eis o que se passou no dia em que o Senhor arrebatou Elias ao céu num turbilhão (…)
          E mesmo no antigo testamento já temos uma menção a interseção dos Santos:

          Jer 15, 1. Disse-me, então, o Senhor: Mesmo que Moisés e Samuel se apresentassem diante de mim, meu coração não se voltaria para esse povo. Expulsai-o para longe de minha presença! Que se afaste de mim!
          Samuel já tinha até aparecido para Saul depois de mortos para fazer uma revelação (I Samuel 28, 1-19). Não era nenhum demônio como alguns costumam dizer, era Samuel mesmo, o próprio texto sacro afirma ser Samuel! Quem somos nós para duvidar? E ainda mais, um demônio é onisciente para saber o futuro? Acaso os demônios já podem profetizar? A confirmação do que Samuel revelou no capitulo 28 se dá no 29. (I Samuel 29, 1-11)

          E o novo testamento comprova que eles estavam no céu. Apareceram (Elias e Moisés) para Jesus e conversaram com ele conscientemente, sabendo que ele era o Messias, o que estava fazendo e o que iria acontecer com ele. Confira Mt 17,3; Mc 9,4; Lc 9, 28-31.
          GILMAR MENEZES ME DIGA HEREGE como Moisés pode aparecer, com corpo glorificado, a Cristo? No AntigoTestamento não é relatado que Moisés morreu e foi sepultado?
          É simples, GILMAR MENEZES HEREGE saibas que o corpo de Moisés foi levado por Miguel para o céu, e Judas atesta:
          J
          udas 9. Ora, quando o arcanjo Miguel discutia com o demônio e lhe disputava o corpo de Moisés, não ousou fulminar contra ele uma sentença de execração, mas disse somente: Que o próprio Senhor te repreenda!

          E também:
          Disse Jesus: “Por outra parte, que os mortos hão de ressuscitar é o que Moisés revelou na passagem da sarça ardente (Ex 3,6), chamando ao Senhor: Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó. Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos; porque todos vivem para ele.” (Lc 20,37-38).
          EU TI PERGUNTO GILMAR MENEZES HEREGE o que significam os santos para a Igreja católica?
          Com sua intercessão diante de Jesus, nossas orações recebem um forte impulso, e muitas graças alcançamos assim! De modo especial as graças que são necessárias ou importantes para vivermos fiéis à Vontade de Deus!
          O exemplo de suas vidas, o testemunho que deixaram de Amor a Deus, a vivência firme do Evangelho, o amor ao próximo, tudo isto serve de exemplo para nós, nos fortalecem nos animam para sermos melhores cristãos, melhores filhos do altíssimo.
          A Igreja tem especial carinho filial àquela que foi escolhida pra ser a Mãe de Jesus e nossa (João 19, 26-27). A Igreja proclama-a como Bem-Aventurada! (Lc 1, 48), ela recebeu uma graça maravilhosa e EXCLUSIVA: Ser mãe do Filho de Deus!

          DEIXA DE LOROTAS GILMAR MENEZES a própria bíblia nos ensina a seguir o exemplo dos Santos:

          VEJE HEREGE
          Hb 11, 4-5. Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício bem superior ao de Caim, e mereceu ser chamado justo, porque Deus aceitou as suas ofertas. Graças a ela é que, apesar de sua morte, ele ainda fala. Pela fé Henoc foi arrebatado, sem ter conhecido a morte: e não foi achado, porquanto Deus o arrebatou; mas a Escritura diz que, antes de ser arrebatado, ele tinha agradado a Deus (Gn 5,24).

          GILMAR MENEZES EU TI PERGUNTO MAIS UMA VEZ onde encontramos eles orando, falando com Deus, ou pedindo algo pelos vivos na carne?

          É SIMPLES MEU CARO HEREGE basta lermos um pouquinho mais a fundo a bíblia e notarmos!

          Vejamos agora em apocalipse:GILMAR MENEZES
          Apocalipse4, 4. Ao redor havia vinte e quatro tronos, e neles, sentados, vinte e quatro Anciãos vestidos de vestes brancas e com coroas de ouro na cabeça. Estes Anciãos são sacerdotes, adoram a Deus (4, 10; 5, 9; 11, 16-17; 19, 4). OFERECEM AS ORAÇÕES DOS FIÉIS (AP 5, 8). Este número corresponde talvez aos das 24 ordens sacerdotais de 1Cr 24, 1-19. Visto que o que havia na terra era uma imagem do santuário no céu.

          E Mais adiante GILMAR HEREGEvemos os mortos em Cristo aparecem sob seu altar clamando por justiça contra os habitantes da terra:
          Apocalipse 6, 9. Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. 10. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra? 11. Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos.

          Em Lucas GILMAR MENEZES HEREGE vemos até alguém que foi para o inferno suplicando por sua família:
          Lucas 16, 22. Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. 23. E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio. 24. Gritou, então: – Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua, pois sou cruelmente atormentado nestas chamas. 25. Abraão, porém, replicou: – Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em vida, mas Lázaro, males; por isso ele agora aqui é consolado, mas tu estás em tormento.
          26. Além de tudo, há entre nós e vós um grande abismo, de maneira que, os que querem passar daqui para vós, não o podem, nem os de lá passar para cá. 27. O rico disse: – Rogo-te então, pai, que mandes Lázaro à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos,
          28. para lhes testemunhar, que não aconteça virem também eles parar neste lugar de tormentos.

          GILMAR MENEZES HEREGE veja outras passagens que falam que os mortos em cristo vão para o céu?
          Veja:
          II Coríntios 5, 1-9. 1. Sabemos, com efeito, que ao se desfazer a tenda que habitamos neste mundo, recebemos uma casa preparada por Deus e não por mãos humanas, uma habitação eterna no céu.2. E por isto suspiramos e anelamos ser sobrevestidos da nossa habitação celeste, 3. contanto que sejamos achados vestidos e não despidos. 4. Pois, enquanto permanecemos nesta tenda, gememos oprimidos: desejamos ser não despojados, mas revestidos com uma veste nova por cima da outra, de modo que o que há de mortal em nós seja absorvido pela vida. 5. Aquele que nos formou para este destino é Deus mesmo, que nos deu por penhor o seu Espírito. 6. Por isso, estamos sempre cheios de confiança. Sabemos que todo o tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor. 7. Andamos na fé e não na visão. 8. Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto do Senhor. 9.É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe.

          Efésios 4, 7-8 Mas a cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo, pelo que diz: Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).
          I tessalonicenses 3,13: “Que ele confirme os vossos corações, e os torne irrepreensíveis e santos na presença de Deus, nosso Pai, por ocasião da vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos!”
          Fl 1, 21-23. Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro. Mas, se o viver no corpo é útil para o meu trabalho, não sei então o que devo preferir. Sinto-me pressionado dos dois lados: por uma parte, desejaria desprender-me para estar com Cristo – o que seria imensamente melhor;
          “Mas, cheio do Espírito Santo, Estevão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus: Eis que vejo, disse ele, os céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus. Levantaram então um grande clamor, taparam os ouvidos e todos juntos se atiraram furiosos contra ele. Lançaram-no fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um moço chamado Saulo. E apedrejavam Estevão, que orava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (At 7,55-59)

          I tessalonicenses 5, 10 Ele morreu por nós, a fim de que nós, quer em estado de vigília, quer de sono, vivamos em união com ele.

          GILMAR MENEZES AGORA veja alguém que foi ao céu vivo:
          II coríntios 12,2. Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. 3. E sei que esse homem – se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe – 4. Foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. 5. Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas.

          Jesus foi pregar aos mortos para que pudessem se salvar, portanto eles só poderiam estar acordados:
          1 Pedro 3, 18. Pois também Cristo morreu uma vez pelos nossos pecados – o Justo pelos injustos – para nos conduzir a Deus. Padeceu a morte em sua carne, mas foi vivificado quanto ao espírito. 19. É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que eram detidos no cárcere, àqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes…
          1 Pedro 4, 5. Eles darão conta àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos. 6. Pois para isto foi o Evangelho pregado também aos mortos; para que, embora sejam condenados em sua humanidade de carne, vivam segundo Deus quanto ao espírito.
          E o que falar então de 1 Timóteo 2, 5:
          “ Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo….”agora vocês das satânicas seitas protestantes costumam usar está passagem para dizer que nós católicos não temos Jesus como único mediador,
          Ora GILMAR MENEZES interceder é diferente de mediar, e ainda mais no sentindo da salvação,
          já ti mostrei como podemos orar uns pelos outros, a mediação de Jesus é no sentido de homem salvador e reconciliador, isto só ele pode ser, e não há outro como assim afirma o catecismo da Igreja católica:
          Parágrafo 956: A intercessão dos santos. “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (Parágrafos relacionados 1370,2683)
          A intercessão dos Santos e os primeiros Cristãos:
          AGORA GOLMAR MENEZES veja um texto de um dos mais renomados Historiadores Protestantes JND Kelly. Ele diz:
          Um fenômeno de grande significação no período patrístico foi o surgimento e gradual desenvolvimento da veneração aos santos, mais particularmente à bem-aventurada virgem Maria…Logo após vinha o culto aos mártires, os heróis da fé que os primeiros cristãos afirmavam já estarem na presença de Deus e gloriosos em sua visão. Em primeiro lugar tomou forma de uma preservação das relíquias e da celebração anual de seu nascimento. A partir daí foi um pequeno passo, pois já estavam participando com Cristo da glória celeste, para que se buscassem suas orações, e já no terceiro século se acumulam as evidências da crença no poder da intercessão dos santos [J.N.D. Kelly, Early Christian Doctrines, revised edition (San Francisco: Harper, c. 1979), p. 490]
          Relatos Primitivos
          Martírio de Policarpo (Ano 155 D.C):
          Após sua morte lemos a honra que era prestada as suas relíquias:
          “Ele disse: não aconteça que eles, abandonando o crucificado, passem a cultuar este ai. ”Dizia estas coisas por sugestão insistentes dos judeus, que nos tinham vigiado quando queríamos retirar o corpo do fogo. Ignoravam eles que não poderíamos jamais abandonar Cristo, que sofreu pela salvação de todos aqueles que são salvos no mundo, como inocente em favor dos pecadores, nem prestamos culto a outro nós o adoramos, por que é o Filho de Deus. Quanto aos mártires, nós os amamos justamente como discípulos e imitadores do senhor, por causa da incomparável devoção que tinham para com seu rei e mestre. Pudéssemos nós também ser seus companheiros e condiscípulos….
          …..Então, ao menos, conseguimos tomar os seus ossos, mais preciosos que uma jóia e mais puros que o ouro, e os pusemos em local adequado. Que o Senhor nos permita ser capaz de nos juntarmos a ele na alegria e no júbilo, e de celebrar o aniversário do seu martírio.”

          Cirilo de Jerusalém(+- 350 d.C), escreveu:
          “Façamos menção aos já falecidos; primeiro aos patriarcas, profetas, apóstolos e mártires, que por suas súplicas e orações Deus receberá nossos pedidos”
          Santo Agostinho (400 d.C) dizia:
          “A oração, contudo, é oferecida em benefício de outros mortos de quem lembramos, pois é errado rezar por um mártir, a cujas orações nós devemos nos recomendar.”

          Na obra Contra Fausto, escreve:
          “O povo cristão celebra unidos em solenidade religiosa a memória dos mártires, tanto para encorajar que sejam imitados e para que possam repartir seus méritos e serem auxiliados pelas suas orações”.
          Devoção X Devocionalismo
          Devoção é respeito, amor, uma atitude Cristã e Católica.
          Devocionalismo Não é uma atitude católica, muitos hoje se dizem católicos, apenas por que seus antepassados foram, sem nem saber nada sobre a história da igreja, sobre sua doutrina e até mesmo sem saber quem é Jesus de fato, apenas o têm como um ídolo distante que deve ser adorado apenas para aplacar a necessidade humana de crer em divindades. Estes vêm nos santos outros deuses e não irmãos que fazem parte de um mesmo corpo (1Cor 12,12.20s) e que podem apenas orar e suplicar por nós diante do Senhor. São os chamados caçadores de milagres, apenas vão a Igreja quando estão atrás de milagres e se esquecem de buscar lá a salvação em Jesus. Devocionalismo é fruto de ignorância, de falta de evangelização e catequese adequadas! Devocionalismo atrapalha um verdadeiro relacionamento com Jesus, pois toma o foco, e muitas vezes até a Salvação de quem o prática.

          GILMAR MENEZES VAI UM CONSELHO LARGA DE MÃO DE SER IGNORÂNTE
          VAI UM CONSELHO ESTUDE NAS FONTES VERDADEIRAS
          POIS ESTUDAR EM PONTOS DE VISTA DA ISSO CASA UM ENTENDE UMA VERDADE DIFERENTE
          E ISSO SE DA COM VOCÊS DAS SEITAS PROTESTANTES CADA UMA MAIS CONTRARITÓRIA QUE A OUTRA.

        • GILMAR HEREGE PIADISTA EU TI PROVO PELA GEOLOGIA PELA ARQUEOLOGIA E POR ESCRITORES E HISTORIADORES PRIMITIVOS QUE AS IGREJAS DE SALOMÃO ERAM REPRESENTADAS POR MILHARES DE MILHARES DE IMAGENS DESDE MOISÉS DAVI ETC…

          GILMAR MENEZES CAI NA REAL SE A SEITA PROTESTANTE FOSSE VERDADEIRA NÃO TERIA NO MEIO DE VOCÊS MILHARES DE MILHARES DE DOUTRINAS HERÉTICAS UMA DAS OUTRAS DIFERENTES
          GILMAR MENEZES SE A SEITA PROTESTANTE FOSSE VERDADEIRA TERIA 2000 MIL ANOS COISA QUE NÃO TEM VOCÊ É APENAS MAIS UM ANALFABETO REBELADO

          GILMAR MENEZES VEJA O QUE SÃO
          As representações simbólicas dos querubins – muito provavelmente – possuíam pés e mãos, não é mesmo?
          Da vida acreditam que os “querubins da glória” (Hb 9,5) eram cotos ou aleijados?
          As estátuas querubínicas da Arca da Aliança são representadas possuindo pés e mãos.]
          OBS.: Na Vulgata, inclusive, é citada que, no Templo de Jerusalém, a presença de uma imagem de homem:
          Apresentando como que a figura de um homem de pé” (III Reis 7,36)>> [BÍBLIA SAGRADA (Traduzida da Vulgata), 15a.
          edição, Edições Paulinas, SP, 1998, p. 378].– [III Reis 7,36 equivale, nas demais traduções da Bíblia, a 1 Reis 7,36]
          b)Ao citar o texto do Deuteronômio, você Maurício Pereira da Silva frisou: imagem de “homem e mulher “. Por que ele não frisou também a parte antecedente que diz: “Imagem esculpida em forma de ídolo” (Dt 4,16).
          Assim, Deus haveria especificado a proibição da Lei como sendo só sobre as estátuas (isto é, “imagem esculpida”) e não com referência a qualquer tipo de imagem.
          Essa proibição do Deuteronômio inclui: a pintura, o desenho, o mosaico, o vitral, os bordados, as tapeçaria, posters, etc?
          Se dizes que sim; então, prove! Pois, pelo texto bíblico é dito especificadamente: “imagem esculpida em forma de ídolo”(cf. Dt 4). Repito, pelo texto do deuteronômio citado, NÃO é qualquer tipo de imagem; mas “ESTÁTUA” e ainda, esta estátua, tem que ser “em forma de ídolo”.
          (Sugerindo, assim, que éxistem estátuas que não possuem a forma idolátrica e estas, por conseguinte, também não seriam proibidas).
          Em suma, por tal inferência,então, poder-se-ia afirmar que: “Todo ídolo – obrigatoriamente – teria que ser uma estátua; mas nem toda estátua seria um ídolo” (assim como todo dólar é dinheiro; mas nem todo dinheiro é dólar);
          Haja vista existirem estátuas aceitas no templo (querubins, leões, touros: 1Rs 7,29; além de escultura de guirlandas e palmas: 2 Cron 3,5),afora a estátua da serpente de bronze (cf. Nm 21,8-9) ou dos ratos e tumores (cf. 1Sm 6,11).
          Há ainda a estátua que ficou – por um bom período de tempo – na Casa de Deus em Silo: “Eles instalaram para seu uso a imagem que Micas havia esculpido, e ela permaneceu lá todo o tempo em que subsistira a casa de Deus em Silo” (Jz 18,31).
          E o Dicionário?
          “No Dicionário Aurélio 3.0 – Século XXI” também é dito que honrar é venerar. E agora Maurício Pereira da Silva ? Tu não honrarás mais teus pais porquanto – no Aurélio – venerar significar honrar?
          E como fica o santo mandamento que diz: “Honra teu pai e tua mãe” (Lc 18,20); bem como a seguinte sentença bíblica que diz: “Se alguém me serve, meu Pai o honrará” (Jo 12,26); ou ainda: “Honrai a todos” (1 Ped
          2,17). Aliás, no mesmo dicionário, “venerar”
          Significa respeitar. Será que não mais respeitará nada e ninguém, exceto Deus?… Eu creio que não! Pois, certamente, você Maurício Pereira da Silva
          Continuará respeitando muitas coisas; bem como dando a honra a quem é devida a honra, não é mesmo?… Aí eu me pergunto: você honra os santos de Deus? Você os respeita? Sim ou não?… Você respeitaria as imagens do Templo de Jerusalém?
          {Lembre-se –- segundo o Aurélio respeitar é venerar (e que, presumidamente, seria o mesmo que adorar).]
          Você as respeitaria ou não?… E como Adorar, segundo o citado dicionário, é igual a idolatrar; então, não te incomodarias de ser chamado de “idolatrador” de Deus? [Eu porém não idolatro Deus, eu o adoro!]
          Segundo o mesmo dicionário, adorar é amar extremamente. E me responda, então: “Deus amou o mundo: pouco, medianamente, ou em extremo?
          Não foi em extremo,? A ponto de – conforme está escrito – entregar ao seu Filho amado para salvação do mesmo:
          “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único” (Jo 3,16). por conseguinte, segundo aquele que vulgarmente é denominado de “Pai dos Burros”, Deus teria cometido o pecado da idolatria; da Silva?
          Esse é um cipoal meteste, os herege protestantes
          (E com dicionário embaixo do braço!… Melhor seria fechá-lo, e rapidamente! Antes que, “com pés e mãos”
          Sejas, tu, laçado nos fogo do inferno – conforme asseverou Nosso Senhor Jesus Cristo.)
          Eu, porém, digo: têm certos lugares (“as sinagogas de Satanás”) que peço a Deus não precisar nunca ir para não ter, quiçá, que me depara com os “cães” (Mt 7,6), “víboras” (Mt 23,33) e todo tipo de “bestas” – que por lá possa haver? Por outro lado, eu teria – se possível fosse – um enorme prazer em visitar o Templo de Deus, que Salomão mandou edificar; e no qual a glória de Deus pousou. Lugar Sacro em que abundavam inúmeras imagens de animais (touros e leões) – imagens que participavam do Verdadeiro Culto a Deus. Aliás, imagens sagradas e abençoadas e que, portanto, conjuntamente com todo o Templo do Altíssimo, eram reverenciadas. Está escrito: “Reverenciareis meu santuário” (Lv 19,30).
          E ainda:”Me prostro voltado para o teu sagrado templo” (Sl 138(137),2). [O Santuário, como é bem sabido, estava cheio de imagens.
          ]…E lá (no teu santuário), ó Senhor, possamos cantar com o Salmista: “Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu templo”
          (Sl 65(64),5).
          [OBS.: o Templo e tudo que havia nele eram sagrados! Portanto, cada objeto de lá, inclusive, as imagens, não podiam ser tidos com simples enfeites - eram ornamentos sacros com significados simbólicos-religiosospreciosos.]
          Olha os que ignoram a Escritura é preciso deixar claro: o que é proibido é a prostração “adorativa” perante criaturas (sejam imagens ou não); e não a prostração SEM adoração. Vejamos, alugns exemplos, lícitos, de prostrações sem a adoração:
          – “Betsabéia se ajoelhou e se prostrou diante do rei” (1 Rs 1,16).
          – “Quando chegou o profeta Natã… Ele veio perante o rei e se prostrou diante dele” (1 Rs 1,22s.) – “Esse terceiro chefe subiu, dobrou os joelhoes diante de Eliseu e suplicou-lhe assim: “Ó homem de Deus…” ” (2 Rs 1,13).
          – “Prostrai-vos perante o seu monte sagrado” (Sl 99(98),9).
          – “Josué então rasgou suas vestes, prostrou-se com a face em terra diante da Arca de Iahweh até à tarde, tanto ele como os anciãos de Israel” (Jos 7,6).

          POR AQUI CHEGA GILMAR MENEZES VAI POR MIM VAI ESTUDAR A PATRÍSTICA FILHO DA PERDIÇÃO

        • VAMOS A MAIS UMA AULA BÍBLICA GILMAR MENEZES

          Em verdade, em verdade te digo: dizemos o que sabemos e damos testemunho do que vimos, mas não recebeis o nosso testemunho. Se vos tenho falado das coisas terrenas e não me credes, como crereis se vos falar das celestiais? Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem.
          Jesus Estava está falando de que ai? De pessoas que não subirão ao céu até o julgamento final ou do conhecimento das coisas divinas que Ele veio nos Revelar?

          AQUI GILMAR MENEZES não se trata de ascensão, olha verbo no passado “SUBIU”.
          Cristo ainda estava na terra quando falou isso, onde está escrito na bíblia que Ele desceu e depois subiu antes da ressurreição?

          Cristo faz alusão a textos como Dt 30, 12; Br 3, 29; Pr 30, 4;

          Rm 10,6: “vindo do céu, ele pode dar-nos a conhecer os mistérios da vontade divina”.
          (cf. Sb 8, 16-17).

          Quando Jesus fala que só Ele subiu, usa a expressão “Céu” no singular, e não céus. Porque Ele foi o único a subir ao Céu dos céus (1.º Rs 8, 27). O mais alto dos céus. Visto que há diferentes níveis de céu (2.ª Cor 12, 1-3). Elias e Enoc foram arrebatados para o alto, então Jesus não poderia afirmar que só Ele havia subido (Gn 5:24; 2.º Rs 2). O que Ele afirma é que foi o único a subir ao mais alto Céu, à Direita do Pai (Ap 12:5) e descendo nos revelou os mistérios de Deus.

          Depois da morte e ressurreição de Cristo o céu foi aberto a todos e Cristo levou as almas que morreram na servidão divina consigo para o céu, pois antes todos estavam no XEOL.
          Efésios 4, 7. Mas a cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo, 8. pelo que diz: Quando subiu ao alto, levou muitos cativos[ou cativeiro], cumulou de dons os homens (Sl 67,19). 9. Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10. Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.[colchetes meus]
          XEOL
          É o nome hebraico dado no AT para os “infernos”, “abismo” ou “morada dos mortos” (Gn 37,35; Is 38,18). Julgava-se que o Xeol ficava debaixo da terra.

          Números 16,33. “Desceram vivos à morada dos mortos, eles e tudo o que possuíam; cobriu-os a terra, e desapareceram da assembléia.”
          Jesus, ao morrer, desceu ao Xeol (At 2,24-31; Rm 10,6-7; Ef 4,8-10) para anunciar aos mortos a sua vitória sobre a morte pela ressurreição (Ap 1,18; Mt 27,51-53; 1Pd 3,19s).

          Atos 2, 25. Pois dele diz Davi: Eu via sempre o Senhor perto de mim, pois ele está à minha direita, para que eu não seja abalado. 26. Alegrou-se por isso o meu coração e a minha língua exultou. Sim,também a minha carne repousará na esperança, 27. pois não deixarás a minha alma na região dos mortos, nem permitirás que o teu santo conheça a corrupção. 28. Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, e me encherás de alegria com a visão de tua face (Sl 15,8-11).
          Não preciso citar mais versículos para provar que depois de Jesus, os servos de Deus vão para o céu em alma repousar no “seio de Abraão”, ACORDADOS. Só mais duas pra completar:
          “Mas, cheio do Espírito Santo, Estevão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus: Eis que vejo, disse ele, os céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus. Levantaram então um grande clamor, taparam os ouvidos e todos juntos se atiraram furiosos contra ele. Lançaram-no fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um moço chamado Saulo. E apedrejavam Estevão, que orava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (At 7,55-59)
          ME RESPONDAS AQUI GILMAR MENEZES? Estevão foi pra onde?
          “Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausentar-nos deste corpo para ir habitar junto do Senhor.

          É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe” (2 Cor 5,8-9)
          Uma pessoa dormindo agrada a Deus?

          Mas Alguém pode Objetar dizendo que isso não prova nada dos santos, quer dizer, da intercessão dos Santos, pois bem, vamos lá:
          Os que morreram por Deus e pelo Evangelho também aparecem bem vivos, acordados e tendo acesso direto para clamar ao Pai. (Lc 9, 28-31; Ap 6, 9-10).

          Ora, como Elias e Moisés apareceram glorificados para Cristo conversando com ele? (Lc 9, 28-31) Se eles não soubessem de nada e estivessem dormindo como eles falariam do êxodo e saberiam que Cristo ainda não tinha sido crucificado e até mesmo que aquele homem era o Messias?
          Apocalipse 6, 9-10, Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra?
          Ai diz que a multidão clamava por Justiça e estava sob o altar. Como eles saberiam que ainda não tinha se consumado tudo? Como eles saberiam que Deus ainda não tinha executado a vingança contra os habitantes da terra? Como eles estariam no sob o altar, se não estão no céu? E como eles poderiam Clamar por justiça dormindo?
          De fato no Antigo Testamento todos os que morriam não tinham esperança alguma de Céu, e nada sabiam sobre o que acontecia aqui neste mundo, debaixo do sol: A Terra (Ecle 9:5) e sequer podiam rezar por alguém (Sl 115:17)nem louvar a Deus (Is 38,18-19). E muito menos sabiam dos fatos do Céu. Mas, Jesus fez uma Obra de Redenção plena e mudou esta realidade. Foi pregar aos que estavam na Região dos Mortos desde a criação do mundo até Sua Crucificação (1.ª Pd 3, 18-20; 4, 5-6). Vencendo a morte levou muitos deles para o Céu (Sl 68:19; Ef 4). Moisés foi agraciado antecipadamente, pois, morreu, mas, seu corpo foi levado para o Céu, e lá ele foi vivificado e glorificado na carne (Dt 34, 5-6; Judas 1, 9).
          E mais :
          Apocalipse 8, 1. Quando, enfim, abriu o sétimo selo, fez-se silêncio no céu cerca de meia hora. 2.Eu vi os sete Anjos que assistem diante de Deus. Foram-lhes dadas sete trombetas. 3. Adiantou-se outro anjo e pôs-se junto ao altar, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes, para que os oferecesse com as orações de todos os santos no altar de ouro, que está adiante do trono. 4. A fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com as orações dos santos, diante de Deus.
          Quando a Igreja canoniza e diz que alguém é “santo” ela não está delegando poderes, a essa pessoa, de milagres nem nada, muito pelo contrario, a Igreja apenas reconheci que essa pessoa está no céu com Deus e portanto pode orar por nós junto a Deus, devido a sua vida, sua historia , testemunho e milagres de Deus realizados em vida por meio delas, a Igreja reconheci isso! Mas santos não só são esses, todos nós (cristãos) somos santos, por que Deus é santo.(Lv 19:2; 20:7; I Pd 1:16)
          A intercessão dos Santos é em oração, pois eles só podem fazer isso! A Igreja católica não acredita na mediação de Santo algum como a mediação de Jesus 1 Tm 2, 5-6, lendo esse capítulo todo iremos entender o que Paulo queria dizer com isso!
          Quanto a Salvação a Igreja Católica tem um só pensamento:
          “PAI, … a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o Deus único verdadeiro, e aquele que enviaste, Jesus Cristo” (Jo 17,3). “Deus, nosso Salvador … quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2,3-4). ” “Não há, debaixo do céu, outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4,12), afora o nome de JESUS.” (Prólogo do Catecismo da Igreja Católica).
          “Nenhum homem, ainda que o mais santo, tinha condições de tomar sobre si os pecados de todos os homens, e de oferecer-se em sacrifício por todos.” (Catecismo Igreja Católica. Parágrafo 616)

          SAIBAS FALASTRÃO GILMAR MENEZES que os católicos não crer e nem acreditam que são salvos por santo (a) algum(a), nem por Maria, e nem por Papa algum!

          Agora Eles podem sim nos mostrar a Salvação em Jesus Cristo, assim como você e eu também podemos.

          O RESTO GILMAR MENEZES É FANTASIA PROTESTANTE SE CONTESTA FILHO DAS TREVAS EU TI DOU UMAS 2000 MIL VOLUMES DE LIVROS HISTORIADORES ESCRITORES ECLESIÁSTICOS PADRES DA IGREJA PADRES APOSTÓLICOS E VERÁS E CONHECERÁS A VERDADE E A VERDADE TIRARÁS DE VOCÊ ESSA BURRICE PODRE

        • ME DIGA GILMAR MENESES você acredita que Jesus edificou um livro, e mandou escrever seu evangelho e após a ressurreição se transformou em bíblia sagrada,e depois acabou os profetas, acabou as revelações, acabou Deus com sua Criação.

          OLHA GILMAR MENESES eu acredito que Cristo edificou a sua Igreja, mandou anunciar seu evangelho e voltou ao Pai, está conosco todos os dias, atuando e revelando a sua igreja pelo menos é isso que prega todos os padres da igreja em suas obras sermões epístolas cartas livros apologéticas estudos etc…

          E MAIS HEREGE GILMAR MENEZES Não foi a bíblia que edificou a igreja e sim a igreja quem edificou a bíblia, é a bíblia que tem que ser baseada nos fundamentos doutrinais da igreja, por isso a igreja definiu um cânon, os livros que não estavam de acordo com a doutrina da igreja GILMAR MENESES ficaram de fora.

          POBRE GILMAR QUANTAS LOROTAS VOCÊ PREGA VOCÊ ESTÁ DOENTE

          OLHA HEREGE ESTOU TI MANDANDO VÁRIOS VERSÍCULOS BÍBLICOS COM MILHARES DE REFERÊNCIAS AS IMAGENS E QUERUBINS ISSO É SÓ PARA CALAR SUA BOCA AMALDIÇOADA
          GILMAR MENEZES COLOCA NESSA SUA CABEÇA POBRE QUE VOCÊ DELIRA

          VEJA SUAS CONTRADIÇÕES BARATA FILHO DAS TREVAS

          • E expulsou-o; e colocou ao oriente do jardim do Éden querubins armados de uma espada flamejante, para guardar o caminho da árvore da vida. (Gênesis 3,24)
          • Farás dois querubins de ouro; e os farás de ouro batido, nas duas extremidades da tampa, um de um lado e outro de outro, (Êxodo 25,18)
          • Terão esses querubins suas asas estendidas para o alto, e protegerão com elas a tampa, sobre a qual terão a face inclinada. (Êxodo 25,20)
          • Ali virei ter contigo, e é de cima da tampa, do meio dos querubins que estão sobre a arca da aliança, que te darei todas as minhas ordens para os israelitas.” (Êxodo 25,22)

          • “Farás o tabernáculo com dez cortinas de linho fino retorcido de púrpura violeta, púrpura escarlate e de carmesim, sobre as quais alguns querubins serão artisticamente bordados. (Êxodo 26,1)

          • Farás um véu de púrpura violeta, de púrpura escarlate, de carmesim e de linho retorcido, sobre o qual serão artisticamente bordados querubins. (Êxodo 26,31)

          • Os mais hábeis entre os operários construíram o tabernáculo: dez cortinas de linho fino retorcido, púrpura violeta e escarlate, e carmesim com querubins artisticamente bordados. (Êxodo 36,8)

          Foi feito o véu de púrpura violeta e escarlate, de carmesim e linho retorcido, onde foram bordados artisticamente alguns querubins. (Êxodo 36,35)

          • Fez dois querubins de ouro, feitos de ouro batido, nas duas extremidades da tampa, (Êxodo 37,7)

          Esses querubins, com as faces voltadas um para o outro, tinham as asas estendidas para o alto, e protegiam com elas a tampa para a qual tinham as faces inclinadas. (Êxodo 37,9)

          Quando Moisés entrava na tenda de reunião para falar com o Senhor, ouvia a voz que lhe falava de cima do propiciatório colocado sobre a arca do testemunho, entre os dois querubins. E falava com o Senhor. (Números 7,89)

          • O povo mandou, pois, buscar em Silo a arca da aliança do Senhor dos exércitos, que se senta sobre querubins. Os dois filhos de Heli, Ofni e Finéias, acompanhavam a arca da aliança de Deus. (I Samuel 4,4)

          • e pôs-se a caminho com toda a sua gente, indo a Baalé de Judá, para trazer dali a arca de Deus, sobre a qual é invocado o nome, o nome do Senhor dos exércitos, que se assenta sobre os querubins. (II Samuel 6,2)
          • Fez no santuário dois querubins de pau de oliveira, que tinham dez côvados de altura. (I Reis 6,23)

          • Cada uma das asas dos querubins tinha cinco côvados, o que fazia dez côvados da extremidade de uma asa à extremidade da outra. (I Reis 6,24)
          • Revestiu também de ouro os querubins. (I Reis 6,28)
          • Mandou esculpir em relevo em todas as paredes da casa, ao redor, no santuário como no templo, querubins, palmas e flores abertas. (I Reis 6,29)

          Nos dois batentes de pau de oliveira mandou esculpir querubins, palmas e flores desabrochadas, e cobriu-as de ouro; cobriu de ouro tanto os querubins como as palmas. (I Reis 6,32)

          • Mandou esculpir nelas querubins, palmas e flores desabrochadas, e cobriu tudo de ouro, ajustado às esculturas. (I Reis 6,35)

          • Nos painéis enquadrados de molduras, havia leões, bois e querubins, assim como nas travessas igualmente. Por cima e por baixo dos leões e dos bois pendiam grinaldas em forma de festões. (I Reis 7,29)

          Nas placas dos seus esteios e dos painéis assim como no espaço livre entre estas, esculpiu querubins, leões, palmas e grinaldas circulares. (I Reis 7,36)
          • Os sacerdotes levaram a arca da aliança do Senhor para seu lugar, no santuário do templo, no Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins. (I Reis 8,6)

          • Pois os querubins estendiam as suas asas sobre o lugar da arca, e cobriam por cima a arca e os seus varais. (I Reis 8,7)

          • rogando-lhe: Senhor, Deus de Israel, que estais sentado sobre querubins, só vós sois o Deus de todos os reinos da terra. Vós fizestes os céus e a terra. (II Reis 19,15)

          Davi, com todo o Israel, subiu a Baala, em Cariatiarim de Judá, para trazer de lá a arca do Senhor Deus, do Senhor que tem seu trono sobre os querubins, diante da qual seu nome é invocado. (I Crônicas 13,6)

          • do altar dos perfumes, em ouro fino, com o peso; o modelo do carro, dos querubins de ouro que estendem suas asas para cobrir a arca da aliança do Senhor. (I Crônicas 28,18)

          • O rei revestiu de ouro a sala: traves, umbrais, paredes e portas; nas paredes mandou esculpir querubins. (II Crônicas 3,7)
          • Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro. (II Crônicas 3,10)

          • Assim, a envergadura das asas destes querubins era de vinte côvados. Sustentavam-se sobre seus pés, com o rosto voltado para a sala. (II Crônicas 3,13)

          • O rei mandou fazer uma cortina em púrpura violeta, carmesim e linho fino, e nela mandou bordar querubins. (II Crônicas 3,14)

          • Os sacerdotes levaram a arca da aliança do Senhor a seu lugar, no santuário do templo, o Santo dos Santos, sob as asas dos querubins. (II Crônicas 5,7)

          • Os querubins estendiam as asas sobre o lugar da arca e cobriam-na, assim como os seus varais. (II Crônicas 5,8)

          • Vós que assentais acima dos querubins, mostrai vosso esplendor em presença de Efraim, Benjamim e Manassés. Despertai vosso poder, e vinde salvar-nos. (Salmos 79,3)

          • O Senhor reina, tremem os povos; seu trono está sobre os querubins: vacila a terra. (Salmos 98,1)

          • Foi Ezequiel quem teve essa visão gloriosa, que o Senhor lhe mostrou num carro de querubins. (Eclesiástico 49,10)

          Ó Senhor dos exércitos, Deus de Israel, vós que estais sentado sobre os querubins, não há outro Deus, senão vós, por todos os reinos da terra. Vós, que fizestes os céus e a terra, (Isaías 37,16)

          Olhei. Na abóbada estendida acima da cabeça dos querubins, havia como que uma pedra de safira, uma espécie de trono, que aparecia sobre eles. (Ezequiel 10,1)

          • (O Senhor) disse então ao homem vestido de linho: Passa no meio das rodas, debaixo do querubim; enche a mão de carvões ardentes que tomarás entre os querubins, e espalha essas brasas sobre a cidade. E ele se foi sob as minhas vistas. (Ezequiel 10,2)

          • Quando o homem acabou de fazer isso, estavam os querubins à direita do templo, e a nuvem enchia o átrio interior. (Ezequiel 10,3)

          • A glória do Senhor elevou-se acima dos querubins até a soleira do templo, e enquanto o esplendor da glória do Senhor enchia o átrio, a nuvem invadia o templo. (Ezequiel 10,4)

          • O ruflar das asas dos querubins fazia-se ouvir até no pátio exterior, e assemelhava-se à voz do Deus onipotente quando fala. (Ezequiel 10,5)

          • Apenas havia ordenado ao homem de linho tomar o fogo no intervalo das rodas, entre os querubins, este veio postar-se junto de uma roda, (Ezequiel 10,6)

          • e (um dos) querubins estendeu a mão para o fogo que se encontrava em meio dos querubins. Daí ele retirou brasas, que colocou na mão do homem vestido de linho, o qual as tomou, e saiu. (Ezequiel 10,7)

          Notei que os querubins pareciam ter mãos humanas sob as asas. (Ezequiel 10,8)

          Eu olhei ainda. Havia ao lado dos querubins quatro rodas, uma junto a cada um deles. Possuíam o clarão da gema de Társis. (Ezequiel 10,9)

          • Cada um (dos querubins) tinha quatro faces: o primeiro, a de um querubim; o segundo, um aspecto humano; o terceiro, o de um touro, e o quarto o de uma águia. (Ezequiel 10,14)

          • Os querubins se elevaram (eram os seres vivos que eu tinha visto às margens do Cobar). (Ezequiel 10,15)

          • Quando os querubins se deslocavam, as rodas se deslocavam com eles; quando desdobravam as asas para elevar-se da terra, as rodas não se desprendiam deles. (Ezequiel 10,16)

          • De repente, a glória do Senhor deixou a soleira do templo e pousou sobre os querubins. (Ezequiel 10,18)

          • Estavam lá os seres vivos que eu tinha visto debaixo do Deus de Israel, às margens do Cobar, e reconheci os querubins: (Ezequiel 10,20)

          • Nesse momento, os querubins desdobraram as asas, e as rodas se puseram em movimento com eles, enquanto a glória do Deus de Israel sobre eles repousava. (Ezequiel 11,22)

          querubins e palmas, uma palma entre dois querubins. Os querubins tinham duas faces: (Ezequiel 41,18)
          • Desde o piso até acima da porta, havia representações de querubins e
          palmeiras, assim como na parede do templo. (Ezequiel 41,20)
          • Assim como nas paredes, querubins e palmeiras eram figurados nas portas do templo. Na fachada do vestíbulo no exterior, havia um anteparo de madeira. (Ezequiel 41,25)

          • Sede bendito por penetrardes com o olhar os abismos, e por estardes sentado sobre os querubins, digno do mais alto louvor e de eterna exaltação! (Daniel 3,54)

          em cima da arca, os querubins da glória estendendo a sombra de suas asas sobre o propiciatório. Mas não é aqui o lugar de falarmos destas coisas pormenorizadamente. (Hebreus 9,5)

          HEREGE GILMAR MENEZES ESSES VERSÍCULOS CALAM DE VEZ SUA BOCA AMALDIÇOADA NEM PRECISO FALAR DE CADA UMA DESSAS MILHARES DE REFERÊNCIAS

  26. Helen, eu continuo não vendo semelhanças entre a confecção dos querubins da arca ordenado por Deus e as imagens católicas esculpidas por humanos sem a ordem de Deus, logo as comparações feitas pelos católicos a fim de justificar suas imagens não se mostram equiparáveis nem coerentes, e jamais serão, porque? Exemplificando, nem Deus nem os homens naquela situação elegeram um dia do ano em especial para comemorar “Dia nacional dos querubins”, nem existiram romarias em direção à arca com o propósito de pedir aos querubins ajudas pessoais como curas, emprego, etc.. e depois de a graça alcançada voltarem até a arca com seus filhos pequenos vestidos de anjinho, pessoas com velas da estatura do próprio corpo, gente caminhando kilometros e esfolando seus joelhos para, em frente aos querubins da arca agradecerem o resultado alcançado, estas coisas aconteceram? Não aconteceram, Deus ordenou a confecção de imagens, no caso os querubins da arca da aliança e não houve idolatria, ESTE É O PONTO, as finalidades foram absolutamente distintas, pois o que se vê hoje em dia com as imagens católicas não é meramente a lembrança de alguém importante no passado como tentam explicar, mas sim a coisa extrapola para a idolatria e esta aí para quem quiser ver, não se trata da minha ou da sua opinião ou de quem quer que seja, os meios de comunicação mostram explicitamente por exemplo, a festa de Sírio de Nazaré, onde pessoas se amontoam por longos trajetos embaixo de sol para se manterem agarradas a uma corda, pode-se perceber o estado de histeria dos participantes, é totalmente supersticioso, sem base bíblica nenhuma, exceto para podermos comparar com as festas pagãs descritas no Antigo Testamento e abominadas por Deus, este Sírio de Nazaré é regado a muitas lágrimas, emoção, empurra- empurra pra não dizer outra coisa, pessoas destilando suor e coladas umas nas outras, é o caos, depois vemos também as pessoas indo até Aparecida do norte para pedir/agradecer, pedem e agradecem pra Deus? Não, para Deus não, vão aos pés de uma imagem pedir e agradecer, mas então como fica aquela história de “a imagem serve só para lembrar-mos de alguém importante do passado?”, se pedem e agradecem é porque vêem capacidade sobrenatural naquilo e não “mera lembrança”. Quanto a minha pergunta, ela ainda não foi respondida e se possível gostaria que algum católico (a) me explicasse, já que, segundo os católicos: “a Igreja não prega a idolatria e é contra qualquer prática voltada para tal, e que os abusos que acontecem até culminar em eventos idólatras são culpa meramente dos membros da igreja que não possuem entendimento perfeito sobre o tema”, mas então não deveriam os padres, bispos, arcebispos aparecerem nos meios de comunicação em pronunciamentos e também nas missas para intervir e comunicar que determinadas práticas não devem ser mais utilizadas? Se os líderes da congregação católica não aparecem para dizer nada a respeito disso, o povo continuará cometendo os mesmos procedimentos, e voce católico(a) que vê seus irmãos na fé extrapolando na idolatria não acha que a cúpula da igreja fica calada quando deveria intervir no erro? Já disse antes, o pastor dá a sua vida pelas ovelhas, e se entre 100 uma estiver desgarrada ele vai atrás desta “uma” para buscá-la de volta, sendo assim então, a cúpula da igreja parece não estar tão preocupada com seus milhares de fiéis idólatras que colaboram para fortalecer esta prática. Se eu fosse católico, sinceramente sentiria vergonha em ver a condução que os meus líderes estão dando ao povo, eu certamente não me calaria, e voce que não se julga um católico (a) idólatra, sente algum constrangimento em ver o consentimento de práticas idólatras pelos seus líderes? Percebendo que estes não se pronunciem para educar e conscientizar corretamente?
    Sem abusar dos amigos, só mais uma questão: Deus é onipotente, unisciente e unipresente, mas como funcionaria a intercessão dos chamados “santos” que não são unipresentes nem uniscientes? E antes que me xinguem já aviso, me converti pela palavra unicamente, não conheço Lutero, nem Concílio, nem livro dos Mórmons nem Allan Kardec… Jesus Cristo através de seus ensinamentos tem me conduzido à verdade, ele me basta, mas se alguém se sente mais confortável em ver aceitas suas teses por meios de literaturas humanas dúbias e passíveis de imperfeição que assim seja, não estou aqui para guerrear com pessoas ou idéias, apenas coloco sobre a mesa um tipo de alimento, esta mesa é democrática, todos colocam seus alimentos, depois de expostos cabe a quem quizer experimentá-los, apreciá-los..

  27. Eu concordo também, em que os querubins tem um significado muitíssimo especial, não se pode negar isto, mas quando falei no termo “adorno” me referi às imagens enquanto objetos inanimados, sem nenhum poder ou capacidade de intervenção enquanto daquela forma, mas obviamente sem negar o que um querubim realmente é e pode fazer, como por exemplo, uma estátua de Pelé, ela em si não passa de um adorno, uma representação da silhueta meramente, pois jogar futebol, exercer a ação propriamente dita só com o próprio Pelé dentro de campo em ação, é nesse sentido que me refiro, querubins em açào, desenvolvendo suas capacidades plenas enquanto seres celestiais, diferentemente de querubins representativos que são inanimados, não possuem vida em si, não intermediam, logo servem apenas para compor a arca esteticamente e simbologicamente também, como uma simbologia de guardiões protetores da arca e seu conteúdo, claro que anjos guardiões “de verdade” estavam à postos, e estes sim interviriam para proteção da arca mas não aqueles dois esculpidos. Reafirmo o que citei antes, acho desproporcional comparar es imagens criadas para a arca com as imagens de santos católicos, pois estes querubins nunca foram citados como divindades intercessoras, ajudadoras, justamente por não terem sido criadas para este fim, se assim fosse Deus teria dito: ” Fareis dois querubins….prestarão homenagens aos dois, pedirão curas a eles…” Mas Deus limitou-se a ordenar a construção deles como complemento da arca de forma simbólica de guardiões, e só, a coisa não vai além disso.
    A idéia de isenção de erro no tocante à idolatria por Deus ordenar a confecção dos querubins não se faz coerente pois tanto querubins ordenados por Deus quanto imagens de santos inventadas pelo homem foram criadas, mas com fins DISTINTOS, pegar carona no ordenamento de Deus em relação à arca da aliança para embasar uma prática idólatra não é lógico pois não se equivalem.
    Nas procissões e romarias, as pessoas se apertam para poder chegar perto da estátua, ascenam com lenços para a estátua, choram copiosamente, jogam pétalas, pedem e agradecem para a estátua, veneração e idolatria deflagradas para quem quiser ver.
    Mas dai tem católico que diz, “eu não peço nada pra estátua nem agradeço nem carrego nos ombros, quem for idólatra por ignorância que seja, mas eu católico esclarecido não pratico tais coisas.” Mas a bíblia diz que ” o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas”, então não deveriam os padres e arcebispos ensirarem seu rebanho? Se eu fosse católico ficaria bem chateado em ver meus irmãos na fé cometendo erros e exageros sem que ninguém intervenha, estas procissões, romarias e promessas são exemplos escrachados do que era feito no antigo testamento, sendo condenado e advertido por Deus, então se o povo é pouco esclarecido e faz o que o outro faz e o outro repete sucessivamente, onde está a cúpula da igreja para direcionar, intervir, educar? Deixar a critério de cada um vira esta bagunça que se vê, com dezenas de santos, centenas de crendices e lendas de locais, aparições, milagres, sem critérios de “porque?” nem “como?”. A propósito, não sou protestante, nem católico nem luterano, sou CRISTÃO e tenho como base para mimha vida apenas e suficientemente a Bíblia sagrada, peço desculpas se ofendi ou magoei alguém com minhas colocações, mas busquei ser fiel à palavra e para tanto busquei ser coerente, meu objetivo é a salvação, que eu agrade à Deus e não aos homens, sou descendentede italianos, cresci na igreja católica mas sem incentivo para estudar a bíblia, tenho certeza que aquele que busca na palavra encontrará suas respostas, deixem Lutero, Francisco de Assis, e outros, JESUS tem as respostas, o tempo que se utiliza em literaturas humanas (passíveis de visão errônea), invista na Bíblia, o alvo é certeiro, Deus abençoe a todos!

    • Caro Gilmar.

      Sobre a sua frase ” Eu concordo também, em que os querubins tem um significado muitíssimo especial, não se pode negar isto, mas quando falei no termo “adorno” me referi às imagens enquanto objetos inanimados, sem nenhum poder ou capacidade de intervenção “

      NENHUMA imagem no catolicismo é um pequeno deus. São apenas imagens, como fotografias, esculpidas para lembrar e honrar a memória dos santos, que por seus testemunhos de lealdade a Deus, glorificaram o nome Dele entre aqueles que viveram na terra, e portanto, engrandecem a história da Igreja.

      Pela milionésima vez; Santos de barro não fazem milagre. Os milagres vêm de Deus. Os santos no Céu INTERCEDEM junto a Cristo, mas a graça vem do Altíssimo.

      Por que? Porque Deus é fiel e não mente. Ele prometeu que àqueles que fizessem Sua vontade Ele concederia tudo o que Lho pedissem em nome de Jesus. Portanto, o santo, que justamente por ter feito a vontade de Deus em vida e agora encontra-se na glória de Deus no ceu, pode fazer um pedido a Deus em favor daqueles que pedem sua intercessão na terra. E Deus, a Quem cabe,conceder a graça, atende ou não à petição apresentada à Ele pelos Santos. Isso não é invenção da Igreja, está na Bíblia!

  28. Bom, é importante frizar que os querubins serviram unicamente como complemento artístico na arca, como um adorno embelezador para compor o objeto, nada além disso, até porque querubin é uma das classes de anjos existentes muito numerosa, então se Deus designou a elaboração de dois deles, mas sem especificar nome como referência para que se dirigissem à eles, fica clara a proposta de apenas adornar a arca, quanto à serpente de bronze que, para quem a olhasse estaria curado (a), o autor (a) não mencionou algo muito relevante sobre este episódio bíblico, que Deus acabou por mandar DESTRUIR a imagem da serpente, dada a histeria e submissão que o povo estava demonstrando pela imagem daquela estátua, indo além do “olhar para ser curado” e atribuindo a ela ser uma divindade, o que desagradou a Deus visto que ordenou que a destruíssem.
    Então temos aqui dois exemplos bíblicos de imagens esculpidas, (os dois querubins e a serpente de bronze). Quando tentamos equiparar estas duas ordenações da parte de Deus aos homens vemos diferenças marcantes:
    1- Os querubins serviram de adorno para compor a arca de forma simbólica (asas de um lado ao outro), mas aos querubins não era pedido ajuda para cura de lepra ou qualquer outra ajuda ou orientação, nem se ascendiam velas a eles, portanto a prática realizada com as estátuas católicas são totalmente distintas em relação à mera função de compor a arca de forma bela, e nisto fica muito desproporcional utilizar os querubins como álibi para “liberar” as estátuas católicas, como se estas tivessem a mesma função de adorno que os querubins tiveram. Como as estátuas católicas tem nomes atribuídos e algumas com funções e milagres específicos, fica evidente o direcionamento objetivo a determinada estátua, as promessas, as petições são feitas a estas estátuas, todo mundo sabe disso, mas os dois querubins lá estavam, adornando, compondo a arca e só, nenhuma divindade era ou devia ser atribuída a eles, entendida esta diferença, torna-se sem lógica a equiparação deste exemplo bíblico, fruto de ordem direta de Deus, meramente para enfeitar a arca, não para curar ou solucionar causas impossíveis, ao passo que as estátuas católicas não foram ordenadas por Deus, mas fruto da natureza humana, que independentemente de Deus criou e distinguiu cada setor de milagre para esta ou aquela estátua.
    2- A serpente de bronze FOI DESTRUÍDA pois o povo estava mais voltado à estátua do que ao próprio Deus, ele irou-se pela idolatria que se formou a partir daquele objeto, se o motivo foi o desvio das pessoas de Deus pois seu tempo de devoção estava sendo dividido com o próprio Deus, a fé diluída 50% Deus e 50% estátua, e hoje em dia na igreja católica será que Deus tem 100% de exclusividade da fé? dos pedidos? dos agradecimentos?
    Não sou mais do que ninguém aqui para dizer o que está certo ou errado, mas penso que se Deus não ordenou não se faça, e se ordenou, façamos, o que não concordo é o ser humano intervir na palavra de Deus introduzindo coisas, ora, será que quem acrescenta coisas “extra-bíblicas” pensou em dar uma “mãozinha pra Deus”? Ou sugere que Deus se esqueceu de algo, e o simples mortal resolveu “quebrar o galho” para o Todo Poderoso completando a bíblia com remendos que desculpem os católicos, mas não fazem sentido e não tem respaldo bíblico, como o exemplo que eles sempre citam dos dois querubins e da serpente, onde espero dentro do possível ter colaborado para um entendimento mais claro e palpável. Que Deus abençoe e liberte pela leitura da palavra, só ela basta, Deus sabe o que é suficiente e melhor pra nós.

    • Ola Gilmar,

      Os Querubins eram mais que meros adornos, eram um sinal visível de uma realidade celestial. Um memorial ao ambiente celeste.
      Além disso, lembremos novamente a controvérsia: Os protestantes dizem que os católicos erram porque produzem imagem, algo proibido por Deus. Nosso questionamento é o seguinte, se Deus proibiu fazer imagens – e não apenas adorar a imagens – como parece ser o entendimento protestante evangélico, por que então Ele mesmo ordenaria a confecção de ícones-imagem de anjos?

      O entendimento católico é simples. Produzir uma Estátua não ofende a Deus. Adorará-la com um deus, sim! Portanto, deste pecado estamos livres, pois católico não aprende a adorar imagens. A Igreja não ensina isso!

      Pax Domini,

    • Olha Gilmar Menezes uma das maiores questões que são criados com a figura do santo é sua capacidade de ser mediador entre Deus e os homens.

      Devido à passagem de 1 Timóteo 2:5 muitos têm uma interpretação errônea. Não se diz: “Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem.
      ” A primeira interpretação diria que não há dúvida de que Jesus é o único mediador entre Deus e os homens, portanto, dizer que a intercessão dos santos pode ser algo anti-bíblico, mas a realidade é que ele não se contradiz por isso todos os padres dos primeiros séculos da era cristã são unânimes em essa realidade bíblica .

      Aprenda Gilmar Menezes que muitas dessas interpretações são baseadas em preconceitos contra a Igreja e para o final a grande maioria se contradizendo intérpretes fundamentalistas.
      Isso também Gilmar Menezes se deve à ignorância sobre o que a Igreja Católica ensina.
      VEJA
      Em 1 Tm 2, 5 usou a palavra “mesites” (mediador) e também em outras partes do Novo Testamento da Bíblia em grego, um termo principalmente ao lado de “aliança”: Jesus é o mediador de uma nova aliança.

      Quando, no final de 1 Tim 2, 5 diz: “Jesus Cristo homem”, ele mostra a intenção do apóstolo Paulo para provar que Jesus é como um homem que é capaz de ser o reconciliador e mediador para o homem. Desde que o pecado veio da desobediência do homem só pode resgatá-lo deve ser humana. Alguns quiseram utilizar esta mensagem de Paulo para assumir o cargo de mediador para a Igreja ea nomeação arbitrariamente acrescentou Cl 1:18: “Cristo é a cabeça do corpo, que é a Igreja”, mas o personagem de Jesus é mediador parte de seu papel como homem e não como chefe da Igreja.

      Esse Gilmar Menezes é um importante, algo que os católicos e protestantes concordam sobre o texto é que Paulo enfatiza que Jesus é verdadeiro homem e não apenas um mediador.
      O texto não está em oposição à Igreja, a não ser em pé para buscar gato quinta.

      Gilmar Menezes veja os comentários a seguir que aborda o termo mediador:
      VEJA
      “O Cristo é o único mediador não significa que você terminou o papel dos homens na história da salvação Mediação de Jesus é de sinais sensíveis para baixo aqui:. São homens a quem Jesus confiou um papel para a sua Igreja , até mesmo a vida eterna em Jesus Cristo associada de alguma maneira, para os membros de sua mediação de seu corpo que veio em glória. (…)
      Aqueles que jogam não são, propriamente falando, intermediários humanos com uma missão idêntica à mediadores que tiveram OT não, adicione uma mediação um novo para o mediador, mas não os meios específicos utilizados por ele para atingir os homens. (…) Obviamente, esta função cessa quando os membros do Corpo Cristo se reuniu com a cabeça em sua glória. Mas então, em comparação com os membros da Igreja que ainda estão lutando na Terra,
      vencedores cristãos ainda exercer outra função. Associado com a realeza de Cristo (Rev 2, 26s; 3,21, cf 12.5, 19.15), que é um aspecto de seu papel de mediador, Deus presente as orações dos santos aqui abaixo (5,8, 11,18), que são um só. fator do fim da história
      Por isso Gilmar Menezes os cristãos compartilham a autoridade do rei dos reis, tornando-se mediadores sacerdotais no mundo da humanidade.” (Harrington, Apocalipse)

      Por isso Gilmar Menezes o cristão quando reza por outro ou um santo, sua oração é em Cristo, não pensando que Cristo não tem nada a ver com a oração.
      Nossa oração não exclui a mediação de Cristo, mas uma mediação participou da mediação. Assim, é mostrado na Escritura como muitas qualidades de Deus que nós atribuímos a nós.

      O Catecismo da Igreja Católica nos diz (956):

      Pelo fato de que aqueles no céu estão mais intimamente unidos a Cristo, o consolidou mais firmemente a toda a Igreja na santidade … nunca deixam de interceder por nós diante do Pai. Apresentado através do único Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, os méritos que adquiriram na terra … Seu pedido de assistência fraterna, portanto, muito da nossa fraqueza.

      Muitos cristãos pensam que os santos e todos os que morrem porque não pode rezar. É um grande erro pensar que Deus não permita que o amor dos santos que ainda vivem para orar por seus entes queridos, porque nos esquecemos de que Deus, nosso Pai é vivo, não morto. “Os quatro seres viventes e os anciãos prostraram-se diante do Cordeiro. Cada um tinha uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos” (Ap 5:8).

      A mediação dos santos é real e muito forte e eles vivem a glória de estar com Cristo no céu, e novamente seguindo o Apóstolo Paulo quando ele diz: “Exorto, pois, antes de tudo o que súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens (1 Tm 2:1) “Os cristãos precisamos orar para viver amor reconciliador que Jesus ensinou-nos a abrir as portas da casa do pai.

    • Para quê os Santos?
      .
      .

      Por Cleber Olympio

      Uma pergunta interessante estampa a capa da revista Veja, na edição 1997 (28/02/2007): “por que o catolicismo precisa de santos”? Como podemos refletir acerca dessa pergunta, sem adotar uma postura apaixonada ou inflamada? Não nos precipitemos nas conclusões. Convido o leitor a examinar as Escrituras, e a perceber a realidade do pensamento divino quanto à questão apresentada.

      Quem é santo, para Deus?

      Sem nos aprofundarmos na questão teológica, sobretudo considerando a origem desse ou daquele termo, percebemos à luz da Bíblia que “santo” é alguém separado para Deus, e nesse sentido específico, separado do pecado. Numerosas são as referências bíblicas acerca da necessidade de todo crente ser santo (Lv 11:45, Lc 1:74, 1Pe 1:16, dentre outras).

      Todos podem ser santos, e devem sê-lo por se tratar de um mandamento divino. E se é um mandamento, Deus dá condições para cumprirmos com sua ordem soberana. Não apenas a partir de atitudes práticas do dia a dia, podemos garantir a santidade em nossas vidas a partir de algo fundamental: a presença do Espírito Santo.

      A vida do crente passa por estágios distintos: eleição – justificação (e redenção) – santificação – glorificação, ensinamento esse baseado nos escritos de Paulo. Podemos perceber também que a santificação, ao contrário do que se pensa sobre a salvação, é um processo, não um ato instantâneo, como a revelação da Palavra ao indivíduo e imediatamente a fé dada por Deus se manifesta em sua vida. A santificação depende da comunhão entre o indivíduo e Cristo, o qual desde o princípio já honrou seu compromisso, ao nos santificar e garantir o perdão de nossos pecados.

      Ademais, ela é necessária para que Deus trabalhe através de nossas vidas. Assim como um cozinheiro não usa panelas sujas para preparar comida, da mesma maneira Deus não usa utensílios sujos para sua obra, como vaso de honra (2 Tm 2:21). A purificação veio a partir de Cristo, e Deus Pai nos recebeu, desde então, como filhos adotivos, como ramos enxertados na Videira. Em conclusão, eu e você, crente em Cristo, somos feitos santos, por parte de Deus.

      Analisando a postura católica acerca dos santos

      O ramo católico dedicado ao estudo da vida dos santos é a hagiografia. Ela trata especificamente de divulgar a vida de pessoas cuja biografia traga aos fiéis elementos que sejam dignos de culto. Com efeito, muitos dos estudos encontrados acerca da vida de santos assim considerados pela igreja romana trazem elementos que identificam o indivíduo como alguém portador de virtudes que mereçam algum tipo de homenagem. Na liturgia católica, há um santo para cada dia do ano – e para os restantes, vale o “Dia de Todos os Santos” (primeiro de novembro).

      A origem da hagiografia deve-se ao costume, ainda da igreja primitiva, de reunir as histórias dos mártires que poderiam servir de testemunho da atuação de Deus em tempos de crise. Com a Idade Média, e a difusão do catolicismo a partir de seu atrelamento ao Império Romano, passou-se à predominância de uma religião sobre as demais, não mais perseguida, mas que contivesse membros dignos de honra por suas virtudes e feitos. Outras razões também existiam:

      O objetivo destas obras era múltiplo: propagar os feitos de um determinado santo, atraindo, assim, ofertas e doações para os Templos e Mosteiros que os tinham como patronos; produzir textos para o uso litúrgico, tanto nas missas como nos ofícios monásticos; para leitura privada ou como textos de escola; instruir e edificar os cristãos na fé; divulgar os ensinamentos oficiais da Igreja, etc. (Dubois, J., Lemaitre, J-L., 1993, p. 74). Desta forma, tais textos eram importantes veículos para a propagação de concepções teológicas, modelos de comportamento, padrões morais e valores. (FRAZÃO DA SILVA, Andréia Cristina Lopes. Hagiografia.

      Fonte: http://www.ifcs.ufrj.br/~frazao/hagiografia.htm

      Desse excerto, dessume-se que existem pessoas cujas vidas foram usadas como referencial para estudos, cooptação de ofertas para templos e mosteiros, e sobretudo para o “marketing” católico, diante de nações ainda não alcançadas pelo império. E mais: a vida de tais pessoas era atraente, até demais, para receberem destaque como patronos de templos e mosteiros.

      Ora, patronos nós temos: Duque de Caxias é patrono do Exército Brasileiro, Santos-Dumont da Força Aérea, Tamandaré da Marinha; haveria semelhança entre eles e as virtudes dos patronos exaltadas pelas instituições mencionadas? A resposta se encontra num detalhe que, por vezes, passa despercebido: aos santos católicos presta-se culto como forma de alcançar o favor divino. Atrai-se atenção ao indivíduo, não a Deus.

      O cristão verdadeiro conta com a oração de seus pares, também chamada de intercessão. Ele, entretanto, faz sua parte, e mantém contato direto com Deus por intermediação única e exclusiva da parte de Jesus Cristo (1 Tm 2:5): um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens.

      Servir de exemplo é uma coisa, servir para culto a fim de se obter graça é algo completamente diferente. Uma justificativa apologética católica está na suposta distinção entre “adorar” e “honrar”, ou venerar:

      Eis os dois sentidos bem indicados pela própria Bíblia: adoração suprema, devida só a Deus; adoração de reverência, devida a outras pessoas. A Igreja católica, no seu ensino teológico, determina tudo isso com uma exatidão matemática. A adoração, do lado de seu objeto, divide-se em três classes de culto: 1. culto de latria (grego: “latreuo”) quer dizer adorar – É o culto reservado a Deus 2. culto de dulia (grego: “douleuo”) quer dizer honrar. 3. culto de hiperdulia (grego: hyper, acima de; douleuo, honra) ou acima do culto de honra, sem atingir o culto de adoração. A latria é o culto que se deve somente a Deus e consiste em reconhecer nele a divindade, prestando uma homenagem absoluta e suprema, como criador e redentor dos homens. Ou seja, reconhecer que ele é o Senhor de todas as coisas e criador de todos nós, etc. O culto de dulia é especial aos santos, como sendo amigos de Deus. O culto de hiperdulia é o culto especial devido a Maria Santíssima, como Mãe de Deus. (…) Os atos exteriores – como genuflexão, inclinação, etc -, são classificados tendo em vista o “objeto” a que se destinam. Se é aos santos que se presta a inclinação, é claro que se trata de um culto de dulia. Se é a Deus, o culto é de latria. (FRENTE UNIVERSITÁRIA LEPANTO. Em Defesa da Fé – Página de Apologética Católica – Intercessão dos Santos – Vivos após a Morte, Relíquias, Cultos.

      Fonte: http://www.lepanto.com.br/ApSantos.html#DifCulto

      Tentar desdobrar a adoração entre dulia, hiperdulia e latria, honestamente, não é a melhor resposta que se podia esperar. Pela explicação dada, não se chega a lugar algum, se não à conclusão de que são todos a mesma adoração dada a indivíduos e a dada a Deus. E sabemos, de antemão, que somente a Deus devemos dar culto, e que nosso Deus é ciumento, não dividindo sua glória a ninguém.

      Se há essa distinção entre latria, dulia e hiperdulia, por que então rezar diante de uma imagem e pedir-lhe favores? Tudo isso por conta da crença de que os santos estão vivos, sendo que a Bíblia categoricamente demonstra que estes somente ressuscitarão quando Cristo voltar novamente? Por que então se fazem honrarias a santos, conferindo-se-lhes relíquias, adornos, procissões, incenso, objetos de verdadeira adoração? Por que os adesivos “Tudo por Jesus, nada sem Maria”, ou “Peça à Mãe que o Filho atende” são tão difundidos?

      Nota-se então algo de errado: tanto a latria, como a dulia e hiperdulia têm a mesma raiz: mascarar a idolatria, não citada propositalmente pelo autor do texto de apologética católica. Idolatria é o desvio do culto a Deus, por quaisquer formas. Não se percebe Deus como o centro de tais práticas, e sim fomentar a crença de que pessoas, que foram tão pecadoras como nós o somos, possuíram algo de “especial” em nosso lugar para interceder por nós.

      Mascara-se um politeísmo, herança greco-romana, para afirmar algumas concepções: Deus é tão etéreo que não se preocupa com seus problemas, Deus é tão distante de pessoas sem virtudes e pecaminosas, e que a intercessão de “santos” é necessária para se chegar a Deus. Com essas concepções radicalmente distantes das Escrituras, vê-se que Jesus é novamente deixado de lado, sua obra para eles restou-se incompleta, e os santos de repente são dotados de “superpoderes”, maiores que os dos meros mortais.

      Acaso o Espírito Santo estaria dividido, operando mais em uns do que em outros? Cristo disse que poderíamos fazer coisas ainda maiores do que ele, pois ele estava indo para o Pai. E quem opera as bênçãos é o Espírito Santo, que distribui seus dons aos crentes, e a ninguém impropera. A origem dos milagres é Deus, sua soberana vontade. Qualquer coisa além disso vem do maligno. O fato, entretanto, de eu poder fazer mais coisas do que Jesus, não me torna maior que ele. Não é o que parece quanto aos santos católicos, por diversas vezes representados, se não em pé de igualdade com Jesus, ainda maiores que este, como nos ícones ortodoxos…

      Para pedir favor de Deus sobre determinada questão, devo erguer meus olhos para vê-lo. Por que então fitar uma imagem? Por que prestar adoração a pessoas que falharam como nós falhamos? Qual a origem de tudo isso, senão a idolatria? Acaso podem o barro ou o metal responder?

      O problema da edificação de santos: o bezerro de ouro

      Em Êxodo, capítulo 32, trata-se especificamente do desvio de foco do homem em relação a Deus. O povo, desejando prontamente uma resposta de Moisés, que tardava em descer do monte Sinai, decidiu construir um bezerro de ouro, que lhes fosse guia em retorno ao Egito. Para o mesmo, prestou-se culto, adornou-se e fez-se festa.

      Algo parecido com hoje em dia?

      O homem sem Deus, ou que julga que Deus o abandonou, ou que está distante dele tal qual parecia longe o cume do monte Sinai, ergue para si mesmo um deus que não fala, não escuta, mas que representa uma aspiração sua, particular. O bezerro de ouro continha a pretensão máxima, a “graça” que os israelitas queriam ver alcançada: livrar-se do deserto imposto por Moisés e voltarem para a terra do Egito, cujo pão e cebolas não faltavam. Vida essa que lhes traria morte.

      De fato, o salmista declara que o idólatra se torna semelhante ao seu ídolo: vazio, inoperante. O ídolo faz para o indivíduo suas vontades, desde que haja uma recompensa na forma de culto. O ídolo é atraente, seu culto é rapidamente difundido, pois ele consubstancia os anseios de toda uma comunidade. O ídolo pode ser visto, tocado, seu poder aparentemente é palpável. Só que ele traz morte, da qual ninguém dos idólatras escapou. Morte física, por vezes, e espiritual também.

      Devemos ser como o ídolo? Ou ser santos para com Deus, nós mesmos?

      O santo católico precisa de um longo e dispendioso processo para ser considerado como tal. Furos por vezes se encontram em suas biografias, ainda que ele mesmo represente um ideal, uma virtude. Já o santo, para com Deus, é lavado com o sangue mais puro que existe. Ele escapará da segunda morte, pois suas vestes foram lavadas pelo sangue do Cordeiro, Jesus, como se afirma no final de Apocalipse. Ele não requer nem ouro, nem prata, para adentrar à presença de Deus, e com ele conversar livremente em oração, pelos méritos de Cristo já alcançados.

      Assim sendo, para quê os ídolos? Para que um “santo”, para o Brasil? Um referencial nacional no Vaticano? Alguém a quem os brasileiros devam prestar culto? Não, pois bendito o Senhor que já tem alcançado milhões de vidas no País, que sabem discernir a vontade de Deus para todos nós: a santificação das nossas próprias vidas – não a de Frei Galvão – pois sem isso jamais veremos a Deus, face a face.

      Conclusão

      Conclamo a você, leitor, para que reflita sobre essas palavras. Precisamos nós de santificação, e que jamais a biografia de quem quer que seja deve tomar o lugar de Deus em nossas vidas. Isto é idolatria, seja ela nas formas de latria, dulia ou hiperdulia.

      Que sejamos nós contados com os salvos naquele dia, podendo dar testemunho de que, com nossas atitudes e palavras, pudemos pregar que “feliz é a nação cujo Deus é Senhor”, não um “santo” feito assim por dinheiro e interesses, ou uma “senhora”, que foi serva eleita de Deus, humana e pecadora, para dar à luz ao nosso Salvador.

      Sejamos nós os santos de Deus.

    • MEU CARO GILMAR MENESES PELAS SUAS PAPAGAIADAS vejo que você se baseia tudo relacionado a Cristo tem que estar na bíblia? Segundo só ela contem toda a verdade? É mesmo! E quem determinou isso? foi o próprio Deus Pai todo poderoso que falou a você que tudo tem que estar na bíblia?

      GILMAR MENESES só se for uma revelação pessoal (FORA DA BíBLIA) porque a própria bíblia diz que a COLUNA QUE SUSTENTA A VERDADE é a Igreja.

      VEJA VOCÊ MESMO

      Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (I Timótio capitulo 3)

      Observe GILMAR MENESES que as palavras de São Paulo ao seu discípulo, no qual ele tratava como filho, ele diz: SE UM dia eu faltar (não estiver mais presente) VÁ A IGREJA, pois a igreja que sustenta a verdade; em nenhum momento ele diz para Timótio pegar as Escrituras (que na época eram mais de 500) colocar debaixo dos braços e sair por ai pregando a sua verdade pessoal.

      E MAIS GILMAR MENESES é a mesma bíblia no qual você diz que é a única fonte de revelação divina, que diz que É ATRAVÉS DA IGREJA que principados e potestades iriam conhecer toda a sabedoria divina.

      Assim, de ora em diante, as dominações e as potestades celestes podem conhecer, pela Igreja, a infinita diversidade da sabedoria divina” (Efésios capítulo 3)

      Veja GILMAR MENESES que, o mesmo São Paulo não diz que seria através de um livro chamado bíblia que todos encontrariam as suas respostas, E SIM ATRAVÉS DA IGREJA.

      Meu rapaz, se não fosse nossos bispos no século IV, nem bíblia iria existir, hoje você estaria lendo livros onde diz que Jesus dava selinho em Maria Madalenas, aliás, se não fosse a nossa tradição, nem quem era o discípulo amado você GILMAR MENESES saberia quem era, pois o mesmo livro não cita o nome desse discípulo, ainda mais, estaria engolindo a tese agnóstica de que tal discípulo amado era Maria Madalena.

      MEU CARO GILMAR MENESES essa teoria de que todas as resposta então em sua bíblia mutilada e adulterada, foi inventada como dogma protestante no século XVI, isso não é doutrina apostólica, os Apóstolos ordenaram que se guardasse tudo o que FOI ESCRITO E O QUE FOI TRANSMITIDO ORALMENTE.

      VEJA

      “15. Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa” (II Tess capítulo 2)

      POR ISSO GILMAR MENESES você seguindo tal heresia chamada Sola Scriptura, estará indo contra a própria bíblia sagrada que nos ensina a guardar tudo o que fora escrito e o que fora pregado oralmente, e ainda mais, a própria bíblia nunca se colocou acima da autoridade da igreja, ela mesma afirma que toda a verdade está na igreja, pois ela só guardou algumas coisas escritas e não tudo.

      GILMAR MENESES AGORA se você quer seguir essa heresia da sola scripture mutilada e adulterada em 1500, tudo bem, é um direito seu, agora nós católico seguimos a coluna sustentáculo da verdade que é a Igreja, nela está guardada toda a sabedoria divina, seja por escrito, seja por tradição ou seja pelo seu magistério.

    • ME DIGA GILMAR MENESES você acredita que Jesus edificou um livro, e mandou escrever seu evangelho e após a ressurreição se transformou em bíblia sagrada,e depois acabou os profetas, acabou as revelações, acabou Deus com sua Criação.

      OLHA GILMAR MENESES eu acredito que Cristo edificou a sua Igreja, mandou anunciar seu evangelho e voltou ao Pai, está conosco todos os dias, atuando e revelando a sua igreja pelo menos é isso que prega todos os padres da igreja em suas obras sermões epístolas cartas livros apologéticas estudos etc…

      GILMAR MENESES veja como você alterou as ordens dos valores, desde quando a Igreja tem que se basear apenas no que está escrito na bíblia?

      Sendo que a mesma precisou da autoridade dessa igreja para nascer e existir!

      Não foi a bíblia que edificou a igreja e sim a igreja quem edificou a bíblia, é a bíblia que tem que ser baseada nos fundamentos doutrinais da igreja, por isso a igreja definiu um cânon, os livros que não estavam de acordo com a doutrina da igreja GILMAR MENESES ficaram de fora.

      SAIBAS GILMAR MENESES QUE a igreja pode pregar qualquer coisa que não esteja escrito, pois São Paulo mandou a igreja guardar tudo o que foi ensinado (SEJA ESCRITO OU SEJA ORAL), já a bíblia não, a bíblia tem que conter apenas o que a igreja tem como doutrina, por isso mais de 500 livros foram expurgados se você quiser GILMAR MENESES TI PASSO TODOS ESSES LIVROS UM POR UM.

      APRENDA UMA COISA GILMAR MENESES que a igreja se baseia em Deus e no que Deus revela a ela, a igreja não se baseia apenas em alguma coisa que foi escrita, nós somos a religião da palavra (Jesus Cristo) e não a religião do livro, religião do livro se chama agnosticismo.

      Por isso São Paulo diz que A LETRA MARA.

      II COR 3
      6. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.

      GILMAR MENESES agora observe as palavras de São Paulo, a nova aliança foi constituída pelo espírito e não pela LETRA, a antiga aliança morreu porque se baseava apenas na LETRA e isso os levou a matar o Filho de Deus.

      Veja que São Paulo diz que nós somos a CARTA DE CRISTO.

      II COR 3
      2. Vós mesmos sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
      3. Não há dúvida de que vós sois uma carta de Cristo, redigida por nosso ministério e escrita, não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, em vossos corações.

      EU TI PERGUNTO GILMAR MENESES você sabe por que São Paulo diz que nós somos a carta de Cristo?

      A carta dele São Paulo? Isso é simples, por que ele sabia que a LETRA mata, se basear apenas na LETRA levou os fariseu as matarem Jesus Cristo, e São Paulo sabia que o ministério do Espírito seria anunciado a todas as gerações seja ESCRITO OU ORALMENTE, nada iria se perder. Por isso ele mesmo diz.

      “Assim, pois, irmãos, estai firmes e conservai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.” (II Tessalonicenses capítulo 2 verso 15, Bíblia versão João Ferreira de Almeida)

      AGORA GILMAR MENESES sabe por que ele pede para se guardar tudo o que foi ESCRITO E O QUE FOI DITO ORALMENTE?

      Porque ele sabia que a LETRA penas matava, pois matou o judaísmo e está matando o protestantismo com suas 50 milhões de seitas, todas com suas verdades pessoais e ninguém fala a mesma língua, observação, todas com a mesma LETRA DEBAIXO DOS BRAÇOS.

      GILMAR MENESES vocês ainda querem justificar a heresia da sola scripture, ainda mais, sola scripture mutilada e adulterada.

      A nossa igreja é uma carta de cristo, ela guardou tudo, não ficou apenas com a Letra e a Letra precisou de sua autoridade para existir.

      GILMAR MENESES reveja seus conceitos meu rapaz, a bíblia não está acima da igreja e não é um Deus.

      Agora sobre as tradição poder se basear em tradições ou não, é simples, tente descobrir de qual livro do AT Mateus retirou a profecia de que Jesus seria chamado Nazareno, ou de onde Judas retirou a idéia de que um anjo e o demônio disputaram o corpo de Moises, e de onde ele retirou as profecias de Henoc sendo que na época de Henoc nem escrita existia,

      Meu caro GILMAR MENESES, os Apóstolos nunca foram adeptos da sola scripture, pois se basear apenas na LETRA MATA, sabe por que Jesus foi condenado? Porque ele trabalhou no sábado, ao fariseu procuraram na LETRA se tinha algo sobre trabalhar no sábado, com não tinha condenaram Jesus a morte, esse fariseus são os protestantes de hoje.

      Agora sobre o porque muitas seita nascem por ai, isso é simples, não tem nada a ver com se basear ou não na bíblia, até porque todas são adeptos da sola sacripture mutilada e adultera, essas seitas nascem por CAUSA DA AUTO INTERPRETAÇÃO, fora da Igreja coluna da verdade.

      Todas essas seitas, TJs, Adventistas, Mormons, seguem a mesma bíblia e sola scripture e todas usam o seu argumento para defender a sua ideologia.

      Sobre a igreja sustentáculo da verdade tem que ter fundamento bíblico, meu caro, GILMAR MENESES veja a besteria que você falou,saibas que até o ano 60 D.C nada do NT tinha sido escrito, mas o evangelho estava sendo pregado, até o século IV não existia cânon bíblico, cada comunidade lia o que bem queria, eram 500 livros espalhados pelas comunidade cristã, agora você me vem com essa de que uma Igreja tem que ter apenas princípios bíblicos?

      Pelo contrario meu rapaz, é a bíblia que tem que ter princípios da Igreja se assim não fosse GILMAR MENESES você estaria lendo que Judas Scariotes era o Discípulo Amado e não traiu Jesus, apenas o libertou desse mundo a pedido do próprio Cristo.

      GILMAR MENESES você diz que a bíblia é a palavra de Deus, você comete mais um pecado, a palavra de Deus é o verbo encarnado, ou seja, Jesus Cristo, você chamar a bíblia de palavra de Deus se chama bibliolatria.

      GILMAR MENESES olha quem é a palavra de Deus.

      Apocalipse 19
      11. Vi ainda o céu aberto: eis que aparece um cavalo branco. Seu cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro, e é com justiça que ele julga e guerreia.
      12. Tem olhos flamejantes. Há em sua cabeça muitos diademas e traz escrito um nome que ninguém conhece, senão ele.
      13. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome é Verbo de Deus.

      GILMAR MENESES você diz seguir apenas a bíblia, porém tudo o que você falou até agora é anti bíblico.

      Quem falou para você que só na bíblia se encontra as palavras de Jesus? Ele edificou uma Igreja ou um Livro?

      As palavra de São Paulo estão vivas, todas as que foram escritas como as que foram apenas transmitidas, por isso NÓS SOMOS A CARTA DELE, GILMAR MENESES se São Paulo quisesse que todos seu ensinamento tivesse em um livro, ele teria escrito o livro de São Paulo e enviado esse mesmo livro a todas comunidade, ao invés de enviar alguma cartas diferentes para regiões diferentes, fora muitas cartas que foram perdidas.

      Como a carta de Laodiceia, São Paulo sabia disso, que nem tudo seria escrito e muitas coisas seriam perdidas, por isso ele diz NÓS SOMOS A CARTA DELE, e ordena que se guarde tudo o que foi escrito e o que foi dito oralmente.

      VAI POR MIM GILMAR MENESES essa de ler a bíblia e pedir a iluminação do senhor para entende-la, é a furada do milênio, vc só conseguir isso em comunhão com sua igreja, fora dele acontece o que aconteceu com o protestantismo 50 milhões de seitas, você diz ter iluminação para entender a bíblia, os TJs, os Adventistas, os Mormosn dizem o mesmo e ninguém fala a mesma língua.

      Ou seja que existe 50 milhões de Espírito Santo? O que te faz ter a certeza que a sua iluminação é melhor do que a dos TJs? Ou dos Judaizantes? Ele tb dizem seguir os principio bíblicos!

      AGORA GILMAR MENESES eu sigo as interpretações dos padres da igreja, pois eles conviveram com os apóstolos e sabiam o que ali estava escrito, e não deixaram o que não fora escrito morrer.

      No dia que você entender que Jesus enviou a sua igreja e mandou anunciar o evangelho ao invés de edificar seu livro e escrever seu evangelho, ai seu olhos serão abertos.

      GILMAR MENESES a bíblia é um livro sagrado e inspirado por Deus, mas é apenas mais uma das fontes de fé Cristã, não é a única, Deus não se calou com a humanidade depois que João morreu, e muito menos deixou de enviar seus profetas e suas revelações. O cristianismo nasceu com os apóstolos e não morreu com a morte dos apóstolos.

    • GILMAR MENEZES VAMOS AO ASSUNTO SOBRE OS SANTOS BÍBLICAMENTE
      Olha GILMAR MENEZES pode ter toda certeza do mundo que a própria Escritura dá testemunho de que Abraão foi considerado justo pelos apóstolos (cf. Rm 4,3-9; Gl 3,9; Hb
      6,15; Tg 2,23). GILMAR MENEZES este reconhecimento de que Abraão estava no céu com Deus é um exemplo de canonização na própria Escritura e já na era apostólica.
      SOBRE ISSO GILMAR MENEZES EXISTEM MAIS DE 200 ESCRITOS QUE TESTIFICAM ISSO SÓ DO PRIMEIRO E SEGUNDO SÉCULO DA ERA CRISTÃ SEM UMA SÓ ÚNICA VOZ DISCORDE
      Agora GILMAR MENEZES vou ti da um outro exemplo que podemos citar na própria Escritura é a canonização de Estevão.
      GILMAR MENESES assim diz a Escritura que era homem cheio do Espírito Santo (cf. At 6,8). Quando foi martirizado em nome da Fé em Cristo, viu a Glória do Cristo e pediu ao Senhor que recebesse o seu espírito (cf. At 7,55-59).

      AGORA EU TI PERGUNTO GILMAR MENEZES será que Estevão não foi para o céu? Claro que sim! E mais ele foi considerado santo pelo próprio apóstolo Paulo (cf. At 22,20), que assistiu a pregação de Estevão e corroborou com a sua morte.
      E OUTRA GILMAR MENESES e o bom ladrão que reconheceu Cristo como seu Salvador e que o próprio Senhor prometeu levá-lo ao paraíso (Lc 23,43), por acaso GILMAR MENESES não é um outro exemplo de canonização feita pela própria Escritura?
      OLHA GILMAR MENEZES a canonização não faz parte da doutrina católica, mas da práxis católica.
      O que faz parte da doutrina católica é a Comunhão dos Santos, não confundir.
      GILMAR MENEZES VOU TI CITAR por exemplo as obras conhecidas na antiguidade como hagiógrafos (atas da vida dos santos).
      Os hagiógrafos testificavam o reconhecimento pela Igreja de que uma determinada pessoa ou grupo de pessoas era santo e que já gozava da presença de Deus.
      E MAIS GILMAR MENEZES a Igreja desde os primeiros séculos reconhecia os mártires como santos (a exemplo de Estevão, considerado o primeiro mártir da Igreja).
      Ser um mártir da fé era um critério que não deixava dúvidas se uma pessoa devia ser considerada santa, isto é, um modelo na fé, um herói em Cristo e que estava no céu.

      Os hagiógrafos mais citados da antiguidade são as atas dos mártires de Lião (177 d.C) e do Martírio de S. Policarpo de Esmirna (250 d.C.), discípulo de S. João (1).
      Como se vê, GILMAR MENEZES a canonização dos santos, isto é, o reconhecimento de que uma pessoa venceu a corrida (cf. Cl 2,8) e que está com Deus, é uma prática que consta na Bíblia e que sempre foi observada pelos primeiros cristãos.

      GILMAR MENEZES assim diz as escrituras sagradas.
      Hebreus 13
      7. Lembrai-vos de vossos guias que vos pregaram a palavra de Deus. Considerai como souberam encerrar a carreira. E imitai-lhes a fé.

      OLHA GILMAR MENEZES

      Agora observe que venerar os Santos é uma ordem Bíblica, se eu lembro, considero e imito já estou venerando, a veneração respeitosa aos Santos e Anjos é uma doutrina já praticada no (AT).
      Pra você que não sabe GILMAR MENEZES o Rei Davi em um ato de veneração compôs um cântico fúnebre para Saul e Jonathan após a morte deles.
      VEJA
      II Samuel 1
      Compôs então Davi o seguinte cântico fúnebre sobre Saul e seu filho Jônatas,
      Ordenando que fosse ensinado aos filhos de Judá. É o canto do Arco, que está escrito no Livro do Justo:
      Tua flor, Israel, pereceu nas alturas! Como tombaram os heróis?

    • Sr Marcos;

      Se o Ser Humanao não pode intervir… não seria melhor Deus enviar o anjo com a melhor tradução da bíblia? para que haja apenas uma Tradução? e não tantas….

      Claro que Deus precisou de homens Jesus escolheu os 12 apostólos para perpetuar a sua missão.

      Pax domini

    • GILMAR MENEZES VEJA AQUI ALGUNS testemunhos primitivos sobre o cânon bíblico

      AMIGO AQUI É A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA SE VOCÊ CONTESTA ME TRAGA DOCUMENTOS E PROVAS QUE PROVE O CONTRÁRIO

      POIS GILMAR MENEZES EU FICO PASMADO DE VÊ NESSES SITES alguns protestante analfabetos sem entendimento levado pela loucura e lorota de afirmar de que a Igreja Católica teria acrescentado vários livros apócrifos à Bíblia durante o Concílio de Trento, no séc. XVI?

      GILMAR MENEZES quando eles falam isso, estão querendo se referir a sete livros do Antigo Testamento que não se encontram em suas bíblias: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc e os dois livros dos Macabeus (além de alguns trechos dos livros de Daniel e Ester). Porém, a própria História – que é imutável – desmente tal argumento, e mostra que isso é uma piada

      VEJA AÍ GILMAR MENEZES ALGUMAS MAIS CENTENAS DE MILHARES DE MILHARES DE PROVAS

      “Cânon 36 – E mais Parece-nos bom que, fora das Escrituras canônicas, nada deva ser lido na Igreja sob o nome ‘Divinas Escrituras’.

      E as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênese, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, quatro livros dos Reinos1, dois livros dos Paralipômenos2, Jó, Saltério de Davi, cinco livros de Salomão3, doze livros dos Profetas4, Isaías, Jeremias5, Daniel, Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, dois livros de Esdras6 e dois [livros] dos Macabeus. E do Novo Testamento: quatro livros dos Evangelhos7, um [livro de] Atos dos Apóstolos, treze epístolas de Paulo8, uma do mesmo aos Hebreus9, duas de Pedro, três de João, uma de Tiago, uma de Judas e o Apocalipse de João.10 Sobre a confirmação deste cânon se consultará a Igreja do outro lado do mar11. É também permitida a leitura das Paixões dos mártires na celebração de seus respectivos aniversários12″ (Concílio de Hipona, 08.Out.393).
      “Parece-nos bom que, fora das Escrituras canônicas, nada deva ser lido na Igreja sob o nome ‘Divinas Escrituras’. E as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênese, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, quatro livros dos Reinos, dois livros dos Paralipômenos, Jó, Saltério de Davi, cinco livros de Salomão, doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel, Ezequiel, Tobias, Judite, Ester, dois livros de Esdras e dois [livros] dos Macabeus. E do Novo Testamento: quatro livros dos Evangelhos, um [livro de] Atos dos Apóstolos, treze epístolas de Paulo, uma do mesmo aos Hebreus, duas de Pedro, três de João, uma de Tiago, uma de Judas e o Apocalipse de João12. Isto se fará saber também ao nosso santo irmão e sacerdote, Bonifácio, bispo da cidade de Roma, ou a outros bispos daquela região, para que este cânon seja confirmado, pois foi isto que recebemos dos Padres como lícito para ler na Igreja” (Concílio de Cartago III (397) e Concílio de Cartago IV (419)).
      “Tratemos agora sobre o que sente a Igreja Católica universal, bem como o que se dever ter como Sagradas Escrituras: um livro do Gênese, um livro do Êxodo, um livro do Levítico, um livro dos números, um livro do Deuteronômio; um livro de Josué, um livro dos Juízes, um livro de Rute; quatro livros dos Reis13, dois dos Paralipômenos; um livro do Saltério; três livros de Salomão: um dos Provérbios, um do Eclesiastes e um do Cântico dos Cânticos; outros: um da Sabedoria, um do Eclesiástico. Um de Isaías, um de Jeremias com um de Baruc e mais suas Lamentações, um de Ezequiel, um de Daniel; um de Joel, um de Abdias, um de Oséias, um de Amós, um de Miquéias, um de Jonas, um de Naum, um de Habacuc, um de Sofonias, um de Ageu, um de Zacarias, um de Malaquias. Um de Jó, um de Tobias, um de Judite, um de Ester, dois de Esdras, dois dos Macabeus. Um evangelho segundo Mateus, um segundo Marcos, um segundo Lucas, um segundo João. [Epístolas:] a dos Romanos, uma; a dos Coríntios, duas; a dos Efésios, uma; a dos Tessalonicenses, duas; a dos Gálatas, uma; a dos Filipenses, uma; a dos Colossences, uma; a Timóteo, duas; a Tito, uma; a Filemon, uma; aos Hebreus, uma. Apocalipse de João apóstolo; um, Atos dos Apóstolos, um. [Outras epístolas:] de Pedro apóstolo, duas; de Tiago apóstolo, uma; de João apóstolo, uma; do outro João presbítero, duas14; de Judas, o zelota, uma. (Catálogo dos livros sagrados, composto durante o pontificado de São Dâmaso [366-384], no Concílio de Roma de 382)
      “Quais os livros aceitos no cânon das Escrituras, o breve apêndice o mostra: Cinco livros de Moisés, isto é, Gênese, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Um livro de Josué, filho de Num; um livro dos Juízes; quatro livros dos Reinos; e Rute. Dezesseis livros dos Profetas; cinco livros de Salomão; o Saltério. Livros históricos: um de Jó, um de Tobias, um de Ester, um de Judite, dois dos Macabeus, dois de Esdras, dois dos Paralipômenos. Do Novo Testamento: quatro livros dos Evangelhos; quatorze epístolas do apóstolo Paulo, três de João, duas de Pedro, uma de Judas, uma de Tiago; os Atos dos Apóstolos; e o Apocalipse de João” (papa Inocêncio I, 20.02.405; Carta “Consulenti Tibi” a Exupério, bispo de Tolosa).
      “Devemos agora tratar das Escrituras Divinas. Vejamos o que a Igreja Católica universalmente aceita e o que deve ser evitado: (1) Começa a ordem do Antigo Testamento: um livro da Gênese, um do Êxodo, um do Levítico, um dos Números, um do Deuteronômio, um de Josué (filho de Nun), um dos Juízes, um de Rute, quatro livros dos Reis, dois dos Paralipômenos, um livro de 150 Salmos, três livros de Salomão (um dos Provérbios, um do Eclesiastes, e um do Cântico dos Cânticos). Ainda um livro da Sabedoria e um do Eclesiástico. (2) A ordem dos Profetas: um livro de Isaías, um de Jeremias com Cinoth (isto é, as suas Lamentações), um livro de Ezequiel, um de Daniel, um de Oséias, um de Amós, um de Miquéias, um de Joel, um de Abdias, um de Jonas, um de Naum, um de Habacuc, um de Sofonias, um de Ageu, um de Zacarias e um de Malaquias. (3) A ordem dos livros históricos: um de Jó, um de Tobias, dois de Esdras, um de Ester, um de Judite e dois dos Macabeus. (4)A ordem das escrituras do Novo Testamento, que a Santa e Católica Igreja Romana aceita e venera são: quatro livros dos Evangelhos (um segundo Mateus, um segundo Marcos, um segundo Lucas e um segundo João). Ainda um livro dos Atos dos Apóstolos. As 14 epístolas de Paulo Apóstolo: uma aos Romanos, duas aos Coríntios, uma aos Efésios, duas aos Tessalonicenses, uma aos Gálatas, uma aos Filipenses, uma aos Colossenses, duas a Timóteo, uma a Tito, uma a Filemon e uma aos Hebreus. Ainda um livro do Apocalipse de João. Ainda sete epístolas canônicas: duas do Apóstolo Pedro, uma do Apóstolo Tiago, uma de João Apóstolo, duas epístolas do outro João (presbítero) e uma de Judas Apóstolo (o zelota)” (papa S. Gelásio, ~495; Decreto Gelasiano; repetido em 520 pelo papa S. Hormisdas. Seguido também pelo Concílio Ecumênico de Florença15 [1438-1445], e novamente ratificado pelos Concílio de Trento16 [1546-1563] e Vaticano I [1870])).

    • GILMAR MENEZES VEJA QUE ENTRE OS SANTOS E TESTEMUNHAS DE JESUS QUE TIVERAM SEU SANGUE DERRAMADO, ESTAVAM OS PAPAS QUE ERAM MORTOS PELOS IMPERADORES, QUANDO ROMA NÃO ERA AINDA CRISTÃ
      AMIGO A IGREJA NASCEU CATÓLICA OLHA GILMAR MENEZES A IGREJA CATÓLICA
      E MAIS EXISTEM UM FARTO E INUMERAVEIS DOCUMENTOS PELA IGREJA PELOS ESCRITORES DA ÉPOCA DOS FATOS OCORRIDOS

      E TAMBÉM GILMAR MENEZES PARA TIRAR SUAS DUVIDAS ENTRA NA HISTÓRIA PRIMITIVA VAI NOS DOCUMENTOS FORA DA IGREJA ENTRA NA HISTÓRIA DOS IMPERADORES QUE VOCÊ VAI TAMBÉM TER TODOS OS DOCUMENTOS E PROVAS DOS FATOS OCORRIDOS A IGREJA NASCEU CATÓLICA JESUS CRISTRO FUNDOU UMA SÓ IGREJA SE VOCÊ CONTESTA ME REFUTE

      VEJA GILMAR MENEZES A LISTA DOS NOSSOS PAPAS MARTÍRES
      .
      Século I
      .
      1º Papa – S. Pedro – bispo de Roma no período de 37 a 67 morto por Nero – imperador no período de 41 a 68
      2º Papa – S. Lino – de 69 a 79 morto por Vespasiano – de 69 a 79
      3º Papa – S. Cleto – de 79 a 92 morto por Domiciano – de 81 a 96
      .
      Século II
      .
      4º Papa – S. Celemente – de 92 a 101 morto por Trajano – de 98 a 117
      5º Papa – St. Evaristo – de 101 a 107 morto por Trajano
      6º Papa – St. Alexandro – de 107 a 116 morto por Trajano
      7º Papa – S. Xisto – de 116 a 125 morto por Adriano – de 117 a 138
      8º Papa – S. Telésforo – de 125 a 138 morto por Adriano
      9º Papa – St. Higino – de 138 a 142 morto por Antonino – de 138 a 161
      10º Papa – S. Pio I – de 142 a 155 morto por Antonino
      11º Papa – St. Aniceto – de 155 a 166 morto por M. Aurélio de – 161 a 180
      12º Papa – S. Sotero – de 166 a 174 morto pro M. Aurélio
      13º Papa – St. Eleotério – de 174 a 189 morto por Comodo de 180 a 193
      14º Papa – S.Vitor I – de 189 a 199 morto por S. Severo – de 193 a 211
      .
      15º Papa – S. Zeferino – de 199 a 217 morto por Caracala – de 211 a 217
      16º Papa – S. Calixto I – de 217 a 222 morto por Heliogabalo de 218 a 222
      17º Papa – St.Urbano I – de 222 a 230 morto por A. Severo de 222 a 235
      18º Papa – S. Ponciano – de 230 a 235 morto por Alexandre Severo
      19º Papa – St. Antero – de 235 a 236 morto por Maximino de 235 a 238
      20º Papa – S. Fabiano de 236 a 250 morto por Décio de 249 a 251
      21º Papa – S. Cornélio – de 251 a 253 morto por Treboniano – de 251 a 253
      22º Papa – S. Lúcio – de 253 a 254 morto por Valeriano – de 253 a 260
      23º Papa – St. Estêvão – de 254 a 257 morto por Valeriano
      24º Papa – S. Xisto II – de 257 a 258 – Morto por Valeriano
      25º Papa – S. Dionísio – de 259 a 268 – Não sofreu o martírio
      26º Papa – S. Félix – de 269 a 274 – morto por Aureliano – de 270 a 275
      27º Papa – S. Eutiquiano – de 275 a 283 – não sofreu o martírio
      28º Papa – S. Caio – de 283 a 293 – Não sofreu o martírio
      .
      Século IV
      .
      29º Papa – S. Marcelino – de 296 a 304 – Não sofreu o martírio
      30º Papa – S. Marcelo I – de 308 a 309 – morto por Constâncio de 305 a 311
      31º Papa – St. Euzébio – de 309 a 310 – desterrado por Maxêncio
      32º Papa – S. Melquíades – de 311 a 314 – Este não foi morto – Já reinava Constantino I, o Grande – O primeiro imperador cristão. Logo, “os Santos e Testemunhas de Jesus” de que fala a bíblia eram principalmente os Papas, líderes dos cristãos.
      .
      E ainda você GILMAR MENEZES tem a cara de pau de dizer que quem “criou a Igreja Católica foi Constantino”… hahaha. Conta outra.

  29. Se relamente o Catolicismo condena a IDOLATRIA porque prestam culto a N.S.Aparecida? Porque usam Maria como intermediaria? Se Jesus veio e morreu por nós, portanto ÉLE é o unico que pode nos salvar ELE é o unico que devemos prestar culto. Todos que ensinam errada vão dar conta diante do Tribunal de Deus.

    • Cara Mariana,

      A paz do Senhor!
      Minha irmã em Cristo, de fato, como repetidamente afrimamos aqui, o Catolicismo é MONOTEÍSTA. Ou seja, cremos em UMSÓ DEUS, criador do Céu e da Terra e em Jesus Cristo, Seu único Filho, que nasceu da Virgem pelo poder do Espirito Santo. Cremos no ESpírito Santo, terceiraessoa da Satíssima Trindade.

      Culto de adoração prestamos à Deus e à Ele somente! O entendimento protestante do catolicismo, infelizmente, é repleto de equívocos e preconceito. Imagimam saber o que é o Catolicismo, mas tiram conclusões com base nas aparências, sem entender o fundo teológico daquilo que veem.

      Cara Irma, leia isto: Jesus único intercessor e a comunhão dos Santos

      Suas perungutnas já foram respondidas aqui. MAs vc tem que acreditar nas res
      Ostas dadas. isso não é uma contenda. O catolicismo não tem que mentir sobre aquilo que ensina para agradar aos protestantes, sabe? A Igreja de CRisto não tem que dar ‘satisfações’ para ninguém para tornar-se mais atraente. Não! Pelo contrário, ela não busca ser mais atraente, mas fiel áquilo que recebeu de Cristo.

      Veja, Cristo não fez difente daquilo que Javé, Deus de todas as coisas, fez no Antigo Testamento. Deus escolheu um povo e falou a ele por intermediarios, os profetas.Deu tb mediadores, como Moisés. Se o povo de Deus o ouvia por Moisés, a família de Deus, os Cristãos, com a Ascenção de Cristo, tornou-se parte do Corpo dele, a Igreja. Pode o corpo viver sem a cabeça?, alguém aqui perguntou recetemente. Não! Ou seja, o corpo de Cristo é parte de Cristo! Lembra o que o Senhor disse à Saulo a caminho de Damasco? “SAulo, por que me persegues? ME persegues e não por que persegue os meus seguidores? Percebe que Jesus vê a Igreja como parte dele?
      Assim, como no antigo testamento, Deus deu um intecessor, um mediador no Novo Testamento, o corpo de Cristo, nós, sua Igreja, somos intercessores juntos com Cristo. mediamos aquilo que é para o bem do Reino. Cristo é o Eterno sumo Sacerdote, e Pedro disse que nós somos uma nação Real de sacerdotes. Nós compartilhamos do sacerdócio dele!

      Faça uma busca noblog. Há muito artigos postados aqui sobre o tema!

      Pax Domini,
      H

  30. Obrigado por responder Helen vou ler sim e espero q me convença, agora sobre outro assunto que tenho curiosidade de saber quando fui na igreja evangelica na sessão de descarrego achei meio falsa akelas pessoas digamos assim com espitutus ruins, pq na igreja evangelica se ve tantos casos disso e na catolica não?

    • Iranilson,

      A Missa Católica é uma celebração de Adoração à DEus. Nela ouvimos a Palavra, na liturgia da Palavra. Cantamos salmos de louvor. Fazemos prece de Intercessão pelo mundo e todos nele viventes. Pedimos perdão por nossos pecados, Damos Gloria a Deus e recebemos o Corpo de Cristo na Eucaristia. Não há na missa católica um momento reservado para a libertação daqueles oprimidos pelo acusador, o diabo.

      Mas a Igreja reserva a essas situações um Rito especial de Exorcismo, que deve ser realizado sob o estrito discernimento do bispo local e com sua permissão em situação determinada pelo presbítero. Não se faz exorcismo na missa porque exorcismo não é um show, não é entretenimento. Não sei dizer porque essa prática ocorre nas igrejas evangélicas. Mas, seguramente, não é uma prática proveniente da Igreja Primitiva, a Igreja dos Apóstolos.

      Leia sobre os Por quês da Missa Católica AQUI e AQUI

  31. Tenho duvida qual religião seguir que Deus me perdoe se eu estiver errado não gosto da Igreja evangelica fui algumas vezes e em todos os dias q fui o dizimo foi pedido(parece que o proposito de Deus é o dizimo) para se proteger da tal espirital devorador(que para mim não existe é uma interpretação maliciosa para conseguir dinheiro)HELEN vc que parece entender bem a Biblia a pocissão com imagens de santos e orações e cantos para santo não seria pecado? tipo viva a são fulano e etc.. ja que na biblia diz: nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar.

    Esperando que tenha uma resposta convincente pois gostaria de entrar para o catolicismo

    espero que responde

    • Iranilson,

      A paz do Senhor!
      Louvado seja Deus por sua mensagem! obrigada por vir até aqui ao blog.

      Caro amigo, antes de lhe responder, sugiro que entre na nossa pagina de testemunho e leia com atenção o testemunho do Irmão Manuel, de Angola.

      Eu posto também um link aqui do blog sobre os Santos e Jesus com o ÚNICO MEDIADOR entre Deus e os Homens – coisa que a Igreja Católica prega, mas muitos fazem confusão e tiram conclusões erradas.

      Leia tudo com atenção. Se precisar de mais esclarecimento, volte a escrever enviando um email para igrejamilitante@yahoo.com e terei o MAIOR prazer em Responder!

      Antes, porém, peço que reflita sobre o que diz o catecismo da Igreja Católica:

      “A idolatria é uma perversão do sentido inato do homem religioso. Idólatra é aquele que” transfere a sua indestrutível noção de Deus como algo diferente de Deus “(CIC 2114).

      Meu caro Iranilson, ser idólatra é por qualquer coisa no lugar devido a Deus somente! Pode ser o dinheiro, a mulher amada, o emprego, um bem material.

      Eis bons artigos.

      Idolatria e Imagem de Santos

      http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/03/03/imagens-sagradas-versus-idolatria-o-que-diz-a-igreja/

      Rezar aos Santos e Com os Santos

      http://igrejamilitante.wordpress.com/2010/12/15/rezar-com-os-santos-nao-e-idolatria/

      Cristo único Mediador
      http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/05/30/os-santos-podem-interceder-por-nos-se-cristo-e-o-unico-mediador/

      • Helen não consegui saber o porque da igreja catolica fazer procissão ja que como diz o amigo acima: nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salva

        queria uma explicação sua

        • Sr. Marcelo,
          já participei de muitas procissões em minha paróquia, inclusive ajudando a carregar imagens de santos por quem tenho admiração e respeito pelo exemplo de vida cristã que nos deram. Sei que a imagem que ajudo a carregar é uma representação que me estimula a refletir sobre como posso agir tal como aquele santo agiu na sua vida. Estou sendo idolatra por isso ?
          Carrego uma foto da minha filha no celular e durante o horário de trabalho dou risadas sempre que revejo a mesma imagem. Estou sendo idolatra por isso ?
          No dia Finados sempre vou com meu pais ao túmulo de minha avó de quem sempre recordamos momentos felizes e até engraçados que passamos juntos. Estou sendo idolatra por isso ??
          Sua leitura distorcida da Bíblia lhe deu o entendimento que qualquer uma desta atitudes que muito católicos tem é idolatria ??

        • Marcelo,

          Antes de entender a procissão, temos que entender o por que da veneração ao santo, que aliás, como dito exaustivamente aqui no blog, não ofende a Deus porque NÃO é idolatria, uma vez que nenhum santo católico é tido como um “mini deus”, com poderes próprios, senão o da intercessão junto a Deus por meio de Cristo, o único mediador.

          Mas antes de tratarmos dos Santos, Marcelo, vamos dar uma olhadinha muito breve no topico das procissões, que ao contrario do que se pensa não é uma “invenção” católica e já existia no antigo testamento, os Judeus, por exemplo, processionavam com a arca da aliança, que inclusive era decorada com a figura de dois anjos – mais uma prova de que fazer imagem não é ofensa a Deus, senão Ele mesmo não teria mandado por os anjos para decorar a arca.

          As Procissões, um elemento em todo cerimonial, encontram-se, como seria de esperar, em quase todas as formas de culto religioso. O exemplo das procissões com a Arca no Antigo Testamento (cf. especialmente 2 Samuel 6 e 1 Reis 8) e a entrada triunfal de nosso Salvador em Jerusalém no Novo foram, provavelmente, uma influência sobre o ritual de idades posteriores na tradição católica.

          Quanto as imagens, a Igreja Católica não está a desafiar qualquer um dos mandamentos de Deus ao fazer procissões e usar imagens de santos. Essa crença revela uma ignorância dos fatos bíblicos que cercam estátuas. Em Êxodo 20:04 Deus condenou a escultura de estátuas porque no contexto histórico daquele mandamento o povo hebreu, influenciado por costumes pagãos, deram para fazer imagens de tudo que é coisa e adorá-las como ídolos – uma blasfêmia a Igreja Católica também condena. Em Êxodo 25:18-20, por outro lado, Deus ordena a Moisés a esculpir estátuas para um propósito religioso: dois querubins assentado em cima da Arca da Aliança, como já mencionei. Provavelmente, se Deus tivesse escolhido nos dar seus mandamentos na era de hoje, no ano de 2012 ao invés de dizer ” Não farás para ti um “deus” das celebridades da TV, do time de futebol, do teu trabalho, ou carro novo”… pois é assim que hoje, em 2012, muitos de nós cristãos tornamos-nos idólatras, e damos o lugar de Deus em nossas vidas, aos bem materiais e pessoas que admiramos e amamos. Até admitimos isso ao chamar um artista-atleta, etc, de ídolo do Rock, idolo do futebol…

          Mas enfim, voltando à arca e à bíblia… observe que essas imagens angelicais serviam um propósito exaltado (não porque as estátuas em si foram de alguma forma intrinsecamente exaltadas, mas por causa do uso a que seriam postas) que Deus foi muito exigente nas instruções que ele deu a Moisés quanto à materiais a serem utilizados e sobre a postura em que eles (os anjos) deveriam ser esculpidos. Semelhantemente, outras ordens divinas foram dada para esculpir estátuas e imagens e decorações em vários objetos religiosos como são abordados em Êxodo 21:6-9, Números 21:6-9, 1 Reis 6:23-28, e 1 Reis 7:23 – 39. Em cada caso, a imagem, estátua ou decoração foi destinado por Deus para um uso religioso.

          Embora o culto de qualquer coisa, não apenas estátuas, em lugar do Deus verdadeiro seja idolatria, há momentos em que estátuas não são apenas tolerável, mas recomendada. Assim como as estátuas do Antigo Testamento foram encomendados formado por Deus para lembrar os israelitas de realidades celestiais, estátuas católicas de Jesus e os anjos e os santos têm a mesma finalidade, não visam desviar nossa atenção de Deus, mas sim voltá-la a Ele.

          Pax Domini,

          H.

          • obrigado por me dar atenção

            então helen e denilson a palavra: nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar.

            seria apenas pq akele povo era idoladra a falsos Deus?

            desculpe a ignorancia é que eu conheço pouco da biblia

            e ao que me parece os evangelicos interpretam a biblia por frases e não por ela toda por isso eles erram

            obrigado

            • Sim, é idolatria fazer de uma estátua, pessoa, emprego, conjuge, celebridade da televisão, etc, um “deus” em sua vida.
              Os idólatras do Velho Testamento faziam exatamente isso. Eles criam que haviam outros deuses além do Deus verdadeiro. Coisa que a Igreja Católica categoricamente repreende e recusa!

              Pax Domini,

  32. acabara sim caro,pois a vinda de Jesus esta próxima e em período curto de tempo aquele que não se converter dos seus maus caminhos,e conversar a Cristo como salvador de vossas vidas, ficará a lamentar por não ter ido ver o PAI na gloria,e sentir o abraço do filho amado aquele que veio em favor do povo escolhido,e breve virá buscar a sua igreja amada.como diz a palavra do Senhor…..

    • RENATO PELAS SUAS PALAVRAS JÁ VI QUE VC É UM PROTESTANTE
      SEMPRE COM AS MESMAS LOROTAS E SOFISMAS

      SE VC FOR PROTESTANTE QUEM TEM QUE SE CONVERTER É VC

      POIS EU PERTENÇO A ÚNICA IGREJA QUE É BÍBLICA E TESTIFICADA POR TODOS OS PADRES DA IGREJA E NÃO PELO DEMÔNIO DE NUME LUTERO E CALVINO

  33. HELEM PEGUEI A BIOGRAFIA DE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA MORTO NO ANO 96 DA ERA CRISTÃ PARA VOCÊ VÊ QUE ELE FOI UNS DOS PRIMEIROS ESCRITORES ECLESIÁSTICO A ESCREVER SOBRE DE MARIA ASSUNTA AO CÉU

    ISSO É NO TEMPO DE SÃO PAULO AINDA VIVO

    VEJA AQUI EM BAIXO UM POUCO DE
    SUA BIOGRAFIA

    São Dionísio Areopagita

    Os cristãos sempre sofreram intensas perseguições, chacinas e saques durante o transcorrer dos séculos, principalmente no início da formação da Igreja. Tanto que muitos dos escritos foram queimados ou destruídos de outra forma. Por isso a memória da Igreja, às vezes, tem dados insuficientes sobre a vida e a obra de santos e mártires do seu passado mais remoto. Para que essas poucas evidências não se perdessem, ela se valeu das fontes mais fiéis da literatura mundial, que nada mais são do que as próprias narrações das antigas tradições orais cristãs preservadas pela humanidade.

    Interessante é o caso dos dois santos com o nome de Dionísio, venerados pelo cristianismo. A data de hoje é consagrada ao Areopagita, sendo o outro santo, o primeiro bispo de Paris, festejado no dia 9 deste mês.

    O Dionísio homenageado foi convertido pelo apóstolo Paulo (At 17,34) durante a sua pregação aos gregos no Areópago, daí ter sido agregado ao seu nome o apelido de Areopagita.

    O Areópago era o tribunal supremo de Atenas, na Grécia, onde eram decididas as leis e regras gerais de conduta do povo. Só pertenciam a ele cidadãos nascidos na cidade, com posses, cultura e prestígio na comunidade. Dionísio era um desses areopagitas.

    Nascido na Grécia, no seio de uma nobre família pagã, estudou filosofia e astronomia em Atenas. Em seguida, foi para o Egito finalizar os estudos da matemática. Ao regressar a Atenas, foi nomeado juiz. Até ele chegou o apóstolo Paulo, quando acusado ante o tribunal em que se encontrava Dionísio.

    Dionísio, ao assistir à eloqüente pregação de Paulo, foi o primeiro a converter-se. Por isso conseguiu para si inimigos poderosos entre a elite pagã que comandava a cidade. Foi então que são Paulo acolheu o areopagita entre seus primeiros discípulos.

    Logo em seguida, Dionísio foi consagrado pelo próprio apóstolo como bispo de Atenas. Nessa condição, ele fez muitas viagens a terras estrangeiras, para pregar e aprender a cultura dos outros povos. Segundo se narra, nessas jornadas teria conhecido pessoalmente são Pedro, são Tiago, são Lucas e outros apóstolos. Além de os registros antigos fazerem referência sobre ele na dormição e Assunção da Virgem Maria, a mãe do Filho de Deus.

    Em Atenas, seus opositores na política conseguiram sua condenação à morte pelo fogo, mas ele se salvou, viajando para encontrar-se com o papa em Roma. Depois, só temos a informação do Martirológio Romano, na qual consta que são Dionísio Areopagita morreu sob a perseguição contra os cristãos no ano 95.

    • ISSO É INCRÍVEL DEPOIS QUE VEIO A INTERNET VEIO ESSES SITES CATÓLICOS DE EXEGESE E APOLOGÉTICA QUE SÃO MARAVILHOSOS
      E QUE AO MESMO TEMPO ESTÃO ABRINDO OS OLHOS DE MUITAS PESSOAS E DIGO MAIS SE CONTINUAR A NASCER SITES COMO ESSE AQUI QUE PREGA E MOSTRA A PATRÍSTICA E OS TESTEMUNHOS CRISTÃOS PRIMITIVOS

      LOGO LOGO A SEITA PROTESTANTE ACABARÁ MUITO PELA METADE EM UM CURTO TEMPO PODE TER CERTEZA DISSO

  34. Nunca vi tantas heresias juntas. Quem escreveu este artigo deveria também atentar-se para as mais de cinquenta referências em que a idolatria (em seu significado estrito ou amplo) é condenada, bem como as dezenas de referências em que estátuas foram derrubadas, sobretudo as construídas dentro do templo do Senhor, para que a fé de Israel no Deus Vivo fosse restaurada. Um sábio disse: texto sem contexto é pretexto para heresia e fundamentalismo. Meu caro escritor, quando Deus manda os israelistas construirem a serpente, Ele está fazendo uma menção do Messias vindouro. Lembre-se também que, porque os israelistas confundiram o papel profético messiânico da serpente Deus irou-se e mandou derrubar a serpente, tempos depois, durante o reinado dos reis de Israel. Igualmente, a igreja católica tem confundido o papel das imagens, e estas tem tornado-se objetos de adoração, ou fazer uma prossição de horas no sol atrás de uma imagem é o que. Talvez, os heruditos católicos até tenham consciência que, as imagens sejam objetos só de veneração, como vocês preferem dizer. Todavia, este não é o entendimento de mais de noventa por cento dos católicos, na maioria das vezes não esclarecidos pelos seus líderes espirituais. Líderes espirituais e escritura deste blog que tal esclarecer os católicos, da mesma maneira que os eruditos são! Para se ter ideia da diferença do esclarecimento, um erudito diz que só Jesus é Intercessor e Mediador entre Deus e os homens, um leigo, por outro lado, acha que Maria, a serva do Senhor, quem precisou também de salvação, por isso mesmo ela foi a primeira a aceitar Jesus, também é intercessora. Abramos, então, os nossos olhos e deixemos o sincretismo de lado. Chega de cegueira espiritual, cegueira adquirida quando defendemos a religiosidade, seja ela qual for, ao invés da espiritualidade que transforma, que muda a maneira de agir e pensar. Certa vez, vendo a Canção nova, ouvi um Padre dizer, só o sacramento da confissão purifica. Que bobagem! Eu digo, só o Sangue Precioso e Valioso de Jesus Cristo purifica. O sacramento da confissão nada mais é do que um atalho ineficaz para buscar santificação. A verdadeira santificação só será atingida se nos prostarmos ao Senhor, abrirmos nosso coração e nos arrependermos, não com lágrimas de crocodilo, mas com lágrimas genuínas, fruto de uma arrependimento verdadeiro. Jesus é o único Caminho da purificação, quando estamos sujos só Ele pode nos purificar, nos justificar. Deixemos, portanto, esta discussão infrutifera de lado, se pode ou não existir imagens, e simplesmente creiamos num Deus vivo, quem não é uma imagem e sim um Ser real, Onipresente, Onipotente e Onisciente.

    • Claudio,

      O seu problema é que apesar de ler as escrituras, parece não entender o que elas dizem!!! Simplesmente, em poucas palavras, ser idólatra não é orar diante de uma estátua quando se tem a mente voltada ao Deus único, o Deus vivo e verdadeiro, Criador do Céu e da Terra, como professa o Credo Católico… Ser idólatra é ter, perceber, aceitar, qualquer coisa ou pessoa como um “deus”, é pôr antes de Deus, a quem devemos amar SOBRE todas as coisas, qualquer objeto ou ser vivo, vício ou hábito.
      Não adianta o sr vir aqui, escrever parágrafos extensos, e tentar convencer a quem quer que seja que a Igreja Católica aceita, encoraja, dissemina a idolatria…Pois são argumentos fundamentados em fundação de areia, não têm solidez, porque não falam da verdade. A credibilidade do seu comentário acabou na primeira frase!!

      Pax Domini!

      • HELEM PEGUEI A BIOGRAFIA DE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA MORTO NO ANO 96 DA ERA CRISTÃ PARA VOCÊ VÊ QUE ELE FOI UNS DOS PRIMEIROS ESCRITORES ECLESIÁSTICO A ESCREVER SOBRE DE MARIA ASSUNTA AO CÉU

        ISSO É NO TEMPO DE SÃO PAULO AINDA VIVO

        VEJA AQUI EM BAIXO UM POUCO DE
        SUA BIOGRAFIA

        São Dionísio Areopagita

        Os cristãos sempre sofreram intensas perseguições, chacinas e saques durante o transcorrer dos séculos, principalmente no início da formação da Igreja. Tanto que muitos dos escritos foram queimados ou destruídos de outra forma. Por isso a memória da Igreja, às vezes, tem dados insuficientes sobre a vida e a obra de santos e mártires do seu passado mais remoto. Para que essas poucas evidências não se perdessem, ela se valeu das fontes mais fiéis da literatura mundial, que nada mais são do que as próprias narrações das antigas tradições orais cristãs preservadas pela humanidade.

        Interessante é o caso dos dois santos com o nome de Dionísio, venerados pelo cristianismo. A data de hoje é consagrada ao Areopagita, sendo o outro santo, o primeiro bispo de Paris, festejado no dia 9 deste mês.

        O Dionísio homenageado foi convertido pelo apóstolo Paulo (At 17,34) durante a sua pregação aos gregos no Areópago, daí ter sido agregado ao seu nome o apelido de Areopagita.

        O Areópago era o tribunal supremo de Atenas, na Grécia, onde eram decididas as leis e regras gerais de conduta do povo. Só pertenciam a ele cidadãos nascidos na cidade, com posses, cultura e prestígio na comunidade. Dionísio era um desses areopagitas.

        Nascido na Grécia, no seio de uma nobre família pagã, estudou filosofia e astronomia em Atenas. Em seguida, foi para o Egito finalizar os estudos da matemática. Ao regressar a Atenas, foi nomeado juiz. Até ele chegou o apóstolo Paulo, quando acusado ante o tribunal em que se encontrava Dionísio.

        Dionísio, ao assistir à eloqüente pregação de Paulo, foi o primeiro a converter-se. Por isso conseguiu para si inimigos poderosos entre a elite pagã que comandava a cidade. Foi então que são Paulo acolheu o areopagita entre seus primeiros discípulos.

        Logo em seguida, Dionísio foi consagrado pelo próprio apóstolo como bispo de Atenas. Nessa condição, ele fez muitas viagens a terras estrangeiras, para pregar e aprender a cultura dos outros povos. Segundo se narra, nessas jornadas teria conhecido pessoalmente são Pedro, são Tiago, são Lucas e outros apóstolos. Além de os registros antigos fazerem referência sobre ele na dormição e Assunção da Virgem Maria, a mãe do Filho de Deus.

        Em Atenas, seus opositores na política conseguiram sua condenação à morte pelo fogo, mas ele se salvou, viajando para encontrar-se com o papa em Roma. Depois, só temos a informação do Martirológio Romano, na qual consta que são Dionísio Areopagita morreu sob a perseguição contra os cristãos no ano 95.

    • Caro Claudio:
      Concordo com o que disse,no Brasil e na América Latina a Igreja Católica deveria por um fim no uso de imagens,pois já estamos num estágio evoluido de reconhecimento de Deus.Eu já fiz viagens em países onde as pessoas não conhecem o nosso Deus de Israel,onde não adianta somente pregar para entenderem primeiro, é preciso desenhar,fazer esboços e riscar.
      No início quando a Igreja Católica veio para a América em estado selvagem,não foi fácil pregar para os povos Indígenas.Você sabe como os Astecas eram, e como eles haviam muitos impérios sanguinários e tribos sanguinárias.
      Este tipo de sociedade primitiva,você tem até que saber olhar para eles pois é muito arriscado,mas vale a pena pregar e mostrá-los o caminho a verdade e a vida.Mas até mesmo os pastores que fazem visitas a povos assim são obrigados a desenharem imagens,mostrar e até pintar,não é fácil.
      Não estou dando motivos para a idolatria.
      Agora o Moisés,já estava lhe dando com um povo que já conhecia o Deus de Israel,e caíram na tentação do tal deus de ouro.No meu ponto de vista eu acho que Deus enviou as serpentes,para não ter que fazer mais gente morrer porque estes foram teimosos e não largaram a idolatria fácil,e para lhe libertarem do deus de ouro Deus entendendo a dificuldade,pediu a Moisés que fizessem a serpente de metal sobre uma cruz, como um passo que seguissem pela salvação das que caíram do céu.É como que você desse um presente no lugar de outro que você deu a criança porque ela não gostou do primeiro.
      Quanto a ícones pagãos,você sabia que a estrela de Davi já era usada pelos indianos e existem templos indianos de quase quatro mil anos com elas desenhadas,a arvore da vida,as cruzes,e o castiças de sete velas,são encontrados por todas as culturas pagãs antigas e os seus desenhos são encontrados em diversas cavernas pré históricas.E que a pomba,o fogo,o óleo,o sal e a água também são icones de religiões pagãs muito antigas da Ásia,África,Europa,Américas,Oriente,Austrália e etc.
      Enfim se for olhar por este prisma, a coisa complica pois somente a bíblia será usada,nem o batismo poderá ser feito já disse sobre a água e os outros elementos.
      Não poderíamos nem ir a igreja alguma pois Jesus morreu para além da salvação,já que ele foi o cordeiro,fizessemos o templo no nosso coração e o nosso corpo a Igreja.
      Concordo com tigo,fim a idolatria.
      Mas o resto se for levar ao pé da letra,até Deus viu que não devemos ser muito radicais meu irmão.

  35. Nunca vi tanta heresia juntas. Quem escreveu este artigo deveria também atentar-se para as mais de cinco referências em que a idolatria (em seu significado estrito ou amplo) é condenada, bem como as dezenas de referências em que estátuas foram derrubadas, sobretudo as construídas dentro do templo do Senhor, para que a fé de Israel no Deus Vivo fosse restaurada. Um sábio disse: texto sem contexto é pretexto para heresia e fundamentalismo. Meu caro escritor, quando Deus manda os israelistas construirem a serpente, Ele está fazendo uma menção do Messias vindouro. Lembre-se também que, porque os israelistas confundiram o papel profético messiânico da serpente Deus irou-se e mandou derrubar a serpente, tempos depois, durante o reinado dos reis de Israel. Igualmente, a igreja católica tem confundido o papel das imagens, e estas tem tornado-se objetos de adoração, ou fazer uma prossição de horas no sol atrás de uma imagem é o que. Talvez, os heruditos católicos até tenham consciência que, as imagens sejam objetos só de veneração, como vocês preferem dizer. Todavia, este não é o entendimento de mais de noventa por cento dos católicos, na maioria das vezes não esclarecidos pelos seus líderes espirituais. Abramos os nossos olhos e deixemos o sincretismo de lado. Chega de cegueira espiritual, cegueira adquirida quando defendemos a religiosidade, seja ela qual for, ao invés da espiritualidade que transforma, que muda a maneira de agir e pensar. Certa vez, vendo a Canção nova, ouvi um Padre dizer, só o sacramento da confissão purifica. Que bobagem! Eu digo, só o Sangue Precioso e Valioso de Jesus Cristo purifica. O sacramento da confissão nada mais é do que um atalho ineficaz para buscar santificação. A verdadeira santificação só será atingida se nos prostarmos ao Senhor, abrirmos nosso coração e nos arrependermos, não com lágrimas de crocodilo, mas com lágrimas genuínas, fruto de uma arrependimento verdadeiro. Jesus é o único Caminho da purificação, quando estamos sujos só Ele pode nos purificar, nos justificar. Deixemos, portanto, esta discussão infrutifera de lado, se pode ou não existir imagens, e simplesmente creiamos num Deus vivo, quem não é uma imagem e sim um Ser real, Onipresente, Onipotente e Onisciente.

    • Claudio,

      O seu problema é que apesar de ler as escrituras, parece não entender o que elas dizem!!! Simplesmente, em poucas palavras, ser idólatra não é orar diante de uma estátua quando se tem a mente voltada ao Deus único, o Deus vivo e verdadeiro, Criador do Céu e da Terra, como professa o Credo Católico… Ser idólatra é ter, perceber, aceitar, qualquer coisa ou pessoa como um “deus”, é pôr antes de Deus, a quem devemos amar SOBRE todas as coisas, qualquer objeto ou ser vivo, vício ou hábito.
      Não adianta o sr vir aqui, escrever parágrafos extensos, e tentar convencer a quem quer que seja que a Igreja Católica aceita, encoraja, dissemina a idolatria…Pois são argumentos fundamentados em fundação de areia, não têm solidez, porque não falam da verdade. A credibilidade do seu comentário acabou na primeira frase!!

      Pax Domini!

  36. Sim.Infelismente
    Eu sou católico como você, já visitei igrejas evangélicas, quase fui evangélico, criticava muito os católicos por isto.Mas depois de uma tribulação em minha vida, me apeguei mais a Deus do que nunca e fui vendo que no mundo onde existem pessoas bárbaras,sanguinárias,malígnas,cegas de Deus,não existe outra forma de fazer um povo mudar sem primeiro dar-lhes a idéia do que é Deus, Jesus e Espírito Santo.Até mesmos os evangélicos que são uma forma retificada da Igreja Católica,quando pensam em Jesus,Deus,no Espírito Santo,nos Apóstolos,personagens do A.Testamento,lembram de imagens produzidas por artesãos e pintores de mãos humanas.Os evangélicos são evangélicos porque primeiro foram católicos, é fácil criticar agora os católicos por que os evangélicos pegaram tudo mastigado e uma sociedade com certa noção de Deus.Imagine se você hoje pregasse como os evangélicos para os Vikings,Godos,Visigodos,Bárbaros de Sangue,Persas,Babilônicos,Vândalos,Canibais e etc, já iriam com menos de duas palavras direto para o caldeirão ou lâmina da espada.

    • A Igreja católica que frequento em minha cidade, uma catedral, é uma igreja belíssima, com ornamentos, em sua maioria vindas da ITÁLIA, assim como uma porta estreitíssima feita de bronze linda demais.O que eu quero realmente lhe dizer,é que me sinto um pouco melancólica ao entrar em tão linda catedral e não ver uma IMAGEM sequer de qualquer SANTO. Não estou aqui julgando ou criticando o que talvez seja uma precipitação de minha parte, visto que ela se encontra inacabada. O que eu acho é que nunca devemos ter ou fazer coisas que desagradam a DEUS para agradar aos homens, pois somos CATÓLICOS, temos que agradar somente a DEUS, e quando agradamos ao mundo não somos mais católicos. As imagens dos SANTOS que ao longo de toda a história do CATOLICISMO fizeram parte da IGREJA DE CRISTO, estão sendo excluídas pouco a pouco. Ela (A IGREJA)que é feita de SANTOS e de pecadores está perdendo “fiéis” por não aceitarem mais imagens dos santos porque somos acusados de idólatras por nossos irmãos protestantes, e para não perder os ditos “fiéis” tira-se as imagens para que os católicos sintam-se “melhores”. Ao longo de séculos as pessoas tem se sentido mal nas igrejas católicas por causa das imagens?Ou de um tempo para cá criou-se igrejas que te façam sentir-se bem?Quem tem que sentir-se bem?DEUS sendo louvado por seus fiéis verdadeiros?Ou os que estão “incomodados” com as imagens que pelos católicos são apenas veneradas com grande devoção?Se não nos sentimos bem, então temos que procurar entre as mais de 30.000 denominações uma que nos faça sentir-se bem,pois quando JESUS nos disse:” tome sua cruz e me siga…” ele nos falava de sofrimentos, em suas várias formas, inclusive essa de ver minha IGREJA CATÓLICA afastando-se dos santos, que muito contribuíram para sua edificação,mas dela nunca me afastarei, ela não faz sentir-me mal muito pelo contrário,e os pecados dos membros da igreja de CRISTO,não a torna menos SANTA,UNA,CATÓLICA e APOSTÓLICA.Santificadora pois seu fundador JESUS CRISTO é santo e nos santifica dia a dia, é só não se afastar dela mas SE VOCÊ SE AFASTOU, JESUS TE RECEBE SEMPRE DE BRAÇOS ABERTOS, TE AMANDO MAIS DO QUE NUNCA.PARABÉNS POR RETORNAR. QUE JESUS E MARIA TE CONFORTE PARA SEMPRE COM SUA FAMÍLIA.AMÉM.

  37. O único que deve ser adorado e Jesus Cristo e Deus e o espiríto santo , nenhuma imagem nem de santos, nem objetos carros, dinheiro, artistas nenhum desses deve ser adorado leiam Isaias 44. E a verdade vai libertar vcs…reflitam na bíblia e passam para Deus iluminar a vida de cada um. Deus é um só não importa igreja e doutrinas de homens devemos adorar um só Deus.

    • PAMELLA VAI ESTUDAR AMIGA HEREGE DEIXA DE LOROTA E DE SOFISMA BARATO QUE NASCEU DE FUNDO DE QUINTAL

      APRENDA PAMELLA QUE TODO O PROTESTANTISMO É CEITA
      E EU TI PROVO QUANTAS VEZES FOR POSSÍVEL PRA VOCÊ E TODO PASTOR PROTESTANTE

      VOU TI FAZER SÓ DUAS PERGUNTAS PAMELLA E VOCÊ NÃO VAI ME RESPONDER DENTRO DO CONTEXTO VAMOS LÁ

      O PROTESTANTISMO NÃO É E NUNCA FOI IGREJA
      QUE EXEMPLOS NASCEU NO ANO 1517 COM LUTERO E ANTES NÃO EXISTE NADA DE PROTESTANTISMO SE ACHAR QUE EXISTE ME MOSTRE ME PROVE TA ABERTO O DESAFIO A VOCÊ E A QUAL QUER HISTORIADOR PROTESTANTE

      E MAIS PAMELLA PARA ACABAR COM SUA HERESIA BARATA APRENDAS E SAIBAS QUE NÃO EXISTEM VERSÍCULOS BÍBLICOS EM QUE DEUS DA AUTORIDADE PARA HOMENS FUNDAR IGREJAS

      E A CEITA PROTESTANTE A MAS ANTIGA NÃO FEZ AINDA 500 ANOS

      E OUTRA HEREGE VAI NAS MAIORES FACULDADES DO MUNDO E APRENDA QUE EM CADA PAÍS LÁ VOCÊ VAI ENCONTRAR MILHARES DE IMAGENS DE POETAS COMO CAMÕES E PESSOA EM PORTUGAL

      E MAS NAS GRANDES FACULDADES DA EUROPA VOCÊ VAI ENCONTRAR GRANDES ESTATUAS DE MESTRES DAPOLITICA DA FILOSOFIA DA FISÍCA COMO EINSTEIN ETC…

      ME DIGA PAMELLA O QUE ESSAS IMAGENS REPRESENTAM
      SAIBAS QUE ELAS REPRESENTAM PESSOAS QUE FORAM DIGNAS DE MODELO A SER SEGUIDO PARA QUEM PROCURA VIVER E TRABALHAR NA SUA ÁREA E POR ISSO ELAS SERVEM MUITAS VEZES DE INSPIRAÇÃO

      ASSIM PAMELLA HEREGE É O QUE REPRESENTAM OS SANTOS PARA A IGREJA CATÓLICA
      OS SANTOS PAMELLA NÃO SÃO ÍDOLOS POIS ELES EXISTIRAM
      POR ISSO OS SANTOS SERVEM DE MODELO E DE EXEMPLO PARA SEGUIRMOS OS TEUS PASSOS NADA MAS QUE ISSO HEREGE PAMELLA

      VAI UM CONSELHO MEU ESTUDE A PATRÍSTICA A HERMENÊUTICA A APOLOGÉTICA E A EXEGESE E VOCÊ CONHECERÁS A VERDADE E DEIXARÁS DE LADO A SOLA SCRIPTURA INVENTADA POR LUTERO ACORDA PAMELLA DEIXA DE LOROTA

    • Pamella é muito engraçado o que você diz rsrsrs você é como muitos protestantes os conhecidos como sola scriptura que procuram em um dicionário sentidos e respostas de certas palavras da bíblia

      em vez de estudar essas palavra na origem e na época em que ela foi escrita Pamella eu torno a repetir você é como muitos protestantes que erradamente procuram estudar as palavras venerar idolatrar entre tantas outras na ignorância

      UM EXEMPLO CERTO
      aprenda isso Pamella que em nenhum dicionário (isso, incluindo o Aurélio) é tratado de epistemologia, de hermenêutica ou de exegese e qualquer estudo mais sério de sinonímia dirá que não há sinônimo que seja absolutamente equivalente.

      Isto é, se existem duas palavras distintas para designar algo ou uma ação, é porque cada uma delas dá um matiz diverso da coisa ou da ação designada. Se duas palavras são absolutamente idênticas, a língua tende a eliminar uma delas.

      Assim,eu ti digo seguramente Pamella que ADROAR NÃO É VENERAR, NEM, MUITO MENOS, IDOLATRAR. Cada uma dessas palavras têm sentidos diferentes o próprio Moisés estava levantando a imagem de uma serpente de bronze no deserto e não sendo repreendido por nenhum hebreu, ou encimando dois anjos na Arca da Aliança quando o próprio mandamento que trouxera nos braços proibira anteriormente a feitura de imagens “Do que há nos Céus, e do que há na terra…” Contradição? Não olham os filhos de Dã levantaram para si aquela IMAGEM DE ESCULTURA, e Jônatas, filho de Gérson, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até ao dia do cativeiro da terra. Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). (conf. Bíblia J. Ferreira)

      Pamella quem selecionou a bíblia foi a igreja católica amiga ela que tirou os livros apócrifos da mais ou menos 100 aprenda amiga
      se a igreja quisesse adulterar a bíblia e colocar adorar imagens intercessões ela colocaria pamella sem problema algum deixa de sofisma vai estudar

      Agora Pamella se fosse proibido fazer imagens jamais a própia bíblia faria referencia delas em hipótese alguma muito pelo contrario as imagens serviu de exemplo e serviu para enfeitar os templos a mando de Deus olha como o protestantismo é inocente ao afirmar a maior mentira do século que não se pode fazer imagens olha amiga pamella como você é inocente

      vejam no livro de Ezequiel 411 ENTÃO me levou ao templo, e mediu os pilares, seis côvados de largura de um lado, e seis côvados de largura do outro, que era a largura da tenda.(…)
      17 No espaço em cima da porta, e até na casa, no seu interior e na parte de fora, e até toda a parede em redor, por dentro e por fora, tudo por medida.

      E foi feito com querubins e palmeiras, de maneira que cada palmeira estava entre querubim e querubim, e cada querubim tinha dois rostos, A saber: um rosto de homem olhava para a palmeira de um lado, e um rosto de leãozinho para a palmeira do outro lado; assim foi feito por toda a casa em redor.

      amigos não seria contradição fazer imagens
      Se o próprio Deus todo poderoso diz para não fazer imagens de nada acima do céu e nem embaixo da terra claro que não.
      Deus proíbe ídolos

      Olhem o que Deus diz para Moisés

      Deus informa a Moisés o seguinte: Eu escolhi Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, dando-lhe destreza, habilidade e plena capacidade artística para desenhar e executar trabalhos em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar madeira e executar todo tipo de obra artesanal quem é contra imagens jamais daria ordens nem dom para fazer-las o problema é que poucos sabem quem o tradutor da bíblia protestante João ferreira de Almeida adulterou certos trechos da bíblia em nomes que era pra ser traduzido ídolos ele traduziu por imagens agora olhem essa passagem bíblica que seria contradição se realmente fosse proibido fazer imagens como os protestantes divididos afirmam inocentemente

      Vejam o que diz nessa passagem

      Moisés
      Dt 10:1-3 – “Naquele mesmo tempo, me disse o SENHOR: Alisa duas tábuas de pedra, como as primeiras, e sobe a mim a este monte, e faze uma arca de madeira. E, naquelas tábuas, escreverei as palavras que estavam nas primeiras tábuas que quebraste, e as porás na arca. Assim, fiz uma arca de madeira de cetim, e alisei duas tábuas de pedra, como as primeiras, e subi o monte com as duas tábuas na minha mã”.

      Agora em Êxodo 37 notem o que Bezalel fez vai contra todo tipo de argumentos de protestantes sola scriptura

      1 Bezalel fez a arca da aliança de madeira de acácia; a arca media um metro e dez de comprimento por sessenta e seis centímetros de largura e sessenta e seis de altura.

      e fez mais

      notem que

      2 Ele a revestiu de ouro puro por dentro e por fora e pôs em toda a volta um remate de ouro.

      e tem mais Bezalel

      3 Fez quatro argolas de ouro e as colocou nos quatro pés da arca, ficando duas argolas de cada lado.

      e aonda

      4 Ele fez cabos de madeira de acácia e os revestiu de ouro.

      5 Depois enfiou os cabos nas argolas nos dois lados da arca, para que pudesse ser carregada.

      6 Bezalel fez uma tampa de ouro puro de um metro e dez de comprimento por sessenta e seis centímetros de largura.

      7 Ele fez dois querubins de ouro batido,

      8 um para cada ponta da tampa. Ele os fez de tal modo, que formavam uma só peça com a tampa.

      9 Os querubins ficavam de frente um para o outro, olhando para a tampa, e as suas asas abertas cobriam a tampa.

      10 Bezalel fez uma mesa de madeira de acácia, com as seguintes medidas: oitenta e oito centímetros de comprimento por quarenta e quatro de largura e sessenta e seis de altura.

      11 Ele revestiu de ouro puro a mesa e colocou um remate de ouro em volta dela.

      12 Também fez em volta da mesa um friso de quatro dedos de largura e pôs um remate de ouro em volta do friso.

      13 Fez quatro argolas de ouro e as pôs nos quatro cantos, perto dos quatro pés.

      14 Perto do friso estavam as argolas por onde passavam os cabos que eram usados para se carregar a mesa.

      15 Ele fez os cabos de madeira de acácia e os revestiu de ouro.

      16 Fez também de ouro puro as vasilhas para a mesa, isto é, os pratos, os copos, as taças e as jarras que eram usados para as ofertas de vinho.

      17 Bezalel fez de ouro puro batido o candelabro, a sua base e a sua haste. As flores que enfeitavam o candelabro, com os seus botões e as suas pétalas, formavam uma só peça com ele.

      18 Dos seus lados saíam seis braços, três de um lado e três do outro.

      19 Cada um dos seis braços tinha três flores com o formato de flor de amendoeira, com os seus botões e as suas pétalas.

      20 A haste do candelabro tinha quatro flores com o formato de flor de amendoeira, com os seus botões e as suas pétalas.

      21 Havia um botão de amendoeira debaixo de cada um dos três pares de braços.

      22 Os botões, os braços e o candelabro formavam uma só peça de ouro puro batido.

      23 Bezalel também fez sete lamparinas para o candelabro; as tesouras de cortar os pavios das lamparinas e os cinzeiros eram de ouro puro.

      24 Ele usou trinta e quatro quilos de ouro puro para fazer o candelabro e todas as peças que o acompanhavam.

      25 Bezalel fez um altar de madeira de acácia para queimar incenso em cima dele. O altar era quadrado, medindo quarenta e cinco centímetros de comprimento por quarenta e cinco de largura; e tinha noventa centímetros de altura. As pontas, nos quatro cantos, fo

      26 Bezalel revestiu de ouro puro a tampa, os quatro lados e as pontas e colocou um remate de ouro em volta do altar.

      27 Também fez duas argolas de ouro e as colocou debaixo do remate, uma de cada lado. Por dentro das argolas passavam os cabos que eram usados para carregar o altar.

      28 Os cabos foram feitos de madeira de acácia e revestidos de ouro.

      29 Bezalel preparou o azeite sagrado de ungir e o incenso puro de cheiro agradável, misturado como perfume.

      Nessas passagens ficam claro como o protestantismo é inocente fraco e sem argumento tudo isso que Bezalel fez era para enfeitar o templo e tinha varias imagens e a arca da aliança e tudo isso que fez Bezaleu foi a mando de Deus amigos o protestantismo usa de sofismo quando fala de imagens eles não tem autoridade nenhuma para falar de um assunto que eles mesmo não entendem amigos e amigas a igreja católica tem os seus santos e suas imagens que apenas representam uma pessoa que existiu e que foi exemplo de fé virtude e respeito e que serviu e que serve de modelo para seguirmos os seus passos nada mais

      Bezalel era muito obediente e sensível a voz de Deus. Capítulo 36:1.
      E fez tudo “conforme a tudo o Senhor tinha ordenado”
      Ele fez a Arca da Aliança, o Propiciário, a Mesa, o Candelabro, o Altar de Holocausto, o Átrio e tantas outras coisas.

      agora vejam essas passagens que vai contra toda tese do protestantismo

      Salomão mandou colocar no Santo templo imagens de

      – 2 QUERUBINS no Oráculo (III Reis 6,23-28),

      -mandou colocar no templo

      12 BOIS na bacia de bronze! (III Reis 7,25);

      mandou colocar no templo

      BOIS e LEOES e QUERUBINS! (III Reis 7,28-29) e

      e ainda “como que figuras de HOMENS EM PÉ”, e

      mais QUERUBINS e LEÕES (III Reis 7,36);

      seria contradição se realmente fosse proibido fazer imagens pois quem ordena e abomina quem faz imagens jamais em hipótese alguma daria ordens para faze-las

      se fosse proibido fazer imagens jamais se faria referencias a elas que um exemplo se no livro diz é pecado adulterar e em outras passagens do mesmo livro diz que se pode adulterar esse livro não estaria entrando em contradição? Claro que sim por isso não é e nunca foi proibido fazer imagens e sim ídolos para adoração

      vejam mais passagens bíblicas agora em Samuel 6

      que se referem ao mesmo tema imagens

      Vejam

      Os filisteus roubaram a arca da alinça e pagaram caro por isso então eles consutaram seus advinhos e eles disseram essa ordem dada pelo senhor de israel para colocar

      A arca do SENHOR sobre o carro, como também o cofre com os ratos de ouro e com as imagens das suas hemorroidas.

      Os filisteus oferecem a Deus pela expiação da culpa, “cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro”.

      Então, disseram: Qual é a expiação da culpa que lhe havemos de oferecer? E disseram: Segundo o número dos príncipes dos filisteus,
      cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro, porquanto a praga é uma mesma sobre todos vós e sobre todos os vossos príncipes.

      Os filisteus oferecem a Deus pela expiação da culpa, “cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro”Os filisteus oferecem a Deus pela expiação da culpa, “cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro”.

      5 – Fazei, pois, umas imagens das vossas hemorroidas e as imagens dos vossos ratos, que andam destruindo a terra, e dai glória ao Deus de Israel; porventura, aliviará a sua mão de cima de vós, e de cima do vosso deus, e de cima da vossa terra.

      Os filisteus oferecem a Deus pela expiação da culpa, “cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro”.

      Se Deus todo poderoso fosse contra imagens não aceitaria essa expiação pelos pecados dos filisteus por terem roubado a arca da alinça do povo de Israel

      Vejam outro exemplo

      O mesmo Deus, no mesmo livro do Êxodo, manda Moisés fazer dois querubins de ouro e colocá-los por cima da Arca da Aliança ( Ex 25,18-20 ). Manda-lhe, também fazer uma serpente de bronze e colocá-la por cima duma haste, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas ( Num 21,8-9 ).

      A Serpente de Bronze: Um fato histórico

      Olhem o que fala João 3:14 diz: “E de modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado”

      agora outro exemplo e erro do protestantismo

      se fosse proibido se prostrar como os protestantes ingênuos afirmam você nunca veria dentro da bíblia alguém se prostrar pois seria muita contradição os protestantes são divididos que um exemplo vê as teorias de uma testemunha de jeová é um absurdo comparada as dos mórmons ou de uma adventista do sétimo dia ou da nova igreja criada no Brasil de nome Igreja Comunidade Cristã Nova Esperança

      Olhem mais estudos que desmascaram o protestantismo

      “Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e prostrou-se por terra” (Gn 18,2).

      “Pela tarde chegaram os dois anjos a Sodoma. Lot, que estava assentado à porta da cidade, ao vê-los, levantou-se e foi-lhes ao encontro e prostrou-se com o rosto por terra” (Gn 19,1).

      “Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubin na extremidade de uma parte, e outro querubin na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele.” (Ex 25,18-19)

      “Qual é o seu aspecto? É um ancião, envolto num manto. Saul compreendeu que era Samuel, e prostrou-se com o rosto por terra” (1Sm 28,14).

      (Êxodo 31.1-6). Para os que ignoram a Escritura é preciso deixar claro: o que é proibido é a prostração ‘adorativa’ perante criaturas (sejam imagens ou não); e não a prostração SEM adoração. Vejamos, alugns exemplos, lícitos, de prostrações sem a adoração:

      Quando chegou o profeta Natã… Ele veio perante o rei e se prostrou diante dele” (1 Rs 1,22s.) – “Esse terceiro chefe subiu, dobrou os joelhos diante de Eliseu e suplicou-lhe assim: “Ó homem de Deus…” ” (2 Rs 1,13).

      Olhem essa

      Prostrai-vos perante o seu monte sagrado” (Sl 99(98),9).

      Se prostrar por respeito e honra a um Anjo:
      E, levantando Davi os seus olhos, viu o anjo do SENHOR, que estava entre a terra e o céu, com a sua espada desembainhada na sua mão estendida contra Jerusalém; então Davi e os anciãos, cobertos de sacos, se prostraram sobre os seus rostos. (1Cr 21:16 ACF)

      Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do SENHOR, que estava no caminho e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se sobre a sua face. (Num 22:31 ACF)

      E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do SENHOR subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos. (Juízes 13:20 ACF)

      Se prostrar por respeito e honra a um homem:

      Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de Davi, e se inclinou à terra. (1Sm 25:23 ACF)

      E o fizeram saber ao rei, dizendo: Eis aí está o profeta Natã. E entrou à presença do rei, e prostrou-se diante dele com o rosto em terra. (1Re 1:23 ACF)

      E mandou o rei Salomão, e o fizeram descer do altar; e veio, e prostrou-se perante o rei Salomão, e Salomão lhe disse: Vai para tua casa. (1Re 1:53 ACF)

      Estando, pois, Obadias já em caminho, eis que Elias o encontrou; e Obadias, reconhecendo-o,prostrou-se sobre o seu rosto, e disse: És tu o meu senhor Elias? (1Re 18:7 ACF)

      Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)

      E veio Judá com os seus irmãos à casa de José, porque ele ainda estava ali; e prostraram-se diante dele em terra. (Gen 44:14 ACF)

      E o rei no seu furor se levantou do banquete do vinho e passou para o jardim do palácio; e Hamã se pôs em pé, para rogar à rainha Ester pela sua vida; porque viu que já o mal lhe estava determinado pelo rei. Tornando, pois, o rei do jardim do palácio à casa do banquete do vinho, Hamã tinha caído prostrado sobre o leito em que estava Ester. Então disse o rei: Porventura quereria ele também forçar a rainha perante mim nesta casa? Saindo esta palavra da boca do rei, cobriram o rosto de Hamã. (Est 7:7-8 ACF)

      E ele mesmo passou adiante deles e inclinou-se à terra sete vezes, até que chegou a seu irmão. Então Esaú correu-lhe ao encontro, e abraçou-o, e lançou-se sobre o seu pescoço, e beijou-o; e choraram. Depois levantou os seus olhos, e viu as mulheres, e os meninos, e disse: Quem são estes contigo? E ele disse: Os filhos que Deus graciosamente tem dado a teu servo. Então chegaram as servas; elas e os seus filhos, e inclinaram-se. E chegou também Lia com seus filhos,e inclinaram-se; e depois chegou José e Raquel e inclinaram-se. (Gen 33:3-7 ACF)

      E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. (Mat 18:25-26 ACF)

      Porém, depois da morte de Joiada vieram os príncipes de Judá e prostraram-se perante o rei; e o rei os ouviu. (2Cr 24:17 ACF)

      Então saiu Moisés ao encontro de seu sogro, e inclinou-se, e beijou-o, e perguntaram um ao outro como estavam, e entraram na tenda. (Exo 18:7 ACF)

      Depois também Davi se levantou, e saiu da caverna, e gritou por detrás de Saul, dizendo: Rei, meu senhor! E, olhando Saul para trás, Davi se inclinou com o rosto em terra, e se prostrou. (1Sm 24:8 ACF)

      E Mefibosete, filho de Jônatas, o filho de Saul, veio a Davi, e se prostrou com o rosto por terra e inclinou-se; e disse Davi: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui teu servo. (2Sm 9:6 ACF)

      E a mulher tecoíta falou ao rei, e, deitando-se com o rosto em terra, se prostrou e disse: Salva-me, ó rei. (2Sm 14:4 ACF)

      Então foi Joabe ao rei, e assim lho disse. Então chamou a Absalão, e ele se apresentou ao rei, e se inclinou sobre o seu rosto em terra diante do rei; e o rei beijou a Absalão. (2Sa 14:33 ACF)

      Então Joabe se prostrou sobre o seu rosto em terra, e se inclinou, e agradeceu ao rei; e disse Joabe: Hoje conhece o teu servo que achei graça aos teus olhos, ó rei meu senhor, porque o rei fez segundo a palavra do teu servo. (2Sm 14:22 ACF)

      E, atravessando a barca, para fazer passar a casa do rei e para fazer o que bem parecesse aos seus olhos, então Simei, filho de Gera, se prostrou diante do rei, quando ele passava o Jordão. (2Sm 19:18 ACF)

      E Bate-Seba inclinou a cabeça, e se prostrou perante o rei; e disse o rei: Que tens? (1Re 1:16 ACF)

      Então Bate-Seba se inclinou com o rosto em terra e se prostrou diante do rei, e disse: Viva o rei Davi meu senhor para sempre. (1Re 1:31 ACF)

      E entrou ela, e se prostrou a seus pés, e se inclinou à terra; e tomou o seu filho e saiu. (2Re 4:37 ACF)

      E Davi veio a Ornã; e olhou Ornã, e viu a Davi, e saiu da eira, e se prostrou perante Davi com o rosto em terra. (1Cr 21:21 ACF)

      Os gentios se prostrariam à Jerusalém:

      Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; e prostrar-se-ão às plantas dos teus pés todos os que te desprezaram; e chamar-te-ão a cidade do SENHOR, a Sião do Santo de Israel. (Is 60:14 ACF)

      Assim diz o SENHOR: O trabalho do Egito, e o comércio dos etíopes e dos sabeus, homens de alta estatura, passarão para ti, e serão teus; irão atrás de ti, virão em grilhões, e diante de ti se prostrarão; far-te-ão as suas súplicas, dizendo: Deveras Deus está em ti, e não há nenhum outro deus. (Is 45:14 ACF)

      Josué se prostra perante um objeto santo:

      Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças. (Jos 7:6 ACF)

      Hebreus se prostraram ao Senhor e ao Rei:

      Então disse Davi a toda a congregação: Agora louvai ao SENHOR vosso Deus. Então toda a congregação louvou ao SENHOR Deus de seus pais, e inclinaram-se, e prostraram-se perante o SENHOR, e o rei. (1Cr 29:20 ACF)

      Perceba que nesta passagem mostra justamente um ato parecido, porém com sentidos e razões diferentes: eles se prostram a Deus, para adora-lo, mas também ao Rei, para reverencia-lo. Deus em momento algum se enfureceu com aquilo.

      Objeções

      João se prostrou ao anjo e foi repreendido:

      E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. (Apo 22:8 ACF)

      Aqui perceba que claramente João deixa muito claro qual foi o ato dele: adoração. Ele se prostrou justamente para adora-lo, e foi repreendido pelo próprio anjo:

      E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. (Apo 22:9 ACF)

      O mal aqui não estava em se prostrar, mas em se prostrar para adora-lo. Compare o ato de João com os citados acima, como 1Cr 21, 16 em que Davi se prostra para o anjo e não é repreendido pelo mesmo.

      Cornélio se prostrou a Pedro e foi repreendido:

      E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem. (At 10:25-26 ACF)

      Aqui acontece a mesma coisa: Cornélio se prostra para adora-lo e não simplesmente reverencia-lo, por isso foi repreendido. Compare com esse texto:

      E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (At 16:27-31 ACF)

      A diferença entre esse texto e o de cima fica clara: em um houve adoração, já no outro não. Paulo e Silas não repreendem o carcereiro, pois o que ele fez foi apenas um ato de respeito, uma suplica, um pedido em desespero, longe de ser uma adoração aos mesmos.

      Conclusão

      Pamella quando prestamos devida reverencia aos ícones sagrados, estamos apenas mostrando um respeito pelo que eles representam e não adorando os mesmos como ídolos. Nem toda vez que nos prostramos, como ficou claro nesse texto, é um ato de adoração. Por isso a Igreja não repreende quando é realizado ao sacerdote, ao altar, a uma relíquia, ao ícone, etc.

      É óbvio que certas posições, como a genuflexão, é recomendada pela Igreja para somente ser feita a Deus, em um ato de adoração. Com o tempo se criou o costume de diferenciar os dois hábitos, ou seja, dobrando-se o joelho esquerdo com sentido de respeito, obediencia e submissão ao Rei, e para Deus, dobrando-se o joelho direito, significando um ato de adoração, o culto a Deus, pois, somente Deus é adorado[1]. Mas aos ícones e as pessoas importantes, devemos reverencia-los pelo que significam para nós e pelo o que são para nós, respectivamente.

      UM ABRAÇO PAMELLA ESTUDE AMIGA MAS COMPARE OS ORIGINAIS COM OS LIVROS PROTESTANTES EXISTEM MUITAS DIFERENÇAS RSRSRS

  38. voces estao de brincadeira.nao sao idolatras?que isso,se alguem começar a falar que em tal lugar tem formigas que fazem desenhos seja la do que for em folhas de arvores,vai encher de romeiro dizendo que e milagre!!tambem ja houve adoraçao a vidraças com a imagem de santa sei la quem quefez muito sucesso.estao com a memoria fraca?

  39. O dogma evangélico que o feto de Cristo era impermeável à mãe (Maria) quando esteve no ventre dela é incorreto porque sabemos que quando há incompatibilidade sanguínea do feto com a mãe (fator Rh), o segundo filho pode nascer morto! Isso acontece porque o sangue do feto mistura com o da mãe e o organismo da mãe passa a combater o feto a partir do segunda gravidez! Hoje, nesses casos de incompatibilidade, a mãe toma vacina e pode engravidar sem problemas. CONCLUSÃO: PERANTE A MEDICINA, É MUITO PROVÁVEL QUE O SANGUE DO CRISTO (FETO) TENHA SE MISTURADO COM O SANGUE DA MÃE DENTRO DO VENTRE E, POR ISSO, MARIA TINHA QUE CONTINUAR SANTA!

    • Prezado Leo,

      Não existe um “dogma” evangélico sobre o tema do Sangue de Cristo ter misturado-se com o sangue da Virgem Maria. O que existe é uma estapafúrdia especulativa dos pseudo-teólogos que, infelizmente, povoam os circulos cristãos, principalmente no meio evangélico. Esqueça isso e concentre-se no que ensina a Santa Igreja. Assim, evitará cair em erro.

      Pax Domini

  40. Nós catolicos quando rezamos ou oramos nao precisamos gritar feitos loucos, por que Deus escuta a cada um de nós em silencio tambem, nao precisa se exaltar.

    • Tambem concordo Aparecida , na biblia esta escrito: Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé
      nas sinagogas e nos cantos das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: já
      receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando orares, entra no quarto mais secreto e,
      fechada a porta, reza em segredo a teu Pai, pois Ele, que vê o oculto, há-de recompensar-te.

  41. Os protestantes criticam os catolicos dizendo que adoramos imagens, e eles acreditam que uma pulseira, uma rosa e qualquer outra porcaria faz milagre. Entao por que criticar nós catolicos por causa das imagens?

  42. SAIR DA IGREJA CATÓLICA E SE FILIAR A SEITAS HUMANO-FUNDAMENTADAS É A IDOLATRIA

    A permissão de fazer e venerar imagens de parte de Deus é viável, alguns exemplos: Ex.: Ex 25, 17-22 Deus mandou instalar sobre o propiciatório 2 querubins, e por isso a Bíblia costuma dizer que ” Senhor está assentado sobre os querubins”, vejam: 1 Sm 4,4; 2 Sm 6,2 ; 2 Rs 10-15 e Sl 79,2; 98,1. Bem, em Nm 21,4-9, a serpentes de bronze, 1 Rs 7,28s a descrição dos ornamentos do Palácio de Salomão, bois, leões, querubins, etc., em 1 Rs 6,29s a ornamentação das paredes do Templo, em 1 Rs 7,23-26 o mar de bronze sustentado por 12 bois de metal etc.

    Cristo-Igreja de Cl 1,18 Cl 1,24 Ef 1.22-23 e 1 Cor 12,12s etc., é a única dentre todas as existentes na terra de fundamentação teológica e afastar-se da Igreja para se filiar a uma dessas instituições sectárias religiosas humanas é idolatria. Diz o Catecismo Católico, n° 846:…Por isso não podem salvar-se aqueles que, sabendo que a Igreja católica foi fundada por Deus por meio de Jesus Cristo como instituição necessária, apesar disso não quiseram nela entrar ou nela preseverar.

    Quanto a ajoelhar diante de imagens, melhor ícones, na Igreja em veneração apenas, em Ex 18,7: Moisés prostra-se aos pés de seu sogro, saudando-o e em Gn 43,26 José, pois entrou em casa, e eles, ofereceram-lhes os presentes que tinham nas mãos; e saudaram-no, inclinando-se até à terra etc. etc.

    Pertencer a uma dessas seitas pode bem ser atestado de ignorância religiosa ou se agregar por interesses particulares…

    • Muito bem, Isayas!! É lamentável que o protestantismo evangélico seja tão incompetentes em sua interpretação dos textos do AT…mais ainda do que o são no que se trata do NT.

      • Helen no meio da doença do protestantismo aparece cada peça rara
        as vezes aparecem uns homens que dizem descaradamente que a igreja inventou papas escritores no passado e outros dizem que foi Constantino que crio a igreja católica rsrsrsrs creio que você já ouviu muito isso amiga
        E mas você aqui encontra tantas piadas sobre esses assuntos

        mas o impossível mesmo é eles provarem tudo isso até por que nunca existiu vejam alguns exemplos Helen os historiadores protestantes são tão amadores e falsificadores que chega a da pena
        mas o que eu acho mesmo era de seus registros de historiadores serem caçados e queimados rsrsrsrsrs

        vai um dica meus caros pastores e historiadores protestantes
        só se prova algo como sendo apócrifos ou se como nunca existiu

        somente com testemunhas oculares fatos verídicos e relevantes da época contendo escritos contestações etc…

        que exemplos saibas que todos os escritos dos padres da igreja a maioria fazem referencias de um ao outro em suas obras que vai do primeiro século até o fim do período da patrística

        E mais amiga Helen
        os protestantes são tão amadores né dizem tantas contradições
        vou ti da alguns exemplos Helen

        se a igreja quisesse ela poderia adulterar a bíblia colocar milhares de versículos que fazem referencias de imagens e de adoração

        e mas ainda colocar fim em todos os outros livros

        e se o protestantismo contestar isso que estou escrevendo de nada adianta pois quem colocou na bíblia os livros do novo testamento foi a igreja católica

        E pra por um fim nessa conversa o protestantismo nasceu no ano de 1517 com Lutero e antes não existia nada de ceitas protestantes como também não existem versículos bíblicos em que Deus da autoridades para homens fundar igrejas

        como também não existe nada eu digo nada de profetas escritores padres da igreja Moisés Davi Salomão Eliseu Elias Abraão etc…

        que pregou ou que pregasse a farsa da sola scriptura
        Isso não existe agora eu desafio a qual quer historiador ou pastor protestante de me mostrar isso

        E se aparecer um aqui e vim querer me dizer que existiu eu o chamo de vagabundo mentiroso e herege pois isso não existe se existe pode ter certeza é falsificação barata que só convence mesmo leigos que não procuram a verdade

        Agora resumindo Helen
        medite e raciocine lógica

        se no começo do cristianismo antes de Constantino ter nascido já existem milhares de milhares de provas de arqueologia geologia cartas epístolas escritores bispos padres da igreja mártires decretos documentos que provam e demonstram ser a igreja católica a unica igreja fundada por Jesus Cristo

        UM GRANDE EXEMPLO DISSO HELEN É A HISTÓRIA ECLESIÁSTICA
        DE UNS DOS MAIORES HISTORIADORES DA HUMANIDADE NASCIDO NO ANO 267 DA ERA CRISTÃ EUSÉBIO DE CESARÉIA

        O GRANDE CRIADOR DA HISTÓRIA ECLESIÁSTICA QUE FALA DOS BISPOS ESCRITORES MÁRTIRES PADRES DA IGREJA E DAS MILHARES DE HERESIAS QUE OCORRERAM NOS PRIMEIROS SÉCULOS DA ERA CRISTÃ E QUE FORAM VENCIDAS PELOS PADRES DA IGREJA

        E MAS AMIGA HELEN NESSA GRANDE OBRA HISTÓRIA ECLESIÁSTICA TEM MAS OU MENOS 5000 PAGINAS

        SEM CONTAR OUTROS GRANDES HISTORIADORES DA ÉPOCA
        COMO OPTATO DE MILEVI (367) ENTRE OUTROS ETC…

        E AÍ VEM UM PROTESTANTE DE FUNDO DE QUINTAL FRAUDULENTO ANALFABETO HEREGE TENTANDO A TODO CUSTO CONTESTAR A IGREJA CATÓLICA MAS ISSO É NORMAL NÉ AMIGA AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA A IGREJA CATÓLICA

        HELEN AGORA PARA CALAREM DE VEZ OS HISTORIADORES PROTESTANTES DIGAM PRA ELES HELEN

        QUE TAMBÉM EXISTEM MUITOS HISTORIADORES MODERNOS E CONTEMPORÂNEO NOS DIAS DE HOJE QUE TAMBÉM NEGAM QUE JESUS CRISTO NUNCA EXISTIU

        MAS O IMPOSSÍVEL MESMO É PROVAR ESSE ABSURDO DOENTIO

        PASTORES E HISTORIADORES ATEUS OU PROTESTANTES PODEM TER CERTEZA QUE NA VIDA SEMPRE EXISTIU INTERESSES ÓDIO PONTOS DE VISTA TEORIAS LOUCAS E ABSURDAS COMO ESSAS DE VOCÊS
        POIS ISSO FAZEM PARTE DA ESSÊNCIA HUMANA COMO CONTESTAÇÕES ETC… MAS MESMO EXISTINDO TUDO ISSO SÓ SE PROVA AQUILO QUANDO SE REFUTA E NESSES QUASE 500 ANOS DE PROTESTANTISMO VOCÊS DISSERAM E DISSERAM ESCREVERAM E ESCREVERAM E NÃO PROVARAM NADA

        SÓ MENTIRAS E FALSIFICAÇÕES BARATAS QUE SÓ CONVERTERAM PELA MENTIRA E PELA SAFADEZA

        UM EXEMPLO AMIGA HELEN

        É impossível falsificar escritores um exemplo simples
        só Santo Agostinho tem mas de 100 livros e 200 cartas
        falsificar filósofos escritores pois pode sim falsificar um filósofo ou um escritor sem tem obras mas mesmo assim o passado a história vai demonstrar que eles nunca existiram e assim vai

        RESUMINDO AMIGA HELEN
        me da de pena vê pessoas mergulhadas no engano e na mentira
        5+5 É IGUAL A 10 TÃO SIMPLES NÉ

        • Meu amigo Edmilson,

          Muito obrigada pela participaçao. Se quiser, envia-me um email para tratarmos sobre uma possivel colaboração aqui no Blog.

          Farei o mesmo convite ao Amigo Manuel de Angola. O Blog precisa de colaboradores!!

          Pax Domini

          H.

          • MUITO OBRIGADO PELO CARINHO E PELA CONFIANÇA AMIGA HELEN
            OLHA ESTOU AS VEZES POR AQUI E CASO APAREÇA ALGUM PROTESTANTE COM DUVIDAS OU CRITICAS OU HERESIAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA ESTAREMOS AQUI PARA DEBATER E DEMONSTRAR OS ERROS FICA NA SANTA PAZ

  43. Jarbas,

    Voltei pra postar uma adendo à minha resposta anterior… Foi por conta deste seu comentàrio:
    “o duro é quando uma Igreja tão grande ( pra não dizer a Maior do mundo) leva tantos fiéis a pecar e perderem a sua salvação levando os a adorarem falsos Deuses”

    Vim aqui provar para o sr que aquilo que o sr, depois de tanta explicação, ainda insiste em chamar de idolatria, na verdade não saiu do Catolicismo, e sim do Judaísmo bíblico que o irmão Parece desconhecer:

    Além disso, pra provar que Deus aceita intercessão no mundo espiritual, ou dos mortos, como sr gosta de dizer, eis uma passagem em resposta ao seu pedido para que eu mostrasse na bíblia um ser não vivente ( no mundo físico, como os santos) intercedendo por alguém:

    23-24 Mas se vier um mensageiro dos céus,um entre os milhares de Deus,para interceder por ele, como um amigo,para lhe mostrar o que é recto,então Deus terá compaixão dele e dirá ao intercessor:- ‘Livra-o, para que não desça à cova; tenho resgate para ele’. Jó 33, 23-24

  44. Jarbas;
    Pelo seu comentário o irmão mostrou o seu ponto de vista istó é subjectivismo daquilo que voce acha.
    E também mostrou que a palavra de Deus é relativa ou seja cada um entende como quer,mas somente a doutrina Católica esta errada….. è isto que entendi.

    Para o irmão,se uma faculdade ensina que 1+1=2 e outra ensina que é =4 ambos estão certos…

    • Irmão Manuel,

      Muito boa sua observação, aliás, mais correcta que a minha. De fato, o Sr Nunes vê a si mesmo como a autoridade final, apesar de bradar aos quatro cantos que acredita na Biblia somente, ele admite que é a interpretação pessoal dele a ÚNICA que conta. A contradição, contudo, fica no fato de que para ele, Jarbas Nunes, cada um pode ter sua própria interpretação e estar correto, exceto se ela vier da Igreja Católica, pois se é católica está automaticamente errada!! Não é interessante isso?

    • Irmão Manuel!
      Como Disse Cristo! Isso é Você quem Diz!
      Quem sou Eu para julgar alguém, fiz um comentário a respeito de Dogmas de uma Igreja e se isso inclui alguma Igreja Protestante, se tiver como característica seitas ou Dogmas Adoração a alguma imagem, ou alusão algum espirito que não seja o Espirito Santo pode incluir também !

      Eu só disse que tem coisas que certas igrejas pregam, cobram, induzem seus fiéis, que não estão correto com quem usa a Bíblia em favor da palavra, más lá está como o que não fazer, e isso não tem nada haver com o rumo que vocês inclinaram a conversa.

      Obs: Alerte se para que tudo que for dito a você a respeito da palavra de Deus, abra o livro da verdade e consulte lá, não pergunte a faculdades ou Doutores pois foi estes mesmos doutores, foi quem pregou nosso salvador na cruz.
      Outra coisa eu serei julgado, culpado ou salvo não por vocês ou por algum pastor ou se quer padre.

      E Você irmão Manuel você me questionou e eu respondi, e falei de mim pois a salvação é individual , e o relacionamento de Deus para conosco é de amor real e pessoal, ou seja individual, e se você desfruta de um relacionamento de intimidade sabe do quê estou falando, se descorda só tenho a Orar por você Irmão e Irmã Helen!

      Por algum tempo da minha vida me disseram como deveria me vestir o quê seguir, em quem acreditar, a quem seguir e até mesmo o quê adorar, hoje não mais o faço pela vontade de homem ou Dr. ou faculdade nenhuma e sim pelo Espírito Santo, E não sou único como Dizem, em muitas igrejas inclusive na católica bem discretos e escondidos tem quem o fazem também em secreto adoram somente a Deus contrariando os